Issuu on Google+

Nome: Numero: Turma: Escola:

Sara Lopes Nยบ: 14 11ยบJ T.A.I


Conteúdo Introdução: .................................................................................................................................. 4 Crescimento ................................................................................................................................... 5 Crescimento infantil: ................................................................................................................. 6 Desenvolvimento físico: ................................................................................................................ 7 Desenvolvimento Motor Geral.................................................................................................... 7 Desenvolvimento Motor Fino ..................................................................................................... 7 Desenvolvimento da linguagem ................................................................................................. 8 Dos 4 aos 5 anos: .................................................................................................................... 9 Dos 5 aos 6 anos ..................................................................................................................... 9 Desenvolvimento Intelectual ........................................................................................................ 10 Desenvolvimento social .............................................................................................................. 10 Desenvolvimento Emocional ....................................................................................................... 11 Desenvolvimento Moral .......................................................................................................... 11 Factores que afectam o desenvolvimento. ........................................................................................ 12 Personalidade ............................................................................................................................ 12 Grandes Etapas De Construção Da Personalidade .................................................................. 14 Na Infância .............................................................................................................................. 14 Empatia ..................................................................................................................................... 15 A criança no seio de divórcio parental .......................................................................................... 16 Vulnerabilidade .......................................................................................................................... 17 Reflexão ........................................................................................................................................ 19 SINAIS DE ALERTA ....................................................................................................................... 20 Dos 3 aos 4 anos ....................................................................................................................... 21 Dos 4 aos 5 anos ...................................................................................................................... 21 Dos 5 aos 6 anos ....................................................................................................................... 22 Reflexão ........................................................................................................................................ 23 Segurança ..................................................................................................................................... 24


W.C .......................................................................................................................................... 27 Quarto ....................................................................................................................................... 27 Sala .......................................................................................................................................... 28 Cozinha ..................................................................................................................................... 28 Regras de Segurança da família .................................................................................................. 29 Reflexão ........................................................................................................................................ 30 Brincadeiras................................................................................................................................... 31 Macaquinho chinês..................................................................................................................... 32 Camaleão .................................................................................................................................. 32 Mama dá licensa ........................................................................................................................ 33 Vai - Vem .................................................................................................................................. 34 Alinhavo com a figura ................................................................................................................. 35 Acha um par .............................................................................................................................. 36 O caracol alfabético .................................................................................................................... 37 Reflexão: ....................................................................................................................................... 37 Reflexão ........................................................................................................................................ 38 Alimentação ................................................................................................................................... 39 Bebidas ..................................................................................................................................... 41 Ao pequeno almoço:

A meio da manhã: ............................................................. 42

As duas principais refeições: ................................................................................................... 42 A meio da tarde: ......................................................................................................................... 43 O jantar: .................................................................................................................................... 43 Antes de ir para a cama: ............................................................................................................. 43 Reflexão ........................................................................................................................................ 44 Bibliografia..................................................................................................................................... 45


Introdução:

Uma criança é um ser humano no início de seu desenvolvimento. São chamadas recémnascidas do nascimento até um mês de idade; bebé, entre o segundo e o décimo - oitavo mês, e criança quando têm entre dezoito meses até doze anos de idade.


Crescimento


Crescimento infantil: O desenvolvimento não ocorre desordenadamente, de forma aleatória, uma vez que é influenciado por alguns determinantes, que podem aumentar, restringir, anular algumas fases desse desenvolvimento .

