Page 1

dezembro de 2015 Fetec-CUT-PR | Apucarana, Arapoti, Campo Mourão, Cornélio Procópio, Curitiba, Guarapuava, Londrina, Paranavaí, Toledo e Umuarama

Quero todos na áudio! Acabei de aumentar as metas...

Hoje é Dia da Previdência!

Se vocês não baterem as metas, quem vai bater sou eu.

Cadê as planilhas com os produtos vendidos?

Será que as metas nunca vão ter um limite?

Assim vou ter que tomar mais remédios...

Bancários do Paraná paralisam agências MOBILIZAÇÃO EXIGE RESPEITO E O FIM DAS COBRANÇAS DESMEDIDAS PELA VENDA DE PRODUTOS Nesta terça-feira, 08 de dezembro, bancários do Bradesco do Paraná estão mobilizados, paralisando várias agências no estado até as 12h00, para protestar contra a ganância, a exploração, o autoritarismo

e a falta de valorização por parte do banco. “O fato é que o Bradesco tem imputado aos bancários a responsabilidade pela venda de produtos, que nem sempre são atraentes aos clientes. Sabemos que o papel do bancário é ‘oferecer’ e cabe ao cliente a decisão de ‘comprar’ o produto. A cobrança pelo cumprimento dessas metas tem sido feita de forma insistente, abusiva, desrespeitosa e humilhante”, descreve Ademir Vidolin, secretário

de Saúde da Fetec-CUT-PR. “Apesar de toda a dificuldade que a economia passa, o Bradesco aumenta as cobranças e ameaça de demissão os trabalhadores. Isso tem causado estresse e adoecimento na categoria”, acrescenta o dirigente sindical. Os bancários do Bradesco exigem mais respeito e melhores condições de trabalho, pois são os verdadeiros responsáveis pelos altos lucros do banco ao longo dos anos.


Contra Ponto • jornal estadual do Bradesco

dezembro de 2015

! A T S A B DENÚNCIAS SOBRE PRESSÃO DESMEDIDA EM TODO O ESTADO NÃO PARAM DE CHEGAR Nos primeiros nove meses de 2015, o Bradesco já lucrou R$ 12,8 bilhões. Em 2014, o lucro anual havia sido de R$ 15,4 bilhões. “Em vez de valorizar seus funcionários pelos excelentes resultados já

alcançados, o Bradesco, na sua ganância por mais lucro, explora e submete-os a um enorme terrorismo psicológico, que na prática se aplica como verdadeiras sessões de tortura. Prova disso é aumento do número de bancários tomando medicação controlada (tarja preta) para conseguir aguentar a pressão”, ressalta Ademir Vidolin, secretário de Saúde da Fetec-CUT-PR A Federação recebe, através de seus Sindicatos

filiados, reclamações e denúncias de bancários de todo o Paraná sobre a forma como a Diretoria Regional do Bradesco cobra a equipe gerencial: a falta de reconhecimento, as ironias e humilhações, além das ameaças constantes de demissão, fazem parte do receituário utilizado pelo banco. “Os trabalhadores não suportam mais esse tipo de tratamento!”, acrescenta Ana Cláudia Moreira Ribeiro diretora do Sindicato dos Bancários de Londrina e região.

Metas e métodos de gestão BANCO NÃO LEVA EM CONSIDERAÇÃO ESPECIFIDADES E IMPÕE ROTINA DOENTIA AOS TRABALHADORES A busca pelo cumprimento das metas desmedidas estipuladas pelo Bradesco faz com que os métodos de gestão aplicados pela Diretoria Regional do banco sejam doentios, repetem as palavras “bater as metas” como se fosse um mantra sagrado. As cobranças não levam em consideração as especificidades de cada região do estado, a sazonalidade, a falta de funcionários, o aumento

ou a redução da base de clientes e a saturação dos produtos já vendidos, entre outros. O resultado desses métodos de gestão usados pela Diretoria Regional, que rasgou e jogou no lixo o Código de Ética, é a transformação da rotina do bancário em um ‘inferno’, que inclui principalmente as famosas áudio conferências e cobranças três vezes ao dia. “Os trabalhadores são também obrigados a aguentar o ‘Dia do Produto’ e a trabalhar mais para complementar os resultados das agências em dificuldades, alavancando posição no ranking entre as diretorias”, relata Karla Huning, diretora do Sindicato dos Bancários de Curitiba e região.

A ROTINA INFERNAL DOS BANCÁRIOS DO BRADESCO 09h00 • Através de áudio conferencia, os gerentes são obrigados a assumir o compromisso de efetivação de vendas dos produtos. 12h00 • Os bancários são questionados sobre o que já venderam e o que estão fazendo para cumprir o compromisso assumido naquela manhã. 17h00 • Os gerentes devem se posicionar sobre o que foi cumprido e se conseguiram efetivar as vendas. Em caso de sucesso, não fizeram mais que a obrigação; caso não tenham cumprido a promessa, devem justificar porque não o fizeram e são expostos a aprender com quem conseguiu bater a meta.

Bradesco continua demitindo Apesar do lucro líquido do Bradesco ter apresentado crescimento de 18,6 % nos nove primeiros meses do ano, o banco continua cortando postos de trabalho. Em um período de 12 meses, os empregos decaíram 5,2%. O número de empregados na holding em setembro de 2015 era de 93.696, com corte de 5.153 postos de trabalho

em um ano, comparado a setembro de 2014. Seguindo as tendências do setor, o Bradesco deseja que seus próprios clientes executem as operações de forma totalmente digital, usando o Internet bank ou o Mobile bank, entre outros. Na última semana, o movimento sindical reclamou ao setor de Recursos Humanos (RH) do

banco sobre um processo de demissões de Gerentes Executivos de Negócios (GEN) em São Paulo. “Demissão também é a palavra que assombra os bancários do HSBC, futuros funcionários do Bradesco”, declara Edson Martins Nascimento, diretor do Sindicato dos Bancários de Campo Mourão e região.

Contra Ponto, jornal estadual do Bradesco, produzido pela Federação dos Trabalhadores em Empresas de Crédito do Paraná (Fetec-CUT-PR) • Rua XV de Novembro, 270, sala 510, Curitiba-PR • Telefone (41) 3322-9885 • Fax (41) 3324-5636 • Redação: Renata Ortega • Arte final e Diagramação: Alinne Oliveira • Impressão: Multigraphic • Tiragem: 2.200 exemplares • fetec@fetecpr.org.br

Contra Ponto  
Contra Ponto  

Dezembro de 2015.

Advertisement