Issuu on Google+

Março/2014 - edição 84 sesctv.org.br

CURTA-METRAGEM Experimentação e poesia na produção atual MÚSICA

A palavra na obra musical de Arnaldo Antunes e Luiz Melodia

ARTES VISUAIS

Uma síntese do acervo do Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo


Narrativas poéticas

Assista a programação do SescTV em

sesctv.org.br/aovivo

Importantes nomes do cinema brasileiro contemporâneo lançaram seus primeiros trabalhos em produções de curta-metragem. Fazendo uso de talento e criatividade, os diretores potencializam o alcance desse gênero do audiovisual para além das questões facilitadoras de sua realização – como o menor aporte de recursos financeiros – apropriando-se do curta-metragem como espaço de experimentação de linguagem. O resultado pode ser conferido a cada ano, no Festival Internacional de Curtas-Metragens de São Paulo, realização da Associação Cultural Kinoforum, do qual o SescTV participa com uma premiação a projetos estreantes. O canal exibe, neste mês, os filmes Ser Tão Avoador, de Wllyssys Wolfgang, e Blurry Eyes, de Daniel Semanas, premiados na edição de 2013 do Festival e que têm, em comum, a inovação e certa a poesia no desenvolvimento das narrativas. A programação musical do canal destaca o encontro inédito de Arnaldo Antunes e Luiz Melodia. O programa traz trechos do show gravado no Sesc Vila Mariana, na capital paulista, e também entrevista com os músicos, que falam sobre a importância da poesia em suas composições. A faixa Instrumental apresenta o espetáculo Letieres Leite & Orkestra Rumpilezz, cujo trabalho é resultado da mistura dos ritmos africanos com os instrumentos de sopro, numa inspiração trazida do candomblé. A série Artes Visuais convida para uma visita ao Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo. No episódio, o curador Tadeu Chiarelli mostra a exposição O Agora, o Antes, realizada no ano passado, com uma síntese do acervo do museu. A Revista do SescTV deste mês entrevista o cineasta Wllyssys Wolfgang, que fala sobre os bastidores da realização do filme Ser Tão Avoador. O artigo da roteirista e produtora Claudia da Natividade aborda o curta-metragem como espaço de experimentação. Boa leitura!

Danilo Santos de Miranda Diretor Regional do Sesc São Paulo

CAPA: Curta-metragem Ser Tão Avoador, de Wllyssys Wolfgang. Foto: Roberio Brasileiro

destaques da programação 4 entrevista - Wllyssys Wolfgang 8 artigo - Claudia da Natividade 10 3


Artes Visuais

música

O tempo da obra

Nathy Silva

1970, mas a gente não chegou a se conhecer. Já era fã dele”, afirma Arnaldo. “Somos fãs um do outro. O Arnaldo é isso que vocês conhecem: um letrista de mão cheia, poeta fantástico. Uma clarividência que satisfaz”, confirma Melodia. “As pessoas pensavam: como vai ser esses dois juntos? Aquela incógnita. A gente chega e brinca. Tem dois craques muito à vontade aqui. E trata-se de música”, completa. Em comum, os dois músicos revelam o interesse por diferentes estilos musicais. “Canto e componho todos os gêneros. O que acontecer na minha vida da música vai ser bem-vindo. Desde o xaxado, o xote, o baião, o samba, o reggae, o funk”, diz Melodia. Essa multiplicidade chama a atenção de Arnaldo, cujo início de carreira foi intensamente marcado pelo rock, à frente dos Titãs. “Luiz faz essa ponte do rock n’ roll com o samba, ele cruza essas tradições no trabalho dele, algo que outras gerações foram incorporando, a ideia da mistura, sem se ater a uma coisa só”, diz. A Jovem Guarda é outra influência partilhada por eles. “Vivi a Jovem Guarda de corpo e alma. Tinha inúmeros discos: Golden Boys, Jerry Adriani, Wanderléa, enfim. Desde moleque já gostava de Roberto Carlos. No Rio, o Erasmo Carlos era meu vizinho e me influenciou muito, é um dos meus ídolos”, revela Melodia. No repertório do show, músicas como: Congênito; Fadas; Feras que Virão; e Pra Aquietar, de Melodia; e Não Vou me Adaptar; Cabimento; e Invejoso, de Arnaldo Antunes. Acompanham os músicos: Chico Salem (voz e violão); Charles Costa (violão nylon); Betão Aguiar (baixo e guitarra); Renato Piau (violão); e Alessandro Cardozo (cavaquinho). Direção para TV: Daniela Cucchiarelli. A força e a sonoridade das palavras, que se combinam gerando poesia, potencializada pela melodia e ritmo, num conjunto com status de canção. Assim nasce o trabalho de Arnaldo Antunes e Luiz Melodia, dois compositores brasileiros, cantores-poetas cuja trajetória musical é marcada por criações de letras contundentes. As mensagens presentes em suas obras retratam desde situações corriqueiras até eloquentes histórias de amor. Pela primeira vez, em 2013, eles dividiram o palco, num repertório em que mostram suas músicas, em arranjos inéditos. Neste mês, o SescTV exibe esse encontro musical no programa Com a Palavra, Arnaldo Antunes & Luiz Melodia, gravado no Sesc Vila Mariana, na capital paulista. Apesar de se apresentarem juntos pela primeira vez, ambos revelam uma antiga admiração pelo trabalho do outro. “Eu assisti a um show do Luiz no colégio Equipe, quando estudava lá ainda, nos anos

