Issuu on Google+


Escola Básica 2º,3º ciclos D. Luís Mendonça Furtado

Trabalho realizado por: Daniela Reis Sara Caldeira Professora: Ana Paula Pina Para a disciplina de: Área de Projecto

Ano Lectivo 2007/2008


Índice - Gravidez na Adolescência - Dúvidas para saber se uma jovem adolescente está grávida - Dificuldade de ser adolescente e de estar grávida ao mesmo tempo - Principais queixas apresentadas pela jovem grávida - Forma de tornar toda esta situação mais fácil - É importante também criar condições para a expressão de sentimentos em relação a si própria e à sua gravidez. - O amor é fundamental para a satisfação sexual Percentagem sobre a gravidez na adolescência


Gravidez na Adolescência A adolescência implica um período de mudanças físicas e emocionais que é considerado, por vários autores, um momento de crise. Não podemos descrever a adolescência como uma simples adaptação às transformações corporais, mas sim como um importante período no ciclo de vida que corresponde a diferentes tomadas de posição sentidas ao nível social, familiar e também na escola. A puberdade, marca o início da vida reprodutiva de rapazes e raparigas, sendo caracterizada por mudanças fisiológicas e psicológicas. Uma gravidez na adolescência provoca alterações na transformação que já vem ocorrendo de forma natural, ou seja, implica um duplo esforço de adaptação interna fisiológica e uma dupla movimentação de duas realidades que convergem num único momento: estar grávida e ser adolescente.


Dúvidas para saber se uma jovem adolescente está grávida São muitas as raparigas e rapazes que já passaram por este tipo de experiência, sentindo certamente o mesmo pânico, os mesmos medos, tendo as mesmas dúvidas, as mesmas preocupações e partilhando a mesma esperança: “não passou de um susto”, ou “só acontece aos outros” e ainda “felizmente houve um engano”. Se existiram relações sexuais desprotegidas e a menstruação não apareceu na altura em que deveria surgir, não vale a pena entrar em pânico, mas também não resulta fugir. Quer uma coisa, quer outra só causa mais angústia e preocupação! Deve sim, fazer um teste de gravidez o mais rapidamente possível, e aí, de acordo com o resultado, reflectir sobre o assunto e tomar as decisões apropriadas, sempre com o apoio de alguém em quem se confia.


Dificuldade de ser adolescente e de estar grávida ao mesmo tempo Quando se trata de uma adolescente, às mudanças emocionais e físicas são acrescidas questões de ordem psicossocial e ainda de falta de apoio, as quais podem tornar a gravidez numa experiência traumática, num problema emocional e de saúde e promotor de exclusão social. Numa mulher adulta, quando a gravidez é planeada, ocorre uma crise maturacional (transição) que implica mudanças significativas ao nível emocional e físico. Contudo, o facto de ter sido desejada a vinda de um novo ser, abre à mulher uma nova perspectiva da sua vida que é a sua dimensão de mãe.


Principais queixas apresentadas pela jovem grávida * Dificuldade na relação com os pais pelo surgimento da gravidez; algum desapontamento, culpas e acusações que poderão ocorrer quando chega a notícia. * Dificuldade na relação consigo própria pela “necessidade” de integrar a gravidez e a expectativa da maternidade nos seus projectos e interesses de adolescente; * Receio de possíveis alterações no relacionamento com o seu namorado; * Dificuldade em conseguir gerir a relação com o seu grupo de amigos; * Dificuldade em encontrar um espaço onde se sinta confortável para falar sobre os seus medos e dúvidas face à situação vivida.


Forma de tornar toda esta situação mais fácil Se a família e as pessoas mais próximas da adolescente que engravida, forem capazes de acolher o novo facto com compreensão, harmonia e respeito, a gravidez tem maior possibilidade de ser levada a termo sem grandes transtornos e até de uma forma gratificante. A jovem deverá ser apoiada na tomada de decisões de um modo coerente, consciente e realista. O bem-estar afectivo é muito importante para a jovem grávida e para o seu bebé, e uma vez que a gravidez se faz a dois também o jovem pai deve ser ouvido na tomada de decisão.


