Issuu on Google+

Såbado | 29. Março.2014

Director: Raul Tavares

TFNBOĂ‚SJPFEJĂˆĂ‡POÂŒqˆTÉSJF ĂĽqregiĂŁo de setĂşbal

www.semmaisjornal.com

DistribuĂ­do com o

VENDA INTERDITA

15

Actual Festival do Queijo, PĂŁo e Vinho arranca de 4 a 6 de Abril na Quinta do Anjo

Fotos: DR

Cultura Francisco Menezes apresenta “Loopâ€? no LuĂ­sa Todi

Centrais

Mar jå roubou 20 metros de areia à Costa da Caparica ACTUAL As fortes ondulaçþes dos últimos anos tiveram um efeito devastador no cordão dunar da Costa da Caparica, retirando cerca de 20 metros de areias. O processo de reposição foi interrompido em 2010. As praias estão mais curtas. Pà G. 5

PS escolhe AmĂŠlia para a Europa, mas em lugar cinzento

Crise faz disparar consumo de ĂĄlcool na regiĂŁo entre a faixa dos 40 anos Distrito tem dezenas de escolas com amianto

AtĂŠ 2018 regiĂŁo vai perder trĂŞs mil alunos

Os dois exemplos mais conhecidos são as escolas de Azeitão e da Trafaria, mas o Sindicato dos Professores da Grande Lisboa jå identificou muitas mais. As Câmaras deram uma ajuda.

O distrito deverĂĄ perder perto de trĂŞs mil alunos no primeiro e segundo ciclo atĂŠ ao ano lectivo de 2017/2018. O estudo, a que o Semmais teve acesso, ĂŠ da responsabilidade da DGEEC.

ACTUAL PĂ G. 4 Pub.

ACTUAL PĂ G.4

POL�TICA O 10.º lugar da lista de candidatos a eurodeputados que a ex-presidente da Câmara do Montijo vai ocupar na corrida às Europeias Ê pouco elegível, segundo as últimas sondagens. Ana Clara Birrento, do CDS-PP, pode ser eleita. Pà G. 6

Dirigentes da Adfersit querem mais GTIEVA no Porto de Sines NEGÓCIOS A Associação para o Desenvolvimento de Sistemas Integrados de Transportes contesta a falta de prioridade do Estado para investir no Porto de Sines, no âmbito do GTIEVA. Diz ser um erro grave. Pà G. 12


ABERTURA Sábado // 29 . Mar . 2014 // www.semmaisjornal.com Dicionário Íntimo //

2

Maria Teresa Meireles

DR

Girassol

Cáritas também assume que o fenómeno está a aumentar em larga escala

Crise dispara consumo de álcool na região entre a faixa dos 40 anos A revelação foi feita pelos Alcoólicos anónimos, que coloca a faixa etária superior aos 40 anos em sinal de alerta. Roberto Dores

O

consumo de bebidas alcoólicas está aumentar entre os habitantes do distrito, sobretudo entre a faixa etária superior aos 40 anos. Trata-se de uma preocupante tendência, agravada nos últimos dois anos, o que leva os especialistas a associarem o aumento do consumo ao avanço da crise na região, onde não faltam milhares de exemplos de desemprego e pobreza. O novo fenómeno foi revelado no dia dedicado aos Alcoólicos Anónimos (quartafeira da semana passada), sendo que esta realidade até acaba por ser considerada «nor-

mal» pelo próprio presidente da Sociedade Portuguesa de Alcoologia, para quem «sempre que há problemas relacionados com a crise, o recurso à bebida é uma forte tendência, até porque as bebidas alcoólicas são fáceis de obter e têm um preço relativamente baixo», sublinha Augusto Pinto, numa altura em que as próprias instituições de solidariedade vêm alertando para o fenómeno.

Violência doméstica e agressão a idosos Aliás, Eugénio da Fonseca, presidente da Cáritas Diocesana, também já avisou que o consumo de álcool está a aumentar na região «de forma muito preocupante», sobretudo entre as famílias mais afectadas pela crise, tendo ainda repercussões ao nível do aumento da violência doméstica e das agressões a idosos.

Mortes até aos 65 anos aumentam devido ao álcool Em 2009, mais de uma centena de pessoas com menos de 65 anos morreram no distrito com doenças associadas ao consumo de bebidas alcoólicas. Um registo acima da meta prevista no Plano Nacional de Saúde, sendo que as cirroses estão a aumentar entre os jovens da região, segundo revela a última radiografia ao fenómeno realizada em Portugal. Ainda assim, o distrito está longe dos números exibidos pelas regiões do Norte, onde ocorrem mais de 500 vítimas mortais. Os dados são revelado pelo do Alto-Comissariado da Saúde e mostram que entre as mortes na região, também existem mulheres com menos de 65 anos, que não resistiram a doenças como as cirroses ou os problemas cardíacos atribuídos ao álcool.

«Estamos a viver um período muito difícil, em que os valores estão a ser colocados em causa e notamos nos nossos atendimentos que, cada vez, há mais gente a refugiarse no álcool», garante Eugénio da Fonseca, para quem o contacto com a bebida é um dos dois casos de típicos de depressão em momentos de crise e insegurança, o que é confirmado por Augusto Pinto. O dirigente pede o aumento da acessibilidade destes doentes ao tratamento em vários locais, em vários serviços de saúde, «numa rede mais bem montada, porque são necessárias pessoas que tenham formação em alcoologia, que infelizmente nos últimos anos tem vindo a ser reduzida no nosso país», diz. Além do aumento do consumo excessivo de álcool no grupo etário superior a 40 anos, os especialistas dão ainda conta de que o consumo de bebidas alcoólicas começa cada vez mais cedo, o que está a aumentar o consumo de bebidas brancas e da cerveja.

ficha técnica Director: Raul Tavares; Editor-Chefe: Roberto Dores; Redacção: Anabela Ventura, Cristina Martins, Marta David, Rita Perdigão, Roberto Dores; Dep. Comercial: Cristina Almeida (coordenação). Projecto Gráfico: Edgar Melitão/”!e Kitchen Media” – Nova Zelândia. Departamento Gráfico: Natália Côco. Serviços Administrativos e Financeiros: Mila Oliveira. Distribuição: José Ricardo e Carlos Lóio. Propriedade e Editor: Mediasado, Lda; NIPC 506806537 Concessão Produto: Mediasado, Lda NIPC 506806537. Redacção: Largo José Joaquim Cabecinha nº8-D, (traseiras da Av. Bento Jesus Caraça) 2910-564 Setúbal. Tel.: 265 538 819 (geral); Fax.: 265 538 819. Email: redaccao.semmais@mediasado.pt; publicidade.semmais@mediasado.pt. Administração e Comercial: Tel.: 93538810; Fax.: 265 538 813. Impressão: Empresa Gráfica Funchalense, SA – Rua Capela Nossa Senhora Conceição, 50 – Moralena 2715-029 – Pêro Pinheiro. Tiragem: 45.000 (média semanal). Distribuição: VASP e Mediasado, Lda. Reg. ICS: 123090. Depósito Legal; 123227/98

Nome científico: «helianto» - a sua flor acompanha a trajectória solar (sunflower). O girassol é um radar, uma antena, uma direcção; bússola vegetal que aponta o sol. O girassol é um olho gigante, a gema de um ovo, um sol em miniatura, descabelado. Cada girassol não é uma flor apenas, mas uma florescência, um conjunto de flores – o girassol é uma multidão. Num haikai de Takeshita Shizunojo, o sol mais perto, o sol mais certo, é o girassol: «Sem mais procurar / O sol, eis um esplendoroso / Girassol.» Quando, em miúda, lia os livros do Tintim, havia o delicioso Professor Tournessol, capaz das maiores ingenuidades. Só muito mais tarde me apercebi que a tradução para o seu nome seria Girassol, a flor que desde sempre me encantou. Quando a vi pela primeira vez, estranhei a sua altivez e altura – o girassol pode atingir três metros de verticalidade. Ao longe, um campo de girassóis faz lembrar um exército alinhado, em sentido, todo ele virado para o mesmo alvo. No Verão, as praias tornam-se superpovoados campos de girassóis humanos, desalinhados. Alberto Caeiro, o poeta do não pensamento e dos sentidos, escreveu: «O meu olhar é nítido como um girassol. / Tenho o costume de andar pelas estradas / Olhando para a direita e para a esquerda / E, de vez em quando, olhando para trás… / E o que vejo a cada momento / É aquilo que nunca antes eu tinha visto (…) Sei ter o pasmo inicial (…) Pensamento Oriental, este – «Mente Zen, Mente de Principiante». O olhar primordial – e de novo o girassol e o sentido da visão, espelho também, uma vez que quem vê, vê-se: «O Amor é uma Companhia / Já não sei andar só pelos caminhos, / Porque já não posso andar só. / (…) Toda a realidade olha para mim / como um girassol com a cara dela no meio.» Para Clarisse Lispector «Esperança é como o girassol, / que à toa se vira em direção ao sol. / Mas não é à toa: / virar-se para o sol / é um acto de realização de fé.» - o discípulo e o mestre, por isso o girassol é também símbolo pascal e não será por acaso que este poema começa e acaba com duas das três virtudes cardeais. Heliotrópico e fotogénico, o girassol tornouse célebre com Van Gogh. Mas não só. Num quadro de Dorothea Tanning, duas meninas num corredor, ao cimo de umas escadas, e um girassol enorme no chão. Uma das meninas tem os cabelos ao alto, como uma labareda, e as pétalas do girassol deitado lembram tentáculos. O quadro intitula-se «Eine Kleine Nachtmusik» referência a uma peça de Mozart sonata nº13, K525 (sol, não esqueçamos, é também a 5ª nota musical). O ambiente é feérico, onírico e, para uma serenata, peça nocturna, só mesmo um girassol deitado – e os cabelos em chamas. «Quem deu esses cabelos de rainha / ao girassol?» pergunta Florbela Espanca. O pintor de girassóis por excelência é Van Gogh, certamente. E Klimt, também. E Monet, numa espécie de «pastiche» de Van Gogh. Relembro ainda um quadro de Rivera com girassóis. No seu livro sobre Diego Rivera e Frida Kahlo, J.M.G Le Clézio escreveu:«…no momento da cremação, as chamas cercaram o rosto de Frida, desenhando girassóis como se ela quisesse pintar o seu último retrato.»


