Page 1

Sérgio Miguel Ferreira de Azevedo Coutinho

Trim21 - “Memories”

Instituto Superior de Tecnologias Avançadas Rua Dr. Alves da Veiga, 142 4000-072 Porto Portugal

5 de Junho de 2014


Sérgio Miguel Ferreira de Azevedo Coutinho

Trim21 - “Memories”

Projeto realizado no âmbito da Licenciatura em Informática/Engenharia Multimédia do Instituto Superior de Tecnologias Avançadas, orientada pelo Professor André Cruz.

Instituto Superior de Tecnologias Avançadas Rua Dr. Alves da Veiga, 142 4000-072 Porto Portugal

5 de Junho de 2014


Resumo “Memories” é o nome de um álbum de música que pretende aliar a transformem apenas num só. Através da utilização de diferentes sons de ambientes do nosso os sons dessa música foram gravados, estimulando as memórias que temos do nosso dia a dia e apresentar essas memórias como algo relevante, mas que raramente as vemos como tal. Palavras-chave:


Abstract “Memories� is the name of a album which pretends to combine photography and music in order to those elements become only into one. Through the use of different sounds of our everyday environments, each song has a picture taken where the sounds used on that song was recorded, with this I can stimulate memories that we have of our daily routine and give more importance to those memories, even when we rarely see them like that. Keywords: Music, photography, album, memories, sound.


Agradecimentos Gostava de agradecer a algumas pessoas que, ou através de ajuda na execução de algum elemento do projecto, ou com sugestões ou opiniões, me apoiaram durante todo o processo. Gostava de agradecer especialmente aos professores André Cruz, Joana Carvalho e Rui Pereira, que não só durante as aulas mas também em período extra curricular, sempre se mostraram disponíveis quer pessoalmente quer através via internet. Gostava também de mostrar o meu especial agradecimento a algumas pessoas que me ajudaram directamente na criação do projecto: André Lima, Joana Lima, João Ventura, Pedro Nora, Pedro Santos e Rita Ventura.


Índice Resumo ................................................................................................. 7 Abstract ................................................................................................. 8 Agradecimentos .................................................................................... 9 Índice de Figuras ................................................................................ 11 Introdução ........................................................................................... 12 Contextualização: ................................................................................ 12 Enquadramento e Motivação .............................................................. 13 Tema ................................................................................................... 14 Objectivos ........................................................................................... 15 Conceito .............................................................................................. 16 Estado da Arte .................................................................................... 17 Metodologia ........................................................................................ 18 Descrição das Tarefas ........................................................................ 18 Tecnologias e Ferramentas ................................................................. 20 Mapa de Gantt .................................................................................... Desenvolvimento ................................................................................. Músicas ............................................................................................... Logo .................................................................................................... Booklet e CD ....................................................................................... Vinil ...................................................................................................... Vídeoclip (650cc) ................................................................................ Site ...................................................................................................... Conclusões e Perspetivas de Desenvolvimento ................................. ..................................................................

23 24 24 28 29 33 36 38 40 41


Índice de Figuras Figura 1: Posicionamento do gravador zoom ...................................... 24 Figura 2: Ficheiros da gravação organizados ...................................... 25 Figura 3: Lista de instrumentos de raíz do Logic .................................. 25 Figura 4: Ambiente de produção Logic Pro ......................................... 26 Figura 5: Primeira fase do Logo ........................................................... 28 Figura 6: Segunda fase do Logo .......................................................... 28 Figura 7: Terceira fase do Logo ........................................................... 28 Figura 8: Estudo das medidas do Booklet ........................................... 29 Figura 10: SImulação da versão impressa do Booklet ......................... 31 Figura 11: Imagem do CD .................................................................... 32 Figura 12: Estudo das medidas do Vinil ............................................... 33 Figura 13: Capa exterior do vinil .......................................................... 34 Figura 14: Capa interior do vinil ........................................................... 34 Figura 15: Centro do vinil ..................................................................... 35 Figura 16: Gravação do ruído da mota ................................................ 36 Figura 18: Ambiente de edição do vídeo no Final Cut X ....................... 37 Figura 19: Pagina de início do Wordpress ........................................... 38 Figura 20: Página inicial do site ........................................................... 39 Figura 21: Lista de plugins instalados .................................................. 39


