Page 1

Santa Casa da Misericórdia de Cuba REVISTA INFORMATIVA EDIÇÃO N.º 3

Ano\2017

Acolher

Misericórdia de Cuba

Solidariedade numa lógica do dar, receber e retribuir... Visita ao Museu Rainha D. Leonor em Beja


Indice 3. Editorial 4. Animação Sociocultural 6. Atividade Fisica 8. Dia Internacional da Mulher 9. Coisas com Arte 10. Atividades Diversas 11. Atividades de Caráter Religioso 12. Atividades Diversas 13. Santos Populares Ficha Técnica

14. Atividades Diversas 16. Oficina da Música 17. Passeios Convívio 18. Mês Sénior 20. Jantar Convívio 22. Centro de Apoio à Infância 24. Festa de Natal 25. Farmácia 26. Ampliação do Lar 27. Construção de Ginásio e Fisioterapia

Santa Casa da Misericórdia de Cuba - Travessa do Carmo Ap. 14 , 7940 - 909 Cuba geral@scmcuba.pt - 284 418 032 - 1000 exemplares - Anual

Mesa Administrativa

(Em Regime de Voluntariado)

Luis Santa Rita

Vitor Fialho

Provedor

Secretário

Maria Joaquina Lucas

Alice Batista

Isabel Relógio

Tesoureira

Vogal

Vogal

Unidos por uma causa! 2


Editorial As misericórdias portuguesas enquadram-se, formalmente, numa definição equiparada às instituições particulares de solidariedade social e oferecem a prestação de uma panóplia de serviços às comunidades, numa ação solidária de proximidade. Ao longo dos tempos, num período temporal de mais de 500 anos, estas organizações foram assumindo e conquistando uma importante função social de intervenção junto dos grupos mais desprotegidos e vulneráveis e, através dos acordos de cooperação estabelecidos com o estado, passaram a ser determinantes no desenvolvimento da proteção social legislada pelas políticas sociais governamentais. Com um caráter vincadamente assistencialista, as misericórdias centram-se numa ação organizada e estratégica assente em duas dimensões, nomeadamente no trabalho que incide nos estratos da população considerada desfavorecida ou excluída, e, por outro lado, na forma alternativa de concretizar economia pela adoção de metodologias centradas na participação, nas práticas altruístas e de bem-fazer, na cooperação dos atores e no trabalho em rede de intervenção. É neste enquadramento que se situa a intervenção da Misericórdia de Cuba, hoje com quatrocentos e quarenta anos de existência, sempre atenta às diversas solicitações da comunidade local e ajustada às carências reais dos públicos vulneráveis e com necessidades especiais. Gradualmente, a criação das respostas sociais nesta instituição foi acompanhando a representação comunitária sobre os apoios indispensáveis a implementar, coincidentes com a emergência de políticas sociais de intervenção e com o estabelecimento dos acordos de cooperação. Esta ação organizada, conseguida pela Misericórdia de Cuba, permitiu alcançar a orientação da atividade pela missão, a eficácia da gestão dos recursos, a resolução das problemáticas locais, sobretudo relacionadas com o envelhecimento, e a capacidade de enquadrar o trabalho voluntário em articulação com o trabalho profissional e técnico. Salienta-se a determinação e a capacidade da Misericórdia para gerar emprego e a ênfase que é dada ao rigor no desempenho profissional. Esta atuação profissional encontra-se diretamente associada à qualidade pretendida para os diferentes setores que compõem a estrutura das respostas sociais, e o plano de trabalho assenta numa perspetiva de melhoria continuada na execução das ações diárias de intervenção social, com vista ao bem-estar dos utentes e ao equilíbrio global do funcionamento da organização. Esta lógica implementada impõe a necessidade da concretização de um modelo de formação dos profissionais, baseado na ação e na procura de soluções, que permite gerar coesão e motivação no contexto do trabalho. Todas as considerações apresentadas fundamentam as linhas mestras da identidade organizacional e legitimam os valores da governança para a constituição da estratégia, para atuar cada vez melhor e com elevada eficácia. Espera-se que, nesta trajectória, o futuro seja promissor para todos os atores organizacionais, sobretudo para os órgãos sociais, profissionais e beneficiários dos serviços prestados nas diferentes respostas sociais da Misericórdia. A Mesa Administrativa

3


LAR .

atividades

Animação Sociocultural Para comeD morar o Dia de Reis, recebemos no dia 6 de janeiro ia de Reis .

