Issuu on Google+

PORTO ALEGRE • ANO 23 • Nº 87 • ABR/MAI/JUN/2013

Dermatologia B o l e t i m Tr i m e s t r a l d a

Sociedade Brasileira de Dermatologia

Secção RS

Há 100 anos nascia Clóvis Bopp, símbolo da dermatologia gaúcha Artigo do dermatologista Antonio Carlos Bastos Gomes lembra trajetória pioneira do chefe da 5ª Enfermaria da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre, grande centro de ensino e pesquisa da Dermatologia no Rio Grande do Sul Página 3

Presidente da SBd, denise Steiner, destaca prioridades da Nacional Página 7

jornada Sul-Brasileira de dermatologia reúne 350 especialistas em Gramado

assessoria jurídica: quem pode abrir clínica dermatológica

Página 8

Página 6

CoMiSSÃo de ÉtiCa

ProdUÇÃo CieNtÍFiCa

CaSoS ClÍNiCoS

Página 3

Página central

Apêndice/ folhas I e II

Presta esclarecimentos e acompanhamento aos associados

rio Grande do Sul é reunião ordinária na Santa centro de referência em Casa de Misericórdia dermatologia no país de Porto alegre


editorial Caros colegas,

Diretoria 2013 -2014 Presidente Dr. Renato Marchiori Bakos Vice-presidente Dra. Clarissa Prati Secretário-geral Dr. Fabiano Siviero Pacheco Primeira-secretária Dra. Lizete Mariza Möller Meinhardt Secretária científica Dra. Mariana Soirefmann Tesoureira Dra. Raquel Fontoura Heidrich Delegados Dr. Gustavo Gonçalves Costa Pinto Corrêa Dra. Tania Ferreira Cestari Dra. Célia Luiza Petersen Vitello Kalil Dra. Miriam Pargendler Peres Dra. Inês Alencar de Castro Dra. Aída Schafranski Libis Dra. Magda Blessmann Weber Secretária Genecy Knevitz BOLETIM TRIMESTRAL DE DERMATOLOGIA – Secção RS Comissão Editorial Dra. Berenice do Valle Capra Dra. Letícia Pargendler Peres Dra. Márcia Paczko Bozko Dra. Miriam Pargendler Peres Coordenação editorial: Formatexto Jornalistas Associados Jornalista responsável: Elaine Lerner (formatexto@formatexto.com.br) Designer gráfico: Rogério Grilho SBD-RS Av. Ipiranga, 5311, sala 208, Porto Alegre – RS, CEP 90610 001 Fone/fax (51) 3339.1811 e-mail sbdrs@sbdrs.org.br site www.sbdrs.org.br Horário de funcionamento: das 13h às 19h As propagandas de produtos ou serviços anunciados são de responsabilidade única e exclusiva dos anunciantes. As matérias e os textos assinados são de inteira responsabilidade de seus autores.

2

A organização de um evento científico é demorada, cercada de muito trabalho, dedicação e preocupações. Envolve uma série de pessoas, todas engajadas com seriedade no mesmo propósito de levar aos participantes somente o melhor, desde a decisão do tema principal, as ideias para aulas e cursos, o convite aos palestrantes, até os pequenos detalhes do lado social. Ainda sabemos que é grande o número de jornadas e congressos promovidos pela SBD Nacional e suas regionais, ou com o apoio das mesmas, assim como o de renomadas sociedades internacionais. Por todos os fatores pessoais e profissionais envolvidos, é comum a queixa entre os colegas dermatologistas da dificuldade que há em organizar-se para comparecer aos diversos encontros. Por isso, é com grande honra que se recebem os participantes dos eventos desta Regional. É com satisfação que se ouvem os elogios - e, por que não, - as críticas construtivas das avaliações finais desses cursos e jornadas. Estímulos para que se continue o bom trabalho. *** A Jornada Sul-Brasileira, como os leitores poderão ver nesta edição, foi um grande