Biológico

Psicológico


Desenvolvimento físico: Desenvolvimento Motor Geral

 Habilidade para correr, saltar; começa a atirar e a chutar  Capacidade de agarrar uma bola que salta  Capacidade de aos 3 anos conseguir pedalar um triciclo  Capacidade de aos 4 anos já conseguir conduzir bem um triciclo  Capacidade de aos 4 anos ser capaz de saltar ao ‘’pé-coxinho’’

Desenvolvimento Motor Fino

 Conseguir desenhar um círculo se lhe pedirem, com cerca de 3 anos  Desenhar pessoas com 2 ou 3 características faciais  Começar a usar tesoura de pontas redondas  Conseguir vestir-se sozinha sob supervisão  Capacidade de recortar em linha recta  Calçar-se com ajuda  Diferenciar os meninos das meninas


Desenvolvimento da linguagem

 Usar frases com 4 palavras  Fazer muitas perguntas e portanto saber mais respostas  Usa pronomes e preposições correctamente aos 3 anos  Começar a entender as relações de tamanho aos 4 anos  Apreciar canções de criança e jogos de palavras

Bem… Está na hora de começar a falar…


Dos 4 aos 5 anos:

Cantar canções simples Contar até 5 Prestar atenção e explorar os livros Vestir-se e despir-se sem ajuda Desenhar num quadro Lavar a cara e as mãos Ser capaz de desenvolver jogos com regras simples

Dos 5 aos 6 anos

Diferenciar a direita da esquerda Conhecer as moedas em circulação Ser capaz de classificar e seriar objectos Desenvolver e aplicar correctamente conceitos espáciotemporais Contar até 10 Assegurar os principais cuidados de higiene sem ajuda


Desenvolvimento Intelectual      

Falar fluentemente, utilizando correctamente o plural, os pronomes e os tempos verbais; Apresentar grande interesse pelas palavras e a linguagem; Seguir instruções e aceitar supervisões; Conhecer as cores, os números, etc.; Poder identificar e distinguir euros e cêntimos; Capacidade para memorizar histórias e repeti-las;

Desenvolvimento social

       

Copiar os adultos Brincar com meninos e meninas Ser capaz de brincar apenas com outra criança ou com um grupo de crianças manifestando preferência pelas crianças do mesmo sexo Brincar de forma independente, sem necessitar de uma constante supervisão Começar a ser capaz de esperar pela sua vez de partilhar Conhecer as diferenças de sexo Apreciar conversas durante as refeições Começar a interessar-se por saber de onde “vêm” os bebés


Desenvolvimento Emocional

 

Poder apresentar alguns medos Se estiver cansada, nervosa ou chateada, poderá apresentar alguns dos seguintes comportamentos: roer as unhas, piscar repetidamente os olhos Preocupar-se em agradar aos adultos  Manifestar maior sensibilidade relativamente às necessidades e sentimentos dos outros  Envergonhar-se facilmente

Desenvolvimento Moral

Devido à sua grande preocupação em fazer as coisas bem e em agradar poderá, por vezes, mentir ou culpar os outros de comportamentos reprováveis.


Factores que afectam o desenvolvimento.


Personalidade

O desenvolvimento da personalidade é um processo complexo porque depende de quatro tipos de factores.

1º Factor é o biológico no qual se incluem a dotação genética, o temperamento, a aparência física e a taxa de maturação.

3º Factor é a socialização, isto é, as experiências da criança com os outros, sobretudo com os membros da família. A personalidade é, sobretudo, o produto da aprendizagem social, e dos modos de vida dos países.

2º Factor é a participação num grupo cultural. Em cada cultura há características que são adquiridas pelas crianças, desde muito cedo.

4º factor é a situação de vida que a criança vive e que pode concorrer para que manifeste cansaço, frustração, ansiedade, calma, bom humor. As recompensas ou castigos que recebe a criança influencia muito, o desenvolvimento da personalidade


Grandes Etapas De Construção Da Personalidade Na Infância

2º Infância – Corresponde a uma maior autonomia psicomotora e aparecimento do pensamento e da linguagem. Do ponto de vista afectivo já existe uma diferenciação entre o Eu e o Outro, o que permite o aparecimento de relações qualitativamente diferenciadas.


A empatia é definida como a capacidade psicológica que permite, de uma forma aprofundada e íntima, a compreensão de ideias, sentimentos e motivações de outras pessoas.

