Issuu on Google+

DEZEMBRO 2012

vida interior do lago sul


“Nós devemos alcançar aquele estado em que exista unidade, um estado de totalidade que possa existir simultaneamente com as diferenças.” Sri Ram


V

3 ida interior trata de meditar profundamente sobre nós mesmos, sobre a natureza interna das coisas e sobre a natureza do tempo e espaço - assim define o Prof. George Alvarez Planas, Diretor Internacional Adjunto de Nova Acrópole.

O Prof. Luis Carlos Marques, diretor de Nova Acrópole Brasil Norte fala-nos sempre de vida interior como domínio de nossa mente. Vida interior como o nome já diz trata desta vida oculta e bela que reside dentro de cada um de nós. Trata do mundo dos ideais e do paulatino despertar do Ser interior. É com esta inspiração que compartilhamos com outros acropolitanos um pouco da vida interior do Lago Sul. Compartilhamos o que significa para nós sabedoria, a filosofia, ensinamentos que marcaram nossa vida e momentos de relação profunda com a natureza. Oferecemos o melhor que temos para que possamos lembrar a nós mesmos e aos nossos

Prólogo

companheiros sobre quem somos - seres humanos que se inspiram e trabalham em alguma medida por um ideal de sabedoria, não apenas individual, mas sobretudo coletivo, humano e universal. Dedicamos este livreto ao nosso Diretor Nacional e a todos os nossos mestres e instrutores que estiveram conosco neste ano, compartilhando um pouco do seu coração. Esperamos que apreciem esta pequena obra.


S

4 abedoria é viver a experiência humana com o propósito de evolução. Assim, sabedoria é um fluxo constante de vivências, interiorização, aprendizado, transformação e avaliação.

A busca pela sabedoria move o homem a harmonizar-se, a tomar posse de si mesmo a caminho do seu centro, onde potencializa a sua experiência humana. Aprendizado - O aprendizado mais belo e profundo do curso foi compreender que a evolução humana é fruto de um esforço consciente. A compreensão mais profunda da vida é

Maria Raquel Mesquita Melo

estabelecida pelo homem por meio do seu coração. Amor - O amor abre nossa capacidade de compreensão, viabiliza o contato com a nossa mais pura intuição. Amor é síntese, é a virtude que nos aproxima do bem e nos move de volta ao Uno.

Raquel encontra na filosofia entendimento e inspiração. Expressa no seu artesanato, uma doação sincera e afetuosa.


S

5 abedoria é a busca pela Verdade, Verdade una e indissolúvel presente em qualquer cultura, povo ou nação. E a aplicação da sabedoria é agir de acordo com a Verdade. Filosofia é o aprendizado da arte de viver, é o caminho para a felicidade como

“ser”. O caminho para a sabedoria inicia-se com a vontade de apreender, investigar a Verdade, conhecer aquilo que alimenta a alma. Em segundo lugar, após a descoberta de uma parte da Verdade, passar a agir de acordo com ela (a reta ação), o ser político. Aprendizado - Que os olhos foram feitos para ver, os ouvidos para enxergar e a alma para governar. Ao possibilitar a alma a governar experimentei a maior felicidade, até hoje, já

Vitor Cassab Danna

conquistada por mim. Ainda não cheguei ao ponto de impedir, mas ao dificultar o governo das emoções e da inércia me sinto mais feliz e realizado. Conexão - Ao fazer minha leitura filosófica diária, praticar o tatraki e ser justo e honrado.

Vitor se entusiasma com a filosofia. Trouxe todos os seus amigos para conhecer Nova Acrópole e tem feito das palavras do Bhagavad Gita, de Platão e tantos outros seus mestres, seu alimento diário. Inspirou-nos com sua música, a ´Coragem´.


S

6 abedoria é conhecer e pôr em prática a arte de viver. Filosofia é um aprendizado que, se bem apreendido, leva à sabedoria. O melhor de estudar na Nova Acrópole é descobrir que há todo um conhecimento

antigo e bem estruturado que nos abre uma perspectiva nobre e salutar da existência humana. Aprendizado - Posso compartilhar a percepção de que há muitas pessoas envolvidas e interessadas na riqueza da vida interior, dedicadas a se colocar a serviço da humanidade. Conexão - Sinto-me integrada com a natureza quando compartilho, com os grandes pensadores da História, ideias e ideais que nunca se extinguem. A Natureza é eterna fonte de

Elce Cascão

beleza!