3

Sábado // 29 . Mar . 2014 // www.semmaisjornal.com

Um país a duas velocidades Os dados com que temos sido confrontados nas últimas semanas é o maior dos enigmas para o nosso futuro e uma encruzilhada da qual, rapidamente, temos que saber sair, pela lei do voto, o que significa mudança de rumo, ou pela concertação. O número do desemprego galopante está estacionário e sabemos bem as razões pelas quais esta variável tem sido atingida. A economia parece querer romper o ciclo de queda vertiginosa dos últimos três anos e esse indicativo previsio-

nal era igualmente espectável, após a torrente da austeridade e dos cortes cegos a que o país global foi submetido. São boas notícias, não podemos escamoteá-las. Mas, a montante, que país erigimos desta cruzada louca, destas políticas insanáveis? O que vai restar e quem vai sair ileso? Já se sabe que a pobreza extrema atingiu os seus máximos históricos, num regresso a um passado que nos atrasou como país e como nação. Estão confirmados os maiores índices de desigualdades registados no período pós-revolução e percepciona-se um atraso social

Reestruturações e consensos A reestruturação da economia, na sequência da assinatura do memorando de entendimento desde Maio de 2011, é o maior logro do discurso político em Portugal e a razão é simples de explicar. Sem precisar de recorrer aos falhanços sucessivos quanto às metas do desemprego, da divida pública, do défice ou da despesa pública; um dos principais objetivos do memorando era a reestruturação da economia no sentido da sua industrialização e competitividade. Este é talvez o maior falhanço da política europeia quando “confrontada” com o problema das dívidas soberanas dos países europeus. Após 10 avaliações trimestrais da Tróica em Portugal (a 11ª ainda não está completa), o denominador comum, principalmente nos relatórios do FMI, foi a necessidade de Portugal reduzir o peso da fatura energética e das telecomunicações sobre os contribuintes e empresas. Também recorrentes foram os avisos sobre a necessidade de acelerar os processos judiciais, desburocra-

Manuel Fernandes Sindicalista da UGT

tizar licenciamentos e pugnar pela cultura do mérito no mercado laboral. Nada disso foi conseguido, ou por falta de coragem ou por incúria política. Mas em cada avaliação, a Tróica pediu contrapartidas para manter o status quo dos haraquíris portugueses. A solução encontrada também teve sempre o mesmo denominador comum, a flexibilidade laboral e a redução de salários. Não é de estranhar que nos últimos três anos tenham existido nove alterações às leis do trabalho e que Portugal a par do Chipre tenham sido os únicos países da zona euro a reduzir salários no último trimestre de 2013. Este sim será o peso político mais caro a pagar pelas futuras gerações. O atraso de um país que não fez o

Causas que trouxeram portugal à situação atual (O paradigma da economia neoliberal — parte 1)

Caldeira Lucas // Ex-gestor 1ª) PETRÓLEO – Em 1973 dá-se o 1º choque petrolífero, encarecendo as importações energéticas. 2ª) DESCOLONIZAÇÃO – Na sequência do “Orgulhosamente Sós” e sem por em causa o 25 Abril 1974 tão importante para a Democracia Portuguesa, dá-se o retorno forçado de centenas de milhares de portugueses das ex-colónias portuguesas, maioria deixando bens, contra vontade de populações locais, deixando de partilhar potencialidades locais e contribuir para o desenvolvimento, não salvaguardando interesses nacionais. Não é feita a redução dos recursos de defesa nacional. Com enormes custos. 3ª) ENSINO TÉCNICO – Simultâneo, mito que não deviam existir 2 regimes de ensino Liceu/Esc.Técnica por supostamente ser estigma para alunos do Ensino Técnico, passaram a existir só Escolas Secundárias, deixando de ter acesso a técni-

cos especializados e aumentado a dependência externa. 1978 dá-se o 1º dos 3 pedidos de apoio ao FMI do pós-25 Abril. Devia ter-se alargado Formação Profissional outras actividades (formado canalizadores/ mecânicos-automóvel não teríamos curiosos a levar o dinheiro que querem) acompanhado Evolução Tecnológica (hoje: Robótica/Dronização/Energ.Alternativas, Impressão 3D, nanotecnologia) Organização que aumente Produtividade (MTM, REFA, JUST in TIME) indo ao encontro do Tecido Produtivo e Diversificar Mercados, na sequência do Modelo Económico pretendido. Ao fim de anos reconheceu-se o ERRO. Com ajuda do FSE deu-se a inversão de políticas na FP, mesmo assim sem adequado entrosamento com o sistema de Ensino Escolar. A Alemanha continuou a apostar na FP, aplicou FP-Dual (alternância Escola–Empresa) facilitada por Econo-

de que não há memória. Há pois, nesta desmedida loucura quem fica a ganhar e quem fica a perder. Portugal deixou de ser um país plano socialmente falando, passou a ser uma zona de socalcos que aproveita a uns poucos em detrimento de tantos outros. É urgente repensar o que se está a passar e, de uma vez por todas, reequilibrar o valor do dinheiro, das contas públicas e da economia mercantil, com a construção de um país saudável, desenvolvido e com futuro sem cinzas.

Firmeza de convicções

que devia para reformar o seu modelo económico, que não se conseguiu libertar das amarras do lóbi energético e que tentou ganhos de competitividade á conta da degradação social. O consenso, tal como em 2011 antes do resgate, é absolutamente necessário, não como uma encenação para os mercados, mas para diminuir a crispação na sociedade portuguesa e definir estratégias de desenvolvimento, por exemplo, na utilização do próximo quadro comunitário de apoio (2014-2020). É absolutamente necessário dar prioridade á coesão social e coesão territorial dadas as assimetrias criadas pelas políticas erróneas patrocinadas pela União Europeia dos últimos anos. Perante este contexto só existem dois caminhos possíveis para o futuro da Europa: a continuação da degradação social em nome da mercantilização da sociedade ou; o regresso á social-democracia e do modelo social europeu, ideia original da construção da União. Com a direita no poder da Europa ficou provado que o interesse dos mercados não coincide com o interesse dos cidadãos.

O recente inquérito às condições de vida e rendimento dá-nos conta que 18,7% das pessoas residentes em Portugal estavam em risco de pobreza em 2012, valor que cresceu 0,8% em relação a 2011. Não é de estranhar face às graves consequências impostas pela política da austeridade, que só podem conduzir ao empobrecimento. As recentes eleições autárquicas em França, que amanhã, domingo, terão a segunda volta, vieram noutro plano confirmar os efeitos políticos que os cidadãos fazem sobre o atual estado das coisas, decorrente das políticas de austeridade. Como era previsível, aumentou de forma significativa a abstenção e os votos brancos e nulos, e a extrema direita representada por Jean Marie Lee Pen conseguiu pela primeira vez uma vitória numa autarquia, dirigida até agora pela esquerda. Admite-se que o seu partido possa obter novas vitórias na 2ª volta de domingo. O certo é que já é a terceira força mais votada em França. A propósito de uma justa homenagem a Willy Brandt e Helmut Smith, que a Fundação Mário Soares promoveu, o Dr. Viriato Soromenho Marques, na intervenção que teve oportunidade de proferir, fez notar os efeitos da política de austeridade ocorridos na Alemanha entre as duas Grandes Guerras mundiais. Os desempregados passaram de 650.000 a mais de 6.000.000 em escassos anos e o partido nazi de

Hitler subiu o seu score de 2,6% para 43,6%. É útil ter presente esta dura realidade que acabou por colocar o mundo a ferro e fogo, impulsionando fatores de ódio a níveis jamais antes alcançados, conduzindo a humanidade à 2ª guerra mundial. É o contrário do que a direita agora apregoa… Na proximidade das eleições para o Parlamento europeu, que terão lugar no próximo dia 25 de maio, coincidente por mero acaso com o dia de África, por ter sido nesse dia que se criou a então OUA (Organização de Unidade Africana), é também útil verificarmos que desde 1999 para cá a participação dos cidadãos tem sido cada vez menor. Em Portugal, no último ato eleitoral houve 63,5% de abstenções! Algumas sondagens e estudos de opinião indicam que essa percentagem poderá subir!... Este quadro tem de ser alterado, quer na participação quer nas políticas mas para o ser perece claro que temos de mobilizar todos os esforços para que se rompa com a política em curso, criando uma alternativa de esperança, em que os cidadãos acreditem. Isto implica muita coragem, assunção de riscos e ausência de hesitações. Em suma, firmeza de convicções!

mia pujante. 4ª) FUNDOS COMUNITÁRIOS – Com o objectivo da cooperação entre países europeus, o Tratado de Roma cria a CEE (1957). Em 1986 Portugal deixa a EFTA, devolve Macau à China e adere à CEE. Como moeda de troca dos dinheiros comunitários, com o argumento “economias de escala” limitaram a produção de produtos tradicionais, penalizando actividades p.ex.: Índústrias/Agricultura/olival/leite/Pescas. A Europa não viu que os produtos/serviços podiam entrar no mercado dos países produtores de Petróleo, tornando desnecessárias quotas produtivas. Em vez disso enredou-se em regulamentações euro-burocráticas para justificar a sua dispendiosa máquina. Paradoxo face aos objectivos da sua criação e à mensagem de Michael Porter. Portugal obedeceu “bom aluno” e “mais papista que o Papa”. Sem por em causa benefícios dos dinheiros UE, mudança de face e efémero aumento da qualidade de vida português, anestesiaram o tecido produtivo. O Distrito de Setúbal foi o mais

prejudicado, com o fecho de grandes empregadoras (CUF, SN, LISNAVE-Almada, MUNDET, outras indústrias) colocando milhares de trabalhadores no desemprego. Apesar de hoje ter grandes empresas (Refin.Sines, Portucel, AutoEuropa) está longe de recuperar perdas da Região. O PIB per capita da Península de Setúbal é metade da margem norte da GL e inferior ao Norte/Centro. Porque a repartição de fundos UE continua a penalizar o Distrito de Setúbal? Saiu-se da Economia Real para as Infra-Estruturas, como se fossem um fim e não um meio, com progressiva degradação da produção, apesar de Infra-Estruturas criarem emprego, mas conjunturalmente. Decisores nacionais com o “deitar abaixo e construir de novo” a “necessidade de fazer obra” por interesses eleitoralistas e opacos “não os deixou ver” que podíamos cair numa situação ingovernável, ao realizar obras desnecessárias, em curto prazo, p.ex.: CCBelém, EURO 2004 (chegavam 6 Estádios). PARQUE ESCOLAR (recuperações sumptuosas de

Escolas). SUBMARINOS (sem contrapartidas/manutenção). 2ª GERAÇÃO de AE´s, sem credíveis análises custo-benefício, projectos “justificados” como p.ex. empolados estudos de tráfego. Erros de projecto/ restrições ambientais de duvidosa cientificidade para trabalhos a mais, aumentando custos. Ausência de controlo começando pela decisão de retirar o necessário visto-prévio do Tribunal de Contas. Inaplicadas regras que salvaguardassem o ressarcimento de valor atribuído com uso indevido/desistência. Ajustes directos de custos elevados. Beneficários de Fundos EU para duvidosos proveitos também contribuíram para o sub-aproveitamento dos fundos. Se a 1ª geração de Infra-Estruturas eram quase a fundo perdido, na 2ª o débil Orçamento de Estado tinha de participar. Obras passaram a ser feitas em PPP qual “cancro financeiro”. Apesar da débil Economia temos a 2ª mais densa e vazia rede de AE´s da Europa atrás da região mais rica da Europa BENELUX. São o DESPERDÍCIO e DESRESPONSABIILIZAÇÃO.

Raul Tavares

Vítor Ramalho Economista


Turismo acessível em Sesimbra

ACTUAL

Sesimbra vai receber, segundafeira, o seminário “Sesimbra, um destino para todos”. A iniciativa pretende tornar a baia da ‘piscosa’ como a capital europeia do mergulho para todos. Para além do edil,

Sábado // 29 . Mar . 2014 // www.semmaisjornal.com 4

Augusto Pólvora, participarão, entre outros, Ana Garcia, da European Network for Accessible Tourism, Helena Ribeiro, da Turismo de Portugal, e Paulo Guerreiro, da DDI Portugal.

Areias de Tróia vão à FIL As praias de Tróia vão estar presentes, dias 5 e 6 de Abril, na Feira de Viagens Mundo Abreu, que decorrerá na FIL. A iniciativa é do Tróia Resort, que vai estar presente com um stand, onde convidará os visi-

tantes para uma viagem pelas deslumbrantes paisagens da região, onde nem faltarão as suas areias. O stand terá também um espaço para os mais novos, com diversas actividades lúdicas.

