Page 1

ESPECIAL DE NATAL

nº 7, 2011

É

com grande satisfação que chegamos ao final do ano de 2011 tendo a grata satisfação de abraçar à família da Sociedade Brasileira de Zootecnia, nossos funcionários e sócios, após mais um ano de muita luta! Nestes dias de festividades esperamos que todos se sintam acolhidos pelos seus entes familiares e amigos! Além do sentimento de dever cumprido, nada mais especial do que chegar ao final de um ano e agradecer por tudo que aprendemos e que nos motiva à seguir vivendo cotidianamente sorrindo e satisfeitos! Que tenhamos todos um final de ano muito alegre e abençoado! Um Feliz Natal e um 2012 cheio de novas emoções para todos! Estes são os votos sinceros de todos os membros da Diretoria da SBZ

Um presente de natal aos nossos sócios A partir de agora os sócios da SBZ poderão pagar a anuidade fracionada pelo cartão - Pagamento até o dia 31/03/2012 = R$ 245,00, permitido parcelar em até 3x nos cartões de crédito; - Pagamento entre o período de 01/04 a 30/06/2012 = R$ 280,00, permitido parcelar em até 2x nos cartões de crédito; - Pagamento do dia 01/07/2012 em diante = R$ 280,00, permitido EM APENAS UMA VEZ nos cartões de crédito; Fonte: Diretoria Executiva da SBZ - Prof. Rodrigo Vidal.


ESPECIAL DE NATAL

2

2011

Zoontechne

Peru x Aves Especiais

FONTE: http://www.zootecniabrasil.com.br/ e http://zootecniae10.blogspot.com

Período

Ação

01 a 30/04/2012

Período de submissão de candidaturas

15/05/2012 26/07/2012 01 a 31/08/2012

Apresentação das candidaturas homologadas mediante apreciação dos planos de trabalho apresentados Apresentação, em assembléia geral das candidaturas durante à 49a Reunião Anual da SBZ Votação dos sócios que estiverem em dia com a anuidade (postal ou eletrônica)

Foto:http://www.momentoverdadeiro.com/2009/07/ sadia-e-perdigao-17-bilhao-de-aves.html

É

tradição não faltar um bom peru na ceia de Natal, entretanto, o peru não é mais a única ave a fazer parte das suculentas comidas do menu natalino. Nos últimos anos as chamadas “aves especiais”, com mais de três quilos, são uma alternativa cada vez mais adotada pelo consumidor brasileiro. A ave especial consome ração com mais nutrientes do que a comum e engorda na granja 10 dias a mais, em média. Vai para o abate com três a quatro quilos e, mesmo assim, custa mais barato que o peru e a carne suína. Das 32 indústrias de aves do Paraná, dezoito produzem aves especiais. O Estado garante metade do consumo de todo o país. Os principais compradores são os Estados do Rio de Janeiro, São Paulo e Bahia. Porém, a produção de perus continua sendo altamente competitiva e especializada, exigindo grandes instalações que possam abrigar algo em torno de 1.000 a 25.000 aves alocadas em densidades acima de 60 kg/m² (três machos adultos/m²). No Brasil, sua criação concentra-se principalmente nos estados da Região Sul, especialmente na região da Serra Gaúcha. Devido ao aumento significativo do consumo de produtos oriundo da produção de perus, houve nos últimos anos uma intensa industrialização da carne de peru, aumentando a oferta de produtos como as lasanhas, patês e pizzas. Com isso o Brasil é o terceiro maior produtor e exportador de peru atrás apenas dos EUA e da União Européia produzindo cerca de 5,1% da produção mundial. Para a criação dessas aves, é fundamental que se tenha uma dedicação constante, boa higiene, alimentação adequada e boas condições de manejo. Não podem ser criados em locais úmidos. É fundamental mantê-los num local abrigado, protegidos da chuva, vento e sol, sem contato com o chão. O piso deve ser ripado ou forrado com serragem ou palha seca. Fatores como a orientação das instalações, necessidade ou não de sombreamento, material utilizado tanto na cobertura como na estrutura do galpão devem ser analisados com o objetivo de fornecer as aves um conforto térmico adequado ao seu bem-estar. Diante disso, o Zootecnista torna-se indispensável na produção comercial tanto dos tradicionais perus como das “aves especiais”, para que estes cheguem a ceia natalina saudáveis e saborosos.


