Page 1

| Versão impressa - 250 mil exemplares instagram.com/sebraesp # 291

| julho de 2018 | www.sebraesp.com.br | 0800 570 0800 |

facebook.com/sebraesp

youtube.com/sebraesaopaulo

twitter.com/sebraesp

Toni Gandra, da academia Ecofit: opção por ações sustentáveis

O bom negócio da sustentabilidade

Medidas voltadas ao meio ambiente contribuem para a qualidade de vida das gerações futuras. Para as empresas, isso significa redução de custos e valorização da marca. Pág. 8

Programa oferece crédito sem juros para o empreendedor Pág. 4

Saiba como atualizar sua versão do emissor de Nota Fiscal Eletrônica Pág. 5

Recebimento via celular é opção para qualquer tipo de empresa Pág. 6


2 | JORNAL DE NEGÓCIOS EXPEDIENTE

Novidades Convênio reduz burocracia para MPEs

Publicação mensal do Sebrae-SP Edição impressa CONSELHO DELIBERATIVO

Presidente interino: Tirso de Salles

Super MEI tem 11,6 mil vagas disponíveis para o segundo semestre

O Sebrae e o Ministério do Meio Ambien-

cure, maquiador; técnicas de vendas; peque-

te assinaram um convênio para facilitar os

nos reparos em construção; eletricista; orga-

trâmites burocráticos dos processos de li-

nização de festas e eventos, entre outros.

Meirelles ACSP, ANPEI, Banco do Brasil, Faesp, FecomercioSP, Fiesp, Fundação ParqTec, IPT, Desenvolve SP, SEBRAE, Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia, Sindibancos-SP, Superintendência Estadual da Caixa Econômica Federal. DIRETORIA EXECUTIVA

cenciamento de micro e pequenas empresas

O Super MEI é o programa gratuito de

consideradas de baixo risco. O objetivo é a

qualificação voltado para o aperfeiçoamento

Caetano

profissional e o desenvolvimento de negócios.

Diretor de adm. e finanças: Pedro Jehá

simplificação e uniformização dos processos

Oferece soluções integradas de gestão, com-

de licenciamento ambiental envolvendo MEI,

portamento empreendedor, tecnologia, mer-

microempresas e empresas de pequeno porte.

cado e acesso ao crédito.

Hoje, o Brasil está na 174ª posição entre

Os MEIs formalizados que concluírem

189 economias que são avaliadas no critério

um curso do Super MEI têm ainda acesso ao

facilidade na abertura de um empreendimen-

Programa Juro Zero Empreendedor, que pre-

to. Na média, o prazo é de até 83 dias, en-

vê empréstimos de R$ 1 mil a R$ 20 mil para

quanto que em outros países da Organização

capital de giro ou aquisição de equipamentos,

de Cooperação e de Desenvolvimento Econô-

ferramentas e outros produtos para o exercí-

mico (OCDE) o procedimento leva oito dias.

cio das atividades como MEI. O prazo de pa-

Muitas vezes, os processos exigem me-

gamento do empréstimo é de 36 meses, com

didas duplicadas e a realização de vistorias

O programa Super MEI, do Sebrae-SP,

prévias nos empreendimentos de baixo risco.

está com 11,6 mil vagas abertas para o segun-

Isso se deve ao excesso de burocracia, cau-

do semestre deste ano. São oportunidades

O crédito é liberado após a aprovação do

sando dificuldades para o pequeno negócio.

para diversos segmentos, como alimentação,

plano de negócios. O requisitante também

Os pequenos negócios são responsáveis pela geração de emprego e renda no País, que nos últimos dez anos abriram mais de 11 milhões de vagas no mercado de trabalho. O ministro do Meio Ambiente, Edson Gonçalves

carência de seis. Para os empreendedores que pagarem em dia, o juro é zero.

“O convênio não é apenas importante para o Sebrae, mas para quem realmente empreende e ajuda na economia do Brasil”, afirmou Edson Duarte.

Diretor técnico: Ivan Hussni

JORNAL DE NEGÓCIOS

Unidade Inteligência de Mercado Gerente: Eduardo Pugnali. Coordenador: Luiz Otávio Paro. Editores responsáveis e redatores: Gabriel Jareta (MTB 34769) e Roberto Capisano Filho (MTB 46219). Assessores de imprensa: Gisele Tamamar, Marcelle Carvalho e Rogério Lagos. Estagiário: Wallace Leray. Imagens: istockphoto.com. Diagramação: Marcelo Costa Barros. Fotos: Ricardo Yoithi Matsukawa – ME para o Sebrae-SP. Apoio comercial: Unidade Comercial - Giulliano Antonelli (gerente). SEBRAE-SP

Rua Vergueiro, 1.117, Paraíso São Paulo-SP. CEP: 01504-001 ESCRITÓRIOS REGIONAIS SEBRAE-SP

beleza, comércio varejista, construção civil,

não pode ter restrições cadastrais, como no

Alto Tietê

eletroeletrônica, eventos, fotografia e produ-

CNPJ e no CPF do titular (leia mais sobre o

Araraquara

ção musical.

programa Juro Zero na página 4).

Entre os cursos, estão formação inicial em

Desde o início do programa, em agosto de

chocolateiro, confeiteiro e panificação; mani-

2016, mais de 45 mil pessoas já participaram.

Araçatuba Baixada Santista Barretos Bauru Botucatu Campinas Capital Centro

Duarte ressaltou que o acordo ajudará no desenvolvimento da economia do País.

Diretor-superintendente: Bruno

Capital Leste I

Sebrae-SP e Tigre fecham parceria para capacitar empreendedor

Capital Leste II Capital Norte Capital Oeste Capital Sul Franca Grande ABC

O Sebrae-SP e a empresa de tubos e cone-

dores saibam fazer seus controles financeiros

xões Tigre fecharam parceria para capacitar

por meio da Oficina Sei Controlar Meu Dinhei-

gratuitamente profissionais nas áreas de elé-

ro e também conheçam técnicas de vendas

Jundiaí

trica e hidráulica. A iniciativa está dentro da

com os conceitos básicos de marketing na

Osasco

nova modalidade lançada pelo Sebrae-SP, o

Oficina Sei Vender.

Istockphoto.com

Super MEI PEPI (Parceria Empresas Privadas

Os participantes que finalizarem o curso

e Instituições), que inclui qualificação com

de qualificação oferecido pela Tigre e com-

aulas de gestão e permite aos participantes

pletarem as duas oficinas de gestão ofereci-

receber os benefícios do programa Super

das pelo Sebrae-SP terão a oportunidade de

MEI, como o Juro Zero Empreendedor.

solicitar crédito por meio do programa Juro

A Tigre oferecerá dois cursos de qualifi-

Zero Empreendedor.

Guaratinguetá Guarulhos Marília Ourinhos Piracicaba Presidente Prudente Ribeirão Preto São Carlos São João da Boa Vista São José do Rio Preto São José dos Campos Sorocaba Sudoeste Paulista Vale do Ribeira

cação gratuitos: instalador elétrico predial

A parceria do Sebrae-SP com a empresa

e instalador hidráulico predial. O Sebrae-SP

Tigre tem duração inicial de 12 meses e a ex-

complementará a trilha de aprendizado com

pectativa é prestar atendimento a mais de 1,5

ENTRE EM CONTATO:

os temas de gestão para que os empreende-

mil empreendedores.

0800 570 0800

Votuporanga


EDIÇÃO 291 | JULHO DE 2018 | 3

Gestão pública reconhecida Sebrae-SP está com inscrições abertas para a 10ª edição do Prêmio Prefeito Empreendedor

O

s gestores municipais do Estado de São Paulo já podem se inscrever para a 10ª edição do Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor, que reconhece os prefeitos e administradores regionais que implantaram projetos com foco no desenvolvimento dos pequenos negócios do município. Serão premiados gestores que tenham realizado projetos de estímulo ao surgimento e ao desenvolvimento de pequenos negócios e à modernização da gestão pública.

