Issuu on Google+

Navegando a favor do vento Novo modal marítimo gera novas exigências dos fabricantes de equipamentos, beneficiando a indústria de lubrificantes navais Biocidas

Setor segue apresentando soluções cada vez mais eficazes, sem agredir o ambiente e com custos competitivos

Embalagens Plásticas

Apelo ecológico e novas tecnologias fazem com que o mercado de óleos e lubrificantes aposte no setor

00 • LUBGRAX • Edição 14 • 2012

LUBGRAX • Edição 14 • 2012 • 00


00 • LUBGRAX • Edição 14 • 2012

LUBGRAX • Edição 14 • 2012 • 00


Nesta edição 06 News Brief

Confira o resumo das principais reportagens em inglês e espanhol

10 Entrevista

Conheça um pouco mais sobre Ozires Silva, símbolo do empreendorismo aéreo no Brasil

16 6º Ebdquim

38 Lubrificantes Navais Novas necessidades operacionais geram exigências por maior proteção e expansão do mercado

18 Biocidas

Inovações mais ecológicas e competitivas ganham a preferência dos fabricantes de lubrificantes

30 Embalagens plásticas

Aposta no envase sustentável provoca aumento de consumo

Setor de distribuição recebe o reconhecimento da indústria química brasileira

36 Equipamentos de Laboratório

Lançamentos auxiliam no aumento de precisão e qualidade das formulações

46 Perfil do Fornecedor

Italmach Chemical chega ao Brasil com a proposta de ser a principal fornecedora de ésteres sintéticos no País

48 Aditivos Anticorrosivos No alvo, a redução e a prevenção da ferrugem e corrosão

52 Lubgrax Meeting

Patrocinadores antecipam as novidades que serão apresentadas no evento que reúne toda a cadeia de lubrificantes

56 Artigo Técnico

Evonik Oil Additives demonstra as formulações de óleo de motor mais eficientes e econômicas

62 Produtos & Serviços

As novidades que estão modificando e profissionalizando o setor de óleos e lubrificantes

66 Lubgrax Online

Fique ligado sobre as notícias e vídeos que podem ser acessadas no site www.lubgrax.com.br Erramos Na matéria da edição 14, intitulada “Jovem e dinâmica, Makeni chega aos 30”, publicada na página 34, cometemos o erro de identificar o entrevistado como Rubens Medrano, diretor superintendente e presidente da Associquim. O correto é que a entrevista foi cedida por Reinaldo Medrano, diretor comercial, que aparece na foto ao lado.

00 • LUBGRAX • Edição 14 • 2012

LUBGRAX LUBGRAX• •Edição Edição15 14••2012 2012 •• 03 00


EDITORIAL

Diretor de Administração e Recursos Joel Hissa Leite joelleite@sellsolutions.com.br

Diretor Comercial Sérgio Suassuna sergiosuassuna@sellsolutions.com.br Gerente Comercial Carlos A. Hissa Leite carlosleite@sellsolutions.com.br

Gerentes de Negócios Cezar S. Neto cezarneto@sellsolutions.com.br Daniel Assis danielassis@sellsolutions.com.br Pedro Luz Pedroluz@sellsolutions.com.br Consultor Editorial Sérgio Ávila

Editores Edson Barros edsonbarros@sellsolutions.com.br Maristela Rizzo maristelarizzo@sellsolutions.com.br Miriam Mazzi miriammazzi@sellsolutions.com.br Projeto Gráfico e Direção de Arte Ibanil N. Pereira ibanilnobrega@sellsolutions.com.br Mailing e Assinaturas assinatura@sellsolutions.com.br

Lubgrax é uma publicação da Sell Solutions Editora e Serviços Ltda. Rua Wanderlei, 329 Perdizes São Paulo - SP • Cep 05011 000 Tel. (5511) 3037-7293 Fax (5511) 2306-7645 www.sellsolutions.com.br contato@sellsolutions.com.br

Impressão: Neoband Soluções Gráficas Assessoria de Imprensa CW Consultoria de Comunicação Cecília Schonenberg ceciclia@cwconsult.com.br

Assessoria Jurídica Dr. Daniel Froes de Abreu danielfroesdeabreu@hotmail.com site: www.lubgrax.com.br

Papel Suzano Couche Fosco: capa 230 gr e miolo 115 gr

Lubgrax é uma publicação da Sell Solutions Editora, direcionada aos profissionais e executivos de toda a cadeia produtiva, distribuição e principais segmentos industriais consumidores de lubrificantes, óleos, fluidos e graxas. As matérias, marcas, produtos, ilustrações e valores têm caráter exclusivo de informação e sua publicação não implica compromisso e responsabilidade. Os editores não se responsabilizam pela opinião dos entrevistados ou pelo conteúdo das matérias por meio de assessoria das empresas citadas. A reprodução total ou parcial das matérias só será permitida após prévia autorização da editora.

O dia do caçador Se a sabedoria popular for confirmada, está prestes a ter fim a soberania da caça. Explica-se: o Brasil, historicamente visto pelo restante do planeta como caça a ser abatida, explorada ou subjugada, assume, definitivamente, seu papel de caçador no cenário mundial. Seja como fornecedor global de insumos ou bens com alto valor agregado ou como um dos mercados consumidores mais vorazes e cobiçados do mundo. Enquanto a Europa trava uma batalha inglória pela manutenção do euro e vê, com preocupação crescente, escassearem os postos de trabalho – somente na Espanha o contingente de pessoas sem ocupação beira ¼ da população –, o Brasil atravessa um dos períodos mais frutíferos de sua economia recente. Em São Paulo – cujos números são bastante representativos em função de a cidade ser a principal metrópole da América Latina –, não para de crescer a oferta de emprego com carteira assinada e, melhor, os salários acompanham o aquecimento. De uma forma global, outro sinalizador importante para o Brasil vem da recente informação divulgada pelo IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística sobre o Censo 2010. De acordo com o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), os avanços nos indicadores sociais observados na última década mostram que o País está no caminho certo para erradicar a miséria. Além do aumento de renda, os dados do IBGE demonstram queda da mortalidade infantil e aumento da frequência escolar, especialmente nas regiões Norte e Nordeste, as mais pobres do País. Ainda segundo o MDS, o aumento do salário mínimo, os programas de transferência de renda, como Bolsa Família e Benefício de Prestação Continuada (BPC), e os incentivos fiscais para equipamentos da linha branca beneficiaram o consumo de bens duráveis das famílias mais pobres. Por ser um dos mais atuantes – direta ou indiretamente – em todos os setores da atividade industrial, o mercado de lubrificantes, graxas, óleos e fluidos tem aproveitado as benesses deste novo e promissor cenário vivido em solo verde e amarelo. Também aqui o caçador se apresenta cheio de vontade de crescer. Provas desta afirmação estão nas várias reportagens que publicamos nesta edição, a exemplo do segmento de lubrificantes navais que, conforme cálculos da Petrobras Distribuidora, representa 5% do mercado total, com tendência clara de expansão. Recentemente, durante o II Balanço da Indústria Naval e Offshore, realizado no Rio de Janeiro, foram anunciados investimentos de R$15,4 bilhões, entre 2012 e 2014, no setor naval carioca, com geração de 27 mil postos de trabalhos, dos quais 11 mil na construção de novos estaleiros. Com novas tecnologias e apelo ecologicamente correto, as embalagens plásticas aos poucos também têm experimentado boas repercussões em suas vendas. E, como resposta, os fabricantes estão desenvolvendo recipientes leves, práticos e resistentes, que colaboram com a sustentabilidade – outra demanda que o Brasil começa a atender. E visando auxiliar fabricantes de graxas, óleos e lubrificantes a conquistar mais precisão e qualidade no desenvolvimento de seus produtos, o mercado de equipamentos para laboratórios está se esmerando na oferta de aparelhos feitos sob medida, que atendem aos principais desejos da indústria: tecnologia avançada, segurança e custos competitivos. Disposição semelhante é observada pelo setor de matérias-primas. Tanto o segmento de biocidas como o de aditivos anticorrosivos, conforme reportagens nesta edição, revelam que a pujança econômica está acelerando seus negócios, com boas perspectivas de crescimento para este ano. Ao olhar mais adiante, com o foco nos Jogos Olímpicos e Copa do Mundo de Futebol, as expectativas positivas se multiplicam, já que estes grandes eventos do esporte mundial estão demandando bilhões de investimentos em infraestrutura. Por fim, como afirma Ozires Silva, nosso Mestre dos Ares da aviação brasileira, em entrevista nesta edição, “o Brasil tem possibilidades imensas de se tornar uma nação melhor e muito mais conhecida por suas marcas e produtos.” É o momento mais que propício para o “caçador” mostrar com quantos degraus se escala a liderança. Equipe Lubgrax

00 • LUBGRAX 04 LUBGRAX ••Edição Edição14 15• •2012 2012

LUBGRAX • Edição 14 • 2012 • 00


ANUNCIANTES DESTA EDIÇÃO

DOW ......................................................................................................................2ª Capa........................................................................................... Mobil...........................................................................................................................13................................................................................................ Lupus..........................................................................................................................15................................................................................................. Lumobras..................................................................................................................21................................................................................................ Ecosorb......................................................................................................................23................................................................................................. Lwart...........................................................................................................................25................................................................................................ Miracema-Nuodex.................................................................................................27................................................................................................ Lubgrax Meeting....................................................................................................29................................................................................................ Castrol........................................................................................................................33................................................................................................ Lafis.............................................................................................................................35................................................................................................ DNC..............................................................................................................................37................................................................................................ Iorga…………………………………………………………………………...….........…..45................................................................................................ Intertank…………………………………………………………………………….........47................................................................................................ Arinos………………………….......………………………………..................................49............................................................................................... Lonza ..........................................................................................................................51................................................................................................ Química Anastácio........................................................................................... 3ª Capa.......................................................................................... Schutz Vasitex.................................................................................................... 4ª Capa........................................................................................... 00 • LUBGRAX • Edição 14 • 2012

LUBGRAX LUBGRAX••Edição Edição15 14 •• 2012 2012 • 05 00


LUBE NEWS

The master of the air Ozires Silva is one of those human beings who undoubtedly provoke some kind of emotion in others - in most cases, admiration and sympathy. Not only for him, in his ten years and “flying hours”, still display to the other mortals the gaze which fascinates by the knowledge that overflows with his words, without the slightest effort, not even the weight of a resume filled with roles functions that would be the envy of executives from all stands (see box), or, alternatively, the easiness he transmits, a quick chat, full of jokes, he likes to tell and that, even if not hilarious, bring a smile to people’s face. The admiration comes from the attitudes of a large Brazilian citizen, whose impact made history in the country along its trajectory, Ozires was accumulating so much knowledge that today, even away from the management of large companies, enchants the different audiences that cross the new path, the Speaker. It was through this new venture - of Speaker during the opening of the second edition of Lubgrax Meeting, held last year - the master of Brazilian aviation was presented to us. And behold you, doctor, teacher and so many other titles that are assigned, promoted new feat, got almost all of the approval of Congress Lubgrax Meeting, showing that those born king never lose their majesty. In this interview, arranged soon after confirmation of his participation in the second Lubgrax Meeting - Event to be held in October, Apas Space in Sao Paulo - the great master of the air, with his charming humility, defined himself: “When it comes down to it I like to be a Brazilian citizen who loves his country. I can not judge my importance to aviation, on which I have many doubts. What I can assure is that aviation is very important to me! “How modest of him!

Novelties for the quality increase in laboratories To help manufacturers of lubricants, oils and lubricants to gain more precision and quality in the development of its products, the market is always offering new equipment for laboratories. Devices are tailored to meet the industry’s main wants: advanced technology, safety and cost competitive. Check out in the article some of these novelties.

Protection susceptibility It’s not of today that corrosion is a serious - and expensive – matter for various sectors. The increasing industrialization in developing countries, notably the automobile, is also spurring demand for the heating of anticorrosion additives, whose growth expectations for this year follows the designed for the automotive sector. Because of these good omens, suppliers of raw materials are preparing new developments in order to explore the growing demand.

00 06 • LUBGRAX LUBGRAX ••Edição Edição14 15• •2012 2012 2012

LUBGRAX • Edição 14 • 2012 • 00


Expansion in sight The change in the Brazilian economy - and all the demands that such a framework has generated - hit the marine lubricants market, which was and is driven to develop new technologies, more environmentally friendly and efficient. All this is to monitor an industry that continues to grow. Just to illustrate, in April investments of $ 15.4 billion, between 2012 and 2014 were announced, in the shipbuilding industry in Rio. Although there is a periodic survey of how the market moves marine lubricants, it is estimated that the sale of marine lubricants represents approximately 5% of all lubricants sold in the country, or about 40,000 m³ / year. The data is from Petrobras and indicates how much the industry has to grow.

Ecological preservation Following the course of providing solutions to prevent the proliferation of microorganisms such as fungi and bacteria without harming the environment, manufacturers and suppliers of biocides, and supply chain of actives, maintain the focus on increasing more perfect and creative investment solutions for their clients. For consumers, the price priority is slowly giving way to a quality item. In this new design, the demand for better quality at a fair price is already a reality in the segment, a factor that encourages the main players in this market to focus their efforts and resources to expand its market share of lubricants, oils, fluids and greases. Thus expanding their product portfolios, but without forgetting the pre-and post-sales.

A bet on sustainable packaging With new technologies and eco-friendly appeal, the plastic packaging has gradually been increasing its participation in the market of oils, greases and lubricants. In addition to developing lightweight, practical and tough, containers some manufacturers work with sustainability by coordinating the recycling of these containers after use. Several companies in the sector record increased sales of plastic packaging, and to cater to customers well, there are even new launches capable of storing materials which so far have only been destined for metal packaging.

00 • LUBGRAX • Edição 14 • 2012

LUBGRAX LUBGRAX••Edição Edição15 14 •• 2012 2012 • 07 00


SÍNTESIS DE LAS NOTICIAS

Apuesta por un envase sostenible Con nuevas tecnologías y atractivo ecológicamente correcto, los empaques plásticos han aumentado poco a poco su participación en el mercado de aceites, grasas y lubricantes. Además de desarrollar recipientes livianos, prácticos y resistentes, algunos fabricantes participan en el desarrollo sostenible coordinando el reciclaje de estos empaques después de usados. Varias empresas del sector han registrado un aumento en las ventas de empaques plásticos y, para atender bien a los clientes, se efectuaron lanzamientos de empaques plásticos capaces de almacenar materiales hasta ahora destinados únicamente a empaques metálicos.

Novedades para un aumento de calidad en los laboratorios Para ayudar a los fabricantes de grasas, aceites y lubricantes a conquistar mayor precisión y calidad en el proceso de desarrollo de sus productos, el mercado ofrece constantemente novedades en equipamientos para laboratorios. Son aparatos hechos a la medida para atender los principales deseos de la industria: tecnología avanzada, seguridad y costos competitivos. Echa un vistazo a algunas de estas novedades en la materia.

Expansión à la vista El cambio en el escenario económico brasileño – y todas las demandas que tal cambio está generando – alcanzó de lleno el mercado de lubricantes navales, que fue y continua siendo empujado a desarrollar nuevas tecnologías, más ambientalmente correctas y eficientes. Todo esto para acompañar una industria que no para de crecer. Sólo para ilustrar, en abril fueron anunciadas inversiones de R$ 15,4 billones, entre 2012 y 2014, en el sector naval carioca. Aunque no existe una encuesta periódica sobre la progresión en el mercado brasileño de los lubricantes navales, se estima que la venta de lubricantes marítimos representa aproximadamente 5% del total de lubricantes comercializados en el País, o sea alrededor de 40.000 m³/ año. Los datos fueron emitidos por la empresa Petrobrás e ilustran el potencial de crecimiento de este sector.

00 • LUBGRAX 08 LUBGRAX ••Edição Edição14 15• •2012 2012

LUBGRAX • Edição 14 • 2012 • 00


El maestro de los aires Ozires Silva es de aquellos seres humanos que, indudablemente, provocan algún tipo de emoción en los otros - en la mayor parte de los casos, admiración y simpatía. No solamente porque, con sus varias decenas de edad y numerosas “horas de vuelo”, todavía exhibe delante de los demás mortales esa mirada que fascina por el conocimiento que desborda de sus palabras, sin el menor esfuerzo; ni tampoco por el peso de un currículo lleno de cargos y funciones que provocan envidia a ejecutivos de todos los calibres; o todavía, por la ligereza que transmite, durante una rápida charla, llena de bromas que a él le gusta contar y que dibujan una sonrisa en el rostro de la gente. Esta admiración surge a partir de las actitudes de un gran ciudadano brasileño, cuyo impacto quedará en la historia del País. A lo largo de su trayectoria, Ozires fue acumulando tanto conocimiento, que hoy en día, aunque alejado de la gestión de grandes compañías, encanta a los diferentes públicos que encuentra a lo largo de su nuevo camino de conferencista. Fue por medio de esta nueva carrera – de conferencista durante la apertura de la segunda edición del Lubgrax Meeting,realizada el año pasado – que nos fue presentado este gran maestro de la aviación brasileña. Y repentinamente el señor, doctor, profesor, y tantos otros títulos que se le atribuyen, ejecutó una nueva hazaña: Ozires obtuvo casi completamente la aprobación de los congresistas del Lubgrax Meeting, demostrando que quien nace rey, nunca pierde la grandeza. En esta entrevista, concertada después que su segunda participación en el Lubgrax Meeting fuese confirmada – evento que será realizado en octubre, en el Espacio Apas, en São Paulo – el gran maestro de los aires, con su encantadora humildad, se autodefinió de esta manera: “En el fondo, me gusta ser un ciudadano brasileño a quién le gusta mucho su País. No puedo estimar mi propia importancia para la aviación, sobre la cual tengo muchas dudas. Lo que sí puedo asegurar es que ¡la aviación es muy importante para mí!” ¡Cuanta modestia!

Preservación ecológica Continuando por la vía de proponer soluciones que eviten la proliferación de microorganismos, como hongos y bacterias, sin dañar el medio ambiente, los fabricantes y abastecedores de biocidas, además de la cadena de producción de activos para formulación, se enfocan en invertir en soluciones cada vez más perfectas y creativas para sus clientes. Del lado de los consumidores, el requisito de calidad poco a poco va ganando terreno sobre la prioridad del precio. En esta nueva concepción, la búsqueda de mayor calidad a un precio justo ya es una realidad en el campo, lo que alienta a los principales actores de este mercado a enfocar sus esfuerzos y recursos en ampliar su participación en el mercado de lubricantes, aceites, fluidos y grasas. Ellos buscan ampliar sus portafolios de productos, sin olvidarse del atendimiento al cliente pre y post-venta.

Protección contra la susceptibilidad Hace mucho tiempo que la corrosión representa un problema serio – y costoso – para varios sectores. La creciente industrialización en países emergentes, especialmente en el sector automovilístico, también estimula la efervescencia de la demanda de adhesivos anticorrosivos, cuya expectativa de crecimiento para este año acompaña la expectativa de crecimiento estimada para el sector automovilístico. Tomando en cuenta esos buenos presagios, los surtidores de materias primas se preparan con nuevos niveles de producción con el objetivo de aprovechar la efervescencia de esta demanda. 00 • LUBGRAX • Edição 14 • 2012

LUBGRAX LUBGRAX• •Edição Edição15 14••2012 2012 •• 09 00


ENTREVISTA

O mestre dos ares Por Miriam Mazzi

10 ••LUBGRAX LUBGRAX••Edição Edição1415• •2012 2012 00

LUBGRAX • Edição 14 • 2012 • 00


Ozires Silva é daqueles seres

humanos que, incontestavelmente, provocam algum tipo de emoção nos outros – na maior parte das vezes, admiração e simpatia. Não somente por ele, em suas dezenas de anos e de “horas de voo”, ainda exibir aos demais mortais o olhar que fascina pelo conhecimento que transborda de suas palavras, sem o menor esforço; nem mesmo pelo peso de um currículo recheado de cargos e funções de causar inveja a executivos de todos os naipes (ver boxe); ou, ainda, pela leveza que transmite, num rápido bate-papo, recheado de bom humor que faz as horas parecerem minutos.

títulos que lhe são atribuídos, promoveu nova façanha: obteve quase a totalidade de aprovação dos congressistas do Lubgrax Meeting, mostrando que quem nasceu rei, jamais perde a majestade.

