Issuu on Google+

Arquivo DA

O que é o Diretório Acadêmico?

O

Diretório Acadêmico (DA) é o órgão político dos estudantes. Nós cobramos da direção que a educação e as condições de estudo estejam coerentes com o que é necessário para um aprendizado de boa qualidade. Os representantes do DA participam das reuniões dos Conselhos do Cefet. Lá são decididas as regras da instituição que interferem na sua formação profissional. Procure o DA e iremos lhe explicar tudo com o maior prazer. Coletivamente podemos lutar em prol de um interesse em comum: melhores condições de ensino. A sala do DA, aquela salinha ali no fim do corredor, também é um local para convivência! Um lugar para os alunos se conhecerem, se divertirem... Facebook, email e youtube estão liberados! Estamos lutando por uma sala de convivência maior. O DA também organiza e divulga eventos. Por isso, fique atento ao nosso mural de avisos. Ele fica ao lado da escada, no terceiro andar do bloco E. Procure-nos no Facebook do DA (Diretório Acadêmico Cefet-rj). Enfim... Abra a porta sem bater, pois a sala também é sua!

Alunos participam de manifestação pela educação no centro do Rio de Janeiro

Greve mobiliza professores e alunos 53 universidades federais já aderiram à greve dos professores. No Cefet-RJ a paralização começou em 31 de março e conta com o apoio de muitos alunos, que a consideram necessária para que haja uma melhora na qualidade da educação. Página 3

FIQUE LIGADO Novas tecnologias: Luz que não afeta a visão PÁG. 2

Conheça um dos principais programas de extensão do Cefet PÁG. 2

Alcateia participa do Interenge 2012 Veja as fotos! PÁG. 4


OPORTUNIDADES ACADÊMICAS

Projetos de extensão do Cefet-RJ E m meio a tantas preocupações, afazeres e correrias comuns à vida dos universitários, acabamos deixando de lado algumas valiosas oportunidades. Muitas vezes oferecidas pela própria universidade, elas são de grande importância para a formação pessoal e profissional daqueles que estão prestes a ingressar no mercado de trabalho. Entre esses diferenciais, estão os Projetos de Extensão, que têm como objetivo fazer com que o participante colabore de alguma maneira com a sociedade, ajudando-a em seu desenvolvimento e crescimento. A SIFE (Students In Free Enterprise) Cefet-RJ é um dos principais programas que são oferecidos pela instituição e conta com a participação de alunos de diversos cursos de graduação, que buscam, principalmente, ajudar

Participantes do projeto de extensão em 2012

ao próximo e desenvolver habilidades de liderança, trabalho em equipe e comunicação. Criada em 2002, a Sife já venceu

NOVAS TECNOLOGIAS

duas vezes o campeonato nacional e representou o país no campeonato mundial, fazendo frente a 38 países. Em sua melhor partici-

pação, alcançou o terceiro lugar na liga que integrou. Foi o resultado mais expressivo que um time do Brasil já conseguiu. Com muito esforço e dedicação, hoje é uma das equipes de maior visibilidade na disputa de competições. No mercado de trabalho, seus integrantes são vis­ tos como profissionais diferenciados, pois contam com um fator buscado por muitas empresas e em falta atualmente: a causa social. E você, já pensou poder fazer parte desse time? Então acesse: sites.cefet-rj.br/timesife/ e descubra tudo o que esse programa de extensão pode lhe proporcionar !

Cientistas desenvolvem luz que não afeta visão

P

esquisadores desenvolveram um produto que possibilita a conversão da radiação ultravioleta (UV), invisível ao olho humano, em luz visível. O produto inibe a emissão dos raios que incomodam e prejudicam a visão, quando associado a fontes que emitem a luz. A tecnologia é resultado de uma pesquisa que durou sete anos (20042011) e foi desenvolvida a partir de uma parceria entre o Brasil e a França. O material é um pó semelhante aos que já são utilizados atualmente em

lâmpadas comuns, que se alimentam de descarga elétrica. Ele é depositado na lâmpada, sendo excitado através de LEDs ultravioleta, para transformar essa emissão em luz branca. O princípio é muito simples, o desafio era desenvolver um material que apresentasse uma taxa de conversão eficiente. Durante o período de desenvolvimento do projeto, todos os mecanismos de processamento deste tipo de luz foram investigados para se chegar a um material que fosse realmente diferenciado.