Em São Paulo, oito categorias serão premiadas, sendo duas delas novidades: Cooperação Intermunicipal para Desenvolvimento Econômico e Empreendedorismo na Escola. As outras são: Políticas Públicas para Desenvolvimento dos Pequenos Negócios, Compras Governamentais de Pequenos Negócios, Pequenos Negócios no Campo, Inovação e Sustentabilidade, Desburocratização e Implementação da Redesimples, Inclusão Produtiva e Apoio ao MEI. Para o gerente da Unidade de Políticas Públicas do Sebrae-SP, Daniel Glaessel, o Prêmio reconhece projetos que estimulam o desenvolvimento econômico sustentável

dos municípios. “São iniciativas que transformam a realidade local e constroem uma corrente positiva. Ações que promovem o empreendedorismo, fomentam os pequenos negócios e estruturam o desenvolvimento local, impactando positivamente a economia, o emprego e a renda”, enfatiza.

COMO PARTICIPAR

Para concorrer ao prêmio, os prefeitos encontram todas as informações, materiais de apoio, regulamento e cronograma no seguinte endereço eletrônico: www.prefeitoempreendedor.sebrae.com.br Ao efetuar a inscrição, o município poderá escolher no máximo

duas categorias. Assim, o prefeito poderá apresentar até dois projetos em categorias diferentes, ou apresentar um projeto, inscrito em uma ou duas categorias. Serão premiados os três melhores projetos por categoria, sendo que os primeiros colocados participarão da etapa nacional. As inscrições vão até 14 de dezembro de 2018. Os projetos vencedores serão divulgados em abril de 2019. Os prefeitos que tiverem dúvidas sobre as inscrições ou sobre as regras podem contatar o escritório regional do Sebrae-SP mais próximo, ou ainda acessar o portal da entidade: www.sebraesp.com. br ou ligar para 0800 570 0800.

Municípios são os grandes beneficiados

E

x-prefeito de Mogi das Cruzes por dois mandatos, entre 2009 e 2016, Marco Bertaiolli foi reconhecido por duas vezes no Prêmio Prefeito Empreendedor. Em entrevista ao Jornal de Negócios, ele conta quais foram os principais projetos de empreendedorismo realizados no município, traça um paralelo entre administrar uma cidade e uma empresa, além de falar como a população pode cobrar as prefeituras para ampliar as ações voltadas aos pequenos negócios e, consequentemente, fortalecer a economia local. Quais as principais ações de empreendedorismo implementadas em Mogi das Cruzes em suas gestões? Implantamos na rede municipal de educação as aulas de empreendedorismo. O trabalho foi realizado em parceria com o Sebrae-SP, que capacitou educadores com a metodologia de trabalho a ser aplicada nas escolas e nas salas de aula. Outra ação de fo-

ção e requalificação profissional. A prefeitura de Mogi das Cruzes desenvolveu, ainda, uma grande ação com os ambulantes, transformando-os em empreendedores de rua. Outra ação diz respeito à agricultura familiar. Nós passamos a comprar produtos direto desses produtores, evitando, assim, os intermediários e fortalecendo e fomentando o agronegócio local.

Marco Bertaiolli, ex-prefeito de Mogi das Cruzes: ações reconhecidas duas vezes

mento ao empreendedorismo foi o fortalecimento e a implantação de quatro novas unidades do Crescer (Centro Municipal de Apoio à Educação de Jovens e Adultos), que são escolas profissionalizantes para capacitação, qualifica-

Quais as principais reinvindicações que os empreendedores devem fazer aos prefeitos? Esse é um trabalho que deve ser feito em conjunto. As prefeituras devem ser as grandes indutoras desse processo. Cabe a elas intermediar as necessidades dos empreendedores com as habilidades técnicas do Sebrae. Já o prefeito precisa estar atento a essas necessidades de mercado, a economia e os segmentos que precisam ser fortalecidos, aquecendo o mercado como um todo. Na sua avaliação como prefeito empreendedor, quais as

semelhanças em administrar um município e uma empresa? São inúmeras semelhanças. Para administrar uma cidade, é preciso ter, o tempo todo, uma visão empreendedora para superar os desafios e ultrapassar os obstáculos, que são diários. Os recursos financeiros de uma prefeitura não são suficientes para atender a todas as demandas da população e, ainda, manter a infraestrutura dos serviços funcionando. Por isso, a criatividade, o arrojo e todas as características de um empreendedor devem ser colocadas em prática, todos os dias e a todo momento. Como o prêmio Prefeito Empreendedor do Sebrae pode incentivar o empreendedorismo dos municípios? É uma marca muito importante, com credibilidade nacional e reconhecida em todos os segmentos. Fazer parte desse prêmio é um orgulho muito grande. Ele credencia o gestor público e o incentiva a encarar grandes desafios.


4 | JORNAL DE NEGÓCIOS

Crédito sem juros para o MEI Programa Juro Zero Empreendedor oferece empréstimos de até R$ 20 mil para a categoria

Beatriz Romagnoli, que produz brindes e souvenirs, solicitou crédito de R$ 4 mil

Saiba como solicitar o crédito sem juros Acesse o site http://jurozero.sebraesp.com.br e faça o seu cadastro. Depois disso, procure o Escritório Regional do SebraeSP mais próximo para iniciar o plano de negócios. Com ele em mãos, o consultor que o atendeu vai visitar o seu negócio para avaliar a solicitação. Se o seu plano de negócios for aprovado, o crédito será liberado.

Regras • O MEI precisa ter concluído um curso do programa Super MEI. • Solicitação de crédito sujeita à análise do plano de negócios e consulta de restrições cadastrais (não pode ter restrições no CNPJ

Os Microempreendedores Individuais (MEIs) do Estado de São Paulo que estão em busca de crédito para investir na melhoria ou na ampliação dos seus negócios têm a oportunidade de obter empréstimo sem juros por meio do programa Juro Zero Empreendedor, uma parceria entre o Sebrae-SP e a DesenvolveSP, agência de fomento do Estado de São Paulo. Com esse programa, que prevê empréstimos de R$ 1 mil a R$ 20 mil, o MEI não precisa de avalista, tem seis meses de carência e até 36 meses para pagar. Os recursos podem ser utilizados para compra de máquinas, equipamentos, mercadorias e capital de giro produtivo. O acesso ao crédito é exclusivo para aqueles MEIs que concluírem

um curso dentro do programa Super MEI, que oferece 50 mil vagas gratuitas em diversas opções de capacitação técnica no Estado de São Paulo. São opções que abrangem formação inicial dentro de áreas como construção civil, alimentos e bebidas, beleza e setor automotivo, entre outras. Até o momento, cerca de 270 MEIs de todo o Estado já foram beneficiados com o programa Juro Zero Empreendedor. Uma das contempladas foi a empresária Beatriz Romagnoli, que, após um longo período trabalhando como designer gráfica em grandes empresas, criou a Canecas Mania e Muito Mais, que faz brindes e souvenirs. Para aumentar a produção da sua empresa, Beatriz solicitou um

crédito de R$ 4 mil do programa Juro Zero para investir na compra de uma impressora e uma plotter de recorte para melhorar a qualidade dos trabalhos, além de utilizar parte do dinheiro para adquirir um pouco mais de estoque. Hoje, ela já consegue medir o resultado do investimento, com aumento de 25% nas vendas de seus produtos. “A impressora nova ajudou na questão da velocidade. Ela é quase três vezes mais rápida que a anterior. Já com a plotter de recorte eu deixei de fazer muitas coisas manualmente e aumentei a gama de produtos. Se não tivesse adquirido essas ferramentas não conseguiria atender à demanda crescente e, consequentemente, aumentar os lucros”, comemora a empreendedora.

e no CPF do titular). • O benefício juro zero será concedido exclusivamente para parcelas pagas até o vencimento. Em caso de atraso, haverá cobrança de multa de 2%, mais juros equivalentes a TJLP a.m.