A admiração surge a partir das atitudes de um grande cidadão Nesta entrevista, acertada logo brasileiro, cuja repercussão entrou após a confirmação de sua segunda participação no Lubgrax para história do País. Meeting – evento que será realizado em outubro, no Espaço Ao longo de sua trajetória, Apas, em São Paulo – o grande Ozires foi acumulando tanto mestre dos ares, com sua conhecimento, que hoje, mesmo humildade encantadora, se afastado da gestão de grandes autodefiniu: “No fundo gosto de companhias, encanta os diferentes públicos que cruza pelo ser um cidadão brasileiro que gosta muito do seu País. novo caminho, o de palestrante. E foi com por meio desta nova empreitada – a de palestrante, durante a abertura da segunda edição do Lubgrax Meeting, realizado no ano passado – que o mestre da aviação brasileira nos foi apresentado. E eis que o senhor, doutor, professor e tantos outros 00 • LUBGRAX • Edição 14 • 2012

Não posso julgar minha importância para a aviação, sobre a qual tenho muitas dúvidas. O que posso assegurar é que a aviação tem muita importância para mim!” Quanta modéstia! LUBGRAX LUBGRAX• •Edição Edição15 14••2012 2012 •• 11 00


ENTREVISTA

Revista Lubgrax: Quando de sua passagem pela Petrobras, quais as iniciativas que merecem destaque, notadamente as que têm alguma correlação com o mercado de lubrificantes? Ozires Silva: A implementação do lubrificante Lubrax; as pesquisas para novos e melhores produtos de lubrificação, como graxas e outros, oriundos do petróleo. Na prospecção de novas jazidas de petróleo, com descobertas importantes como no Urucu (Amazonas) e na plataforma continental, desde Santa Catarina até o Espírito Santo, com identificação de áreas que hoje foram denominadas pré-sal.   Revista Lubgrax: Na sua avaliação – tomando por base a crescente pressão pela melhoria da infraestrutura brasileira – como está o setor de aviação comercial no Brasil e como precisa estar nos próximos anos? O Sr. Imagina que o transporte aéreo nacional estará preparado para eventos do porte das Olimpíadas e Copa do Mundo? Ozires Silva: Temos uma aviação menor do que a que o Brasil precisa, embora, em certos aspectos, possa superar alguns países desenvolvidos, como na aviação geral, na qual chegamos a ser o segundo maior utilizador de aviões privados depois dos Estados Unidos, embora em bem menor escala.   Revista Lubgrax: Se comparada com países de Primeiro Mundo, como pode ser avaliada a indústria brasileira de transporte aéreo? Ozires Silva: A aviação de transporte brasileira é pequena. Imagine que em nosso País continental, com distâncias enormes a serem vencidas, nossas principais linhas de transporte aéreo visitam somente 60 cidades. Se adicionarmos a aviação de transporte aéreo regional, podemos agregar mais 60 outras cidades, de tamanho médio. Veja, um País de nossas dimensões oferece transporte aéreo regular em apenas 120 cidades, quando temos 5,5 mil municípios. 00 • LUBGRAX 12 LUBGRAX ••Edição Edição14 15• •2012 2012

Revista Lubgrax: Como o Sr. enxerga as carências e potencialidades do mercado de lubrificantes no Brasil? Ozires Silva: Não sou especialista no setor, apenas usuário.  Creio que o Brasil, graças às intensas importações, traz para cá uma grande variedade de lubrificantes que está à disposição do mercado. Em termos de criação de lubrificantes nacionais para necessidades específicas, nossa presença criativa é muito baixa.   Revista Lubgrax: A sua palestra foi a que, de longe, alcançou o maior índice de aprovação na segunda edição do Lubgrax Meeting, realizado no ano passado. O Sr acaba de acertar sua participação na edição 2012 do evento. Que tema o Sr apresentará? Ozires Silva: Minha palestra, no ano passado, ocorreu em 16 de agosto de 2011 e foi a primeira vez que fui convidado. Selecionei um tema, não ligado à lubrificação (O mundo no qual você vai viver – Empreenda esse desafio – Vale a Pena!), pois, embora tendo me envolvido com o assunto – em várias oportunidades – por ter sido presidente da Petrobras e devido à criação e ao projeto de novos aviões da Embraer – não me considero  especialista no setor que, como sabemos, é extremamente variado e competente. Revista Lubgrax: O Sr. Já definiu o tema de sua palestra no Lubgrax Meeting de 2012? Ozires Silva: Ainda não discuti com os organizadores sobre o tema, mas creio que terei de novamente tocar num tema geral, que possa suscitar interesse dos participantes do evento de 2012. Minha sugestão para 2012 é: O mundo de hoje! – O que Queremos do Futuro?   Revista Lubgrax: Quais as suas expectativas para este evento? Ozires Silva: A Sell Solutions tem se empenhado em fazer o evento cada vez

melhor. A terceira edição promete uma presença maior de interessados, em função do trabalho realizado de divulgação e dos resultados coletados nas duas primeiras edições.   Revista Lubgrax: E quais suas expectativas em relação ao Brasil? Ozires Silva: O Brasil tem possibilidades imensas de se tornar uma nação melhor e muito mais conhecida por suas marcas e produtos. E mais, pelas realizações culturais, científicas e tecnológicas, todavia, hoje ainda com expressão mundial muito menor do que poderia ser. Precisamos investir muito em educação, pois sabemos que a preparação da população para competir com competência no mercado mundial é algo fundamentalmente essencial para responder pelos resultados econômicos que muitos especialistas atuais preveem que podem ocorrer. Nestas últimas etapas da minha vida estou trabalhando intensamente pela melhoria dos nossos processos educacionais, embora não tendo poder político para tanto. Mas, acredito fortemente que, como estabelecido em nossa Constituição Federal, a educação é dever de todos. Fico intitulado a participar dos destinos da educação no Brasil.  Sempre tenho insistido que temos aviões criados e fabricados no Brasil voando em mais de 90 países e isso foi possível somente após a criação de uma escola diferenciada e competente, o ITA – Instituto Tecnológico de Aeronáutica de São José dos Campos. LUBGRAX • Edição 14 • 2012 • 00


Imagine um mundo que, além de girar, voa!

Quer você opere em construção, produção, manufatura, operação ou geração de energia, uma coisa é clara: melhores lubrificantes e melhores fornecedores têm correlação direta com a produtividade. Isto basta para que mais de 5.000 fabricantes, em todo o mundo, endossem os lubrificantes industriais Mobil. Com uma ampla carteira de produtos que definem o padrão na indústria e experiência inigualável, os lubrificantes industriais Mobil não apenas aumentam sua produtividade. Com Mobil ela fica otimizada! Visite www.cosan.com.br/mobil para mais informações.

™2012 ExxonMobil Corporation. O logotipo Mobil, o desenho do Pegasus e todos os nomes dos produtos Mobil constantes nesta peça são marcas registradas da Exxon Mobil Corporation ou de uma de suas subsidiárias. A Cosan Lubrificantes e Especialidades S.A. é a distribuidora autorizada pela Exxon Mobil Corporation para o desenvolvimento da atividade de distribuição de produtos Mobil no Brasil, sendo sua a responsabilidade pelo exercício local dessa atividade.

00 • LUBGRAX • Edição 14 • 2012

LUBGRAX • Edição 14 • 2012 • 00


ENTREVISTA

Para ler, admirar e aplaudir Ozires Silva, para não perder a “mão”, mantém a vida profissional em ebulição. É um múltiplo presidente: do Conselho Consultivo do WTC – World Trade Center de São Paulo; do Conselho de Administração da Pele Nova Biotecnologia, empresa que criou em 2002; reitor da Unimonte – Centro Universitário Mont Serrat de Santos (SP) e do Conselho de Administração do Grupo Ânima de Educação e Cultura. Além de tanto trabalho, ainda participa de outras entidades associativas no Brasil e no Exterior. Por sua extensa e exitosa carreira, recebeu condecorações e homenagens nacionais e internacionais dos Estados Unidos, Inglaterra, França, Itália, Suécia, Suíça, Canadá, México, Argentina, 14 LUBGRAX ••Edição Edição14 15• •2012 2012 00 • LUBGRAX

Peru, Venezuela, Paraguai, Bolívia. Entre outras: Medalha Charles Lindbergh (EUA); Doutor “Honoris Causa” pela Queen’s University da Irlanda; Membro da Real Academia Sueca de Engenharia; Membro do British Council (Inglaterra); Membro Honorário Air Squadron (Grã-Bretanha); Fellow da Royal Aeronautical Society (Grã-Bretanha); incluído no Hall of Fame da Smithsonian Institution (Washington, EUA) e no do World Trade Hall of Fame da World Trade Association de Los Angeles (California, EUA). No início de sua jornada, Ozires formou-se Oficial Aviador e Piloto Militar da Força Aérea Brasileira, em 1951; graduouse Engenheiro Aeronáutico pelo ITA - Instituto Tecnológico da LUBGRAX • Edição 14 • 2012 • 00


Aeronáutica, de São José dos Campos, SP, em 1962; logo após sua formatura, em 1962, foi convidado e permaneceu no CTA, inicialmente na área de Operações de Voo no Departamento de Aeronaves do Instituto de Pesquisas e Desenvolvimento; dedicou-se, junto a uma pequena equipe, a sistematizar técnicas de coleta de dados em voo e rotinas de interpretação e redução dos dados (não se tinha computadores na época e tudo era feito no papel). Ozires ainda trabalhou na concepção e na produção de instrumentação de medidas, desde os sensores a bordo dos aviões até os indicadores e registradores e tomou a iniciativa de produzir possivelmente o primeiro Manual de Ensaios em Voo (MANENV), que teve ampla utilização na homologação de aviões brasileiros que era, na época, uma das atribuições do Departamento de Aeronaves, antes da criação do Instituto Fomento e Desenvolvimento Industrial (IFI), o qual absorveu as atividades de certificação de aeronaves, equipamentos e matérias-primas. Foi professor da disciplina de Ensaios em Voo, no Departamento de Aerodinâmica do ITA. Em 1964 assumiu a Chefia do Departamento de Aeronaves e em 1965 tomou a iniciativa de promover o projeto e o desenvolvimento do avião Bandeirante, nas instalações do seu Departamento.

00 • LUBGRAX • Edição 14 • 2012

Pós-graduou-se no Instituto de Tecnologia da Califórnia (CALTECH), nos Estados Unidos, na especialidade de Gasdinâmica, em 1966. Chegando ao primeiro voo do protótipo do Bandeirante em 22 de outubro de 1968, ainda no CTA, iniciou o trabalho de encontrar a solução para lançar inicialmente o avião na sua produção seriada. Em 1969 foi conseguida a autorização para a constituição da Embraer como sociedade de economia mista, da qual foi o diretor-superintendente a partir de sua fundação, em 1970. No período até 1986 foram criados vários aviões como o agrícola Ipanema, o jato de treinamento militar Xavante, o avião comercial pressurizado Brasília, o treinador turboélice Tucano e o jato de combate AMX. Em 1986 foi indicado pelo presidente da República para presidir a Petrobras. Em 1990 foi Ministro de Estado da Infraestrutura. Retornou à Embraer em 1991 e conduziu o processo de privatização da empresa, lançando o projeto e o desenvolvimento do jato regional para 50 lugares, o EMB 145, o qual se tornou o avião que garantiu o sucesso da empresa já comandada pelo setor privado. Deixou a Embraer em 1995 e presidiu a VARIG de 1999 a 2002.•

LUBGRAX • Edição 14 • 2012 • 00


Entre a indústria e o consumidor Mais do que tratar da grande tendência de crescimento da química verde, o 6º Encontro Brasileiro dos Distribuidores de Produtos Químicos e Petroquímicos listou as principais tarefas e obstáculos que o setor enfrenta e ainda enfrentará. Por Maristela Riso

16 LUBGRAX ••Edição Edição14 15• •2012 2012 00 • LUBGRAX

LUBGRAX • Edição 14 • 2012 • 00


E

m março deste ano a Associquim/Sincoquim (Associação Brasileira dos Distribuidores de Produtos Químicos e Petroquímicos realizou seu 6º encontro, o Ebdquim, na Praia do Forte (Bahia) onde o tema foi a “Química Verde e Petroquímica – Impactos na Distribuição”. A proposta foi cumprida a contento, principalmente nas palestras proferidas pelos fabricantes que apresentaram as inovações em termos de produtos e matérias-primas que irão ditar as normas do mercado por soluções. E, neste cenário, abre-se um grande potencial para o Brasil, tendo em vista o agronegócio como fonte principal para a produção e exportação de biocombustíveis. Fator que faz com que seja imprescindível uma ação mais decisiva do governo em estimular o plantio e o investimento do setor agrícola em renovação de equipamentos para atender a futura demanda que tem prazo de ser efetivamente implementada em 10 anos. Para Rubens Medrano, presidente da Associquim, tudo o que foi apresentado será analisado pela associação, que tomará as decisões de como se posicionar. “Hoje, nós já temos dentro da química tradicional alguns produtos pertencentes a química verde. O que temos que ver é de que forma podemos cooperar para que esta implementação seja feita da melhor forma possível e que isso chegue da melhor forma para os consumidores”. Mas, este futuro promissor também tem tons de alertas que geram uma preocupação mais iminente, como a crise européia e o risco da retomada da tão temível inflação brasileira. “A Europa está longe de resolver o problema. O risco de uma política populista de ‘Salvadores da Pátria’ é muito grande”, alerta José Roberto Mendonça de Barros, membro do Conselho de Administração do Banco Santander (Brasil), da BM&F Bovespa e da Tecnisa. Ele observa uma pequena recessão no sul da Europa e um modesto crescimento no norte, enquanto a economia americana se recupera com crescimento próximo a 3%. “Esta recuperação tende a valorizar o dólar ao mesmo tempo que o Euro está enfraquecendo e sem sinal de recuperação”, analisa, embora adiante que por um curto prazo a economia mundial se manterá estabilizada, em grande parte pelo crescimento de 7% da China. Crescimento este que poderá ser arrefecido nos próximos anos, segundo o profissional, que verifica a invasão das área urbanas dos países asiáticos pelas áreas agrícolas o que 00 • LUBGRAX • Edição 14 • 2012

fará, mesmo com a política auto-sustentável da China, que ela se torne um importador nos próximos anos. No Brasil, o especialista verifica que a indústria passou a importar mais para diminuir seus custos, fator que, apesar de ter contribuído para o aumento de consumo de produtos derivados de petróleo, fez com que a produção caísse. “O Brasil está pronto para crescer 3,5%, mas não consegue chegar a 5%, pois, se isso ocorrer, a inflação retornará. Mas esta ficha ainda não caiu”.

Pé na estrada

Aproveitando que o evento comemorou os 10 anos de Prodir (Processo Distribuição Responsável), Rubens Medrano teceu um balanço do crescimento do setor nos últimos 10 anos. Segundo ele, enquanto em 2002 a distribuição na indústria química nacional tinha uma participação de apenas 5,99%, em 2010 esse percentual chegou a 11,22%. “Cresceu a massa crítica e com isso nós aumentamos nossa participação. Neste período também uniformizamos os códigos e práticas de forma a assegurar que uma empresa multinacional tenha o mesmo atendimento que recebe em outros países, através das mesmas regras”. Ele ainda informou que, hoje, as companhias de seguro indicam as empresas de distribuição o que mostra que, cada vez mais, este setor é necessário pela indústria. Mas, nem tudo é feito de ouro neste cenário. Obstáculos como cargas tributárias, regulamentações e acessórios ainda são assuntos que atormentam a cadeia de distribuição. “Mas, isso se trata de um problema geral de todos os segmentos da economia brasileira”, frisou ele, abordando em seguida outro problema que abalou o setor neste inicio de ano, a crise do tráfego rodoviário. “A população precisa ser esclarecida que sem o caminhão não vivemos, pois nosso modal rodoviário é muito importante para suprir não somente a indústria, como o varejo e outras atividades que afetam diretamente a comunidade. Nós sabemos das dificuldades que existem no trânsito, trata-se de um problema estrutural, não há transporte de massa, não há vias, não houve investimentos, mas todos nós temos que nos conscientizar que é um problema de todos e somente com a compreensão da população e de todo o setor privado e público é que poderemos encontrar uma solução”.

No aspecto do Prodir, Medrano vê um desafio muito grande pela frente com a entrada da obrigatoriedade da logística reversa, que começou com pneus, pilhas e eletrodomésticos e, em breve, entrará na área química. “A Associquim está se dedicando a este assunto, pois vamos ter que compartilhar esses custos já que este processo não é barato. Por isso é importante que a cadeia esteja unida para que juntos encontremos alternativas mais viáveis”. Fazendo um balanço geral do evento, o presidente da entidade afirmou estar com a sensação de dever cumprido, pois conseguiram atingir tudo o que foi proposto. “A distribuição vê o seu papel dentro da cadeia produtiva e o quanto somos aceitos. Em todos os painéis apresentados pudemos observar o quanto ela é importante em termos de agregar valor, reduzir custos, entre outras funções importantes”, finalizou.

Dow patrocina o 6° Ebdquim A Dow foi uma das três empresas patrocinadoras, neste ano, do principal encontro latino-americano do mercado de distribuição de químicos e petroquímicos, o Ebdquim. O diretor de Plataformas Renováveis de Desenvolvimentos de Negócios da Dow Brasil, Luís Cirihal, participou do encontro como palestrante do painel ‘Química verde na visão da indústria’, realizado no segundo dia do evento. Cirihal recentemente foi gerente de desenvolvimento de negócios pata o INFUSE Olefin Block Copolymers, responsável pelo lançamento e comercialização mundial de OBCs (Copolímeros Olefínicos em Bloco). Foi nomeado diretor de negócios da Dow Elastomers, em julho de 2009, e, em seguida, agregou à sua função as responsabilidades do projeto de produção de biopolímeros a partir de cana de açúcar, em dezembro de 2010. Além da palestra, Denys Datti, diretor de vendas para o Brasil da divisão de Materiais de Performance da Dow, esteve presente e prestigiou a programação do encontro no qual teve a oportunidade de integrar-se e ampliar contatos com todos os players da cadeia produtiva da indústria química: produtores, distribuidores, transportadores e consumidores.

LUBGRAX LUBGRAX••Edição Edição15 14 •• 2012 2012 • 17 00


BIOCIDAS

Preservação

ecológica Por Maristela Riso

00 • LUBGRAX 18 LUBGRAX ••Edição Edição14 15• •2012 2012

LUBGRAX • Edição 14 • 2012 • 00


Seguindo no rumo de apresentar soluções que evitem a proliferação de microorganismos, como fungos e bactérias, sem agredir o meio ambiente, os fabricantes e fornecedores de biocidas, além da cadeia de produção de ativos para formulação, mantêm o foco no investimento de soluções cada vez mais perfeitas e criativas para seus clientes. Inovações amplamente absorvidas pelo mercado consumidor que já percebe a intensa relação custo/benefício.