a visita do Grupo Coral “Amigos do Cante”, que a convite da Junta de Freguesia de Cuba vieram cantar os Bons Anos aos nossos Idosos, um momento que trouxe muitas recordações aos Utentes, que ouviram o Cante Alentejano com o semblante cheio de emoção. de estimulação cognitiva preO tendem preservar ou melhorar o desempenho ou as funções cognitivas das pessoas, s jogos .

como sejam a memória, a atenção, o raciocínio, a capacidade de resolução de problemas, entre outras. Neste sentido, realizámos com os nossos Idosos dois jogos de estimulação cognitiva e psicomotora, com o objetivo de estimular a memória, promover a plasticidade cerebral e a motricidade fina. Visam J melhorar o desempenho ou as funções cognitivas dos ogos Cognitivos .

Idosos, tais como, a memória, a concentração, o raciocínio e a capacidade de resolução

4

de problemas. Neste sentido, proporcionámos aos nossos Idosos, vários jogos cognitivos que permitem estimular as funções executivas. Este tipo de jogos permite-nos fa-

zer um diagnóstico das suas capacidades e estimular os Utentes que sofrem de demência para desta forma tentar diminuir os sintomas da doença.


LAR .

atividades

Animação Sociocultural É extremaJ mente importante para o Idoso manter o cérebro ativo e ogos de Mesa .

ocupado com diversas atividades ao longo do dia, tais como, o

jogo do Dominó e o Rouba o Baralho (jogo com cartas). Este tipo de atividades melhoram a concentração e memória de curto prazo, desenvolvem no Utente

a perceção usual dos números, estabelece a relação de quantidade (maior/menor) e trabalha a socialização entre o grupo que participa e assiste ao jogo.

O fado é C uma das vertentes musicais que os nossos Idosos mais apreinema para todos .

ciam, neste sentido passámos um vídeo de Carlos do Carmo, uma das maiores referências do panorama fadista português, em que os Utentes puderam recordar e ouvir vários temas popularizados por este artista de renome.

M conhecido pelos nossos idosos por Entrudo, trás-lhes à memória recordações da áscaras de Carnaval . O Carnaval, mais

juventude, nas quais todos se envolviam. Mascaravam-se de diversos personagens, fazendo várias brincadeiras, como jogar uns aos outros, água, ovos e farinha, porque como diz o ditado popular “É Carnaval ninguém leva a mal”. Os nossos Idosos não quiseram deixar passar em branco a comemoração desta época festiva, e para tal, decoraram várias máscaras de Carnaval. Os trabalhos encontram-se expostos no Lar da Santa Casa da Misericórdia.

5


LAR .

atividades

Atividade Física na terceiA ra idade tem sido considerada uma importante comatividade física

6

ponente de um estilo de vida saudável, devido particularmente à sua associação com

diversos benefícios para a saúde física e mental. Os nossos Idosos têm ao seu dispor apa-


LAR .

atividades

Atividade Física

relhos de ginástica geriátrica, nos quais desenvolvem alguns exercícios para melhorar a sua

condição física, bem como a sua autoestima. Esta é uma atividade com grande partici-

pação dos nossos utentes que lhes proporciona momentos de convívio e bem estar.

7


LAR .

atividades

Dia Internacional da Mulher nossos Idosos elaboraO ram com a ajuda da animadora sociocultural um postal s

alusivo ao Dia Internacional da Mulher, selecionámos em conjunto qual a frase a colocar no postal e recortámos o mesmo, ficando assim pronto a ser entregue a todas as Mulheres que compõem a nossa Instituição. foi comemorado com a entrega de uma flor e um postal elaboraOdo pelos Utentes a todas as colaboradoras e Idosas da nossa Instituição. Dia Internaciona da Mulher

8


LAR .

atividades

”Coisas com Arte” Ao C longo do mês de março, os nossos Idosos elaboraram oelhos da Páscoa .

coelhos da Páscoa, que foram posteriormente entregues

com as amêndoas aos utentes das diferentes respostas sociais da Instituição. Este tipo de atividades é de extrema importância para os Idosos

porque trabalham a motricidade fina, a concentração, bem como, a coordenação motora, promovendo assim o envelhecimento ativo.

