Page 1

Ceará em Brasília Jornal da Casa do Ceará

www.casadoceara.org.br

DEVOLUÇÃO GARANTIDA

CORREIOS

Ano XXV - 267 - Setembro de 2014

Foto: Herman Dantas

Casa do Ceará aguarda aprovação do projeto Fausto Nilo pela Administração de Brasília para licitar a venda do modulo F e a construção da nova Casa. Leia mais na pág. 05

Leia nesta edição Editorial, pág. 2 Espaço Luciano Barreira, pág. 2 Conversando com o Leitor, pág 2 Expediente, pág. 2 Samburá - Avenida Beira Mar, pág 3 Tribunal de Justiça do Ceará implanta Processo Judicial Eletrônico, pág. 4 Juizado da Mulher concedeu mais de três mil medidas protetivas, pág. 4 Conselheiro do CNJ entrega relatório do Mutirão Carcerário, pág. 4 Anúncio de José Lírio de Aguiar, pág. 4 TRE enviar últimos lotes de urnas eletrônicas para o interior do Estado, pág. 5 Anúncio da Marquise, pág. 5 Leituras I - Artigo de Gonzaga Mota, Dois Conceitos e Belas Telas, pág. 6 Beach Park contribui com a preservação do meio ambiente, pág. 6 Crato-CE: Kombi é usada como mercearia itinerante, pág. 6 Leituras II - Artigo de Wilson Ibiapina, Carlos Augusto, Ava Gardner e Fernando César, pág. 7 Anúncio do Uniceub, pág. 7 Leituras III - Artigo de José Maria Leitão, 7 de Setembro – O melhor colégio e as melhores lembranças, pág. 8 Leituras IV - Acopiara Artigo de JB Serra e Gurgel: “Meton, notas de uma vida”, uma trajetória e um exemplo”, pág. 9 Anúncio de M. Dias Branco, pág.10 Anúncio do Expresso Guanabara, pág.11 Leituras V - Artigo de João Soares, A inveja, mais uma versão e alguns palpites, pág. 12 Museu da Indústria foi inaugurado em 10.09 e mostra a evolução da industrialização do Ceará. Está aberta a visitação pública, pág. 12 Leituras VI - Artigo de Gervásio de Paula, Somos culpados, pág. 13 Entre erros e acertos, o escritor e jornalista Xico Sá homenageia musas e celebridades nacionais, pág. 13 Leituras VII - Artigo de Macário Batista, Todo penso é torto, pág. 14 SENAI/CE cria política de propriedade intelectual, pág. 14 Requalificações urbanísticas do Cumbuco e da Prainha são autorizadas, pág. 14 PIB cearense cresce 3,04% no segundo trimenstre de 2014, pág. 14 Leituras VIII - Artigo de Jarbas Studart Gurgel, Realizações do DNOCS em Pesca e Piscicultura, pág. 15 Fortaleza apresentou a menor dívida por família em 2013, pág. 16 Luiz Roberto Maldonado ganhou título de Cidadão Cearense, pág. 16 UFC é a universidade que mais cresce com pedidos de patente no País, pág. 16 Anúncio Nacionalgás, pág. 16 Projetos especiais - Momentos marcantes da vida do prof. Albery Mariano, pág.17 Página da Mulher, artigo de Regina Stella, Seca: a tragédia se repete, pág. 18 Os cearenses na Cozinha de Brasília, pág. 18 Leituras IX - Humor Negro e Branco humor, O Barbeiro, pág. 19 Relator inclui em MP prazo até 2018 para municípios acabarem com lixões, pág. 19 Senadores cobram apoio federal para fim dos lixões, pág 19 Anúncio do Beach Park, pág. 20

Senador Eunicio Oliveira (PMDB-PSDB)

deputado Camilo Santana (PT e PROS)

Beto Studart assumiu a presidência da Federação das Indústrias do Estado do Ceará-FIEC. Leia mais na pág. 17

Presença do Grupo M. Dias Branco se acentua no mercado de biscoitos, massas e moagem de trigo no Brasil. Leia mais na pág. 08 Quatro cearenses disputam vagas no Senado, uma é candidata ao Governo de Roraima, três disputam cadeiras na Câmara dos Deputados, Tiririca, em São Paulo, Juraci Tesoura de Ouro e Erica Kokai, em Brasilia e um quer voltar à Camara Distrital, Chico Leite. Leia mais na pág. 09

deputada Eliane Novais (PSB)

Tasso Jereissati (PMDB-PSDB)

deputado Mauro Filho (PT e PROS)

Geovana Cartaxo (PSB)

Eis os candidatos aos postos majoritários do Ceará: ao Governo, senador Eunicio Oliveira, deputado Camilo Santana e deputada Eliane Novais, candidatos ao Senado: deputado Mauro Filho, sr. Tasso Jereissati e sra. Germana Cartaxo.


acesse o site: www.casadoceara.org.br

Espaço Luciano Barreira Diálogo entre Dircinéia e Craudete

Edi t o r i a l

O Governo de São Paulo pôs em prática uma velha ação da Funceme do Ceará, bombardeando as nuvens para ver se chove. A paulistada ficou surpresa e encantada com a divulgação fato pelas tevês. Vejam vocês: no Ceará, há anos que a Funceme faz isso. Ás vezes, chove. Na maioria delas, não. A coisa ficou tão braba que em Itu onde um pingo de chuva pesava uma tonelada hoje não pesa 1 grama, mas era em Itu, com águas do Tietê, que a paulistada fabricava cerveja pra todo o Centro Sul... Não sei de onde estão tirando água para fazer cerveja... Em Itu, estão cavando poços artesianos e cartesianos, a população faz fila, desde madrugada, numa bica da prefeitura para pegar água e as donas de casa usam latões, camburões e vasilhames de plástico para guardar água. Uma repórter da Globo mostrou uma dona de casa de Itu tomando banho de cuia e aproveitando a água para lavar o vaso. Outra foi apresentada lavando a louça, aproveitando água para ensaboar e .enxaguar. Coisas que a dona de casa nordestina , convivendo com a seca, aprendeu há séculos.. Para a paulistada com um olho na moça do tempo da Globo e na escassez de água nas torneiras e nos reservatórios, até o volume morto está minguando, tudo é novidade. E se não chover muito este ano, como será 2015. No Nordeste, já se prevê uma nova seca. Inácio de Almeida (Baturité) Diretor Expediente

Fundada em 15 de outubro de 1963 Fundadores – Chrysantho Moreira da Rocha (Fortaleza) e Álvaro Lins Cavalcante (Pedra Branca) Diretoria Presidente - Osmar Alves de Melo (Iguatu): José Sampaio de Lacerda Junior (Fortaleza), 1º vice; Luiz Honzaga de Assis, (Limoeiro do Norte) 2º vice; Evandro Pedro Pinto (Fortaleza), Administração e Finança Edivaldo Ximenes Ferreira (Fortaleza), Planejamento e Orçamento; Vicente Magalhães (Aurora), diretor de Educação e Cultura; Francisco Machado da Silva (Pedra Branca), Saúde; JB Serra e Gurgel (Acopiara), Comunicação Social, general Nilton Pessoa Cavalcante (Iracema) Obras, Maria Áurea Assunção Magalhães (Fortaleza), Promoção Social, e João Rodrigues Neto (Independência), Jurídico. Conselho Fiscal Membros efetivos: José Ribamar Oliveira Madeira (Uruburetama), José Colombo de Souza Filho (Fortaleza) e José Carlos Carvalho ( Itapipoca); Membros suplentes: Antônio Florêncio da Silva (Fortaleza), e José Aldemir Holanda (Baixio). Jornal da Casa do Ceará Fundador e Editor Emérito - Luciano Barreira (Quixadá) Conselho Editorial Ary Cunha (Fortaleza), Carlos Pontes (Nova Russas), Edmilson Caminha (Fortaleza), Egidio Serpa (Fortaleza), Frota Neto (Ipueiras), Geraldo Vasconcelos (Tianguá), Gervásio de Paula (Fortaleza), Haroldo Hollanda (Fortaleza), Jorge Cartaxo (Crato), J. Alcides (Juazeiro do Norte), José Jézer de Oliveira (Crato), Lustosa da Costa (Sobral), Marcondes Sampaio (Uruburetama), Milano Lopes (Fortaleza), Narcélio Lima Verde (Fortaleza), Orlando Mota (Fortaleza), Paulo Cabral Jr. (Fortaleza), Raimunda Ceará Serra Azul (Uruburetama), Roberto Aurélio Lustosa da Costa (Sobral) e Tarcisio Hollanda (Fortaleza). Diretor Inácio de Almeida (Baturité) Editores JB Serra e Gurgel (Acopiara) e Wilson Ibiapina (Ibiapina) Gurgel@cruiser.com.br / wilsonibiapina@globo.com Editoração Eletrônica Casa do Ceará Distribuição Antonia Lúcia Guimarães Circulação O jornal não se responsabiliza por textos assinados. Banco de dados com apoio da ANASPS - Brasília – DF SGAN Quadra 910 Conjunto F - Asa Norte | Brasília-DF CEP 70.790-100 | Fone: 3533 3800 casadoCeará@casadoCeará.org.br / www.casadoCeará.org.br

Setembro/14

2

Aproveitando a ausência dos patrões, Dircinéia pega o telefone e “fofoca com a amiga Craudete”: - Oi, Crau, hoje de manhã eu fui à feira. Antes de sair, meu patrão me pediu pra eu trazer figo. Aí, eu perguntei: Figo fruta ou bife de figo? O home ficou uma fera. Gente fina, seu Adamastor, num ligo não. Ele tem sistema nervoso. Também, com um emprego chato daqueles, vou te contar... Ele é Fiscal da Receita. Deve ser um saco ficar conferindo receita de médico o dia inteiro, né não? Depois chegou o Adamastorzinho, o filho mais novo deles. Acabou de ganhar um carro todo equipado. Tem roda de maionese, farol de pilha, teto ensolarado e trio elétrico. Não sei pra quê trio elétrico num carro, deve ser porque ele gosta de música baiana. E cê sabe da úrtima? Eu discubri que aqui nessa mansão que eu trabaio é tudo fachada! - Como assim, Dircinéia? (pergunta a colega, confusa) - Nada aqui é dos patrão! Tudo é imprestado! TUDO! Cê cridita numa coisa dessas?! Óia só: a rôpa que o patrão usa é dum tal de Armani... a gravata é dum tal de Perre Cardine... os móveis são do Luis quinzi, o carro é de uma tal de mercedes... nadica de nada deles. - Nooooossa, que pobreza! - Diz a amiga indignada. - E além de pobre, eles são muito inzibido, magina que ôtro dia eu escutei o patrão no telefone falano que tinha um Picasso. - E num tem? - Que nada, fia... é piquinininho di dá dó!

Só para velhos... amigos

Uma velha senhora foi para um safari na África e levou seu velhovira-lata com ela. Um dia, caçando borboletas, o velho cão, de repente, deu-se conta de queestava perdido. Vagando a esmo, procurando o caminho de volta, o velho cão percebe que umjovem leopardo o viu e caminha em sua direção, com intenção de conseguir umbom almoço ..

O cachorro velho pensa:

-’Oh, oh! Estou mesmo enrascado ! Olhou à volta e viu ossos espalhados nochão por perto. Em vez de apavorar-se mais ainda, o velho cão ajeita-se juntoao osso mais próximo, e começa a roê-lo, dando as costas ao predador ... Quando o leopardo estava a ponto de dar o bote, o velho cachorro exclama bemalto: -Cara, este leopardo estava delicioso ! Será que há outros por aí ? Ouvindo isso, o jovem leopardo, com um arrepio de terror, suspende seuataque, já quase começado, e se esgueira na direção das árvores. -Caramba! pensa o leopardo, essa foi por pouco ! O velho vira-lata quase mepega! Um macaco, numa árvore ali perto, viu toda a cena e logo imaginou como fazerbom uso do que vira: em troca de proteção para si, informaria ao predador queo vira-lata não havia comido leopardo algum.. . E assim foi, rápido, em direção ao leopardo. Mas o velho cachorro o vêcorrendo na direção do predador em grande velocidade, e pensa : -Aí tem coisa! O macaco logo alcança o felino, cochicha-lhe o que interessa e faz um acordocom o leopardo.O jovem leopardo fica furioso por ter sido feito de bobo, e diz: -’Aí,macaco! Suba nas minhas costas para você ver o que acontece com aquelecachorro abusado!’ Agora, o velho cachorro vê um leopardo furioso, vindo em sua direção, com ummacaco nas costas, e pensa: -E agora, o que é que eu posso fazer ? Mas, em vez de correr (sabe que suas pernas doloridas não o levariamlonge...) o cachorro senta, mais uma vez dando costas aos agressores, fazendode conta que ainda não os viu, e quando estavam perto o bastante paraouvi-lo, o velho cão diz : -’Cadê o filho da puta daquele macaco? Tô morrendo de fome! Ele disse que ia trazer outro leopardo para mim e não chega nunca! Imediatamenteo leopardo se esquiva, sai para longe do cachorro e devora o macaco. Moral da história: não mexa com cachorro velho... idade e habilidade se sobrepõem à juventude e intriga.Sabedoria só vem com idade e experiência. VELHO! É o seu preconceito.

Conversando com o Leitor

+ Continuamos presente nas mídias sociais especialmente no Facebook. + O nosso site www.casadoceara.org.br fechou o mês de julho com 220.142 visitas acumuladas. + Tivemos 5.707 sessões, 4.794 usuários e 12.246 visualizações.

+ No exterior fomos visitados nos Estados Unidos (Nova Iorque e Salt Lake City), Espanha, Suiça (Zurique), Bolívia, França, Canadá, Portugal, Reino Unido, China, Índia, Japão e Suécia. + Brasil, fomos visitados em Brasília, São Paulo, Fortaleza, Goiânia, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Curitiba, Sobral, Salvador, Recife, Londrina, Campinas, Manaus, Juazeiro do Norte, Aracaju, São José dos Campos, Itapipoca, Palmas, Barreiras e São Luis. + Recebemos de leitores de Fortaleza protestos contra a ocupação e a degradação da ruas em volta da Catedral e do Mercado Central por camelôs, com produtos que nada tem a ver com o Ceará e que apenas acentua a miséria do Estado. Uma imensa sujeira. O ocupação impede o acesso de turistas ao Mercado Central. Nem táxis podem mais estacionar. + Alias, dizem os nossos leitores, o Mercado Central está ameaçado pelo bloqueio dos camelôs e pela impossibilidade de estacionamento. Alguém tem que agir para preservar o Mercado Central. Ou então que se feche e se mantenha aberto o da Beira Mar a partir das 18 horas.

acesse o site: www.facebook.com/casadoceara

+ O Ceará não tem mais ministro no Tribunal de Contas da União-TCU. Pernambucanizaram o TCU. Há três pernambucanos. + O Ceará também está fora do Supremo. O ultimo cearense que integrou o Supremo acabou Presidente da República. Foi José Linhares. + 100% dos estudantes do Liceu do Ceará e dos principais colégios privados de Fortaleza não sabem quem foi Jovita Feitosa. + O Presidente da Casa do Ceará Osmar Alves de Melo, juntamente com os Diretores, Evandro Pedro Pinto, Vicente Nunes de Magalhães e a Assistente Social, Ivete Simonette, compareceram ao Ministério Público, no dia 20/08 para uma reunião com o Promotor Márcio Wagner Vieira Albuquerque, para obter informações sobre o parecer referente à venda do terreno da Casa do Ceará. + A Casa do Ceará vem recebendo, em sua conta corrente do Banco do Brasil, Agencia 1236x, conta 15212-9, doações mensais dos Senhores José Geraldo de Oliveira no valor de R$ 500,00, Maurício Westh R$ 300,00 e Fernando Ferreira de Paula R$ 100,00. + A associada Ana Maria Carneiro fez uma doação no mês de setembro de R$ 300,00. + A instituição recebeu do Hotel Comfort, por intermédio do Diretor Vicente Nunes de Magalhães, novas a doação de 10 televisores e 5 computadores que serão utilizados na Casa. Anteriormente, o Comfort lençóis, colchas, coberturas, e colchões.