Introdução Contextualização: Origem da musica electrónica: Em 1857 começou a ser explorada a gravação de sons, que ainda hoje é muito importante na produção musical electrónica. O conceito de Música Computacional, música composta ou gerada por um computador, aparece na década de 1950 quando Geoff Hill criou uma composição gerada pelo computador CSRAC (primeiro computador programado por software em memória). Em 1957 é criado o primeiro programa que gera audio de forma digital, o MUSIC-N. Criado por Max Mathew na empresa Bell Labs. Na década de 1960 foram criados os primeiros sintetizadores analógicos e foram logo utilizados em composições musicais. Rapidamente o conceito foi adoptado pela maioria dos artistas e na dedada de 1980, a música electrónica teve o seu grande “boom”. Nesta altura foram criados os “samplers”, sintetizadores digitais. Para manipular estes samplers foi criado o MIDI, um protocolo de informações audio entre vários dispositivos. utilizavam instrumentos reais, e os grupos de música são compostos apenas por um músico e vários instrumentos digitais, muitas vezes utilizando sons de instrumentos reais mas gerados de forma digital, e até utilizando gravações desses instrumentos, depois manipuladas. Hoje em dia temos centenas de géneros de música electrónica, milhares de produtores electrónicos, e milhões de instrumentos digitais e controladores.

12


Enquadramento e Motivação Este projecto surgiu de uma proposta para a criação de um projecto multimédia, na disciplina de Projecto Global, do terceiro ano de Engenharia Multimédia, no Instituto Superior de Tecnologias Avançadas do Porto.

abranger neste projecto diferentes áreas da multimédia, que na minha opinião funcionam como complemento umas das outras. Tendo como que apesar de duas áreas bastante diferentes, funcionam como um complemento uma da outra. A visão e audição, em conjunto com a sensibilidade e as nossas emoções, levou-me a lançar o tema da obra. Foi um processo moroso e criativo, porém, surgiu o conceito. O nome Trim21, não objectivo ao nome em si (que corresponde ao cromossoma de algum atributo (normalmente o volume de um som, etc), surgiu como resposta ao que procurava criar. A aliança entre som e imagem, com

Todas as músicas são produzidas por mim, tendo como fonte de no meio ambiente onde esta foi tirada. Posteriormente, o processo passa

conceito deste processo. O género musical seleccionado prende-se com a electrónica, trip hop e chill trap, transversal a todas as imagens e conceitos, que terão como tema as memórias. Para associar rapidamente o projecto a uma imagem criei uma imagem corporativa simples mas forte. Para agrupar as criações num CD audio e poder distribuir esse CD, criei também um CD Booklet. vinil e do próprio vinil, para mais tarde fazer uma cópia neste suporte. Para além do que foi referido em cima uma das músicas do álbum tem como complemento, a criação de um vídeoclip, para introduzir a componente vídeo no projecto, e aliar assim as três componentes da multimédia. De forma a ser apresentado este conjunto de criações, foi desenvolvido um website com recurso a um CMS (Content Management System) que funciona como uma galeria de exposição digital.

13


Tema Tentando não cair em redundância com o ponto anterior, acrescento neste titulo “Tema”, a focalização do conceito de “memória”. As nossas memórias são a capacidade de adquirir, consolidar e recuperar as informações disponíveis no cérebro, focalizando coisas

de gerar pontos de ligação entre acções do passado, o que nos leva muitas vezes a criar novas idéias.

14


Objectivos O projecto Trim21 pretende estimular memórias, utilizando não só memórias gravadas no nosso cérebro através de acontecimentos, mas também de imagens e de sons, captados em cada momento que nos marque. Memórias estas que muitas vezes não achamos relevantes ou até

A criação da imagem corporativa do projecto Trim21 é importante para criar uma imagem a que possamos associar rapidamente o nome trim21. Esta imagem tem vários elementos tais como o logotipo, carimbo, layout dos documentos, etc.