Elce se identifica com a sabedoria universal. Sua pesquisa sobre o ´Sol´ ajudou os novos filósofos a saberem um pouco mais sobre este Ser que a tudo ilumina. Ajuda com seus produtos ´milagrosos´ a manter a escola limpa.


S

7 abedoria para mim é uma atuação no mundo a partir de uma integração com o todo. Filosofia é a busca dessa integração através de reflexão e práticas.

Aprendizado - O que eu aprendi que tem me ajudado muito é a constituição septenária. Ter clareza dos meus veículos/planos e perceber a sua influência a cada momento aprimorou minha capacidade de atuação no mundo, logo, minha sabedoria. Tesouro - Quem cria minha realidade sou eu! Conexão - Um momento inesquecível e de integração profunda no qual me senti tocada pelo Divino, totalmente Una foi no parto da minha filha, foi um parto normal e aquele momento

Claudia Nogueira

me marcou para minha vida, dando-me inclusive novo sentido para ela.

Corajosa e energética, Claúdia encontra na filosofia um ponto de mais serenidade e vida interior. Aquieta um pouco o movimento externo e vai descobrindo a beleza de um outro mundo que desponta.


S

8 abedoria é uma condição de Paz Interior que se adquire quando se consegue o controle da própria vida, tornando-se o principal protagonista da mesma, mediante o estudo e a reflexão no dia-a-dia.

Filosofia é entender as leis da Natureza, aprender a dominar as nossas fraquezas e exercer

nossas potencialidades.

Marcelo José Valsesia de Rosa

Aprendizado - Tenho que mudar a mim mesmo antes de querer mudar o mundo, pois é dentro de mim que carrego todas as causas que podem me fazer triste ou feliz. Sabendo que a Vida é eterna e que esta existência é muito efêmera, tudo o que tiver que ser feito, tem que ser bem feito. Conexão - Aprendemos a sentir isso cada vez mais, mantendo a consciência mais controlada no dia-a-dia, desde notar a sombra que o Sol projeta a partir de nós até a sensação boa de respirar bem fundo e encher os pulmões calmamente.

Marcelo é um guerreiro, inspirado pelos bravos de Esparta. Habilidoso, com facilidade conserta o que precisa. É um buscador constante.


S

9 abedoria é atingir a plenitude de conseguir observar cada coisa da vida sob a ótica externa e interna e agir de acordo com valores internos.

Filosofia é praticar o desapego, o auto-domínio e a generosidade. Aprendizado - Que todos são força e fraqueza, sombra e luz, deuses e escravos, universo e célula.

Leandro Freire de Holanda Cavalcante

Conexão - Quando percebo que influenciei alguém a adotar uma atitude positiva sinto que influenciei uma vida inteira. E isto é como cumprir o meu papel enquanto ser humano.

Leandro é criativo e com a filosofia aprende mais a focar a sua energia e dar mais profundidade aos seus ímpetos de doação e generosidade.


S

10 abedoria é a plena consciência de tudo que está a sua volta. Filosofia são pequenos passos ou princípios que buscamos para podermos compreender os grandes mistérios da vida.

Aprendizado - A importância de fazer cada ação consciente. Felicidade - Que através do conhecimento nós encontramos a felicidade. Conexão - Eu utilizo a natureza para lembrar que eu faço parte de um sistema, onde eu não

Thiago Silva Pradera

sou o centro.

Thiago traz luz para o Lago Sul (literalmente). Traz soluções e busca constantemente uma síntese entre os ensinamentos da filosofia esotérica e o conhecimento que já tem da tradição cristã. Nunca deixa a decisão ´para a vaca no meio da estrada´. Luis Carlos Marques na sua palestra sobre o Futuro comenta que as pessoas costumam deixar a decisão para a ´vaca que encontram na estrada´. Esta palestra marcou o Thiago que sempre se lembra da necessidade de tomar para si a decisão sobre o seu futuro.


S

11 abedoria é procurar agir de acordo com a Lei da Natureza, com o Dharma, reconhecendo sempre nossa limitada condição humana, que nos impõe realizar constantes ajustes. Conheça-te de acordo com a Lei do Karma.

