Page 1

| Versão impressa - 250 mil exemplares

Mercado de marmitas cresce e se diversifica Pág. 6

A

A história do clube de cachaça que faz sucesso na internet Pág. 4

DO

Diogo Hayashi (esq) e Fabio Uehara, do Lab Fashion, com a designer de moda Ana Luisa Fernandes, que utiliza o local

F ev ique EM ab en p PR ril to, or , e q de m ue nt EE N Sã ac ro o on da DE Pa te s ul ce no DO o. d vi Pá e da R 20 g. 7 a de 12 1 s d 0 o 18 de

Espaços de trabalho compartilhados, os chamados coworking, conquistam cada vez mais adeptos. Conheça as vantagens e saiba os cuidados. Pág. 8

FE IR

  facebook.com/sebraesp     youtube.com/sebraesaopaulo     twitter.com/sebraesp     instagram.com/sebraesp

| março de 2018 | www.sebraesp.com.br | 0800 570 0800 | # 287

Dividir para somar


2 | JORNAL DE NEGÓCIOS

AGENDA

ELOGIE. SUGIRA. CRITIQUE. RECLAME. Queremos ouvi-lo: 0800 570 0800 ouvidoria@sebraesp.com.br

FEIRAS DE NEGÓCIOS

EVENTOS DO SEBRAE-SP

ABRIN 2018 – 35ª FEIRA BRASILEIRA DE BRINQUEDOS

GUARULHOS

Quando: 5 a 8/3

CURSO MOSTRA COMO TRANSFORMAR A IDEIA EM NEGÓCIO

Onde: Expo Center Norte

Quando: 19 a 21/3

Rua José Bernardo Pinto, 333 - Vila Guilherme - São Paulo

Onde: Escritório Regional do Sebrae-SP de Guarulhos

Informações: www.abrin.com.br/2018

Av. Salgado Filho, 1810 - Centro - Guarulhos - SP

EXPO BRASIL FEIRA – 36ª FEIRA DE VARIEDADES (UTILIDADES DOMÉSTICAS, BRINQUEDOS E PAPELARIA)

Valor: R$ 190 Informações: (11) 2475-6600

Quando: 6 a 8/3

CAPITAL SUL

Onde: Expo Center Norte

COMO VENDER MAIS E MELHOR

Rua José Bernardo Pinto, 333 - Vila Guilherme - São Paulo

Quando: 19 a 22/3

Informações: www.expobrasilfeiras.com.br

Onde: Escritório Regional do Sebrae-SP da Capital Sul

EXPO REVESTIR – 16ª FEIRA INTERNACIONAL DE REVESTIMENTOS Quando: 13 a 16/3 Onde: Transamerica Expo Center Av. Dr. Mário Vilas Boas Rodrigues, 387 - Santo Amaro - São Paulo Informações: www.exporevestir.com.br

Av. Adolfo Pinheiro, 712 - Santo Amaro - São Paulo Valor: R$ 240 Informações: (11) 5525-5270

ARARAQUARA OFICINA ENSINA A ATENDER MELHOR O CLIENTE Quando: 6 a 7/3 Onde: Escritório Regional do Sebrae-SP de Araraquara

INTERMODAL – 24ª INTERMODAL SOUTH

Av. Maria Antônia Camargo de Oliveira, 2903 - Vl. Ferroviária - Araraquara - SP

AMERICA (LOGÍSTICA, TRANSPORTE DE CARGAS

Valor: R$ 160

E COMÉRCIO EXTERIOR) Quando: 13 a 15/3 Onde: São Paulo Expo Rodovia dos Imigrantes, km 1,5 - Vila Água Funda - São Paulo Informações: www.intermodal.com.br/pt

Informações: (16) 3303-2421

MARÍLIA SAIBA MELHORAR ATUAÇÃO DA EMPRESA NAS REDES SOCIAIS Quando: 14, 15, 21 e 22/3 Onde: Escritório Regional do Sebrae-SP de Marília

EXPOPRINT LATIN AMERICA – 4ª EXPOPRINT

Av. Brasil, 412 - Centro - Marília - SP

LATIN AMERICA (EVENTO DE IMPRESSÃO)

Valor: R$ 240

Quando: 20 a 24/3

Informações: (14) 3402-0720

Onde: Expo Center Norte Rua José Bernardo Pinto, 333 - Vila Guilherme - São Paulo Informações: www.expoprint.com.br/pt

BARRETOS OFICINA ORIENTA COMO TER UMA EQUIPE MOTIVADA Quando: 20/3

BRAZIL PROMOTION DAY (MARKETING PROMOCIONAL)

Onde: Escritório Regional do Sebrae-SP de Barretos

Quando: 27/03

Rua 14, 735 - Centro - Barretos - SP

Onde: Hotel Pullman - R. Olimpíadas, 205 - Vila Olímpia - São Paulo

Valor: Gratuita

Informações: www.brazilpromotion.com.br/day

Informações: (17) 3321-6470


EDIÇÃO 287 | MARÇO DE 2018 | 3 EXPEDIENTE

Novidades

Publicação mensal do Sebrae-SP Edição impressa CONSELHO DELIBERATIVO Presidente: Paulo Skaf

ACSP, ANPEI, Banco do Brasil, Faesp,

Sebrae e BNDES oferecem R$ 6 bi em crédito para MPEs e MEIs

FecomercioSP, Fiesp, Fundação ParqTec, IPT, Desenvolve SP, SEBRAE, Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia, Sindibancos-SP,

O Sebrae e o Banco Nacional de Desenvol-

pais que deverão ser executados no prazo de

fintechs para melhorar o acesso a crédito para

vimento Econômico e Social (BNDES) firma-

dois anos. O eixo sobre concessão de crédito

esses empresários. A capitalização das micro e

ram convênio para oferecer uma nova linha de

orientado e garantias é o que abarca o maior

pequenas empresas e o relacionamento insti-

Diretor-superintendente: Bruno

crédito para os pequenos negócios. Serão R$ 6

número de ações: orientação e capacitação

tucional constituem os dois últimos eixos.

Caetano

bilhões direcionados a 280 mil empresas: 40 mil

para acesso a crédito; concessão de crédi-

“O crédito é o combustível para as micro

de pequeno porte, 90 mil microempresas e 150

to para MPE; oficinas, cursos e seminários; e

e pequenas empresas e nossa batalha é des-

mil Microempreendedores Individuais (MEIs).

sistemas garantidores de crédito. O segundo

burocratizar o acesso e conseguir melhores

O plano de trabalho do acordo de coope-

eixo, canais de distribuição de crédito e finan-

taxas de juros para elas”, enfatiza o presiden-

ração está centrado em quatro eixos princi-

ciamento, traz como desafio a utilização das

te do Sebrae, Guilherme Afif Domingos. Uma

Superintendência Estadual da Caixa Econômica Federal. DIRETORIA EXECUTIVA

Diretor técnico: Ivan Hussni Diretor de adm. e finanças: Pedro Jehá JORNAL DE NEGÓCIOS

Unidade Inteligência de Mercado Gerente: Eduardo Pugnali. Coordenador: Luiz Otávio Paro. Editores (MTB 34769) e Roberto Capisano Filho (MTB 46219). Assessores de imprensa: Gisele Tamamar, Marcelle Carvalho e Rogério Lagos. Estagiário: Wallace Leray. Imagens: thinkstockphotos.com.

das principais ações desse acordo será via-

Thinkstockphotos.com

responsáveis e redatores: Gabriel Jareta

bilizar parcerias com as fintechs com vistas a agilizar a concessão de empréstimos com recursos do BNDES. “O Sebrae entra fornecendo o que já fez no

Diagramação: Marcelo Costa Barros.

passado: o crédito orientado. Dará orientação

Fotos: Ricardo Yoithi Matsukawa – ME para o Sebrae-SP. Apoio comercial:

para o crescimento da empresa, viabilizará o

Unidade Comercial - Giulliano Antonelli

acesso ao crédito; se o projeto for bom, dará

(gerente).

o aval. Nós temos um fundo de aval para dar

SEBRAE-SP

garantia ao banco de que se ele (o empreende-

Rua Vergueiro, 1.117, Paraíso

dor) não pagar, o Sebrae cobrirá”, afirma Afif.