e que apresenta também a “sinopse” de cada música, ou seja um texto que de forma resumida explica os elementos utilizados e qual a memória pretendo descrever. Bem como apresentar a imagem corporativa do projecto. Com a elaboração do vinil, pretendo gravar o meu projecto no suporte mais aclamado do mundo da música, com melhor qualidade e com mais tempo de vida útil. Assim para além da partilha do projecto em CD poderei chegar aos amantes do vinil. O objectivo da criação do vídeoclip, é juntar a componente de vídeo representadas na música em questão. O site é de caracter promocional, na medida em que dá a conhecer o projecto Trim21, qual o seu conceito, expondo o seu trabalho, explicando os objectivos e aspirações. Com o site também pretendo dar a conhecer o género musical ao qual Trim21 está ligado e explicar a história da vertente, como surgiu, os

os dois elementos como intervenientes essenciais no projecto. Facilitar a comunicação entre utilizadores e produtor, tanto a nível empresarial como promotores e agências como particulares com interesse neste projecto. E em último lugar fazer a apresentação da sinopse de cada música de forma dinâmica.

15


Conceito Trim21, memórias em forma de som. Tomando como ponto de partida o texto descrito no parâmetro “Enquadramento e Motivação”, o conceito principal deste projecto prende-se com a aliança entre som e imagem. A junção destas duas e sons que nos transportam para as áreas ligadas a memórias, têm como objectivo a recriação desses mesmos momentos e a produção musical como abordagem e contextualização destas memórias. Todas as músicas são produzidas por mim, tendo como fonte de inspiração ambiente onde esta foi tirada. O conceito em si é conseguir transportar o utilizador que visita o website Trim21, para quem vê o booklet, ou mesmo para quem vê o vinil, para o momento em que a imagem foi captada percorrendo não só a memória visual como também a auditiva, procurando reproduzir sons do próprio momento conjuntamente com estilos musicais que conseguem complementar a imagem e dinamizar quem a vê e ouve.

16


Estado da Arte Em análise ao projecto do produtor Ta-ku, podemos concluir que dá seus trabalhos como por exemplo, capas de álbuns, capas de músicas imagens do site, mas também trabalha bastante a sua imagem pessoal, o que transmite uma grande segurança no seu trabalho e transmite o Ta-ku consegue fazer trabalhos. Em álbuns diferentes, dentro do mesmo género mas muito diferentes a nível de sons e instrumentos utilizados. Uma característica que ajuda a ter algo sempre novo. Por vezes dentro de um álbum, as músicas são muito idênticas, e um álbum acaba-se por tornar uma só música. seja em capas ou em imagens promocionais. O logo é simples, limpo e tem várias variações, mas são associadas facilmente e podem até ser usadas quer como logo, como carimbo. Ta-ku é a minha referência, pois o trabalho dele é muito idêntico ao que eu quero fazer. O projecto do Bonobo é algo mais abstracto, apesar do género em que se insere o projecto, Trip Hop também, as músicas são mais experimentais. Eles manipulam muitos samples e utilizam gravações já existentes e molda-as ás suas composições. Com isto eles obtém uma sonoridade muito vincada e com muitos traços pessoais. A nível da imagem, Bonobo usa mais imagens abstractas também, normalmente são padrões gerados automaticamente quase como arte generativa, quer nas imagens de álbum como nas imagens promocionais. a cara na promoção do seu trabalho. O que aumenta o misticismo do seu trabalho. As referências que posso tirar do seu trabalho é que devemos dar os nossos traços ao nosso trabalho, e procurar elementos que o diferenciem dos outros.

17


Metodologia Descrição das Tarefas Reuni vários exemplos de logotipos existentes da área da música e tentei entender qual a ligação do logo com o estilo, e depois de reunidos esses logotipos seleccionei alguns e tentei criar um logo que melhor se adequasse ao meu projecto.

igual. Primeiro elaborei uma lista de ideias que pudesse utilizar como tema de cada música, sempre relacionado com memórias que provavelmente a maior parte das pessoas têm. Depois de escolher os temas comecei por organizar os locais onde poderia fotografar e qual o elemento sonoro que iria utilizar para fazer dele elemento da música em questão. Para a de criação das músicas, separei o processo em três partes:

é igual em todas as músicas.