00 • LUBGRAX • Edição 14 • 2012

LUBGRAX LUBGRAX••Edição Edição15 14 •• 2012 2012 • 19 00


BIOCIDAS

H

oje, no mercado industrial, a palavra de ordem é REDUZIR. Ou seja, redução de descartes, redução de produtos utilizados, redução de emissões de VOC e redução de custos. Tudo isso sem esquecer o principal: produtividade. Todas estas necessidades foram supridas pelos fabricantes de matérias-primas, principalmente os fornecedores de biocidas, categoria que anos atrás era considerada como uma “inimiga da saúde e do meio ambiente”. Aos poucos essas empresas demonstraram, através da adequação de seus portfólios e de investimentos cada vez mais crescentes em soluções amigáveis, que seus produtos só são inimigos de uma coisa: microorganismos nocivos. Em outras histórias, este seria o perfeito final feliz para o mercado industrial e de seus fornecedores. Mas, como para cada princesa existe uma bruxa malvada, para cada solução inovadora existe um preço. Resumindo, o mercado industrial não conseguia absorver a velha receita do custo x benefício. Mas, dois importantes aliados contribuíram imensamente para a completa absorção desse conceito. Por um lado a pressão ambiental, primeiramente absorvida pelas filiais de empresas multinacionais situadas no Brasil e depois pelas mudanças na regulamentação brasileira. Por outro, a competição acirrada que fez com que os clientes finais ficassem mais exigentes e passassem a exigir, além de

00 • LUBGRAX 20 LUBGRAX ••Edição Edição14 15• •2012 2012

preço, qualidade e produtos mais amigáveis. “O aumento da profissionalização do setor, bem como das exigências dos consumidores, fez com que a procura de produtos com mais qualidade seja cada vez uma preocupação maior do setor. Nesta nova concepção, a procura por mais qualidade a um preço justo já é uma realidade no segmento”, complementa Luiz Wilson Pereira Leite, diretor de marketing e negócios internacionais da Ipel, empresa que viu neste fator o encorajamento necessário para investir recursos na ampliação de sua participação no fornecimento de biocidas para o mercado de lubrificantes. “Obviamente nos dias de hoje o preço é sempre uma preocupação e o mercado tem se comportado sempre buscando uma alternativa de qualidade e com preço competitivo. Mas, a restrição a certos biocidas, tais como doadores de formol, é uma realidade em muitas empresas no mercado brasileiro e a busca por um substituto eficiente e de baixo custo é uma constante”, salienta Fabio Couto Forastieri, gerente de vendas Brasil da Lonza. Opinião compartilhada por Debora Takahashi, técnica de aplicação de biocidas de Dow Microbial Control, unidade de negócios da Dow para biocidas. Segundo ela, apesar do mercado de fluido de corte no Brasil ser ainda muito direcionado por custo, a tendência mostra que as matrizes (montadoras), principalmente as europeias e japonesas, estão em busca de biocidas menos tóxicos à saúde humana e ao meio ambiente. “Assim, elas procuram cada vez mais soluções benéficas e de qualidade, e é neste mercado que atuamos mais intensamente”. Para Assis Lima, vendedor técnico sênior da  Thor  Brasil, os técnicos do mercado de lubrificantes, óleos, fluidos e graxas possuem um ótimo conceito da necessidade da preservação dos produtos deles. “O problema de custo esta relacionado a molécula do bactericida. Algumas empresas possuem a Black List e muitos desses ativos que são permitidos ainda não são produzidos no Brasil”, analisa. Na opinião de Maria Silva Damasio, coordenadora de vendas da Miracema-Nuodex,

que tem no setor de lubrificantes um de seus carros-chefes no fornecimento de biocidas, o mercado pede por produtos menos agressivos, seguindo a tendência por produtos mais eficazes e com melhor custo. “Podemos dizer que o mercado já trabalha o conceito de custo beneficio”, garante. Este entendimento também é compartilhado por Lelis Dias Veloso, gerente de produto da Lamberti Brasil. “O conceito custo/beneficio faz parte de filosofia de todos os segmentos, pois a prerrogativa atual é ser o mais competitivo possível neste mundo globalizado”. Esta defesa também faz parte do setor de fornecimento de ativos, como é o caso da Daliam Bio.Chem. De acordo com seu executivo de contas para o Brasil, Gilmar de Oliveira Pinheiro, o segmento de lubrificantes está bastante amadurecido no conceito custo/benefício e impactos ambientais de seus produtos finais. “Nossos ativos representam uma parcela ínfima em seus custos e do contrário, a ausência deles causaria um devastador impacto na performance e estabilidade dos produtos finais oferecidos ao mercado por nossos clientes”, relaciona. LUBGRAX • Edição 14 • 2012 • 00


00 • LUBGRAX • Edição 14 • 2012

LUBGRAX • Edição 14 • 2012 • 00


BIOCIDAS

A seu dispor

São fatores como esse que tornam o segmento de lubrificantes, especialmente o setor de fluidos de corte, um mercado interessante e propício no ponto de vista do mercado fornecedor de biocidas que mantém o foco no investimento de soluções cada vez mais perfeitas e criativas para seus clientes. “O segmento de lubrificantes é um mercado promissor e que oferece possibilidade de expansão dos negócios. Distribuir especialidades requer um acompanhamento específico, visitas técnicas regulares e tecnologia diferenciada. Para isso a Makeni busca especializar diariamente seus profissionais a fim de realizar um melhor atendimento identificando as necessidades de cada cliente”, informa Alexandre Tarantino, gerente de mercado da empresa que distribui a linha completa da Clariant para o segmento de MetalWorking, além de Glicóis, solventes e aditivos que complementam esse mercado. Ele complementa que a equipe técnica da Makeni está qualificada e orientada por segmentos para atender as diferentes necessidades, seguindo a vocação do distribuidor de 22 LUBGRAX ••Edição Edição14 15• •2012 2012 00 • LUBGRAX

promover as melhores e criativas soluções para clientes e fornecedores. “Neste contexto estão inseridos: agilidade e pontualidade no atendimento comercial, operações e logística de qualidade, segurança e responsabilidade sócio-ambiental. Assim como, atuação em regiões com foco em capilaridade e promovendo diversificado portfólio de produtos com elevado conteúdo de inovação tecnológica nos segmentos atendidos”. Para a Ipel, o setor de lubrificantes tornou-se estratégico desde o ano de 2009. Na ocasião a fabricante criou, dentro de sua equipe de vendas, um grupo destinado a atender este segmento com produtos e serviços especialmente desenvolvidos para as especificidades do setor. “Posso garantir que dentro de nosso planejamento estratégico, o setor de lubrificantes foi considerado prioritário e iniciamos linhas de desenvolvimento de novos produtos especialmente para este segmento”, afirma Leite . Dessa forma, a área de soluções de controle microbiológico da empresa dispõe de produtos e serviços para assegurar a integridade microbiológica de lubrificantes, óleos emulsionáveis e sistemas industriais, na busca de garantir a qualidade e maior produtividade aos participantes do segmento. “A busca por produtos mais eficientes e menos tóxicos é

um ponto importante no atendimento a esse segmento, bem como a incorporação de tecnologias já utilizadas em outros setores como produtos com zero VOC, microcápsulas e preservantes naturais”. Além da preocupação com o portfólio, a Ipel mantém sempre em pauta o foco em oferecer o mais completo atendimento pré e pós venda do mercado. Nessa busca, sua equipe de vendedores externos está constantemente visitando os clientes para a coleta de informações, como necessidades e expectativas, de forma a atendê-los o mais rápido e eficiente possível. A valorização do processo do cliente também é um ponto fortemente trabalhado pela Ipel. A fabricante dispõe de uma equipe de técnicos que realizam visitas constantes aos clientes para efetuar palestras técnicas, realizar avaliações das plantas no sentido de adequá-las aos mais rígidos padrões de assepsia, para coleta de amostras e avaliações de desempenho dos produtos e adequação de processos e de formulações. “Para completar o nosso sistema de atendimento pré e pós venda temos o NAC (Núcleo de Atendimento ao Cliente), que também atua junto aos clientes no encaminhamento de solicitações de atendimento técnico-comercial, de amostras e de pedidos, dando completo acompanhamento a todas as solicitações de serviços e de pedidos”. E a lista não para por aí. A Ipel ainda possui uma linha de serviços composta pelo Prosseg (sistema de treinamento em segurança e manuseio de produtos), Biocontrole (programa de monitoramento e garantia de qualidade microbiológica), Sidec (sistema de desenvolvimento de produtos e processos em conjunto com o cliente), Siadi (programa de projeto e montagem de sistemas de dosagens de biocidas) e o Sispi (Sistema de Sanitização Profissional IPEL). O apoio técnico também é um quesito muito importante dentro da Thor, que oferece para o mercado uma equipe técnica preparada para fornecer apoio ao cliente em suas aplicações, assim como um laboratório microbiológico para analises por HPLC dos produtos dos clientes. “Investimos nesse ano em novos equipamentos para detectar LUBGRAX • Edição 14 • 2012 • 00


00 • LUBGRAX • Edição 14 • 2012

LUBGRAX • Edição 14 • 2012 • 00


BIOCIDAS

a quantidade de ativo no produto do cliente antes e após a contaminação, e quanto foi consumido para eliminar a contaminação”, anuncia Lima. Na visão do vendedor sênior da Thor, na lista de necessidades do mercado de fluidos lu-brificantes que precisam ser atendidas, existe o fato de que os biocidas devem ser estáveis em óleos concentrados, diminuindo a adição de biocidas no tanque de emulsão; possuírem amplo espectro; serem eficientes contra bactérias aeróbicas e anaeróbicas, como fungos e leveduras; ter baixa toxicidade para não causar doenças de pele e pulmonares e, logicamente, que tenham um custo/ performance competitivo no mercado. Nesse sentido, a empresa vem investindo cada vez mais no desenvolvimento de produtos a base de doadores de formol com baixo odor, baixa

toxicidade, e em sistemas que apresentam um sinergismo quando comparados ao uso dos ativos separados, buscando assim maior eficiência a baixas dosagens. “Serviços tais como o monitoramento microbiológico no pós venda são uma necessidade nesse mercado e amplamente oferecidos pela Lonza através de sua área técnica e do 24 LUBGRAX •• Edição Edição14 15••2012 2012 00 • LUBGRAX

laboratório microbiológico”, ressalta Forastieri que garante que o setor de lubrificantes é o grande foco da Lonza, um dos grandes “players” de biocidas para esse mercado. “O mercado exige hoje produtos mais ecologicamente corretos, com o mínimo de restrições toxicológicas e a Lonza está pronta a oferecer essa linha de produtos juntamente com todo o apoio técnico necessário a aplicação desses produtos. Somos empresa global de biocidas com fábricas e laboratórios para controle microbiológico, físico químico e analítico para o desenvolvimento sustentável de biocidas e aplicações em diversos países, inclusive Brasil”.

Química verde

O aspecto ambiental é um ponto forte dentro da Lanxess que segue os 12 princípios

da Green Chemistry (Química Verde). A empresa, além de possuir certificações ISO 9000 e ISO 14000, apresenta em seu portifólio biocidas que possuem um pacote de estudos toxicológicos e ecotoxicológicos. “Temos a preocupação constante sobre o uso e manuseio seguro dos produtos, bem como do meio ambiente”, garante Luis Gus-

tavo Ligere, coordenador de vendas para a Região Cone Sul da Divisão Biocidas/Ativos & Desinfecção, completando que a Lanxess possui corpo técnico especializado no Brasil e no exterior apto a oferecer suporte técnico e suporte microbiológico através de análises laboratoriais. “O mercado brasileiro ainda utiliza produtos de alta toxicidade que estão sendo proibidos nos EUA e Europa, mas esta tendência vem chegando ao Brasil através das regulamentações das matrizes das montadoras, principalmente europeias e japonesas, que utilizam grande volume de fluídos de corte”, analisa Debora, concluindo que, neste sentido, os produtos da Dow Microbial Control apresentam baixa toxicidade, são mais estáveis e podem substituir a triazina com alta eficácia. “Além disso, os biocidas trabalham em sinergia com as aminas de ANGUS, conferindo ao fluido uma maior bio resistência, utilizando menos biocidas, tornando-o em geral menos tóxico ao homem e ao meio ambiente, por isso mais sustentável”. A Dow Material Control conta com um Centro de Aplicação em São Paulo, laboratório de microbiologia com equipamentos de alta tecnologia e capaz de oferecer todo o suporte ao cliente. Através do Taunovate, um equipamente automatizado e o método High Throughput (patenteado pela Dow Material Control), é LUBGRAX • Edição 14 • 2012 • 00


possível otimizar a dosagem e buscar sinergia de biocidas para cada formulação do cliente. Além disso, no pós venda, a fabricante suporta os clientes nas análises microbiológicas necessárias para o melhor controle da contaminação microbiana nos fluidos. “O setor de fluidos de lubrificação é um segmento importante para a área de Dow Microbial Control dado o volume no mercado brasileiro. Além disso, é um mercado que busca cada vez mais especialidades”, garante a técnica de aplicação. A sustentabilidade também é um dos pilares mestre da Dalian Bio-Chem Co desde a produção até o fornecimento e orientação aos clientes. “Garantimos assim, que eles tenham em mãos produtos seguros e adequados às mais rígidas legislações ambientais e de saúde ocupacional, ao contrário do que ocorria no passado, em alguns países não tão distantes, quando os mercuriais eram utilizados”, relembra Pinheiro. Segundo ele, os ativos da empresa se desti-

00 • LUBGRAX • Edição 14 • 2012

nam a variados mercados, sendo um deles, e dentre os mais importantes, o de lubrificantes. Fator que faz do setor um mercado estratégico para a Dalian. “Nossa maior preocupação é oferecer ao mercado alternativas seguras, ocupacionalmente e ambientalmente, que atendam às diversas legislações de cada país onde são formuladas”, assegura. Para isso, a fabricante de ativos fornece amplo apoio aos formuladores através de especialistas e a disponibilização de seus laboratórios de ultima geração. “Também estamos abertos a desenvolvimentos conjuntos de novos produtos”, anuncia.

Linha de produtos

Hoje, o mercado de lubrificantes, óleos, fluidos e graxas, tem a seu dispor uma ampla variedade de ativos e de formulações de biocidas que estão adequadas aos quesitos qualidade, preço e produtos amigáveis. Abaixo destacamos as principais soluções apresentadas pelas empresas fornecedoras.

Dow Brasil

A área de DMC (Dow Microbial Control) tem um amplo portfólio de biocidas aplicados em fluidos de corte. A empresa possui bactericidas doadores de formaldeído como Oxazolidinas e Nitro Butil Morfolinas, que são tanto efetivas no tratamento de choque nos tanques de emulsões como na formulação do concentrado. Estes produtos têm características de serem mais estáveis e menos tóxicos que a triazina. Além disso, a Dow dispõe de Benzoisotiazolinas e Metil Isotiazolinonas, que são bactericidas que não liberam formaldeído e tem estabilidade química e térmica. Como fungicida, a empresa apresenta o IPBC (Iodo Propinil Butil Carbamato), que oferece alta eficácia, estabilidade química e baixa toxicidade. Informações: www.dow.com

Ipel

A empresa tem uma ampla linha de produtos para o mercado de lubrificantes, óleos, flui-

LUBGRAX • Edição 14 • 2012 • 00


dos e graxas. Os produtos Ipel são preparados com combinações de vários princípios ativos que apresentam amplo espectro de atuação, aproveitando o efeito sinérgico destas combinações. A linha da fabricante possui opções de bactericidas (Linha BP) como o Ipel BP-188 baseado em triazinas e outras opções com diferentes graus de concentração. Também destaca-se o BP-108 e 109, baseado em derivados de isotiazolinonas. Na linha de fungicidas a Ipel ressalta o FBP183, baseado em derivados de piritionato, o FBP-128 e oFBP-145, estes últimos baseados em derivados de isotiazolinonas. A empresa ainda salienta que possui outras opções de produtos baseados em ativos, como derivados de oxazolidinas e de carbamatos, entre outros, bem como opções com baixo VOC e base aquosa. Além disso, está desenvolvendo preservantes baseados em ativos naturais

26 • LUBGRAX LUBGRAX ••Edição Edição14 15• •2012 2012 00

de modo a oferecer ao mercado opções cada vez mais sustentáveis. A empresa ressalta que, quando usado corretamente, o biocida não causa impactos negativos ao meio ambiente. Alem disso, assegura que os produtos IPel não têm efeito cumulativo no meio ambiente, sendo passiveis de degradação quando desativados quimicamente ou diluídos abaixo da concentração inibitória mínima. Através de programa Prosseg, a empresa disponibiliza aos colaboradores de seus clientes informações sobre segurança no manuseio e aspectos ligados ao meio ambiente. Informações: www.ipel.com.br

Lamberti Brasil

A empresa dispõe de Triazina, como bactericida para uso diversos. Apesar de não dispor de um departamento exclusivo para lubrificantes, a fabricante possui em seu portfólio

diversos produtos para esta aplicação, que se fundem a outras, mas que estão disponíveis para comercialização. Dentre os estratégicos, a Lamberti destaca a linha de Etoxilados. Informações: www.lamberti.com.br

Lanxess

A Lanxess possui biocidas que evitam a proliferação de microorganismos em emulsões de óleo, especialmente os utilizados em óleos de corte e/ou circuitos fechados. No portfólio da empresa a linha Preventol de biocidas se destaca por possuir formulações à base de IPBC, compostos fenólicos, CMIT/ MIT, DBNPA, entre outros, que possuem ação bactericida e fungicida. Informações: www.lanxess.com.br

Lonza

A fabricante possui uma ampla linha de bactericidas e fungicidas para esse mercado,

LUBGRAX • Edição 14 • 2012 • 00


00 • LUBGRAX • Edição 14 • 2012

LUBGRAX LUBGRAX •• Edição abril/maio 14 • 2012 2012 • 27 00


BIOCIDAS

tais como as linhas Proxel, Densil, Omadine, Omacide e Triadine. Com a Lonza, o cliente tem condições de escolher, entre essas linhas, os produtos que mais se adequam a sua formulação, tanto em termo de performance quanto em termo de utilização de produtos considerados mais “green”. A experiência da empresa em formulações de biocidas, aliada ao suporte técnico e a uma política de atuação responsável, oferece a seus clientes o mais completo e inovador portifólio de bactericidas e fungicidas. Informações: www.lonza.com

de sulfato), bolores e leveduras, além de ser totalmente solúvel em água e na maior parte de solventes orgânicos; e o Liocide 320 TCB, uma mistura de derivado 1,3,5-hexahidrotriazina e cloreto benzolcônico, é um biocida com amplo espectro de ação sobre bactérias redutoras de sulfato (SRB) e sésseis. Na parte de serviços, a Miracema-Nuodex possui equipe de assistência técnica que atua diretamente com os clientes, oferecendo suporte através de laboratórios de pesquisa, aplicativos e microbiológico. Informações: www.miracema-nuodex.com.br

Miracema-Nuodex

Thor

A empresa dispõe para este mercado uma linha completa de microbiocidas para sistema aquosos. Dentro desta linha destaca-se o Liocide MBM, microbicida para fluidos de corte emulsionados para a preservação de fluidos de corte solúveis, sintéticos e semissintéticos. É um microbiocida de amplo espectro, baixa toxicidade e de alta estabilidade alcalina, isento de metais pesados, fenóis, compostos halogênicos. Trata-se de um composto de metileno bis morfolina, ou seja, um derivado de oxazina que não é sensibilizante a pele humana. Em sua composição foi incorporado um aditivo que impede sua migração da fase aquosa para fase oleosa do sistema a ser preservado. Garante a preservação interfacial. A Miracema também ressalta em seu portifólio o Liocide MBM, que tem atividade comprovada contra bactérias, fungos e leveduras, que reconhecidamente degradam sistemas aquosos , causando odor desagradável, perda de proteção anticorrosiva, quebra da emulsão e formação de limo; o Liocide 380, composto por derivados de triazina e indicado para aplicação em fluidos aquosos de perfuração de poços de petróleo, óleos minerais solúveis; o Liocide 35, composto por derivados de triazina, é um microbiocida de amplo espectro para a preservação de vários produtos na área de emulsões e sistemas aquosos até PH 10; Liocide OXZ, desenvolvido a base de oxazolidina com amplo espectro de atuação, apresentando eficiência contra bactérias (incluindo as redutoras 28 • LUBGRAX LUBGRAX ••Edição Edição14 15• •2012 2012 00

A Thor Brasil cresce a cada ano e, por isso acredita em um crescimento sustentável no mercado de biocidas para aplicação em lubrificantes para 2012. A empresa possui uma linha completa de bactericidas a base de isotiazolinas e doadores de formol inovadores, bem como os produtos usuais como triazinas, bismorfolina, oxazolidina, e os fungicidas a base de IPBC e OIT com baixo odor, baixa toxicidade, e sistemas que apresentam sinergismo quando comparados ao uso dos ativos separados, buscando assim maior eficiência a baixas dosagens. Informações: www.thorchem.com.br

Distribuidores Makeni

A Makeni distribui a linha completa da Clariant direcionada para o segmento de MetalWorking, além de Glicóis, solventes e aditivos que complementam esse mercado. A Makeni representa importantes fabricantes nacionais e internacionais com forte inovação no portfólio de produtos especialmente no quesito da sustentabilidade. Sendo certificada pela ISO14001, a empresa segue as normas e legislação ambiental tendo o compromisso de dar a adequada destinação a seus resíduos, programas de conscientização dos recursos naturais (água, energia elétrica, papel, etc), implantação de separador de água e óleo que evita a emissão de efluentes para a rede pública, entre outros.