sucesso. Ela já é tradicional no calendário dos colegas dos nossos Estados. Também gostaríamos de destacar a Jornada Gaúcha deste ano, cujo programa está em fase final de aprovação, e as Reuniões Ordinárias dos Serviços Credenciados. As programações das ROs vêm apresentando altíssima qualidade na organização e nos casos apresentados, bem como na receptividade aos participantes e nas palestras proferidas. A troca de conhecimento é intensa no meio acadêmico, sendo essas excelentes oportunidades para que os colegas discutam casos clínicos ao vivo com os grandes mestres do nosso Estado. Em certas ocasiões, essas reuniões ocorrem próximo aos eventos próprios do Serviço; em outras, representam oportunidades de aprofundar conhecimentos e, ainda, de encontrar amigos e colegas. *** Nesta edição, destacamos também a justa homenagem ao centenário de nascimento do dr. Clóvis Bopp. Acompanhe a trajetória deste grande destaque da dermatologia gaúcha e inspire-se, assim como nós! A força de nossa especialidade e de nossa sociedade está na excelência científica que procuramos fazer dela sempre! Clarissa Prati

Comissão de Ética pronta para receber comunicação de irregularidades A Comissão de Ética da SBD-RS iniciou suas atividades em 2013 recebendo questionamentos e consultas legais que devem ser encaminhados à ela. A comissão presta esclarecimentos aos associados sobre assuntos como fiscalização do exercício da Dermatologia, ocorrências entre médico e pacientes, entre outros. A SBD Nacional mantém procedimento padrão para promover a comunicação de irregularidades cometidas no exercício da Dermatologia. Em e-mail, enviado aos associados, em 1o de abril, a SBD recomenda: 1 – As comunicações deverão ser dirigidas à Comissão de Ética e Defesa Profissional da Regional do sócio que está fazendo a comunicação (sbdrs@sbdrs.org.br). 2 – As comunicações deverão ser feitas sempre por escrito, com o maior detalhamento possível, e acompanhadas das provas dos fatos comunicados (com cópia de documentos hábeis a provar os fatos nela narrados). 3 – Recebida a comunicação e após avaliada

pela Comissão de Ética e Defesa Profissional, o presidente da Regional da SBD deverá encaminhá-la, por escrito, ao Conselho Regional de Medicina do local onde ocorreram os fatos supostamente irregulares. O Conselho Regional de Medicina, por sua vez, poderá: (i) apurar diretamente os fatos, aplicando as sanções cabíveis, ou; (ii) encaminhar a comunicação ao Ministério Público Estadual para que tal instituição apure os fatos e, se necessário, instaure os procedimentos cíveis ou criminais cabíveis. 4 – O modelo de comunicação por escrito pode ser encontrado no site da SBD (www.sbd. org.br). Na edição no 86 (jan/fev/mar de 2013) do Informativo da SBD-RS, você encontra mais informações sobre Registro de Qualificação Profissional (RQE).


Boletim Trimestral da Dermatologia Sociedade Brasileira de Dermatologia • Secção RS