Show reúne pela primeira vez Arnaldo Antunes e Luiz Melodia, músicos que baseiam seu trabalho na poesia

Música Com a Palavra, Arnaldo Antunes & Luiz Melodia Dia 12/3, 22h

4

Segundo Chiarelli, a intenção era estabelecer um diálogo atemporal da arte exposta com o visitante. “Seria muito fácil fazer uma exposição do tipo: ‘As obras-primas do MAC-USP’. Seria apoteótica, mas perderíamos a oportunidade de problematizar o acervo e as questões que estão presentes nas obras”, explica. “Então, a ideia foi aproveitar essas características de armazenar objetos artísticos de várias épocas e jogar a questão para o futuro”, diz. O SescTV exibe, neste mês, o episódio inédito O Agora, o Antes: Uma Síntese do Acervo do MAC-USP, na série Artes Visuais. O programa visita a exposição comemorativa na companhia do curador, que fala sobre seus critérios e suas escolhas na realização desse trabalho, a começar pelo nome dado ao evento. “Esse título O Agora, o Antes, foi justamente para chamar a atenção para essa questão temporal. Por mais antigas que as obras sejam, sua relação com elas é sempre no agora. Quando se está diante dela, a única coisa que você sabe é que, por mais antiga que seja, ela irá sobreviver a você”. Direção de Cacá Vicalvi.

Divulgação.

Poesia sonora

O ano de 2013 marcou o cinquentenário do Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo. Desde 2012, o Museu, com acervo de mais de 800 obras, ganhou um novo endereço: o prédio projetado por Oscar Niemeyer, antes ocupado pelo Detran, localizado em frente ao Parque do Ibirapuera, e cujas reformas de adaptação do espaço estão em andamento. Para celebrar seus 50 anos, o Museu realizou a exposição O Agora, o Antes, com curadoria de Tadeu Chiarelli, mostrando parte do acervo e da história do local. “A ideia era fazer uma exposição que fosse uma celebração e que apresentasse para o público uma síntese possível da coleção, ou seja, daquilo que ele vai ver quando o Museu estiver totalmente tomado pelas obras”, afirma Chiarelli. Diante de um acervo composto por obras da segunda metade do século 19 até os dias de hoje, de artistas nacionais e internacionais, Chiarelli propôs uma organização das peças não cronológica, promovendo a mistura entre o antigo e o novo. “Essa relação do público com as obras de vários períodos era algo que interessava chamar a atenção”, explica. Dentre os destaques do acervo estão a escultura Graça II, de Victor Brecheret (1940); as telas A Negra, de Tarsila do Amaral (1923) e Fachadas de Igrejas, de Alfredo Volpi (1953); e o único autorretrato reconhecido do pintor Amadeo Modigliani (1919). Dentre as obras de artistas contemporâneos está o Autorretrato com Modernos Latino-americanos e Europeus, de Albano Afonso (2005/10).

