Issuu on Google+

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo Curso Profissional de Técnico de Apoio à Infância

Ano Letivo 2011/2012 Ano: 2.º | Turma: L

Expressão Plástica

MÓDULO 5 EXPRESSÃO PLÁSTICA BIDIMENSIONAL

MATERIAIS RISCADORES


EPDRR | CP Técnico de Apoio à Infância | Expressão Plástica

| Módulo 5

INTRODUÇÃO

Vários são os materiais que podemos utilizar para desenhar, mas precisamos saber distingui-los por tipologias ou “famílias. Os materiais riscadores podem ser divididos em riscadores secos e riscadores húmidos, sendo que nos primeiros podemos enquadrar os lápis, o carvão e a esferográfica, e, nos segundos, a tinta permanente, a aguarela ou a têmpera. Também ao nível dos suportes que pudemos utilizar, encontramos uma grande variedade ao nosso dispor. Pudemos recorrer a materiais muito diversos, desde uma simples folha de papel, passando pela tela, por uma tábua de medeira, até ao chão ou uma parede. Neste módulo pretende-se fazer uma abordagem de alguns dos materiais mais utilizados, dando principal destaque aos poderão ser utilizados no âmbito da futura prática profissional a que este curso profissional se destina, mas não descuidando a fulcral importância que o desenvolvimento de um trabalho criativo tem para a expressão plástica.

Expressão Plástica Bidimensional

|

Prof.ª Luísa Marques

|

Ano Letivo 2011/2012

2


EPDRR | CP Técnico de Apoio à Infância | Expressão Plástica

I.

MEIOS RISCADORES SECOS

| Módulo 5

Experiência I Numa folha de papel do caderno de apontamentos de Expressão Plástica, escreva a designação das diferentes durezas da grafite (1 por linha).

A GRAFITE

* Grafites duras - Hs (do H ao 8H);

A grafite, sob a forma de lápis, é o mais simples

* Grafites médias - HB, o F e o B;

material de desenho que conhecemos. É de

* Grafites macias - Bs

fácil utilização e permite uma expressividade

(do 2B até ao 9B).

gráfica muito variada - devido à variedade de

Fazer um traço com o lápis correspondente, na

durezas em que existe disponível.

linha com a designação correspondente.

As minas mais duras permitem traços mais finos, de uma coloração cinza-pálido, e as mais

* O processo é muito acessível, direto e pode

macias produzem traços mais grossos e negros.

ser aplicado sobre diversos suportes.

Esta diferença deve-se à forma como a dureza da mina condiciona a quantidade de grafite

* A grafite produz traços monocromáticos (de

que se vai depositar no suporte utilizado.

uma só cor), mas permite uma variada gama de tons cinza.

A classificação das minas de grafite é feita da seguinte forma:

* É a dureza da mina e o tipo de suporte que

* As grafites duras são os Hs (do H ao 8H);

vão condicionar a expressão final de cada

* As grafites médias são o HB, o F e o B;

trabalho.

* As grafites macias são os Bs (do 2B até ao 9B).

* Desenhar a grafite obriga a uma análise cuidada e demorada do objeto a representar. É preciso observar com muito cuidado, estudar de forma rigorosa o objeto e por vezes, a realização de um esboço rápido do objeto para melhor o compreender.

Expressão Plástica Bidimensional

|

Prof.ª Luísa Marques

|

Ano Letivo 2011/2012

3


EPDRR | CP Técnico de Apoio à Infância | Expressão Plástica

| Módulo 5

O sombreado resulta sobretudo do suporte escolhido, mais liso ou mais rugoso.

4

A expressão dos registos varia com:

GIZ

1) o grau de dureza da mina; 2) a pressão exercida; 3) a velocidade do gesto;

Para além do giz utilizado para escrever nos

4) o esfumado.

quadros das escolas, também existe adequado ao desenho, como é o caso da sanguínea

A grafite utiliza-se através da justaposição ou

(originalmente giz natural). Para além da sua

cruzamento de traços. O traço será mais

aparência sob a forma de barra

intenso à medida que passamos de uma zona

paralelepipédica ou cilíndrica, também pode

de luz para uma zona de sombra. É tanto mais

ser encontrado sob a forma de lápis.

irregular quanto maior a aspereza do papel. É o cruzamento das linhas que acentua a

Este material proporciona uma grande

tonalidade.

variedade de tons e matizes, muito

As sombras obtêm-se pelo movimento da mão

semelhantes às do carvão. Tal como na grafite,

ou do pulso.

a expressão dos registo também resulta da

A mancha pode ser expressa por traços ou

pressão exercida sobre o material, da

pontos justapostos ou sobrepostos, linhas de

velocidade do gesto, do esfumado, mas

diferentes espessuras, ou até, por

também da posição em que se utiliza o

apontamentos de borracha.

material para riscar (a parte plana da barra ou afiado como uma lápis).