Autarquias foram ‘chamadas’ pela Fenprof

Escolas com amianto são às dezenas no distrito

DR

Escolas em Azeitão e Trafaria são os dois exemplos mais mediáticos, mas há outras, na região, em que os alunos correm os mesmos riscos. O Sindicato dos Professores da Grande Lisboa afirma que são algumas dezenas só no distrito de Setúbal. Roberto Dores

A

zeitão e Trafaria são apenas dois dos exemplos mais mediáticos onde existem escolas com amianto no distrito de Setúbal. As recentes manifestações de alunos e encarregados de educação deram a conhecer a insegurança que se vive em ambos os estabelecimentos de ensino, que tiverem mesmo honras de interpelação ao Governo na Assembleia da República. Mas há muitos mais casos a preocupar a região, como denuncia Brígida Batista, do Sindi-

O risco de uma fibra que é assassina silenciosa O perigo do amianto reside na possibilidade da inalação das suas fibras, que podem alojar-se nos pulmões, aí permanecendo durante largos anos, potenciando o desenvolvimento de várias doenças, como o cancro. A atracção por esta fibra mineral natural extraída de certas rochas, antes de ser rotulada de «silenciosa assassina», esteve associada ao seu baixo preço, devido à abundância, e as características: resistente ao calor, não apodrece, bom isolador térmico, acústico e eléctrico e até fácil de tecer. Só em Julho de 2007 Portugal aplicou regras rígidas, definidas pela União Europeia em 2003, à utilização de amianto, cujo risco aumenta à medida que os materiais onde a substância é aplicada - como cordas - se vão degradando, libertando fibras que podem ser inaladas.

cato de Professores da Grande Lisboa (SPGL), que já solicitou às câmaras do distrito que informem quais são as restante escolas com amianto. «Podemos garantir que são algumas dezenas, sobretudo aquelas que foram construídas entre finais da década de 70 e inícios de 80, quando se utilizaram vários materiais com amianto», garante ao Semmais Brígida Batista, revelando ter sido esta a alternativa do sindicato perante o silêncio do Ministério da Educação. Recorde-se que o tribunal deu dez dias ao Governo para responder à acção de intimação interposta pela Fenprof no sentido de se conhecerem as escolas em que mantêm amianto nas construções, mas face à ausência da lista até à data, o SPGL avançou com o «plano B». Alertar para grave situação de saúde pública Isto é, solicitou a informação junto das autarquias do distrito, para proceder depois à distribuição de folhetos informativos nos estabelecimentos de ensino, alertando para os perigos e cuidados a ter. «Como o Ministério da Educação não faz o que era obrigatório por lei, vamos

tentar que as autarquias nos ajudem», insiste o dirigente sindical, para quem há na região escolas exposta ao amianto, desde o ensino básico até ao secundário. «É muito grave», insiste, alegando que «estamos a falar de uma questão de saúde pública». Recorde-se que esta situação já devia estar resolvida nos vários edifícios públicos, desde 2011, mas a região – sobretudo nas escolas - continua a ter muitos edifícios com amianto que se tem vindo a degradar e que representa contágio para alunos, professores, auxiliares e até para quem vive nas imediações destas escolas, segundo as queixas apresentadas pelos docentes. Recorde-se que a Fenprof avançou dia 7 de Março com uma acção em tribunal que visa intimar o Ministério da Educação e Ciência divulgar a lista de escolas que contêm amianto na sua construção. A tutela esclareceu que só poderá saber quantas escolas têm amianto após concluir o levantamento. Segundo o dirigente daquela organização, Mário Nogueira, o objectivo da acção no tribunal é obrigar o Governo «a cumprir a lei», estabelecendo a calendarização para a remoção daquele material, que em Portugal causa, em média, 39 mortes por ano.

Região vai perder 3 mil alunos até 2018 no 1º e 2º ciclos O distrito de Setúbal deverá perder perto de três mil alunos no primeiro e segundo ciclos até ao ano lectivo de 2017/2018, segundo um estudo realizado pela DirecçãoGeral de Estatísticas da Educação e Ciência (DGEEC), passando dos 61741 alunos inscritos no ano lectivo de 2011/2012 para uma estimativa de 59032 alunos daqui a três anos. A situação de quebra no número de alunos a frequentar os primeiros ciclos do ensino obrigatório é transversal a todo o país. O mesmo estudo indica que serão menos cerca de 40 mil as crianças a frequentar o antigo ensino primário e preparatório. A quebra da natalidade registada nos últimos anos acentua os seus efeitos sobre a população estudantil e os reflexos vão notarse de forma intensa particularmente nos próximos anos no

primeiro nível do ensino obrigatório. O relatório que acompanha o estudo estatístico refere mesmo que «a diminuição do número de alunos do 1.º ciclo acompanha o padrão de decréscimo no número de nados-vivos». No que se refere ao terceiro ciclo de ensino, que corresponde ao 7º, 8º e 9º anos, no distrito existem realidades diferentes. Enquanto os concelhos do Litoral Alentejano mantêm a tendência de queda verificada nos dois primeiros ciclos, perdendo perto de uma centena de alunos, já na Península de Setúbal, o número de alunos inscritos deverá aumentar em perto de mil e quinhentos, passando dos cerca de 29 mil alunos no início da década para mais de 30 mil, em 2017. Segundo o estudo, o aumento de alunos neste ciclo resulta do alar-

gamento da escolaridade obrigatória. Os dados referentes ao número de alunos inscritos no ensino secundário também projectam um aumento que, no caso do distrito, deverá ser na ordem dos três mil alunos, passando de perto de nove mil para mais de 12 mil e trezentos. A nível nacional, o estudo indica que no conjunto dos quatro ciclos de ensino, se vão perder mais de 50 mil alunos até 2018. As zonas mais críticas do país, não incluindo os arquipélagos da Madeira e Açores, são o Alentejo, onde se vão perder mais de 15 por cento dos alunos, e o Norte e o Centro que perdem 14% de estudantes. O distrito contraria essa tendência de quebra ainda que o aumento de alunos seja ligeiro e se cifre nos cerca de dois por cento. Os dados analisados, que

1º Ciclo Península Setúbal Litoral Alentejano total

2011/2012 36389 3720 40109

2017/2018 34981 3282 38263

variação -1408 -438 -1846

2º Ciclo Península Setúbal Litoral Alentejano total

2011/2012 19681 1951 21632

2017/2018 19129 1640 20769

variação -552 -311 -863

3º Ciclo Península Setúbal Litoral Alentejano total

2011/2012 28889 2938 31827

2017/2018 30356 2867 33223

variação 1467 -71 1396

Secundário Península Setúbal Litoral Alentejano total

2011/2012 7762 949 8711

2017/2018 11342 1019 12361

variação 3580 70 3650

incluem o ensino público e privado, tinham como objectivo «medir o impacto do alargamento da escolaridade obrigatória e da quebra demográfica no sistema educativo

português». O estudo traça uma comparação entre o ano lectivo 2011/2012, recorrendo aos dados estatísticos definitivos já existentes, e faz uma projecção até 2017/2018.


5

Sábado // 29 . Mar . 2014 // www.semmaisjornal.com

OS CERCA de 20 metros que o mar «roubou» ao cordão dunar da praia de São João da Caparica, ilustram o efeito devastador de uma ondulação de que não há memória. «Ficámos sem praia. Mesmo que no verão haja um aumento do areal, com o recuo do mar, quem é que vem para aqui?», questiona o presidente da Associação dos Apoios de Praia da Frente Urbana da Costa da Caparica, Acácio Bernardo. Na frente urbana o cenário não é melhor, como atesta António Ramos, o famoso «Barbas». Na

«sua» praia do CDS, o mar encosta ao paredão. Em desespero, os empresários reclamam o regresso da reposição artificial de areia, interrompida em 2009 - após um investimento de 2,5 milhões de euros, ao longo de três anos - mas já anunciada para este verão pelo ministro do Ambiente, Jorge Moreira da Silva, havendo ainda a proposta de redução de nadadores salvadores, de 12 para apenas dois, nas praias a norte. A proposta já foi entregue ao Porto de Lisboa, alegando ser

«a única forma de reduzirmos os custos, porque não vamos ter afluência de banhistas». Câmara de Almada quer voltar a enchimento artificial Também para a Câmara de Almada o impacto da agitação marítima poderia ser minimizado se o projeto de enchimento artificial de areia, definido pelo Instituto da Água tivesse sido concluído. Recorde-se que ainda foram gastos dois milhões de euros

com a alimentação do areal entre 2008 e 2009. «A reposição de areias parou em 2010 e não foi complementada. As marés vivas arrastaram a areia que ali estava e agora as ondas não diminuem de intensidade, provocando estes estragos», diz o vereador da proteção civil, Rui Jorge Martins, tendo a autarquia assumido já o compromisso de antecipar a contratação de pessoal para a limpeza das praias, que deverá começar em abril, para preparar a época balnear.

As baleias que habitam a nossa costa AFINAL, há baleias que fazem as suas vidas bem próximo das praias do distrito. Da Costa de Caparica a Porto Covo. São exemplares que chegam a aproximar-se a escassos 2 mil metros da costa. Os pescadores chamam-lhes «cachalotes», sempre que se deparam com aqueles imponentes «espirros» de água a serem libertados por algum cetáceo, mas trata-se da célebre Baleia anã. Os biólogos garantem que não representam qualquer perigo, apesar da imponência dos seus cerca de sete metros de comprimento. Maior do que uma carrinha de nove lugares. «As pessoas podem não conseguir avistar estas baleias anãs porque, de facto, elas passam a dois quilómetros da costa, mas são bem mais comuns do que se pode pensar», afirma Luís Quinta, o mesmo fotógrafo de natureza que recentemente exibiu o filme que mostrava as baleias anãs entre a Costa de Caparica e a Fonte da Telha. E não, não são baleias-piloto, como muitas vezes é comum ouvir

“Crónica um Café e dois dedos de conversa

// Paulo Edson Cunha

Esta semana levei uma convidada especial ao meu programa “Um café e dois dedos de conversa” de rádio na RDS (87.6) que faço em parceria com este jornal, a Dra. Melanie Tavares, psicóloga e que trabalha no Instituto de Apoio à Criança (IAC), entidade que é constituída por sete valências: Projeto Rua, Fórum Construir Juntos (Coimbra), Atividade Lúdica, Setor de Humanização, Centro de Estudos, Documentação e Informação sobre a Criança, Serviço Jurídico e SOS Criança. A Mediação Escolar surge da necessidade de intervenção direta

dizer. Aqueles exemplares que chegam a andar a cerca de 90 metros de profundidade, «são mesmo baleias anãs. A minha experiência de 25 anos de mar permite-me garantir isso, porque os outros cetáceos escolhem zonas de maior profundidade», justifica. Os estudos realizados indicam

que as populações de baleias-anãs são solitárias, embora possam formar pequenos grupos de indivíduos, embora ocorram grandes agregações destes animais durante a sua alimentação. Assim que este comportamento ocorre, torna-se possível verificar uma distinção espacial entre sexos, idade e

condição reprodutora, o que dá origem a uma estrutura populacional e social complexa. A sua reprodução é relativamente desconhecida dos biólogos, uma vez que a existência de dados é insuficiente. Desta forma, admite-se que as fêmeas possam dar à luz anualmente, sendo que as crias nascem no Inverno após um período de gestação de dez meses. A existência de dados acústicos em conjunto com os censos visuais de mães e crias apontam que as áreas de nascimento provavelmente decorrem em águas mais tropicais. As crias parecem tornar-se independentes por volta dos seis meses de idade. O facto de não serem observadas com as mães nas latitudes altas sugere que as fêmeas procedem ao desmame das crias antes de chegarem às áreas de alimentação que procuram no Verão. Existem dados que sugerem que as cópulas entre machos e fêmeas decorrem nos meses de Inverno, após a maturação sexual que é aos sete anos de idade.

