Page 1

uma cartilha em busca de uma cidade mais justa [ou] como projetar a partir da perspectiva de gĂŞnero

EV

2017

diego pinheiro fabĂ­ola avamileno giulia giagio heloĂ­sa oliveira lais silva


uma cartilha em busca de uma cidade mais justa [ou] como projetar a partir de uma perspectiva de gênero

EV 2017

diego pinheiro fabíola avamileno giulia giagio heloísa oliveira lais silva

assédios, estupros e abusos são vividos pelas mulheres nas cidades como se transitassem em espaços que não são seus. Isso é reforçado pelo descuido com serviços comuns, como transporte e iluminação. em vez de a cidade se adequar às necessidades de suas usuárias, são elas que mudam hábitos, roupas, percursos e horários.

segundo a organização mundial da saúde, sete em cada dez mulheres no mundo já foram ou serão violentadas em algum momento da vida.

estamos em são paulo queremos repensar essa cidade em constante transformação entender essa cidade desde o centro até a periferia lançar um olhar mais cuidadoso para todxs aquelxs que se utilizam dessa cidade a partir de uma perspectiva da vivência feminina em toda a sua pluralidade para criar espaços que possam ser usufruídos por todxs somos jovens estudantes de arquitetura que questionamos a forma como as cidades se consolidaram até então estamos cansados dessa falsa ideia de democracia das grandes cidades. uma cidade pensada unicamente para o homem branco-cis-hétero não atende a todas as demandas de uma sociedade tão complexa queremos entender as pluralidades ao invés de projetar para uma massa generalizada

POR QUÊ SÃO PAULO NÃO É SEGURA PARA AS MULHERES? desigualdadessociaiscalçadas esburacadasracismodéficit habitacionalfomemedomuros i n s e g u ra n ç a a l a g a m e n t o s c a rê n ciadeserviçospúblicosprostituição sedentarismotrânsitopedofiliaestupro


o espaço urbano reflete as divisões de papéis tradicionais entre os gêneros, que reservam à mulher o âmbito doméstico e ao homem os espaços públicos. Como consequência, nossas cidades são planejadas e construídas por homens e para os homens e reproduzem, assim, as relações de poder e dominação entre gêneros, em um jogo onde a presença do feminino não é bem-vinda.

comopodemos interviremuma c i d a d e j á consolidada apartirdeuma perspectiva masculina?

aumentar e melhorar a iluminação a fim de tornar os espaços mais seguros ampliar a rede de creches para dinamizar a rotina dxs tutorxs repensar o transporte público criar fachadas ativas em toda a extensão dos prédios para que os espaços urbanos possam ser “vigiados” 24h repensar os caminhos da cidade, considerando não só o percurso casa-trabalho, mas também os percursosintermediários repensar os espaços destinados a esportes, ampliando suas possibilidades de usos unir áreas de comércio com áreas de habitação para animar a cidade e evitar lugares residuais criar equipamentos de políticas públicas para mulheres, principalmente em áreas periféricas criar espaços públicos com usos diversificados criar espaços de ampla acessibilidade

“POR UM MUNDO ONDE SEJAMOS SOCIALMENTE IGUAIS, HUMANAMENTE DIFERENTES E TOTALMENTE LIVRES” rosa luxemburgo

impressão color system formato 1152,51x316,98 tipologia museo papel offset 150g / m2 junho de 2017


fachadas ativas

fachadas ativas

creches | playgrounds | esportes

muitos dos espaços residuais da cidade são aqueles para os quais os edifícios dão suas costas, onde ficam áreas como lavanderias, banheiros, escadas, elevadores e muros. essa hierarquização das fachadas é problemática, haja visto que os usos dos edifícios devem se relacionar com a cidade. para que isso se dê de forma qualitativa, devem existir usos variados nas fachadas ao longo do dia e da noite, possibilitando que o transeunte veja e seja visto.

pensar em equipamentos voltados às crianças é também uma forma de dinamizar a rotina das mães, que ainda são, majoritariamente, únicas responsáveis pelo cuidado dos pequenos, principalmente na periferia.criar uma rede de creches,praças e parques está intimamente ligao à independência da mulher. Quanto ao desenho, além de quadras poliesportivas, é necessário ter um espaço com desenho mais orgânico, a fim de abrigar brincadeiras de grupos menores e socialização em geral.