Filosofia é a constante instrumentalização para que possamos desenvolver nossas potencialidades. Aprendizado - A reconhecer minhas debilidades e traçar metas objetivas para superá-las. Tesouro - Conheça-te a ti mesmo, com humildade e inteligência.

Delano Lisboa

Conexão - Nos momentos de profunda atenção e contemplação.

Delano gosta de servir – a família, o país, o Ideal. Deixou a escola ´verde´ e abriu literalmente novas portas. Inspira-se pelos fortes ideais estóicos de firmeza e resolução – práticos, simples e profundos.


12

O país do Rei Magnífico Era uma vez, em um lugar muito distante e belo havia um Reino. Era um Reino encantado onde as pessoas viviam todas felizes. Naquele lugar, as pessoas trabalhavam, descansavam e se divertiam. O Rei daquele lugar chamava-se Magnífico. Era um homem muito bom. Conhecia todas as pessoas do seu reino pelo nome e também sabia onde cada uma trabalhava e onde cada pessoa podia ser mais feliz.

Claudio Gomes de Morais

Assim, conseguiu fazer do seu Reino um lugar belo e lindo. Os fazendeiros cuidavam das suas vacas, cabras, galinhas e plantações. Os padeiros faziam os pães mais gostosos de toda a redondeza. Os sapateiros eram os responsáveis por fazer as sapatilhas que calçavam as bailarinas durante as apresentações nas praças em noites estreladas. Os soldados vigiavam o Reino com suas lindas roupas feitas por costureiros que amavam costurar. Os professores davam as aulas com tanta alegria que os alunos aprendiam muito rápido tudo aquilo que deveriam aprender, em pouco tempo as crianças se tornavam sábias e belas. Depois de um dia de trabalho, sempre tinha a diversão. Os palhaços eram os responsáveis pela festa. Divertiam a criançada e os pais com jogos, brincadeiras, pipoca, sorvete e muito mais. Aquele lugar era muito bom. Mas, um dia, chegou àquele Reino um outro Rei chamado


13 Sombrio. E o Rei Sombrio expulsou o Rei Magnífico daquele lugar. O Rei Magnífico foi obrigado a se mudar do seu Reino. Ele e a Rainha foram morar sozinhos na floresta. Após a saída do Rei Magnífico, o Rei Sombrio fez muitas mudanças no Reino. Os sapateiros passaram a cuidar das vacas, bois e plantações. Os fazendeiros foram produzir sapatos. Os soldados foram dar aulas e os professores foram vigiar o Reino. Todas as pessoas se tornaram tristes. Os alunos já não gostavam mais de ir às aulas, pois já não estavam aprendendo mais nada. Os sapatos produzidos pelos fazendeiros faziam calos nos pés das pessoas. Ninguém mais gostava de comer os pães que estavam sendo produzidos pelos costureiros. Os palhaços não podiam mais fazer as festas que alegravam as noites estreladas. Tudo ficou muito sem graça, feio e triste. Diante de toda essa tristeza, as pessoas do Reino começaram a conversar umas com as outras. Falavam assim: “Olhem, o Rei Magnífico está morando na floresta, só ele e sua mulher. Nós podemos combinar de um dia, bem de madrugada, acordarmos e, sem que o Rei Sombrio perceba, irmos todos morar na floresta com o Rei Magnífico”. E assim todos fizeram. Em uma madrugada bem fria todos acordaram, pegaram seus cavalos e saíram do Reino sem que o Rei Sombrio os visse. Chegando à floresta, o Rei Magnífico os abraçou, beijou, fez uma festa enorme e a alegria voltou para toda aquela gente. No mesmo dia, o Rei Magnífico já distribuiu serviço para todo mundo. As pessoas começaram a construir as suas casas. Os fazendeiros foram cuidar das vacas, bois e fazer novas plantações. Os sapateiros voltaram a fazer os sapatos e os pães voltaram a ser os melhores daquela redondeza. Os alunos, que