Para outras informações Ligue para 0800 570 0800 ou procure o Escritório Regional do Sebrae-SP mais próximo. Consulte todos os cursos disponíveis no Super MEI: http:/supermei.sebraesp.com.br


EDIÇÃO 291 | JULHO DE 2018 | 5

NF-e: atualização é obrigatória

MPEs e MEIs precisam usar versão 4.0 do emissor a partir de 2 de julho. Sebrae-SP oferece software gratuito

TIRE SUAS DÚVIDAS Istockphoto.com

A

partir do dia 2 de julho, os donos de pequenos negócios de todo o País são obrigados a estar com a versão atualizada do emissor de Nota Fiscal Eletrônica (NF-e). A versão 4.0 é disponibilizada gratuitamente pelo Sebrae-SP, que também é responsável pelo funcionamento e suporte do software. A antiga versão (3.10) será descontinuada. A utilização do emissor é obrigatória tanto para micro e pequenas empresas quanto para Microempreendedores Individuais (MEIs). O emissor de NF-e (modelo 55) emite o documento eletrônico utilizado por empresas que atuam com vendas de mercadorias para outras empresas que não sejam consumidoras finais, como venda de matérias-primas para indústrias ou venda de mercadorias para revendedores, tanto dentro do Estado quanto em operações interestaduais; vendas de mercadorias para consumidores finais, pessoas físicas ou jurídicas, localizadas em outros Estados; vendas de mercadorias para governo ou administração pública; e vendas de mercadoria para consumidor final para entrega em domicílio dentro do Estado de São Paulo, quando não se tratar de “delivery”. Para o dia a dia das empresas, pouca coisa muda com a atualização do software. “Na prática, isso significa que os emissores terão mais algumas informações para preencher no documento, mas nada que cause muita dor de cabeça, principalmente para quem já trabalha com uma boa solução de ERP (sistema de gestão)”, afirma o fundador da SoftUp, Robinson Idalgo. Ele também destaca a adoção do protocolo TLS 1.2 ou superior, ficando proibida a utilização do protocolo SSL, garantindo mais segurança durante o processo de envio da Nota Fiscal. Atualmente, o emissor gratuito do Sebrae-SP atende aproximadamente 120 mil empreendedores. Para baixar o software sem pagar nada, basta acessar o endereço http://emissores. sebraesp.com.br.

Quem deve atualizar o emissor A partir de 2 de julho, todas as micro e pequenas empresas e Microempreendedores Individuais (MEIs).

Quais as principais mudanças da nova versão Inserção de informações com novas modalidades de frete utilizadas no transporte da NF-e.

Regras de validação vinculadas aos novos campos ou a novos controles necessários para melhoria da qualidade de informações prestadas pelas empresas.

Onde obter Basta acessar o endereço http://emissores.sebraesp.com. br e fazer o download gratuito. No site, um vídeo explica o passo a passo da instalação.

Definição de um protocolo TLS 1.2 ou superior padronizando ainda mais a comunicação entre empresa e Secretaria da Fazenda.

Fontes: Oscar Luis Aguiar dos Santos, analista do Sebrae-SP, e Robinson Idalgo, fundador da SoftUp

Possibilidade de inserir códigos numéricos de lotes, data de fabricação/produção que podem ser utilizados na rastreabilidade de produtos e até a inserção de códigos da Anvisa.

Campos relativos ao Fundo de Combate à Pobreza (FCP), que recebe recursos do ICMS, para operações internas ou interestaduais, com ou sem a substituição tributária.

Mudança do campo indicador da “Forma de Pagamento” para “Informação de Pagamento” com inclusão do meio utilizado, como dinheiro, cheque, cartões de débito ou crédito, vale alimentação, entre outros.


6 | JORNAL DE NEGÓCIOS

Chegou a vez das

Meios de pagamento por celular oferecem praticidade e segurança

O

celular pode até não ter créditos para fazer ligações, mas possibilita pagar a conta do restaurante. Você saiu para praticar atividade física sem carteira? Não tem problema, pois com o smartphone em mãos conseguirá facilmente comprar seu isotônico ou água de coco. Isso acontece porque, cada vez mais, os aparelhos ampliam suas funcionalidades. Atualmente, já é possível utilizar o celular como cartão de crédito por conta de meios de pagamentos como o Apple Pay, Samsung Pay e Google Pay, bem como carteiras virtuais específicas dos próprios bancos. O recurso é fácil de usar: o cliente cadastra o cartão de crédito em seu aplicativo no celular e realiza o pagamento com poucos toques, apenas aproximando o ce-

lular da maquininha de cartão do estabelecimento em que estiver, sem precisar de mais nada. Para o estabelecimento, nada muda – na verdade, até facilita, pois o atendimento tende a ser mais rápido e eficaz, principalmente em dias e horários mais movimentados. “O consumidor não quer perder tempo nas compras, está mais conectado e quer velocidade na hora de uma transação financeira. A tecnologia por aproximação tem sido usada como uma alternativa ao pagamento móvel, sendo complementar aos cartões de crédito e débito. A vantagem está na rapidez e na conveniência”, destaca o vice-presidente de negócios e marketing da Getnet, Silvio Santana. Apesar do uso dos smartphones e seus inúmeros recursos acompanharem a ascensão de

uma sociedade cada vez mais conectada, ainda há baixa aderência dos consumidores e dos próprios estabelecimentos comerciais no uso desses meios de pagamento, principalmente por questões culturais. A reportagem do Jornal de Negócios conversou com diversos estabelecimentos e clientes que comprovam esse cenário. Eles afirmam, em sua maioria, não desconhecer a tecnologia em si, mas a forma correta de utilizá-la. Por julgarem ser difícil, trabalham normalmente com o cartão de plástico tradicional. Claudemir Ribeiro, gerente do Olaria Bar, na capital paulista, é um dos adeptos da nova tecnologia. Ele admite que o movimento por pagamentos via celular ainda é baixo, mas costuma utilizar o método e se mostra antenado à tendência. “Nes-

te ano, esse tipo de pagamento aumentou bastante. A cada dez clientes, um paga com o celular”, afirma. “A tendência é esse número aumentar, pois sabemos que é o futuro. Só não temos mais pagamentos desse tipo hoje por falta de conhecimento, pois todo mundo anda com o celular. Hoje mesmo um cliente foi no restaurante, mas tinha esquecido a carteira. Puxou o celular e pagou numa boa”, conta.

EVOLUÇÃO

A Rede, que também oferece máquinas de cartões em estabelecimentos comerciais, vai na mesma linha. Para a empresa, o cenário de pagamentos digitais está em constante evolução e encontra em 2018 um ambiente favorável para isso. Segundo a companhia, o mercado entra em um momento com condiClaudemir Ribeiro, do Olaria Bar: “Um a cada dez clientes paga com celular”


EDIÇÃO 291 | JULHO DE 2018 | 7

‘carteiras digitais’

para os consumidores e para os estabelecimentos comerciais ções para a adoção de novas tecnologias em ritmo mais acelerado. Além disso, a elevada quantidade de smartphones no Brasil impulsiona o novo comportamento do consumidor quanto ao uso desses meios de pagamento. De acordo com a 29ª Pesquisa Anual de Administração e Uso de Tecnologia da Informação nas Empresas, realizada pela Fundação Getúlio Vargas de São Paulo (FGV-SP), há 220 milhões de smartphones ativos no Brasil hoje, número superior ao de habitantes (210 milhões).

Como utilizar O comerciante deve verificar se a sua máquina aceita o pagamento por meio de celular. Cada máquina tem um local específico para o sensor de cartões (normalmente na parte superior). Faça o teste aproximando o smartphone para buscar a conexão. Operadoras como Getnet, Cielo, Rede e Ingenico têm máquinas compatíveis com a tecnologia NFC e/ou MTS.

A tecnologia NFC costuma aparecer na parte superior das máquinas, enquanto que a MTS costuma ficar do lado direito, na área de cartões tradicionais. NFC (sigla para Comunicação por Campo de Proximidade): uma vez conectado ao smartphone, selecione o meio de pagamento e digite o valor. Se tudo ocorrer corretamente, a máquina irá pedir a opção débito ou crédito e depois a senha PIN do cartão.

