Issuu on Google+

Localização e Geografia de Angra dos Reis Angra

dos

Reis

é

um

município brasileiro situado na micro região da Costa Verde, Sul Fluminense no estado do Rio de Janeiro. Localiza-se a uma altitude de 6 metros e possui no seu litoral 365 ilhas. A sua população aferida em 2008

era

de

164.191

habitantes. Possui uma área de 816,3 km². Os municípios limítrofes são Paraty, Rio Claro e Mangaratiba no território fluminense, Bananal e São José do Barreiro no lado paulista. Hoje em dia, devido à beleza das suas praias e das regiões próximas, Angra virou ponto forte do turismo não só estadual, mas também nacional. Possui mais de três centenas de ilhas, muitas delas tendo por donos celebridades nacionais e internacionais, sendo a maior de todas denominada de Ilha Grande. A maior parte da cidade é cercada por morros, o que contribuiu para no início de 2010 várias residências e pousadas sofrerem com os efeitos de deslizamentos, principalmente em Ilha Grande As actividades económicas giram em torno da pesca e actividades portuárias (terminal petrolífero), da geração de energia nas usinas Angra I e Angra II, da indústria, do comércio e serviços, da indústria naval (estaleiro Keppel Fels, antigo Verolme) e também do turismo, em suas praias, ilhas e locais de mergulho submarino, principalmente na Ilha Grande.


História de Angra dos Reis Angra dos Reis foi descoberta pelo navegador Gonçalo Coelho no dia 6 de Janeiro de 1502, como era dia dos Reis Magos, recebeu este nome a enorme angra pontilhada de ilhas paradisíacas, montanhas, rios e florestas, além de um mar profundamente azul. Bem antes, os índios Tamoios já desfrutavam de toda a beleza do lugar. A abundância de recursos naturais e sua exuberante paisagem certamente atraíram os primeiros colonizadores. A sua localização geográfica, propícia ao corso, atraiu piratas de várias nacionalidades, algum tempo depois. A primeira colonização foi feita no continente, em 1530, por uma expedição a mando da Coroa de Portugal. Somente em 1556 chegaram os colonizadores, vindos dos Açores, que criaram um povoado ao fixarem-se na enseada. Em 1608, tornou-se Vila dos Reis Magos da Ilha Grande. A primeira actividade económica de Angra foi a cultura da cana-de-açúcar, além de servir de parada no trajecto entre Santos e Rio de Janeiro. Depois, exportando e importando os produtos de Minas Gerais e São Paulo, chegou a ser um dos maiores portos do Brasil. Na época do império, Angra conheceu um grande apogeu, durante o ciclo do café. Nos fins do século, porém, abriu-se a estrada de ferro São Paulo-Rio, terminando com as vantagens que Angra oferecia às comunicações entre as duas cidades. Logo depois, em 1888, a abolição da escravatura acabou com a mão-de-obra essencial para a agricultura: o município parou. Só meio século depois, com o estabelecimento de uma estrada de ferro para Minas Gerais e a reactivação do porto, Angra voltou a crescer. Mas somente na década de 60, com a instalação do Estaleiro de Verolme, a cidade volta a ter uma economia mais expressiva. Logo depois, foram instalados no município a Usina Nuclear de Furnas e o Terminal da Petrobrás. Mas a vocação de Angra para o turismo aconteceu com o surgimento

de

empreendimentos

turísticos,

que

vieram

juntamente com a abertura da rodovia Rio-Santos ainda na década de 70. Como os índios bem sabiam, são as suas belezas naturais a maior riqueza de Angra dos Reis. Hoje a cidade é famosa por receber gente bonita e importante, além de visitantes de toda a parte do mundo, que ficam extasiados com sua beleza.


