Issuu on Google+

T i r ag e m Revista de Turismo da Bahia 100.000 Jan/Fev 2009 - ano 2 /no 10 - Bahia - Brasil e xempl ares

Gratuita

Distribuição

20 ClichÊ

Náutica: o novo desafio do turismo na Bahia

Espicha Verão é estendido a Ilhéus, Itacaré e Porto Seguro

Cidades baianas apostam no Turismo GLS

Ecoturismo: Rio de Contas alia Viver Bahia | 1 natureza e cultura


2 | Viver Bahia

Viver Bahia | 3


Odo Iyá! Rainha das águas F

estejada pelos nativos, iniciados ou não no candomblé, Iemanjá, a rainha das águas, é a padroeira de uma das mais importantes e populares festas da Bahia, a Festa de Iemanjá, celebrada no dia 2 de fevereiro, no bairro do Rio Vermelho, em Salvador. Na África, Iemanjá é a deusa do povo egbá, que habitava a região situada próxima ao rio Yemoja. No início do século XIX, por causa das guerras com os daomeanos, os egbás foram obrigados a migrar para o oeste, para Abeokutá, na região centro-sul do país yorubá. Lá, Iemanjá ganhou nova morada e passou a ser cultuada nas margens do rio Ògùn, que nada tem a ver com o orixá Ogum. Muitas pessoas que cultuavam Iemanjá foram feitas prisioneiras e vendidas pelos daomeanos para o tráfico de escravos. Apesar de continuar sendo saudada com a exclamação “Odo Iyá” (a mãe do rio), na Bahia, para onde grande quantidade de egbás de Abeokutá foi trazida, Iemanjá tornou-se deusa das águas salgadas. Isso se deve ao fato desse orixá ser considerada filha do poderoso orixá Olokum (o oceano). De acordo com a pesquisadora Carolina Cunha, nessa lenda, Olokum tem papel tão importante na obra da criação como aquele correspondente a Olorum, o ser supremo. A verdade guardada nessa interpretação está na eterna comunhão entre o céu e o mar. No entanto, no dia da festa de Iemanjá, em Salvador, as primeiras cerimônias sempre ocorrem nas águas doces do Dique do Tororó, antes de seguir para o mar. Para os yorubás das regiões de Benin, Lagos, Porto Novo e Ifé, Iemanjá forma com Obatalá o primeiro casal divino. Já em Oyó, uma variante dessa lenda diz que ela seria filha de Obatalá e esposa de Aganju. De um jeito ou de outro, todos concordam que o nascimento dos orixás é fruto da relação que Iemanjá teve com um de seus filhos, e cujo amor pecaminoso foi repelido por ela com repugnância, levando-a fugir, transformando-se em água para sempre. Outra lenda conta que Iemanjá era casada com Orunmilá, um grande adivinho que sabia interpretar os segredos dos búzios. Orunmilá viajou e demorou a voltar, e Iemanjá viu-se sem dinheiro em casa; usando o oráculo do marido ausente, passou a atender a uma grande clientela. Ao retornar, Orunmilá soube da nova aptidão da mulher e a repreendeu. Iemanjá disse que fez aquilo para não morrer de fome. Mas o marido a levou perante Olofim-Olodumare que reiterou que Orunmilá continuaria sendo o único dono do jogo oracular. Mas deu a Iemanjá autoridade para interpretar as situações mais simples.

Acrílica sobre tela de Suzana Rezende. Título: Iemanjá

4 | Viver Bahia

Dois de fevereiro Dorival Caymmi Refrão Extraído do Domínio Público Dia dois de fevereiro Dia de festa no mar Eu quero ser o primeiro A saudar Iemanjá Escrevi um bilhete pra ela Pedindo pra ela me ajudar Ela então me respondeu Que eu tivesse paciência de esperar O presente que mandei pra ela De cravos e rosas chegou Chegou, chegou, chegou Afinal que o dia dela chegou Chegou, chegou, chegou Afinal que o dia dela chegou

Dia da semana: Sábado Cor: Azul claro Símbolos: Sereia e concha Elemento: Água Plantas: Colônia, aguapé,

lágrima de Nossa Senhora

Metal: Prata Comida: Manjar Bebida: Champanhe e água

mineral

Sincretismo: Nossa Senhora e

Nossa Senhora da Conceição

Domínio: Mar Saudação: Odô Iyá !

Viver Bahia | 5


Índice

Carta da Redação A linha editorial da Revista Viver

Nesta edição, optamos por abordar

Bahia tem como missão atualizar

o Carnaval da Bahia. A maior festa

periodicamente a diversidade turística

popular do planeta, como registra

do estado em toda a sua extensão e

o Guiness Book. Como a Bahia, o

Uma publicação da Secretaria de Turismo do

em toda as suas dimensões. A Bahia é

seu Carnaval é também uma festa

Estado da Bahia e da Bahiatursa. Av. Tancredo

extremamente rica em potencialidades,

de diversidade. Desde Salvador,

sejam elas naturais ou culturais, que

com seus três circuitos que atendem

um folder, por maior que seja, não

a diferentes gostos e estilos, como

contempla tantas possibilidades.

em todas as regiões do interior do

Não foram poucos os poetas e

Estado.

acadêmicos que tentam traduzir em

Destacamos também a multifacetada

palavras o encanto que essa terra

cidade de Rio de Contas, outro

provoca nos nativos e nas pessoas

exemplo de diversidade turística, e

que a visitam. O certo é que a Bahia é

o potencial náutico da nossa Baía de

tudo que já falaram dela e muito mais.

Todos-os-Santos. Apresentamos o

A Bahia é indígena, negra, branca,

calendário cultural da Bahia Negra e

956 - clarissa@setur.ba.gov.br

mulata, cafusa e mameluca. É católica,

os principais destinos considerados

Textos: Acácia Martins, Bruna Santana, Carmen

evangélica e também dos cultos afro-

gay-friendly do estado.

descendentes, do candomblé e das

Recebam, portanto, este variado

365 igrejas, é de toda fé. A Bahia é

cardápio de atrativos turísticos e

pop, é reggae, é rock e axé. É barroca,

culturais e boa leitura.

neoclássica, moderna e pós-moderna.

Revista de Turismo da Bahia Viver Bahia - Revista Oficial do Turismo da Bahia Ano 2 - número 10 - Jan / Fev 2009

Neves, Desenbahia Bl-A, Caminho das Árvores. CEP 41.820-904 - Salvador, Bahia, Brasil Ascom: 55 71 3116-4151 Portal: www.bahia.com.br E-mail: comunicacao@setur.ba.gov.br Conselho Editorial: Domingos Leonelli, Emília Silva, Robinson Almeida, Pedro Costa, Luiz Gonzaga Fraga de Andrade, Oscar Dourado e Clarissa Amaral Redação: Assessorias de Comunicação da Setur e Bahiatursa Jornalista Responsável: Clarissa Amaral – DRT/BA

Correa, Clarissa Amaral, Iana Landim Zanatta, Juliana Drummond, Katja Polisseni, Gabriel Carvalho e Simone Cabral Estagiárias: Adriana Barbosa, Ana Letícia Reis, Davi Carneiro, Delmar Calil e Rafael Brito Colaborador: Walter Garcia

É sol e mar e também sertão. Enfim, a

Clarissa Amaral

Bahia é sempre muito mais.

Editora da Viver Bahia

Secretária: Viviane Santos Fotógrafos: Rita Barreto, Jota Freitas e Agencia A Tarde Revisão: Tânia Feitosa

* @

Capa (foto): Fernando Amorim/Agência A Tarde

Carta do leitor Escreva, mande e-mail com sugestões de pautas, dicas, dúvidas, críticas e sugestões. comunicacao@setur.ba.gov.br

Excelente a matéria de capa sobre Dorival Caymmi publicada na última edição da Viver Bahia. A sensibilidade foi a tônica do texto e me deixou emocionada. Taissa Sá de Britto Florianópolis – SC Sou fã do Almanaque Bahiano. Seria interessante conhecer alguma coisa sobre os hábitos e comportamento das sinhazinhas dos antigos engenhos-de-açúcar do Nordeste. Fica a sugestão. 6 | Viver Bahia

Editoração Eletrônica: Virginia Yoemi Fujiwara, Sergio Fujiwara e Marcelo Campos Fotolito e Impressão: Empresa Gráfica da Bahia

Thiago Pinto Belo Horizonte – MG Parabéns pelas fotos que ilustram as matérias da Viver Bahia. Show de bola! Vicente Franco Salvador – Bahia Gosto muito de esportes radicais e a matéria sobre eles está muito boa. Parabéns à editora da revista. Christian Alvarez

Ribeirão Preto – SP Legal a entrevista com Mateus Aleluia, um cachoeirano porreta. José Augusto Lima Salvador – Ba Sou aficcionado por rapel e cascading e gostei muito da matéria sobre esses esportes. Parabéns pela idéia. Paulo Antônio Silva Jacobina - BA

(Egba). Rua Melo Moraes Filho,189 - Fazenda Grande do Retiro 40352-000 FAX (71) 3116-2901 / 2903 Geral (71) 3116-2800/ 2820 | www. egba.ba.gov.br | e-mail:egba@egba.ba.gov.br Viver Bahia é um título de propriedade da Empresa de Turismo da Bahia S. A. – Bahiatursa, Governo da Bahia.

8 1 8 22 30 38 48 52 57 59 60 62

A Bahia é muito mais Verão

63 64 66 67 68 70

Bahia mostra Bahia

Entrevista: Rei Momo Ecoturismo: A joia da Chapada Bahia é destino gay-friendly Paraíso dos navegantes A nova cara do centro da cidade Dia-a-dia da negra Bahia Cabeças feitas Almanaque da Bahia SAT: novo conceito de atendimento ao turista Sabores e saberes de Itapuã

Qualificação é prioridade no turismo da Bahia Investimentos externos: América Latina Novos voos Cozinha sertaneja Agende-se – programação cultural Viver Bahia | 7


Alta Estação

Bahia é muit o mais Verão A Praça Castro Alves e o Campo Grande são destaques do Carnaval de Salvador

Sol, praia, festas, Carnaval, cultura e história, sim, mas a Bahia é muito mais, de norte a sul, de leste a oeste, há opções diversas para todos os gostos e estilos 8 | Viver Bahia

P

ara os baianos é a Terra da Felicidade como foi cantada por Ari Barroso. Os visitantes não se cansam de exaltá-la. Mas, mesmo para os mais comedidos, a Bahia é uma terra abençoada pelos deuses, verdadeiro paraíso para quem deseja curtir sol e praia, festas populares, história, cultura, praticar esportes radicais, velejar em águas tranquilas, contemplar a natureza ou ainda apreciar a fabricação de vinhos; conhecer a herança étnica européia, africana e indígena, os mistérios das folhas sagradas e muitos outros elementos que compõem a sua tão diversificada matriz cultural. A Bahia é tudo isso e muito mais. Para quem vem curtir as lendárias atrações do verão da Bahia, porém, o calendário envolve festas, festivais, shows, ensaios de blocos e outros programas festivo-culturais até de-

O bloco afro Ilê Aiyê é uma das principais atrações do carnaval da Bahia

pois do Carnaval, quando acontece o Espicha Verão, uma série de eventos programados para o mês de março, no Porto da Barra, em Salvador, e em mais quatro localidades do interior do estado. Mas a principal estrela desse firmamento é, sem dúvida, o Carnaval, a maior festa popular do mundo, segundo o Guiness Book. Este ano, o governo baiano está patrocinando o Carnaval em Salvador e mais 11 municípios do interior do estado: Juazeiro, Maragojipe, Palmeiras, Ilhéus, Porto Seguro, Barreiras, Mucugê, Rio de Contas, Paulo Afonso, Caravelas e Jiquiriçá. A Secretaria de Turismo (Setur) está preparando um receptivo especial para os dias da festa, o Guias do Carnaval. Trata-se de um programa que tem o objetivo de colocar à disposição dos turistas, nos principais pontos da cidade, pessoal treinado e

capacitado para fornecer qualquer tipo de informação turística, além de auxiliar os visitantes sobre os circuitos e a programação do Carnaval. Ao todo, são 520 profissionais, entre monitores e supervisores que atuarão em 150 pontos de informação, entre hotéis, rodoviária, Aeroporto, Porto e em mais 137 elevados da Polícia Militar. A Setur vai ampliar também o número de operadores do Disque Bahia Turismo durante os dias de folia. Serão 70 atendentes disponíveis para fornecer informações sobre a festa em todos os municípios do estado. O serviço de call center atende pelo telefone 3103-3103, 24 horas por dia, em três idiomas: português, inglês e espanhol. Nos dias de Carnaval, a Setur estará realizando também uma Pesquisa de Turismo Receptivo e Contagem nos municípios de Salva-

dor e Porto Seguro. A sondagem será realizada pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) e tem o objetivo de contar o número de turistas no Carnaval e traçar o perfil dos visitantes que participam da festa.

Viver Bahia | 9


Alta Estação | Carnaval

Programação abrangente e eclética Em 2009, o Carnaval da Bahia promete ser mais abrangente e ainda mais eclético. Além dos blocos de corda e de matriz africana, afoxés, bandas e orquestras, o Governo do Estado vai patrocinar 42 trios elétricos independentes, sendo quatro deles de ritmos especiais que vão refletir a diversidade da música baiana: rock and roll, música instrumental, samba tradicional e do Recôncavo e um com os precursores da chamada Axé Music. Aos três grandes circuitos oficiais da festa (Circuito Dodô, Osmar e Batatinha) serão acrescidos outros seis minicircuitos nos bairros de Itapuã, Liberdade, Plataforma, Periperi, Cajazeira e Pau da Lima. Para garantir uma programação de qualidade no Carnaval dos bairros, o governo vai promover cerca de 100 apresentações de artistas consagrados da música baiana. Com o tema O coração do mundo bate aqui, o Carnaval 2009 apresenta outra novidade. Trata-se da sinalização Caminhos da Folia, placas de indicação em formato de pés, apontando a melhor opção para se chegar aos três circuitos e ao Carnaval dos bairros. A Prefeitura de Salvador também vai colocar à disposição dos turistas Portais de Informação, em várias partes da festa. Esses portais ficarão localizados em Ondina (próximo à entrada do Zoológico), no Porto da Barra, no Vale do Canela, na Avenida Centenário e no Mercado Modelo, na Cidade Baixa. 10 | Viver Bahia

A alegria descontraída do baiano é um dos aspectos que mais agradam aos visitantes

O ritmo alucinado dos blocos de trio contrasta com a cadência do afoxé Filhos de Gandhi Viver Bahia | 11


A saída do Olodum no Pelourinho é uma das atrações do circuito Batatinha

Alta Estação | Carnaval

Os principais circuitos da festa O Carnaval de Salvador possui três grandes circuitos que homenageiam grandes artistas baianos, os inventores do Trio Elétrico, Dodô e Osmar, e o sambista Batatinha. O mais antigo e tradicional é o Circuito Osmar, que vai do Campo Grande ao coração da cidade, abrangendo a famosa Praça Castro Alves. Foi nesse circuito que a Bahia registrou os episódios mais marcantes da história do seu Carnaval, como os encontros de trios elétricos. Seu trajeto de 6 km traz o charme dos casarões do centro e a aura de inovações, como o da velha fubica de Dodô e Osmar, o fricote de Luiz Caldas, mas que ainda hoje sacode com os hits incomparáveis do Chiclete, Asa de Águia e Timbalada. O percurso começa no corredor da Vitória, corta a Praça do Campo Grande, local de camarotes bem badalados, e desce a longa Avenida Sete de Setembro. Até o final dessa rota, o fôlego e a alegria do folião 12 | Viver Bahia

Os trios elétricos percorrem os circuitos Dodô e Osmar

serão rigorosamente testados, já que somente após cerca de 7 horas e meia, o trio retorna ao Campo Grande, marcando o final da jornada. Hoje, dividindo as atenções com o badalado Circuito Dodô, o Carnaval no centro da cidade tem seus momentos áureos, justamente nos três últimos dias da festa, quando os principais nomes da axé music, ainda reverenciam sua tradição. Para a maioria dos amantes do Carnaval baiano, o surgimento do Circuito Dodô representou, para a festa, uma verdadeira revolução em termos de infraestrutura e conforto. A folia adquiriu, com o passar dos anos, o status de maior festa popular do planeta, fazendo com que o circuito tradicional (centro da cidade), se tornasse pequeno para um número cada vez maior de turistas e foliões. Esse trajeto liga as belas praias da Barra e Ondina, num percurso de aproximadamente 4 km, marcado em quase toda a sua extensão por uma vista estonteante da Baía de Todos-os-Santos. Blocos uniformizados, cada um com sua atração, iniciam no Farol da Barra uma jornada mágica de alegria, que somente depois de 6 horas, termina na Praia de Ondina. Os últimos anos marcaram o surgimento de camarotes super-

badalados, alguns, inclusive, assinados por personalidades baianas e artistas famosos. Suas instalações incluem bufê de alto nível, acesso privativo à praia, pista de dança e shows entre a passagem dos trios. Na avenida, e fora dos blocos, a maioria dos foliões, conhecida como pipoca, promove grande agitação e alegria. Para essa galera, o point de aguardados ou inesperados encontros é sempre o “beco” de Ondina, onde os trios dão aquela tradicional “paradinha”. O circuito Batatinha tem como palcos principais as praças, Municipal e da Sé, além do famoso Pelourinho, o Carnaval do Centro Histórico se apresenta, a cada ano, mais bonito, alegre e estruturado. No Carnaval, em meio a casarões coloniais, ruas bem pitorescas e um astral todo especial, bandinhas e charangas percorrem os caminhos do “Pelô”, tocando antigas e saudosas marchinhas, que arrastam uma multidão supereufórica. Por apresentar uma programação mais tranquila, o Circuito Batatinha é muito procurado por famílias, que querem curtir um Carnaval mais calmo, longe da badalação do eixo tradicional. Na Praça Municipal, o palco armado em frente à sede da Prefeitura já se tornou famoso pelos desfiles e concursos de fantasia.

As atrações patrocinadas pelo estado atraem o folião pipoca em todos os três circuitos da festa, dia e noite, noite e dia, porque a festa não para

Viver Bahia | 13


Alta Estação | Carnaval

Muita festa e alegria no interior da Bahia Festeiro por natureza

bandas de sopro, baile de máscaras, desfile de cordões e batucadas pelas ruas centrais e grupos de amigos travestidos, costumam atrair milhares de turistas às cidades. A programação oficial da festa é embalada pelas tradicionais marchinhas carnavalescas que resistem às inovações tecnológicas dos trios elétricos. O desfile de baianas e dos mascarados e o baile Vermelho e Preto são atrações à parte.

e excelência, o povo baiano não só participa de festas como adora promovêlas. Por isso, as opções de Carnaval

Como chegar - Rio de Contas Veja na matéria a seguir

em todo o território são amplas e

Caldas de Cipó

Com estrelas da Axé Music

variadas. Saiba mais sobre algumas delas. Maragojipe

Carnaval é patrimônio cultural Elevado à condição de patrimônio cultural imaterial do Estado, o Carnaval de Maragojipe, distante 133 km de Salvador, é um dos mais tradicionais da Bahia. A festa é marcada pelo uso de máscaras, instrumentos musicais típicos, caretas e fantasias e tem inspiração no carnaval europeu do século XIX. O costume foi conservado e até hoje os maragojipanos se fantasiam de pierrôs, magos e diabos para desfilar durante os três dias do festejo. A festa também tem  influência da cultura africana, que é forte na região do Recôncavo, seja pela religião, música ou culinária. Costumes e cantos afrodescendentes, herança deixada pelos escravos 14 | Viver Bahia

Em Maragogipe, o destaque são as máscaras de influência européia

que habitaram a região, são outras características da folia de Momo em Maragojipe. As bandas de sopro também dão o tom da festa. Como chegar Via terrestre: Partindo de Salvador, pela BR324, por 59 km, até o entroncamento da BA026, percorre-se mais 11 km, até Santo Amaro. A partir deste ponto, siga para a Cidade de Cachoeira pela mesma BA-026, por mais 38 km. De Cachoeira, atravesse a ponte D. Pedro II para São Félix e siga por 23 km em direção sul, até Maragogipe.

Porto Seguro

Folia prolongada com o Carnaporto Em Porto Seguro o Carnaval é prolongado. Além da festa de rua, que começa no sábado, dia 21, a cidade mantém uma tradição desde 1997: o Carnaporto, o Carnaval prolongado de Porto Seguro, que visa permi-

tir que aqueles que curtiram a festa em Salvador se desloquem para lá e possam curtir mais três dias de folia. Com grandes atrações da axé music nas ruas da cidade e festas privadas diversas, o Carnaporto vai até o dia 27 de fevereiro. Já estão confirmadas as participações de Cláudia Leite e Babado Novo, Psirico, Jamil, Araketu e Natiruts, entre outros. Como chegar Via terrestre: Pegue a BR 101, passe por Itabuna, Itagimirim, Paraíso, até chegar ao entroncamento da cidade de Eunapólis. Siga pela BR- 367 e percorra mais 65km até o centro de Porto Seguro. Seguir pelas rodovias BA – 001 e BR – 101 até o entroncamento de Eunápolis (546km), seguindo por mais 65km pela BR –367 até Porto Seguro. Para maiores informações sobre as condições das estradas acesse o site do DNIT. Do Terminal Rodoviário de Salvador saem ônibus diários da empresa de ônibus: Águia Branca - [+55 71 4004.1010]. Via aérea: Existem vôos diários até o Aeroporto de Porto Seguro pelas Companhias aéreas: TAM, Gol e Ocean Air.

Palmeiras e Rio de Contas têm os carnavais mais tradicionais da Chapada

Via marítima: No Porto de Porto Seguro todos os anos, diversos navios fazem cruzeiros de rotas internacionais e nacionais, com paradas na cidade (consultar agências de turismo).

