Page 1

ANO 1 - Nº 02 - MENSAL SÁBADO, 06 DE JUNHO DE 2009

Festa de Santa Rita atraiu grande público

A tradicional Festa de Santa Rita, Padroeira de Extrema, iniciou-se em 09 de maio e se estendeu até o dia 24. Entre extremenses e turistas, milhares de pessoas a prestigiaram. Os fiéis participaram com muita fé e em grande número nas diversas missas celebradas, no show do Padre Zezinho Scj, no terço luminoso e na procissão da Padroeira, enquanto as atrações culturais divertiram o bom público presente na Praça Presidente Vargas.


2

Extrema, 06 de junho de 2009

EDITORIAL

O SANTUÁRIO EM SUAS MÃOS

Festa boa é festa em mutirão... As festas sempre inspiram nas pessoas o serviço voluntário na gratuidade e isso é cultural em nosso Brasil. O latino-americano é festeiro nato, gosta de celebrar e festejar. Dentre esse povo, sempre encontramos pessoas prontas para servir, colocando-se à disposição. O serviço não acaba oferecido pelo tempo que sobra, se nada fazem. Ao contrário, são muito ocupados com os deveres familiares, profissionais e comunitários. Vai chegando o tempo das reuniões: sentar, colher ideias, programar, elaborar cada detalhe para que tudo aconteça da melhor forma possível. Quanto mais se envolvem,

mais animada e organizada é a festa. Homens, mulheres, jovens e crianças se dedicam e se doam com alegria, fazendo uma experiência ímpar. Somente quem a vive sabe como é bom servir a partir de seus talentos e dons a comunidade. Empresas colaboram na publicidade! Festa é tempo de comunicação e de viver a profunda experiência de comunhão com grupos diversos. Festa é tempo de mutirão, pedir prendas, organizar, cozinhar e colocar à venda. Festa é tempo de partilha, para se aprender que Igreja é comunidade de comunhão, se tornando, então, uma escola experimental de vida comunitária. Ela se contrapõe à mentalidade egoísta do toma lá da cá. É doação, voluntariado, dispo-

sição e entrega. O povo vive a alegria, toda a comunidade participa, se envolve, de alguma forma, nas colaborações, com doações, serviços dos mais diversos, e todos festejam. Existem também os negativos e críticos, que nos seus cantos, sem se envolverem com a comunidade, os chamados “espíritos de porco”, doam os palpites mais infelizes, os do “achismo” e do “indiferentismo”. Por que

será? Enfim, todos, de alguma forma, participam fazendo a festa e ela se torna um tempo real de vida comunitária. Entre desafios e limites, vão crescendo, se superando, se organizando e acontece! E assim, esperamos que seja sempre um grande mutirão de pessoas que amam a sua comunidade, a Igreja e se dispõem com alegria. Festa é celebrar a vida! É sempre muito bom celebrar!


O SANTUÁRIO EM SUAS MÃOS

LITURGIA

Extrema, 06 de junho de 2009

3

Celebração da palavra de Deus (II)

Ir. Veronice Fernandes A presença real de Cristo na Palavra O Concílio Vaticano II ampliou e desenvolveu a noção da presença de Cristo na liturgia. Além de estar presente nas espécies eucarísticas, Cristo encontra-se na palavra, na pessoa do ministro, nos sacramentos, na assembléia reunida para orar e salmodiar.

Queremos destacar aqui o valor dado à presença de Cristo na palavra: “Cristo está presente na sua palavra, pois é Ele quem fala quando na Igreja se lêem as Sagradas Escrituras.” (SC 7). Para que os fiéis se alimentem também do Cristo presente na palavra, o Concílio recuperou a tradição de valorizar as duas mesas: palavra e Eucaristia como atesta a Constituição Dei Verbum:

“A Igreja sempre venerou a Sagrada Escritura da mesma forma como sempre venerou o próprio Corpo do Senhor, porque, de fato, principalmente na sagrada liturgia, não cessa de tomar e entregar aos fiéis o pão da vida, da mesa da palavra de Deus como do corpo de Cristo” (DV 21). Portanto, as duas mesas são fontes de alimento para todas as pessoas que delas se aproximam. Dessa forma, a palavra de Deus é tão venerável quanto o Corpo Eucarístico de Jesus Cristo. Comungamos da mesa da palavra, assim como comungamos da mesa da Eucaristia. Resgatando a palavra como alimento, o Concílio retomou o ensinamento da tradição e da teologia cristãs. Encontramos testemunhos dos Santos Padres, os quais afirmam que a palavra da Sagrada Escritura é a presença de Deus entre nós, e que especialmente a Palavra dos Evangelhos é a presença do Verbo encarnado. Assim, Inácio de Antioquia pode escrever que busca “refúgio no evangelho, como na carne de Jesus”. É significativo o texto de Jerônimo (+419/420): “Quanto a mim, penso que o Evangelho é o Corpo do Cristo e que a Sagrada Escritura é sua doutrina”. Quando o Senhor fala

em comer sua carne e beber seu sangue, é certo que fala do mistério (da Eucaristia). Entretanto, “seu verdadeiro corpo e seu verdadeiro sangue (também) são a palavra da Escritura e sua doutrina”. Lemos constantemente nos escritos de Orígenes a ideia da presença de Cristo na palavra, por exemplo: “Como Cristo veio escondido no corpo,... assim também toda a Sagrada Escritura é a sua incorporação”. Mais tarde, Santo Agostinho vê na Sagrada Escritura uma encarnação permanente do Verbo divino: “O verdadeiro Cristo está na palavra e na carne”. Nesta mesma linha, Cesário de Arles, retomando a ideia de Orígenes, afirma que a palavra de Deus não vale menos que o corpo de Cristo: “Eu lhes pergunto, irmãos e irmãs, digam o que, na opinião de vocês, tem mais valor: a Palavra de Deus ou o Corpo de Cristo? Se quiserem dar a verdadeira resposta, certamente deverão dizer que a palavra de Deus não vale menos que o Corpo de Cristo. E por isso, todo o cuidado que tomamos quando nos é dado o Corpo de Cristo, para que nenhuma parte escape de nossas mãos e caia por terra, tomemos este mesmo cuidado para que a palavra de Deus, que nos é entregue, não morra em nos-

so coração enquanto ficamos pensando em outras coisas ou falando de outras coisas, pois aquela pessoa que escuta de maneira negligente a palavra de Deus, não será menos culpada do que aquela que, por negligência, permitir que caia por terra o Corpo de Cristo”. Portanto, tanto o mistério da palavra como o da Eucaristia conduzem ao mistério do Cristo Senhor. Perguntas para reflexão pessoal e em grupos: 1. Converse e explique esta afirmação: Cristo está presente na palavra? 2. Como entender e viver o resgate do Concílio da palavra de Deus como alimento? 3. Como deve ser proclamada a palavra de Deus? 4. Qual é o valor da celebração da palavra de Deus? * Artigo publicado na Revista de Liturgia, São Paulo, n. 179, 2003, p.4-9 Fonte: CNBB www.cnbb.org.br


4

Extrema, 06 de junho de 2009

CATEQUESE

Maio, mês das noivas, mês das mães, mês de Maria, mês de Santa Rita, nossa Padroeira. Maio de 2009, um ano de Santuário. Como nós, extremenses, festejamos esse mês! Como

Iniciamos o mês com a primeira Eucaristia dos catecúmenos, dia 3. Foi uma celebração lindíssima, presidida pelo padre José Franco. No dia 10, aconteceram o Sacramento da Crisma dos Catecúmenos e a chegada da imagem de Santa Rita Peregrina, que percorreu todos os bairros das zonas rural e urbana da cidade. Dia 13, abrimos a Festa de Santa Rita juntamente com a novena, quando recebemos os Arautos do Evangelho. Celebração fervorosa! Que coral lindíssimo! Não deixamos de homenagear Nossa Senhora de Fátima, Virgem Santa, madrinha dos Arautos. A cada dia da novena, recebemos comunidades das cidades vizinhas e dos bairros de Extrema, além de convidados, envolvendo todos os profissionais responsáveis por fazer

o progresso e o crescimento do município. Dia 21 de maio, encerramento do quinzenário e da novena de Santa Rita, aconteceu o terço luminoso no Extrema Futebol Clube. Com velas acesas, milhares de fiéis o rezaram prestando louvor à Santa Rita. Em procissão, seguiram ao Santuário para a última celebração do quinzenário. Dia 22, data da festa, sete missas foram celebradas, todas com a Igreja lotada. Devotos extremenses, peregrinos, romeiros... muita gente prestigiou. Hora de grande emoção foi a chegada do andor de Santa Rita à porta do Santuário. A Padroeira estava dentro de um botão de rosa vermelha, magnífico!!! Não tinha como conter a emoção diante de nossa Santa Padroeira. O Arcebispo Dom Ricardo celebrou a missa das 19h. Dia 24, domingo, houve o encerramento da festa, com nomeação dos novos festeiros para 2010. Devido à brilhante festa que organizaram, apresentemos nossos cumprimentos aos festeiros de 2009. Parabenizemos a equipe do andor pela obra de arte. Desejamos aos futuros fes-