Clima de Angra dos Reis Em Angra dos Reis o clima é quente e húmido, sem estação seca. A temperatura média anual fica em torno de 24°C. As máximas variam entre 27ºC e 30ºC, e a as mínimas, entre 18ºC e 21ºC. Durante o Verão, apesar do grande fluxo de turistas, os riscos de ficar em casa com as chuvas constantes é bem alto. As melhores épocas para viajar para Angra, são durante os meses da Primavera e no Outono. A redução do volume de chuva e as temperaturas amenas, deixam a região extremamente agradável para belos passeios de barcos e para a prática do mergulho, já que sem a chuva, a visibilidade da água do mar fica excelente para a prática. No Inverno, é comum as bruscas quedas de temperatura provocadas pela chegadas de frentes frias acompanhadas de massas de ar de origem polar.

Aeroporto de Angra dos Reis O Aeroporto de Angra dos Reis situa-se no bairro Japuíba, com uma distância de cerca de 5 Km do centro da cidade de Angra dos Reis e próximo à rodovia BR-101. É considerado de pequeno porte e opera usualmente com aeronaves particulares, registando em média 1.500 pousos mensais no Verão. O Aeroporto conta com uma estrutura de uma pista de asfalto (medida de 1.015x30 m - última obra), uma estação de passageiros, PAA (Parque de Abastecimento de Aeronaves). Possui conexão com infra-estrutura náutica para barcos e lanchas, traslados marítimos e rodoviário.


Transportes em Angra dos Reis O mais bonito dos acessos a Angra dos Reis é pelo mar. Embora não haja serviço de linhas regulares, quem vem de iate ou em outras embarcações encontra muitas opções nos ancoradouros das marinas e nos iates-clubes da cidade. Para os que gostam de navegar há um shopping com estacionamento para 500 lanchas. Via Rodoviária: saindo da cidade do Rio de Janeiro pela BR – 101, são 133 km de estrada

pavimentada.

também

o

Caminho do Ouro, de Cunha para Parati, viável somente para veículos 4X4. A opção mais rápida é seguir a Rodovia Presidente Dutra (BR-116) até Barra Mansa (Estado do Rio de Janeiro), e dali descer a serra até Angra dos Reis por uma estrada de asfalto com túneis cravados nas pedras, com cerca de 96 km.

Pontos de Interesse em Angra dos Reis Angra tem além dos seus incontáveis atractivos culturais, muita história para contar. São construções dos séculos XVII e XVIII que incluem imponentes conventos, igrejas, monumentos e ermidas, predominantemente influenciadas pela Igreja Católica. Entre as principais atracões históricas podemos citar: Convento Nossa Sra. Do Carmo e Capela da Ordem Terceira, mesmo antes de existir o povoado em Angra, foi residência de frades carmelitas. Inaugurado em 1593 e remodelado em 1623, foi tombado pelo SPHAN em 1954. O convento abriga um cemitério com o corpo de Maria Isabel da Visitação Correia que faleceu em 1822 e teve seu corpo mumificado.


Convento São Bernardino de Sena & Capela de São Francisco da Penitência, o conjunto formado pelo convento e pela capela ocupa um outeiro no Morro de Santo António, com vista panorâmica da cidade e do porto.

Do

inaugurado restam ruínas

convento, em

1763,

apenas e

o

as

relógio

original do campanário. Já a capela, também do século XVIII, tem construção modesta, porém, guarda no seu interior bonitas imagens policromadas de São Francisco de Assis, de Nossa Senhora da Conceição, de Santa Ana Sentada e de Santo António.

As centenas de ilhas são desbravadas em passeios de barco. Quem não pretende alugar uma embarcação, pode circular em escunas que oferecem passeio de um dia, com paragens para mergulho no meio dos peixes coloridos que tomam conta das águas verdes e cristalinas. Como é impossível conhecer todas, inclua no roteiro as mais interessantes, como Botinas e Cataguases, além das badaladas Gipóia e Itanhangá. Botinas, Cartão-postal de Angra dos Reis, as ilhas são, na verdade, duas pequenas formações rochosas cobertas por coqueiros e bromélias. Mergulhar na fenda de águas transparentes que as separa é como entrar num aquário, tamanha a quantidade de peixes coloridos e estrelas-domar.