Expressão Plástica Bidimensional

|

Prof.ª Luísa Marques

|

Ano Letivo 2011/2012


EPDRR | CP Técnico de Apoio à Infância | Expressão Plástica

| Módulo 5

5 As suas marcas resultam por fricção, esfumando com os dedos ou diluição com pincel molhado em essência de terebentina, podendo originar manchas e dégradés semelhantes às da aguarela. Também podem ser raspadas com lâminas, mas são extremamente difíceis de apagar. As cores podem ser utilizadas de forma isolada ou sobrepostas, devem utilizar-se

CERA

preferencialmente sobre cartão.

A cera pode apresentar-se sob a forma de lápis ou de barra. Existindo numa grande variedade de cores, o seu processo de fabrico resulta da mistura de pigmentos com óleos vegetais. Nesta mesma família de materiais, pelo seu processo de fabrico e propriedades físicas, também podemos enquadrar os pastéis a óleo, com as mesmas características que as ceras, mas mais secas e duras, mas mais gordurosas.

Expressão Plástica Bidimensional

|

Prof.ª Luísa Marques

|

Ano Letivo 2011/2012


EPDRR | CP Técnico de Apoio à Infância | Expressão Plástica

| Módulo 5

LÁPIS DE COR

O lápis de cor, tal como o lápis de grafite, apresenta-se com diferentes durezas, existindo mais brandos e mais duros. Para o desenho, são os mais brandos os mais aconselhados, devendo também ser escolhido um papel com

6

alguma rugosidade. Os traços não se fundem, isto é, as cores não se misturam umas com as outras, mas a sobreposição de linhas e cruzamento de traços permite-nos realizar uma mistura ótica das cores.

Existem lápis de cor aguareláveis, lápis solúveis em água, proporcionando um efeito de aguarela através da ação de um pincel embebido em água sobre os traços previamente feitos.

Em termos técnicos, a sua utilização é em tudo semelhante à do lápis de grafite, com a diferença que o resultado é policromático.

Expressão Plástica Bidimensional

|

Prof.ª Luísa Marques

|

Ano Letivo 2011/2012


EPDRR | CP Técnico de Apoio à Infância | Expressão Plástica

| Módulo 5

CANETAS DE FELTRO

Também conhecidos como marcadores, estão disponíveis numa grande variedade de cores e espessuras. À base de água ou de álcool, podem ter pontas redondas, biselas, em cunha ou pincel.

7 Pode utilizar-se recorrendo a linhas paralelas, sempre no mesmo sentido, ou cruzadas. Também se podem fundir cores, sobrepor traços para gerar um tom mais escuro. As pontas mais finas usam-se para os detalhes e áreas pequenas, os maiores e mais largos, para as áreas maiores.

Expressão Plástica Bidimensional

|

Prof.ª Luísa Marques

|

Ano Letivo 2011/2012


EPDRR | CP Técnico de Apoio à Infância | Expressão Plástica

II.

| Módulo 5

MEIOS LÍQUIDOS PINCEL

CANETA Existem vários tipos de canetas – de aparo metálico, aparo de fibra, de esboço, estilográfica, de ponta de feltro, de cana, de pena de ave – possibilitando a obtenção de uma grande variedade de traços. As diferentes variações resultam da pressão, da direção e do modo como se segura o instrumento de

Existem vários tipos de pincéis, variando em tamanho, em formato e em tipo de pelo. O pelo pode ser fino ou duro, natural ou sintético, de cerda de marta, de pelo de boi, de

desenho.

doninha, lontra, pónei, gazela, esquilo; o cabo pode ser comprido ou curto; pode ser de

A linha é o elemento visual predominante na

forma redonda, quadrada ou língua-de-gato.

utilização de canetas, seja através de traços de diferentes comprimentos, direções e

A expressividade da linha e da manchas será

espessuras, seja através de tramas que

tão mais rica, quanto maior for o domínio dos

proporcionam a criação de texturas, manchas e superfícies. Em termos cromáticos, também se pode obter uma multiplicidade de

instrumentos por parte do utilizador. A pintura/desenho efetuada a pincel é transparente e plena de luz.

resultados, uma vez que existem várias cores e tipos de tinta no mercado para trabalhar com estes instrumentos (nanquim, aguarelas,

O papel a utilizar deve ser absorvente, para que a tinta não escorra. Caso se queira

anilinas, tinta-da-china, sépia).

recorrer às aguadas e manchas, deve ser escolhido um papel texturado com uma maior capacidade de tolerância da humidade.