Além disso, tem uma grande preocupação com a responsabilidade social, apoiando projetos culturais e cooperando com a comunidade local com a separação dos resíduos recicláveis. Informações: www.makeni.com.br

Fornecedores de ativos BASF

A empresa dispõe em seu portfólio uma ampla linha de biocidas, dos quais é fornecedora dos ativos, tais como Glutaraldeido, Glyoxal Bronopol e Phenoxyethanol, produtos estes que podem ser utilizados nos mais variados segmentos industriais. Informações: www.basf.com.br

Daliam Bio.Chem

A empresa atende o mercado de lubrificantes, óleos, graxas e fluidos através dos formuladores,que são os fabricantes de biocidas, bactericidas, fungicidas. Para estes, a Daliam fornece matérias primas que são os princípios ativos destes produtos, ou seja, os componentes com função fim de cada produto. Os principais ativos da empresa para este mercado são: OIT (octil isotiazolina), principalmente utilizado em óleos lubrificantes como fungicida; CMIT/MIT (cloro + metil isotiazolina), agente preservante para fluidos de corte e metalurgia em geral e o DCOIT (dicloro octil isotiazolona), agente fungicida e algicida para graxas e óleos de alta densidade. Esses ativos são fornecidos para os principais formuladores do mundo, principalmente clientes na Europa e Estados Unidos, através de suas plantas que são certificadas por rigorosas normas de Qualidade e Meio Ambiente. Seus produtos estão no mercado atendendo a demanda de segurança e qualidade dos mais exigentes mercados. De acordo com a Daliam, a grande vantagem ao se utilizar seus ativos é a segurança do uso de produtos desenvolvidos e fabricados em elevados padrões tecnológicos e de qualidade, seguindo normas ambientais internacionais do primeiro mundo, atendendo a um mercado que já há varias décadas não mais consome ativos de risco, como os mercuriais, por exemplo. Informações: www.biofc.com LUBGRAX • Edição 14 • 2012 • 00


00 • LUBGRAX • Edição 14 • 2012

LUBGRAX • Edição 14 • 2012 • 00


EMBALAGENS PLÁSTICAS

Aposta

no envase

sustentável

Por Edson Barros

30 LUBGRAX ••Edição Edição14 15• •2012 2012 00 • LUBGRAX

LUBGRAX • Edição 14 • 2012 • 00


Com novas tecnologias e apelo ecologicamente correto, as embalagens plásticas aos poucos vêm aumentando sua participação no mercado de óleos, graxas e lubrificantes. Além de desenvolver recipientes leves, práticos e resistentes, alguns fabricantes ajudam na tarefa de encaminhar as embalagens usadas para a reciclagem Por sua praticidade e apelo ecológico, as embalagens plásticas conquistam pouco a pouco mais espaço no setor de óleos, graxas e lubrificantes. Vários fabricantes de invólucros plásticos estão registrando aumento de vendas para o segmento e, com objetivo de atender às demandas dos clientes, investem no desenvolvimento de seu portfólio, inclusive com lançamentos capazes de armazenar materiais até então destinados apenas a embalagens metálicas. Além de ser mais leve e prático de moldar que o metal, a embalagem plástica têm a seu favor o fato de ser 100% reciclável, colaborando com a preservação do meio ambiente. Um amplo estudo divulgado pela Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) aponta que nos últimos 26 anos o mercado de embalagens plásticas cresceu 9,47% no País, enquanto as metálicas tiveram queda de 5,49%. Ainda de acordo com a pesquisa, de um modo geral a produção da indústria de embalagens foi 1,5% maior no ano passado, patamar que deve praticamente se manter em 2012, quando a indústria avançará 1,6%. Segundo a Schutz Vasitex, fabricante especializada em embalagens plásticas, o consumo deste tipo de embalagem vem crescendo no setor de lubrificantes. Novas tecnologias agora permitem armazenar em receptáculos plásticos produtos que, até então, só podiam ser envasados em latas. A Fibrasa, que produz exclusivamente embalagens plásticas termoformadas e injetadas de polipropileno, também ressalta que as vendas para o segmento aumentam gradativamente, principalmente as embalagens para óleos. “Em 2012, 00 • LUBGRAX • Edição 14 • 2012

LUBGRAX LUBGRAX••Edição Edição15 14 •• 2012 2012 • 31 00


“Incentivamos e orientamos os clientes sobre a importância das práticas sustentáveis, como o envio de baldes plásticos para reciclagem, por exemplo” Paulo Bernardes, gerente regional de vendas da Fibrasa

esperamos consolidar o fornecimento de embalagens para este tipo de produto e prospectar novas oportunidades no mercado de lubrificantes, fluídos e graxas”, afirma Paulo Bernardes, gerente regional de vendas da empresa. No total, a expectativa da Fibrasa é alcançar um faturamento 20% maior que o de 2011. Outra empresa confiante em relação a 2012 é a Fada Plásticos. No segmento de lubrificantes, a empresa trabalha quase que exclusivamente com envasadores genéricos para óleos. A companhia verificou crescimento na demanda de embalagens 3,8 litros (galão) para exportação e de 5 litros com faixa visora e espera um incremento de vendas de 5% sobre o ano passado. Já a Bomix, também especializada em embalagens plásticas, ressalta que o mercado de graxas e fluídos lubrificantes ainda não apresenta consumo expressivo, mas acredita que isso pode mudar. “Enxergamos uma oportunidade enorme de aumento de vendas para o setor e iremos investir neste mercado”, enfatiza Miguel Rosário, presidente da empresa. As vantagens do plástico - Embalagens plásticas são resistentes, ergonômicas e muito práticas. Além disso, destacam-se pela leveza por serem reutilizáveis e recicláveis. Novas tecnologias vêm levando as embalagens plásticas a um novo patamar. A Schütz Vasitex enfatiza sua capacidade de produzir embalagens multicamadas que possibilitam aplicações antes restritas às embalagens metálicas. O maior exemplo é

o IBC plástico com tratamento antiestático, que permite o envase de produtos com baixo ponto de fulgor. “Grandes players do mercado químico abandonaram os altos custos das embalagens metálicas para utilizar nossos IBCs EX para o envase de solventes, por exemplo”, enfatiza Fabiano Morita Nishio, gerente de marketing da empresa. A companhia anuncia para breve uso da nanotecnologia para aumentar ainda mais a performance de seus produtos. Recentemente, a Schütz Vasitex fez grandes investimentos em suas instalações, com a ampliação da área de estocagem de produtos acabados, aumento da capacidade produtiva na lavagem e recuperação de tambores e IBCs, e aquisição de novos equipamentos para maior eficiência e produtividade do setor de reciclagem. Um dos investimentos mais significativos foi a instalação da nova máquina para sopro e moldagem dos tambores F1, produto que alcançou o status de referência mundial em tambores PEAD de alta performance. A nova máquina foi desenvolvida e construída com tecnologia de ponta pela própria empresa e aumenta significativamente a capacidade produtiva. Design – “As embalagens plásticas podem ser mais facilmente moldadas para ter um design diferenciado e uma rotulação mais criativa para os produtos”, destaca Danielli Sassi Nunes, gerente de Marketing/ Exportação da Fada Plásticos. Há também a possibilidade de impressão em off-set seco a 6 cores ou impressão em IML (In Mold Label) com qualidade fotográfica nestas embalagens, como lembra a Fibrasa. Na visão do presidente da Bomix, clientes que investem na diferenciação da embalagem encontram uma forte ferramenta de vendas. “Podemos fornecer as embalagens com rótulos que permitem qualidade fotográfica, reproduzindo qualquer figura ou foto que o cliente desejar”, diz. “Esta ainda é uma prática

pouco usada no mercado de lubrificantes, mas que outros setores já reconhecem e utilizam como estratégia de vendas”. Sustentabilidade – Um grande diferencial das embalagens plásticas é sem dúvida seu apelo sustentável. A Fibrasa também orienta e incentiva os clientes a adotar práticas sustentáveis, como o envio de baldes plásticos para reciclagem. Para demandas de sua própria fábrica, a companhia formou em 2005 a Central de Resíduo, uma parceria com a Reciclar empresa especializada no gerenciamento de resíduos industriais. Os resíduos sólidos e líquidos da empresa são previamente separados por funcionários especializados e depois vendidos ou doados para empresas credenciadas, que se encarregarão do reprocessamento ou descarte do material em locais autorizados. A Schütz Vasitex administra todo o ciclo de vida das embalagens plásticas, o que vai desde a produção de embalagens com o mais alto nível de pureza, passando pela logística reversa, o recondicionamento dos contentores, até a reciclagem do material, gerando matéria-prima para outras embalagens de uso químico-industrial. “Não só somos corresponsáveis pela correta destinação das embalagens usadas, como, também, grandes interessados na coleta das mesmas. Pois, além de colaborarmos com a segurança ambiental junto aos nossos clientes, a logística reversa nos provê matériaprima para a fabricação de embalagens de PE reciclado”, destaca Fabiano Morita Nishio. Atitudes em prol da sustentabilidade permitidas, pelas embalagens plásticas, colaboram de forma importante com a preservação do meio ambiente e o planeta como um todo agradece. Conheça melhor, a seguir, as opções de embalagens plásticas oferecidas pelas empresas participantes desta reportagem:

BOMIX

A Bomix produz exclusivamente embalagens plásticas e tem foco em baldes industriais e bombonas. A empresa processa cerca de 15 mil toneladas de polipropileno e polietileno por ano, somadas as duas unidades fabris em Salvador (BA) e Jundiaí (SP). São produzidos baldes de tamanhos entre 3,2 e 22 litros e, nas bombonas, volumes entre 5 e 25 litros, focados no mercado químico e alimentício. Para o segmento de graxas, óleos e lubrificantes, os destaques são os baldes redondos, cônicos e bastante robustos de 20 e 22 litros.Também são utilizados galões de 3,6 litros para o envase de graxas especiais. Informações: www.bomix.com.br 32 • LUBGRAX LUBGRAX ••Edição Edição14 15• •2012 2012 00

LUBGRAX • Edição 14 • 2012 • 00


00 • LUBGRAX • Edição 14 • 2012

LUBGRAX • Edição 14 • 2012 • 00


EMBALAGENS PLÁSTICAS

FADA PLÁSTICOS

A empresa transforma aproximadamente 50 toneladas de resinas plásticas por mês, cerca de 500 toneladas por ano, e no atendimento ao segmento de lubrificantes, óleos e graxas, trabalha quase que exclusivamente na linha de envasadores genéricos para óleos. As embalagens PetroPack - Motoroil correspondem a 20% do faturamento da companhia nos volumes de 1 e 5 litros, ambos com e sem faixa visora. De acordo com a Fada Plásticos, houve um aumento na demanda de embalagens 3,8 litros (galão) para exportação e de 5 litros com faixa visora. A empresa trabalha praticamente com toda a linha de volumes (0,25; 0,5; 1, 2, 3, 3.8 (gl), 4 , 5 , 6, 10, 16 (4 gl) , 20, 22.5, 25, 50 e 60 litros). As embalagens de maior saída são atualmente as de 1 litro, 1 gl, 4 gl (16 litros) e 5 litros com faixa visora. Informações: www.fadaplasticos.com.br

FIBRASA

A Fibrasa fabrica exclusivamente embalagens plásticas termoformadas e injetadas de polipropileno. A produção aproximada é de 1 bilhão de unidades por ano. A empresa disponibiliza baldes de 3,6; 16; 17 e 18 litros, sendo os modelos de 17 e 18 litros os com maior saída. Apesar do balde plástico dificilmente ser descartado (pois a reutilização é muito grande, lembra a empresa), o produto pode ser reciclado quando necessário. Todos os baldes fabricados pela Fibrasa possuem o símbolo de reciclagem em alto relevo no fundo, sinalizando que o mesmo pode ser encaminhado para a reciclagem. Informações: www.fibrasa.com.br

SCHÜTZ VASITEX

Focada exclusivamente em embalagens plásticas, a empresa detém a gestão de todo o ciclo de vida deste tipo de material, garantindo um fornecimento sustentável. São transformadas aproximadamente 6.000 toneladas de plástico por ano. A Schütz Vasitex fabrica e comercializa embalagens plásticas industriais sopro moldadas em polietileno de alta densidade. Todo o portfólio de produtos da empresa é adequado para o mercado de lubrificantes, fluidos, graxas e afins. O portfólio inclui bombonas de 20, 25, 30 e 50 litros, tambores de 200L em PE reciclado, tambores de 200 e 220L em PE virgem de altíssima qualidade em dupla camada (cujo interior é livre de pigmentos) e os exclusivos IBCs de multicamadas que podem apresentar barreira contra permeação de gases e características antiestáticas para uso em ambientes EX, sendo utilizados para o envase de produtos com baixo ponto de fulgor. Com capacidade para 1000L, os IBCs são fornecidos após criteriosa análise do produto a ser envasado. As bombonas de menor litragem ainda são as mais utilizadas no segmento de lubrificantes. Informações: www.schuetz.net

34 • LUBGRAX LUBGRAX ••Edição Edição14 15• •2012 2012 00

LUBGRAX • Edição 14 • 2012 • 00


00 • LUBGRAX • Edição 14 • 2012

LUBGRAX LUBGRAX •• Edição abril/maio 14 • 2012 2012 • 35 00


EQUIPAMENTOS PARA LABORATÓRIOS

Qualidade na medida certa Novos equipamentos trazem mais precisão aos laboratórios das indústrias de lubrificantes por Edson Barros

00 • LUBGRAX 36 LUBGRAX ••Edição Edição14 15• •2012 2012

LUBGRAX • Edição 14 • 2012 • 00


P

ara ajudar fabricantes de graxas, óleos e lubrificantes a conquistar mais precisão e qualidade no desenvolvimento de seus produtos, o mercado oferece constantemente novidades em equipamentos para laboratórios. São aparelhos feitos sob medida para atender aos principais desejos da indústria: tecnologia avançada, segurança e preços competitivos. A Altmann, que, em 2012, completa 77 anos na área de instrumentação analítica, representa algumas das mais conceituadas empresas de equipamentos para laboratórios. Para a área de lubrificantes, oferece duas novidades: da Bruker, o tribometro para avaliação do desempenho de lubrificantes; e da Lovibond (foto), o colorímetro PFXi eletrônico, que dispensa o uso da avaliação visual e garante mais precisão e menos variação entre leituras.

de compensação de torque, caso haja aumento na viscosidade do produto, e mantém velocidade constante, garantindo estabilidade. Com display digital com indicador de velocidade real e ajustada, torque e sobrecarga, o aparelho opera com volume máximo de agitação de 40 litros (água), velocidade de 50 a 2.000 rpm, viscosidade de até 50.000 mPas e torque do mandril de 60 Ncm, dispondo de interface RS-232. O portfólio da empresa abrange vários itens, como agitadores mecânicos e magnéticos; balança; evaporadores; homogenizadores; medidores de pH; placas aquecedoras, entre outros.

Na visão da Altmann, porém, o investimento das empresas brasileiras de lubrificantes em tecnologia para laboratórios anda bastante tímido. “Há ainda um baixo investimento nessa área, em geral somente o necessário”, enfatiza enfatiza Wagner Vitalis, gerente técnico da Altmann.

De acordo com a Labsynth, as novas tecnologias presentes nos equipamentos são as saídas de conexão Serial e USB para aumentar a capacidade de monitoramento e registros da operação; as memórias alimentadas de informações técnicas, que facilitam a correta operação; os displays digitais para informar e controlar diversos parâmetros; e os detectores de falhas nos equipamentos e nas operações, garantia de maior segurança às indústrias.

Com mais de 25 anos na área de produtos para laboratórios, a Labsynth indica para o setor de lubrificantes o Agitador Eletrônico Eurostar Power Control-Visc IKA, ideal para processos de misturas e agitações minuciosas. O equipamento utiliza sistema

“O mercado está em expansão e detectamos um aumento acentuado das vendas em 2011. Nossa expectativa é que este ano a tendência se mantenha”, enfatiza Mário Antônio da Silva Gomes, diretor comercial da Labsynth. Informações: www.altmann.com.br/ www.labsynth.com.br

00 • LUBGRAX • Edição 14 • 2012

LUBGRAX • Edição 14 • 2012 • 00


LUBRIFICANTES NAVAIS

Expansão à vista Por Miriam Mazzi

00 • LUBGRAX 38 LUBGRAX ••Edição Edição14 15• •2012 2012

LUBGRAX • Edição 14 • 2012 • 00


O fortalecimento do modal marítimo – quesito básico nas novas necessidades da logística nacional –, a modernização e o avanço do setor naval brasileiro, além do aumento de fluxo de navios internacionais expandiram fortemente a demanda dos fornecedores de equipamentos e, consequentemente, a exigência de maior proteção dos lubrificantes para satisfazer suas necessdades operacionais.

00 • LUBGRAX • Edição 14 • 2012

LUBGRAX LUBGRAX••Edição Edição15 14 •• 2012 2012 • 30 00


LUBRIFICANTES NAVAIS

A mudança no cenário econômico brasileiro – e todas as demandas que tal quadro vem gerando – atingiu em cheio o mercado de lubrificantes navais, que foi e continua sendo impelido a desenvolver novas tecnologias, mais ambientalmente corretas e eficientes. Tudo isso para acompanhar uma indústria que não para de crescer. Só para ilustrar, em abril o Rio de Janeiro sediou o II Balanço da Indústria Naval e Offshore, evento durante o qual foram anunciados investimentos de R$15,4 bilhões, entre 2012 e 2014, no setor naval carioca. O investimento gerará 27 mil postos de trabalhos, dos quais 11 mil na construção de novos estaleiros. E mais: visando a expansão e internacionalização do setor, a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) estabeleceu normas para estimular a qualidade nos navios, estaleiros, portos e demais equipamentos que formam este mercado. Uma delas é a NBR-14574/2012, que dita regras e regulamentos para barcos de recreio em materiais compostos (com comprimento igual ou inferior a 24 metros) e segue os padrões internacionais dos mais renomados institutos e associações ligados à qualidade em todo o mundo, adequando-os às características brasileiras de navegação e construção de barcos. Outro indício do crescimento do setor é o intenso movimento rumo à qualificação profissional. Só o Senai (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial) do Rio de Janeiro colocou à disposição 3,1 mil vagas para os 23 cursos do Programa de Qualificação Profissional em Construção Naval, realizado em parceria com o ITN – Instituto Tecnológico Naval. O objetivo é oferecer mão-deobra cada vez mais especializada para a indústria de costrução naval. Embora não exista um levantamento periódico de quanto movimenta o mercado brasileiro de lubrificantes navais – como ocorre no acompanhamento do Sindicato Nacional das Empresas Distribuido40 • LUBGRAX LUBGRAX ••Edição Edição14 15• •2012 2012 00

ras de Combustíveis e de Lubrificantes (Sindicom) –, estima-se que a venda de lubrificantes marítimos represente aproximadamente 5% do total de lubrificantes comercializados no País, ou cerca de 40.000 m³/ano. Os dados são da Petrobras. “Consideramos neste número a venda para clientes com atividade comercial operando no Brasil (regime de cabotagem), compreendendo os segmentos da marinha mercante, apoio e operações portuárias, apoio offshore, transporte de passageiros e Marinha de Guerra. Não consideramos as embarcações particulares de recreação. Já para os navios em longo curso, temos uma média de 10.000 m³/ ano”, explica Kleber Café Lins, gerente de vendas para o Segmento Marítimo da Petrobras Distribuidora. Ao analisar o setor, Lins destaca que a entrega de lubrificantes marítimos enfrenta a logística como um desafio, pois as plantas de mistura estão localizadas na região Sudeste e as entregas têm de ser feitas em toda a costa, além de portos fluviais. “O trabalho de otimização logística e gerenciamento da carteira de produtos é constante. O navio não pode esperar pelo lubrificante. A entrega deve ser pontual e ao mesmo tempo flexível para acompanhar a programação do navio”, diz. Ainda de acordo com o gerente de vendas para o Segmento Marítimo da Petrobras Distribuidora, é sempre importante lembrar a questão que envolve navios estrangeiros operando sob regime de admissão temporária (cabotagem). “Este é um fato gerador de dúvidas e questionamentos frequentes por parte de clientes estrangeiros”, diz, explicando que a Secretaria de Comércio Exterior (Secex) considera exportação, para os efeitos fiscais e cambiais, o fornecimento de lubrificantes destinados a uso e consumo de bordo em embarcações exclusivamente de tráfego internacional, seja a bandeira brasileira ou estrangeira. “Sendo assim, navios de bandeira estrangeira operando em cabotagem, mesmo comprando lubrificantes em moeda estrangeira com pagamento no exterior, devem adquirir tais produtos, com todos os impostos incluídos (ICMS, PIS e COFINS)”, destaca.

