Issuu on Google+

Recital em homenagem aos professores

CELINA SZRVINSK e

MIGUEL ROSSELINI 17 de maio de 2012 - 10 horas

Audit贸rio da Escola de M煤sica da UFMG


“Que faz um homem que chega à beira do precipício, que tem vertigem? Instintivamente, olha para o que está mais perto – vocês já fizeram isso, já viram fazer. É simples, é o que há de mais simples. Fixamos o olhar no degrau imediato ou no parapeito, na balaustrada, num objeto fixo, para não ver o resto. Isto é honesto, é sincero, é verdadeiro. O homem que vive esse momento não vai fazer a filosofia da queda ou do desespero”, afirma Ponge. Para mim a música é esse precipício, esse abismo. Ao mesmo tempo, nos seduz e amedronta, nos faz olhar aquilo que está mais perto. E o que está mais perto de nós, senão nós mesmos? A música nos instiga a nos estudarmos. Porém, quando se é jovem, quando se é aluno, recém entrado na universidade ou na vida de músico, o que fazemos é filosofia da queda. Por vezes, quase caímos. Não fossem eles, nossos professores de música, cairíamos. Antes de sabermos que o mais próximo de nós somos nós mesmos, nossos professores, numa forma única de presença, tornam-se o algo mais próximo de nós, aquilo para o qual olhamos, aquele em quem fixamos nossa atenção. Tornam-se uma presença confundível e já não sabemos mais onde começamos e onde terminamos. Ser esta presença é ser sensibilidade, compromisso, diversidade. Para mim, trata-se de algo que é mais que professor. Trata-se de ser música antes da música. Miguel e Celina sabem sê-lo. Durante meu curso e além, foram o parapeito que me manteve seguro diante do precipício. Se o foram, é porque foram honestos, sinceros, verdadeiros, como eu fui verdadeiro, sincero e honesto ao sentir medo diante do precipício, diante da música. Agradeceria, mas nós músicos sabemos que “obrigado” é apenas uma palavra, e como tal, limitada se comparada àquilo que podemos com música. Por isso, este concerto, como todo concerto, uma festa. Texto de Igor Reyner


PR O GRAMA Mozart Camargo Guarnieri

Claude Debussy

Momento No. 1 (Dedicado à Celina Szrvinsk) Anderson Daher, piano Petite Suite Un bateau Junia Canton Heron Alvim, piano a 4 mãos

Robert Schumann

Villa-Lobos

Album para a Juventude Op. 68 Mignon - nº35 Rosiane Lemos, piano

Canto do Sertão Marcus Medeiros, piano

Johann Sebastian Bach

Sonata em Mi b Maior, para flauta e piano Rubia de Moraes, flauta Máximo Marques, piano

Manuel de Falla

Sete Canções Populares Espanholas Asturiana Luíza Anastácio, violino André Milagres, violão

Mozart Camargo Guarnieri

Dança Negra Joana Boechat, piano

Frédéric Chopin

Noturno Op. 15, No. 3 em sol menor Daniel Augusto, piano

Franz Schubert

Der Leiermann

Erwin Schulhoff

Frédéric Chopin

Gustavo Eda, tenor Leonardo Queiroz, piano

Trio para flauta, viola e contrabaixo Rúbia de Moraes, flauta Waltson Tanaka, viola Rodrigo Olivares, contrabaixo

Prelúdio op. 28 No. 4 em mi menor Clóvis Vieira, piano

Claude Debussy Petite Suite Menuet Leonardo Queiroz Luana Gonçalves, piano a 4 mãos

Wolfgang Amadeus Mozart Quarteto para piano K. 478, em sol menor .Allegro

Olivia Maia, violino Iberê Carvalho, viola Renan Moreira, violoncelo Leonardo Queiroz, piano

Mozart Camargo Guarnieri Robert Schumann

Toccata Gabriel Casara, piano Doze Peças para Piano Op. 85 Cortejo de Aniversário Sandra Almeida Cristina Guimarães, piano a 4 mãos



Recital em Homenagem aos Profs. Celina e Miguel