AGUARELA A aguarela resulta da junção de pigmentos em pó com uma substância aglutinante (gomaarábica – seiva retirada da acácia africana). A única diferença relativamente a outras

Expressão Plástica Bidimensional

|

Prof.ª Luísa Marques

|

Ano Letivo 2011/2012

8


EPDRR | CP Técnico de Apoio à Infância | Expressão Plástica

| Módulo 5

variedades de tinta, é a não existência do

os traços e manchas anteriores pode ser

branco. Na aguarela, o branco resulta da não

minimizado através da realização de um

colocação de qualquer pigmento sobre o

esboço prévio da composição.

papel, ou, utilizando guache branco.

Nas papelarias e lojas especializadas, as aguarelas podem ser compradas sob a forma de tubo, pastilhas ou líquida.

9 GUACHE O guache resulta da mistura dos mesmos produtos utilizados para fabricar a aguarela mas, ao contrário da aguarela, as tintas resultantes são opacas. Geralmente encontram-se em tubos, boiões ou frascos, consoante a quantidade. Em termos expressivos, o guache permite-nos obter uma grande variedade de resultados através de camadas completamente opacas ou

Ao nível da expressão dos seus registos, destaca-se a transparência e luminosidade como principais características. Aplicada

aguadas e transparentes de cor, aplicadas em linhas, manchas e texturas variadas. Devido às suas características, e a fim de retirar o maior

através de aguadas, e produzindo as tonalidades mais claras diretamente sobre o próprio papel, adicionando mais água para diluir a concentração do pigmento. Os traços, manchas e texturas são produzidos pela posição, velocidade e direção do pincel. Neste processo, o papel tem uma função

partido das suas potencialidades plásticas, deve recorrer-se a um papel revestido de cola, de superfície dura, ou cartão. Tal como nos restantes meios líquidos, a expressividade resulta do modo como se manuseia o pincel na aplicação da tinta.

fulcral, devendo ser encorpado, duro, texturado e com uma grande capacidade de tolerância à humidade e à luz. A tinta de aguarela pode ser aplicada por sobreposição de velaturas ou sobre fundo seco, no entanto, a impossibilidade de corrigir

Expressão Plástica Bidimensional

|

Prof.ª Luísa Marques

|

Ano Letivo 2011/2012


EPDRR | CP Técnico de Apoio à Infância | Expressão Plástica

| Módulo 5

ACRÍLICO

Bibliografia

As tintas acrílicas resultam da junção de

RAMOS, Elza; PORFÍRIO, Manuel – Arte Para

pigmentos com aglutinantes sintéticos.

Jovens - Educação Visual. 3.º Ciclo do Ensino

Disponível em boiões, tubos e frascos, com

Básico. 7.º/8.º/9.º Anos de Escolaridade. S. l.:

uma variedade considerável de substâncias

Edições ASA, 2009. ISBN:978-972-41-4674-4-1

que podem ser adicionadas para obter resultados diferentes, pode ser aplicada com

10

pincel, trincha ou espátula. O processo de secagem é relativamente rápido, apresentando variações em função da temperatura ambiente, não apresenta grandes variações de coloração depois de seco nem com a ação do tempo. Por ser produzido com aglutinantes sintéticos/plásticos, (uma “receita” recente, resultado de um aperfeiçoamento realizado durante a década de 50 do século passado) permite a sua aplicação numa grande diversidade e de superfícies. (papel de gramagem superior, cartão, tela, madeira, entre outros). As cores podem ser sobrepostas por velatura ou através de camadas opacas.

Expressão Plástica Bidimensional

|

Prof.ª Luísa Marques

|

Ano Letivo 2011/2012


Caderno de materiais, técnicas e suportes de expressão plástica bidimensional