Issuu on Google+

Localização e Geografia de Barcelona Barcelona é a capital da Catalunha, uma comunidade autónoma de Espanha, da comarca do Barcelonês e da província de Barcelona. É onde se encontram as instituições mais importantes do governo da Catalunha: a Generalidade da Catalunha (governo autónomo) e o parlamento autónomo. Situada na província homónima, ao longo da costa do Mediterrâneo (41°23'N 2°11'E), entre o desaguar dos rios Llobregat e Besòs, o território de Barcelona está dividido em três áreas bem delimitadas: a serra da Collserola (com 512 metros de altura é o ponto mais alto da cidade, em seu topo está localizado o Tibidabo), o plano e os deltas dos

rios

Besòs

e

Lobregat,

que

juntamente com o litoral delimitam o seu território. Cerca de 160km a sul das montanhas dos Pirenéus. A população da cidade tem 1.605.602 habitantes (estimativa em 2006), sendo que a população da área metropolitana é de 3.161.081 (estimativa em 2006). A população da província é de 5.226.354 (estimativa em 2005), mas cobre apenas 7,773 km² da cidade. O Presidente da Câmara de Barcelona é Jordi Hereu.


Barcelona, como toda a Catalunha, é uma cidade bilingue: o espanhol (ou castelhano, como preferem os catalães) e o catalão são línguas oficiais. O espanhol é entendido por todos os habitantes; porém a língua franca é o catalão, usado nas conversas entre amigos, na família e no trabalho. Não ouse dizer a um catalão que a sua língua é um dialecto do castelhano! O catalão é uma língua bastante diferente do espanhol, assim como o português ou o francês o são. Embora todos falem espanhol, os catalães são muito orgulhosos de sua cultura e não gostam que se dirijam a eles naquela língua. Por isso, ensaie algumas palavrinhas na língua local e prefira falar em inglês ou francês ou ao menos pergunte antes se podem conversar em espanhol.

História de Barcelona Em sentido estrito, Barcelona teria sido fundada pelos romanos no final do século I a.C., sobre o mesmo assentamento ibérico anterior onde já se haviam instalado anteriormente desde o ano 218 a.C., e teria sido convertida numa fortificação militar, chamada de Iulia Augusta Paterna Faventia Barcino, que estava situada sobre o então chamado Mons Taber, uma pequena elevação onde hoje está situada a catedral da cidade e a praça de Sant Jaume. No século II as suas muralhas foram construídas por ordem do Imperador Cláudio e já no início do século III a população de Barcino estava estimada entre 4.000 e 8.000 habitantes. Barcino foi a cidade dos laietanos (ibéricos), que deu origem a cidade de Barcelona. Estava situada perto do rio Rubricatus (Llobregat). A cidade já existia com um outro nome (a lenda atribui sua fundação à Hércules, 400 anos antes da fundação de Roma) quando foi supostamente refundada por Amílcar Barca, que lhe dá o nome. Depois os romanos estabelecem-se na cidade. No século V, Barcelona foi ocupada pelos

visigodos de Ataúlfo (ano 415)

provenientes do norte da Europa. Em 531,

Amalarico foi assassinado. No

século VIII a cidade foi conquistada pelo vizir

árabe Al-Hurr e iniciou-se um

período de quase um século de domínio

muçulmano que terminou em 801

quando foi ocupada pelos carolíngios, que a

converteu em capital do Condado

de Barcelona. A potência económica da cidade e

a

fizeram com que os muçulmanos voltassem em

985, comandados por Almansor,

sua

localização

estratégica

ocupando-a durante alguns meses. A partir do século XIV a cidade iniciou uma era de decadência que se estendeu durante os séculos seguintes.