14 maravilha, voltaram felizes às salas de aula, pois encontraram professores cheios de lindas histórias para contar. Ao final do dia, os palhaços voltaram a animar as festas. No Reino antigo, naquela madrugada em que as pessoas saíram para a floresta, o Rei Sombrio acordou pela manhã. Olhou para um lado, olhou para outro lado e não viu ninguém. Disse para si mesmo: “Nossa, não tem ninguém aqui. Onde estão todos?”. E não havia ninguém mesmo. Como não tinha ninguém e ele estava com fome, resolveu fazer a própria comida. Mas ele não sabia onde estava o sal, o alho, a cebola. Não sabia nem mesmo cozinhar. Mas, fez a comida, que ficou muito ruim e comeu. O Rei Sombrio não sabia plantar e realizar os trabalhos que as outras pessoas faziam para ele. Assim, com o passar dos dias, até a comida já estava acabando. Nem arroz tinha mais. Ele já não podia morar ali. Nesse momento, o Rei Sombrio já sabia que as pessoas do seu reino estavam morando na floresta junto com o Rei Magnífico. Foi aí que ele se decidiu em ir também para a floresta. Chegando à floresta, o Rei Magnífico foi ao seu encontro. Sombrio se aproximou do Rei Magnífico e, com a cabeça baixa, pediu desculpas ao Rei Magnífico por tê-lo expulsado do seu Reino. Disse que havia errado e não faria isso outra vez. O Rei Magnífico escutou-o e o perdoou. Então, o Rei Magnífico disse a Sombrio que, a partir daquele momento, ele também podia morar e trabalhar na floresta. Assim, aquele novo Reino se tornou o lugar mais feliz e próspero daquela região.

Claudio aprendeu a trazer a filosofia para o seu dia-a-dia no trabalho e em casa. Em casa, traz a filosofia para os seus filhos por meio de belas histórias. Criou esta história para seu filho mais velho inspirado pela filosofia.


S

15 abedoria é seguir o caminho de forma consciente. Filosofia é estrutura, preceitos, experiências para possuir sabedoria. Ordem. Contemplação.

Aprendizado - As virtudes, especialmente o ´fazer pelo dever´. Conexão - Quando paro e vejo a beleza das coisas, como: o ambiente, as pessoas, o céu, a integração da terra, animais e plantas e no entendimento de que tudo está no seu devido

Eduardo Bittencourt

lugar.

Eduardo vê na filosofia síntese e sentido. Utiliza sua inspiração para servir melhor no trabalho e na família. Sua generosidade ganha com a filosofia, a luz da inteligência.


16

Esperança Trabalhava em uma escola de crianças especiais e lá me deparei com os mais variados tipos de problemas físicos e psíquicos que uma criança poderia ter. Uma noite estava muito cansada e me perguntava se um dia aquilo tudo iria mudar, pois para mim nada do que estava vivendo fazia sentido. Apesar de ser útil no meu trabalho, ganhava pouco e não havia muitas possibilidades. Aquele círculo vicioso de acordar, trabalhar e dormir era muito mecânico. Onde estava a mágica da vida? “Fazia a minha parte”, mas não me sentia realizada. A vontade e sinceridade de encontrar uma resposta era grande. Um certo dia, dormi e sonhei...

Madalena Schnabel

Conversava com uma amiga da minha mãe que nos ajudou em muitas ocasiões e no meio da conversa ela sinalizou dizendo que alguém gostaria de falar algo importante para mim. No mesmo momento, uma voz emanava. Era a voz de um homem que dizia que quando viveu nesse mundo era um deficiente preso a uma cadeira de rodas e passou a vida inteira acreditando ser limitado e assim morreu. A vida, continuou ele, havia sido muito pesada, pois viver sem acreditar na possibilidade de uma mudança era muito difícil. Ele pediu para que eu fizesse um exercício de imaginação e me convocou a pensar na


17 possibilidade da existência de uma vida após a vida, e assim foi feito. Após a reflexão, tudo me pareceu mais leve. Logo em seguida ele acrescentou: - Ainda que não existisse vida após a vida, ainda assim, minha vida teria sido mais fácil se eu tivesse esperança. No ponto onde a voz emanava, o homem se materializou mostrando para mim o seu corpo perfeito e disse que verdadeiramente sempre fôra daquela forma, mas não conseguia se perceber assim. Acordei no dia seguinte e agradeci a natureza por ser perfeita, por ter pés que me levassem a qualquer lugar que quisesse ir! Às vezes não somos deficientes físicos mas somos deficientes de espírito forte. Eu estava cega mesmo enxergando e nunca mais deixei de acreditar na possibilidade da mudança, pois aquele sonho havia me tocado profundamente. Se um sonho teve o poder de alterar a minha psique, o que dizer de um pensamento plantado por mim mesma de forma consciente e lúcida? Aprendi do fundo do coração que a esperança é algo muito além da ingenuidade, é pura sabedoria. Desse dia em diante ganhei uma virtude e sempre que uma dificuldade me aflige, a imagem daquele homem me vem à cabeça e passo a ter esperança.