nas escolas no sentido de promover a mediação entre a Criança, a Escola, a Família e a Comunidade, na salvaguarda do bem-estar da mesma e tem corpo nas Escolas através dos GAAF (Gabinete de Apoio ao Aluno e à Família - constituídos por psicólogos, técnicos de serviço social, mediadores, monitores que em articulação com a escola, família e comunidade fazem diferentes intervenções nos pátios, nas salas de aula, nos conselhos de turma, na família, também com visitas domiciliárias, na comunidade no sentido da construção de um trabalho conjunto na prevenção de situações de risco para as criança) e é uma das valências do SOS-CRIANÇA do Instituto de Apoio à Criança, que dá respostas às várias situações a partir dos Gabinetes de Apoio ao Aluno e à Família (GAAF), que dinamiza, acompanha e supervisiona. A Mediação Escolar exerce a sua função a partir dos vários GAAF existentes nas várias

escolas que estabeleceram protocolo com o Instituto de Apoio à Criança (IAC). Esta promove e supervisiona um trabalho de equipa concretizado a partir dos técnicos dos vários GAAF, elementos fundamentais para a implementação, dinamização e organização, de forma continuada, de todas as atividades. Todos os instrumentos, diretrizes e materiais científicos são preparados em equipa e utilizados por toda a rede, constituída por 32 Agrupamentos Escolares. De entre os diversos trabalhos da Dra. Melanie Tavares, destacase um de enorme importância e que também me é muito caro, porque enquanto advogado e autarca já trabalhei muito sobre o mesmo que é o Bullying. Actualmente têm vindo a público inúmeros casos de violência ocorrida entre crianças e jovens em contexto escolar. Apesar de não ser uma situação recente, é verdade que

a preocupação entre profissionais de educação e de saúde mental, pais e entre os próprios jovens tem aumentado consideravelmente. O aumento da sua frequência, e por vezes, da gravidade, leva a uma maior mediatização deste fenómeno. Além disso, a divulgação dos efeitos e das consequências para o desenvolvimento e saúde mental das crianças e jovens vítimas leva a que haja cada vez mais visibilidade e estudos relativos a este tema. O termo bullying deriva da língua inglesa, tendo sido adoptado em vários países, devido à dificuldade em traduzi-lo sem que perdesse a sua natureza (Fante, 2005). Pretende definir um processo específico de violência presente em grande parte das escolas e que tem como base a intimidação e abuso continuado de uma criança em relação a outra que não tem possibilidades de se defender (Rodríguez, 2004). Há dificuldades de se encontrar

A espécie já foi avistada junto das praias da Caparica e de Porto Covo

DR

Mar roubou 20 metros à Costa da Caparica

Reposição interrompida em 2010

Frazão e Jordão vencem Grande Marcha de Lisboa DEPOIS de Francisco Branquinho e José Condeça, ensaiadores de Setúbal que este vão ensaiar a marcha de Carnide, em Lisboa, Bruno Frazão e Artur Jordão, também ligados às marchas de Setúbal, acabam de vencer a Grande Marcha de Lisboa, intitulada “Lisboa de Fernão”. O tema vai ser cantado na noite de 12 de Junho, na Avenida da Liberdade, por todas as marchas participantes nas Marchas Populares de Lisboa. Os seus autores vão receber um prémio no valor de 5 500 euros. O júri avaliou as 26 propostas recebidas, tendo como critérios de selecção simplicidade, o enquadramento e articulação dos temas da letra, a criatividade, genuinidade e efeito da música e ainda, a correlação entre os dois, sempre considerando a qualidade total. O júri foi constituído por Ana Fernandes, Tozé Brito, Délio Gonçalves, Pedro Moreira e Pedro Nereu.

um consenso no que diz respeito à operacionalização do conceito de bullying, uma vez que os comportamentos agressivos abrangidos por este fenómeno variam segundo os diferentes autores, enquanto alguns consideram apenas a violência física, outros consideram a violência física, verbal e psicológica, sendo em menor número os autores que consideram a violência sexual. Outro conceito associado ao bullying é o cyberbullying, uma prática que envolve o uso de tecnologias de informação e comunicação para dar apoio a comportamentos deliberados, repetidos e hostis praticados por um indivíduo ou grupo com a intenção de prejudicar outrem. Em breve, abordarei novamente esta temática e, penso mesmo, fazer um seminário onde possamos todos desenvolver estes temas aqui trazidos e da maior importância para os nossos jovens. Até para a semana.


PSD acusa PS/CDU de violar lei

POLÍTICA Sábado // 29 . Mar . 2014 // www.semmaisjornal.com 6

Os eleitos do PSD nos órgãos municipais do Montijo vão apresentar queixa à Inspecção-Geral das Finanças por entenderem que o executivo violou a lei, no âmbito dos protocolos de

descentralização de competências para as Juntas de Freguesia. «Infelizmente assistimos a um noivado entre o PS e a CDU que prejudica os munícipes», sublinham os social-democratas.

Fecho de psiquiatria irrita PSD O PSD Seixal é contra o fecho da psiquiatria e saúde mental, que ocupa actualmente o antigo centro de saúde da Amora, um serviço com um papel importante no acompanhamento da população

e que está em risco de encerrar devido à actualização de rendas por parte do município. O PSD Seixal irá tomar todas as diligências necessárias de forma a pressionar o município.

Ex-presidente da Câmara do Montijo reforça contingente de mulheres do distrito nas eleições europeias

Amélia Antunes em lugar cinzento pelo PS combate a ‘elegível’ centrista Ana Clara Birrento

M

aria Amélia Antunes, ex-presidente da Câmara do Montijo e dirigente nacional do PS, será a terceira mulher do distrito a concorrer nas várias listas concorrentes às próximas eleições europeias. Colocada em 10.º lugar na lista do PS, Amélia Antunes vai debater-se na corrida eleitoral do distrito com Ana Clara Birrento, actual directora regional da Segurança Social e Mercês Borges, deputada do PSD, na lista conjunta do PSD/CDS-PP, designada ‘Aliança Portugal’. Ao contrário de Ana Clara Birrento, a grande surpresa da coligação de direita, que ocupa a 8.ª posição, em lugar elegível, Amélia Antunes, de acordo com as últimas sondagens, figura numa posição menos favorável. «Não se entende que sendo uma das ex-autarcas com mais peso no partido e junto

da actual direcção nacional, Maria Amélia Antunes esteja apenas para fazer lugar na lista e para cumprir a paridade entre homens e mulheres», criticou ao Semmais um destacado dirigente socialista. O facto de a ex-presidente da Câmara de Montijo, próxima da actual presidente da federação de Setúbal, Madalena Alves Pereira, ter sido indicada para as eleições europeias, não foi surpresa, uma vez que o seu nome já há muito era falado para esta batalha eleitoral. Mas era espectável que viesse a figurar «num lugar claramente elegível», referem outros contactos do Semmais. Aliás, as mesmas fontes sublinham que o distrito demorou muito a ter um seu representante no Parlamento Europeu, o caso de Joel Hasse Ferreira, e agora,

DR

Já era esperada a inclusão de Amélia Antunes nas listas do PS para as Europeias. Mas a ex-autarca ficou num lugar muito discutível. Ana Clara Birrento, pela ‘Aliança Portugal’, parece mais próxima de Bruxelas.

Amélia Antunes, ex-presidente da Câmara do Montijo e considerada autarca/modelo dos socialistas vai a votos nas Europeias

dizem, «este peso perdeuse», numa altura em que o distrito precisa de «uma voz muito presente» nestas alturas de crise. Ana Clara Birrento é ‘coqueluche’ do CDS Ao contrário, a surpresa que Paulo Portas levou ao seu conselho nacional, pode ter lugar assegurado e é uma «aposta segura» para a distrital do CDS-PP. Quando

se soube da novidade, Nuno Magalhães rejubilou com a ascensão deste quadro centrista da região de Setúbal. «É claramente elegível e certamente dará uma grande eurodeputada para o país e para a região, que conhece hoje muito bem, dadas as funções que exerce», confidenciou ao Semmais. Discreta, a actual directora de Setúbal da Segurança Social, não tem feito grandes

comentários. Mas o Semmais sabe que está pronta para a sua primeira corrida eleitoral. «Nunca quis ter grandes ambições, mas está ligada à política há muito tempo e defende as suas convicções com entusiasmo», afirma um dirigente da concelhia de Setúbal do CDS-PP, de onde a candidata é originária. Já Mercês Borges, que tem feito a sua ascensão com segurança, tendo sido a

grande aposta do PSD nas últimas autárquicas no Montijo, não deverá ser eleita. O partido vê a sua inclusão como um mérito para os social-democratas do distrito e uma ‘arma’ para conquistar votos, dado o facto de ser «muito conhecida pela população», por força das suas funções enquanto governadora civil de Setúbal, segundo sublinhou ao Semmais o líder da distrital, Bruno Vitorino.

Pub.

Catarina Marcelino diagnostica problemas sociais de Grândola Município de Alcácer do Sal AVISO Nos termos do n.º 2 do artigo 78.º do Decreto-Lei nº. 555/99, de 16 de Dezembro, na sua atual redação, torna-se público que a Câmara Municipal de Alcácer do Sal, emitiu em 14 de Março de 2014, o 4º. Aditamento ao Alvará de Loteamento nº. 1/2006, à Herdade da Comporta-Atividades Agro-Silvícolas e Turísticas, SA, através do qual é licenciado as alterações ao loteamento nº. 7/2004, respeitante ao prédio situado em Possanco-Comporta, deste Concelho, desanexado do prédio descrito na Conservatória do Registo Predial de Alcácer do Sal, sob o número 6124, folhas 17 do Livro B-14, da Freguesia de Santa Maria do Castelo. A alteração da operação de loteamento foi aprovada por deliberação de Câmara de 27 de Fevereiro de 2014, e concretiza a alteração ao uso dos lotes, 10, 133 e 134, que passam a ter uso habitacional, comercial, de serviços, ou misto entre aquelas funções. Alcácer do Sal, de 14 de março de 2014 O Vereador do Pelouro (Manuel Vítor Nunes de Jesus)

A DEPUTADA ‘rosa’ Catarina Marcelino deslocou-se, no passado dia 24, ao concelho de Grândola para dar início ao ciclo de roteiros temáticos que visam diagnosticar o concelho em várias áreas. Catarina Marcelino, acompanhada por Pedro Ruas, presidente da concelhia socialista, visitou seis instituições particulares de solidariedade social em todas as freguesias do concelho, tendo também tido oportunidade de

A deputada em périplo

conhecer obras em curso em instituições de Grândola, Carvalhal e Melides.

Ao longo do dia, temas como o isolamento dos idosos, o envelhecimento da população ou a carência de vagas em lares de idosos foram manifestados pelos diferentes dirigentes das instituições. «O PS reforçou assim a sua preocupação com a vertente social em Grândola e com a prestação de serviços das instituições locais, dando os primeiros passos para a elaboração de um documento de prioridades para o concelho», sublinha a deputada.


Festival do Queijo, Pão e Vinho «Momento de afirmação de vitalidade económica» Valentim Pinto, presidente da Junta de Freguesia de Quinta do Anjo, perspetiva festival de qualidade. Semmais - Quais as perspectivas para a edição deste ano? Valentim Pinto - As perspectivas para a edição deste ano do Festival do Queijo Pão e Vinho são positivas, apesar dos diversos constrangimentos de natureza financeira e obviamente social. O festival continua a ser um espaço e um momento de afirmação de vitalidade das nossas actividades económicas ligadas ao fabrico do queijo do pão e à produção do vinho. Este festival tem cumprido os seus objectivos? Penso também que sim. O festival continua a divulgar os nossos produtos locais e regionais

apoiando desse modo os empresários ligados a este sectores e continua, também, a ser uma importante montra da vitalidade de actividades com características mais tradicionais e intimamente ligada às gentes desta terra. Sugere algumas alterações no certame? A organização do Festival tem vindo a introduzir elementos de renovação nomeadamente na sua Programação que tem mantido e mesmo aumentado o interesse e a procura por parte de milhares de pessoas oriundas de vários locais da Região e mesmo fora dela. Que tipo de apoio concedeu a Junta de Quinta do Anjo à edição deste ano? A Junta de Freguesia deu apoio de natureza logística na implementação do festival. Este ano, por graves e anómalos problemas finanPub.