É importante também criar condições para a expressão de sentimentos em relação a si própria e à sua gravidez. A adolescente tem necessidade de exprimir e partilhar sentimentos sem se sentir julgada, ser entendida pelos outros e sobretudo ter uma base de conhecimentos que lhe permita viver a maternidade e aceitar as mudanças corporais que são inerentes ao seu estado. Para além disso, deverá ser conduzida à compreensão da gravidez inserida num programa de cuidados pré-natais adequados. A gravidez na adolescência é, portanto, um problema que deve ser levado muito a sério e que não deve ser subestimado nem por adolescentes, nem por educadores e professores. O rapaz e a rapariga devem ser estimulados a pensar e a viver a sexualidade, não só como uma maneira de sentir prazer com as suas novas capacidades reprodutivas e sexuais, mas também acompanhadas de um conjunto de responsabilidades perante si e perante a sociedade em geral. É possível continuar a sair com o grupo de amigos e a namorar, mas de forma diferente. A gravidez não torna os adolescentes adultos de uma hora para a outra e deve ser evitada e planeada.


O amor é fundamental para a satisfação sexual É possível ter relações sexuais, simplesmente a partir do desejo ou da atracção sexual e que tais relações sejam satisfatórias. No entanto, a segurança emocional e a expressão da afectividade proporcionam geralmente um maior grau de entrega e satisfação. Devemos ter em conta que, para a maior parte das pessoas, as relações sexuais são mais satisfatórias quando se dão num contexto de intimidade e afecto e, embora isto continue a ser, em geral, pelos estudos existentes e importante para os homens.


Percentagem sobre a gravidez na adolescência A gravidez precoce é uma das ocorrências mais preocupantes relacionadas à sexualidade da adolescência, com sérias consequências para a vida dos adolescentes envolvidos, de seus filhos que nascerão e de suas famílias. A incidência de gravidez na adolescência está crescendo e, nos EUA, onde existem boas estatísticas, vê-se que de 1975 a 1989 a percentagem dos nascimentos de adolescentes grávidas e solteiras aumentou 74,4%. Em 1990, os partos de mães adolescentes representaram 12,5% de todos os nascimentos no país. Lidando com esses números, estima-se que aos 20 anos, 40% das mulheres brancas e 64% de mulheres negras terão experimentado ao menos 1 gravidez nos EUA . No Brasil a cada ano, cerca de 20% das crianças que nascem são filhas de adolescentes, número que representa três vezes mais garotas com menos de 15 anos grávidas que na década de 70, engravidam hoje em dia. A grande maioria dessas adolescentes não tem condições financeiras nem emocionais para assumir a maternidade e, por causa da repressão familiar, muitas delas fogem de casa e quase todas abandonam os estudos. A Pesquisa Nacional em Demografia e Saúde, de 1996, mostrou um dado alarmante; 14% das adolescentes já tinhas pelo menos um filho e as jovens mais pobres apresentavam fecundidade dez vezes maior. Entre as garotas grávidas atendidas pelo SUS no período de 1993 a 1998, houve aumento de 31% dos casos de meninas grávidas entre 10 e 14 anos. Nesses cinco anos, 50 mil adolescentes foram parar nos hospitais públicos devido a complicações de abortos clandestinos. Quase três mil na faixa dos 10 a 14 anos.


Depois de engravidar då origem a um novo ser‌


ConclusĂŁo Com este trabalho aprendemos que uma adolescente grĂĄvida ganha muito mais responsabilidades que uma rapariga da sua idade e privasse de certos divertimentos, como ir ĂĄ discoteca, sair com os amigos e muito mais.


Bibliografia • pt.wikipedia.org/wiki/Gravidez_na_adolescência • pt.wordpress.com/tag/gravidez-na-adolescencia/ • www.ape.org.pt/pdf/01-gravidez.pdf


Gravidez na Adolescência