PRÁTICO E SEGURO

Na opinião do gerente da Unidade Inteligência de Mercado do Sebrae-SP, Eduardo Pugnali, esses meios de pagamento fazem dos celulares uma espécie de “carteira digital”, oferecendo mais praticidade no dia a dia. “São práticos quando pensamos em conveniência. É comum a pessoa andar com o cartão vencido ou esquecer a carteira, mas não o celular. Além disso, a maioria dos documentos foi digitalizada de forma oficial pelo governo, como CNH, título de eleitor e carteira de trabalho. Hoje o celular já pode substituir grande parte dos documentos de papel”, aponta. Pugnali lembra que esse tipo de pagamento não é, de fato, uma novidade, mas a tendência agora é que se torne cada vez mais popular, principalmente pela segurança oferecida tanto para o consumidor quanto para o empresário. “Em cada transação é gerado um número de cartão virtual, ou seja, aquela transação fica atrelada a um número único. E a transação eletrônica é bloqueada por senha, PIN, reconhecimento de íris, facial ou digital”, diz. Outro ponto importante destacado por Pugnali é que o número, data de vencimento e o código de segurança não ficam à mostra. Ou seja, há um nível de segurança desse cartão dentro do celular muito maior do que se estiver dentro da carteira.

MTS (sigla para Transmissão Magnética Segura): caso você não encontre o símbolo “NFC” na máquina, opte pelo pagamento via MTS, tecnologia que simula o cartão magnético na parte lateral do aparelho. Faça a transação normalmente na máquina e, na hora de solicitar o cartão, encoste o celular na área de leitura de cartões tradicionais. Do mesmo modo, a máquina vai solicitar o PIN do cartão.

Quer ver como tudo funciona na prática? Assista o nosso passo a passo acessando o vídeo: http://bit.ly/pagviacel-sebraesp

Pagamentos via redes sociais? Falta pouco para essa novidade chegar ao Brasil.

um táxi, pagar contas,

Nos Estados Unidos, por exemplo, isso já acontece

pedir refeições, consultas

no Facebook Messenger. Os pagamentos são feitos

médicas, paquera e até

diretamente no cartão de crédito do usuário, sem

mesmo, em algumas

tarifação e com dados bancários protegidos. O WhatsApp

cidades, armazenar dados

também vai entrar nessa, já que uma ferramenta chamada

de documentos para que

“WhatsApp Pagamentos” foi identificada em 2017 em

possa ser utilizado como

uma versão beta para Android. Com essa atualização,

identificação oficial. Além de

os usuários poderiam enviar e receber dinheiro a partir

oferecer tais funcionalidades, o

de conversas dentro da rede social. Na China, o WeChat

WeChat chinês ainda estimula a

é o aplicativo do momento. Enquanto no Brasil ele só

fidelidade dos usuários com vantagens pelo uso contínuo

é lembrado quando o WhatsApp sai do ar como uma

da plataforma, com descontos progressivos e ações de

alternativa para conversas instantâneas, no país asiático

marketing de parceiros. Não é à toa que o aplicativo já

é possível fazer praticamente tudo por ele, desde pedir

acumula cerca de 1 bilhão de usuários.

Istockphoto.com


8 | JORNAL DE NEGÓCIOS

Bom para o planeta, Pesquisa do Sebrae-SP mostra que 48,7% das pequenas empresas

Toni Gandra, da Ecofit: “Não dá para deixar de lado a questão da sustentabilidade”

A

preocupação com o meio ambiente pode proporcionar bons resultados nas finanças das empresas. Pesquisa do Sebrae-SP mostra que 35,7% das micro e pequenas empresas (MPEs) paulistas tomaram alguma medida para reduzir o impacto de sua ação no meio ambiente – destas, 48,7% tiveram redução nos seus custos. Na avaliação da consultora do Sebrae-SP Dòrli Terezinha Martins, a maioria dos empresários ainda não se sensibilizou sobre a importância de reduzir o impacto das ações da empresa no meio ambiente. Em geral, a preocupação surge devido a uma vistoria de um órgão de fiscalização ambiental ou porque a empresa é fornecedora de uma grande empresa, que exige uma adequação para o relatório de sustentabilidade. “Existe um paradigma de que a questão do meio ambiente envolve apenas grandes empresas, de que as ações são caras e eles, como pequenos, não conseguem fazer”, lamenta Dòrli.

Um dos caminhos para o empreendedor adotar ações sustentáveis é mostrar o impacto nas contas da empresa. “Essa linguagem o empresário entende, a da redução de custos. Por conta da crise, muitas empresas estavam cortando custos, mas não enxergavam o caminho de ações sustentáveis. Em geral, eles pensam em cortar mão de obra, mas a empresa fica com menos funcionários e pode comprometer a qualidade do serviço ou produto e continua mantendo um gasto desnecessário”, afirma. Para ela, é preciso uma mudança de postura do empresário. “Acredito muito na nova geração, com os pequenos levando os ensinamentos para dentro de casa.” Os empresários que participaram da pesquisa apontaram algumas ações implementadas na empresa para reduzir o impacto no meio ambiente. A mais citada foi a coleta seletiva de lixo, seguida de troca de lâmpadas por modelos mais econômicos, controle do consumo de papel e reciclagem de pilhas, baterias e pneus.

A consultora do Sebrae-SP lembra que simples ações podem impactar no negócio. Ela cita o exemplo de uma empresa de brinquedos: uma mudança nos moldes de patinhos na chapa de MDF conseguiu reduzir os resíduos em 40%, o que gerou uma economia de matéria-prima e um impacto no faturamento. “Não teve investimento. Às vezes é preciso um olhar diferente”, diz Dòrli.

CULTURA SUSTENTÁVEL

Duas empresas na cidade de São Paulo seguem o propósito de desenvolver o bem-estar e o comportamento sustentável. A academia Ecofit Club foi criada pelos irmãos Toni e Eduardo Gandra em 2005, no Alto de Pinheiros. “Começou por filosofia e hoje isso está cada dia mais sólido”, destaca Toni. O sócio fundador conta que desde garoto foi ligado às questões ambientais e chegou até a colher assinaturas para o Greenpeace. Quando foram montar a empresa, mesmo com pouco capi-

tal, os irmãos se preocuparam em criar algo que contribuísse para um mundo melhor. “Não dá para ser uma empresa na área de saúde e bem-estar e deixar de lado a questão da sustentabilidade. Temos três olhares para isso: o uso das energias, o aspecto cultural, de divulgar, compartilhar, e o aspecto filosófico, de por que fazer isso, onde queremos chegar”, afirma. Segundo o empresário, para conseguir o engajamento das pessoas é preciso coerência e inspiração. “A pessoa precisa perceber que isso traz ganhos, tanto econômicos quanto de sinergia para a equipe, para o cliente. Não é só economizar papel, energia elétrica. É importante discutir com a equipe uma cultura de como conduzir os negócios, de como olhar para resultados”, afirma. Além de ações sustentáveis tradicionais, a academia também utiliza uma solução para o reaproveitamento térmico do motor do ar-condicionado para aquecimento da água, por exemplo. Na unidade Aclimação, segundo Toni, os volumes das duas piscinas totalizam 450 mil litros de água e o consumo aproximado é de 20 mil litros de água por dia, incluindo também os chuveiros. “Nossa expectativa é que 20% da energia consumida pela academia seja gerada por meio desse sistema de recuperação do calor do ar-condicionado, o que proporciona uma economia de cerca de R$ 4 mil por mês”, afirma. “De fato, as ações geram uma economia, mas existem outros ganhos, de atração de bons talentos, de clientes. As pessoas escolhem empresas que têm uma conexão, de mais ética, mais transparência”, conclui Toni.

