Page 1

Especial Itaú Unibanco

ANO XVII - 26 de julho de 2011

Na defesa do emprego

Foto: Greg Salibian/iG

Quando comprou o Unibanco, Roberto Setúbal afirmou que não haveria demissões. Em 2011, somente em Curitiba e região já foram demitidos 122 bancários.

Basta de demissões! LUCRO DO ITAÚ UNIBANCO NÃO PARA DE CRESCER. ENQUANTO ISSO, BANCO INICIA ESCALADA DE DEMISSÕES A média de demissões no Itaú está aumentando a cada dia e é preciso uma grande mobilização nacional, com a participação de todos os funcionários, para barrar esses desligamentos. As demissões, que antes estavam restritas a alguns departamentos, agora atingem a rede de agências. Só no período de 01 a 22 de julho, 21 bancários de Curitiba e região foram desligados no Itaú, sendo 17 trabalhadores de agências (outros três foram demitidos, mas estão impedidos de se desligar do banco por possuirem liminar). Nacionalmente, cerca de 100 bancários são desligados por dia no Itaú Unibanco. Somente na base do Sindicato dos Bancários de Curitiba e região, de janeiro a julho de 2011, com levantamento até dia 22, foram 122 demissões (sem justa causa ou a pedido), a

maioria na rede de agências. Consequências – A falta de funcionários nas agências está sobrecarregando os poucos que restam em serviço. O Sindicato constatou que os gerentes operacionais e tesoureiros estão sendo obrigados a trabalhar nos caixas, inclusive com cobrança para cumprir metas com venda de produtos, acumulando funções. Alguns sequer conseguem fazer horário de almoço, precarizando as condições de trabalho. “O Sindicato condena esta prática inaceitável do Itaú. Não podemos ficar parados diante desta situação. Vamos, juntos, lutar contra essas demissões”, afirma Otávio Dias, presidente do Sindicato. Em ação – Em ato realizado na terça-feira, 19 de julho, os bancários alertaram a população sobre o descaso do Itaú com seus fun-

cionários e clientes. Em todo o Paraná, 21 agências foram fechadas no Dia Nacional de Luta. Na área central de Curitiba, oito agências do Itaú fecharam durante a manhã do dia 19. Os bancários paralisaram as atividades em protesto contra as demissões que estão ocorrendo em todo o país. Lucros – Após a compra do Unibanco, em 2008, houve a promessa de que o Itaú não iria demitir seus funcionários. Mais uma promessa não cumprida. Os funcionários trabalham apreensivos, sob pressão e com medo de demissão. No entanto, lidera o ranking de lucro dos bancos que atuam no país. Em 2010, o lucro foi de mais de R$ 13 bilhões e no 1º trimestre de 2011 já atingiu R$ 3,5 bilhões. O balanço semestral de 2011 será divulgado em 02 de agosto. Com estes resultados, fica a pergunta: será que o banco Itaú precisa demitir?

2011: Desligamentos em Curitiba e região Janeiro

13

Fevereiro

04

Março

30

Abril

14

Maio

16

Junho

09

Julho (até dia 22)

21

Impedidos por liminar do Sindicato

15


Programa Gestão de Perfomance

Fitas de caixa

Denuncie abusos na revisão de metas do Itaú DENÚNCIAS SERÃO COBRADAS NAS NEGOCIAÇÕES COM O BANCO O Programa Gestão de Performance do banco Itaú tem revisão de metas no período de 01 de agosto a 09 de setembro. O Sindicato dos Bancários de Curitiba e região alerta para que os trabalhadores procurem a entidade e denunciem qualquer tipo de abuso por parte do banco. O Sindicato tem conhecimento de casos de bancários que se obrigam a vender empréstimo para filhos, irmãos ou a parcelar a fatura do cartão de crédito de parentes. “A venda de produtos por bancários da área operacional é um abuso do Itaú que o Sindicato condena”, informa o dirigente sindical Junior Cesar Dias, Secretário de Organização e Mobilização da Base. Denuncie – O Sindicato quer que os bancários do Itaú denunciem estes abusos agora, quando as metas ainda serão revisadas,