Jornal do Diretório Acadêmico do CEFET-RJ Reportagens e entrevistas:

Arthur Adeodato, André Calixto, Raphael Soares, Guilherme Marcel e Jayme Nery Tiragem: 1.000 exemplares

2 - CEFET - Agosto/2012

Faróis utilizando a nova luz tornam a direção noturna muito mais segura

Apoio do Sindicato dos Engenheiros - RJ Diagramação: Leonardo Santos Revisora: Beatriz Fontes


Alunos do Cefet-RJ participam de mobilização junto aos professores para melhorar as condições de ensino da instituição

Professores e alunos lutam por melhores condições de ensino

D

as 59 universidades federais, 53 já aderiram à greve; além de alguns institutos federais. No Rio, aderiram a UFF, a UFRJ, a UFRRJ, a Unirio, o CEFET e, apesar de estadual, a UERJ também está em greve. No Cefet-RJ, a paralisação começou em 31 de março e não tem prazo para acabar. A principal reivindicação dos professores é a reestruturação da carreira. Chega a 40% a diferença salarial de profissionais que exercem o mesmo cargo e possuem o mesmo nível de formação. Em função disso, os grevistas querem unificar a carreira de professor desde o ensino médio até o doutorado em 13 níveis, sendo que, entre cada nível haverá 5% de diferença no salário. Eles defendem que o salário inicial seja algo em torno de R$ 2.400,00 para o professor de 20 horas, mais a gratificação por titulação. Outra solicitação da categoria é a incorporação das gratificações ao salário-base. Por lei, o salário não pode ser reduzido. Contudo, quase 50% do salário dos professores é composto por gratificações. O problema é que estes benefícios podem ser retirados ou alterados facilmente pelo gover-

Arquivo DA

vagas, o governo não autorizou contratação de professores suficientes, nem disponibilizou recursos para mais laboratórios ou investiu na infraestrutura. Os alunos serão prejudicados?

Alunos do Cefet em protesto

no, mantendo-os no “cabresto”. A categoria lembra que o governo federal lançou um programa voltado para a expansão da oferta de vagas nas universidades públicas. Em troca, as instituições receberiam mais verbas. Nas universidades ficou conhecido como Reuni. No Cefet foi chamado de Pronatec. Apesar do aumento do número de

Segundo o Conselho de Ensino e Pesquisa (CEPE) e o Conselho Diretor (CODIR), os dois maiores conselhos da instituição, todos os direitos dos alunos serão garantidos. Isso quer dizer: aqueles alunos que não fizerem prova ou não frequentarem as aulas durante o período de greve terão o direito a reposição de aulas e provas quando a greve acabar. Muito se falou sobre aqueles professores que ameaçaram aplicar provas mais difíceis para os que faltarem suas provas durante o período de greve. Em nota, o Comando de Greve dos Professores repudiou a atitude e a considerou como assédio moral. A comissão se colocou à disposição para garantir os direitos dos alunos. “Lembrando que orientamos os alunos para, se possível, filmarem o professor fazendo esta ameaça. Ou então, fazer uma denúncia por escrito com o nome de todas as testemunhas que presenciaram a ameaça.”