RECOMEÇO

Já a Torigoe Oficina Automotiva Sustentável, no bairro do Tatuapé, é comandada pelo casal Sérgio Torigoe e Vanessa Martins. Criada em 1999, a empresa começou como uma oficina tradicional, seguindo a legis-


EDIÇÃO 291 | JULHO DE 2018 | 9

bom para os negócios que adotaram medidas sustentáveis diminuíram seus custos

lação ambiental e algumas práticas, como claridade natural, coleta seletiva e descarte de resíduos. Mas depois de enfrentar fiscalizações após denúncia de um vizinho, o casal foi recomeçar em outro imóvel, do zero. “Sou nutricionista, especializada em nutrição clínica. Sempre quis ajudar na oficina. Comecei fazendo algumas coisas, atendendo o telefone, colocando uma flor. Quando vi já estava lá. Eu entendia de carboidratos, lipídios e proteína, e precisava entender como funcionava uma oficina mecânica. Fui procurar o Sebrae-SP, fui estudar, fazer cursos. Com isso, desenvolvi minhas habilidades e competências para me tornar uma empresária”, relata Vanessa. Na época da construção da nova oficina, Vanessa foi buscar na sustentabilidade um recomeço. Fez o prédio com pé direito alto para ter claridade natural, pintou o imóvel de verde, contratou um ecodesigner para produção de móveis de pneus e componentes utilizados na oficina. Além disso, o local tem um jardim de garrafa pet, sistema de armazenamento de captação de água para uso nos vasos sanitários, as fezes dos peixes do aquário servem de adubo para as plantas e flores, e os colaboradores usam camiseta de fio de garrafa pet. A lista não para por aí. O casal utiliza soluções biorremediadoras para limpeza de peças. O produto tem microrganismos vivos que digerem os óleos. A oficina ainda conta com uma empresa de logística reversa para a destinação correta dos resíduos e caixas subterrâneas para separar a água e o óleo. “Não jogo nada no meio ambiente. E, do lado social, compramos todo o material dos meus clientes e do comércio local. A oficina era preta e vermelha. Hoje é verde. Tudo mudou. Nós mudamos. A melhor forma de conscientizar é deixar um futuro melhor para as crianças que ainda virão. Tinha muitos motivos para desistir. Resolvi recomeçar e a sustentabilidade foi um grande divisor”, conta Vanessa.

Sebrae-SP tem oficina para ajudar empresário a economizar energia A oficina “Economize energia para

calcular o consumo de energia de

da empresa. “É justamente isso

lucrar mais” faz parte do portfólio

cada equipamento da empresa para

que a oficina vai ajudar a mostrar

de cursos do Sebrae-SP. Durante

descobrir aqueles que consomem mais

para os participantes, com dicas

a capacitação, os empresários

energia, por exemplo.

práticas”, destaca. Os interessados

receberão dicas de como reduzir

De acordo com a consultora do Sebrae-

podem procurar o escritório regional

a conta de energia por meio de

SP Maria Augusta Pimentel Miglino,

mais próximo para verificar a

simples ações, como a busca

alguns empresários só se preocupam

disponibilidade na agenda de cursos.

de aparelhos mais eficientes. O

com o tema quando percebem que

Os endereços estão no site

participante aprenderá como

as ações terão impacto nas contas

sebraesp.com.br.

Orientações práticas Utilize sensores de presença em corredores e apague as lâmpadas dos ambientes desocupados

Aproveite a iluminação natural ao máximo e reduza o uso de lâmpadas durante o dia

Substitua as lâmpadas incandescentes pelas fluorescentes ou LED

Pinte as paredes e tetos com cores claras

Instale os aparelhos de ar-condicionado na parte superior dos ambientes

Quando o arcondicionado estiver ligado, deixe portas e janelas fechadas

Limpe o filtro de ar dos aparelhos de ar-condicionado a cada 15 dias: melhora o desempenho e economiza energia

Use equipamentos com certificação de qualidade (Selo Procel e/ou etiqueta Inmetro nível A)

Desligue os aparelhos de ar-condicionado na hora do almoço e uma hora antes do término do expediente

Nos últimos 12 meses a empresa tomou alguma medida para minimizar os efeitos de sua ação no meio ambiente? Não: 58%

Sim: 35,7%

Não sabe: 6,2%

As ações resultaram em alguma economia de custos na empresa?

Não: 41,3%

Sim: 48,7%

Não sabe: 9,9%

Ações das empresas para reduzir o impacto no meio ambiente Troca de lâmpadas por modelos mais econômicos:

Uso de materiais reciclados:

Controle do consumo de papel:

Coleta seletiva de lixo:

Reciclagem de pilhas, baterias e pneus:

Controle e/ou armazenamento de água:

Troca de torneiras por modelos mais econômicos:

Controle do consumo de energia elétrica:

Troca de máquinas ou equipamentos:

Orientação aos funcionários:

Revisão de máquinas e/ou dos equipamentos:

Outras ações:

27,5% 19,2% 27,3% 45,9% 21,2% 17,2%

Ao fazer instalações elétricas, use fios adequados e não faça emendas malfeitas

Regule o termostato do freezer ou refrigerador de acordo com a estação do ano, já que no frio a temperatura não precisa ser tão baixa

Evite o uso de benjamins (tomadas em T) para ligar vários aparelhos

Atenção ao estado de conservação das borrachas de vedação das geladeiras. Faça o teste de aderência com uma folha de papel entre a borracha e o equipamento

2,5% 8,1%

(Fonte: Sebrae-SP)

16,9% 4,6% 6%

10%


10 | JORNAL DE NEGÓCIOS

Preparados para o futuro

Brasil tem mais de 15 milhões de jovens começando a empreender como opção para entrar no mercado

F

inalizar o curso superior e começar a carreira como funcionário em alguma empresa já não é mais o sonho dos jovens brasileiros. Segundo a pesquisa Global Entrepreneurship Monitor (GEM) 2017, que monitora o nível de empreendedorismo no mundo e é realizada no Brasil com apoio do Sebrae, o País conta com 15,7 milhões de jovens que são donos de uma empresa com até três anos e meio de atividade ou que estão levantando informações para abrir um negócio próprio. Diante da escolha de uma profissão, eles entenderam que o empreendedorismo pode ser uma boa alternativa para ter um trabalho e foram atraídos pela liberdade de criação e de tomada de decisões que o negócio próprio possibilita. Para o empresário Bruno Sá, hoje com 25 anos, tornar-se empreendedor aos 19 foi uma oportunidade que mudou totalmente a vida e os planos de carreira dele. Com formação em design, Bruno trabalhava em uma agência, e conheceu seus sócios entre os colegas de trabalho: Renan Spadafora, atualmente com 27 anos, e Felipe Antoniazzi, 28. Hoje, o trio comemora o crescimento da Birden Clothing Co., um e-commerce de moda surf e lifestyle. Amparados pela formação em design, não foi difícil para os só-

Os sócios Felipe, Renan e Bruno (da esq. para dir.): empreendedorismo no início da carreira

cios encontrarem na criatividade um diferencial para se destacar no mercado e alcançar um crescimento rápido. Assim que a empresa engrenou, deixaram o emprego na agência e passaram a se dedicar totalmente ao negócio. “Sempre tive a veia empreendedora dentro de mim, mas não era uma meta até receber o convite desse colega que virou sócio. O plano era criar uma marca apostando no surf alternativo, com estilo de vida ativa, já que os nossos concorrentes são voltados mais para o surf de performance. Deu certo e hoje tenho consciência que essa é a minha profissão, ser empreendedor”, comemora Sá.

Os dados da pesquisa GEM destacam ainda que os jovens de 25 a 34 anos foram os mais ativos na criação de novos negócios. Os números mostram que 30,5% dos brasileiros nessa faixa etária estão tentando criar um negócio ou já são proprietários e administram um empreendimento em estágio inicial. Em seguida, aparecem no ranking aqueles ainda mais jovens, entre 18 e 24 anos – 20,3% deles estavam envolvidos com a criação de novos negócios.

