Page 1

Ano 1 • # 05 • 2011 • Distribuição Gratuita www.paratyemrevista.com.br

em revista

Paraty celebra a sua CACHAÇA! Paraty celebrates its cachaça! by Lucio Gama

Encante-se. Descubra a FLIPINHA Discover The Flipinha pg 18

PROGRAMAÇÃO FLIP 2011 PROGRAMME FLIP 2011 pg 12


“Harmonia e charme entre Mar e Montanha.”

do dia é o ferecen t a e o . Flip remos diárias a a e t es ant nas 21th f e Dur e Julho conto h f t s ntil 20% o u 21 d de de d n g ip, a offerin l F 20% he be t ing we will r u D tes. uly, of J om ra o on r

Hotel for birdwatchers and nature lovers At our hotel you will be surrounded by the Atlantic Forest (Mata Atlântica), and also only 250m far from “Praia Grande”, one of the best beaches at Ubatuba. Cozy and modern apartments. Swimming pool, dry and wet saunas, baby kitchen. Free parking and free Wi-Fi signal. • Delicious breakfast included. • Recommended by tripadvisor.com. • English Spoken Here

Rua Praia Grande, 405 - Praia Grande - Ubatuba/SP reservas@hotelcoquille.com.br - www.hotelcoquille.com.br (12) 3835-1611 Rádio NEXTEL ID 90*13680


EDITORIAL

Os sabores do engenho O tema da capa

desta edição é um dos mais festejados eventos da cidade, o Festival da Pinga, que já passou da vigésima edição. O festival acontece de 18 a 21 de agosto, e os visitantes podem apreciar dos mais tradicionais aos mais inusitados sabores. Pinga pura, envelhecida, caramelada, de banana, com canela... São muitas. Sem contar as deliciosas comidas típicas para acompanhar a cachaça. Paraty, que entrou para a história do Brasil como exportadora de aguardente, tendo nos tempos idos, 160 engenhos em pleno funcionamento, conta hoje com apenas sete alambiques. Mas o número reduzido só serviu para tornar o processo ainda mais especial. A característica artesanal da fabricação persistiu, e mais do que um produto comercial, a cachaça de Paraty representa um elo com as antigas tradições. O fato é que tanto a cachaça, quanto a própria cidade, são capazes de nos levar a um delicioso estado de embriaguez. Coisas de Paraty.

PARATY em Revista Ano 1 • #05 • 2011 CNPJ 09.492.465/0001-81 A Paraty em Revista é uma publicação bimestral da Sapere Editora. É distribuída gratuitamente nas cidades: Ubatuba, São José dos Campos, Taubaté, Campinas, Itu, São Paulo, Campos do Jordão e Paraty.

Direção GERAL Andreza Pavão Ana Maria Pavão Luis Pavão

Editora Chefe

FIavors of the sugar mill

The Festival of Cachaça, the theme on this edition’s cover, is one of the most praised events of the city, now beyond its 20th edition. The festival happens from August 18 to the 21, and visitors can appreciate the most traditional to the most unexpected flavors! Cachaça, pure, aged, caramel flavored, made with bananas, with cinnamon… the flavors are many. Not to mention the delicious typical dishes that will be available to go with it. Paraty, which entered the history of Brazil as an exporter of cachaça and had in bygone times, 160 sugar mills in full production, has today only seven distilleries. The reduced number, however, has only made the manufacturing process more special. The characteristic artisan production persisted, and rather than a commercial product, Paraty’s cachaça is a link to old traditions. Truth be told, both the cachaça and the city itself are able to bring us to a delicious state of inebriation. It’s a Ana Maria Paraty thing. Pavão

Editora Chefe ana@sapereed itora.com.br

Ana Maria Pavão

Jornalistas Responsáveis Ana Maria Pavão • MTB: 54599 ana@sapereeditora.com.br Luis Pavão • MTB: 54602 luispavao@sapereeditora.com.br

CAPA Revisão: Ana Corbisier TRADUÇÃO: Olívia Borges Maradei Christine Bonnell Juan Blanco Prada

Contatos (12) 3833-9035 / (12) 7814-8966 contato@sapereeditora.com.br

ANUNCIE (12) 3833-9035 / (12) 7814-8966 (24) 9913-9797 / ID 82*131536 comercial@paratyemrevista.com.br

ASSINE www.ubatubaemrevista.com.br/assinatura

Photo: Divulgação - Nelson Toledo

Luis Pavão

ÍNDICE 6 • Edith Rizzo e sua inspiração: Paraty / Edith rizzo and her inspiration: Paraty 8 • Paraty celebra a sua CACHAÇA! / Paraty celebrates its cachaça! 12 • PROGRAMAÇÃO FLIP 2011 / PROGRAMME FLIP 2011 16 • Flip: Mapa das tendas / Flip: Tent Map 18 • Encante-se. Descubra a FLIPINHA / Discover The Flipinha. Become Enchanted 20 • A OFF FLIP / THE OFF-FLIP

TIRAGEM 10.000 exemplares - Auditados pela ACIU

4

JULHO/AGOSTO 2011


A MAIOR REDE DE FRANQUIAS IMOBILIÁRIAS DO MUNDO AGORA EM PARATY! A está presente em mais de 80 países. Seu imóvel visto no mundo inteiro.

COMPRA, VENDA, LOCAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO

CASAS – TERRENOS ILHAS – PRAIAS LANÇAMENTOS Tel.: 24 3371-2154 E-mail: paradise@remax.com.br

Shopping Avenida Av. Roberto Silveira, 400 – Lj 2 Paraty – RJ CEP 23970-000

WWW.REMAX.COM.BR/PARADISE


PESSOAS

by Jorge Martins

Jornalista, mora atualmente em Paraty. Journalist, living today in Paraty. bemjorge@ig.com.br

Edith Rizzo e sua inspiração: paraty

Edith rizzo and her inspiration: paraty

A artista recentemente premiada pela TV Rio Sul conta sua história e sua ligação com Paraty. The artist, who was recently honored by Rio Sul TV, tells her story and talks about the connection she has with Paraty.