Ceará em Brasília


acesse o site: www.casadoceara50anos.com.br

SAMBURÁ - Avenida Beira Mar Parceria OAB e ABI em defesa das causas da República – Parceiras históricas em defesa da liberdade de expressão, da garantia dos direitos fundamentais, dos direitos humanos, da abertura política e das Diretas Já, a Ordem dos Advogados do Brasil e a Associação Brasileira de Imprensa - ABI) seu empenho em busca da reforma política. O encontro entre Marcus Vinicius Furtado Coelho e Tarcísio Holanda tratou do engajamento da ABI na campanha em defesa da reforma política, do voto limpo e do fim do investimento empresarial em partidos e candidatos. Para Marcus Vinicius, “o engajamento da ABI reforça e qualifica ainda mais a defesa das causas da República”.“OAB e ABI tem uma sintonia histórica”, destacou Holanda, ao reafirmar a parceria entre as entidades. A convite da ABI, a OAB atuará ainda como observadora da próxima eleição da entidade, marcada para o dia 26 de setembro. A votação acontece nos estados de Alagoas, Maranhão, Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo e no Distrito Federal. Foto: Eugênio Novaes - CFOAB Novos sócios da Casa do Ceará Acolhemos como associados: Antonio Raimundo Gomes Silva Filho, Maranhense , Ex- Presidente da Terracap e Promotor de Justiça aposentado. Tiago Mendes Vieira, Piauiense e Presidente da Liga dos Piauienses. UniCEUB ganha prêmio Case de Sucesso UniCEUB ganhou, no dia 23 de agosto, o prêmio Case de Sucesso da IT4CIO, empresa especializada no desenvolvimento das relações entre executivos que atuam em TI. O projeto premiado é UniCEUB otimiza a distribuição de softwares em seus laboratórios com virtualização de aplicação e foi indicado como a publicação mais prestigiada pela comunidade de TI do DF e Região. FApodi fará fábrica de R$ 1 bi em Sergipe De Egídio Serpa: O governador de Sergipe, Jackson Barreto, ele mesmo, pessoalmente, anunciou que a empresa cearense Companhia de Cimento Apodi construirá lá uma fábrica tão gigantesca que consumirá investimentos de R$ 1 bilhão. Jackson Barreto recebeu em seu gabinete o presidente executivo da Apodi, engenheiro Adauto Farias, ao qual assegurou a concessão de incentivos fiscais para o projeto da empresa, que empregará duas mil pessoas na fase de construção e 600 na fase de operação. A Apodi é controlada pelo empresário cearense Ivens Dias Branco, que tem 75% do seu capital; seu sócio, com os restantes 25%, é o empresário mineiro Juscelino Sarkis, com larga experiência no ramo industrial cimenteiro. A Apodi já tem uma grande fábrica de cimento em Quixeré e uma moageira, que também produz cimento, no Complexo Industrial do Pecém. Perfil eleitoral Atualmente existe, no Brasil, um total de 142.822.046 eleitores. Desse total, 480.044 têm 16 anos, 1.158.707 estão com 17 anos, 7.020.649 têm de 70 a 79 anos e 3.804.161 estão acima dos 79 anos. Os analfabetos são 7.389.545 milhões. Com isso, o número de eleitores cujos votos são facultativos chega a 19.853.106.

Ceará em Brasília

Cearense na nova diretoria do CNPJ O Conselho Nacional de Procuradores Gerais de Justiça (CNPG) empossou em Porto Alegre (RS), sua nova diretoria..Ocupará uma das vices o procurador-geral de justiça do Ceará, Ricardo Machado. Caberá a ele a articulação das ações do CNPG no Nordeste. Esse Conselho congrega todos os procuradores gerais de justiça do Ministério Público dos Estados e da União. Seminário The Best of Philip Kotler Philip Kotler, o maior nome do marketing mundial, esteve em Brasília para o seminário The Best of Philip Kotler. Com o encerramento dos ingressos disponíveis, o UniCEUB transmitiu o evento ao vivo, com tradução simultânea e de forma gratuita para professores, funcionários, estudantes e egressos da Instituição. Como autor, Philip Kotler tem mais de 5 milhões de exemplares vendidos e seus livros já foram traduzidos para cerca de 40 países. As bibliotecas do UniCEUB disponibilizam diversos títulos publicados por Kotler em seus acervos físico e digital Nacional Gás A Nacional Gás, Brasilgás e Paragás chegam aos dias atuais com foco na modernidade, com destaque nacional no segmento de gás domiciliar e crescendo cada vez mais no segmento granel, graças ao reconhecimento e preferência dos seus parceiros de negócios, clientes e consumidores. Atuando no armazenamento, envase e distribuição de GLP em todo o Brasil, está presente em quase todo o território nacional, com uma estrutura que inclui 49 filiais, sendo 29 bases engarrafadoras, dentre elas uma das mais modernas da América Latina. Edmlson Caminha A Associação Nacional de Escritores-ANE promoveu no Auditório Cyro dos Anjos de sua sede palestra de Edmílson Caminha sobre 100 anos de José Cândido de Carvalho, o coronel de fardão. Protestos contra demora do BNDES De Egidio Serpa. Empresas nordestinas – as cearenses no meio – que celebraram contrato com o BNDES para financiamento de seus projetos reclamam: “Assinamos o contrato, mas o dinheiro ainda não saiu. E já fez quatro meses”. Na área de energia . Cà entre nós: se fosse da Odebrecth ou do governo de Cuba, Venezuela, Equador, Nicarágua, etc. já teria saído. Safadeza O que a Infraero faz com o Ceará, nos aeroportos de Fortaleza e Juazeiro, é falta de respeito. É safadeza. É discriminação. Juazeiro merece um aeroporto pelo menos igual ou maior do que o Navegantes, em Santa Catarina. Há demanda . O que falta é demitir toda a cúpula e a rabada da Infraero, com anos de incompetência . Privatizaram os grandes aeroportos mas nenhum empregado foi demitido. Uma vergonha. Que Padre Cícero mande a corja pros quintos dos infernos.

Presidente da Fecomércio O empresário Luiz Gastão Bittencourt, presidente da Federação do Comércio do Ceará (Fecomércio), recebeu o título de cidadão fortalezense e a Medalha Boticário Ferreira na Câmara Municipal. Gastão é carioca de nascimento e atuou maior parte de sua empresarial no Ceará. No momento, ele finaliza o projeto da nova sede da Fecomércio, que será erguido, ainda a partir deste ano, em terreno da avenida Pontes Vieira (Dionísio Torres). Cearenses às suas ordens O restaurante é o New Koto. O ministro César Rocha, que é um especialista no assunto, diz que é o melhor de Brasília em comida japonesa. O japonês, dono, morreu. O filho toma conta. O serviço está nas mãos de cearenses, considerados os japonês da cozinha. Não criam nada, mas repetem tudo com a maior perfeição. Os garçons são Francisco Olavo Aprigio, Francisco Antônio Souza, Gelinaldo Brito e Genildo Brito, todos de Guaraciaba do Norte. O cozinheiro José Aurélio, é de Sobral. O garçom José Wilson é de Boa Viagem ,mas o sushiman João Carlos Nascimento e o ajudante dele, Eridam Lopes e o ajudante de cozinha Francisco Alan são também de Guaraciaba do Norte Novos desembargadores O Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE) tornou pública a relação dos juízes que concorrem ao cargo de desembargador, pelo critério de merecimento, na vaga deixada com a aposentadoria do desembargador Váldsen da Silva Alves Pereira, ocorrida em 17 de maio deste ano. Estão concorrendo à vaga 21 juízes de Entrância Final, conforme o Edital nº 74/2014, publicado no Diário da Justiça Eletrônico no último dia 13.Já a vaga do desembargador Francisco Suenon Bastos Mota, aposentado em 7 de julho deste ano, foi classificada pelo critério de antiguidade Moreira de Acopiara Moreira de Acopiara, o cordelista mais famoso do Brasil, vem de lançar uma adaptação da Divina Comédia,de Dante Alighieri, com ilustrações de Severino Ramos. Moreira mora em São Caetano do Sul, mas espalha seu cordel pela Grande São Paulo. O lançamento do livro, inicialmente foi na livraria Cortez, rua Bartira, esq. com Monte Alegre, Perdizes, São Paulo, ao lado da PUC. Moreira é um guerreiro no verso e no traço. Humberto Teixeira O Homem Que Engarrafava Nuvens.Sinopse:Este documentário conta a trajetória do compositor Humberto Teixeira, que fez dupla com Luiz Gonzaga, criador do baião. Produzido pela filha Denise Dumont, conta com depoimentos, entre outros, de Gilberto Gil, Caetano Veloso, Bebel Gilberto, Daniel Filho e Elba Ramalho. Luis Joca recomenda aos amigos cearenses e de outras terras, além de Iguatu e Rio de Janeiro, os paraísos fiscais de Humberto Teixeira.

acesse o site: www.brasilia50anosdecasadoceara.com.br

3

Setembro/14


acesse o site: www.casadoceara.org.br

Tribunal de Justiça do Ceará implanta Juizado da Mulher concedeu mais de Processo Judicial Eletrônico três mil medidas protetivas O Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE) iniciou a implantação do Processo Judicial eletrônico (PJe) nas comarcas da Região Metropolitana de Fortaleza. Nessa terça-feira (19/08), o atendimento ao público nos Juizados Especiais Cíveis e Criminais das comarcas de Aquiraz e Maracanaú foi suspenso até a próxima sexta-feira (22/08) para implantação do novo sistema. A determinação consta na Resolução do Órgão Especial nº 11/2014, publicada no Diário da Justiça Eletrônico nessa terça-feira (19/08). Os prazos processuais também estão suspensos no período, mas permanece o recebimento de petições iniciais e de pedidos cuja apreciação exija urgência. Na próxima semana, será dado prosseguimento ao cronograma de implementação do PJe nas comarcas de Caucaia e Itapipoca. O PJe tem como objetivo proporcionar agilidade na tramitação de processos, transparência e redução de custos para a Justiça estadual. A medida considera a Resolução nº 185/2013, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que instituiu o Processo Judicial Eletrônico como sistema informatizado no âmbito do Poder Judiciário. Também leva em conta a necessidade de uniformizar os procedimentos dos Juizados Especiais.

O Juizado de Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher da Comarca de Fortaleza determinou, nos primeiros seis meses de 2014, 3.067 medidas protetivas. O quantitativo representa crescimento de 14,52%, ou 389 procedimentos a mais, na comparação com o mesmo período do ano passado. De acordo com a juíza Rosa Mendonça, titular da unidade judiciária, “o aumento no número de medidas protetivas significa que a mulher está confiando cada vez mais na aplicação da Lei Maria da Penha”. A magistrada ressaltou que “as determinações representam ganho para as vítimas de violência, uma vez que afastam o agressor do convívio e evitam possíveis delitos criminais”. Entre as determinações estão afastamento do lar, manter distância de no mínimo 100 metros da vítima e proibição de fazer contato por qualquer meio de comunicação. O Juizado da Mulher da Capital realiza mensalmente encontros com as mulheres que manifestaram o desejo de desistência do processo ou de revogação das medidas protetivas. As reuniões esclarecem sobre o ciclo da violência doméstica e as consequências nocivas das desistências.

Conselheiro do CNJ entrega relatório do Mutirão Carcerário O presidente do TJCE, desembargador Luiz Gerardo de Pontes Brígido, receberá o relatório O presidente do Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE), desembargador Luiz Gerardo de Pontes Brígido, recebeu o relatório do III Mutirão Carcerário realizado no Ceará, em 2013, pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ). O conselheiro Guilherme Calmon Nogueira da Gama, do CNJ, fez a entrega do documento. Juízes das Varas Criminais e de Execução Penal, representantes do Ministério Público, da Defensoria Pública e do Poder Executivo foram convidados para o evento. O III Mutirão Carcerário, realizado de 6 de agosto a 13 de setembro de 2013, atuou em dois polos no Ceará: Fortaleza e Juazeiro do Norte. De acordo com os dados divulgados pelo CNJ, foram examinados cerca de 15 mil processos de presos condenados e provisórios. Desse total, 2.188 tiveram algum benefício concedido, como extinção de pena, livramento condicional, progressão para regimes aberto, semiaberto e trabalho externo, entre outros.

Há 42 anos

Setembro/14

4

acesse o site: www.facebook.com/casadoceara

Ceará em Brasília


acesse o site: www.casadoceara50anos.com.br

Foto: Herman Dantas

Casa do Ceará aguarda aprovação do projeto Fausto Nilo pela Administração de Brasília para licitar a venda do modulo F e a construção da nova Casa

O presidente da Casa do Ceará em Brasília, Osmar Alves de Melo, anunciou hoje que a Casa está aguardando a aprovação das alterações feitas no Projeto Fausto Nilo pela Administração de Brasília para que possa empreender a licitação para a venda do modulo F e iniciar a construção da Nova Casa. Assinalou que os editais de venda e da construção estão prontos, aprovados pela Comissão de Licitação integrada pelo vice presidente José Sampaio de Lacerda Júnior, os diretores, general Nilton Pessoa, , Evandro Pedro Pinto, Edivaldo Ximenes Ferreira e o engenheiro José Ribamar Mendes Diniz Osmar informou que a Casa teve o projeto Fausto Nilo totalmente aprovado pela Administração de Brasília, após quase três anos de espera, mas a Diretoria decidiu junto com o arquiteto Fausto Nilo fazer alterações no bloco intermediário, sustando a construção do Teatro e optando pela preservação

Ceará em Brasília

das piscinas olímpicas e implantação de uma academia, com as novas alterações a área da academia passa de 200 m² para 1.139 m². No bloco A foram alocados todos os serviços assistenciais prestados pela Casa, como saúde e educação ampliando o número de consultórios médicos e odontológicos, foi projetada ainda, uma praça atender aos eventos culturais ao ar livre em especial a sua tradicional festa Junina, realizada todos os anos no mês de junho . Os ajustes aguardam aprovação da Administração, Os ajustes foram protocolados no dia 01/09/2014 com pedido de alteração do alvará de construção. A nova área construída passará de 12.359,83 m² para 9.889,30m2. Osmar acrescentou que acompanhado dos Diretores Evandro Pedro Pinto, Vicente Nunes de Magalhães e da Assistente Social Ivete Simo-

nette, representando a Superintendente Antônia Guimarães, compareceu ao Ministério Público, no dia 20/08, para participar de uma reunião com o Promotor Márcio Wagner e obter informações sobre o parecer referente a venda do terreno. Como o promotor havia assumido a Promotoria recentemente e não estava totalmente informado sobre o assunto, solicitou ao Presidente Osmar que encaminhasse documento informando se a instituição já possui um plano jurídico e econômico sobre a viabilidade da venda do imóvel, devendo observar e manter a mesma destinação para qual foi instituída. O presidente informou que a Casa do Ceará encaminhou o ofício 186/2014, lido na ocasião, com toda documentação necessária, inclusive a escritura de compra e venda do módulo G e a avaliação do terreno, elaborada pela CVI – Comissão de Valores Imobiliários.

acesse o site: www.brasilia50anosdacasadoceara.com.br

5

Setembro/14


acesse o site: www.casadoceara.org.br

Dois conceitos Gonzaga Mota (*) Entendemos por ética a parte da filosofia que trata de disciplinar e orientar o comportamento humano, ou seja, é a ciência da moral. Esta, por sua vez, representa os bons costumes e a boa conduta, de acordo com os preceitos socialmente fixados pela sociedade. Já a governabilidade pode ser entendida pela qualidade intrínseca do governante, significando a importância da tranquilidade política e sócio-econômica para que um governo possa desempenhar suas atividades básicas. Em todos os tempos, a governabilidade só alcançou sucesso na medida em que se apoiou em princípios éticos. “O fim justifica os meios”, conforme Maquiavel, não é uma atitude estratégica e muito menos ética, mas uma conduta incorreta que não leva uma sociedade a uma situação de justiça, baseada na essência da democracia. Nos dias atuais existem muitos países ditos democráticos, elegeram seus governantes, todavia, não apresentam uma sincera e clara harmonia entre os aspectos éticos e de governabilidade. Acreditamos que eles fazem parte de um contexto que é a nova versão do colonialismo primitivo e do imperialismo industrial, isto é, a globalização perversa. Defendemos que ética e governabilidade caminhem juntas, buscando uma sociedade politicamente aberta, soberana, de economia forte e socialmente justa. A globalização é importante, porém, sem explorados e exploradores. A globalização deve ser analisada mais como um processo político e cultural do que econômico. Por fim, voltamos a insistir, governabilidade é atender às reais necessidades e carências do povo e não fazer concessões e acordos que possam prejudicá-lo, ferindo a ética.