Fins-de-semana do Queijo de Ovelha aguçam apetite em restaurantes

Oportunidade para provar o melhor do concelho

O MUNICÍPIO, a Rota de Vinhos e restaurantes promovem a 4, 5, 6, 11, 12 e 13 de Abril, mais uma edição dos Fins-de-Semana Gastronómicos do Queijo de Ovelha. O evento dá início ao “Palmela – Experiências com Sabor” 2014 e, ao longo dos dois fins-de-semana, os 20 restaurantes que aderiram ao evento propõem menus inovadores, onde demonstram a qualidade e versatilidade dos queijos de ovelha, em especial, o queijo de Azeitão. A 4, 5 e 6, decorre, em simultâneo, o 20.º Festival Queijo, Pão e Vinho, constituindo-se como uma oportunidade privilegiada para os visitantes desfrutarem do melhor que o concelho tem para oferecer. O projecto continua a promover os produtos locais de qualidade e a gastronomia, com um programa intenso em 2014, recheado de fins-de-semana gastronómicos temáticos, show cookings, concursos e mostras. A este propósito, o vereador Luís Calha manifesta a satisfação do município «com a adesão dos restaurantes a este projecto, que é um grande aliado para o turismo» e lembra que «a riqueza gastronómica, a qualidade do nosso queijo e a criatividade apresentada pelos nossos restaurantes são os ingredientes certos para o desenvolvimento de um produto turístico que tem um peso cada vez maior na economia local».

ceiros, não podemos dar qualquer apoio pecuniário. Da edição deste ano, o que pretende destacar? A edição deste ano mantem, no essencial, a linha de programação de anos anteriores, incorporando, naturalmente, elementos inovadores. Contudo, a programação cultural, desportiva e lúdica, sendo uma peça importante no festival, assume um carácter instrumental já que o objectivo central é a promoção dos produtos e a divulgação dos seus produtores. Que mensagem deixa aos munícipes sobre este festival? Que visitem o festival e usufruam da qualidade dos nossos produtos e da simpatia das nossas gentes. António Luís

Valentim Pinto, presidente da Junta de Q. do Anjo


Festival do Queijo, Pão

Venha brindar com a Adega de Palmela no

S. Gonçalo, de 4 a 6 de Abril, é palco de mostra de produtos tradicionais de qualidade de Quinta do Anjo. O certame orça em 30 mil euros e conta com 42 expositores.

Quem quiser provar, saborear e adquirir os vinhos premiados da Adega, vai poder fazê-lo no Festival do Queijo, Pão e Vinho, entre 4 e 6 de Abril, na Quinta do Anjo, em Palmela. Domingo, dia 6, pelas 16h30, haverá mesmo lugar a uma prova de vinhos no stand da Adega de Palmela, sob o lema “Uvas Moscatel também produzem Espumante”. Uma oportunidade de ouro para conhecer os segredos da nova estrela desta casa, o Espumante Moscatel As perto de 70 medalhas de qualidade, conquistadas nos últimos dois anos, a maioria em concursos internacionais, garantem aos néctares da Adega uma marca de excelência.

António Luís

O recentemente anunciado lançamento do vinho Bonga, simultaneamente em Portugal e Angola, é um bom exemplo do espírito expansionista desta produtora de néctares. Também a nível interno não tardarão a haver surpresas.

A

Muito atenta às novas realidades, a Adega de Palmela marca também forte presença nas redes sociais, através do site www.acpalmela.pt, página de facebook www.facebook.com/acpalmela?fref=ts e do inovador blog http://adegadepalmela.blogspot.pt, janelas, através das quais, os interessados podem manter-se a par de tudo o que acontece nesta Cooperativa e contribuir com a sua opinião. Pub.

Pub.

Tintos, brancos, rosés, moscatéis, aguardentes e espumante, todos de máxima qualidade, tornarão o stand da Adega de Palmela um espaço de visita excepcional, até porque qualidade a preços tão convidativos não é fácil de encontrar.

20.ª edição do Festival do Queijo, Pão e Vinho, que decorre em S. Gonçalo, na Quinta do Anjo, entre 4 e 6 de Abril, está orçado em 30 mil euros e vai receber um apoio monetário de 4 mil euros do município. São esperados entre 15 a 20 mil visitantes num certame, com entradas a um euro, que conta com a envolvência de 42 expositores. O apoio da Junta

DR

Organização à espera de

Festival do Queijo, Pão e Vinho

Milhares de pessoas acorrem ao certame de Quinta do Anjo

de Freguesia de Quinta do Anjo este ano, é apenas de ordem logística. Luís Macheta, secretário da direcção da Arcolsa, entidade organizadora do certame, augura «boas expectativas» para a edição deste ano do festival, apesar da crise económica que afecta os portugueses. Como novidade, o responsável destaca uma maior envolvência das colectividades da aldeia, com diversas actividades. «Um show cooking de queijo de

Azeitão, demonstrações de Hip-Hop, um maior número de provas equestres e a actuação de grupos corais são algumas das novidades na programação deste ano», vinca. Já o presidente do município de Palmela, Álvaro Amaro, considera que o festival tem mostrado ao público aquilo que de «bom e de melhor» se tem produzido na região. «Em 2013 visitaram o festival 16 mil pessoas, a maioria de fora do concelho, que aproveitaram para provar e


e Vinho

20 mil visitantes Iniciativas para todos os gostos atraem público O festival abre oficialmente no dia 4, às 18 horas. Após a actuação do Grupo Coral 1.º Maio do Bairro Alentejano, às 19 horas, seguem-se diversas actividades no picadeiro, sendo de destacar os Batismos Equestres e o passeio de charrete, a partir das 21 horas. Jorge Nice anima a noite. No dia 5, é de destacar, às 11 horas, o Show Cooking de “Queijo de Azeitão”, com os chefes do restaurante Tavares Rico, de Lisboa, com os vinhos da JMF. A Orquestra Juvenil dos Loureiros , às 15 horas, anima a festa. A demonstração da tosquia é às 16 horas e a corrida de ovelhas às 17h30. Também há provas de vinhos e sevilhanas. O espectáculo musical Morangotango encerra a noite. No dia 6, há passeio a cavalo e pedestre, BTT, actividades equestres, laboratórios do gosto, provas e cursos de vinhos, missa de campo e bênção dos rebanhos, corrida de ovelhas, Hip-Hop e ginástica.

festival, ao contrário de outros, comercializamos mais os tintos e os brancos do que os moscatéis. Os nossos regionais, tinto e branco, Península de Setúbal,

e os DOC´s Palmela, Vale dos Alhos, tinto e branco, vão estar em destaque na edição deste ano», refere o enólogo da Casa Agrícola Horácio Simões.

Pub.

adquirir os nossos produtos tradicionais de excelência. Estou convicto que a edição deste ano vai voltar a ser um êxito e vai valorizar os nossos produtos locais», frisa o autarca. A título de curiosidade, um expositor para estar presente nos três dias do festival tem de reembolsar 200 euros mais IVA, o que se torna insuportável para a sua bolsa. «Com a crise, acho que o valor cobrado pela organização é um bocado puxado», afirma Carlos Durães, da Arrábida Mel, que se queixa do fraco poder de compra dos visitantes ao certame. «De há quatro anos a esta parte, o negócio tem vindo a decair, por causa da crise», vinca. Por sua vez, Pedro Simões, da Casa Agrícola Horácio Simões, considera que o festival, que decorre em instalações «dignas», dá a conhecer os produtos de «grande qualidade» da região. «Curiosamente, neste


Música moderna em Corroios

LOCAL

A 3.ª sessão do XIX Festival de Música Moderna de Corroios tem lugar este sábado, a partir das 22 horas, no CineTeatro Ginásio Club de Corroios, no Seixal. Red Insect Go! (Porto), Vira Casaca

Sábado // 29 . Mar . 2014 // www.semmaisjornal.com 10

(Santarém) e Amores Imperfeitos (Leiria) são as bandas que vão estar no palco a concurso a lutar por um lugar na final. Como convidados actuam os Homem de Marte & Os Invasores.

Edil quer escolas e estradas de qualidade

Santiago reclama fundos comunitários para obras

O PRESIDENTE do município, Álvaro Beijinha, está preocupado com a falta de garantias da Comissão Europeia em relação à disponibilização de fundos comunitários para obras em escolas e estradas, após uma reunião no âmbito da Comunidade Intermunicipal do Alentejo Litoral, que decorreu dia 20, com o secretário de Estado do Desenvolvimento Regional, Castro Almeida. «Uma das nossas preocupações tem a ver com o parque escolar, pois não há garantia por parte da CE que haja financiamento para obras em escolas», sublinha Álvaro Beijinha, que estende a sua

Moita ensina população a reciclar A “MISSÃO Reciclar”, da Ponto Verde, passou pela Moita, visitando várias residências, para promover a separação de embalagens, clarificar as regras da reciclagem a todos os que já separam e, simultaneamente, recolher dados sobre os hábitos e atitudes de reciclagem das famílias. O projecto visa a sensibilização para a reciclagem de embalagens e consiste na visita, ao longo do ano, a 2 milhões de lares e na oferta de 340 mil ecopontos domésticos.

DR

Com mais de 5 mil quilómetros quadrados de estradas municipais, o autarca de Santiago lamenta que as ajudas não estejam garantidas à autarquia.

O autarca de Santiago pede ao Governo mais pressão junto da CE

apreensão para a previsível inexistência de linhas de financiamento para obras em estradas, outro tema que preocupa a autarquia e as populações. «Temos uma rede de estradas enorme, com muitos quilómetros, cujo investimento financeiro para a sua manutenção e em condições para que as pessoas circulem não é fácil», chamando a atenção para as particularidades

Seixal promove o consumo de cavala O MERCADO de Corroios acolhe este sábado, às 10 horas, uma iniciativa de promoção do consumo de cavala, com aulas de culinária gratuitas e degustações, a cargo de Patrícia Borges, da Escola Superior de Turismo e Tecnologia do Mar de Peniche. A Docapesca organiza.

do Alentejo Litoral, «onde estão os dois maiores concelhos do País e onde Santiago é o 12.º maior concelho, num universo de 308. Nos cinco concelhos estamos a falar de uma área superior a 5 mil km2». Beijinha e os autarcas da região defendem que «compete ao Governo fazer perceber à CE que o problema que tem de ser solucionado».

Montijo condena privatização da Amarsul «A PRIVATIZAÇÃO da Amarsul não faz sentido», diz o edil Nuno Canta. Este sistema multimunicipal para tratar os resíduos sólidos da Península e acabar com as lixeiras a céu aberto, é hoje uma empresa com «um elevado desenvolvimento tecnológico e que tem funcionado sempre com níveis de rentabilidade positivos». O bom equilíbrio tarifário e a qualidade no tratamento dos resíduos sólidos, constituem hoje uma «mais-valia».

FMM Sines distinguido como um dos melhores do mundo O FESTIVAL Músicas do Mundo, de Sines, cuja 16.ª edição acontece de 18 a 26 de Julho, em Sines e Porto Covo, foi considerado um dos melhores do mundo, pela quinta vez consecutiva, pela revista britânica Songlines, publicação de referência na área da “world music”, escolheu o certame como um dos

melhores festivais internacionais do género em 2014. A Songlines integra o festival na sua escolha de 25 festivais internacionais de “world music” realizados no mundo. O evento é o único festival português e ibérico escolhido pela equipa editorial da revista e um entre apenas 13 festivais euro-

peus fora do Reino Unido, que é objecto de uma selecção à parte. Criado em 1999, pelo município, o FMM afirmou-se na última década e meia como «o principal destino» português para os amantes da “world music” e da liberdade no cruzamento entre vários géneros musicais.

Barreiro promove campo de férias da Páscoa O MUNICÍPIO volta a promover, através do Centro de Educação Ambiental, um campo de Férias da Páscoa, para crianças dos 6 aos 12 anos. O projecto decorre entre 7 e 11 de Abril e privilegia o contacto com a natureza e estimula a adopção de comportamentos ambientalmente sustentáveis. O tema central é a protecção do ambiente e as dinâmicas do grupo, que são sempre acompanhadas por monitores especializados. As inscrições já estão abertas.