BUSCAR AJUDA

O empreendedor jovem tem como vantagem estar ligado a

tendências de consumo e ter facilidade para inovar, bem como habilidade para comunicação, o que ajuda muito na divulgação da empresa. Mas só isso não basta para quem quer ter sucesso sendo o próprio patrão. Para o coordenador de pesquisas do Sebrae-SP, Marcelo Moreira, é preciso estruturar bem a gestão da empresa e buscar ajuda se for necessário. “O jovem tem uma grande vantagem com sua conexão com a inovação, com o mundo, mas sempre vai precisar da experiência nesse começo, tendo ou não passado por uma carreira em grande empresa. E não precisa ser necessariamente um sócio, pode ser um mentor, um padrinho, mas é importante que ele saiba que a gestão é uma coisa que precisa ser bastante desenvolvida no início”, alerta Moreira. De acordo com Bruno Sá, a experiência faz com que os processos sejam mais velozes, o que contribui para o sucesso do negócio. “No começo, sem experiência, tivemos que aprender com a empresa de pé, errando. Hoje, a gente já sabe que o planejamento antes de iniciar qualquer negócio é fundamental. Juntar as pessoas certas e definir todas as etapas previamente faz toda a diferença no resultado, muito melhor do que começar uma empresa às cegas”, diz.

DICAS PARA QUEM QUER COMEÇAR UM NEGÓCIO PRÓPRIO ATITUDE EMPREENDEDORA

PLANEJAMENTO

MODELO DE NEGÓCIOS

PLANO DE NEGÓCIOS

Sem atitude empreendedora, seu

Pensar que é necessário ter apenas

Permite visualizar a empresa como

Item essencial para organizar

negócio pode ruir logo no começo.

uma boa ideia e dinheiro é um erro.

um todo. Para isso, o empreendedor

as ideias e definir as etapas

Um empreendedor não fica parado

Sem planejar os passos para criar a

deve responder a quatro perguntas:

necessárias para tudo sair do

esperando que as chances apareçam.

empresa, o negócio pode já nascer

O quê? – o que o cliente vai

papel e o negócio começar bem.

Ele cria as suas oportunidades. Por

com poucas chances de vingar. Faça

encontrar no seu negócio.

Conheça bem os clientes e a futura

isso, tenha iniciativa. Esteja atento ao

perguntas básicas como: quanto

Para quem? – onde estão os clientes

concorrência, tendo em vista os

movimento do mercado, dos clientes

você precisa de capital de giro? Quais

e qual a necessidade deles.

pontos fortes e fracos de cada um

e dos concorrentes para encontrar

equipamentos básicos você terá de

Quanto? – o valor a ser cobrado pelo

para comparar com a sua própria

melhorias para a sua empresa e

comprar? Onde você quer montar

seu produto ou serviço.

empresa.

novas oportunidades de negócios.

sua empresa? O local atende o seu

Como? – definição de equipamentos,

público?

funcionários e fornecedores


EDIÇÃO 291 | JULHO DE 2018 | 11

Sustentável e lucrativo JOÃO CARLOS NATAL, consultor do Sebrae-SP

Como cobrar clientes inadimplentes sem ser agressivo? Cobrar um cliente inadimplente é um assunto delicado. O empresário pode fazer uma cobrança tradicional, que é aquela iniciada habitualmente após 30 dias de atraso no pagamento por equipes treinadas para esse tipo de cobrança e que respeitem as normas contidas no Código de Defesa do Consumidor. Em relação à negociação, existem várias formas lícitas de recuperar uma dívida. A mais relevante de todas é a ação de cobrança: demanda judicial contra o devedor inadimplente. Há outras formas de cobrança, principalmente extrajudicial, como o Pace Paulistano. O Posto Avançado de Conciliação Extraprocessual é uma parceria do Tribunal de Justiça de São Paulo e Associação Comercial de São Paulo que auxilia na negociação de dívidas junto às Instituições Financeiras (bancos) e/ou comércio. O Pace Paulistano pode ser acionado por pessoas físicas e jurídicas, sem qualquer custo. No primeiro caso, o

atendimento se propõe a ajudar na negociação de dívidas, como as contraídas com instituições bancárias ou no comércio. Não são atendidas pendências trabalhistas ou questões que envolvam o poder público. As audiências contam com a presença de um conciliador capacitado pelo Tribunal de Justiça e os acordos têm força de sentença judicial. A orientação é para o empresário inadimplente montar um plano financeiro para a (re)negociação das sua dívidas, tanto para as pendências com instituições financeiras quanto com os seus fornecedores. Entre os cuidados adicionais, é importante nunca efetuar a venda sem a emissão da nota fiscal, pois além de ilegal (crime fiscal), a empresa fica sem amparo legal para cobrar judicialmente o cliente inadimplente. Não se esqueça de que a venda com cheques pré-datados também é uma forma de conceder crédito.

O Sebrae Responde é um serviço para tirar dúvidas de empreendedores sobre a abertura de novos negócios e questões relacionadas à gestão de empresas já em atividade.

Acompanhe o Sebrae-SP no ambiente digital, em www.sebraesp.com.br, e nas redes sociais: facebook.com/sebraesp | twitter.com/sebraesp flickr.com/sebraesp | instagram.com/sebraesp soundcloud.com/sebraesp | issuu.com/sebraesp youtube.com/sebraesaopaulo

Sustentabilidade é tema constante no nosso dia a dia. Ser consciente nessa questão é agir com responsabilidade sem a postura egoísta de olhar apenas para o próprio umbigo. O conceito de sustentabilidade pode ser entendido como atender às nossas necessidades sem comprometer as necessidades das próximas gerações. Incluem-se aqui cuidados com os recursos naturais, fatores econômicos, sociais e culturais. No mundo dos negócios, significa empreender de forma consciente, contribuindo para preservar a qualidade de vida futura. Além disso, é uma oportunidade para o empresário reduzir custos e fortalecer a marca. Isso também vale para as micro e pequenas empresas, que ganham credibilidade perante seu público e ainda ampliam a possibilidade de se tornarem fornecedoras de companhias de maior porte, alinhadas com o tema. Medidas simples, quando incorporadas à rotina do empreendimento, podem proporcionar bons resultados. Usar lâmpadas mais

econômicas, aproveitar ao máximo a luz natural, instalar sensores de movimento, utilizar a água da chuva, imprimir nos dois lados do papel, controlar o número de cópias são só algumas sugestões ao alcance de qualquer um. Muitos consumidores, ao perceberem que a empresa tem essa preocupação, passam a olhá-la de uma forma mais simpática. Negócio bem visto tem retorno no faturamento. Paralelamente, a sociedade exige uma atitude responsável e é comum encontrar profissionais de qualidade que se recusam a trabalhar em empresas não amigáveis à causa. Perder talentos é diminuir competitividade. Pesquisa do Sebrae-SP aponta que 48,7% das micro e pequenas empresas paulistas que tomaram alguma medida para reduzir o impacto de sua ação no meio ambiente, nos últimos 12 meses, diminuíram seus custos. No entanto, o mesmo levantamento revela que entre as que nada fizeram, 68,3% acreditam que a empresa não influi nesse aspecto. Tal ideia é errada. Por mais que o objetivo seja o lucro, todo empreendimento tem sua função social e pode contribuir pela preservação do meio ambiente. A própria sustentabilidade é um negócio em si. Soluções voltadas a esse ramo podem ser rentáveis.

BRUNO CAETANO, diretor-superintendente do Sebrae-SP @bcaetano /bcaetano1 bcaetano@sebraesp.com.br

FALE COM A REDAÇÃO imprensa@sebraesp.com.br


12 | JORNAL DE NEGÓCIOS

TEC &

LIVROS O que vi, aprendi e recomendo para a vida (Editora Literare Books) O livro de Orlando Marciano compartilha sua trajetória de vida pessoal e profissional. Ele mostra como saiu das fazendas para a cidade e trilhou um caminho de sucesso até a presidência da Coopercica. A publicação pode servir de inspiração para as pessoas que vêm de uma educação humilde e sonham com o mais alto posto corporativo. Marciano foi um dos responsáveis por transformar a Coopercica na cooperativa que é hoje, uma empresa que estava prestes a declarar falência, mas ele conseguiu que toda a equipe se comprometesse a trabalhar para salvá-la.