Barreiras

Festa, sol e turismo ecológico O carnaval na cidade de Barreiras, distante 854 km de Salvador e 622 km de Brasília, é o típico carnaval baiano, com bandas de axé, blocos de trio e tudo mais. Boas opções são os blocos Pilek e Kimarrei. Durante o dia, você pode aproveitar para o banho no Rio de Ondas, onde sempre tem um show de axé. Outra opção é o turismo ecológico nas proximidades da cidade, mas você vai precisar de um guia para chegar lá. Este ano, entre as atrações estão Caramba na cara, Larissa Carvalho e Elaine Fernandes.

Como chegar Via terrestre: Partindo de Salvador, são 854km, pela BR-324 depois pegar a BR-242, passando pelos municípios de Itaberaba, Seabra e Ibotirama. A BR-242 e a BR-020 são as principais rodovias que atravessam o município. Do Terminal Rodoviário de Salvador, de ônibus, a empresa Real Expresso [+ 55 71 3450 9310] faz a linha para o município. Para maiores informações sobre as condições das estradas acesse o site do DNIT. Via aérea: A Abaeté Linhas Aéreas [+ 55 71 3377 3955] e a OceanAir [0300 789 8160] fazem o trecho Salvador/ Lençóis/ Barreiras, com escalas.

Rio de Contas e palmeiras

Mistura de tradição com natureza Outras festas tradicionais acontecem na Chapada Diamantina, em Rio de Contas e Palmeiras. Com concursos de máscaras, lavagem de igrejas e embalos em praças públicas, essas festas ainda mantêm

O município de Cipó, a 241 km de Salvador, conhecido pelas belezas naturais como fontes de águas termais, vai reunir grandes estrelas da Axé Music no Carnaval 2009. A Secretaria do Turismo da Cidade já confirmou a presença de atrações como Luiz Caldas, Voa Dois, Tribahia, entre outros. A principal atração local do evento que ocorre de 21 a 23 deste mês é o Bloco As Muquiranas de Cipó, que terá como atração principal a Banda Canindé. Como chegar Via terrestre: Pode-se utilizar duas estradas para chegar até Cipó. Seguir pela BR-101, até Alagoinhas. Subir o viaduto que fica na entrada dessa cidade, à direita, e seguir para a BR-110. Logo após o Posto Rodoviário Federal, entrar à esquerda em direção a Inhambupe. Se preferir, siga pela BR-324, passando por Feira de Santana e, já em Serrinha, entre para a estrada que passa em Biritinga, alcançando a BR-110, em Nova Soure. De ônibus, é possível ir através da empresa Jauá [+ 55 71 3450 5544], a partir do Terminal Rodoviário de Salvador. Para maiores informações sobre as condições das estradas acesse o site do DNIT. Viver Bahia | 15


Alta Estação | Carnaval

Espicha Verão 2009 prolon ga alta temporada na Bahia

C

om a intenção de atrair e prolongar o tempo de permanência do turista no estado, a Secretaria de Turismo e a Bahiatursa criaram um novo produto: Espicha Verão. Pelo segundo ano consecutivo, o estado inventa uma nova alta temporada. “A idéia é criarmos um quarto mês de verão na Bahia, com pacotes turísticos mais baratos depois do Carnaval. Faremos uma ampla divulgação nacional, quando o turista se sentirá motivado pela redução das tarifas aéreas e hoteleiras, além de ofertarmos uma diversidade cultural e musical que atrairá visitantes dos quatro cantos do Brasil”, explicou a presidente da Bahiatursa Emília Silva. Neste ano, a Bahiatursa pretende ampliar as ações do Espicha Verão, que funciona como um projeto guarda-chuva, abrigando o carrochefe Praia 24 Horas e os ensaios de blocos afros e uma intensa programação cultural, para as cidades de Ilhéus, Porto Seguro, Lençóis, Prado, Itacaré e Praia do Forte. Em Salvador já está confirmada a segunda edição do Praia 24 Horas, no Porto da Barra, nos dias 7, 14 e 21 de março. A programação começará pela manhã com atividades esportivas; ao meio-dia, shows com voz e violão; a partir das 16h, começam as atividades culturais que homenagearão o Recôncavo baiano; a partir das 18h, entram em cena as principais atrações musicais, que vão se revezar entre o palco flutuante no mar do Porto, e um outro, montado na areia. No primeiro dia do Praia 24 Horas (07/03), as homenagens serão 16 | Viver Bahia

Com programação extensa, o evento estende a temporada do verão

para as mulheres, em função do Dia Internacional da Mulher (08/03). No dia 14/03, o evento fará uma menção especial àquele que completaria, exatamente no dia 14 de março, 70 anos, o cineasta Glauber Rocha. O Recôncavo estará presente em todos os dias do evento. Neste ano continuarão as parcerias do ano passado. Junto com a Secretaria de Cultura, será realizada uma programação no Pelourinho, “O Espicha Pelô”, além da colaboração da mostra de curta-metragem da TVE e Rádio Educadora. ‘‘O Praia 24 Horas será transmitido ao vivo pela Rádio Educadora e, se possível, pela televisão. Se não conseguirmos ao vivo pela TV, gravaremos para ser veiculado depois’’, disse Póla Ribeiro, diretor do Irdeb. O superintendente da Sudesb, Raimundo Nonato, “Bobô”, ofereceu uma parceria com as Federações de

A programação cultural do evento agrada a todos os gostos

Esporte para ampliar as atividades desenvolvidas na praia, fazendo a iniciação esportiva não só de crianças como também da terceira idade. ‘‘Coloco profissionais de Educação Física para desenvolverem outros esportes, além do vôlei, peteca e ginástica que já aconteceram no ano passado’’, afirmou. O compositor Valtinho Queiroz disse que fará o jingle do Espicha Verão e sugeriu a criação do Baile Azul Turquesa, no Forte de São Diogo, em homenagem ao Bloco do Jacu, que completaria 45 anos. Para Sílvio Pessoa, Presidente do Conselho Baiano de Turismo, o Espicha Verão é um projeto vitorioso e inédito no país. “Apesar de nos meses de janeiro e fevereiro estarmos com os hotéis lotados, o mês de março sempre apresentou uma queda. Quando chega a quarta-feira de cinzas começa nossa baixa estação, e ter o Espicha Verão nesse período, divulgando o destino Bahia, é muito importante’’, comentou. No ano passado, o projeto Praia 24 Horas reuniu cerca de 150 mil pessoas. Levou ao palco grandes nomes da MPB, como Gal Costa, Francis e Olívia Hime, Jorge Mautner e Tom Zé, além dos cantores e grupos folclóricos da Bahia. Uma pesquisa realizada pela Secretaria de Turismo concluiu que 97,5% dos presentes consideraram o Praia 24 Horas excelente ou bom e que 62,5% dos brasileiros em Salvador ampliaram a permanência em função das atrações. “Durante os três dias do evento, a polícia não notificou qualquer ocorrência”, completou a delegada do Turista, Marita Souza.

No Porto da Barra acontece o Praia 24 horas, carro-chefe do Espicha Verão

Viver Bahia | 17


“O carnaval da Bahia é o maior espetáculo do mundo”

S

em o cetro e a coroa, mas com a língua afiada de sempre, o mais polêmico cantor e compositor da Bahia, este ano posa de Rei Momo do Carnaval de Salvador.  Escolhido numa votação aleatória por mais de 2 mil internautas, Gerônimo falou com exclusividade à Revista Viver Bahia sobre a sua vida e história com a folia baiana. Nascido na Ilha de Bom Jesus dos Passos, este baiano de 55 anos é autor de músicas que não saem da cabeça de quem as ouve, como “É D’Oxum”, “Jubiabá” e “Eu sou negão”. Nesta entrevista, ele conta como queria que fosse a folia e também aproveita para disparar sua metralhadora contra a música eletrônica no Carnaval. Defensor dos músicos, Gerônimo entende que o som dos DJ’s pode tirar a fonte de renda de muita gente.

Viver Bahia: Como vai ser o reinado de Momo Gerônimo e como será sua programação no Carnaval? Gerônimo: Existe a possibilidade de fazer quatros dias de carnaval, mas eu ainda não sei exatamente quais serão os dias. Eu sei que oficialmente eu receberei a chave da cidade, na quintafeira. Mas a chave é para comandar o Carnaval da Bahia entre aspas, porque Rei Momo não comanda nada. Pelo menos eu terei voz. Então, eu irei fazer o papel do verdadeiro Rei Momo, que é intransigente, polêmico. Eu não vou ser Rei Momo que fica dando tchauzinho, e nem para entrar em camarote bebendo e comendo. Eu sou gordinho, estou fazendo um regime para estar bem apresentável no Carnaval, resistir à maratona, fazendo do sério o ridículo e do ridículo o sério. Viver Bahia: Gerônimo, para você, o que o Carnaval da Bahia representa para o turista e para o baiano? Gerônimo: O Carnaval da Bahia é o maior espetáculo do mundo. E ainda continua sendo. O turista, quando chega aqui, fica maravilhado com a diversidade cultural, com as expressões artísticas; eles se envolvem a ponto de se tornarem mais um no meio do povão. Já os baianos devem se preocupar como será o Carnaval nos próximos anos. Por que o que eu vejo é todo mundo fardadinho, dentro da sua cordinha, brincando na rua, no Carnaval suave do apartheid. É necessário mais uma via no Carnaval, onde a liberdade de expressão seja sem corda, onde haja expressões da música afrodescendente, onde haja o livre acesso das pessoas. Viver Bahia: Falando sobre a profissionalização, você acha que o Carnaval ganha ou perde com isso? Gerônimo: A profissionalização do Carnaval é muito boa, o que me pre-

18 | Viver Bahia

ocupa agora é a profissionalização da música. Hoje em dia o músico está começando a sentir uma alteração no trabalho que ele faz. A música eletrônica vem crescendo e tomando conta do Carnaval, e isso é uma coisa muito perigosa. A música eletrônica entra no momento do Carnaval, saindo de dentro das boates para entrar na avenida, em cima dos trios elétricos, fazendo com que o Carnaval perca sua essência e que o músico fique desempregado.

Eu sou gordinho, estou fazendo um regime para estar bem apresentável no

Carnaval, resistir à maratona, fazendo do sério o ridículo e do

Entrevista: Gerônimo A Palavra do Rei

ridículo o sério.

Viver Bahia: Se o seu reinado como Rei Momo lhe desse o poder de gerir o Carnaval, o que você faria para viabilizar e melhorar essa questão do músico? Gerônimo: Minha primeira medida seria radical. Seria proibir música eletrônica. Porque o Carnaval gera emprego e renda e, assim, quem quisesse fazer festa teria que contratar músicos. Eu proibiria também músicas nas barracas, nos carros. No Carnaval deveria ter silêncio e música. Silêncio para quando você tiver passando num lugar onde não tenha música ao vivo e música onde tiver músicos trabalhando. Viver Bahia: O que você acha do esforço do governo para divulgar a Bahia lá fora e atrair mais visitantes? Gerônimo: Eu acho que é muito pouco, que o governo deveria se esforçar muito mais. A campanha do Carnaval da Bahia deveria começar no final do Carnaval deste ano para o Carnaval do ano que vem. Fazer tudo em sua totalidade. As agências de propaganda deveriam ter uma visão de circunferência. E não somente pegar quem tem sucesso, porque aí é muito fácil. Vejam a propaganda

Viver Bahia | 19


Viver Bahia: Que sensação um artista como você, que já tem experiência de mais de duas décadas de carreira, tem ao ver muitos dos seus sucessos serem tocados e você ainda ser aclamado pelo povo? Gerônimo: A felicidade é muito grande. Eu fui escolhido Rei Momo sem nem me inscrever. Foi uma escolha aleatória. Isso é uma prova cabal de que o povo quer resgatar aquilo que ele nunca mais viu. Viver Bahia: Quando foi que começou exatamente sua relação com o Carnaval e como você classifica essa relação hoje em dia?

Eu fui escolhido

Rei Momo sem me inscrever. Foi uma

escolha aleatória. Isso é uma prova cabal de que o povo quer resgatar aquilo que ele nunca mais viu

Gerônimo: Minha relação com o Carnaval começou quando eu era integrante do trio elétrico de Dodô e Osmar, quando, em 1973, eles voltavam ao Carnaval da Bahia depois de muitos anos “tácitos”. E eu, como sou amigo de Armandinho, comecei a participar do Carnaval. Naquela época o trio elétrico tinha dois andares. No primeiro andar havia músicos de percussão e no segundo andar ficavam os músicos de cordas. Eu fui me envolvendo com o Carnaval nessa época, não só eu, mas como todos os artistas da Bahia. O Carnaval não é mais aquela festa “de ter” só uma tendência musical, são todas as tendências musicais. O Carnaval está pronto pra isso, tanto é que está sendo invadido pelo pagode do Rio de Janeiro, os forrós eletrônicos. Porque é aqui que estão as grandes massas. Não estou dizendo que se deva proibir. Eu penso que eles deveriam sair na madrugada e não ocupar os horários nobres, que custam muito dinheiro. A quem pertence esses horários? Cabe aí aos poderes públicos fazerem essa análise. Viver Bahia: Os blocos afros estão vivendo uma situação difícil na Bahia; se você tivesse o poder,

como Rei Momo, de organizar essa situação, o que você faria? Gerônimo: Em muitos casos, falta mesmo é organização. Existem até verbas deles, que estão travadas, justamente por falta da contrapartida. Esses blocos afros que não têm tanto nome, como Olodum e Ilê Ayê, que são mais organizados, teriam de prestar contas do mês anterior para receber o mês subsequente, ter uma organização contábil. Talvez fosse melhor para esclarecer se tem alguém metendo a mão, se alguém superfaturou, etc. Viver Bahia: Você já teve várias fases na carreira, teve a fase do eu solidão, teve a fase do Dom Gerômino, O Rei do Lambadão, como será o Gerômino 2009?

20 | Viver Bahia

Gerônimo: O Gerômino 2009 será rei, Rei Momo. Eu não esperava e entrou “uma coisa” na minha vida. Eu estou administrando isso como um resgate que o povo pediu, uma vez que foi uma escolha espontânea. Viver Bahia: Quais os seus planos para depois do Carnaval? Gerônimo: Continuar meu projeto Gerônimo, O Pagador de Promessas, que é uma vitrine para o mundo. Faço esse trabalho há seis anos e ainda não tenho um parceiro, um apoio financeiro. Ainda sou eu quem faz acontecer, eu e meus amigos músicos, ninguém ganha dinheiro. Eu vou continuar com esse projeto e espero que a gente vá além das fronteiras da Bahia, do Brasil e do mundo. Hoje em dia eu quero muito mais fazer o Brasil do que fazer a Europa. A Europa já me cansou.

Ao mesmo tempo

em que estávamos

nas igrejas, éramos embalados pelos cantos de Oxalá, Iemanjá, Xangô,

Oxóssi e foi essa via de captação espontânea

do Carnaval de Recife do ano passado. Eles pegaram os elementais, as pessoas que fazem o Carnaval, pessoas desconhecidas tocando frevo. Então devemos fazer a propaganda do Carnaval da Bahia pegando tudo. Porque a Bahia é a mais diversificada festa e Carnaval do Brasil, e a gente pode estar perdendo ao acreditar em papo de marqueteiro. Por que marqueteiro todo mundo é. É só dizer umas bobagens, botar um bocado de coisa de besteira na televisão e aí a besteira vira mentira e o povo acredita. A gente tem que acabar com isso, brother!

eNTREVISTA

que resultou na nossa formação musical.

Viver Bahia | 21


Ecoturismo

Conjunto arquitetônico colonial é um dos mais importantes da Bahia

Caminhos e trilhas para a prática de trekking

Joia da Chapada Primeira cidade planejada do Brasil, Rio de Contas oferece opções de turismo histórico-cultural, ecológico e de aventura

22 | Viver Bahia

C

onsiderado um dos três mais importantes conjuntos arquitetônicos coloniais da Bahia, o município de Rio de Contas é das mais antigas joias da Chapada Diamantina. Aliado ao seu patrimônio cultural, dotado de um acervo valioso, com 287 prédios tombados pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – Iphan, e muito bem conservados, o município oferece inúmeras opções para os praticantes do turismo ecológico e de aventura. Tudo isso num clima agradável de montanha, pois Rio de Contas fica a 1.200 m de altitude. As ruas de Rio de Contas são largas e floridas, ladeadas por casas centenárias de belas fachadas que

formam o seu belíssimo conjunto arquitetônico colonial, a exemplo dos prédios do Paço Municipal, a antiga Casa de Câmara e Cadeia - onde funciona atualmente o Fórum - as igrejas de Nossa Senhora de Santana e do Santíssimo Sacramento, a antiga Casa de Fundição, o Teatro São Carlos, construído em 1892 (único da Chapada), e o Arquivo Público onde estão guardados valiosos documentos que fazem parte da história da Bahia. Para os aventureiros, escaladores e trekkers, Rio de Contas oferece os mais interessantes roteiros, que podem durar apenas uma manhã ou vários dias. O trecho de 6 km da Estrada Real (construída há 300 anos

Cachoeira do Fraga é uma dos grandes atrativos turísticos

por escravos a mando da Coroa portuguesa) que liga Rio de Contas a Livramento é uma excelente opção de trekking, que reúne história, cultura e belezas cênicas incomparáveis. No caminho, deliciosos banhos nas cachoeiras do Raposo e do Rio Brumado, esta última com quatro saltos em sequência, a uma altura de 70 metros, ideal para a prática do cascading. Entre os atrativos mais tradicionais estão a Cachoeira do Fraga, o Pico das Almas, o Poço das Andorinhas, o povoado de Mato Grosso, com plantações de flores e hortaliças, e as comunidades negras de Barra e Bananal; as cachoeiras do Brumadinho, do Jiló, Lavra Velha, Riacho das Pedras, da Sentença, do Mocotó; os morros da Capelinha e do Fogo; os picos do Itobira e do Pinhão. No sopé do Pico das Almas nasce o Rio Brumado, que forma a Cachoeira do Fraga, com várias quedas d`água, a maior com 20 m de altura. Viver Bahia | 23


Ecoturismo

Festas tradicionais atraem turistas de várias regiões

A cidade é considerada a jóia da Chapada pelos aspectos naturais e culturais que reúne

De capital do ouro a cenário de Abril Despedaçado Criada por Provisão Real, em 1745, Rio de Contas foi a primeira cidade planejada do Brasil. O município ainda preserva o traçado antigo, apresentando praças e ruas amplas, igrejas barrocas, monumentos públicos e religiosos em pedra e o casario em adobe. Escravos alforriados que se instalaram na margem direita do Rio de Contas Pequeno, atual Rio Brumado, foram os primeiros habitantes desta região. Em pouco tempo, formaram o povoado denominado Pouso dos Creoulos, localizado no sul da Chapada Diamantina e dentro do Polígono 24 | Viver Bahia

das Secas. No início do século XVIII, com a chegada de bandeirantes interessados em novas regiões de exploração do ouro, um novo arraial, hoje denominado Mato Grosso, foi fundado, atraindo mais pessoas para a região. Nessa mesma época começaram a chegar os primeiros padres jesuítas. Em 1746, o Pouso dos Creoulos passou a chamar-se Vila Nova de Nossa Senhora do Livramento das Minas do Rio de Contas, nome herdado da transferência de uma vila vizinha que, devido a constantes enchentes, sofria de uma epidemia. Na segunda

década do século XVIII, o bandeirante Raposo Tavares descobriu ouro no local, iniciando, assim, um ciclo que marcou a história da região, fazendo com que o povoado prosperasse rapidamente. Rico em ouro de aluvião, o município viveu na segunda metade do século XVIII uma época de grande prosperidade econômica. As tradicionais famílias importavam da Europa peças de uso pessoal e de decoração e, numa celebração à abundância, pó de ouro era lançado nos Imperadores e Rainhas durante as procissões da

festa do Divino Espírito Santo. Também são daquela época os casarões em estilo colonial, hoje tombados pelo patrimônio. A prosperidade da região começou a decair por volta de 1800, com a escassez do ouro, e se agravou quatro décadas mais tarde, com a descoberta de diamantes na Chapada Diamantina. Grande parte da população de Rio de Contas, que havia fundado a cidade, transferiu-se para Mucugê, em busca de novas riquezas. A vila foi elevada à cidade em 1885. Sua rica flora chamou a atenção de 100 pesquisadores brasileiros e ingleses, que, em 1974, realizaram um amplo estudo sobre as variedades de plantas nativas, em que foram registradas mais de 1.100 espécies, além de outras 100 desconhecidas. Em agosto de 2000, foi cenário do filme Abril Despedaçado, de Walter Sales.

Outro aspecto da cultura local, bastante apreciado pelos turistas, são as festas religiosas e populares. Entre elas, está a Festa do Santíssimo Sacramento, padroeiro da cidade. Comemorada há mais de um século, a festa é realizada no dia de Corpus Christi e conta com a participação ativa da população, que ornamenta as ruas da cidade por onde passa a procissão com tapetes de flores, cascas de arroz e pó de serra, formando desenhos

alusivos aos festejos. Outra festa tradicional é a lavagem da escadaria de Santana e os embalos da Praça da Matriz. Em janeiro, a festa de São Sebastião reúne milhares de pessoas para a Puxada do Mastro. Já no mês de maio e junho, acontecem as festas do Divino Espírito Santo, com o Cortejo do Imperador e o São João. Durante o Natal, as Pastorinhas cantam na igreja e, depois, acompanhadas de tocadores, visitam as casas que têm presépios.