O SANTUÁRIO EM SUAS MÃOS

vivenciamos com fé e louvor o quinzenário, a novena e a festa de nossa Padroeira! Foi um mês de muitas emoções, de muitos agradecimentos, de muitas ofertas, de muita entrega, de muitas graças, de muita oração!

teiros muita garra e força, harmonia e união, fé e oração para organizarem a festa de 2010. Como maio é o mês das noivas, aconteceram vários casamentos no Santuário de Santa Rita, todos celebrados pelo Seminarista Alexandre Acácio Nogueira. Aos noivos Rafael e Genebra, Marco e Maria, Cristiano e Grasiela, Valtecir e Daniela, votos de muitas felicidades nesta nova vida iniciada. Que Santa Rita interceda a Deus por eles, visando a uma vida repleta de amor, respeito, saúde , amizade e harmonia. Comemorou bodas de ouro, no dia 17 de maio, o casal Jayme Batista de Morais e Maria Helena Wolhers de Morais. A eles, votos de muitas felicidades e que Deus derrame sua benção protetora. Na pia batismal de nosso Santuário, o Seminarista Alexandre também ministrou o primeiro sacramento da nossa Igreja a várias crianças. São elas: Dia 10/05/09 Alice Beatriz Mesquita de Souza Dhebora de Fátima Aguerra de Almeida Eduarda de Paula Mendes Cardoso Gabriel Santos Aidukas

Missa do Arcebispo Dom Ricardo

Guilherme Hullemann João Victor Santos de Freitas Rayane Bueno Carboni Antônio Sabrina dos Santos Barbosa Dia 24/05/09 Alan de Andrade Gomes Ana Luiza Aparecida de Souza Bruno Alan Santos Silva Bryan de Jesus Ferreira Gabriel Pedro Gomes de Toledo Gabriela Colantuono Gabriela Isabelle Souza João Pedro Aparecido de Lima Oliveira João Pedro Cardoso Pires Júlia Onofre Kauã Pereira da Cunha Kelvin de Andrada Gomes

Murilo Santos Gianini Sthefany Cecato Magalhães Thallison Cristian da Rosa Vitor Eduardo Santos de Souza

Não podemos deixar de apresentar nossos sentimentos de pesar às famílias dos falecidos: Benedita de Lourdes Silva José Justino Alves Aníbal Gonçalves Maria de Lourdes Souza Barbosa Maria Campos de Paula João Paula de Morais Neto Rita Moreira de Couto Goulart Gentil Miloni José Morbidelli (Zé do Rigo)

E continuam acontecendo as reuniões de liturgia, os cursos de Batismo, a missa do quilo, a catequese infantil e muitos outros movimentos promovidos pelo Seminarista Alexandre. Uma novidade é a missa dos jovens, agora, todo último sábado de cada mês. Juventude,venha rezar conosco. Vocês perceberam que o número de acólitos aumentou? São o Seminarista Alexandre e Padre Márcio preparando nossos adolescentes a uma vida mais dedicada a Deus e à fé. Isso é muito bom!!


OPINIÃO

O SANTUÁRIO EM SUAS MÃOS

Dom Walmor Oliveira de Azevedo Reconciliai-vos com Deus. Este apelo-convocação brota forte do coração missionário do apóstolo Paulo. Com essa veemência, ele se dirige aos Coríntios, na sua IIa. Carta. O capítulo quinto tem um tom quase dramático, explicitando uma urgência para a vida da humanidade no enfrentamento das candentes questões existenciais contemporâneas. Paulo não vacila ao fazer esse apelo. Ele o faz no coração da complexidade urbana do seu tempo, em Corinto, Éfeso, Atenas e muitos outros lugares. Ele é convicto dessa necessidade. Conhecedor do que se passa no coração humano e das dificuldades enfrentadas pela sociedade do seu tempo nas diferentes culturas por ele

Reconciliai-vos

freqüentadas. Por isso enfrenta grandes dificuldades, indiferenças e zombarias. São espécies de venenos sutis e demolidores que transitam pelas veias do mundo urbano do tempo de Paulo e de todos os outros tempos. É resultado da perda terrível do sentido de humanidade e da referência insubstituível de Deus. Que dá lugar, facilmente, aos interesses do momentosegundo da vida, como a economia, o lucro, o bem estar social e outros. E mesmo sendo segundo tem, sim, sua importância. Contudo, jamais pode substituir o sustentáculo que é a referência a Deus. Insubstituível, é a fonte inesgotável para produzir sentido e compreensão que sustentam o equilíbrio de que a humanidade necessita para prosseguir viagem.

Referência a Deus que as culturas não podem dispensar para manter sua configuração progressiva e cada indivíduo precisa para não perder o prumo de sua existência. O apelo-convocação de Paulo não é um eco estreitado no âmbito estrito de uma vivência religiosa. Os Atenienses, em diálogo com ele, até o dispensaram, conta o evangelista Lucas num episódio narrado no capítulo dezessete dos Atos dos Apóstolos. Chamaram-no, ironicamente, de tagarela. Até o levaram ao areópago de Atenas pedindo a ele que lhes contasse sobre a nova doutrina que estava pregando. As coisas que Paulo lhes dizia soavam estranhas, confessaram os seus interlocutores atenienses. Lucas anota que todos os atenienses

e os estrangeiros, no areópago, passavam o tempo a contar ou a ouvir as últimas novidades. O apóstolo fermenta a curiosidade dos seus interlocutores analisando suas circunstâncias e sublinhando a indispensável busca de Deus, ainda que às apalpadelas. Respondendo à necessidade de encontrá-lo, e destacando que na realidade ele não está longe de nenhum coração humano porque, conclui Paulo, n’Ele se vive, se move e tudo existe. Paulo sofreu oposições e também teve adesões de muitos que abraçaram a fé. Este apelo-convocação, reconciliai-vos, continua contemporâneo. Ele tem no seu reverso os cenários que revelam uma humanidade sem rumos e se enveredando por caminhos insustentáveis na organização da vida e em tudo o que diz respeito à solidariedade e ao compromisso de efetivação de uma civilização do amor – que é tarefa de todos. Sua realização é impensável e sem fecundidade quando se risca Deus da pauta dos seus processos. Também, é indispensável a consciência da responsabilidade individual e comunitariamente articu-

Extrema, 06 de junho de 2009

lada do serviço de reconciliação que cada pessoa tem, na sua responsabilidade social e política, e na sua vivência de fé. Paulo lembra que é Deus quem reconcilia. Reconciliai-vos com Deus é uma insistência que focaliza o ponto de partida e de chegada de todo processo fecundo que envolve esta premissa maior. Mas, sublinha também a tarefa de cada um, constituído como embaixadores, em nome de Deus, desta reconciliação. Um projeto que é mais abrangente do que apenas a conquista de dinâmicas que corrigem pontualmente os funcionamentos da sociedade - com intervenções nos seus mecanismos nefastos e geradores destes terríveis cenários de devastação, exclusão e disputas ferinas que vão caracterizando a vida planetária. Esta reconciliação tem um endereço primeiro na interioridade de cada pessoa. Essa é uma condição primeira. E nessa hora tão grave de sua história, a humanidade reclama pela conquista dessa grande reconciliação. Não existe, senão na interioridade, a fonte inesgotável para uma demonstração eloqüente da solidariedade, do respeito e do

5

amor para com toda a família humana. O coração humano é o lugar do amor que tem força de penetrar e fermentar todas as relações sociais. Este amor pode ser entendido como caridade social ou política. Importa ser estendido a todo o gênero humano. Sua fonte é o coração e a inteligência, e não pode ser assoreada. É incontestável que o egoísmo é o mais deletério inimigo da sociedade. A vida social e o exercício da política não podem ser pensados apenas nos seus mecanismos de funcionamento. O amor há de ser sua fonte referência. Deus é amor. É muito atual o apelo: Reconciliai-vos com Deus! Fonte: www. cnbb.org.br


