Issuu on Google+


A EMPRESA

Foco em qualidade

Políticas em QSMS

Nossa missão é proporcionar ferramentas de avaliação e controle em segurança, meio ambiente e saúde, visando gerar qualidade através de contínuo processo de busca de aprimoramento em técnicas de segurança no trabalho.

A HRL empresa de treinamento e consultoria em QSMS, orientada para o desenvolvimento organizacional e humano, assume como valores fundamentais o respeito à vida e a preservação do meio ambiente, comprometendo-se a estabelecer um processo de melhoria contínua orientada para satisfação do cliente e seus colaboradores, atender aos requisitos legais e normativos aplicáveis, trabalhar de forma integrada na proteção do ser humano e do ambiente, prevenindo lesões, ferimentos e danos para a saúde das pessoas e poluição ambiental, manter uma postura de atualização técnica e desenvolvimento pessoal de seus colaboradores, apoiar e desenvolver projetos com foco em responsabilidade social.

Nosso objetivo é capacitar profissionais que trabalham em ambientes de risco, sob condições normais e emergenciais, buscando evitar os acidentes e contribuir para a manutenção da integridade física e mental do profissional, com o cumprimento fiel das diversas normas de padronização vigentes.


Programas em HIGIENE OCUPACIONAL

PPRA – Programa de Prevenção de Riscos Ambientais – NR 09 Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA) é um conjunto de ações visando à preservação da saúde e da integridade dos trabalhadores, através da antecipação, reconhecimento, avaliação e consequente controle da ocorrência de riscos ambientais existentes ou que venham a existir no ambiente de trabalho, tendo em consideração a proteção do meio ambiente e dos recursos naturais.

O PPRA foi estabelecido pela Secretaria de Segurança e Saúde do Trabalho, do Ministério do Trabalho, por meio da Norma Regulamentadora NR 9, Portaria 3214/78, com objetivo de definir uma metodologia de ação para garantir a preservação da saúde e integridade dos trabalhadores face aos riscos existentes nos ambientes de trabalho.

No Brasil a legislação do trabalho obriga todas as empresas a elaborarem e implementarem o PPRA, além de manter um documento-base de registro dessas ações, que incluem: levantamento dos riscos, planejamento anual com estabelecimento de metas e prioridades, cronogramas, estratégia e metodologia de ação, forma do registro, manutenção e divulgação dos dados, periodicidade e forma de avaliação do desenvolvimento do PPRA.

São considerados riscos ambientais os agentes físicos, químicos e biológicos. São considerados fatores de riscos ambientais a presença destes agentes em determinadas concentrações ou intensidade. O tempo máximo de exposição do trabalhador a esses agentes é determinado por limites pré estabelecidos.


Programas em HIGIENE OCUPACIONAL

PGR - Programa de Gerenciamento de Riscos (Nr-22) O objetivo principal do P.G.R. é prevenir a ocorrência de acidentes que possam causar danos ao público e ao meio ambiente e reduzir sua severidade, quando um evento desta natureza ocorrer. O P.G.R. poderá tornar-se, também, uma importante ferramenta para se reduzir custos destinados a reparação de danos, paralisação de produção, indenizações por afastamento parcial/total de funcionários e contratação de apólices de seguros. O P.G.R. deverá ser implantado em todos os processos que envolvam o manuseio, processos de fabricação, armazenamento como matéria prima, produtos intermediários ou produto final, transporte e logística de substância tóxicas e/ou inflamáveis requerem, por parte do empreendedor, uma postura mais objetiva quanto às atividades e procedimentos relacionados a estas substâncias. Por outro lado, a atuação das agências oficiais de meio ambiente, sejam elas federais, estaduais ou municipais, apoiadas por legislações cada vez mais rigorosas, torna necessária a implantação de uma série de medidas, entre as quais encontra-se o Plano de Gerenciamento de Riscos (P.G.R.). O PGR deverá ser composto, basicamente, pelas seguintes etapas: ---» série histórica de acidentes; ---» planos de prevenção de acidentes; ---» análise de conseqüências; ---» sistema de gerenciamento; ---» plano de emergência; ---» sistemática de implementação; ---» plano de comunicação externa.