fachadas ativas | esportes creches | playgrounds | esportes creches | playgrounds vida noturna | iluminação

vida noturna | iluminação acessibilidade

muitos dos espaços residuais da cidade são pensar em equipamentos voltados às criquando a noite cai sobre a cidade, esta se tor muitos dos espaços residuais da cidade são quando a noite cai sobre a cidade, esta se tor- portadores de necessidades especiais, assim c pensar em equipamentos voltados às criaqueles para os quais os edifícios dão suas anças é também uma forma de dinamizar a na hostil. isso se dá devido à quase que ine aqueles para os quais os edifícios dão suas na hostil. isso se dá devido à quase que ine- idosos e pessoas com crianças de colo e ca anças é também uma forma de dinamizar a costas, onde ficam áreas como lavanderias, xistente iluminação pública e vida noturna, ou rotina das mães, que ainda são, majoritariacostas, onde ficam áreas como lavanderias, xistente iluminação pública e vida noturna, ou hos de bebê têm direito à uma cidade plenam rotina das mães, que ainda são, majoritariabanheiros, escadas, elevadores e muros. essa seja, faltam comércios noturnos e sobram muro mente, únicas responsáveis pelo cuidado dos banheiros, escadas, elevadores e muros. essa mente, únicas responsáveis pelo cuidado dos seja, faltam comércios noturnos e sobram muros acessível. além das travessias em nível, p hierarquização das fachadas é problemátie becos sem iluminação. essa precariedade resul pequenos, principalmente na periferia.criar hierarquização das fachadas é problemátipequenos, principalmente na periferia.criar e becos sem iluminação. essa precariedade resul- táteis, rampas e corrimãos, simples mudança ca, haja visto que os usos dos edifícios deuma rede de creches,praças e parques está inta em assaltos, sequestros, estupros e homicídios ca, haja visto que os usos dos edifícios deuma rede de creches,praças e parques está inta em assaltos, sequestros, estupros e homicídios, desenho de equipamentos públicos tem o p vem se relacionar com a cidade. para que isso timamente ligao à independência da mulher. causando uma permanente sensação de insegu vem se relacionar com a cidade. para que isso causando uma permanente sensação de insegu- de incluir ou excluir pessoas. bancos das pr timamente ligao à independência da mulher. se dê de forma qualitativa, devem existir usos Quanto ao desenho, além de quadras poliesporrança, principalmente às mulheres, que acabam se dê de forma qualitativa, devem existir usos Quanto ao desenho, além de quadras poliesporrança, principalmente às mulheres, que acabam com braços e encosto, por exemplo, possibil variados nas fachadas ao longo do dia e da noite, por evitar espaços públicos após o anoitecer. Uma tivas, é necessário ter um espaço com desenvariados nas fachadas ao longo do dia e da noite, por evitar espaços públicos após o anoitecer. Uma o conforto dos idosos.mudanças como essa tivas, é necessário ter um espaço com desenpossibilitando que o transeunte veja e seja visto. ho mais orgânico, a fim de abrigar brincadeiiluminação pública voltada para os pedestre possibilitando que o transeunte veja e seja visto. ho mais orgânico, a fim de abrigar brincadeiiluminação pública voltada para os pedestres essenciais para prover o direito de ir e vir ras de grupos menores e socialização em geral. somada à iluminação existente voltada para o ras de grupos menores e socialização em geral. somada à iluminação existente voltada para os cidadãxs e integra-los nas dinâmicas da cid carros, já faria grande diferença nesses espaços


vida noturna | iluminação creches | playgrounds | esportes

acessibilidade

vida noturna | iluminação

quando a noite cai sobre a cidade, esta se torna hostil. isso se dá devido à quase que inexistente iluminação pública e vida noturna, ou seja, faltam comércios noturnos e sobram muros e becos sem iluminação. essa precariedade resulta em assaltos, sequestros, estupros e homicídios, causando uma permanente sensação de insegurança, principalmente às mulheres, que acabam por evitar espaços públicos após o anoitecer. Uma iluminação pública voltada para os pedestres somada à iluminação existente voltada para os carros, já faria grande diferença nesses espaços.