Viver Bahia | 25


Artesanato diversificado e comidas típicas encantam nativos e visitantes

Ecoturismo

Região possibilita prática de turismo de aventura A região da Chapada Diamantina é propícia para o turismo de aventura. Com picos que desafiam alpinistas, trilhas por paisagens exuberantes, excelentes para trekking e mountain biking, Rio de Contas é também um ótimo destino para quem pratica esportes de aventura. Para aqueles que curtem montanhismo, o Pico das Almas é uma ótima pedida. Além de praticar o esporte, o visitante pode ficar acampado em um dos mais belos locais, o santuário ecológico do Largo do Queiroz, e passar por riachos e matas, além da foz do Rio Brumado. Para quem curte uma bicicleta, as belas paisagens constituem-se em um atrativo a mais. Já o trekking pode ser praticado por diversas rotas. Uma, em particular, faz a alegria dos adeptos desse esporte: a Trilha dos Garimpeiros. A caminhada tem duração de 10 dias, partindo de Rio de Contas e seguindo o caminho percorrido pelos antigos garimpeiros do século XIX, passa pelos municípios de Arapiranga, Catolés de Cima, Piatã, Mucugê, Xique-Xique do Igatu, Andaraí, Vales do Paty e do Capão até chegar a Lençóis. Outra opção de caminhada é pela Estrada Real, pista antiga que ligava Rio de Contas à vizinha cidade de Livramento de Nossa Senhora. A descida da serra proporciona a contemplação das belezas naturais da região e a sua riqueza histórica. Essa estrada foi construída por escravos, durante o Ciclo do Ouro. Por ela era transportado o minério, no início do século XVIII. Bandeirantes e mineradores de Minas Gerais e Goiás também utilizavam a estrada para chegar ao litoral. 26 | Viver Bahia

O artesanato secular de Rio de Contas tem origem no Ciclo do Ouro. Naquela época, a ourivesaria se tornou a principal ocupação da população urbana, que se empregava

Igrejas seculares compõem a paisagem do lugar

Comunidade homogênea de brancos contrasta com remanescentes quilombolas Além da enorme diversidade de atrativos naturais e culturais, Rio de Contas tem a peculiaridade de abrigar três comunidades com características bem diferentes da maioria das localidades baianas. Mato Grosso, Barra e Bananal têm em comum o fato de serem povoados pequenos e isolados e possuírem população de etnia homogênea. No povoado de Mato Grosso vivem apenas brancos de origem portuguesa. Fundado no século XVII, a comunidade está situada na área mais alta da Bahia, a 1.450 m de altitude, onde o inverno pode ser rigoroso e chegar a 5 ºC. A principal fonte de renda dos moradores é a agricultura. Os quintais são, geralmente, repletos de hortaliças, flores e pés de café, o que deixa o local com cara de comunidade européia. A homogeneidade étnica da população se explica pelo casa-

mento dos seus descendentes, que só se casam entre si. Assentados em áreas remanescentes de quilombos, os povoados de Barra e Bananal abrigam população eminentemente negra, descendentes dos escravos que trabalhavam para os brancos. Esses descendentes de africanos ocupam essas duas áreas desde os séculos XVII e XVIII e se mantiveram sem miscigenação. As casas simples são distribuídas de forma esparsa e em condições de urbanização precárias. Não há, por exemplo, coleta de lixo ou água encanada. Fato curioso é que não se tem relatos de cultos de candomblé ou outras religiões de matriz africana no local, apesar das raízes negras. A religião predominante é a católica. O povoado de Barra é um pouco maior que o de Bananal; tem mais residências e maior estrutura. Ambos ficam no vale do Rio Brumado.

fundamentalmente na produção e

aguardente produzida no município,

comércio de joias.

com cana-de-açúcar cultivada sem

Com o declínio da mineração, as

agrotóxicos e adubos químicos, as

mãos habilidosas dos artesãos locais

delícias culinárias de Rio de Contas

se voltaram para o artesanato de ou-

misturam elementos das cozinhas

tros metais, madeira, crivo rústico,

portuguesa e sertaneja, com tempe-

renda de parede, couro e outros bor-

ros e frutos típicos da região. Um dos

dados.

exemplos mais ilustrativos é o Godó de Banana, preparado com banana

Na maioria das residências ainda

verde e carne-de-sol moída.

é possível encontrar tendas e oficinas de ferreiros, latoeiros, sapateiros, se-

as futuras gerações.

Já o Cortado de Palma, um cacto

leiros, ourives, trançadores, foguetei-

Por outro lado, a gastronomia

utilizado no sertão como ração para

ros e cesteiros. Hoje, porém, o arte-

local também se constitui em gran-

gado no período da seca, é também

sanato é feito por um pequeno grupo

de atrativo turístico. Acompanhada

preparado com carne-de-sol moída.

social, que transfere a tradição para

da cachaça Serra das Almas, uma

Como acompanhamento, a cozinha rio-contense oferece o tradicional Arroz com Pequi, fruta do cerrado preparada no arroz ou acrescida ao pirão de farinha, que dizem ter efeito afrodisíaco. No rol das especialidades locais, o visitante pode experimentar o Cortadinho de Mamão, uma frigideira à base de mamão verde com carne moída ou bacalhau, ou ainda o famoso Pirão de Parida, prato geralmente utilizado para regime e restabelecimento de parturientes, servido com galinha caipira. A variedade de biscoitos e licores, como os de passa, jabuticaba, pitanga, figo, jenipapo e laranja, completam a farta mesa dos rio-contenses. Viver Bahia | 27


Ecoturismo

Natureza exuberante, com vegetação singular é parte integrante do cenário Estrada Real | Calçada em lajes de pedras, a estrada liga Rio de Contas à cidade de Livramento de Nossa Senhora. O percurso proporciona toda a beleza da descida da serra.

Pico das Almas | Com 1.958 m, é um dos mais altos da Chapada Diamantina. É uma boa opção para quem curte escalada e aventura. As agências de viagens especializadas em turismo ecológico e de aventura oferecem pacotes com direito a acampamento no santuário ecológico do Largo do Queiroz e trekking por riachos e matas.

Antiga Casa de Câmara e Cadeia | Uma das mais temidas prisões baianas na época da escravidão, a Casa de Câmara e Cadeia ainda preserva os instrumentos que serviam para torturar escravos. Na fachada do prédio encontra-se um brasão do Império. Arquivo Municipal | O arquivo está instalado na casa onde nasceu Abílio de César Borges, o Barão de Macaúbas, e guarda documentos que registram a história da região desde 1724. Cartas de alforria, sentença eclesiástica e certidões de escravos, entre outros, fazem parte do acervo.

Igreja Nossa Senhora de Santana | Construída por escravos, permaneceu em ruínas por cerca de 50 anos, o que facilitou a retirada de pedras para a construção de algumas casas vizinhas. A característica da construção, de acordo com especialistas, parece datar do século XIX. Após o tombamento, passou por reforma, e algumas partes da igreja, como o telhado, foram reconstruídas.

Cachoeira do Fraga | Na queda d’água no Rio Brumado formam-se piscinas naturais ótimas para banho.

Flora | A região apresenta espécies ainda não identificadas ou catalogadas. A diversidade diz respeito às espécies decorativas (canelas-de-ema, orquídeas, bromélias; cactos e sempre-vivas), às de destinação alimentar ou medicinal. Museu Zofir | Na casa onde viveu o artista plástico Zofir Oliveira Brasil (1926-1990) estão expostos os curiosos trabalhos feitos com material reciclado e sucata. Na entrada de Rio de Contas há uma pedra pintada, a Negra do Zofir. 28 | Viver Bahia

Ponte do Coronel | A ponte perpassa oito piscinas naturais.

Trilhas próprias para a prática de trekking e caminhadas

Poço das Andorinhas | Situado no distrito de Arapiranga, 25 km distante da sede do município. O poço fica no alto de uma serra, cuja estrada de acesso só pode ser vencida a pé ou em veículo 4x4, num percurso de 6 km. A trilha é entrecortada por cascatas e piscinas naturais de águas cristalinas.

Ruínas da Igreja de Santana indicam a tradição secular do primeiro povoamento Informações

úteis Como chegar

Acesso Rodoviário: Rio de Contas fica a 680 km de Salvador via Chapada Diamantina (pelos Gerais do Mucugê) ou 730 km via Vitória da Conquista pelas BR-324, BR-116 e BA-148, BA-407, BA-262, BA-148. A empresa Novo Horizonte (71 3450-2224/5557) faz a linha Salvador-Livramento de Nossa Senhora, diariamente. A partir de Livramento para Rio de Contas (12 km de distância), o acesso é feito através de linha de ônibus local, vans e táxis. Acesso Aéreo: Há vôo regular ligando Salvador a Vitória da Conquista (que fica a 22 km).

Feira de Santana

BR 324

Andaraí

BR 116

Mucugê Milagres

Chapada Diamantina

Salvador

BA 142

Onde ficar

Hotel e Pousada Maia | R Álvaro Dantas, s/n | Tel: (77) 3475-2099 Pousada Sempre Viva | R Comendador Souza, s/n | Tel: (77) 3475-2424 Pousada Rio de Contas | Rua Barão do Rio Branco, 40 | Tel: (77) 3475-2090 Raposo Chalé Camping Bar | BR Rio de Contas Livramento Km 02 | Tel: (77) 3475-2111 Pousada Pérola do Rio | R. 15 de Novembro, 76 (rua do clube) | Tel: (77) 3475-2191 Hotel São Felipo | R. Alto do Cruzeiro, 100 | Tel: (77) 3475-2025

BR 242

Lençóis

Oceano Atlântico

Saiba mais sobre as principais atrações do município

Rio de Contas

Jequié

Brumado BR 116

BA 142

Onde comer

Restaurante Sobradão | Pça da Matriz | Tel: (77) 3475-2309 Restaurante Quintal | Rua Bandeirantes, s/n | Tel: (77) 3475 - 2061 Restaurante Quilombo | Pça da Matriz | Tel: (77) 3475 - 2306 Restaurante Portela | Pça da Matriz | Tel: (77) 34752001 Frango na Brasa | Pça da Matriz | Tel: (77) 3475-2208

Dica de Roteiro

A topografia montanhosa proporciona roteiros desafiadores como o trekking, até o Pico das Almas, um dos pontos mais altos da Bahia, com 1.958 m de altitude. A saída da cidade em direção à Barragem, num percurso de 14 km off road, é feita em veículo

(

Vitória da Conquista

4x4. A partir da Fazenda Silvina, a trilha só pode ser percorrida a pé, numa distância aproximada de 7,5 km até o pico. O último trecho é um paredão de 400 m, com nível de dificuldade alto. O tempo aproximado do passeio é de um dia.

Guias

Pouso dos Creoulos | passeios e trilhas | Tel: (77) 34752018 | www.clubenet.com.br/creoulos/ Trilhas & Aventuras | Tel: (77) 3475-2177

Bancos

Banco do Brasil | Pça da Matriz, 37 | Tel: (77) 3475-2023

Informações Turísticas

Prefeitura Municipal | Tel: (77) 3475-2106. Rodoviária | Tel: (77) 3475-2240 Viação Novo Horizonte | Tel: (77) 3424-5050 www.novohorizonte.com.br

Viver Bahia | 29


Turismo GLS

Bahia aposta em destinos gay-friendly O

Salvador, Porto Seguro, Ilhéus e Itacaré estão entre os 10 destinos GLS do Brasil. Considerados gayfriendly, eles se destacam neste segmento por proporcionarem ambientes democráticos, arte, cultura, e respeito à diversidade e à privacidade. A Secretaria de Turismo (Setur) e a Bahiatursa, os órgãos oficiais de turismo da Bahia, têm desenvolvido diversas ações para promover o Turismo GLS no estado. Alegria e respeito à diversidade são elementos que atraem este segmento

segmento é um dos mais promissores no mundo, uma vez que cerca de 10% da população mundial se identifica como gay ou lésbica, um contingente equivalente a 18 milhões de pessoas, segundo informações da Associação Brasileira de Turismo para Gays Lésbicas e Simpatizantes (ABRATGLS). Em parceria com o Grupo Gay da Bahia (GGB), os dois órgãos oficiais de turismo estão promovendo cursos de capacitação para recepcionistas de hotéis, policiais militares e taxistas, para receber gays e lésbicas de forma natural e respeitosa. O objetivo é estender o programa a todos os municípios turísticos, para que todo o estado da Bahia seja reconhecido como um destino gay-friendly. “Muitas vezes chega um

As praias de Salvador são alguns dos principais atrativos para o turismo GLS

30 Viver | Viver BahiaBahia | 30

Viver Bahia | 31


Turismo GLS

Turismo GLS

casal em um hotel e a recepção oferece dois quartos. Isso é uma ação preconceituosa”, disse o presidente do GGB, Marcelo Cerqueira, que se mostrou bastante satisfeito com a iniciativa. “A consolidação desse segmento chega num momento de mudanças culturais no mundo inteiro. É muito importante que o governo esteja atento a isso, pois ajuda a diminuir o preconceito em relação aos gays”, observa. A comunidade gay norteamericana é um dos principais mercados a serem trabalhados pelos órgãos de turismo baiano. Segundo a Associação Internacional de Turismo GLS (IGLTA), esse mercado representa US$ 54 bilhões anuais. “É preciso trabalhar o mercado americano de maneira segmentada. Por isso, junto Decoração segmentada se destaca nos points de Salvador com o turismo de golfe e o étnico, estamos priorizando o mercado GLS”, eleita como um destino gay-friendly. explica a presidente da Bahiatursa, “Esses são os destinos que vamos Emília Salvador Silva, acrescentando trabalhar junto com a Embratur que, já no mês de março, este para divulgação do turismo GLS segmento receberá uma ação internacionalmente”, revela o presidente específica e conjunta dos governos da ABRATGLS. Segundo ele, para atrair da Bahia e de Pernambuco, como o ainda mais, simpatizantes, governos e lançamento, em Miami, de um Guia iniciativa privada precisam trabalhar Turístico para divulgação dos roteiros de forma integrada. “Para se vender um GLS. destino friendly é preciso ter bons Perfil do A indicação da Bahia como equipamentos e profissionais consumidor GLS um dos destinos preferenciais de capacitados para receber gays e lésbicas, de acordo com esse visitante. A Bahia é Segundo Segundo dados dados da da ABRATGLS, ABRATGLS, o presidente da ABRATGLS, oo consumidor Calendário muito procurada por consumidor GLS GLS possui possui Franco Reinaudo, foi apontada esses turistas”, características e datas características próprias próprias que que por uma pesquisa realizada destacou. geram importantes geram expectativas expectativas positivas positivas de de pelo Ministério do Turismo empresários empresários do do setor setor turístico: turístico: para a execução de um 17 17 de de maio maio || V V Rendimentos Rendimentos acima acima da da média média da da projeto de capacitação Dia Dia Municipal Municipal em em Salvador Salvador população população de de Combate Combate aa Homofobia Homofobia para atender a turistas V 28 V Informado Informado ee exigente exigente 28 de de junho junho || GLS. Junto com Dia Internacional do Dia Internacional do Orgulho Orgulho Gay Gay Florianópolis, V V Consome Consome mais mais lazer, lazer, cultura, cultura, viagens, viagens, 1º domingo de setembro || 1º domingo de setembro moda Rio de Janeiro moda ee design design Parada Parada Gay Gay da da Bahia Bahia e São Paulo, a V V Busca Busca qualidade qualidade ee excelência excelência no no 1º 1º domingo domingo de de dezembro dezembro || capital baiana, atendimento atendimento Dia Dia Nacional Nacional de de Luta Luta Contra Contra aa Aids Aids Salvador, foi

Destinos preferenciais já se consolidam

32 | Viver Bahia

Salvador, Ilhéus, Porto Seguro, Arraial D’Ajuda, Trancoso e Itacaré. Enfim, o paradisíaco sul da Bahia é realmente uma região gay-friendly. E os investimentos nesse segmento não param por aí. Trancoso já contabiliza dois hotéis gays. Itacaré possui uma mega pousada gay-friendly e Ilhéus e Itacaré inauguraram seu primeiro resort GLS no ano passado. Tudo voltado para gays e lésbicas. Conheça mais sobre esse circuito:

Salvador Salvador é conhecida pela hospitalidade do seu povo. Pela sua própria formação miscigenada, o baiano aprendeu a conviver e a respeitar as diferenças. Nesse caldeirão cultural há lugar para todas as etnias, religiões, opções sexuais e políticas. Por tudo isso, é que a capital baiana é considerada um dos principais destinos turísticos friendly do Brasil. Se, por um lado, a cidade esbanja história e cultura, por outro, oferece opções variadas de lazer e entretenimento para o público GLS. A cidade recebe anualmente milhares de gays, lésbicas, travestis, transexuais e simpatizantes para a Parada Gay, geralmente realizada no primeiro domingo de setembro. As entidades organizadas têm atuação marcante no cenário político e cultural e disponibilizam orientações aos turistas e visitantes.

Estrutura de bares e restaurantes gay-friendly são pontos fortes dos destinos baianos

Serviço* Praças, Ruas e Points Avenida Sete de Setembro, do Campo Grande à Praça da Sé, sobretudo próximo à Praça da Piedade, muita paquera Rua Carlos Gomes, do Largo 2 de Julho ao Campo Grande Praça Pedro Arcanjo e 2M, Pelourinho Praias Praia de Itapuã (Pedra do Sal) | Barraca Aqualoca, Barraca Goa do Sal Praia dos Artistas | Barraca Aruba, Barraca República, Barraca Bahamas Praia Stela Maris | Barraca do Gaúcho, Barraca Tchê Biruta Bares Camarin/ Bar Cultural | Rua Leovigildo Filgueira - Beco dos Artistas, s/n – Garcia Touchê Creperia | Rua Belo Horizonte – Jardim Brasil, Barra - Fone: (71) 9121.9084 Âncora do Marujo | Rua Sen. Costa Pinto, 80 Carlos Gomes Beco da Off Clube | Rua Dias D’Ávila - Barra | Ambiente com muitas mesas na calçada, encontro de todos antes de se jogar na Off Clube, boa pedida as quintas, sextas e sábados. Com os bares Creperia La Bouche - Bar Tropical e World Bar Marquês | Rua Marques de Leão, 148 Barra - Fone (71) 3264 - 2717 Bar e Restaurante Babalotin | Rua do Meio, 237 - Rio Vermelho - Fone (71) 3334 5827. Bar com ambiente interno e também com mesas e cadeiras na rua, frequência misturada. Próximo à entrada do Hotel Pestana Restaurantes Maria Mata Mouro | Rua Inácio Acioli, 8 Pelourinho | Cozinha internacional e baiana. Fone: 3321-3929. Funcionamento das 12h às 24h. Ambiente sofisticado, de padrão internacional. Excelente para turistas e pessoas exigentes no atendimento e no cardápio |

www.mariamatamouro.com.br | reservas@ mariamatamouro.com.br Senac | Largo do Pelourinho, s/n | Cozinha baiana tradicional, boa e muito farta. Excelente para excursões e turistas. Procure saber sobre a programação cultural do SENAC. Boates e discotecas Off Clube | Rua Dias D’ Ávila, 33 - Farol da Barra | Fone 3267.6215 - Horário: das 23h às 06h, sextas e sábados| Boate, bar, duas pistas de dança, dois andares, decoração moderna, iluminação internacional, hostess Tropical News | Rua Gamboa de Cima, 24 Gamboa Hospedagem (hotéis e albergues) Tropical Hotel da Bahia | Praça Dois de Julho, 2 – Campo Grande | E-mail: dpithb@tropicalhotel. com.br. | Reservas: 55(71) 336-4030 Fax 55 (71) 336-9725 Hotel Sol Victoria Marina | Av. Sete de Setembro, 2.068 - Corredor da Vitória – Centro | Fone: 55(71) 336-7736 Fax 55 (71) 336-0507 | Vista deslumbrante da Baía de Todos os Santos Porto Farol Apart | Rua Milton de Oliveira, 134 – Barra | Fone 55 (71) 247-5566 Fax 55 (71) 3247-6555 Corsário Praia Hotel | Av. Otávio Mangabeira, s/n, Boca do Rio, Praia dos Artistas | Em frente ao Esporte Clube Bahia | Telefax : 55 (71) 34623694 / 3363-3217 | www.corsariopraiahotel. com.br Hotel Barra Turismo | Av. Sete de Setembro, 3.691 - Porto da Barra | Fones: 55 (071) 32647433 - Fax 55 (071) 3264-0038 Hotel Bela Barra | Rua Afonso Celso, 439 – Barra | Fone: 55 (71) 3237-8401 / Fax:55 (71) 3235-2313 Albergue das Laranjeiras | Rua Inácio Acioli, 13 - Pelourinho. Telefax para reservas 55 (71) 3321-1366 Albergue do Porto da Barra | Rua Barão de Sergy, 187 – Barra | Fone 55 (71) 3264-6600 Albergue da Juventude do Pelourinho | Rua Ribeiro dos Santos, 5 – Pelourinho | Telefax 55 (71) 3242-8061 * Equipamentos indicados pelo GGB

Viver Bahia | 33


Turismo GLS

Ilhéus Uma boa pedida para quem quer aproveitar as belezas da terra de Jorge Amado e hospedar-se em um hotel gay-friendly é o Hotel Jardim Atlântico. Pense em um lugar capaz de promover o seu encontro com a liberdade, a felicidade e o bem-estar. O hotel oferece, além de conforto, lazer e descanso, passeios turísticos opcionais por toda Costa do Cacau. Localizado em uma das mais belas praias do litoral sul de Ilhéus e com 36 000 m² de área, dois restaurantes, Internet Point, Wi-Fi, um belo jardim tropical, espaço zen com sauna, bar e salas de massagem, e confortáveis apartamentos standard ou categoria luxo, o hotel conta com infraestrutura quatro estrelas para proporcionar todo o conforto aos seus clientes. Com decoração inspirada em casas da zona rural espanhola, o Jardim Atlântico lembra antigas mansões de fazendas e explora toda a beleza da madeira. Os quartos ficam todos no térreo, e no hall central estão localizadas as áreas de lazer comum, o restaurante e um lounge. Todos são equipados com TV Sky, telefone, frigobar, ar-condicionado, cortinas tipo black-out e cofres nos apartamentos. O parque aquático conta com piscina, bar molhado, sauna e ainda um labirinto aquático superdivertido. Na praia há um quiosque descolado, onde se pode saborear petiscos marinhos e saladinhas de verão, acompanhados de charmosos drinques. A praia é limpa e tranquila. Mas se preferir maior agito, não se desespere, a um quilômetro do hotel você encontra as barracas mais badaladas de Ilhéus. 34 | Viver Bahia

Os hotéis de Itacaré estão se qualificando para atender a este público

As belezas naturais de Ilhéus atraem turistas do mundo inteiro

Trancoso A localidade de Trancoso, no Extremo Sul da Bahia é um dos principais destinos turísticos GLS do Brasil. Desde 2005, a vila ganhou sua primeira pousada gay, a Seis e Meia. O lugar é bem intimista, com capacidade para, no máximo, 30 pessoas de cada vez. São cabanas grandes para cinco, três e duas pessoas e inovações como o acarajé-bar, ao lado da pousada, e café da manhã no quarto, mesmo fora do horário estipulado. Tudo em Trancoso rola no Quadrado, ao lado da histórica igrejinha. Parece cidade do interior: a igrejinha ao fundo, um campo de futebol no meio, casas ao redor. Essas casas do Quadrado, originalmente dos nativos (eles são chamados assim) de Trancoso, foram vendidas quando a aldeia ganhou fama no mundo. Nelas,

foram instalados restaurantes, bares e muitas lojas. Numa cidade absolutamente linda como Trancoso, o melhor mesmo é aproveitar o dia. Então é bom não se jogar muito, para acordar cedo, andar um pouco e arrasar no areião. Pois bem. A praia principal é uma faixa de areia dividida por diversas ‘praias’. Em cinco minutos de caminhada você chega ao pier. A cada quilômetro de praia há no mínimo dois megaquiosques. Todos com cadeiras legais, redes, sofás e camas. Relaxe. Se não quiser parar em nenhum deles, ande pelas areias. Quanto mais, melhor. Os nativos ficam jogando capoeira. Os hippies vendem de um tudo. Os gringos tiram os óculos escuros quando você passa cheio de graça. A água é quentinha. As caipirinhas são ótimas. Só não exagere.