PCA – Programa de Conservação Auditiva O Programa de Conservação Auditiva (PCA) é um conjunto de medidas coordenadas que têm por objetivo impedir que determinadas condições de trabalho provoquem a deterioração dos limiares auditivos em um dado grupo de trabalhadores. As medidas devem ser coordenadas porque cada uma, isoladamente, apresenta lacunas, as quais devem ser preenchidas pelas outras. O ruído é o agente ocupacional que mais freqüentemente provoca perdas auditivas. Entretanto, outras condições não podem ser desprezadas, tais como: agentes químicos, radiações ionizantes, acidentes com traumatismo crânio-encefálico, barotraumas, alergenos . Neste capítulo é enfocado o programa destinado a prevenir as perdas auditivas induzidas pelo ruído. Este tipo de programa tem a vantagem adicional de prevenir também grande parte dos outros efeitos do ruído que não aqueles ocasionados nas vias auditivas. O PCA envolve a atuação de uma equipe multiprofissional, pois são necessárias medidas de engenharia, medicina, fonoaudiologia, treinamento e administração. Não se pode conceber a efetiva prevenção aos efeitos do ruído sem a redução dos níveis de pressão sonora encontrados nos ambientes de trabalho. Conhecimentos atualizados de acústica devem estar disponíveis para que sejam adotadas medidas técnica e economicamente viáveis no tratamento das principais fontes de ruído que estejam causando lesões auditivas. O reconhecimento dessas fontes de ruído é realizado de duas maneiras: avaliação instrumental do ambiente de trabalho e da exposição dos indivíduos, e análise dos exames audiométricos dos trabalhadores expostos. Audiometrias confiáveis são fundamentais para o estabelecimento da etiologia e do caráter evolutivo das perdas auditivas detectadas e a conseqüente tomada de decisões sobre as prioridades e a eficácia do programa . Algumas decisões importantes são de caráter administrativo, geralmente envolvendo redução do tempo de exposição ao ruído. Entretanto, é sabido que a adesão de todas as pessoas envolvidas no programa, desde os mais altos escalões gerenciais até os trabalhadores expostos, só é alcançada por intermédio de treinamento técnico e motivacional repetido.


Programas em HIGIENE OCUPACIONAL

PPEOB – Programa de Prevenção da Exposição Ocupacional ao Benzeno O PPEOB (Programa de Prevenção da Exposição Ocupacional ao Benzeno) é um programa de prevenção, cujo objetivo prega a antecipação, reconhecimento, avaliação e consequente controle de ocorrências de exposição ao Benzeno que existam ou venham a existir no embiente de trabalho. O mesmo é regulamentado através da NR 15 (Atividades e Operações Insalubres) mais precisamente em seu anexo 13-A (Benzeno), o que é recomendado No Acordo Tripartite do Benzeno e na NR 9 (Programa de Prevenção de Riscos Ambientais - PPRA). O PPEOB apresenta a seguinte estrutura: Planejamento com o estabelecimento de metas, objetivos, prioridades e cronogramas; Estratégia e metodologia de ação para o desenvolvimento das etapas que compoem o programa; Avaliação quantitativa da exposição ao benzeno; Forma de registro, manutenção e divulgação de dados; Periodicidade e forma de avaliação do desenvolvimento do PPEOB. A metodologia a ser aplicada nesta atividade será a realização de inspeções de todos os processos, atividades, produtos ou serviços com potencial exposição ocupacional ao benzeno. Os riscos detectados são classificados por similaridade de origem, causa e efeito. Para cada não-conformidade serão apresentadas sugestões para sua eliminação ou adequação aos parâmetros legais aceitáveis. Também fará parte a elaboração do cronograma físico de adoção de medidas corretivas e preventivas. A avaliação do agente BENZENO será coletada e os resultados tratados conforme Instrução Normativa nº. 1 de 20 de dezembro de 1995.

PPR – Programa de Proteção Respiratória O PPR é um conjunto de medidas práticas e administrativas que devem ser adotadas por toda empresa onde for necessário o uso de respirador, obrigatório desde 15/08/1994. O propósito do PPR é proporcionar o controle de doenças ocupacionais provocadas pela inalação de poeiras, fumos, névoas, fumaças, gases e vapores. Além disso, faz se necessária recomendações para elaboração, implantação e administração de um programa de como selecionar e usar corretamente os equipamentos de proteção respiratória.


ERGONÔMIA

Análise Ergonômica do Trabalho A Analise Ergonômica é uma metodologia que estuda o modo operatório para compreender a interação dos trabalhadores com a tecnologia, a organização e o ambiente de trabalho, buscando tornar o trabalho mais simples, seguro, confortável e produtivo. Esta metodologia também nos auxilia a compreender as causas e buscar soluções para problemas de saúde, segurança (acidentes), qualidade ou produtividade. Para isso utilizamos uma estrutura baseada no princípio PDSA (antigo PDCA), onde: P = Plan (Planejamento: identificação das demandas), D = Do(Execução: análise das demandas), S = Study (Estudo: Definição das ações) e A = Action (Ação: Implementação das ações). O primeiro passo da AET é a identificação das demandas, definição dos objetivos e dos valores a serem criados.