Tudo começou com o professor Luis Botto, que mostrou à jovem

artista que pintura tem tudo a ver com matemática, matéria que é umas das paixões de Edith Rizzo, recentemente premiada pela TV Rio Sul como autora de um dos melhores trabalhos apresentados por artistas plásticos, moradores na região de cobertura da emissora. “Este prêmio deu um novo estímulo a minha carreira; havia muitos trabalhos concorrendo e ser selecionada foi uma grande alegria. Passei um período bastante difícil com a doença de minha filha, amor da minha vida, mas agora está tudo bem”, conta Edith, ainda demonstrando muita emoção. Ela explica que há dezenove anos está na região, sempre no eixo Paraty e Angra dos Reis. Entre essas cidades ela aprimorou sua técnica e se destacou, sendo convidada pela apresentadora Xuxa a se apresentar em rede nacional. “Foi uma época muito produtiva na minha carreira; o presídio da Ilha Grande tinha sido desativado e muitos restaurantes e pousadas foram montados. Eu trabalhava o dia inteiro para atender à demanda”. O estilo adotado por Edith é a pintura acadêmica, que tem como característica o longo tempo exigido para concluir uma obra. “Levei doze dias para pintar Manhã Caiçara – o quadro premiado; e, assim mesmo, porque eu tinha prazo para entregar. Normalmente levaria trinta dias trabalhando em óleo sobre tela”, conta ela, acrescentando que gosta de trabalhar sem pressa, curtindo todos os detalhes. O quadro Manhã Caiçara vai ficar exposto na sede da emissora, em Rezende, durante um ano e sua imagem será utilizada em comerciais e chamadas para a região. Edith nasceu em Santa Adélia, São Paulo; depois fez um curso de desenho em Catanduva, também em São Paulo. Em Londrina, no Paraná, fez o curso de matemática na UEL, Universidade Estadual de Londrina. E, também em Londrina, participou do Projeto Barracão de Artes e Ofícios, espaço de educação e produção cultural em artes plásticas, poesia e teatro.

6

JULHO/AGOSTO 2011

Everything started with her teacher Luis Botto, who showed the young artist that painting and math – one of Edith Rizzo’s passions – have a lot in common. She has recently been given an award by Rio Sul TV as the creator of one of the best art works presented by artists living within the area covered by the station. “This prize has given a fresh boost to my career. There were many works competing, and to have my work selected was a great joy. I’ve had a tough time because of my daughter’s disease. She is the love of my life, and fortunately everything is fine now.” says Edith, full of emotion. She told us that she’s been in the area between Angra dos Reis and Paraty for nineteen years. There, she improved her technique and then became noticed by Xuxa, who hosted her own popular show, and was invited to present her work on national network television. “It was a very productive time in my career, Ilha Grande prison had just been deactivated, and many restaurants and hotels were opened on the island. I worked day and night to meet the demand.” Edith uses techniques from academic painting where it usually takes a long time to finish a piece. “It took me twelve days to paint “Manhã Caiçara” (the picture awarded), and this was because I had to deliver it on a deadline. Otherwise this oil on canvas would normally have taken thirty days to complete.” she says, adding that what she really likes is to work without rushing, enjoying every detail. “Manhã Caiçara” will be exhibited in the station head office, in Resende, for a year, and its image will be used in commercials and local advertising. Edith was born in Santa Adelia, SP. She studied drawing in Catanduva, SP, and graduated in mathematics at UEL, University of Londrina, Parana. In Londrina, she also took part in a project called “Barração de Artes e Ofícios”, a space for education and cultural production of arts, poetry and drama. Besides painting, Edith also creates bronze sculptures - “It is another passion of mine, and here in Paraty, I intend to resume my work” says the artist, vigorously.


Além de pintura, Edith dedica-se à escultura em bronze. “Essa é minha outra paixão; aqui em Paraty pretendo retomar os trabalhos”, conta a artista, revigorada. Em 1992 ela chegou à Vila do Abraão, na Ilha Grande e seu trabalho, dez anos depois, ilustrou o Almanaque Ecológico da Ilha Grande, de Elias Lins Mello o que a levou a fazer sua primeira exposição no Rio de Janeiro. “Isso foi muito importante, porque logo depois, meu trabalho foi selecionado para constar do catálogo Arte Carioca 2002”, comenta a pintora e escultora que chegou a expor, inclusive, em Portugal. Edith mora em Paraty há oito anos e seu projeto é continuar na cidade, que a inspira, e agora estimula. “Apesar de gostar de pintar quadros surrealistas, de me encantar com o mundo dos sonhos, sinto que com os anos de litoral, e lá se vão dezenove anos, me sinto cada vez mais envolvida com a vida caiçara. Encanta-me a simplicidade dos hábitos, das comidas e tenho prazer em estar com essa gente forte, que respeita o mar e interage com ele. Por isso foi tão importante ter sido selecionada para a Galeria Rio Sul, com um quadro que fala deste tema. O que mais quero agora é pintar o mar, sua gente e seus costumes”, conclui a nossa talentosa pintora. P

Tradição na culinária típica de Paraty. Doces, bolos e diversas delícias de dar água na boca.

In 1992 she arrived in Vila do Abraão in Ilha Grande, and the work she produced was used, ten years later, to illustrate the book “Almanaque Ecológico da Ilha Grande”, by Elias Lins Mello, which led her to make her first exhibit in Rio de Janeiro. “This was very important for my career, because soon after that my work was selected to be part of the catalog Carioca Art 2002,” says the painter and sculptor, who has also exhibited her work in Portugal. Edith has been living in Paraty for eight years, and she intends to continue living in this city that inspires and stimulates her work. “Even though I like doing surrealist paintings, and have always been delighted by the world of dreams, I feel that these nineteen years I’ve been living on the coast have made me more and more involved with caiçara life. I’m charmed by the simplicity of their daily life and by the food. It is a great pleasure to be with these powerful people, who respect and interact with the ocean. That’s why it was so important to be selected by the Rio Sul gallery for a painting that reflects this theme. What I want now, more than ever, is to paint the sea, her people, and their tradition,” concludes this talented painter. P

Maiores informações: / Further information: edithrizzo@ig.com.br JULHO/AGOSTO 2011

7

Rua Dr Samuel Costa, 208 - Centro - Paraty/RJ (24) 3371-8333


by Lucio Gama luciogamafreire@oi.com.br

CAPA

Paraty celebra a sua CACHAร‡A! Paraty celebrates its cachaรงa!