Depois de analisado o local com mais cuidado posiciono o gravador sonoro de forma a conseguir captar o som que quero com qualidade e sem interferências. Já na parte do tratamento e edição dos elementos recolhidos, trato as imagens de forma a corrigir a cor e ajustar devidamente o contraste que pretendo obter. A correcção da cor é extremamente importante, pois é desta forma que consigo dar importância ao elemento que pretendo realçar. Depois de analisar os elementos sonoros captados e escolher os que vou utilizar, edito e trato os escolhidos de forma a conseguir melhorar a qualidade dos mesmo o máximo possível e limpar os ruídos indesejados. Durante o processo criativo da produção de cada música escolho os instrumentos digitais que vão fazer parte da música, crio uma melodia, que dependendo da memória que pretendo estimular pode ser alegre, triste, melancólica, etc. Ainda durante o processo de produção da música integro os elementos gravados de forma a fazerem sentido na composição e não serem interpretados apenas como “um ruído estranho”, mas sim como um elemento musical.

18


O Booklet deve ser simples e directo de forma a não ser um elemento pesado. Os elementos utilizados no Booklet serão as imagens, e a sinopse de cada música. Também contém um índice das músicas.

os traços principais, fazendo apenas alterações a nível de tamanho e estruturação, dos elementos que estão presentes nas diferentes capas do vinil. Para o vídeoclip do projecto, depois de serem captados os elementos

organizados e manipulados de forma a passar uma mensagem obvia do que prendendo expor. Para a criação do website, depois de organizada a estrutura do mesmo e reunidos os elementos que fazem parte, é criado o site com recuso a um CMS (Content Management System), tal como já foi referido.

19


Tecnologias e Ferramentas Adobe, tais como, o Illustrator e Indesign. A escolha destes softwares foi fácil pois para além de terem sido leccionados durante o curso de Engenharia Multimédia, são os que uso regularmente e me sinto Para a produção musical electrónica existem softwares que permitem a criação, manipulação e edição de audio. Esses softwares tem o nome de “DAW”, “Digital Audio Workstation”. Hoje, permitem o uso de imensas ferramentas, quer dentro do programa, quer pela utilização de “plugins” chamados VST, “Virtual Studio Technology” que podem ter imensas funções. A utilização do DAW e vários VST’s, disponibilizam funções e efeitos a nível de software, o que é óptimo pois as versões físicas dos mesmo são extremamente caras. Por exemplo um Compressor físico pode custar 2000€, e em vários DAW’s o compressor já está

Os DAW’s mais conhecidos e mais bem conotados, pelas suas características (as funções que oferecem, os instrumentos que estão etc) são: —> Ableton Live - mais utilizado em actuações ao vivo, pois permite uma rápida interacção com elementos previamente editados, tais como —> Adobe Audition - mais utilizado para a gravação de audio e edição do mesmo, não é muito utilizado a nível de produção pois é muito limitativo, uma vez que não permite utilizar controladores externos MIDI —> Apple GarageBand - mais utilizado para pequenos produtores, para pequenas experiências, para quem está a começar, pois é muito

—> Apple Logic Pro - utilizado por grandes produtores de música

a ser criada para pautas, por exemplo se estivermos a produzir uma música e quisermos que um violinista toque a mesma melodia, basta —> FL STUDIO - segue uma estrutura de sequenciador, é muito limitativo, utilizar. No entanto é simples de fazer o básico e é um dos mais usados

de como utiliza os recursos para a edição de audio.

20


Depois de uma análise a todas as possibilidades e as potencialidades de cada DAW, escolhi o Apple Logic Pro. Já tive a oportunidade de experimentar todos os DAW’s da lista, e pude analisar as ofertas de cada um. Trabalhei três anos em gravação e masterização de vozes o programa, o que me levou a uma rápida escolha. O Logic Pro é um DAW extremamente versátil. Tanto podemos gravar algo com grande qualidade, como podemos masterizar uma música, uma voz, como podemos criar instrumentos digitais e fazer uma composição musical com tudo o que precisamos embutido no programa. Permite também trabalhar com vários controladores MIDI sejam eles conhecidos ou criados pelo utilizador.

além de ter sido leccionado durante o curso, tais como os já referidos softwares da Adobe, é, no meu ponto de vista, o programa mais forte na edição e manipulação de imagem, bem como é um programa que

Para a criação dos documentos impressos (booklet, cd e capa do vinil) utilizarei o Adobe InDesign, um poderoso programa de paginação que me facilita o trabalho na elaboração dos elementos acima referidos. Para a edição dos vídeoclips irei recorrer ao Final Cut X da Apple. Adobe, e na minha opinião o Final Cut é um software intuitivo e permite efeitos, entre muitas outras vantagens, a meu ver.

resultados como por exemplo, tripés com cabeça de vídeo, slider e

Para gravar os elementos sonoros, utilizei um gravador digital “Zoom H4n”, que permite gravar com os seus potentes microfones incorporados ou até mesmo com microfones externos, com qualidade. Para desenvolver todo o projecto, utilizei o meu computador pessoal, um Macbook Pro com um processador Intel i7 - 2,3GHz e 8GB de memória.

