Page 1

Revista

SEMMEDIDA writers Editora

Comunicação

Ano 2 - Nº 6 - Julho de 2010

Para quem não tem medo da fita métrica

LEITURA DIGITAL

POR UM MUNDO

SUSTENTÁVEL

Gastronomia

Prepare você mesmo sopas deliciosas Moda

Elegance mostra suas criações Decoração

Deixe sua casa linda e ajude o meio-ambiente

Ela quer cursar medicina e ajudar a salvar pessoas

Stephane Cavalcante


Uma edição gastronômica e, também, voltada para a moda Antonio Larghi

Revista

SEMMEDIDA Para quem não tem medo da fita métrica

“Sem” Preposição Ausência de condição necessária. “Medida” Substantivo feminino O que não pode ou não deve ser ultrapassado; limite, termo. A revista Sem Medida é uma publicação eletrônica periódica editada pela Writers Editora e Comunicação Ltda., de acesso gratuito através do web site: www.semmedida.com.br. Os artigos publicados aqui não refletem, necessariamente, as posições ideológicas do projeto e da editora e são de inteira responsabilidade de seus autores. Editores Roberto Paes e Francisco Reis Jornalista responsável Francisco Reis (MTb: 14.887) freis@semmedida.com.br Produção gráfica e webdesign Roberto Paes rpaes@semmedida.com.br Publicidade Departamento - contato@semmedida.com.br

Writers Editora e Comunicação Ltda. Rua Prof. Guilherme B. Sabino, 1347 Cj 112 - Jd. Marajoara - São Paulo - SP Cep: 04678-002 Tel.: 55 (11) 3729-3534 Web site: www.writers.com.br E-mail: contato@writers.com.br

LEITURA DIGITAL

POR UM MUNDO

SUSTENTÁVEL

A

partir desta edição, nossos leitores começarão a notar algumas mudanças de conteúdo, como, por exemplo, uma maior ênfase em matérias sobre moda, gastronomia e bebidas, cultura e lazer. Ao mesmo tempo, notarão cada vez menos, apesar de este ser um dos grandes prazeres deste editor, matérias falando sobre charutos. Isso faz parte de uma transformação editorial que leva em consideração os resultados obtidos com a nossa pesquisa de perfil plus size. A variedade de assuntos, porém, tende a se manter e, no que depender de mim, a aumentar cada vez mais. Isso para o desespero da redação, que, mesmo sem a pesquisa, todos os meses assiste o número de páginas da edição crescer e sua responsabilidade jornalística aumentar. Mas posso afirmar tranquilamente que esta “neurose redacional” dura pouco, o tempo exato de começarmos a receber mensagens de nossos leitores elogiando a nova edição. Aliás, somente no mês de junho, registramos um aumento da ordem de 30%. E, em retribuição ao reconhecimento do universo plus size ao nosso esforço em editar mensalmente e oferecer gratuitamente conteúdo variado e de qualidade aumentamos nosso número de páginas editorias. Nelas você encontrará a entrevista com uma modelo plus size, a cearense Stephane Cavalcante, uma matéria apresentando o restaurante de orientação culinária latino-americana Ají, a apresentação do Octavio Café e quatro receitas de sopas, criadas pelo chef Luis Felipe Calmon, para aquecer seu estômago e deliciar o paladar. Além disso, apresentamos a coleção de primavera/ verão da confecção catarinense Elegance, mostramos os móveis criados a partir de madeira usada feitos pela Madeira Velha, uma empresa do interior de São Paulo que se preocupa com a conservação do meio-ambiente. E, ainda no caminho ecologicamente correto, mostramos carros elétricos, ações e produtos que farão com que o consumo de papel diminua. Falamos sobre o charmoso turismo enogastronômico, a Bienal do Livro de São Paulo e sobre uma iniciativa de inclusão cultural que leva o teatro até a tela de seu computador. Devo ter esquecido de algo, mas, ao folhearem a revista, vocês mesmos descobrirão. Tenham uma boa leitura, sejam felizes. Roberto Paes

SEM MEDIDA| 3


Índice 8 Perfil

Decoração 72

18 Onde ir

Carros 96

40


Gastronomia

Turismo 120

52 Moda

Teatro 126


Em breve eles i desapar

6 |SEM MEDIDA Imagem: Wikimedia Commons/Keven Law


irão recer

Um mamífero em cada quatro, uma ave em cada oito e um anfíbio em cada três estão sob ameaça de extinção. Espécies desaparecem numa velocidade mil vezes maior que a taxa natural. Todos temos o potencial para mudar O que estamos esperando?

Mude seus hábitos. leia em formato digital.

LEITURA DIGITAL

Revista

SEMMEDIDA

SEM MEDIDA| 7 POR UM MUNDO

SUSTENTÁVEL


Esta jovem cearense, que descobriu o glamour de ser modelo plus size, aprendeu a amar suas diferenças, descobriu que sua fÊ pode mover montanhas e, em paz consigo mesma, se prepara para cursar medicina fora do Brasil.

8 |SEM MEDIDA


Stephane Cavalcante

uma jovem plus size que deseja ser médica Texto: da Redação | Imagens: arquivo entrevistada

SEM MEDIDA| 9


“Pretendo fazer alguma obra social na África, depois de formada, em nome de Jesus. Eu tenho um amor enorme por aquelas crianças e quero ajudar a resgatar vidas e almas.”

A

história, mesmo que curta, de Stephane Cavalcante, com apenas 19 anos de idade, não difere em nada daquelas vividas por outras mulheres que estão acima do peso. Ela sempre foi plus size e mesmo antes de sentir a descriminação imposta pela sociedade, esta jovem passou um bom tempo se rejeitando. “Durante minha vida eu me discriminei demais. O tempo que passei não aceitando a mim mesma foi terrível. Na escola, sempre fugia dos exames biométricos para não ter que escutar piadinhas”, conta Stephane. Em sua luta para se tornar “uma pessoa normal”, ela optou por fazer regime, mas como a maioria das pessoas que passa por isso, perdia peso e, em seguida voltava a engordar. Foram várias dietas infrutíferas até que Stephane começou a pensar em apelar para as intervenções cirúrgicas. “Desde muito novinha eu fazia regime. Minha mãe sempre controlou minha comida por saber que eu poderia sofrer muito no futuro e minha família toda tem tendência a obesidade. Quando cresci, na fase da adolescência, eu sofri muito e fiz várias dietas. Obtive sucesso com algumas, mas sempre voltava a engordar. O tempo passou e cheguei até a pensar em fazer a incisão de um balão no estômago, mas para isso, como eu teria que fazer o procedimento na ca-

10 |SEM MEDIDA

pital, alguns médicos acharam arriscado. Eles me diziam que se eu precisasse removê-lo, poderia não dar tempo de chegar na Capital e as consequências poderiam ser graves”, conta Stephane. “Desisti do balão e pedi aos meus pais para que eles me ajudassem e me permitissem fazer uma redução de estômago. Enlouqueci minha família com isso e a mim mesma também. Fiquei super ansiosa e passei a comer como uma doida. Engordei mais ainda. Ligava para médicos a todo momento, procurava na internet dia e noite os hospitais e meus pais ficavam apreensivos, pois sabiam que era uma cirurgia de risco. Daí meu pai me pediu pra tentar uma dieta pela última vez para perder ao menos alguns quilos. Eu aceitei sua sugestão, perdi peso e estou muito bem de saúde, bem comigo mesma”. A partir deste momento, segundo ela mesma diz, toda essa “loucura” teve fim e o que veio depois da insatisfação consigo mesma foi um grande amor pela vida e uma enorme gratidão por ser como ela é. “Hoje não sofro mais. Depois que passei a gostar de mim, as pessoas passaram a me aceitar como eu sou. Aprendi a namorar com meu espelho e a me amar muito. Então percebi que quando você se ama as pessoas passam a ver você com outros olhos. Nasci assim pela vontade de quem


SEM MEDIDA| 11


12 |SEM MEDIDA


me criou. Hoje tenho consciência de que as pessoas não devem se questionar ou se lamentar por ser como elas são, nem deve haver lugar para a culpa. Tenho certeza que somos uma obra de arte de um criador e como tal devemos ser admirados. Acho pura perda de tempo ou até mesmo falta de amor próprio questionar-se quanto a isso. A vida acaba passando e se nos concentramos no que os outros acham ser um defeito, terminamos perdendo a capacidade de enxergar nossas virtudes e qualidades. Ser diferente não é defeito, é individualidade. É assim que me vejo todos os dias. Uma menina com uma beleza diferente dessas que todo mundo vê a toda hora na rua, diferente daquela que muitas pessoas sofrem para ter e que, às vezes, até morrem tentando conseguir,” afirma Stephane. Após um relato como este, muita gente pode pensar que Stephane se deu por vencida e que sua autoaceitação não passa de uma derrota. Mas, quem acaba por conhecê-la, descobre que ela não perdeu, mas sim despertou. Ela diz que achava impossível alguém se amar tendo “coisas” que segundo os outros estavam “fora do lugar”. Mas, em sua jornada, Stephane conheceu pessoas que se amavam sinceramente e isso a inspirou a mudar. “Com o passar do tempo, fui conhecendo pessoas

que se amavam de verdade e vi que assim como elas, eu deveria fazer o mesmo, afinal, todos têm seu estilo. Estar acima do peso é o nosso jeito e estilo e isso deve ser aceito normalmente. Quando eu passei a me olhar com outros olhos, vi que o amor próprio não tem em sua identidade tipo físico. Ele deve existir em todas as raças, cores, etnias. Só cabe a você querer se amar, sua felicidade está em suas mãos. Ou você escolhe gostar de si mesmo ou, então, só resta se detestar Eu escolhi me apaixonar por mim. Ser plus size é assumir minha identidade”, conta Stephane. Sustentada pela fé Stephane não afirma, mas sua fé também a ajudou muito nesta mudança da “água para o vinho”. Evangélica, ela afirma que é regida pelos fundamentos ensinados por Cristo e que seu modo de vida é espelhado na Bíblia. “Jesus me criou e me entregou um ‘manual de instruções’. Eu tento seguí-lo e assim o faço porque acredito que não sou dona de mim, sou apenas minha própria gerente. Ele é meu dono e eu O reconheci assim, como prioridade em minha vida. Quero viver segundo Seus mandamentos e princípios e isso é o que me dá paz e tranquilidade. Hoje eu não imagino viver sem agradar Aquele que dei-

“A maioria das pessoas gosta do comodismo e criam suas próprias verdades. Com isso acabam esquecendo que a verdade que deve ser seguida é a da Bíblia.”

SEM MEDIDA| 13


“Quando eu passei a me olhar com outros olhos, vi que o amor próprio não tem em sua identidade tipo físico. Ele deve existir em todas as raças, cores, etnias”.

xou um trono de glória para descer à Terra em meu favor, mesmo sendo eu cheia de defeitos, ele foi por mim,” diz Stephane. Aliás, quando o assunto é religiosidade, esta jovem cearense enche o peito de orgulho e mostra suas opiniões para quem quiser ver. Segundo ela, o meio evangélico tem crescido muito, mas ao mesmo tempo ela observa muitas pessoas indo na direção daquilo que as agrada, aquilo que lhes convêm. Stephane acredita que muitas igrejas, sob um véu de liberalidade, acabam escondendo a verdade de quem busca a fé. “A maioria das pessoas gosta do comodismo e criam suas próprias verdades. Com isso acabam esquecendo que a verdade que deve ser seguida é a da Bíblia”, ataca Stephane. “Mas ainda prefiro que sejam abertas centenas de igrejas ao invés de assistirmos a inaugurações de bares, casas de prostituição, matadouros e pontos de drogas. Não posso falar o que algumas igrejas têm de ruim, afinal, o que é ruim para mim quem sabe seja proveitoso para outras pessoas. Eu adotei o Protestantismo”, afirma Stephane. Duas carreiras distintas Pouco depois de fazer as pazes consigo mesma e ainda cursando o ensino médio,

14 |SEM MEDIDA

Stephane foi surpreendida com o convite de uma grife para desfilar sua coleção. Foi então que ela descobriu o mundo das modelos plus size. “Na verdade eu acho que não descobri este mundo. Pelo contrário, foi ele que me descobriu. Nunca imaginei que poderia ser modelo, sempre me julguei muito fotogênica, mas não achei que um dia poderia desfilar. Um dia me ligou uma funcionária da Mafalda Magazine, uma loja aqui do Ceará, me perguntando se eu aceitaria desfilar as roupas de tamanhos maiores e os modelos evangélicos que eles criavam. Eu topei na hora. Nessa época, eu trabalhava na Caixa Econômica. Saí do banco às pressas e fui para o primeiro ensaio, onde tive o prazer e a satisfação de conhecer o então professor de passarela Halysson Costa. Ele me ajudou, foi super simpático e em nenhum momento eu me senti ‘menos bonita’ que as outras modelos magrinhas que estavam lá. Foi aí que tudo começou”, explica Stephane. Ela diz que nunca tinha ouvido falar em modelo plus size e que, para ela, o que havia acontecido era ela simplesmente representar um público e desfilar numa noite. Porém, o tempo passou e Stephane recebeu outro telefonema. Desta vez, segundo ela, “de um cara que havia visto algumas fotos suas na internet”. Ele queria apresentá-la