8

JULHO/AGOSTO 2011


De 18 a 21 de agosto

de 2011 acontece o 29° Festival da Cachaça, Cultura e Sabores de Paraty, um dos maiores e mais tradicionais eventos do calendário cultural da cidade. O festival deste ano promete ser uma grande celebração da cultura paratiense. Além da cachaça, carro chefe do evento, a gastronomia, as danças, as artes e a música regional estarão presentes para receber os visitantes. O festival contará com a participação dos sete engenhos em atividade hoje no município. São eles: Coqueiro, Corisco, Engenho D`Ouro, Maré Cheia, Maria Isabel, Paratiana e Pedra Branca. Nos stands dos alambiques o visitante poderá adquirir a tradicional canequinha do festival e apreciar as cachaças artesanais de Paraty, as mais tradicionais do Brasil. Na praça de alimentação do evento estarão os restaurantes da gastronomia sustentável de Paraty; neles os visitantes poderão apreciar os sabores da culinária local, incluindo pratos flambados e marinados com a nossa cachaça. Os doces típicos e os pratos com palmito e camarão também estarão presentes.

The 29th Cachaça*, Culture and Flavors Festival of Paraty, one of the largest and most traditional events of the city’s cultural calendar, will run from August 18 to 21 of 2011. This year’s edition promises to be a great celebration of Paraty’s culture. In addition to cachaça, the central element of the event, culinary, dance, arts and regional music will also welcome visitors to the town. The festival will feature seven distilleries currently active in the municipality: Coqueiro, Corisco, Engenho D`Ouro, Maré Cheia, Maria Isabel, Paratiana and Pedra Branca. At each distilleries’ stand, visitors will be able to acquire the traditional festival cup and savor the artisan cachaças of Paraty, the most traditional of Brazil. Paraty restaurants that adhere to sustainable cuisine practices will cater the food court. There, visitors will be able to enjoy the flavors of the local cuisine, including dishes marinated and flambéed with local cachaça. Dishes based in palm hearts and shrimp as well as typical local desserts will also be featured. At the band stand located next to the stills, there will be performances by local musicians, including cirandeiro1 ensembles, the Santa Cecília band, as well as performances of traditional musical genres such as chorinho, samba de raiz, and forró, among others. In this same venue, Paraty’s dance companies will exhibit the beauty and art of local traditional dances such as the ribbon dance, the cateretê and more. For the most demanding conoisseurs of high-quality cachaça, we suggest a visit to the distilleries, which will remain open to the public during the festival, allowing visitors to learn about the manufacturing process of Paraty’s cachaça, the only one in Brazil to have a seal of Geographic Origin Indication.

Photos: Luis Pavão

* Cachaça is a signature Brazilian alcoholic beverage distilled from the refined juice of sugar cane, similar to rhum. **Ciranda is a traditional regional folk music genre.

Um dos engenhos de Paraty, durante seu processo artesanal de produção da cachaça. One of Paraty’s sugar mills, during the process of artisan cachaça production.

JULHO/AGOSTO 2011

9


CAPA

No coreto, localizado junto aos alambiques, haverá a apresentação de músicos locais, incluindo os grupos de cirandeiros, a banda de música Santa Cecília, além de apresentações de chorinho, samba de raiz, forró. Neste mesmo espaço apresentar-se-ão as companhias de arte e dança de Paraty, mostrando aos visitantes a beleza e a arte de nossas danças típicas, como a dança das fitas, o cateretê e muito mais. Para os mais exigentes apreciadores da cachaça de qualidade, vale a sugestão: durante o período do festival os engenhos estarão abertos à visitação, para que os visitantes possam conhecer todo o processo de fabricação da cachaça de Paraty, a única no Brasil com selo de Indicação Geográfica de Procedência. A expectativa da APACAP e da Sectur é de que cerca de 40 mil pessoas circulem pelo local. Na maioria dos hotéis e pousadas restam poucas vagas para reserva; então... não fique de fora! P

Photo: Luis Pavão

APACAP (Paraty’s Cachaça Producers Association) and Sectur (Secretary of Tourism) expect an attendance to the venue of approximately 40,000 people. Most hotels and pousadas are already booked up, so make your reservation now and don’t miss this event. P

Cachaça Coqueiro Fazenda Cabral - Cabral - Paraty - RJ (24) 3371-0016 www.cachacacoqueiro.com.br

Cachaça Maré Cheia Estrada do Jacú, s/nº – Morro do Jacú Paraty – RJ - (24) 3371-9377 www.cachacamarecheia.com.br

Cachaça Corisco Estrada do Corisquinho s/nº - Corisco Paraty - RJ (24) 3371-0894

Cachaça Engenho D’Ouro Estrada Paraty - Cunha, km 8 - Penha Paraty - RJ - (24) 9905-8268 www.engenhodouro.com.br

Cachaça Maria Izabel Sítio Santo Antônio - Corumbê - Paraty - RJ (24) 9999-9908 www.mariaizabel.com.br Cachaça Paratiana e Labareda Estrada da Pedra Branca, km 1 - Ponte Branca Paraty - RJ (24) 3371-6329 - cachacaparaty@hotmail.com Cachaça Pedra Branca Estrada da Pedra Branca, km 1 - Ponte Branca Paraty - RJ - (24) 7835-4065 www.chacacapedrabranca.com

10

JULHO/AGOSTO 2011


FLIP

6 quarta

06 wednesday

19h Conferência Oswald de Andrade: devoração e mobilidade

7 PM - Opening conference Oswald de Andrade: devouring and mobility

Na mesa de abertura da Flip 2011, o maior ensaísta e crítico literário do país, Antonio Candido, discorre sobre a obra e a personalidade intelectual e artística do escritor com o qual manteve intenso diálogo literário e pessoal. A seu lado, o professor de literatura, escritor e compositor José Miguel Wisnik dá sua visão da potência utópica da Antropofagia de Oswald de Andrade.