São Paulo-SP. CEP: 01504-001 ESCRITÓRIOS REGIONAIS

SEBRAE-SP

Alto Tietê

Araçatuba Araraquara Baixada Santista Barretos Bauru Botucatu Campinas Capital Centro

Sebrae-SP faz a ponte entre MPEs e médias e grandes empresas Imagine o Sebrae-SP fechando um contrato de prestação de serviços com uma grande seguradora de veículos, com o objetivo de in-

Capital Leste I

centivar e proporcionar às oficinas mecânicas

Capital Leste II

credenciadas um melhor conhecimento em

Capital Norte Capital Oeste

gestão empresarial. Para a seguradora essa

Capital Sul

ação oferece inúmeras vantagens, como a con-

Franca Grande ABC Guaratinguetá Guarulhos Jundiaí

fiabilidade na sua rede credenciada; já para as oficinas, é a garantia de que melhorará a competitividade e o desenvolvimento da empre-

da boa execução e organização da cadeia nas

A atuação do Sebrae-SP inclui a avalia-

suas diferentes etapas para assegurar a qua-

ção de toda a cadeia para que as soluções

lidade de seus produtos ou serviços e manter

propostas supram as necessidades das em-

res para diversos elos de uma cadeia produtiva

os negócios em constante progresso. Assim, o

presas envolvidas, dentro de um diagnóstico

e nova frente de atuação do Sebrae-SP.

Sebrae-SP faz a ponte entre as empresas, qua-

inicial. O Sebrae-SP faz todo o acompanha-

A cadeia de valor é formada por fornece-

lificando por meio de cursos e consultorias os

mento do processo e, ao final, é feito um se-

dores, distribuidores e/ou franqueados. A

negócios de pequeno porte para que atendam

gundo diagnóstico para mostrar o avanço e

empresa de grande e médio porte depende

melhor às demandas dos grandes.

os novos desafios.

Marília

sa, podendo até mesmo ampliar o número de

Osasco

clientes atendidos em seu mercado. Assim são

Ourinhos Piracicaba Presidente Prudente Ribeirão Preto São Carlos São João da Boa Vista São José do Rio Preto São José dos Campos Sorocaba

os Projetos Corporativos, um gerador de valo-

Sudoeste Paulista Vale do Ribeira Votuporanga ENTRE EM CONTATO: 0800 570 0800

Dúvidas e outras informações podem ser obtidas nos canais de atendimento do Sebrae-SP e no 0800 570 0800.


4 | JORNAL DE NEGÓCIOS

Entrevista do mês

O clube da e-cachaç@

Startup especializada na venda da bebida brasileira, a Cachaçaria Nacional cresce com inovação

C

om mais de mil rótulos de produtores artesanais de todo o país e 1,5 mil produtos cadastrados, a Cachaçaria Nacional é pioneira no e-commerce de cachaças no Brasil. Atualmente, a startup exporta e atende ao mercado B2B, pequenos empórios e adegas, além de trabalhar com acessórios para degustação, barris e produtos comestíveis do interior. A operação começou em 2009 com Rafael Araújo – que conversou com o Jornal de Negócios – e Marcos Paolinelli, que tiveram a ideia de aproximar os pequenos produtores de cachaças artesanais de alambique dos clientes. Em 2015, a Cachaçaria Nacional fundou seu clube de assinaturas. Em 2016, a abriu sua primeira loja física, em Belo Horizonte. Além da cachaça, possui um empório que oferta produtos tipicamente mineiros, como doces, bolos, biscoitos, queijos, temperos, antepastos, compotas, molhos e cafés especiais. Como surgiu a ideia de abrir a Cachaçaria Nacional? A Cachaçaria Nacional foi a pioneira na comercialização online de cachaças artesanais. A ideia surgiu com as lojas de vinhos e cervejas e com nosso olhar de que muitas cachaças artesanais, principalmente de Minas Gerais, não conseguiam ter abrangência nacional e vários aficionados não tinham acesso a cachaças de que gostavam. Por que vocês escolheram um nicho tão específico? Além de gostarmos bastante de cachaça, valorizarmos a cultura, o artesanal, as coisas da terra. Também fizemos uma extensa pesquisa e vimos a oportunidade em um mercado não explorado.

Como startup, a empresa recebeu inicialmente apoio financeiro de investidores? Não, a empresa se autossustentou desde o início. Não havia retirada dos sócios e todo o recurso arre-

cadado com as vendas era revertido em novos investimentos, seja em tecnologia, espaço físico, funcionários e estoque. Depois de alguns anos de mercado, despertamos o interesse de alguns investidores e tivemos nosso primeiro aporte em 2016, vindo em uma hora que precisávamos de crescimento, capital de giro e experiência de gestão.

cliente recebe duas cachaças selecionadas pela nossa equipe de um mesmo alambique de 500 ml cada, no mínimo, porém diferentes entre si. Além de receber mais uma de 160 ml desenvolvida pela Cachaçaria Nacional em parceria com um alambique. O frete é gratuito. O sócio ainda tem 10% de desconto em qualquer compra na Cachaçaria Nacional.

Quais os principais desafios de um e-commerce? Acertar em uma boa plataforma, aliada a um bom meio de pagamento. Criação e gestão de marketing diários e muito bem feitos. Gestão de capital de giro e estoque também são extremamente importantes. Por último, boas parcerias com transportadoras e gestão de fretes.