Empatia

A maioria das definições de empatia distingue dois níveis nesta dimensão psicológica: Capacidade afectiva para compreender e partilhar sentimentos dos outros Capacidade cognitiva para compreender pontos de vista e perspectivas alheios

Na Psicologia e nas Neurociências contemporâneas a empatia é uma ‘’especie’’ de inteligência emocional’’ e pode ser dividida em dois tipos: A cognitiva – relacionada com a capacidade de compreender a perspectiva psicológica das outras pessoas A afectiva – relacionada com a habilidade de experimentar reacções emocionais por meio da observação da experiência alheia.

Entre os 3 e os 6 anos, a criança fortalece as suas capacidades psicomotoras e psicológicas. A criança é capaz de realizar actividades motoras cada vez mais complexas, como conseguir vestir-se sozinha, atar os sapatos, lavar os dentes, saltar á corda e jogar á bola… Entre os 4 e os 5 anos, ela começa a identificar as emoções e os desejos dos outros, de forma mais cuidada. Nessa fase, a criança reconhece que as crenças das outras pessoas podem ser diferentes das dela.

Entre os 2 e os 3 anos, a criança começa a perceber que os outros possuem estados internos, subjectivos, diferentes dos dela.


A criança no seio de divórcio parental

De um momento para o outro, o mundo fica virado do avesso.

Cada criança sofre e manifesta o seu sofrimento à sua maneira. Porém, tudo depende da idade, da personalidade, da conduta dos pais ,da atitude da família, das experiências de vida…

Em um divórcio com filhos entre os 2 e os 6 anos a criança ainda não entende o que é uma separação, mas ao notar que um dos membros do casal não dorme em casa, é provável que pense que é por sua culpa, e reaja de formas opostas: ou fique muito obediente, ou também muito mais agressivo ou rebelde, como era de esperar quanto ao seu carácter. Nesta idade, alguns dos pequenos negam a separação tanto a si mesmos quanto aos demais.

Embora uma das preocupações de mãe e pai se prenda com a forma como devem noticiar a separação a um filho, muitos são os adultos que cometem erros através de actos e palavras. Um dos mais frequentes é “tentar manipular as crianças para ficarem do seu lado, muitas vezes por insegurança dos pais ou medo de perder. Outro erro comum é usar a criança como “moeda de troca”. Um terceiro erro é tentar que as crianças decidam as escolhas e simultaneamente forçar essa escolha.


Vulnerabilidade

Pode ser entendida como a condição de risco em que uma pessoa se encontra. Um conjunto de situações, mais ou menos problemáticas, que situam a pessoa numa condição de “ carente”, “ necessitada”, “ impossibilitada de responder com os seus próprios recursos dado o problema que vive e a afecta…”


Entre os factores de vulnerabilidade das crianças, pode-se destacar:

Os riscos relacionados com o lugar da moradia: a precariedade da oferta de Instituições e Serviços Públicos, a proximidade e a localização dos pontos de venda controlados pelo tráfico de drogas.

Os riscos inerentes à dinâmica familiar: são os problemas relacionados com o alcoolismo, com os conflitos entre casais que fazem da criança a testemunha de ofensas e agressões, isto é, toda a forma de violência doméstica, de traumas, de abusos sexuais, de carências afectivas, …

Os riscos da saúde: compreende a ausência de um trabalho de prevenção e o acesso ao atendimento médico e hospitalar.

O risco da exploração do trabalho infantil e da prostituição infantil: crianças provenientes de famílias pobres que podem ser colocadas a trabalharem por dinheiro


Reflexão

O desenvolvimento pode ser motor, da linguagem, intelectual, social, emocional ou moral. Motor: desenvolvimento progressivo das habilidades de movimento. Linguagem: usar frases, criar um diálogo etc.… Intelectual: ser capaz de articular uma conversa cuidada com principio meio e fim. Social: brincar e partilhar os brinquedos, saber ouvir e respeitar as regras. Emocional: Compreender os sentimentos dos outros, respeitar, entender o outro. Moral: não mentir, não ocultar a verdade.