SEM MEDIDA| 15


16 |SEM MEDIDA


como opção de modelo para a marca GK. “Fiquei super empolgada e aceitei na hora. E, para completar, ele disse que eu levava jeito para ser uma modelo plus size. Isso ficou na minha cabeça. Comecei a pesquisar o assunto em sites, blogs, orkut e fui me empolgando. A cada nova descoberta aumentava mais a vontade de fotografar. Decidi que queria um book, mesmo que fosse caseiro, para colocar na internet. Então decidi investir em mim”, diz Stephane. Ela conta que no início, sua mãe ficou muito temerosa com a carreira que se abria diante da filha. Mas depois que ela percebeu que se tratava de algo sério e que Stephane não corria nenhum perigo, veio a aceitação e o apoio incondicional. A modelo conta que seu pai ficou envaidecido com o sucesso da filha. “No meu primeiro desfile, meu pai e dois fotógrafos estavam lá me clicando e aplaudindo todas as vezes que ouviam o meu nome. Me senti a mais fotografada e empolgada naquela noite. Eu sabia que meu pai havia chamado os fotógrafos, mas mesmo assim, eu estava me sentindo ‘a tal’. Meus amigos ficaram loucos, acho que mais felizes que eu. Eles me deram força total para que eu me valorizasse como modelo e fosse atrás deste sonho”, lembra Stephane. Mas ser modelo, desfilar, fotografar, fa-

zer sucesso e ganhar muito dinheiro com sua imagem não é o único sonho desta jovem. Ano que vem ela estará morando em Buenos Aires, na Argentina e cursando a faculdade de medicina. Stephane confessa que só de pensar nisso já sente um frio na barriga, afinal será uma grande responsabilidade se formar e, acima de tudo, longe da família e dos amigos. “Ficar longe de casa será meu maior desafio. Minha família e meus amigos são tudo para mim, eles me causam um êxtase sem tamanho. Sou apaixonada por cada um deles e o máximo de tempo que fiquei longe de casa, até hoje, foi um mês. Eu sou péssima dona de casa, não sei cozinhar, passar, lavar, mas vou aprender. Sei que vou sofrer, mas estou indo em busca da minha realização profissional. Pretendo compensar todo o investimento dos meus pais e mostrar a todos que acreditam em mim que esta confiança foi válida. Escolhi esse curso por paixão mesmo. Pretendo fazer alguma obra social na África depois de formada, em nome de Jesus. Eu tenho um amor enorme por aquelas crianças e quero ajudar a resgatar vidas e almas. É esse meu sonho. Ser bem mais que uma médica. Quero ser um canal de Cristo, que Ele me use através de minha profissão”, afirma Stephane.

“Hoje tenho consciência de que as pessoas não devem se questionar ou se lamentar por ser como elas são, nem deve haver lugar para a culpa”.

SEM MEDIDA| 17


Através de um livro, de uma pintura ou de um espetáculo artístico é possível desvendar a cultura de um povo. Porém, não existe forma mais simples e, ao mesmo tempo, mais encantadora de se descobrir algo a respeito de alguém do que provando a sua gastronomia típica.

18 |SEM MEDIDA


Ají um toque latino na gastronomia paulistana Texto: da Redação | Imagens: divulgação

SEM MEDIDA| 19


N

este caso, para quem está interessado em conhecer a cultura latino-americana através de sua gastronomia, nada melhor do que estar numa das mesas do restaurante Ají, nome usado pelo renomado chef de cozinha boliviano Checho Gonzáles para homenagear um dos ingrediente mais usado da culinária da casa, uma pimenta andina. A aula começa no minuto em que se passa pela entrada do restaurante. Decorado por Alfredo Pimenta, o Ají tem um estilo despojado e moderno, com cores fortes, como, por exemplo, o vermelho e o laranja, mas que harmonizam perfeitamente com os objetos de madeira e as áreas verdes dos jardins externos, construídos com uma grande variedade de plantas. O Ají fica na rua Bela Cintra, no bairro dos Jardins, em São Paulo e sua arquitetura constrasta com a “selva de pedra” que existe ao seu redor. Na verdade, a casa parece uma ilha de tranqüilidade, apesar do movimento da rua em que está localizado, a fachada do restaurante traz uma enorme vidraça e permite aos mais apressados, uma vista dos confortáveis sofás do lounge que certamente desperta a curiosidade de quem passa na calçada. Quem acaba por passar pela porta descobre que a casa é dividida por quatro salões bem diferentes, personalizados para diferentes ocasiões. Com objetos interessantes ligados à cultura andina espalhados por cadeiras, janelas, paredes. Em pouco tempo descobrese que cada canto tem seu aconchego. A metade da aula sobre o nosso continente continua pelo cardápio. Quem o criou e está à frente da cozinha é o chef Checho Gonzáles, de origem boliviana, e que em seu currículo ostenta nomes de casas expressivas, como, por exemplo, o Na Mesa e DOM, em São Paulo, o Pecado, no Rio de Janeiro e Zazu, na cidade de Salamanca, na Espanha. E, como se as credenciais dele não fossem o suficien-

20 |SEM MEDIDA


SEM MEDIDA| 21


22 |SEM MEDIDA


SEM MEDIDA| 23


24 |SEM MEDIDA


te, seu sócio no Ají não é ninguém menos que Alexandre Negrão, dono de casas que marcaram épocas, como o Le Tan Tan e o Mestiço, entre outras. Checho conta que é um autodidata no que se refere à gastronomia e que está no Brasil há 36 anos. Ele afirma que busca inspiração para criar o cardápio do Ají na história, nas raízes dos povos latinos. “Gosto de História, então sempre sigo um motivo, um tema que está relacionado à cultura dos países latinos. A cozinha regional também me atrai bastante, porque abre a possibilidade de conhecer novas técnicas e ingredientes. Gosto de usar temperos marcantes em minhas criações porque é uma questão de cultura e herança da minha família e da região onde nasci. Uso bastante ervas e pimentas, explica Checho Gonzáles. A receita usada por ele em seu Ají parece estar dando certo, afinal a casa caiu no gosto dos paulistanos. Ele afirma que o sucesso é o resultado de vários componentes. “Apesar de existir combinações novas e diferentes para algumas pessoas que não estão habituadas, os sabores são bem caseiros. Quando as pessoas provam, percebem que tem algo conhecido. Provavelmente uma memória sensorial que é comum a todos os povos de origem latina”, conclui o chef. O Ají abre para o almoço oferecendo pratos no sistema executivo incluindo uma entrada, prato principal e sobremesa por R$ 35,00. O cardápio mescla a cozinha contemporânea com influências latinas, viaja do México à Argentina. Aqui, existe uma rica variedade de ingredientes usados por colonizadores e imigrantes que se estabeleceram no Chile, Peru, Bolívia, México, além de referências da Espanha e Ásia. Não se deve deixar de provar as entradas especiais. Os destaques são os Ceviches (na Espanha) ou Cebiches (na Bolívia) de Robalo em “salsa de tomate” com

SEM MEDIDA| 25


26 |SEM MEDIDA


SEM MEDIDA| 27


laranja e crocantes de mandioquinha a R$ 22,00, ou de Camarões com cogumelos, salsa de milho verde e crocantes de batata doce por R$ 23,00. Também é possível deliciar o paladar com as Vieiras, bacon e cogumelos sobre pão tostado com tomate e azeite extra virgem R$ 24,00 e “Chicharrones” (costelinha bem temperada, frita e sequinha com salsa picante de tomate) a R$ 22,00. Nos pratos principais, o Robalo cozido em cúrcuma sobre arroz de coco e tapenade rústica sai a R$ 39,00 e a Tira de filet mignon em adobo, sobre purê de batatas com “escaveche” de cogumelos e calda picante de cacau por R$ 39,00 são algumas opções entre os 11 pratos oferecidos do cardápio, que também contempla, por R$ 16,00, prato reduzido para o tamanho infantil sai a R$ 16,00. E, para terminar a aula, nada como se deleitar sobre as sobremesas imbatíveis e criativas, num total de oito, e das quais destacamos o Mini churros em calda de doce de leite ao rum e chocolate picante por R$ 18,00. Serviço Ají Restaurante Rua Bela Cintra, 1709 – Jardins – São Paulo - SP . Tels: (11) 3083-4022 ou 30632438. Capacidade: 70 lugares. Horário: Almoço de segunda a sexta, das 12h00 às 15h00.   Aos sábado das 12h00 à 1h00 (sem intervalo) e no domingo das 12h00 às 17h00.  Jantar de segunda a quinta das 19h30 às 24h00, às sextas das 19h30 à 1h00. Fechado nas noites de domingo. Cartões crédito: Visa, Mastercard, Diners e American Express. Cartões de débito: todos. Tickets: Sodexo. Estacionamento: R$ 14,00. Rolha (para quem leva sua própria garafa de vinho): R$ 50,00. A casa possui ar-condicionado, música ambiente, acesso para deficientes, Wi-Fi e não aceita cheques. Site: www.restauranteaji.com.br

28 |SEM MEDIDA


SEM MEDIDA| 29


Octavio Café muito mais que um lugar para tomar uma xícara Texto: da Redação | Imagens: divulgação

Localizado no Jardim Paulistano, o Octavio é uma cafeteria diferente de tudo o que você já viu e, também, de tudo o que se pode esperar. Um ótimo lugar para se estar com os amigos.

30 |SEM MEDIDA


SEM MEDIDA| 31


O

Octavio Café se firmou entre aqueles que procuram um ótimo local para passar boas horas com amigos, em um ambiente discreto e aconchegante e que oferece entre muitas opções de bebidas, verdadeiras fórmulas secretas de café, além de um cardápio muito bem selecionado em seu restaurante. E como descobrir o blend (combinação) que mais agradará aos clientes? Para isso, o Octavio Café contratou Sílvia Magalhães, uma barista que foi buscar no exterior, por meio de vários cursos, as melhores combinações para agradar aos mais exigentes apreciadores de café. Silvia é barista, especialista em café, há dez anos e a responsável pelas delícias do Octavio Café desde que foi inaugurado. Sua principal tarefa é selecionar os grãos corretos e fazer uma mistura (blend) que agrade aos clientes. “Por exemplo, no caso do Blend Octavio, usei três variedades de grãos da espécie arábica”, explica Sílvia. “Sempre busco o equilíbrio em uma xícara de café. O que mais gosto de encontrar e busco sempre em uma xícara de café é doçura semelhante a caramelo, mel e notas de chocolate. Quanto mais doce, melhor será o café para mim. Segundo ela, o Blend Octavio é um café com notas de chocolate, nozes e caramelo. Sílvia também sugere blends importados como o Kenia, por exemplo, que possui notas florais, e frutadas muito diferenciada. “É um café mais do que especial”, diz a barista lambendo os lábios. Mas o blend que mais agrada aos frequentadores da casa é o Alta Mogiana, por ser encorpado e com

32 |SEM MEDIDA


SEM MEDIDA| 33


34 |SEM MEDIDA


notas intensas de chocolate. Além de selecionar os grãos, outra especialidade de Sílvia é criar drinques à base de café. Existe uma carta de drinques com 30 criações. Para o inverno, ela criou o Café do Oriente, um sucesso composto por café, doce de leite, cardamomo, leite e marshmallow. E ainda mais ousado, tem o Suspiro de café, com brigadeiro, espresso, leite, café e suspiros. Em uma gentileza à Sem Medida, Sílvia forneceu a receita do Café do Oriente. Coloque em uma leiteira, 30 ml de café forte, 100 ml de leite, uma pitada de cardamomo, uma pitada de canela e aqueça. Em uma taça, de preferência com alça ou asa, coloque no fundo uma colher de sopa de doce de leite e despeje bebida. Cubra com marshmallow e gratine.  Ficará divino, porém, o clima e a atmosfera do Octavio Café, só mesmo no próprio local. Parceria de peso O ambiente é aconchegante, em boa companhia, uns drinques de café e o tempo passa sem que a gente perceba. E depois de algum tempo, bate aquela fominha. E nessas horas, um bom prato é mais do que bem-vindo. Por isso, o Octavio Café conta desde o início do ano com o chef Nilson Quirino de Souza, formado em gastronomia na Escola de Artes Gastronômicas Laurent Studeau, além de ter feito vários cursos como especialização em fornos e outras atividades de cozinha. “Um chef precisa ter paixão por cozi-

SEM MEDIDA| 35


nhar”, diz empolgado Quirino. “Tem que saber coordenar os seus subordinados em suas tarefas, conferir toda a mercadoria que chega para ser utilizada na cozinha, atestando sua qualidade, entender sobre os processos de cada receita da casa e administrar as demandas para não permitir atrasos e insatisfação dos clientes”. Fã da cozinha européia, aprecia muito a culinária mediterrânea, que considera muito saudável. Para o Octavio Café, ele criou um cardápio específico para este inverno, com receitas de sopas e cremes. Entre eles, destacam-se creme de aspargo aromatizado com pesto de rucula, creme de tomate levemente picante, capelleti em brodo, clássica sopa francesa de cebola e creme de funghi porccini italiano. Mas o Octavio Café também abre para o almoço. Nessa hora, os cremes podem ser substituídos por Filé à Café, acompanhado de batatas holandesas e batatas doce da terra. No jantar, a sugestão de Quirino é o raviolli recheado com carne ao vinho e molho de mix de cogumelos frescos. E para aproveitar o conhecimento de Quirino, junto com o da Silvia, é possível harmonizar o Filé à Café, carro chefe da casa, que possui molho à base de aceto balsâmico, aroma de funghi porccini e azeite de café (produzido pelo Octavio Café). E assim como Silvia, Quirino divide com Sem Medida, uma de suas receitas prediletas e que foi oferecido no Dia dos namorados. O prato foi preparado pelo chef Nilson Quirino para o Dia dos Namorados no Octavio Café. Para oferecer um toque afrodisíaco, ele também adicionou flores comestíveis na decoração deste risoto.

