Issuu on Google+

Revista

SEMMEDIDA writers Editora

Comunicação

Ano 1 - Nº 3 - Setembro de 2009

Para quem não tem medo da fita métrica

Gastronomia

Um japonês com charme e originalidade

Bebidas

Saiba como são criados os vinhos

Estilo

Dicas para seu cabelo enfrentar o próximo verão Pronta para ganhar as passarelas do mundo

Nicole Guimarães


2 |SEM MEDIDA


Sucesso Antonio Larghi

ele não acontece sem competência

A

Revista

SEMMEDIDA Para quem não tem medo da fita métrica

“Sem” Preposição Ausência de condição necessária. “Medida” Substantivo feminino O que não pode ou não deve ser ultrapassado; limite, termo.

A revista Sem Medida é uma publicação eletrônica periódica editada pela Writers Editora e Comunicação Ltda., de acesso gratuito através do web site: www. semmedida.com.br. Os artigos publicados aqui não refletem, necessariamente, as posições ideológicas do projeto e da editora e são de inteira responsabilidade de seus autores. Editores Roberto Paes e Francisco Reis contato@semmedida.com.br Jornalista responsável Francisco Reis (MTb: 14.887) freis@semmedida.com.br Comercialização Rafael Steinhoff rsteinhoff@semmedida.com.br Writers Editora e Comunicação Ltda. Rua Prof. Guilherme B. Sabino, 1347 Cj 112 - Jd. Marajoara - São Paulo - SP Cep: 04678-002 Tel.: 55 (11) 3729-3534 ou 36284825 Web site: www.writers.com.br E-mail: contato@writers.com.br

revista que era Large Lovers, passou a se chamar “Algo a mais” e, depois, em respeito à propriedade de uma marca já existente, a “Algo mais”,a se chamar Sem Medida. E esperamos que este seja o nome definitivo desta revista. Afinal, segundo uma pesquisa feita por nossos advogados no Intituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI), esta marca não existe. Ou melhor, agora passa a existir. O importante é que vocês saibam que seja qual for o nome desta publicação, seu conteúdo permanecerá o mesmo, sempre dirigido a um “público de peso”, que nos tem apoiado e que cresce a cada dia. Aliás, por falar em crescimento, a última edição da revista teve mais de 5 mil acessos e, nos últimos três dias, mesmo sem ainda termos disponibilizado esta nova edição, alcançamos uma média diária de 100 visitas ao site. Nossa meta inicial era a de “trabalharmos no vermelho” por nada menos do que 12 meses e, só a partir daí comercializarmos espaços publicitários em nosso web site e em nossas páginas. Mas, como estamos indo de vento em popa, decidimos antecipar este projeto e colocar o departamento comercial para trabalhar. Além do apoio recebido pelos leitores também temos notado um alto grau de receptividade por parte de empresas e profissionais aos nossos pedidos de entrevista. Uma demonstração disto, está expressa na resposta que a Kauê Modas, uma das gigantes do ramo de vestuário plus size, nos enviou esta semana, depois de receberem nosso pedido. “Ficamos positivamente surpresos com um trabalho tão profissional e interessante nessa área. Estamos à inteira disposição para essa entrevista.” A capa desta edição traz Nicole Guimarães, uma das vencedoras do concurso Plus Size Models Guide, o nosso guia de modelos que estreará em meados de outubro, com mais de 30 mulheres que toda empresa gostaria de ver anunciando seus produtos. Além disso, apresentamos o “Dia de Modelo”, uma iniciativa fantástica criada pelo blog Mulherão. Apresentamos um restaurante japonês onde preparar a culinária nipônica se tornou uma arte. Explicamos como se produz o vinho, entrevistamos uma profissional especializada em coaching, mostramos como manter o peso e ao mesmo tempo esbanjar saúde e falamos sobre cabelos numa reportagem feita com os profissionais do salão Tampopo, em São Paulo. Além disso, uma notícia de última hora que merece destaque, é a realização do 1º Concurso de Dança do Ventre do web site Gordinhas Lindas, do qual Sem Medida será um dos patrocinadores e a revista oficial do evento. O concurso dará às vencedoras, um prêmio no valor de 2 mil reais, em vale-compras que poderão ser trocados por roupas e acessórios, na Kauê Modas, Lepoque Moda Feminina em Tamanhos Grandes, GG Sexy Lingerie e por bijuterias da designer paulista de jóias Celina Lulai, que aceitaram gentilmente o convite desta revista para patrocinar o concurso. Tenham todos uma agradável leitura, com a certeza de que todos os dias os profissionais que fazem esta revista levantam e vão dormir pensando em que assuntos nossos leitores gostariam de ver estampados nas páginas da sua Sem Medida. Roberto Paes

SEM MEDIDA| 3


Índice 6 Perfil

18 Comida

Divulgação

Coaching 60

Saúde 72


28 Bebida

36 Dia de modelo

Compras 68

Cabelo 72


Nicole Guimarães ela está pronta para brilhar nas passarelas Texto: da Redação | Imagens: Antonio Larghi

6 |SEM MEDIDA


O mundo fashion sempre encantou a todos com uma imagem de glamour e muito dinheiro, mas ao mesmo tempo, de futilidade. No universo das modelos plus size isso não é verdade, pois Nicole Guimarães, além da beleza, mostra para quem quiser ver sua inteligência e maturidade.

SEM MEDIDA| 7


8 |SEM MEDIDA


O

Bom, quando comento que sou modelo, recebo aquele olhar de cima embaixo, mais devagar, é claro, na área do abdomen (risos). Mas eu levo numa boa, já gostava de mim antes, agora, gosto mais ainda.

dia marcado para a sessão de fotos com Nicole Guimarães amanheceu ensolarado como há muito tempo não se via em São Paulo. Em compensação, o trânsito estava horrível e o percurso da rodoviária do Tietê, onde Nicole chegou vinda de Mogi das Cruzes, cidade do interior de São Paulo, até à redação da Revista demorou nada menos que duas horas. Tempo suficiente para que pudéssemos conhecer melhor uma das modelos ganhadoras do primeiro concurso do Plus Size Models Guide. Entre um congestionamento e outro, Nicole contou que já trabalha como modelo plus size, participou de várias seleções para fotos e desfiles e que o glamour e o sonho de se fazer fortuna nas passarelas é algo que, quem sabe, venha com o tempo. De imediato, o que uma modelo tem que enfrentar são horas e horas à espera do teste e cachês que às vezes não compensam nem sequer levantar da cama. Mas isso não faz com que esta filha de gaúchos e com traços bem definidos perca o bom humor e, muito menos, deixe de pensar no futuro. Nicole está com 22 anos e em breve vai se formar em Ciências Biológicas. Depois pretende fazer um mestrado em Biologia Funcional pela Universidade Federal de Campinas, a Unicamp. Ela trabalha, e isso não deixa de ser irônico, como estagiária em um laboratório de pesquisa que estuda distúrbios do metabolismo, como, por exemplo, a obesidade. Nicole conta que, assim como a maioria das modelos plus size, começou na carreira por acaso, posando para um catálogo de roupas. Ela diz que só decidiu se dedicar ao mundo da moda depois de ver os resultados destas fotos, mas mesmo assim, com algumas dúvidas em mente. Seu próximo passo foi procurar agências de modelo. Ela diz que encontrou “algumas idôneas e outras nem tanto”. “Este segmento da moda, o das modelos plus size, está surgindo agora e de forma um pouco desordenada. Algumas mulheres com perfil, outras não, mas algumas agências se interessam somente nas taxas de agenciamento ou na confecção do book que é cobrada, não importando

SEM MEDIDA| 9


se a pessoa tem ou não perfil. Temos que tomar muito cuidado neste meio. Felizmente, ao conhecer a forma de trabalho que o Plus Size Models Guide pretende utilizar, me senti mais segura, pois os interesses se aliam, haverá progresso quando houver trabalho e todo mundo ganha. Simples e justo”, afirma Nicole. Ela nos contou que conheceu a proposta do PSMG através de um link que recebeu e que fora postado em uma comunidade do Orkut. E, quando perguntamos o que ela esperava do concurso, com o olhar muito sério ela afirma: “Honestamente? Nada (risos). Estava tão acostumada a divulgar meu material sozinha, tentar conseguir trabalhos e me frustrar por isso, que achei que não iria ganhar por não ser famosa, ou por ter pouca experiência”, diz Nicole. No entanto, quando recebeu a mensagem de que havia sido escolhida, ela disse ter se sentido lisonjeada e realmente especial. E não era para menos. Em dois meses de andamento, o Plus Size Models Guide recebeu mais de 370 inscrições de participantes plus size de todo o Brasil. Roberto Paes, editor da revista Sem Medida e responsável pelo concurso, conta que as primeiras peneiras foram simples, mas diz que quando chegaram ao momento final, onde tinham que escolher apenas dois ganhadores, a situação se complicou porque todos, à sua maneira, mostravam uma beleza sem igual. O resultado da dúvida é que os responsáveis decidiram apenas divulgar que duas modelos ganharam em cada categoria, mas não disseram quem foi a primeira ou a segunda e, numa das categorias, eles quebraram a regra e aprovaram um número maior de candidatos. Apesar de não dizer abertamente, Nicole deve ter ficado orgulhosa de ter sido uma das vencedoras. E, além de fazer parte do primeiro grupo que irá estrear no Guia, ela também recebeu como prêmio, uma sessão de fotos gratuitas, um book que será usado pelo Guia e que ela também poderá usar para distribuir suas imagens por outras agências de modelo. A sessão de fotos começou às 11 horas da manhã e terminou às 2 da tarde. Foram mais de 160 fotos produzidas pelo fo-

10 |SEM MEDIDA

A moda grande não deveria se limitar a fazer roupas grandes. O corte também deve ser diferenciado, algo que as grandes marcas não fazem. A mesma calça 36 é feita no manequim 46 e ela não tem como vestir bem aos dois tamanhos de manequins.