6

ENTREVISTA

Extrema, 06 de junho de 2009

O SANTUÁRIO EM SUAS MÃOS

SANTUÁRIO SANTA RITA DE EXTREMA COMEMORA 1 ANO

Padre Zezinho concede entrevista exclusiva Antes de se apresentar em Extrema, num show comemorativo ao primeiro aniversário do Santuário, o renomado Padre Zezinho, SCJ, autor de clássicos da música católica como “Oração Pela Família”, Utopia, ‘Maria de Nazaré”, ‘Vocação”, “Um Certo Galileu”, entre outros, falou com exclusividade para “O Santuário em Suas Mãos”. O Santuário em Suas Mãos: Como o senhor percebeu que seria além de padre, cantor e compositor? Padre Zezinho: Eu fui percebendo aos poucos. Trabalhava com teatro, com poesia, escrevia e comecei a fazer músicas. As pessoas começavam a pedi-las e então, aos poucos, eu vi que era uma maneira de servir, não foi uma invenção minha. Os novos padres agora têm um caminho, Padre Fábio(de Melo), Padre Marcelo(Rossi), Padre Antonio Maria, o caminho que eu abri, mas, para mim, era novo e para eles, não. Eles podem fazer um projeto, eu não podia porque não havia nada parecido. Aí foi acontecendo, fui assumindo e acho que foi bom, virou um caminho para muita gente. O Santuário em Suas Mãos: Conte um pouco sobre a sua biografia musical. Padre Zezinho: A minha biografia musical é curtinha (rs). Acho que nesses 40 anos(de carreira), eu fiz umas 3000 canções, 1700 gravadas, simultaneamente uns 3000 artigos, devo ter dados uns 2500 shows no mundo inteiro, leciono comunicação, escrevi uns 88 livros, fiz 117 cd’s. Foi um trabalho de

um pioneiro, agora estou diminuindo. A idade chegou, tenho 68 anos, mas vejo com alegria, pois há pelo menos 400 cantores de música católica no Brasil e um número ainda maior de evangélicos. Todos, quando me encontram, dizem que se inspiraram em mim. Não fico vaidoso com isso, só acho que valeu a pena ter sido fiel ao que propus, não ter me desanimado diante das dificuldades. O Santuário em Suas Mãos: Nesses 40 anos de carreira, o senhor tem alguma canção preferida? Padre Zezinho: Não. Tem umas 30 que todo mundo canta, então eu deixo para que o povo escolha. O Santuário em Suas Mãos: Quais são os principais benefícios que a música católica pode levar aos fiéis? Padre Zezinho: Ela faz um sermão curto de três minutos e as pessoas guardam isso na memória. Na Igreja, houve muita gente que usou a canção para evangelizar, como São Francisco de Assis. Não é novidade o que eu faço, mas evidentemente da maneira como eu fiz, ficou diferente. Fazia em estádios, nas praças. Hoje, os padres fazem isso. O caminho foi feito e agora não depende mais de mim. O Santuário em Suas Mãos: Quais são as suas inspirações para compor? Padre Zezinho: Eu leio muito, sou muito amigo de livros desde a juventude. Leio muita Teologia, História, Sociologia, Filosofia, Psicologia. Leio muito, evidentemente, a Bíblia. Dessas leituras, nascem as canções, além do contato com as pessoas. O Santuário em Suas Mãos: O que o senhor acha do fato de Extrema possuir o seu próprio Santuário? Padre Zezinho: Acho uma coisa boa. A ideia de Santuário é uma Igreja dedicada de maneira mais especial à catequese, à oração. A Paróquia tem o seu dia-a-dia, o Santuário tem esta finalidade de concentrar momentos mais intensos de devoção. Eu acho bom que haja muitos Santuários e não apenas um, que as pessoas devem andar 2000 quilômetros para visitá-lo. O Brasil tem aproximadamente uns 300 Santuários e eu acho isso muito bom. Acho que Extrema é privilegiada por ter

um lugar de oração e concentração na região. O Santuário em Suas Mãos: Ter um Santuário contribui para o crescimento da fé dos fiéis? Padre Zezinho: Contribui para uma catequese mais sólida e para maiores encontros, maiores motivações. Isso, para muita gente, aumenta a fé. Outros, talvez, vejam isso como uma festa, mas, de uma maneira geral, o Santuário é um lugar de fé e devoção mais profundas. O Santuário em Suas Mãos: Como o senhor definiria Santa Rita (padroeira de Extrema)? Padre Zezinho: Santa Rita é conhecida pelo martírio, pela vida familiar que levou e pela consagração que depois fez a Deus. Ela viveu vários estágios da vida de uma mulher, encerrou a sua de maneira contemplativa e dedicada à oração e à reparação pelos pecados do mundo, portanto é um maravilhoso exemplo de santidade que devemos seguir. O Santuário em Suas Mãos: Por que o senhor prega bastante a Oração Pela Família? Padre Zezinho: Eu prego intensamente a Oração Pela Família, porque os pais, sozinhos, não dão conta do recado. É muito difícil, nos dias de hoje, com todas as tentações da mídia e do mundo aí fora, educar um filho. Os filhos recebem mensagens de tudo o que é canto e é bom saber que os pais, humildemente, querem ajuda. Então, orar pela família, orar pelo pai e pela mãe para que não caiam na tentação do mundo, para que eles possam criar sua família com convicção, é uma coisa fundamental. Convicção, oração e humildade fazem um bom pai e uma boa mãe. O Santuário em Suas Mãos: Atualmente, qual a sua visão sobre a Igreja Católica no Brasil? Padre Zezinho: Ela tenta fazer uma comunicação social, de direitos humanos, exigente. Batem muito na Igreja Católica, criticam e condenam, porque é a Igreja que mais fala, a que mais mártires teve. As outras Igrejas não tiveram quase ninguém que morreu pelo povo. Então, os mártires são testemunhos de que ninguém tem

maior amor do que aquele que dá a vida. A Igreja Católica tem muitos mártires que morreram em defesa dos pobres, dos índios, da terra.A última foi a Irmã Dorothy, mas não vai ser a última. Já tem seis bispos e vários padres ameaçados de morte. Eles não estão desanimados, continuam pregando sem medo. Um deles pode morrer a qualquer momento, mas eles defendem o povo simples e pobre. Acho que isso é uma coisa bonita na Igreja. Batem em nós porque defendemos a vida, somos contra o aborto, contra o abuso no uso do feto e do embrião. Estamos vendo que o mundo está se paganizando e voltando para o tempo de Jesus, em que os romanos, quando o pai não queria o filho, eles não levantavam o filho do chão. A criança nascia, a parteira punha ele no chão e se o pai não levantasse, o filho ficaria lá, era jogado no lixo ou dado em adoção para outros. Se o pai não quisesse, não precisava ter, a criança era um zero à esquerda. Era uma sociedade em que a criança não valia nada, nada! O adolescente filho chegava até 28 anos na adolescência, porque não havia indústria e nem trabalho, então o sujeito ficava dependendo do pai até os 28 anos. A família não queria filhos, se o pai achasse que o filho fosse uma boca a mais que incomodaria, ele pura e simplesmente o mandaria matar ou não o levantaria do chão. Essa era a sociedade

avançada romana, o mundo está voltado a isso. A Igreja abre a boca e fala que está errado, e eles batem em nós. Não tem problema, podem falar o que quiser, sou padre e não tenho medo. O Santuário em Suas Mãos: Qual é a mensagem que o senhor deixaria aos padres que querem ingressar na carreira artística? Padre Zezinho: Cuidado! A mídia é um cavalo chucro, você fica oito segundos em cima dela e depois, ela te derruba. Quem não sabe montar, não monte. Quem sabe, arrisque. O Santuário em Suas Mãos: E como lidar com a mídia? Padre Zezinho: Não aparecer demais. Aparecer quando eu quero e não quando a mídia quiser. O Santuário em Suas Mãos: Qual a sua opinião a respeito de o Santuário local ter o seu próprio veículo de comunicação? Padre Zezinho: Acho que toda Paróquia deve ter um pequeno jornal ou programa de rádio, se puder. Acho maravilhoso que vocês tenham esta mentalidade de que a mídia católica é importante, não só a dos outros. O Santuário em Suas Mãos: Qual é a mensagem que o senhor daria aos católicos? Padre Zezinho: Serenidade, coragem. Não tenham medo de pensar e de falar como católicos. Preparemse para o martírio porque, de fato, ser católico hoje é muito difícil, mas vale a pena.