A empatia é definida como a capacidade psicológica que permite de uma forma aprofundada e intima, a compreensão de ideias, sentimentos e motivações de outras pessoas. A criança num seio de um divórcio parental é a que mais sofre de toda a família e o sentimento de culpa está sempre presente como que se, para ela a culpa fosse sua do que se está a suceder. Durante este período, as coordenações motoras e as suas aptidões intelectuais, emocionais e sociais progredirão rapidamente.


SINAIS DE ALERTA

A prevenção, é sempre necessária e urgente, independentemente da área a que nos reportamos, mas para prevenir é preciso, à priora, saber identificar sinais e sintomas e, se possível, evitar o seu aparecimento; compreender a sua natureza é, também, um processo que requer conhecimento de nós próprios e dos outros.


Dos 3 aos 4 anos

         

Medos excessivos Ansiedade de separação extrema Faz xixi na cama sistematicamente Timidez Inibição nas actividades lúdicas Problemas de fala persistente Excessivo medo de estranhos Falta de interesse pelos outros Dificuldades em adormecer sozinho Insónia

Dos 4 aos 5 anos         

Medos excessivos Ansiedade de separação extrema Enumere nocturna Timidez Comportamentos de bullying com os colegas Inibição nas brincadeiras Problemas pertinentes na fala Pouca capacidade para fantasiar Grande dificuldade em aceitar as regras


Dos 5 aos 6 anos Todos os outro e ainda: Ansiedade


Reflexão

A prevenção é sempre muito necessária em uma criança entre os 3 e os 6 anos, e as crianças são muito expressivas. Devemos ter cuidado com os medos, a ansiedade, a timidez, o medo excessivo de estranhos, as insónias, etc.… A prevenção, é sempre necessária e urgente, independentemente da área a que nos reportamos, mas para prevenir é preciso, à priora, saber identificar sinais e sintomas e, se possível, evitar o seu aparecimento; compreender a sua natureza é, também, um processo que requer conhecimento de nós próprios e dos outros. Aos 3 anos de idade, a confiança em si é tanta, que poderá tentar desempenhar tarefas sozinha como por exemplo apertar os botões de um casaco.


Segurança

A segurança é muito importante para as crianças em idade pré-escolar. A criança em idade pré – escolar que exercita as suas habilidades motoras, é capaz de se ver em situações perigosas rapidamente.


1 - É melhor que as crianças brinquem em grupo ou, pelo menos, com outro amigo (conhecido dos adultos). 2 - As crianças devem habituar-se a dizer para onde vão, se decidirem deslocar-se do local onde estão a brincar. 3 - É de evitar brincar na rua. É sempre perigoso, mesmo que o movimento seja extremamente reduzido. 4 - As crianças devem ser alertadas para as brincadeiras e os objectos perigosos (fogo, fósforos, plásticos, líquidos e objectos desconhecidos, charcos e lagos, etc.). Os adultos devem explicar por que são perigosos, quais as consequências que pode haver e não apenas proibir. 5 - Devem alertar-se as crianças para os perigos de janelas e locais altos (quedas), ruas e automóveis (ir atrás de bolas, por exemplo) e locais desconhecidos. 6 - Devem ser ensinadas e respeitadas (pelo exemplo) as regras de atravessar ruas, os semáforos e restante sinalização, etc.


7 - Devem ser dadas indicações fáceis e claras sobre como agir em caso de acidente ou se a criança se perder. 8 - Ao andar de transportes e/ou nos locais públicos, as crianças não deverão ter valores à vista (relógio, telemóvel, carteira, fios, pulseiras, etc.). 9 - As crianças devem ser habituadas e ter a oportunidade de contar (sem medo) aos pais os acontecimentos estranhos que viram e encontros com desconhecidos. 10 - São de evitar (e explicar porquê) locais pouco iluminados ou mal frequentados. 11 - As crianças devem ter sempre consigo um valor mínimo em dinheiro para poder fazer um telefonema. Do mesmo modo deve garantir-se que conhecem os seus números de contacto (telefones) de cor. 12 - Deve-se ensinar as crianças a não dar informações sobre si ou sobre a casa, família ou amigos a desconhecidos. 13 - As crianças devem ser ensinadas a não aceitar ofertas ou boleias de desconhecidos. 14 - As crianças devem tentar sempre confirmar novos planos que vão contra indicações ou combinações anteriormente feitas com os pais (novas pessoas que as vão buscar à escola, por exemplo).