21h30 Show de abertura O show de abertura desdobra as homenagens da Flip a Oswald de Andrade: canção, poesia, música instrumental, teatro. A diva Elza Soares canta, ao lado de José Miguel Wisnik e Celso Sim, composições feitas a partir de Mistérios gozosos – a montagem de O santeiro do mangue, de Oswald, por José Celso Martinez Corrêa.

9:30 PM - Opening show The opening show unfolds Flip’s homages to Oswald de Andrade: song, poetry, instrumental music and theatre. Alongside José Miguel Wisnik and Celso Sim, diva Elza Soares sings compositions based on Mistérios gozosos – José Celso Martinez Corrêa’s adaptation for the stage of Oswald’s poem “O santeiro do mangue”.

7 quinta

07 thursday

10h mesa Zé Kleber*

10 AM Roundtable

Espaço aberto à comunidade paratiense dentro da Flip, com o objetivo de refletir sobre questões locais. A mesa contará com a presença das francesas Michèle Petit e Dominique Gauzin-Müller. A antropóloga Petit é conhecida por seus trabalhos sobre a leitura em espaços de crise. Já a arquiteta e jornalista Gauzin-Müller, mostrará a importância dos equipamentos urbanos planejados segundo preocupações ambientais e sociais.

12h mesa 1 - Lírica crítica Encontro de dois grandes poetas. Carol Ann Duffy, primeira mulher a ser indicada como “Poeta Laureado” do Reino Unido, aborda a sexualidade e a violência com intensidade subjetiva e rigor formal. Paulo Henriques Britto é um artífice do verso cujos exercícios de estilo dialogam com a poesia de língua inglesa (da qual é um de nossos maiores tradutores) para criar uma linguagem precisa e um lirismo com olhar crítico.

15h mesa 2 - Marco zero modernista Mais moderno dentre os modernos da Semana de 22, precursor da poesia concreta e da Tropicália, Oswald de Andrade sintonizou as elites da Belle Époque brasileira com o espírito futurista e as contradições político-estéticas que eclodiram com a urbanização do país. Pesquisadores de nossa modernidade histórica e literária mostram as múltiplas facetas do poeta nativista que escreveu painéis romanescos e romances cubistas.

17h15 mesa 3 - Ficções da diáspora Dois autores não ingleses de língua inglesa renovam a narrativa a partir da diáspora colonial e reafirmam uma tradição que vai além das fronteiras geográficas, incorporando choques culturais. Com a paquistanesa Kamila Shamsie, os traumas do século XX deságuam nos conflitos pós-11 de setembro; e, com o caribenho Caryl Phillips, diferentes gerações se encadeiam pela identidade racial.

19h30 mesa 4 - O humano além do humano O projeto iluminista de manipulação da natureza encontrou nas neurociências seu ponto culminante e, em Miguel Nicolelis, um de seus cientistas mais brilhantes. Mas as utopias modernas de emancipação do sujeito não cancelam nossas angústias, nossa precariedade essencial, costuma lembrar o filósofo Luiz Felipe Pondé. O confronto desses pontos de vista revela os dilemas éticos para os quais confluem ciência e filosofia.

12

At the opening roundtable of Flip 2011, Brazil’s greatest essayist and literary critic, Antonio Candido, talks about the writer with whom he held an intense literary and personal dialogue, discussing his work as well as his intellectual and artistic personality. At his side, literature professor, writer and composer José Miguel Wisnik gives his view of the utopian power of Oswald de Andrade’s anthropophagy.

JULHO/AGOSTO 2011

A space inside Flip open to Paraty’s community, with the objective of reflecting on local issues. The round table will have the presence of Frenchwomen Michèle Petit and Gauzin-Müller. The anthropologist Petit is known for her work on reading in crisis zones. The architect and journalist Gauzin-Müller will describe the importance of urban equipment planned according to social and environmental concerns.

12 PM Roundtable 1 - Critical lyricism An encounter of two great poets. Carol Ann Duffy, the first woman to be appointed as the poet laureate of the United Kingdom, approaches sexuality and violence with subjective intensity and formal rigor. Paulo Henriques Britto is a crafter of verses whose exercises in style engage in a dialogue with English poetry (of which he is an eminent translator), giving rise to a precise idiom and lyricism with a critical perspective.

3 PM Roundtable 2 - The modernist benchmark The most modern among the modernists of the Week of ’22 and a precursor of both concrete poetry and Tropicália, Oswald de Andrade brought the elites of the Brazilian Belle Époque into tune with the futurist spirit and the political-aesthetic contradictions that arose with the nation’s urbanization. Researchers of our historical and literary modernity show the multiple facets of the nativist poet who penned romanesque panoramas and cubist novels.

5:15 PM Roundtable 3 - Fictions of the diaspora Two non-English writers of the English language update the narrative based on the colonial diaspora and reaffirm a tradition that ranges beyond geographic borders, incorporating cultural shocks. With Pakistani author Kamila Shamsie, the traumas of the 20th century flow into the post-9/11 conflicts; and, with Caribbean writer Caryl Phillips, different generations are interlinked by racial identity.

7:30 PM Roundtable 4 - The human beyond the human The Enlightenment project for the manipulation of nature has reached its apex in the neural sciences, which very notably include the brilliant discoveries of top scientist Miguel Nicolelis. But the modern utopias that envisage the freeing of the subject do not dispel our anxieties, our essential precariousness, as philosopher Luiz Felipe Pondé is wont to remind us. A comparing and contrasting of these points of view reveals the ethical dilemmas onto which science and philosophy are converging.