CALENDÁRIO

O SANTUÁRIO EM SUAS MÃOS

Extrema, 06 de junho de 2009

Calendário paroquial- junho de 2009 1. CELEBRAÇÔES MISSAS - Dia 2, às 19h – Comunidade São Benedito: Bairro Fronteira - Primeira Eucaristia - Dia 3, às 19h – Comunidades Santíssima Trindade: Bairro Agenor - Dia 3, às 19h – Comunidade Santa Cruz: Bairro Barreiro - Dia 4, às 19h – Comunidades São Sebastião: Salto de Cima - Dia 4, às 19h – Santuário - Dia 5, às 19h – Santuário (Campanha do Quilo) - Dia 5, às 19h – Comunidade São Benedito: Pessegueiros - Dia 6, às 19h – Santuário - Dia 6, às 19h – Comunidade Nossa Senhora Aparecida: CELEBRAÇÕES DE BATIZADOS NO SANTUÁRIO - Dia 14, às 11h - Dia 28, às 11h CELEBRAÇÃO DE CASAMENTOS - Dia 12, às 9h – Casamento no Santuário de Waldomiro e Quitéria - Dia 20, às 15h – Casamento no Santuário de Marcos e Maria - Dia 26, às 20h – Casamento na Comunidade São Cristóvão de Waldomiro e Cleomilda - Dia 27, às 17h – Casamento

Juncal - Dia 6, às 19h – Comunidade Imaculada Conceição: Bairro Godoy - Dia 7, às 9h – Santuário - Dia 7, às 11h – Comunidade São Cristóvão: Bairro São Cristóvão - Dia 7, às 16h – Santuário - Dia 7, às 19h – Santuário - Dia 10, às 19h – Comunidade São Sebastião: Bairro Posses - Dia 10, às 19h – Comunidade Nossa Senhora Aparecida: Bairro Rodeio - Dia 10, às 19h – Comunidade Pires - Dia 11, às 9h – Santuário - Dia 11, às 16h – Santuário (com a Procissão de Corpus Christi)

- Dia 12, às 16h – Santuário (Enfermos) - Dia 12, às 19h – Comunidade Santo Antonio: Bairro Roseira (Festa) - Dia 12, às 19h – Comunidade Nossa Senhora Aparecida: Bairro Salto do Meio (Festa de São Benedito) - Dia 12, às 19h – Comunidade Furnas - Dia 13, às 19h – Santuário - Dia 13, às 19h – Comunidade Santo Antonio: Bairro Roseira (Festa) - Dia 14, às 9h – Santuário - Dia 14, às 11h – Comunidade Santíssima Trindade: Bairro Agenor - Dia 14, às 16h – Santuário - Dia 14, às 19h – Santuário - Dia 18, às 19h – Santuário

- Dia 18, às 19h – Comunidade São Pedro: Bairro Jardim - Dia 19, às 19h – Comunidade São Nicolau: Bairro Matão - Dia 20, às 19h – Santuário - Dia 21, às 9h – Santuário - Dia 21, às 11h – Comunidade Santíssima Trindade: Bairro Agenor - Dia 21, às 16h – Santuário - Dia 21, às 19h – Santuário - Dia 22, às 19h – Santuário (Novena Perpétua de Santa Rita) - Dia 23, às 19h – Comunidade São Brás: Bairro São Brás - Dia 24, às 19h – Comunidade Bela Vista - Dia 25, às 19h – Comunidade Nossa Senhora Aparecida - Morbidelli

- Dia 25, às 19h – Santuário - Dia 26, às 16h – Com. Recanto S. Francisco: B. Lages - Dia 27, às 19h – Santuário - Dia 27, às 19h – Comunidade Vila Rica - Dia 28, às 9h – Santuário - Dia 28, às 11h – Comunidade Santíssima Trindade: Bairro Agenor - Dia 28, às 16h – Santuário - Dia 28, às 19h – Santuário - Dia 30, às 19h – Comunidade Santa Cruz: Bairro Forjos

- Dia 2, às 19h – “Infância Missionária” no Salão Paroquial - Dia 2, às 19h – “Conselho Econômico” no Escritório Paroquial - Dia 3, às 20h20 – “Pastoral Familiar” no Salão da Igreja Santíssima Trindade - Dia 3, às 19h – “EPAL” no Santuário - Dia 4, às 19h – Pais dos catequizandos da Catequese de Iniciação no Salão Paroquial - Dia 6, das 8h às 11h – Curso de Espiritualidade - Apostolado da Oração e Vicentinos - Dia 7, às 14h – Curso de Batismo no Salão Paroquial

- Dia 9, às 19h – Estágio Pastoral (Crisma) - Dia 13, das 9h às 11h30 – Manhã de Espiritualidade com Acólitos (GOV) - Dia 16, às 19h – COSEPA em Itapeva - Dia 17 e dia 18 – Reunião do Clero - Dia 18, às 19h – Pais dos catequizandos da Catequese PréEucaristia no Salão Paroquial - Dia 20, das 8h às 09:30 – Formação para catequistas - Dia 20, às 19h – Comissão da Juventude - Dia 21, das 13h30 às 15h45 – Encontro para Agentes da Pastoral do Batismo - Dia 23, às 19h – Infância

Missionária no Salão Paroquial - Dia 23, às 19h – Reunião com os Festeiros de São Cristóvão - Dia 24, às 20h30 – Assessoria da Juventude Missionária no Salão Paroquial - Dia 25, às 19h – Pais dos catequizandos da Catequese Eucaristia no Salão Paroquial - Dia 26, às 19h – Estágio Pastoral (Crisma)

no Santuário de Willian e Elen ADORAÇÃO DO SANTISSIMO SACRAMENTO NO SANTUÁRIO. - Dia 5, das 13h às 18h45. CELEBRAÇÃO DE ORDENAÇAO PRESBITERAL - Dia 13, às 10h – Será ordenado Sacerdote o Diácono José Luiz Faria Junior em Brazópolis. - Dia 27, às 10h – Será ordenado Sacerdote o Diácono Elton Cândido Ribeiro em Itajubá (S. José Operário) 2. ENCONTROS

7


8

Extrema, 06 de junho de 2009

FESTA DE SANTA RITA

O SANTUÁRIO EM SUAS MÃOS

Festa de Santa Rita teve diversas atrações Dos dias 09 a 24 de maio, a Festa de Santa Rita, organizada pelo Santuário, movimentou a cidade com atrações religiosas e culturais. Milhares de pessoas, computando extremenses e turistas, prestigiaram o evento. Dezenas de barracas, conten-

do alimentos, bebidas e produtos variados, foram instaladas na Praça Presidente Vargas, que no dia 10, em comemoração ao primeiro aniversário do Santuário, recebeu um show do famoso Pe. Zezinho, Scj, acompanhado pelo Grupo Vozes da Fé. No dia 16, o Festival de Música Sertaneja, na Praça Presidente Vargas, contou com a participação de 21 duplas sertanejas e um bom público.

A vencedora foi Paraná & Piazinho, de Pouso Alegre – MG. Durante a festa, ocorreram outras diversas apresentações culturais. No dia 21, centenas de fiéis estiveram no campo do Extrema Futebol Clube para rezar o terço luminoso. Após a oração, se dirigiram ao Santuário, onde aconteceu a celebração de encerramento do quinzenário de Santa Rita.

Houve missas nas comunidades rurais e no Santuário. No dia 22, data da Padroeira, um bolo foi cortado na Praça Presidente Vargas e o Arcebispo da Arquidiocese de Pouso Alegre, Dom Ricardo Pedro Chaves Pinto Filho, a qual a Igreja Católica de Extrema está inserida, celebrou uma épica missa no Santuário, antecedida pela procissão de Santa Rita, que percorreu ruas

do Centro até chegar ao local da celebração. A imagem da Santa estava num andor decorado por rosas. No dia 23, o Show de Prêmios, ocorrido por meio de bingo, também na Praça Presidente Vargas, sorteou um dvd, uma bicicleta, um valecompras dos Supermercados Kurihara no valor de R$ 250, uma televisão 20’ e uma moto 125cc. O dinheiro arrecadado será

revertido em obras assistenciais para o Santuário. Dia 24, o Leilão de Gado atraiu aficionados por pecuária a um terreno situado ao lado da Sefex. A renda também será destinada à Igreja. *Confira nesta edição mais detalhes sobre a Festa de Santa Rita Obs: Na próxima edição do Jornal O Santuário, o valor arrecadado pela Festa de Santa Rita será divulgado.

Pe. Zezinho Scj e o Reitor do Santuário, Pe. Zé Franco

Imagem de Santa Rita sendo carregada por devotos

Missas receberam um grande número de fiéis

Arcebispo Dom Ricardo Pedro durante missa

Leilão de gado recebeu um bom público

Fernandão ajudando no leilão de gado

Tradicional bolo de Santa Rita

Stand do Santuário

Festival sertanejo aconteceu no dia 16 de maio


O SANTUÁRIO EM SUAS MÃOS

FESTA DE SANTA RITA

Extrema, 06 de junho de 2009

Show de Prêmios atrai milhares de pessoas

O Show de Prêmios movimentou a Festa de Santa Rita. Milhares de pessoas compareceram à Praça Presidente Vargas para participar do evento, ocorrido por meio de bingo no sábado, 23. Os brindes oferecidos foram um dvd, uma bicicleta, um vale-compras dos Supermercados Kurihara no valor de R$ 250, uma televisão 20’ e uma moto 125cc. Os premiados residem em Extrema, exceto o

ganhador da moto, que é de Itapeva-MG. Os vencedores foram Carlos Aparecido de Moraes, dvd; Tuanhi Marques de Oliveira, bicicleta; Vani de Oliveira, valecompras; Leda Márcia Gonçalves de Souza, televisão e Rafael Silva Martin, moto. Rafael não se continha de felicidade. “Não esperava ganhar a moto , mas o que importa é participar e ajudar a Igreja”, disse.