Migração de tecnologias

Do ponto de vista tecnológico, o mercado brasileiro de lubrificantes navais segue o compasso dos lubrificantes convencionais, onde há uma clara migração da tecnologia de óleos

minerais para os sintéticos e semissintéticos. “Acredito que os lubrificantes navais estão se transformando, assim como ocorreu com vários setores, inclusive o automobilístico, no qual os produtos normalmente utilizados já não suportam mais as altas tecnologias dos equipamentos”, opina Vinicius de Medeiros, diretor técnico comercial da Avia-Lubrisint, empresa que oferece óleos sintéticos de alta durabilidade para diversos segmentos, incluindo o naval. De acordo com ele, os lubrificantes sintéticos com aditivos de última geração fazem toda a diferença e seu custo/benefício acaba sendo compensador, o que propicia a migração para esta tecnologia. Jorge Efrain Rey de Oliveira, gerente de mercado (Mercados Industriais e Serviços) da Klüber Lubrication, também concorda que o mercado brasileiro de lubrificantes está em transição da tecnologia dos minerais convencionais para sintéticos e biodegradáveis. “Dessa forma, um dos principais desafios a vencer é a barreira da compreensão do custo/benefício”, destaca, esclarecendo que os lubrificantes especiais duram em torno de três ou quatro vezes mais que um lubrificante convencional, além de não poluírem o ambiente. “Estes lubrificantes, além disso, exigem menos mão-de-obra de manutenção, pois preservam por mais tempo os elementos de máquinas e exigem menos intervenção. À medida que esta barreira de compreensão for vencida, a utilização de lubrificantes especiais permitirá a este mercado a operação dos equipamentos de forma mais eficiente”, assegura. Pelo seu dinamismo, o mercado naval também exige que os fornecedores estejam preparados para atendê-los em diversos portos do mundo, LUBGRAX • Edição 14 • 2012 • 00


sempre de forma eficiente e rápida para não a fetar seu planejamento de logística. “Além disso, os motores marítimos possuem uma variedade de modelos e características, que exigem do lubrificante desempenho capaz de atender a esta particularidade e até mesmo ser aplicado em outros equipamentos existentes nos navios”, argumenta Mario Lincoln Carvalho, gerente da área de vendas, da Chevron/Texaco. Para atender às complexas exigências deste segmento, a empresa mantém uma equipe de vendas especializada em entregar lubrificantes em diversos países e oferecer assistência técnica aos engenheiros e chefes de máquinas para melhorar o desempenho operacional de seus equipamentos. “Entre os serviços disponíveis, ressaltamos o programa de análise de óleo em uso chamado Lubewatch, que avalia se o óleo lubrificante está dentro dos limites de sua vida útil e elabora um diagnóstico das condições operacionais do equipamento”, complementa, informando que, para orientar a equipe de manutenção do navio, a empresa ainda oferece treinamentos técnicos que abordam as me-lhores práticas da lubrificação e que estão alinhados com a cultura de segurança e confiabilidade praticada pela companhia. Luiz Henrique Rodrigues Ferreira, vendedor técnico da Implastec – empresa que completa 29 anos em 2012 – lembra que o mercado de lubrificantes navais obteve um grande avanço no ano passado com a criação do Bunker I, o primeiro banco de provas que realiza no Brasil testes com lubrificantes navais e com óleos pesados. “Com ele, passamos a ter tecnologia avançada, o que possibilita a ampliação em pesquisas e certificação de lubrificantes para esses fins”, expõe, ponderando Luiz Henrique Rodrigues Ferreira, vendedor técnico da Implastec

00 • LUBGRAX • Edição 14 • 2012

que o grande empecilho para o setor ainda são os baixos investimentos públicos para pesquisa acadêmico-científica e de desenvolvimento, o que poderia proporcionar a formação de mão-de-obra qualificada e especializada, que, “ao ingressar no mercado de trabalho, contribuiriam com novas tecnologias, ideias e procedimentos.”

Tendências

Se a migração de tecnologias é vista como certa pelos profissionais do setor, também eles concordam que o quesito preço é um empecilho de peso nesta quebra de braços. “Devido aos grandes volumes utilizados neste ramo, os óleos minerais ainda apresentam grande procura, pois são mais baratos”, constata Medeiros, da Avia-Lubrisint, admitindo, entretanto que, em muitos casos, isto já não é mais adequado, “pois mesmo com maior custo, lubrificantes de alta performance geram menos manutenção e maior durabilidade dos equipamentos”, diz. O aumento da demanda no segmento também favorece o desenvolvimento de produtos com maior performance e menos agressividade ao ambiente, “que se encaixam exatamente na proposta de nossa empresa, que sempre busca produtos de alta durabilidade, melhor custo/ benefício e uma confiabilidade extrema, evitando paradas de equipamentos e a necessidade de ações corretivas, principalmente neste ramo de atuação, que gera um custo altíssimo quando há este tipo de ocorrência”, expõe Medeiros. Ao estabelecer a parceria com a suíça Avia e com a alemã Bantleon, fabricantes globais de óleos e de aditivos, respectivamente, a Avia/Lubrisint passa a trazer ao Brasil alta tecnologia em produtos, equipamentos e serviços para suportar a nova tecnologia sintética. O binômio performance/sustentabilidade é outra base que reforçará o setor no futuro próximo. A Chevron, por exemplo, uma das principais fornecedoras de soluções de lubrificação para o setor de navegação no mundo, aposta em produtos que conciliem lubrificação e proteção ao ambiente. “Por isso, está sempre atenta às mudanças tecnológicas e, ao longo dos últimos anos, desenvolveu uma linha de produtos que ajuda os clientes do setor naval a melhorar a confiabilidade e disponibilidade dos equipamentos, além de reduzir custos operacionais”, diz Carvalho, acrescentando que também é uma das principais prioridades da empresa a realização de pesquisas e desen-

volvimento de tecnologias, em parceria com os principais fabricantes de motores marítimos, capazes de minimizar impactos ambientais. Dentro do seu compromisso em buscar novas soluções, os novos produtos da Chevron permitem maior resistência à oxidação e espessamento; maior desempenho de detergência e dispersância; maior capacidade para suportar os compostos ácidos gerados na utilização dos produtos, inclusive em presença de altos teores de fuligem; adequação para trabalhar com intervalos de troca estendidos; maior resistência ao cisalhamento; menor perda por evaporação; maior proteção ao desgaste; e aditivos com menos metais (enxofre, fósforo, etc.). Além destes itens, os lubrificantes da Chevron atendem às novas exigências do mercado em relação à redução de emissões poluentes ao ambiente, economia de combustível e maior eficiência, redução de paradas e reparos, e redução do custo total da operação. Também por conta das novas exigências ambientais, a DNC Industrial – empresa fundada em 1992 para atuar no mercado brasileiro de travas químicas e adesivos cianoacrilato e, mais tarde, no de lubrificação – está se adequando para atender a todas as normas ambientais. Com esta e outras iniciativas, pretende crescer no segmento. “Nossa expectativa  inicial é de 10% de expansão sobre 2011”, projeta Valdir Adão Camargos, sócio-gerente de desenvolvimento. “Estamos vivenciando um período no qual todas as empresas devem aliar tecnologia avançada com responsabilidade ambiental”, concorda Gide José Fernandes, gerente comercial da Implastec, confirmando que a grande tendência do setor é o desenvolvimento e fabricação de produtos que não agridem a natureza e que não sejam bioacumuláveis, tanto nos ambientes aquáticos quanto nos seres que os habitam. “Biodegrabilidade é a palavra-chave a nos acompanhar de hoje em diante. Além dessa preocupação com as propriedades do produto final, a responsabilidade em relação ao processo produtivo também é grande”, diz, completando que não adianta LUBGRAX LUBGRAX••Edição Edição15 14 •• 2012 2012 • 41 00


LUBRIFICANTES NAVAIS

desenvolver produtos ecologicamente corretos se o processo de fabricação não se encaixar na metodologia Green Chemistry (química verde). Oliveira, da Klüber Lubrication, lembra que, no momento, não há exigências ambientais impositivas quanto à utilização de lubrificantes biodegradáveis. De acordo com ele, a companhia, contudo, “orientada por seus valores e princípios de sustentabilidade, se antecipou e desenvolveu produtos que passam por soluções de alta performance e não agridem o ambiente”, assegura. Para o gerente de mercado da Klüber, as tendências para o setor são: assegurar a disponibilidade de produto para pronta entrega, pois se trata de um mercado sem fronteiras (embarcações do mundo inteiro atracam em nossos portos todos os dias), com baixa previsibilidade e que precisa de atendimento imediato; oferta de lubrificantes homologados nos principais fabricantes, com o objetivo de garantir confiabilidade dos equipamentos durante a navegação, bem como continuidade operacional; e de lubrificantes especiais sintéticos e biodegradáveis, de alta performance, que repercutam em redução de intervenções e não apresentem impacto ambiental. A confiabilidade na entrega também é apontada pelo gerente de vendas para o Segmento Marítimo da Petrobras Distribuidora como uma das principais tendências para o setor. “Os clientes buscam sempre boas condições comerciais, mas fatores como confiabilidade e flexibilidade na entrega se tornam mais importantes, pois os custos operacionais envolvidos nos segmentos marítimo e offshore são enormes”, justifica, explicando que a imprevisibilidade e a dinâmica natural dos clientes marítimos – pois cada entrega tem a sua particularidade – diferem da regularidade característica da venda para os segmentos automotivo e industrial. “Os grandes clientes são atendidos de forma centralizada, com as entregas em vários pontos do Brasil. A equipe de atendimento tem 42 • LUBGRAX LUBGRAX ••Edição Edição14 15• •2012 2012 00

que programar e acompanhar o processo até o último instante e prosseguir com o pós-venda”, continua, esclarecendo que há produtos específicos, como os óleos de motor, por exemplo. “Logo, a definição e o controle de estoque também demandam um cuidado especial. Cada região do País possui um ciclo de demanda, dependendo da sazonalidade da atividade econômica local”, destaca. Lins também cita a crescente demanda por produtos biodegradáveis, considerados caros quando comparados aos similares de base mineral, porém com características especiais. “O foco dos novos desenvolvimentos é voltado para as especialidades, ou seja, produtos para os novos equipamentos, geralmente com consumo menor (maiores intervalos de troca), custo maior e dependentes de processos de importação”, explica, finalizando que o objetivo da Petrobras Distribuidora é complementar, seletivamente, sua linha de produtos, ganhando escala suficiente para oferecer um preço competitivo, desempenho e confiabilidade na entrega.

Expectativas

De uma forma geral, os profissionais entrevistados por Lubgrax se mostram confiantes em relação ao comportamento do setor em 2012. A Avia/Lubrisint é uma delas. “Estamos muito otimistas com o crescimento deste mercado, com a economia do Brasil aquecida, aumento de exportações e importações. A necessidade do mercado tem aumentado muito e com a entrada definitiva dos lubrificantes  chamados ‘verdes’ neste nicho, temos sido procurados por várias grandes empresas para entrarmos com nossos lubrificantes sintéticos biodegradáveis e de grau alimentício, pois não são agressivos”, diz Medeiros, calculando incremento entre 25% e 30% para suprir esta previsão de demanda do mercado. A Chevron calcula que os investimentos em infraestrutura e logística no País, assim como o crescimento da economia brasileira, resultaram em um incremento de aproximadamente 17% no mercado de lubrificantes no Brasil entre 2009 e 2011. Para atender às inovações tecnológicas do setor, a companhia, que detém a marca Texaco, trouxe para o mercado brasileiro novos produtos com tecnologias de última geração, oferecendo um amplo portfólio que atende toda necessidade dos segmentos automotivo, industrial e marítimo. Com isso, espera

que o crescimento da produção de lubrificantes no País siga a mesma tendência esperada para a economia brasileira. Já a Implastec analisa que o constante processo de globalização trouxe inúmeros e vantajosos benefícios, mas também exigiu que as infraestruturas nacionais não atendessem apenas às necessidades básicas da população, mas que também oferecessem o suporte à competitividade das empresas. Assim, a empresa iniciou diversos estudos para desenvolvimento de lubrificantes biodegradáveis, que possam ser utilizados tanto na construção quanto na manutenção de portos e navios, de uma forma geral. “A biodegrabilidade é um fator ecologicamente determinante, a fim que possamos evitar a contaminação dos ambientes aquáticos, evitando-se danos ambientais”, analisa o gerente comercial, revelando que, paralelamente, a empresa iniciou projetos com o mercado sucroalcooleiro e o de tratamentos de águas e esgotos, a partir do desenvolvimento de lubrificantes especiais e produtos com ação antiespumante e dispersante. “Em relação ao primeiro mercado, a demanda pelo etanol deve ser incrementada ao longo de 2012, devido ao esperado aumento no volume de consumo interno e exportação desse biocombustível, o que também acarretará um maior volume de transporte naval. Todo esse planejamento comercial é interligado entre si, sendo que o desenvolvimento e comercialização de um produto estarão vinculados diretamente à necessidade e incrementação da demanda pelo outro e viceversa”, argumenta Fernandes, revelando que a expectativa é de incremento na produção, de acordo com a inauguração das novas unidades portuárias e do aumento no volume de navios e outras embarcações. “Caso a porcentagem do aumento dos investimentos seja diretamente proporcional ao aumento na demanda por esses tipos de lubrificantes, o incremento para os próximos anos é em torno de 200% no volume de comercialização. Para o ano de 2012, nosLUBGRAX • Edição 14 • 2012 • 00


sa previsão de aumento na produção desses produtos é de 12,5%, o que se equipara com o crescimento anual da economia chinesa.” Para Rosemeire Zilse, gerente de vendas e marketing da Klüber, a expectativa para 2012 é de mais um ano de aquecimento do faturamento e também maior volume de produção. “Projetamos um crescimento, em média, bem superior ao crescimento do PIB brasileiro para 2012. Enxergamos muitas oportunidades devido aos investimentos em infraestrutura e logística, que aquecerão setores importantes para a Klüber Lubrication, como o naval, indústria cimenteira, setor de ferrovias e os de energia”, prevê. O gerente de mercado da Klüber concorda com a profissional e acrescenta que os investimentos em infraestrutura, principalmente nas indústrias ferroviária, naval, energia e construção civil, representam um incremento futuro importante nas aplicações de lubrificantes especiais, embora em volumes mais ponderados por se tratarem de aplicações de nicho, ou seja, aplicações onde há maiores exigências mecânicas que não são cobertas por um lubrificante convencional. “As questões de investimento em logística tampouco têm impacto significativo em incremento de produção, já que o principal benefício que isto nos assegura é aumentar a eficiência de entrega para assegurar permeabilidade, característica muito importante de um mercado como o nosso, de nicho, com grande dispersão de produtos, bem como dispersão regional no território nacional. Nosso foco em ser mais eficiente logisticamente, valendo-nos dos investimentos em infraestrutura logística, nos permite chegar mais rápido a regiões fora do eixo econômico Rio/São Paulo (Centro-Oeste e Norte, principalmente)”, completa. A Petrobras Distribuidora também aguarda crescimento em função do aumento da atividade da marinha mercante no País e, principalmente, pelo mercado offshore. “Temos o avanço das atividades de exploração do pré-sal e as perspectivas do mercado offshore, que alavancam uma série de outros segmentos e programas, como a renovação das frotas de petroleiros e de embarcações de apoio, a reativação de diversos estaleiros e o estabelecimento de novos fornecedores de equipamentos no Brasil”, explica, complementando que, além do mercado offshore, o crescimento econômico brasileiro aumenta a demanda pelo 00 • LUBGRAX • Edição 14 • 2012

modal marítimo para as mais diversas transações, exigindo maior infraestrutura dos portos e vias de escoamento de carga. “Ano após ano verificamos, também, recordes na operação dos cruzeiros, que deverão experimentar um marco em seu crescimento durante a Copa de 2014 e as Olimpíadas de 2016, pois serão utilizados como complemento à rede hoteleira no País”, finaliza.

Na proa

Abaixo, preparamos uma lista dos produtos destacados por alguns dos principais fabricantes de lubrificantes navais do País:

Avia-Lubrisint A empresa oferece óleos sintéticos de alta durabilidade e performance para redutores, bombas, sistemas hidráulicos, óleos de grau alimentício não contaminantes com certificação internacional do FDA, graxas especiais e de grau alimentício para altas e baixíssimas temperaturas, anticorrosivas que agem com uma proteção catódica em cabos, correntes, fazendo com que a durabilidade seja até cinco vezes maior devido ao ambiente extremamente agressivo que é o naval, óleo concentrado sintético que age na base do metal, fazendo a conformação de metais e diminuindo extremamente o atrito, consequentemente a temperatura de trabalho, fazendo com que o equipamento tenha uma performance muito superior, com menos manutenção e menos paradas. Linha Lubrisint: óleos especiais e sintéticos de alta performance e durabilidade de diversas viscosidades e temperaturas de trabalho, alguns inclusive com grau alimentício. Linha Lubrigrease: graxas especiais para altas e baixas temperaturas, alta performance, anticorrosivas e de longa durabilidade(long-life).

Linha Desquim: desengraxantes ecológicos, biodegradáveis e até de grau alimentício para assepsia e limpeza de equipamentos, pisos e etc. Linha VCI: produto de tecnologia alemã, utilizado como protetivo de equipamentos, peças, e materiais transportados em navios, onde é utilizado embalando-se o material, formando uma atmosfera interna com particulas e nano partículas que agem na superfície do metal e protege o mesmo por um longo período, mesmo em ambientes agressivos como o marítimo.

Chevron/Texaco A marca Texaco conta com uma linha completa de produtos lubrificantes especiais para navegação e sua logística de entrega garante sua presença nos principais portos em todo o mundo. Oferece uma gama de serviços de assistência técnica que incluem a análise de óleos lubrificantes, realizadas por laboratórios no Brasil e Europa, e fornecimento de equipamentos para monitoramento de coolants e inibidores de corrosão. Além disso, conta com uma experiente equipe de engenheiros para treinamentos e suporte técnico a bordo. Atualmente, a marca Texaco oferece aos clientes do segmento naval a linha Delo 1000 Marine para motores diesel de média velocidade. Produzida na fábrica de Duque de Caxias, no Rio de Janeiro. A linha é constituída por óleos de última geração, operando com óleo diesel com teor de enxofre de até 1,5%. Os produtos também podem ser utilizados em redutores, compressores, engrenagens de média carga, tubo telescópio, propulsora e motores auxiliares, quando requerido um produto API CF com TBN 12, reduzindo o número de produtos em uso nas embarcações. A linha Delo 1000 Marine está disponível em viscosidade SAE 30 e SAE 40 e atende aos requisitos dos principais fabricantes de motores marítimos. Também oferece a nova linha da família Taro, com aditivos de última geração, para motores de alta potência, trabalhando desde comLUBGRAX LUBGRAX••Edição Edição15 14 •• 2012 2012 • 43 00


LUBRIFICANTES NAVAIS

Klüber Lubrication

bustíveis destilados de altos teores de enxofre até os combustíveis residuais. O Taro Special HT é uma linha de óleos de cilindros para motores do tipo cruzeta, dois tempos, com excelente resistência às altas temperaturas e com reserva alcalina muito eficiente, mesmo em dosagens mais baixas.

DNC A empresa oferece uma grande variedade de itens para o setor, como o Biosoap, detergente alcalino para uso industrial, tendo como principais utilizações: limpeza de máquinas em geral (centro de usinagem, estamparia etc); limpeza de pisos (epóxi, cerâmica, granito, lajotas etc); limpeza de louças (sanitárias, lavatórios etc); limpeza de óleo BPF em caldeiras, compressores, fornos, coifas de exaustão, vernizes, pistas de rolamentos, porões de navios, ferramentas, peças usinadas, motores etc. A empresa ainda conta com a Ultragrease Steel, graxa de alto rendimento e semifluída, indicada para a aplicação de todos os tipos de cabos de aço, operando nas mais diversas condições, pois em sua formulação contém o MoS2. Sua aplicação é rápida e econômica, não necessitando de pré-aquecimento e nem adição de solvente. Proporciona maior intervalo entre lubrificações, aumentando a vida útil dos cabos e a segurança de utilização.