Episódio inédito apresenta a exposição O Agora, o Antes, realizada pelo MAC-USP

Artes Visuais Quartas-feiras, às 21h30

Bruno Dunley Dia 5/3

Paulo Bruscky Dia 12/3

O Agora, o Antes: Uma Síntese do Acervo do MAC-USP Dia 19/3

Arnaldo Pappalardo Dia 26/3

5


Instrumental

Para inovar e experimentar

O sopro dos batuques Não foi criada para entretenimento nem para ser uma opção de trabalho, mas para provar uma coisa que eu já venho defendendo, que é o nível de complexidade da música percussiva. Resolvi compor para a Orkestra para impactar mesmo”, diz. O trabalho chamou a atenção de outros músicos, como o cantor e compositor Ed Motta, que descobriu a pesquisa de Lutieres navegando na internet. “Foi um divisor de águas, a mesma sensação que tive quando escutei a música do Moacir Santos”, conta Ed Motta. “O que ele faz é a simbiose da música afro com a informação do jazz, da música clássica, da música de cinema. Do que eu acompanho de música instrumental, o que há de mais eloquente e de mais musical hoje é o Lutieres Leite e a Orkestra Rumpilezz”, acredita. O SescTV exibe, neste mês, espetáculo inédito de Lutieres Leite & Orkestra Rumpilezz na série Instrumental Sesc Brasil. Antes, em Passagem de Som, o canal apresenta entrevista com o compositor e também o registro da visita que ele fez ao pianista André Mehmari. Juntos, Lutieres e Mehmari promovem o encontro do cravo, instrumento da música barroca, com o som percussivo dos tambores, num laboratório musical que rompe as barreiras de tempo e de estilo. Direção artística: Max Alvim.

adi leite

Roberio Brasileiro

ESPECIAL Curtas

Como contar uma história original, tendo o audiovisual como ferramenta? Novos diretores têm se empenhado em responder a essa pergunta lançando mão do experimentalismo, de uma abordagem poética e de criatividade na construção das narrativas. O resultado desse esforço pode ser conferido nos inúmeros festivais de cinema realizados no País, sendo ainda hoje a porta de entrada desses jovens cineastas e um espaço de descoberta e de inovação de linguagem. A exemplo do Festival Internacional de Curtas-Metragens de São Paulo, que, em 2013 chegou a sua 24ª edição, consolidando-se como uma referência para o mercado cinematográfico. O SescTV participa anualmente do festival com um prêmio a cineastas estreantes, em duas categorias: KinoÓikos – Formação do Olhar e Melhor Filme de Diretor Estreante. Neste mês, o canal exibe os dois filmes premiados na última edição do evento. Ser Tão Avoador, direção de Wllyssys Wolfgang, tem a caatinga, no Nordeste brasileiro, como cenário. O curta-metragem apresenta a sina de Mariinha, menina sertaneja que, após a morte da mãe, sofre os maus tratos e a violência sexual do padrasto, enquanto sonha com outros caminhos possíveis. O filme foi realizado no povoado de Lagoa do Alegre, em Casa Nova (Bahia) e é resultado de um projeto que incluiu oficinas para seleção de moradores para participar do elenco e da produção. “Queríamos realizar um trabalho social, e não só filmar”, afirma o diretor Wllyssys Wolfgang. “Como o povoado vive sem energia elétrica e água encanada, tem muita gente que sequer possui aparelhos de televisão. Era o cenário perfeito para podermos filmar e levar mais informações sobre como funciona o cinema”, diz. No elenco, Manuela Markes, Lara Gomes, Zé Reis, Pedro Lacerda, Bruno Emannuel e Nilda Rodrigues.

Uma desilusão amorosa e a consequente perda parcial da visão são o ponto de partida de Blurry Eyes, direção de Daniel Semanas. Narrado em japonês, em primeira pessoa, o filme conta a história de um rapaz que, após romper com a namorada, passa a enxergar o mundo desfocado. Nessa nova condição, ele é levado a buscar outros ângulos para compreender o que se passa a sua volta, missão para a qual ele contará com a ajuda de um novo amor. Como recursos, o diretor opta por uma câmera subjetiva e pelo uso de elementos da cultura pop japonesa, como a estética do anime na caracterização das personagens femininas. O elenco conta com Daniel Semanas, Fernanda Garcia, Sérgio Lombardi e Fernanda Garcia.