O que é preciso para que um clube de assinaturas como esse dê certo? Agregar muito valor às cachaças. Além de conseguir marcas com produtos muito bem feitos, rótulos com alto valor agregado, é necessário ter uma geração constante de conteúdo sobre cachaça em geral e sobre as específicas do mês. Fazemos questão de visitar cada alambique para gravarmos um vídeo mostrando a infraestrutura e toda a história da cachaça. Também fazemos parcerias com sommeliers ou cachaciers

Como funciona o clube de assinaturas? O ClubeCN funciona com uma assinatura mensal. Por R$ 99,90, o

e gravamos vídeos sobre essas análises e parceria com o chef com um prato com a cachaça do mês. Quais as dicas para quem quer abrir um negócio e ter sucesso? Tenho três pontos essenciais: estudo, ação e resiliência. Estudo desde antes da abertura do negócio até hoje, diariamente, tudo o que meu mercado é ou será e o que preciso saber para ser um empresário e uma pessoa melhor. É necessário ter proatividade, sair da zona de conforto e aplicar tudo com bom senso para que as coisas aconteçam. Se ficar esperando o dia seguinte, você pode perder a oportunidade de sua vida. E resiliência, pois você tem de ser capaz de adaptar-se o mais depressa possível às situações do dia a dia, sempre com uma alta energia e positividade para absorver os aprendizados e criar novos caminhos. Divulgação

Rafael Araújo, fundador da Cachaçaria Nacional: pioneira no setor


EDIÇÃO 287 | MARÇO DE 2018 | 5

A independência do MEI RAFAEL DE SOUZA, consultor do Sebrae-SP

Como inovar para vender mais? Diante de um cenário cada vez mais dinâmico e competitivo, com o aumento da concorrência e com clientes cada vez mais exigentes e extremamente conectados – com acesso a todas as novidades, tendências e comparações entre produtos e serviços de cada empresa ao seu alcance –, inovar torna-se uma estratégia imperativa e de grande importância para a sobrevivência dos negócios. Antes que você pense que inovar é investir em tecnologia ou equipamentos de última geração, já alerto que a inovação pode ser algo mais simples. Inovar nada mais é do que a implementação de um produto ou serviço, processo, forma de marketing ou método organizacional novo ou significativamente melhorado, que após implementado gere redução de gastos ou aumento de faturamento para seu negócio. Ou seja, se não gerar resultado financeiro para a empresa, você fez apenas uma invenção.

Você pode começar descobrindo o que o seu cliente quer, quais são as suas necessidades ou desejos que não estão sendo atendidos ou estão sendo atendidos parcialmente. Outro ponto importante é vender o valor do seu produto ou serviço, não apenas o seu preço. Este último é pago pelo cliente, mas o valor é o que ele percebe e leva em troca pelo que pagou. Você também pode permitir que seu cliente personalize o produto ou serviço que irá comprar. Não menos importante, crie ações na empresa que permitam a seu cliente ter um vínculo emocional com a sua marca. Participe de feiras, eventos, palestras, cursos e faça parte de grupos empresariais para manter-se atualizado e ampliar sua rede de contatos. Defina também qual é exatamente o seu negócio e como quer se posicionar no mercado. Mantenha-se sempre atento à globalização e às novas tecnologias. Com essas dicas simples, com certeza você estará mais preparado para fazer o seu negócio vender mais.

O Sebrae Responde é um serviço para tirar dúvidas de empreendedores sobre a abertura de novos negócios e questões relacionadas à gestão de empresas já em atividade.

Acompanhe o Sebrae-SP no ambiente digital, em www.sebraesp.com.br, e nas redes sociais: facebook.com/sebraesp | twitter.com/sebraesp flickr.com/sebraesp | instagram.com/sebraesp soundcloud.com/sebraesp | issuu.com/sebraesp youtube.com/sebraesaopaulo

O mercado de trabalho brasileiro ainda sofre as consequências perversas da recessão que sufocou nossa economia nos últimos anos. O País encerrou 2017 com mais demissões do que contratações, acumulando um resultado negativo de 28 mil vagas, de acordo com dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). Nesse quadro problemático, é natural imaginar que o indivíduo sem recolocação no mercado tenha partido para o negócio próprio como forma de voltar a ter renda. São pessoas que aproveitam seus dotes culinários e passam a vender bolos, doces e salgadinhos na vizinhança, entregam marmitas ou usam um espaço na própria casa para montar um salão de beleza e assim por diante. Para o trabalhador que resolve atuar de forma autônoma, a opção de se tornar Microempreendedor Individual (MEI) e fazer tudo de forma regularizada é, sem dúvida, a mais indicada. O interessante, conforme mostra pesquisa do Sebrae-SP de 2017, é

que a principal motivação para se formalizar como MEI não é a falta de emprego com salário bom (razão apontada por 42,3% dos entrevistados). O maior motivador para ser MEI é a possibilidade de independência (80,8% das respostas). Na sequência, aparecem a necessidade de se obter uma fonte de renda (78,8%), o desejo de colocar em prática seus conhecimentos (75,7%) e ter dinheiro para começar um negócio e se deparar com uma oportunidade (54,1%). Quem virou MEI cita as vantagens da formalização: estar legal perante o governo (27,8%), pagar poucos impostos (23,3%), emitir nota fiscal (20,3%) e poder atender a empresas (18,8%). Daí fica claro por que o número de MEIs não para de crescer: só no Estado de São Paulo existiam 905 mil em 2013 e ao final do ano passado chegaram a dois milhões. Portanto, vê-se que ser MEI é ter autonomia e segurança para trabalhar sem precisar se esconder do poder público, arcar com uma carga tributária reduzida, se apresentar para o mercado com outro status e ampliar o horizonte de negócios. Se é para trabalhar por conta própria, que seja da melhor maneira possível. É assim que se pavimenta o caminho para o sucesso.

BRUNO CAETANO, diretor-superintendente do Sebrae-SP  @bcaetano /bcaetano1 bcaetano@sebraesp.com.br

FALE COM A REDAÇÃO imprensa@sebraesp.com.br


6 | JORNAL DE NEGÓCIOS

O bom negócio

O mercado de refeições caseiras cresce com a diversificação do cardápio

C

ristiane Alcantara acorda todos os dias às 5h30 para dar conta de uma rotina dupla, que envolve os cuidados com os dois filhos e a atividade como empreendedora. Além de ter de arrumar principalmente o mais novo, de cinco anos, para a escola, ela organiza o seu tempo para preparar os pratos da Caseirices da Cris, um negócio de marmitas caseiras que começou há pouco mais de três meses e já vem se tornando o principal ganha-pão da família, moradora do Planalto Paulista, na zona sul de São Paulo.

Também na capital, mas na zona leste, no bairro da Penha, o despertador da Caroline Domingues toca um pouco mais tarde, mas a rotina não exige menos desta empreendedora que também divide suas atenções, mas entre as marmitas saudáveis da Sisters Fit, negócio que toca com a sua irmã nutricionista há nove meses, e o último ano de engenharia de produção, que cursa no período noturno. A realidade dessas duas Microempreendedoras Individuais (MEIs) faz parte de um cenário que vem se con-

solidando nos últimos anos no Brasil. De acordo com dados da Receita Federal e do Portal do Empreendedor, a atividade de “fornecimento de alimentos preparados preponderantemente para consumo domiciliar” passou do nono lugar em 2014 para o sexto lugar em 2017, alcançando um crescimento de 22,5% neste período. São aproximadamente 172 mil MEIs registrados nesta atividade, que compreende a preparação de refeições ou pratos cozidos, inclusive congelados, entregues ou servidos em domicílio, como entrega de marmitas.