9


LAR .

atividades

Atividades Diversas dia 07 de março, realizouN -se em Cuba a reunião do Secretariado Regional de Beja o

da União das Misericórdias, que contou com a presença do

Dr. Manuel Lemos, presidente da União, do Dr. Paulo Moreira e do Dr. Caldas de Almeida, membros dos orgãos sociais da mesma entidade. Na referida

N ção dos maus tratos na infância, os Idosos da Santa Casa da Misericórdia de Cuba, contri-

o âmbito da promoção do mês da preven-

No dia 8 de março V os nossos Idosos participaram numa viagem inédita e interativa através do corpo humaisita ao Champimóvel .

no, uma experiência tridimensional com filme em 4D. Esta foi uma iniciativa da Fundação Champalimaud em parceria com a Escola Profissional de Cuba à qual agradecemos o convite feito à nossa Instituição.

10

reunião estiveram presentes os representantes das Misericórdias do distrito de Beja e foram discutidos diversos assuntos do interesse das instituições.

buíram para a campanha com a elaboração de pequenos laços azuis para colocar ao peito e um laço maior para se colocar na Instituição.


LAR .

atividades

Atividades de Caráter Religioso A Santa Casa da Misericórdia de Cuba em parceria com a Paróquia de S. Vicente de Cuba E tem vindo a realizar a Celebração da Eucaristia para os nossos Idosos. A Eucaristia é celebrada pelo Exm.º Sr. Padre Paulo Reis Godinho e realiza-se todas as quintas feiras, pelas 11h00m, nas instalações ucaristia .

do Lar de Idosos. Contamos com a sua presença!

B No passado dia 04 de novembro P No dia 27 de agosto a comissão realizou-se na Santa Casa da Misericórdia de de festas da Paróquia de S. Vicente de Cuba, atismo / Crisma da Srª. Maria Caeiro Curro .

rocissão em honra de Nossa Senhora da Rocha .

Cuba, a Celebração do Batismo e do Crisma da nossa Utente Sr.ª Maria Caeiro Curro. Uma cerimónia presidida pelo Sr. Padre Paulo Reis Godinho, tendo a participação do Grupo de Jovens da Paróquia de S. Vicente de Cuba que animou a celebração, tornando-a num momento muito especial. Os nossos parabéns à família da Utente e à Sr.ª Maria Curro por este passo tão importante na sua vida.

organizou a procissão em honra de Nossa Senhora da Rocha, acompanhada pela Banda Filarmónica Cubense 1º de Dezembro e pelos grupos corais de Cuba. Os nossos Idosos compareceram para ver o cortejo religioso realizado em marcha solene pelas ruas da Vila, onde desfilaram os andores engalanados com as imagens e ouviram as orações e cânticos religiosos.

11


LAR .

atividades

Atividades Diversas

O da Santa Casa da Misericórdia de

Grupo de Cantares Alentejanos

Cuba foi atuar no dia 19 de maio no auditório da biblio-

teca Municipal, numa ação integrada nas II Jornadas Pedagógicas – “Saúde & Desporto” organizadas pelos alunos da Escola Pro-

fissional de Cuba. O nosso obrigado pelo convite endereçado aos nossos Utentes, bem como, a forma carinhosa como nos acolheram.

N

o âmbito do VII Seminá-

rio de Psicogerontologia que decorreu na Escola Superior de Educação de Beja, esteve patente uma exposição com os trabalhos elaborados pelos nossos Idosos. Ao longo dos dois dias de Seminário foram debatidos temas relacionados com a problemática do envelhecimento. nossos Idosos anO daram muito atarefados com os preparativos s

para o nosso Arraial de São João. Entre rifas para a quermesse, bandeiras e balões fomos relembrando os arraiais e bailaricos de outrora, o que tornou as manhãs e as tardes muito divertidas.

12


LAR .

atividades

Santos Populares Os A arraiais, as sardinhas assadas e as marchas popularraial de São João .

res fazem parte da tradição da comemoração dos Santos Populares ao longo do mês de junho. A Santa Casa da Mise-

ricórdia de Cuba realizou no dia 14 de junho, o já tradicional “Arraial de S. João”, que contou com animação musical e a atução da Marcha de S. Vicente de Cuba. Um agradecimento especial ao João Isidro Lan-

ça, ao José Frangãos, ao José Rocha e ao Mário Queirós, aos elementos da Marcha de S. Vicente, à Junta de Freguesia de Cuba e a todos os funcionários pelo seu importante contributo neste evento.