SEM MEDIDA| 11


12 |SEM MEDIDA


Felizmente, ao conhecer a forma de trabalho que o Plus Size Models Guide pretende utilizar, me senti mais segura, pois os interesses se aliam. Haverá progresso quando houver trabalho e todo mundo ganha. Simples e justo.

tógrafo Antonio Larghi. Ele é um fotografo acostumado a clicar pessoas, sejam elas modelos, profissionais de diversos setores empresarias brasileiros e até mesmo artistas de sucesso. Antonio conta que nas primeiras fotos, tanto ele quanto Nicole, estavam nervosos, um estudando o outro. Mas depois, afirma que os dois se soltaram e ele não conseguia parar de clicar. “A Nicole foi a primeira modelo vencedora que eu fotografei e não há como negar que estava nervoso. Porém, quando percebi que praticamente não precisava pedir a ela para fazer nada, compreendi que estava com alguém que sabia o que estava fazendo”, conta o fotógrafo. Segundo Antônio, Nicole tem um ar sério, penetrante e seus olhos são quase como dois ímãs, de onde não se pode parar de olhar. “Nicole tem presença de espírito e seu rosto mostra uma beleza madura, algo difícil de se encontrar em uma modelo de apenas 22 anos”, diz ele. Depois da sessão de fotos para o Guia, enquanto tomava um suco e se preparava para voltar para casa, Nicole falou sobre o que espera desta sua segunda carreira. “Comecei com a intenção de ter uma renda extra enquanto ainda estou estudando, mas, depois, ao ver as possibilidades que este novo mercado pode me oferecer e o quanto há além da moda para se explorar, passei a considerá-la como parte inseparável da minha vida”. Mas ela sabe que o caminho a percorrer é longo porque o mercado para as modelos plus size está praticamente nascendo. Nicole mesmo já sofreu na pele o preconceito. “Bom, quando comento que sou modelo, recebo aquele olhar de cima embaixo, mais devagar, é claro, na área do abdomen (risos). Mas eu levo numa boa, já gostava de mim antes, agora, gosto mais ainda”. Quando perguntamos a Nicole o porquê desta repentina valorização das modelos plus size, ela não pára sequer para respirar e dispara: “porque somos a maioria. Já estava na hora de sentirmos que merecemos nosso espaço na mídia e na publicidade, afinal, somos, e eu me incluo na lista, consumidores. E como. Pode parecer conversa de louca, eu sei, mas acredito que

SEM MEDIDA| 13


estamos nos aproximando de uma era de respeito ao próximo e a si mesmo, de auto aceitação, onde todos poderão ocupar o seu lugar”, diz Nicole. “Há muito preconceito contra quem está acima do peso sim, principalmente por ser um aspecto que também se refere à saúde. Muitos nos tratam como se fôssemos apenas fruto do nosso estilo de vida. Trabalho em pesquisa sobre a temática da obesidade e ela é uma questão de saúde pública relevante, mas isso não deve ser generalizado. Isso não torna a questão da conta dos outros. Muitas vezes estar acima do peso é uma questão de biotipo, podem ser fatores genéticos e ambientais, mas todos se apressam em dizer que é relaxo. Eu acho que isso é simplificar demais a questão”, desabafa a modelo. “E, mesmo se for, não podemos ser julgados por isso”, completa Nicole. “As pessoas vêem o gordo como gordo e ponto. Você não é mulher, homem, loira, morena, negro ou branco, passa a ser o gordo. Um dia estava em uma agência e fui atendida por uma moça que tinha os cabelos mais vermelhos que eu já tinha visto, depois de alguma demora, conversei com outra atendente e ela me perguntou quem havia me atendido. Eu respondi que não lembrava o nome e ela me perguntou: ‘era uma bem gordinha?’ Juro que pelo balcão não tinha a menor idéia se a moça era gorda ou não e então disse: era uma ruiva, e ela respondeu: ‘isso mesmo, a gordinha’, é mole?”, pergunta Nicole. Nicole ri bastante e diz que tem uma relação muito aberta com a comida: “ela quer entrar. Então ela é muito bem vinda”. Mas, refeita das gargalhadas que dá, a modelo diz que não se discuida da saúde. “Sou ovolacto-vegetariana, ou seja, como ovos, leite e derivados e vegetais, e vejo tantos olhares de espanto por ser gorda e vegetariana quanto por ser gorda e modelo”, diz Nicole. “As pessoas vêem um gordo comendo um lanche com olhos de quem vê alguém usando drogas. Isso me aborrece, afinal, existem muitas pessoas ditas “normais” e que têm hábitos de saúde piores e que eu acho que não engordam por ruindade”, desabafa Nicole rindo.

14 |SEM MEDIDA

Há muito preconceito contra quem está acima do peso sim, principalmente por ser um aspecto que também se refere à saúde. Muitos nos tratam como se fôssemos apenas fruto do nosso estilo de vida.


SEM MEDIDA| 15


16 |SEM MEDIDA


...O segmento das modelos plus size, está surgindo agora e de forma um pouco desordenada. Algumas mulheres com perfil, outras não, mas algumas agências se interessam somente nas taxas de agenciamento ou na confecção do book que é cobrada...

Vivendo no mundo da moda plus size Nicole acompanha de perto tudo o que se produz para quem usa tamanhos grandes. Para ela, a questão da moda feminina para gordas é algo complicado. “As poucas lojas que trabalham com diversos manequins têm nos tamanhos maiores só modelitos que fazem com que a gente se sinta uma tia-avó. Com raras exceções, o que se encontra são roupas que literalmente ensacam a mulher e não realçam nossos pontos fortes”, diz Nicole. “A moda grande não deveria se limitar a fazer roupas grandes. O corte também deve ser diferenciado, algo que as grandes marcas normalmente não fazem. A mesma calça 36 é feita no manequim 46 e ela não tem como vestir bem aos dois tamanhos de manequins”, explica a modelo. Mas Nicole afirma que está ficando mais esperançosa quanto a tudo isso. “Acredito que o crescimento do segmento de modelagem plus size e da moda grande ocorrerá simultaneamente e que um dependerá do outro. Afinal, os consumidores estão passando a exigir seu espaço nas vitrines e nos catálogos e desfiles e as empresas devem estar preparadas”, conclui Nicole Guimarães. Depois de perguntar praticamente tudo o que era possível à Nicole e quando já estávamos chegando na rodoviária, perguntamos: por que você acha que foi escolhida pelos jurados do PSMG? Já mais acostumada às perguntas e muito mais descontraída, Nicole respondeu que isso se deve ao fato de ela ter um visual, que além de belo é interessante e por ela demonstrar personalidade. “Minhas fotos demonstram o quanto eu me sinto bem com a minha imagem, e acho que isto se assemelha muito com os ideais do Guia”. De volta à redação, quando perguntamos a Roberto Paes e a Antonio Larghi o que mais os havia impressionado e determinado a escolha de Nicole para participar do PSMG, ambos foram categóricos em dizer que a personalidade madura que ela demonstra em suas poses. “Quando olhei as imagens dela, tive certeza de que qualquer produto anunciado por ela poderia contar com a credibilidade que Nicole é capaz de transmitir”, explica Roberto.

SEM MEDIDA| 17


Original Shundi a culinária japonesa em seu estado de arte Texto: da Redação | Imagens: divulgação

18 |SEM MEDIDA


Nos últimos anos, São Paulo assistiu ao nascimento e morte de uma centena de restaurantes japoneses. A gastronomia oriental se curvou à lei de Darwin e apenas os melhores sobreviveram. O Original Shundi é um daqueles bravos samurais que não deu sinais de fraqueza.

SEM MEDIDA| 19


I

naugurado há dois anos, o Original Shundi encanta e atrai aquele aficionado por gastronomia ávido por iguarias exóticas e que, além disso, gosta de frequentar um lugar agradável e sofisticado. Ele oferece pratos incomuns, muitos deles preparados com ingredientes importados, algo que não se encontra com frequência em outros restaurantes japoneses. E, como se não bastasse, quem controla as afiadíssimas facas do Shundi, agora é o sushiman Ronaldo Imai, pupilo do próprio Shundi Kobayashi. A cozinha do Original Shundi é elaborada com a fusão de ingredientes internacionais com o estilo contemporâneo que Shundi criou ao longo de seus 30 anos como sushiman. Mesmo assim, para os clientes sem disposição para se aventurar pela vertente original do cardápio, há opções baseadas na culinária japonesa tradicional, escola na qual Shundi se formou. Ronaldo, que já trabalhou com ele em outras casas, admite que aprendeu muito com Shundi e seu trabalho somará à casa seu estilo ousado e inovador. A maneira com que o restaurante mais gosta de apresentar suas sugestões é em menu degustação, onde são reunidas diversas criações do dia. Só para citar algumas, porque a variedade é grande, de acordo com os ingredientes que encontra disponíveis quando o chef vai às compras, está o carpaccio de polvo, o sashimi de toro - barriga do atum e de Vieira, a salada de iguarias com salmão, alevinos, ovas de peixe voador, barbatana de tubarão, águaviva e minipolvo, as cavalinhas marinadas ou grelhadas e mais 500 combinações diferentes que Shundi garante criar. São cinco opções de especialidades, com preços que variam entre R$ 80,00

20 |SEM MEDIDA


SEM MEDIDA| 21


22 |SEM MEDIDA


e R$ 320,00, formado por porções individuais com 8 a 20 pratos diferentes, em pequenas quantidades, para delícia dos amantes da culinária japonesa, variando entre frios e quentes. Mas o cardápio também respeita a atual situação econômica e oferece pratos com preços bastante convidativos. Entre eles, os clientes poderão encontrar o carpaccio de anchova negra defumada (R$ 30,00), o tempurá de salmão com caviar (R$ 55,00), o sashimi space suna - atum selado, temperado com pimenta sete sabores, azeite e limão (R$ 35,00), as porções de Battera - sushi prensado na forma com oito unidades (R$ 38,00 a R$ 65,00) e o tyapon sopa de macarrão lamen com legumes e frutos do mar (R$ 38,00). No campo das sobremesas, o que não é a especialidade desta culinária, Ronaldo criou algumas delícias que completam muito bem a refeição. Claro que oferecem a animitsu, sobremesa típica japonesa feita com gelatina e feijão (R$ 18,00), mas a banana empanada com corn flakes e sorvete ou frutas vermelhas flambadas com pimenta, servidas em cestinhas de massa de rolinho primavera e acompanhadas de sorvete de gengibre é um arraso, tanto para o visual quanto para o paladar. A beleza dos pratos, com suas lindas cores e formatos cuidadosamente desenhados, se completa com a original seleção de louças onde cada iguaria é servida. Todas foram garimpadas em antiquários da cidade. São diferentes uma das outras e oferecem uma agradável surpresa a cada prato servido, imprimindo uma refinada personalidade à casa que se contrapõem com os descolados suplás em formato de disco de vinil. As especialidades são servidas dentro de uma grande peça de cerâ-