Gipóia, A segunda maior ilha da baía de Angra fica a trinta minutos do Centro. Com enseadas estreitas, pequenas e de mar calmo e cristalino, Gipóia oferece recantos para os mais variados estilos de navegantes. Para os que querem badalar enquanto se bronzeiam, o destino é a praia do Dentista (Jurubaíba), onde atracam lanchas, veleiros e iates em busca dos bares flutuantes e os seus petiscos frescos. Depois de receber os pedidos via rádio, os bares fazem as entregas através de canoas. Na praia das Flechas, o atractivo é o restaurante do Seu Luiz, com telhado de sape, mesas na areia e vista para a Ilha Grande.


Itanhangá, Águas esverdeadas emolduram a ilha de Itanhangá, cenário de festas descoladas que movimentam a área no verão, dia e noite. O restante ano, é procurada para a prática de mergulho, canoagem e escalada - há um cume de cem metros de altura que descortina a vista deslumbrante da região. A ilha abriga ainda um restaurante de frutos do mar e chalés rústicos para pernoitar.

Cataguases, As duas pequenas ilhas ficam próximas do continente. Cercadas por areias finas e águas calmas e cristalinas, têm o miolo tomado por pitangueiras. Na época alta, a dica é visitá-las bem cedo, antes da chegada

das

escunas

(veleiros)

que

superlotam o cenário.

As águas cristalinas da baía de Angra, somadas à rica vida marinha, fazem da região um dos melhores pontos de mergulho do país. Nas ilhas, basta máscara e snorkel para se sentir no meio de um aquário. Os adeptos do mergulho profundo fazem a festa nos naufrágios escondidos nos arredores. Entre os melhores pontos para a prática do desporto estão as ilhas Botinas, Comprida e Sandri.

Ilha Sandri Ilha Comprida


Gastronomia: Como toda cidade de praia, Angra dos Reis tem a sua gastronomia cercada por sabores do mar. Peixes, moluscos e crustáceos são tradicionais nos menus dos restaurantes e o melhor de tudo é saber que são fresquinhos! Inclusive, um dos pratos mais pedidos por lá é o peixe com banana, cuja posta pode ser de cavala, garoupa, badejo, namorado, entre outros. Para dar o sabor especial ao preparo, o peixe deve ser cozido na panela de barro e, depois, servido separadamente da banana, acompanhado com pirão e arroz. Simplesmente irresistível.

Porém, se o turista preferir provar outras culinárias, a cidade vai além e traz a cozinha francesa, italiana, japonesa, os famosos fast foods, os restaurantes à la carte e por aí vai.

Em Angra, o que mais vai encontrar é banana, a principal cultura comercial de lá, com produção de mais de 5 mil toneladas da fruta. Poucas pessoas sabem, mas Angra dos Reis também é grande produtora de palmito pupunha. Não é à toa que alguns restaurantes que usam o ingrediente nos seus pratos são abastecidos com os produtos das fazendas locais.

Compras: Não há quem resista ao artesanato de Angra dos Reis. A região dá tanto destaque que criou até mesmo uma marca chamada “Arte dos Reis” para comercializar as mais lindas lembranças. A iniciativa procura melhorar a qualidade dos produtos, alem de qualificar os artesãos angrenses. Ao andar pelas feiras da cidade, o turista depara-se com uma infinidade de artefactos como as miniaturas em madeira, cestas, roupas e acessórios com aplicações de conchas do mar.


Outro material bastante utilizado para a confecção de presentes são os ossos de cavala e de acordo com os moradores, o material já era usado no artesanato nas décadas passadas.

Das matérias-primas utilizadas, destaque para penas, plumas, couros, chifres, conchas, pedras e ossos. Outro produto utilizado é a fibra da bananeira onde, para se ter uma ideia, é possível tirar 5 fibras diferentes no caule da planta. O resultado são cestarias, bijutarias e decoração. Destaque também para o uso de sementes, cocos, cabaças, crochés e fuxico. Passe pelas feiras e não deixe de adquirir bolsas, acessórios, ti-shirts, etc.

Fibra da bananeira

Fuxico


BRASIL ANDRA DOS REIS