Implastec A empresa oferece a Biotec Plus: é uma graxa atóxica, formulada com componentes vegetais, espessantes à base de alumínio e ácidos graxos com grande poder lubrificante. Devido a sua formulação específica, é biodegradável, resistente à presença de água e à temperatura elevada (até 320 C). Suas propriedades de polaridade conferem adesividade natural, excelente proteção contra o fenômeno de corrosão, além de ótimo 00 • LUBGRAX 44 LUBGRAX ••Edição Edição14 15• •2012 2012

desempenho de bombeamento em baixas temperaturas. Cabotec: é uma graxa especialmente desenvolvida para lubrificação de cabos de aço expostos às mais severas condições de trabalho e grandes cargas, especialmente em serviços relacionados à indústria pesada, como siderúrgicas, fundições, minerações, entre outros. Devido à insolubilidade do complexo de lítio, a Cabotec apresenta fácil e prática aplicação, com excelente aderência, penetrando nos cabos e lubrificando todos os fios durante as flexões e torções. A Cabotec possui a propriedade de constituir uma película lubrificante de pequena espessura evitando-se assim contaminações provocadas por impurezas de caráter abrasivo. IGM 500: as argilas, diferentemente dos sabões, possuem extrema resistência a altas temperaturas, pois são termoestáveis. A IGM 500 é uma graxa de argila modificada com excelente resistência a água, ótima capacidade de proteção ao desgaste, suportando condições de calor extremo, sem ponto de gota, e aditivada para extrema pressão (EP). A IGM 500 possui baixa volatilidade e evita à oxidação a altas temperaturas, além de resistência à lavagem com água e bom desempenho antidesgaste sob cargas pesadas e baixas rotações. É eficaz no controle de contaminações por água e vapor.

O portfólio de produtos Klüber Lubrication para a indústria naval é tradicionalmente conhecido por lubrificação de engrenagens abertas de guinchos e guindastes com produtos de alta p e r fo r m a n c e , como o Klüberfluid CF-3 e também o Klüberplex AG 11-462, sendo o primeiro homologado por uma das principais fabricantes destes equipamentos para a indústria naval no mundo, a Rolls Royce. Este portfólio se complementa com os novos produtos sintéticos e biodegradáveis lançados em 2010, ambos compatíveis com os óleos minerais normalmente utilizados nestas aplicações: - Klüberbio RM 2-150: utilizado como um óleo de selagem no compartimento traseiro dos propulsores azimutais (stern tube) e compatível com os maiores fabricantes de vedação deste mercado: Wartsila e Blohm + Voss; - Klüberbio EG 2-150: óleo biodegradável para as caixas de engrenagem dos azimutais; - Klüberbio LG39-700: graxa biodegradável para aplicação em engrenagens abertas bem como uso geral (stern rollers, twin pins, shark jaws etc.). Estas soluções se fazem necessárias pelo crescente aumento da indústria e tráfego navais, aliados a uma característica normal de operação que pode representar pequenos ou grandes vazamentos no oceano (um propulsor novo pode, naturalmente, derramar cinco litros ou mais por dia de óleo no oceano, propulsores antigos podem vazar ainda mais).

Lumobras

Biotec Plus: é uma graxa atóxica, formulada com componentes vegetais, espessantes à base de alumínio e ácidos graxos com grande poder lubrificante

Atuando no mercado brasileiro de lubrificantes especiais há mais de 47 anos, a empresa oferece soluções para todos os segmentos industriais, com ênfase nas áreas da indústria têxtil, mecânica, metalúrgica, química, aviação, naval, alimentícia e automobilística, no mercado automotivo e na proteção do meio ambiente por meio das linhas de lubrificantes biodegradáveis e atóxicos. LUBGRAX • Edição 14 • 2012 • 00


A Linha Naval da empresa conta com o Silikote Spray, spray de silicone lubrificante e desmoldante que também protege contra corrosão, sendo um excelente hidrorrepelente. Já a Omnikote White 2 é uma graxa branca com ótima aderência e estabilidade à oxidação, proporcionando lubrificação prolongada e boa resistência à água.

Petrobras/BR Distribuidora A BR possui uma vasta linha para as mais diversas aplicações em um navio, supply-boat, plataforma ou sonda. O destaque maior é sempre para a linha de motores, com a linha Marbrax CID (para cilindros dos grandes motores tipo

00 • LUBGRAX • Edição 14 • 2012

cruzeta), Marbrax CAD-308 (para o cárter dos motores cruzeta) e a linha Marbrax CCD, para motores quatro tempos com uma grande faixa de TBN, podendo atender aos mais diversos tipos de motor e de qualidade de combustível de propulsão e também auxiliares para geração de energia. Todos os produtos apresentam aprovações formais concedidas pelos maiores fabricantes mundiais de motores. Além deles, a BR conta com óleos sintéticos e minerais para compressores (linha Lubrax Compsor), engrenagens (Lubrax Gear), sistemas hidráulicos e bombas (Lubrax Hydra) e turbinas (Lubrax Turbina), cobrindo todos os graus de viscosidade e embalagens necessários. Mais recentemente, a empresa lançou lubrificantes para aplicações especiais, onde são necessárias características únicas, todos com alto potencial de aplicação no segmento marítimo. Como exemplo, a Lubrax Neo SC, graxa à base de sulfonato de cálcio, com excelente resistência à lavagem por água e a Lubrax Polytec 2, à base de poliuréia, ideal para motores elétricos.

A linha de produtos biodegradáveis está crescendo e a empresa já comercializa uma graxa (Lubrax Calcium Eco 2) e um óleo hidráulico especial (Lubrax Hydra Eco 46) que cobrem a necessidade de vários equipamentos marítimos. Também oferece a linha Marbrax CID-55, óleo para cilindros dos grandes motores tipo cruzeta, com TBN 50, aprovações formais e larga experiência na operação com bunkers nacionais. Além disso, ainda comercializa a linha Marbrax CCD para motores trunk piston . •

LUBGRAX • Edição 14 • 2012 • 00


PERFIL FORNECEDOR

Química italiana nos lubrificantes brasileiros Direto de Gênova, na Itália, a Italmatch Chemical finca bandeira em solo brasileiro com olhos voltados ao potencial do mercado de óleos lubrificantes hidráulicos. A intenção é ambiciosa: ser a principal fornecedora de ésteres sintéticos do País. Parte do grupo italiano com sede em Gênova, a Italmatch Chemicals é fornecedora de aditivos, bases sintéticas e pentassulfureto de fósforo para o mercado de lubrificantes. “Somos líderes na química do fósforo e de polímeros orgânicos”, informa Sergio Iorio, diretor-geral da empresa, explicando que tais matériasprimas são consumidas pelos segmentos de plásticos (retardadores de chama), especialidades (agro e farma) e de lubrificantes. Inicialmente, em 1929, a Italmatch começou a trabalhar com derivados do fósforo como subsidiária química do então principal produtor de fósforos europeu, o Grupo Saffa. “Em 2007, com a aquisição da fábrica de lubrificantes e especialidades da Akzo Nobel, em Arese, a companhia começou a atuar diretamente no mercado de aditivos para óleos lubrificantes, graxas, e fluidos de metalworking (MWFs)”, expõe Iorio, completando que, atualmente, a Italmatch é um grupo independente, com duas fábricas na Itália (em Spoleto, perto de Roma, e em Arese), e uma na China (onde também têm duas joint ventures), que empregam diretamente cerca de 200 pessoas e faturam perto de R$ 240 milhões (equivalentes a € 100 milhões). No Brasil, a empresa atua há muitos anos, tendo iniciado suas atividades por meio do fornecimento de fósforo vermelho para a produção de fósforos. “Mais recentemente, a Italmatch é fornecedora de matérias-primas com base 46 LUBGRAX ••Edição Edição14 15• •2012 2012 00 • LUBGRAX

em fósforo para os principais produtores locais de aditivos para óleos lubrificantes”, esclarece o diretor-geral, informando que a companhia está montando uma rede de distribuição no Brasil para seus aditivos e óleos básicos sintéticos. “Estamos determinados a entrar neste mercado também”, diz.

Verde e amarela

As boas perspectivas de crescimento do mercado brasileiro de lubrificantes, graxas e metalworking foram o principal motivador da entrada da italiana por aqui. De acordo com Norberto Gatti, diretor comercial do Grupo Italmatch, além da expansão do mercado em geral, a Italmatch está notando uma tendência de o mercado caminhar cada vez mais próximo aos produtos sintéticos. “Por razões de melhor qualidade do produto e por preocupações ambientais, os formuladores locais de óleos estão demandando bases e aditivos sintéticos para desenvolver novos produtos. Por isso, a Italmatch decidiu entrar no Brasil fornecendo aditivos sintéticos para esse tipo de demanda”, assegura, antecipando que a empresa aposta

em um grande crescimento dos óleos hidráulicos sintéticos no Brasil, por causa da exploração das reservas de pré-sal nas plataformas off-shore das costas brasileiras. A relativa escassez de produtores locais de aditivos e bases sintéticas para o segmento de óleos lubrificantes também deixa a fabricante otimista. “A Italmatch acredita poder assumir uma posição de leadership no fornecimento desses produtos no Brasil”, pontua Gatti, destacando que a intenção da companhia é se tornar o principal fornecedor no Brasil de ésteres sintéticos. Estas matérias-primas podem ser utilizadas por uma variedade de aplicações em substituição a outras bases sintéticas (como PAOs, PAGs, etc.), com desempenho superior. “Para tornar os seus produtos ainda mais competitivos, evitando os custos adicionais dos impostos à importação, e para consequenteLUBGRAX • Edição 14 • 2012 • 00


mente segurar este nicho de mercado no Brasil, a Italmatch está também avaliando opções de produção local dos seus produtos”, antecipa o diretor comercial.

Produtos

Para o mercado de lubrificantes, a Italmatch produz uma ampla gama de ésteres poliméricos, convencionais (di ésteres e polyol ésteres) e complexos, assim como aditivos antiwear com base em fósforo e modificadores de fricção com base em aminas. “Em particular, os ésteres poliméricos Ketjenlube representam o produto mais diferenciado do portfólio da Italmatch”, esclarece Iorio.

Os ésteres são usados para a formulação de óleos sintéticos e semissintéticos nos segmentos automotivo e industrial (algumas aplicações são em óleos de engrenagens de alta eficiência industriais, como para turbinas eólicas – e automotivo, assim como em graxas, MWFs e pequenos motores 2T e 4T). Iorio explica que os Ketjenlube têm capacidades de lubricidade e de carga extremamente altas graças à sua

00 • LUBGRAX • Edição • 2012 China Fábrica da Italmatch em 14 Nantong,

estrutura polimérica, ótima estabilidade à tensão, altos índices de viscosidade (VIs) associados a notável estabilidade hidrolítica e de oxidação. Além disso, a ampla gama de viscosidades e polaridades dos Ketjenlubes faz com que sejam compatíveis com outros óleos básicos (minerais dos Grupos I, II e III, e PAOs de alta e baixa viscosidade). Em relação à natureza, a companhia é bastante rigorosa. Conforme Gatti, a Italmatch cumpre plenamente às normas internacionais de qualidade e respeito pelo meio ambiente. “Desde 1991 a empresa detém o certificado ISO 9001, e desde 1997 o certificado ISO 14001, que trata do sistema de gestão ambiental”, diz o diretor comercial, acrescentando que os ésteres poliméricos Ketjenlube não são prejudiciais ao ecossistema e a maioria deles é registrada na NSF – National Science Foundation como categoria HX1 (que permite o uso em lubrificantes para accidental food contact até 25% do total). Além disso, uma nova serie de ésteres complexos da Italmatch são totalmente biodegradáveis (de acordo com a definição da OCDE – Organisation for Economic Co-operation and Development) e são produzidos com mais de 70% de carbono renovável, matéria-prima obtida de recursos naturais renováveis. Outro trabalho da companhia é o contínuo desenvolvimento de novos produtos e de novas aplicações para os já existentes nos dois centros globais de P&D. “Por exemplo, no momento a área está desenvolvendo uma linha de Ketjenlube com enxofre que vai ter ainda maior compatibilidade com outros óleos básicos, solúvel nos óleos de Grupo III, e mais alta capacidade de carga em EP”, explica Gatti. •

LUBGRAX • Edição 14 • 2012 • 00


ADITIVOS ANTICORROSIVOS

Proteção à

suscetibilidade Por Miriam Mazzi

00 • LUBGRAX 48 LUBGRAX ••Edição Edição14 15• •2012 2012

LUBGRAX • Edição 14 • 2012 • 00


O alto custo – tanto para empresas como para a sociedade – tem sido o principal motivador, junto aos fabricantes de aditivos anticorrosivos, para o desenvolvimento de matérias-primas de maior qualidade e performance. O alvo é reduzir e prevenir a ferrugem e a corrosão.

00 • LUBGRAX • Edição 14 • 2012

LUBGRAX • Edição 14 • 2012 • 00


ADITIVOS ANTICORROSIVOS

Não é de hoje que a corrosão é um problema sério – e caro – para vários setores. Na indústria de lubrificantes o fenômeno se repete, com perdas consideráveis. Exatamente por isso, as empresas investem em pesquisa e desenvolvimento para elaborar alternativas a este mal. “A corrosão vem sendo estudada por diversas vertentes no mundo todo e novas alternativas são apresentadas todos os anos para o combate eficaz à corrosão de materiais, principalmente metálicos, os quais são mais susce-tíveis”, argumenta Elton Inácio de Oliveira, supervisor técnico-comercial da Polyorganic, empresa que oferece uma linha de inibidores de corrosão formada por produtos que vão de misturas de tiuréia com amina fílmica até os derivados dos triazóis, dos quais se destacam o benzotriazol e o mercaptobenzotriazol. A crescente industrialização em países emergentes, notadamente a automobilística, também está estimulando o aquecimento da demanda por aditivos anticorrosivos. “Haverá certamente um incremento nesta demanda, uma vez que tais matérias-primas são indispensáveis para um aumento da vida útil dos metais em geral”, diz Oliveira, completando que, tomando como base o segmento automotivo, é esperado aumento em relação ao ano anterior no segmento. “O setor automotivo vem experimentando forte crescimento nos últimos anos e este deve persistir nos próximos anos, com reflexo proporcional na utilização de inibidores de corrosão”, analisa. A Metachem, que comercializa principalmente sulfonatos de alta performance da 00 • LUBGRAX 50 LUBGRAX ••Edição Edição14 15• •2012 2012

representada exclusiva King Industries – trata-se de inibidores de corrosão formulados com excelente alcalinidade e utilizados no segmento de lubrificantes, tanto em sistemas solvente como em sistemas aquosos – também está muito otimista no cenário brasileiro 2012, conforme Hebert Santana, supervisor de vendas técnicas. “Em função de já termos em nosso portfólio uma linha completa de matérias-primas para o segmento de lubrificantes”, justifica, complementando que a parceria com os líderes em seus nichos de mercado faz com que haja interação entre os produtos, permitindo à empresa oferecer um pacote atrativo, de qualidade e performance, o que resulta na economia do produto final do cliente. Com este pacote e novas tecnologias, a Metachem aposta em um crescimento “considerável” em relação a 2011. “Este crescimento virá por meio de oportunidades de mercado, capacitação de profissionais, suporte técnico, agilidade e acompanhamento da estrutura logística para dar infraestrutura ao crescimento projetado”, prevê Santana.

“Os produtos King têm sido utilizados em centenas de formulações, pois possuem propriedades únicas” Hebert Santana, supervisor de vendas técnicas da Metachem

Benzotriazol, comercializado pela Polyorganic: excelente performance para metais amarelos e suas ligas

Novas tecnologias

Várias são as alternativas que vêm sendo estudadas para aplicações no mercado atual. Oliveira, da Polyorganic, destaca as moléculas com apelo ecologicamente correto, como os produtos de origem vegetal, e compostos derivados do silano. “Estes materiais têm tido forte repercussão no mercado científico mundial como alternativas aos atuais inibidores de corrosão utilizados”, revela. Em relação à influência no desempenho dos lubrificantes, o supervisor técnico-comercial da Polyorganic assegura que todas as alternativas procuradas pelo mercado para tal aplicação estão em estudo, “pois o mercado de lubrificantes tem sido um dos alvos mais promissores para o segmento de inibidores de corrosão.” A tecnologia da Metachem para o setor vem da líder mundial no segmento, King Industries, que tem destinado seus produtos a preservar  metais  por mais de  50 anos. “Os produtos King têm sido utilizados em centenas de formulações, pois possuem propriedades únicas, tais como  em compostos hidrofóbicos polares,  prevenindo com ótimos resultados a  ferrugem e corrosão”, ilustra Santana, esclarecendo que, ao contrário de outros sulfonatos , os produtos NA-SUL  são  sintéticos elevados  com uma estreita distribuição de peso molecular que  resultam em revestimentos  extremamente  hidrofóbicos e resistentes;  repelem e re-emulsificam água durante longos períodos de tempo; e apresentam-se em lotes homogêneos, com alto desempenho e previsível qualidade. LUBGRAX • Edição 14 • 2012 • 00


Em destaque Metachem

As principais linhas da empresa consolidadas na indústria são : NA-SUL  ®, NA-LUBE, K_CORR e KX. Entre as aplicações destacam-se: automotivo e industrial, óleos para engrenagens, transmissão automática, fluidos  (modificadores de fricção), proteção e melhoramento de  óleo do motor contra a ferrugem, aplicações militares, produção de graxas, fluídos hidráulicos, oxidação de óleos e compressores, turbinas para óleos extrema pressão, óleos de circulação, fluídos preventivos base água e solvente e fluídos de usinagem, entre outros. Empresa 100% brasileira, a Metachem foi fundada em maio de 1988 e, desde então, vem ampliando e solidificando seus negócios na representação e distribuição de produtos químicos que contemplem especialidades, produtos de performance e commodities.

00 • LUBGRAX • Edição 14 • 2012

Atua com representantes e distribuidores de matérias-primas produzidas por fabricantes de reconhecida qualidade internacional e, sempre que possível, com exclusividade para atender o mercado industrial brasileiro e sulamericano. A Metachem conta com duas filiais: uma em Itupeva/SP, com moderno sistema de armazenagem, e outra em Itajaí/SC.

Polyorganic Tecnologia

A linha de inibidores de corrosão comercializados pela empresa contempla, destacadamente, o benzotriazol e o mercaptobenzotriazol. O benzotriazol, comercializado com a marca Poly BZT 100, apresenta excelente performance para metais amarelos e suas ligas, ou seja, derivados de cobre e suas ligas, que podem ser utilizados em sistemas de arrefecimento de circuitos fechados e sistemas industriais, por apresentar excelente performance e rápido poder de quimissorção, evitando assim a corrosão dos metais. O mercaptobenzotriazol, comercializado

com a marca Poly MBT pó ou Poly MBT líquido, apresenta excelente performance, também para metais amarelos, tendo sua aplicação muito voltada para o segmento de óleos industriais. Por fim, o Poly OX 05 é uma mistura otimizada de anticorrosivos, como tiuréia e aminas fílmicas voltadas principalmente para combate à corrosão em sistemas ácidos. A Polyorganic Tecnologia é uma empresa focada na comercialização de insumos químicos de performance para os mais variados setores da indústria, há 19 anos fornecendo soluções para o mercado de proteção anticorrosiva e materiais de última tecnologia para os segmentos em que atua. Além da linha de anticorrosivos, a empresa atua fortemente no setor de proteção contra contaminação microbiológica, fornecendo princípios ativos de conservação contra bactérias, algas, fungos e leveduras, os quais também são utilizados largamente em indústrias em geral, inclusive na indústria de óleos, fluídos e lubrificantes. •

LUBGRAX • Edição 14 • 2012 • 00


3º LUBGRAX MEETING

À espera do conhecimento Terceira edição do Lubgrax Meeting aposta na troca de informações entre os mais renomados profissionais do mercado de lubrificantes, graxas, óleos e fluidos para sedimentar o conhecimento no setor.