Medo da Morte Quando criança, pensava sobre a morte e sofria muito com a possibilidade de perder o convívio com as pessoas queridas. Isto era muito angustiante. Tinha, aproximadamente, oito anos e mesmo não tendo vivido muito, a morte era temida naquele tempo. Apesar desta insegurança, não tinha outras preocupações, era alegre e tudo que vivia era


18 intenso: os cheiros, as cores, as texturas das coisas, as pessoas e os lugares sempre ficavam marcados na memória. Cantava para o céu, para o sol, para as nuvens e as flores... mesmo aquelas coisas sendo muito maiores do que eu, não sentia inveja e nem queria ser maior que elas. Sabia da divindade da natureza. No entanto, não me sentia diminuída perante ela; muito pelo contrário, reconhecia-me na natureza e isso me fazia sentir feliz... o medo da morte desaparecia. Acredito que, como não pensava no futuro, o presente era mais intenso. Vivia um eterno aqui e agora, coisa que esquecemos de fazer quando nos tornamos adultos. Quando, de alguma forma me sinto mesquinha, retomo as imagens da minha criança interior e, assim, volto ao meu centro. Quanto ao medo da morte, com o passar dos anos, percebi que quando a gente deixa de viver plenamente o presente, o medo toma conta da gente. Por isso, vivo um dia de cada vez sem pressa, desenvolvendo sempre um pouquinho mais a minha generosidade, a paciência e a serenidade. Isso significa que cada vez que adquiro uma virtude mato também um pouco do meu lado obscuro. A vida, deste modo, sempre está de mãos dadas com a morte, o verdadeiro paradoxo da vida! Então, porque temer a morte? Como um antigo sábio dizia: “Quem não vive tem medo da morte”. Então, vamos viver nossas vidas plenamente, de maneira a sermos melhores e assim construir, consequentemente, um mundo mais feliz e sem medo.

Madalena é alegre. Inspirada pelos seus sonhos intuitivos, busca constantemente a serenidade, auxiliada pela filosofia. Traz a filosofia para a vida familiar e aproveita todo cenário de experiência para se lembrar do próprio centro. Fotógrafa, cantora e crepeira, é versátil e gosta de ter ideias malucas (no melhor sentido da palavra).


S

19 abedoria para mim é agir de acordo com o conhecimento do que é verdadeiro e justo. É ser prudente e ter bom senso, é agir com retidão, é razão. É o conhecimento inspirado nas coisas divinas.

Filosofia é amor à sabedoria, é o estudo do saber, é o saber fundado na razão, é o amor ao conhecimento. Filos= amor, sofia= ciência, sabedoria. Amor - O caminho para chegar a sabedoria é o amor, o bem, a reta ação, agir por dever. Aprendizado - O que de mais belo aprendi é o caminho da reta ação, o caminho do bem que

Eluzia Ferreira da Silva

me trouxe paz. Tesouro - O tesouro de aprendizado que teria para compartilhar são vários: o amor, o bem, a justiça, o dever, o serviço, a solidariedade... Conexão - Eu me sinto profundamente integrada com a natureza quando eu cuido e me preocupo com sua preservação.

Eluzia inspira responsabilidade. Entrou na Nova Acrópole pelo voluntariado. Leva a inspiração filosófica em suas andanças pelo Brasil e pelo mundo.


A

20 prendi sobre a consciência espiritual. Entender que a essência do homem é o “ser”; e a busca contínua de autoconhecimento e autodomínio. Troquei o ter material pelo “ter” um “ideal” de vida com perspectivas novas.

Vontade - Aprendi a despertar essa virtude, ela é determinante, faz-nos encontrar coragem para prosseguir na nossa busca interior. Natureza - Tenho o hábito de praticar caminhada em uma área verde muito “natureza”.