13


LAR .

atividades

Atividades Diversas

H Depois de uma interrupção nos trabalhos na nossa ortinha do Convento .

hortinha, devido ao frio característico da época que estáva-

mos a atravessar, resolvemos mudar a hortinha para um local mais ensolarado, picámos e limpámos a terra e voltámos a semear salsa, coentros, es-

pinafres e poejos. Foram momentos passados ao ar livre, com boa disposição, esperarando ansiosamente que o nosso trabalho desse frutos.

C junho na Santa Casa da Misericórdia de Ntro, recebemos na nossa Instituição uma Cuba, uma Tertúlia Temática cujo tema foi “Cui- comitiva de cerca de 18 pessoas da Bretagne

14

uidados Paliativos . Decorreu no dia 14 de

uma iniciativa da Associação Terras Den-

dados Paliativos”, direcionada para os funcionários da Instituição com o principal objetivo de dotar os mesmos de ferramentas fundamentais para a realização de um trabalho cada vez mais profissional. O nosso obrigada à equipa dos Cuidados Paliativos do Hospital de Beja.

(região Francesa), que vieram visitar o lar e os nossos Idosos. O grupo de visitantes mostrou muito interesse pelo funcionamento da nossa Instituição, bem como, pelas obras de requalificação realizadas no edifício.


LAR .

atividades

Atividades Diversas

V

isita dos alunos do 8º B do Agrupamento de Escolas de Cuba . No dia 05 de

dezembro recebemos a visita dos alunos da turma 8º B do Agrupamento de Escolas

de Cuba, que trouxeram uma mensagem aos nossos Idosos sobre a diferença através de poemas e interpretação de uma canção, acompanhada de linguagem gestual, as-

O voluntariado S possui um papel importante de contribuição social nas instituições, é neste sentido, essões de Voluntariado .

que a nossa voluntária D. Luísa Fonseca vem desenvolvendo com os nossos Idosos sessões de leitura de contos, lenga lengas, trava

sinalando desta forma o Dia Mundial das Pessoas com Deficiência. A Santa Casa da Misericórdia de Cuba agradece aos alunos e aos professores.

línguas, jogos de provérbios e algumas dinâmicas de grupo. Estes são exercícios de extrema importância para os nossos utentes uma vez que estimulam a memória, a concentração, proporcionando também momentos de descontração.

15


LAR .

atividades

Oficina da Música

As atiO vidades relacionadas com a música para além de proporficina da Música .

cionarem momentos prazerosos, retiram os utentes da ociosidade. Tratando de questões

16

importantes como o estímulo dos mecanismos cognitivos (memória, atenção, perceção, raciocínio, julgamento, criatividade), integração intra e interpessoal, possibilita, depen-

dendo da atividade proposta, o estímulo dos movimentos motores. É neste sentido que se realizam os ensaios do Grupo de Cantares Alentejanos da Santa Casa da Misericórdia de Cuba.


LAR .

atividades

Passeios Convívio Os F nossos Idosos foram passear à Feira Anual, um eira Anual de Cuba .

evento que lhes traz muitas

V

memórias de tempos idos, momentos que são também de extrema importância porque os Utentes mantêm o

isita ao Mercado . Os nossos Idosos foram

passear ao mercado que se realiza mensalmente. Este é um momento de convívio com as pessoas da comunidade, que vão cumprimentando os nossos Utentes, mostrando a alegria de revê-los. Estas iniciativas são também uma forma de realizarmos com os Idosos pequenas caminhadas, o que vai contribuir para a melhoria do seu bem estar físico.

contacto com a comunidade, vendo e cumprimentando pessoas conhecidas que vêm ao seu encontro.

V

isita à Ovibeja . No dia 27 de Abril, fomos

visitar com os nossos Idosos a 34ª Ovibeja, onde puderam ver um leque variado de animais, bem como, expositores relacionados com a produção agrícola. A Instituição ofereceu aos Utentes um lanche na tasquinha “Gadanha”, o que proporcionou um momento de convívio com muita animação.

17


MÊS SÉNIOR .

Assinalado com Diversas Iniciativas

A assinalou durante o mês de outubro Santa Casa da Misericórdia de Cuba

a já tradicional comemoração

18

do “Mês do Idoso” com diversas iniciativas dirigidas ao nosso público alvo. Este ano os nossos Idosos puderam

contar com visitas a locais de interesse turístico, dos quais destacamos, o Museu Rainha D. Leonor e o Museu Caluta –


MÊS SÉNIOR . Assinalado com Diversas Iniciativas

Artesanato. Visualizaram o filme “Miúdo da Bica”, disfrutaram também de atuações dos grupos “Corda Solta”, “Fi-

lhos da Terra”, Dr. Nelson Caniço e uma tarde de fado com Ana Tareco e Ana Rato. O Mês contou também com uma ses-

são de atividade fisica adaptada com vários exercícios para a comunidade sénior a cargo do professor Francisco Fitas.