Belas telas O romantismo opôs-se ao classicismo; o realismo foi de encontro ao romantismo e precedeu ao impressionismo que, por sua vez, possibilitou o surgimento do expressionismo, bem como serviu de transição para arte moderna. Apesar de várias correntes existentes, examinamos, de forma resumida, os movimentos impressionista e expressionista. O primeiro, com origem no final do século XIX, na França, caracterizou-se pelo interesse em efeitos de luz, não se preocupando com contornos e com tons sombrios, porém enaltecendo a alegria de viver. O segundo procurou mostrar não só os aspectos objetivos, mas as emoções subjetivas que suscitam no pintor. Foi iniciado na Alemanha, atingiu seu auge entre 1910 e 1920. O impressionismo, embora mantendo temas do realismo, não se propôs a fazer denúncia social.. Entre os exponentes do impressionismo, destacam-se Monet, Manet, Renoir e Pissarro. Nos quadros destes artistas são comuns cenas passadas à beira do rio Sena, em cafés, jardins e festas. Monet e Renoir são os principais integrantes do movimento e as telas mais bonitas são “Manhã no Sena” (Monet) e “Rosa e Azul” (Renoir). Embora Renoir tenha sido um dos fundadores do impressionismo, o seu maior representante foi um artista revolucionário, que desejou ser pintor renascentista. Já no expressionismo não existe a preocupação com a beleza tradicional. E as obras mostram um enfoque pessimista da vida. O artista, muitas vezes dominado pela angústia e a dor, denuncia problemas sociais. O precursor do movimento foi o pintor holandês Van Gogh e as telas “Os Girassóis” e “Noite de Verão” foram suas obras principais. (*) Gonzaga Mota (Fortaleza) Professor e escritor

Setembro/14

6

Beach Park contribui com a preservação do meio ambiente Pensando na proteção do meio ambiente e na redução do desperdício, o Beach Park Resort desenvolve um projeto de reciclagem que recolhe cerca de 04 toneladas de resíduo reciclável por mês. Entre os resíduos estão papeis, vidros, plásticos, metais, que são depositados nos diversos equipamentos de coleta seletiva espalhados no parque aquático, praia e nos resorts Suites Beach Park Resort, Acqua Beach Park Resort, Oceani Beach Park Resort e Wellness Beach Park Resort. Todo o material recolhido nas lixeiras recicláveis é pré-triado em um ponto de intermediação do Beach ParkUnidade de Monitoramento Ambiental, para que assim permaneçam limpos e com maior potencial de reaproveitamento. Logo em seguida, o material é encaminhado para um Centro de Triagem licenciado, onde é feita a separação minuciosa dos resíduos, a pesagem e a venda para empresas de reciclagem. Atualmente, o dinheiro arrecadado com a comercialização dos recicláveis é investido na manutenção do próprio serviço e na implantação de novos coletores seletivos. Para o Relações Públicas do Beach Park Resort, Marcelo Vieira, esse procedimento se apresenta como um meio simples e prático de enfrentar a problemática do lixo

e como forma de resgatar as reservas naturais. “Quando selecionamos toneladas de papeis e papelões, vidros, plásticos e metais, estamos evitando a destruição de milhares de árvores, diminuindo o consumo de água e também de energia elétrica”, diz. SOBRE O BEACH PARK O Beach Park, localizado a 20 minutos de Fortaleza, na praia do Porto das Dunas, é considerado um dos principais empreendimentos turísticos da América Latina e recebe anualmente mais de 1,7 milhão de visitantes de diversos lugares do mundo. O Beach Park Resort é composto pelos resorts Suites Beach Park Resort, com 182 apartamentos; Acqua Beach Park Resort, com 225 apartamentos; Oceani Beach Park Resort, com 131 apartamentos; Wellness Beach Park Resort, com 360 apartamentos; Beach Park, o maior parque aquático da América Latina; e Beach Park Praia, uma área de lazer e turismo com lojas, restaurante, café e lanchonete. O Beach Park atua também em outros segmentos do turismo, com o Beach Park Vacation Club (na área de time share) e BPK Travel (como operadora de turismo). A empresa desenvolve, ainda, atividades na área de mídia, com a Revista Beach Park e a Rádio Beach Park 92.9 / http://radio. beachpark.com.br/.

Crato-CE: Kombi é usada como mercearia itinerante

Uma Kombi velha, caindo aos pedaços e portas trancadas com um ferrolho, foi transformada numa bodega e numa cordelteca volantes. A iniciativa é do comerciante Antonio Higino, ex-proprietário da Mercearia “Aplausos”, que tem como apelo publicitário a frase “onde o ´lascado´ tem vez”. Ao mesmo tempo em que abastece o comércio da periferia do Crato com bombom, doce, bolacha, pipoca, refrigerante e outros produtos de baixo custo, Higino leva cultura popular aos pobres com o empréstimo gratuito de cordéis, a maioria de autores cratenses, integrantes da Academia dos Cordelistas do Crato. Junto com a mercadoria, ele conduz quase mil cordéis numa caixa. O restante é pendurado em cordões amarrados na Kombi. Além da exposição dos cordéis, ele dispõe de todos os títulos disponíveis. O mais procurado deles, segundo afirma, é “O Linguajar Cearense” de autoria da poetisa Josenir Lacerda. O cordel lembra os termos usados pelos cearenses, conforme a autora define neste verso: “Quem muito agarra, abufela/Briga pequena é arenga/Enganação, esparrela/ Toda prostituta é quenga/Rapapé é confusão/De repente é supetão/Insistência é lenga-lenga”. Para locação de um dos cordéis, não tem burocracia. Basta escolher e se comprometer a devolver o exemplar. “É uma forma de divulgar a cultura popular”, diz o comerciante, esclarecendo que está juntando o útil ao agradável. “Ao mesmo tempo em que vende mercadorias, valoriza a cultura popular”. Higino conhece todos os moradores pelo nome. Para o cordelista Chico Nascimento, o gesto de Higino sensibiliza e emociona os autores dos cordéis, principalmente porque ele é uma pessoa simples que utiliza o seu tempo e até as suas parcas economias para manter viva uma tradição que nem sempre é reconhecida pelo poder público. O sargento do Ronda do Quarteirão, Francisco Fábio Alves, conhecido por “Fabim”, que reside na Rua da Grota, ao lado de Higino, diz que o trabalho do comerciante é uma contribuição para a construção da identidade cultural do Cariri, que vem sendo ameaçada pela modernidade que invade o sertão. O policial, que mantém um espaço na rua da Grota para exibição de grupos folclóricos, ressalta que Higino está prestando um serviço à comunidade. Descrença Quem não acredita nesse projeto é o pai de Higino, José Higino da Silva, conhecido por “Zezim”, um aposentado pro-

acesse o site: www.facebook.com/casadoceara

prietário de 18 casas pequenas no bairro. Silva diz que o filho está perdendo tempo e dinheiro. “O meu filho só pensa nos outros. Mesmo assim, como pai, estou do lado dele”, afirma. História A história de Higino vem de longe. Começou em Salvador (BA), na década de 1980, onde ele trabalhava. Ele tentou comprar a metade de um frango para matar a fome. O proprietário da mercearia disse que só vendia o frango completo. Higino tomou uma decisão: “um dia eu vou montar uma venda para vender somente a quantidade que o freguês desejar. O objetivo, segundo afirma, era atender aqueles que, como ele, são considerados “lascados” – conforme a expressão cearense para designar pessoas com baixo poder aquisitivo, isto é, enfrentam dificuldades. Lascado Quando voltou ao Crato, primeira providência foi abrir uma bodega com o nome “Aplausos”, seguido do subtítulo “Onde o Lascado tem Vez”. Ali, ele vendia tudo no rateio: uma colher de margarina, meio pacote de sal, 100 gramas de café, a metade de uma caixa de fósforos, enfim, a quantidade exigida pelo consumidor. Terminou entregando o comércio à mulher que, segundo afirma, não deu continuidade à filosofia de trabalho. Daí, Higino transformou-se num vendedor ambulante, transportando as mercadorias numa carrocinha. Depois comprou um fusca e agora está com uma Kombi. O sistema de venda é o mesmo: atender aos pequenos comerciantes que não têm condições de comprar grandes quantidades de mercadorias. Manteve na porta da Kombi o mesmo slogan. Molambo Além da venda, ele compra ou troca, em mercadorias, material reciclável como, por exemplo, caixas vazias de ovos e garrafas de vidro e de plástico. “Fazemos qualquer negócio para não voltar ´batendo´”, diz Higino, referindo-se a voltar com a Kombi totalmente vazia e ainda acrescenta que este tipo de trabalho é prazeroso porque “divulgo a cultura popular e ainda ganho dinheiro para o sustento da família. É muita coisa para quem nasceu no sítio em Acopiara chamado ´Molambo´”, finaliza Por conta do potencial turístico da região Nordeste, o Beach Park investe constantemente na ampliação dos seus negócios, com o desenvolvimento de novos equipamentos e serviços para oferecer opções inéditas de entretenimento e lazer.

Ceará em Brasília

Foto: Antônio Vicelmo

Leituras I


acesse o site: www.casadoceara50anos.com.br

Leituras II

Carlos Augusto, Ava Gardner e Fernando César

Wilson Ibiapina (*) Veja só o Email que o jornalista Aluísio de Carvalho mandou depois que leu o caso do cantor cearense com a atriz Ava Gardner que conto aqui no meu blog: ‘‘Ibiapina, prezado amigo, O ‘’locutor que vos fala’’ é Aluísio Raimundo de Carvalho, seu ex-colega de profissão. Para refrescar a memória: como seu vizinho e amigo, fui proprietário daquela casa histórica construída pelo Marcos Paulo Rabelo e vendida por mim ao Ronaldo Junqueira. Mais de 30 anos, meu amigo, e parece que foi ontem! Tenho saudades dos vizinhos, como você e Edilma, e da casa. Mas isso é passado. O que me traz à sua presença, apossando-me de seu endereço eletrônico de uma das mensagens do Jezer, com quem troco e-mails com muita frequência, é o relato que você fez sobre o ‘’affair’’ Carlos Augusto e Ava Gardner. O assunto foi repassado pelo Jezer, e me interessou, pelas razões que te conto agora: Conheci o Carlos Augusto quando ambos trabalhávamos na velha Rádio Mayrink Veiga, no Rio. Ele, aos 21 anos, já era um cantor bastante conhecido do público e nos meios artísticos. Duas gravações o projetaram: ‘’Vitrine’’ e ‘’Negue’’. E o seu amigo aqui era um modesto e desconhecido locutor da madrugada. Comecei com 17 anos mal completados, e trabalhei de meia noite às três da manhã, durante quase três anos. Só consegui sair daquele horário graças à ajuda de uma grande figura humana chamada Sebastião Leporace (pai da Gracinha Leporace), que me antecedia na programação e por algumas vezes teve a minha companhia na leitura do jornal falado da meia noite. Isso quando faltava o outro parceiro, o Newton Prado. Eu era um reserva. Ele gostava do meu trabalho e um dia resolveu peitar o Jair de Taumaturgo, que acabou cedendo aos argumentos de que

eu era um garoto e aquele horário acabaria por destruir minha saúde. Quem veio para o meu lugar: o Célio Moreira, irmão do Cid. Anos depois, o Célio morou comigo, por um bom tempo, aqui em Brasília. Eu conhecia o Carlos Augusto de cumprimentos de corredor, nada mais que isso. Eu, tímido e novato naquele meio, mantinha-me distante daquela turma já famosa. Eu já tinha conhecimento do caso Ava Gardner, mas não tinha com ele, Carlos Augusto, aproximação pessoal que permitisse matar minha curiosidade. E a versão que circulou à época é de que ele recebeu o clássico bilhetinho para ir à suite dela, quando terminasse o show. Foi, e quando viu aquele monumento, deitada e prontinha para o amor, nuinha em pelo, correu assustado. Não conhecia a versão que você conta no texto para a publicação da Casa do Ceará, que só agora li, graças ao Jezer, que deve ter mandado para outros amigos. CARLOS AUGUSTO EM BRASÍLIA Mas aí é que entra a novidade, meu amigo. E, pelo jeito, você a desconhece. Passado aquele momento glorioso de muito sucesso logo no começo de sua carreira, o Carlos Augusto mergulhou no mundo da droga. E não firmou o pé na vida de cantor. Já recuperado das drogas, mas decadente, alguns anos depois, ele veio parar em Brasília, tentando retomar a carreira artística numa cidade onde não havia concorrência e onde havia uma meia dúzia de inferninhos,

principalmente no Núcleo Bandeirante. E adivinhe quem o abrigou: o nosso querido amigo Fernando César Mesquita, que talvez nem tenha tomado conhecimento do passado de seu hóspede no apartamento da 205. A pedido meu, ele deixou que fosse morar com ele o Fausto de Carvalho, locutor dos meus tempos da Mayrink Veiga. Ante o segundo pedido, o Fernando, que sempre foi generoso nesse tipo de situação, considerou que era apenas mais um. Não sei, ou não me lembro, se o convívio foi tranquilo. Mas ocorreu um fato que não dá para esquecer. O Fernando recebeu de presente uma caixa do conhaque Remy Martin. Quando foi pegar a primeira garrafa, algum tempo depois, já não existia nenhuma. Só os frascos vazios. Mas o Fausto e o Carlos Augusto já estavam longe. O temperamento forte do Fernando foi vencido pela impotência. Não tinha o que fazer. Não me lembro se foi o próprio Fernando que me contou, ou se foi o Mário Honório, um amigo comum. O fato é que eu me senti culpado, pelo menos quanto ao sacana do Fausto, que também já morreu, e por quem intercedi mais diretamente. O Carlos Augusto já veio como sublegenda da concessão ao Fausto de Carvalho (não era meu parente). E acho que foi nessa ocasião, partindo daqui, de carro (não sei com quem), que o Carlos Augusto morreu. Você, que tem mais contato com o Fernando, um Amigo muitíssimo querido (há tempos não o vejo), pode confirmar essa estória, que enriquece um pouco o conhecimento que você tem da vida do saudoso Carlos Augusto. Gostaria de te mandar aqueles dois sucessos que ele fez no começo da carreira, mas acho que você já os tem. Grande abraço, meu amigo Aluísio de Carvalho’’ (*) Wilson Ibiapina (Fortaleza), jornalista, diretor do Diário do Nordeste em Brasília.

MOSTRE O SEU TALENTO POR INTEIRO.

CURSOS EM COMUNICAÇÃO • DIREITO • EDUCAÇÃO • GESTÃO • MEIO AMBIENTE • SAÚDE • TECNOLOGIA

I N S C R I Ç Õ E S

Ceará em Brasília

W W W . U N I C E U B . B R

acesse o site: www.brasilia50anosdecasadoceara.com.br

7

Setembro/14


acesse o site: www.casadoceara.org.br

Leituras III

7 de Setembro – O melhor colégio e as melhores lembranças José Maria Leitao (*) Sete de Setembro, não tinha melhor!...Depois da falência dos Correios, os velhos amigos se falam pela Internet. Um dia recebo uma pergunta do Zezito, grande médico cearense radicado em Brasília. Ele queria saber o nome do policial cearense, alto largo e brabo, parecido com o Gregório do Getúlio, que morreu depois de dar uns tapas num baixim qualquer. Não sabia. Mas lembrei do Narcélio Limaverde, sabe de tudo. E não falhou: “Caro Wilson, Apolinário era o nome da fera. Ele fiscalizava tudo até a geral do Majestic. Qualquer alvoroço ele subia na geral e mandava descer uma fila inteira. Na geral os espectadores eram obrigados a deixar os tamancos ao lado da bilheteria. Isso porque eles faziam muito barulho quando o filme continuava a começar, gritando “! Tá na hora” e batendo com os pés no chão. Abrs do Narcelio.” Zemaria responde: “Só você para dar um soco tão certeiro no meu solitário neurônio da recordação e ACORDÁ-LO. O APOLINÁRIO era o cabra; um negão imenso, da polícia especial, a do boné vermelho, que vi muitas vezes pelo centro da cidade, metendo medo em todo mundo”. Eu morava, então, na esquina da rua da Assunção com a Pedro Primeiro e estudava no Colégio 7 de setembro, do Dr. Edílson Brasil Soares. Aliás, você deve estar estranhando a localização do 7 de Setembro, nas proximidades da praça do Ferreira, mas ele ficava na Floriano Peixoto, quase na esquina com a Pedro Pereira, logo depois do Lourenço Filho, antes de ser levado para a avenida do Imperador (e eu fui atrás). Minha turma, no primário, contava com a presença do Marcos Musí, que também seria médico, um dos a me roubar o primeiro lugar mensal. Se bem que havia um outro bom aluno, o José Maria Vidal, que não sei o que fez ou deixou de fazer e já me contaram que teria tido um treco e endoidado! Aliás, eu penso que geralmente eu ficava em segundo lugar, ou até terceiro, depois do Musí e do Vidal. Mesmo assim não deixava de ser premiado com um livro - forma que o Dr. Edílson usava para estimular seus alunos. (Atenção: a velhice é uma merda e leve em consideração que meus miolos podem estar confundindo alunos do 7 de setembro com os do Lourenço Filho (do Dr. Filgueiras Lima), onde estive durante um ano, na época do Ginasial e de passagem para o São José, chamado de PP (pagou/passou), do Lourival do Amaral Banhos, indivíduo bonachão e que passava os dias a coçar os ovos (literalmente; devia estar com uma carga de chatos). Por outro, ainda sobre o Dr. Edílson, hoje ele seria execrado pelos pedagogos de plantão, posto que o aluno que ficava no ultimo lugar, no mês, recebia o apelido de “grilo”, era chamado à frente da turma toda e ganhava uma imensa vaia, sob as ordens do diretor. Se o Ednílson e o Ednílton (acho que eram os nomes dos filhos do Dr. Edílson) estiverem vivos e desmentirem, terão esquecido o tempo em que havia bedel e o do 7 de setembro chamava-se Jésu (talvez, corretamente, fosse Jesus, embora conhecido como Jésu). Por último, o melhor do 7 de setembro era a absoluta ausência de aulas de religião, uma chatura existente nos demais colégios. (*) José Maria Leitão (Fortaleza) médico, residente em Brasília.

Setembro/14

8

M. Dias Branco

Presença do Grupo M. Dias Branco se acentua no mercado de biscoitos, massas e moagem de trigo no Brasil.