Para a consultora do Sebrae-SP Karyna Muniz, esse crescimento no número de MEIs trabalhando com marmitas vai além de uma simples tendência. “Marmita nunca foi moda, sempre foi necessidade a partir do momento em que uma família precisa equalizar questões como ter tempo disponível para cozinhar, comprar refeições congeladas, ou ter recursos financeiros para contratar uma empregada doméstica que exerça tal função”, explica. Segundo a especialista, a indústria lançou muitos produtos de comida pronta ao longo dos últimos

Cristiane Alcantara, da Caseirices da Cris: gosto pela cozinha virou fonte de renda


EDIÇÃO 287 | MARÇO DE 2018 | 7

das marmitas

e com a inovação, abrindo espaço para mais empreendedores

5 DICAS PARA EMPREENDER NA ÁREA DE COMIDA CASEIRA

REGULARIZE-SE Alimentos processados só podem ser comercializados de acordo com as regras da Vigilância Sanitária

SEJA MEI Saiba quem fiscaliza seu negócio e conheça suas obrigações enquanto MEI. Acesse o Portal do Empreendedor e fique por dentro: www. portaldoempreendedor. gov.br

anos, mas o efeito foi totalmente o inverso. “O sabor da comida caseira e a procura por hábitos alimentares mais saudáveis têm feito o consumidor olhar para as marmitas com bons olhos”, completa Karyna.

PREPARAÇÃO

Foi justamente com esse pensamento em relação à alimentação mais saudável que Caroline resolveu empreender. Após deixar o estágio em uma multinacional, em maio de 2017, uniu forças com a irmã Michelli, nutricionista, e colocou em prática alguns conceitos aprendidos em cursos de gestão e marketing feitos no Sebrae. “Fizemos várias pesquisas de mercado antes de abrir a Sisters Fit e percebemos que havia espaço para o nosso negócio. Temos um cardápio diferenciado que agrada aos clientes, além de ser uma comida mais caseira”, explica Caroline. Os clientes da Sisters Fit, além de ter à disposição as marmitas fitness para o dia a dia, ainda podem combinar o cardápio com consultas com a nutricionista. Ao todo, são três opções de menu, que variam de R$ 9,90 a R$ 22. Já a história de Cristiane com o empreendedorismo começou pela

CUIDADOS Seja sempre zeloso com os seus produtos e sua marca

necessidade de obter uma renda após ter sido desligada do emprego. Na época, ela teve de prolongar a sua licença-maternidade em mais seis meses por conta de um problema de saúde do filho e, quando voltou, acabou sendo dispensada. “Não consegui me recolocar depois disso, procurei bastante, mas acabei tomando coragem para iniciar o meu próprio negócio”, conta ela, que aproveitou o gosto pela cozinha para começar a trabalhar por conta própria. “Aproveitei o tempo parada para me aprimorar, fiz alguns cursos no Sebrae e hoje me dedico 100% ao Caseirices”, diz Cristiane. Entre as opções do cardápio, é possível encontrar três opções de pratos: leves, clássicos e “premium”, todos produzidos com alimentos naturais. O valor das marmitas varia de R$ 12 a R$ 20, em porções individuais. Exemplos como o da Cristiane são comuns nessa área de atuação empreendedora. De acordo com a consultora Karyna Muniz, o aumento do desemprego de carteira assinada nos últimos dois anos, somado ao empreendedorismo materno, resultou em um “boom” no segmento. “Quando mães não conseguem se recolocar no mercado de

CONHECIMENTO Invista no marketing digital, principalmente com divulgação nas redes sociais, e faça cursos na área

trabalho e precisam ter uma fonte de renda, e ao mesmo tempo estar perto dos filhos, cozinhar em casa passa a ser uma solução, principalmente por ser uma crença de uma atividade prazerosa e que pode gerar renda”, explica a especialista.

MERCADO AQUECIDO

O que começou como uma alternativa hoje já se torna objeto de planos futuros e, por que não, voos mais altos. Atualmente, a Sisters Fit registra um crescimento de 10% ao mês, com uma média de 100 marmitas vendidas por semana, o que faz com que a proprietária Caroline já pense em um futuro maior para a empresa, deixando até mesmo a sua formação acadêmica de lado. “Hoje temos algumas dificuldades nas entregas distantes, então pensamos, em um futuro próximo, expandir a marca, talvez até mesmo franqueando. A aceitação está sendo excelente, principalmente nas academias e redes sociais. Nosso público cresce todos os meses, muito por conta do boca a boca, pois as pessoas realmente estão gostando dos nossos pratos”, comemora. A Caseirices da Cris vai pelo mesmo caminho. Também utilizan-

PÚBLICO Empreenda com foco no seu consumidor. Conheça os hábitos dele e seja cada vez mais assertivo

do as redes sociais como ferramenta de divulgação, Cristiane já começa a colher bons frutos nesse início de trabalho, tanto que já começa a pensar em expansão. “Precisei comprar um freezer extra maior pois o meu atual já não dá mais conta. Além disso, já tenho planos para a minha edícula em um futuro próximo, para se tornar um espaço exclusivo da Caseirices”, revela a empreendedora, que já dobrou o seu faturamento desde quando começou o negócio. Atualmente, assim como a Sisters Fit, comercializa em média cem marmitas por semana. A consultora do Sebrae-SP explica que as empreendedoras devem sempre ficar atentas a algumas questões importantes. “As boas práticas de fabricação e manipulação de alimentos que são regulamentadas pelas portarias das secretarias de vigilância em saúde do município ou Estado são fundamentais. Além disso, elas sempre precisam estar atentas e gerir seus negócios com assertividade para torná-lo lucrativo. Caso contrário, irão trabalhar e não vão ver a cor do dinheiro no fim do mês – e ninguém empreende para não ter lucro”, diz a especialista.


8 | JORNAL DE NEGÓCIOS

Compartilhar espaço

Iniciativas de coworking se espalham pelo País; pesquisa mostra que número

A

ideia de diminuir os custos e ainda poder compartilhar espaços, experiências e informações com outras pessoas foram fatores que motivaram a designer de moda Ana Luisa Fernandes, de 22 anos, a trabalhar em um espaço de coworking. Principalmente por se tratar de um local voltado apenas para o universo da moda. Espaços compartilhados especializados em um segmento, como o Lab Fashion, são cada vez mais comuns em São Paulo, e oferecem instalações específicas para as necessidades dos coworkers, como são chamados os usuários desse tipo de espaço.

Locais que estão se espalhando pelo Brasil. De 2016 para 2017, o número de escritórios compartilhados mais que dobrou: passou de 378 para 810, um crescimento de 114%, segundo o Censo Coworking Brasil. Do total, 40% estão localizados no Estado de São Paulo. Na avaliação do consultor do Sebrae-SP Luís Cláudio de Sousa Pereira, a economia pouco aquecida contribuiu com esse cenário. “Surgiu muita oferta no mercado freelancer e muitos profissionais foram buscar nesse tipo de espaço redução de custos”, destaca. O consultor destaca que o coworking está inserido na chamada

Os sócios Diogo Hayashi (esq.) e Fabio Uehara, do Lab Fashion, com a designer de moda Ana Luisa Fernandes

economia criativa. “É uma tendência trabalhar de forma colaborativa, compartilhar espaços e desenvolver essa inteligência coletiva”, diz. Para quem pensa em trabalhar em um coworking, o consultor pondera que o profissional precisa ter uma mente aberta. “É uma grande oportunidade para fazer networking, mas se a pessoa não tiver iniciativa, um comportamento empreendedor, fica mais difícil trabalhar nesse espaço, onde as pessoas buscam conhecimento, experiência e fazer negócios”, destaca. A designer Ana Luisa está satisfeita com seu local de trabalho.