acessibilidade vida noturna | iluminação

portadores de necessidades especiais, assim como idosos e pessoas com crianças de colo e carrinhos de bebê têm direito à uma cidade plenamente acessível. além das travessias em nível, pisos táteis, rampas e corrimãos, simples mudanças no desenho de equipamentos públicos tem o poder de incluir ou excluir pessoas. bancos das praças com braços e encosto, por exemplo, possibilitam o conforto dos idosos.mudanças como essa são essenciais para prover o direito de ir e vir dxscidadãxs e integra-los nas dinâmicas da cidade.

banheiros públicos acessibilidade

comércio públicos | uso misto banheiros

portadores decai necessidades especiais, assim como portadores usosda diversos nível da rua transmitem apesar da de banheiros de fato públicos quando noite cai sobre avoltados cidade, esta se tor-quando defalta necessidades especiais, assim como na apesar falta deno banheiros de fato públicosse n ensar em a equipamentos às cria noite sobre a cidade, esta se torrançaos aohomens pedestre. para quedesse o comércio pessoas crianças de colo carrin- idosos cidade, os homens desse sim- cidade, na é hostil. isso se dá forma devidodeà quase que aine-na idosos e pessoas com usufruem crianças de coloespaço e carrinhostil. eisso se dácom devido à quase quee ineusufruem espaçoseja sim nças também uma dinamizar lizado dessa forma, ou seja, favor dxs cidad hos deiluminação bebê têm direito à uma cidade plenamente porque, quanto cultural- plesmente xistente iluminação públicasão, e vida noturna, ouxistente de bebê têm direitotanto à umasocial cidade plenamente porque, tanto sociala quanto cultura pública e vida noturna, ou hosplesmente tina das mães, que ainda majoritariamesclar usos diurnos noturnos nascidad quad acessível. além dasnoturnos travessias em nível, pisos acessível. mente, éalém aceitável eles usem própriapisos cidade mente, seja, únicas faltam comércios noturnos e sobramdos murosseja, das que travessias ema nível, é aceitável que eleseusem a própria ente, responsáveis pelo cuidado faltam comércios e sobram muros tembanheiro o satisfatório de aumenta táteis, rampas e corrimãos, simples mudanças como banheiro – o que simples não é permitido para e becos sem iluminação. essa resul-e becos rampas e corrimãos, mudanças no as como – o queresultado não é permitido para a equenos, principalmente naprecariedade periferia.criar sem iluminação. essa precariedade resul- no táteis, sensação defato segurança transita desenho desequestros, equipamentos públicos tem o poder desenho em assaltos, sequestros, estupros e homicídios, mulheres. Esse fato também se relaciona com o mulheres. de equipamentos públicos tem o poder Esse tambémde se quem relaciona com matarede de creches,praças e parques está inta em assaltos, estupros e homicídios, de incluir oupermanente excluir pessoas. bancos praças de não esses espaços. no lugar de largas extensões co pertencimento da mulher à cidade na me- não causandoligao uma àpermanente sensação de insegu-causando incluir ou excluir pessoas. bancos das praças pertencimento da mulher à cidade na me mamente independência da mulher. uma sensação de das insegupostas apenas por residências m comprincipalmente braços e encosto, por exemplo, dida em que o simples de não ter banheiro dida rança, que acabamrança, braços e encosto, por fato exemplo, possibilitam às mulheres, quepossibilitam acabam com em que o simples fato de não muradas, ter banheir uanto aoprincipalmente desenho, além às demulheres, quadras poliesporlógicoseguro é unire comércios às habitações, in conforto dos públicos idosos.mudanças como essa público, dos seguro e limpo disponível afeta esco- público, poréevitar espaços públicos após ocom anoitecer. Umaporoevitar idosos.mudanças como essaasão limpo disponível afeta a esco vas, necessário ter um espaço desenespaços após o anoitecer. Umasão o conforto essenciaispública para prover o direito de pedestres ir e vir dxs- essenciais esses usosou aonão longo das ruaspúblico da cida lha destas de ocupar não osde espaços públicos. pública para brincadeios pedestresiluminação para prover ou o direito ir e vir dxs- lhacalando destas de ocupar os espaços o iluminação mais orgânico, a fimvoltada de abrigar voltada para os cidadãxs e integra-los nas dinâmicas da cidade. essa mudança deve ser apoiada pela criação à iluminação existente voltada para ossomada à iluminação existente voltada para os cidadãxs e integra-los nas dinâmicas da cidade. s somada de grupos menores e socialização em geral. uma legislação que incentive essa coexistên carros, já faria grande diferença nesses espaços.