W.C Banheira : Antes do banho, deve-se verificar a temperatura da água. Esvaziar a banheira quando acabar. Cinco centímetros de água bastam para uma criança de 5 anos se afogar, se cair ou debruçar-se. Deve evitar-se blocos desodorizantes, porque as crianças podem retira-los e mastigá-los.

Quarto As janelas de correr - devem conter um mecanismo de segurança para que estas se mantenham fechadas. Uma varanda deve ter a altura mínima de 1, 10 metros e distancia entre as varras verticais do inicio ao fim. Cama – As camas devem ter fundo rígido e bordas altas. O espaço entre as barras verticais tem de ser inferior a 6 cm, com estrado a 60 cm para crianças . O espaço do estrado para as grades laterais e para a cabeceira não deve ser superior a 2,5 centímetros. Iluminação – A luz de presença evita quedas e colisões quando a criança sai da cama. habituar-se as crianças a arrumarem os seus brinquedos, pois podem provocar quedas.

Deve


Sala Lareiras – Devem conter um vidro e um recuperador de calor para que a criança se queime. Janelas – Para evitar que o vidro estilhace deve colocar-se uma película aderente no vidro. Moveis – Devem estar o mais possível presos á parede e com os cantos devidamente protegidos. Tapetes – Devem conter uma película anti-derrapante por debaixo dos tapetes para que estes não escorreguem com tanta facilidade. Escadas - Deve conter uma cancela entre as escadas e o piso normal para que a criança não chegue até elas, a cancela deve conter barras de 60 cm de altura e de 6cm de espaço umas das outras. Tomadas – devem ser protegidas com uma patilha de bloqueio para que só o adulto as consiga utilizar graças á patilha utilizando-a como uma chave.

Cozinha Medicamentos e produtos tóxicos devem ser colocados em armários altos e fechados. O fogão – este deve conter trancas nos botões.


Regras de Segurança da família: __________________________ INFORMAÇÕES GENÉRICAS: Nome dos pais:______________________________________________________ Contacto telefónico da mãe:____________________________________________ Contacto telefónico do pai:_____________________________________________ As chaves de reserva estão_____________________________________________ A caixa de 1ºs socorros está ___________________________________________ Os extintores estão __________________________________________________ EM QUE SITUAÇÕES DEVEM OS PAIS SER CONTACTADOS: ■ Se a criança estiver a chorar há mais de 15 minutos sem motivo aparente ■ Se a criança tiver febre, vómitos ou se tenha magoado ■ Sempre que surja uma situação que não seja capaz de resolver sozinho/a SE NUMA EMERGÊNCIA NÃO ESTIVEREM CONTACTÁVEIS, LIGUE PARA: Nome, e telefone____________________________________________________ Nome, e telefone____________________________________________________ TELEFONES ÚTEIS Numero Nacional de Emergência: 112 Bombeiros: ___________ Dói, Dói, Trim, Trim – Saúde 24: 808 24 24 00 Linha envenenamento – CIAV: 808 25 01 43 PORMENORES SOBRE A CRIANÇA: Nome (completo):____________________________________________________ Idade:___________ Alergias:___________________________________________________________ Doenças crónicas:____________________________________________________ Outras limitações:____________________________________________________ Medicamentos:______________________________________________________ REGRAS E ROTINAS DOMÉSTICAS: Programas televisivos e filmes autorizados:________________________________ Alimentação proibida:_________________________________________________ Regras para brincadeiras no exterior:_____________________________________ Regras para visitas:___________________________________________________ Horas de sesta e/ou de dormir à noite:____________________________________ Considerações especiais:_______________________________________________ OBSERVAÇÕES (Por favor, escreva detalhes sobre o seu dia/noite com o nosso filho) _____________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________ ____________________________________________


Reflexão A segurança é algu com que se tem que ter muita atenção nestas idades. A segurança nos automóveis, as quedas, as queimaduras, choques, cortes entre outros… são muito frequentes nos bebés entre os 3 e os 6 anos. Em caso de emergência deve ligar-se para o numero 808 250 143.

