Issuu on Google+

Candidatos a delegados sindicais já podem se inscrever Prazo determinado é de 40 dias e se encerra em 21 de maio. Eleições nos locais de trabalho começam em maio As eleições para delegados sindicais do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal acontecem entre 24 de maio e 14 de junho. Os bancários que desejam se candidatar ao processo eleitoral podem fazer sua inscrição a partir da segunda-feira, 12 de abril, pelo site do Sindicato (www.bancariosdecuritiba.org.br). O período de inscrições se encerra em 21 de maio e o mandato dos delegados eleitos vai de 12 de junho de 2010 a 11 de junho de 2011. Atribuições – O delegado sindical representa os trabalhadores de sua dependência junto ao Sindicato. É um interlocutor fundamental na comunicação entre a entidade e sua base. A ele compete estreitar o relacionamento com seus colegas, discutindo individualmente e coletivamente assuntos pertinentes ao trabalho e organizando as reivindicações, críticas e sugestões que visem melhorias nas condições de trabalho. Também cabe ao delegado encaminhar reivindicações e informações ao Sindicato, assim como ter uma vida ativa na entidade, participando de eventos e auxiliando na distribuição de publicações. O delegado sindical não tem a responsabilidade de realizar ação sindical, mas precisa ter um perfil dinâmico, pois sua função é primordial na mobiliza-

ção da categoria, para identificar as demandas de sua unidade e também na conquista de novas filiações. O artigo 543 da CLT assegura que o delegado não pode ser demitido ou removido do seu local de trabalho durante a vigência do mandato (período de um ano), salvo em comum acordo entre o trabalhador e o banco e com anuência do Sindicato. Representatividade – Na CEF, os delegados sindicais são eleitos um por unidade. Quando o funcionamento da unidade é por turnos, pode ser eleito um delegado por período. Já no BB, a eleição é na proporção de um empregado eleito para cada 80 bancários. Desta forma, agências ou setores com número inferior de trabalhadores devem juntar-se a outras unidades/setores para eleger o seu representante. Inscrições – Para se candidatar a delegado sindical, o bancário precisa ser sindicalizado, porém todos os trabalhadores podem e devem participar do processo como eleitores. A inscrição é feita mediante preenchimento de uma ficha, disponível no site www.bancariosdecuritiba.org.br e na qual é indispensável assinatura. Os dados devem ser encaminhados à Secretaria Geral do Sindicato. Mais informações pelo telefone (41) 3015-0523.

Delegados sindicais do BB e CEF Inscrições: de 12 de abril a 21 de maio Eleições: de 24 de maio a 14 de junho Votação: locais de trabalho Mais informações: (41) 3015-0523

Acesse www.bancariosdecuritiba.org.br Imprima a ficha de inscrição Preencha com seus dados e assine Encaminhe para a Secretaria Geral

Orgão de divulgação do Sindicato dos Bancários e Financiários de Curitiba e região Av. Vicente Machado, 18 - 8º andar Fone: (41) 3015-0523 Fax: (41) 3322-9867 Presidente: Otávio Dias Sec. de Imprensa: Sônia Boz Conselho Editorial: Carlos Kanak, Júnior Dias, Marcio Kieller, Marco Aurélio Cruz, Otávio Dias, Pablo Diaz e Sônia Boz Jornalista resp.: Patrícia Meyer (5291/PR) Redação: Renata Ortega e Patrícia Meyer Diagramação e Arte final: Fabio Souza Impressão: Multgraphic Tiragem: 6.500 exemplares sindicato@bancariosdecuritiba.org.br www.bancariosdecuritiba.org.br


Caixa

Reestruturação gera mobilização

Banco do Brasil

Bancários estão insatisfeitos com atuação da Gepes Sindicato protesta contra postura burocrática que vem sendo imposta pela Dires Na manhã do último dia 07, o Sindicato dos Bancários de Curitiba e região realizou um protesto contra a atuação insatisfatória e a postura burocrática quevem sendo adotada pela Gerência Regional de Pessoas do Banco do Brasil (Gepes) no tratamento das questões dos trabalhadores. Tal conduta, segundo a avaliação dos dirigentes sindicais, é reflexo direto da política de recursos humanos ditada pela Diretoria Relações com Funcionários e Responsabilidade Socioambiental (Dires), sediada em Brasília. “Ao seguir a orientação nacional, dominada pelo discurso das metas e pela lógica do mercado, a Gepes tem tido seu real papel anulado”, explica Pablo Diaz, dirigente sindical e bancário do BB. Histórico – Quando o departamento responsável por administrar o capital humano do BB foi renomeado para Dires, o objetivo era justamente focar sua atuação nas melhorias do ambiente e das condições de trabalho dos bancários e primar pela ética no funcionalismo. Contudo, após a troca

Humor

da presidência, em abril de 2009, e a consequente alteração nos cargos de diretoria, a orientação da Dires também foi modificada. “A atuação do BB passou então a ser permeada, em todas as esferas, por uma lógica que valoriza os números e as metas em detrimento à ética, inclusive no tratamento com os bancários”, relata Pablo Diaz. Diante disto, a real função da Dires foi sendo gradativamente anulada, a tal ponto que o banco chegou a mudar até mesmo o formato do treinamento de ingresso de novos funcionários, que passou a ser focado em vendas. “E a Gepes tem sido obrigada a agir como uma repartição meramente burocrática, que trata superficialmente os problemas dos bancários”, acrescenta o dirigente. “Com a mobilização, quisemos mostrar desde já como serão as negociações da Campanha Salarial 2010. Os bancários não lutam apenas por melhores salários, nós precisamos garantir os direitos e as condições de trabalho da categoria”, finaliza.

Em reunião realizada no último dia 08, os trabalhadores da Caixa Econômica Federal da base de Curitiba e região que estão sendo atingidos pelo processo de reestruturação da empresa deliberaram sobre o ingresso de duas ações judiciais, uma de irredutibilidade salarial e outra de fechamento de unidades e transferência. “Com as ações queremos resgatar o respeito para com o trabalhador e tentar evitar que os bancários passem por situações constrangedoras no momento da realocação”, afirma Antônio Luiz Fermino, dirigente sindical e bancário da CEF. O Sindicato, juntamente com a Apcef-PR e a Agecef-PR, pretendem evitar que o trabalhador precise sair internamente em busca de uma colocação. “Não é justo que o bancário seja discriminado duplamente, pela extinção de sua unidade e também na receptividade nas agências”, completa Fermino. Segundo o dirigente, as mudanças têm desrespeitado inclusive os normativos internos da empresa no que diz respeito às nomeações e realocações por meio de processos seletivos internos. Falta transparência – O processo de reestruturação de filiais em curso na CEF tem gerado indignação e insegurança entre seus trabalhadores. Mesmos após insistentes cobranças do movimento sindical em mesa de negociação, a empresa não repassou mais informações, limitando-se as já divulgadas, consideradas insuficientes. Os bancários exigem transparência da direção da CEF e que sua opinião seja considerada, uma vez que são uma das partes interessadas na mudança. No dia 06 de março, a Contraf-CUT enviou ofício à presidenta da Caixa, Maria Fernanda, cobrando a suspensão do processo de reestruturação, além de esclarecimentos e discussões com os trabalhadores. Em 07 de abril, os bancários de todo o país realizaram o Dia Nacional de Luta contra a reestruturação, lembrando que a empresa precisa mudar sua postura.


12.04