A união dos reinos de Aragão e Castela, oficializada com o casamento entre os reis Fernando de Aragão e Isabel de Castela, gerou um ambiente tenso entre catalães e castelhanos que chegou ao momento mais crítico com a Guerra dels Segadors (de 1640 a 1651) e posteriormente com a Guerra da Sucessão Espanhola (de 1702 a 1714), que terminou com a abolição das leis institucionais próprias da Catalunha e com a destruição de boa parte do Bairro da Ribera e da construção da Ciutadella. Até o fim do século XVIII, Barcelona iniciou uma recuperação

económica

que

lhe

favoreceu

a

industrialização progressiva do século seguinte. A segunda metade do século XIX coincidiu com o projecto de derrubada das muralhas antigas que envolviam a cidade e outras cidades próximas são incorporadas à Barcelona. Dessa forma, são incorporadas à Grande Barcelona as cidades de Gràcia, Sarrià, Horta, Sant Gervasi de Cassoles, Les Corts, Sants, Sant Andreu de Palomar e Sant Marti de Provençals. Isso permitiu que a cidade executasse o projecto do Eixample e do desenvolvimento da indústria, feito que lhe permitiu entrar no século XX como um dos centros urbanos mais avançados de Espanha. Foi sede de duas Exposições Universais nos anos de 1888 e de 1929. A escalada da Guerra Civil Espanhola e a derrota das forças republicanas tornaram o panorama desfavorável novamente, uma vez que Barcelona se havia posto ao lado da República, e no final de 1939, as tropas franquistas ocuparam a cidade na última fase da guerra. Depois de um pós-guerra duro para Barcelona, teve início uma fase de desenvolvimento sob o mandato do prefeito Josep María de Porcioles i Colomer. Toda a região próxima à cidade que ainda mantinha alguma tradição agrícola e rural aos poucos se vai urbanizando com grandes bairros cheios de imigrantes procedentes de outras partes da Península Ibérica. Restaurada a democracia após a morte do ditador Franco, um novo desenvolvimento cultural e urbanístico acontece, com uma crescente participação da população civil, dotando a cidade de grandes infra-estruturas dignas de uma metrópole moderna e cosmopolita atractiva para o turismo. Nesta última etapa celebraram-se os Jogos Olímpicos de Verão de 1992 e o Fórum Universal das Culturas em 2004.


Clima de Barcelona Barcelona possui o clima mediterrânico por excelência. Durante o Inverno, as chuvas são frequentes e as temperaturas são suaves, sendo uma época durante a qual os termómetros rondam, em média, os 17 ou 18 graus Celsius. Durante a Primavera, a temperatura sobre até aos 23 ou 24 graus Celsius durante o dia, com sol e chuva esporádica mas copiosa, enquanto que o Verão é uma época quente, com

temperaturas

costumam

rondar

que os

30

graus de máxima. No Outono, as condições climáticas

tornam-se

secas

os

e

mais

termómetros

alcançam temperaturas mais baixas,

embora

excessivamente. época,

as

chuvas

não Nesta são

frequentes.

Aeroporto de Barcelona O Aeroporto Internacional de Barcelona é o aeroporto que atende a cidade espanhola de Barcelona e toda a região da Catalunha. Está localizado a 10 quilómetros a sudoeste de Barcelona, no município de El Prat de Llobregat, a uma altura de 4 metros acima do nível do mar. Ele também é conhecido pelo nome de "El Prat" pela razão do nome do município em que se localiza. O aeroporto é o maior da Catalunha e segundo maior da Espanha, atrás do Aeroporto Internacional Madrid-Barajas. Ele é o principal hub da Vueling Airlines e Clickair, e hub secundário da Spanair, Air Europa e Iberia Airlines. O Aeroporto submeteu-se à expansão com a construção de um terminal sul novo, e esperando ser terminado em 2009.


O serviço de ponte-aérea de Barcelona-Madrid, é a rota mais ocupada do mundo, com o número mais elevado de operações de voos. O tráfego reduziu em 2008 desde que a linha de comboio de alta velocidade foi aberta (Fevereiro 2008), cobrindo a distância em 2 horas e meia, tornando-se rapidamente popular.