Além da parte financeira, ela cita o espaço organizado, as palestras, as relações interpessoais com a possibilidade de conseguir indicações e informações como benefícios. “É um lugar de compartilhar conhecimento, onde estamos para crescer juntos. É perfeito para marcas novas”, afirma. O Lab Fashion foi criado em São Paulo pelos sócios Fabio Hiroshi Uehara e Diogo Toshio Hayashi com a proposta de juntar empreendedores e ser um negócio social na área de moda. Criado há dois anos, o negócio tem como bandeira apoiar os novos estilistas


EDIÇÃO 287 | MARÇO DE 2018 | 9

para reduzir custos

de locais mais que dobrou de 2016 para 2017, ultrapassando 800 e buscar uma moda mais ética e sustentável. “O coworking já estava em franco desenvolvimento e alinhava a experiência que tínhamos com locação de imóveis, empreendedorismo e moda. Ao mesmo tempo víamos cada vez mais coworkings segmentados por área de atuação e acreditamos neste modelo”, conta Hayashi. Entre as pessoas que procuram o Lab Fashion, a maioria é de profissionais liberais e empreendedores. A gama de clientes ainda inclui empresas de todos os portes para a realização de cursos e utilização do espaço para eventos corporativos, como reuniões internas, treinamentos e palestras. A diária do local custa a partir de R$ 60 e a mensalidade no plano semestral é de R$ 483,20. Para o empreendedor, o coworking é um modelo que veio para ficar porque traz benefícios para os clientes, como economia, networking e estrutura adequada. “Acreditamos que os coworkings que conseguem criar uma comunidade ao seu redor ganham mais destaque”, diz Hayashi.

COZINHA PROFISSIONAL

Foi justamente o contato com a comunidade ligada à gastronomia que motivou os sócios Diris Petribú e Emmanuel Viana de Melo a criar o Hub Food Service, em São Paulo. Há mais de 20 anos, a arquiteta Diris é diretora do StudioIno, empresa de design e arquitetura para produtos e estabelecimentos de food service. Era comum clientes e conhecidos com a intenção de começar um negócio, mas a montagem de uma cozinha industrial exigia investimento alto. “Resolvemos montar uma área para esses clientes. Primeiro montamos uma cozinha bem equipada, um espaço onde as pessoas podiam testar os produtos”, explica. A empresária conta que pensou o espaço como um hub para ligar as pessoas das áreas de ali-

Diris Petribú, do Hub Food Service, com o coworker Jônatas Mesquita: espaço teve impacto positivo no negócio de comida vegana

mentação, marketing, operações, projetos e fabricantes. Isso porque além de empreendedores que alugam a cozinha, o Hub Food Service tem uma área de eventos para as marcas testarem produtos, fazer apresentações, degustações, aulas, treinamentos e eventos variados. No local, o aluguel custa, em média, R$ 100 a hora, mas o valor pode ser negociado dependendo do número de horas contratado. “Temos bastante procura e ampliamos o espaço com três cozinhas com resfriador, forno combinado, com toda a estrutura”, destaca Diris. Entre os usuários do Hub Food Service estão os criadores da VeganJá, empresa que faz um serviço de entrega de pacotes semanais e mensais de refeições congeladas com zero produto de origem ani-

mal, preparadas com ingredientes preferencialmente orgânicos. O negócio começou com um investimento de R$ 30 mil de três colegas. A decisão de alugar uma cozinha para o preparo das refeições foi tomada porque a empresa precisava de um espaço com todos os equipamentos para produção em escala, com qualidade e seguindo as normas da Anvisa. “Para construir uma cozinha dessa o investimento em equipamentos é altíssimo, então tomamos a decisão de alugar um espaço que nos oferecesse toda a estrutura que precisamos”, conta Jônatas Mesquita, sócio da empresa. É na cozinha do Hub que são preparados pratos como a paella negra de cogumelos, o tutu mineiro de feijão preto e a moqueca de pu-

punha. “O Hub é um lugar onde conhecemos uma série de pessoas do ramo que de alguma forma tiveram algum impacto positivo em nosso negócio. Lá, conhecemos nossa nutricionista, consultores, prestadores de serviço, e clientes também”, destaca Mesquita. Trabalhando na cozinha compartilhada desde 2016, os sócios têm planos de expansão e mudança para uma cozinha própria ainda no primeiro semestre. “O Hub cumpriu sua função como lugar que possibilita o pequeno empreendedor tirar sua ideia do papel, partir para a execução e ganhar tração até ser capaz de caminhar com as próprias pernas, além de minimizar o risco de investimento e possibilitar formas mais criativas de alocar o capital”, afirma Mesquita.


10 | JORNAL DE NEGÓCIOS

o sebrae-sp não se responsabiliza pelas informações disponibilizadas neste espaço publicitário. o anunciante assume responsabilidade total por sua publicidade.

CONSULTORIA

NEGÓCIOS E OPORTUNIDADES

FEIRA DO EMPREENDEDOR SEBRAE-SP 2018

7 A 10 DE ABRIL, DAS 10 ÀS 21 HORAS. ENTRADA GRATUITA. São 40 mil m2 com mais de 420 expositores e oportunidades de negócios. Participe de palestras, cursos e consultorias. Visite as 7 lojas modelo para vivenciar práticas de gestão e ainda: Soluções de Crédito, Minha Ideia/Minha Franquia, Arena de Games e Startup World. Faça já sua inscrição online:

Parque Anhembi - Av. Olavo Fontoura, 1209 - São Paulo - SP. Proibida a entrada de menores de 14 anos, mesmo acompanhados dos pais ou responsáveis. Também não será permitida a entrada de animais de estimação.

PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

Para tornar a comunicação mais acessível ao cliente com deficiência auditiva, o Sebrae-SP disponibiliza o serviço de intérprete de Libras em seus eventos presenciais. A solicitação do serviço deverá ser comunicada no ato da inscrição e com antecedência de 5 (cinco) dias úteis à data de realização do evento. O cliente ou seu representante poderá se inscrever pessoalmente nos Escritórios Regionais, pelo portal do Sebrae-SP ou pelo 0800 570 0800.


EDIÇÃO 287 | MARÇO DE 2018 | 11

Lojas física e online integradas Tendência foi apresentada na edição 2018 da NRF, maior evento de varejo do mundo, em Nova York

Divulgação

Feira NRF em Nova York mostrou as tendências do varejo

A

integração da loja física com a online foi destaque da edição 2018 da NRF Retail’s Big Show, o maior evento mundial do varejo, que ocorre anualmente em Nova York e onde são debatidas as tendências e o que está acontecendo nas lojas de todo o mundo. O Sebrae-SP, mais uma vez, marcou presença com uma missão empresarial que, neste ano, levou 40 empreendedores de micro e pequenas empresas de São Paulo. Além do congresso, eles puderam conferir as novidades em uma feira de tecnologia e visitas técnicas a 17 estabelecimentos de destaque no varejo nova-iorquino incluindo empresas como Microsoft Store, Levi’s, Adidas, Nike, Amazon Store, REI, entre outras. As palestras e produtos expostos na Feira nessa edição ressaltaram a reinvenção do ponto de venda para se tornar atrativo no mundo digital e da junção desses dois caminhos, com bastante cuidado para a experiência que o consumidor vai ter dentro da loja. Grandes varejistas do mundo online, como a Amazon, estão abrindo lojas físicas para também proporcionar essa experiência ao cliente, segundo Gustavo Carrer, consultor de marketing do Sebrae-SP que acompanhou o grupo. “O que mais se vê na prática lá são as operações omnichannel, em que o cliente compra no site e retira na loja, e também quando o produto não está disponí-