36 |SEM MEDIDA


SEM MEDIDA| 37


38 |SEM MEDIDA


Cavaquinha ao Prosseco com risoto de morangos e champagne Ingredientes 2 unidades de cavaquinha por poção (300g) 100 ml de Prosseco 6 g de sal (parte do sal vai embora) 50 g de arroz arborio italiano 300 ml de caldo de legumes 3 morangos cortados em quatro partes 5 g de alho picado 10 g de cebola picada 30 ml de azeite extra virgem 15 g de manteiga 30 g de queijo parmesão ralado Pimenta branca a gosto 150 ml de creme de leite 1 ramo de tomilho 1 ramo de alecrim Risoto Com a frigideira levemente aquecida, adicione 15 ml do azeite extra virgem e metade do alho e da cebola picada. Quando dourar, acrescente o arroz cru. Aos poucos, derrame o caldo de legumes sobre o arroz. Quando o risoto estiver levemente ao dente, retire a panela do fogo e reserve. Cavaquinha Limpe a cavaquinha e corte-a ao meio, temperando com sal e pimenta a gosto. Coloque para grelhar em frigideira anti-aderente levemente aquecida com 10 ml do azeite extra virgem. Em outra frigideira, adicionar o resto do azeite, cebola e alho, o ramo de tomilho e o ramo de alecrim. Mexer os ingredientes e adicionar o Prosseco e o creme de leite e esperar reduzir até que fique aveludado. Depois, passe em uma peneira fina ou chinoie. Finalização Coloque as cavaquinhas no molho, leve a panela do risoto ao fogo novamente. Quando começar a ferver, adicione o queijo parmesão e a manteiga para que o risoto fique cremoso. Utilize os morangos pra decorar e também ser degustado junto.

SEM MEDIDA| 39


Sopas

uma ótima opção para aquecer o seu inverno Texto: da Redação | Imagens: Roberto Paes

40 |SEM MEDIDA


Com a chegada do frio, uma boa opção para se manter aquecido, seja no almoço ou no jantar, são as sopas e os cremes. Nesta edição, o chef Luis Felipe Calmon, da Orbacco Espaço Gastronômico, ensina como preparar, de forma rápida e barata, quatro tipos diferentes de sopas.

SEM MEDIDA| 41


N

esta época do ano, os restaurantes e as padarias gourmet oferecem, para quem quer manter o estômago aquecido, uma série de opções de sopas e cremes para o almoço e jantar. Porém, se você não está com disposição para sair de casa, ou quer impressionar familiares e amigos oferecendo uma refeição caseira, o chef Luis Felipe Calmon, apresenta receitas de sopas de rápido preparo e que vão fazer os donos dos paladares mais requintados voltarem à cozinha em busca de uma segunda dose. Segundo Luis, para esta edição, sua escolha recaiu sobre duas receitas de sopas quentes e duas que podem ser servidas em temperatura ambiente, ou ligeiramente frias. “Apesar de as pessoas associarem pratos quentes ao frio do inverno, decidi oferecer duas opções de sopas frias uma para que as pessoas possam usá-la como ‘prato intermediário’ entre a entrada e o prato principal, e assim, limpem suas papilas gustativas e outra que proponho como uma sobremesa. É possível se fazer uma refeição completa utilizando apenas sopas”, explica Luis. Neste sentido, o chef nos oferece uma sopa Tailandesa, um creme de melão com crisps de presunto Parma, um creme de ce-

42 |SEM MEDIDA


Sopa Tailandesa Ingredientes

• 1 peito de frango cozido no vapor ou no caldo de frango • 700 ml de caldo de frango (de preferência clarificado, processo pelo qual se elimina todas as impurezas obtendo-se um caldo completamente cristalino). • 1 pimenta dedo de moça cortada em brunnoise (pequeninos cubos) sem as sementes • 18 folhas de coentro • 120 ml de leite de coco Modo de preparo Corte o peito em cubos e distribua-os em três recipientes. Junte 1/3 da pimenta. Junte 1/3 do caldo já aquecido. Distribua 1/3 das folhas de coentro e, já na mesa, adicione o leite de coco.

SEM MEDIDA| 43


Creme de melão com presunto Parma Ingredientes

• 1 melão Mossoró não muito grande (o comum, amarelinho. De preferência aquele denominado redinha por ser mais saboroso) • 120 gramas de presunto cru • Açúcar, se necessário Modo de preparo Disponha as fatias de presunto em uma assadeira e leve ao forno muito baixo até que fiquem crocantes e sequinhas. Se necessário, deixe a porta do forno entreaberta. Em um liquidificador, bata o melão sem casca e sementes até obter um creme homogêneo, se necessário, adicione um pouco de açúcar. Dependerá do melão. Disponha o creme em três recipientes e, sobre eles, espalhe o crisp de presunto grosseiramente quebrado com as mãos.

44 |SEM MEDIDA


bolas com queijo Gruyere gratinado e, para finalizar, uma sopa de melancia com azeite de menta. Luis, intencionalmente, intercalou dois pratos quentes, a sopa Tailandesa e o creme de cebolas, a dois pratos frios, o creme de melão e o de melancia. Mas isso não significa, afirma Luis, que o cozinheiro se sinta obrigado a fazer todas as quatro. “Minha intenção, neste caso, foi realizar a refeição toda, seja um almoço ou um jantar, apenas com cremes e sopas. Porém, nada impede que se faça apenas uma das sopas quentes, uma das sopas frias, ambas como entrada e prato intermediário, para depois servir o prato principal. Segundo Luis, todas as receitas mostradas nesta matéria requerem poucos ingredientes, seu tempo de preparo é bastante rápido e, além disso, o custo final para produzir as quatro variedades não ultrapassa a casa dos R$ 38,00. Com um rendimento para três porções, ao se preparar todas as variedades sugeridas pelo chef, cada porção custará em torno de R$ 3,16. Isso prova que para manter o corpo aquecido não é necessário sair por aí queimando dinheiro. Curiosidades Segundo o texto introdutório da coleção “A Grande Cozinha”, editado no Brasil, pela

SEM MEDIDA| 45


46 |SEM MEDIDA


SEM MEDIDA| 47


Abril Coleções, a palavra sopa vem do gótico suppa, que significa “pedaço de pão molhado” e que, em outras línguas, também serve de raiz, como, por exemplo, zuppa (em italiano), soupe (em francês), suppe (em alemão) e sopa (na língua espanhola e portuguesa). A história da sopa remonta à Idade Média, quando o pão exercia uma função essencial na alimentação das pessoas e poderia ser considerado, por si só, um prato ou uma refeição completa. Era sobre ele que repousavam fatias de carne, peixes, queijos e qualquer outro alimento que estivesse no cardápio do dia. Segundo o texto, a sopa à base de caldos nasceu mais tarde, depois das sopas grossas, conseguidas com a utilização de aveia, centeio, milho e cevada, seja na forma de grãos ou moídos e transformados em farinha. Eles eram colocados para ferver juntamente com verduras e legumes da estação. A mistura cozinhava por longos período até se obter um creme denso, capaz de satisfazer a fome de pessoas humildes, como os servos que trabalhavam nas terras dos senhores feudais. Na época, o sal era raro e ao mesmo tempo caro e, por isso, costumava-se usar água do mar no preparo das sopas.

48 |SEM MEDIDA


Creme de cebolas Ingredientes

• 6 cebolas grandes cortadas em rodelas com meio centímetro. • 100 gr de manteiga • 1 colher de sopa de farinha de trigo • 2 ramos de tomilho • 2 folhas de louro • Pimenta do reino branca a gosto. • Sal a gosto • 3 fatias de pão rústico • 90 gramas de queijo Gruyere grosseiramente ralado • 600 ml de caldo de frango Modo de preparo Murche lentamente a cebola na manteiga até ficarem ligeiramente caramelizada. Enquanto as cebolas caramelizam, junte as folhas de louro e só as folhas do tomilho. Adicione a farinha e deixe cozinhar por mais 1 ou 2 minutos. Adicione o caldo e deixe ferver até engrossar um pouco. Acerte sal e pimenta. Em cada uma dos três recipientes (refratários) coloque uma fatia de pão, cubra com 1/3 da sopa e, por último, 1/3 do queijo. Leve ao forno para gratinar e sirva imediatamente.

SEM MEDIDA| 49


Creme de melancia Ingredientes

• • • •

¼ de uma melancia pequena 40 gramas de açúcar 30 ml de água 30 ml de azeite aromatizado com

hortelã

Folhas de hortelã para decorar

Modo de preparo Junte o açúcar e a água e leve ao fogo até que se forme uma calda. Em um liquidificador, bata a melancia sem casca e sem sementes e adicione a calda já fria. Sirva em três recipientes e junte 1/3 do azeite. Decore com folhas de hortelã.

50 |SEM MEDIDA


Atualmente é possível encontrar diversos tipos de sopas e caldos na cultura gastronômica de qualquer país. Algumas receitas assumem ares requintados ao receberem ingredientes sofisticados, outras permanecem simples ao se utilizarem ingredientes de fácil acesso. É possível, usando o Brasil como exemplo, encontrar de estado para estado, uma grande variedade de sopas e cremes. Isso resulta da grande variedade de ingredientes disponíveis em cada região. Nas cidades litorâneas, será fácil encontrar caldos, sopas e cremes marcados pela utilização de frutos do mar. Já em regiões continentais é possível encontrar receitas que usem carnes de boi, porco ou frango, associadas a muitos tipos de vegetais, como, por exemplo, a batata, ou a mandioca. Alimento humilde ou não, o fato é que os caldos, sopas e cremes acabaram se incorporando ao gosto da humanidade e, mesmo em países quentes como o nosso, quando a temperatura cai um pouco, elas se tornam a melhor companhia de quem deseja se aquecer. Agora, com estas receitas em mãos, você não tem mais desculpa para agradecer pelo frio e correr para a cozinha.

SEM MEDIDA| 51


Tendências Texto e Imagens: divulgação

Elegance

apresenta suas criações para o

Verão

Elegance na internet: www.elegancemoda.com.br


54 |SEM MEDIDA


SEM MEDIDA| 55


56 |SEM MEDIDA


SEM MEDIDA| 57


58 |SEM MEDIDA


SEM MEDIDA| 59


60 |SEM MEDIDA


SEM MEDIDA| 61


62 |SEM MEDIDA


SEM MEDIDA| 63


64 |SEM MEDIDA


SEM MEDIDA| 65


66 |SEM MEDIDA


SEM MEDIDA| 67


68 |SEM MEDIDA


SEM MEDIDA| 69


70 |SEM MEDIDA


SEM MEDIDA| 71


Decoração

sua casa deslumbrante e sem agredir a natureza Texto: da Redação | Imagens: arquivo entrevistado

72 |SEM MEDIDA


LEITURA DIGITAL

POR UM MUNDO

SUSTENTÁVEL

Todos os meses 13 hectares de florestas são devastados para fabricação de móveis e madeiras. Porém, numa cidade do interior de São Paulo, uma marcenaria está dando um exemplo de sustentabilidade usando madeira reciclada para a criação de seus produtos.