21


22


Mapa de Gantt

23


Desenvolvimento Músicas procurei os sons que mais que cativaram e que melhor descreviam a nível sonoro, o ambiente em questão. presentes. Depois escolhi os sons que queria captar. Com isto, preparei o gravador digital Zoom H4N para gravar em formato “wav”, 24bit a 44100Hz, para obter uma gravação com qualidade e poder masterizar de forma correcta os sons. Posicionado o gravador de forma correcta captei o som.

Figura 1: Posicionamento do gravador zoom.

Para masterizar os sons captados, importei-os para o Logic Pro e no programa, adicionei várias máquinas virtuais (efeitos) para melhorar a

indesejados da gravação.

correctamente nomeados, para uma melhor organização e posterior procura e escolha.

24


Figura 2: Ficheiros da gravação organizados

comecei por escolher qual o kit de baterias a utilizar na música e mudo alguns elementos que não me agradem por outros (por exemplo um ritmo básico de bateria para me organizar na composição da melodia do baixo. Crio outro instrumento, um baixo, com a ajuda de um instrumento externo (VST), o Massive (que serve para criar sintetizadores, baixos e sub-baixos - Digital). Depois de criar um linha de baixo básica, modelei o sinal até ter um baixo que me agrade. Quando cheguei ao resultado que quero, compus a linha de baixo. Depois procuro outros instrumentos que me agradem, como sintetizadores, instrumentos reais, etc.

Figura 3: Lista de instrumentos de raíz do Logic

25


Quando reuno todos os elementos que vou utilizar, componho a música como um todo, e não só instrumento esquecendo os outros. Durante a composição tento encontrar os elementos que gravei que melhor se enquadram na mesma. Depois tento encontrar uma forma de os conseguir incorporar na música como se fossem instrumentos, ou seja, de forma a que não os sinta como algo que está a mais. Cada música está dividia em 5 partes, introdução que funciona como uma apresentação de alguns elementos da composição (8 ou 16 compassos (compasso ou barra é um intervalo de tempo com um certo número de batidas de uma determinada duração)), primeira parte da musica (32 compassos), quebra ou segunda introdução (8 ou 16 a entender que a música vai terminar, onde já só presentes poucos elementos/instrumentos (4 ou 8 compassos). Por ultimo no processo de criação da música, a mistura e a masterização são o processo mais complexo. Primeiro na mistura, todos os instrumentos são misturados de forma a ter uma composição que para além de homogénea (todos os elementos da música estão têm a mesma intensidade) tem de me soar bem quando todos são reproduzidos ao mesmo tempo.

Figura 4: Ambiente de produção Logic Pro

26


Na masterização adiciono várias maquinas de efeitos (VST’s) a cada um dos elementos da composição, uns que utilizo em todos os instrumentos, tais como: Equalizador, para equalizar o instrumento em

outros que apenas uso em casos especiais, como por exemplo, reverb, delay, echo, etc, para melhorar a forma como os instrumentos soam e transmitir uma sensação de uma composição introspectiva, calma. Depois de concluída a música, altero os metadados: nome da música, artista, etc.

27


Logo Tentei primeiro criar um logótipo que tivesse mais detalhes (Figura 5). Pesquisei diferentes tipos de letra e escolhi um que me agradasse e que Rapidamente cheguei à conclusão de que não era facilmente perceptível o que estava escrito no logo, então criei algo dento do mesmo tipo mas que fosse um pouco mais fácil de ler (Figura 6). Depois de uma pesquisa, percebi que se optasse por um estilo mais limpo e sem tantos detalhes, obtinha um logo leve, simples e fácil de ler, mas nem por isso menos marcante. Criei uma moldura de forma a fortalecer o nome e também para possibilitar a utilização do logo como carimbo (Figura 7). Os logótipos foram elaborados em formato vectorial, com o Illustrator.