Itacaré Localizada no litoral sul do estado da Bahia, o vilarejo de Itacaré é marcado por sua diversidade de cores, sons, sabores e pessoas. O local virou destino turístico há oito anos, quando foi construída a estrada que liga Ilhéus a Itacaré. Desde então, o movimento só cresce, principalmente por surfistas ávidos por ondas e visitantes em busca do ecoturismo.

alegre. Estabelecimentos comerciais e restaurantes com a bandeira do arco-íris, além de outros detalhes, compõem o cenário receptivo dessa cidade, onde podem ser vistos vários casais homossexuais andando de mãos dadas pelas ruas. É fácil identificar um estabelecimento gayfriendly pela bandeira de arco-íris ou um adesivo, criado pela própria comunidade da cidade, o Welcome GLS people.

Em Itacaré, o clima hospitaleiro e simpatizante toma conta de tudo. Basta andar poucos metros por uma das ruas principais da cidade para se ter certeza de que a cidade é gay-friendly e tem orgulho disso. É só descer a Rua Pedro do Longo, sentido praia, que se percebe a diversidade da cidade. Cada casa é pintada de uma cor: verde, azul, rosa, amarelo... Tudo bem colorido e

No Beco das Flores o clima é descontraído. A drag Rúcula recepciona o cliente e passa a noite inteira indo de mesa em mesa para contar piadas. Uma boa opção de hospedagem é a Pousada Shambhala, às margens do Rio de Contas. A pousada é gay-friendly e deixa os hóspedes bem à vontade. Se preferir descontrair assistindo a um filme, Itacaré tem um único

cinema, um tanto peculiar. Em um espaço simples, foi montado um telão e um bar com mesas, o que o possibilita se tomar um drinque enquanto se assiste à sessão. Além disso, durante o verão, diariamente, o cinema abre suas portas para shows de capoeira, samba-de-roda e reggae. As noites de Itacaré são agitadas. Os bares do Centro e da Pituba são os pontos de encontro para se combinar luaus e festas. Forró, reggae e outros ritmos embalam os turistas, em festas nas areias, até o dia clarear. O forró e o reggae são os estilos mais comuns nas baladas. Algumas casas noturnas, que apresentam bandas de forró e xote, ficam lotadas. Para quem não sabe dançar forró sempre há nativos dispostos a ensinar alguns passos. Viver Bahia | 35


36 | Viver Bahia

Viver Bahia | 37


Turismo Náutico

BTS: náutica, lazer e cultura

Com mais de mil quilômetros de praias, rios navegáveis e natureza exuberante, a Bahia é um dos principais destinos náuticos do mundo. O desafio do atual governo é redescobrir a Baía de Todos-os-Santos como um destino turístico sustentável e seguro.

V

entos constantes que variam entre 10 e 25 nós, sol o ano inteiro, temperatura média da água que se mantém na casa dos 26ºC e visibilidade submarina entre 10 e 20 metros. Não é à toa que a Baía de Todos-osSantos, Bahia, Brasil, é apontada como um dos mais interessantes paraísos náuticos do planeta. Não bastassem tantos predicados a atrair velejadores de diferentes regiões, uma das maiores baías de clima tropical do mundo conta ainda com 56 ilhas, rios navegáveis e sítios arquitetônicos e naturais preservados. Consenso entre os grandes velejadores, as características da Bahia para o turismo náutico são destacadas por nativos e visitantes. “Em nove anos de viagens pelo mundo, encontrei poucos lugares tão favoráveis para o vele-

Pacote inclui segurança e infraestrutura

A vista panorâmica da Baía de Todos-os-Santos dá a dimensão das suas potencialidades náuticas

jador como o litoral brasileiro e, em específico, a Baía de Todos-os-Santos; venta quase todos os dias, não chove muito, a água é limpa e principalmente tem muitas regiões onde a natureza permanece intocada. Isso é maravilhoso”, ressalta o aposentado e velejador francês Roland Machine, acrescentando que na Europa já não existe nada assim. “É quase mágico sair de uma cidade do tamanho de Salvador e, poucas horas depois, estar em um local como a Ilha dos Frades e ou Bom Jesus. Não se trata apenas de uma simples velejada, é uma viagem no tempo, é um regresso ao mundo natural, onde as matas e animais ainda são preservados em seu habitat”, enaltece o velejador. Opinião semelhante é defendida pelo também velejador Jean Ydes e pelo skipper Atila Bohm, que, apesar de continua na página 40

A região da Ilha de Itaparica, na Baía de Todosos-Santos, será contemplada com um pacote que inclui ações nas áreas de segurança pública e infraestrutura. As novas medidas foram anunciadas pelo governador Jaques Wagner, no dia 13 de fevereiro. As obras, que serão iniciadas este ano, incluem a construção de um Complexo Policial, entre Itaparica e Vera Cruz, a recuperação da BA 001, nos trechos entre o Terminal de Bom Despacho e o município de Santo Antonio de Jesus, passando por Nazaré. A unidade policial, que ficará pronta em nove meses, abrigará uma Companhia Independente da Polícia Militar, as delegacias de Itaparica e de Vera Cruz, e um núcleo do Departamento de Polícia Técnica (DPT). De acordo com o comandante da PM, Nilton Mascarenhas, a 5ª Companhia Independente, sediada na Ilha de Itaparica, possui hoje um efetivo de 285 homens. “Mais quatro viaturas e quatro motos reforçarão o trabalho preventivo da PM”, conta. Apesar das últimas ocorrências, como o assassinato do empresário Abel Aguilar e o assalto a um casal de turistas franceses, o índice de criminalidade na área da 19ª Delegacia, na Ilha de Itaparica, se manteve baixo e estável nos últimos dois anos. De acordo com as estatísticas do Centro de Documentação e Estatística Policial (Cedep), foram registrados 10 homicídios e apenas um veículo foi roubado em 2008 e 2009.

Barcos de todas as bandeiras chegam a BTS de todas as partes do mundo

38 | Viver Bahia

Viver Bahia | 39


Infraestrutura permite a atracação de diversas embarcações

hoje viver em Ilhabela, São Paulo, devido ao trabalho, ainda não conseguiu esquecer as belezas e velejadas que realizou na Bahia durante os seis anos em que morou em Salvador. “Isso aí é ouro. Não há como comparar com outras regiões do Brasil e dos locais por onde passei no mundo. Na Bahia, cada velejada traz novas sensações. Atracar em frente ao Forte Salamina e desembarcar é uma experiência de tirar o fôlego. Aquilo ali é lindo. Assim como é maravilhoso passar uma tarde na Ilha do Cal ou na Ilha do Medo”, diz o velejador. Para Jean Yves, a combinação do nível de preservação no entorno da BTS, da qualidade da água e da constância dos ventos, com a lei que amplia o prazo de permanência dos barcos de lazer de médio porte para dois anos, ainda fará da Bahia um dos principais pontos de desenvolvimento do turismo náutico mundial. “O Brasil é muito mais agradável do que o Caribe. Aqui ainda há muitas áreas preservadas, belezas naturais, além do preço acessível das coisas. Tenho certeza de que (no futuro) o Brasil e, principalmente, Salvador, vai ficar cheio de veleiros estrangeiros durante todo o ano”, diz. 40 | Viver Bahia

Atracadouro concentra belezas da Baía de Todos-os-Santos e vista para a cidade alta

Turismo Náutico

Velejar para a cultura e o lazer Basta levantar as velas em qualquer ponto da Baía de Todos-os-Santos para perceber que os velejadores que já visitaram dezenas de locais por todo o mundo estão cobertos de razão. Opções para passeios pela região é o que não faltam. Com o auxílio de cartas náuticas, GPS e tempo de sobra, o turista náutico poderá se aventurar pelas águas da Baía de Todos-os-Santos por seis a sete meses, Encantos das ilhas da baía são atrativos à parte

sem pressa, mas também sem a necessidade de repetir programações. Na baía, que é apontada como o “Berço do Brasil” e irmã mais velha da globalização (ver box ao lado), mais do que natureza preservada, o turista tem ao seu dispor opções de programas e passeios que vão desde almoços e jantares regados a molhos maravilhosos, da rica culinária baiana, até a música que embala o maior Carnaval de rua do mundo, e as crenças ligadas à cultura afro e permeadas pelo sincretismo religioso que se destaca como uma das marcas características do misticismo baiano. Para os visitantes que ainda não conhecem bem a região, talvez a melhor opção seja, em uma primeira investida, fundear o barco próximo ao Forte de São Marcelo. Como opções de vagas, há a Bahia Marina e o Cais da Bahiana - local responsável pela recepção das regatas internacionais que chegam à cidade a cada dois anos, como a Jacques Vabre e a Transat 6.50.

A proximidade desses pontos com o Elevador Lacerda facilita em muito a vida de quem busca um pequeno banho de cultura baiana. Se a opção de parada for o Cais da Bahiana, localizado em frente ao Elevador, os passeios ao Pelourinho/Centro Histórico poderão ser feitos a pé, sem a necessidade de ônibus ou táxi. Conhecer um pouco do artesanato local no Mercado Modelo e apreciar a roda de capoeira sob a marquise do Mercado é outro programa obrigatório para o viajante, assim como é aconselhável um rápido passeio pelas lojas náuticas da região, para o caso de precisar repor algum equipamento. O Cais da Bahiana destaca-se por ser um dos pontos de melhor localização na BTS para quem deseja reabastecer o barco. Vencida a primeira etapa da viagem, vale uma velejada até a Baía de Itapagipe/Ribeira, onde o bairro mantém ainda marcas e ritmo do co-

tidiano de uma cidade do interior, com direito a saborear um dos melhores sorvetes da cidade e, quem sabe, até um dos melhores do planeta. Pelo menos é o que atesta a reportagem da revista Gula, fixada em um mural da sorveteria, que coloca em pé de igualdade o sorvete de coco queimado da Ribeira com sorvetes vendidos no Bar Travere, em Roma, e sabores da Baskin Robbin, de Nova York. Essa travessia, para os donos de veleiros, pede um pouco de planejamento. Devido ao banco de areia à entrada da baía, a profundidade é de apenas 1,5m na maré baixa. Por isso, é aconselhável que o barco, dependendo do calado, chegue ao ponto quando a maré ainda estiver enchendo ou no ‘estofo da maré’. Entre clubes e marinas existentes no local, o velejador tem opções para ficar com o barco durante os dias que puder ou quiser desfrutar do melhor da hospitalidade baiana. Viver Bahia | 41


Turismo Náutico

Relação histórica une a vela à Baía de Todos-os-Santos

Roteiro das ilhas é opção imperdível

Segundo o historiador Cid Teixeira, 82 anos, para entender melhor a relação entre a vela e a Baía de Todos-os-Santos, basta que nos reportemos à época dos grandes descobrimentos e os séculos que

Por fim, antes de se entregar por completo às belezas da Baía de Todos-os-Santos e Recôncavo, vale uma visita à Baía de Aratu, para conhecer a região e se programar para deixar o barco em segurança, no caso de precisar voltar para o estado ou país de origem. Algumas horas de conversa também com os associados do Iate Clube de Aratu ou do Angra dos Veleiros (Ribeira) podem ser bastante elucidativas para que o turista se entregue aos melhores roteiros náuticos que a BTS oferece. Próxima parada, Ilha de Maré, onde vale a pena dedicar algumas horas a mais para conhecer a cultura marisqueira da região, desde a captura dos mariscos até o sabor à mesa. Ver de perto também o trabalho das artesãs que dedicam suas vidas às rendas de bilro é outro interessante programa cultural. Um rápido passeio pelo Museu do Recôncavo, em Candeias, e é hora de abrir as velas rumo a Itaparica. A depender da época do ano, vale a pena se programar para participar da maior regata de passeio da região – a Aratu Maragojipe – que reúne de 200 a 300 embarcações por edição e pode ser apontada como uma das mais interessantes festas náuticas da Bahia. Durante o trajeto, ao se deixar envolver pela paisagem única, dedique uma atenção especial aos veleiros que passam ao largo. Entre eles, com certeza, irá encontrar alguns saveiros de vela de içar, que, segundo historiadores, estão entre os mais antigos barcos ainda em uso no mundo. 42 | Viver Bahia

se seguiram ao Descobrimento do Brasil. Quando não havia os canais do Panamá e de Suez e todo o produto proveniente do Oriente, consumido na Europa, tinha de fazer a volta na África, Salvador era um ponto estratégico para o mundo. Era o melhor caminho para evitar as calmarias do Atlântico Sul e atender às rotas das correntes marítimas e ventos favoráveis para essas viagens. Não é à toa que aqui, até a invenção do barco a vapor, foi a principal capital do hemisfério sul. “Hoje, se fala muito em Roteiros náuticos aliam natureza, cultura e lazer

globalização, mas o primeiro movimento de globalização foi

Ilhas reúnem atrativos naturais e ambiente favorável para a navegação

Após participar da competição e da festa, tire alguns dias para ver de perto uma das maiores reservas de manguezais do país, passear pelas cachoeiras da região e depois subir mais um pouco rumo a São Roque. De preferência, faça como velejadores, organizadores e patrocinadores das regatas internacionais que passaram pela Bahia em 2007 e realize parte dessas aventuras pelos paraísos da BTS a bordo do principal símbolo da tradição náutica do estado: o saveiro de vela de içar. “Passear de saveiro pela Baía de Todos os Santos era um dos grandes sonhos da minha vida. Este foi um dos momentos mais emocionantes que vivi no mundo da vela”, desabafa Pierre Landolt, um dos patrocinadores da regata Jacques Vabre, edição 2007, logo após um passeio entre o Forte de São Marcelo e a Igreja de Humaitá. Seja no berço da história da vela

ou em barcos de última geração, com todo o conforto e segurança, abrir panos - no caso de veleiros - ou ligar o motor das lanchas e iates, na BTS é entregar-se por dias, semanas ou meses ao nascer da história do Brasil, a paraísos intocados, ao ritmo alegre da música baiana, ao suíngue contagiante do povo e à culinária repleta de pimenta, dendê, gosto e olfato ricos e exóticos. Salinas da Margarida, Tororó, Ilha do Medo, Mutá, Jaguaribe, dentre tantos outros pontos impecáveis da BTS e do Recôncavo, ajudam a compor um quadro inesquecível para os velejadores locais e visitantes. Explorações que pedem o auxílio dos guias náuticos da BTS. Com a ajuda destes, e dependendo da altura do mastro e do calado do barco, fica muito fácil atravessar a barra falsa e seguir rumo a Morro de São Paulo, Cairu e Boipeba.

instituído em relação à BTS, que era o meio do caminho entre o Ocidente e o Oriente. Para o mundo, Salvador era mais capital do Atlântico Sul do que do Brasil. Tanto que, até 1549 (a BTS foi descoberta em 1501) não há nenhum documento que registre Salvador como cidade”, afirma o historiador. Cid Teixeira garante que não foram raras as vezes em que, enquanto pensava neste período da história, chegou à conclusão de que “Deus jogava no nosso time. Não bastasse ser o meio do caminho para as Índias, aqui ainda possuía a melhor terra para o plantio da cana-de-açúcar, era excelente porto e grande produtor. Isso era quase covardia”, diz. Nessa época, era comum que as águas da BTS abrigassem mais de 70 grandes barcos de diferentes nações do mundo.

Viver Bahia | 43


Turismo Náutico

Calendário de eventos é constante durante o ano Campeonato de Vela Oceânica da Bahia, Circuito Salvador, Marcílio Dias, Regata de Salinas, Primavera, Brancácio, Aratu-Maragogipe. Com uma baía do tamanho de todos os santos, não poderia ser diferente, os eventos náuticos estão presentes em quase todos os meses do ano na Bahia. Num calendário tão concorrido, destaque especial para a João das Botas, quando o mar vira lugar de herói. Realizada no dia em que se comemora a data de nascimento do baiano que, com alguns saveiros (um dos veleiros mais antigos ainda em uso no planeta), derrotou a esquadra de Portugal na luta pela independência do Estado, é na João das Botas que pescadores das mais diferentes regiões da Baía de Todos-os-Santos se reúnem para mostrar toda a perícia de dominar o vento e o mar. A mesma destreza e harmonia em relação às forças da natureza, decisivas nas manobras das bata-

A conformação da baía permite a programação de competições durante o ano inteiro

lhas do passado e passadas de geração em geração, hoje, ganham contornos de festa na regata que leva o nome do saveirista que comandou a independência náutica da Bahia.

Ao som dos fogos de artifício que dão a largada, as velas multicoloridas não se abrem para mostrar a tecnologia que invadiu a náutica nos últimos anos, mas, sim, a história de luta e desenvolvimento de um povo.

Embarcações de pequeno porte trafegam com tranquilidade

Barcos, ou melhor, saveiros como Sombra da Lua, É da Vida, Mar Azul, Lua de Yemanjá, Vendaval e outros tantos, dentre os 135 participantes da mais tradicional regata baiana, trazem também em suas linhas, na cor desbotada dos cascos e nas velas de pano de algodão, um pouco do cotidiano desses pescadores e trabalhadores do mar. Para eles, 21 de janeiro é dia de esquecer o transporte da farinha, da cerâmica, das pedras para construções e até dos peixes, para trazer alegria ao Porto da Barra, Salvador, e pescar companheirismo. Outro ponto alto das competições regionais fica para o início do segundo semestre, quando os baianos e velejadores de outros estados colorem a BTS com os balões que se abrem na segunda bóia da Aratu-Maragogipe. Uma festa que, em 2009, irá completar 40 anos de velejada, companheirismo e um milhão de cenas e histórias de velejador.