Foto: Nelson Toledo - Divulgação

PROGRAMAÇÃO FLIP 2011 PROGRAMME FLIP 2011


8 sexta

08 friday

10h mesa 5 - Viagens literárias

10 AM Roundtable 5 - Literary journeys

Em literatura, o contemporâneo sempre dialoga com a tradição e o passado sempre reverbera no presente. Em O viajante do século, o argentino Neuman mergulha em tertúlias do século XIX para identificar tensões que se prolongam em nosso milênio. E em The more I owe you, o norte-americano Sledge refaz, com sensibilidade contemporânea, o amor entre a urbanista brasileira Lota de Macedo Soares e a poeta Elizabeth Bishop.

12h mesa 6 - Pontos de fuga Toda ficção elege um ponto de vista que se comunica de modo oblíquo com o mundo objetivo. A ficção moderna, porém, explicitou o caráter parcial desse olhar, “desrealizando” o próprio real pela paródia e pela alegoria. Irônica é a maneira como Oloixarac relê o cerebralismo da literatura argentina; e alegórico é o modo como valter hugo mãe recria universos arcaicos que sobrevivem à exaustão da realidade.

15h mesa 7 - Laços de família Com o húngaro Péter Esterházy e com o francês Emmanuel Carrère, as memórias familiares e as vivências pessoais derivam em narrativas que transcendem o registro confessional, diluem as etiquetas da “prosa autobiográfica” ou da “autoficção”, e convivem com realizações estritamente ficcionais, mostrando a inesgotável capacidade de renovação da linguagem romanesca.

17h15 mesa 8 - Noturno italiano O italiano Antonio Tabucchi é indissociável da cultura de língua portuguesa. Tradutor de Fernando Pessoa e Carlos Drummond de Andrade, várias de suas obras são ambientadas em Portugal – como Afirma Pereira e os contos de Mulher de Porto Pim (fruto de sua experiência nos Açores). Tabucchi conversa sobre sua dupla identidade literária com o escritor Ignácio de Loyola Brandão, de quem traduziu o romance Zero, em 1970.

19h30 mesa 9 - A ética da representação Em mais de nove horas com testemunhos de sobreviventes judeus dos campos de extermínio nazistas, o documentário Shoah, de Claude Lanzmann, problematizou a ética da representação do horror ao dar voz às vítimas da catástrofe. Por trás disso está o pensamento do diretor e intelectual francês, que lança na Flip o livro A lebre da Patagônia, em que relembra suas relações com Simone de Beauvoir e Jean-Paul Sartre.

In literature, the contemporary always dialogues with tradition, and the past always reverberates in the present. In O viajante do século, Argentine author Andrés Neuman delves into 19th-century social circles to identify tensions that extend into our millennium. And in The more I owe you, North American writer Michael Sledge reconstructs, with contemporary sensibility, the love between the Brazilian urbanist Lota de Macedo Soares and poet Elizabeth Bishop.

12 PM Roundtable 6 - Vanishing points All fiction assumes a viewpoint with an oblique link to the objective world. Modern fiction, however, made the partial character of this perspective explicit, using parody and allegory to “derealise” the real. Irony is Oloixarac’s tool of choice for carrying out a rereading of intellectualism in Argentine literature, while hugo mãe resorts to allegory to re-create archaic universes that survive the exhaustion of reality.

3 PM Roundtable 7 - Family ties With Hungarian Peter Esterházy and French Emmanuel Carrère, familial memories and personal experiences are set adrift in narratives that transcend the confessional register, blur the labels of “autobiographic prose” and “autofiction,” and rub shoulders with strictly fictional works, demonstrating the unending capacity for the renewal of the language of fiction writing.

5:15 PM Roundtable 8 - Italian nocturne Italian author and academician Antonio Tabucchi is inextricably linked with Portuguese-language culture. He has translated texts by Fernando Pessoa and Carlos Drummond de Andrade and set several of his own works in Portugal – including Afirma Pereira and the stories of Mulher de Porto Pim (based on a sojourn in the Azores). Tabucchi converses about his duo literary identity with writer Ignácio de Loyola Brandão, whose novel Zero he translated in 1970.

7:30 PM Roundtable 9 - The ethics of representation In more than nine hours of interviews with Jewish survivors of the Nazi extermination camps, the documentary Shoah, by Claude Lanzmann, problematises the ethics of representing horror by giving voice to the victims of the catastrophe. This approach stems from the thinking of the French film director and intellectual, who at this year’s Flip is releasing the book A lebre da Patagônia, in which he recalls his relations with Simone de Beauvoir and Jean-Paul Sartre.

JULHO/AGOSTO 2011

13


9 sábado

09 saturday

10h mesa 10 - No calor da hora

10 AM Roundtable 10 - In the heat of the moment

John Freeman, editor da revista britânica Granta, e Enrique Krauze, criador das revistas mexicanas Vuelta (com o poeta e Nobel de Literatura Octavio Paz) e Letras Libres, falam do desafio de fazer a crítica do presente – que, no caso de Krauze, inclui também o mapeamento dos messianismos políticos da América Latina, tema do livro Redentores (que o historiador mexicano lança na Flip). 12h mesa 11 - A história em HQ A obra de Joe Sacco representa uma das formas mais ousadas de captar o fluxo dos acontecimentos da atualidade: a história em quadrinhos. Com rigor jornalístico e sensibilidade para os sofrimentos do homem concreto, Sacco transpôs suas experiências em regiões conflagradas como os Bálcãs e a Palestina para a linguagem das graphic novels, dando corpo e rosto aos flagelos da política contemporânea.

15h mesa 12 - Ficção entre escombros Três escritores brasileiros que representam as fraturas sociais através de dramas individuais. Teixeira Coelho flagra momentos traumáticos do século XX e subjetividades dilaceradas. Ferroni, em seu romance de estreia, introduz nos momentos finais de Che Guevara a patética imponderabilidade do acaso. E Edney Silvestre comenta seu novo livro, um romance ambientado na era Collor.