Figura 5: Primeira fase do Logo

Figura 6: Segunda fase do Logo

Figura 7: Terceira fase do Logo

28


Booklet e CD O booklet do CD foi elaborado com recurso ao software de paginação da Adobe, o InDesing. Comecei por procurar as medidas padrão de um booklet, mas rapidamente percebi que o padrão nem sempre funciona de forma correcta, por isso tentei encontrar as medidas que melhor se poderiam

são a lombada.

Figura 8: Estudo das medidas do Booklet

posição das guias, para durante o documento conseguir alinhar sempre na mesma posição os diferentes elementos. Na capa do álbum dei mais destaque ao nome do álbum (“Memórias”) do que ao nome do projecto (“Trim21”), porque na minha opinião, o mais importante é reforçar o tema do trabalho do que propriamente por quem é realizado. Também, desta forma, o público quando “consumir” o produto, vai estar mais focado no tema. O tema do álbum, como o próprio nome indica, são memórias. Utilizei

transmite a viagem, tanto espacial como temporal.

29


As imagens utilizadas foram tratadas e editadas com o Photoshop e guardadas em formato psd (Photoshop) e importadas para o Indesign, onde criei a estrutura do booklet. Desta forma qualquer alteração a nível da imagem (alterar tonalidade, alterar contraste, etc), é automaticamente

atenção do utilizador. Desta forma primeiro somos obrigados a reter o utilizadas para o fundo do booklet foram editadas de forma a não serem tão fortes, por isso utilizei o padrão de cores escala de cinzentos e tentei diminuir o contraste para tentar diminuir a intensidade do elemento de fundo.

pagina do lado direito com recurso a uma roda do diâmetro do furo do CD, em esponja, colada ao booklet.

30


duração. Para além disso está também presente o logotipo a cima da lista e abaixo da lista é apresentado o link para a página do Facebook, o ano do álbum e o espaço para o código de barras. O booklet deve ser visto, não página a página, mas sim duas páginas em conjunto, se não, pode não ser interpretado da forma que pretendo (ver exemplo do booklet aberto depois de impresso).

Figura 10: SImulação da versão impressa do Booklet

31


Figura 11: Imagem do CD

O CD tem a mesma imagem da capa do álbum para tentar dar alguma ligação entre os dois elementos (booklet e CD). Desta forma evito um grande contraste entre a capa do álbum e o CD, assim consigo manter uma associação rápida entre o CD e a capa. Como as medidas são diferentes tive de fazer o ajuste numa cópia do InDesign que continha o layout do CD (também criado por mim). Para criar uma pré-visualização do CD depois de impresso copiei o

32


Vinil

o meu vinil. As medias da capa de fora são 32cm por 31,5cm e a as medidas da capa interior são 31cm por 30,5cm.

Figura 12: Estudo das medidas do Vinil

Consegui encontrar uma forma de poder incorporar as imagens na capa do disco sem ser agressivo a nível visual. Para isto criei duas capas, a de fora só contem a imagem do álbum, o logo e o nome do álbum (“Memórias”) e a trás a lista das musicas, tal como acontece no booklet.

onde vão estar presentes as imagens, com o nome de cada musica e o lado do disco em que estão. O fundo da segunda capa é o mesmo utilizado durante o booklet para manter uma linha a nível de design. O centro do vinil tem a imagem da capa do álbum, e A ou B consoante o lado do disco.

33


Memories EP 1 - Time Travel 3:02min 2 - Nymph 3:07min 3 - Hot Tea (with 3wa) 2:42min 4 - Paris Subway 3:16min 5 - 650cc 3:28min

facebook.com/21trim21 2014

Figura 13: Capa exterior do vinil

Memories EP

A

1 - Time Travel

2 - Nymph

3 - Hot Tea (With 3wa)

3:02Min

3:07min

2:42min

B

4 - Paris Subway

5 - 650cc

3:16Min

3:28Min

facebook.com/21trim21 2014

Figura 14: Capa interior do vinil

34


Figura 15: Centro do vinil

35


Vídeoclip (650cc) Conceito: A vida não vem no mapa, criamos os nosso trajectos todos os dias. Procuramos debandar da monotonia dos dias menos bons, corremos com o sol, rolamos na estrada, com o vento no rosto, com o som dos motores, de cabeça vazia. As paisagens comuns tornam-se únicas, as estradas diárias transformase em desconhecidas e seguimos por elas como se de uma aventura se tratasse. Procuramos a calma e a simplicidade em cima do asfalto, queimamos borracha em vez da nossa alma. O mapa não serve de nada, com o motor a trabalhar, percorremos a estrada.