Lei dos meninos homens (Editora CRV) O empresário Juarez Filho conta o que a vida lhe ensinou e convida todos a serem protagonistas das próprias histórias. O livro é uma coletânea de contos baseados nas memórias do empresário, desde sua infância humilde na cidade de Uraí, no Paraná, passando pelo primeiro contato com o mercado de ouro, até os dias de hoje. O leitor poderá ver como foi a relação de Juarez Filho com seu irmão Beto. Vítima de paralisia infantil, Beto e Juarez cresceram muito unidos e dividiram grandes desafios. O autor conta que seu pai costumava dizer que as pernas de Beto tinham vindo junto com as suas e descreve como viveu intensamente os desafios de locomoção do irmão. Texto de leitura fluída e agradável que entretém e leva à reflexão.

Gestão Visual de Projetos Utilizando a Informação para Inovar (Editora Alta Books) A obra de Júlio Monteiro Teixeira tem como proposta mostrar como evitar o desperdício de dinheiro, tempo e energia em reuniões improdutivas, relatórios intermináveis, burocracia desnecessária, processos e projetos confusos. Um dos conceitos ensinados é o Lemming, que visa disseminar princípios, processos e ferramentas que preconizem a visualização de informações e o pensamento visual para promover a inovação no Processo de Desenvolvimento de Projetos (PDP). O livro também fala sobre práticas e ferramentas visuais que estimulam a equipe a responder visualmente. Dessa forma, tende a se estabelecer um ambiente mais favorável ao engajamento, à participação e inovação.

PUBLICIDADE DIGITAL AUMENTA PARTICIPAÇÃO EM 25,4% NO BRASIL

Istockphoto.com

A edição da pesquisa Digital AdSpend 2018, realizada pelo IAB Brasil (Interactive Advertising Bureau), mostra que a publicidade digital no Brasil cresceu 25,4%, de R$ 11,8 bilhões para R$ 14,8 bilhões em 2017. “Constatamos uma migração para a comunicação digital de verbas até então utilizadas em atividades como ações de PR, comunicação direta, produção e distribuição de tabloides”, afirma Ana Moisés, presidente do IAB Brasil. A análise da distribuição dos investimentos por mídia revela que “Search, Classificados e Comparadores de Preço” continua a ser o formato líder, respondendo por um faturamento de R$ 6,5 bilhões (44% do total dos investimentos em digital, um crescimento de 14% em relação a 2016). A categoria “Display e Mídias Sociais” ficou em segundo lugar, com R$ 5 bilhões (34%, e um aumento de 32% em comparação a 2016), enquanto “Vídeo” obteve R$ 3,2 bilhões (22%, com um aumento de 48% ante 2016). A compra programática de publicidade ficou com quase um quarto do faturamento do digital (22,5%) em 2017. Em valores, aumentou 74%, passando de R$ 1,9 bilhão (2016) para R$ 3,3 bilhões no ano passado.

SUCESSO, CONFLITOS E RECOMEÇO No filme Chef, Carl Casper, vivido por Jon Favreau, é um chef de cozinha dedicado de um famoso restaurante em Los Angeles. Após anos no comando das panelas, sua relação com Riva (Dustin Hoffman), dono do estabelecimento, já não é das melhores. Ele sente sua criatividade tolhida, pois quer inovar nos pratos enquanto seu patrão acredita que mudanças podem afastar clientes. A situação piora quando um renomado Divulgação crítico gastronômico publica uma avaliação negativa de seu trabalho. Inconformado, Casper resolve confrontar o crítico e acaba demitido por isso. Sem recursos para montar seu próprio restaurante, Ele tem de recomeçar do zero, desta vez em um food truck.


EDIÇÃO 291 | JULHO DE 2018 | 13

IDEIAS

PERGUNTE A QUEM ENTENDE “Como posso usar a tecnologia para controlar melhor o meu estoque e evitar perdas?” Guilherme Masseroni, CEO Founder da James Tip, responde:

A educação a distância cresce em ritmo mais acelerado do que o ensino presencial e já é opção para quase metade das pessoas que buscam uma graduação. Pesquisa divulgada da Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES) – que representa grande parte do ensino superior particular do País – mostra que 44% dos entrevistados optariam por essa modalidade, enquanto 56% dizem que preferem o ensino presencial. Nesse ritmo de crescimento, o Brasil terá mais alunos estudando a distância que nas salas de aula tradicionais em 2023. A pesquisa mostra ainda que, se informados de que os cursos a distância podem ter etapas presenciais, a aceitação aumenta para 93% dos estudantes pesquisados. Para os 7% restantes, ainda há um desconforto em ter a maior parte das aulas pela internet. Outro ponto destacado por esses alunos que não optariam pela EAD é a percepção de que o mercado de trabalho ainda não valoriza adequadamente a qualidade desses cursos.

BRASILEIRO COMPRA CADA VEZ MAIS PELA INTERNET

Istockphoto.com

Os brasileiros compram cada vez mais online e por meio de celulares, comportamento que deve refletir nas estratégias das marcas para se manterem relevantes. Segundo a quarta edição do estudo “O Perfil do E-Commerce Brasileiro 2018”, encomendado pelo PayPal Brasil à BigData Corp, as lojas já estão atentas a isso. De acordo com o levantamento, em 2017, sites preparados para o m-commerce (adaptados a qualquer tela) eram 24,2% e passaram para 76,36%. Aplicativos estão presentes em 13,86% dos sites; eram apenas 3,47% um ano antes. O e-commerce no Brasil se expandiu no último ano, com crescimento de 12,5% em 2018. Atualmente, são 675 mil lojas online ante as 600 mil existentes no ano anterior, ou 5,63% do total de sites ativos no País. Ocorreu em 2018 um crescimento na quantidade de e-commerces vendendo produtos mais baratos, com preço médio abaixo de R$ 100. Esses sites representam 84,32% das lojas online do País. Sites com produtos mais caros, que apresentam preços médios acima de R$ 1 mil, caíram de 11,16% para 6,81% do total de lojas.

Divulgação

EAD CRESCE EM RITMO MAIOR DO QUE ENSINO PRESENCIAL

O processo de controle e gestão de estoque demanda a utilização de várias planilhas, tabelas e o cruzamento de uma série de informações, o que pode ser demasiadamente dispendioso em termos de tempo, dedicação e resultados efetivos. Soluções de inteligência artificial desempenham essas atividades ajudando na diminuição do tempo de execução e elevam os resultados, já que são focadas na sugestão de ações efetivas. A utilização dessas soluções também possibilita maior sinergia com a área de marketing e vendas para realizar promoções de queima de estoque ou investir em produtos com maior demanda. As soluções disponíveis atualmente no mercado estão cada vez mais acessíveis aos varejistas de todos os portes e segmentos, disponibilizando relatórios consistentes e periódicos que ajudam nas decisões de compra, estratégia de precificação e venda, e que também auxiliam na identificação de falhas e diminuição de custos. Identifique soluções que possuam seu foco de entrega em ações. Com esse tipo de entrega para o varejista, o dia a dia se torna extremamente efetivo e ágil. As melhores práticas para o controle de estoque são: • Mantenha o estoque inventariado – É o primeiro passo para reduzir as perdas no estoque. • Implemente o Fifo/Peps –Produtos que entram primeiro no estoque devem ser vendidos primeiro. • Olhe para a venda futura – Para saber o que comprar é preciso saber o que vai vender. Evite utilizar médias, pois desconsideram os comportamentos e tendências de cada produto. • Calcule e mantenha o nível de estoque ideal – O nível ideal é aquele onde há o menor risco de rupturas e perdas por vencimento ou obsolescência. Quanto menor o nível de estoque, maior o giro e menor o risco de quebra. Tem alguma dúvida sobre como a tecnologia pode ajudar o seu negócio? Pergunte a quem entende! Mande um e-mail para imprensa@sebraesp.com.br.


14 | JORNAL DE NEGÓCIOS

o sebrae-sp não se responsabiliza pelas informações disponibilizadas neste espaço publicitário. o anunciante assume responsabilidade total por sua publicidade.