Existem algumas regras e comportamentos que podem salvaguardar o bem estar das crianças e contribuir para a melhoria das condições de segurança quer em casa, quer nos espaços públicos. Neste sentido, é essencial que fomente e mantenha um espaço de diálogo e de confiança com as crianças a seu cargo, permitindo-lhe detectar precocemente eventuais problemas e evitar os acidentes. Para ajudar a criação de regras para que haja menos probabilidades da criança se magoar, deve preencher-se uma lista de regras da família. A curiosidade é natural, as crianças pequenas gostam de explorar e experimentar, por isso, é importante que todos os produtos de limpeza sejam mantidos num armário com fechadura ou que estejam a uma altura fora do seu alcance. As crianças pequenas podem sufocar ao brincarem com sacos de plástico, que por vezes podem colocar sobre as suas cabeças.


Brincadeiras


Macaquinho chinês Jogam oito ou mais crianças, num espaço que tenha parede ou muro, embora estes possam ser substituídos por um risco desenhado no chão. Uma criança, o “macaquinho chinês, posiciona-se junto ao muro, virada para a parede, e de costas para as outras, que estão colocadas lado a lado, a cerca de dez metros ou mais. O macaquinho chinês bate com as mãos na parede dizendo: “Um, dois, três, macaquinho chinês”. Enquanto este diz a frase, os outros avançam na direcção da parede. Mal o macaquinho chinês termina a frase volta-se imediatamente para os outros, tentando ver alguém a mexer-se. Quem for visto a mexer-se volta para trás até à linha de partida. Assim, as crianças só podem avançar quando o macaquinho chinês diz a frase, pois ele pode fingir voltar-se para a parede e olhar para trás, a ver se apanha alguém a mexer-se. A primeira criança que chegar à parede será o próximo macaquinho chinês. Noutra variante, quando o macaquinho chinês se vira para as outras crianças e estas se encontram estáticas, faz cócegas a duas delas (escolhidas ao acaso), tentando que estas se mexam e obrigando-as assim, a regressarem para a linha de partida.

Camaleão Este jogo necessita de um espaço relativamente plano, delimitado e onde exista uma parede ou muro. Jogam pelo menos seis crianças. Coloca-se uma criança (camaleão) junto à parede, virada para ela e de olhos tapados pelas mãos. As restantes crianças estão colocadas à vontade, a uma distância de cerca de dez metros. Ao sinal de início do jogo, as crianças perguntam em coro àquela que está junto da parede: “Camaleão, de que cor?” . O camaleão responde dizendo uma cor, por exemplo, o azul. Mal diz a cor, neste exemplo, o azul, o camaleão vira-se e começa a correr atrás dos colegas, que fogem. Ao fugir, as crianças procuram um objecto da cor escolhida e tocam nele, a fim de se livrar. Neste caso, o camaleão não as pode caçar. Só pode caçar aquelas crianças que ainda não se livraram, ou seja, não tocaram na cor escolhida. Se o camaleão tocar em alguém antes de se livrar, este passa a ser o novo camaleão. Se o camaleão não conseguir caçar ninguém, continua nesta função. De referir que, quando as crianças fazem a pergunta: “Camaleão, de que cor?”, e este responde “cor de burro quando foge”, as crianças ficam quietas, não podendo