SescTV exibe filmes premiados na última edição do Festival Internacional de Curtas-Metragens de São Paulo

Especial Curtas Prêmio Aquisição SescTV - 24º Festival Internacional de Curtas-Metragens de São Paulo

Ser Tão Avoador Direção: Wllyssys Wolfgang Dia 20/3, às 21h

Blurry Eyes Direção: Daniel Semanas Dia 27/3, às 21h

6

É dos tambores da cultura ancestral africana que Lutieres Leite tira a inspiração para seu trabalho musical. Entender a complexidade dos ritmos, misturá-los a outras referências e traduzir o som percussivo para os instrumentos de sopro compõem a base de sua pesquisa há mais de 30 anos, tendo como ponto de partida a cultura do candomblé. No início desse processo, ele queria entender a base de formação da música no Brasil. “Notei que a música instrumental brasileira só era calcada em dois grandes polos: o samba e seus derivados e o baião e seus ritmos vizinhos”, afirma. Lutieres começou uma pesquisa de sintetização da música, em busca de sua parte primordial. “O DNA do samba, que eu gosto de estudar, é o sistema de claves. Clave é a menor porção rítmica em torno da qual a música gira”, explica. Depois de identificar e de transcrever essas partículas para a linguagem musical, Lutieres se propôs um desafio ainda maior: transpor o que era ritmo para o som dos instrumentos de sopro. “A grande questão é promover a transmissão dos desenhos com fidelidade para os instrumentos de sopro e de base. A isso chamo de UPB: Universo Percussivo Baiano”. Para colocar em prática esse trabalho, Lutieres criou, em 2006, a Orkestra Rumpilezz, formada por cinco percussionistas e 14 músicos de sopro. “A Rumpilezz é um projeto de pensar a música afro-baiana brasileira, é um cartão de visita da Orkestra.

Lutieres Leite & Orkestra Rumpilezz buscam na música percussiva a matéria-prima para suas composições

Passagem de Som e Instrumental Sesc Brasil Domingos, às 21h e 21h30

Marcio Bahia Dia 2/3

Letieres Leite & Orkestra Rumpilezz Dia 9/3

Marcelo Monteiro Dia 16/3

Guinga e Quinteto Villa-Lobos Dia 23/3

The Mullet Monster Mafia Dia 30/3

7


entrevista

divulgação

Retratos do sertão

Como começou sua relação com o cinema? Eu sempre fui ligado em comunicação, televisão e cinema. E o meu interesse pelo audiovisual parte do pressuposto que essa é a linguagem mais acessível que existe. Através de um filme, vídeo ou curta, é possível comunicar uma mensagem. Por isso, trabalhar com esse suporte me dá muito prazer. Juntar o que tenho de conhecimento com o jornalismo, o que a faculdade de comunicação me deu, com as ferramentas de investigação e apuração, tem sido muito útil. Já produzi pelo menos seis curtas - cinco documentários e uma ficção. Minha ligação com o jornalismo e, consequentemente, com a linguagem documental, história oral e entrevistas é muito forte. Porém, como é de praxe, os produtos de ficção tendem a fazer mais sucesso ou capturar a atenção com mais intensidade, por isso, dos 16 prêmios e indicações que recebi em festivais e mostras, pelo menos seis foram para o anime [stop motion] A Saga de Um Corno, uma adaptação do cordel para o cinema. Gosto de me aventurar e provar coisas novas.

Wllyssys Wolfgang é cineasta. Graduado em jornalismo, já realizou filmes de ficção e documentários. É de sua autoria – criação e direção – o curta-metragem Ser Tão Avoador, vencedor do Prêmio SescTV, categoria KinoÓikos – Formação do Olhar, na edição de 2013 do Festival Internacional de Curtas-Metragens de São Paulo, que o canal exibe neste mês (leia mais na página 6).

“O fato de ter ido a uma comunidade tão remota nos permitiu estar mais pertinho de cenários onde histórias de Mariinhas acontecem”

Como você avalia a atual produção cinematográfica no País? As produções estão aumentando, melhorando e se segmentando também. Quanto mais produções e produtores, melhor, pois o mercado se movimenta e estimula mais realizações. Esse é o fluxo que deve ser

8

compreendido. A diversidade, liberdade e escolhas devem ser respeitadas dentro disso.