Telma Maria Farias de Sousa

Costumo observar os pássaros, as árvores, a minha amiga corujinha e as casas dos cupins. O nascer do sol na fazenda ficou como a imagem viva da natureza que visualizo quando preciso. Sabedoria é o conhecimento de nós mesmos. Implica em retidão no pensar e agir, integração com o todo na busca de valores verdadeiros. Penso que é apenas o início de um caminho longo. Estou nele e, seguirei tentando e descobrindo. Penso a Filosofia como forma de entendermos algumas circunstâncias que se apresentam em nossa vida que não podemos mudar e outras que podemos mudar. “As coisas são como elas são” - É uma frase que se tornou meu Norte. Antes eu falava: Pensar não é fácil, hoje digo “Pensar é simples”.

Telma gosta de ensinar filosofia para seu Neto Yuri de 3 anos. Fala para ele sobre a morte e a vida e sobre o mundo mágico. Com a filosofia, tornou-se mais forte para aprender a lidar com as mudanças da vida.


S

21 abedoria é chegar ao longo da caminhada e ver que ainda tenho muito que caminhar. Filosofia faz parte dessa caminhada longa e segura, onde o despertar me convida a

refletir sempre. Aprendizado - Aprendi muito com os estóicos “nem o prazer...nem a dor...” especialmente o

Maria de Fátima Braga da Silva

conceito de temporalidade. Que somos seres temporais vivendo experiências atemporais. Conexão - Sou parte da natureza e nunca me senti distante dela, até por criação e os conhecimentos adquiridos com a Nova Acrópole, só reforçaram o que já era consolidado dentro de mim. Agradeço ao Universo e as Mestres Cida e Melissa que tão pacientemente tem guiado meus passos!

Fátima é uma buscadora e guerreira. Generosa, inspira-se na filosofia para encher de sentido e luz as ricas experiências do seu dia-a-dia.


22

Uma janela abre... Em direção ao Ideal, universal

Pôr o coração e entregar-se sempre, em todo lugar

Onde o coração se aquece e vibra

O homem completo é assim: abraça o mundo

Onde o entendimento aparece

E percebe que tudo não passa de um cenário

Onde o amor floresce

Para a consciência que cresce e floresce.

Sem seleção, em todo o lugar

Abracemos então, o mundo

Toda tarefa, todo papel

Ele é nosso, nos pertence

Ser mais e indivíduo sempre

Pertence àqueles que acreditam e àqueles que são

Sem divisões

Capazes de ver a beleza em todo lugar, Em todo ser humano, pois crescer é amar e ver a

Melissa Andrade

Deus em todas as coisas.

Melissa encontra na filosofia uma felicidade própria da alma que traz para ela inspiração, alegria e certeza do sentido que existe por trás de todas as coisas.


1

2

3

5 4

Legenda 1. Preparação para a Noite de Crepes, Julho. 2. Oficina de Bonecas Abayomi, Agosto. 3. Preparando para confraternização. Agosto. 4. Palestra Cantinho Mágico sobre Contos de Fadas, Julho. 5. Aula especial: Profa. Lúcia Galvão, Novembro.


1

2

3

5 4

Legenda 1. Jogos da Primavera, Confraternização, Setembro. 2. Jogos da Primavera, Mundo de Sophia, Setembro. 3. Palestra Vida e Obra de Joana D’ Arc, Junho. 4. Antes de curso com Prof. Luis Carlos , Agosto. 5. Leitura sobre os estóicos, Junho.


1

2

Legenda 1.Propaganda no Lago Sul, Marรงo. 2. Oficina de Bonecas Abayomi, Agosto. 3. Visita do Prof. Luis Carlos Marques, Agosto. 4. Colocando a porta nova, Novembro. 5. Bonecas Abayomi. 6. Aula de filosofia na biblioteca, Outubro.

3

4

5

6


1

2

Legenda 1. Propaganda, Abril. 2. Práticas de psicologia na Ermida Dom Bosco, Abril. 3. Pintura na escola, Outubro. 4. Apresentacao artística Curso de Integração, Junho. 5. Visita do Prof. José Henrique da Fonseca, Junho.

3

4

5


Expediente

Esta publicação foi feita com a contribuição dos membros da Nova Acrópole do Lago Sul. Coordenação: Melissa Andrade e Madalena Schnabel Foto de capa e design gráfico: Kenia Ribeiro Fotografias & Editoração Fotografias: Madalena Schnabel Brasília, Dezembro de 2012.


Nova Acr贸pole Lago Sul

28

SMDB Conjunto 12, Bloco B, Salas 105, 107 e 109 Lago Sul, Bras铆lia - DF Tel: (61) 3366-3772 www.acropole.org.br


Livret