Os biscoitos são segmentados em Recheados, Crackers e Água e Sal, Wafers, Maria e Maisena, doces, secos, Amanteigados, Salgados, rosquinhas e outros. O segmento conta com aproximadamente 593 empresas no Brasil, que colocam o Brasil ocupando a posição de 2º maior produtor mundial de biscoitos com registro de 1.250 milhões de toneladas produzidas em 2012 que representou crescimento de 2,5% em relação à 2011, segundo a ANIB - Associação Nacional das indústrias de Biscoito. Cerca de 60% dessas empresas estão concentradas na região Sudeste. Em 2012, o setor exportou 52 mil toneladas para mais de 100 países, sendo que os 10 maiores destinos representaram 86,61% das vendas internacionais. Em consumo per capita, o País figurava, em 2006, como o 16º no ranking mundial (6,0 kg/ano), onde a Holanda era líder com o consumo per capita de 18,7 kg/ ano. Atualmente, o Brasil consome 6,2 kg/ ano. Até o início do Plano Real (implementado em meados de 1994), o setor era caracterizado como sendo predominantemente de capital nacional e dirigido por empresas familiares. Em 2003, com o controle da Adria passando para a M. Dias Branco, a liderança do mercado brasileiro voltou a pertencer a uma empresa de capital nacional., com 28,5%. Em 2012, a produção de biscoitos no Brasil totalizou 1,250 milhão de toneladas, elevando-se 2,5% em relação ao ano anterior. O consumo per capita no Brasil atingiu 6,2 Kg por habitante. A tabela abaixo mostra a participação de mercado dos competidores no setor de biscoitos nacional e o das regiões Nordeste e Sudeste do País para o período indicado, em termos de volume e faturamento: Setor de Biscoitos Participação de mercado em termos de Volume vendido Brasil Nordeste Sudeste M. Dias Branco 28,5% 62,6% 11,7% Nestlé 8,4% 4,4% 9,7% Mondelez 7,1% 2,1% 10,0% Marilan 6,8% 3,8% 9,0% Pepsico 6,7% 3,2% 6,6% Arcor 6,0% 0,1% 11,9% Outros 36,5% 23,8% 41,1% Fonte: AC Nielsen (Nov-Dez/13) Setor de Biscoitos Participação de mercado em termos de Faturamento Brasil Nordeste Sudeste M.Dias Branco 21,3% 56,0% 8,2% Nestlé 11,2% 6,6% 11,9% Mondelez 11,0% 5,0% 13,6% Marilan 6,1% 3,9% 7,2% Pepsico 7,0% 3,8% 6,6% Arcor 5,8% 0,4% 10,3% Outros 37,6% 24,3% 42,2% Fonte: AC Nielsen (Nov-Dez/13) Segundo a AC Nielsen, dados de novembro e dezembro de 2013, a região Sudeste é responsável pelo consumo de 45,4% dos biscoitos no País, a região Nordeste por 30,7%, a Sul por 15,2% , a Centro-Oeste por 7,5% e a região Norte por 1,3%. A Indústria de Massas no Brasil O volume total de produção de massas alimentícias no Brasil ficou em torno de 1,3 milhão de toneladas no ano de 2011, ficando atrás somente da Itália (3,3 milhões de tone-

acesse o site: www.facebook.com/casadoceara

ladas) e dos Estados Unidos (2,0 milhões de toneladas). Com relação ao consumo de massas alimentícias, o Brasil figura como o terceiro maior consumidor de macarrão do mundo, atrás somente da Itália e dos Estados Unidos. No entanto, ao ser comparado o consumo per capita do alimento, a disparidade se torna evidente. A diferença entre o consumo per capita de macarrão do italiano e do brasileiro chega a 20 kg por habitante. O brasileiro vê as massas como um complemento e não como um prato principal. Além disso, o arroz é o maior concorrente da massa em função de se tratar de um carboidrato de preço mais baixo. Segundo IBGE, o consumo per capita de arroz no Brasil é de, aproximadamente, 26,5 kg/ano, muito mais que o da demanda por massas (6,2 kg/ano, em 2011). Segundo o IBGE, o consumo de massas em famílias que têm renda mensal superior a R$6,2 mil é 50,0% superior àquelas famílias que possuem renda mensal de até R$830 O Brasil tem um papel de destaque no cenário mundial, ocupando a posição de terceiro maior produtor de massas alimentícias, atrás apenas da Itália e dos Estados Unidos, com um volume anual de mais de 1 milhão de toneladas. O processo de abertura econômica vivenciado pelo país, a partir dos anos 90, introduziu novos desafios no mercado brasileiro de bens de consumo e resultou em mudanças estruturais na indústria. Até 1997, o mercado brasileiro de massas era bastante disperso, sendo que as duas principais representantes do setor, a Adria e a Santista Alimentos, detinham respectivamente 6,8% e 6,7% do consumo. Este setor se tornou mais concentrado com a intensificação das fusões e aquisições. Atualmente, mais da metade do mercado, em termos de volume vendido, é dominado por seis empresas: M. Dias Branco, J. Macedo, Selmi, Santa Amália, Piraquê e Vilma. A tabela abaixo mostra a participação de mercado dos competidores no setor de massas alimentícias nacional e o das regiões Nordeste e Sudeste do País para o período indicado: Setor de Massas Participação de mercado em termos de Volume vendido Brasil Nordeste Sudeste M. Dias Branco 30,0% 62,8% 17,8% Selmi 10,3% 1,5% 13,0% J. Macedo 9,3% 10,5% 12,4% Santa Amália 7,6% 0,7% 16,4% Piraque 5,0% 0,2% 11,5% Vilma 3,7% 1,9% 6,7% Outros 34,1% 22,4% 22,2% Fonte: AC Nielsen (Nov-Dez/13) Setor de Massas Participação de mercado em termos de Faturamento Brasil Nordeste Sudeste M. Dias Branco 26,6% 61,7% 15,8% Selmi 12,5% 2,0% 15,0% J. Macedo 9,1% 11,3% 11,9% Santa Amália 7,5% 0,8% 15,9% Piraque 5,2% 0,2% 11,7% Vilma 3,4% 2,2% 6,0% Outros 35,7% 21,8% 23,7% Fonte: AC Nielsen (Nov-Dez/13) Segundo a AC Nielsen, dados de novembro e dezembro de 2013, a região Sudeste é responsável pelo consumo de 43,1% das massas no País, a região Nordeste por 29,7%, a Sul por 19,0%, a Centro-Oeste por 6,5% e a Norte por 1,6%.

Ceará em Brasília


acesse o site: www.casadoceara50anos.com.br

Leituras IV

Acopiara : “Meton, notas de uma vida”, uma trajetória e um exemplo

(*) JB Serra e Gurgel É sempre bom escrever sobre meu povo e minha Acopiara, o centro do mundo. Tem muito phd, pós doutor, gênio da lâmpada e heróis da raça que discorda. Aceito, mas mantenho minha opinião. Nas minhas viagens transatlânticas, ninguém acredita, mas o nosso grupo , que tem gente de Acopiara, passa grande parte do tempo, falando dos tempos imemoriais que deixamos na estrada da vida. Não a Acopiara de hoje, mas a nossa, de 50 anos ou mais, lá pra trás. É a mesma de sempre, com personagens diferentes, protagonistas diversos, passageiros da contemporaneidade, que nos ignoram e nos desconhecem, mas que passam como o vento e a correnteza. Pensam que nos apagaram. Estamos vivos e ocultos, acompanhando pelo retrovisor da História os nossos e os passos dos outros. Recebo de Adaiza Fernandes Alves, emprestado para escrever estas linhas, o livro Rosane Mabel , “Meton, notas de uma vida” , de um lado, e “Genealogia das famílias Albuquerque. Barbosa de Lucena, Teixeira e Marques Vieira (das ribeiras do Faé e do Trussu)”, do outro. Recordo que o Mauro Nogueira um dia me prometeu, no Crato, um exemplar mas se esqueceu no meio das capoeiras e dos bodes de sua fazenda no Baú. O livro está autografado para o Cláudio e Leinha. O prefácio é de Caroline Vieira Nogueira, neta, que observa que dr. Meton Teixeira Marques Vieira de Albuquerque é um importante filho de “Iguatu/Acopiara”, pois nasceu no sítio Isidoro, que estava no distrito de Lages (depois Acopiara), no município de Iguatu. Em 19.12.1963 o então governador do Ceará, Virgílio Távora, elevou Isidoro a município, aceitando abaixo assinado de 100 Albuquerques, desmembrando de Acopiara, mas a Lei n 6.973 ficou como letra morta, por alguma razão objetiva. Há leis que não pegam. Meton nasceu em 1912, na Vila do Isidoro, fundada por José Francisco de Albuquerque, vindo de Pernambuco, quatro anos depois da chegada do Patriarca da Família Gurgel do Amaral, ao distrito de Lages.

Na capela de Lages foi batizado e alfabetizado no Isidoro e no Cedro, ingressando em 1926 no Seminário São José do Crato, onde ficou até 1932. “O Casarão” , como chamamos, formou cidadãos que estão na História do Ceará. Passou pelo Ginásio Diocesano, do Crato, e pelo Liceu de Fortaleza, antes de chegar a Faculdade de Direito do Ceará, de 1936 a 1940. Para se manter, foi professor nos colégios Castelo Branco, Escola Normal Justiano de Serpa, Escola Doméstica de Fortaleza, Colégio Lourenço Filho e Colégio Farias Brito e Ateneu São José. Foi Procurador Regional da Fazenda Federal em Teresina/PÌ e Assessor da Secretaria de Segurança Pública do Estado do Piauí. Foi advogado em Campo Maior e Teresina/PI. Pereiro, Iguatu e Fortaleza/CE. Advogou também no Maranhão, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas e Paraná. Casou-se Maria Roselita Holanda Vieira de Albuquerque com quem teve 10 filhos. Nas suas memórias, no Crato, constam visita a dom Quintino, fundador do Seminário, do Ginásio Diocesano, do Colégio das Irmãs de Santa Tereza, do Banco do Cariri, 1º. Bispo do Crato, às vésperas de sua morte. Contas estórias de Monsenhor Joviano Barreto, Reitor do Seminário. Sua carreira de advogado começou em Teresina, onde “ganha-se dinheiro a rodo”, como lhe garantiu o amigo Jonas Cavalcante. Roselita insistiu para voltassem para o Ceará” de onde nunca deveríamos ter saído”. A pedidos da família, trocou Teresina por Pereiro e fez uma parada técnica de 24 anos em Iguatu, c om fugas profissionais até Fortaleza. Em 1994, sofreu um acidente vascular cerebral que mudou sua vida. O livro contém depoimentos emocionados de seus filhos, Rosane Mabel Vieira Nogueira, Meton Vieira Filho, Luciano Meton Holanda Vieira de Albuquerque, Firmino Teixeira de Albuquerque Neto, Metonisa Francisca Vieira Mendonça, João Holanda Cavalcanti Neto, Mauro Edmilson de Holanda Vieira, Meton de Holanda Vieira , Kennedy Meton de Holanda Vieira,

Icaro Meton de Holanda Vieira. Nos achados do livro que é uma celebração da vida de Meton , há o hino cívico religioso de São Tarcísio, padroeiro de Limoeiro do Norte, o seu contrato de professor com a Escola Normal Justiniano de Serpa, em Fortaleza, com remuneração de 15 mil réis “por aula efetivamente dada”, cartaz de sua frustrada candidatura a deputado estadual , tendo como bordão - “advogado humano e amigo leal”, sua adesão ao Instituto Cearense de Genealogia, sua correspondência com o mestre Raimundo Girão, os prefácios para o livro “Monografias”, do padre Couto, que trata das famílias que se instalaram no Centro do Ceará, dos seu livros de Direito e “Sinopse de Iguatu” e o de Aureny Alves Bezerra, “Vida e Obra de dr. Manoel Carlos de Gouvea”. Há também a troca decorrespondência com Clovis Bevilácqua, a quem fez uma consulta em 1º de junho de 1944, quando era Procurador da Fazenda, em Teresina, recebendo resposta, manuscrita, em 19 de junho. Além disso, discursos feitos por ocasião dos 50 anos de ordenação de dom Francisco de Assis Pires, o 2º. Bispo do Crato, nos 50 anos do Ginásio Diocesano do Crato e no lançamento de seu livro, “Crimes que abalaram o sertão” no Náutico Atlético Cearense, em 18,11.1993, em Fortaleza. Meton Vieira puxa o cordão dos acopiarenses ilustres como Adaíza Fernandes Alves, Altino Lima, Aluísio Alves de Almeida, Celso Albuquerque de Macedo, Ciro Marques Albuquerque, prof. Edilson Brasil de Soarez , Ezequiel Albuquerque de Macedo, Francisco Lincoln Araújo e Silva, Francisco Gurgel Holanda, Geraldo Marques, Haroldo Felinto, coronel Helder Marques, João Uchoa de Albuquerque, José Haroldo Silva Lima, José Lima, José Sarto, padres Lauro Gurgel e Mario Marques Serra, Moreira de Acopiara, dom Newton Holanda Gurgel, Perpétua Moreira, prof. Renato Braga, Rivanda Teixeira, Tânia Gurgel, almirante Tiudorico Leite Barbosa, (*) JB Serra e Gurgel (Acopiara), jornalista e escritor.

Os cearenses que são candidatos em outros estados. A senadora Angela Maria Gomes Portela (Coreaú), vice líder do PT no Senado, está tentando eleger governadora de Roraima, contando com o apoio do seu marido, Flamarion Portela, que já foi governador . O Estado é um território dominado pela oligarquia do senador Romero Jucá que fazia parte do grupo duro do PMDB liderado pelo ex presidente José Sarney e pelos senador Renan Calheiros e Waldir Raupp. Com Sarney, Romero foi ministro da Previdência e líder do Governo. Já o ex- governador de Roraima, José de Anchieta Júnior (Jaguaribe), é candidato a senador. Em 2006 fora eleito vice governador na chapa de Ottomar Pinto, acabando por assumir o mandato. Em 2010, foi eleito governador derrotando Neudo Campos. Disputará o mandato com outro cearense, deputado Luciano Castro (Fortaleza), do PR. O mais forte dos candidatos cearenses é o deputado Francisco Everardo de Oliveira e Silva,(Itapipoca). o Tiririca, que vai tentar repetir o fenômeno eleitoral de 2010, quando arrastou 1 milhão e 600 mil votos, elegendo quatro deputados federais consigo. Tiririca marcou seu mandato pela assiduidade com forte presença nas comissões e plenário. Não fez nenhum pronunciamento mas apre-

Ceará em Brasília

José Antonio Machado Reguffe

Francisco Ednaldo Praciano

luciano castro

Senadora Ângela Portela

JOsé Achieta Júnior

Tiririca

acesse o site: www.brasilia50anosdecasadoceara.com.br

sentou projetos e não se envolveu com nada nem participou de nada. Em alguns momentos mostrou sua performance de palhaço. Outro fenômeno eleitoral é o candidato a senador pelo PSB em Brasília, José Antonio Machado Reguffe (Rio de Janeiro) filho de cearense, neto do ministro e ex-deputado Expedito Machado, sobrinho do ex senador Sergio Machado, atual presidente da Transpetro, e que foi proporcionalmente o deputado federal mais votado em 2010. Reguffe tem posições marcantes de austeridade e e de raro zelo e cuidado com os gastos públicos. O deputado do PT Amazonas, Francisco Ednaldo Praciano, (Itapipoca) será candidato ao Senado. Entre os cearenses e filhos de cearenses que serão candidatos a sra. Maria Osmarina Silva de Souza que virou Marina Silva é a mais ilustre dos candidatos, como filha do cearense seringueiro Pedro Augusto da Silva e de Maria Augusta da Silva. Ela pouco fala de ter um pé no Ceará e outro no Acre, mas não poderá sua condição de filha de cearenses. Em Brasília, três candidatos disputam mandatos. Erica Kokay quer se reeleger, Juraci Tesoura de Ouro quer ser deputado federal e Chico Leite tenta a reeleição para a Câmara Distrital.