“No dia da exibição, pessoas chegavam montados em cavalos, jumentos, motos, paus-de-arara, ônibus, a pé, depois de andarem muitos quilômetros”

Como surgiu a ideia do filme Ser Tão Avoador? Ainda há uma esfera social abaixo de tudo que vemos e que vivemos. É nessa anágua social que acontecem os crimes, as opressões, subjugações e muitas violências. Uma delas é contra as mulheres. E Ser Tão Avoador traz na história de Mariinha um pouco disso. Por vezes, ela se desprende da realidade para tentar suportar as agruras da vida dela e encontra no desejo de voar o subterfúgio para sobreviver. Além do mais, mostra quão animalescas podem ser estas relações, num lugar tão a esmo. Em outras palavras, ela é mais próxima e tem melhor convívio com os animais e a natureza do que com o próprio padrasto. Não queríamos chocar até evitamos explicitar cenas de violência - mas queríamos bater nesta tecla de que ainda há situações assim. O fato de ter ido a uma comunidade tão remota nos permitiu estar mais pertinho de cenários onde histórias de Mariinhas acontecem. A protagonista do filme vive a aridez de sentimentos, em um tempo de seca que de fato existe e que não precisamos produzir. E por isso a escolha do local. O acesso é tão difícil e fica tão longe, que na estrada de chão chegamos a trincar o pára-brisa de dois carros, furar o tanque do motor de um e capotar outro.

a notícia da exibição do filme já tinha transposto os limites de sertão baiano e chegava ao Piauí. Pessoas chegavam montados em cavalos, jumentos, motos, paus-de -arara, ônibus, a pé, depois de andarem muitos quilômetros. A exibição foi em praça pública e reuniu, para minha surpresa, mais de 500 pessoas. Foi o maior prêmio que eu poderia ter recebido. Na sua opinião, tem crescido o interesse do espectador pelo curta-metragem? Tem aumentado o número de pessoas interessadas em curtas e, por isso também, tem crescido o número de produções como esta. Quando fazemos, queremos que as pessoas vejam. Seria como lançar um livro e não publicar. Por isso são tão importantes estes espaços de veiculação de curtas. Só assim muitas pessoas terão acesso a realidades como a de Ser Tão Avoador, que não é totalmente fictícia. Já não há mais espaço para preconceitos. Quem gosta de longas, vai assistir aos longas; quem prefere curtas, agora tem possibilidades de ver.

Quais os desafios para realizar as filmagens num povoado do sertão baiano? Gosto de ir além do improvável. E as dificuldades de realização de Ser Tão Avoador destacam isso. Durante um mês, nós nos dedicamos a preparar o pessoal; mais duas semanas para gravar e dois meses para finalizar e fazer a pré-estreia. Juntando tudo, foram cerca de oito meses. Poderíamos ter feito em menos, mas faltava água, alimentos e a irradiação solar era extrema, então dávamos umas pausas. No fim, foram quase cem pessoas que preparamos. Eles fizeram dois documentários sobre a comunidade, filmando, entrevistado. Foi, acima de tudo, divertido. Até hoje eles me ligam do único orelhão - a luz solar - que há no povoado.

Em que medida a internet contribui com os filmes de curta-metragem? A internet tem sido outro canal para o estímulo a produções curtas. Antes, precisava-se de uma estrutura enorme. Hoje, não necessariamente. Pode-se fazer qualquer coisa e disponibilizar lá. Quem gostar, assiste. Quem quiser, vai atrás e encontra. O importante é ter a variedade e possibilidade de gêneros, tamanhos, tipos etc. A internet permite isso.

O projeto do filme incluiu um envolvimento mais intenso com a população local. Como foi esse processo? O povoado não tem energia elétrica nem água encanada. Muitas pessoas não têm sequer uma televisão. Logo, muitas também nunca tinham assistido a um filme, quiçá participado de alguma produção. Então, prepará-los para atuar e contribuir na produção foi um desafio pessoal e um compromisso que eu queria com aquela comunidade. O resultado foi surpreendente. A primeira exibição fiz questão que fosse lá. Como não tinha energia nem estrutura pra exibir, movemos uma logística enorme. No dia,

De que forma a televisão pode ampliar o acesso do público aos novos cineastas? A televisão consegue chegar, entrar na casa das pessoas e falar com todas elas. É uma linguagem e um veículo universal. Ela entrega da maneira mais prática o conteúdo. Espaços que veiculam curtas-metragens permitem que as pessoas tenham acesso, se interessem, queiram mais e, automaticamente, fomentem a produção. É extremamente importante esse ciclo. Só assim nascerão novos cineastas, produções, conceitos, mercados, e oportunidades.