Competições agitam as águas calmas da Baía de Todos-os-Santos, aliadas ao espetáculo de cores dos barcos

44 | Viver Bahia

Viver Bahia | 45


Viva Saveiro

Saveiros conferem espetáculo à parte

N

inguém sabe ao certo qual a idade deles. Uns falam em quatro mil anos, outros afirmam que eles surgiram bem depois, mas o certo é que os saveiros, embarcações rústicas à vela que se tornaram figuras muito comuns na Baía de Todos-os-Santos no século XVII, ainda encantam os apaixonados pelo mar e representam uma tradição que atravessa gerações. Normalmente coloridos e com velas brancas de até 15m de altura, as embarcações sempre foram presença constante nos versos de Dorival Caymmi e livros de Jorge Amado. Os saveiros também impressionaram o arquiteto ucraniano Lev Smarcevski, que viveu no Brasil e escreveu o livro Graminho, A Alma do Saveiro. Elas também exerceram papel fundamental no histórico Dois de julho de 1823, quando ainda eram centenas pelas águas do litoral baiano. Com o surgimento de barcos a motor e o avanço da tecnologia, os saveiros perderam espaço e competitividade, uma vez que as viagens precisavam ser mais rápidas para atender às necessidades do mundo moderno. Assim, o número de embarcações desta natureza foi diminuindo ao longo do tempo. Na Bahia, que chegou a ter cerca de dois mil saveiros, há apenas 18 e duas em funcionamento. Preocupados com o futuro dos saveiros, um grupo de amigos resolveu criar a Associação Viva Saveiro, que tem como objetivo preservar a cultura da embarcação no estado. A organização não-governamental tem como presidente o engenheiro paulista Pedro Bocca, que se considera um apaixonado pelos saveiros há pelo menos três décadas. A associação conta com o apoio institucional e financeiro da Secretaria de Turismo do Estado da Bahia, que disponibiliza estrutura e investe recursos para a organização de eventos e exposições que divulgam a cultura saveirista. O último evento que destacou os saveiros baianos foi realizado em janeiro deste ano, no Armazém 01, da Companhia das Docas do Estado da Bahia (Codeba). A mostra reuniu esculturas do artista-plástico Bel Borba e

46 | Viver Bahia

As rústicas embarcações podem ser vistas no Armazém 1 da Codeba História dos saveiros é resgatada em exposição Esculturas do artista plástico Bel Borba compõem a exposição

Toneladas de aço ganham vida com o trabalho do artista plástico

também miniaturas e fotografias de saveiros que já navegaram na Baía de Todos-os-Santos. Apesar da redução da quantidade de saveiros em atividade, o número de fãs das rústicas embarcações não para de crescer. Os antigos mestres saveiristas, que residem nos municípios do Recôncavo, ajudam a manter viva a tradição e transferem o amor pelos barcos para os filhos e netos. Um exemplo claro é o interesse dos filhos dos mestres Memeu, Lorão e Jorge pelos saveiros baianos. Eles lutam para manter acesa a chama dos saveiros e para que eles não desapareçam das águas calmas da Baía de Todos-os-Santos. Um dos barcos que resiste às marcas do tempo é o Sombra da Lua. Com 80 anos de existência, o saveiro

atraca em Salvador uma vez por semana, trazendo, além das cargas, beleza e romantismo para aqueles que veem o seu deslizar sobre as águas. Com grande potencial de armazenamento, os saveiros que ainda navegam entre Salvador e as cidades do Recôncavo baiano e Bacia do Paraguaçu ainda têm uma devida importância para economia de pequenas localidades. É a bordo dessas embarcações que chegam semanalmente, a Salvador, produtos característicos do interior, como a farinha de mandioca, temperos, frutas, azeitede-dendê, verduras e artesanatos fabricados no distrito de Maragojipinho. Os principais destinos das mercadorias trazidas pelos saveiros são a tradicional Feira de São Joaquim e o Mercado Modelo. Viver Bahia | 47


O centro da cidade está recebendo diversas obras de recuperação de prédios históricos

Exposição sobre o cinema baiano faz parte do acervo do Espaço Glauber

Novos Empreendimentos

Modernidade e tradição no Centro Histórico de Salvador Novos hotéis e novo cinema para o Centro Histórico de Salvador Quem passa pelo bairro do Comércio, em Salvador, normalmente fica encantado com a combinação das belezas naturais com a arquitetura das antigas construções dos séculos XIX e XX que sobrevivem aos tempos modernos. O mar de cor verde visto desde o início da Avenida Contorno e edificações como o Elevador Lacerda e o Mercado Modelo têm sido excelentes cartões de visita para empresários que têm interesse em investir no local. Um claro sinal de que a região deve se expandir, sob o ponto de vista econômico, na próxima década, é a implantação de empreendimentos do setor hoteleiro. Além disso, o governo estadual, por meio da Secretaria de Turismo (Setur), estuda a execução de uma parceria com a Prefeitura de Salvador e a Codeba para construir, no Armazém 01 das docas, uma estação para o desembarque de turistas que chegam à capital pela via costeira. O Hotel Hilton, por exemplo, representa o primeiro grande investimento do Grupo Imocom, de Portugal, na Região Nordeste do Brasil. O contrato para implantação do empreendimento foi assinado em outubro do ano 48 | Viver Bahia

passado e prevê investimentos de R$ 70 milhões e início das obras no primeiro semestre deste ano. O grupo adquiriu seis casarões no bairro do Comércio, na Cidade Baixa. Destes, quatro serão recuperados e dois substituídos por uma torre de 13 metros de altura, ao final dos quais será construída uma piscina com “borda infinita”, o que dará ao usuário a impressão de que a Baía de Todos-os-Santos é uma extensão dela. A Casa de Azulejos, que foi tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), será a fachada principal do hotel. Ali ficarão as suítes de luxo em estilo clássico. O empreendimento terá 170 apartamentos de três tipos, cada um com 35m². A Casa de Azulejos será a fachada principal do hotel. Ali ficarão as suítes de luxo, com pé direito de 4m de altura. O outro prédio, que estará ligado à Casa de Azulejos por uma passarela sobre a Rua Portugal, conservará os quatro pavimentos originais. Uma outra passarela será construída sobre a Rua Nossa Senhora do Rosário, fazendo a ligação com um centro de convenções com capacidade para 300 lugares. O Hilton, projetado para a categoria cinco estrelas, vai atrair para a cidade um novo público de turistas, principalmente os canandenses e norte-americanos, que terão um hotel com infraestrutura, comodidade, segurança e hospedagem de alto padrão. O empreendimento ainda vai gerar 250 empregos diretos e 1.500 postos de trabalho indiretos.

Centro da cidade também será transformado Se o Comércio já tem investimentos assegurados para a área hoteleira, com o centro da capital baiana não é diferente. Alguns prédios tradicionais da Cidade Alta devem, no futuro, abrigar novos negócios, que possivelmente serão implantados com capital estrangeiro. O grupo espanhol Prima vai investir cerca de US$ 6,5 milhões na construção de uma unidade hoteleira, que deve ficar pronta daqui a dois anos. O luxuoso hotel de 70 apartamentos será construído no antigo prédio do jor-

nal A Tarde, no centro de Salvador, com a abertura de 70 postos de trabalho. A idéia dos empreendedores ibéricos é aproveitar o visual indescritível da Baía de Todos-os -Santos. Um importante vetor da revitalização do centro da cidade, segundo o secretário do Turismo, Domingos Leonelli, foi a inauguração do Espaço Unibanco de Cinema - Glauber Rocha, ex-cine Guarany e ex-cine Glauber Rocha, localizado na Praça Castro Alves. Totalmente reestruturado, o imóvel e o novo espaço contam com quatro modernas salas de cinema, num total de 630 lugares, uma livraria, um restaurante e um café.

Turismo naútico

O antigo prédio do jornal A Tarde, na Praça Castro Alves, será sede de um novo hotel

O incentivo ao turismo náutico também deve valorizar a região em médio prazo. Em 2008, a Setur contratou serviços de consultoria na área, que já apontou alguns passos a serem seguidos para a Bahia se consolidar nesse segmento. Na opinião do consultor Walter Garcia, o Brasil e a Bahia podem herdar turistas do segmento náutico do mercado caribenho, que, segundo ele, vive uma fase de saturação. Atualmente, a região do Comércio – que também abriga grandes restaurantes, um terminal náutico e a Bahia Marina – tem se destacado pela abertura de outros empreendimentos. Em toda a área do bairro estão sendo implantados empreendimentos como faculdades, bares e lojas. No verão, também é grande a movimentação de turistas que desembarcam dos cruzeiros que chegam à capital baiana. Este mercado, segundo estimativa da Codeba e da operadora de turismo CVC, deve crescer 15% nesta temporada, com a atracação de 132 embarcações, 23 a mais que no período da temporada anterior. Viver Bahia | 49


Páginas 36-37 Anúncio Investimento em português

50 | Viver Bahia

Viver Bahia | 51


Turismo Étnico

Dia-a-dia da Bahia negra estimula visita de afrodescendentes É impossível não ser influenciado pela herança africana na Bahia. Exaltada em verso e prosa, a peculiar cultura miscigenada e notadamente influenciada pelos africanos que vieram escravizados para o Brasil, é hoje motivo de viagem para muitos afrodescendentes de outros países, sobretudo para a comunidade negra norte-americana. A Bahia exala sua negritude em cada esquina. No cheiro forte do dendê, no ritmo da sua música, na cor da pele do seu povo, nas expressões faciais, no sincretismo religioso, no rebolado da mulata, na ginga da capoeira, na alegria das manifestações culturais e, principalmente, na alma do seu povo. As baianas são representações simbólicas para o turista interessado na herança africana 52 | Viver Bahia

Atrativos culturais do turismo étnico-afro são destacados nos cursos de qualificação

S

alvador, a capital baiana, é a cidade mais negra do mundo fora da África. Mais de 80% da população é afrodescendente. Aqui, os elementos da cultura africana estão impregnados de maneira definitiva na cultura popular, transbordando em cheiros, cores, sensações, sabores, mandingas, tradições, alegrias e renascendo a todo instante, – dialogando com o passado e interagindo com as novidades do presente. Por essas e outras razões, talvez não exista um segmento turístico que represente tão bem a vocação natural da Bahia como o do turismo étnico. Esta segmentação turística é baseada no contato e na experimentação direta com os modos de vida, as manifestações culturais e a identidade de grupos afros. Os maiores interessados e principal público alvo são os afro-americanos, que veem na Bahia a oportunidade de aprender mais sobre suas próprias origens e reencontrar as suas raízes africanas. Para se ter idéia do potencial desse público cada vez mais interessado em viagens relacionadas à busca de identidade, a comunidade negra dos Estados Unidos representa hoje 12% do PIB norte-americano. Trata-se de um mercado de consumo de US$ 257 bilhões por ano. A explicação da escolha da Bahia como destino é simples: aqui a herança cultural africana é forte e de tal maneira preservada, que, em muitos casos, nem existe mais no próprio continente africano. Os primeiros passos para estreitar a relação da Bahia foram iniciados em 2007, com o lançamento do Programa

A culinária afro-baiana é uma das atrações mais requisitadas

Turismo Étnico. O projeto teve um aporte inicial de R$ 1,2 milhão para pesquisa e qualificação e capacitação profissional. Em julho de 2008, foram lançados os calendários de verão O dia-a-dia da Negra Bahia, que tem como proposta ser um roteiro literário, musical, etnopolítico, desportivo e gastronômico do turismo étnico na Bahia. Além disso, a Secretaria de Turismo tem participado de grandes eventos, como encontros internacionais de capoeira e a Festa da Boa Morte. Em novembro do ano passado, a American Airlines, numa parceria com o Estado, inaugurou um voo diário, diretamente do Aeroporto Internacional de Salvador para os Estados Unidos, fazendo a rota Miami-Salvador num Boeing 767-300. O avião possui 250 assentos, sendo que 28 deles serão reservados à classe executiva. A visita

Originária da cultura do povo banto, a capoeira é outra fonte de interesse ao público étnico afro

da secretária de Estado americano Condoleezza Rice à Bahia, em março do ano passado, teve um peso importante na inauguração deste voo diário, abrindo ainda mais o mercado norte-americano à Bahia. Outra grande iniciativa para o amadurecimento do turismo étnico tem sido a divulgação direta desse novo produto turístico com os setores especializados. O Governo do Estado tem trabalhado diretamente com operadores e agências de viagens especializadas no mercado afrodescendente, além da realizar Famtour (viagens promovidas para que os agentes de turismo conheçam in loco os destinos e produtos que irão vender em suas cidades) e Press Trip (viagens promovidas para jornalistas especializados na área de turismo). Somente entre novembro e dezembro de 2008, foram realizadas sete viagens de encontro e participação de eventos com operadores de turismo, jornalistas especializados e empresários de Atlanta, Chicago, Filadélfia, Washington, Miami, Los Angeles e Nova York. Em 2009, estão previstas outras ações que certamente estimularão novas viagens dos afro-americanos, a exemplo da criação de novas linhas aéreas diretas para a Bahia, a restauração de monumentos da cidade de Salvador e a construção de novas unidades de hospedagem em centros culturais e terreiros de candomblé de Salvador e do Recôncavo baiano. Com isso, a expectativa do coordenador do programa, Billy Arquimimo, é a de receber no próximo ano 15 mil turistas afro-americanos. Viver Bahia | 53


Baiana do Acarajé - Quem vem à Bahia não deixa de saborear os quitutes da 54 | Viver Bahia

quim

Praça Castro Alves

é

Revolta dos Malês – Salvador foi palco de alguns dos conflitos mais importantes contra a escravidão. Um deles é o movimento que ficou conhecido como Revolta dos Malês, a última das várias rebeliões de escravos registradas no século XIX, na Bahia. O movimento ocorreu na capital baiana, na noite de 24 para 25 de janeiro de 1835, mas ainda hoje é uma grande referência para a população afrodescendente baiana. Os principais personagens dessa revolta foram escravos adeptos do Islamismo. Eles pretendiam libertar os escravos, acabar com o catolicismo - religião que era imposta aos africanos desde o momento em que chegavam ao Brasil -, confiscar os bens de brancos e mulatos e implantar uma república islâmica na Bahia. A insurreição, no entanto, foi delatada e os líderes do movimento foram presos ou morreram durante o confronto com a polícia. Ainda hoje é difícil calcular o número exato de africanos mortos, feridos e punidos no levante de 1835. Para o historiador João Reis, os mortos somaram mais de 70, pois os que morreram posteriormente não foram contabilizados nos relatórios

Joa

e Lucas Dantas. O movimento contou também com a participação de mulheres. Duas delas tiveram muito destaque: as negras alforriadas Ana Romana e Maria do Nascimento. Uma centena de pessoas, entre militares, religiosos, funcionários públicos, foi denunciada. Dessas, 47 foram presas, mas somente 30 foram processadas. Todos eles alegaram inocência. Apenas quatro homens admitiram culpa. João de Deus, Manoel Faustino, Luís Gonzaga e Lucas Dantas foram condenados à morte por enforcamento e executados no dia 8 de novembro de 1799, no Largo da Piedade. Depois de aplicada a sentença, seus corpos ficaram expostos para servirem de exemplo àqueles que ousassem

bra

Sea

os

Circuitos históricos

Centenas de afro-americanos participam da festa da Irmandade da Boa Morte, em Cachoeira

Av .J

Largo da Piedade

ile

Largo São Pedro

Ch

ica

gél

An

a

ana

Jo Av.

Ru

Av Av . .77 de de set sete emm

Barroquinha

Estádio Otávio Mangabeira bro

Joaq

o .J Av

Revolta dos Búzios - Denominada de Inconfidência Baiana, Conjuração dos Alfaiates, Primeira Revolução Social Brasileira, Sedição dos Mulatos, e Revolta dos Búzios, o movimento revolucionário de 12 de agosto de 1798 é uma das mais importantes manifestações anticoloniais no Brasil dos finais do século XVIII, e talvez o mais singular, pelos seus aspectos sociais e sua avançada formulação política, como observa o historiador Luiz Henrique Dias Tavares. O agravante é que, nesse período, a Bahia vivia uma escassez de alimentos e a população de baixa renda começou a saquear estabelecimentos portugueses em Salvador. Outro grande problema diz respeito à discriminação sofrida pelos negros libertos, que percebiam salários mais baixos que os brancos para desempenharem a mesma função. Os principais líderes do movimento eram negros alforriados, militares, intelectuais e profissionais liberais. Na linha de frente, encontravam-se o alfaiate João de Deus do Nascimento; o jovem aprendiz de alfaiate, Manoel Faustino dos Santos, com apenas 18 anos; e os soldados Luís Gonzaga das Virgens

Dois de Julho

Av. 7 de set em

Ch ile Ru a

uim

ra Seab

brbr oo

Praça Castro Alves

Centro

nh o

Praça da Sé

au s as N Av .d

o uti nh ete

Co

Aspectos culturais e arquitetônicos também são focos recorrentes de interesse

Pelourinho Mercado Modelo

fay

Pelourinho - O Pelourinho era o local onde antigamente os escravos eram castigados pelos seus senhores. Por esse fato, o Largo do Pelourinho passou a ser ponto de referência da cidade, e o nome se popularizou tanto na Bahia quanto no exterior. O Pelourinho tem uma importância inquestionável do ponto de vista histórico, cultural e econômico para o turismo étnico. O Centro Histórico ou Centro Antigo, como alguns preferem chamá-lo, é um dos vários espaços turísticos de Salvador. É o maior conjunto arquitetônico colonial do Brasil. Em 1985, foi reconhecido pela Unesco como Patrimônio Histórico e Cultural da Humanidade.

Comércio

Co uti

Capoeira - Em julho deste ano, a dança recebeu merecido reconhecimento público, ao ser elevada à condição de Patrimônio Imaterial da Cultura Brasileira, o 14º bem cultural registrado no Brasil pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e Ministério da Cultura (MinC). A capoeira, que mistura dança e luta, era usada pelos escravos como forma de defesa. A capoeira traz um som ritmado e bem marcado pelo berimbau de barriga, caxixi, atabaque, pandeiro e recoreco. Existem duas classificações para essa prática: a capoeira de Angola e a Regional. O pioneiro na primeira categoria foi o Mestre Pastinha, enquanto Mestre Bimba é símbolo da Regional. A capoeira é a manifestação folclórica mais popular do estado e é difundida por todos os cantos do mundo. Na Bahia, a prática dessa luta-dança é bastante disseminada em Salvador, Cachoeira, Mata de São João, Santo Amaro, São Félix, Feira de Santana, Maragojipe e Nazaré.

Salvador Baia de Todos os Santos

ete

Salvador

culinária africana. Símbolo maior da gastronomia do estado, a baiana do acarajé oferece em seu tabuleiro alguns dos mais saborosos exemplos da cozinha afro-baiana. Com suas roupas brancas, saias rodadas, panos e torços, elas podem ser vistas em cada esquina da cidade. O dia 25 de novembro é dedicado a elas e há uma programação extensa para homenagear essas mulheres que misturam carinho, amor e tradição para fazer os seus famosos quitutes.

Av . La

A Bahia conta com diversos atrativos para seduzir os visitantes afrodescendentes. Aliados ao calendário de eventos com motivação étnica, o turista pode agregar o clima, as belezas naturais, gastronomia e as festas populares à história e cultura de cada região. Conheça algumas opções de roteiros étnico-culturais.

fay

Roteiros étnicos destacam aspectos culturais

oficiais. Alguns nomes, porém, podem ser retirados do anonimato completo, como Ahuna, Vitório Sule,  Dassalú, Manoel Calafate, Nicobé, Flamé, Batanhos, Mama Adeluz e Combé, a maioria escrava dos ingleses que moravam no bairro da Vitória. O circuito onde se deu a rebelião fica no Centro Histórico, bem no coração da cidade, onde hoje se localizam a Ladeira da Praça, a Câmara Municipal, a sede da Prefeitura de Salvador e adjacências, como mostra o mapa.

Av . La

Turismo Étnico

Largo São Pedro

Barroquinha Av.

na Joa

ica

gél

An

Nazaré

Largo da Piedade

Dodô e Osmar

Dique do Tororó

questionar a Coroa portuguesa. A cabeça de Lucas Dantas ficou espetada no Campo do Dique do Desterro. A de Manuel Faustino, no Cruzeiro do São Francisco, enquanto que a de João de Deus, na Rua Direita do Palácio (hoje Rua Chile). A cabeça e as mãos de Luís Gonzaga ficaram pregadas na forca que foi levantada na Praça da Piedade para a execução, como mostra o mapa ao lado.

Cachoeira Irmandade da Boa Morte - A Irmandade de Nossa Senhora da Boa Morte surgiu na segunda década do século XIX e é fruto de um pacto entre as etnias negras da região. Por não dominarem a escrita, sua preservação foi mantida através da oralidade. O significado do nome Boa Morte é associado à morte de Nossa Senhora, que teria sido tranquila. Diz-se, que, após ter adormecido, um coro de anjos desceu do céu para despertá-la e a levou para o céu, em corpo e alma. A festa, que acontece no mês de agosto, celebra a assunção de Nossa Senhora. Por isso, denomina-se Boa Morte, uma vez que ela foi a única pessoa a ter esse tipo de “morte”. O evento é um dos principais atrativos turísticos da Bahia, e tem atraído muitos visitantes estrangeiros. Viver Bahia | 55


Turismo Étnico

Adereços

Suíços e alemães participam de palestras temáticas

A

capoeira, o candomblé, a música, a percussão, a dança e a gastronomia de origem africana, entre outros símbolos da cultura baiana, estão atraindo cada vez mais a atenção de turistas estrangeiros. Motivados especialmente pelo interesse em conhecer os fundamentos da herança africana na Bahia, turistas de vários países chegam à Bahia e encontram nas manifestações culturais roteiros fascinantes para as suas viagens. Esta motivação de viagem foi responsável pela vinda de um grupo de 18 turistas europeus que passou, em janeiro, 14 dias em Salvador, apreciando os aspectos da cultura afro-baiana. Formado por alemães e suíços, o grupo foi acompanhado pelo etnólogo e dançarino baiano Ivan Vasconcelos, que vive na Europa e comanda a TanzBrazil, uma escola que oferece cursos de dança e palestras sobre a cultura negra. O termo tanz significa

dança, em alemão. Em Salvador, os turistas ficaram hospedados na Pousada da Mangueira, no Centro Histórico da capital baiana, e visitaram sedes de entidades, como o Malê Debalê e a Escola de Dança da Universidade Federal da Bahia (Ufba), onde participaram, inclusive, de um curso de dança afro e de aulas de capoeira regional, além de frequentarem oficinas de percussão com músicos da cidade. Filho legítimo de uma mãe-de-santo, o professor Ivan Vasconcelos dá aulas na Suíça, Alemanha, Polônia, Japão, Áustria e em países africanos. Sua tarefa é formar e preparar grupos interessados em conhecer a cultura baiana. Ao tempo em que divulga as manifestações culturais da Bahia, o professor prepara os alunos para entrarem no universo baiano. O grupo de alemães e suíços foi o terceiro grupo que ele trouxe para o estado. Os grupos de turistas interessados na cultura afrodescendente recebem participam de palestras sobre o tema

56 | Viver Bahia

Cabeça feita e linda H

erança trazida pelos povos africanos, o uso das tranças nos cabelos ultrapassou o figurino afro para se tornar uma marca de quem vem à Bahia, um elemento típico da estética e da afirmação da cultura afro que contagia cada vez mais as cabeças dos visitantes, principalmente os mais jovens. Atualmente, as trancinhas estão presentes nas cabeças de negros e não-negros, como um símbolo da alegria e da descontração de estar na Bahia. São vários os estilos e formatos. Tem as tranças do tipo nagô, as tererês, que utilizam adereços como contas e barbantes coloridos, e também as dreadlocks, que compõem o visual rastafári. As tranças partem do couro cabeludo e permitem a criação de vários desenhos. O penteado pode ser feito na cabeça inteira ou apenas na metade da cabeleira, além de utilizar outros fios naturais ou artificiais. Há muitas possibilidades, e isso torna o ofício das trançadeiras cada vez mais valorizado. Do hábito caseiro de trançar com muito esmero os cabelos crespos das filhas, irmãs, mães e amigas, as trançadeiras ganharam as ruas e a freguesia de baianos e turistas. Em vários pontos da cidade, principalmente no Pelourinho, onde ficam ao ar livre, elas mesclam arte e afirmação para valorizar os cabelos crespos ou lisos de gente de diferentes lugares, raças e sexos.