Zoontechne

ESPECIAL DE NATAL

2011

3

SBZ recomenda

Jingle Cowjingle All the Way Artista: Linda Sioux Henley, DRT Preço: $ 34.99 http://store.cowparade.com/

Father Christmas Artista: Juan Andreu & Mike Dowdall Preço: $ 29.99 http://store.cowparade.com/

Melissa & Doug Pasture Pals 12 Horses BR-Corte 2ª Edição Artista: Melissa & Doug Preço: $ 16,68 www.amazon.com

ANUNCIE NO zoontechne imprensa@sbz.org.br


ESPECIAL DE NATAL

4

2011

Zoontechne

CURIOSIDADES Qual a diferença entre peru, chester e tender? Alimentos tradicionais das ceias natalinas, o peru, chester e tender estão cada dia mais invadindo as receitas das donas de casas e restaurantes do Brasil inteiro. Um fato que está se tornando comum é a preparação dessas receitas em outras épocas do ano. Mas, na hora de comprar algum deles você sabe o que os diferencia? O peru tem origem na América do Norte, tem uma carne branquinha é de baixa caloria,

cerca de 130 calorias por 100g, baixo teor de colesterol e muitas proteínas, além de potássio e magnésio. O chester tem origem na Escócia. É um frango com pouca gordura que tem 70% de sua carne concentrada nas coxas e no peito e é rico em proteínas. O tender é carne de porco. Ele tem o formato arredondado e é processado das partes magras do porco. Embalado ele já vem temperado, cozinho e defumado

ao molho madeira e já vem sem osso. Mas, para os que não gostam de carne de porco ou não podem consumi-la, já existem no mercado opções de tender com outros tipos de carne, como a carne de Peru. Em relação aos preços, o peru ocupa o topo das iguarias mais caras, seguido do chester e por último o tender. Fonte: http://ihaa.com.br/quala-diferenca-entre-peruchester-etender/#ixzz1h4Za8Q1i

MITOS E VERDADES Os perus e o pensamento indutivo Foto: http://panelinha.ig.com.br/site/receita/receita.php?id=300007

Era uma vez uma fazenda onde eram criados perus. Um deles comentou um dia: “Como o nosso fazendeiro é bom! Todo dia ele nos alimenta sem falta”. Os outros perus concordaram, adicionando: “Realmente ele vem nos alimentando fielmente desde o tempo em que saímos do ovo”. E toda a peruzada alegremente fazia glu-glu, elogiando a benevolência do fazendeiro. Mas havia um peru, inteligente e excêntrico, que contrariava a todos dizendo: “Como vocês sabem que ele é tão bom assim? No Natal passado, alguns dos nossos colegas mais rechonchudos foram tirados daqui e nunca mais os vimos. O que aconteceu com eles?” Mas na manhã seguinte o fazendeiro retornou como de costume e alimentou fartamente todos os perus. Eles comeram com satisfação, dizendo ao colega criador de caso: “Está vendo? Não há nada para se preocupar. O fazendeiro até nos deu comida extra, o que quer dizer que nos ama. Ele é um bom homem!” Então chegou dezembro. Todos os perus foram colocados em uma camionete e levados para o matadouro. Moral da estória: Você nunca pode prever o futuro a partir de experiências passadas!

O problema da indução

Como podemos ter certeza que as leis da física continuarão a vigorar amanhã? Um nome que emerge como peça central nessa discussão é o do filósofo escocês David Hume (1711-1776), que mostrou que a indução não pode ser racionalmente justificada. O argumento é simples: como a indução não é um método à prova de erros – mesmo induções perfeitas podem conduzir a falsidades (como demonstrado na parábola dos perus) –, não se pode justificar a indução usando um raciocínio dedutivo. Por outro lado, seria circular tentar justificar a indução usando a própria indução. Ceticismo no dia a dia

Ceticismo no dia a dia É interessante ver como Hume lidava com o seu próprio ceticismo. Em seu livro Tratado da natureza humana, descreve que quando, após três a quatro horas de divertimento com seus amigos, ele voltava à suas especulações, elas lhe pareciam tão forçadas e ridículas que ele não tinha vontade de continuar nelas. Sigamos o exemplo de Hume. Nesse Natal vamos nos reunir com amigos e esquecer a filosofia em uma boa ceia, com um bom vinho e, sobretudo um saboroso peru. Boas festas para todos! Sergio Danilo Pena Departamento de Bioquímica e Imunologia Universidade Federal de Minas Gerais FONTE: http://cienciahoje.uol.com.br/colunas/derivagenetica/o-peru-de-natal-e-a-ciencia-1

COMISSÃO EDITORIAL - Diretoria da SBZ 2011-2012 / REDAÇÃO - Adriano Padilha / DIAGRAMAÇÃO - Igor Gurjão

imprensa@sbz.org.br

Jornal SBZ - JORNAL ZOONTECHNE - ANO 01 - N 000  

- Pagamento do dia 01/07/2012 em diante = R$ 280,00 , permitido EM APENAS UMA VEZ nos ESPECIAL DE NATAL Um Feliz Natal e um 2012 cheio de no...

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you