SEM MEDIDA| 73


A

ideia, inusitada e inovadora, e que, depois de conhecida, certamente se tornará um exemplo de sustentabilidade para muitas empresas do setor, nasceu das mãos de Arlindo Piedade Neto, um autodidata de 54 anos, que se preocupa com a sustentabilidade do planeta e resolveu criar a Madeira Velha, uma marcenaria que funciona na cidade de Brotas, no interior de São Paulo. Neto, como ele gosta de ser chamado pelos clientes e amigos, conta que sempre teve preocupações ambientais e a idéia de criar uma empresa que trabalha reciclando madeira velha, iniciada em 2006, foi uma oportunidade que ele não podia deixar passar. “Meu irmão já atuava no setor fornecendo madeira velha, matéria-prima bruta sem beneficiamento, para clientes intermediários e marcenarias na cidade de São Paulo. A partir de um estudo de mercado, decidimos partir para um novo projeto e montamos a oficina aqui na cidade de Brotas. No início, apenas processávamos este tipo de madeira, transformando-a em assoalhos, decks e painéis. Isso nos permitiu agregar valor ao produto, e nos deu fôlego para irmos em frente e colocarmos em prática um novo estágio do projeto”, conta Neto. Desde o início, ele ficou incumbido de

cuidar do desenvolvimento de produtos e da gerência comercial da oficina. Ele conta que da produção de assoalhos até a criação de mobiliário, a Madeira Velha investiu muito dinheiro e teve que superar um grande desafio, a especialização da mão-deobra. “Ao entrarmos neste novo estágio, percebemos que poderíamos diversificar e crescer. Vimos nos móveis sob medida mais uma possibilidade de utilização de madeira velha como matéria-prima. Na verdade, esse processo nos custou muito e tivemos que enfrentar um novo desafio, a formação de mão-de-obra especifica. Não tínhamos no mercado, e muito menos em Brotas, profissionais com experiência para nos ajudar na empreitada”, conta Neto. Porém, com um sonho nas mãos e a determinação de alcançar seus objetivos, ele e seu irmão venceram todos os obstáculos que cruzaram o caminho da empresa. As madeiras que a empresa de Neto transforma em produtos comerciais novamente, saem de casas e barracões de antigas fazendas e sítios da região e, também de casas residenciais e comerciais localizadas no perímetro urbano, demolidas para dar lugar ao progresso e a novas edificações. Ele faz questão de dizer que sua empresa não estimula a demolição de construções antigas para poder conseguir a matéria-prima de que precisa. “Acho im-

“Na verdade, esse processo nos custou muito e tivemos que enfrentar um novo desafio, a formação de mão-de-obra especifica. Não tínhamos profissionais com experiência para nos ajudar na empreitada”

74 |SEM MEDIDA


SEM MEDIDA| 75


76 |SEM MEDIDA


SEM MEDIDA| 77


78 |SEM MEDIDA


portante dizer que não provocamos nem tampouco estimulamos a demolição para nos beneficiar desse material. O nosso trabalho é dar vida nova a esse material que de alguma forma está sendo descartado. A demolição acontece independente de as empresas que trabalham neste segmento consumirem esse produto. O que fazemos é reutilizar essa madeira com consciência e técnica. Isso nos permite transformar algo que iria para o lixo em produtos, o que desestimula a utilização de madeira nova e contribui para diminuir a velocidade frenética com que se está desmatando o planeta”, conta Neto. O resultado do empenho da Madeira Velha termina por se traduzir em assoalhos, decks, painéis, mobília, objetos decorativos e utensílios. Neto comenta que seus produtos não são mais baratos que os similares, construídos com madeiras novas devido às perdas, que neste caso são bem maiores. Além disso, ele explica que o desgaste dos equipamentos utilizados na recuperação da madeira também é muito maior. “Porém, apesar de custar mais, nossos produtos geram um crédito de sustentabilidade e uma economia no gasto de nossos recursos naturais que precisa ser levado em consideração”, alerta Neto. Ele conta que o trabalho desenvolvido em sua empresa parte da crença de que ele e seu irmão estão conseguindo man-

ter uma organização rentável, ao mesmo tempo que colaboram para salvar o futuro do planeta. Uma consciência que precisa ser despertada em outros setores econômicos, caso contrário, afirma Neto, todos teremos que arcar com as conseqüências que o trabalho não sustentável irá acarretar. Outra mostra do comprometimento ambiental da Madeira Velha é o projeto de realizar na cidade uma feira que mostre a outros empresários o que é possível se fazer em busca da sustentabilidade. “A princípio, estamos escrevendo nossa história, nos estruturando e aprendendo a cada dia como podemos ser úteis à sociedade com nosso trabalho. Acreditamos que esse caminho fatalmente nos possibilitará realizar ações que nos permitam não só produzir e comercializar e sim divulgar e envolver a sociedade nesse movimento. Temos um projeto para o futuro. Aliado ao fato de estarmos estabelecidos em Brotas, uma cidade que cresceu muito nos últimos tempos graças ao ecoturismo, e onde dispomos de uma boa infraestrutura para receber pessoas, pensamos num evento técnico comercial para mostrar e divulgar esse segmento”, conclui Neto. Na outra ponta Quem apóia e utiliza os produtos cria-

A Madeira Velha mostra que reciclar não é simplesmente juntar sucata, mas sim, transformar o que seria jogado fora, em um trabalho com alto nível de sofisticação.

SEM MEDIDA| 79


80 |SEM MEDIDA


SEM MEDIDA| 81


dos pela Madeira Velha são construtores, arquitetos e decoradores que reconhecem a qualidade e a beleza de tudo o que é criado com a utilização de madeira reciclada. Neto comenta que a receptividade das pessoas para com este tipo de material está crescendo mais e mais a cada dia, o que tem feito os proprietários da empresa pensarem seriamente em ampliar seu parque industrial. Uma das consumidoras dos produtos da Madeira Velha é a designer de interiores e ex-modelo plus size Juliana Ayres, que recentemente se mudou de São Paulo para a cidade de Brotas, de onde é natural e onde ainda vivem seus pais. Ela conta que sempre se preocupou com a sustentabilidade em sua área de trabalho e, por conta disso, sempre esteve em busca de soluções criativas. “Comecei a pesquisar materiais para meus projetos e descobri a Madeira Velha. Desde então, utilizo o que eles criam em quase todos os meus projetos, desde um pequeno objeto de decoração até um assoalho para ser usado como piso em toda a casa. Gosto muito também dos móveis sob medida que eles produzem. A madeira velha confere um toque totalmente diferenciado aos projetos. Desenvolvo peças lindas com linhas contemporâneas e que ao mesmo tempo conservam o toque rústico da madeira”, afirma Juliana. A designer não poupa elogios ao traba-

lho da empresa de Neto e afirma que a qualidade do que ele fabrica é excepcional, seja pelo aspecto de reutilizar materiais que iriam acabar “jogados por aí”, seja pelo fato de que a cada peça que ela adquire, Juliana dá sua contribuição para a redução do desmatamento das florestas. “A qualidade dos produtos executados com madeira reciclada é excelente. Além do diferencial da recuperação de um material extinto o nosso trabalho agrega valor não só na qualidade, mas também no conceito. E quando meus clientes sabem como é feito aquilo que eu estou indicando, eles também sentem que estão fazendo a parte deles. A cada dia, eles têm pedido por este tipo de solução por estarem preocupados com o meio ambiente”, conclui Juliana Ayres. Se você se interessou pelo trabalho da Madeira Velha e quer saber mais sobre este projeto inovador existem duas possibilidades. A primeira é tirar um fim de semana para visitar a cidade de Brotas e, além de visitar a oficina, passar um ótimo fim de semana aproveitando a estrutura ecoturística da cidade. A outra, para quem não quer esperar, é visitar o web site da empresa através do endereço www.madeiravelhabr.com.br. Se você também ficou curioso sobre o trabalho de Juliana Ayres, entre em contato pelo telefone (11) 8122-9964.

“A qualidade dos produtos executados com madeira reciclada é excelente. Além do diferencial da recuperação de um material extinto o nosso trabalho agrega valor não só na qualidade, mas também no conceito”.

82 |SEM MEDIDA


SEM MEDIDA| 83


Nota da redação: Durante o fechamento desta edição, fomos informados que a Amazon Book, pela primeira vez em sua história, vendeu mais livros eletrônicos do que exemplares em papel. Isso graças ao grande número de iPads vendidos (foto abaixo) e da facilidade que ele e os demais e-readers oferecem.

84 |SEM MEDIDA


Informação

jornais de grande tiragem se rendem ao digital Texto: da Redação | Imagens: Apple Corporation

Um dos mais importantes e tradicionais jornais do País, o Jornal do Brasil, anuncia sua renúncia à impressão de suas notícias, que, a partir de setembro, irão circular apenas em sua versão digital.

LEITURA DIGITAL

POR UM MUNDO

A SUSTENTÁVEL

ntes de acessarmos a íntegra da notícia, todos aqui da redação imaginamos que a decisão havia sido tomada levando-se em consideração a necessidade de encontrar meios sustentáveis para a circulação de informações, sem agredir ao meio-ambiente. Em meio aos festejos de uma primeira vitória de peso no caminho da preservação do meio-ambiente, descobrimos que a decisão tomada pela direção da empresa responsável pelo jornal havia sido tomada devido a problemas financeiros. Em meio à decepção, lembramos que há poucas semanas, em nosso twitter (www.twitter.com/semmedida) havíamos postado uma mensagem onde dizíamos que apesar de um aumento no número de leitores de jornais e revistas, a circulação destas publicações em papel havia se reduzido em mais de 10%, com relação a igual período do ano anterior. Um fenômeno que ocorreu nos Estados Unidos graças às versões digitais disponibilizadas na internet e graças, em parte, ao grande sucesso de vendas de aparelhos de leitura eletrônica, como, por exemplo, o iPad, criado pela Apple. Ao que parece, o mesmo fenômeno também está ocorrendo no Brasil. Mas, mesmo de uma maneira “meio torta”, ainda há o que ser comemorado, pois, o Jornal do Brasil, mesmo sem ter a intenção, acabou por se tornar o primeiro veículo de comunicação impresso a migrar totalmente do impresso para o digital. Um fato que, de qualquer forma, merece ser

SEM MEDIDA| 85


comemorado. Afinal, toneladas e toneladas de papel deixarão de ser consumidas diariamente, o que acaba por diminuir a demanda por este tipo de matéria-prima numa escala significativa e mostra a outros grupos editoriais um caminho sustentável a ser seguido. Isso, sem falar em que o valor da assinatura mensal, que custa R$ 76,90, passará a ser de R$ 9,90, uma economia de mais de 87% para os leitores. Ainda, segundo a notícia publicada pelo Meio&Mensagem On line, a versão digital do Jornal do Brasil, além de comportar formatos acessíveis pelos navegadores, terá versões compatíveis com os e-readers iPad, Kindle, Nook, entre outros. No anúncio, o JB informava que a decisão tomada estava amparada em uma pesquisa, realizada durante um mês, com seus leitores e cujos resultados apontavam a direção que os responsáveis pela publicação tomaram. O comunicado, ainda segundo o M&M On line, termina com a seguinte frase: “O JB vai sair do papel. E entrar na modernidade”. Segundo a notícia do M&M On line, “sites e redes sociais estão replicando comentários a respeito do fim da edição impressa do Jornal do Brasil, o que seria decidido entre esta  quarta-feira, 14, e a quinta-feira. A decisão pela extinção do diário impresso seria tomada nesta semana, conforme apontou o jornal O Globo na segunda-feira 12. Esses rumores logo movimentaram a internet. No entanto, o diretor administrativo do jornal, Humberto Tanure, irmão do empresário Nelson Tanure, disse que nada havia sido definido.” Há aqueles que acham triste que um jornal deixe de circular nas bancas, há aqueles – e a redação da revista Sem Medida engorda esse grupo – que o fato de deixar de ser impresso é uma medida que atende às necessidades econômicas da publicação e ao mesmo tempo a torna acessível a um número maior de leitores, que passarão a pagar menos pela assinatura mensal do Jornal do Brasil e, acima de tudo, ser digital é algo que beneficia o planeta e coloca o JB numa direção que cedo ou tarde outras publicações terão que seguir.