Rafael(centro) levou a moto

Entrega do vale-compras no valor de R$ 250,00

Terço luminoso reúne fiéis Um dos principais momentos religiosos da Festa de Santa Rita, o terço luminoso, costume de grandes Santuários europeus, reuniu centenas de fiéis no campo do Extrema Futebol Clube, dia 21 de maio. A oração aconteceu em caminhada pelo local, iluminado apenas sob lanternas, propiciando

os sentimentos de recolhimento e oração aos presentes. A cada mistério rezado, o terço contempla uma passagem marcante da vida de Jesus Cristo, desde o nascimento até a ressurreição. “Vem entremeado pelas orações da Ave Maria e do Pai Nosso, portanto o terço além de ser uma oração

de louvor à Santíssima Virgem, é também uma oração bíblica recitada por todos os cristãos católicos. Luminoso para nos recordar que devemos estar sempre com a lâmpada da fé acesa nas mãos”, explica o Padre José Franco, Reitor do Santuário. Após o terço, os fiéis se dirigiram por meio

de oração e cânticos católicos ao Santuário, onde, em seguida, houve a celebração de encerramento do quinzenário de Santa Rita, iniciado no mês de fevereiro.

Participantes e comerciantes comentam a Festa te das missas. Esta festa melhora a cada ano.” Sebastiana de Oliveira (Bragança Paulista - SP)

Alexandre Alves

Magali Juliana (dir.)

“O Santuário em Suas Mãos” relatou a opinião de vendedores e público da Festa de Santa Rita. Confira. PÚBLICO

destaco é a brincadeira do bingo para ajudar a Igreja e as pessoas participantes, do modo que elas recebem a gente.” Ricardo de Araújo Soares (Guarulhos - SP)

“Curti a festa. Está até melhor do que no ano passado e bem melhor do que imaginava antes de vir para cá. O que

“A festa aqui é boa demais. Apesar de morar em Bragança Paulista, venho todo ano. Eu gosto de tudo, principalmen-

“Estava em Joanópolis e fui convidado a vir até aqui. O que mais me agrada é o povo e as barracas.” Alexandre Alves (Atibaia – SP) “A festa é muito boa, a cada ano tem uma coisa diferente. Achei que não seria tão legal, mas superou as minhas expectativas. O que eu mais gosto é a comida oferecida. Eu venho em todos os anos.”

Maria José (Extrema) COMERCIANTES Produtos comercializados na barraca: meias, guarda-chuvas, brinquedos, entre outros. “A festa rendeu, foi bastante produtiva. Participei no ano passado, mas neste ano foi melhor.” André Paulino de Lima (São Paulo – SP) Produtos comercializados na barraca: alimentos. “Trabalhamos há oito anos na festa. A festa foi

mais produtiva do que no ano passado, quando teve 15 dias. Com menos dias de festa, as pessoas têm pouco tempo para gastar, e assim, vêm mais.” Andréia da Silva Cardoso (Itaquaquecetuba – SP) Produtos comercializados na barraca: alimentos “Conseguimos vender bem. O que mais vendeu foi o churros prestígio.” Vitor Hugo (Balneário Camboriú – SC) Produtos comercializados na barraca: ali-

mentos “Todas as festas de Santa Rita são um sucesso. Vem muita gente de fora, gente daqui. A festa é muito bonita, é sempre muito boa para a gente. Valeu bastante a pena participar.” Magali de Jesus Juliana Instituição: Recanto Jóia (Extrema)

9


10

Extrema, 06 de junho de 2009

DIVERSÃO

O SANTUÁRIO EM SUAS MÃOS

Pão de Queijo Rápido Ingredientes: 1 xícara (chá) de água fervendo; 1 xícara (chá) de banha derretida; leite; 3 ovos; 5 xícaras (chá) de polvilho azedo; 2 xícaras (chá) de queijo minas ralado; 1 colher (sopa) sal; 1 colher (café) de tempero caseiro. Modo de Preparo:

Numa vasilha, escaldar o polvilho com a água e a banha. Adicionar os outros ingredientes, amolecendo a massa com o leite. Amassar bem. Engordurar as mãos para enrolar as bolinhas. Por em tabuleiro untado. Assar em forno quente. Depois de crescidos, diminuir o fogo para secarem.


O SANTUÁRIO EM SUAS MÃOS

Diz o Catecismo Católico: “A oração não se reduz ao surgir espontâneo de um impulso interior; para rezar é preciso querer. Não basta saber o que as escrituras revelam sobre a oração; também é indispensável aprender a rezar. E é por uma transmissão viva (a sagrada Tradição) que o Espírito Santo, na “Igreja crente e orante”, ensina os filhos de Deus a rezar”(cfr.nº 2650-fls.680). A Igreja, através dos tempos, adotou diversas formas de oração e maneiras de rezar. Uma

HISTÓRIA

Extrema, 06 de junho de 2009

11

Novos tempos Maria Vanda Olivotti

delas é a novena, que consiste em uma sequência de orações durante nove dias. Na Paróquia de Santa Rita de Extrema, desde os primórdios da sua instalação, tornou-se hábito fazer a novena em louvor à santa antes do dia 22 de maio, data de realização da festa para homenageá-la. O que se tornou novidade foi a iniciativa do Padre José Franco ao criar, no dia 22 de agosto de 2007, a “novena perpétua” em devoção à Santa Rita. A realização da novena é marcada

para todos os dias 22 de cada mês, quando os devotos começaram a se reunir no Santuário a fim de ouvir a palavra de Deus, meditar, louvar, agradecer e suplicar. Partilham-se experiências de vida cristã, comunicamse favores e graças recebidas por intercessão da Padroeira. Desde o dia 22 de agosto de 2007 até 7 de fevereiro de 2008, quando se deu a promulgação do decreto que elevou a Matriz a Santuário de Santa Rita, a comunidade rezava pedindo uma graça a Deus, cuja intenção

estava somente no coração do Padre José Franco. Esse intuito depositado aos pés da Santa era, justamente, a da elevação da Matriz a Santuário e a de ter no mesmo as relíquias da Padroeira com a imagem facsímile. Outro modo de rezar que se iniciou na Paróquia, a partir de 8 de fevereiro de 2008, é o “quinzenário”. Essa forma de oração já existe nas Igrejas onde se venera Santa Rita de Cássia. É constituído de 15 quintas-feiras seguidas, quando a comunidade se reúne para louvar Deus por intercessão de Santa Rita. Foi escolhida a quinta-feira, por ser o dia da semana dedicado à Eucaristia, relembrando assim, a vida eucarística da Padroeira. A sequência dos dias formando o quinzenário faz lembrança ao período o qual a Santa viveu como religiosa agostiniana no Mosteiro de Cássia. Para compor o quinzenário, o Padre José Franco teve a cooperação do Padre Jésus Andrade, da Paróquia de São Benedito, de Itajubá, onde existe uma Igreja dedicada à Santa Rita. A celebração tem duas dimensões litúrgicas que tiveram suas origens, uma no ofício das comunidades e a outra nas antigas novenas,

dedicadas aos Santos Padroeiros, contendo “exposição do Santíssimo Sacramento, o canto das ladainhas e a bênção do Santíssimo Sacramento”. Essa foi uma forma encontrada de resgatar costumes antigos da Igreja, que trazem uma mística especial e levam a comunidade a rezar. O terço luminoso é outra prática de oração específica dos Santuários e que se iniciou na cidade de Extrema. Em Lourdes, na França e em Fátima, Portugal, assim como no município de Aparecida do Norte, acontece comumente. Com velas acesas, caminhando pelas ruas, os fiéis em procissão rezam o terço. Nesta Paróquia, acontece no campo do Extrema Futebol Clube. Assim, a Paróquia de Santa Rita de Extrema escreve a sua História, sinalizando a presença de Deus em cada ato vivido.