17h15 mesa 13 - Alegorias da ilha Brasil Fazendo de sua ilha natal um microcosmo tão grande quanto o mundo, o escritor baiano sintetiza as linhas de força do romance brasileiro: um regionalismo que transcende o momento histórico, alegorias que violam fronteiras de tempo e espaço para apreender as mais candentes questões contemporâneas. Na Flip que homenageia a antropofagia de Oswald de Andrade, João Ubaldo Ribeiro fala de uma obra que também reinventou o Brasil.

19h30 mesa 14 - Lugares escuros Autor de livros que deram origem aos filmes Dália negra e Los Angeles, cidade proibida, Ellroy renovou o romance policial com uma linguagem que recria o jargão do submundo e aprofunda os temas da ficção noir. Crime e corrupção se mesclam a obsessões sexuais e violência racial numa visão crua dos EUA, além de incorporarem os fantasmas do próprio escritor, descritos em seus livros autobiográficos.

14

JULHO/AGOSTO 2011

John Freeman, editor of the British magazine Granta, and Enrique Krauze, creator of the Mexican magazines Vuelta (with poet and Nobel Literature Prize winner Octavio Paz) and Letras Libres, talk about the challenge of criticizing the present – which, in Krauze’s case, also includes the mapping of leaders of Latin American messianic movements, the theme of the book Redentores (which the Mexican historian is releasing at Flip).

12 PM Roundtable 11 - Comic book stories Joe Sacco’s work represents one of the boldest ways of capturing the flow of current events: the comic book story. With journalistic rigor and sensitivity for the suffering of common folk, Sacco transposes his experiences in war-torn regions such as the Balkans and Palestine into the language of the graphic novel, giving body and face to the scourge of contemporary politics.

3 PM Roundtable 12 - Fiction among the wreckage Three Brazilian writers who depict social fractures through individual dramas. Teixeira Coelho focuses on traumatic moments of the 20th century and dilacerated subjectivities. In his first novel, Ferroni introduces the pathetic imponderability of chance into Che Guevara’s final moments. And Edney Silvestre discusses his new book, a novel set in the Collor era.

5:15 PM Roundtable 13 - Allegories of the island of Brazil Turning the island of his birth into a microcosm as large as the world, the Bahian writer summarizes the lines of force running through the Brazilian novel: a regionalism that transcends the historic moment, allegories that transgress borders of time and space to capture the burning questions of contemporaneity. At the Flip that pays tribute to Oswald de Andrade’s anthropophagy, João Ubaldo Ribeiro talks about a work that also reinvented Brazil.

7:30 PM Roundtable 14 - Dark places The author of the books that inspired the films The Black Dahlia and L.A. Confidential, James Ellroy renovated crime fiction with a language that re-creates the jargon of the underworld and deepens the themes of the noir novel. Crime and corruption are blended with sexual obsessions and racial violence in a raw vision of the United States, while also incorporating the writer’s own ghosts, described in his autobiographical works.


Foto: Tuca Vieira - Divulgação

10 domingo

10 sunday

10h mesa 15 - Pensamento canibal

10 AM Roundtable 15 - Cannibal thinking

“Só a antropofagia nos une”, afirma o Manifesto antropófago. O que Oswald de Andrade quis dizer? Que nossa “identidade nacional” consiste em devorar influências externas? Ou que a antropofagia constitui a dinâmica moderna de canibalizações da tradição? A antropofagia define o Brasil ou uma sensibilidade mais geral? São essas algumas questões abordadas por dois estudiosos da obra do autor homenageado da Flip.

11h45 mesa 16 - Tour dos trópicos O artista britânico fala de sua obra (desde o período em que liderou a banda Talking Heads até seus livros e trabalhos com cinema e artes plásticas) e do diálogo com a Tropicália. Ao lado do especialista em transporte urbano Eduardo A. Vasconcellos, Byrne discute ainda seus projetos sobre urbanismo sustentável a partir das experiências de viagem relatadas em Diários de bicicleta.

14h30 mesa 17 - Em nome do pai Um dos temas recorrentes na literatura latino-americana são as cicatrizes dos regimes ditatoriais. No caso da Colômbia, a chaga se reabre no contexto atual da guerra ao narcotráfico e da eclosão de forças paramilitares. Dois dos maiores escritores colombianos falam dos romances em que descrevem o permanente estado de exceção de seu país, com impactos sobre suas vidas pessoais e conexões com outras regiões do continente. (sem transmissão ao vivo para a Tenda do telão)

16h30 mesa 18 - Macumba antropófaga com leituras de livros de cabeceira A última mesa da Flip 2011, tradicionalmente intitulada Livro de Cabeceira, será incorporada ao espetáculo Macumba antropófaga, do Teatro Oficina Uzyna Uzona. Será excepcionalmente realizada na tenda do telão. Em um rito antropofágico, José Celso Martinez Corrêa e outros 22 atores interpretam o manifesto de Oswald de Andrade. Alguns autores da Flip serão convidados, na primeira metade do espetáculo, a ler trechos de seus livros preferidos. Evento excepcionalmente realizado na Tenda do Telão Não recomendado para menores de 18 anos

“Only anthropophagy unites us,” affirms the “Manifesto antropófago.” What did Oswald de Andrade wish to say? That our “national identity” consists in the devouring of external influences? That anthropophagy constitutes the modern dynamics of cannibalisations of tradition? That anthropophagy defines Brazil, or a more general sensibility? These are some questions considered by two scholars who have thoroughly researched the work of the author honoured at this year’s Flip.

11:45 AM Roundtable 14 - Tour of the tropics The British composer and singer talks about his work (spanning from the time he led the band Talking Heads up to his work with filmmaking and photography), his dialogue with artists in the Tropicália movement. Alongside the specialist in human transport Eduardo A. Vasconcellos, Byrne discusses his projects concerning sustainable urbanism based on his travel experiences described in Bicycle Diaries.