86 |SEM MEDIDA


Reprodução de tela

SEM MEDIDA| 87


GPS

hora de dizer adeus aos pesados guias de papel Texto: da Redação | Imagens: Wikimedia Commons arquivo Sem Medida

88 |SEM MEDIDA


LEITURA DIGITAL

POR UM MUNDO

SUSTENTÁVEL

Os guias de ruas e estradas são artigos indispensáveis na vida de quem mora nas grandes cidades. Ou melhor, eram. Depois da internet e sites de localização como, por exemplo, o Apontador e, mais recentemente o GPS (Global Position System) esses incômodos e pesados guias não são mais necessários.

SEM MEDIDA| 89


G

uias impressos em papel, com milhares de páginas e dezenas de quilos foram, durante muito tempo, os grandes amigos dos taxistas e de qualquer pessoa que precisava se locomover numa grande cidade. Porém, da mesma forma que muitos outros produtos quer são considerados indispensáveis, tendem a perder sua utilidade diante de novos produtos e serviços. Quem sabe, daqui a algum tempo, eles acabem se tornando uma curiosidade de museu. A morte anunciada dos guias impressos em papel começou há algum tempo, quando mesmo com poucos recursos tecnológicos, alguém decidiu colocar o conteúdo destes enormes livros em um CD Room interativo. Os recursos eram poucos, mas facilitavam em muito a vida de quem procurava a rota para onde desejava ir. Com a chegada da internet, não demorou muito para surgirem os web sites que faziam o papel de guias e, além disso, ofereciam um grande número de facilidades de pesquisa. A única desvantagem destes “guias eletrônicos” é que você não podia carregálos debaixo do banco de seu carro. Passado algum tempo, começaram a surgir os guias que podiam ser acessados de telefones celulares e, graças ao barateamento dos custos da produção em escala, chegaram às lojas de departamento os aparelhos de GPS, sigla em inglês que representa Global Position System (sistema de posição global). Desde então, estes aparelhos, que eram um equipamento voltado para uso militar e para a aviação co-

mercial, se tornaram acessórios indispensáveis nos vidros dianteiros de milhares de veículos e, graças ao seu tamanho reduzido, podem ser usados até por alguém que esteja se deslocando a pé. Como funciona O GPS foi desenvolvido pelas forças armadas norte-americanas para permitir que tropas pudessem se deslocar com confiabilidade e precisão de um ponto a outro no planeta. Basicamente, este aparelho é um receptor que capta sinais de uma rede de satélites que estão em órbita pelo planeta. Através de uma triangulação entre o aparelho e vários destes satélites é possível determinar com um alto grau de precisão, a latitude, longitude e altitude em que aquela pessoa que está com o GPS se localiza. Pouco tempo depois de sua criação, o sistema foi tornado de uso público e empresas privadas começaram a adaptar esta tecnologia para o uso civil, com finalidade pacífica. Os primeiros a se beneficiarem disso foram os transportes aéreos. O GPS se tornou um equipamento indispensável em aeronaves comerciais e de uso privado. Como era de se imaginar, não demorou para que as empresas percebessem o enorme potencial lucrativo da comercialização destes aparelhos para uso nos automóveis. Os primeiros, graças ao seu alto custo, só podiam ser vistos em carros de alto luxo, como, por exemplo, um Audi ou um Mercedes-Benz. Mas, com o ganho de cus-

Com isso, você pode realizar uma viagem de São Paulo a Salvador, na Bahia, e o aparelho o levará sem dificuldades até a rua que você indicou na cidade baiana.

90 |SEM MEDIDA


Wikimedia Commons/Salim Fadhley

SEM MEDIDA| 91


92 |SEM MEDIDA


Arquivo Sem Medida

to em escala, o GPS perdeu dimensões e peso e ganhou preços bastante acessíveis, podendo, atualmente, ser comprado em qualquer supermercado que também comercialize eletrodomésticos. No que diz respeito à sua funcionalidade e recursos, o aparelho destinado ao uso comum ganhou mapas terrestres, um sistema que permite pesquisar o local onde se deseja chegar através de coordenadas – latitude e longitude – ou simplesmente pela digitação do nome da rua onde se quer ir. Com isso, o aparelho traça a rota, oferece alternativas segundo critérios que o usuário seleciona e, durante todo o trajeto, faz indicações de direção na tela e através de sistema de voz. Outras facilidades que transformam o GPS no companheiro ideal de qualquer motorista e, principalmente dos brasileiros, é a capacidade deste aparelho de identificar e alertar o usuário para a aproximação de radares de velocidade fixos, apelidados pelos paulistanos de “pardais”. O número de radares existentes vem registrado no mapa fornecido pelo fabricante do aparelho, mas existem web sites cujos usuários alimentam, o Maparadar, por exemplo (http:// maparadar.com), onde se pode baixar, gratuitamente, listas atualizadas de radares fixos e até mesmo de radares móveis, pelo menos enquanto eles estiverem lá. Além disso, é claro que variando de fornecedor para o mapa, o GPS também incorpora guias diversos onde se pode localizar, por exemplo, pontos turísticos, locais que possuem caixas automáticos, res-

taurantes, bares, cinemas, teatros e, caso seja necessário, serviços básicos, como hospitais e delegacias de polícia. Estes mapas estão divididos e podem ser comprados levando-se em consideração o país em que se está ou onde você vive. No caso do Brasil, os aparelhos vendidos aqui, já vêm com os mapas de todo o País, uma vantagem sobre os guias de papel, que em alguns casos limitavam-se apenas ao estado. Com isso, você pode realizar uma viagem de São Paulo a Salvador, na Bahia, e o aparelho o levará sem dificuldades até a rua que você indicou na cidade baiana. Os aparelhos disponíveis A quantidade de aparelhos GPS disponíveis no Brasil é imensa e seus preços variam entre R$ 249,00 e R$ 499,00 (valores pesquisados no web site do supermercado Extra (www.extra.com.br), mas até pouco tempo não era difícil pagar mais de R$ 1.000,00 num destes aparelhos que, além de levar você a qualquer lugar ainda incorporam facilidades de um MP “sei lá que número”, de última geração. Além disso, outra variável de preço é o tamanho das telas disponíveis, que ficam entre 3,5 e 5 polegadas. Até pouco tempo, quem estava, ou tentava se manter atualizado, em termos de tecnologia precisava de um notebook, um palm top, um telefone celular e um MP3. Hoje, graças à concorrência entre os fabricantes, muitas destas facilidades são incorporadas em um único equipamento, fa-

O GPS já se tornou um aparelho tão casual na vida das pessoas que não é difícil receber um convite para uma festa onde, além do endereço, estão apontadas as coordenadas do local.

SEM MEDIDA| 93


Opinião de quem usa Segundo Eudinedes Júnior, médico e morador da cidade de Ribeirão Pires, em São Paulo, o GPS é um aparelho que se tornou indispensável em sua vida. “Eu

sempre usei guias de cidades e de estradas porque gosto muito de viajar e me desloco regularmente para a cidade de São Paulo. Quando usava guias de papel, antes de sair de casa eu marcava a página no mapa e minha mulher ia com o guia no colo me indicando o caminho. Agora, entro no carro, digito o nome da rua onde quero chegar e o aparelho vai me falando onde virar à esquerda, onde entrar à direita”, explica Júnior. O GPS já se tornou um aparelho tão casual na vida das pessoas que não é difícil receber um convite para uma festa onde, além do endereço, estão apontadas as coordenadas do local. Foi o que aconteceu outro dia aqui na redação. “Recebemos o convite para o lançamento de um livro e enquanto corria os olhos para ver onde seria, percebi que havia também a coordenado do local. Coloquei as informações no meu GPS e em instantes ele traçou a rota que eu deveria usar”, afirma Roberto Paes, um dos editores da Sem Medida. Agora que você já teve uma idéia do que os GPSs fazem e sabe que eles já não custam tão caro como na época em que foram lançados, compre o seu. Trata-se de um investimento de retorno garantido, afinal, só com a economia em multas de velocidade excessiva, você recupera o preço do aparelho. Isso sem falar que você estará se livrando de um grande peso para o colo e estará ajudando a diminuir o consumo de árvores utilizadas para fazer o papel usado na impressão dos guias convencionais.

Os primeiros a se beneficiarem disso foram os transportes aéreos. O GPS se tornou um equipamento indispensável em aeronaves comerciais e de uso privado.

94 |SEM MEDIDA

Arquivo Sem Medida

zendo com que você carregue menos bugigangas e obtenha as mesmas facilidades. Um exemplo disto são os smarth phones, que nos fizeram aposentar as agendas de papel e utilizarmos as funcionalidades do aparelho. Não vai ser de estranhar que daqui a pouco tempo qualquer rádio AM/FM venha com um GPS instalado nele. No que diz respeito à qualidade dos aparelhos, depois de falar com alguns usuários contumazes do GPS, chegamos à conclusão de que eles não apresentam muitos defeitos, mas o ideal é optar por uma marca que tenha assistência técnica no Brasil ou uma lista de representantes espalhada pelo País. Além disso, no que diz respeito aos mapas, cada usuário tem uma preferência pessoal. Alguns preferem os de tela maior e programas com uma variedade de informações apresentadas nela, outros preferem telas limpas, com poucos dados, pois segundo eles, com a facilidade de indicação de voz dos aparelhos, quase não se precisa olhar para o GPS durante a navegação. Depois que você comprar seu aparelho, não custa nada se cadastrar em um fórum de discussões do orkut sobre o tema e manter-se atualizado das novidades e preferências de outros usuários.


SEM MEDIDA| 95


Alternativa

em breve você estará usando um carro destes Texto: da Redação | Imagens: divulgação

Se os invasores retornassem à Terra, com certeza não utilizariam aquelas naves que mais pareciam pires de ponta cabeça. Eles andariam com essas máquinas silenciosas, econômicas e ecologicamente corretas.

96 |SEM MEDIDA


LEITURA DIGITAL

POR UM MUNDO

SUSTENTÁVEL

SEM MEDIDA| 97


Q

uem tem mais de 30 anos, deve se lembrar do seriado que passava na televisão: Os invasores. Nele, David Vicent procurava alertar seus companheiros de que a Terra já havia sido invadida e os extraterrestres estariam misturados com os humanos. A série teve enorme sucesso, mas hoje, analisando a abertura, é cômico ver as “naves alienígenas” chegando na Terra. Nada mais eram que pires pintados e que recebiam umas luzes pequenas. Mas se “eles voltassem” hoje, com certeza abandonariam os “pires voadores” e andariam em carros da Audi, Fiat, General Motors e Peugeot que estão em um estágio muito avançado no que diz respeito a carros elétricos. A Audi acabou definitivamente com a idéia de que carro elétrico é lento. O modelo e-tron faz de 0 a 100 km/h, em 4,8 segundos e atinge a velocidade máxima de 200 km/h. Ele esteve presente no Brasil, na 10ª edição do Michelin Challenge Bibendum, seminário realizado no Rio de Janeiro em busca de soluções para a mobilidade sustentável. Ele é o único esportivo elétrico de alta performance, ainda em forma de protótipo, e foi desenvolvido pela montadora alemã reunindo tecnologias revolucionárias de propulsão elétrica e design inovador. Com isso, a Audi quer debater a revitalização da indústria automotiva, após o impacto da crise econômica mundial, e apresentar novas soluções de mobilidade sustentável. A apresentação do protótipo esportivo traça novos parâmetros dentro do setor au-

tomotivo brasileiro, uma vez que a condução elétrica eficiente reduz a dependência de fontes de combustíveis não renováveis, como petróleo, e neutraliza a emissão de qualquer tipo de componente tóxico na atmosfera. Para o condutor, o grau de eficiência desse motor é superior ao de combustão. O resultado pode ser traduzido em economia para o bolso e agilidade de locomoção. A principal desvantagem encontrada nos demais carros elétricos lançados até o momento, era a baixa eficiência da bateria e, consequentemente, a baixa autonomia para percorrer longas distâncias. O design do Audi e-tron também chama a atenção. Linhas arrojadas e referências visuais e funcionais caracterizam seu estilo esportivo. Na parte interna, o console central incorpora o display de visualização da autonomia do carro e dados do sistema de navegação. Para completar, bancos anatômicos inspirados em carros de corrida, combinam conforto e contenção lateral. O desempenho do carro, nas pistas de teste, comprova a eficiência empregada nas novas tecnologias que compõem o modelo. O Audi e-tron acelera de 0 a 100 km/h em 4,8 segundos, de 60 a 120 km/h em 4,1 segundos, e alcança uma velocidade máxima limitada de 200 km/h. Mais que um veículo de condução, ele neutraliza a emissão de poluentes e apresenta tecnologias que garantem a preservação ambiental para as novas gerações. Eletromobilidade A AUDI AG investe cerca de dois bilhões de euros (aproximadamente R$ 4,6 bilhões)

O modelo e-tron faz de 0 a 100 km/h, em 4,8 segundos e atinge a velocidade máxima de 200 km/h.