Mama dá licensa

Jogam seis ou mais crianças, num espaço que tenha parede ou muro, embora estes possam ser substituídos por um risco no solo. As crianças dispõem-se sobre um risco, umas ao lado das outras. Uma, a mãe, fica colocada de frente para as outras crianças, a uma distância de dez ou mais metros. A mãe fica de costas para a parede ou muro. Uma criança de cada vez vai perguntando à mãe: - “A mamã dá licença?” - “Dou”. - “Quantos passos me dás?” - “Cinco à bebé.” - ”Mas dá mesmo?” - ”Sim.” Então a criança avança, dando cinco passos muito pequeninos, pois neste exemplo, dá passos “à bebé”. Em seguida, pergunta outra criança e assim sucessivamente. Ganha o primeiro a chegar ao pé da mãe, tomando o seu lugar e recomeçando o jogo. De referir que, após a ordem dada pela mãe, a outra criança deve confirmála antes de a executar (“Mas dá mesmo?”), sob pena de regressar ao ponto de início. As respostas da mãe (ordens), podem ser muito variadas: passos à gigante (grandes), à caranguejo (para trás), à cavalinho (saltitantes), à tesoura (abertura lateral dos membros inferiores), etc.


Vai - Vem

Objetivo: Desenvolvimento da coordenação viso-motora, atenção, movimentos amplos, coordenação bimanual. Material: corda de nylon 2 pontas de garrafas plásticas 4 argolas de plástico 1 durex colorido Confecção: Cortar as duas garrafas pelo meio. Uni-las com durex colorido Passar 2 cordas de nylon (por dentro) – 2 metros cada uma Na ponta, amarrar argolas de plástico para as crianças segurarem. Desenvolvimento: Em duplas, as crianças brincam, a fazer movimentos amplos de abrir os braços, distanciando as mãos ou juntando os braços, aproximando as mãos (alternando os jogadores com estes movimentos, o objecto vai e vem ora para um jogador ora para outro).


Alinhavo com a figura

Objectivo: Desenvolver a coordenação visual e motora e a orientação espacial. Material: papelão perfurado em qualquer tipo de forma barbante ou linha grossa colorida perfurador Desenvolvimento: Acriança escolhe o cartão da figura recortado e perfurado, e passa o barbante ou linha nas perfurações.


Acha um par

Objectivos: Identificação e reconhecimento das letras do alfabeto e desenvolvimento da percepção visual, observação e orientação espacial. Material: 46 rolos de papel higiénico papéis coloridos para forra-los (papel fantasia). Letras do alfabeto, recortadas em papel preto (tipo de impressa). Desenvolvimento: As crianças, em grupo encapam os rolos de papel higiénico com papel fantasia Em seguida, colam uma letra em cada rolo, cuidando de colocar a mesma letra em dois rolos. Depois da confecção, jogam formando pares ou conforme as regras estabelecidas pelo grupo.


O caracol alfabético

Objectivo: Fazer com que as crianças adquiram memória global das palavras (a palavra inteira, e não separada silabicamente) e, ao mesmo tempo, analisem a sua composição (a sequência de letras e memorizarem a ordem das letras no alfabeto). É necessário desenhar, no chão da sala ou no pátio, um caracol como o da ilustração abaixo, com todas as letras do alfabeto. Esse é o único preparo que o jogo exige. O resto depende da disposição física das crianças, com a que sempre se pode contar. Como no jogo da amarelinha, em que devem saltar de casa em casa do caracol, até formar a palavra sugerida pela professora. As regras: Uma criança coloca-se no ponto de entrada no caracol, antes da letra A. A professora mostra à criança e a toda a turma um cartaz com uma palavra da sua escolha, acompanhada ou não de uma gravura ilustrativa da palavra, e lê em voz alta. Em seguida, esconde o cartaz. A criança que está na entrada do caracol vai pular de letra em letra, num só pé para formar toda a palavra mostrada pela professora. A cada letra da palavra que a criança atingir, indo e voltando no caracol, ela deverá dizer qual é essa letra. Se houver em alguma das letras da palavra um sinal gráfico (til, acento, cedilha), a criança deve bater palmas ao mesmo tempo em que grita o nome da letra. 5. Ao chegar à última letra da palavra, a criança além de dizer em voz alta qual essa letra, deve dizer a palavra completa e voltar pelo caracol, num só pé ao local de partida.