12

Extrema, 06 de junho de 2009

PASTORAL DA JUVENTUDE

O SANTUÁRIO EM SUAS MÃOS

GOV é para você, jovem inteligente e que busca acertar na vida. Você já sabe o que é? Atentos aos anseios e buscas presentes na vida de adolescentes e jovens, vêm acontecendo no Santuário de Santa Rita de Extrema, desde novembro de 2008, momentos de reflexão acerca da vida e com as diferentes realidades que ela apresenta. A partir daí, surgiu a ideia de formar o Grupo Opção de Vida (GOV), que tem por objetivo proporcionar momentos de encontro com a palavra, consigo mesmo e, aos

poucos, tentar perceber a missão a qual Deus confia a cada um. Se toda vida é vocação, como afirma o Papa Paulo VI, todos nós temos alguma e recebemos de Deus uma missão que vai sendo revelada e descoberta conforme caminhamos. Como diz a canção, “caminho se faz caminhando”. No encontro de maio, tivemos oportunidade de olhar para a nossa realidade familiar, modelos, valores vividos e transmitidos hoje. A temática foi desenvolvida por meio de oração, dinâmicas, música e partilha. Na troca de experiências,

é satisfatório perceber como cada um traz em si o desejo, o sonho de ser feliz. E a partir dessa realidade de buscas, contribuir, ainda que de forma pequena, para ser alguém que faz a diferença na vida da comunidade cristã e no mundo. O próximo encontro acontece no dia 13 de junho de 2009, às 9hs, na Igreja Santíssima Trindade, a convite dos Padres José Franco e Márcio Mota de Oliveira. As reuniões são animadas pelas Irmãs Apostolinas(*), que têm por carisma a missão vocacional. Convide seus amigos e suas amigas. Dúvidas? Entre em contato

pelo email santuario@santuariosantaritadeextrema.org ou pelo telefone (35) 3435-1066. (*) – Essas Irmãs têm como missão ajudar em todas vocações: matrimonial, vida consagrada feminina, masculina

e sacerdotal. O GOV é para todos os jovens que o desejarem. Faça você essa experiência. Venha, e se gostar, poderá voltar! Seja bem-vindo!

O Grupo JUSV tem um convite para você! Que Nossa Senhora e a paz de Nosso Senhor Jesus Cristo estejam com vocês. Muitas vezes nos perguntamos: “O que é preciso fazer ou como deveremos agir para sermos Santos???” E sempre achamos que para sermos SANTOS é preciso fazer coisas extraordinárias ou precisamos nos privar de várias coisas de que gostamos para alcançar a Santidade. Mas, na verdade, não precisamos de muita coisa, o que precisamos é sermos nós mesmos, simplesmente JOVENS. Olhem só a carta que o Papa João Paulo II deixou para os jovens de

todo o mundo. Ele diz claramente o que precisamos fazer para atingir a santidade: “Precisamos de Santos sem véu ou batina. Precisamos de Santos de calças jeans e tênis. Precisamos de Santos que vão ao cinema, ouvem música e passeiam com os amigos. Precisamos de Santos que coloquem Deus em primeiro lugar, mas que se “lascam” na faculdade. Precisamos de Santos que tenham tempo todo dia para rezar e que saibam namorar na pureza e castidade, ou que consagrem sua castidade. Precisamos de Santos modernos, Santos do século XXI com uma espiritualidade inserida em nosso tempo. Precisamos de Santos comprometidos com os pobres e as necessárias mudanças sociais. Precisamos de Santos que vivam no mundo, se santifiquem no mundo, que não tenham medo de viver no mundo. Precisamos de Santos que bebam Coca-Co-

la e comam hot-dog, que usem jeans, que sejam internautas, que escutem discman. Precisamos de Santos que amem a Eucaristia e que não tenham vergonha de tomar um refri ou comer pizza no fim de semana com os amigos. Precisamos de Santos que gostem de cinema, de teatro, de música, de dança, de esporte. Precisamos de Santos sociáveis, abertos, normais, amigos, alegres, companheiros. Precisamos de Santos que estejam no mundo; e saibam saborear as coisas puras e boas do mun-

do, mas que não sejam mundanos”. Sejamos Santos. Legal, né? Essa carta diz tudo. Agora, com as dúvidas esclarecidas, mãos à obra. E para começar, participe dos encontros do Grupo de Jovens JUSV. Você vai des-

cobrir como servir Deus, pode ser bem legal e divertido. Os encontros são todos os domingos, a partir das 17h, na Igreja Santíssima Trindade – Bairro Agenor. E vamos procurar seguir SEMPRE MAIS ALTOOOO!!! Valeu!


O SANTUÁRIO EM SUAS MÃOS

PASTORAL FAMILIAR

Extrema, 06 de junho de 2009

13

Reflexão e Vida - Educar para a vida!

A psicologa Regina Lúcia Lambert Moreira (a segunda da direita para a esquerda)

De repente, saí do meu individualismo e deixei brotar algo dentro de mim. Nesse exato momento, começou minha responsabilidade: educar para a vida. Nenhum pintor pode retratar numa tela, nenhum poeta pode descrever em versos a vida que desabrochava dentro de mim. Quando olhava meu corpo, imaginava aquele rostinho, a cor dos olhos, dos cabelos... Fechando os olhos, ouvia até o choro e a palavra que expressa a tão sublime missão de educar: “mamãe”. Sim, porque gerar um filho implica um compromisso sério com a educação. Educar para a vida é fazer do fruto de um grande amor, um cidadão

feliz a serviço da vida. A mãe é a primeira educadora. Tudo foi esquecido, as dores, preocupações, fragilidades, quando recebi essa missão tão sublime. De repente, me perdi no espaço da minha maternidade e percebi que meu bebê crescia e eu já não podia prendê-lo em meus braços, pois deveria descobrir os próprios caminhos, tinha vida própria, pertencia ao mundo e não a mim. A mim, ficou somente a incumbência de educá-lo na prática da fé, da justiça, do amor, do desenvolvimento de seus talentos. Percebendo, sensivelmente, o que norteava minha postura de mãe com relação à vida vocacional de um filho,

sabia que mais dia, menos dia, eu o veria se afastar de minha casa em busca da realização de um coração adolescente. O meu bebê, já com 17 anos, decidiu cursar uma faculdade. Possuindo maturidade necessária para sair de casa, enfrentou muitos obstáculos, principalmente o medo de enfrentar a vida longe da família. Em janeiro de 1997, sai a lista dos aprovados no vestibular da Unesp. Uma nova vida a esperava, uma mistura de sonhos e medos invadira seus pensamentos. Faltava apenas uma semana para iniciar uma nova etapa em sua vida, quando, no meio da noite, acorda em lágrimas pedindo ajuda. As lágrimas eu não conseguiria mais enxugar simplesmente com carinho, embalando-a em meus braços, ou trocando suas fraldas molhadas e, ela me dizia entre soluços: “Eu não queria ter sido aprovada!” Com esforço sobre-humano, ao invés de dizer então não vá, lhe disse: “Quantos jovens no Brasil inteiro gostariam de estar no seu lugar. Aproveite sua chance, experimente. Talvez todo

esse medo que se instalou dentro de você se desfaça na tentativa de superar esse obstáculo”. Chegou enfim o dia, ansiosamente, esperado por nós duas. O despertador tocou às 5h, o sol ainda não tinha nascido nem no horizonte e muito menos em nossos corações. Era chegada a hora da primeira separação e o corte do cordão umbilical que nos unia com tamanha intensidade. Lágrimas e sorrisos se misturaram, o orgulho de vê-la dar o primeiro e mais decisivo passo de sua vida se confundia com a dor da despedida. No final daquele dia, quando falamos pelo telefone, ela me disse: “Mãe, chorei o dia todo!” Do outro lado, ouvindo isso, era como se a ouvisse chorando no berço, a apenas alguns passos de mim, mas a distância que nos separava era grande demais para que eu pudesse acariciá-la. Eu só tinha em mãos um meio de ajudá-la: com palavras sábias de uma mãe que deseja a realização profissional e pessoal de seu filho, respondi-lhe: “Amanhã será um novo dia, dia de

conhecer seus novos amigos e iniciar uma nova etapa de sua vida, como no dia em que você concluiu o pré-primário e mudou-se para uma outra escola, iniciando o primário”. Primeiro dia de aula, amigos novos, os trotes, a nova casa sob sua administração, decisões a serem tomadas sozinhas enriqueceram sua autoestima e segurança. Se eu não entendesse que ser mãe não é julgar-se dona da vida do filho a ponto de inibir ou impedir sua aspiração vocacional, mas acompanhar e orientar sem imposições, deixando-o livre e seguro para conquistar com esforço próprio seus ideais de vida, hoje, minha filha não seria uma arquiteta bem-sucedida. Regina Lucia Lambert Moreira Psicóloga – educadora e consultora familiar

Como pensamos a Pastoral Familiar

A equipe de coordenação geral das pastorais paroquiais pensa como e com a Igreja a Pastoral Familiar Paroquial “O matrimônio e a família constituem um dos bens mais preciosos da humanidade. A Igreja quer fazer chegar a sua voz e oferece sua ajuda a quem, já conhecendo o valor do matrimônio e da família, procura vivê-lo fielmente, a quem, incerto e ansioso, anda à procura da verdade e quem está impedido de viver livremente o projeto

familiar.” (Família Consortio) “A família Cristã, de fato, é a primeira comunidade chamada a anunciar o Evangelho à pessoa em crescimento e levála, através de uma catequese e educação progressiva, à plenitude da maturidade cristã.” (Família Consortio) O desígnio de Deus sobre o matrimônio e a família Deus é amor. A pessoa no matrimônio se doa totalmente e para sempre. Os deveres da família cristã são quatro:

- Formação de uma comunidade de pessoas; - Estar a serviço da vida; - Participação no desenvolvimento da sociedade; - Participação na vida e na missão da Igreja. Uma Pastoral Familiar a serviço de valores da família, espiritualidade conjugal e familiar, jovens e noivos que procuram o jeito cristão e verdadeiro de amar, casais em dificuldade e que estão à procura de ajuda,

casais que vivem uma segunda união, pais que têm os seus filhos na catequese, e que têm filhos envolvidos no mundo das drogas, valoriza: - A Semana Nacional da Família; - As celebrações; - Dia das Mães; - Dia dos Pais; - Dia das Crianças; - Novenas, grupos e famílias; - Romarias, festas de padroeiro; -Retiros para casais; -Encontros de reflexão para jovens com o tema namoro. Organiza: - Visitação a famílias; - Celebrações com as famílias; - Encaminhar as famílias para os sacramentos da iniciação cristã (Batismo, Eucaristia e Crisma); - Outras Iniciativas para a vida familiar. Estrutura paroquial da Pastoral Familiar - Equipe central permanente; - Um casal ou dois responsáveis em cada comunidade; - Um casal de cada grupo de casais; - RCC (renovação caris-

mática católica), ovisa(orientação para a vivência sacramental), círculos bíblicos, outros movimentos familiares, encontro de noivos, pastoral da segunda união, pias dos acólitos, catequeses e outros. Caso não haja objetivos a serem atingidos, anda-se sem rumo. As primeiras metas são setas para a realização do caminho que desejamos atingir. Com a orientação da Igreja Católica, se tornam bem claras. Pretendemos fazer esse caminho, considerando avaliações, revisões e crescendo a partir de sugestões das famílias envolvidas no processo. Convidamos todos os casais e grupos, que desejam caminhar conosco, para se unirem à Igreja. Juntos cresceremos.


14

GERAL

Extrema, 06 de junho de 2009

O SANTUÁRIO EM SUAS MÃOS

Graça Alcançada

“Tenho paixão pelo ser humano” Tenho paixão pelo ser humano, adoro o seu criador. Poder procriar a criação de Deus Pai, para mim, era um sonho. Hoje, tenho um filho lindo, maravilhoso, de apenas três anos de vida. São 40 meses de intensa relação, afinidade e amizade, seja nas dificuldades durante a noite, na educação diária, levando às aulas todos os dias, ou andando a cavalo nos finais de semana. Nas-

ci em Extrema, tive minha formação pessoal e espiritual em Lorena, onde sou devoto de N.S.Graças. Morando há cinco anos em Extrema, me apaixonei por Santa Rita de Cássia, conheci e admirei a sua história, mas não tinha ainda uma experiência pessoal com ela. Pedi, pedi muito, supliquei ao lado de Santa Rita para que diante das minhas dificuldades, que fizesse possível, em minha vida, aquilo que, para mim, julgava impossível. Sempre em minhas orações e também nesta novena, con-

versei com Santa Rita sobre isso e, no último dia 14 de maio, fui buscar meu filho na escolinha onde estuda. Como de costume, quando chego, me escondo uns minutinhos para observá-lo brincar. Quando me vê, é uma grande alegria a dele e a minha também. Nesse dia, ele me viu logo no portão de entrada e veio correndo com o sorriso no rosto. Muita alegria e também velocidade. A alegria era recíproca, peguei-o pelos braços, o balancei sob minhas pernas e joguei-o para cima como sempre brincávamos,

mas, como que num relampejo, seu corpinho soltou-se de minha mão, passou sobre minha cabeça e como um movimento circense num mortal de costas, caiu no cimentado da escola. Na verdade, quem viu a queda de Kaique disse que ele caiu em “câmera lenta”, tocando primeiro o bumbum no solo, depois as costinhas e por último a cabeça. Quando eu olhei para ele caindo, tive a certeza de que uma mão divina e delicada fora usada para que ele não morresse ou sofresse um só arranhão ou fratura, apenas

o susto e um desconforto na região do bumbum. Levei Kaique para Bragança Paulista, onde foi submetido a vários exames e radiografias, e graças a Santa Rita de Cássia, hoje, ele está vivo, sem sequelas, nenhum arranhão ou trauma psicológico. “Obrigado, querida Santa Rita de Cássia por poupar meu filho querido de um mal maior e a mim de um trauma eterno. Sou eternamente grato por esta Graça recebida. Santa Rita de Cássia, rogai por todos nós!” Amém! Deny Mauro Alves Morais

Aprenda a fazer velas Igreja é o Povo de Deus que se organiza para fazer comunhão e construir a unidade. Nessa dimensão, percebemos os dons sendo colocados a serviço do bem da comunidade, pois já diz a Sagrada Escritura: “Existem dons diferentes, mas o Espírito é o mesmo; diferentes serviços, mas o Senhor é o mesmo; diferentes modos de agir, mas é o mesmo Deus que realiza tudo em todos. Cada um recebe o dom de manifestar o Espírito para a

utilidade de todos. A um, o Espírito dá a palavra de sabedoria; a outro, a palavra de ciência segundo o mesmo Espírito; a outro o mesmo Espírito dá a fé; a outro ainda, o único e mesmo Espírito concede o dom das curas; a outro, o poder de fazer milagres; a outro, a profecia; a outro, o discernimento dos espíritos; a outro, o dom de falar em línguas; a outro ainda, o dom de as interpretar. Mas é o único e mesmo Espírito quem realiza tudo isso, distribuindo os seus dons a cada um, conforme ele quer (1Cor 12,4-11)”. As velas queimadas no veleiro, oferecidas à Santa Rita de Cássia conforme a intenção e oração pessoal neste Santuário, são coletadas e recicladas.

Cada uma custa R$ 0,55, valor que cobre seu custo e soma no trabalho de evangelização da comunidade. D. Laura aprendeu a fazer velas com o Pe. Márcio, experiência que ele trouxe da Paróquia Nossa Senhora do Carmo, em Cambuí - MG, onde trabalhou como Seminarista, Diácono e Padre. Hoje, D. Laura até ensina outras pessoas. Feitas com a reciclagem da parafina coletada nos veleiros, essas velas são utilizadas na Semana Santa, em procissões dos padroeiros nas comunidades (por ocasião de suas festas), no terço luminoso de Santa Rita, nos batizados, entre outros eventos. Agradecemos a Deus pelo motivo de muitos dons serem colocados a serviço da

comunidade. Quem deseja aprender a preparar vela e a nos ajudar oferecendo seus dons, basta se informar na Se-

cretaria Paroquial, deixando nome e telefone. Santa Rita de Cássia, rogai por nós! Amém.

isso passaria a ser prejudicial à participação dos fiéis nas celebrações. Todos os que delas participam já têm o costume de estar naquelas missas e naqueles horários. Geraria confusão quanto aos dias com

movimentação desses horários. Para o beneficio maior da religiosidade em nossa cidade, reconhecendo o valor inigualável que temos nas missas e sendo o nosso Santuário o ponto central de encontro da vida dos cristãos

católicos extremenses e romeiros, julgamos ser impossível realizar qualquer mudança, a não ser acrescentar mais horários com o seu crescimento, quando se fizer necessário. Extrema, 22 de maio de 2009.

Comunicado A Reitoria do Santuário de Santa Rita de Extrema comunica aos interessados que havendo em vista a praça recém-reformada com grandes possi-

bilidades para realização de eventos diversos, e já tendo recebido pedidos de mudança dos horários das missas nos dias de realizações de algumas promoções, faz saber a todos: são inviáveis quaisquer trocas de horários das missas, pois


O SANTUÁRIO EM SUAS MÃOS

GERAL

Extrema, 06 de junho de 2009

15

Ano Catequético Nacional em 2009 Em 2006, a Assembléia Geral da CNBB aprovou por unanimidade a realização, para 2009, do Ano Catequético, comemorando os 50 anos do primeiro, ocorrido em 1959. “A iniciativa é resultado da importância e da valorização que a Igreja vem dando à catequese, como ficou expresso no processo de elaboração do Diretório Nacional de Catequese”. O “Ano Catequético” consiste num momento forte de motivação e convocação para o trabalho de anunciar a palavra de Deus. O tema proposto é “Catequese, caminho para o discipulado”, seguindo as propostas do Documento de Aparecida. O lema escolhido cita o Evangelho de Lucas (20, 32. 35): “Nosso coração arde

quando Ele fala, explica as Escrituras e parte o pão”. O objetivo geral do Ano Catequético é “dar novo impulso à catequese como serviço eclesial e como caminho para o discipulado”. Dentre os objetivos específicos, destacam-se: a) intensificar a formação catequética dos catequistas, dos agentes de pastoral, dos religiosos, dos ministros ordenados; b) estimular a dimensão catequética nas comunidades, na perspectiva da pastoral de conjunto; c) educar para a vivência de uma fé comprometida com as urgentes mudanças da nossa realidade, tendo presente o princípio da interação fé-vida; d) dar a devida ênfase à catequese com adultos e jo-

vens. O Ano Catequético terá sua culminância com a 3ª Semana Brasileira de Catequese, que se realizará de 7 a 11 de outubro de 2009 em Itaici Indaiatuba – SP. Este será um texto muito rico e importantíssimo para que se possa dar um novo impulso, não somente à pastoral catequética, mas a toda ação evangelizadora da Igreja. Cabe a cada um, em seu tempo oportuno, conhecer para poder viver e ajudar a comunidade a crescer caminhando, ouvindo e agindo com e como Jesus.