52 LUBGRAX ••Edição Edição14 15• •2012 2012 00 • LUBGRAX

LUBGRAX • Edição 14 • 2012 • 00


A informação, nos atuais dias de realidade virtual e velocidade acelerada, é sem dúvida o mais precioso patrimônio a que se tem buscado com exaustão, principalmente no mercado corporativo. Neste segmento em particular, conhecimento é um poderoso arsenal competitivo. Exatamente por isso, a terceira edição do Lubgrax Meeting – evento realizado neste ano pela Sell Solutions, empresa que adquiriu o direito de comercialização dos produtos sob a marca Lubgrax, incluindo o Meeting – vai colocar a informação e o conhecimento no centro do palco. Programado para ocorrer nos dias 4 e 5 de outubro, no Espaço Apas, em São Paulo, o 3º Lubgrax Meeting já tem uma confirmação de renome internacional e que atingiu os melhores índices de aprovação na edição passada, Ozires Silva, o maior nome da aviação brasileira. O profissional, que foi um dos idealizadores da Embraer, maior companhia nacional de aviação, e exerceu, entre outras importantes funções, a presidência da Petrobras, promete incendiar a plateia com sua palestra de abertura, cujo tema será “O mundo de hoje! O que queremos do futuro? Os demais palestrantes – que serão anunciados por meio de newsletters e notícias no site www.lubgrax.com.br – ainda estão sendo acertados, mas a organização já adianta que a grade de palestras seguirá as solicitações feitas pelo mercado através dos formulários de avaliação que foram entregues no final da edição anterior do Lubgrax Meeting. A expectativa dos diretores da Sell Solutions, Sergio Suassuna, Carlos Leite e Joel Leite, é que a programação completa esteja finalizada até maio. “Teremos, em breve, muitas novidades para o mercado e participantes do Lubgrax Meeting, incluindo algumas das novas tecnologias que estão sendo desenvolvidas nos mais importantes laboratórios de pesquisa de empresas globais”, assegura Joel Leite, diretor administrativo. A adesão à terceira edição do evento também já pode ser considerada um sucesso. Faltando ainda quase seis meses para a realização do Lubgrax Meeting, são várias as empresas que selaram sua participação: Dow, Lonza, Lupus, Lwart, Petrodidática, Miracema-Nuodex, Münzing, Schutz Vasitex e Sinproquim. “Nosso objetivo é superar o número de patrocinadores do evento anterior, o que acreditamos acontecerá em breve, 00 • LUBGRAX • Edição 14 • 2012

pois tem havido uma intensa procura por informações”, informa o diretor comercial Suassuna, acrescentando ainda que o espaço de exposição receberá um novo design de forma a profissionalizar ainda mais o evento e potencializar o contato entre fornecedores e clientes.

Expectativa

A última edição do evento, o 2º Lubgrax Meeting, realizado nos dias 16 e 17 de agosto de 2011, reuniu 307 congressistas contra os 205 no ano anterior, registrando crescimento de 50% no público visitante. Em relação aos patrocinadores, o incremento foi de 80%, de 10 investidores em 2010 para 18 em 2011. A média de público presente no Congresso ficou em torno de 70% do público total no primeiro dia de palestras e em 69,3% no segundo dia. Para este ano a organização almeja um incremento de participação em torno de 25%. “O Lubgrax Meeting já está consolidado dentro do cadeia de lubrificantes e o mercado já percebeu que pode contar conosco quando o assunto é informação de qualidade”, salienta Suassuna.

Área de exposição

Indo pela vertente da informação a Lubgrax adianta para o mercado um perfil de algumas das empresas que estão investindo no mercado e no 3º Lubgrax Meeting com o objetivo de levar até você, leitor, as melhores soluções para a sua empresa e seus clientes.

Ozires Silva: presence confirmada para a abertura do 3º Lubgrax Meeting

LUBGRAX LUBGRAX••Edição Edição15 14 •• 2012 2012 • 53 00


3º LUBGRAX MEETING

Dow A Dow é líder mundial na tecnologia de polialquileno glicóis (PAG). No Brasil conta com a produção local no Guarujá e projeto de aumento em 20% de sua capacidade até o final de 2012. Esta fábrica dedica-se a suprir o consumo brasileiro, cujo mercado de lubrificantes é o sexto maior do mundo com cerca de um milhão de toneladas ao ano. A linha de produtos da Dow (UCON™) já tem muitos anos de tradição no mercado e suas principais aplicações são fluidos hidráulicos, de compressores industriais, metal working e turbinas. A Dow possui uma completa linha de polialquileno glicóis (PAG) amplamente utilizados para formulação de lubrificantes sintéticos, bem como alguns produtos já formulados para aplicações específicas como compressores de ar, compressores de etileno, entre outros. Além disso, a Dow oferece suporte técnico/comercial local e possibilidade de desenvolvimento de soluções customizadas em seu laboratório, em São Paulo. As linhas trabalhadas para estes segmentos são: FLUENT LUB™, UCON™ e SYNALOX™. Todos os produtos agregam alta performance nos fluidos e lubrificantes, onde são usados como, base devido a baixa inflamabilidade, alta viscosidade e baixo custo. Durante o 3º Lubgrax Meeting a empresa pretende reforçar o compromisso de prover soluções diferenciadas para o mercado, tendo como foco o UCON OSP, fluido sintético base de polialquileno glicol compatível com óleos minerais e recém lançado para o mercado brasileiro no próprio Lubgrax Meeting em 2011. O UCON OSP possibilita a redução de custo nas aplicações que requerem maior competitividade e melhoria da performance, possibilitando, desta forma, o aproveitamento do que há de melhor em cada uma das químicas e o desenvolvimento de formulações de alto desempenho capazes de ampliar vantagem competitiva. Para a Dow, o Brasil mantém sua representatividade de líder na América Latina com aproximadamente 80% do consumo de lubrificantes sintéticos e apresenta um mercado já maduro, embora haja oportunidades em nichos de crescimento, especialmente aos mercados ligados à indústria automotiva. A fabricante acredita no potencial deste mercado e por isso conta com recursos para desenvolvimento e produção locais e um vasto portfólio direcionado para este setor. Como já foi dito, está será a segunda participação da Dow no Lubgrax Meeting, pois enxerga no evento uma ótima oportunidade para relacionamento e exposição do portfólio de lubrificantes. Para a empresa, presença de fornecedores e formuladores enriquece a discussão e fortalece a contínua busca da indústria por tecnologias diferenciadas e inovadoras. A Dow quer compartilhar com os participantes como pode contribuir para este desenvolvimento e aproveitar a 3° edição da Lubgrax para dar continuidade a este já iniciado trabalho. 00 • LUBGRAX 54 LUBGRAX ••Edição Edição14 15• •2012 2012

LUBGRAX • Edição 14 • 2012 • 00


Lonza

Schütz Vasitex

A Lonza é uma empresa global de biocidas com fábricas e laboratórios para controle microbiológico, físico químico e analítico para o desenvolvimento sustentável de biocidas e aplicações em diversos países, inclusive Brasil, focando sempre na inovação e fazendo investimentos constantes que direcionam as novas tendências a esse mercado.

Todo o portfólio de produtos da Schütz Vasitex está adequado para diversas aplicações no setor. A empresa oferece bombonas de 20 a 50 litros, tambores de 200 litros em resina reciclada e os produtos Schütz, mundialmente reconhecidos como a referência mundial em performance e confiabilidade: como os tambores plásticos F1, feitos com as tecnologias mais avançadas do mundo e que oferecem diversas vantagens operacionais em relação aos seus concorrentes; e os IBCs multicamadas, que apresentam funcionalidades únicas como a capacidade de armazenamento em zonas EX ou a barreira EVOH, que evita a permeação de gases para dentro ou fora do contentor. Estes sofisticados produtos, somados aos serviços de gestão dos mesmos, fazem da Schütz Vasitex o parceiro ideal para assumir atividades não estratégicas de seus clientes, com economia e segurança. “A Schütz Vasitex é uma empresa em franco crescimento e enxergamos os próximos anos com otimismo. Iniciamos o ano de 2012 com investimentos importantes na estrutura e na capacidade produtiva de nossas unidades, tanto na fabricação como no recondicionamento e reciclagem de embalagens”, relata Fabiano Morita, coordenador de marketing da empresa. Segundo ele, o mercado de lubrificantes é um segmento importante e extremamente competitivo para os fornecedores de embalagens industriais. “A atuação da Schütz Vasitex neste segmento ainda é pouco expressiva em volume, porém temos casos de grande sucesso com alguns clientes importantes”, avalia Morita, informando ainda que a empresa oferece soluções integradas que exigem um conhecimento mais detalhado da operação de seus clientes e, por isso, o Lubgrax Meeting é uma ótima oportunidade de se aproximarem de empresas que poderiam usufruir da estrutura e conhecimento da Schütz Vasitex em prol de maior competitividade. “De nossa parte, há um potencial enorme a ser explorado e desenvolvido, desde negócios relacionados ao ARLA 32 até operações offshore. O grupo Schütz atende alguns dos principais players do segmento globalmente e é muito importante manter este alinhamento no Brasil também”. Para o 3º Lubgrax Meeting a Schütz Vasitex apresentará a gestão de todo o ciclo de vida da embalagem, desde o fornecimento, passando pela gestão de frota, logística reversa e recondicionamento ou reciclagem das embalagens usadas. “O Lubgrax Meeting nos dará a oportunidade de mostrar que oferecemos não só as embalagens plásticas industriais mais avançadas do mundo, como detemos também todo o know how para uma gestão econômica e sustentável do ciclo de vida das mesmas”, finaliza.•

A Lonza possui uma ampla linha de bactericidas e fungicidas para esse mercado, tais como as linhas PROXEL®, DENSIL®, OMADINE®, OMACIDE ® E TRIADINE®. O cliente tem condições de escolher entre essas linhas os produtos os que mais se adequam a sua formulação tanto em termos de performance quanto em termo de utilização de produtos considerados mais “green”. “Nossa experiência em formulações de biocidas aliada ao suporte técnico e a uma política de atuação responsável oferecem aos nossos clientes o mais completo e inovador portifólio de bactericidas e fungicidas”, afirma Fabio Couto Forastieri, gerente de vendas para o Brasil da Lonza, acrescentando ainda que a Lonza, como a maior empresa de biocidas mundial e um dos maiores fornecedores de biocidas para esta área, enxerga o mercado de lubrificantes como estratégico para seus negócios. Segundo Forastieri, o mercado exige hoje produtos mais ecologicamente corretos, com o mínimo de restrições toxicológicas. “A Lonza está pronta a oferecer essa linha de produtos juntamente com todo o apoio técnico necessário a aplicação desses produtos”, informa. Para o profissional, o Lubgrax Meeting vem se despontando como uma excelente oportunidade de os fornecedores de insumos dessa área apresentarem palestras técnicas com as novas tendências e novidades para o setor. “A abordagem sobre novas tendências de biocidas, inovações e excelência em serviços será o nosso grande destaque para esse Lubgrax Meeting”, anuncia ele.

00 • LUBGRAX • Edição 14 • 2012

LUBGRAX LUBGRAX••Edição Edição15 14 •• 2012 2012 • 55 00


ARTIGO TÉCNICO

Novo tipo de fluido à base de éster para a próxima geração de lubrificantes fuel efficient Testes realizados pela Evonik Oil Additives* demonstram quais abordagens e formulações de óleo de motor são mais eficientes para a economia de combustível.

00 • LUBGRAX 56 LUBGRAX ••Edição Edição14 15• •2012 2012

LUBGRAX • Edição 14 • 2012 • 00


Uma das abordagens mais comuns para atender aos novos padrões de economia de combustível é utilizar óleo de motor de baixa viscosidade, normalmente, com o emprego de um fluido básico de baixa viscosidade. Um desafio deste processo é que este tipo de fluido, como Polialfaolefina (PAO) ou óleos básicos Grupo III, apresentam propriedades de alta volatilidade quando empregado o teste de volatilidade NOACK (ASTM D -5.800). O teste NOACK determina a perda por evaporação de lubrificantes em operação a altas temperaturas. O óleo de motor evapora e torna-se mais espesso e pesado, o que contribui para reduzir o índice de economia de combustível. A Evonik Oil Additives empregou este teste no desenvolvimento de um fluido básico capaz de contribuir para a lubrificação a altas temperaturas, enquanto mantém a viscosidade a níveis suficientemente baixos para auxiliar na redução do consumo de combustível. Ao longo dos anos, a Evonik Oil Additives vem oferecendo inúmeras soluções inovadoras para criar fluidos básicos de baixa viscosidade por meio da química de polímeros. Com mais de 60 anos de experiência no desenvolvimento de Melhoradores de Índice de Viscosidade (VIIs) à base de Polialquil Metacrilato (PAMA), pesquisadores da empresa têm explorado

00 • LUBGRAX • Edição 14 • 2012

muitos produtos químicos interessantes com ampla matriz de aplicações. Entre eles, estão os Alcoóis Graxos de Ésteres Trimetil Adipico - ou TMA Éster e polímeros à base de PAMA de alto desempenho na forma de VIIs. O uso destas substâncias, como o PAMA VIIs, é essencial para a criação de óleos de motor de última geração. Essencialmente, a abordagem das empresas para formular um óleo de motor fuel efficient é atingir os requerimentos viscosimétricos dos graus SAE. Isto envolve duas regras básicas: (1) baixa viscosidade cinemática a 40°C e alto índice de viscosidade são importantes para alcançar economia de combustível, especialmente na Europa, onde o New European Driving Cycle (NEDC) é utilizado para representar a utilização típica de um carro; (2) óleo básico com baixa perda por volatilidade permite a formulação de lubrificantes de baixa viscosidade e, desta forma, contribui para melhorar a economia de combustível (veja a tabela abaixo): Como ilustrado na tabela, o Éster TMA demonstra um excelente balanço entre baixa viscosidade e perda por evaporação. Além disso, o ótimo comportamento à baixa temperatura permite utilizar o éster em modernos fluidos de transmissão automotiva, bem como em aplicações industriais.

Em preparação para um teste de economia de combustível, a Evonik Oil Additives, em cooperação com a Fuchs Europe Schmierstoffe, formulou um (a) óleo básico à base de éster TMA e um (b) óleo de referência 0W30 com High Temperature, High Shear (HTHS) a 150°C, de 3.0 mPas e viscosidade cinemática a 40°C o mais baixo possível: (a) Óleo de motor contendo óleo básico à base de éster TMA e VII à base de PAMA de alto desempenho. (b) Óleo de motor de referência formulado com óleo básico grupo III e com polímero VII “star”. As amostras foram comparadas, separadamente, com um óleo de motor 5W30 disponível comercialmente com HTHS a 150°C, de 3.6 mPas. A economia de combustível para cada óleo foi medida por meio de um dinamômetro de chassis, com base nos parâmetros de teste NEDC. Os resultados dos testes demonstraram uma melhoria de 3,7% na economia de combustível para o óleo de motor formulado com éster TMA, quando comparado com o óleo de motor 5W30 disponível comercialmente. O óleo à base de éster TMA atingiu uma melhoria 2,7% superior ao óleo de motor de referência formulado com óleo básico grupo III. O resultado validou a tese de que a formulação com o óleo de motor contendo óleo básico à base de éster TMA e Melhorador

LUBGRAX LUBGRAX••Edição Edição15 14 •• 2012 2012 • 57 00


ARTIGO TÉCNICO

de Índice de Viscosidade à base de PAMA de alto desempenho contribuiria para uma economia de combustível adicional sem denegrir a performance do lubrificante. O teste demonstrou, ainda, que, a elevadas temperaturas, o fluido básico de baixa viscosidade com suas propriedades de baixa volatilidade permitiu um aumento de cerca de 4% da redução do consumo de combustível sobre um óleo de referência comercial. Ao mesmo tempo, o Melhorador de Índice de Viscosidade PAMA provou ser um ótimo “parceiro” do éster TMA, como propiciador de espessamento efetivo e, consequentemente, de lubrificação eficiente, mesmo a elevadas temperaturas de operação. Além disso, o óleo de motor formulado com a combinação éster TMA – polímero PAMA VII foi capaz de atingir uma viscosidade cinemática, a 40°C, 20 centistokes abaixo da formulação Grupo III – polímero Star. A formulação óleo de motor com éster TMA (o qual estará disponível na linha de produtos VISCOBASE) – polímero PAMA VII também provou ter boa compatibilidade com elastômeros. Como conclusão, os testes realizados pela Evonik Oil Additives mostram que óleos de motor formulados com blend de óleo básico à base éster TMA e polímero PAMA VII podem promover a economia de combustível adicional, assegurando lubrificação efetiva, permitindo, assim, aos formuladores uma ampla faixa de alternativas,

58 LUBGRAX ••Edição Edição14 15• •2012 2012 00 • LUBGRAX

como as que estes se empenham em obter em formulações específicas. Futuramente, aumentará a pressão por padrões de economia de combustível mais restritos, mesmo para óleos de motor de baixa viscosidade, e esta alternativa prova ser de grande valor. Com estes resultados preliminares promissores, a Evonik Oil Additives continua a validar estas descobertas e a explorar outras possíveis aplicações para o éster TMA. (*) Evonik, o grupo industrial criativo da Alemanha, é uma das principais empresas mundiais no segmento de especialidades químicas. Suas atividades se concentram nas principais megatendências saúde, nutrição, eficiência de recursos e globalização. A essência da estratégia corporativa da Evonik é o crescimento rentável e o aumento sustentado do valor da empresa. A Evonik se beneficia especificamente de seu talento inovador e de suas plataformas de tecnologia integrada. A Evonik atua em mais de 100 países no mundo inteiro. No ano fiscal de 2011, mais de 33.000 colaboradores geraram vendas em torno de 14,5 bilhões de Euros e um lucro operacional (EBITDA) de cerca de 2,8 bilhões de Euros. No Brasil, a história da Evonik Industries, começou em 1953. A empresa conta hoje com cerca de 500 colaboradores no País e seus produtos são utilizados como matéria-prima em importantes setores industriais, como: automotivo, biodiesel, borracha, construção civil, cosméticos, farmacêutico, nutrição animal, papel e celulose e plásticos. • Nota legal: Na medida em que expressamos previsões ou expectativas neste comunicado à imprensa, ou sempre que as nossas declarações sejam futuras, essas previsões, expectativas ou declarações podem envolver riscos conhecidos ou desconhecidos, além de incertezas. Os resultados ou progressos reais podem variar, dependendo de mudanças que ocorram no ambiente operacional. Nem a Evonik Industries AG, nem as empresas de seu grupo, assumem responsabilidades em relação à atualização das previsões, expectativas ou declarações contidas neste comunicado.

LUBGRAX • Edição 14 • 2012 • 00


TECHNICAL ARTICLE

New type of ester base fluids for the next generation fuel efficient lubricant formulations

00 • LUBGRAX • Edição 14 • 2012

LUBGRAX LUBGRAX LUBGRAX • •Edição •Edição Edição 1515 14 • •2012 • 2012 2012• •5959 00


TECHNICAL ARTICLE

Testing conducted by Evonik Oil Additives which demonstrate approaches and formulations of motor oil are more efficient for fuel economy.

00 60 • LUBGRAX LUBGRAX ••Edição Edição14 15• •2012 2012

One of the common approaches to meeting new standards for higher levels of fuel economy is to use lower viscosity engine oil, usually employing a lower viscosity base fluid. One challenge to this approach is that low viscosity base fluids, such as PAO and Group III base oil, exhibit higher volatility properties when employing the NOACK volatility test (ASTM D-5800). The NOACK test determines the evaporation loss of lubricants in high-temperature service. The more motor oils vaporize, the thicker and heavier they become, contributing to reduced fuel economy. Evonik Oil Additives employed the NOACK measurement in its efforts to develop a base fluid capable of contributing sufficient lubrication at elevated temperatures, while maintaining viscosity at a level low enough to help achieve fuel economy benefits. Over the years, Evonik Oil Additives has developed a number of novel solutions employing polymer chemistry to create low viscosity base fluids. With a rich heritage of over 60 years of experience in developing PAMA (polyalkyl methacrylate) Viscosity Index Improvers (VIIs), Evonik research scientists have explored many interesting new chemistries with a wide array of applications. Among them are Trimethyl Adipic Esters of Fatty Alcohols, or TMA esters; as well as high-performance polyalkyl methacrylate-based polymers in the form of VIIs. The use of VIIs e.g. PAMA VIIs is essential for formulating modern engine oils.

Essentially, the company’s approach to formulating a fuel-efficient engine oil is to first meet the viscometric requirements of the SAE grades. Some ground rules: (1) a low KV40°C and a high VI are important as enablers of fuel economy, especially in Europe, where the New European Driving Cycle (NEDC) is used to represent the typical usage of a car; (2) low base oil volatility losses enable formulation of lower viscosity lubricants and thereby contribute to improved fuel economy (see chart below). As illustrated in the chart, TMA ester demonstrates a unique balance of low viscosity and volatility loss. Besides that its excellent low temperature behavior makes the ester preset to be used in modern automotive transmission fluids and industrial applications as well. In preparation for a fuel economy test, Evonik Oil Additives in cooperation with Fuchs Europe Schmierstoffe formulated the (a) TMA- ester base oil and a (b) “benchmark” oil as 0W-30 formulations with a High Temperature, High Shear Stability(HTHS) Viscosity at 150°C of 3.0 mPas and the lowest possible kinematic viscosity (KV40°C): (a) Engine oil comprising TMA ester base oil and high-performance PAMA viscosity index improver (b) Benchmark Group III engine oil formulated with a “star” polymer VII

LUBGRAX • Edição 14 • 2012 • 00


Each was also separately compared to a commercially-available 5W-30 engine oil with a HTHS150 of 3.6 mPas. Fuel Economy for all three engine oils was measured using a chassis dynamometers employing the NEDC test parameters. The tests results showed a 3.7 percent improvement in fuel economy for the engine oil formulated with TMA ester, when compared to the commercially-available benchmark oil. The TMA ester-based oil achieved a 2.7 percent improvement over the formulated benchmark oil. The results validated the expectation that the TMA ester base oil –PAMA VII formulation would contribute to additional fuel economy without denigrating lubricant performance. It demonstrated that, at elevated temperatures, the low viscosity base fluid with its low volatility properties facilitated a nearly four percent increase in fuel economy over a commercial benchmark. At the same time, the PAMA VII proved to be a capable “partner” to the TMA ester, as it provided effective thickening, and thus sufficient lubrication, even at the elevated operating temperatures.