98 |SEM MEDIDA


SEM MEDIDA| 99


100 |SEM MEDIDA


102 |SEM MEDIDA


por ano em pesquisas e desenvolvimento de novas tecnologias. O foco principal é o avanço do motor de combustão e tecnologias relacionadas. Uma segunda prioridade é a eletromobilidade e o e-tron é um poderoso aliado neste desenvolvimento. Para isso, a montadora criou um centro de estudos para essa inovação, que irá em breve começar a trabalhar em um projeto patrocinado pelo governo federal alemão, batizado de eperformance. O centro está estabelecido nas dependências da Audi Electronics Venture GmbH (AEV), filial da montadora voltada para novas tecnologias eletrônicas e que trabalha em cooperação estreita com universidades, institutos de pesquisas e novas empresas. A Audi também recrutou parceiros de renome da comunidade científica para este projeto como a RWTH Aachen e as universidades: Técnica de Munique, Dresden e Ilmenau, Leibniz, Universidade de Hannover e a Sociedade Frauenhofer. A AEV e a engenharia da Bosch também participam do projeto que irá beneficiar todos os parceiros. O buggy italiano Se os alemães da Audi partiram para um esportivo, os italianos da Fiat optaram por desenvolver um buggy, o Fiat Concept Car II, ou simplesmente FCC II. O modelo foi totalmente desenvolvido no Polo de Desenvolvimento Giovanni Agnelli, em Betim (MG) e projetado sobre o conceito Enviroment & Fun, quer dizer, um carro ecologicamente correto, que proporciona prazer ao dirigir.

O FCC II foi construído com componentes ecológicos e serve como um laboratório de pesquisas na busca de novas tecnologias, o ponto de partida para a adoção de novas soluções de mobilidade com materiais alternativos, reutilizáveis e não poluentes. O principio básico do modelo é a utilização de um sistema de propulsão com nenhum nível de emissões. O FCC II utiliza motor elétrico feito sob medida para ele, conciliando desempenho e, ao mesmo tempo, respeitando o meio ambiente. O motor elétrico é alimentado por 93 baterias de íon lítio, que podem ser recarregadas em qualquer tomada 220 volts. As baterias são instaladas entre a dianteira e traseira para melhor distribuição de peso e melhor comportamento dinâmico do veículo. Com autonomia de até 100 km, desenvolve 59 kW (80,2 cv) e torque máximo de 220 Nm (22,9 kgfm), utilizando sistema de transmissão Dualogic, o mesmo usado nos Fiat Linea e Stilo. Apenas a título de comparação, o Volkswagen Gol, 1.0, tem 72 cv de potência na versão à gasolina e 76 cv na versão a álcool. A carroceria do FCC II é de fibras naturais de fontes renováveis para ter menor impacto ao meio ambiente e da nanotecnologia para fazer peças mais leves e resistentes. Os painéis de carroceria, como o capô, por exemplo, foram injetados em compósito com nanoargila, a chave de fenda que acompanha o kit de ferramentas foi injetada em plástico reciclado com fibras de curauá e sisal. Peças como reparos, discos de freio, molas e montantes de suspensão receberam revestimentos organometálicos isentos de metais pesa-

O motor elétrico é alimentado por 93 baterias de íon lítio, que podem ser recarregadas em qualquer tomada 220 volts.

SEM MEDIDA| 103


104 |SEM MEDIDA


SEM MEDIDA| 105


dos. A espuma que reveste os bancos foi feita com 30% de poliol de óleo de soja reciclado. O FCC II, por ser um veículo destinado às atividades esportivas e fora-de-estrada, vem equipado com o eficiente sistema Locker, que bloqueia as rodas caso elas patinem. Esta é a primeira vez que o sistema é acoplado a um motor elétrico. A estrutura do conceito é tubular, com câmbio posicionado posteriormente e os freios são a disco nas quatro rodas. O modelo usa LEDs para a iluminação dianteira e traseira e os faróis incorporam tecnologia bi-xenon. Design futurista Com linhas inspiradas em um buggy para explorar ao máximo a sua agilidade, dinamismo e robustez, o FCC II remete seu usuário ao prazer de dirigir com toda a segurança. Para reforçar ainda mais seu vínculo com a natureza, sua carroceria foi pintada de verde cítrico. A cor viva das partes suspensas proporciona um contraste agradável com o cinza das partes estruturais, que remetem a informações tipicamente industriais, tecnológicas e mecânicas, uma combinação que transmite sensação de proteção e resistência. Ao ser observado por um plano superior, capô e pára-lamas, dianteiros e traseiros, guardam uma semelhança com os pássaros. Sua inclinação lembra asas retraídas, se analisadas em conjunto com o bico do FCC II. Quando visualizado frontalmente fica evidente sua forte personalidade e agressividade. O conjunto ótico composto

por faróis de xenon e LEDs, aliado aos pára-lamas, remetem ao olhar de um animal selvagem. O pára-choque, com “peito de aço” e proteção lateral, reforça a imagem de robustez do veículo. No seu interior, a filosofia de peças flutuantes se repete, dando solidez ao conceito. As peças do console, em forma de duas asas, partem em direção ao quadro de instrumentos do motorista e a um porta-objetos para o passageiro. O FCC II tem 3.245 mm de comprimento, 1.814 mm de largura, 1.480 mm de altura e 2155 de entreeixos. O vão livre do solo é de 193 mm. As rodas com aro de 19 polegadas estão calçadas com pneus 255/55 R19 e seu peso total é de 980 quilos. A longa distância entreeixos aproxima os eixos das extremidades do veículo proporcionando excelentes ângulos de ataque e saída. Esse é um detalhe importante, que favorece a aproximação e a transposição de obstáculos. Ideal para centros urbanos A francesa Peugeot centrou seus esforços em um carro ecologicamente correto e trouxe pela primeira vez ao Brasil, o BB1, carro-conceito destaque no Salão de Frankfurt 2009, e que oferece uma resposta original às necessidades de mobilidade dos grandes centros urbanos. Como tem por objetivo avaliar os desafios e soluções em favor de uma mobilidade sustentável, conta com a parceria de diversos representantes do setor de transporte. O BB1 é capaz de acomodar quatro pessoas em apenas 2,50 metros. Veículo

O BB1 é capaz de acomodar quatro pessoas em apenas 2,50 metros. Veículo 100% elétrico, este conceito reinventa o automóvel em todas as suas dimensões.

106 |SEM MEDIDA


SEM MEDIDA| 107


108 |SEM MEDIDA


SEM MEDIDA| 109


110 |SEM MEDIDA


100% elétrico, este conceito reinventa o automóvel em todas as suas dimensões (arquitetura, estilo, habitáculo, condução e conectividade), tudo isso respeitando ao máximo o meio ambiente. O estilo do veículo evidencia o volume interno e a ergonomia de condução, com linhas projetadas para a frente, deixando transparecer as superfícies vidradas, as portas recortadas com abertura invertida que facilitam o acesso dos ocupantes, e as caixas de rodas com volumes extremamente gráficos. Estrutura inovadora e leve O BB1 tem por base um chassi tubular especialmente desenvolvido em colaboração com os engenheiros da Peugeot Motocycles, que integra as ligações ao solo do veículo, direção elétrica, conjunto de suspensões dianteira e traseira, conjunto de molas e amortecedores, entre outros, e conferem um comportamento na estrada coerente com seus desempenhos e sua vocação urbana, proporcionando prazer de dirigir e segurança ativa. A carroceria composta por uma leve célula de carbono completa esta arquitetura inovadora, permitindo limitar o peso total a 600 kg (o VW Gol pesa 974 kg) e entrar no círculo virtuoso de limitação do peso dos componentes automobilísticos. O projeto do carro previa acomodar quatro adultos em 2,50 metros de comprimento, desafio vencido graças à posição de condução mais vertical, possibilitada pela ausência de pedais no assoalho. O condutor dirige o BB1 utilizando um

guidão que integra todos os comandos de condução (acelerador, freio etc.), enquanto o passageiro traseiro se senta atrás do condutor. Do lado direito, os passageiros da frente e de trás adotam a mesma posição. Um veículo que propõe uma nova leitura da mobilidade automobilística também precisava propor uma grande inovação em matéria de motorizações. Da parceria entre as marcas Peugeot e Michelin, nasceram os conjuntos motores-rodas (o motor fica dentro de cada uma das rodas traseiras) e proporcionam um modo de propulsão 100% elétrico e particularmente inovador. Os motores são alimentados por baterias de íon-lítio de última geração, que conferem ao BB1 uma confortável autonomia de 120 km. A potência total desenvolvida pelo veículo não ultrapassa 20 cv, ou seja, 10 cv por motor, uma ótima potência, levando-se em conta o peso do veículo e seu caráter urbano. Suas características possibilitam uma excelente reatividade na partida (0 a 30 km/h em 2,8 segundos) e um bom nível de retomada (30 a 60 km/h em 4 segundos), em benefício de um prazer e de uma segurança de condução que fazem parte do DNA da Peugeot. Parece mas não é O Chevrolet Volt até parece ser um modelo híbrido. Mas não é. Trata-se de um modelo elétrico para quatro passageiros e com capacidade de longo alcance. Isso por usar a eletricidade como sua principal fonte de energia e gasolina como fonte secundária.

A Chevrolet estima que o Volt vai economizar cerca de 500 galões (1.892 litros) de gasolina com base em 40 quilômetros de condução diária e 15 mil milhas por ano.

SEM MEDIDA| 111


112 |SEM MEDIDA


SEM MEDIDA| 113


Suas rodas são acionadas por uma unidade de acionamento elétrico, enquanto nos híbridos convencionais as rodas estão ligados por um motor elétrico, motor a gasolina, ou ambos. Para viagens de curta distância, o Volt é movido apenas pela energia da bateria. Para viagens mais longas, a eletricidade adicional pode ser fornecida por um gerador de motor de combustão interna. A bateria e os sistemas de propulsão são dimensionados de modo que quando há energia suficiente disponível a partir da bateria, o motor não é exigido para a operação. Durante esta fase, com propulsão exclusivamente elétrica, bateria, motor e eletrônica de potência são projetados para oferecer um desempenho completo, aceleração, velocidade máxima, subidas na energia eléctrica sozinho. Como funciona A energia é armazenada a bordo, a 16 kWh, “T” em forma de bateria de lítio-íon. Em uma volta com o Volt, a bateria atendeu todas as necessidades para manter o veículo a 40 mph (64 km/h), sem usar uma gota de gasolina. Para viagens mais longas, o motor do Volt é usado para acionar um gerador elétrico, quando a energia da bateria se esgotou. O gerador de motor é capaz de gerar eletricidade adicional para ativar o carro por cerca de 300 milhas antes de a necessidade de reabastecimento ou plug-in para recarregar a bateria. Os principais benefícios incluem a di-

versificação energética, o consumo de petróleo reduzido e emissões reduzidas. De acordo com um Society of Automotive Engineers, estudo publicado pela General Motors, em abril de 2008, o Volt irá consumir, em média, menos da metade da gasolina consumida por um emissões híbrido plug-in. A Chevrolet estima que o Volt vai economizar cerca de 500 galões (1.892 litros) de gasolina com base em 40 quilômetros de condução diária e 15 mil milhas por ano. Para os condutores que percorrem 60 milhas (96 km) por dia ou 21 mil milhas por ano, cerca de 550 galões (2.081 litros) de gasolina poderiam ser economizados. Não é um híbrido Na prática, os veículos híbridos normalmente requerem duas fontes, um motor e uma bateria, para fornecer capacidade de execução completa do veículo. Em um veículo híbrido, o motor à combustão é geralmente o maior das duas fontes de propulsão, e fornece a maioria do poder durante as manobras de alta potência como quando o veículo começa a rodar. Um híbrido plug-in funciona da mesma maneira, mas pode ser recarregado. Ligando com energia útil da bateria, o motor será frequentemente operacional para atingir os picos de carga do veículo. O Chevrolet Volt é exclusivo de um híbrido plug-in. Híbrido em que as rodas do veículo são sempre conduzidos eletricamente por acionamento elétrico.

Suas rodas são acionadas por uma unidade de acionamento elétrico, enquanto nos híbridos convencionais as rodas estão ligados por um motor elétrico, motor a gasolina, ou ambos.

114 |SEM MEDIDA


SEM MEDIDA| 115


Literatura

um mega evento dedicado aos livros e a cultura Texto: da Redação | Imagens: Wikimedia Commons divulgação

Albert Einstein disse que a mente que se abre à uma nova ideia, jamais volta ao seu tamanho original. E a leitura é um dos caminhos mais fáceis e prazerosos de se abrir a mente.