Adereços de autoafirmação étnica

Trançados, amarrados, longos ou curtos, os penteados de origem afro já extrapolaram as fronteiras da afirmação da negritude

Além de ser uma bela opção aos tratamentos químicos nos cabelos crespos, para alisar e diminuir o volume, as trancinhas valorizam a cultura negra e o cabelo natural. Por isso estão tão presentes nas cabeças dos afrodescendentes, como um elemento de autoafirmação, e naquelas de quem apenas se identifica com a cultura de origem afro. Entre as mulheres negras, o uso das trancinhas nos cabelos está inserido em um contexto de forte pertencimento e autoidentificação racial, que é extremamente significativo. Tendo os cabelos trançados, essas mulheres que haviam aderido ao cabelo modificado por processos químicos ganhavam um status de “mais negona” do que outras que deixavam seus cabelos relaxados ou alisados à mostra. Penteados já extrapolaram fronteiras da autoafirmação da negritude

Viver Bahia | 57


FR ASE DO MÊS

“Pense em algo excêntrico, inusitado, em algum absurdo qualquer, ele já aconteceu na Bahia”.

Adereços

O histórico das famílias nas quais as mulheres negras estão inseridas influencia na forma como elas enxergam o cabelo. A opinião dos parentes, dos amigos sobre o cabelo crespo solto e o cabelo crespo trançado tem uma forte influência sobre a autoestima dessas mulheres. A menina negra ao encontrar na família o respaldo necessário para enxergar sua beleza como uma diferença aceitável, constroi outras formas de se relacionar com o cabelo crespo, além daquelas que estão na esfera de um cabelo que precisa ser domado. Por isso, a criatividade é a palavra de ordem na hora de fazer o penteado.

Otávio M angabeira, ex-governador da Bahia

A amante baiana de D. Pedro II

Trançados ou enrolados os cabelos conferem identidade

Profissão de fé para os nativos A baiana Valdemira Telma, como foi batizada, ou Negra Jhô, como se tornou conhecida, é trançadeira desde a adolescência, aprendeu em casa o ofício que virou o seu ganhapão. Em seu salão de beleza no Pelourinho, ela e mais cinco ajudantes dedicam-se aos penteados afros de vários modelos e chegam a fazer uns dez por dia. Mas com a chegada

do verão, das festas e dos turistas na cidade, o movimento irá com certeza aumentar. “Tudo começou com a trança nagô, que é a original, a trança que sempre foi usada pelo povo-de-santo. Mas, hoje em dia, como a palavra de ordem é a criatividade, o modelo do penteado depende do que o cliente quer e de uma avaliação do

Prática já representa rendimento familiar para as pessoas que se dedicam a ela 58 | Viver Bahia

que lhe fica melhor”, disse Jhô, que atende a pessoas de qualquer sexo e idade. A cabeleireira faz penteados afros com tranças simples, implantes, interlice, megahair, tiaras, tererês e dreadloks, a depender do rosto, da idade, do tamanho e da cor da pele do cliente. “Não é tudo que fica bem para uma pessoa”, diz ela, que utiliza como adereços fios naturais ou artificiais, lãs, fitinhas do Senhor do Bonfim, búzios e vários tipos de fibras, como a fibra sintética lisa ou cacheada e a palha da costa. Os penteados são elaborados em uma, duas ou até oito horas, em alguns casos. Haja paciência, é verdade. Mas, em compensação, permanecem arrumados por muito tempo e podem durar até dois meses, de acordo com os cuidados dos clientes, quanto aos produtos que utiliza para lavar e a maneira de deitar a cabeça e dormir.

A história é antiga e todo brasileiro já tinha ouvido falar, mas o affair que o imperador Pedro II manteve com a condessa de Barral aparece agora confirmado graças à aquisição do bibliófilo José Mindlin de 337 cartas da correspondência dos dois amantes, e que foram analisadas pelos historiadores José Murilo de Carvalho e Mary Del Piori. O fato mais relevante, porém, é que as cartas deixam transparecer o perfil liberal de Luísa Margarida de Barros Portugal, a condessa de Barral. Nascida em Salvador, em 1816, Luísa foi uma mulher bem à frente do seu tempo. Culta e figura de proa na Corte francesa, a preceptora das filhas do imperador defendia a abolição da escravatura e o provocava com outras questões políticas. Seu pai, o diplomata, político e senhor de engenho baiano, Domingos Borges

de Barros, acreditava que a educação feminina deveria ir além dos bordados. Mesmo assim, quis impor à filha o casamento com um amigo brasileiro, bem mais velho do que ela. Luísa, ainda adolescente, rebelou-se. Escolheu ela mesma um marido francês - o conde de Barral. Espectadora privilegiada da História, a condessa testemunhou de perto alguns dos acontecimentos mais importantes da história do Brasil e da França. Encontrava-se na Bahia, em 1837, na época da Sabinada, a revolta baiana contra a regência, e na França, durante a Revolução de 1848, que derrubou a monarquia. De volta à França, em 1871, assistiu à eclosão da Comuna de Paris. Eram tempos conturbados para as casas reais. Luísa, no entanto, nunca deixou de acreditar no poder moderador e na autoridade moral da monarquia.

Do Entrudo ao Carnaval Festejo popular de tradição portuguesa, o Entrudo chegou ao Brasil provavelmente no século XVII, antecedendo o Carnaval como o conhecemos hoje. Originário das ilhas de Cabo Verde e da Madeira, essa brincadeira alegre, porém violenta, persistiu durante a Colônia e a Monarquia, e precedia a Quaresma. Sem música nem dança, seu elemento principal era o limão-de-cheiro – pequeno objeto feito de cera fina, do tamanho de uma laranja, “recheado”

de água suja, urina humana e outras impurezas –, que os foliões atiravam uns nos outros, à guisa de diversão. Intensamente reprimido e proibido pela polícia, o Entrudo não fazia sucesso apenas entre as classes mais populares. Diz-se que até mesmo D. Pedro I e seu filho, D. Pedro II, foram adeptos da brincadeira. No início do século XX o Entrudo caiu em declínio, e os limões-de-cheiro acabaram dando lugar ao confete, à serpentina e ao lança-perfume.

Gula real Reconhecidamente glutão, D. João VI tinha suas preferências em matéria de comida. Mais quantidade do que qualidade. A chegada da Família Real ao Brasil separou em tetos diferentes D. João e Carlota Joaquina, sua mulher. Cada um, porém, determinava que em suas mesas houvesse sempre nada menos do que 12 pratos diferentes, a saber: “duas terrinas de sopa, um cozido, arroz, quatro guisados, dois assados e duas massas, além de fruta, pão, queijo e doce. O rei de Portugal foi o que mais se rendeu às iguarias do Brasil. D. João VI descascava cinco mangas depois de comer três frangos”. É o que atesta a historiadora portuguesa Ana Roldão. Carlota, por sua vez, além de conspirar contra o marido e tentar derrubá-lo do trono por diversas vezes, tinha predileção especial por cachaça. “Ela costumava misturar aguardente de cana com frutas, mas também a usava para conservar alimentos. Um escrito revela que era destinada ao quarto e à cozinha dela uma grande quantidade de aguardente”, afirma a historiadora.

Viver Bahia | 59


Receber Bem

Novo conceito de atendimento ao turista

Instalações do Serviço de Atendimento ao Turista de Lauro de Freitas Quem chega à Bahia conta com um atendimento diferenciado nos postos do Serviço de Atendimento ao Turista (SAT), conceito inaugurado há um ano pela Secretaria de Turismo da Bahia (Setur) e pela Bahiatursa, que oferece aos visitantes do estado informações sobre as 11 regiões turísticas da Bahia. O Aeroporto de Salvador e a Praia do Forte contam, desde dezembro, com postos do SAT que dispõem de atendentes bilíngues, capacitados a esclarecer dúvidas e a orientar o turista com informações sobre os 138 municípios considerados turísticos no estado. Os postos do SAT têm folhetos, mapas, revistas e outros tipos de publicações sobre os destinos turísticos da Bahia para consulta e distribuição. Além disso, são equipados com aparelhos telefônicos conectados ao Disque Bahia Turismo que, ininterruptamente, pelo número (71) 3103-3103, fornece informações em português, inglês e espanhol. Os postos do SAT dispõem ainda de computadores conectados 60 | Viver Bahia

ao portal www.bahia.com.br, com informações institucionais e sobre destinos, segmentos e produtos turísticos. Os equipamentos ficam disponíveis para quem quiser fazer consultas online sobre informações diversas (passagens aéreas e rodoviárias, hospedagem e outros itens que auxiliem o turista). A Bahia conta atualmente com quatro postos do SAT, o do Pelourinho, inaugurado há um ano - que além do balcão com atendentes e material de divulgação dispõe de espaço para exposições artísticas e salas de aulas para cursos de capacitação e palestras – e o SAT Lauro de Freitas, que atende aos visitantes da Costa dos Coqueiros. A proposta da Setur é substituir os balcões de informação da Bahiatursa, espalhados no estado, por postos do Serviço de Atendimento ao Turista, mais completos e interativos. Lucany Silva Bueno, que veio de São Paulo para uma reunião de trabalho em Vitória da Conquista, elogiou o serviço que permitiu que aproveitasse o tempo que tinha

Atendimento qualificado ao turista no Aeroporto de Salvador

disponível entre um voo e outro para conhecer uma das praias do Litoral Norte. “É um serviço excelente. Normalmente, quando a gente chega aos locais não tem informações. Mais uma vez, a Bahia se destaca”, disse. O superintendente regional da Infraero, Elvino Ney Taques, que participou da inauguração do SAT Aeroporto, em dezembro, acredita que o serviço “é uma inovação que vem ao encontro da política do Governo da Bahia de dar boas-vindas e assistência ao turista que chega”. Lenise Borges, turista que vinha de Goiânia para Salvador, também elogiou a iniciativa. “É importante chegarmos e termos informações precisas, profissionais”, disse. A diretora comercial do Ecoresort Praia do Forte, Maria Helena Santana, participou da inauguração do SAT Praia do Forte e elogiou o profissionalismo com que o estado tem tratado o turismo. “Os postos do SAT abrem possibilidade de o turista conhecer não apenas os destinos clássicos, mas as belezas de todo o estado”, afirmou.

SAT Aeroporto | Aeroporto Internacional de Salvador - em frente ao terminal de desembarque nacional. Horário: Diariamente, das 08h às 22h SAT Praia do Forte | Está localizado em um quiosque na entrada da praia. Horário: Diariamente, das 08h às 20h. SAT Lauro de Freitas | Km 6, Estrada do Coco, Portão, Lauro de Freitas. Tel.: +55 71 3369-9955 Horário: Diariamente, das 08h30 às 18h SAT Pelourinho | Rua das Laranjeiras, 12 – Pelourinho. Tel.: +55 71 3321 2133/ 2463 Horário: Diariamente, das 08h30 às 21h Disque Bahia Turismo | 55 71 3103-3103 - Funciona 24 horas, com atendimento em português, inglês e espanhol.

Vários serviços estão disponíveis para o turista no SAT ...

... nas unidades da Praia do Forte

Viver Bahia | 61


Promoção

Saberes e sabores de Itapuã Fonte de inspiração de artistas e intelectuais do porte de Dorival Caymmi e Vinicius de Moraes, cujos versos fizeram de Itapuã uma das principais referências de Salvador, o bairro ainda preserva a beleza das praias e areias brancas do Abaeté, mas batalha com criatividade para resgatar seu espaço na vida cultural da cidade. Exemplo dessa batalha foi o Festival Cultural e Gastronômico Saberes e Sabores de Itapuã, realizado entre 04 e 15 de dezembro, que procurou resgatar e fazer emergir a cultural local, mostrando ao público e especialmente aos turistas que vale a pena passar mais do que uma tarde em Itapuã. O festival foi uma iniciativa da comunidade junto com o Sebrae e alguns parceiros institucionais, como a Secretaria de Turismo (Setur), Bahiatursa, Senac e Abrasel, que procuraram estimular, através da chamada “economia criativa”, a produção associada ao turismo, oferecendo opções para todos os públicos. “Sol e praia, mas também gastronomia e eventos”, esse foi o mote do festival, que teve uma programação intensa e diversificada. Durante os 12 dias, ao longo de um circuito com início na Sereia, passando pela Lagoa do Abaeté e terminando no Farol, os visitantes puderam integrar-se à cultura local, através das apresentações de música, dança, teatro, literatura e artesanato. O festival apresentou também uma exposição de fotos, desenhos e pinturas contando a história do bairro, e projeção de filmes e vídeos produzidos pelo núcleo de cinema e vídeo da região. Além disso, bares e restaurantes associaram-se ao projeto, oferecendo especialidades de pratos e drinques a preços promocionais. Além do lado baiano, que já é tão conhecido, o festival provou que no bairro pode ser encontrado um pouco do mundo: França, Marrocos, Itália, Suíça, entre outros países, caracterizados na gastronomia e 62 | Viver Bahia

Mostra divulga atrativos das zonas turísticas no SAT do Pelourinho

Promoção II

Mostra divulga zonas turísticas

festival gastronômico pretende estimular o turismo no bairro

Projeto integra plano de desenvolvimento

As belezas naturais de Itapuã já foram cantadas em prosa e verso em ambientes muito especiais. Fizeram parte do festival os seguintes restaurantes: Creperê, Cantina Veneto, Galeria do Pascoal, Itália in Bocca, Lê Bistrot D´Artur, Pizzaria Café La Laguna, Laço Gaúcho, Língua de Prata, Mistura, Julieta e Romeu, Posto 12, Recanto do Ronis, Regi´Sucos, Mar Brasil e Sorveteria e Pizzaria Campo Grande.

O Festival Saberes e Sabores é um dos projetos que integram o Plano de Desenvolvimento Sustentado do Polo de Cultura e Turismo de Itapuã, elaborado pela comunidade e o Sebrae, com o objetivo de fomentar e dar maior visibilidade ao processo de revitalização e resgate do bairro. Localizado a 23 km do centro da cidade, Itapuã tem uma população estimada em 200 mil habitantes e é considerado um dos bairros que apresentam maior crescimento em Salvador. Por conta do crescimento desordenado de sua população e da perda de sua identidade cultural, o bairro vem sofrendo mudanças que afastam os visitantes. A iniciativa do Sebrae procura utilizar o potencial das atividades turísticas, culturais e artísticas para a melhoria da qualidade de vida da população, gerando emprego e renda, proporcionando lazer e contribuindo para a diminuição da violência na região.

Promovido pela Setur e Bahiatursa, em parceria com Sebrae-BA, entre 17 de dezembro e 17 de janeiro, no Serviço de Atendimento ao Turista (SAT), no Pelourinho, a primeira edição da mostra Bahia Mostra Bahia apresentou para os turistas, operadores e imprensa especializada, os produtos e serviços turísticos dos municípios de Camaçari, Lauro de Freitas e Mata de São João, localizados na Costa dos Coqueiros. As exposições, que aconteceram todos os dias, das 9 às 18h, mostraram o artesanato, a culinária, a cultura e a estrutura turística desses municípios, através da distribuição de folheteria promocional, balcão de negócios, com venda de pacotes para o público final, através de agências de receptivo, negociações entre agências emissivas (sediadas em Salvador) e receptivas (sediadas nos destinos participantes da mostra). Bahia Mostra Bahia tem como principais objetivos incrementar o fluxo

turístico dentro do estado, promover os destinos baianos, criar espaço na mídia para os produtos e promover o intercâmbio comercial entre as agências de turismo de Salvador e as de receptivo de outros destinos baianos. O evento contou ainda com manifestações culturais, como sambade-roda, capoeira e outras atividades que aconteceram nos fins de semana na Praça Tereza Batista. Baía de Todos-os-Santos Dando continuidade ao projeto Bahia Mostra Bahia, a região turística Baía de Todos-os-Santos apresentará seus produtos, roteiros e serviços turísticos de 4 de fevereiro a 8 de março, das 8h às 18h, no Serviço de Atendimento ao Turista, SAT Pelourinho, Rua das Laranjeiras, 2. Segunda zona turística exibida pelo projeto, desta vez estarão presentes as rendas de bilro e o doce de banana na palha, de Ilha de Maré, a cerâmica de Maragojipinho e Coqueiros, as delícias da culinária de Maragojipe, e os novos roteiros terrestres e náuticos que estarão entre os destaques da mostra. A abertura da mostra foi no dia 4 de fevereiro, às 9h, com um café da manhã típico com produtos locais, oferecido a autoridades e convidados – imprensa, agências e operadoras de Salvador - que comercializam roteiros dentro da própria Bahia. Em seguida,

haverá uma apresentação da Baía de Todos-os-Santos, no auditório, em filmes/vídeos, e uma palestra sobre atrativos, acessibilidade, serviços e infraestrutura disponível. Haverá ainda um balcão de negócios apoiado pelo Sebrae, com venda de pacotes turísticos, apresentando roteiros inéditos para o público final, através de agências de receptivo, previamente selecionadas pela Câmara da Baía de Todos-os-Santos, dentro dos critérios do Programa de Regionalização do Turismo. A iniciativa é da Bahiatursa, em parceria com o Sebrae e as Câmaras de Turismo das Regiões Turísticas. Segundo a presidente da Bahiatursa, Emilia Salvador Silva, presente na abertura do evento, o Bahia Mostra Bahia é uma ação que pretende incentivar o público baiano e turistas a conhecerem e viajarem mais dentro do estado. A mostra também é de relevante importância para apresentar os diversos aspectos turísticos de cada uma das zonas turísticas e promover o intercâmbio de negócios entre o mercado turístico. A região turística Baía de Todos-osSantos é composta por 15 municípios; destes, já participaram Salvador, Nazaré, Cachoeira, Aratuípe e São Francisco do Conde, apresentando suas manifestações culturais, artesanato, gastronomia típica e vídeos turísticos. Durante o período da mostra, os outros 10 municípios integrantes da região turística poderão aderir à programação. O objetivo desta ação é incrementar o fluxo turístico intra-Bahia; promover e divulgar os diversos destinos turísticos da Bahia, fomentando o turismo regional; gerar espaço na mídia para os produtos turísticos baianos; promover o intercâmbio comercial entre as agências de turismo de Salvador e as agências de receptivo dos diversos destinos Bahia; abrir espaço (físico e virtual) em Salvador para promoção das zonas turísticas da Bahia; propiciar aos gestores das zonas turísticas e trade local oportunidade de apresentar seus destinos e comercializar seus produtos dentro do próprio estado. Viver Bahia | 63


Capacitação

Qualificação é prioridade no turismo da Bahia A qualificação de profissionais e empresários do setor turístico é uma das ações prioritárias da Secretaria de Turismo da Bahia. Através do Programa de Qualificação Profissional e Empresarial, que prevê a aplicação de R$ 12 milhões em cursos de capacitação, serão qualificados 17 mil profissionais e empresários do estado até o fim deste ano. Neste verão, foi lançado especialmente o programa A Bahia é muito mais verão – Qualificação que capacitou em torno de três mil trabalhadores e empresários em 12 municípios de grande fluxo turístico Salvador, Lauro de Freitas, Camaçari, São Francisco do Conde, Entre Rios, Santo Amaro, Saubara, Cairu, Paulo Afonso, Amargosa, Ilhéus e Santa Cruz Cabrália. O programa é realizado pela Secretaria de Turismo, em parceria com a Universidade Estadual da Bahia (Uneb), e consiste em cursos de curta duração, voltados para trabalhadores que no dia-a-dia lidam diretamente com turistas nacionais e estrangeiros, seja para a venda de produtos e serviços ou simplesmente para fornecer informações. A imagem do Pelourinho dentro e fora do país é uma das preocupações dos alunos da primeira turma do projeto, formada por cerca de 30 policiais militares da Polícia Turística de Salvador. Em visita ao grupo, no final do ano passado, o secretário de Turismo da Bahia, Domingos

Qualificação de mão-de-obra é prioridade da Setur Leonelli, destacou o direcionamento da política de Turismo do Estado que visa a dar um salto de qualidade, inovação e integração econômica. Os alunos discutiram temas como desemprego e desigualdade social, que contribuem para aumentar a violência na cidade. A professora Carmélia Amaral, da Uneb, lembrou que os policiais, apesar de terem contato indireto com turistas, são importantes cartões de visita; afinal, quando alguém precisa de informação, é natural que, pela confiabilidade, procure um policial. A policial Andréia Lúcia, 36 anos, que trabalha na área do Pelourinho, acredita que a postura do policial ao lidar com o turista e o cidadão baiano é fundamental para o turismo. A grande expectativa dela é aprender o inglês instrumental. “Será importante

A capacitação abrange vários serviços da cadeia produtiva

64 | Viver Bahia

para eu relembrar o que aprendi há muito tempo e para que eu me comunique”, disse. Jailson Monte, 29 anos, que é soldado da PM, elogiou a iniciativa da Secretaria de Turismo do Estado da Bahia (Setur). “É louvável, uma oportunidade de aprofundar conhecimentos básicos que temos”, afirma. Barraqueiros e ambulantes de Porto de Sauípe, em Entre Rios, concluíram em janeiro um curso de 40 horas, dividido em dois módulos: de manipulação de alimentos (teoria e prática) e de conscientização turística, ética profissional e qualidade no atendimento. “Apostamos na educação como base principal para a mudança que precisamos em nossa comunidade”, afirmou Josemir Alves de Oliviera, o Juca, que é líder comunitário em Porto de Sauípe. Leandro Silva Soares, 21 anos, que já trabalhou em pousadas e barracas de praia na região do Litoral Norte, acredita que o curso representou uma oportunidade para troca de experiências, além de aprender conceitos importantes para o crescimento profissional. “Com certeza o turismo é importante para desenvolver Porto de Sauípe”, observou. Célia Damaceno Tavares, 33, aluna do curso, assegurou que o investimento na turma será bem aproveitado. “Estamos nos qualificando para crescer, para que os turistas que vierem tenham confiança em nossos serviços”, afirmou.