9

Setembro/14


Anúncio_MDB.pdf

1

29/01/14

07:43

acesse o site: www.casadoceara.org.br

C

M

Y

CM

MY

CY

CMY

K

Setembro/14

10

acesse o site: www.facebook.com/casadoceara

Ceará em Brasília


acesse o site: www.casadoceara50anos.com.br

CearĂĄ em BrasĂ­lia

acesse o site: www.brasilia50anosdacasadoceara.com.br

11

Setembro/14


acesse o site: www.casadoceara.org.br

Leituras V

A inveja, mais uma versão e alguns palpites

(*) João Soares Neto A psicanalista Anna Veronica Mautner, em artigo publicado semana passada na Folha, sob o nome “Inveja, um pecado capital” diz: ‘Hoje a inveja funciona quase como um motor da ação. ’ “Por que não tenho? Não tenho por que não quero o suficiente, com a força necessária”. E fala mais: “Quem inveja é porque quer o que não tem. Por que uns e outros, não? O mundo é assim.” Você, caro(a) leitor(a) como se sente? A inveja passa longe de você? Vivemos em um mundo em que os valores das pessoas podem deixar crer que são os bens que elas possuem que são invejados. Se forem esses os seus únicos valores, pobres delas, mesmo que possuam muito e ostentem para deixar bem claro que elas se fizeram assim, tornaram-se assim como são vistos no mundo da aparência casual, formal ou de interesse. O pintor Salvador Dali, no auge da fama, por ele próprio estimulada com sua vida tão surreal quanto suas pinturas, ousou dizer: “O termômetro do sucesso é apenas a inveja dos descontentes”. Ele parecia ter ouvido o que falava o escritor Oscar Wilde, tão sofrido com sua vida pessoal exposta e julgada: “O número dos que nos invejam confirma as nossas capacidades”. Mautner insiste: “E por que será que falamos tão pouco da inveja quando ela ocupa tanto espaço na nossa vida? Uma resposta plausível é que a gente prefere não pensar na nossa relação com os pecados que cometemos frequentemente”. Estranho que uma psicanalista fale de pecado como sentimento de culpa por algo que desejamos e não temos. Eu substituiria a palavra pecado por erro ou falha de caráter. O pecado pressupõe a crença em uma divindade maior que absolve ou culpa. Enfim, julga. O erro faz parte da humanidade e é, algumas vezes, forma de aprendizado. Erro porque sou humano e esta foi a forma que encontrei para aprender e não para invejar o outro. Moderna, Anna fala que “a tecnologia parece atender

a vontade infinita que temos de ser invejados. Estou em uma festa, em um restaurante e espalho isso para o meu mundo virtual. Basta ser meu amigo no Facebook para eu alcançá-lo”. Será que estaremos felizes apenas por estar mostrando as nossas companhias, os lugares que frequentamos, a estética das mesas de que participamos? Creio que admitir que alguém tenha inveja de outro a partir de um registro fotográfico ou de uma gravação amadora é uma presunção egoísta e de efeito relâmpago. Apaga-se o flash, desliga-se a câmera e o ambiente charmoso fica a espera do olho do outro. Daquele que não está a participar do festim que tornou alguém exposto de forma infantil e nada sutil. Ariano Suassuna, da forma peculiar dele, fala sobre a morte – e o fim da inveja - no “Auto da Compadecida” e mostra que invejosos e invejados morrem. Leiam-no: “Cumpriu sua sentença. Encontrou-se com o único mal irremediável, aquilo que é a marca do nosso estranho destino sobre a terra, aquele fato sem explicação que iguala tudo o que é vivo num só rebanho de condenados, porque tudo que é vivo, morre”. A própria Bíblia dá muita atenção ao tema inveja. Dois exemplos. Gálatas 5:26: “Não sejamos cobiçosos de vanglórias, irritando-nos uns aos outros, invejando-nos uns aos outros”. Por sua vez, em Tiago 3:15 está dito: “Mas se tendes amarga inveja, e sentimento faccioso em vosso coração, não vos glorieis, nem mintais contra a verdade. Essa não é a sabedoria que vem do alto, mas é terrena, animal e diabólica”. Nessa história ou estória de inveja é preciso saber a quantas anda a autoestima das pessoas? Essa que oscila como os mares e as fases da lua e não nos assegura que o olho do outro esteja de acordo com o que a nossa visão quer que ele enxergue, perceba, veja e, enfim, inveje. Mas, se alguém precisa da inveja do outro para se afirmar como um ser maior, estará, a cada passo, diminuindo a sua estatura

como refém do olhar de outrem, muitas vezes, perdido em suas próprias angústias e incapaz de, sequer, notar o outro. Alguém que não seja ele. Ariano e Natércia Depois que o jornalista Alexandrino Rocha, secretário de imprensa do primeiro governo de Miguel Arraes, sentiu o ar da liberdade, após cinco prisões pelo governo militar, resolveu voltar ao batente e o fez na sucursal da revista “Manchete”, da Bloch Editores, em Recife. Trabalhava com Fernando Luiz da Câmara Cascudo, Editor. Juntos, Alexandrino e Fernando, resolveram criar a “Carta Econômica do Nordeste”, boletim com periodicidade semanal do acontecido no desenvolvimento da região. Escolheram-me para ser o correspondente local desse boletim, pois, à época, eu mantinha coluna sobre “Administração & Negócios”, no Correio do Ceará. Esta introdução serve para narrar que a revista acabou anos depois e Fernando foi morar em Moçambique e lá escreveu, em 1979, o livro “Moçambique – Terra dos Traídos”. Lembro que Fernando era filho de Luiz da Câmara Cascudo, historiador, etnógrafo, folclorista, antropólogo, ensaísta e a maior figura da cultura regional, uma das fontes de inspiração de Ariano Suassuna. Para, em seguida, dar curso à carreira gloriosa sobre a qual todos já falaram. Uma noite, Natércia Campos, pediu-me que fôssemos ao Theatro José de Alencar ouvir palestra do Ariano. O cumprimentamos, sentamos na primeira fila. Ele com a camisa vermelha, calça e casaco pretos. Aula. Esqueci-me, todavia, de contar a ela o ora relatado a vocês logo acima. Natércia, em 2001, organizou o livro “Alpendres de Acauã”, do seu amigo Osvaldo Lamartine, seguidor de Cascudo, com aval de Virgílio Maia e Côca Torquato, discípulos de Ariano. (*) João Soares Neto (Fortaleza) escritor, membro da Academia Cearense de Letras, empresário

Museu da Indústria foi inaugurado em 10.09 e mostra a evolução da industrialização do Ceará. Está aberto à visitação pública A memória e a história do desenvolvimento do Ceará, desde os primórdios, com a pecuária e o algodão, até os dias atuais, com a força das energias renováveis e a inovação tecnológica, podem ser conhecidas desde 10 de setembro, com a inauguração do Museu da Indústria. Iniciativa da Federação das Indústrias do Estado do Ceará (FIEC), por meio do SESI/CE, o Museu funcionará na Rua Dr. João Moreira, 143, no Centro, em uma das regiões que mais agregam vivacidade à história, cultura e turismo da capital cearense, onde estão localizados prédios como a antiga Cadeia Pública (hoje Emcetur), Santa Casa de Misericórdia, Passeio Público, Catedral Metropolitana de Fortaleza, Mercado Central e, ainda no entorno, espaços como o Centro Cultural Banco do Nordeste, Centro Cultural dos Correios e Academia Cearense de Letras. Na ocasião, será lançado o livro “Made In Ceará: Indústria e Cidadania na Interação Local-Global”, de autoria do presidente da FIEC, Roberto Proença de Macêdo, com prefácio de Delfim Netto. O Museu da Indústria contará com mais de 2 mil metros quadrados de área disponível e dedicada à valorização da história fabril, por meio de uma exposição dinâmica e de longa duração, com objetos, vídeos e textos remetendo à memória do setor produtivo. “Será um espaço cultural vivo, gerador e receptor de conhecimento, voltado para as artes, música, dança, teatro, literatura e artes visuais. Mas, principalmente, um ambiente de estudos, pesquisa e referência em assuntos como gestão industrial, inovação

Setembro/14

12

e produção, dentre outros. Diversos projetos curatoriais já estão previstos para 2015”, explica o gestor do Museu, Luís Carlos Sabadia. Dentre os projetos previstos para o próximo ano estão pesquisas nas áreas de cotidiano de trabalho e a criação das primeiras indústrias cearenses. Também fazem parte do equipamento uma sala de leitura, dois auditórios multiuso (um com capacidade para

180 e outro para 70 pessoas), uma loja de suvenires, com assinatura da Mosaico, e um café bistrô, que funcionará de maneira independente ao Museu, tornando-se uma opção de convivência aos frequentadores do local. O café ficará

acesse o site: www.facebook.com/casadoceara

aberto de terça a sábado, de 9h às 19h. Diferenciais No Museu da Indústria, o acervo é dividido em virtual e físico, material que o visitante terá acesso por meio de dez ilhas virtuais e exibições em grandes dimensões. “Trata-se de um equipamento que foi idealizado para representar o que a indústria significou no Ceará como impulso para a geração de uma cultura própria do nosso povo, trazendo novos padrões sociais a cada avanço da tecnologia de produção”, afirma Roberto Macêdo, presidente da FIEC. Lá, grandes ícones da indústria cearense, como as redes, as cajuínas e o famoso Óleo Pajeú, representarão as mais diversas nuanças da indústria, segmentadas em têxtil, de energias, construção civil, agricultura e agronegócios e metalmecânicas, dentre outras. Ao longo da exposição virtual, estarão presentes as peças do acervo físico, doadas em sua maioria por indústrias cearenses, integrando o ambiente e formando uma atmosfera que transporta o visitante para as épocas das grandes prensas e máquinas de costura para couro, monótipos, linotipos, etc. Quem assina a curadoria é Julio Heilbron, da Empresa de Marketing Cultural (EMC), especializada em museologia, museografia e implantação de museus com suportes tecnológicos. O Museu da Indústria também terá uma “sede” virtual na internet, onde estarão, além do acervo, todo o banco de dados, projetos, programação das exposições, pesquisas, links para museus de indústria de outras cidades, etc.

Ceará em Brasília


acesse o site: www.casadoceara50anos.com.br

Leituras VI Gervásio de Paula (*) O Governo Federal não é totalmente culpado. O Governo Estadual não é totalmente culpado. O Governo Municipal não é totalmente culpado. Todos os setores da sociedade não são totalmente culpados. Mas, Fortaleza está um caos. De quem é a culpa pela buraqueira em suas ruas? No perímetro urbano e na periferia? De quem é a culpa pelos péssimos serviços de transportes coletivos nas áreas centrais e suburbanas? Os serviços de ônibus deixaram de ser o resultado de incompetência administrativa, para se tornar uma questão de saúde pública. Os assalariados, deles dependentes, pegam um ônibus cedo - quando conseguem - para no trajeto do trabalho se estressar com tanto sufoco. O mesmo calvário enfrentam ao voltar para casa. Horários disciplinados inexistem. Estudantes, idosos e até senhoras grávidas são deixadas nas paradas, por muitos motoristas cascas-grossas. Passam direto. As estatísticas do IBGE, de cinco anos - no Brasil são “atualíssimas” - continuam em dia. Fortaleza desabriga 750 mil miseráveis, 1/3 da população. Déficit habitacional de 100 mil moradias. Terceira maior concentração de rendas. Sessenta e sete áreas de riscos. Trezentas e sessenta e cinco

Somos Culpados

favelas. Menores abandonados e idosos na mendicância não tem IBGE que conte. Ruas transformadas em estacionamentos de carros nas mãos paralelas, restando, somente, os corredores estreitos do centro do asfalto, originando engarrafamentos enervantes. Sinais de trânsito são regulados em desacordo com o fluxo de veículos. Mais um motivo para congestionamentos. Pedestres não têm segurança nas ruas, pelo fato de ficaram constantemente com um olho no veículo - ao atravessar a rua, mesmo o sinal verde a seu favor - e o outro olho no descuidista que aguarda uma oportunidade para bater a bolsa. A dengue é perigosa e se tornou um caso de polícia sanitária. Por isso, adverte bastante a mídia todo dia e alguns serviços públicos de saúde administrados por gente séria e dedicada às suas obrigações com amor. Mesmo assim existem outras doenças transmitidas por ratos, pulgas, baratas e água contaminada nos recantos mais distantes do Centro e abandonadas pela “vigilância” sanitária. Ainda, assim, a nossa Fortaleza bela é cuidadosamente ornamentada, no Centro, pela devoção e o carinho de particulares e de empresas particular. No entanto, nos bairros afastados, enfileiram pirâmides de sacos de lixo. Os estacionamentos particulares do centro da cidade - meros galpões improvisados - não têm disciplina na entrada e saída de veículos. Aí, mais filas de carros

parados, aumentando a neurose de seus guiadores. A maioria dos bares, restaurantes e lanchonetes não tem sanitários higienizados e muito menos para mulheres. Os poucos focos que há são anexos às cozinhas onde se preparam os alimentos. Neles não há uma única garrafa de álcool para os fregueses desinfetarem as mãos. Os sanitários químicos que, aqui e ali, são vistos pelo centro urbano, só se apresentam em traje de gala, onde há espetáculos públicos de diversão. Os restaurantes self-service - com infinitesimais exceções - constam de alimentos frios pela brisa e descobertos, expostos à poeira, às moscas e alguns mosquitinhos mais requintados. Até nas calçadas residenciais há lixo doméstico jogado ao léu. E o lixo hospitalar quem sabe onde é enterrado ou incinerado? Esse, sim, é perigoso. Como não há segredo debaixo do sol, a população que paga seus impostos em dia ou em atraso, com alguma multa, sabe quem é o culpado ou os culpados dessas mazelas sócio-administrativas. Mas, prefere ficar em silêncio. Eu prefiro não esconder. Não nego o que o povo vê e deseja reclamar com mais intensidade. Eu e o Papa Francisco somos culpados... De tudo isso. (*) Gervásio de Paula (Fortaleza) jornalista

Entre erros e acertos, o escritor e jornalista Xico Sá homenageia musas e celebridades nacionais

Em seu novo livro, o escritor e jornalista Xico Sá escreve crônicas em homenagens a musas que vão da apresentadora Fernanda Lima à cantora Gal Costa O trabalho mais recente do escritor e jornalista cearense Xico Sá - “O livro das mulheres extraordinárias” - é uma coleção de crônicas-elogios a beldades famosas do País. Assim como toda a produção do autor dedicada às mulheres, essa aqui também habita a linha bastante tênue entre o humor e o machista, e entre o enfado e o prazer. Devoto confesso do feminino (não apenas no sentido carnal, mas “espiritual” - na falta de melhor palavra para se referir a todo o resto que envolve ser mulher), Xico Sá inspira-se em figuras como Vinicius de Moraes, outro autor movido a musas bem reais. Nunca, porém, aproxima-se da engenhosidade dos versos do poetinha. Permanece naquela seara entre o cômico, o brega e o popular. Não lhe faltam méritos, claro, mas por vezes torna-se repetitivo. A capa de “O livro das mulheres extraordinárias” mais uma vez recorre a estética setentista do mestre Benício, remetendo a romances eróticos baratos ou pôsteres da fase mais lasciva do cinema nacional, semelhante ao que Xico Sá já havia usado em seu “Chabadabadá”. Uma tirada divertida, não induzisse o leitor ao erro. Estão lá Camila Pitanga, Vera Fischer, Taís Araújo, Sabrina Sato, Fernanda Lima, Luiza Brunet e outros exemplares que suscitam desejos libidinosos. Embora representem a diversidade genotípica do País, essas loiras, morenas, branca e negras aparecem unidas por um ideal restrito de beleza (uma construção com poucas variações e quase inalcançável), misturado a certa aura mitológica das estrelas de cinema e TV, do mundo da moda e outros campos de natureza artística. Favor não apelar para o saturado “argumento” do recalque, hoje indiscriminada e propositalmente confundido com discordância. Beleza é bom e todo mundo gosta (e

Ceará em Brasília

todo mundo gosta por ser subjetiva, vale ressaltar). Discutir mulheres ocasionalmente por esse parâmetro não é pecado - ou é, no sentido mais gostoso da palavra pode evocar. O incômodo aqui é a associação entre beleza e “extraordinárias”. Ou o equivocado texto da contracapa, ao legar a estas mulheres o papel de “guias do erotismo e do afeto no País” - duas palavras tão profundamente ligadas a outros fatores. Lembra aquela infeliz propaganda de cosméticos que classifica mulheres entre poderosas (extraordinárias) e “café com leite”. Encantos diversos Um passar de olhos pelo sumário, no entanto, revela o que a embalagem falha em mostrar. Na lista de “divas” do autor estão nomes que não se querem representantes da beleza, pois preferem orientar suas vocações para outras áreas. É o caso das cantoras Gal Costa, Lia de Itamaracá e Fernanda Takai; das jornalistas Ilze Scamparini e Marília Gabriela; das atrizes Lucélia Santos e Betty Faria; a escritora Lygia Fagundes Telles; a modelo e atriz Elke Maravilha; e até Rê Bordosa, personagem do cartunista Angeli. É encantador, por exemplo, quando Xico Sá refere-se à voz de Scamparini, “capaz de ninar o mais inquieto

dos marmanjos”; ou, um pouco mais safado, à de Iris Lettieri, locutora oficial do Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro (“Na vastidão do Galeão a voz nos pega no colo, sussurra ao miocárdio, mostra que uma fêmea, muitas vezes, sequer precisa de um corpo”). Ou quando assina um carinhoso haikai para Fernanda Takai. É recompensador quando Xico resgata o episódio de Lucélia Santos, que virou notícia simplesmente por andar de ônibus (“Lucélia é bem maior e pede passagem”). E bonito quando fala de Elke Maravilha, a russa mais brasileira de todas: “Queria que vocês vissem Elke dissertando sobre Dostoievski, seu escritor preferido. Tive essa sorte. Melhor do que qualquer professor da USP. Só assim aprendi sobre crimes e castigos”. Do mesmo jeito, há derrapadas desnecessárias, como quando fala da magreza de Fernanda Torres ou se alonga em duas páginas para repetir sua preferência por pelos pubianos (e, nessa, a atriz Nanda Costa fica esquecida no primeiro parágrafo, resumida ao único “mérito” de ter posado para a Playboy sem estar depilada). O próprio estilo de Xico por vezes soa forçado, pela repetição. Talvez seja mulher demais, paixão demais, aí as palavras não dão conta. Só a expressão “flor de obsessão” é usada duas vezes seguidas, para Deborah Secco e Adriana Esteves. A própria palavra já diz, obsessão é persistente, aflitiva, involuntária; é mania fixa, forte demais para haver ser banalizada. Entre perdas e ganhos, o livro tem seus bons momentos, graças à qualidade de Xico Sá como cronista, que se sobressai a despeito de deslizes. Para ler aqui ou acolá, não de uma tacada só. E quem sabe elaborar sua própria listinha de obsessões. LIVRO O Livro das Mulheres Extraordinárias - Xico Sá - Três Estrelas. 2014, 264 páginas R$ 39,90 Adriana Martins, Repórter