para que o movimento sindical possa interferir durante as negociações com o banco. Da forma como está, a remuneração do Programa Gestão de Performance para bancários da área operacional é totalmente coberta pela Participação nos Lucros (PLR), que é um direito conquistado na Convenção Coletiva de Trabalho. Atualmente, a única pessoa que ganha mais que a PLR na área operacional é o primeiro colocado no cumprimento de metas entre as agências da região. Gestão de Performance – De acordo com informações disponíveis no banco Itaú, o sugestivo “Programa de Gestão de Performance” tem como característica a seguinte descrição: “Esta ferramenta trabalha para a sedimentação da cultura de alta performance dentro da organização e torna o processo de avaliação de desempenho mais simples e claro. A

definição de metas individuais para todos os colaboradores atrelará a remuneração e as oportunidades de maneira direta aos resultados alcançados”. Essa “ferramenta” prega a individualização do serviço bancário, em detrimento da coletividade, uma armadilha que o bancário não pode cair. “O valor pago a título de PLR é um direito adquirido e certo. Já a pressão pelas metas, do cumprimento de 150%, só degrada as condições de trabalho e a saúde das pessoas, já que é pequeno o número de bancários que consegue ultrapassar o valor da PLR com o programa próprio do banco”, explica a dirigente sindical Ana Fideli, Secretária de Saúde do Sindicato. Bancário, procure o Sindicato e denuncie os abusos: ligue (41) 3015-0523 ou acesse www. bancariosdecuritiba.org.br.

Os bancários estão preocupados com as modificações na fita de caixa. A bobina, que era utilizada para conferência manual dos valores lançados, foi extinta. O fato das movimentações da área operacional estarem disponíveis exclusivamente no sistema dificulta a localização de diferenças. Os bancários estão tendo prejuízos e ainda correm o risco de demissão. O Sindicato já cobrou um posicionamento do banco, que apresentou uma solução insatisfatória. Diante disso, o movimento sindical continua pressionando o Itaú.

Hoje não consigo assistir aos comerciais do banco, começo a tremer.” Bancária, 30 anos de idade e 10 de banco

A minha vida virou um inferno, abri mão do meu emprego, mas ganhei de volta a minha vida.” Bancária, 36 anos de idade e 11 de banco

Desde que o banco mudou, ou melhor, duas forças se uniram, meus dias enquanto bancária se tornaram piores. Cheguei a adoecer e ainda me trato com medicamentos. Não sei o que é dormir à noite sem eles.” Bancária, 40 anos de idade e 08 de banco

Aconteceu

Dia Nacional de Luta: mobilização contra as demissões fechou oito agências de Curitiba no dia 19 de julho. Orgão de divulgação do Sindicato dos Bancários e Financiários de Curitiba e região Av. Vicente Machado, 18 - 8º andar • Fone: (41) 3015-0523 • Fax: (41) 3322-9867 • Presidente: Otávio Dias • Sec. de Imprensa: André Machado • Conselho Editorial: Ana Smolka, André Machado, Carlos Kanak, Luiz Antonio Fermino, Marcio Kieller, Otávio Dias • Jornalista responsável: Renata Ortega (8272/PR) • Redação: Paula Padilha, Flávia Silveira e Renata Ortega • Diagramação e Arte final: Fabio Souza e Mariana Kaminski • Impressão: Multgraphic • Tiragem: 2.000 exemplares • sindicato@bancariosdecuritiba.org.br • www.bancariosdecuritiba.org.br

Folha Bancária Especial Itaú Unibanco  
Folha Bancária Especial Itaú Unibanco  

- Basta de demissões - Denuncie abusos na revisão de metas do Itaú - Fitas de caixa - Dia Nacional de Luta