banheiros públicos acessibilidade

banheiros públicos

comércio | uso misto

apesar da falta de banheiros de fato públicos na cidade, os homens usufruem desse espaço simplesmente porque, tanto social quanto culturalmente, é aceitável que eles usem a própria cidade como banheiro – o que não é permitido para as mulheres. Esse fato também se relaciona com o não pertencimento da mulher à cidade na medida em que o simples fato de não ter banheiro público, seguro e limpo disponível afeta a escolha destas de ocupar ou não os espaços públicos.

usos diversos no nível da rua transmitem segurança ao pedestre. para que o comércio seja utilizado dessa forma, ou seja, a favor dxs cidadãxs, mesclar usos diurnos e noturnos nas quadras tem o satisfatório resultado de aumentar a sensação de segurança de quem transita por esses espaços. no lugar de largas extensões compostas apenas por residências muradas, mais lógico é unir comércios às habitações, intercalando esses usos ao longo das ruas da cidade. essa mudança deve ser apoiada pela criação de uma legislação que incentive essa coexistência.

comércio | uso misto banheiros públicos

transporte público e fluxos comércio | uso misto

assistência transporte públicoàemulher fluxos

o transporte público mercadoria diversos no nível da apesar falta de banheiros deassim fato públicos na usos em umapúblico sociedade emmercadoria que o feminin o transporte como tamadores deda necessidades especiais, como apesar usos diversos no nível da ruacomo transmitem segu- tamda falta de banheiros de rua fatotransmitem públicos naseguagrava opara nãoque pertencimento da utimulherbém à continuamente rança ao pedestre. para que o comércio seja utios homens usufruem desse espaço simoprimido, odapoder agrava o não pertencimento mulherpúb à rança bém ao pedestre. o comércio seja oscidade, e pessoas com crianças de colo e carrincidade, os homens usufruem desse espaço simisso porque empresas responsáveis, lizadoporque, dessa forma, seja,quanto a favorculturaldxs cidadãxs, porque, tanto socialplenamente quanto culturaldeve oferecer que forneçam cidade. isso porqueequipamentos as empresas responsáveis, lizadocidade. dessa forma, ou seja,as a favor dxs cidadãxs, deplesmente bebê têm direito à uma cidade plesmente tanto ou social sejam elas públicas ou privadas, mesclar usos diurnos e noturnos quadras mente, é aceitável que eles em usem a própria apoio e emocional às sejamformação, elas públicas ou físico privadas, preocupam-se mesclar usos diurnos e noturnos nas preocupam-se quadras sível. além das travessias nível, pisoscidade mente, é aceitável que eles usem a próprianas cidade o lucro gerado e nãodecom a qualidade o satisfatório resultado de aumentar a banheiro – o que não émudanças permitidono para como as tem e trans - oscom quaisadevem ser imp com lheres o lucro- cis gerado e não qualidade do ocom satisfatório resultado aumentar a do s,como rampas e corrimãos, simples banheiro – o que não é permitido para as tem serviço prestado axs cidadãxs. comoporconsede segurança quem transita mulheres. Esse fato também relaciona o sensação tados por todaaxs a cidade. esses centros de a serviço prestado cidadãxs. como consesensação de segurança de quem transita enho de equipamentos públicossetem o podercommulheres. Esse fato também sede relaciona com o por quência, no oslugar ônibus, trens extensões e metrôs comsuperlotaesses espaços. no de à largas extensões não ou pertencimento da mulher cidade na meà mulher podemtrens agregar delegacias da mulh quência, os ônibus, e metrôs superlotaesses espaços. de largas ncluir excluir pessoas. bancos àdas praças não pertencimento da lugar mulher cidade na me-comtornam-se locais propícios para mais o assédio. postas por residências dida em que o simples fato depossibilitam não ter banheiro centros de locais referência lgbtqia+, ferram dos tornam-se propícios paracomo o assédio. postasdos apenas por residências muradas, braços e encosto, por exemplo, dida em que apenas o simples fato de não termuradas, banheiro mais o desenho, ampliar interas linhasassim, e tasrepensar lógico é unir comércios às afeta habitações, público, e limpo disponível afeta a escode auxílio construção igualitária da cid o àdesenho, ampliar as linhas e nforto dosseguro idosos.mudanças como essa são lógicoassim, é unirrepensar comércios às habitações, público, seguro e limpo disponível a esco-interter esses um maior controle sobre quantidade de calando esses usos ao os longo das ruas da cidade. lha destas ocupar ou nãode os ir espaços públicos. ter um maior controle sobre a quantidade de nciais para de prover o direito e vir dxscalando usos ao longo das ruasada cidade. lha destas de ocupar ou não espaços públicos. passageiros nesses transportes tornaria essa mudança deve ser apoiada pela criação de passageiros nesses transportes tornaria a lodãxs e integra-los nas dinâmicas da cidade. essa mudança deve ser apoiada pela criação de a locomoção mais convidativa para as mulheres. uma legislação que incentive essa coexistência.