HoMeNaGeM

Centenário do professor Clóvis Bopp Dr. Antonio Carlos Bastos Gomes* Completam-se em 2013 cem anos do nascimento do professor Clóvis Bopp, símbolo da Dermatologia gaúcha. Nascido em Santa Maria, em 17 de outubro de 1913, realizou seu estudos primários e secundários nesta cidade, ingressando na então Faculdade de Medicina de Porto Alegre no ano de 1930. Em 1935, ainda durante o curso, embarcou num navio cargueiro no Rio de Janeiro rumo a Yokohama (Japão), onde seu irmão Raul era cônsul do Brasil. Dali dirigiu-se à Coreia e depois a Vladivostok, no extremo da Sibéria russa, tomando um trem da ferrovia transiberiana em direção a Moscou. Durante essa longa viagem passou por inúmeras peripécias, enfrentando inclusive um ataque de bandoleiros mongóis até chegar ao seu destino. De Moscou foi para Berlim, Paris e Le Havre, quando retornou ao Brasil. Graduado em 1936 pela Faculdade de Medicina de Porto Alegre, foi nomeado para o Serviço Antivenéreo das Fronteiras do Departamento Estadual de Saúde para atuar em Santana do Livramento. Casou-se então com Ilka Müller. Do casamento nasceram as filhas Miriam e Lilian. Durante sua atividade naquela cidade, apresentou seu primeiro trabalho científico, Coleções Purulentas e Sífilis, relatado na I Jornada Médica da Fronteira, realizada em Santana do Livramento, em 1941. Em 1942, transferiu-se para Porto Alegre. No ano de 1944, diplomou-se no I Curso Intensivo de Saúde Pública do Departamento Estadual de Saúde, ganhando após bolsa de estudos para estudar Dermatologia com o professor Aguiar Pupo, em São Paulo. Ingressou como auxiliar de ensino voluntário na cadeira de Dermatologia da Faculdade de Medicina de Porto Alegre, em 1946, tornando-se efetivo em 1952. Em 1954, com a tese Poroqueratose de Mibelli, tornou-se docente livre de Clínica Dermatológica e Sifilográfica e em 1959, com a tese Cromoblastomicose, atingiu a cátedra de Dermatologia da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Dedicou grande parte de seus estudos à pesquisa pela cura da Cromomicose, tendo publicado em 1957 Tratamentos da Cromoblastomicose pelo Calciferol. Estudou também as Porfírias e as dermatoses ocupacionais. Seu serviço, a 5ª Enfermaria da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre, tornou-se o grande centro de ensino e pesquisa da Dermatologia no do Rio Grande do Sul. Foi membro honorário e correspondente de várias sociedades dermatológicas internacionais: americana, alemã, mexicana, peruana, argentina, francesa e portuguesa. Foi presidente da Sociedade Brasileira de Dermatologia; Cidadão Honorário da cidade de Puebla, no México; protetor benemérito da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre; membro efetivo da Academia Brasileira de Medicina Militar; e comendador (título que muito o honrava) da Ordem do Sol Nascente do Império do Japão. Organizou e presidiu os Congressos Brasileiros de Dermatologia, realizados em Porto Alegre, em 1963 e 1971. Fez parte da primeira comissão examinadora do exame do Título de Especialista em Dermatologia ocorrido em 1967. Pela sua 5ª Enfermaria da Santa Casa de Porto Alegre, formou-se praticamente a totalidade dos dermatologistas de seu tempo. Jubilou-se na universidade, em 1983, vindo a falecer em 26 de julho de 1984. Foi um notável mestre e um grande amigo. * Dermatologista, ex-presidente da SBD-RS

Dr. Clóvis Bopp recebeu a Ordem do Sol Nascente do Império do Japão, no Consulado do Japão, em 1982, em Porto Alegre, como reconhecimento por suas atividades junto à colônia japonesa de Ivoti Dermatologista em palestra durante o I Congresso Argentino de Dermatologia, em outubro de 1972

Professor Bopp (à direita) durante Simpósio Nacional de Dermatologia Ocupacional, em 1979

XII Congresso CentroAmericano de Dermatologia, no Panamá, em 1980

Professor Bopp participa da XXIV Reunião dos DermatoSifilógrafos Brasileiros, em Minas Gerais, em 1967

3


PRODUÇÃO CIENTÍFICA

Estado é centro de referência em Dermatologia O Rio Grande do Sul é um dos centros de excelência em Dermatologia no Brasil. A produção científica, calcada nos grupos de pesquisa e nos cursos de pós-graduação, cresce nas universidades. “A formação de doutores permitiu uma maior participação na orientação de outros colegas, o aumento do corpo docente nas universidades e a maior qualificação da Dermatologia gaúcha”, explica a chefe do Serviço de Dermatologia do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, professora Tania Ferreira Cestari. “Atualmente, há programas de pós-graduação stricto sensu com docentes dermatologistas que estimulam a participação de colegas em pesquisas, com formações acadêmicas no mestrado e doutorado. Em Porto Alegre, a UFCSPA, a UFRGS e a PUCRS são exemplos”, comenta o chefe do Serviço de Dermatologia da UFCSPA, professor Renan Bonamigo.