Capacitação contribui para inserção de jovens no mercado de trabalho O Consócio Social da Juventude Rural – Aliança, programa destinado à qualificação profissional de jovens de comunidade rural beneficiou, na Bahia, 580 pessoas, em 2008, e obteve um grande índice de inserção. No Extremo Sul da Bahia, 160 jovens de Porto Seguro, Arraial D´Ajuda e Trancoso participaram dos cursos de garçom e garçonete; camareiras e arrumadores; ajudantes de cozinha e recepção. Um mês após a conclusão dos cursos, 61% dos alunos estavam inseridos no mercado de trabalho, superando a meta do programa de empregar ao menos 30% dos jovens que passarem pelo programa. No Litoral Sul, em Ilhéus e Itacaré, foram capacitados 180 jovens, com índice de inserção de 25% dos alunos no mercado. Na Chapada Diamantina, 240 jovens participaram de cursos de produção associada ao turismo, voltados para o setor agrícola e de beneficiamento de alimentos, que foi encerrado no dia 18 de janeiro e tem grande potencial de inserção. O consórcio recebeu R$ 5,4 milhões, que beneficiaram três mil jovens de famílias de baixa renda em sete estados do Nordeste. Além do apoio do Governo Federal, tem a parceria do Instituto Aliança, do Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac) e a contrapartida da Secretaria de Turismo do Estado da Bahia (Setur), que permitiu que 40% dos recursos fossem direcionados para o estado. Bráulio José Valença, de 19 anos, que mora em Arraial D´Ajuda, foi contratado formalmente como garçom

Mais de 500 jovens foram beneficiados pelo programa em Porto Seguro

Capacitação de jovens eleva taxa de inserção no mercado de trabalho uma semana após o encerramento do curso. Há um ano ele trabalhava informalmente e foi contratado como estímulo do patrão para que continue estudando. “Foi um investimento em meu futuro”, aposta. Para o secretário de Turismo da Bahia, que foi prestigiar a cerimônia de formatura dos jovens em dezembro, em Porto Seguro, “não há nada mais gratificante para um gestor público do que se sentir parceiro na constituição da cidadania plena, que só ocorre com a geração de emprego e integração econômica”. Para ele, a qualificação profissional é o primeiro passo para possibilitar que o povo tenha acesso à riqueza, que é o turismo.

O secretário acredita que é importante a parceria empresarial no sentido de garantir aos jovens formados o primeiro emprego, respeitando-se a legislação trabalhista. Ele considera o trabalho conjunto entre governo e empresários fundamental para a geração de emprego e também para manter o fluxo e garantir a sustentabilidade da atividade turística. “Num novo contexto de competição nacional, já não basta, para a Bahia, termos sol e mar, não basta atrairmos investimentos hoteleiros. Tem de ter uma cama bem arrumada, uma mesa bem servida, saber fazer o manuseio dos alimentos”, diz. Viver Bahia | 65


Mercado Externo

Bahia investe em promoção Com a valorização do dólar, que tornou o Brasil um destino mais barato para os turistas estrangeiros, a Bahia aumentou ainda mais o número de ações promocionais no exterior. Entre os mercados em potencial que a Secretaria do Turismo e a Bahiatursa escolheram destacam-se a América do Sul e a Europa. No continente americano, foi estreitada a relação com a Venezuela, cujas autoridades demonstraram interesse na diversidade de destinos e da culinária da Bahia. Diante disso, o estado foi colocado como segunda principal opção turística do Brasil pelo governo venezuelano. “O principal destino dos moradores do país vizinho é o Amazonas, por conta da curta distância, que pode ser percorrida facilmente de carro ou ônibus”, disse o secretário Domingos Leonelli. A cultura, a beleza e as potencialidades turísticas da Bahia

Novos VoOS

Salvador já conta com 30 frequências internacionais por semana A conquista de mais um voo semanal que liga Salvador a Madri representa um importante reforço para o turismo na Bahia, neste período em que a economia mundial atravessa um dos momentos mais delicados. Tida como charter, mas com frequência 66 | Viver Bahia

A Bahiatursa investiu em vários mercados com promoção do destino também têm conquistado mais espaço na Europa. Ações conjuntas da Setur e Bahiatursa, juntamente com operadores de viagem, estão sendo desenvolvidas para aumentar a comercialização de pacotes com novos roteiros, produtos e segmentos como o turismo de golfe, enoturismo, o São João da Bahia e o Espicha Verão, além dos destinos e períodos já conhecidos como carnaval e

de voo fixo, a linha operada pela companhia Iberoworld chegou à capital baiana com 98% de ocupação no seu primeiro voo, com 314 passageiros. Com mais esta linha, Salvador alcança um patamar de cinco voos semanais direto de Madri, 30 linhas regulares internacionais. Os espanhóis, que representam o segundo maior público de estrangeiros na Bahia, atrás dos portugueses e à frente dos alemães, chegaram entusiasmados e dispostos a aproveitar todos os atrativos que fazem da capital baiana um dos principais destinos turísticos da Europa. Os turistas foram recepcionados por baianas e equipes de receptivo da Setur e Bahiatursa, além do secretário Domingos Leonelli e a presidente da empresa estadual de

o verão baiano. Isso tem acontecido com a participação da Bahia em feiras como a Bolsa de Turismo de Lisboa, em Portugal, a Feira Internacional do Turismo, principal evento do segmento da Espanha, em Madri, e um encontro voltado para o setor em Sofia, na Bulgária. Segundo a presidente da Bahiatursa, Emília Silva, essas ações fazem parte do esforço do governo estadual em minimizar os efeitos da crise econômica mundial e ampliar a presença do turista estrangeiro no Estado. A divulgação tem sido feita através do conceito A Bahia é muito mais, que busca mostrar a diversidade de atrações turísticas e a melhoria da qualidade dos serviços oferecidos ao visitante que chega ao Estado. No material promocional, há informações sobre os destinos baianos e sobre os serviços oferecidos como o Disque Bahia Turismo (71) 3103-3103, que representa um importante banco de informações em três idiomas (inglês, espanhol e português) e o portal www.bahia.com. br, que oferece dados, fotos, áudio e vídeo sobre a cultura, os segmentos e os destinos do estado.

Interiorização

Salão de Turismo vai apresentar a diversidade turística da Bahia A Secretaria de Turismo e a Bahiatursa promovem em abril o 1º Salão Baiano de Turismo, uma grande feira turístico-cultural que contará com a participação dos municípios baianos expondo os seus principais atrativos, além de jornalistas, agentes e operadores de viagens, com o objetivo de estimular a interiorização do turismo no estado. Estarão participando do evento todos os municípios que tenham produtos a ofertar no mercado do turismo, além dos que estão inseridos nas 11 zonas turísticas da Bahia – Costa das Baleias, Costa do Descobrimento, Costa do Cacau, Chapada Diamantina, Costa dos Coqueiros, Baía de Todos os Santos, Costa do Dendê, Caminhos do Oeste, Caminhos do Jiquiriçá, Caminhos do Sertão e Lagos do São Francisco. O evento será realizado no Centro de Convenções da Bahia, e tem o objetivo de apresentar, promover e comercializar os produtos turísticos da Bahia. A

importante instrumento de agregação de valor ao turismo na Bahia é o voo Salvador/Miami, operado pela companhia norte-americana, American Air Lines. Além de ser uma ligação direta da Bahia com os Estados Unidos, a linha foi fundamental para a realização, no próximo ano, do Congresso Mundial de Odontologia, segundo informou o presidente da Associação Brasileira de Odontologia – Seção Bahia (ABO-BA), Delcik Dultra. De acordo com estimativa do Convention Buerau, o evento, que será realizado no Centro de Convenções, deve reunir 15 mil pessoas de todo o mundo na capital baiana em setembro de 2010. Além dos voos para Madri e Miami, Salvador conta atualmente com linhas para Buenos Aires, Milão, Lisboa e Frankfurt.

turismo do estado, Emília Silva. Ainda no aeroporto, eles receberam camisetas da Bahia, fitinhas do senhor do Bonfim e um guia turístico em espanhol com detalhes de hotelaria, restaurantes e demais serviços, além de muito axé. Na lista de roteiros da cidade, estão pontos turísticos como o Mercado Modelo, o Elevador Lacerda, a Igreja do Bonfim e as praias de Salvador. Emília Silva explicou que a conquista de uma nova linha é um trabalho que consome vários meses de negociação. Já o secretário Domingos Leonelli informou que os esforços não param por aí. “A nossa meta agora é manter os outros quatro voos operados pela Air Europa e garantir um bom fluxo de turistas, após o fim da alta estação”. Outra linha que representa um Bahia possui voos internacionais com 30 frequências semanais

intenção é trazer o interior para a capital e trazer também operadores de turismo do Brasil e da América Latina para conhecerem as potencialidades de cada região turística da Bahia. “A idéia é que os operadores, agências e os próprios baianos viajem pelo mundo chamado Bahia, que é o slogan do evento, para fortalecer o processo de regionalização do turismo no estado, ampliando as opções de permanência do turista”, explica o secretário de Turismo, Domingos Leonelli. A programação do 1º Salão Baiano de Turismo inclui atividades como palestras, minicursos, rodadas de negócios, shows musicais e outras apresentações culturais. Também está programado o primeiro encontro de dirigentes e secretários municipais de Turismo e Cultura, para troca de experiências e conhecimento das ações do Governo do Estado. O evento contará ainda com a Mostra de Roteiros Turísticos, em que cada região terá uma área para apresentar e comercializar seus produtos; a Vitrine Bahia, onde ficarão os produtos genuinamente baianos, incluindo artesanato e produtos de origem agropecuária e industrial; e a Mostra Gastronômica, com apresentação das cozinhas regionais. Aberto ao público geral, que será estimulado a visitar mais o interior, o 1º Salão Baiano de Turismo tem como público-alvo os municípios que integram o Programa de Regionalização do Ministério do Turismo, o trade turístico, através de entidades como Abav, Abrasel, Abih, Abrajet e Convention Bureau, empresários do setor turístico, terceiro setor, órgãos governamentais, companhias aéreas e instituições acadêmicas.

Viver Bahia | 67


Culinária sertaneja Misturando pratos doces e salgados, Grande Sertão oferece o melhor da cozinha típica do interior da Bahia

O prato especial da casa: paçoca de carne-de-sol e seus ingredientes

A paçoca é pilada na hora

Restaurante especializado atrai nativos e visitantes

C

Paçoca de carne-de-sol

enário de um ambiente rústico que remete

lá. Em uma das paredes do Grande Sertão, os clientes

logo no primeiro momento à cultura nor-

avistam logo uma foto do Rei do Cangaço. O local tam-

destina e a personagens regionais como

bém possui lamparinas em formato de chapéus e uma

Lampião e Luiz Gonzaga, o restaurante Grande Ser-

cachaçaria com variados tipos de aguardente, e som

tão, na Orla Marítima de Salvador, também se des-

ambiente com os acordes de sanfona, zabumba e tri-

taca pela diversidade da culinária tipicamente pé-

ângulo, típicos do forró pé-de-serra.

de-serra.

Segundo os proprietários, Rose e Ronaldo Teixeira,

Pratos como escondidinho de carne-de-sol e raba-

a idéia de abrir um restaurante que trouxesse a cultura

da, dentre outros, ilustram o rico cardápio do estabe-

do interior para a capital surgiu quando eles ainda vi-

lecimento, que também oferece sucos e sobremesas

viam em Paulo Afonso, a 470 km de Salvador.

de dar água na boca. Além das opções de almoço e

Dentre os diversos pratos sertanejos que o local

jantar, o estabelecimento oferece ainda um rico café

oferece, um dos mais apreciados é a Paçoca de Carne-

da manhã com iguarias imperdíveis.

de- Sol, cuja receita foi gentilmente cedida pelo cozi-

A decoração também fascina a quem chega por 68 | Viver Bahia

nheiro Carlos César Tavares.

Ingredientes: 1kg de carne-de-sol 200g de cebola picada 300g de farinha de mandioca Modo de preparo | A carne-de-sol deve ser assada em forno, por um período entre 50 e 60 minutos, para que seja retirado o excesso de sal. Nesse processo, é necessário que a carne fique bem seca. O próximo passo é desfiar a carne em vários pedaços pequenos para que, logo em seguida, ela seja socada no pilão, juntamente com a cebola e a farinha de mandioca (em casa, a carne pode ser triturada no liquidificador). Se a carne for triturada no processador, deve-se acrescentar 1g de manteiga natural. Depois disso tudo, a paçoca está pronta para ser servida.

Como chegar: O restaurante está localizado na Rua Adelaide Fernandes da Costa, 122, próximo ao Parque Costa Azul.

Carne-de-sol com pirão de leite, farofa e vinagrete Viver Bahia | 69


Sete Áfricas

PROGRAMAÇÃO Salvador

Vira-Lata O artista baiano Igor Souza e as espanholas Rebeca Ros e Elena Gisbert reúnem obras em pequenos formatos, pinturas e desenhos. Onde: RV Cultura e Arte – R. Barro Vermelho, 32, Rio Vermelho (3347-4929) Quando: Seg a sáb, das 9h às 19h, até 28 de fevereiro Quanto: Grátis

ARTES VISUAIS

Coletivo Triptico/15º Salão da Bahia

1000 e 1 visões da Cidade Baixa

15º Salão da Bahia

Arte sempre viva

Trabalhos selecionados em arte naif que retratam as várias percepções da parte baixa da capital baiana. Onde: Galeria ICEIA, Barbalho (3117-1520) Quando: até 19/02, de seg a sex, das 8h às 18h Quanto: Grátis

Apresenta o trabalho de 40 artistas selecionados para participar do evento. Onde: Museu de Arte Moderna (MAM) – Av. Contorno, s/n, Solar do Unhão (3117-6130/ 3117-6135) Quando: Ter a dom, das 13h às 19h e sáb, das 13h às 21h, até o dia 1º de março Quanto: Grátis

Quinze quadros do artista Salomão Zalcbergas mostram a natureza do Vale do Capão na Chapada Diamantina. Onde: Galeria Jayme Fygura - Gamboa (3329-2418) Quando: de qua a sáb, até 01/03, das 19h às 21h, e dom das 16h às 18h Quanto: Grátis

Coletiva de Verão Mostra com trabalhos de 37 artistas em óleo, acrílica, plotagem, aquarela, azulejo e outros estilos. Onde: Panorama Galeria de Arte, Rio Vermelho (3240-6375) Quando: até 31/03, de seg a sex, das 9h30 às 12h e 14h às 18h, e sab das 9h30 às 12h Quanto: Grátis

Gilson Rodrigues 42 anos de Arte Exposição retrospectiva de múltiplas linguagens, com pinturas em telas de grandes dimensões, desenhos e adereços. Onde: Centro Cultural Correios (3321-6665) Quando: até 26/03, de seg a sex, das 10h às 19h, e sáb 8h às 12h Quanto: Grátis

Abraços na Arte: Brasil - Japão A mostra reúne obras de brasileiros de origem nipônica, e tem a curadoria dos artistas plásticos Yugo Mabe e Roberto Okinaka. Onde: Palacete das Artes Rodin Bahia – R. da Graça, 284, Graça (3117-6910) Quando: Ter a dom, das 10h às 18h, até 1° de março Quanto: Grátis

Salões Baianos A mostra reúne as obras dos artistas premiados no 14º Salão da Bahia e nos Salões Regionais de Artes Visuais 2008. Onde: Galeria Solar Ferrão – R. Gregório de Mattos, 45, Pelourinho (31176380) Quando: Ter a sex, das 10h às 18h, sáb, dom e feriados, das 13h às 17h, até o dia 1° de março Quanto: Grátis

Kazuo Wakabayashi/Abraços na Arte: Brasil-Japão

A mostra reúne 90 peças de diversos materiais, técnicas e estilos identificados na produção artística do continente africano, entre máscaras e esculturas, selecionadas pelo italiano Claudio Masella ao longo de 35 anos. Onde: Solar Ferrão – R. Gregório de Mattos, 45, Pelourinho (3117-6380) Quando: Ter a sex, das 10h às 18h, e sáb, dom e feriados, das 13h às 17h, até o final de abril Quanto: Grátis

Oferenda A artista plástica paulista Caroline Harari reúne obras como bilhas, potes, ânforas e gamelas em diferentes tipos de argila, técnicas e cores, com rendas e bordados. Onde: Museu de Arte da Bahia – Av. Sete de Setembro, 2340, Corredor da Vitória (3117-6904) Quando: Ter a sex, das 14h às 19h, e sáb e dom, das 14h30 às 18h30, até 29 de março Quanto: Grátis

Programação Permanente

Parque das Esculturas Exposição permanente a céu aberto reunindo obras de artistas brasileiros como Mário Cravo Júnior, Mestre Didi, Tunga, Carybé e Sante Scaldaferri. Onde: Museu de Arte Moderna da Bahia (3117-6132) Quando: de ter a dom, das 13h às 19h, sáb, 13h às 21h Quanto: Grátis

Pelos Caminhos de Salvador Mostra de postais e fotografias datadas das primeiras décadas do século XX. Onde: Museu Tempostal, Pelourinho (3117-6382) Quando: de ter a sex, das 10h às 18h, e sáb, dom e feriados, das 13h às 17h Quanto: Grátis

Casas de Brasileiro

Museu da Misericórdia

Mostra fotográfica do português Júlio de Matos com 51 imagens de palacetes residenciais, chalés e quintas, decorados com mirantes, torres, sacadas, jardins, lagos e grutas artificiais. Onde: Museu de Arte da Bahia – Av. Sete de Setembro. 2340, Vitória (3117-6900). Quando: Ter a sex, das 14h às 19h, e sáb e dom, das 14h30 às 18h30. Quanto: Grátis

Exposição permanente sobre a arte religiosa, o processo educacional das crianças, a história da Santa Casa e uma releitura das 14 obras da Misericórdia em arte contemporânea, na visão de 14 artistas baianos. Onde: Ala Sul do Museu da Misericórdia – R. da Misericórdia, 6, Praça da Sé, Centro Histórico (2203- 9662) Quando: Seg a Sab, das 10h às 17h, e dom e feriados, das 13h às 17h Quanto: Grátis

Carybé/Parque das Esculturas

Udo Knoff Exposição A Arte e o fazer na coleção de Udo Knoff reúne equipamentos, cerâmicas, matéria-prima e azulejos criados pelo artista. Onde: Museu Udo Knoff, Pelourinho (3117-6388) Quando: de ter a sex, das 10h às 18h, e sáb, dom e feriados, das 13h às 17h Quanto: Grátis

Memórias do Mar/Memórias do Forte/Memórias da Cidade As três exposições permanentes retratam episódios históricos. Onde: Forte São Marcelo – Baía de Todos os Santos (a travessia é feita por um barco que parte do Mercado Modelo por R$ 2) Quando: Diariamente, das 9h às 18h Quanto: Ingresso: R$ 10 e R$ 5

Jorge Amado: Vida e Obra Mostra permanente de painéis, fotografias, prêmios, condecorações, objetos pessoais e os livros do autor.