SEM MEDIDA| 23


mica chinesa que serve de moldura para cada novo prato que trazem. Muito originais também são as duas adegas que a casa exibe logo na sua entrada, uma de vinhos e outra de sakê onde se encontram 40 rótulos diferentes, como os importados Junmai Daí Ginjo e Kassen, vendido com exclusividade no restaurante. Na adega climatizada de vinhos, são 30 rótulos, priorizando espumantes e brancos por sua melhor harmonização com a culinária japonesa. Visitar o Original Shundi é prazeroso em vários aspectos, começando pela decoração, concebida na contramão do que se costuma ver nos japoneses tradicionais. De forma inacreditável, a casa mescla harmoniosamente o clássico, o moderno e o oriental num tom monocromático. A ambientação é marcada por três elementos contrastantes como o revestimento madeira nas paredes, tijolo aparente coberto por um grande gradio de ferro trabalhado, piso de cimento e teto com pequenas toras de madeira. Atrás do sushibar, estão nichos com grades, peças orientais de antiquários em porcelana, algumas estatuetas e esculturas. As curiosas luminárias, que de longe parecem bambu ou algum elemento japonês, são feitas de calhas de alumínio usadas normalmente para conduzir fiação. As mesas do bar e duas grandes mesas redondas do salão têm o tampo feito de um belo mosaico com estilo oriental. Mas essa sobriedade é quebrada de forma ímpar por enormes telas brancas, do artista plástico Gustavo Rosa, com pinturas coloridas e divertidas que dão vida às paredes de madeira. A casa tem três ambientes. Uma antesala bar, o salão principal onde fica o balcão de sushibar e uma terceira sala ao fun-

24 |SEM MEDIDA


SEM MEDIDA| 25


26 |SEM MEDIDA


do onde, à noite, a música é cuidada por um DJ e vai ficando mais animada com o passar das horas, funcionando como uma pré-balada para quem ainda vai cair na noite. Mas não vá embora sem antes visitar a cozinha e os toaletes, e se puder, os dois. O caminho que passa pela cozinha e leva ao andar de cima onde ficam seis salas de almoço reservadas e fechadas, tem suas paredes todas preenchidas por pinturas em cores vibrantes feitas pela artista plástica Isabele Tuchband, até dentro dos espaços reservados. Os divertidos toaletes têm suas paredes revestidas por colagem de fotos de lindas mulheres como Marilyn Monroe, Sophia Loren e até Rita Lee, no masculino. No feminino, homens famosos de Tom Cruise ao Papa João Paulo II. Todas elas mescladas com algumas fotos do Shundi, salpicadas no meio destas celebridades. O Original Shundi fica na Rua Dr. Mário Ferraz, 490, no bairro do Itaim Bibi, em São Paulo. Seu horário de funcionamento é das 12h00 às 15h00 e das 20h00 às 01h00, de segunda a sexta-feira. Aos sábados, o Original Shundi abre para o almoço das 13h00 às 17h00 e das 20h00 a 01h00 para o jantar. Nos domingos, a única mudança está no horário de fechamento, às 23h00, em vez da 01h00 da manhã. Para facilitar a vida dos clientes, a casa aceita todos os cartões de crédito além dos tickets Visa Vale, Ticket Restaurante e VR e possui serviço de Valet por R$12,00 no almoço de segunda a sexta-feira e R$15,00 nos demais horários. Para conhecer melhor o Original Shundi acesse o site em www.originalshundi.com.br e para fazer sua reserva, ligue para o telefone: (11) 3079-0736.

SEM MEDIDA| 27


Vinho

uma bebida que está entre nós há muito tempo Texto: da Redação | Imagens: Wikimedia Commons

De todas as bebidas alcoólicas que se tem notícia, o vinho é de longe o mais velho companheiro da humanidade. Evidências arqueológicas indicam que ele surgiu há mais de sete mil anos, na mesma região em que Noé encalhou sua arca após o dilúvio.

28 |SEM MEDIDA


Wikimedia Commons/Jon Sullivan

SEM MEDIDA| 29


O castelo (chateau) que abriga a sede da Margaux, na região de Bordeaux, se tornou parte do rótulo destes vinhos que são o sonho de consumo de qualquer aficionado pela bebida.

A

responsável pelo vinho ser o predecessor de todas as outras bebidas alcoólicas que conhecemos, com certeza é a mãe natureza. Afinal, junto com as uvas, ela também forneceu tudo o que era necessário para que o suco desta fruta se transformasse em vinho. Ele é uma bebida que surge através da fermentação alcoólica, ou seja, o açúcar que está presente no suco extraído da uva, em contato com leveduras que estão depositadas na casca desta fruta, iniciam o processo de fermentação que transforma açúcar em álcool e, voilá, onde antes tínhamos suco de uva, agora temos o vinho. Isso é ou não é uma bela mãozinha da mãe natureza? É claro que o vinho daquela época não se compara à bebida que compramos hoje em supermercados ou em lojas especializadas. À medida que o conhecimento humano aumentou, acabamos por aprimorar as técnicas de plantio da videira, passamos a selecionar espécies mais adaptadas às regiões onde se produz o vinho e as leveduras. Atualmente ele é produzido em praticamente todos os continentes, em regiões que os especialistas chamam de “velho mundo do vinho”, que compreende países como a França, Espanha, Portugal e Alemanha, além de outros, todos localizados na Europa. E, o “novo mundo do vinho”, onde estão países como Brasil, Uruguai, Argentina, Chile, Estados Unidos, África do Sul e a Austrália. O apelido de velho mundo, no caso do vinho, não é uma referência

30 |SEM MEDIDA

à Europa como um continente antigo, mas refere-se ao local onde o vinho, como o conhecemos, nasceu. As primeiras parreiras surgiram no Oriente Médio, onde hoje está o Irã, e de lá viajaram para o norte da África, passaram pela Grécia, pela Itália e, finalmente chegaram ao seu berço, a França. De lá, foram levadas para a Espanha, Portugal, Alemanha e outros países. Na época das descobertas marítimas, não é difícil imaginar que algumas mudas tenham embarcado nas naus portuguesas e espanholas e tenham vindo parar na recém-descoberta América do Sul e do Norte. No Brasil, por exemplo, foi a imigração italiana, direcionada para o sul do País, que trouxe as parreiras e o hábito de se fazer vinhos para nossas terras. Uma vida de altos e baixos Na Europa da idade média, o vinho caiu nas graças da realeza e tornou-se a principal bebida das cortes. Monarcas de toda a Europa mantinham barris e mais barris de vinho em seus castelos. Naquela época, o vinho era produzido por pequenos agricultores e, mais tarde, passou a ser feito também pela igreja. Os vinhos franceses começaram a ganhar destaque na Europa. Bordeaux passou a exportar seus vinhos para outros países da Europa e a produção da Borgonha e de Champagne também ganharam seu destaque. Tudo ia bem com esta bebida ancestral até o dia em que as videiras fizeram seu caminho de volta do novo para o ve-


Wikimedia Commons/Benjamin Zingg

SEM MEDIDA| 31


Wikimedia Commons/Benja

32 |SEM MEDIDA


amin Zingg

lho mundo e, com elas, chegou à Europa, a philoxera, uma espécie de pulgão que se alimenta das raízes da vitis vinífera, o tipo de videira usado para produzir vinhos de alta qualidade. Em pouco tempo esta praga praticamente dizimou as plantações de uvas e interrompeu a produção de vinhos na Europa. Com isto, outras bebidas se popularizaram, como, por exemplo, a cerveja e o whisky. Depois de algum tempo, descobriu-se que a philoxera não causava danos à parreiras de espécies não adequadas para a produção de vinho e logo se pensou em fazer um enxerto entre as duas espécies. As raízes e parte do caule pertenciam à videira do novo mundo e a parte superior, que daria os frutos, era da espécie vinífera. Isso deu certo e praticamente em todo o mundo só se usam plantas com este tipo de enxerto para se produzir as uvas que são utilizadas para a produção de vinho. Contornado o problema, o vinho do velho mundo ainda passou por dois grandes abalos, na primeira e na segunda grandes guerras mundiais. Neste meio tempo, o vinho europeu também assistiu ao surgimento de concorrentes de peso no novo mundo. Chile e Argentina passaram a investir na qualidade de suas videiras e em processos produtivos modernos e, como resultado, passaram a comercializar seus produtos para diversos países do mundo. A Califórnia, nos Estados Unidos, também entrou na briga, juntamente com a África do Sul e a Austrália. Os vinhos europeus, de ótima qualidade, mas

de preços altos, tiveram que concorrer com produtos de qualidade inferior, mas com preços muito mais palatáveis. Varietais versus assemblage A palavra assemblage, em francês, significa mistura. No mundo do vinho, mistura significa criar um vinho a partir da mistura de outros vinhos, feitos com espécies diferentes de uvas. Um vinho feito na região de Bordeaux, por exemplo, segue a regra de misturar vinhos feitos com as uvas Cabernet Sauvignon, Cabernet Franc e Merlot. A isso se dá o nome de “corte bordalês”. A intenção disso é fazer um vinho que alie as qualidades de cada uma destas espécies num único produto. E, neste sentido, os europeus são mestres nesta arte. Já, o novo mundo, que não contava com a experiência dos europeus para fazer assemblages, decidiu então, fazer seus vinhos usando apenas uma espécie de uva e é daí que surge a palavra “varietal” ou “mono-varietal”. Como vinhos mais baratos e de boa qualidade, os varietais tomaram o mundo de assalto a ponto de os novos apreciadores do vinho sequer saberem o que é um vinho de assemblage. Porém, passadas algumas décadas, os produtores do novo mundo adquiriram experiência e passaram a fazer seus cortes também. Com isso, hoje é fácil encontrar vinhos que em seus rótulos trazem a denominação de duas, três, quatro ou mais uvas. O uso abusivo de barris de carvalho também encontrou seu ponto de equilíbrio nestes

Ao fundo, a torre (la tour) que dá nome ao vinho deste chateau e, guardadas por ela, as parreiras de onde se origina um dos cinco melhores vinhos da França e apreciado no mundo inteiro. SEM MEDIDA| 33


O Chateau D’Yquem tornou-se famoso por criar um dos mais saborosos vinhos de sobremsa do mundo, que descansam por 10 anos antes de serem colocados à venda. produtores e os apreciadores da bebida descobriram o encanto que a variedade, em vez da similaridade, pode trazer. Vinhos vendidos em leilão Não é porque a França é a mãe do vinho, que tudo o que se faz por lá é perfeito. Para separar o que é bom do que é medíocre, o governo francês e os governos de muitos outros países criaram leis que regulamentam e garantem a origem de seus vinhos. É por isso que ao comprarmos um vinho francês encontramos em seu rótulo, por exemplo, a frase “Appélation d’Origine Contrôllé”, traduzindo: apelação de origem controlada. Além desta classificação, foram criadas muitas outras e, através de todas elas, pode-se ter uma idéia daquilo que se está tomando. Bordeaux é uma apelação de origem controlada, mas comprar um vinho que traga esta denominação, por si só, não é sinônimo de qualidade. Nesta apelação ainda existem subdivisões, como o Médoc e o Haut Médoc, Graves, Sauternes e Barsac, St.-Émilion e o Pomerol. Indo mais fundo, dentro de cada uma destas subdivisões pode-se optar por um Gran Cru, os Premiere Gran e os Premiere Gran Cru Classe. Isso pode parecer complicado, mas dá uma idéia real da variação de qualidade que se pode encontrar num vinho francês. Para conhecer o que há de melhor na França, às vezes deve-se gastar o que alguns considerariam uma pequena fortuna e, com isso, tomar uma garrafa de Cha-