116 |SEM MEDIDA


Wikimedia Commons/Olaf Simons

SEM MEDIDA| 117


E

nada mais prazeroso do que descobrir aquele livro que mais lhe agrada entre mais de 900 selos espalhados por 60 mil metros quadrados que abrigará ainda 700 atividades em pelo menos 400 horas, durante os 11 dias que durará a 21ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo, que se realizará entre os dias 12 e 22 de agosto, no Pavilhão de Exposições do Anhembi, zona norte da capital paulista. Nesta edição, novos formatos, grande interatividade com o público e a presença de conceituados escritores brasileiros e autores internacionais vão formar a grade mais pluralista dos 40 anos deste evento. Esse novo enfoque foi resultado do trabalho dos curadores das atividades culturais que enriqueceram a programação e que foram convidados pela organização da Bienal do Livro entre renomados profissionais. Agora em 2010, a programação focará quatro temas principais: Monteiro Lobato; Clarice Lispector; Lusofonia; e Livro Digital. A 21ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo tem o de objetivo ampliar a base de leitores e democratizar o acesso ao livro, com reflexos imediatos à cidadania. Nesse sentido, foi criado um comitê para repensar o evento e um conselho de curadores. O primeiro já discutiu melhorias ao público e expositores e o segundo, que se dedica à programação cultural, trabalha no fechamento da grade de atrações. Esta edição será realizada pela Câmara Brasileira do Livro (CBL) e organizada pela Reed Exhibitions Alcantara Machado, ocupará uma área de 60 mil metros quadrados (o equivalente a quase oito campos de futebol) do Pavilhão do Anhembi e a expectativa é reunir 350 expositores do Brasil e de fora que representam mais de 900 selos editoriais. Uma outra novidade nesta edição será o Espaço Gourmet, que abordará a temática cozinhando com palavras. Neste espaço, renomados chefs de cozinha, que já escreveram livros, apresentarão ao público, aulas práticas e interativas em cozinhas cenográficas, além de promoverem debates sobre o tema e sobre os lançamentos

118 |SEM MEDIDA

nesse segmento. Os espaços já tradicionais também receberão inovações. O Salão de Ideias, por exemplo, terá seu conteúdo repensado e ampliado. A expectativa é apresentar 40 mesas (quatro por dia) onde escritores nacionais e internacionais discutirão temas diversos para platéias de 200 pessoas. Estão previstas 13 mesas individuais e seis mesas formadas por dois escritores cada, que discutirão um único tema, além de uma série de rodadas de debates no espaço. “Este esforço fará toda a diferença para expandirmos o mercado editorial, e nos deixará mais preparados para enfrentarmos novos desafios, pois o que queremos


é um País com um número cada vez maior de leitores”, afirma Rosely Boschini, presidente da CBL. Também estão previstos o Espaço do Professor, organizado na forma de um curso que tem o objetivo de capacitar professores a trabalhar o livro de literatura em sala de aula, e as Atividades Infantis, com atrações culturais lúdicas para proporcionar entretenimento às crianças que visitarem a feira, como os espaços “O livro é uma viagem”, organizado pelo Instituto Pró-Livro, e “Fábulas com a Turma da Mônica”, com curadoria de Maurício de Souza, o criador da famosa turma das histórias em quadrinhos. Sobre a Bienal, Rosely lembra que o

evento atrai um público enorme e, por isso mesmo, constitui-se tradicionalmente em um elemento formador de novos leitores. “Trata-se de um verdadeiro convertedor de visitantes de feiras em frequentadores de livrarias. Sem contar que será um momento privilegiado para se homenagear os escritores e suas obras, além de estimular a todos, inclusive os jovens, a descobrirem o prazer da leitura e respeitarem a valiosa contribuição dos autores ao progresso dos indivíduos, das sociedades e nações”. Juan Pablo de Vera, presidente da Reed no Brasil, afirma que para a empresa é muito importante organizar a Bienal Internacional do Livro de São Paulo, referência no mundo da cultura nacional e internacional e permite que a Reed possa integrar sua experiência internacional ao sucesso do que já vinha sendo realizado. A Bienal Internacional do Livro de São Paulo é hoje o terceiro maior evento do gênero do mundo, atrás apenas da Feira do Livro de Frankfurt, na Alemanha, e da Feira Internacional do Livro de Turim, Itália, que chega, em 2010, na sua 21ª edição. A Bienal do Livro é um grande ambiente cultural, onde se apresentam, juntas, as principais editoras, livrarias e distribuidoras do país, que otimizam seus lançamentos para esse período. Além da diversificada oferta de livros de qualidade e de todos os segmentos, a Bienal propicia aos visitantes uma programação cultural ampla e variada, desenvolvida especialmente para despertar o gosto pela leitura em todas as faixas etárias e em todas as classes sociais. Para garantir maior conforto e segurança aos visitantes e expositores, a promotora tem disponível no próprio evento, alguns serviços como posto médico, praça de alimentação, sala de imprensa, espaço das redes sociais, serviço de táxi, traslado Metrô-Pavilhão/Pavilhão-Metrô e guarda volumes. A 21ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo acontece entre os dias 12 e 22 de agosto de 2010. Das 10h00 às 22h00, no Pavilhão de Exposições do Anhembi, Av. Olavo Fontoura, 1.209, em São Paulo. Para maiores informações visite o web site: www.bienaldolivrosp.com.br.

SEM MEDIDA| 119


Turismo

o melhor é viajar nos sonhos dos clientes Texto: da Redação | Imagens: divulgação

120 |SEM MEDIDA


Este é o segredo do sucesso da Bizness Viagens e Turismo, um agência cuja dona mudou de lado do balcão e por isso sabe muito bem o que o consumidor precisa e como atendê-lo da melhor maneira possível.

SEM MEDIDA| 121


122 |SEM MEDIDA


A

na Marisa Gardano costumava viajar muito. Um belo dia, o gerente da loja onde ela fazia a compra das passagens pediu que, ao retornar, viesse conversar com ele. “Curiosa, fui, e para minha surpresa, fui convidada a trabalhar como free lancer”, lembra Ana. “Comecei como brincadeira e agora estou completando 22 anos de turismo” No início ela se dedicava a viagens de lazer, montando roteiros diferenciados. Depois, também por acaso, passou a atender viagens corporativas e não teve mais tempo para se dedicar às viagens de lazer. Após 15 anos atendendo o mercado corporativo, decidiu voltar às viagens de lazer, que sempre lhe deram muito prazer. E durante esse tempo, seu dinamismo e dedicação foram cativando os clientes. Tanto que um deles a incentivou a abrir sua própria agência, pois, segundo ele, quando Ana não estava trabalhando, ele não era bem atendido. Mas Ana relutou alguns anos até se decidir a abrir Bizness Viagens e Turismo, o que ocorreu há seis anos. O roteiro do cliente A primeira preocupação de Ana em sua agência é sempre atender o cliente no roteiro que ele tem em mente, dando os retoques e as sugestões necessárias. Quando o cliente está em dúvida sobre o destino, ela pensa em alguma viagem que lhe daria muito prazer fazer. E assim, sonhando, os roteiros vão surgindo. “É claro que todo sonho é baseado nos desejos do passageiro e também na verba que ele tem para aquela viagem”, explica Ana. “Mesmo porque para mim, luxo não é sinônimo de cifras altas, mas sim, de coisas diferentes que nos dão prazer e

satisfação imensos”. Ela gostaria de conhecer todos os locais para os quais organiza passeios, porém, como não conhece, procura estudar o destino e também trabalhar com operadoras que têm o mesmo padrão de qualidade que ela exige para lhe aconselhar. Ela atende a todo tipo de clientes que, normalmente quer conhecer coisas diferentes, mesmo que os destinos já sejam conhecidos. A maioria das viagens são o que ela chama individuais: casais, famílias e pequenos grupos de amigos. Uma vez ou outra, organiza viagens em grupo para clientes variando de 16 a 40 pessoas, e, normalmente, para destinos já preestabelecidos por eles. A Bizness Viagens e Turismo tem roteiros para o mundo inteiro, mas alguns fascinam mais Ana Gardano: a Provence, a Toscana, o Leste Europeu, Portugal, Grécia e Turquia, alguns destinos diferenciados na Argentina e outros exóticos como o Vietnã, na Ásia. Segundo ela, o mais procurado nos últimos quatro anos é a Europa, principalmente Itália, França e Leste Europeu, que agora está sendo descoberto pelos brasileiros. Segundo ela, isso se deve ao fato de que o brasileiro descobriu que as viagens são também uma grande fonte de aprendizado de outras culturas e forma de vida, por isso a preferência pela Europa. “Eu gosto muito dos roteiros pela Provence, uma das regiões culturalmente mais ricas da França”, explica Ana. “Oito a dez dias na Provence te proporcionam descobertas incríveis. No ano passado, fui até lá a convite do representante deles em São Paulo e do escritório de Turismo da Provence e tive a oportunidade de visitar um museu áudio-visual totalmente desconhecido não só para mim, mas também para as outras

SEM MEDIDA| 123


pessoas do grupo, onde tive a oportunidade de ver a exposição sobre a vida e obra de Picasso”. O local é a Cathédrale d’Images em Les Baux de Provence, uma pedreira transformada em área para exposições áudio-visuais, onde você tem um pé direito de, mais ou menos, oito metros e onde as obras tomam uma dimensão inigualável. Imagine a obra de Picasso “Guernica” te abraçando. Isto é a Cathédrale d’Images. Depois desta demonstração cultural inesquecível, nada melhor que uma parada em uma vinícola de Chateauneuf-du-Pape para uma degustação de vinhos. Tudo isto hospedados a bordo do Le Phénicien, um barco com apenas nove cabines, um serviço perfeito e um chef de cozinha excepcional. É um programa de sábado a domingo saindo de Avignon em direção a Aigues Mortes, e vice-versa. Aí você tem o luxo: quartos simples, porém aconchegantes, serviço de bordo fantástico, onde cada membro da tripulação se dirige a você pelo seu nome; as delícias preparadas pelo chef Thierry com a preocupação de atender ao paladar de todos os passageiros (são somente 18); os vinhos da região harmonizados regiamente com cada prato; e o navegar suave pelo Rhone. Mas todo sonho tem um preço. Este descirto acima, o cruzeiro, incluindo os traslados desde a estação e/ou aeroporto e/ou hotel em Avignon ou Aigues Mortes, pensão completa com open bar; os passeios nas cidades por onde passa o Le Phénicien, custa a partir de 2.350 euros por pessoa em cabine dupla, dependendo da data do embarque. O Le Phénicien oferece também a possibilidade de fretamento total para uma família ou grupo de amigos, desde que a reserva seja feita com alguns

124 |SEM MEDIDA

meses de antecedência. Mas como o importante é atender o cliente, se você tem um desejo de fazer um roteiro específico, a Bizness se encarrega de criá-lo e já sugere maravilhosas vilas para locação de férias na Itália que acomodam desde quatro até 20 pessoas. Nos roteiros individuais, a Bizness precisa de pelo menos 15 dias para montar o trajeto perfeito, pedir as reservas e receber as confirmações. A partir desse ponto, depende da disponibilidade dos hotéis no destino escolhido. Para quem se encantou com a descrição da Ana sobre Provence, na França, o pacote inclui 5 dias/4 noites, incluindo 4 noites de hospedagem em Avignon, um jantar e três almoços, uma aula de culinária, visita ao Palácio dos Papas e Museu Angladon em Avignon, vinícolas e fábrica de chocolates em Chateauneuf-du-Pape, fábrica de azeite de oliva, museu de tecidos Souleïado, carro ou van privativa com ar condicionado e motorista-guia bilingue (francês/inglês), taxas, pedágios e combustível. Este é um pacote especial para mínimo de duas e máximo de oito pessoas com acompanhamento desde a chegada em Avignon. As guias são duas senhoras francesas que fornecem um atendimento VIP aos passageiros, por isso o número de pessoas é limitado. Quem quiser conhecer melhor a empresa e seus roteiros pode procurar a Ana pelo telefone (11) 4191-8708, e-mail: ana@ bizness.tur.br, ou ir pessoalmente na Rua Cunha Gago, 844 - Pinheiros - site: www. bizness.tur.br. O que você está esperando para fechar as malas e abrir sua mente para um mundo lindo e maravilhoso que está esperando por você?


SEM MEDIDA| 125


126 |SEM MEDIDA


Teatro

agora, o espetáculo é que vai até você Texto: da Redação | Imagens: divulgação

Com a Cennarium – It´s Showtime é possível assistir peças de teatro onde melhor lhe convier e na hora que você quiser, sem filas, trânsito ou longas horas de espera.