A posição do Diretório Acadêmico O Diretório Acadêmico (DA) do Cefet-RJ apoia a greve dos docentes, alunos e servidores. O DA vê este movimento como um preço que temos de pagar em troca de uma educação digna e de qualidade para inúmeras gerações futuras: nós, nossos filhos, netos, bisnetos... Concluímos que esta greve é o grito de uma sociedade que não aguenta mais ver a educação sendo deixada de lado. Vivemos hoje mais do que nunca a privatização da educação. Assim, enxergamos todo este contexto como um protesto sobre o tipo de faculdade que queremos para o Brasil. Infelizmente, possuímos faculdades públicas, mas não populares. Universidades que atendem às demandas das grandes empresas, e não da sociedade em si. Portanto não nos omitiremos nesse momento complicado. Buscamos unir forças para fazer dessa greve a mais forte possível para que acabe o mais rápido possível. CEFET - Agosto/2012 - 3


Cefet-RJ participa do Interenge 2012 A delegação cefetiana, conhecida como Alcateia, por seu mascote ser um lobo, partiu em busca de melhores colocações e muita curtição

O

s Jogos Estaduais de Engenharia (Intereng) aconteceram entre os dias 28 de abril e 1º de maio, em Vassouras. Os futuros engenheiros mostraram que o “Cefet veio para ficar!” . O Cefet disputou modalidades como futebol de campo, futsal, handball, basquete, vôlei e natação, tanto no masculino quanto no feminino. A faculdade alcançou o sexto lugar na colocação geral. Repetindo o resulatado do ano passado, a UFRJ conquistou o bicampeonato e levou, mais uma vez, o título para a Ilha do Fundão. Foi um feriado de muita interação entre os estudantes de Engenharia de todo o estado. Estiveram presentes faculdades públicas e privadas, como: UFRJ, UFF, Uerj, PUC, FeMASS, UVA e USS.

A cima, equipe masculina de futebol; direita, equipe feminina de handbol; a baixo, esportistas aproveitam as festas.

EVOLUÇÃO TÉCNICA

O presidente da Atlética Cefet-RJ, Victor Mathias, avalia que a Alcateia evoluiu tecnicamente em comparação ao ano passado. “O Interenge foi demais! Obtivemos uma atuação honrosa. O mais importante da nossa participação, independente dos resultados, é o orgulho de ser cefetiano. As coisas estão mudando na instituição e vestir essa camisa agora é motivo de prazer”. Contudo, Victor acredita que ainda há muito o que melhorar. Para ele, a falta de infraestrutura para treinamentos regulares prejudicou o desempenho dos atletas. Ele alerta: “Esta situação está prestes a mudar. Conseguimos o tão sonhado professor para ter acesso ao ginásio poliesportivo. Agora nossa preparação será de forma muito mais profissional e alcançaremos, sem dúvidas resultados melhores.” “Deixo aqui os meus agradecimentos a todos os presentes, pois é essa galera que constrói a base para a realização desse sonho. Pra cima deles, Alcateia!”, diz Victor Mathias. 4 - CEFET - Agosto/2012

ESPÍRITO ESPORTIVO Nas arquibancadas, uma torcida vibrante. Nas quadras, campos e piscinas atletas empenhados. À noite, festas e bares animavam todos os times e torcidas. Mas nem todos os momentos do encontro foram de confraternização. Autodenominados “palyboyzada”, alguns estudantes perderam o espírito esportivo. Disputas e provocações sempre estão presentes nos jogos. Músicas

de torcidas e pequenas rixas muitas vezes causam graça. O problema aparece quando as “gozações” passam para agressões, mesmo que verbais. Alguns alunos tomaram atitudes ofensivas às mulheres. Além de, equivocadamente, acreditarem que seu poder aquisitivo os torna melhor que os demais. Felizmente estas atitudes não conseguiram acabar com toda a diversão e alegria proporcionada pelo esporte.

Uh, é Alcateia! O Diretório Acadêmico parabeniza os membros da Atlética pela organização e pelo trabalho dedicado para que tudo tenha acontecido da melhor maneira para a delegação Cefetiana. Também, agradecemos a todos que compareceram fazendo nossa torcida cada vez mais bonita e empolgada. Acreditamos que, nos próximos jogos, teremos resultados cada vez melhores não só nas quadras, mas também nas salas de aula e na política brasileira.


Folha do Cefet_agosto