34 |SEM MEDIDA

teau Mouton Rotschild, um Chateau Margaux, um Chateau Haut-Brion, um Chateau d’Yquem e o vinho mais apreciado pelo nosso presidente, o Romanée-Conti. Uma garrafa de La Tache, um dos vinhos deste último produtor, datada de 1974, se for encontrada, não custará menos do que seis mil reais. Algumas destas vinícolas comercializam suas safras nas bolsas de valores, antes mesmo que seus vinhos sejam feitos, depois de prontos, alguns deles sequer chegam às lojas e são leiloados em casas como a Sothebys, de Londres. Por curiosidade, no dia 23 de setembro, foram leiloadas 12 garrafas de Chateau Lafite, safra 1986 e os lances iniciais para cada garrafa foram fixados em US$ 9.800,00. Se você quiser saber o rsultado, visite o site do leiloeiro em www.sothebys.com. É claro que não se vive apenas de vinhos franceses de primeira linha. Tanto lá, como em outros países produtores, podese encontrar vinhos de boa qualidade e a preços não tão aterrorizantes. No Brasil, existem diversas revistas especializadas em vinho e jornalistas que se empenham em procurar boas marcas por ótimos preços. Nestas publicações é possível encontrar entrevistas com produtores, análises de regiões onde se faz vinho, avaliações de vinhos específicos e uma série de informações tanto para quem se interessa quanto para quem já se deixou levar pelo vinho. Uma delas é a revista DiVino e seu endereço na internet é o www.revistadivino. com.br. Vele a pena passar por lá.


Wikimedia Commons/Benjamin Zingg

SEM MEDIDA| 35


Somos lindas

mulheres plus size mostram sua beleza incontestável Texto: da Redação | Imagens: divulgação/Hilton Costa

36 |SEM MEDIDA


A maioria das mulheres sonha em ter um book, ser modelo e atriz. Mas quando ela é plus size, a situação pode mudar. Mas graças ao blog Mulherão, agora elas conseguem espaço para mostrar sua beleza.

SEM MEDIDA| 37


38 |SEM MEDIDA


O

trabalho nas passarelas é altamente competitivo. Uma top model tem que ralar muito até conseguir seu espaço. E o caminho começa por um book. Um álbum com fotos muito bem produzidas e com a modelo maquiada e vestida por maquiadores e figurinistas profissionais. Depois de toda a produção, é necessário um fotógrafo de primeira linha que consiga fotografar não apenas a modelo, mas a alma, o que ela tem de melhor. Para isso, além de equipamentos de última geração, é necessário um fotógrafo especializado nesse tipo de trabalho, com muita experiência e sensibilidade. Não é apenas um “apertador de botão”. Mas para se ter essa equipe montada, existe um custo. Um alto custo. E aí começam as dificuldades para as lindas meninas que têm as medidas perfeitas. Para elas conseguirem ter o tão esperado book, a vida não é fácil. E para as “gordinhas”, as dificuldades aumentam. Além do fator financeiro, precisam quebrar o preconceito. E isso está sendo feito.

Aos poucos, mas é um começo. “Muitas leitoras do blog Mulherão me perguntavam se eu conhecia alguém especializado em fazer books para gordinhas”, conta Renata Vaz, autora do blog. “Acabei indicando algumas agências que cobravam caro e não ofereciam atendimento personalizado, que privilegiasse o que a gordinha tem de bom. Então, tive a idéia de eu mesma organizar sessões de fotos para que elas pudessem ter um belo book”. E dessa idéia surgiu o “Dia de Modelo”, uma sessão fotográfica organizada pelo blog Mulherão, para que meninas acima do tamanho 44 possam sentir o gostinho do que é ser modelo plus size por um dia. Um dos diferenciais do Dia de Modelo é a equipe profissional, composta pelo fotógrafo Hilton Costa e pela top plus size Andrea Boschim, que dão todas as dicas de posicionamento frente às câmeras, além de cabeleireiros e maquiadores que atuam com publicidade e TV. A escolha da maquiagem, o visual do cabelo, as poses, as roupas das meninas não são as mesmas das magrinhas. Tudo é milimetricamente estudado para ressaltar a beleza delas. Além do book, que invariavelmente sai como elas sonharam, e muitas vezes, bem melhor do que imaginavam, existe algo tão importante quanto ele. “O grande destaque do Dia de Modelo é a interação entre as participantes”, afirma Renata. “Todas elas chegam cedo, se conhecem, tomam café juntas, ajudam umas às outras a comporem o visual, a tirar as fotos. Viram amigas, uma verdadeira família”. Expandindo mercado E a idéia deu tão certo, que já ocorreram três sessões, duas em São Paulo e uma no Rio de Janeiro. Mas como existem pessoas plus size no Brasil inteiro, Renata Vaz já está programando o Dia de Modelo em Santa Catarina, Paraná, Campo Grande e Minas Gerais. “E até o fim do ano, se Deus quiser, iremos à Fortaleza. A idéia é levar o Dia de Modelo para todos os estados”, afirma Renata. “Para garantir que o resultado das fotos seja o mesmo nos quatro cantos do País, sempre trabalha-

SEM MEDIDA| 39


40 |SEM MEDIDA


SEM MEDIDA| 41


42 |SEM MEDIDA


SEM MEDIDA| 43


mos com a mesma equipe, os mesmos equipamentos e o mesmo tipo e qualidade de infra-estrutura. Se conseguíssemos um patrocínio, poderíamos baixar o valor para cada participante e ampliar o acesso para um número maior de garotas”. Atualmente uma equipe trabalha na préprodução do evento cadastrando as meninas interessadas em participar. É arrecadado um depósito inicial e a equipe sai atrás do empréstimo de roupas, contatos com os profissionais, locação de estúdios etc. O contato entre as participantes é quase que diário, para que elas façam amizade entre si, sintam confiança na equipe e, no dia, se sintam mais soltas e desinibidas.   Além do book Quando o trabalho acaba, todas ficam satisfeitos. Mas ao ver o seu book, as suas fotos de modelo, a satisfação é imensurável. “Todas saem revigoradas, redescobrem o ‘mulherão’ que estava adormecido dentro delas”, afirma Renata Vaz. “Confesso que quando vi o resultado das fotos do primeiro Dia de Modelo, até chorei. Vi meninas simples, que muitos julgariam não ter charme algum, mas que frente à lente das câmeras, transbordaram sensualidade. Não há se quer uma única menina que não fique bem nas fotos. Isso prova que beleza é um estado de espírito. Como concretizar um sonho é maravilhoso para elas, isso reflete no rosto, no olhar, na postura e o resultado final é uma beleza que transborda o corpo, a alma e enche as lentes do fotógrafo em um resultado fantástico”. Mas, apesar de o Dia de Modelo ser para qualquer mulher, de qualquer idade e perfil, ele não vai transformar ninguém em uma modelo profissional. Esse não é o objetivo, mas algumas meninas se destacam e levam jeito para seguir carreira. Nestes casos, Renata costuma indicar algumas agências e produtoras de vídeo que trabalham com modelos plus size. Mas, devido à repercussão do Dia de Modelo, algumas confecções estão procurando a diretora do evento para indicar novos rostos plus size para seus catálogos. Até o momento, quase 50 meninas tive-

44 |SEM MEDIDA

ram seu Dia de Modelo. Para participar, a interessada deve mandar um e-mail para blogmulherao@hotmail.com, dizer qual a sua cidade, nome e telefone que a equipe de produção entra em contato assim que começarem os preparativos para a próxima sessão. Mas como O Dia de Modelo tem custos elevados, é necessário pagar pelo book. O valor para sua produção, varia entre R$400 e R$500. O blog Mulherão Há um ano, Renata Poskus Vaz, uma jornalista de 27 anos, decidiu criar um blog para tentar resgatar a auto-estima. “A princípio, meu objetivo era o de contar a odisséia pelo meu próprio emagrecimento, só que depois fui descobrindo histórias de gordinhas maravilhosas, que se aceitavam e eram plenamente felizes”, conta Renata. “Então percebi que ao invés de tentar emagrecer, me mudar e me encaixar em um padrão criado pela sociedade, novelas e capas de revistas, eu deveria me aceitar e levar esta palavra para outras mulheres


SEM MEDIDA| 45


46 |SEM MEDIDA


SEM MEDIDA| 47


Texto: da Redação | Imagens: WikimediaCommons

48 |SEM MEDIDA


SEM MEDIDA| 49


50 |SEM MEDIDA


como eu, que buscam uma referência, uma identidade”. Dessa tomada de consciência surgiu o blog Mulherão, para mulheres um pouco ou muito acima do peso. Tem como objetivo ajudá-las a serem felizes, muito felizes, assim, do jeito que elas são de verdade. É um manual em que o emagrecimento não é o principal objetivo, mas sim uma vida bem vivida.  É um resgate da auto-estima feminina. O blog traz dicas para aumentar a auto-estima, incentiva a leitora por meio de matérias, a ser uma fera no sexo, valorizar seu tipo físico, cuidar da saúde, ter mais equilíbrio emocional e a se vestir bem. As leitoras do Mulherão, muitas vezes entram no site se sentindo inferiores e, depois, conforme relatos, mudam o comportamento. Percebem que são capazes de conquistar o homem que quiserem, despertam olhares de admiração e inveja em uma festa. Aprendem a se aceitarem, a valorizar o próprio corpo e a reconhecer as qualidades que possuem. Qualidades essas que as tornam mulheres muito especiais.