Dia 22 de junho - Novena Perpétua de Santa Rita

Todos os dias 22, o Santuário celebra às 19h a Novena Perpétua de Santa Rita. Quem participa dessa missa, recebe indulgência plenária concedida pelo Papa Bento XVI, na ocasião da elevação da Igreja

Matriz a Santuário de Santa Rita de Extrema, por sete anos. Busquemos a exemplo de Santa Rita, viver o amor, o perdão e a paz, pois é o Sacramento da Reconciliação que

nos une a Deus e aos irmãos. Já ouvimos que Rita, quando jovem, desejava consagrar-se ao Sen h o r na vida religiosa. Entretanto, seus pais a fizeram casar com um homem que eles mesmos escolheram. Ela os perdoou por essa atitude e nunca se revoltou. O gênio mau do marido encheu de terríveis sofrimentos a vida de Santa Rita, mas suas

orações, seus sacrifícios e penitências conseguiram para ela a graça de perdoá-lo. Graças a esse perdão, ajudou-o a mudar de vida. Porém, Deus havia de pedir-lhe um gesto ainda mais generoso: conseguir que os filhos dela não se tornassem criminosos, vingando a morte do pai. Diante da persistência dos rapazes em seus planos de vingança, a Santa se voltou à misericórdia de Deus, suplicando-lhe que levasse seus filhos antes de se tornarem assassinos. A prece foi aceita. Não há dúvida alguma de que Santa Rita, com seu exemplo de vida, nos ensina a perdoar, a amar e a promover a paz entre as famílias. Por diversas vezes, Deus concedeu e concede a nós a graça do perdão, mas, também por diversas vezes, não o aceitamos, preferindo nos vingar contra o Altíssimo e o irmão. Eis o coração humano, ora aberto e sensível para acolher, amar e perdoar, ora fechado e insensível às

mesmas qualidades. Por meio da sua palavra, de seus gestos e ações, Deus quer transformar de maneira positiva a vida de cada ser humano. Para que isso venha acontecer, é preciso a abertura do coração, aceitálo e deixar ser conduzido (a) por ele, como fez Santa Rita. Venha à comunidade, venha fazer essa experiência de fé. Abra seu coração e muitas graças serão alcançadas. Traga flores a Santa Rita. Deixe em escrito os seus pedidos e ações de graças para serem depositados aos pés da Padroeira. Santa Rita de Cássia, rogai por nós! Amém!


16

Extrema, 06 de junho de 2009

EM FOCO

O SANTUÁRIO EM SUAS MÃOS

O mês de junho e as festas litúrgicas maiores A celebração de Corpus Christi (Corpo de Cristo) surgiu na Idade Média e consta de uma missa, procissão e adoração ao Santíssimo Sacramento. Comemorada desde a chegada dos portugueses, a festa é uma das mais tradicionais do Brasil. O hábito de se fazer o tapete com folhas e flores vem dos imigrantes açorianos. Essa tradição praticamente desapareceu em Portugal continental, onde teve origem, mas foi mantida nos Açores e nos lugares os quais chegaram seus imigrantes, como Florianópolis. Em todo o Brasil, essa comemoração adquiriu contornos do barroco português. Corpus Christi é celebrado desde a época colonial, a partir da profusão de cores, música, expressões de grandeza. A tradição de fazer os tapetes de ruas acontece em inúmeras cidades, geralmente com voluntários que começam os preparativos dias antes da solenidade e varam a noite trabalhando. História da

Solenidade de Corpus Christi No final do século XIII, em Lieja, Bélgica, um movimento eucarístico cujo centro foi a Abadia de Cornillon deu origem a vários costumes, como a Festa de Corpus Christi. Santa Juliana de Mont Cornillon, priora da Abadia naquela época, foi a enviada de Deus para propiciar a festa. Nasceu na cidade de Retines, Bélgica, no ano 1193. Ficou órfã muito pequena, sendo educada pelas freiras agostinianas em Mont Cornillon(a mesma congregação de Santa Rita). Quando cresceu seguiu o caminho religioso e mais tarde, conseguiu ser superiora de sua comunidade. Morreu no dia 5 de abril de 1258, na casa das monjas cistercienses, em Fosses e foi enterrada em Villiers. Desde jovem, possuiu uma grande veneração ao Santíssimo Sacramento e sempre esperava que houvesse alguma festa especial em sua honra. Esse desejo, dizem ter se intensificado pela visão que teve da Igreja sob a aparência de lua cheia com mancha negra, significando a ausência da solenidade. Juliana comunicou as aparições a Dom Roberto de Thorete, então Bispo de Lieje, ao douto Dominico Hugh, mais tarde Cardeal legado dos Países Baixos, e a Jacques Pantaleón, Arquidiácono de Lieje,

Tapete para procissão de Corpus Christi na Paróquia de Ouro Fino

posteriormente Papa Urbano IV. O Bispo Roberto ficou impressionado e, como nesse tempo os bispos tinham o direito de ordenar festas para suas dioceses, convocou sínodo em 1246 e ordenou que a celebração fosse feita no ano seguinte. Ao mesmo tempo, o Papa determinou que um monge, de nome João, escrevesse o ofício para a ocasião. Dom Roberto não viveu para ver a realização de sua ordem, já que morreu em 16 de outubro de 1246, mas a festa foi celebrada, pela primeira vez, no ano seguinte, na quintafeira posterior à Festa da Santíssima Trindade. Mais tarde, um Bispo alemão conheceu os costumes e estendeu-os por toda a atual Alemanha. O Papa Urbano IV, naquela época, tinha a corte em Orvieto, ao norte de Roma.

Muito perto dessa localidade, está Bolsena, onde aconteceu um milagre entre 1263 e 1264: um Sacerdote que celebrava a santa missa teve dúvidas sobre a consagração ser algo real. No momento de partir a sagrada forma, viu sair dela sangue, do qual foi se empapando o corporal. A venerada relíquia foi levada em procissão a Orvieto. Hoje, se conservam os corporais, dos quais se apóiam o cálice e a patena durante a missa - Orvieto. Também pode-se ver a pedra do altar em Bolsena, manchada de sangue. O Santo Padre, movido pelo prodígio, e pela petição de vários bispos, faz com que se estenda a festa do Corpus Christi a toda Igreja, por meio da bula “Transiturus”, de 8 setembro do mesmo ano, fixando-a para a quinta-feira após a oitava de Pentecostes. Em seguida, segundo biógra-

fos, o Papa Urbano IV encarregou um ofício, a liturgia das horas, a São Boaventura e Santo Tomás de Aquino. Quando o Pontífice começou a ler em voz alta o de Santo Tomás, São Boaventura foi rasgando o seu. A morte do Papa Urbano IV (2 de outubro de 1264), pouco depois da publicação do decreto, prejudicou a difusão da festa. Mas o Papa Clemente V, no Concílio Geral de Viena (1311), ordenou mais uma vez a adoção da comemoração. Em 1317, é promulgada uma recopilação de leis pelo Papa João XXII, assim, a festa fica estendida a toda Igreja. As procissões foram dotadas de indulgências pelos Papas Martinho V e Eugênio IV, e se fizeram comuns a partir do século XIV. Na Igreja, a festa de Corpus Christi é conhecida nos calendários de sírios, armênios, coptos, melquitas e nos rutínios de Galícia, Calábria e Sicília. Finalmente, o Concílio de Trento declara que muito piedosa e religiosamente, ela foi introduzida na Igreja de Deus e que o costume seja levado em procissão por ruas e lugares públicos. Nisso, os cristãos expressam sua gratidão e memória por tão inefável e verdadeiramente divino benefício, pelo qual se faz novamente presente a vitória e triunfo sobre morte e ressurreição de Jesus Cristo.

Edição 02  

Segunda Edição do Jornal o Santuário em Suas Mãos.

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you