00 • LUBGRAX • Edição 14 • 2012

In addition, the engine oil formulated with the TMA ester – PAMA VII combination was able to reach a KV40°C measurement 20 centistokes lower than the Group III – star polymer formulation. The TMA ester (which will be available under the VISCOBASE range of products)– PAMA VII engine oil formulation also proved to have good compatibility with common elastomer seals. In conclusion, the Evonik Oil Additives tests show that engine oils formulated with a blend of TMA ester base oil and PAMA VIIs can provide additional fuel economy, while ensuring sufficient lubrication, thereby allowing blenders a wider range of alternatives as they strive to reach specific formulation targets. As future, more stringent fuel economy standards increase pressure for even lower viscosity engine oils, this additional alternative may prove to be of even more value. With these promising first results, Evonik Oil Additives continues to validate these findings and is exploring other lubricant applications as candidates for the TMA ester base.•

LUBGRAX LUBGRAX••Edição Edição15 14 •• 2012 2012 • 61 00


Lubriquim e Avia-Bantleon criam Avia-Lubrisint

Produtos & Serviços

62 LUBGRAX ••Edição Edição14 15• •2012 2012 00 • LUBGRAX

A Lubriquim Produtos Químicos e a AVIA-Bantleon, empresa alemã e um dos maiores fabricantes de óleos em nível mundial, anunciam a parceria no Brasil, denominada Avia-Lubrisint /Bantleon. O objetivo da parceria é gerar uma grande sinergia entre as atividades de ambas as empresas para introduzir novos e avançados produtos lubrificantes e ampliar serviços e tecnologias que resultem num pacote de valor para o mercado, traduzido na melhoria de desempenho de máquinas e equipamentos e redução de custos para seus clientes. Para os dirigentes das empresas, contribuiu muito para essa decisão o fato de o mercado brasileiro de lubrificantes estar entre os maiores do mundo, além da estabilização da economia brasileira, com sinais de sólido crescimento continuado. Em razão desses fatores, as duas empresas consideraram ser o momento atual o mais propício para se investir conjuntamente neste mercado. A perspectiva de crescimento, a partir da união das duas companhias, é bastante acentuada. Para a Lubrisint Lubrificantes Sintéticos Especiais, a união representa uma oportunidade de ampliar entre seus clientes, a percepção de que a marca permite a facilidade de encontrar tudo que necessitam num único ponto de venda – lubrificantes de grau alimentício (certificados pelo NSF – H1), óleos sintéticos, óleos minerais, óleos protetivos, graxas sintéticas, desengraxantes e lubrificantes de tecnologia superior utilizados em máquinas e equipamentos, empregados no transporte de carga, em operações agrícolas e de navegação, nos campos de mineração, construção, em indústrias e de geração de energia. Além de ampliar as possibilidades de vendas de produtos de qualidade já

disponíveis na linha da Lubriquim, a parceria permitirá agilizar pesquisas e o desenvolvimento de novos e avançados produtos customizados, segundo as necessidades de cada cliente. A marca Avia, nasceu na Suíça em 1927, fruto da associação de sociedades petrolíferas e produtores de lubrificantes independentes, os quais se debatiam com a concorrência agressiva das grandes companhias multinacionais e mundiais. A Hermann Bantleon foi fundada há mais de 90 anos como fabricante de casco, couro e carrinho de graxa, óleo vegetal e sabão em pó. Hoje, as atividades da empresa globalmente ativa Hermann Bantleon GmbH é focada em lubrificantes,

inibidores de corrosão e serviços de otimização de processo integrado. Como acionista e membro alemão do grupo Avia/Avia Internacional, a Bantleon gera parte de suas receitas com vendas de óleo combustível, gás e aquecimento, e, no entanto, a empresa está focada principalmente na demanda, como indústria, e na solução de problemas. Empresa nacional fundada em 1982, como Lubriquim Produtos Químicos Ltda. e atuação nos segmentos de lubrificantes especiais, graxas e óleos sintéticos, desengraxantes e produtos químicos, a Lubrisint tem como propósito a satisfação de seus clientes, garantindo produtos que combinam alta tecnologia com rigoroso controle de qualidade, seguindo todos os padrões estabelecidos internacionalmente, com o diferencial de atingir custos inferiores aos apresentados pelos lubrificantes especiais importados, o que nos torna competitivos no mercado atual.• LUBGRAX • Edição 14 • 2012 • 00


Grupo Freudenberg estrutura gestão de RH e comunicaçãocorporativa no Brasil O Grupo Freudenberg, conglomerado industrial de origem alemã com mais de 160 anos e presença em 59 países, anunciou a contração da executiva Simone Sá (foto) para a gestão de Recursos Humanos e Comunicação Corporativa no Brasil. Sua chegada representa um importante passo em direção à criação de uma estrutura corporativa para assuntos estratégicos e fortalecimento de cultura organizacional das sete empresas presentes no País: Chem-Trend, EagleBurgmann, Freudenberg Não Tecidos, Freudenberg-NOK, Klüber Lubrication, SurTec e Vibracoustic. Simone Sá é psicóloga com pós-

graduação em Administração de Recursos Humanos, área onde atua há 12 anos com foco em atração, desenvolvimento e retenção de profissionais. Antes de chegar ao Grupo Freudenberg, passou pela Nestlé e Elevadores Atlas Schindler, além de ter atuado por sete anos em consultoria em processos de assessment, headhunting e treinamentos. Entre os desafios da executiva estão o alinhamento das práticas de RH entre as empresas do Grupo no País para fortalecer a cultura organizacional; a criação de um modelo de RH padrão Freudenberg para garantir a atração, desenvolvimento e

retenção de talentos; identificar oportunidades de sinergia em RH e Comunicação Corporativa, com foco no compartilhamento de melhores práticas e no aprendizado contínuo; e gestão das ações de comunicação corporativa. O Grupo Freudenberg, de origem alemã, atua nos segmentos de vedação, controle de vibrações, não tecidos, lubrificantes especiais, agentes desmoldantes, filtração, dentre outros. Emprega mais de 34 mil pessoas em 59 países, com um faturamento anual acima de € 5,4 bilhões.•

Consolid apresenta novidades na FENAGRA 2012 A Consolid, empresa que oferece soluções completas e customizadas para processos industriais, desde o recebimento da matériaprima até o produto final, marcou presença na FENAGRA 2012, que ocorreu nos dias 8 e 9 de maio, no Espaço Frei Caneca de Convenções, São Paulo, SP. Em sua 7ª edição, a feira tem o objetivo de unir os principais players da cadeia produtiva de graxarias e a interação entre os mercados da

00 • LUBGRAX • Edição 14 • 2012

indústria pet food com indústrias de farinhas e gorduras animais. A expectativa dos expositores para este ano é uma elevação da ordem de 15%. Durante o evento, a Consolid, por meio de uma das empresas do Grupo, a Rodrinox, apresentou as novidades dos equipamentos: Misturadores em “V” (foto) e MH-20. No estande da empresa, uma equipe especializada esteve disponível para detalhar as características técnicas e de

funcionamento a todos os visitantes. Segundo Roberto Weiss, diretor do Grupo Consolid, “participar deste evento é muito importante para apresentar as novidades e tendências de equipamentos para o setor. Esta troca de conhecimento e experiências é fundamental para o crescimento do mercado”, comenta.Com mais de 20 anos de expertise, a Consolid disponibiliza soluções completas e customizadas para processos industriais em processamento de pós, pastas, granulados e líquidos. Entre os diversos setores de atuação na economia, destacam-se os seguintes: construção civil, alimentício, químico, plástico, farmacêutico, cosmético, fundição, agro-negócios, biodisel, produtos de limpeza, mineração e papel/celulose. Em janeiro de 2012 a empresa fechou parceria com a americana Littleford Day Inc para ampliar a oferta de produtos no País, além de começar a fabricar parte dos equipamentos da Littleford no Brasil e  inaugurar novos laboratórios de

testes. Com fábrica em Poá (SP), a Consolid emprega 70 funcionários e alcançou um faturamento de R$ 10 milhões em 2011, o dobro se comparado a 2010. A expectativa para este ano é manter este crescimento acelerado e dobrar novamente o faturamento alcançado em 2011. Empresa do Grupo Consolid, a Rodrinox vem há 22 anos atuando na fabricação de reatores, emulsificadores, misturadores, agitadores e filtros para líquidos, utilizado em processos industriais. Atualmente, figura na lista das três maiores empresas do setor e atua fortemente nos segmentos farmacêutico, cosmético e veterinário, além de química, resinas e alimentício. Conta com uma fábrica na capital paulista e possui grandes clientes, entre os quais Vepê Ind. Alimentícia, Basf S/A, Parmalat, Quaker Alimentos, Eurofarma, Gessy Lever, Cargill, Reckitt Benckiser, Cocamar, Rhodia-Ster, Natura, Akzo Nobel, Pfizer, Niasi, Johnson&Johnson, Novapol Plásticos, entre outros.• LUBGRAX LUBGRAX••Edição Edição15 14 •• 2012 2012 • 63 00


AGC anuncia primeira fábrica no Brasil A AGC, líder mundial em fabricação de vidros, produtos químicos e materiais de alta tecnologia, realizou, em 18 de abril, cerimônia de lançamento da pedra fundamental da primeira fábrica da

empresa no País, sediada em Guaratinguetá, interior de São Paulo. O evento comemora o início das obras da novas instalações e contou com presença do presidente & CEO da AGC, Kazuhiko Ishimura. Com previsão de inauguração para 2013, a fábrica terá sua linha de produção focada no desenvolvimento de vidro para construção civil e segmento automotivo. Em 2016, a instalação deverá contar com aproximadamente 500 funcionários nas operações, a maioria da cidade de Guartinguetá e região. A previsão é que neste mesmo ano a capacidade de produção atinja 220 mil toneladas de vidro para construção civil ao ano. A fábrica deve, ainda, produzir vidro automotivo para mais de 500 mil carros por ano até 2016. “Hoje é um dia muito importante para o Grupo AGC. É o primeiro passo de uma longa e próspera jornada que será realizada junto

ao povo brasileiro. Temos a grande convicção de trazer a AGC para crescer junto com o Brasil e com todos os brasileiros”, declarou Ishimura, durante discuros aos cerca de 300 convidados. O executivo também reforçou outros três pontos principais para a chegada da empresa no País: a importância do Brasil para o Grupo AGC, os esforços do grupo para a sustentabilidade e a contribuição da AGC para a sociedade brasileira por meio de seus produtos e soluções. “Para nós, o estabelecimento da primeira fábrica na América do Sul é um grande sonho se tornando realidade. Estou muito feliz por ser capaz de dar o primeiro passo para este grande marco de parceria com este mercado tão atraente, que é o Brasil. Nós, do Grupo AGC, pretendemos ficar no Brasil por um longo período, e fornecer ao país produtos e serviços da mais avançada tecnologia do mundo, agora fabricados no Brasil por brasileiros

para os clientes brasileiros”, afirmou. A AGC Vidros do Brasil Ltda., subsidiária e parte do Grupo AGC, será a responsável pelos negócios da empresa no Brasil. Estas operações incluem as atividades da nova fábrica, que contam com a liderança de Davide Capellino, presidente & CEO da AGC Vidros do Brasil. O Grupo AGC, com sede global localizada em Tóquio como Asahi Glass Co., Ltd., é líder na produção de vidro plano, automotivo e displays, assim como produtos químicos e outros materiais de alta tecnologia e componentes para vários segmentos e indústrias. Contando com mais de um século de inovação no mercado, o Grupo AGC apresenta as tecnologias mais avançadas do mundo em vidro, flúor e cerâmica. O grupo emprega cerca de 50 mil pessoas em todo o mundo e gera vendas anuais de mais de US$ 15 bilhões por meio das suas operações em mais de 30 países. •

Dow e Whirlpool patrocinam National Symphony Orchestra A The Dow Chemical Company, líder no setor químico mundial, e a Whirlpool Latin America, líder mundial do mercado de eletrodomésticos, representada na região pelas marcas Whirlpool, Consul, Eslabón de Lujo, KitchenAid, Brastemp, Acros, Maytag e Jenn-Air, trazem para a América Latina a National Symphony Orchestra (NSO), um dos maiores tesouros nacionais norte-americanos na música e nas artes. As apresentações, previstas para junho, ocorrerão no Brasil (São Paulo e Rio de Janeiro), México, Argentina (Buenos Aires e Rosario) e Uruguai (Montevideo). “A Dow e a Whirlpool são indústrias globais líderes em suas áreas de 00 64 • LUBGRAX LUBGRAX ••Edição Edição14 15• •2012 2012

atuação. Compartilhamos pilares importantes para nossos negócios, como Inovação, Diversidade e Sustentabilidade, e nos orgulhamos de presentear a América Latina com uma das preciosidades artísticas dos Estados Unidos: concertos da National Symphony Orchestra”, afirma Daniella Souza Miranda, diretora de assuntos institucionais e governamentais da Dow para a América Latina. “É uma honra para a Dow anunciar essa turnê de grandes expoentes da música clássica mundial”, completa. Com 33 fábricas e mais de 4 mil funcionários, a Dow está presente na América Latina desde 1956. Essa iniciativa reforça ainda mais

o compromisso e investimento da companhia na região. “A presença da National Symphony Orchestra na América Latina é um momento histórico para a Whirlpool, para a Dow e para os países pelos quais a NSO passará. É um privilégio contribuir com a promoção à cultura e o incentivo à diversidade e à inclusão por meio da música”, ressalta Armando Valle Jr., vice-presidente de Relações Institucionais e Sustentabilidade da Whirlpool Latin America. Fundada em 1931 nos Estados Unidos, a National Symphony Orchestra (NSO) tem uma história marcada por grandes apresentações no mundo todo — incluindo

cerimônias de Estado e inaugurações presidenciais. Mas a América Latina é um lugar especial. Foi aqui que a NSO fez sua primeira turnê no exterior, em 1959, com 58 concertos em 19 países, inclusive no Brasil. Composta hoje por 100 músicos, a NSO, é afiliada desde 1986 ao The John F. Kennedy Center for Performing Arts, centro nacional dedicado à cultura e às artes. A NSO apresenta mais de 170 concertos por ano, incluindo sinfonias, novos trabalhos, música de câmara e concertos populares e educacionais. A NSO já recebeu um Grammy em 1996, na categoria Melhor Álbum de Música Clássica.• LUBGRAX • Edição 14 • 2012 • 00


GUIA DE PRODUTOS ADITIVOS

ADITIVOS

ADITIVOS

ADITIVOS

ADITIVOS

ADITIVOS

BIOCIDAS

ÉSTERES

EQUIPAMENTOS PARA LUBRIFICAÇÃO

FLUIDOS E ÓLEOS

GRAXAS

INSTRUMENTAÇÃO ANALÍTICA

LUBRIFICANTES

SÍLICA PIROGÊNICA

SÍLICA PIROGÊNICA

00 • LUBGRAX • Edição 14 • 2012

LUBGRAX LUBGRAX••Edição Edição15 14 •• 2012 2012 • 65 00


Confira a edição online desta edição no site www.lubgrax.com.br

No portal da Revista Lubgrax você também pode conferir as seguintes noticiais:

Manaus terá nova distribuidora de lubrificantes de bandeira Shell

Desde março deste ano, a Shell conta com uma nova distribuidora exclusiva de lubrificantes atuando forte no norte do País. Trata-se da Meta, ligada ao Grupo Empresarial Atem –atuante no mercado de distribuição de combustíveis desde 2002–, que vai cobrir os estados do Amazonas, Acre, Rondônia e Roraima, e pretende alcançar a marca de R$ 700 mil mensais de faturamento só com produtos Shell.

Klüber Lubrication lança nova graxa sintética na Mecânica 2012

A Klüber Lubrication, especializada em soluções com lubrificantes especiais, lançará a nova graxa sintética Klüberspeed BFP 42-32 na Mecânica 2012 (29ª Feira Internacional da Mecânica), entre 22 e 26 de maio, no Pavilhão do Anhembi, em São Paulo (SP).

Conheça o Bunker I

Na área de Publicações/Vídeo do portal www.lubgrax.com.br você pode conferir a entrevista realizada pelo programa Momento Ciência com o Bunker I, o primeiro banco de provas de motores marítimos do Hemisfério Sul voltado para pesquisa e desenvolvimento de óleos pesados e lubrificantes navais.

Algar Agro amplia as operações no ‘’Mapito’’

A Algar Agro, braço da holding Algar, sediada em Uberlândia (MG), deverá inaugurar em junho, no Maranhão, sua segunda planta de refino e envase de óleo de soja. Incluída em um pacote de investimentos de cerca de R$ 100 milhões, que também prevê a construção de três armazéns, a fábrica está localizada no complexo de processamento de soja da empresa em Porto Franco, área de Cerrado no sudoeste maranhense, e representa mais um passo para a consolidação dos negócios no Nordeste.

Graxarias faturam US$ 6 bi e se associam na América Latina

O segmento de reciclagem animal, responsável por transformar subprodutos da pecuária em farinhas e óleos graxos, movimenta US$ 6 bilhões ao ano na América Latina, segundo estimativa do vice-presidente da recém-criada Associação LatinoAmericana de Plantas de Rendimento (ALAPR), Alexandre Ferreira. A entidade, formada na semana do dia 07 de maio, reúne seis países e indica que o ramo das graxarias - tradicionalmente desarticulado - está se organizando no Brasil e na região. 66 LUBGRAX ••Edição Edição14 15• •2012 2012 00 • LUBGRAX

LUBGRAX • Edição 14 • 2012 • 00


qualidade, eficiência, experiência, inovação e responsabilidade. Todos os elemenTos essenciais para uma química perfeiTa.

e Exp

riên

c

o ia n

Seg

m

od ent

eP

r

ss oce

os

I

st ndu

riai

s

• logística diferenciada e avançada • planejamento de suply chain, manutenção de estoques reguladores e atendimento “Just in Time” aos clientes • Garantia da qualidade e boas práticas de fabricação • sala limpa para envase e armazenagem padrão Gmp • auditorias internas de avaliação e efetividade do sistema de Garantia de qualidade • capacitação contínua de funcionários • realização de análises físico químicas em laboratório próprio equipado • atendimento rápido, ágil e eficiente • equipe de desenvolvimento focada em novas matérias-primas e novos fornecedores ade

alid

Qu

a enç

bal

visite nosso site: www.quimicanastacio.com.br e conheça nossa linha completa de matérias-primas.

Glo

s

Pre

iva

etit

z fica

e

p Com

E tica

ís

Log

00 • LUBGRAX • Edição 14 • 2012

LUBGRAX • Edição 14 • 2012 • 00


BAUCH & müller werBeAgentUr gmBH

TAMBORES SCHÜTZ F1 – A referência mundial, made in Brazil.

Descubra as características únicas do SCHÜTZ F1 – o inovador tambor de tampa fixa que combina alta performance com economia, sustentabilidade e segurança para o produto envasado. Fabricado em instalações de última geração, o SCHÜTZ F1 é sopro moldado com tecnologia multicamadas e matéria prima de altíssima qualidade, apresentando camada interna livre de pigmentos que o torna ideal para o envase de produtos que exigem alto grau de pureza. Com peso otimizado, alta resistência química e estrutural e excelentes características de manuseio, esta é a nova geração e a referência mundial em tambores plásticos. Para14mais 00 • LUBGRAX • Edição • 2012informações,

visite: www.schuetz-vasitex.net

SCHÜTZ VASITEX Industria de Embalagens S.A. Viela Urga, 692 Guarulhos – SP Brasil - CEP 07175 - 332 Phone (+55) 11-2436-3760 Fax (+55) 11-2436-3508 E-mail contact@schuetz-vasitex.net www.schuetz-vasitex.net LUBGRAX • Edição 14 • 2012 • 00


Lubgrax - Ed. 15