O blog Mulherão traz depoimentos especiais de mulheres acima do peso, e que são muito poderosas. Elas revelam seus segredos e ensinam como as leitoras podem se tornar um mulherão. Grande sucesso E a identificação do público com o blog tem sido muito grande. Em média, são 40 mil acessos/mês, com o pico de 60 mil quando de sua divulgação na mídia. “Inicialmente, eu escrevia tudo sozinha”, lembra Renata. “Agora tenho diversas colaboradoras como Luciane Russo e Keka Demétrio com matérias de comportamento, Dani Lima e Grazi Matte escrevendo sobre moda e beleza, além de outras leitoras que nos enviam suas histórias de vida e sugestões de pautas”. Mas o Mulherão não é visitado apenas por mulheres. Há muitos maridos que entram no blog e nos deixam recados dizendo que irão indicá-lo para suas esposas por achar as mulheres do blog como bons exemplos. Sentem que suas mulheres estão tristes em casa com o excesso de peso e querem que elas se redescubram. Há também os homens que entram no blog em busca de uma namorada. O sucesso do Mulherão pode ser explicado por alguns motivos. Além do fato de ser escrito por mulheres com conhecimento de causa, chegou em um momento onde a percepção de que o mundo não é feito apenas por magros vem crescendo dia-a-dia. “O gordinho já não é coisa do outro mundo”, garante Renata. “Hoje, se olharmos para o lado, veremos algum gordo. Então, as grandes marcas, empresas e formadores de opinião estão cientes que a comunicação e os produtos precisam ser mais democráticos, falar com este público carente de serviços direcionados para eles e é isso que nós fazemos”. Ela já vê novos produtos, marcas, roupas e veículos de comunicação específicos para gordinhos surgindo, o que é muito bom, segundo ela, pois o número de gordos no Brasil aumentou muito nos últimos anos, e este público precisava ser reconhecido e valorizado.

SEM MEDIDA| 51


52 |SEM MEDIDA


SEM MEDIDA| 53


54 |SEM MEDIDA


SEM MEDIDA| 55


Mas essa mudança não aconteceu por bondade, foi uma conquista. “Acho que as pessoas fora do padrão considerado normal pela sociedade estão mais conscientes dos seus interesses e direitos. Não se envergonham mais por estarem acima do peso, reclamam, vão à luta. Boicotam quem não os valoriza. Enfim, estão mostrando que merecem ser respeitados e que o dinheiro deles vale tanto quanto o de um magrinho”, desabafa Renata. Faltam símbolos Mas ainda falta muito para se conquistar, por exemplo, ídolos, símbolos a serem seguidos. “Não temos mulheres gordinhas na TV”, lembra a criadora do blog Mulherão. “Nossos ídolos são todas esqueléticas. Podemos destacar apenas a Preta Gil como uma musa das gordinhas”, lembra Renata. “Qualquer outra gordinha sempre esta ligada ao humor, à gozação. É como se só valesse a pena ser gordo quando se é engraçado ou quando se aceita ser ridicularizado pelos outros. As modelos plus size vieram acabar com este paradigma. Cheias de luxo, charme e glamour, mostraram que é possível sim, ser bela, linda e deslumbrante mesmo estando acima do peso. As meninas gordinhas brasileiras precisavam se reconhecer nos catálogos de suas confecções”. E o blog vem ajudar as mulheres a se aceitarem e a reconhecer a beleza, independente de peso. Um exemplo disso é a reação que elas têm quando chegam ao blog pela primeira vez. “Lêem depoimentos de gordinhas lindas e maravilhosas que se destacam, que são orgulhosas de si mesmas e parecem não acreditar. É como se fossem tomadas por um ‘sopro’ de esperança e estímulo para mudar a própria vida”, conta Renata. “No blog fazem amizade, deixam de se sentir como ‘coitadinhas’. Às vezes parece que é preciso primeiro olhar o que há de bonito fora, para só depois reconhecer a beleza que há por dentro de nós mesmas. A beleza vem de dentro. Só uma cabeça boa e uma alma iluminada e vigorosa pode transformar o corpo de uma gordinha cabisbaixa em um corpo de um

56 |SEM MEDIDA

mulherão. As leitoras me elogiam, dizem que o blog mudou suas vidas. Mas elas desconhecem que esse relacionamento é de mão dupla, pois elas também mudaram minha vida. Hoje, sou muito mais feliz”. Renata Vaz não acredita que a valorização de corpos e das curvas das mulheres


que trocaram a palavra “saldão” por “sale” ou “oferta” por “off” em suas vitrines. No nosso caso, o uso do plus size dá um certo ar de glamour, requinte, que as gordinhas merecem”.

Renata Poskus Vaz, à esquerda, e Andrea Boschin. As pessoas que tornam o Dia de Modelo uma realidade para as mulheres plus size. plus size possa levar a uma sexualização excessiva. Ela explica que o termo plus size é um termo agradável para se referir às mulheres grandes. “Acho que tenha mais a ver com tamanho de roupa do que com sexo”, garante Renata. “Essa utilização de palavras em inglês é como as lojas

Longo caminho   Mas a valorização dos “mulherões” está apenas no começo. É preciso uma conscientização das confecções para que abrissem os olhos e aumentassem suas grades. “É preciso haver um respeito à numeração e que elas fossem padronizadas”, pleiteia Renata. “Também gostaria que os homens perdessem a vergonha de ter ao lado uma fofinha e que as meninas tivessem orgulho de suas curvas. Gostaria de ver estrelar no horário nobre, uma mocinha de novela mais robusta. Enquanto tudo isso não acontece, continuarei escrevendo, escrevendo... Não para tentar convencer Deus e o mundo de que ser gordinho é legal. Apenas porque legal é ser quem você é, e pronto. Esta é a minha contribuição”. Mas existe uma certa oposição a esse avanço. Renata Faz já foi acusada por alguns médicos de prestar um desserviço à saúde pública. Ela rebate a crítica. “No blog Mulherão, não incentivo ninguém a engordar e nunca fiz apologia à obesidade”, diz. “O que eu quero e enfatizo todos os dias, é que as pessoas se aceitem como são. Quando não se aceitam, fazem dietas malucas para emagrecer, deixam de se alimentar, prejudicam muito mais o organismo do que sendo uma ‘gordinha saudável’. Sim, porque quando se está um pouco acima do peso, mas se tem uma alimentação equilibrada com prática de exercícios e não se tem problemas de saúde, é possível ter uma vida longa e feliz. Muito mais do que mulheres anoréxicas e subnutridas que, aparentemente, podem até parecer saudáveis”. E Renata, com um lindo sorriso nos olhos garante. “A felicidade é o melhor remédio para a vida. Pessoas felizes vivem mais, por mais tempo e com mais qualidade de vida. Enfim, o que vale mais? Ser um magro triste e frustrado ou um gordinho radiante?” 

SEM MEDIDA| 57


Hilton Costa: o olhar de quem está por trás das lentes Um bom equipamento é fundamental para uma boa fotografia. Porém, a sensibilidade e técnica de um bom fotógrafo é ainda mais importante. Por isso, Renata Vaz, diretora do Dia de Modelo, foi buscar Hilton Costa, fotógrafo com grande experiência, para fazer os books. “Sou movido a desafios e encarei isso como um grande desafio, pois iria lidar com modelos sem experiência e algumas situações com a estima muito baixa”, conta Hilton. “Pensei muito na véspera do primeiro ensaio de como deveria fazê-lo. Foi quando resolvi que não faria diferença, levaria o trabalho da mesma forma como sempre levo, com profissionalismo, dedicação, interagindo com a modelo, caprichando nas poses e dando sentimento e alma às imagens na medida em que fôssemos evoluindo no ensaio”. O resultado foi excelente. Todos felizes depois de um trabalho que não é difícil para quem tem a bagagem de Hilton, mas pode ser cansativo. “São entre 12 e 15 modelos por dia. Tem modelos que dão mais trabalho para se soltarem, mas outras fazem isso com prazer e naturalidade. Na soma geral é muito positivo, apesar do cansaço”, diz Hilton que se sente gratificado depois de interagir com a modelo para descontraíla e deixá-la à vontade para que além de fazer uma boa foto, essa imagem tenha alma, passe sentimento de alegria, charme, beleza, sensualidade e elegância além de mexer com quem venha a ver as fotos.

58 |SEM MEDIDA


nacozinha

o na , d a bo aliz Loc ock Lo à o d Had próxim a t , 955 . Paulis av

centro de gastronomia

Chef Carlos Ribeiro

Restaurante de cozinha variada com inspiração brasileira

Salada de folhas e flores

Bobó frito de camarão

Bolinho de arroz com queijo

Acarajé e abará com vatapá

Pastel aberto com pernil desfiado

Filé-mignon com baião-de-dois

Moqueca Paraense

Risoto de rabada desfiada com agrião

Cupim de panela com purê e aipim frito

Lombo de peixe com purê de inhame

Rabanada ao Porto com sorvete

Compotas de frutas com queijos

Cursos para iniciantes e profissionais • Espaço para eventos

eve Faça se nto u Esp cono par aço id sco. a pe e que al gru pos nos

SEM MEDIDA| 59 Rua Haddock Lobo 955 - Jardins - S.Paulo - Tel.: (11) 3063-5374 / 3063-5377 - http://blognacozinha.zip.net


Coaching

um mapa para quem está perdido pelo caminho Texto: da Redação | Imagens: Wikimedia Commons e divulgação


Wikimedia Commons

Todos nรณs temos um grande potencial. E na maioria das vezes nรฃo sabemos explorรก-lo. Nessas horas, nada como a ajuda de uma pessoa especializada, um coach, ou treinador, por exemplo.

SEM MEDIDA| 61


Divulgação

62 |SEM MEDIDA

A

tualmente no Brasil, está começando a emergir um movimento em busca do desenvolvimento pessoal e profissional, que está acima da auto-ajuda ou da própria neurolinguística. Ele envolve a descoberta dos pontos fortes, o conhecimento dos pontos que precisam ser melhorados, o aumento da performance frente aos desafios que a vida nos proporciona e acima de tudo, a realização prática de um plano de vida, que não fique somente na cabeça da pessoa. “Estamos numa era onde as coisas estão acontecendo de maneira muito rápida e precisamos dar e receber respostas rápidas”, avalia Tânia Regina Sanches, psicóloga com pós-graduação em Administração de Recursos Humanos, especialização em Terapias Alternativas pelo Instituto Avathar e Formação em Coaching pela Sociedade Latino Americana de Coaching. Atualmente é coach (profissional que aplica o Coaching) para jovens e adultos e realiza consultoria de Recursos Humanos em processos de seleção e treinamento. “A neurolinguística teve sua alta há alguns anos, como resposta para uma melhora de desempenho através da ‘remodelagem mental’ e hoje ela volta à tona como uma ferramenta muito importante para este desenvolvimento pessoal. Mas veja, ela é uma ferramenta e não uma resposta para tudo o que acontece com uma pessoa. Já a auto-ajuda ainda tem seu filão no mercado e serve de resposta para algumas pessoas. Podemos dizer que o desenvolvimento pessoal que emerge hoje engloba tanto a neurolinguística como a auto-ajuda e transcende estes limites para a realização de práticas que envolvem metodologias e processos que dão resultados efetivos como o Coaching”. O coaching (treinamento em inglês) prega a versão de que o ser humano é um reservatório de possibilidades e sonhos que podem ser explorados de forma adequada e realizados com objetividade e empenho. Vivemos em tempos excitantes. Temos fantásticas possibilidades e queremos explorá-las da melhor forma possível. Apesar de muitos estarem em busca de status, dinheiro ou poder, é fato, que bens materiais não trazem a felicidade plena. Sentimos que


