Page 12

i

i

i

i

6

Análise de Discurso Crítica da publicidade

ção) é ‘oportunista’. Não somos militantes da ortodoxia, o que significa que adoptamos a estratégia de repescar as contribuições que melhor possam adequar-se à análise do nosso objecto de estudo, sem nunca perder de vista as potencialidades e os limites das correntes, dos paradigmas epistemológicos em que estão inseridas. É precisamente esta posição que nos conduz a um trabalho de adequação e de revisão constante do que temos vindo a escrever. Apresentamos como exemplo, o ensaio “Das especificidades estruturais das mensagens publicitárias” (2004), fortemente inspirado em Roman Jakobson, concretamente nos seus conceitos de ‘função comunicacional’ e ‘género’. Mercê da abordagem fortemente estruturalista, que impossibilita realmente averiguar a publicidade enquanto fenómeno de comunicação (cujos sentidos também decorrem do modo como as mensagens reflectem outros contextos de enunciação e as modalidades segundo as quais os destinatários delas se apropriam), ensaiámos outros estudos agora centrados noutros autores que nos têm vindo a propiciar abordagens complementares e mais enriquecedoras. É o caso de Austin (“A monstruosidade das marcas: da massificação à absoluta singularidade” – 2004), Searle e Grice (“A insinuação dos apelos; a alusão das promessas. Sobre o estatuto do implícito na comunicação publicitária”- 2007) ou Mikäil Bakhtine (“Selling by laughs. The place of commedy on the advertising discourse” – 2009), para apresentar alguns exemplos. Em suma, este espírito heterodoxo, assumidamente prático, não querendo pertencer a qualquer corrente de pensamento (pelo contrário, recolhendo delas as suas potencialidades, assumindo, em contrapartida, que qualquer uma apresenta os seus limites) vai resultar numa evidente heterogeneidade temática. Não gostaríamos que fosse interpretada como um sintoma de dispersão, mas o índice de um percurso de experimentação de abordagens, paradigmas, modelos. Apresentemos sucintamente os ensaios que aqui propomos sobre a temática da publicidade comercial e que são significativos deste percurso rumo à sua caracterização enquanto fenómeno de sentido e de comunicação. No atinente ao “Das especificidades estruturais da mensagens publicitárias”, já referimos que o autor fundamental subjacente é Roman Jakobson. Neste estudo procurámos responder à seguinte questão-problema: o que é a publicidade www.livroslabcom.ubi.pt

i

i i

i

Ensaios de comunicação estrategica  

comunicação