comércio público | uso misto transporte e fluxos

os no público nível da como rua transmitem seguo diversos transporte mercadoria tamnça aoagrava pedestre. parapertencimento que o comércio uti- à bém o não daseja mulher ado dessa forma, ou seja, a favor dxsresponsáveis, cidadãxs, cidade. isso porque as empresas esclar diurnos e quadras sejam usos elas públicas ounoturnos privadas,nas preocupam-se m o o satisfatório resultado de aumentar com lucro gerado e não com a qualidadea do nsação segurança quem transita por serviço de prestado axs de cidadãxs. como conseses espaços. lugar de largas comquência, osno ônibus, trens e extensões metrôs superlotaostas apenas porlocais residências muradas, mais dos tornam-se propícios para o assédio. gico é unir comércios às habitações, assim, repensar o desenho, ampliar as interlinhas e lando esses usos ao longo das ruas da cidade. de ter um maior controle sobre a quantidade sa mudança deve ser transportes apoiada pelatornaria criação de passageiros nesses a loma legislação queconvidativa incentive essa coexistência. comoção mais para as mulheres.

transporte público e fluxos

assistência à mulher

o transporte público como mercadoria também agrava o não pertencimento da mulher à cidade. isso porque as empresas responsáveis, sejam elas públicas ou privadas, preocupam-se com o lucro gerado e não com a qualidade do serviço prestado axs cidadãxs. como consequência, os ônibus, trens e metrôs superlotados tornam-se locais propícios para o assédio. assim, repensar o desenho, ampliar as linhas e ter um maior controle sobre a quantidade de passageiros nesses transportes tornaria a locomoção mais convidativa para as mulheres.

em uma sociedade em que o feminino é continuamente oprimido, o poder público deve oferecer equipamentos que forneçam informação, apoio físico e emocional às mulheres - cis e trans - os quais devem ser implantados por toda a cidade. esses centros de apoio à mulher podem agregar delegacias da mulher e centros de referência lgbtqia+, como ferramentas de auxílio à construção igualitária da cidade.

transporte público e fluxos assistência à mulher o em transporte público como mercadoria tam- é uma sociedade em que o feminino bém agrava o não oprimido, pertencimento da mulher à continuamente o poder público cidade. isso porque as empresas deve oferecer equipamentos queresponsáveis, forneçam insejam elas públicas privadas, preocupam-se formação, apoio ou físico e emocional às mucom o lucro não comdevem a qualidade do lheres - cis gerado e trans -e os quais ser implanserviço prestado cidadãxs. como de consetados por toda a axs cidade. esses centros apoio quência, ospodem ônibus, trens delegacias e metrôs superlotaà mulher agregar da mulher e dos tornam-se locais propícios o ferramenassédio. centros de referência lgbtqia+,para como assim, desenho, ampliar as da linhas e tas derepensar auxílio àoconstrução igualitária cidade. ter um maior controle sobre a quantidade de passageiros nesses transportes tornaria a locomoção mais convidativa para as mulheres.

assistência à mulher em uma sociedade em que o feminino é continuamente oprimido, o poder público deve oferecer equipamentos que forneçam informação, apoio físico e emocional às mulheres - cis e trans - os quais devem ser implantados por toda a cidade. esses centros de apoio à mulher podem agregar delegacias da mulher e centros de referência lgbtqia+, como ferramentas de auxílio à construção igualitária da cidade.

Profile for silvalaismp

Como projetar a partir da perspectiva de gênero  

Como projetar a partir da perspectiva de gênero  

Advertisement