Reflexão:


Reflexão

A promoção de jogos ao ar livre e em grupo são bons investimentos para crianças destas idades. Jogos como o macaquinho chinês ou o rei manda são jogos que devem ser feitos ao ár livre e em grupo, e que ajudão na nutricidade grossa. Já o caracol, é um jogo que ajuda na escrita e na compreensão alfabética. Existem vários livros que ajudão com bons jogos infantis, como por exemplo o livro “ jogos infantis 2”.


Alimentação


Durante p período pré-escolar (dos 3 aos 6 anos), altura em que se verifica um crescimento acentuado nas crianças, a qualidade da alimentação é determinante, tanto por uma questão de saúde física, como do ponto de vista psicossocial. Além disso, é nestas idades que se cometem muitos dos erros alimentares que as prejudicarão em adultos. É, pois, fundamental seguir uma alimentação variada e equilibrada, incluindo todos os grupos alimentares nas devidas proporções.


Bebidas

A melhor bebida é a água. Os refrigerantes, por conterem muito açúcar, não são aconselhados. Se quiser variar, opte pelos sumos de fruta naturais ou pelos denomidaos 100%, que também são aceitáveis.

É nesta fase que a criança está desenvolvendo os seus sentidos e diversificando os sabores, e com isso, formando as suas próprias preferências.

Nesta fase, é natural que a criança recuse um ou vários alimentos. É a fase do “ Eu não quero”, em que a criança, descobrindo as suas próprias preferências, diz não a tudo o que ela pensa não ser bom para ela. Ou ainda, distraída com essa ou aquela brincadeira, a criança simplesmente se esquece de comer.


Os alimentos devem distribuir-se ao longo do dia , por 5 a 6 refeições diárias, com intervalos regulares.

Ao pequeno almoço:

É uma refeição fundamental para a criança, nunca devendo ser omitido. O leite, acompanhado do pão ou cereais, deve fazer parte desta refeição. A quantidade diária de leite recomendada ronda ½ litro, podendo ser gordo ou meio gordo.

As duas principais refeições:

A meio da manhã:

Deve ser fornecida uma pequena refeição, a fim de evitar que a criança fique mais de 3 horas sem comer.

Devem começar sempre com uma sopa de legumes da época. Os produtos hortícolas devem ser predominantes nas sopas e no prato. Quer os legumes, quer a fruta, devem ser consumidos diariamente. Carne e peixe não precisam de ultrapassar os 50 gramas limpos a cada uma das duas principais refeições. Os ovos podem ser utilizados três por semana, não se tornando hábito esta regra.


A meio da tarde:

Deve ser fornecida uma merenda, em que o leite ou os seus derivados e o pão não devem faltar.

O jantar:

Será semelhante ao almoço, com uma sopa de legumes de entrada e terminar sempre com uma peça de fruta.

Antes de ir para a cama:

Algumas crianças gostam de beber um copo de leite.


Reflexão

Uma alimentação equilibrada conciste não em retirar alimentos á boca mas sim em comer varias vezes ao dia e alimentos variados, em bora em pequenas quantidades. Deve seguir-se a roda dos alimentos, e comermos alimentos variados e ricos em vitaminas. Doces apenas em festas e refrigerantes, água deve sem bebida em abundância. Deve fazer-se no mínimo 6 refeições por dia. As crianças devem ingerir um copo de leite antes de irem dormir é um bom habito que se deve incutir dês de pequenos. As crianças são caprichosas a comer, mas não existe nenhum alimento essencial á saúde. Se


Bibliografia http://www.dgsaude.pt http://www.asic.pt

E a ficha informativa sobre o Portefólio de Saúde Infantil sobre o Módulo 6, denominado “ crescimento e desenvolvimento na 2º infância (3 aos 6 anos)” Livro : “ guia de saúde infantil”


2º infância