Destaques da NRF 2018, segundo os consultores do Sebrae-SP: vel na loja e há a opção de o cliente comprar pelo tablet ou num painel touch screen, e ter o produto enviado para a casa”, explica Carrer. “As lojas físicas estão cada vez mais parecidas com o online e o meio virtual está tentando levar as experiências da loja, usando bastante as técnicas de storytelling, ou seja, contando histórias que antes eram contadas apenas nas vitrines, agora também nas mídias sociais”, completa. O empresário Josué Medina, proprietário do Emporium Medina, com quatro lojas de alimentos nordestinos e naturais na capital, viajou com o grupo em busca de novidades e já está colocando em prática o conhecimento adquirido. “A viagem serviu para consolidar alguns planos no meu negócio. Percebi que estava fazendo certo ao investir no treinamento da equipe e ofertar um atendimento personalizado na loja física, que é um dos meus diferenciais”, diz. A missão também ajudou o empresário na tomada de uma decisão importante, já que pretendia abrir mais três novas lojas este ano. “Voltei decidido a abrir apenas duas lojas físicas e investir no e-commerce, delivery e implantação das ações de clique e retira. Percebi que o principal bem do cliente é o tempo dele e temos de ajudá-lo a economizar esse tempo sendo bem atendido. Vou investir em ações que ajudem nisso”, finaliza.

1. “CLIQUE E RETIRE” A compra online e a retirada na loja, ou nos armários (lockers) já é algo conhecido no Brasil por causa dos grandes lojistas. Nos EUA, a tendência também já começa a ser vista nos pequenos negócios de bairro, nas compras mais rotineiras. 2. CUSTOMIZAÇÃO DE PRODUTOS Mesmo as grandes empresas estão abrindo espaços para a personalização de produtos. O produto pode ser customizado dentro da loja como a experiência da Nike que personaliza o tênis na hora da compra, seja com um grafismo de artista famoso, ou trazido pelo próprio cliente, que tem à sua disposição um aparato de materiais e ainda a orientação de um especialista. 3. REALIDADE VIRTUAL E REALIDADE AUMENTADA Ainda são poucas experiências implantadas, mas os grandes varejistas americanos têm projetos e estão estabelecendo parcerias com empresas de tecnologia. Em breve, estarão disponíveis para o pequeno varejo, chegando finalmente no Brasil. 4. LOJA ONLINE X LOJA FÍSICA O ambiente online é cada vez mais usado para atrair clientes para ir até a loja. Com o uso consolidado de celulares e das mídias sociais, a estratégia é usar a geolocalização para levá-las até lá. A loja física virou um “parque de diversões” onde os clientes têm uma experiência mais profunda com a marca e produtos. 5. VÁRIOS TIPOS DE NEGÓCIOS Não existe um modelo único de negócios nem um formato único de lojas para o sucesso, seja franquia ou grande rede, ou só loja online ou só loja física, ou pequenas redes de bairro, independentes. Existem vários formatos de sucesso, que vão conviver juntos.


12 | JORNAL DE NEGÓCIOS

Feira do Empreendedor 2018: Maior evento de empreendedorismo do País será realizado de

Público na Feira do Empreendedor 2017: evento oferece oportunidades de negócios para os mais diversos ramos

O

maior evento de empreendedorismo do Brasil está com as inscrições abertas – e com uma programação mais especial do que nunca. A edição 2018 da Feira do Empreendedor do Sebrae-SP terá espaços voltados para o empreendedorismo na prática, um mix de expositores mais diversificado e uma agenda extensa de oficinas e palestras. Além, é claro, do atendimento realizado pelos consultores do Sebrae-SP para tirar suas dúvidas na hora a respeito de temas que fazem parte do dia a dia do empreendedor, como marketing, finanças, tendências, inovação, exportação, entre outros. Assim como nas edições anteriores, a entrada e todas as atividades são gratuitas. A Feira do Empreendedor será realizada entre os dias 7 a 10 de

abril, no Pavilhão de Exposições do Anhembi, na zona norte de São Paulo. A expectativa é de que 140 mil visitantes passem pelo local nos quatro dias de evento. A Feira ocupará um espaço de 40mil m² para receber confortavelmente o público e comportar toda a estrutura de 425 estandes reservados para micro e pequenas empresas que desejam estar presentes em uma grande vitrine de negócios, além de 26 espaços reservados para patrocinadores. Alguns dos principais atrativos da edição 2018 da Feira serão os espaços de modelos de negócios. Nesses locais, os visitantes poderão conhecer, na prática, como funciona a operação de negócios de diferentes ramos. Esses estandes temáticos serão divididos entre os

seguintes segmentos: Oficina de Moto, Negócios de Beleza, Boteco de Sucesso, Indústria da Confecção e Negócios Digitais. Com a ajuda de óculos de realidade virtual, outros três espaços apresentarão os modelos ideais de um minimercado, de uma pet shop e de negócios que podem ser montados em uma garagem.

SUCESSOS DE PÚBLICO

Áreas e espaços que tiveram uma grande procura em edições anteriores também estarão presentes – todos com novidades e melhoria no atendimento ao público. É o caso do Start Up World, que trará cases e discussões para quem tem ou pretende começar um projeto de negócio disruptivo. Para quem está pensando em ampliar o mercado, a

Arena de Negócios Internacionais vai colocar frente a frente donos de pequenos negócios e representantes comerciais de diversos países. As oito salas de capacitação reservam uma programação diversificada e aprofundada sobre as principais dúvidas do empreendedor, além de promover mesas redondas para facilitar a troca de conhecimento. Os Microempreendedores Individuais (MEIs) continuarão a ter atenção especial, assim como aqueles visitantes que procurarem o atendimento do Escritório Sebrae-SP, que contará com um time de consultores especializados para fazer um atendimento personalizado. A seguir, conheça um pouco mais sobre os espaços de modelos de negócios e o que encontrar em cada um deles.


EDIÇÃO 287 | MARÇO DE 2018 | 13

oportunidades ampliadas 7 a 10 de abril no Anhembi, com público previsto de 140 mil pessoas

MODELOS EM DESTAQUE

A Feira do Empreendedor preparou espaços onde o público empreendedor ou interessado em empreender poderá conhecer os modelos de negócios ideais em diferentes áreas de atuação

NEGÓCIOS DE BELEZA

OFICINA DE MOTO

Os visitantes que passarem pelo local vão conhecer o funcionamento de uma oficina de motocicletas ideal, com foco na experiência de serviços com boas práticas no atendimento, organização, limpeza e cuidados com a sustentabilidade. O espaço também vai trazer equipamentos com novidades em tecnologia para o segmento.

NEGÓCIOS DIGITAIS

Partindo de uma experiência interativa entre o público e o mediador, o espaço vai abordar de forma prática os diferentes modelos de negócios na internet (e-commerce, m-commerce, apps etc) com exemplos reais de operações, pontos de atenção e dicas importantes para diminuir erros. Ao final de cada dia haverá uma sessão de “pitch” com avaliação de negócios digitais pré-selecionados.