9


artigo

No curta-metragem, diferentemente, precisa-se buscar a concisão e a síntese narrativa, muitas vezes criando momentos ininterruptos de tensão para contar com objetividade e simplicidade a estória do filme. Por essa necessidade de abordagem direta, tanto os roteiristas quanto os diretores e, inclusive, os montadores de curtas-metragens podem se apropriar de novos conceitos, de novos modos de expressão artística, podem por vezes explorar novas tecnologias e, com isso, ousar. Outra característica de grande parte dos curtas-metragens – e que acaba sendo um interessante modo de experimentação – são os próprios limites produtivos da obra. O curta-metragem é, em muitos casos, realizado com recursos muito mais modestos daqueles de uma produção mais longa, e com algum potencial de distribuição em mercados tradicionais. Essa característica pode contribuir para que se encontrem alternativas de execução da obra fora do padrão convencional, o que muitas vezes pode até mesmo inovar e criar novos estilos narrativos e de linguagem. Finalmente, vale lembrar que o curta-metragem é em muitas situações uma janela de possibilidade de entrada de novos talentos e de novos profissionais para o mercado audiovisual. Com isso, não quero afirmar que o curta-metragem se resume a um rito de passagem, a uma escola ou aprendizado para um modo mais profissional ou mercadológico de produção audiovisual. De fato, aquilo que importa quando percebemos o curta como laboratório de formação de novos realizadores é que, em sua maioria, estes novos realizadores são jovens, imbuídos de uma liberdade que se expressa nas telas, e que muitos destes jovens são talentosos e permanecem ainda com o frescor e a audácia suficientes para ousar, propor, subverter, desconstruir e muitas vezes inovar modelos estabelecidos.

Antes de entrar propriamente no tema deste artigo, “O curta-metragem como espaço de experimentação de linguagem”, é importante entendermos o que é o objeto desta análise. O curta-metragem é, para todos os efeitos, um filme, uma forma breve de expressão audiovisual, com início, fim, unidade temática e com uma altíssima coerência e coesão interna. Essa primeira definição afasta imediatamente o conceito muitas vezes difuso de que o curta-metragem seria uma parte menor de um longa-metragem ou de que seria uma preparação, um primeiro experimento narrativo para um filme de maior duração. Uma segunda maneira de entender o curta-metragem em sua natureza é sua duração. O curta-metragem tem uma duração diferente daquela comumente utilizada em um filme de mercado ou que poderia potencialmente ser distribuído através de estruturas comerciais convencionais, como as salas de cinema. O curta-metragem costuma ter uma duração de aproximadamente 15 minutos. Contudo, considerando o standard internacional para esse tipo de produção, não é errado afirmar que são considerados curtas-metragens filmes de até trinta minutos de duração. A percepção temporal do curta-metragem unida à consciência dos realizadores de que a difusão dessa forma breve de expressão se dará por meios não convencionais, são as principais características de diferenciação e de autonomia dessa forma de expressão. Em outras palavras, não sendo o curta-metragem, desde sua essência, um filme realizado para o mercado tradicional de distribuição, abrindo-se, nesse modo de expressão, um espaço potencial para a entrada do novo, do próprio, da experimentação, do ousado em relação às formas mais tradicionais de narração e de linguagem já estabelecidas e testadas nos longas-metragens

giros produções

thiago ming

Curta-metragem e a experimentação da linguagem

último Bloco

Sustento pelo caju O resgate do palhaço Um HQ de Laerte Coutinho inspira o curta-metragem A Noite dos Palhaços Mudos (12 anos), com direção de Juliano Luccas, que o SescTV exibe no dia 3/3, às 21h, na série Faixa Curtas. No filme, um palhaço é sequestrado por um grupo de empresários com objetivo de exterminar todos os palhaços. Uma operação de resgate é organizada por dois palhaços mudos, que usam, para isso, técnicas de humor. Com Domingos Montagner e Fernando Sampaio no elenco, o filme recebeu prêmios em festivais em Cusco (Peru) e San Juan (Argentina), entre outros. Na sequência, a série apresenta o curta A Espera, de Ernesto Solis, com Matheus Nachtergaele no elenco. Ainda neste mês, serão exibidos: A Lata / Até Logo Mamãe, dia 10/3 ; O Apito / Campeonato de Pescaria / O Muro, dia 17/3 ; Alô Teteia / Tzubra Tzuma, dia 24/3 ; e Almas em Chamas / Rasgue Minha Roupa, dia 31/3 .