Tania Cestari

Joel Schwartz

André Beber

INOVAÇÃO: RESIDÊNCIA E MESTRADO O chefe do Serviço de Dermatologia da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre, professor Joel Schwartz, ressalta que mesmo “dermatologistas que acabam não se tornando parte de Serviços Credenciados pela SBD vêm optando pela pós-graduação como meio de diferenciação profissional”. Já o chefe do Serviço de Dermatologia do Hospital São Lucas da PUCRS, professor Luís Carlos de Campos, reafirma a excelente produção científica gaúcha. Lembra que a PUCRS participa na formação de mestres e doutores por meio do fornecimento de pa4

Luís Carlos de Campos

Renan Bonamigo

cientes e dados de pesquisa. A UFSM disponibiliza desde julho de 2011 um Mestrado Profissional em Ciências da Saúde, vinculado à Residência Médica, que possibilita aos residentes de Dermatologia que optarem pelo curso um aprofundamento científico. “É uma ótima opção para os médicos, que exercem, ao mesmo tempo, atividades científicas na Academia e práticas no Serviço de Dermatologia”, analisa o professor André Costa Beber, coordenador do Programa de Residência Médica em Dermatologia da UFSM.

LINHAS DE PESQUISA DEFINIDAS A Dermatologia gaúcha firma-se no estudo de câncer de pele (oncologia cutânea), que abrange desde a exposição solar e suas consequências até o desenvolvimento e tratamento dos principais tumores, em especial o melanoma. Também predominam as linhas de pesquisa em dermatoses alérgicas, dermatologia pediátrica, fotobiologia, uso inovador de terapias como laser, infectologia dermatológica, psoríase, doenças inflamatórias e dermatoses em imunossuprimidos (em particular nos transplantados e nos infectados pelo HIV). Mesmo com a forte prevalência de pesquisas envolvendo doenças dermatológicas, gradualmente estão sendo conduzidos estudos direcionados especificamente à dermatologia estética, com boa base científica e metodológica. A professora Tania Cestari explica que muitas pesquisas, “especialmente as que envolvem procedimentos, terão aplicação na dermatologia corretiva e estética”.


Boletim Trimestral da Dermatologia Sociedade Brasileira de Dermatologia • Secção RS

ATIVIDADES DE MESTRADO E DOUTORADO DESENVOLVIDAS EM 2013 UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE Orientação: professor Renan Bonamigo • São desenvolvidas atividades junto ao Programa de Pós-Graduação em Patologia da UFCSPA. Atualmente há orientação para três alunos de doutorado (André Carvalho, Thaís Grazziotin e Maria Carolina Rey) e sete de mestrado (Majorie Segatto, Lísia Nudelmann, Clarissa Hohmann, Sheila Lemos, Juliana Fonte de Souza, Leandra Marques, Wagner Bertolini). Os locais de execução de pesquisa, além do PPG de Patologia, são o próprio Serviço de Dermatologia da UFCSPA, o Ambulatório de Dermatologia Sanitária do RS e a Santa Casa de Porto Alegre. São realizadas parcerias pontuais com outras instituições, como PUCRS e HCPA. • Estão sendo estudados assuntos como alergias em profissionais da saúde, dermatoses em transplantados renais, melanoma e pesticidas, melanoma e dieta, linfomas, rosácea e microbiologia, biológicos em psoríase, marcadores de melanomas finos e metástases. • Uma aluna de doutorado realizará a parte experimental de seu estudo em Barcelona (Hospital Clínic), em cooperação com colegas de referência na área de dermatoscopia e microscopia confocal (dra. Susana Puig e equipe), através de bolsa do governo federal (que tem incentivado muito a relação com centros internacionais). • Em março de 2013, ocorreu a defesa da tese de doutorado da dermatologista dra. Fernanda Razera, que versou sobre os Polimorfismos na Hanseníase e demonstrou haver relação de determinadas características genéticas com a possibilidade do desenvolvimento de incapacidades pelos pacientes portadores. • Prevista para maio de 2013 a defesa de dissertação de mestrado da dermatologista Claudia Poziomczyk, com amplo estudo sobre Incontinência Pigmentar.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Orientação: professor André Costa Beber Atualmente, há três alunas com mestrado em andamento: • Psoríase Ungueal, Karen Schons, orientada pelo professor Odirlei Monticielo e com conclusão prevista para 2013. • Vitiligo e Síndrome Metabólica, Elisa Grando. • Acne no Adulto e Síndrome Metabólica, Nádia Murussi. Ambas orientadas pela dra. Maristela Beck, com previsão de conclusão em 2014.