Tunas dão festival em Setúbal ORIGENS” dá o tema ao III FATuM – Unidos pelo Traje, festival académico de tunas mistas a realizar este sábado, às 21h30, no Fórum Luísa Todi. O espectáculo apresenta dez prémios a concurso. Os bilhetes custam quatro euros para o público em geral e três para estudantes.

Palmela avança com rotunda na EN 379

Sesimbra abre portas a universidade

O MUNICÍPIO lançou a empreitada de execução da rotunda na EN 379. Trata-se de obra determinante para a fluidez e segurança do tráfego na zona em que a estrada nacional se cruza com a EM 532 e com a estrada de S. Julião. O investimento é superior a 300 mil euros. A valorização de uma das principais entradas de Palmela é mais um dos objectivos da intervenção que aposta na qualificação do espaço público e na afirmação de Palmela enquanto destino turístico.

QUINTA do Conde vai passar a contar com uma Universidade Sénior, que pretende proporcionar um envelhecimento activo da população com mais de 50 anos. O projecto resulta da parceria entre o município e várias instituições locais e aborda diversas matérias, entre as quais informática, saúde, línguas estrangeiras e artes decorativas. Numa fase inicial, as aulas decorrem entre Abril e Junho, das 14 às 18 horas, no Centro de Inovação e Participação Associativa.

Alcácer do Sal planta árvores na Mata A MATA de Valverde recebeu, no passado dia 21, as comemorações do Dia das Florestas. A cerimónia contou com as presenças do secretário de Estado das Florestas, Gomes da Silva, e da presidente do Instituto da Conservação da Natureza, Paula Sarmento, entre outros.

87 alunos dos Agrupamentos de Alcácer do Sal e do Torrão participaram em actividades pedagógicas e de natureza ambiental. As crianças e os participantes plantaram árvores do viveiro da Mata de Valverde, que pretende alcançar este ano a produção de 600 mil árvores certificadas.

Alcochete com nova frente ribeirinha

Almada valoriza património gastronómico

A REQUALIFICAÇÃO da frente ribeirinha está concluída e deverá ser inaugurada em Abril. «Com o objectivo de preservar o espaço público, totalmente renovado, o município vai colocar pilaretes de delimitação da circulação automóvel, conferindo igualmente maior segurança na circulação pedonal», refere o vereador José Luís Alfélua.

ATÉ ao dia 31 continuam abertas as inscrições para o 10.º Concurso Gastronómico, a decorrer de 5 de Maio a 8 de Junho. Promovido pelo município, este concurso tem como objectivos a promoção da gastronomia do concelho, principalmente na sua vertente turística, e o reforço da qualidade deste sector «tão importante» para Almada.

Grândola presta tributo a Zeca NO ANO em que se comemoram os 40 anos do 25 de Abril e se celebram 50 anos de “Grândola Vila Morena”, um espectáculo de tributo a José Afonso constitui o primeiro elo de um vasto e diversificado programa das come-

morações da revolução dos cravos em Grândola. Jovens músicos reinterpretam alguns dos principais temas de José Afonso, este sábado, às 22h30 no auditório. O espectáculo junta hip-hop, rock, tradicional e metal.


Carlos Anjos, investigador em criminalidade informática, deu palestra de grande interesse actual

A ‘Cátedra do Tempo Presente’ continua a motivar grande interesse. Este mês também sensibilizámos para a mobilidade sustentável.

«Os pais têm que compreender os seus filhos e ter a obrigação de detectar todo o tipo de problemas»

N

o passado dia 20, ao final da tarde, o auditório do colégio Campo de Flores, na freguesia de Caparica, foi palco da quinta conferência intitulada “Bullying e Cyberbullying: porque não acontece só aos outros”, no âmbito da “Cátedra do Tempo Presente”, a cargo de Carlos Anjos, investigador em criminalidade informática, que falou a pais, alunos e professores que estiveram numa plateia superior a cem pessoas. Carlos Anjos deixou no ar a mensagem de que «os pais têm que compreender os seus filhos e ter a obrigação de detectar todo o tipo de problemas dos seus progenitores. Não pode ser a escola a fazê-lo. A generalidade dos pais conhece muito pouco os filhos que têm em casa. Já os professores também têm de estar atentos à mudança dos comportamentos dos alunos». A seu ver, os casos de Bullying têm vindo a aumentar nos últimos tempos, porque ao Bullying físico juntase agora, devido às novas tecnologias, o Cyberbullying e o Sexting. «No Sexting, um problema de grande dimensão,

N

a semana de 17 a 21 de Março, no Colégio Campo de Flores, decorreu um importante evento intitulado “Natureza & Mobilidade Sustentável”, cujo desafio maior foi a sensibilização para a preservação do ambiente. Nos dias que correm, especialmente nos meios urbanos, a preocupação ambiental está cada vez mais presente no quotidiano das famílias, uma vez que esta está diretamente relacionada com a melhoria da sua qualidade de vida. Por conseguinte, enquanto instituição educativa, o Colégio Campo de Flores acredita que o desenvolvimento de práticas de educação ambiental assume-se como um processo que estimula a reflexão e, deste modo, conduz à formação de cidadãos mais conscientes em valores, hábitos e comportamentos sustentáveis. O programa das actividades

Carlos Anjos contou com uma plateia atenta e interessada

Pais, professores e alunos foram alertados para sintomas preocupantes

que consiste na divulgação de conteúdos sexuais, gravados entre amigos, nas redes sociais, há processos-crime e a maioria dos casos são resolvidos no sentido de identificação do autor do crime. No que diz respeito ao Bullying escolar, tudo depende da capacidade da escola em resolver e liderar o problema», vinca. Carlos Anjos alerta para que os pais estejam mais atentos aos filhos quando estes apresentem sinais de «tristeza, isolamento, falta de auto-estima e ansiedade», porque «algo não está a correr bem e, agindo de imediato, mais

fácil é a resolução do problema». E conclui: «O Bullying, o Cyberbullying e o Sexting são realidade e temos o dever moral e social de os combater».

Por seu turno, João Rafael, director do colégio, fez um balanço «extremamente positivo» da quinta Cátedra do Tempo Presente, a mais participada, até

à data. «A sala estava a abarrotar e estava muita gente em pé. Felizmente que os pais dos nossos alunos são pessoas muito atentas. E estas sessões enriquece-os e ajuda-os a ser melhores pais», sublinha, acrescentando que «foi uma exc elente acção e as escolas não se podem fechar à realidade. Queremos trabalhar com os pais e com os alunos para tratar de temas melindres». Confirmando a existência de meia dúzia de casos de Bullying no Campo de Flores, no passado, João Rafael respondeu que a situação «mereceu a nossa atenção e actuação firme».

foi amplo e começou semanas antes do próprio evento, com a criativa participação dos alunos nos concursos “Carro de sonho” e “Reutilizar para ganhar”, organizados em parceria com a empresa A.M. Gonçalves II, Lda. (concessionário Toyota); os produtos finais foram, respetivamente, desenhos de automóveis ecológicos e maquetas de automóveis híbridos, estas realizadas a partir do aproveitamento de materiais usados no dia-a-dia. Estes trabalhos foram expostos na semana do evento e adornaram o recinto, no qual se desenrolaram imensas atividades, nomeadamente: entusiasmantes corridas ecológicas de carros a pedais; apresentação de automóveis híbridos Toyota para toda a comunidade escolar, dinamizada por alunos do Clube do Ambiente (EcoCCF) - considerados os

embaixadores deste importante parceiro; possibilidade de test drive de automóveis híbridos Toyota para os docentes, não docentes e encarregados de educação; demonstração de protótipos realizados pelo nosso Clube da Robótica e Automação; uma feira dos minerais e fósseis que demonstrou a importante geodiversidade do planeta e, ainda, uma venda de plantas, apelidada de “Sementes de Ajuda”, com quadras alusivas à importância de conservar a Natureza, realizadas pelos alunos, cujo produto da venda reverteu a favor do Apoio Fraterno do Centro Paroquial de S. Francisco Xavier. Esta intensa semana de atividades pluridisciplinares deixou a sensação de missão cumprida e grande entusiasmo, no que diz respeito à educação para a cidadania, confirmada pelos breves

comentários de alguns alunos: “Participar neste evento foi, para nós, uma experiência inesquecível, pois tivemos a oportunidade de aprender e ensinar os nossos colegas mais novos e mais velhos, assim como diversos pais, como um simples meio de transporte que usamos todos os dias, pode ajudar o ambiente a tornarse mais saudável.” (Beatriz Cabanilhas e Maria João Moura – 7ºano) “Gostei muito desta iniciativa, pois permitiu-me descobrir o significado da sustentabilidade e como as viaturas híbridas podem ajudar o ambiente. Foi ainda muito importante para mim a possibilidade de transmitir essa informação a outras pessoas.” (Daniela Leal – 7ºano) “A experiência de construir uma maqueta com materiais reutilizáveis foi, sem dúvida, muito

interessante, pois pôs à prova a minha imaginação e criatividade! O facto de ter ganho um dos prémios do concurso faz com que eu não me esqueça deste momento.” (Gonçalo Martins – 6ºano) “Para mim, apresentar os carros híbridos da Toyota foi uma experiência fantástica! Aprendi muito sobre o que são estes carros e as suas vantagens em relação aos outros. Acima de tudo, pude ensinar aquilo que aprendi, não só aos meus colegas como também a todos os meus familiares, agora já mais sensibilizados a pensar na Natureza e em diminuir a poluição! Acho que a Toyota é uma empresa preocupada e determinada em manter o nosso ambiente limpo e sustentável para vivermos!” (Carolina Afonso – 6ºano)

Perfil do investigador Carlos Anjos, 49 anos, é inspector-chefe da Polícia Judiciária. É licenciado em Ciências Sociais e, actualmente, desempenha as funções de presidente da Comissão de Protecção das Vítimas de Crimes Violentos

e Violência Doméstica, através de uma comissão independente que funciona no âmbito do Ministério da Justiça. Frequentou várias acções de formação ligadas à corrupção e investigação criminal.


NEGÓCIOS Sábado // 29 . Mar . 2014 // www.semmaisjornal.com 12

Força Motriz leva vinhos ao oriente Os vinhos da região de Setúbal estiveram bem representados no Master Sommelier português organizado pela Força Motriz, com apoio da CVRPS e AICEP, em Macau e Hong

Kong. Herdade do Portocarro, SIVIPA, Horácio Simões e os pesos pesados Bacalhõa e José Maria da Fonseca foram presenças marcantes no certame, que decorreu dias 25 e 27 .

Porto de Setúbal sempre a crescer O porto de Setúbal movimentou, até final do mês passado, cerca de 1,2 milhões de toneladas de mercadorias, num crescimento situado em 24%, relativamente ao período homólogo

de 2013. Para estes valores foi determinante o desempenho do Terminal Multiusos Zona 1, com 667 mil toneladas, representando um aumento de 41% face ao mesmo período de 2013.