Feira do Empreendedor 2018

Em um espaço que reproduz um negócio de verdade, o público poderá conhecer as boas práticas de gestão de um salão de beleza e estética, com formas de diversificar a receita por meio de inovação e tecnologia, como aplicativos de agendamento, e de serviços agregados. Além das apresentações, os consultores também vão dar orientações sobre a Lei do Salão Parceiro.

INDÚSTRIA DA CONFECÇÃO

Nesse espaço, os visitantes interessados em empreender ou aprimorar o seu negócio na área de confecção poderão conhecer, em um espaço cenográfico e interativo, os equipamentos, layout e técnicas que fazem parte dessa indústria. Também serão apresentados diversos nichos de mercado, como reparos e customização, uniformes, plus size, festa etc.

BOTECO DE SUCESSO

O público vai poder conhecer o funcionamento de um modelo de negócio com foco na típica gastronomia paulista de botequins. O espaço terá um empório com produtos artesanais paulistas, todos clientes do Sebrae-SP, e orientações sobre formas de inovar no atendimento, como venda de produtos pela internet e delivery.

LOJAS MODELO VIRTUAIS

Com o auxílio de óculos de realidade virtual, o visitante poderá conhecer por dentro três modelos diferentes de negócios e quais as boas práticas em cada um dos segmentos. São eles: minimercado, pet shop e negócios de garagem (incluindo desde uma loja de bolos caseiros até uma oficina de bicicletas).

Quando: de 7 a 10 de abril de 2018, das 10 às 21h Onde: Pavilhão de Exposições Anhembi Av. Olavo Fontoura, 1029, São Paulo, SP Outras informações em: http://feiradoempreendedor.sebraesp.com.br ou 0800 570 0800

A entrada é gratuita. Importante lembrar que o evento é proibido para menores de 14 anos, mesmo acompanhados dos pais ou responsáveis. Também é proibida a entrada de animais de estimação.


14 | JORNAL DE NEGÓCIOS

TEC &

LIVROS Plano de Negócios – Seu Guia Definitivo (Editora Campus) O livro pretende ser um guia para o desenvolvimento de um plano de negócios. A obra foi escrita por causa da alta demanda de clientes, alunos, professores e demais públicos que precisam desenvolver esse tipo de trabalho. José Dornelas sintetiza de forma qualificada todo conteúdo sobre plano de negócios para o empreendedor que, por conta do pouco tempo, não consegue se aperfeiçoar com profundidade nos temas que envolvem o assunto.

Visionários – Desenvolva um Novo Olhar sobre seu Negócio, Inove e se Destaque no Mercado (Editora Gente) Muito além de criar um negócio, alguns empreendedores criam um legado, que é construído por meio de ideias inovadoras, fazendo deles visionários. Neste livro, o leitor encontrará inspiração suficiente para se tornar um novo visionário, que com uma boa interpretação de mercado, clientes e objetivos, terá contato com os elementos para desenvolver uma carreira memorável.

Mente Empreendedora – O Caminho do Sucesso Profissional e Empresarial (Editora IBCE) Não basta apenas empreender, tem de saber o que está empreendendo. O sucesso financeiro não significa nada comparado às conquistas alcançadas por ter uma verdadeira mente empreendedora. O livro mostra pontos fundamentais que compõem o empreendedorismo de alta performance. Na obra, Josicleido Nogueira explica que quem é estratégico vai muito mais longe na hora de atingir objetivos. A obra aponta métodos, atitudes, comportamentos e ações de pessoas extraordinárias que são apaixonadas por negócios.

WHATSAPP LIBERA APLICATIVO PARA MPES NO BRASIL O WhatsApp liberou no Brasil a Thinkstockphotos.com versão do aplicativo de mensagens para micro e pequenas empresas (MPEs), o WhatsApp Business. Entre as novas funções do serviço estão a de tirar dúvidas e atender a reclamações automaticamente, a qualquer hora. Quatro em cada cinco pequenas empresas no Brasil usam o WhatsApp como ferramenta de trabalho, mostra pesquisa da Morning Consult. O aplicativo traz três novidades para empresas em relação ao WhatsApp existente: conta comercial, mensagens automáticas e estatísticas. As empresas poderão usar o serviço sem pagar nada. Basta baixar o app e preencher um cadastro, com endereço, descritivo da empresa e um número de telefone vinculado. Os consumidores poderão falar com as empresas usando o programa que já têm instalado. As empresas poderão listar nome do estabelecimento; horário de atendimento; site oficial; ramo de atuação; descrição do negócio; endereço e telefone de contato. Para facilitar o atendimento aos clientes, as empresas poderão criar mensagens automáticas com informações sobre o negócio, por exemplo. Outro recurso presente no WhatsApp Business é o acesso às estatísticas das interações com consumidores. As empresas poderão ver quantas mensagens foram lidas, por exemplo.

YOUTUBE GO ESTÁ DISPONÍVEL NO PAÍS

Divulgação

O YouTube Go está disponível para o público. O Google lançou o app simultaneamente em 21 países, inclusive no Brasil, depois de um longo período de testes. Por meio dele, é possível assistir a vídeos sem usar a internet do celular. Dessa forma, ele permite baixar vídeos em alta resolução para assistir em qualquer lugar, mesmo sem conexão. O aplicativo ainda tem suporte ao compartilhamento de arquivos baixados via Bluetooth, garantindo ainda mais economia de dados. Por outro lado, ele tem bloqueio via geolocalização, o que impede ver um vídeo bloqueado no Brasil mesmo que o download tenha sido feito em outro país. Para baixa-lo basta acessar o Google Play.


EDIÇÃO 287 | MARÇO DE 2018 | 15

IDEIAS

PERGUNTE A QUEM ENTENDE “Quais as vantagens que os pequenos negócios têm ao utilizar startups da área financeira e bancos virtuais?”

NOVO SISTEMA DE PAGAMENTO SERÁ LANÇADO NO VAREJO NACIONAL sistema de pagamentos com o iPhone, será lançado no Brasil nos próximos meses, segundo disse o diretor-executivo da Apple, Tim Cook, ao anunciar o balanço da empresa no ano de 2017. O pagamento funciona a partir de uma tecnologia por aproximação, ou seja, a pessoa aproxima o iPhone do terminal de cartão e autoriza o pagamento. Também será possível o uso para compras online. Desde o ano passado funciona no Brasil o Samsung Pay, que é o serviço de pagamento da Samsung, e concorrente do Apple Pay. Para usar o Apple Pay, não há necessidade de comprar um aparelho novo: o serviço estará disponível para todos os iPhones. Também será possível fazer o pagamento com o Apple Watch. Lançado inicialmente apenas nos Estados Unidos em outubro de 2014, hoje o serviço de pagamento pelo iPhone já está disponível no Canadá, Austrália, China, Hong Kong, Cingapura, França e Suíça, entre outros países.

DICA DE FILME CONTRA TUDO E CONTRA TODOS Ela é divorciada e tem dois filhos. Mora com a mãe, viciada em novelas, o exmarido, que habita o porão da sua casa, e o pai, que apesar de separado da mãe, também vive no mesmo endereço. Nessa situação, à beira do caos doméstico, ela inventa um esfregão de limpeza, o Divulgação “miracle mop”, que se torna um fenômeno de vendas. O filme Joy: o nome do sucesso conta a história real de Joy Mangano, que, nos anos 1990, virou uma das empreendedoras de maior sucesso dos Estados Unidos mesmo tendo tudo contra si. No elenco estão Jennifer Lawrence, Roberto De Niro e Bradley Cooper.