19


JANTAR CONVÍVIO . Funcionários e Orgãos Sociais

20


A dezembro o Jantar de Natal para os colaboradores da Instituição, que contou com a

Mesa Administrativa da Santa Casa da Misericórdia de Cuba realizou no dia 15 de

animação musical de “Edgar Baleizão e Amigos”. Esta foi uma noite recheada de momentos animados privilegiando o convívio entre colegas e membros da direção da Instituição.

21


CENTRO DE APOIO À C ta Casa da Misericórdia tem como resposta social dientro Infantil. A San-

recionada à infância o Centro Infantil, atualmente com a sua Creche, que dá resposta a trinta e cinco crianças, dos

22

4 meses aos 3 anos. O nosso lema passa por Cuidar/ Educar, pela importância que os primeiros anos de vida representam na vida de uma criança. O quotidiano de uma creche deve representar uma

janela de oportunidades para uma intervenção que pode fazer a diferença na vida de uma criança. Oportunidades essas que são particularmente importantes para o seu desenvolvimento físico, afetivo


INFÂNCIA e inteletual. Gosto da Creche porque… “Gosto da Creche

Porque, Lá posso brincar, fazer lindas construções, depois tudo desmanchar… Ouvir histórias e canções Depois ser eu a contar…Cor-

.

Conforto e Qualidade

rer, saltar e jogar, Conversar e partilhar…Gosto da Creche Porque, Lá posso pintar, das cores que me apetecer, posso cortar e colar, fazer prendas para oferecer… Dar passeios, fazer rodas e dançar até que-

rer… Ensaios quando há festas, para correr tudo bem…. Nesse dia sou Artista Para o pai e para a mãe… Gosto da Creche…É difícil de entender? Tenho cá os meus amigos e muitas coisas para fazer.”

23


FESTA DE NATAL . Com Solidariedade e Carinho

N 24

o dia 11 de dezem-

bro realizou-se na Instituição a Festa de Natal para os nossos

Idosos, que contou com a animação musical do grupo “Filhos da Terra”, tornando esta comemoração natalícia muito especial. Que todos os

Natais sejam brilhantes de alegria, iluminados de amor, com paz e muita harmonia. Feliz Natal!


FARMÁCIA

Em regime de Disponibilidade Telefone de Contacto: 284 414 105 | Horário de Atendimento: 9.00h - 20.00h

Nesta farmácia temos sorrisos e outros produtos de primeira necessidade!

N

o âmbito da prestação de cuidados de saúde diferenciados e de qualidade à população e por forma a facilitar o seguimento de doentes crónicos, a Farmácia da Misericórdia

tem sempre disponível aos utentes os serviços de determinação do Colesterol Total, Triglicéridos e Glicémia, de Peso, Altura e Índice de Massa Corporal, assim como de avaliação da Tensão Arterial. Para quem não está contente com o

seu peso, que quer acabar com os quilos que ganhou durante as festas ou que se propõe a ter uma vida e uma alimentação saudável, acompanhamo-lo com um serviço de Nutrição, prestado por uma especialista, mediante marcação prévia.

25


N

o passado dia 15 de janeiro de 2018, a Santa Casa da Misericórdia de Cuba fez-se representar pelo seu Provedor, Luís Santa Rita no Museu de S. Roque, núcleo museológico da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, numa sessão solene para a assinatura do contrato de financiamento proveniente do Fundo Rainha D.Leonor. Mediante a realização de uma candidatura a este fundo, para a concretização da ampliação do Lar de Idosos e para a construção de um ginásio e espaço de fisioterapia, o projeto da Santa Casa de Cuba foi reconhecido como de elevado interesse e de franco beneficio para os utentes e comunidade local, obtendo a aprovação de 247 464.53 € a fundo perdido, para um total de investimento de 400 000.00 €.

AMPLIAÇÃO DO LAR

26


CONSTRUÇÃO DE

GINÁSIO E FISIOTERAPIA

27


28

A presente revista foi integralmente financiada pelos patrocinadores em cima apresentados aos quais desde jรก agradecemos o apoio prestado.

Acolher 2017  
Acolher 2017  
Advertisement