Em causa o estudo de Investimentos de Elevado Valor Acrescentado em infraestruturas de transporte (GTIEVA

Especialistas reclamam mais ambição do Estado para plataforma portuária de Sines Os especialistas colocam a plataforma portuária como uma das decepções do estudo do governo sobre investimentos de valor acrescentado. «Incompreensível» de ponto de vista estratégico, afirma a Adfersit. Roberto Dores

M

ário Lopes, o presidente da Associação para o Desenvolvimento de Sistemas Integrados de Transportes (Adfersit) — que reúne académicos e técnicos deste sector - contesta a alegada «falta de visão estratégica» para Sines, observada no relatório do grupo de trabalho nomeado pelo Governo para propor prioridades em Investimentos de Elevado Valor Acrescentado em infraestruturas de transporte (GTIEVA). «A ligação de Sines a Badajoz padece de falta de ambição, ao não fazer parte das primeiras prioridades, situandose apenas no 25º lugar entre as 30 recomendadas», lamenta Mário Lopes. A Adfersit coloca Sines entras as decepções do estudo, alegando ser um dos casos «incompreensíveis do ponto de vista estraté-

tamente o projecto», salienta. O mesmo dirigente defende ainda para Sines a rápida construção do terminal Vasco da Gama e expansão do Terminal XXI, em vez do terminal de Lisboa, para aproveitar o interesse da aliança dos maiores armadores mundiais por Sines, que também favorece a economia portuguesa». A falta de visão estratégica e inoperabilidade ferroviária

A dimensão e o crescimento do porto justificam ganhar massa crítica

gico». Num documento em que fundamenta a sua posição, Mário Lopes alerta que se o actual plano for executado «aumentará de forma irreversível, por muitos anos, o carácter periférico da economia portuguesa», defendendo que os investimentos em terminais de contentores são «fundamentais para reduzir os custos das nossas exportações para o mercado europeu». Pelo que contesta o facto do gabinete propor um terminal novo em Lisboa «em lugar de tentar ganhar massa crítica em Sines». «Erro grave» pela dimensão internacional do porto «É um erro grave, porque a escala de dimensão e quantidade de carga movimentada é um importante factor de atracção de grandes

navios e de cadeias logísticas internacionais», diz, admitindo não perceber como é que a expansão do Terminal XXI e a construção do Terminal Vasco da Gama (ambos no Porto de Sines) podem ser considerados «projectos mutuamente exclusivos, inviabilizando o segundo». Mário Lopes acrescenta que, em nome do interesse nacional, o governo possa alocar os recursos financeiros nacionais, aproveitando «os fundos europeus para construir novas linha ferroviárias mistas em via dupla e interoperáveis com redes europeias», refere. O especialista cita o caso concreto do itinerário Vendas Novas-Caia, com extensões aos portos de Sines e Setúbal, «cumprido os acordos internacionais celebrados com Espanha, o que implica desenvolver imedia-

Ainda segundo o presidente da Adfersit, neste contexto, é considera de «uma grande falta de visão estratégica a baixa prioridade que se dá à resolução dos problemas de interoperabilidade ferroviária, indispensáveis para criar uma ferrovia competitiva no transporte de mercadorias para a Europa, que por sua vez é importante para a competitividade das nossas empresas e para atrair investimento», acrescenta, justificando que «se optarmos pelos remendos propostos pelo GTIEVA acentuaremos o carácter periférico da nossa economia». Segundo o Mário Lopes, estas opções também estão condicionadas pela política de distribuição de Fundos da União Europeia adoptada pelo Governo, que «inviabiliza soluções competitivas nas ligações ferroviárias internacionais que as nossas empresas exportadoras que usam a via terrestres para os mercados mais no centro da Europa precisam para não ficarem reféns da rodovia», conclui.

O 20.º membro da EPCSA O forte crescimento registado pelo porto de Sines nos últimos anos é o vector responsável pela adesão da plataforma portuária à Associação dos Sistemas das Comunidades Portuárias Europeias (EPCSA), à qual aderiu recentemente. Richard Morton, secretáriogeral da EPCSA, durante a conferência que confirmou o Porto de Sines como o seu 20.º membro, enalteceu a força da plataforma portuária portuguesa, considerando-a «mais uma voz» para aumentar o peso da associação no panorama europeu e internacional. José Carlos Simão, director do Porto de Sines, apresentou os números que colocam Sines neste patamar de excelência, nomeadamente na área do contentores, iniciada em 2004, que tem vindo a aumentar a uma escala próxima dos 12 por cento ao ano. «Este ano a movimentação de contentores deverá atingir 1,2 milhões de TEU e devido a este crescimento estamos a criar uma nova área de expansão para fornecer mais 300 metros de cais», disse o responsável aos parceiros da EPCSA.

Paulo Rocha dá cartas na restauração em Setúbal

O cozinheiro e a sua equipa

O CONHECIDO Chef de Cozinha Paulo Rocha faz um balanço «muito positivo» da sua gerência no restaurante Le Chef Xica Bia, localizado na

Avenida Luísa Todi, em Setúbal, depois de já ter estado à frente de outros espaços de restauração e de se envolver em acções de formação na área da hotelaria, em diversos países. Com um livro de cozinha lançado nos Estados Unidos, no início deste ano, intitulado “A Psicologia e Comida”, Paulo Rocha orgulha-se de estar à frente do Xica Bia onde aposta em pratos «mais clássicos e bem servidos, que deixe as pessoas satisfeitas». Os produtos frescos do

dia são um imperativo no Xica Bia. «A única coisa que compro congelado é o choco», sublinha o mestre ligado à cozinha há 40 anos. Sobre a estrela Michelin que conquistou a nível internacional, há 3 anos, Paulo Rocha afirma que tal se deveu a «mérito próprio», pela divulgação da «nossa gastronomia pelo Mundo fora e pela ajuda que dou a projectos da UNICEF, confeccionando refeições». De segunda à sexta, ao almoço, são servidos pratos do dia econó-

micos. As semanas temáticas decorrem de segunda a sábado, tendo já estado em destaque as massas, a feijoada, o arroz, as espetadas e os bifes, entre outras iguarias. Também há pratos com um toque especial do chefe Paulo Rocha, como o bacalhau grelhado lascado. A carta de vinhos aposta sobretudo nos vinhos da região, mas também é possível encontrar néctares do Douro e do Alentejo. Os diplomas conquistados e as 22 jalecas de Paulo Rocha, confec-

cionadas para várias cerimónias, estão expostas nas paredes do restaurante Le Chef Xica Bia, que encerra ao domingo. «Estas jalecas representam paixão, recordação, profissionalismo e orgulho por aquilo que faço», revela. Sandra Felicidade é a responsável pela área das Relações Públicas e tem a missão de captar novos clientes para o restaurante. «Estamos a pensar captar a atenção de clientes em Tróia, onde as refeições são muito dispendiosas», vinca Paulo Rocha.


DESPORTO Sábado // 29 . Mar . 2014 // www.semmaisjornal.com 13

Comporta recebe Live World Run A Comporta vai receber a 1ª edição da corrida Wings for Life World Run, que se realiza no próximo mês de Maio, em 35 países em simultâneo, com o objectivo de angariar fundos

para projectos de investigação para a cura de lesões da espinal-medula. A prova, normalmente com grande mediatismo, junta atletas federados, amadores e figuras públicas.

Oliveira aposta na formação e na venda de jogadores Fernando Oliveira foi à luta com Júlio Adrião e venceu de forma categórica. O seu projecto vai continuar. António Luís

O

presidente do V. Setúbal, Fernando Oliveira, afirmou que o clube vai prosseguir a sua aposta no futebol de formação, regozijando-se pelo facto de o júnior André Horta, de 17 anos, irmão do avançado Ricardo Horta, se ter estreado recentemente nos Sub-18. «Estamos duplamente satisfeitos porque estamos aqui de corpo e alma para servir o Vitória, com transparência e verdade», sublinhou o líder na tomada de posse da nova direcção do clube sadino, para o triénio 2014/2017, que teve lugar no passado dia 25, no salão nobre da Câmara de Setúbal. Até ao final da época, Fernando Oliveira espera vender dois ou três jogadores do plantel sénior que ajudam a resolver alguns problemas financeiros do clube. «Isso vai permitirnos resolver os problemas financeiros do clube. O nosso património não são os terrenos mas sim os jogadores que temos para vender», vinca. Fernando Oliveira, de 73 anos,

Santiago e Alcácer no caminho da Volta ao Alentejo A 32ª VOLTA ao Alentejo Liberty Seguros, em bicicleta, tem passagem por dois concelhos do distrito. Enquanto Santiago é meta para a quarta tirada, que liga Odemira aquele concelho numa distância de quase 160 Km’s, Alcácer do Sal é ponto de partida para a quinta e última etapa da prova. A prova que teve início na quartafeira, vai percorrer até domingo, quase 900 quilómetros entre Castelo de Vide e a Praça do Giraldo, na cidade de Évora. Ao longo dos cinco dias de competição, perto de centena e meia de ciclistas, representando 18 equipas passam por quinze metas volantes, duas delas em Santiago do Cacém, e seis prémios de montanha, sendo que um deles, de quarta categoria, acontece praticamente no final da quarta-etapa, também em Santiago.

A posse dos novos dirigentes ocorreu na Câmara de Setúbal

acusa a lista de Júlio Adrião, que foi derrotada nas eleições do dia 21, por mais de 300 votos de diferença, de ter ‘roubado’ três meses de trabalho à actual direcção com «propostas ocas e alternativas inúteis». Para o futuro do Vitória, o líder pediu o apoio de «todos» para que o mandato decorra com normalidade. Sobre a continuidade do treinador José Couceiro à frente da equipa sénior de futebol, o líder sadino confessou que «não é segredo para ninguém que queremos que ele continue a trabalhar connosco. Já lhe manifestámos esse desejo». Agora, tudo depende «da vontade dele. Aguardamos mais um ou dois meses pela sua resposta». Fernando Oliveira revelou que já está a delinear com José Couceiro o plantel

para a próxima época. «Estamos a estudar quais são os jogadores que continuam, os que são dispensados e os jogadores que poderemos vir a adquirir. É claro que se ele receber uma resposta do estrangeiro muito boa, quem sou eu para o convencer a ficar em Setúbal? Não é justo, porque toda a gente gosta de ganhar dinheiro. Mas se isso acontecer só lhe desejo boa sorte». A presidente do município, Maria das Dores Meira, disponibilizou-se para ajudar o clube dentro das possibilidades do município, sublinhando que «as naturais discordâncias, quando surgem, devem ser encaradas como método para procurar e criar novas soluções para os problemas».

Campeões de rally na Autoeuropa Sebastien Ogier e Julian Ingrassia, a dupla campeã do mundo de Rally visita a Autoeuropa, esta segundafeira, dia 31, para uma sessão de autógrafos com os colaboradores da

empresa. A iniciativa visa lançar a participação da equipa Polo WRC no Rally de Portugal, que tem lugar de 3 a 7 de Abril, e onde os alemães são fortes candidatos à vitória.