acesse o site: www.brasilia50anosdecasadoceara.com.br

13

Setembro/14


acesse o site: www.casadoceara.org.br

Leituras VII

Todo penso é torto

Macário Batista (*) Este era um texto que ouvia muito quando era menino e no meio da turma havia um sabichão que sempre “pensava” alguma coisa sobre qualquer assunto. Aí, pra rebater a gente dizia que todo penso é torto. No duplo sentido inclusive. Estava eu cá ouvindo as perorações dos deputados na Assembléia do Estado, defendendo seus, deles, interesses e/ou dos aliados e deu-me um frouxo de riso. De um lado os que querem ir pro mundo caçar votos, de outro lado os que querem ficar na Casa falando mal do governo que é pra ver se rende voto. A mesa achou por bem fazer uma sessão apenas por semana, dia de terça feira, porque no duro no duro cidadão não vai largar o pé do eleitorado, assediado pelos adversários e pela avalanche de dinheiro que anda nos cafundós do judas comprando voto e torto e a direito. Isso é fácil de apurar, basta que os Tribunais peçam um relato, por menor que seja, pra Polícia Federal. Se o Ministério Público for levantar o que se diz nas ruas, becos e avenidas, vai ganhar um tempo enorme pra cassar mandato que fatalmente serão ganhos pela força da grana generosa e fácil. Outro dia ouví cidadão de tentativa duvidosa dizer que ia gastar uns 10 milhões pra arrumar de 80 a 100 mil votos. Foi o que me contou o carinha que ouviu sei lá onde nem de quem. Mas acredito. Pois bem; de um lado ficou acertado que sessão na Assembleia só dia de terça feira até outubro. Pode até ter uma extra e tal, mas é assim que é assim. De outro lado ficam os que largaram ou não suportam o Governo e queriam ficar com rádio, jornal e televisão à mão pra desancar o adversário que quer fazer o sucessor. Então, sobre esse negócio ai de comprar voto, liga, não, viu. Em tempo de seca uma eleição no Nordeste é um grande e dadivoso inverno. A frase: “A carga tributária sobre os remédios chega a 37%”. Tem gente que isso é cuidar da saúde do povo. A raiva do ladrão Após roubar uma motocicleta em Russas, no interior do Ceará, um ladrão abandonou o veículo e ainda deixou um bilhete reclamando das condições da moto que, segundo ele, “não dá nem pra fazer um assalto”. De acordo com a Polícia Militar de Russas, a moto foi deixada na zona rural da cidade na tarde da última terça-feira (5), e já foi devolvida ao dono. O bilhete encontrado no local chamou atenção dos policiais. “Ajeita essa porqueira, macho, não dá nem pra fazer um assalto. Isso não serve nem pra botar no lixo, seu fulero. Compre uma brozinha, macho. Valeu, compadre”, diz o bilhete. Isso é que é país Se fosse uma operadora, a “Gatonet”, como é chamada a pirataria na TV paga, seria a terceira maior do Brasil, atrás apenas da Net (6,1 milhões) e da Sky (5,1 milhões). Teria mais de quatro vezes mais assinantes que a Oi (886 mil). O tamanho da ladroagem No total, 4,2 milhões de domicílios brasileiros possuem TV paga clandestina. Isso quer dizer que o país possui 23,2 milhões de domicílios com acesso aos canais por assinatura, dos quais 18,1% não pagam pelos serviços. (*) Macário Batista (Sobral), jornalista multimídia, presidente do Comitê de Imprensa da Assembleia Legislativa do Estado do Ceará.

Setembro/14

14

Gestão

SENAI/CE cria política de propriedade intelectual O Conselho Regional do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI/CE) aprovou, no dia 22 de agosto, a implantação da Política de Propriedade Intelectual da instituição e estabelecimento do Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT), no âmbito da Unidade de Inovação e Tecnologia (Unoitec). A política define normas gerais para a gestão dos bens de propriedade intelectual nos aspectos relacionados à titularidade e à proteção resultantes de atividades do SENAI/CE, desenvolvidas por colaboradores, alunos e bolsistas/estagiários, ou qualquer pessoa que utilize ou compartilhe recursos de qualquer natureza com outra instituição de direito público ou privado. Segundo a política, pertencem exclusivamente ao SENAI/CE os diretos patrimoniais das invenções, descobertas e demais bens e serviços de propriedade industrial, desenvolvidos em decorrência de contrato de trabalho, atividades discentes, competições e concursos de cunho tecnológico, resguardados os direitos morais dos autores e a nomeação dos inventos. O núcleo tem como atribuições cuidar do processo de formalização, encaminhamento e acompanhamento dos pedidos e registros de propriedade industrial; zelar pelo cumprimento, pela manutenção e sugerir atualizações da

política; estimular a cultura da proteção à propriedade intelectual; apoiar e dar suporte técnico na análise de viabilidade técnica e econômica da inovação; apoiar negociações de parceria com outras instituições; e propor procedimentos de apuração e fiscalização dos ganhos financeiros com a produção intelectual desenvolvida em parceria com a entidade; dentre outras. Para o gerente da Unitec, Alysson Amorim, a política do SENAI/CE é um conjunto de regras e diretrizes internas da instituição para gestão do conhecimento gerado. “Os produtos resultantes de projetos ou ideias de colaboradores, principalmente, em projetos que envolvem empresas, isso tudo, dependendo do valor gerado, é passível de proteção.” Para ele, é importante criar um arcabouço de proteção porque os produtos criados no âmbito do SENAI vão gerar interesses externos. Alysson destaca dois pontos importantes da política. Ele acredita que a iniciativa incentivará colaboradores a empreender e propor inovação e melhorias internas. Em seu texto, a política estabelece regras sobre o reconhecimento de inovações. Outro ponto importante refere-se aos Institutos SENAI de Tecnologia e Inovação. A política determina as diretrizes internas para que os colaboradores possam negociar cotitularidade das patentes ou royalties.

Requalificações urbanísticas do Cumbuco e da Prainha são autorizadas As praias de Cumbuco (Caucaia) e Prainha (Aquiraz) vão receber obras de requalificação urbanística empreendidas pela Secretaria do Turismo do Estado (Setur CE), por meio do Programa de Desenvolvimento do Turismo (Prodetur). Os contratos com a empresa vencedora das licitações foram assinados na última segunda-feira (1º). Ao todo, serão investidos R$ 14.065.245,41 nos dois destinos, oriundos de financiamento internacional junto ao Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). Várias praias do Ceará vão receber intervenções do gênero pelo Prodetur que visa melhorar a ambiência dos destinos turísticos e, assim, incrementar o fluxo turístico com sustentabilidade, atrair novos empreendimentos, e gerar emprego e renda para as populações das comunidades beneficiadas. As próximas são: Morro Branco (Beberibe), Caponga (Cascavel) e Redonda (Icapuí), cujos projetos somam R$ 8 milhões e tiveram seus processos licitatórios iniciados na quarta-feira, 3. Investimento no Cumbuco será superior a R$ 12 mi Paraíso dos kite surfistas e vizinho a Fortaleza, a Vila

do Cumbuco receberá investimentos de R$ 12.140.155,67 em melhorias urbanas. As obras devem durar seis meses e serão executadas pela Enpecel Engenharia LTDA. Serão construídos quatro estacionamentos, um centro de artesanato, bicicletários e cabines de polícia e de salva-vidas. Também haverá padronização de calçadas e passeios; implementação de acessibilidade; instalação de mobiliário urbano (bancos, lixeiras, canteiros, entre outros itens), e reforma da Praça Central. A matriz de responsabilidades do Prodetur prevê a segunda etapa da requalificação do Cumbuco, cujos projetos estão em fase de aprovação. Esta parte concentra suas ações à beira-mar, e incluem calçadão, via paisagística, guarderia para kite surf e praça multiuso, que deve servir tanto para eventos quanto para a prática esportiva. Prainha terá nova praça Além da requalificação do Cumbuco, a Setur CE também autorizou o início das obras de requalificação urbanística da Prainha, em Aquiraz, no Litoral Leste. A vila vai ganhar uma nova praça central, com iluminação, paisagismo e mobiliário urbano. A licitação foi vencida também pela Enpecel Engenharia LTDA. por R$ 1.925.089,74

PIB cearense cresce 3,04% no segundo trimestre de 2014 Medida pelo Produto Interno Bruto (PIB), que representa a soma de todos os bens e serviços produzidos, a economia cearense cresceu 3,04% no segundo trimestre de 2014, em comparação ao mesmo período do ano passado, bem acima do resultado nacional, de –0,9%. No ano, o acumulado no Ceará ficou em 3,49%. As taxas do PIB dos últimos quatro trimestres mostram um crescimento de 3,32% para o Ceará e de 1,4% para o Brasil. Com o resultado do PIB cearense no segundo trimestre deste ano, o Estado obteve um total de 17 trimestres consecutivos acima da média nacional. Os números foram divulgados nesta quinta-feira (04) pelo Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (Ipece), órgão vinculado à Secretaria de Planejamento e Gestão (Seplag) do Governo do Estado. O cálculo do PIB é estimado com base nos resultados de três setores: indústria, serviços e agropecuária. O levantamento do Ipece, apresentado pelo professor Flávio

acesse o site: www.facebook.com/casadoceara

Ataliba, diretor Geral do Instituto, revela, por exemplo, que o setor agropecuário do Ceará apresentou, no segundo trimestre de 2014, o melhor desempenho, fechando com crescimento de 52,6% (embora o peso seja de 4,5% na composição do índice); no acumulado do ano de 47,2% e nos últimos quatro trimestres de 24,43%. O segmento de serviços, que tem peso de 73%, portanto é o mais representativo dentre os três segmentos - obteve o segundo melhor resultado, com 3,0% no segundo trimestre deste ano, com destaque para o setor de Alojamento e Alimentação, que fechou com índice de 9,43%, seguido pelo Comércio, com 5,24%; Intermediação Financeira com 3,49 por cento e Outros Serviços, com 2,75%. Apesar da retração de 4,2% verificada no segmento Indústria no segundo trimestre de 2014 – tendência observada nacionalmente - e de -1,25% no acumulado no ano, nos últimos quatro trimestres o saldo é positivo, já que atingiu 2,12%.

Ceará em Brasília


acesse o site: www.casadoceara50anos.com.br

Leituras VIII

Realizações do DNOCS em Pesca e Piscicultura

José Jarbas Studart Gurgel (*)

Nordeste, mais conhecido por DPAN e firmado entre DNOCS/ SUDENE/USAID, com sede em Fortaleza, CE, executou um programa de alto nível técnico e científico. 8. O Convênio firmado entre o DNOCS e a empresa estatal húngara AGROBER, com vigência de 1986 a 1995, teve como principal finalidade a transferência de tecnologia avançada para o semiárido nordestino no campo da propagação de peixes. 9. Um transplante inusitado de 92 mil ovos fecundados de tambaqui e pirapitinga foi feito pelo DNOCS em abril de 1980, por via aérea, de Fortaleza para a California, EUA, por conta e risco da empresa norteamericana – Solar Aquafarm, cujo Diretor de Operações trouxe consigo um sofisticado equipamento técnico, com vistas a assegurar o pleno êxito da missão. 10. Até 1990 a produção total do pescado capturado em 100 açudes públicos do DNOCS alcançava 20 mil toneladas de 18 diferentes espécies, entre regionais e aclimadas. Hoje, somente os dez (10) maiores açudes públicos do Ceará e poucos privados, produzem 30 mil toneladas de apenas uma espécie, a tilápia. 11. O DNOCS é o berço da limnologia brasileira, ciência que estuda as condições físicas, químicas e biológicas das águas lênticas (açudes, represas, lagoas e outras águas paradas), pois foi em 1933 que estes estudos foram iniciados pela primeira vez por Stillman Wright em açudes do estado da Paraiba. 12. Em 1976 o Centro de Pesquisas Ictiológicas Rodolpho von Ihering do DNOCS, em Pentecoste, CE, não se transformou em uma unidade para treinamento de técnicos em aquicultura da América Latina com suporte da FAO, porque a decisão política cabia à então SUDEPE, extinta em 1987, que optou pelo CERLA – Centro Experimental Regional Latinoamericano em Aquicultura, localizado em Pirassununga, SP, que na época não oferecia a mínima condição.

13. Embora seja atualmente considerado crime ambiental, de 1956 a 1986 o DNOCS erradicou nos açudes públicos e privados do semiárido nordestino, em uma área superior a 90 mil km2, piranha, pirambeba e outros peixes até então considerados indesejáveis, mas que faziam parte da cadeia trófica. 14. Embora tenha tentado sem êxito erradicar dos açudes do semiárido os peixes indesejáveis pelo método biológico, usado de 1935 a 1955, o sucesso foi total com a aplicação do método químico descoberto no DNOCS.O princípio ativo usado no método químico para eliminar peixes indesejáveis nos açudes é a rotenona, substância que existe no timbó. 15. A Estação de Piscicultura de Pinheiros, MA, construída pela então DNOS quando era Presidente da República José Sarney (Pinheiros é sua cidade natal) , foi projetada tendo como modelo as estações de pisicicultura do DNOCS, mas ao ser oficialmente inaugurada coube à CODEVASF o privilégio de demonstrar para as autoridades presentes e à mídia, a sua operacionalidade na reprodução do tambaqui em cativeiro. Foi uma catástrofe. 16. Quando foi criada a Companhia do Vale do São Francisco (CODEVASF) em 1967, ela não possuía nenhum técnico especializado em piscicultura e piscifatura e nenhuma estação para criação de peixes em cativeiro. A primeira estação de piscicultura construída pela CODEVASF foi projetada pelo DNOCS e a sua operação ocorreu por conta do Convênio CODEVASF/DNOCS, cujo executor foi o Dr. Rui Simões de Menezes, pesquisador do DNOCS

Fortaleza apresentou a menor dívida por família em 2013

Luiz Roberto Maldonado ganhou Título de Cidadão Cearense

UFC é a universidade que mais cresce com pedidos de patente no País

Fortaleza apresentou, em 2013, a menor dívida por família (R$ 711) entre todas as capitais do País, cuja média foi de R$ 1.840, terceira alta consecutiva. O valor representa uma queda de 35% em relação aos R$ 1.100 apurados em 2012 na cidade. As informações fazem parte da pesquisa Radiografia do Endividamento das Famílias Brasileiras, realizada pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) e traz dados comparativos de 2011, 2012 e 2013, com base em informações do IBGE e da CNC. Já Recife, em Pernambuco, assim como nos anos de 2011 e 2012, foi a única no Nordeste que apresentou valor muito acima da média brasileira: R$ 2.175. Com R$ 1.863 de dívida por família, João Pessoa, na Paraíba, praticamente se igualou à média. Abaixo, ficaram os municípios de Salvador/BA (R$ 1.445), Maceió/AL (R$ 1.497), São Luís/MA (R$ 1.275), Teresina/PI (R$ 1.722), Natal/RN (R$ 1.365) e Aracaju/SE (R$ 1.419). Em 2013, Fortaleza liderou, ainda, o ranking nacional no que diz respeito ao menor porcentual de renda comprometida com as dívidas (21%). Cenário contrário aos dois últimos resultados, quando ultrapassou as médias de 29% e 30%, em 2011 e 2012, respectivamente. Da região, ainda ficaram entre as cinco primeiras dessa lista Salvador (28%) e São Luís (26%). Nesse mesmo quesito, João Pessoa, Teresina e Maceió estão à frente das capitais brasileiras com maior valor de renda comprometida, sendo que as duas primeiras registraram 44% e a terceira 40%. Com relação ao porcentual de dívidas em atraso, a capital de destaque foi Aracaju, que reduziu em 25 pontos porcentuais o nível de inadimplência das famílias: de 45% do total apurado em 2012 para 20% este ano. Em 2011, a cidade havia registrado 43%. Redação O POVO Online

A Assembleia Legislativa do Ceará entregou em 18.08 o Título de Cidadão Cearense ao empresário Luiz Roberto Maldonado Barcelos, maior ex p o rtad o r d e frutas do País. A homenagem aconteceu no Plenário 13 de Maio e atendeu ao requerimento do deputado Dedé Teixeira (PT). O governador do Ceará, Cid Gomes, prestigiou o evento, que contou também com a presença do empresariado cearense. “Nosso festejado e um bem sucedido paulista de 49 anos de idade, que hoje merece muito mais do que uma mera releitura de feitos como empreendedor. Sua trajetória, aqui iniciada em Icapuí, a 200 quilômetros de Fortaleza, com a fundação da Agrícola Famosa no ano de 1995, já transcendeu há muito tempo a relevância dos espaços físicos e das perspectivas negociais”, disse Dedé Teixeira. O homenageado, que recebeu o titulo das mãos do governador Cid Gomes, relembrou suas raízes cearenses. “Meu avô saiu de Fortaleza em 1909 para estudar Medicina em Salvador, curso que ele concluiu em 1914 no Rio de Janeiro”, afirmou. “Quis o destino me trazer aqui para a terra dele”, completou. Nascido em São Paulo, no dia 17 de janeiro de 1965, Luiz Roberto Barcelos, mais conhecido como“Bebeto”, é formado em Direito pela Universidade de São Paulo (USP).Em 1991, foi sócio do escritório de advocacia Batista e Barcelos, em São Paulo. No mesmo ano, tornou-se sócio da Alba, Comercial e Exportação LLP.