merecemos ser felizes, mas somente o ganho de bens materiais não satisfaz e com isto ficamos desejosos de investir tempo, esforço e dinheiro em nosso aperfeiçoamento interior no sentido de obter mais satisfação em tudo que fazemos. Queremos qualidade de vida, conhecer quem somos de verdade, para que estamos vivos nesta terra, qual a nossa missão e onde podemos chegar. Queremos concretizar nossos sonhos e sermos pessoas melhores que pudermos ser, naquilo que desejamos de mais verdadeiro para nossas vidas. “Quando ficamos desalinhados com aquilo que gostaríamos de estar fazendo e sendo em nossas vidas, nos acomodamos numa posição desconfortável e isto gera desânimos, depressão, doenças, frustração e muitas vezes vícios como forma de extravasar este desconforto”, explica Tânia Regina. “Podemos então realizar uma manobra para alinhar o nosso foco para o real caminho que queremos seguir na vida ou direcionar nossa energia para superar os bloqueios mentais e ir além do que acreditávamos ser possível. E esta manobra pode ser realizada através do coaching”. O coaching é uma relação entre alguém (cliente) que quer e precisa crescer pessoal ou profissionalmente, encontrando soluções para os seus problemas e um orientador treinado (coach), cujo papel é levar a pessoa a alcançar os seus objetivos de desenvolvimento, encontrar as soluções que procura dentro dos recursos pessoais que já tem. O coaching ajuda a pessoa a atingir suas metas e objetivos, através de um trabalho que envolve uma profunda reflexão sobre tudo o que é importante para a pessoa. É focado em ações e envolve o desenvolvimento de competências, equipa a pessoa com ferramentas, conhecimento e oportunidades para expandir. Há o desenho de soluções através de processos e metodologias reais e práticas, o que vai desencadear em um plano de ação muito personalizado e estratégico para a pessoa. Trabalha com mudanças de curto, médio e longo prazos, atuando nas diversas áreas da vida pessoal e profissional, tais como: lazer e diversão, saúde, relacionamentos, área financeira, carreira entre outras.

A neurolinguística teve sua alta há alguns anos, como resposta para uma melhora de desempenho através da ‘remodelagem mental’ e hoje ela volta à tona como uma ferramenta muito importante para este desenvolvimento pessoal. Mas veja, ela é uma ferramenta e não uma resposta para tudo o que acontece com uma pessoa.

No fim, o coaching faz com que a pessoa conheça melhor a si mesma e vislumbre novas opções e caminhos de mudanças que deseja fazer. “O coaching te deixa consciente de tudo que você é capaz”, garante Tânia Regina. “E o que considero um ponto positivo, é que se desenvolve com começo, meio e fim. Na maioria dos casos três a seis meses são suficientes para que o processo se desenrole e deixe a pessoa satisfeita com o trabalho desenvolvido e o plano realizado”. Ela ressalta que o coaching não deve ser confundido com a psicoterapia, pois esta trabalha mais questões voltadas para a saúde mental, aliviando os sintomas psicológicos e físicos. Sua tarefa na maior parte das vezes é entender acontecimentos do passado e resignificar os mesmos para que a pessoa fique consciente do que ocorreu, como ocorreu e por que ocorreu e com isto tire um aprendizado. Já o coaching lida com o crescimento mental do

” SEM MEDIDA| 63


cliente, gerando aumento da consciência, visão focada, capacidade para escolhas e produção de mudanças. Ele explora as possibilidades do presente e desenha um futuro que seja ser mais promissor. Ferramentas de trabalho

O coaching segue diversas abordagens e a metodologia de trabalho é variada. Pode usar a Programação Neuro Linguística (PNL) como ferramenta para identificação das sensações registradas no cérebro, análises comportamentais através de testes de personalidade, interesse, aptidões, planilhas para realização de planejamento que auxiliarão no estabelecimento de metas e objetivos de curto, médio e longo prazo. Mas, a maior ferramenta do coaching, é o diálogo que se realiza em cima de uma escuta atenta por parte do coach e através de perguntas que auxiliem no desenvolvimento da consciência do indivíduo referen-

O coach então vai orientar a pessoa na análise do seu problema e na formulação de suas próprias soluções. Cada indivíduo sabe o que é melhor para si mesmo, então, o melhor autor para as decisões a tomar com relação à carreira e à perspectiva profissional é a própria pessoa. O coach vai ajudá-lo a mapear seu desenvolvimento...

64 |SEM MEDIDA

te às suas habilidades, conhecimentos, competências, ou seja, recursos internos que a pessoa já tem, porém, muitas vezes estão adormecidos ou presos devido a crenças limitantes. As perguntas também são focadas para a conscientização da responsabilidade no sentido de aceitar e assumir as consequências pelas suas decisões, idéias e ações, promovendo uma melhora no aprendizado da própria pessoa. O coaching facilita a compreensão das crenças e dos valores, e a troca de experiências entre o coach (treinador) e a pessoa, incentiva, a compreensão de tudo que o processo proporciona. Há uma análise da situação sob novas perspectivas a fim de ampliar a consciência em relação à situação vivida, fortalecendo assim, a auto-estima. Tânia Regina considera que o processo de coaching depende praticamente de 60% ou mais do cliente, pois é ele quem realmente faz as coisas acontecerem. O coach, segundo ela, atua como um facilitador que se utiliza de técnicas, abordagens e de seu conhecimento pessoal para ajudar o cliente a atingir suas metas, descobrir a chave da virada e obter aquilo a que se propõe. Ele lidera, orienta, guia, aconselha, desenvolve, estimula, impulsiona o aprendiz, mas quem realmente faz a ação, “joga o jogo” é a pessoa. Desenvolvimento profissional Tânia Regina alerta que o mercado profissional atualmente está em total expansão e a habilidade de agregar valor à organização está sendo evidenciada. Buscamse muito os talentos e o que eles podem agregar ao mundo empresarial, para que a empresa tenha um valor competitivo no mercado. “Dentro deste aspecto”, explica ela, “o coaching focado no desenvolvimento de carreira vai trabalhar especificamente as metas relacionadas à experiência profissional e suas eventuais interfaces com a vida pessoal. Estas metas que a pessoa traz, podem estar relacionadas a questões como dificuldade na escolha profissional, redefinição de carreira, insatisfação ocupacional, tomada de decisões relacionadas a


investimento profissional, desenvolvimento de competências ou ampliação das possibilidades de atuação no mercado. O coach então vai orientar a pessoa na análise do seu problema e na formulação de suas próprias soluções. Cada indivíduo sabe o que é melhor para si mesmo, então, o melhor autor para as decisões a tomar com relação à carreira e à perspectiva profissional é a própria pessoa. O coach vai ajudá-lo a mapear seu desenvolvimento profissional, suas competências, encontrar e evidenciar os pontos fortes e elabora um método de trabalho para os pontos que ainda estejam em déficit, para que a pessoa possa atingir um melhor desempenho dentro do aspecto profissional”. Resultados As pessoas que procuram o coaching, normalmente se importam com resultados e elas precisam ter motivação adequada ou ao menos uma iniciativa suficiente para tomar qualquer ação orientada aos objetivos que querem atingir, bem como aos resultados que se propõe atingir. O coaching não é exatamente um tratamento ou treinamento. Ele é uma relação de duas pessoas onde uma se propõe a se conhecer e agir e a outra se propõe a orientar. Se a pessoa não estiver disposta a realizar mudanças em sua vida, o processo de coaching não deslancha. É necessário um comprometimento e um interesse do participante em trilhar o caminho, em desvendar seus obstáculos, em criar suas estratégias, em “jogar o jogo”. E as mudanças que ocorrerem ao longo do caminho serão de total autoria e iniciativa da pessoa e não imposta ou determinada pelo coach. “Não podemos direcionar o vento, mas podemos ajustar as velas como disse Charles Ulysses Porché”, lembra Tânia Regina. “Assim sendo o coaching não prepara o indivíduo para lidar com as mudanças, mas sim, abastece a pessoa de recursos para que ela seja um agente destas mudanças”. Problemas com o peso Com relação a clientes plus size, Tânia

SEM MEDIDA| 65


Regina conta que já atendeu uma pessoa acima do peso e suas dificuldades estavam relacionadas às questões de saúde, ou seja, ela queria e precisava emagrecer para poder se manter saudável, visto que o excesso de peso estava lhe causando alguns problemas. O objetivo dela era entender o que lhe impedia de emagrecer e desenvolver um plano de ação onde ela pudesse envolver exercícios físicos, busca de auxílio médico e orientação alimentar. “Mas conheço pessoas plus size que possuem uma distorção da auto-imagem, baixa auto-estima e falta de merecimento de conquistar coisas boas e inovadoras para si mesma”, diz Tânia Regina. “Elas acreditam que o corpo é o grande causador de seus infortúnios e que precisam ‘eliminá-lo’ para poderem ser felizes. Esta é a visão delas, do seu ‘mapa mental’ e não necessariamente da sociedade em que vivem, visto que temos hoje muitas pessoas plus size fazendo sucesso no teatro, na televisão, nas revistas, inclusive como modelos. A sociedade já massacrou muito as pessoas acima do peso, mas vemos que alguns valores mudaram e hoje, o maior massacre acaba vindo mais da própria pessoa do que das pessoas que a rodeiam. Hoje já temos um grande público plus size que se relaciona muito bem com o seu peso e querem trabalhar e atingir objetivos relacionados a diversos âmbitos de sua vida como carreira, relacionamento, desenvolvimento pessoal, como qualquer outra pessoa e não estão preocupados com os quilos a mais que possuem, mas sim com realizações pessoais e profissionais que lhes proporcione uma maior satisfação pessoal. O peso não importa, o que importa é onde podem chegar com ou sem o peso que têm”. O trabalho do coach é indicado para as pessoas querem fazer mudanças positivas em suas condições, mas não sabem como. Elas querem desenvolver metas pessoais ou profissionais, relacionamentos interpessoais positivos, hábitos saudáveis, melhorias financeiras e outras situações que acreditam ser importante para sua vida, no sentido de dar mais satisfação e entusiasmo no seu dia-a-dia, mas não tem