2:30 PM Roundtable 17 - In the name of the father One of the recurring themes in Latin American literature is the scars left by the dictatorial regimes. In the case of Colombia, the sore is reopened in the context of the current war against narcotraffic and the upsurge of the paramilitary forces. Two of Colombia’s greatest writers talk about their novels in which they describe their country’s permanent state of exception, with impacts on their personal lives and connections with other regions of the continent.

4:30 PM Event 18 - The play Macumba Antropófaga, with readings from “Inspirational Books” The last roundtable of Flip 2011, traditionally entitled Inspirational Books, will take place together with the staging of the play Macumba Antropófaga, by the Uzyna Uzona Theatre Workshop. It will be held, exceptionally, in the Giant Screen Tent. In an anthropophagical rite, José Celso Martinez Corrêa and another 22 actors present a stage version of Oswald de Andrade’s manifesto. In the second half of the show, some authors of Flip will be invited to read passages from their favourite books. Event held exceptionally in the Giant Screen Tent Not recommended for viewers under 18 years old

JULHO/AGOSTO 2011

15


FLIP

Tent Map Foto:Luciana Gutierrez - Divulgação

Mapa das tendas

1 Tenda dos Autores / Authors´ Tent 2 Tenda do Telão / Screen Tent 3 Tenda dos Autógrafos / Autograph Tent 4 Tenda da Flipinha / FLIPINHA Tent 5 Corredor Institucional / Hall Institutional 6 Casa da Cultura / House of Culture

eijos frios/qu dos e d r o t e S importa e s i a n o i nac 16

e Buffet de sopas diariament a partir das 18hrs

JULHO/AGOSTO 2011

n Sapere (12) 3833-9035

Rua Estados Unidos, 1645 - Jd. América São Paulo / SP - Tel. (11) 3064-5900 www.galeriadospaes.com.br

Adega com ma 1.300 rótu is de los


JULHO/AGOSTO 2011

17


FLIP

Encante-se. Descubra a FLIPINHA Discover The Flipinha. Become Enchanted.

18

JULHO/AGOSTO 2011


A Flipinha , que desde 2003 acompanha a Festa Lite-

rária Internacional de Paraty, de diminutivo só tem o nome. O evento, que na verdade é o resultado de um programa educativo da Flip, é grande, e faz sucesso entre as crianças. E ainda, diverte, encanta e enriquece culturalmente todos que passam por lá. Mas a Flipinha não acontece só durante a Flip. Na verdade, é um programa que inclui ações de alunos e professores da rede escolar pública e privada de Paraty em inúmeras atividades de incentivo à leitura e de valorização do patrimônio cultural local. E durante a Flip, a Tenda da Flipinha é o ponto de encontro das atividades realizadas ao longo de todo o período. Nesta parte da Flip, a literatura de fato encanta. Um palco em frente à Praça da Matriz, todo enfeitado, é o ponto principal da Flipinha. Ali há sempre alguma atração interessante acontecendo, como teatro e musicais. Grandes bonecos de papel maché, representando personagens da literatura, produzidos nas oficinas, enfeitam e dão graça à Praça da Matriz. Nas árvores, livros pendurados e ao redor, cerca de 70 mediadores de leitura convidam o público a aconchegar-se para ouvir uma boa história. O diretor geral da Festa Literária, Mauro Munhoz, costuma brincar que, em pouco tempo, a Flip será apenas uma programação paralela, criada para entreter adultos, enquanto a Flipinha acontece. Mas o fato é que não são apenas as crianças que a Flipinha cativa. Vale a pena conferir. Leve as crianças, mas prepare-se, você também vai se encantar. P

The Flipinha (Little Flip), which has been happening since 2003, along with the Paraty International Literary Festival (Flip), is small only in name. The event, an offshoot of an educational program of Flip, is quite large and a hit among children. It’s entertaining, charming and culturally enriching for all who visit it. Flipinha doesn’t only happen during Flip. In fact, it is a program where students and teachers in the public and private schools of Paraty participate throughout the year in many activities promoting reading and the valorization of the local cultural heritage. During Flip, the Flipinha tent is the meeting point of the activities realized throughout the whole period of the program. In this portion of Flip, literature is in fact enchanting. A decorated stage set in front of Matriz Square is the focal point of Flipinha. There are always some interesting attractions there, such as theater plays, musicals and musical performances. Large dolls made of papier-mâché representing literary characters are constructed by different workshops and decorate Matriz Square, giving it grace. Books hang from the trees, and all around the square 70 reading facilitators invite the public to get comfortable and listen to a good story. Even the executive director of the Flip, Mauro Munhoz, often jokes that soon the Flip will be just a parallel event created to entertain the adults while Flipinha is happening. However, children aren’t the only ones captivated by Flipinha. It’s worth checking out. Take the children, but be ready to be enchanted. P Confira a programação da Flipinha: Check out the Flipinha’s program at:

www.paratyemrevista.com.br/flipinha JULHO/AGOSTO 2011

19


FLIP

A OFF FLIP THE OFF-FLIP

Nos últimos anos

, a OFF FLIP tem se destacado na vida cultural de Paraty, tornando-se importante espaço de visibilidade e referência para a produção cultural local e nacional. Por meio dos Encontros Literários paralelos ao grande evento Flip, e do Prêmio OFF FLIP de Literatura, a OFF FLIP busca agregar manifestações culturais variadas, criando e difundindo cada vez mais um circuito de produção alternativa de cultura do Brasil. A OFF FLIP tem o mérito de ter instituído o primeiro prêmio literário da cidade de Paraty e sua programação complementa em muitos aspectos a programação do evento oficial. Cultiva, sobretudo, a ideia de preservar e valorizar a cultura, as artes e a literatura de Paraty e de simultaneamente abrir um caminho de encontro e interação com culturas de outros lugares. Nas edições anteriores, reuniu participantes do importante movimento da Rede Caiçara de Cultura, promovendo o resgate das tradições culturais do litoral sudeste do Brasil, e ainda, homenageou escritores locais, como Zezito Freire, Irma Zambrotti, Luis Perequê, Diuner Mello, Themilton Tavares, Jorge Miguel e Marina de Mello e Souza, em saraus onde foram lidos textos e realizadas apresentações, tendo por base a produção artística e a contribuição destas personalidades à vida cultural da cidade. Na programação deste ano, escritores e público participam de encontros de leitura, debates, lançamentos e sessões de autógrafos. O Café Literário e a Conversa de Botequim reunirão cerca de 50 autores em duas edições de debates. Na sexta-feira, haverá um debate com os vencedores do Prêmio SESC de Literatura e um sarau com os vencedores do Prêmio OFF FLIP 2011. Logo em seguida haverá o lançamento da coletânea com os textos vencedores do Prêmio OFF FLIP 2010. A programação cultural conta com a Picareta Cultural, exposições de Margareth Mee e Lucio Cruzz, sessão de cinema - 60 anos de Cidadão Kane, o filme de Orson Welles - cantoria com Luis Perequê e convidados, noite performática dirigida pela bailarina Vanda Mota, gastronomia sustentável e muito mais. Não perca. P