CONSULTORIA

PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ANUNCIE nos principais jornais e revistas. Comunicados, editais, declarações, falecimentos etc. (11) 2157-8484 – www.ythajaci.com.br

GRÁFICA: impressão gráfica de cadernos, calendários, blocos, catálogos, folhetos, folder, pastas etc. (11) 2157-8484/9-6072-4788 – www.ythajaci.com.br

NEGÓCIOS E OPORTUNIDADES

MELHORIA DE RESULTADOS: profissionalização da gestão, custos, vendas, fluxo de caixa e budget: (11) 3192-3979/ diretoria@audint.com.br www.audint.com.br

SEUS ANÚNCIOS NO FACEBOOK NÃO VENDEM? Para resolver, acesse o nosso site e conte as suas dificuldades que ajudamos você a vender mais: www.aizuconsultoria. com.br TECNOLOGIA

OFERTAS DIVERSAS BRINDES personalizados para empresas: canetas, blocos, cadernos, calendários, pen drive, etc. (11) 2157-8484/9-6072-4788 – www.ythajaci.com.br

SACOLAS personalizadas: plástico, papel e tecido, direto da fábrica, vários modelos, ótimos preços. (11) 2157-8484/9-6072-4788 – www.ythajaci.com.br

Para tornar a comunicação mais acessível ao cliente com deficiência auditiva, o Sebrae-SP disponibiliza o serviço de intérprete de Libras em seus eventos presenciais. A solicitação do serviço deverá ser comunicada no ato da inscrição e com antecedência de 5 (cinco) dias úteis à data de realização do evento. O cliente ou seu representante poderá se inscrever pessoalmente nos Escritórios Regionais, pelo portal do Sebrae-SP ou pelo 0800 570 0800.

AGORA, O SEBRAE-SP TEM E-COMMERCE. FAÇA UMA VISITA E COLOQUE A GENTE NO CARRINHO. SUA EMPRESA VAI ADORAR.

ACESSE JÁ E FAÇA SUA INSCRIÇÃO solucoes.sebraesp.com.br


EDIÇÃO 291 | JULHO DE 2018 | 15

AGENDA

ELOGIE. SUGIRA. CRITIQUE. RECLAME. Queremos ouvi-lo: 0800 570 0800 ouvidoria@sebraesp.com.br

FEIRAS DE NEGÓCIOS FORMÓBILE – 8ª FEIRA INTERNACIONAL DA INDÚSTRIA DE MÓVEIS E MADEIRA Quando: 10 a 13/7 Onde: São Paulo Expo Rodovia dos Imigrantes, km 1,5 - São Paulo Informações: www.formobile.com.br/pt

FRANCAL 2018 – 50ª FEIRA INTERNACIONAL DA MODA EM CALÇADOS E ACESSÓRIOS Quando: 16 a 19/7 Onde: Expo Center Norte Rua José Bernardo Pinto, 333 - Vila Guilherme, São Paulo Informações: www.francal.com.br

ELETROLAR SHOW 2018 – 13ª FEIRA B2B DE ELETROELETRÔNICOS, ELETRODOMÉSTICOS, CELULARES, MÓVEIS E UTILIDADES Quando: 23 a 26/7 Onde: Transamerica Expo Center Av. Dr. Mário Vilas Boas Rodrigues, 387 - Santo Amaro, São Paulo Informações: www.eletrolarshow.com.br 2305_ANUNCIO_JORNAL_SEBRAE.pdf 1 24/05/2018 17:00:30

C

M

Y

CM

MY

CY

CMY

K

EVENTOS DO SEBRAE-SP CAPITAL SUL PALESTRA APRESENTA CURSO EMPREENDA Quando: 18/7 Onde: Escritório Regional do Sebrae-SP da Capital Sul Av. Adolfo Pinheiro, 712 - Santo Amaro, São Paulo Valor: Gratuito

GUARATINGUETÁ CURSO ENSINA COMO UTILIZAR A INTERNET A FAVOR DO NEGÓCIO Quando: 23 a 26/7 Onde: Escritório Regional do Sebrae-SP de Guaratinguetá Av. João Pessoa, 1325 - Pedregulho, Guaratinguetá - SP Valor: R$ 260

SÃO JOÃO DA BOA VISTA PALESTRA APRESENTA O SEBRAE MAIS – GESTÃO ESTATRÉGICA Quando: 17, 19 e 24/7 Onde: EMIP Dito Francoso (Escola SENAI), Associação Comercial e Industrial de Mogi Guaçu e Escritório Regional do Sebrae-SP de São João da Boa Vista (consultar endereços pela internet ou no 0800 570 0800) Valor: Gratuito


16 | JORNAL DE NEGÓCIOS

O sabor do Grajaú

Regiane Cruz conta como foi abrir uma hamburgueria artesanal na periferia com o marido Ricardo Vieira

“A

Pantcho’s House Burguer surgiu em março 2016 por uma grande sacada. Eu e meu marido recebíamos muitos amigos em casa e o Ricardo sempre mandou muito bem na cozinha. Nas visitas, o pessoal elogiava demais a comida dele e percebemos que aquilo poderia se tornar um negócio. Na época, estávamos passando por dificuldades financeiras e queríamos algo para complementar a renda. Então, com as habilidades culinárias do Ricardo, minha formação em design gráfico e um empréstimo de R$ 10 mil conseguimos inaugurar a nossa primei-

Regiane Cruz e o marido, Ricardo Vieira, da Pantcho’s: filas para provar o hambúrguer

ra loja. Vimos a necessidade de um lugar assim na periferia (Grajaú). Sempre que queríamos comer algo diferente, tínhamos de ir à região central e, por conta da distância, as pessoas acabavam ficando nos seus bairros mesmo. Mas a ideia de hambúrguer artesanal na periferia foi um passo bem ousado, pois é um produto mais caro e não sabíamos se a comunidade iria abraçar. Ainda bem que arriscamos, porque deu muito certo. Nossa primeira loja comportava até 35 pessoas. Aos finais de semana, chegava a ter uma fila com cerca de 90 pessoas do lado de fora esperando.

Recorremos então ao Sebrae-SP, que nos aconselhou mudarmos logo para um lugar maior. Acatamos a ideia e começamos a estudar a possibilidade. Fizemos um plano de negócio e começamos a procurar um ponto maior, até que, alguns meses depois, encontramos. O plano de negócio nos ajudou a convencer o gerente do banco a dar o empréstimo para abrir a nova loja. Mudamos, a casa cresceu, a equipe também, e mesmo com três vezes mais lugares as filas não diminuíram. Hoje recebemos pessoas de todos os cantos da cidade. A Pantcho’s, além de ser um lugar diferente na região, também

traz consigo um valor primordial, que é o empoderamento da periferia. Geralmente, as pessoas ouvem falar de periferia e já pensam num lugar feio que não tem nada. Estamos aqui para mostrar que não, na periferia também tem muita coisa legal. Temos como missão a quebra de estereótipos. Além disso, o Grajaú é uma região com um polo artístico enorme e aqui também oferecemos o espaço para artistas independentes, que estão começando, exporem suas artes sem cobrar nada deles. Tudo aqui é pensado com muita cautela e carinho. A comunicação visual é feita totalmente por mim. Uma coisa que os clientes gostam bastante é estilização do nosso cardápio. O nome do nosso estabelecimento não é à toa, pois Pantcho é o apelido do meu marido. Sendo assim, aqui é a casa do Pantcho. Temos os nomes de hambúrgueres com referência aos nossos bichos, os mais conhecidos são o ‘Gato Rei’, ‘Doce Maia’ e ‘Johnny Boy’. Ficamos apaixonados pelo ramo de carnes e nossa ideia é expandir cada vez mais a marca, mas nada de região central: nosso foco é atingir outras periferias porque acreditamos que é esse o diferencial. A dica que deixo para quem quer ter um negócio bem-sucedido é sempre estar disposto a aprender cada vez mais, fazendo algum curso ou procurando consultorias. E, claro, fazer o que gosta, pois o serviço não pode se tornar algo que você se sinta obrigado a fazer. O importante é buscar muitas referências, trabalhar com novidade – porque é o que o cliente vai procurar – e sempre com qualidade.”

Profile for Sebrae-SP

Jornal de Negócios - Julho de 2018 - Edição 291