Divulgação

Uma novidade está para chegar ao varejo brasileiro. O Apple Pay,

Alexandre Góes, diretor de meios de pagamento da TrustHub, responde:

Sem dúvida, a agilidade é a maior vantagem que uma fintech (startup da área financeira) tem a oferecer aos micro, pequenos e médios empresários. Diferentes dos bancos tradicionais, que ainda atuam de maneira muito burocrática junto às MPEs, essas startups financeiras oferecem soluções práticas e digitais em processos que, muitas vezes, levam poucas horas. Hoje, as pessoas não têm mais tempo para ir aos bancos duas ou três vezes ao dia com pilhas de documentos para tentar conseguir uma aprovação de crédito ou até realizar uma operação simples. Por isso, com sistemas móveis, digitais e práticos, as fintechs conquistam cada vez mais os consumidores. Prova disso é o constante crescimento desse mercado. Os últimos dados divulgados pela FintechLab, entidade que monitora o setor, mostram que, no Brasil, o número dessas startups saltou 36% em nove meses: em fevereiro de 2017, elas eram 247; em novembro do mesmo ano, 332. A agilidade dessas startups também traz reflexos diretos e muito positivos aos pequenos negócios. No caso de instituições que oferecem crédito ou antecipação de recebíveis, por exemplo, a liberação mais rápida do dinheiro pode garantir a sobrevivência de um negócio que enfrenta dificuldades financeiras (afinal, imprevistos podem surgir em momentos que o caixa não está preparado para solucioná-los) e até agilizar a concretização de um projeto importante que demanda investimento. Os números são cada vez mais favoráveis a essa tendência que, ao que tudo indica, veio para ficar. Tem alguma dúvida sobre como a tecnologia pode ajudar o seu negócio? Pergunte a quem entende! Mande um e-mail para imprensa@sebraesp.com.br.


16 | JORNAL DE NEGÓCIOS

Startups paulistas nos EUA

Empreendedores premiados no Pitch Gov.SP estarão no South by Southwest (SXSW), em Austin, no Texas

A

s startups Matific, Colab e Portal Telemedicina foram as mais bem avaliadas do Pitch Gov.SP e serão premiadas pelo Sebrae-SP com a participação no South by Southwest (SXSW), considerado um dos mais importantes eventos globais sobre inovação, cultura e tecnologia. O SXSW ocorre entre 9 e 18 deste mês, em Austin, no Texas. O festival já foi palco de lançamentos do Twitter, Uber e AirBnB, por exemplo. “Participar de um dos principais festivais de inovação, cultura e tecnologia do mundo servirá de incentivo e inspiração para as startups aprimorarem seus projetos”, destaca Guilherme Arradi, consultor de inovação do Sebrae-SP. A Matific, startup de tecnologia educacional, é uma plataforma com mais de 1,6 mil jogos projetados para apoiar o ensino de aprendizagem de matemática nos anos iniciais. De acordo com o diretor da startup, Dennis Szyller, a pla-

taforma vai ajudar a dar um salto de qualidade muito grande na educação brasileira. “A matemática é matéria fundamental para a formação de engenheiros. O fato do Brasil não ser um país competitivo está relacionado a ter uma péssima base de matemática. Os países que estão trazendo mais inovações para o mundo têm uma base muito forte de matemática e ciências. O que a gente não tem no Brasil”, destaca. De acordo com Szyller, a plataforma contribui para a melhora dos resultados das crianças aprendendo matemática e para chegarem bem preparadas na universidade. Cerca de 30% dos estudantes de engenharia param o curso porque não têm capacidade de continuar, não têm nível de matemática para cursar. A falta de base é o calcanhar de Aquiles do ensino superior”, afirma. Sobre o SXSW, Dennis Szyller espera conhecer muitas novidades nas áreas de educação e tecnologia e avaliar o que pode ser aplicado na startup.

As outras startups premiadas com a viagem para os Estados Unidos foram Colab e Portal Telemedicina. O Colab, que atua no setor de saneamento e energia, é uma rede social com o objetivo conectar cidadãos, governo e agência reguladora de maneira transparente. O fundador e CEO do Colab, Gustavo Moreira Maia, está feliz em participar do evento. “Por tudo que pesquisei, o SXSW é um evento incrível e com certeza vamos conseguir trazer inovações e olhar outras coisas que estão acontecendo no mundo. A gente trabalha com governo, principalmente, e conseguir trazer de lá inovações que são aplicadas em diversos outros tipos de negócio para melhorar a relação entre o cidadão e o governo será incrível”, afirma. Já o Portal Telemedicina é uma solução para saúde, uma central médica online que possibilita a interoperabilidade e colaboração entre profissionais da saúde e pacientes. Segundo o CEO do Portal,

Da dir. para a esq.: Dennis Szyller, Roberto Figueroa (diretor de tecnologia da startup, representando o CEO, Rafael Figueroa) e Gustavo Moreira Maia, das startups selecionadas no programa

Rafael Figueroa, a startup utiliza saúde digital e inteligência artificial para prover acesso online a médicos especialistas em mais de 100 cidades no Brasil. “O SXSW é um dos mais importantes eventos de tecnologia do mundo, oportunidade única para aprendizado e networking. Para nós, a palestra do Ray Kurzweil, um dos grandes pensadores de inteligência artificial, será um grande aprendizado, assim como o keynote da Melinda Gates representando a Bill & Melinda Gates Foundation, maior organização mundial de apoio a causas de impacto social e saúde”, destaca.

PITCH GOV.SP

As três startups foram as mais bem avaliadas no Pitch Gov.SP, programa do governo do Estado de São Paulo, em parceria com a Associação Brasileira de Startups, Sebrae-SP e Prodesp, que visa unir governo e startups na busca por soluções inovadoras para melhorar os serviços públicos. No total, foram selecionadas 16 finalistas que se apresentaram no evento Pitch Gov.SP em novembro. De acordo com o regulamento do programa, os projetos selecionados poderão ser testados de acordo com a escolha dos órgãos e entidades envolvidas. Para isso, será criado um plano de trabalho e formalizado um convênio, sem repasse de recursos financeiros. Assim, as startups terão a chance de utilizar a estrutura dos órgãos para testar as suas soluções. “O Pitch Gov.SP é uma oportunidade imperdível para as startups que desejam acessar o mercado governamental e transformar a qualidade dos serviços públicos, como saúde e educação. Além disso, é um canal para tornar-se conhecido e demonstrar publicamente os benefícios da sua solução, o que atrai novos clientes e potenciais investidores”, explica Guilherme Arradi, do Sebrae-SP.

Jornal de Negócios - 01 de Março 2018  

Nesta edição: Dividir para somar: Mercado de marmitas cresce e se diversifica; - A história do clube de cachaça que faz sucesso na internet...

Jornal de Negócios - 01 de Março 2018  

Nesta edição: Dividir para somar: Mercado de marmitas cresce e se diversifica; - A história do clube de cachaça que faz sucesso na internet...