UFRGS e SERVIÇO DE DERMATOLOGIA DO HCPA Orientação: professora Tania Ferreira Cestari Nos cursos de pós-graduação ligados à UFRGS e ao Serviço de Dermatologia do HCPA estão sendo conduzidas atualmente duas teses de doutorado e três de mestrado em diferentes estágios de elaboração: • Aspectos Demográficos, Clínicos, Perfil Sorológico e Qualidade de Vida em Pacientes Adultos e Pediátricos com Vitiligo, Juliana C. Boza, curso de pós- graduação em Saúde da Criança e do Adolescente. • Prevalência e Caracterização de Lesões Cutâneas em Recém-Nascidos, dra. Flávia Reginatto, curso de pós-graduação em Saúde da Criança e do Adolescente. • Tradução, Adaptação Cultural e Validação para o Português Falado no Brasil do Instrumento Cardiff Acne Disability Index (CADI), Luciana Rosa Grando, curso de pós-graduação em Saúde da Criança e do Adolescente. • Análise de Padrões Dermatoscópicos em Pacientes com Hiperpigmentação Periocular, Lia Pinheiro Dantas, curso de pós-graduação em Ciências Médicas, previsto para final de 2014. • Comparação entre Laser Erbium Fracionado não Ablativo 1340nm e Microagulhamento para Tratamento de Cicatrizes Atróficas de Acne: Ensaio Clínico Randomizado, Thais Cachafeiro, curso de pós-graduação em Cirurgia.

SERVIÇO DE DERMATOLOGIA DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PORTO ALEGRE Orientação: professor Joel Schwartz • O Serviço incentiva a realização de mestrado e doutorado com linhas de pesquisa que possam ser realizadas na Santa Casa, mas baseadas e orientadas em outras instituições, como a UFRGS, a PUCRS e a UFCSPA. Desta forma, existe a produção científica contínua e colaborativa, assim como a formação de profissionais com consciência crítica e noção de pesquisa baseada em evidência. • Três preceptores estão realizando doutorado, com previsão de término entre 2013 e 2014 (André Carvalho, Paulo Ricardo Martins Souza e Inês Alencar de Castro), com linhas de pesquisa sobre terapia com biológicos, psoríase, nevos na gestação e epidemiologia das lesões aftóides. • Flávia Reginatto e Lisia Nudelmann, ex-residentes egressas do Serviço, realizam mestrado ou doutorado em outras ­instituições.

5


assessoria jurídica Dr. Rafael Torres dos Santos

Abertura de Clínicas Dermatológicas De forma recorrente, chegam-nos consultas acerca da possibilidade de clínicas ou de qualquer outro estabelecimento médico autodenominado “dermatológico” ou “de Dermatologia” atuar na prestação de serviços ao paciente. Sem que para isso seus proprietários ou titulares sejam regularmente diplomados como especialistas dermatologistas ou que essa condição esteja devidamente reconhecida e registrada junto ao órgão competente: o CRM/RS. Nesse cenário, e à luz das normativas éticas vigentes, pode-se afirmar que vem de longa data a vedação, tanto a profissionais (pessoas físicas) quanto a clínicas e estabelecimentos de saúde (pessoas jurídicas), para o anúncio de serviços médicos em áreas ou especialidades reconhecidas como tal pelo Conselho Federal de Medicina (CFM). Ao menos sem que exista a correspondente titulação devidamente registrada no Conselho Regional de Medicina. A saber, a atuação em qualquer área ou especialidade médica é permitida a todo profissional que possa exercer licitamente a Medicina no país. Isto é, quando atendidos os termos do art. 17, da Lei 3.268/57, regra que exige do cidadão a obtenção