LAUDOS TÉCNICOS

Laudo Técnico das Condições Ambientais de Trabalho O LTCAT é um documento com exigência legal através da lei 8.213/91 e suas modificações através das IN – Instruções Normativas do INSS para comprovar as condições ambientais em que o colaborador se encontra dentro da empresa na qual ele trabalha, o LTCAT também tem a finalidade de dar base no preenchimento do PPP Perfil Profissiográfico Previdenciário. O LTCAT é elaborado por um engenheiro do trabalho onde ele quantifica todos agentes de riscos existentes no ambiente de trabalho como riscos físicos, químicos, biológicos e ergonômicos, quantificar significa fazer medições utilizando equipamentos modernos e devidamente calibrados (bomba de amostragem, dosimetro, decibelimetro, luximetro, termômetro de globo, termômetro). Agentes físicos: ruído, vibrações, pressões anormais, temperaturas extremas (calor ou frio), radiações ionizantes e radiações não ionizantes. Agentes químicos: poeiras, fumos, névoas, neblinas, gases, vapores, absorvidos pelo organismo humano por via respiratória, através da pele ou por ingestão. Agentes biológicos: bactérias, fungos, bacilos, parasitas, protozoários, vírus, entre outros. O LTCAT em conjunto com a portaria 3214/78 do Ministério do Trabalho mais especificamente com a NR 15 e NR 16, limita se há ou não condições que determina o pagamento dos percentuais de insalubridade ou periculosidade.

Laudo de Periculosidade O Laudo de Periculosidade tem como objetivo a verificação e/ou comprovação das condições do ambiente de trabalho dos colaboradores, principalmente quanto à sua exposição no exercício de suas atividades e operações perigosas com explosivos e/ou inflamáveis de risco acentuado. Esse documento deve conter entre outras conclusões se o empregado está desempenhando suas atividades em condições de risco de forma a lhe garantir, ou não, o direito à percepção do adicional de periculosidade, ou seja, 30%, incidente sobre o salário, sem os acréscimos resultantes de gratificações, prêmios ou participação nos lucros da empresa.

Laudo de Insalubridade O Laudo de Insalubridade é o documento técnico-legal que estabelece se os empregados da empresa têm ou não direito ao recebimento do adicional de insalubridade (10%, 20% ou 40% do salário-mínimo), em virtude da exposição a agentes físicos, químicos e/ou biológicos, considerando os limites de tolerâncias estabelecidos pelas legislações e as proteções fornecidas pela empresa. Fundamento Legal: Norma Regulamentadora nº 15. “Serão consideradas atividades ou operações insalubres aquelas que, por sua natureza, condições ou métodos de trabalho, exponham os empregados a agentes nocivos à saúde, acima dos limites de tolerância fixados em razão da natureza e da intensidade do agente e do tempo de exposição aos seus efeitos”. Analisando o conceito acima, verifica-se que ele é tecnicamente correto dentro dos princípios da Higiene Ocupacional.


ENGLISH TRAINNING

CIPA

QSMS

This course is a presentation of tools to assist in implementation, execution and control of the internal committee accident prevention following the instructions and Brazilian laws . Click here to more information

This course is a requirement for those wishing to enter the system following the Petrobras following the instructions and Brazilian laws. Click here to more information

NR35

NR33

To ensure the protection of workers in the activities above two meters high following the instructions and Brazilian laws. Click here to more information

Ensure the physical integrity of workers who develop activities in confined spaces following the instructions and Brazilian laws. Click here to more information


TREINAMENTO

Curso de Avaliação da Vibração Ocupacional sob coordenação de Rosenberg Rocha, Gestor de Higiene Ocupacional do Grupo EBX.

Curso de Gestão de Resíduos Sólidos é coordenado por Claudia Scofano que é especialista em resíduos sólidos e Fiscal da Anvisa. Aspectos Jurídicos da Gestão de SMS

com a coordenação da Dra Renata Betella, advogada, que é especialista em consultoria jurídica para assuntos ligado a gestão de SMS.

QSMS - Qualidade Segurança Meio Ambiente e Saúde é requerimento básico para empresas prestadores de serviço para o Sistema Petrobrás. está sob a coordenação de Ricardo Betella.

Ferramentas de produtividade para Consultores de SMS onde Sergio Castro é coor-

denador do curso que se propõe a dar ferramentas tecnológicas para agilização da gestão de SMS. Sergio é especializado em Ciência da Computação e tem acumulado muita experiência no curso de sua carreira de mais de 20 anos como executivo em empresas no Brasil e Estados Unidos.

Curso Avançado de Higiene Ocupacional

Thaigo Cruz é a coordenador do curso que se propoe a mostrar um aprofundada abordagem de resíduos químicos e biológicos.

Veja mais cursos em www.capacitabem.com.br


www.hrlconsultoria.com.br Rua Dias da Cruz, 69 gr 408 Meier, Rio de Janeiro, RJ, 20720-00 (21) 3176 6676 (21) 7919 3415


HRL Consultoria em SMS