Onde: Fundação Casa de Jorge Amado – Lg. do Pelourinho, s/n (3321-0070) Quando: Seg a sex, das 9h às 18h, e sáb, das 10h às 16h Quanto: Grátis

Orixás da Bahia Catorze estátuas de orixás, em tamanho natural, ganham figurino novo, totalmente baseado nos preceitos ritualísticos da nação ketu do candomblé. Onde: Museu da Cidade – Lg. do Pelourinho, 3, Centro Histórico (3321-1967) Quando: Seg a sex, das 12h às 18h Quanto: R$ 1 (entrada franca às quintas)

Coletiva Os artistas plásticos Juarez Paraíso, Juracy Dórea e Maria Adair integram uma mostra permanente. Onde: Espaço Cultural Sofia Olszewski Filha, Apub – R. Padre Feijó, 49, Canela (3235-7433) Quando: Seg a sex, das 9h às 18h Quanto: Grátis


Coleções Um acervo que engloba coleções de pintura e artes decorativas dos séculos XVIII e XIX, a Escola Baiana de Pintura e mobiliário baiano dos sécs. XVIII e XIX. Onde: Museu de Arte da Bahia – Av. Sete de Setembro, 2340, Corredor da Vitória (3117-6903) Quando: Ter a sex, das 14h às 19h; sáb, dom e feriados, das 14h30 às 18h30 (às quintas a entrada é franca) Quanto: Grátis

O grupo apresenta espetáculo de dança que alia as raízes da cultura regional do Estado da Bahia ao estilo de movimentos contemporâneos. Onde: Teatro Miguel Santana – R. Gregório de Mattos, 49, Centro Histórico (3322-1962) Quando: Seg a sex, 20h (exceto às terças-feiras) Quanto: R$ 25,00

TEATRO Balé Folclórico

A Indústria do Petróleo no Brasil: Memória e Atualidade A exposição traz detalhes históricos da descoberta do petróleo e do desenvolvimento da Petrobras. Onde: Museu Geológico da Bahia – Av. Sete de Setembro, 2.195, Corredor da Vitória (3336-6922) Quando: Ter a sex, 13h30 às 18h; sáb e dom, 13h às 17h Quanto: Grátis

DANÇA

Cia de Danças e Folguedos O grupo apresenta um mosaico das danças populares, ritos sagrados e profanos, e figuras nordestinas. Onde: Teatro SESI, Rio Vermelho (3334-0668) Quando: até 18/02, às qua, 20h Quanto: R$ 20,00 e R$ 10,00

Terreiro d´Yesu – Som e Luz

Balé Folclórico da Bahia

Lavando a Roupa Suja

O Indignado

Texto: Cláudio Simões e Djaman Barbosa. Direção: Fernando Guerreiro. Com Frank Menezes. O ator comemora 25 anos de carreira em espetáculo que trata da indignação diante de temas como a política nacional e internacional, a velocidade do mundo moderno, a falta de educação e consciência ecológica, a insegurança e a busca obsessiva pela juventude. Onde: Teatro Módulo – Av. Magalhães Netto, 1.177, Pituba (3354-6654) Quando: Sex, 21h, e sáb e dom, 20h, até 29 de março Quanto: R$ 30,00 e R$ 15,00 (sex e dom) R$ 40,00 e R$ 20,00 (sáb)

Texto e atuação: Antônio Soares . Direção: Kleber Sobrinho. A montagem retrata de maneira satírica e bem-humorada o cotidiano de uma mulher negra, pobre e analfabeta. Onde: Teatro Sesi – R. Borges dos Reis, 9, Rio Vermelho (3335- 1529/ 3535-3020). Quando: Ter, 21h,até o dia 17 Quanto: R$ 14 e R$ 7,00

A Bofetada

Texto: Mauro Rasi, Miguel Magno e Ricardo de Almeida. Direção: Lelo Filho. Com Lelo Filho, Nilson Rocha, Jarbas Oliver e Igor Epifânio. Comédia besteirol que aborda o universo do teatro. Classificação: 16 anos. Onde: Teatro Acbeu – Av. Sete de Setembro, 1.883, Corredor da Vitória (34444423) Quando: Sex a dom, 20h, até 15 de fevereiro Quanto: Ingresso: R$ 30,00 (sáb e dom) e R$ 24,00 (sex)

Intimidades.com - sem censura Renato Piaba volta a cartaz com nova temporada. Onde: Teatro Jorge Amado - Av. Manoel Dias, 2177, Pituba. Informações: (3525-9708) Quando: Sextas e sábado, às 22h. Até 14 de fevereiro Quanto: R$ 50,00 (inteira) e R$ 25,00 (meia)

Milagre na Baía

Texto: Aninha Franco. Direção: Rita Assemany. Com a Cia Axé do XVIII, os Miúdos da Ladeira e crianças do Pelourinho, além da participação especial de Evelin Buchegger. Inspirado livremente no filme Milagre em Milão, do diretor italiano Vittorio de Sica, o espetáculo trata de um menino que é abandonado e encontrado por uma mulher que o cria como filho. Onde: Theatro XVIII – R. Frei Vicente, 18, Pelourinho (3322- 0018) Quando: Qui a dom, 20h, até 19 de fevereiro Quanto: R$ 4,00

Texto e roteiro: Sérgio Rivero. Direção: Fernando Guerreiro. Com as vozes de André Simões, Lázaro Ramos, Fafá Menezes, Margareth Menezes, Gideon Rosa, Carlos Betão, Jackson Costa, Evelin Buchegger e Ícaro Vilanova. O espetáculo, que une vozes de atores e efeitos de luzes para apresentar a nova iluminação dos monumentos do Centro Histórico, discute a presença da população negra na ocupação do Pelourinho. Onde: Terreiro de Jesus – Centro Histórico (31164015) Quando: Diariamente, às 19h e às 21h, até 12 de fevereiro Quanto: Grátis

Quanto Mais Idiota Melhor Solo de humor mescla o estilo das tradicionais comédias de situação e do humor anedotista brasileiro. Onde: Teatro Moliére – Aliança Francesa (34605159/ 3336-7599) Quando: dias 8 e 15/02, às 20h

Infantil

Chapeuzinho Vermelho / Os três Porquinhos / Alice no País das Maravilhas

A Pedra do Meio ou Artur e Isadora

Texto: Bráulio Tavares. Direção: Edinilson Motta Pará. Com Deusi Magalhães, Geovane Nascimento, Lara Couto, Leandro Reis e Lago Júnior. Baseado na literatura de cordel, a montagem conta as aventuras de um casal que tenta encontrar a pedra encantada para trazer de volta a felicidade para um reino dominado por um gigante. Onde: Teatro Sesc-Senac – Lg. do Pelourinho, 19, Centro Histórico (33244520) Quando: Sáb, 16h, até 14 de fevereiro Quanto: Ingresso: R$ 5,00

Direção: Gil Santana. Com Déia Sampaio, Guilherme Júlio, Vânia Vigo e outros. Espetáculos infantis baseados em histórias clássicas e modernas do imaginário infantil. Onde: Teatro Gil Santana – Rua Almerinda Dutra, 67, Rio Vermelho (3489-2917) Quando: Sáb e dom, 15h, 16h, 17h, até 28 de fevereiro Quanto: Ingresso: R$ 16 e R$ 8,00 (meia)

Do Casamento do Chacrinha/ Um por Todos, Todos por Um

Direção: Marcos Cristiano. Com a Caravana de Téspis. O primeiro espetáculo é uma comédia de costumes baseada no casamento de matutos. O segundo, uma fábula que trata das relações humanas. Onde: Pç. Municipal – Centro Histórico. Quando: Sex, 17h e 17h20, até 20 de fevereiro Quanto: Grátis

MÙSICA Manu Chao

DJs e o VJ se apresentam no projeto Sua Nota é Um Show. Onde: Concha Acústica do Teatro Castro Alves – Pç. Dois de Julho, s/n, Campo Grande (3117-4899). Quando: Sex, dia 13, a partir das 18h30 Quanto: O ingresso é trocado por 10 notas ou cupons fiscais

Trem de Pouso/ Os Malandroz/ Carlinhos Brown/ Marcos Sacramento As bandas, o multiinstrumentista e o DJ embalam o evento Feijoada ao Mar na Área Verde do Othon. Onde: Bahia Othon Palace, Av. Oceânica, 2.294, Ondina (3235-3430/ 3203-2000) Quando: Sab, dia 14, a partir das 13h Quanto: R$ 150

Chiclete com Banana/ Ara Ketu/ Banda 5% Os grupos embalam o evento Ensaio Geral. Classificação: 16 anos. Onde: Espaço Praia do Forte – Praia do Forte, Mata de São João (3344-1527/ 33474888) Quando: Sab, dia 14, a partir das 15h Quanto: R$ 180 (camarote) e R$ 100 (pista)

Tatau/ Jau/ Jorge Aragão/ Moinho/ Batifun

Manu Chao & Radio Bemba/ Ramiro Musotto/ Orchestra Sudaka/ MinistereoPúblico/ Daniel Lisboa O cantor francês, o percussionista argentino, a orquestra, o coletivo de

Os cantores de axé e samba e a banda animam a festa Feijão Vip da Dadá. Onde: Bahia Café Hall – Av. Luiz Viana Filho, s/n, Pq. Metropolitano de Pituaçu, Paralela (3371-0664/ 33627635) Quando: Dom, dia 15, 14h Quanto: R$ 395 (camarote) e R$ 195 (pista)


Carla Perez/ Patati Patatá

ENSAIOS DE VERÃO

Harmonia do Samba

Gerônimo

A banda abre temporada de ensaios de verão com o evento intitulado A Melhor segunda-feira do mundo. Onde: Área Verde do Went’n Wild (Paralela). Quando: Toda segunda Quanto: Ingressos: R$ 20,00 (antecipado), R$ 25,00 (pista) e R$ 40,00 (camarote), à venda nos balcões Pida e lojas Axé Mix

São as atrações do Baile Infantil do bloco Algodão Doce. Onde: Área verde do Wet‘n Wild – Av. Luiz Viana Filho, s/n, Paralela (3493-3000) Quando: Dom, dia 15, a partir das 16h Quanto: R$ 20,00

Juliana Ribeiro A sambista baiana apresenta temporada do show “De areia”. No repertório, faz uma homenagem aos mestres populares. Onde: Teatro Gamboa Nova - Rua Gamboa de Cima, 3, Aflitos (71-3329-2418) Quando: Dom, dia 15 de fevereiro e 1° de março, às 17 horas Quanto: R$ 5,00

Jammil/ Alexandre Peixe/ Negra Cor/ Tomate As bandas e os cantores de axé embalam o evento Abre Alas. Onde: Wet´n Wild – Av. Luiz Vianna Filho, s/n, Paralela (3493-3000) Quando: 18 de fevereiro, a partir das 17h Quanto: R$ 90 (camarote), R$ 100 (pista /inteira) e R$ 50 (pista/ meia)

Timbalada/ Carlo Dall’anese/ Bibba Pacheco A banda e os DJs embalam o evento Timba Beats. Onde: Bahia Café Hall – Av. Luiz Viana Filho, s/n, Pq. Metropolitano de Pituaçu, Paralela (3371- 0664/ 33627635) Quando: Dia 18, a partir das 20h Quanto: R$ 80,00

O cantor, compositor e trombonista faz shows há 5 anos na Escadaria do Paço, tocando com artistas que aparecem de surpresa. Onde: Escadarias do Paço, Centro Histórico Quando: Toda terça, a partir das 19h Quanto: grátis

Cortejo Afro O grupo faz ensaio de verão com convidados. Onde: Pç. da Cruz Caída – Centro Histórico Quando: Toda segunda, a partir das 20h Quanto: R$ 20,00

Tonho Matéria Trilhando o seu próprio caminho, o cantor entra na onda dos ensaios de verão, recebendo convidados. Onde: Largo Pedro Archanjo, Pelourinho Quando: Toda sexta, a partir das 29h Quanto: Entrada franca

Psirico O grupo realiza os ensaios de verão do Bloco Furacão. Classificação: 18 anos Onde: Museu du Ritmo - Rua Torquato Bahia, 84, Mercado do Ouro, Comércio (3242-0214)

Jau

Quando: Toda quinta, a partir das 20h Quanto: Ingresso: R$ 20,00 (pista) e R$ 35,00 (camarote)

Jau O cantor e compositor faz shows todas as quintas. Classificação: 18 anos. Onde: Cais Dourado Avenida Jequitáia, 102, Comércio. (3342-2200) Quando: Toda quinta, a partir das 21h Quanto: R$ 40,00 (pista inteira)

Amanda Santiago/ Vixe Mainha A cantora e a banda de axé comandam o evento Concentração de Verão. Classificação: 16 anos. Onde: Museu du Ritmo – Rua Torquato Bahia, 84, Mercado do Ouro, Comércio (3242-0214) Quando: Toda sexta, a partir das 22h Quanto: R$ 40,00 (camarote) e R$ 25,00 (pista)

Styllo/Empurrão As bandas de pagode, além do Dj Guerreiro, animam o evento. Onde: Paty Music - R. Francisco Souza, nº 12 - C. de Areia (3313-9133) Quando: Toda sexta, às 21h Quanto: Ingressos: R$10,00 (pista) e R$15,00 (camarote)

Fantasmão O grupo realiza toda semana o ensaio de verão. Classificação: 18 anos. Onde: Praça da Cruz Caída Centro Histórico. Quando: Toda sexta, a partir das 20h. Quanto: Ingresso: R$ 20,00 (pista) e R$ 35,00 (camarote)

Bué da Fixe A banda de axé faz ensaio com convidados. Onde: Madrre Club – Av. Octavio Mangabeira, 2.471, Jd. dos Namorados, Pituba (3346- 0012) Quando: Toda sexta, 21h Quanto: R$ 30,00 (masculino) e R$ 20,00 (feminino)

Alexandre Peixe O cantor e compositor agita o Ensaio do Harém e traz ao palco conviddos especiais. Onde: Alto do Andú – Av. Paralela (na entrada do CAB) Quando: Todo domingo, 18h Quanto: R$ 40,00 (masculino) e R$ 30,00 (feminino) Olodum

Motumbá O grupo de axé faz show com convidados. Onde: Área Verde Do Othon – Av. Oceânica, 2.294, Ondina (3203- 2000) Quando: Todo domingo, a partir das 17h Quanto: R$ 80,00 (camarote) e R$ 40,00 (pista)

Na Pegada O grupo de axé faz ensaio com convidados. Onde: Madrre Club – Av. Octavio Mangabeira, 2.471, Jd. dos Namorados, Pituba (3346- 0012) Quando: Todo domingo, 21h Quanto: R$ 20,00 (masculino) e R$ 15,00 (feminino)

Parangolé A banda abre temporada de ensaios de verão com o evento intitulado Ensaio do Parangolé. Onde: Área Verde do Went’n Wild (Paralela) Quando: Todo domingo, a partir das 19h Quanto: R$ 20,00 (pista) e R$ 35,00 (camarote), à venda nos balcões Pida e lojas Axé Mix

Olodum O grupo percussivo se apresenta no Ensaio do Bloco Olodum. Onde: Lg. Pedro Archanjo – Centro Histórico Quando: Todo domingo, 19h Quanto: R$ 30,00

Os Negões O ensaio do Bloco Afro Os Negões para o Carnaval 2009 acontece toda semana, com participação especial do grupo de Samba Colher de Chá e do cantor Adelson da ala de canto do Bloco Afro Ilê Aiyê. Onde: Rua Lopes Trovão, 111, Massaranduba (32612895) Quando: Todo domingo, a partir das 17 horas

Via Circular A banda retoma seus ensaios de verão com convidados, sob o comando do vocalista Levi Lima. Onde: Boate Madre - Av. Octávio Mangabeira, 2471, Pituba

Quando: Toda quarta, a partir de 7 de janeiro, às 22 horas

Guig Ghetto O grupo de pagode realiza toda semana o ensaio de verão. Onde: Madre Club – Av. Octavio Mangabeira, 2.471, Jd. dos Namorados, Pituba (3346-0012) Quando: Toda terça, a partir das 22h Quanto: R$ 50 e R$ 25,00

Amanda Santiago/ Vixe Mainha A cantora Amanda e a banda de axé Vice Mainha comandam o evento Concentração de Verão no Museu du Ritmo. Classificação: 16 anos. Onde: Museu do Ritmo, Avenida Jequitaia, 1, Mercado do Ouro, Comércio (3242-0214) Quando: Toda sex, a partir das 22h. Quanto: R$ 40 (camarote) e R$ 25 (pista)

Bué da Fixe A banda de axé faz ensaio com convidados. Onde: Madre Club – Avenida Octavio Mangabeira, 2.471, Jd. dos Namorados, Pituba (3346- 0012) Quando: Toda sex, 21h Quanto: R$ 30 (masculino) e R$ 20 (feminino)

Mariene de Castro A cantora faz o show Santo de Casa. Onde: Cais Dourado – Av. Jequitaia, 102, Comércio (3242-2200) Quando: Toda sex, a partir das 19h Quanto: R$ 40 e R$ 20

Timbalada A banda baiana comandada por Denny retoma a Mostra de Arte e Música Contagiante, que acontece quinzenalmente. Onde: Museu Du Ritmo (R. Torquato Bahia, 84. Bairro: Comércio) Quando: Todo dom, a partir das 17h Quanto: R$40,00


Informações úteis

INFORMAÇÃO TURÍSTICA Disque Bahia Turismo (71) 3103-3103 Serviço de Atendimento ao Turista (SAT) km 6 da Estrada do Coco, Portão, Lauro de Freitas 8h às 18h Rua das Laranjeiras, 12 , Pelourinho

Aeroporto AEROPORTO Aeroporto Internacional de Salvador Pça. Gago Coutinho, s/n, São Cristóvão, T. 3204.1010, diariamente, 24h.

Gol | T. 0300.7892121 | http://

Aeroporto Internacional de Salvador Pça Gago Coutinho, s/n, São Cristóvão. T. 3204.1244, diariamente, 7h/23h.

www.voegol.com.br

Pelourinho R. das Laranjeiras, 12, Pelourinho. T. 3321.2463, seg a sex, 8h30/22h; sab e dom, 8h30/22h.

Webjet | T. 0300. 2101234 | http://www.webje.com.br

Lanchile | T. 3241.1401 | http:// www.lanchile.com

Ocean Air | T. 4004.4040 | http://www.oceanair.com

Estação Rodoviária

Tam | T. 4002.5700 | http://

Av. ACM, 4362, Iguatemi. T. 3450.3871, diariamente, 7h30/21h.

www.tam.com.br

Mercado Modelo Pça Visconde de Cayru, 250, Comércio, T. 3241.0242, seg a sab, 9h/18h; dom, 9h/14h.

Praia do Forte Av. do Farol, s/n, Praia do Forte, Mata de São João, T. 3676.0283.

Tap Air | Portugal T. 0800.7077787 | http: //www. agentestapbrasil.com.br

Air Europa | T. 3347.8899 | http://www.aireuropa.com.br

BRA Transportes Aéreos | T. 3320.4102 / 3453.6020

Rodoviária Terminal Rodoviário Armando Viana de Castro Av. ACM, 4362, Pituba, T. 3460.8300, diariamente, 24h.

76 | Viver Bahia

Av. Oceânica, 409, Lj. 2, Barra (Ed. Farol Barra Flat). T. 3264.7717.

Iguatemi Turismo

Business Rent a Car

Av. Tancredo Neves, 148, Pituba (Shopping Iguatemi, 2º Piso). T. 3450.0200.

R. Direita do Santo Antônio, 20, Santo Antônio Além do Carmo. T. 3241.3586.

Shopping Tour

Salvador Shopping

Av. Paulo VI, 190, Pituba, T. 0800.5700100.

Av. Centenário, 2992, Barra (Shopping Barra, 1º Piso). T. 3264.3344.

Av. Tancredo Neves, 2915, Iguatemi. T. 3443.1000, seg a sab, 9h/22h e dom, 12h/21h.

Correio - Agência do Aeroporto

Onex Câmbio

Correio da Pituba

Av. Sete de Setembro, 14, Barra (Hotel Sol Barra). T. 3264.0000.

Rua Forte de São Pedro, 66, Campo Grande. T. 0800.5700100.

Porto Av. da França, Comércio, seg a sab, 6h/17h30; dom, 7h/10h.

Hertz

3377.6554.

Localiza

Marinas

Av. Oceânica, 3057, Ondina. T. 3332.1999 / 3332.1995.

Marina da Ribeira Av. Porto dos Tainheiros, Ribeira, T. 3316.1406.

Câmbio

Bahia Marina

Banco do Brasil

Av. Contorno, 1010, Comércio, T. 3322.7244.

Aeroporto Internacional de Salvador, São Cristóvão. T. 3377.2574.

Marina de Itaparica Av. 25 de Outubro, s/n, Itaparica, T. 3631.3003.

Locadora de Automóveis

Aeroporto Internacional de Salvador, São Cristóvão. T.

Porto de Salvador

Citybank R. Marques de Leão, 71, Barra.

Mercado Modelo

Aerocar R. Fonte do Boi, 26, Lj. 2, Rio Vermelho. T. 3335.1110.

Unidas Aeroporto Internacional de Salvador, São Cristóvão. T. 3204.1175 e Av. Oceânica, 3097, Ondina. T. 3247.2121.

Shopping Center Lapa

Pça. Visconde de Cayru, 250, Comércio. T. 3241.2893.

R. Portão da Piedade, 155, Piedade. T. 3343.1000, seg a sab, 9h/22h e dom, 12h/21h.

Instituto de Artesanato Visconde de Mauá

Shopping Iguatemi

Feira de Artesanato do Pelourinho

Correio – Agência do Pelourinho Lgo do Cruzeiro de São Francisco, 20, Pelourinho. T. 0800.5700100.

Artesanato

Pça. Azevedo Fernandes, 02, Porto da Barra. T. 3116.6110.

Terminal Turístico Marítimo Av. da França, s/n, Comércio, T. 3319.3434 / 3242.4366, seg a dom, 6h/19h30.

Shopping Barra

Pça. Padre Anchieta, 16, Centro Histórico. T. 3322.0863.

Correios

Correio – Agência do Campo Grande

Ferry-Boat

Shopping Center Av. Centenário, 2992, ChameChame. T. 2108.8222, seg a sex, 9h/22h; sab, 9h/21h e dom, 15h/21h.

Aeroporto Internacional de Salvador, São Cristóvão. T. 0800.5700100.

Posto da Emtursa Pça. Municipal, s/n (Elevador Lacerda), Centro, T. 3321.2697, seg a sab, 9h/20h; dom, 9h/13h.

Locadora Oceânica

Aeroporto Internacional de Salvador, São Cristóvão, T. 3252.9090.

Olímpia Turismo

Companhias Aéreas

Postos da Bahiatursa

T. 4009.6310.

Confidence Câmbio

R. Gregório de Mattos, 05, Pelourinho. T. 3322.5200 / 3322.5100.

Gerson Artesanato de Prata R. do Carmo, 26, Santo Antônio. T. 3242.2133.

Feira de São Joaquim Av. Jequitaia, s/n, Calçada.

Afro Bahia Largo de São Francisco, 10, Pelourinho. T. 3321.3709.

Loja de Artesanato do SESC R. Francisco Muniz Barreto, 02, Terreiro de Jesus, Pelourinho. T. 3321.0161.

Av. Tancredo Neves, 148, Pituba. T. 3350.5050 / 3350.0300.

Shopping Itaigara Av. Antônio Carlos Magalhães, 656, Itaigara. T. 3270.8900, seg a sex, 9h/21h; sab, 9h/20h.

Shopping Piedade R. Junqueira Ayres, 08, Barris. T. 3328.1555, seg a sex, 9h/21h; dom, 9h/20h.

Aeroculbe Plaza Show Av. Octávio Mangabeira, 6000, Boca do Rio. T. 3461.0621, seg a sex, 12h/23h; sab, dom, 10h/23h.

Números úteis Samu 192 Polícia / Bombeiros 193 Central Antiveneno 0800 2844343 Correios 0800 5700100 Defesa Civil 199 Defesa do Consumidor 3116 8514 Delegacia de Proteção ao Turista 3322.7155 Delegacia de Proteção à Mulher 3245.5481 Detran 3343.8888 Disque Denúncia (drogas, homicídios, roubos, etc) 3245.5481 Disque Denúncia Exploração Sexual contra Crianças e Adolescentes 100 Polícia Civil 197 Polícia Militar 190 Polícia Federal 3242.1518 Serviço Salvador Atende 156 Serviço de Informações dos Transportes Urbanos de Salvador 3377.6311 Táxi Coomtas 3377.6311 / 0800.710311

Viver Bahia | 77


78 | Viver Bahia

Viver Bahia | 79



Viver Bahia 10 - jan/ fev 2009 - Turismo Náutico