de diploma médico em curso superior reconhecido pelo MEC e o contínuo registro desse junto ao Conselho Regional de Medicina do Estado, através do qual o médico irá exercer a sua profissão. Entretanto, e tendo em vista que a Dermatologia é reconhecida como especialidade médica pela vigente redação da Resolução CFM no 1.845/05, item 2, subitem 18, só é permitido o anúncio e emprego da expressão “Dermatologia” – assim como seus adjacentes (“Dermatológica”, “Dermatologista”, etc.) – àqueles profissionais médicos devidamente registrados como especialistas junto ao CRM/RS. E, no caso de pessoa jurídica, essa condição deve ser afeta ao diretor técnico, ou, no mínimo, a um dos membros do corpo clínico da instituição. Por conseguinte, o que a legislação veda é o anúncio do oferecimento de serviços em Dermatologia sem a correspondente titulação devidamente registrada no CRM. Até mesmo para evitar que a sociedade seja equivocadamente levada a crer que se trata de um atendimento especializado, maculando sem cura a atuação médica sob o prisma da formação do vínculo e da confiança com o paciente.

Não por outra razão é que tal conduta, se levada a efeito, importa na violação dos preceitos éticos previstos no arts. 115, do chamado Código de Ética Médica (Resolução CFM 1.931/2009), e 4o, da Resolução 1.634/2002 (que “dispõe sobre convênio de reconhecimento de especialidades médicas firmado entre o Conselho Federal de Medicina – CFM, a Associação Médica Brasileira – AMB e a Comissão Nacional de Residência Médica – CNRM.”). Além de violar vários termos da Resolução CFM no 1.974/2011 (que “estabelece os critérios norteadores da propaganda em Medicina”). Ao cabo, e em resumo, pode-se concluir que a atuação na especialidade dermatológica resta assegurada a qualquer médico regularmente formado em curso superior de Medicina reconhecido pelo MEC e que disponha de registro dessa titulação junto ao CRM. Já o anúncio da especialidade (e seus adjacentes), e aí se inclui o próprio nome do estabelecimento, só pode ser ostentado por profissional regularmente reconhecido como especialista na área, e cuja titulação esteja formalmente reconhecida e registrada junto ao CRM.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE

Setor de Fototerapia do Centro de Saúde Santa Marta tem capacidade para 480 aplicações/mês A Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA) inaugurou, em 25 de abril, o setor de Fototerapia do Centro de Saúde Santa Marta, em Porto Alegre. O equipamento tem capacidade para fazer 480 aplicações por mês, o que representa 60 pacientes atendidos. “O Centro de Saúde é a casa de Dermatologia da Universidade. Estamos oferecendo um serviço diferenciado a pacientes do SUS que antes não tinham acesso a esse tipo de tratamento fora do ambiente hospitalar”, afirma o chefe do Serviço de Dermatologia e professor da UFCSPA, Renan Bonamigo. O tratamento pelo SUS era oferecido apenas na Santa Casa e no Hospital das Clínicas. “Teríamos um gasto de R$ 144 mil se usássemos o Acitretin para tratamento mensal de 60 pacientes. O custo agora é com a manutenção do equipamento, muito inferior a isso”, explica a coordenadora do setor de Fototerapia e professora da UFCSPA, Magda Weber.

6

Direção e professores da UFCSPA prestigiaram inauguração


Boletim Trimestral da Dermatologia Sociedade Brasileira de Dermatologia • Secção RS