Transportes Públicos de Barcelona Prefira sempre andar a usar um transporte público. A qualidade do metro, dos autocarros, dos táxis e dos comboios é incontestável, mas Barcelona é muito mais bela quando o turista se deixa perder pelas ruelas do Barri Gòtic ou pela arquitectura modernista da Gràcia ou pela profusão de actividades das Ramblas. A melhor forma de circular em Barcelona é utilizar o serviço de metro que atinge todos os atractivos turísticos da cidade. Além disso, a Plaça Catalunya tem ligações com os sistemas de comboios suburbanos (chamados de Ferrocarrils de la Generalitat - FCG) e nacionais/internacionais. O sistema de autocarros de Barcelona é dividido em duas vertentes: diurnos e nocturnos. Durante o dia, os autocarros são utilizados quase que exclusivamente pelos próprios habitantes locais, pois todos os atractivos podem ser alcançados por metro. Contudo, o metro fecha à meia-noite nos dias de semana e às 2 da manhã de sexta para sábado e de sábado para domingo. Depois deste horário, uma óptima opção são os NitBus ("autocarros da noite", em catalão): quase todos passam pela Plaça Catalunya e os seus trajectos são descritos nas próprias paragens. Procure a rua aonde precisa ir e encontre um NitBus que passe por lá. As paragens circundam toda a Plaça Catalunya. Alugar carro em Barcelona só é vantagem quando se pretende ir a outras cidades, como Sitges ou Tarragona, por exemplo. Para circular dentro da cidade o carro não é nada prático, pois exigem uma paciência brutal para andar pelas ruas apertadas da Ciutat Vella. Os táxis de Barcelona são muito facilmente identificáveis: carros de cor pretos e amarelos. São muito bons, apesar de caros. De madrugada são uma opção aos NitBus.

Contudo

são

disputadíssimos,

principalmente nas áreas próximas às Ramblas/Plaça Catalunya.


Pontos de Interesse em Barcelona A parte mais turística da cidade fica no entorno das Ramblas e da Plaça Catalunya, incluindo aí o Barri Gòtic e a Gràcia. Nessa área o estrangeiro não encontrará nenhuma dificuldade em se deslocar ou pedir por informações. Nos balcões de informações turísticas fala-se o inglês e muitos falam também o francês e o alemão. Um dos lugares mais frequentados de Barcelona é La Rambla, uma passarela situada entre a Praça da Catalunha (em catalão Plaça de Catalunya), centro da cidade, e o antigo porto de Barcelona. Passeando pela La Rambla pode-se admirar vários edifícios de interesse, como o Palácio da Virreina, o mercado de La Boqueria e o famoso teatro Grande Teatro do Liceu. Uma rua lateral a La Rambla conduz a Praça Real (em catalão Plaça Reial), uma praça com palmeiras e edifícios que abriga cervejarias e restaurantes.

Mercado de La Boqueria

Praça Real

La Rambla termina junto ao porto antigo, onde a estátua de Cristóvão Colombo (ou Monumento a Colombo) aponta para o mar. Próximo dali encontra-se o Museu Marítimo (ou Museu Maritim), dedicado sobre tudo à historia naval do Mediterrâneo, e no qual se exibe a reprodução em escala real de uma antiga galera de combate.


Estatua Cristóvão Colombo

Museu Marítimo

Barcelona é conhecida como capital do modernismo. A cidade, na qual viveu e trabalhou o arquitecto Antoni Gaudí conta com algumas de suas obras mais relevantes, que atraem a cada ano milhões de visitantes de todo mundo. A mais representativa é o Templo Expiatório da Sagrada Família, que Gaudí deixou inacabada e que segue sendo construída da mesma maneira que as catedrais na Idade Média, alem do Parque Guell, outro projeto de Gaudí, o parque apresenta

um

conceito

de

urbanização

inovador,

com

sua

arquitectura inspirada nas formas da natureza, com bancos sinuosos e multicoloridos, colunatas dóricas e amplos jardins exóticos. O parque fica ao norte de Barcelona e é passagem obrigatória para quem visita a cidade.

Templo Sagrada Família

Casa Batllo

Parque Guell


Fora as obras modernistas, Barcelona também conta com relevantes obras pertencentes a outros estilos e períodos históricos. Dentro do período medieval destacam-se especialmente as obras góticas que proliferam em seu centro histórico,

precisamente

denominado "Bairro Gótico" como

a

Barcelona.

Catedral Neste

de

mesmo

estilo encontra-se ainda a Igreja de Santa Maria do Mar, caracterizada pela sua austeridade e harmonia nas medidas.