Figura 16: Gravação do ruído da mota

Na cena do escritório, os planos foram gravados com a ajuda de um slider para conseguir obter um traveling suave e sem trepidações. Na garagem, o tripé foi posicionado estático de forma a conseguir captar a abertura do portão sem distrações. Os planos da viagem da mota foram gravados com a ajuda de um

36


Depois de todos os planos gravados, apliquei a mesma correcção de cor em cada plano gravado no mesmo local, para poder corrigir as cores entres os locais, mas não ser necessário corrigir de novo as

Figura 18: Ambiente de edição do vídeo no Final Cut X

Depois de escolher os clips a utilizar, comecei por os alinhar na timeline, com as batidas da música, de forma a sincronizar o vídeo com a música.

resultado visual mais apelativo.

37


Site Instalei o Wordpress localmente de forma a poder ter uma maior

Figura 19: Pagina de início do Wordpress

Depois de estruturar as diferentes páginas do site e de criar o menu, pensei no design de forma a conseguir manter a mesma imagem do Booklet para poder ligar todos elementos. Contactos. Utilizei uma foto para o fundo com tons mais escuros e o texto a branco para contrastar com a imagem. Na página inicial aparecem as notícias sobre o Trim21, por ordem cronológica, para que quando o utilizador entre no site possa ter acesso

do estilo de música em que Trim21 está inserido, seguido por um autoretrato, o mesmo utilizado no booklet. Na página Música, aparece o nome do álbum e em thumbnail aparece a imagem referente a cada música com nome da mesma, as imagens aparecem com pouca transparência e quando o utilizador fazer passa com o rato por cima de um dos thumbnails a transparência desaparece de forma a realçar o “traget”. Dentro de cada música aparece o titulo, a sinopse da música, a música (que está alojada no site Soundcloud) e é embebida na num iframe, funcionalidade do Soundcloud e em último Nos videos, são apresentados os videos de Trim21 que estão alojados no youtube.

38


Por último, nos contactos é apresentado um formulário de contacto

de envio.

Figura 20: Página inicial do site

Utilizei vários plugins para me ajudarem a obter o resultado pretendido tais como o Exclude Pages from Navigation, de forma a conseguir esconder me ajudar a elaborar um formulário seguro e com a funcionalidade do mensagem.

Figura 21: Lista de plugins instalados

39


Conclusões e Perspetivas de Desenvolvimento A escolha do projecto deixou-me um pouco assustado pois para além de ser um projecto um pouco diferente, é um conjunto de diversas áreas da multimédia complexas. Apesar disso, são áreas pela tenho especial interesse o que me levou a manter-me empenhado e motivado para concluir o projecto com sucesso. Quando aliamos as diferentes áreas da multimédia conseguimos obter música, e construtivamente ao vídeo. Foi um processo complexo e demoroso, mas com ajuda dos professores e colegas consegui contornar os diferentes problemas que surgiram do relatório, pois muitas vezes torna-se difícil de explicar raciocínios que para mim parecem óbvios, e tona-se também difícil explicar os procedimentos para os diversos elementos do meu projecto. Ainda assim, tentei abordar todos os pontos que considero relevantes. encontrar elementos idênticos nas diferentes áreas da multimédia e conseguir liga-los sem parecerem estranhos entre eles, como por exemplo utilizar ruídos estranhos numa música. Senti também que a motivação é fundamental quando se trata de um projecto mais artístico, visto que a inspiração é um elemento fundamental para conseguir criar bons resultados. A prensagem do vinil é um processo complexo e caro, daí não ter o ter conseguido materializar a tempo de entrega do projecto.

obter um produto que pudesse utilizar mais tarde, e quem sabe até ser comercializado.

40


41

Monografia do Projecto Final (Trim21 - Memories)  

https://soundcloud.com/trim21

Advertisement