66 |SEM MEDIDA


claro por onde começar a realizar este caminho. Duração O processo de coaching é desenvolvido na maioria das vezes entre 10 e 12 sessões de 60 a 90 minutos cada, o que equivale a um tempo de três a seis meses. Dentro deste período, a pessoa vai trabalhar seus valores, os papéis desempenhados na vida, as crenças que possui e muitas vezes lhe limitam de atingir determinados objetivos. Vai delinear qual sua visão pessoal e qual acredita ser sua missão nesta vida. Ela vai desenvolver um plano de ação de curto, médio e longo prazo e por fim, determinar qual será sua meta e como fará para conquistá-la. “Muitas vezes o processo termina e a pessoa ainda não chegou ao seu grande objetivo, mas atingiu algumas metas préestabelecidas e se sente realizada e motivada. E isto lhe permite continuar empenhada e seguir o caminho que já foi traçado durante as sessões. Não tem como errar, por que ela já tem o seu plano pronto, definido com a orientação do coach e na sua maioria, chega aonde quer tranquilamente. Porém, se ela sente dificuldades ou dúvidas, nada lhe impede de procurar profissional para algumas sessões de ‘ajuste’ ou um bate papo para clarificar suas idéias” comenta Tânia Regina. Mas é claro que o cliente tem que estabelecer metas plausíveis. Existem três pontos a se levar em conta: se a meta/ objetivo é adequada, exequível e aceitável. Por adequada entende-se que a meta/ objetivo que a pessoa deseja, vai cumprir adequadamente sua satisfação, pois pode ocorrer de se delinear algo que vai lhe gerar uma grande frustração por estar acima de suas posses de conquista ou por não ter nada a ver com o que ela realmente deseja. Por exequível ou executável entendase que a pessoa tem recursos disponíveis para realizar o que deseja ou se ela não tiver todos no momento, ainda tem condições de obter o que for necessário ao longo do período. Metas/objetivos não exe-

quíveis devem ser descartados, ou então, reformulados para que o critério seja atendido e a pessoa não se sinta incompetente na sua execução. Por fim, há a questão da aceitabilidade que tem a ver com uma relação de custo/beneficio, ou seja, uma meta/objetivo pode ser adequada, mas se na sua implementação ela vir a consumir todos os recursos disponíveis que a pessoa tem, não deixando margem para a concretização de outras medidas de mesmo nível ou até mesmo de maior importância, então ela não é aceitável. “É importante que tanto o cliente como o coach chequem a estes três pontos juntos, para a concretização da meta/objetivo, o fortalecimento da capacidade de realização e a certeza de que o coach fez um bom trabalho de orientação e motivação da pessoa que lhe procurou”, finaliza Tânia Regina. Para entrar em contato com ela, visite o site www.vidyacoach. com.br.

Muitas vezes o processo termina e a pessoa ainda não chegou ao seu grande objetivo, mas atingiu algumas metas pré-estabelecidas e se sente realizada e motivada. E isto lhe permite continuar empenhada e seguir o caminho que já foi traçado durante as sessões. Não tem como errar, por que ela já tem o seu plano pronto, definido...

” SEM MEDIDA| 67


Compras

decoração e lifestyle no coração de Pinheiros Texto: da Redação | Imagens: divulgação

68 |SEM MEDIDA


Acaba de ser inaugurado um novo ponto de encontro no circuito paulistano. O Empório Vieira Santos abre suas portas com o que há de melhor em decoração, design, beleza e gastronomia. Lá você encontra desde um bom livro até peças limitadas da Ralph Lauren Home Decor.

SEM MEDIDA| 69


A

s tendências da arte e do design estão dispostas em ambientes distintos com móveis e acessórios em perfeita harmonia. O inusitado projeto oferece ao visitante que gosta de se aventurar pelo mundo das letras, um canto da Livraria da Villa com livros selecionados que podem ser adquiridos lá mesmo. Como toda boa leitura pede um bom vinho, o Empório Vieira Santos conta com uma carta de vinhos especialíssima assinada pela Importadora Terroir que recheou a adega super size da Art de Cave com os melhores rótulos da cidade. Ainda circulando pelo Empório Vieira Santos, a imaginação vai tomando conta com a diversidade de peças que transitam do clássico ao moderno todas garimpadas pelo mundo como corais naturais colocados em quadros acrílicos, pedras energizadas e os famosos lustres Baccarat recriando ambientes sofisticados e aconchegantes. No segundo andar do Empório, há uma área dedicada especialmente ao Antiquário, com abajoures, sofás, poltronas, cadeiras além de peças selecionadas e assina-

70 |SEM MEDIDA


das por grandes nomes da arquitetura e do design. O Empório Vieira Santos ainda oferece o serviço built to suit, fazendo móveis e sofás sob encomenda exatamente do jeito que o cliente deseja. Uma área inteira dedicada à louças, taças e utensílios para casa completam o espaço superior. O cantinho beauty fica por conta dos cosméticos da Eos, com produtos para fazer seu private spa at home. As flores da Flor e Cor by Patricia Lunardelli e as plantas da Heleninha Pacheco dão um toque especial aos ambientes. E se entre uma comprinha e outra bater uma vontade de comer um doce especial, os deliciosos Chocolates Saint Phylippe também podem ser degustados e adquiridos na hora. Para completar o ambiente perfeito para quem busca variedade de produtos e serviços em um só lugar, o Empório Vieira Santos apresenta o espaço gourmet da Viking, com acessórios e produtos gourmet de luxo que transformam qualquer cozinheiro em um verdadeiro chef. O Empório Vieira Santos fica na Rua Joaquim Antunes, 184, no bairro de Pinheiros, em São Paulo.

SEM MEDIDA| 71


Exercícios

faça-os com regularidade e aproveite melhor a vida Texto: Denise Carceroni | Imagens: WikiMedia Commons

Quando vemos alguém acima do peso fazendo exercício, logo pensamos em quantos quilos ela quer emagrecer. O que normalmente as pessoas não consideram é que o gordo pode estar satisfeito com sua forma física e pretende apenas manter-se saudável.

72 |SEM MEDIDA


Wikimedia Commons/Ildar Sagdejev

SEM MEDIDA| 73


O

exercício ainda é visto como meio para a perda de peso, mas pesquisas indicam que as coisas não funcionam assim. Para que o exercício tenha um efeito positivo no emagrecimento é preciso que seja feito em uma determinada intensidade que normalmente o obeso não consegue fazer e se conseguir, terá consequências graves para seu aparelho locomotor. Além disso, precisa estar associado à dieta. A prática de exercícios para quem está obeso ou com sobrepeso, vai além da questão estética, é uma questão de qualidade de vida. Sabe-se que o excesso de peso está associado à diversas doenças, a maioria irreversíveis, e há duas maneiras de mantê-las sob controle, através de dieta ou de exercício. Se você não abre mão de uma mesa farta, é bom pensar em começar a se mexer! Se uma dessas doenças se instala, pode dar adeus a um de seus maiores prazeres: a boa comida. É claro que o exercício sozinho não fará milagre, mas você conseguirá melhorar muito sua qualidade de vida com ele e o melhor: sem sofrimento! Esqueça aquela ideia de gordinhos se matando de tanto se exercitar, com os músculos doloridos, suando como loucos e terminando a seção exaustos. O bom exercício é aquele que é seguro e dá prazer. Pense que não basta escolher uma atividade divertida, é preciso tomar cuidado para não se lesionar ou piorar alguma lesão existente. O exercício escolhido deve oferecer o menor impacto possível, que é diferente para cada tipo de atividade. O impacto é dado pela força de reação do solo (FRS) que é diretamente proporcional ao peso corporal, ou seja, quanto mais pesados somos, maior será o impacto. Outra providência a ser tomada é fazer um trabalho de fortalecimento muscular, antes de iniciar com a atividade principal. Até mesmo uma simples caminhada na esteira pode ser prejudicial às suas articulações se seus músculos não estiverem preparados. Não existe exercício proibido, existem pessoas que não podem ou não conseguem fazer determinado movimento. Com

74 |SEM MEDIDA

quem está muito acima do peso, algumas vezes é inviável realizar alguns exercícios, mas adaptações podem ser feitas. No caso de exercícios abdominais, por exemplo, o problema para quem está acima do peso é que a barriga impede de fazer a flexão do tronco. Neste caso, a solução é praticar o movimento sentado, em uma cadeira, com os dois pés apoiados no chão. Desta forma, fica fácil curvar o tronco para frente, apertando a barriga contra uma pequena almofada. Mas aperte a almofada com a barriga e não ao contrário. Tente perceber a força realizada com a região abdominal. Quando o assunto é a flexão de braços, o problema é não conseguir realizar o movimento, mesmo com os joelhos apoiados no chão, em função do excesso de peso. A solução, aí, é começar fazendo a flexão na parede, quando estiver fácil, passe a apoiar as mãos sobre uma cama alta, aos poucos vá trocando até conseguir realizar no chão. Exercícios para os glúteos são difíceis porque a barriga impede a permanência na

Caminhar em grupo em bosques, como na foto anterior, ou em família na praia, são atividades que além de fazerem bem para o corpo, é um grande estímulo para a paz de espírito.


Wikimedia Commons/David Shankbone

SEM MEDIDA| 75


Wikimedia Commons/LocalFitness Pty Ltd.

76 |SEM MEDIDA


É muito importante, antes de você começar a fazer qualquer tipo de atividade física, procurar a orientação médica e fazer todos os exames que forem recomendados.

posição e os joelhos doem quando apoiados no solo. Mas você pode realizar este exercício em pé, com os antebraços apoiados em uma parede e o corpo ligeiramente inclinado à frente. Fique em apenas um dos pés, flexione o joelho da perna oposta à 90 graus e faça a extensão do quadril (empurre o pé para trás), como se estivesse dando um coice. Cuidado para não fazer um arco com a coluna. Movimentos que envolvem o agachamento geram, para quem está acima do peso, dificuldades de equilíbrio para manter o posicionamento correto. A saída está em realizar o exercício encostado em uma fit ball (bola grande para pilates), que por sua vez estará apoiada na parede. Lembrese de manter os tornozelos alinhados com os joelhos no momento da flexão. Recomenda-se fazer de duas a três séries de 10 a 12 movimentos cada, dependendo do seu nível de condicionamento físico. Atividades recomendadas Se você quer continuar com seu peso

e ao mesmo tempo ter uma saúde de causar inveja, pratique regularmente um ou mais exercícios, como, por exemplo, os de contra resistência, como a musculação, exercícios com elástico ou com peso. Você pode iniciar usando apenas o peso corporal. Além deles, você pode praticar pilates, alongamento, se exercitar na bicicleta ergométrica ou então praticar modalidades aquáticas como a hidroginástica, a natação, deep water ou aquabike. Depois que seus músculos estiverem fortalecidos, você pode experimentar aulas de dança, a dança de salão, aula de condicionamento físico, step, bike, o boxe social e outras lutas, a caminhada, além de um número muito grande de atividades, em academias ou ao ar livre. Mas não se esqueça: antes de iniciar qualquer atividade física, converse com seu médico, peça um atestado que especifique todas as suas restrições. Procure a orientação de um Educador Físico, de preferência especializado em atividade física adaptada a saúde e ao seu peso. Faça uma avaliação, porque só depois dela vocês poderá saber se está evoluindo. Durante as atividades, controle sua frequência cardíaca, respeite os limites prescritos na avaliação. Certifique-se de que o equipamento usado suporta seu peso. Verifique se você irá caber e ficar confortável. Não faça exercício em jejum e tão pouco de estômago cheio. Hidrate-se antes, durante e depois da atividade. Utilize roupas adequadas e um tênis apropriado. E, principalemnte, respeite seus limites, exercício bom não dói, não faz sofrer, apenas dá prazer. Mude seus hábitos, experimente novas atividades, melhore sua qualidade de vida. Esqueça seu peso, mas não esqueça da sua saúde. Denise Carceroni é graduada em Educação Física pela Universidade de São Paulo (USP) e pós-graduada em Atividade Física Adaptada e Saúde. para conhecer melhor o trabalho de Denise, visite o web site www. fiqueinforma.com ou envie uma mensagem para denise@fiqueinforma.com.