entrevista

Presidente da SBD anuncia oficina de Teledermatologia Nesta entrevista ao informativo da SBD-RS, a presidente da perante à área médica de todo o país. Discutimos questões SBD Nacional, dra. Denise Steiner, destaca as prioridades da técnicas relacionadas à Dermatologia, com participação imsua gestão e anuncia a oficina de Teledermatologia disponível portante de órgãos como a Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Considero essas discussões um avanço a todos os serviços. para entendermos melhor os mecanismos inerenTodos sabemos que são muitas as atribuites ao funcionamento da Anvisa. Também são aproções da Diretoria Executiva da SBD. Quais as fundados assuntos relativos à defesa profissional, ações que devem ser priorizadas? com assessorias institucional e jurídica do CFM. Dra. Denise: As atribuições são muito variadas e A EMC tem recebido grande atenção das últicomplexas, indo desde ações na defesa profissiomas gestões. Quais os planos de sua Diretonal até organização de simpósios, passando pelo ria a respeito dessa importante ferramenta de relacionamento com as regionais e serviços creatualização e valorização de nossos especiadenciados. listas? Temos as seguintes prioridades: Dra. Denise Steiner Dra. Denise: Iniciamos com uma oficina de Telederfala das prioridades • Fortalecimento da relação com órgãos de sua gestão matologia que foi oferecida a todos os serviços creinstitucionais, AMB e CFM denciados, para que possam ter interesse instrumental para melhorar a comunicação e a educação. Ela será realizada em • Jurídico forte e ações concretas em relação à defesa São Paulo, logo após a Teraderm, e será organizada pelos profissional coordenadores da Teledermatologia, drs. Maurício Paixão e • Educação Médica Continuada (EMC) forte Tatiana Gabbi, e também pela disciplina de Dermatologia da • Melhoria dos Serviços Credenciados USP, com coordenação do dr. Chao Lung Wen, grande espeA criação da Câmara Técnica de Dermatologia junto ao cialista na área. CFM foi uma conquista muito importante para nossa Outros cursos estão sendo preparados, como genética e especialidade. Como tem sido o trabalho desse desta- manipulação magistral. Além disso, a SBD está apoiando cado grupo de ­dermatologistas? as regionais, subsidiando especialistas dos departamentos Dra. Denise: A formação da Câmara Técnica no Conselho específicos para promoção de cursos como oncologia cutâFederal de Medicina consolida a posição da especialidade nea, hanseníase, dermatologia pediátrica, entre outros.

Porto Alegre sedia Congresso de Cirurgia Dermatológica O 26º Congresso Brasileiro de Cirurgia Dermatológica será realizado de 9 a 12 de abril de 2014, no Centro de Eventos da Fiergs, em Porto Alegre. Esta será a primeira vez que a capital gaúcha receberá o evento. A expectativa é de reunir cerca de 2,5 mil participantes. O lançamento do congresso ocorreu no dia 18 de abril, na Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica, em São Paulo. Na ocasião, a presidente do 26º Congresso, dra. Doris Hexsel, além de apresentar o evento, destacou o compromisso da diretoria em realizar um congresso qualificado, com um programa amplo e atualizado. As inscrições para associados da Sociedade Brasileira de Dermatologia e da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica poderão ser feitas brevemente no site www.sbcd.org.br. Nomes de palestrantes nacionais e internacionais serão confirmados em breve.

Jornada Gaúcha reúne especialistas brasileiros A XXXVIII Jornada Gaúcha de Dermatologia está confirmada para os dias 27 e 28 de setembro, no Sheraton Hotel, em Porto Alegre. A secretária científica da SBD-RS, Mariana Soirefmann, destaca que o maior evento anual da entidade reunirá autoridades em Dermatologia com o objetivo de atender às expectativas dos colegas. Entre os palestrantes confirmados estão os dermatologistas Renato Bakos, presidente da SBD-RS; André Cartell, dermatopatologista do Hospital de Clínicas de Porto Alegre; Doris Hexsel, preceptora do Serviço de Cosmiatria do Departamento de Dermatologia do Hospital da PUCRS; Carolina Talhari, professora da Universidade Federal do Amazonas; e Davi de Lacerda, dermatologista com residência em Dermatologia no Hospital Johns Hopkins, Baltimore (EUA), e fellowship em Cirurgia Dermatológica no Hospital Cochin Tarnier, Paris (França).

7


Boletim Trimestral da Dermatologia Sociedade Brasileira de Dermatologia • Secção RS

21ª JORNADA SUL-BRASILEIRA DE DERMATOLOGIA

Participantes aprovam a escolha de temas clínicos e cosmiátricos A diversidade dos temas clínicos abordados foi um dos pontos altos da 21ª Jornada Sul-Brasileira de Dermatologia, que reuniu 350 dermatologistas em abril, em Gramado. A grande interação e a participação dos colegas permitiram o esclarecimento de dúvidas e a discussão de casos clínicos de maior interesse. A secretária científica da SBD-RS, Mariana Soirefmann, ressalta a palestra Diagnóstico do Melanoma: Presente e Futuro, do professor Horacio Cabo, da Argentina, pela importância do tema e pelas aulas exemplares apresentadas pelo convidado. “Também foi destaque a conferência, Desvendando as Dermatoses Neutrofílicas, proferida pelo professor Lucio Bakos, devido à complexidade do tema e pela forma brilhante e esclarecedora que foi abordado, com casos muito ilustrativos”, assegura. Na área de cosmiatria, o curso de procedimentos em vídeo foi bastante elogiado,