9 de setembro de 2014 às 15:07 Eliomar de Lima Brasil, Ceará, Universidade Deixe um comentário A Universidade Federal do Ceará foi a universidade brasileira que mais cresceu nos pedidos de registro de patente (registro de invenções), um dos principais indicadores de inovação tecnológica. O número de patentes solicitadas pela Instituição cresceu 766% entre os biênios 2008-2009 e 2010-2011, passando de três para 26 no período. Os dados fazem parte do Ranking Universitário da Folha (RUF), divulgado nessa segunda-feira. Segundo o RUF, o número de patentes da UFC supera a média nacional, que é de 6,3 pedidos por instituição. Na avaliação da coordenadora de Inovação Tecnológica da UFC, professora Selma Mazzetto, vários fatores ajudam a explicar esse crescimento, entre eles boa gestão, planejamento, apoio das instâncias superiores e a integração entre os diversos setores da universidade. Como uma das iniciativas, pesquisadores foram incentivados a aprender e registrar pedidos de patentes por meio de cursos do Instituto Nacional de Propriedade Industrial (Inpi), órgão que analisa os registros. Outro fator importante para alavancar o número de pedidos de patente foi o maior investimento em pós-graduação, sobretudo com foco na contratação de mais doutores. “Essas novas contratações vieram somar, porque trazem cada vez mais tecnologias inovadoras”, ressalta Selma. Com mais patentes, a Universidade tem ganhos importantes, como a possibilidade de elaborar indicadores de ciência e tecnologia, atrair recursos financeiros através da transferência de tecnologia e ainda aumentar a interação com outras instituições, tornando a UFC ainda mais reconhecida nacional e internacionalmente

Ceará em Brasília

(*) José Jarbas Studart Gurgel (Aracati), farmacêutico, professor da UFC, especialista em pesca tendo sido dirigente do DNOCS. Complemento do texto publicado na Edição nº 264, DE JUNHO DE 2014, desta flamante folha

Foto: José Leomar

1. A Alemanha foi um dos primeiros países do mundo a receber tecnologia gerada pelo DNOCS em reprodução artificial de peixes, graças aos trabalhos publicados por Rodolpho von Ihering em 1935, em revistas especializadas e editadas em Leipzig, Neudamm e Berlin, conforme cita Nomura (1984). 2. Mais recentemente foi publicado em Berlin, Alemanha, um trabalho técnico-científico do DNOCS sobre a produtividade pesqueira dos açudes do Nordeste e o papel das tilápias, de autoria de José Jarbas Studart Gurgel e Constantin Herbert Fernando, na Revista Internationale Revue der Gesamten Hydrobiologie, Volume 79, Nº 1, pags. 77-94, 1994, de Berlin, Alemanha. 3. O DNOCS, de 1983 a 1987 colaborou com a Universidade de Hamburgo, na Alemanha, nos estudos sobre a fisiologia da respiração do tambaqui. 4. O DNOCS, na pessoa do então titular da Diretoria de Pesca e Piscicultura, José Jarbas Studart Gurgel, fez-se presente ao World Technical Conference on Aquaculture, promovida pela FAO e realizada no período de 26 de maio a 02 de junho de 1976, em Kioto, Japão. 5. Em 1976 foram exportados pelo DNOCS para o Japão, através da empresa Industria de Pesca do Ceará (IPECEA), 10 toneladas de camarão do açude Orós, CE. 6. O DNOCS é o único responsável pela introdução da tilápia no Brasil, cujos primeiros sessenta (60) alevinos chegaram a Fortaleza, CE, por via aérea, em 24 de novembro de 1971, diretamente da Estação de Piscicultura de Bouakê, Costa do Marfim, África. 7. Durante mais de dez (10) anos, ou seja, de 1966 a 1976, o Convênio para desenvolvimento da pesca nos açudes do

acesse o site: www.brasilia50anosdecasadoceara.com.br

15

Setembro/14


acesse o site: www.casadoceara.org.br

Beto Studart assumiu a presidência da Federação das Indústrias do Estado do Ceará-FIEC

O novo presidente da FIEC, Beto Studart, tomou posse em 22.09. com mandato de cinco anos sem direito à reeleição. Roberto Macêdo, atual presidente, permanecerá como membro da Confederação Nacional da Indústria. Aos 66 anos, presidente do Grupo BSPAR, Beto já credita como uma vitória a união dos sindicatos em torno de uma única chapa. Beto Studart nasceu em Fortaleza. É graduado em Administração de Empresas, pela Uece. Em 1969, aos 22 anos de idade, chega à presidência da Agripec. Hoje, atua principalmente no mercado imobiliário, com a BSPAR Incorporações e BSPAR Construções. Participou das diretorias do CIC, Fiec e Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para a Defesa Agrícola (Sindag). Foi presidente, em dois mandatos seguidos, da Associação das Empresas Nacionais de Defensivos Agrícolas (Aenda). Criou, em 2004, a Fundação Beto Studart de Incentivo ao Talento, organização não-governamental que dirige com sua esposa. O fortalezense que investiu R$ 30 milhões em um coração artificial vai representar 39 sindicatos e 2.002 empresas cearenses. O POVO entrevistou Beto Studart na véspera da aclamação. Saiba quais seus planos. O Povo - A Fiec desenvolve ações em inovação. Uma delas tentar unir a demanda do mercado com os estudos das universidades. O assunto será carro-chefe na sua gestão? Beto Studart - Essa preocupação que o setor industrial tem em atrair a classe intelectual, detentora da ciência e da tecnologia, terá continuidade com muita

ênfase. Vamos desmitificar essa relação, que, até certo ponto, não construía nada para a sociedade. OP - Por que a luta por uma chapa única? Beto Studart - Por conta do próprio exemplo que nós tivemos no passado, quando fomos disputar em chapas distintas. Isso deixou um legado muito ruim para a Federação, por que se criou automaticamente dois grupos distintos, em sentidos diferentes. Temos 26 comp a n h e i ro s (diretoria), cada um com uma forma diferente de pensar. O importante é pegar todos os pensamentos e consolidar em uma só ação. Isso é que é inteligente. Mas unidade não significa mesmice. Durante seis meses, vamos discutir o futuro modelo da nossa gestão. Tenho que discutir isso com todos. OP - Qual será a primeira grande mudança da sua gestão? Beto - Tem muita coisa que a Federação realiza por intermédio do Sesi (Serviço Social da Indústria), Senai (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial) e Indi (Instituto de Desenvolvimento Industrial). Não tenho nenhuma crítica, mas irá ser melhor ainda. Resta conhecer todos os detalhes, para que a gente possa, em conjunto daqueles que são experts, melhorar ainda mais. Vamos tentar envolver nossos diretores nesses serviços. Temos que monitorar se aquilo de que estamos

desejosos está efetivamente sendo feito com a qualidade que a sociedade necessita. OP - Já existem os recursos para o anexo da Fiec? Em que fase está o projeto? Beto Studart - A gente tem que pensar isso no futuro. Tem que ver esse aspecto físico, porque precisa de reformas importantes. Não esse ano. É importante, mas não é prioridade. OP - Como ficam as suas atividades empresariais? Beto Studart - Vou desprender mais energia agora. Vou melhorar a minha agenda de trabalho. Vou ter que delegar mais aos meus diretores, que são extremamente bem preparados. As empresas são tão bem organizadas, eles vão ficar mais preocupados, mas não trabalhar mais. (risos) OP - Quando será testado em humanos o coração artificial desenvolvido pela Studheart, a parte do seu grupo que trata de pesquisas? Beto - O produto está pronto. O coração foi testado no Incor (Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo), no departamento de Bioengenharia. Testamos em seis animais de forma protocolar. Mas já foram testados em mais de 20 animais. O que nos resta é registrar o produto na Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Talvez o momento mais difícil em função da burocracia brasileira. OP - Quanto foi investido? Beto - Cerca de R$ 30 milhões, sem contar com o valor intelectual e a tecnologia empregada. André Jonatan, O Povo (Fortaleza)

mkt.nacionalgás

Energia que faz parte da nossa vida.

Setembro/14

16

acesse o site: www.facebook.com/casadoceara

Ceará em Brasília


acesse o site: www.casadoceara50anos.com.br

Pr Esp ojeto eci s ais

Momentos marcantes da vida do prof. Albery Mariano

Ceará em Brasília

Fotos: Albino Oliveira

DR. ALBERY É CONDECORADO PELA IGREJA ORTODOXA O Comendador Dr. Albery Mariano foi condecorado, no dia 31 de agosto, pelas mãos do Presidente Mundial da Igreja Ortodoxa Grega da Diáspora, Dom Athanasio I – Arcebispo Primax do Brasil e América Latina, com medalha “Cristo Logos” pela dedicação, trabalho e empenho em prol da Igreja Ortodoxa do Lago Sul, Brasília/DF, do Revmo. Padre Francisco Feitosa, em missa festiva. O CASAL É PADRINHO DE CASAMENTO Dr. Albery e Cleuza Mariano foram padrinhos de casamento da jornalista do E+ Notícias, Alinne Resende, e Daniel Dias, diretor de arte do veículo de comunicação. O enlace matrimonial foi realizado no dia 09 de agosto de 2014, em Caldas Novas. O presidente do E+ Noticias, Mangini, e a secretária da empresa, Anízia Carvalho, também foram padrinhos de casamento do jovem casal. CASAL DESTAQUE 2014 Mais uma vez, o advogado, escritor e poeta – Comendador Dr. Albery Mariano, e sua esposa, a escritora, pedagoga e e especialista em Educação – Dama Comendadora, Cleuza Luiza Mariano foram homenageados por serem referência literária, não só em Caldas Novas, mas por ordem passam eles possuem vínculos culturais e Acadêmicos. O Comendador - Dr. Albery Mariano , ex-presidente da Academia de Letras e Artes de Caldas Novas/Go, ex-membro da Academia Brasileira de Artes, Cultural e História de São Paulo/SP, juntamente com sua esposa, também Acadêmica, tem feito um excelente trabalho no mundo das letras, incentivando e divulgando livros históricos e pessoas em Goiás, Brasília, Minas Gerais, Ceará e São Paulo. Foi extraída da revista E+ 19 de Setembro de 2014 Pagina 24.

acesse o site: www.brasilia50anosdacasadoceara.com.br

17

Setembro/14


acesse o site: www.casadoceara.org.br

Página da Mulher Regina Stella (*) “_Setenta e sete! Setenta e sete!” Gritavam-lhe os irmãos mais velhos, oito, dez anos, doze, num tom de mofa e franca hostilidade quando querendo participar da brincadeira atrapalhava o jogo, a corrida, a subida nas mangueiras. Pura implicância dos manos a exclamação, dita sempre aos gritos, com um ar de zombaria, agressão que tentava revidar, protestando junto ao pai, à mãe, o insulto recebido. Única menina da casa, recebia dos pais toda proteção e acolhida mas sabia que o apelido era uma ofensa dos irmãos, que se afastavam , rindo às escondidas, fazendo trejeitos e caretas. Enraivecida, respondia a provocação com uma infindável lista de apelidos que sabia de cor, que os instigava, irritava também, verdadeira guerra: bode louro! Tronco de amarrar onça, samangolé, potó, tocambel! Magricela, cambitos finos, cabelo escorrido, desenxabida, esganiçada, só muito depois veio a compreender, com certo humor, o apelido que tanto lhe pesara na infância. A seca de 77, no Ceará, fora a mais terrível, a mais desoladora, a mais cruel entre todas as secas. Ah! A horrenda visão da caatinga crestada, os garranchos retorcidos e secos, o chão calcinado, esturricado, semi-enterrados os esqueletos do gado, morto de fome, de sede, e sob um sol escaldante, os passos lentos, pesados dos retirantes, e a conformação do nordestino ante a tragédia, numa luta insana para sobreviver! “ A secca perante a Sciência e a religião” Pelo vigário da Cachoeira, Padre Bellarmino José de Souza. Fortaleza. Typ.Constitucional-Rua Formosa número 30.l880 _Aos meus paroquianos em geral- três longos annos tenho demorado entre vós, ó meus bons amigos, a contar

Bar dos Cunhados SCLS 405 Bloco “B” Loja 10 – Asa Sul/ 3443 1450 - Pedro Prado e Paulo Prado Donos (Hidrolândia). Garçons: Raimundo Vieira(Viçosa do Ceará), Edmilson Bezerra,(Poranga), Johnson de Souza e Raimundo Pacheco (Santa Quitéria). CLN 115 BL B lj 21- Asa Norte - 70772-520Tel(61) 3274-7805. Bar dos Cunhados no Tênis do Iate Clube Damázio Prado (Hidrolândia) arrendatário - 3379-88763 Setor de Clubes Esportivos Norte Trecho 2 Conj 4 -70800-120 Bar dos Cunhados Veleiro no Iate Clube Antonio Prado (Hidrolandia) arrendatário 3329 8761 e 3323 4207 Beirute Sul Proprietário Francisco Martins (Ipu) SCLS109 Bloco”A” Loja 2/4 – Asa Sul /3244 1717 Beirute Norte Maitre Bartolomeu Martins (f.cearense, Brasília) Coco Bambu – Frutos do Mar Gerente Geral Eilson Studart (Fortaleza). SCES Trecho 02, Conjunto 36, Parte CÍcone Parque - 70200-002 Tel3224 5585 Brasília Shopping SCN Qd 05 BL.A , 70715-900 - Tel 3038.1818 Baby Beef Rubaiyat - Brasília Maitres: Jopé Itamar Ferreira Gomes (Acaraú), Silva (Ubajara) e Manoel Adilson Rodrigues (Jijoca), Garçons: Luis Neto Alves Sobrinho (Acopiara) e Antenor Neto Rodriges (Ibiapina), bar-men: Doniseti Ferreira Chaves (Ibiapina), Hernandes Freitas (Jijoca) e Gleison Ferreira da Silva (São Benedito), Recepcionista Viviane Bezerra da Silva (Ipueiras). SCES – Setor de Clubes Esportivos Sul, Trecho 1, lote1 A - Asa Sul - Tel 61. 3443.5000 Dom Francisco SCS 402 Bloco B Loja 09, 3224 1634 3226 1816 - Gerente: Wilton Melo (Ipu); maitre : Valdemir Alves Souza (Sobral); garçom: Evandro Magalhães (Santa Quitéria) ASBAC SCES Trecho 02 Conj 3226 2005 3224 8429 3223 5679

Setembro/14

18

Seca: a tragédia se repete

do dia l2 de janeiro de 1877 a l2 de janeiro de 1880, tempo verdadeiramente cruel e fatídico para mim e para vós. Como que a Providencia Divina collo cando-me no meio de vós, numa epocha de tantos e tão terríveis infortúnios,quis, pela prova do mão tempo, estreitar melhor os laços que prendem o Pastor a seu rebanho. N`esses três annos tenho sido vosso companheiro de martyrio, vosso irmão pela dor, e a consciência não me accusa de vos ter abandonado um instante siquer no meio de tantas e tão dolorosas privações. Coube-me por partilha a epocha do terror- e do pranto-, da desolação e da morte. Tenho vivido no meio de vós triste como a estatua da dor! Este sol de fogo, este Céo inclemente, esta natureza-sepulcro,esses campos desertos, esses esqueletos de árvores,essas ossadas humanas,(meu Deus), tudo me inspirava terror, amargura, tristeza e desolação! Villa da Cachoeira,12 de janeiro de 1880” Passados mais de cem anos, o cenário é o mesmo, os personagens são chamados , de novo, à cena, a marcação é idêntica, a tragédia se repete, negra, perversa. Findou-se o Império, quando D. Pedro II proclamou que venderia as jóias da coroa para que nenhum nordestino morresse mais de fome. Veio a República, sucedendo-se no mando do país presidentes de todas as origens, inclusive nordestinos, e a despeito dos discursos retumbantes, das teses de doutorado, dos planos de desenvolvimento econômico e social, da distribuição das cestas básicas, da abertura de frentes de emergência, o problema permanece sem solução. Os mesmos programas de ajuda, o abastecimento d’agua pelos carros-pipas, as construções de cacimbões, de pequenas barragens. E ainda, em penosa peregrinação, terrível êxodo, pelas estradas, quilômetros de exaustiva caminhada para apanhar uma lata d’água! Ah! Só mesmo o nordestino conhece a opressão no peito,