Panorama Balé da Cidade de SP O SescTV apresenta, neste mês, um panorama dos trabalhos do Balé da Cidade de São Paulo, com a exibição de espetáculos da companhia, na série Dança Contemporânea. A programação começa com Quase Ela + Wii Previsto, no dia 14/3, às 21h . Na semana seguinte, é a vez de Nos Outros / Cidade Incerta, dia 21/3 . Direção para TV de Antônio Carlos Rebesco.

A região Nordeste concentra praticamente cem por cento da produção de caju no Brasil, especialmente os Estados de Ceará, Piauí e Rio Grande do Norte. Fruta valorizada por seu valor nutritivo, por seu sabor adocicado e pela castanha, o caju só passou a significar geração de renda na década de 1990, com a criação de assentamentos e cooperativas de agricultores para trabalhar no ciclo do caju. É o que mostra o episódio inédito Ciclos da Terra: Caju, que o SescTV exibe no dia 20/3, às 21h30, na série Coleções. Com enfoque na valorização da cultura regional brasileira, a série tem direção geral de Belisario Franca. Neste mês, também serão apresentados: Cidades Históricas: Pirenópolis, dia 6/3; Cidades Históricas: Natal, dia 13/3; e Ciclos da Terra: Rosas, dia 27/3.

Música no cinema A atual produção cinematográfica brasileira tem sido marcada pelo crescimento do chamado gênero dos documentários musicais, filmes que resgatam histórias de personalidades do universo da música, intercalando depoimentos, imagens de arquivo e cenas de shows. O tema é debatido no episódio Documentários Musicais, da série Contraplano, no dia 21/3, às 22h. No programa, o filósofo Celso Favaretto e o poeta Geraldo Carneiro analisam quatro filmes: Simonal – Ninguém Sabe o Duro que Eu Dei; O Homem que Engarrafava Nuvens; Raul – o Início, o Fim e o Meio; e A Música Segundo Tom Jobim. Direção de Luiz R. Cabral.

Para sintonizar o SescTV: Se você ainda não é assinante, consulte sua operadora. O canal é distribuído gratuitamente. Assista também em sesctv.org.br/aovivo.

SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO – SESC Administração Regional no Estado de São Paulo Presidente: Abram Szajman Diretor Regional: Danilo Santos de Miranda

A revista SescTv é uma publicação do Sesc São Paulo sob coordenação da Superintendência de Comunicação Social. Distribuição gratuita. Nenhuma pessoa está autorizada a vender anúncios. Coordenação Geral: Ivan Giannini sescsp.org.br Supervisão Gráfica e editorial: Hélcio Magalhães Redação: Adriana Reis Editoração: Rosa Thaina Santos Revisão: Marcelo Almada

e no cinema comercial. Essa experimentação acontece no curta-metragem desde o momento de escritura do roteiro, que se di-

Claudia da Natividade é roteirista e produtora de Cinema. Com formação em Ciências Humanas, foi produtora executiva e roteirista de Estômago, dirigido por Marcos Jorge, e do premiado documentário O Ateliê de Luzia – Arte Rupestre no Brasil.

ferencia muito daquela normalmente utilizada nos filmes longos, onde muitas vezes os momentos descritivos da estória são bastante acentuados e onde as sub-tramas constituem parte integrante da narrativa.

10

Este boletim foi impresso em papel fabricado com madeira de reflorestamento certificado com o selo do FSC® (Forest Stewardship Council ®) e de outras fontes controladas. A certificação segue padrões internacionais de controles ambientais e sociais.

Direção Executiva: Valter Vicente Sales Filho Direção de Programação: Regina Gambini Coordenação de Programação: Juliano de Souza Coordenação de Comunicação: Marimar Chimenes Gil Divulgação: Jô Santina, Jucimara Serra e Glauco Gotardi Envie sua opinião, crítica ou sugestão para atendimento@sesctv.sescsp.org.br Leia as edições anteriores em sesctv.org.br Av. Álvaro Ramos, 776. Tel.: (11) 2076-3550

Sincronize seu celular no QR Code e assista ao vídeo com os destaques da programação.


sextas-feiras, às 21h

Acompanhe o SescTV: sesctv.org.br

Espetáculo: Objeto Gritante. Cia Mauricio de Oliveira e Siameses. Foto: Pedro Volcoff

dança contemporânea


Revista SescTV - Março de 2014