A importância da anamnese Dra. Lúcia Ribeiro Santos*

com a demonstração de tratamentos de rejuvenescimento e técnicas cirúrgicas, que visam a contribuir para a melhor prática diária da Dermatologia. O módulo de discussão de técnicas para rejuvenescimento proporcionou excelente discussão dos casos apresentados. A troca de experiências entre as palestrantes, de forma dinâmica e esclarecedora, permitiu o estabelecimento de um plano de tratamento cosmiátrico para cada caso abordado. A próxima Jornada Sul-Brasileira de Dermatologia, em 2014, será realizada em Florianópolis (SC).

Evento reuniu mais de 300 dermatologistas

Presidentes das Regionais Jesus Santamaria (PR), Renato M. Bakos (RS) e André Rosseto (SC) comemoraram sucesso da Jornada

Dermatologistas confraternizaram nos eventos sociais

8

Parece estranho termos de continuar discutindo a importância que tem a anamnese na prática médica, não é mesmo? Afinal, este é um conceito que já está arraigado em nossa formação médica e não parece necessitar de evolução ou discussão. Quem ousaria discutir a necessidade de perguntar e ouvir o paciente da forma mais detalhada possível para elaborar um diagnóstico embasado e acertado? Mas não é natural do ser humano automatizar o essencial cotidiano? Quem pensa em qual marcha usar no automóvel a cada trecho da estrada? Talvez na maioria dos dias acabemos por agir assim na correria de um consultório lotado, com pouco tempo para atender cada paciente. Como praticamos uma ciência essencialmente visual, muitas vezes um olhar satisfaz nossa curiosidade e parece ser suficiente para o diagnóstico. Quando tratamos a doença, ainda que o diagnóstico não seja exato, temos a vantagem da melhora com tratamentos comuns a mais de uma entidade ou até da melhora espontânea da doença; e ao paciente, importa mais é ficar curado. Os tempos modernos trouxeram outro tipo de clientela ao nosso consultório: o paciente que não é doente! Este vem procurar a melhoria e aperfeiçoamento de sua condição normal, sadia e muitas vezes esteticamente superior à média. Como saber as expectativas, os descontentamentos e os motivos que essa pessoa teve para nos procurar se não pudermos escutar com atenção para entender as entrelinhas dos pedidos de cada paciente e qual a verdadeira condição que esse indivíduo tem para submeter-se ao tratamento que podemos oferecer? É com uma anamnese cuidadosa que poderemos descartar os indivíduos com boa indicação cirúrgica, mas mal-intencionados, ou aqueles que não sabem expressar-se bem e julgam ser o procedimento que podemos fazer a solução para um problema de outra alçada (por vezes cirúrgica, por vezes psiquiátrica). É ainda durante a anamnese que reforçamos a verdadeira indicação do procedimento que vamos propor, afastando fatores de exclusão que não são evidentes apenas com a avaliação visual, ainda que dinâmica. Venho percebendo que na maioria das vezes a validade de uma anamnese profunda e longa é questionada pelos colegas de espírito mais seguro e impetuoso. Falta, na verdade, saber “o que perguntar ao paciente”. Bem, no nosso ofício, saber perguntar é tão ou mais importante que saber responder. O domínio da anamnese vem antes de dominar a técnica de injeção de produtos para fins cosméticos ou de pilotar aparelhos. Caso contrário, passamos a merecer o título de “injetores” ou “aplicadores” com o qual fomos modernamente brindados pela indústria farmacêutica e afins. * Dermatologista, membro da SBD-PR, conferencista da 21ª Jornada Sul-Brasileira de Dermatologia


Bi 87