Uma data de datas Desde sempre, a contagem do tempo que passa exigiu aplicadas referências numéricas, em calendários diferentes como os da era de Cristo e o hebraico, separados por milhares de anos. Sucessivamente, as datas vão fazendo a História constituindo o seu principal elemento, desafiando memórias e reflexões. Citamos como um bom exemplo disso mesmo a obra de Pedro Rabaçal sob o título de “ 100 datas que fizeram a História de Portugal” que me apraz recomendar, convictamente. Estamos já em 2014, num muito complicado século XXI, quase 600 anos após a Conquista de Ceuta (1415) que se aponta como o “motor de arranque” da magnífica expansão portuguesa. Aos primeiros dias de um novo ano é costume cumprir uma retrospectiva do que sucedeu de mais significativo nos 365 dias que se lhe antecederam, marcando datas, eventos e personalidades. E no meio emaranhado de uma data de datas, como sói dizer-se, é isso o que nos propomos neste Março de 2014. No âmbito das personalidades, 2013 ficou indelevelmente ligado a dois nomes: os de Nelson Mandela, que nos deixou e do Papa Francisco (Cardeal Bergoglio), que nos tem deixado extasiados de

David Sequerra Colaborador profundo apreço. Esse denominado Ano de graça de2013 não mais poderá ser evocado sem o reconhecimento da obra político-social do heróico Nelson Mandela e o registo da eleição do Papa Francisco, um Homem bom, por convicção e excelência. No âmbito novamente nacional e fugindo a difíceis individualismos encontrar-se-ão motivos para colocar em evidência o desaparecimento de personalidades de vulto que nos dispensamos de evocar. Em contrapartida desse “eclipse” de referências já em 2014, com profundo desgosto à escala nacional, ocorreu o falecimento de “King Eusébio”, o futebolista que ganhou fama e glória mundial nas décadas de 60 e 70. Uma perda que se repercutiu à escala extra-nacional e que faz dessa data- 5 de Janeiro de 2014um marco de tristeza para quantos gostam de futebol e apreciam quem tenha a lhaneza de trato e o exemplar “fair-play” que Eusébio sempre manifestou. Cedo demais, perdemos Eusébio! Uma data triste num 2014 de deusas perspectivas…

Desportivo da Volta da Pedra quer mais verbas para BTT O GRUPO Desportivo da Volta da Pedra celebrou o seu 41.º aniversário, com uma sessão solene onde marcaram presença diversas entidades, entre as quais o vereador Adilo Costa, da Câmara de Palmela. A presidente Alexandrina Pereira, disse pretender «dar continuidade ao trabalho das anteriores direcções, incutindo, sempre, outros gostos pela cultura por forma a dinamizar a colectividade para que esta não seja apenas um local onde se jogue às cartas». Bernardino Primo, presidente do conselho fiscal e presidente da direcção do clube durante 12 anos, realçou que a modalidade de Ciclismo, na vertente do BTT, continua a dar grandes alegrias aos sócios. Contudo, devido a dificuldades financeiras, a participação dos atletas do clube em provas têm vindo a ser reduzidas. «Em 2013 participámos em 15 provas, sendo que média em 2012 era de 32

Actividades para todos

Elementos da direcção na cerimónia de aniversário do clube de Palmela

provas. Já conquistámos 4 títulos internacionais, 5 campeões nacionais, uma taça de Portugal por equipas e 4 participações na Taça do Mundo, em Madrid, de onde saíram dois vencedores. O clube participou em cerca de 390 provas nacionais e venceu 100 e fez vários campeões distritais. «O apoio para o BTT é zero, de há quatro anos a esta parte, mas já recebemos do extinto Governo

Civil, da Câmara de Palmela, Junta de Freguesia e de patrocinadores. Mas vale a pena apoiar quem tem um historial tão rico como o nosso. Basta visitar a nossa sala de troféus onde se encontram 550 taças conquistadas em 12 anos de BTT», vincou. Com uma direcção que aposta sobretudo na juventude, sendo de realçar três elementos com 21, 30 e 32 anos, o GDVP luta por «graves

Com cerca de 250 sócios, o GDVP desenvolve também, além do Ciclismo BTT, as actividades de Festival da Canção InfantoJuvenil “Pedra D´Ouro” e bailes, passando a partir de agora a acolher os ensaios do grupo cénico Pano Cru. Em Junho, a colectividade tenciona organizar o 1.º Encontro de Poetas Populares e talvez, o concurso do Vestido de Chita.

dificuldades financeiras», mas Alexandrina Pereira tem esperança que as coisas mudem. «Confio na boa vontade das pessoas e tenho fé que consigamos dinamizar, de uma forma mais forte, esta colectividade».


CULTURA Sábado // 29 . Mar . 2014 // www.semmaisjornal.com

DISFRUTE DE UM LOCAL APRAZÍVEL DENTRO DA CIDADE DE SETÚBAL.

A PRIMAVERA NA CASA DO PEIXE.

14

Violência é tema de peça “Violência”, peça de Joaquim Paulo Nogueira, com encenação de Carlos Santos, apresenta-se no Teatro Joaquim Benite, em Almada, este sábado, às 21h30, com interpretações de Carlos Santos e Maria

Zamora. Alice regressa a casa do pai para acompanhar as cerimónias fúnebres da mãe que viu ser agredida pelo pai. O seu confronto com as memórias do passado e com o próprio pai será tumultuoso.

Bom feedback no Fórum Luísa Todi

DR

Água Ardente estreia nova produção com casa cheia

A produção cénica de teatro, dança e multimédia “Anjos Caídos” é inspirada na obra de Rui Zink

António Luís

A

FACEBOOK.COM/ACASADOPEIXE

Pub.

969 389 809

estreia da nova produção da companhia Água Ardente, “Anjos Caídos”, decorreu com um «bom feedback» do público, no passado dia 22, à noite, no Forum Luísa Todi, em Setúbal. A produção cénica de teatro, dança e multimédia, inspirada na obra gráfica “O Halo Casto”, da autoria de Rui Zink e com ilustrações de Luís Louro, inclui bailados coreografados por Iolanda Rodrigues e protagonizados por Ivanoel Tavares, Jéssica Cruz, Joana Carrilho e Patrícia Silva. Os actores que pisam o palco são Miguel Assis, Isabel Ganilho e Tiago Lacerda Pacheco.

Olavo Nóbrega, director da Água Ardente, afirmou ao Semmais que a estreia de “Anjos Caídos” superou as suas expectativas. «Decorreu francamente bem, o público aderiu em tão grande número e, praticamente, esgotou o Forum Luísa Todi, coisa rara a nível de teatro local». Quanto ao futuro, o grupo pretende «continuar a mostrar o seu trabalho e a inovar por forma a criar o seu espaço e um público muito próprio». “Anjos Caídos”, que faz uma reflexão à origem do mal, vai entrar agora em mini-digressão, com as passagens por Alcácer do Sal, este sábado, às 21h30, no auditório municipal, e Évora, estando em vias de celebrar contrato com «outras salas».

Olavo Nóbrega confessa que gostaria que o espectáculo fosse mais vezes representado em Setúbal mas, por «incompatibilidade» do Forum Luísa Todi, não foi possível agendar mais espectáculos. Formado em Maio de 2008, o projecto Água Ardente já levou à cena quatro produções. O projecto Marca de Água, para não actores, maiores de 16 anos, tem vindo a formar novos actores com o propósito de estrear um espectáculo, por ano. Já o Gotinha de Água destina-se à formação na área infantil. Com sede fiscal em Setúbal e espaço próprio em Santa Susana, a companhia Água Ardente conta com apoios «mínimos» da Secil e Câmara de Setúbal.


15

29

Sexta

Sábado

Sábado // 29 . Mar . 2014 // www.semmaisjornal.com

4

Sexta

4

Sexta

Sábado

Jorge Palma, acompanhado pelo filho Vicente Palma, apresenta a tour “Íntimo” e recria um ambiente intimista durante cerca de 80 minutos. Este concerto integra-se no programa “Março a Partir”, desenvolvido pelo município. Teatro S. João, Palmela | 21h30.

A Dona da História

A peça “A Dona da História”, protagonizada por Joana Solnado e Manuela Couto, insere-se no programa do Mês do Teatro, a decorrer em vários palcos do concelho do Barreiro. Auditório Augusto Cabrita, Barreiro | 21h30.

Cartaz...

4

Ópera semi-encenada No âmbito da 7.ª edição da Temporada de Música da Casa de Ópera do Cabo Espichel, o público tem oportunidade de assistir, pela primeira vez, a uma ópera semi-encenada, intitulada Cosí Fan Tutte, de Mozart, interpretada pela Orquestra Metropolitana de Lisboa, e à estreia de um novo ensemble, dirigido pelo maestro Pedro Casa Nova. Teatro João Mota, Sesimbra | 21h30.

29

Sermão aos peixes

Pompeu José e Raquel Costa protagonizam um casal sem-abrigo que dá voz, principalmente ele, ao texto do “Sermão de Santo António aos peixes”, proferido pelo padre António Vieira, em 1654, mas que mantém ainda toda a actualidade. Forum José M. Figueiredo, Baixa da Banheira | 21h30.

A FINAL do 10.º Concurso de Bandas de Garagem de Setúbal, com cinco grupos em competição, realiza-se no sábado à noite, na Capricho Setubalense. O evento arranca às 22 horas e conta com as participações de EMMA, Oleo e Tio Rex, todos de Setúbal, bem como dos Brace Yourself, de Faro, e dos Stone Dead, Alcobaça. As entradas custam 1,50 euros, com direito a uma bebida. Na final do concurso, organizado pelo município, em parceria com a Capricho Setubalense actuam, como banda convidada, os Hills Have Eyes. O quinteto de Setúbal, a celebrar uma década de existência, está a trabalhar em “Antebellum”, o novo álbum de originais. O vencedor do concurso é premiado com actuações na Feira de Sant’Iago, em Setúbal, e no

Comédia e música com Menezes O humorista Francisco Menezes apresenta o espectáculo “Loop”, criado a partir de apontamentos de comédia e de música. Francisco Menezes leva ao palco vários artistas a partir de uma única voz. Forum Luísa Todi, em Setúbal | 21h30.

Bandas de Garagem de Setúbal:

final do concurso

Festival Rock no Sado, bem como com a gravação de um single e com um cheque de mil euros. A nível de prémios, a prova entrega ainda 700 euros ao 2.º lugar, 500 ao 3.º, 200 ao 4.º e 100 ao 5.º lugar. A Banda do Público é premiada

com uma catuação na Feira de Sant’Iago, prémio atribuído, igualmente, à Melhor Banda do Concelho, que ganha ainda a oportunidade de gravação de quatro temas numa produtora e um cheque de 500 euros.

Ofertas Semmais - Ligue 965 588 572 e peça os seus convites Comédia “Boeing, Boeing” A comédia “Boeing, Boeing”, protagonizada por Sofia Ribeiro, Patrícia Tavares, Melânia Gomes, Elsa Galvão, Luís Esparteiro e João Didelet, continua a divertir toda a gente no Teatro da Trindade, em Lisboa. Trata-se de uma hilariante comédia de enganos sobre a trajectória de um Casanova da Era do Jacto, Bernardo um arquitecto que está noivo de três mulheres, Janete, Julietta e Judite, três hospedeiras de bordo, de diferentes países com quem vive sem que saibam a existência

umas das outras. Berta, a fiel empregada doméstica de Bernardo, é cúmplice neste jogo amoroso, trocando as fotografias, roupas de cama e ementas para que nenhuma das noivas desconfie da presença de outras mulheres.

Até que um dia os seus amores vão chegar à sua casa ao mesmo tempo. Dada a azáfama vivida na casa de Bernardo, Berta está à beira de um ataque de nervos. Um amigo de longa data do arquitecto, Roberto Seguro, veio visitálo e vê-se apanhado na maior trama amorosa que alguma vez viu e que terá um fim inesperado. O espectáculo vai estar em cena até ao dia 13 de Abril, de quarta a sábado, às 21h30, e aos domingos, às 18 horas. Temos convites para oferecer para este espectáculo. Basta ligar 965 588 572.

Musical “Robin dos Bosques”

Ganhe CD´s de Ricardo & Henrique

Filipe La Féria continua a apresentar, para miúdos e graúdos, no teatro Politeama, “Robin dos Bosques”, a célebre obra da literatura de aventuras. Não perca as aventuras do mítico príncipe dos Ladrões, Robin dos Bosques, um nobre fora-da-lei, acompanhado por João Pequeno e o seu bando. Este espectáculo é representado de terça a sexta às 11 da manhã e às 14 horas para as escolas, e às 15 horas de sábado e domingo para o público em geral.

A dupla Ricardo & Henrique, formada nos anos 90, está de regresso aos discos. O novo trabalho, intitulado “Tá Maluca”, conta com as tradicionais influências brasileiras que tem vindo a definir ultimamente os arrochas e sertanejo universitário. “Tá Maluca” é igualmente um álbum onde encontramos novas abordagens a outros géneros musicais, como a Kizomba, reggae, pop e as incontornáveis baladas. Os ritmos do Verão estão apresentados ao longo das 13 faixas que compõem este novo CD de Ricardo & Henrique, que inclui ainda como track bónus “Hey (morro de desejo)” e “Panram Pampam”.



Semmais 29 mar