Over the last few years, the Off-Flip has stood out in the cultural life of Paraty, becoming an important space for exposure and a reference point for local and national cultural production. Through the Literary Meetings that run parallel to the main Flip event and the Off-Flip Literary Award, Off-Flip is focused on bringing together a variety of cultural manifestations, creating and promoting an ever growing circuit for the alternative cultural production of Brazil. Off-Flip has the distinction of establishing Paraty’s first literary award, and in many ways its program complements the official event’s program. Above all, it cultivates the idea of preserving and valuing the culture, arts and literature of Paraty, while opening a route for meeting and interacting with the cultures of other places. In past years, Off-Flip gathered participants of the important Caiçara Culture Network movement, rescuing the cultural traditions of the Southeastern coast of Brazil, and also honored local writers such as Zezito Freire, Irma Zambrotti, Luis Perequê, Diuner Mello, Themilton Tavares, Jorge Miguel and Marina de Mello e Souza in literary salons with readings and performances based on the artistic creations and contributions of these personalities to the cultural life of the city. In this year’s program, writers and the public will participate in reading encounters, discussions, releases and book-signing sessions. The Literary Café and Pub Talk will gather close to 50 authors in two panel discussion sessions. On Friday, there will be a round-table discussion with winners of the SESC Literary Award and a literary salon for the winners of the 2011 Off-Flip Award, followed by the release of the collection of winning texts from the 2010 Off-Flip Award. The cultural program also includes the Picareta Cultural; exhibits by Margareth Mee and Lucio Cruzz; the film session celebrating 60 years of Orson Welles’ Citizen Kane”; a singing performance by Luis Perequê and guests; performance art night directed by the dancer, Vanda Mota; Sustainable Cuisine and much more. Don’t miss out! P Para saber mais: / To know more: http://www.paraty.com/clientes/offflip2011/


INFORMAÇÕES ÚTEIS AEROPORTO DE PARATY Administração: Prefeitura de Paraty/ Consórcio iosfera e Helpjet Endereço: Av. Aeroporto s/nº - Vila Colonial Fone: (24) 3371-4030 – (24) 9841-9215 - ID Nextel 81*31939 Horário de Funcionamento: Horário Diurno (do nascer ao pôr-do-sol) ICAO - SDTK Latitude: 23º 13’ 28’’ S - Longitude: 044º 43’ 13’’ W Tipo de Operação: VFR diurno Altitude: 10 ft Pista Dimensões(m): 920 X 23 Designação da cabeceira: 10/28 Tipo de Piso: ASPH (asfalto) Resistência do Piso (PCN): 8/F/B/X/T Abastecimento Combustível disponível: AVGAS-100 e JET A-1

Photos by Arquivo Help Jet

Helicharter Helicópteros (12) 3833-2471 - (12) 9149-4695 Auxílios operacionais Frequência do Aeródromo: 126.02 Sinais de Guia de Táxi: Biruta Sinais de Eixo de Pista - Sinais Indicadores de Pista Sinais de Cabeceira de Pista Circuito de Tráfego Aéreo: Padrão Câmeras ao vivo pelo site: http://www.helpjet.com.br/

Emergência: 190 - Polícia Militar 153 - Guarda Municipal 191 - Polícia Rodoviária Federal 198 - Polícia Rodoviária Estadual 192 - Ambulância 193 - Corpo de Bombeiros 199 - Defesa Civil Telefones Úteis: Santa Casa – Hospital: (24) 3371-1623 ou 3371-2954 Corpo de Bombeiros: (24) 3371-1193 Defesa Civil - (24) 3371-1168 Polícia Militar: 190 Delegacia de Polícia: (24) 3371-1252 Guarda Municipal: (24) 3371-8484 Policia Rodoviária Federal: (24) 3371-2330 Fórum: (24) 3371-1184 Secretaria de Turismo - (24) 3371-1222 Casa da Cultura - (24) 3371-2325 Prefeitura Municipal: (24) 3371-9900 Câmara Municipal: (24) 3371-1424 Paraty Convention & Visitors Bureau - (24) 3371-2669 Associação Comercial - (24) 3371-2095

Ampla (luz e energia): 196 Água e Esgoto: (24) 3371-1787 Cetesb - 0800-113560 Bancos: Casa de Câmbio - (24) 3371-1295 Banco do Brasil - (24) 3371-1379 Bradesco - (24) 3371-1533 Caixa Econômica Federal - (24) 3371-8100 Itaú - (24) 3371-1546 Pontos de Táxi: Rodoviária - (24) 3371-2411 Moto Taxi - (24) 9815-8023 Chafariz – (24) 3371-6919 Ônibus: Terminal Urbano - (24) 3371-1238 Viação Costa Verde - (24) 3371-1326 Viação Reunidas Paulista - (24) 3371-2090 ou 0300-210-3000 Viação Útil - (24) 3371-2090 Viação São José - (24) 3371-2090

JULHO/AGOSTO 2011

21

Paraty em Revista #05  

Paraty em Revista ed05

Paraty em Revista #05  

Paraty em Revista ed05

Advertisement