SEM MEDIDA| 127


D

e um lado os resultados de uma pesquisa apontaram que 41% dos pesquisados não vão ao teatro há mais de um ano, que metade deles acham caro, 58% não tem acesso na cidade onde moram e que 22% das pessoas que nunca foram ao teatro acham que iriam se fosse mais barato. Do outro, a pesquisa do Ibope Nielsen apontando que 66,3 milhões de pessoas acessam a web no Brasil, no trabalho, em casa, na escola ou em telecentros. Em média, cada brasileiro passa 44 horas por mês conectado à rede, mais que os norteamericanos, com 40 horas, e os australianos, com 39. Outra análise do instituto de pesquisas aponta que, em 2009, sete em cada dez internautas brasileiros, isto é, 25,8 milhões de pessoas, assistiram a vídeos via internet. Somente em dezembro de 2009, foram 24,9 milhões de web espectadores, 23 milhões deles em sites de vídeos como o YouTube e Joost.tv e em portais de conteúdos profissionais como Globo.com, Terra TV e TV UOL. De acordo com o Ibope, o consumo mensal médio de vídeos por internauta totaliza uma hora e 20 minutos. Junte as duas informações e teremos uma oportunidade que a Cennarium – It´s Showtime transformou criando a primeira empresa no mundo especializada na transmissão de espetáculos e peças de teatro via web. Com investimento inicial de R$ 10 milhões, a empresa tem como proposta, disseminar e incentivar o desenvolvimento da indústria de entretenimento cultural, e especialmente ser um instrumento de fomen-

to do teatro brasileiro. É claro que ninguém pretende substituir a experiência de ver e apreciar as tradicionais apresentações dos espetáculos e peças de teatro ao vivo, mas sim disponibilizar uma nova opção, neste caso, on demand via web (internet). O diferencial é que com a Cennarium será possível assistir a espetáculos a qualquer hora e em qualquer lugar, em casa, no escritório, à espera de um voo, com a família ou os amigos. Os professores poderão usar a ferramenta do teatro para contribuir com a educação. Mais que uma forma de diversão, a Cennarium se configura como uma nova ferramenta de inclusão social, cultural, educacional e digital, além de um recurso para a valorização desta milenar forma de manifestação artística, que é o teatro. Muita informação No início, o portal Cennarium – It’s Showtime concentrará mais de 20 espetáculos em um endereço eletrônico, onde também serão disponibilizados os sites oficiais de cada espetáculo e peça teatral, onde o internauta poderá obter mais informações sobre as produções que estão e entrarão em cartaz. Ou seja, o cliente só irá pedir um espetáculo, depois de muito bem informado sobre ele. A cada mês, novos espetáculos entrarão em cartaz no Cennarium. “Cada pessoa terá uma senha para acesso ao portal e o espetáculo escolhido ficará disponível por 24 horas para que seja assistido”, explica o CEO da Cennarium, Harry Fernandes. O acesso às peças se dará a partir da

O sistema do Portal Cennarium não permite download de vídeos para a máquina do cliente. O processo é de download progressivo, no qual o vídeo é carregado na tela, semelhante ao modelo do YouTube.

128 |SEM MEDIDA


SEM MEDIDA| 129


130 |SEM MEDIDA


compra de créditos, por meio de cartões de débito e crédito, boletos e transferências bancárias. O nascimento da Cennarium se deu após uma análise de mercado de quase um ano. Seu diretor, Roberto de Lima, percebeu a carência de cultura dos brasileiros, por motivos como falta de recursos, hábito ou acessibilidade. A maior concentração de casas de espetáculos está no eixo Rio/São Paulo, o que inviabiliza a ida para outras capitais. De acordo com análise de dados do Ministério da Cultura (MinC) e Fundação Nacional de Artes (Funarte), estima-se que pelo menos 95% da população brasileira nunca esteve em um teatro. A Cennarium passa a ser uma alternativa para que a população de diferentes classes sociais consuma mais cultura.

também em telefonia móvel, inicialmente apenas para iPhones. “A partir do download de um aplicativo, será possível acompanhar as peças em cartaz, sinopses, fotos, lançamentos do mês e, até mesmo, adquirir ingressos e assistir a vídeos curtos, como making of e entrevistas”, explica Lima. Em um período breve, a Cennarium vislumbra iniciar o seu processo de crescimento estratégico com venda de ingressos para espetáculos, peças teatrais e shows. Além disso, a Cennarium vislumbra no futuro próximo a possibilidade de contar com peças e espetáculos de outros centros de arte e cultura do mundo. Outra possibilidade será a transmissão em tempo real de algum espetáculo ou peça Inclusão sociocultural

Os diferenciais O conteúdo do portal agregará uma web TV, batizada de TV Cennarium, que trará cobertura jornalística e programas voltados aos mais diversos tipos de espetáculos, com notícias dos meios artísticos e culturais atualizadas regularmente. As informações serão sobre todos os espetáculos, tanto aqueles que estão nas salas de teatro quanto os que estão em exibição no portal. A interatividade se dará por meio de chats com atores, blogs, twitter e demais redes sociais. Outro serviço diferenciado será a loja virtual com produtos referentes aos espetáculos. A TV Cennarium apresentará ainda, vídeos do making of, entrevistas com artistas e diretores. Parte desse conteúdo estará disponível

A Cennarium reafirma o seu compromisso de disseminar a cultura. O uso de recursos digitais permitirá a socialização da arte, devido aos preços atrativos. Com a inclusão digital, pessoas que nunca tiveram acesso ou condições de frequentar poderão assistir a espetáculos e peças de teatro. A sensação de adentrar numa casa de espetáculos, ouvir o som da sirene anunciando o início de uma peça e conferir as nuanças de uma interpretação a poucos metros de distância sempre será única e quem aprecia esse tipo de experiência dificilmente abrirá mão. Entretanto, a Cennarium permite ao espectador impossibilitado de ir a um espaço teatral – pela localização da sala, acessibilidade, questões financeiras, entre outras razões

A captação é feita de acordo com a realidade, sem mudar detalhes. Sendo assim, não se perde a mensagem das cenas que o autor, ator e diretor desejam passar.

SEM MEDIDA| 131


– acompanhar o espetáculo via internet. Ação, inclusive, que poderá instigá-lo a conferir a apresentação in loco. Outro dado que reforça a importância de uma iniciativa como a Cennarium refere-se ao número de teatros e salas de espetáculos no Brasil. A edição 2009 do Anuário de Estatísticas Culturais, produzido pelo MinC e Funarte, aponta que atualmente o Brasil possui 1.229 teatros e salas de espetáculos, 44% deles concentrados nos estados de São Paulo e Rio de Janeiro. Em contrapartida à falta de interesse pela cultura, cresce o uso de internet. Segundo o Ibope Benefícios para grupos de teatro Destinadas também ao fomento e efetivo registro da dramaturgia nacional, as peças veiculadas pelo portal Cennarium representam mais uma alternativa de remuneração para companhias teatrais e profissionais ligados a esse tipo de espetáculo. Sem nenhum custo para os grupos teatrais, após acordada a transmissão de uma peça e finalizados todos os trâmites burocráticos, a equipe da Cennarium capta as cenas do espetáculo numa sessão aberta ao público, respeitando na edição interferências como a reação da plateia e a iluminação do palco. Uma das preocupações da Cennarium é captar a peça da mesma maneira como é apresentada no teatro, sem alterar iluminação e sonorização. “A captação é feita de acordo com a realidade, sem mudar detalhes. Sendo assim, não se perde a mensagem das cenas que o autor, ator e diretor desejam passar”, aponta Lima.

Com a parceria da Cennarium, os grupos de teatro recebem 50% do valor do “bilhete virtual” vendido. Com temporadas on-line, as peças ficam em cartaz por tempo indeterminado e, assim, promove-se uma arrecadação contínua, independente da permanência do espetáculo numa sala de teatro convencional. Com o registro em vídeo, é possível disponibilizar simultaneamente várias peças com os mesmos atores. Além do retorno financeiro, o potencial de divulgação aparece como outro forte atrativo para profissionais de teatro disponibilizarem seus trabalhos na Cennarium. Com a parceria do portal, cada peça recebe site próprio com sinopse, ficha técnica, histórico dos atores e agenda de apresentações ao vivo. O portal conterá, ainda, exclusiva rede social com foco na interação de atores, produtores, autores, diretores, patrocinadores e, até mesmo, público em geral. Será uma comunidade destinada a discussões e troca de informações sobre o universo dos palcos. Como estímulo a novas produções, currículos de profissionais do meio artístico, vídeos de trabalhos recentes, além de roteiros e sinopses ganham específico espaço na Cennarium. O portal Cennarium poderá se tornar também uma ferramenta de medição de aceitação dos espetáculos com o público. Ao medir o grau de aceitação de uma peça entre os internautas de distintas regiões, facilita-se a análise da viabilidade de se levar um espetáculo ao vivo a diferentes pontos do País. Dessa forma, mais do que patrocinadores, produtores e companhias teatrais, as populações locais são bene-

A TV Cennarium apresentará ainda, vídeos do making of, entrevistas com artistas e diretores. Parte desse conteúdo estará disponível também em telefonia móvel, inicialmente apenas para iPhones.

132 |SEM MEDIDA


SEM MEDIDA| 133


134 |SEM MEDIDA


ficiadas pela difusão da cultura em suas localidades, não apenas no eixo Rio/São Paulo. Criação de tecnologias Para transmitir o teatro brasileiro via internet com qualidade HD, a Cennarium desenvolveu ferramentas próprias de transmissão. “Buscamos a melhor maneira de comprimir o vídeo sem interferir na qualidade da imagem. Hoje, ele é transformado com o codec H264 em F4V para subir para o servidor, mas vamos continuar testando outros formatos e codecs”, revela Guto Costa, coordenador de Tecnologia. O sistema do Portal Cennarium não permite download de vídeos para a máquina do cliente. O processo é de download progressivo, no qual o vídeo é carregado na tela, semelhante ao modelo do YouTube, mas com codificação própria que evita pirataria. Após realizar um cadastro no site www. cennarium.com e efetuar o pagamento relativo à peça escolhida, o cliente recebe uma senha válida por 24 horas que lhe permite assistir ao espetáculo quantas vezes quiser durante esse período. O preço das peças será a partir de R$ 10 e o pagamento se dará por meio de cartão de crédito, débito automático e boleto eletrônico. Para que todo esse processo ocorra é preciso uma conexão de internet banda larga, mínimo de 56 Kbps, e um computador equipado com processador Dual Core com pelo menos 1 Gb de memória RAM,

placa de som instalada, sistema operacional Windows XP ou superior ou MacOS X. “Os vídeos serão disponibilizados em três velocidades – alta, média e baixa – para atender às diferentes conexões de internet.” No caso de conexões com velocidade abaixo de 128 Kbps, Costa recomenda que o internauta aguarde o carregamento total do vídeo antes de assisti-lo. Ainda de acordo com o coordenador de tecnologia, não é necessário nenhum programa específico para assistir a peça. “O conteúdo será transmitido por meio de um browser (como Internet Explorer 6.0 ou superior, Google Chrome, Firefox, Opera ou Safari). O que pode acontecer é, na hora de rodar, o programa pedir para instalar o plug-in do Adobe Flash Player versão 10.0, mas isso é bem simples de fazer.” O plug-in pode ser encontrado no site http://get.adobe.com/br/flashplayer/?promoid=BUIGP. Transmissão simultânea Para atender à demanda de vários computadores acessando o mesmo vídeo ao mesmo tempo, a Cennarium firmou um contrato com a Akamai, empresa mundial de servidores, para a distribuição de seu conteúdo a todos os clientes. “A Akamai tem quase 50 mil pontos de servidores espalhados por todo o mundo, e isso permite que nosso conteúdo seja enviado do ponto de servidor mais próximo de nosso cliente, evitando problemas de congestionamento e interferências”, explica Roberto de Lima, diretor da Cennarium.

58% das pessoas não tem acesso na cidade onde moram e que 22% delas, que nunca foram ao teatro, acham que iriam se fosse mais barato.

SEM MEDIDA| 135


A temperatura média dos últimos 15 anos foi a maior registrada em toda a história A calota de gelo está 40% menor do que estava há 40 anos Todos temos o potencial para mudar O que estamos esperando?

Mude seus hábitos. leia em formato digital. Revista

SEMMEDIDA

136 |SEM MEDIDA

LEITURA DIGITAL

POR UM MUNDO

SUSTENTÁVEL

esta oa


amos causando aquecimento global

SEM MEDIDA| 137 Imagem: Wikimedia Commons


138 |SEM MEDIDA

Ed. 6 - Ano 2 - 07/2010  
Ed. 6 - Ano 2 - 07/2010  

Revista eletrônica gratuita de variedades dedicada ao público plus size de lingua portuguesa

Advertisement