SEM MEDIDA| 77


Cabelos

cuide bem deles, afinal, eles moldam o seu rosto Texto: da redação | Imagens: divulgação

78 |SEM MEDIDA


Nem tudo que ĂŠ moda pode ficar bem em vocĂŞ. A opiniĂŁo de especialistas vale muito mais do que um simples desfile, ou o penteado de uma atriz.


80 |SEM MEDIDA


T

odo mundo já viu um desfile de moda na vida. Mas tenho certeza que ninguém compraria todos os modelos que aparecem. Nem mesmo os usados pelas modelos mais famosas do mundo. Assim acontece com os cabelos. Nas passarelas, muitas vezes, os penteados usados chamam mais atenção do que a própria modelo. Você usaria um cabelo preto com mechas verdes e amarelas? Bem, se estivesse em um estádio de futebol, junto com a torcida organizada do Brasil, até que ia bem. Mas no dia-a-dia, o negócio é conter seu desejo de ser exclusiva e ouvir os conselhos de quem entende do assunto. Como, por exemplo, os que os profissionais do Tampopo Hair Cutting Team, um salão de beleza localizado na região dos Jardins oferece nesta matéria. Além do corte e do cuidado com os cabelos, eles também oferecem serviços exclusivos maquiagem, massagens, “Dia da Noiva” e outros procedimentos nas áreas de estética e beleza. No Tampopo todos seguem uma filosofia orientada não apenas para o corte, mas sim trabalham o cabelo como algo vivo, que merece cuidados especiais para atingir sua plenitude e potencialidade. Isso vem da visão que a fundadora do salão, Yuriko Terada, uma cabeleireira nascida no Japão, trouxe em sua bagagem e incorporou à filosofia do salão, cujo nome, na verdade, é uma homenagem a uma flor amarela proveniente dos campos japoneses que resiste às intempéries e mesmo se for devastada, renasce mais forte que nunca. O Tampopo está completando 30 anos

de existência, uma demonstração de que a filosofia oriental também se aplica aos cabelos que devem receber os cuidados e a atenção necessários. “A composição do cabelo é importantíssima”, explica Olinda Higa, hair stylist, (estilista de cabelo) que tem cursos de especialização no Japão, Argentina, Espanha e Estados Unidos. “É o molde do rosto, como dizem. O cabelo reflete a personalidade de cada um, expressa a forma como a pessoa pensa e encara a vida”. Com toda sua experiência, Olinda apóia as mudanças radicais dos cabelos, desde que estejam de acordo com o perfil de cada um. “Trabalho de acordo com o que o cliente deseja e o que tem a ver com ele” afirma a estilista. “Às vezes, o cliente não dá muita abertura para grandes mudanças, pois têm uma visão diferente da visão do profissional que analisa outras questões que vão além do corte em si”. Para que o cliente e a estilista saiam satisfeitos com o resultado final, existe uma conversa prévia com o cliente, pois cada pessoa é um caso e a estilista precisa entender o que o cliente quer, qual é a personalidade dele e, dentro de suas preferências, sugerir aquilo que acredita que ficará melhor. A estilista varia de acordo com o que a pessoa passa e o que se encaixa dentro do perfil dela. Mas nem sempre é uma missão fácil. Algumas pessoas querem fazer cortes que Olinda não recomenda. “Vira e mexe aparece um cliente querendo algo que nós, os estilistas, sabemos que não terá um bom resultado”, lembra ela. “Tento ser gentil

É importante que o cliente chegue ao salão sabendo o que quer. Porém, é muito mais importante que ele tenha a humildade e bom senso para aceitar as sugestões que as estilistas oferecem.

SEM MEDIDA| 81


e mostrar à pessoa que sei o que estou fazendo e que estou preparada para trabalhar muito bem no cabelo dela. Mas já aconteceu de uma pessoa chegar, insistir para fazer determinado corte, eu explico que não vai ficar legal, mas o cliente bate o pé. Como o ‘cliente sempre tem razão’, acabei fazendo. O resultado foi que no dia seguinte ele estava de volta dizendo que não gostou, deixou eu fazer do meu jeito e saiu feliz e satisfeito, e nunca mais discutiu meus conselhos”, diz com uma pontinha de orgulho. Penteado ideal Como o cabelo é o “molde do rosto”, é preciso achar uma “moldura” que combine com seu tipo. Assim sendo, cortes arredondados não são indicados para quem é plus size, aliás, eles são praticamente proibidos, pois os plus size geralmente têm o rosto redondo e um cabelo arredondado vai acentuar esta característica. “Para este tipo de modelo, as franjas também são proibidas”, ensina a estilista. “Elas podem e devem abusar de cortes repicados, que suavizam a circunferência do rosto, deixando-o mais ‘magro’”. No que diz respeito às cores, uma pessoa pode usá-las simplesmente porque estão “na moda”, mas nem tudo o que fica bem em uma passarela, fica bem em um escritório e, além disso, algumas cores não combinam com determinadas pessoas, independente de moda ou estação. “Nem tudo que é moda deve ser usado por todo mundo”, explica Olinda Higa. “Acontece as-

sim com as cores também. A cor, estando na moda ou não, deve estar de acordo com o perfil de cada um”. Um exemplo clássico, segundo a estilista, são os cabelos pintados com uma cor só. Eles não ficam bem. O cabelo todo vermelho ou todo loiro, não fica bonito. O ideal é fazer mechas, luzes, reflexos. Mas sem exageros. “Mais importante que um corte específico, para as mulheres, o que vai ditar moda no próximo verão é o cabelo natural”, antecipa Olinda. “Cachos e ondas naturais, nada de chapinha e cabelos extremamente lisos. Para os homens, um visual mais anos 60, 70, não muito certinho. O cabelo deles vem mais comprido, repicadão”. Ela adianta ainda, que no verão, os tons de loiro sempre fazem sucesso e acentuam o bronzeado. Acobreados, vermelhos mais abertos também serão tendência. E para finalizar, Olinda Higa dá algumas dicas simples. “Hidratação sempre”, decreta a estilista. “Cortar o cabelo a cada 40 ou 60 dias, usar produtos que sejam específicos para o tipo de cabelo dela. Ao usar secador e chapinha, sempre passar um silicone antes. São cuidados simples e que fazem toda a diferença”. Se o seu rosto já é lindo, nada como uma bela “moldura” para torná-lo ainda mais bonito. Para saber mais sobre o Tampopo Hair Cutting Team visite o web site deles pelo endereço www.tampopo.com.br. O endereço é rua da Consolação, nº 3444, no bairro dos Jardins, em São Paulo e os telefones para contato são o (11) 30612628 e (11) 3062-0401.

Os cabelos redondos estão terminantemente proibidos para os plus size. Cabelos com pontas disfarçam as características faciais de quem está acima do peso.

82 |SEM MEDIDA


SEM MEDIDA| 83


Luciane Russo

uma mulher plus size que ajuda você a refletir Texto: da Redação | Imagens: divulgação/Hilton Costa

Se você é alguém que acompanha o universo plus size brasileiro, certamente já ouviu falar sobre o site Gordinhas Lindas. Se você já os visitou, também já leu os textos de Luciane Russo. E, a partir da nossa próxima edição, também poderá encontrála em nossa última página, falando sobre questões ligadas ao mundo plus size e discutindo, juntamente com você, assuntos que dizem respeito à nossa qualidade de vida. A idéia desta seção é pautar uma conversa franca entre a colunista e nossos leitores, não restringindo a interatividade ao universo feminino e muito menos censurando os temas que serão debatidos. Tanto ela, quanto nossos leitores, terão carta branca para falar sobre tudo, sempre levando em consideração o respeito à diversidade de ideologias e de pessoas. Então, o que vocês podem esperar todos os meses, de agora em diante, são co-

84 |SEM MEDIDA

mentários de Luciane e, é claro, seu ponto de vista sobre assuntos que pretendemos que sejam levantados por vocês, que terão à sua disposição um e-mail exclusivo para enviar suas mensagens para ela, o luciane@semmedida.com.br. Luciane não se limita a escrever como alguém que vê a vida passar pela janela. Em seus textos e reflexões é possível observar deduções que são frutos de sua própria vivência, o que traz credibilidade às suas posições e conselhos. Para ela, a vida nada mais é do que uma grande escola, que, como tal, só aprova aqueles que aprenderam a lição. “Mas a nossa sorte, é que temos pessoas que nos ajudam com a lição de casa”, brinca. “Além disso, mudanças, apesar de  trazerem um certo receio, sempre são positivas, dependendo do ângulo pelo qual você as enxerga. E nada como mudarmos para melhor”, conclui Luciane Russo.

Luciane Russo, 33 anos, é formada em Letras e pós-graduada em Marketing e, além disso, adora observar o comportamento humano. Ela aguarda ansiosa suas dúvidas e sugestões. Os leitores de Algo a mais poderão adquirir os livros com um desconto promocional de 15%, oferecido pela Jefte Livros, como parte de um convênio firmado entre as duas empresas. Para comprar, visite o web site www. jeftelivros.com.br e identifique-se como leitor da revista.

Hilton Costa

Nossa revista sempre se pautou por discutir assuntos que envolvam a auto-aceitação e o gostar de si mesmo. Agora, com a estréia da coluna de Luciane Russo, queremos ir mais longe, discutindo, também, assuntos sugeridos por vocês.


SEM MEDIDA| 85



Ed. 8 - Ano 1 - 09/2009