Os Cearenses na Cozinha de Brasília Garçons: Iran Matos (Independência), Antonio Melo (Independência) Antonio José Barbosa (Monsenhor Tabosa). Elisimar Barbosa Oliveira (Monsenhor Tabosa); barman Francisco Ricardo Ferreira Gomes (Nova Russas); cozinheiros: Romário Vieira Barreto (Tauá) Francisco das Chagas Gomes (Nova Russas) e Francisco Dermival dos Santos (Nova Russsas). Dona Graça Maitre – Carlos Ângelo Veras (Viçosa do Ceará) Vila Planalto, Acampamento Pacheco Fernandes Rua 07 casa 15 Vila PlanaltoTel 3032 1062 - 70804-270 Forneria Parole Maitre Antonio Carlos de Souza (Guaraciaba do Norte) garçom José Gerardo de Azevedo (Guaraciaba do Norte); cozinheiros Juvêncio Fernandes Neto (Tauá), pizzaiolo Sinobilino Bezerra Neto (Tuaá) e Adinaldo Fernandes Bezerra (Tauá) QI 9/10 Comércio Local Loja 39 Lago Norte - 3368 3337 Gero Gerente: Célio Freitas (Hidrolândia) SHIN C04 Lote A Loja 22 Térreo Iguatemi 3577 5522 8110 0209 Galeteria Beira Lago Proprietário João Miranda Lima (Ipueiras) SCES Trecho. 02 conjunto 33, ao lado do PIER 21 Ki Filé Maitre – Maitre,Roberto Cavalcante (f.Cearense), Chefe de Cozinha, RaimundoCavalcante (Sobral). Gerente Eduardo Vasconcelos (f.Cearense), garçons: Francisco Souza (Sobral) e Raimundo Mourão (Nova Russas), cozinheiros Alessandro Loyola (Sobral) e Francisco Ferrreira (Granja) 405 Norte, bloco A - lojas 55/65/69 - (61)3274-6363 Libanus Proprietário Narciso Martins (Ipu) SCLS 206, Bloco “C”,loja 36 – Asa Sul / 3244 9795 Moranguim Chefe de Cozinha Francisco da Silva (Icó) SHIN QI2, Área Especial, Quiosque 14., Lago Norte/21947641 Em frente a loja do Pão de Açucar.

acesse o site: www.facebook.com/casadoceara

a sensação de desgraça iminente,quando, acentuada a estiagem, o mês de março começa, e a desolação se assenhora, sem nenhuma esperança de chuva! Paira no ar um prenuncio de flagelo, e se tem a impressão de que, aterrada, estática, transida de horror a atmosfera não circula, aquietados os ventos, e tão só o sol escaldante e o calor sufocante são testemunhas desse pânico silencioso e secreto que se apossa de cada coração, ante a calamidade prestes a desabar. Agora se mobilizam todos, com presteza...E se retrata, gigantesca, a velha industria. Sabem todos que a tragédia da seca não se resolve com planos de emergência e com paternalismo! Numa terra calcinada,sem água, sem lavoura, sem colheita, transformados os açudes em imensas crateras! E já se fez Itaipu! E já se construiu Tucuruí! Num famoso discurso, como senador do Império, o Padre Francisco de Brito Guerra dizia que “quando as águas do Nordeste deixarem de correr para o mar, por encontrarem açudes e barragens que as retenham, os nordestinos deixarão de correr para o Sul, expulsos pela seca”. As águas do Nordeste ainda correm para o mar, e os nordestinos ainda continuam a sofrer, humilhados, aniquilados, pela seca! Agora, são mais de cem, os municípios em emergência, no “Ceará, velho de guerra”, como se dizia antigamente! E, já tão habituados, todos, com o sol escaldante, a terra rachada, empedrada, os córregos esturricados, que já não se alardeia o mal, e só num cantinho dos jornais se lê a notícia, espremida, encolhida, quase pedindo desculpa! Mas aquela figura esquálida, no rosto a palidez de cera, a trouxa de roupa na cabeça, todos reconhecem. Permita Deus, não comece a procissão do retirante...Até quando, Senhor? (*) Regina Stella (Fortaleza), jornalista e escritora ganhar o mar, na tosca jangada.

New Koto (comida japonesa) SQS 212 loja 20 - 3346 9668 Garçons: Francisco Olavo Aprigio, Francisco Antônio Souza, Gelinaldo Brito e Genildo Brito, todos de Guaraciaba do Norte, José Wilson (Boa Viagem), cozinheiro José Aurélio (Sobral), sushiman Joao Carlos Nascimento e o ajudante dele, Eridam Lopes e o ajudante de cozinha Francisco Alan, todos de Guaraciaba do Norte Oxente Carne de Sol: Q 04, Conjunto J ite 37m Vila Buritis, Planaltina DF, 3389, 4005 - Copeiro Francisco das Chagas Aguiar (Sobral); -Pizzaiolo Narcelio Oliveira da Silva (Crateus); Cozinheira Edilza Maria (Fortaleza), ajudante de cozinha José Dalmir do Nascimento Sousa Prado(Sobral), -ajudante de cozinha Francisco Tadeu Prado Nascimento Sousa ( Sobral); Copeiro Manoel Bezerra Aguiar de Araujo ( Sobral) Pizzaria Primu’s Grill Dono: Chico Élcio (Sobral) Quadra 4. Conj, A Lt 60 – 9627 6430 Planaltina - 73.300-000; Recanto do Norte Donos: Eudes Braga Mesquita e Antônia (Toinha) Celeste Jorge Mesquita (Santa Quitéria) 409 Norte , Bloco B, Loja 65 – Tel 3271 8722 Taperas Restaurante Maitre – Francisco Tadeu de Oliveira (Iguatu) Sobreloja do Garvey Palace HotelTel 33 28 4265 Trindade Maitre Luciano Rodrigues (São Benedito) Chefe de Cozinha - Francisco Alves (Acaraú) SHCS Quadra 105, Bloco D Conjunto 35 0 Asa Sul/ Tel32424005 Verde Perto Proprietário Carlos Pontes (Nova Russas) EPTG Chácara 56 sentido Taguatinga-Guará (ao lado do Posto de Polícia) 3567 8217 - Recanto do Norte

Ceará em Brasília


acesse o site: www.casadoceara50anos.com.br

Leituras IX

Humor Negro e Branco Humor O barbeiro

O florista foi ao barbeiro para cortar seu cabelo. Após o corte perguntou ao barbeiro o valor do serviço e o barbeiro respondeu: Não posso aceitar seu dinheiro porque estou prestando serviço comunitário essa semana. O florista ficou feliz e foi embora. No dia seguinte, ao abrir a barbearia, havia um buquê com uma dúzia de rosas na porta e uma nota de agradecimento do florista. Mais tarde no mesmo dia veio um padeiro para cortar o cabelo. Após o corte, ao pagar, o barbeiro disse: Não posso aceitar seu dinheiro porque estou prestando serviço comunitário essa semana. O padeiro ficou feliz e foi embora. No dia seguinte, ao abrir a barbearia, havia um cesto com pães e doces na porta e uma nota de agradecimento do padeiro. Naquele terceiro dia veio um deputado para um corte de cabelo. Novamente, ao pedir para pagar, o barbeiro disse: Não posso aceitar seu dinheiro porque estou prestando serviço comunitário essa semana. O deputado ficou feliz e foi embora. No dia seguinte, quando o barbeiro veio abrir sua barbearia, havia uma dúzia de deputados fazendo fila para cortar cabelo. Essa é a diferença entre os cidadãos e os políticos. “Os políticos e as fraldas devem ser trocados frequentemente e pela mesma razão.” (Eça de Queiróz) NA PRÓXIMA ELEIÇÃO TROQUE UM LADRÃO POR UM CIDADÃO. CAMPANHA PRÓ-FAXINA DOS POLÍTICOS.

Anedota Premiada Barak Obama e 1º Ministro Britânico, Sir Cameron, estão num jantar na Casa Branca. Um dos convidados aproxima-se deles e pergunta-lhes: - De que é que estão conversando de forma tão animada? - Estamos fazendo planos para a “Terceira Guerra Mundial”, diz Cameron - Uau!, exclama o convidado. E quais são esses planos? - No Brasil, vamos matar 14 milhões de petistas e um flamenguista, responde Obama. O convidado parece confuso e pergunta: - Um... flamenguista? Por que é que vão matar um flamenguista? Cameron dá uma palmada nas costas de Obama e exclama: - Não te disse? Ninguém vai perguntar pelos 14 milhões de petistas!

A moça do cafezinho Numa empresa de grande porte, havia uma linda moça, com seus 25 aninhos, que servia o cafezinho. O chefão da Empresa era louco por ela. Um dia, quando ela entrou em sua sala com o cafezinho, ele pediu a ela que fechasse a porta à chave. Tomou o cafezinho e excitado, disse: - Não se ofenda, mas eu dou cem reais para você tirar a blusa. Ela aceitou, pegou, guardou os cem e tirou a blusa. O patrão continuou: - mais cem para você tirar a saia. Ela aceitou, pegou, guardou o dinheiro e tirou a saia, mostrando suas lindas coxas. Mais excitado ainda, disse: - duzentos para você tirar o sutiã. Ela aceitou, pegou, guardou os duzentos e tirou o sutiã, mostrando seus lindos seios. O patrão que já estava “ pra lá de Bagdá “, disse: - Agora eu dou quinhentos para tirar a calcinha. Ela aceitou, pegou, guardou e tirou a calcinha. Com a voz trêmula, disse entusiasmado: - Diga, quanto você quer para transar comigo ? Respondeu inocentemente a moça : - cincoenta reais que é o que eu cobro de todo mundo aqui na empresa ...

Ceará em Brasília

Relator inclui em MP prazo até 2018 para municípios acabarem com lixões O relatório da Medida Provisória 649/2014, apresentado pelo deputado André Moura (PSC-SE) no início de agosto, amplia até 2018 o prazo para as cidades acabarem com os seus lixões. A data limite encerrou-se em 2 de agosto deste ano, sem que a maioria dos municípios tenha instalado aterros sanitários para a destinação adequada dos resíduos sólidos. Além desse tema, a diminuição de impostos sobre armas e mudanças na legislação de energia elétrica são pontos incluídos pelo deputado no relatório, que poderá ser votado pela comissão mista que analisa a MP durante o esforço concentrado dos dias 2 e 3 de setembro. O aumento do prazo para o fim dos lixões é reivindicação de vários prefeitos, que temem a aplicação de multas previstas pela Política Nacional de Resíduos Sólidos (Lei 12.305/2010). André Moura diz que os prazos precisam ser ampliados diante da “omissão” do governo federal quanto ao apoio técnico e financeiro aos estados e municípios. “Certamente contribuiu para os atrasos até aqui verificados”, afirma. O relatório também garante a estados e municípios o prazo de dois anos, até 2016, para elaborar os planos estaduais e municipais de resíduos sólidos. O prazo venceu em 2012. Esses planos são requisitos para que estados e municípios recebam dinheiro do governo federal para investir no setor. Andre Moura ressalta que estados e municípios que não concluíram os trabalhos deixaram de receber dinheiro para investir na gestão de resíduos sólidos e, por isso, precisam desse prazo adicional. Nota fiscal O texto original da medida provisória impede a punição de empresas que ainda não colocam nas notas fiscais a estimativa do valor dos tributos pagos (Lei 12.741/2012). Pela MP, a fiscalização terá apenas o papel de orientar os vendedores até o dia 31 de dezembro de 2014, sem a aplicação de multa e de outras sanções.

André Moura quer ampliar esse prazo. Ele propõe que a fiscalização seja orientadora durante dois anos contados da publicação, pelo Executivo, de um regulamento que especifique a forma de calcular os tributos que deverão constar na nota fiscal. As punições poderão ser adiadas até junho de 2016 se o Decreto 8.264/2014, editado pelo governo junto com a MP 649, for considerado o regulamento adequado. Esta é a segunda vez que o prazo para aplicação das punições é adiado. Na redação original da lei, esse prazo era 10 de junho do ano passado. Na época, porém, o governo acolheu pedidos de adiamento dos empresários, que queriam mais tempo para colocar a medida em prática. Armas O relatório também isenta do Imposto de Produtos Industrializados (IPI) as armas compradas por policiais e militares diretamente da indústria para uso pessoal. A regra vale para revólveres, pistolas, espingardas, cartuchos, cassetetes, bombas e outras armas. Para as pessoas autorizadas pelo Estatuto do Desarmamento (Lei 10.826/2003), o IPI sobre armas será reduzido para 20%. A alíquota de IPI da maioria dessas armas é de 45% atualmente. Segundo Moura, o alto custo dos equipamentos impede que militares e policiais comprem as armas, em prejuízo da sociedade, “que deixa de contar com a proteção de servidores mais seguros e bem treinados”. Contratos de energia Outro ponto incluído no relatório pelo deputado trata da renovação, até 2042, de contratos de energia elétrica entre geradoras e grandes empresas. É o caso de grandes empresas instaladas no Nordeste que hoje compram energia direto da Companhia Hidroelétrica do São Francisco (Chesf) por um preço muito menor do que o praticado pelo mercado. Esses contratos acabariam em junho de 2015 pela lei vigente. A renovação chegou a ser incluída no relatório da MP 641/2014, que não foi votada a tempo pelo Congresso e acabou perdendo a validade no final de julho. (Com a Agencia Câmara)

Senadores cobram apoio federal para fim dos lixões A maioria dos 5.563 municípios brasileiros corre o risco de chegar ao fim do prazo para eliminação dos lixões, 2 agosto de 2014, sem conseguir cumprir essa meta fixada pela Lei 12.305/2010, que instituiu a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Levantamento da Confederação Nacional dos Municípios (CNM) indica que pouco mais de 9% dos municípios cumpriram a primeira etapa do processo, a elaboração do plano municipal de gestão integrada de resíduos sólidos, que venceu em 2 de agosto de 2012. Esse plano é pré-requisito para a eliminação dos lixões e precede uma série de providências, como a implantação de coleta seletiva, compostagem e educação ambiental. O plano deve conter conceitos introduzidos pela Lei 12.305/2010, como a responsabilidade compartilhada e os acordos setoriais. Esses instrumentos visam colocar em prática a logística reversa, pela qual se viabilizam a coleta e a restituição dos resíduos sólidos aos fabricantes ou distribuidores. A reduzida adesão à primeira etapa é um prenúncio de que o prazo final dificilmente será cumprido pela maioria dos municípios, conforme avaliação de senadores ouvidos

pela Agência Senado. Relator do projeto que deu origem à lei, na Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle (CMA), o senador Cícero Lucena (PSDB-PB) anunciou a apresentação de um plano de trabalho da Subcomissão Temporária de Resíduos Sólidos para apoiar a implantação da lei em todos os municípios brasileiros. Apoio O parlamentar defendeu apoio técnico e financeiro do governo federal para que os pequenos e médios municípios cumpram as metas da lei, que considera um instrumento importante para a preservação do meio ambiente e a garantia da qualidade de vida da população. Posição idêntica foi manifestada pelos senadores Rodrigo Rollemberg (PSDB-DF), relator da subcomissão; Romero Jucá (PMDB-RR); e Randolfe Rodrigues (PSOL-AP). Cícero Lucena lembrou, inclusive, ter apresentado emendas ao Orçamento da União para viabilizar o apoio financeiro do governo federal à implantação das medidas previstas na lei em cidades com até 50 mil habitantes. Entretanto, as emendas não foram executadas pelo governo. (Com a Agência Câmara)

acesse o site: www.brasilia50anosdecasadoceara.com.br

19

Setembro/14


acesse o site: www.casadoceara.org.br

Sereia de Ouro 2014

Eis os homenageados do Sistema Verdes Mares

Roberto Macêdo/Empresário

Hugo de Brito Machado/Jurista

A outorga do Troféu Sereia de Ouro em sua 44ª edição é conferida este ano ao Empresário Roberto Macêdo, ao Jurista Hugo de Brito Machado, a José Ramos Torres de Melo Filho (Ação Social) e à Médica Glaura Férrer Dias Martins. O Troféu Sereia de Ouro foi instituído em 1971 com o objetivo de homenagear, de maneira expressiva, aqueles que se destacaram e deram sua contribuição ao desenvolvimento do Ceará em diversos setores de atuação. Em 2013, foram agraciados o Ministro Raul Araújo Filho;do Suuperior Tribunal de Justiça, o empresário Antenor Barros Leal; presidente da Associação Comer-

Setembro/14

20

José Ramos Torres de Melo Filho/Ação Social

cial do Rio de Janeiro, o Médico Carlos Roberto Martins Rodrigues Sobrinho;e a Pesquisadora Zélia Rouquayrol Em 2012, foram agraciados o então procurador geral da República, Roberto Monteiro Gurgel Santos, o médico Alberto Lima de Souza, especialista pela Sociedade Brasileira de Pediatria, o empresário e presidente do Instituto Frutal, Euvaldo Bringel Olinda, e o ex-ministro da Integração Nacional e ex-governador, Ciro Ferreira Gomes Trata-se da mais alta condecoração da sociedade civil do Ceará aos cearenses residentes no Ceará , aos não cearenses que adotaram o Ceará como sua terra natal, ou aois cearenses ou que migraram para outros estados e países.

acesse o site: www.facebook.com/casadoceara

Glaura Férrer/Médica

Nestes 44 anos cerca de 176 personalidades foram homenageadas pelo Sistema Verdes Mares, que administra o complexo de comunicação com aTV Verdes Mares, a TV Diário, o Diário do Nordeste e as rádios am e fm e pela Fundação Edson Queiroz, que administra a Universidade de Fortaleza, hoje a maior universidade particular do Nordeste. A Comissão de Seleção do Troféu Sereia de Ouro, criado pelo chanceler Edson Queiroz, divulgou, ontem, os nomes das quatro personalidades cearenses que serão agraciadas, neste ano. A solenidade de entrega da 44ª edição do troféu ocorrerá no próximo dia 26 de setembro, no Theatro José de Alencar.

Ceará em Brasília

Profile for shadown shadown

Jornal set2014  

Jornal da Casa do Ceará

Jornal set2014  

Jornal da Casa do Ceará

Profile for shadown21
Advertisement