Catedral de Barcelona A cidade de Barcelona também se destaca no futebol, onde os clubes do Futbol Club Barcelona e Espanyol se destacam. O clube do Barcelona é o maior da Catalunha e seu estádio é o Camp Nou, o maior da europa. No Barcelona já passaram diversos jogadores de futebol famosos como Maradona, Ronaldo, Rivaldo, Romário, Saviola, Messi, Riquelme, Michael Laudrup, Cruyff, Luis Figo e Ronaldinho Gaúcho. Actualmente os maiores jogadores são Messi, Puyol, Xavi, Ibrahimović, Henry, e Bojan Krkić. A cidade também já sediou os Jogos Olímpicos de Verão de 1992 e vários jogos do Campeonato do Mundo de Futebol em 1982. Duas

montanhas

dominam

a

cidade

convertidas em miradouros. O Montjuic é um pequeno monte situado junto ao porto, em cujo topo encontra-se uma antiga fortaleza militar que serviu para vigiar a entrada de Barcelona pelo mar. Nesta montanha encontra-se ainda as instalações olímpicas, como o Estádio Olímpico Lluis Companys, o Palácio Sant Jordi e as Piscinas Picornell. Também pode ser visto em Montjuic o jardim botânico, que dispõe de uma colecção única de cactus.


Estádio Olímpico Lluis Companys

Instalações Olímpicas

O Tibidabo, na parte alta da cidade é a outra montanha de Barcelona. No Tibidabo encontra-se a Igreja do Sagrado Coração, visível de toda a cidade, o Parque de atracções de Tibidabo, e a Torre de Collserola, antena de telecomunicações que dispõe de um miradouro.

Igreja do Sagrado Coração

Torre de Collserola

Parque de Atracções

Gastronomia: A culinária tradicional de Espanha sabe explorar aromas e combinar diferentes elementos. Entre os sabores proporcionados por Barcelona - e por toda a Catalunha -, um deles identifica a gastronomia catalã: o simplíssimo pão com tomate. Esta receita também define o catalão.


Não é nada complicado: uma fatia de pão na qual se esfrega tomate, tudo regado com azeite e uma pitada de sal. Está pronto o mais típico prato catalão. Apesar da simplicidade, é uma óptima entrada graças à qualidade do pão, do azeite e do tomate. Mas a culinária de Barcelona não se restringe a pão com tomate. Uma refeição deve começar por uma tradição de toda a Espanha: tapas. São porções pequenas de presunto cru, tortillas (ovos batidos com batata), camarões ou qualquer outra combinação da casa. Tudo acompanhado de vinho ou cerveja.

Em seguida, podem chegar à mesa um arroz negro (arroz com frutos do mar, tingido com tinta de sépia ou lula), fideus (macarrão bem fino que pode ser acompanhado de frutos do mar, lombo, costela e linguiça de porco), botifarra amb mongetes (feijão branco com linguiça preta grelhada) ou, ainda, bacalhau, camarão, cordeiro, vitela, coelho...

Arroz Negro

Fideus

Tudo isso pode vir acompanhado de uma outra mania catalã, o allioli (maionese de alho). De sobremesa, crema catalana (creme de ovos com uma fina camada de açúcar).


Para os que não abrem mão da gastronomia internacional, Barcelona oferece desde fast-foods a restaurantes requintados, com chefes reconhecidos em todo o mundo. Aos que insistem nessa opção, apenas um lembrete: culinária internacional existe em qualquer canto do planeta; cozinha catalã, apenas na Catalunha.

Compras: Camisolas do Barça - podem ser compradas nas lojas oficiais do clube (no carrer Jaume I, próximo à estação de mesmo nome da linha amarela do metro, e no estádio) Castanholas e Leques - tudo bem que eles não gostam de serem considerados espanhóis, mas vamos lá nós explicar em casa ao chegar que fomos a Espanha e não trouxemos castanholas ou leques, encontra em qualquer loja de souvenir. Salamandra de Gaudí - símbolo das obras do arquitecto, é facilmente encontrada em vários tamanhos em qualquer loja de souvenir. Pin com a bandeira da Catalunha ou com o "Burro Català" - a bandeira catalã pode ser vista em qualquer lugar. Já o "Burro Catalão" é uma referência à divergência dos catalães no que tange as touradas (que na Espanha são chamadas de corridas) e também ao fato de se considerarem muito trabalhadores.


BARCELONA