Page 1

Edição 40 - AGOSTO DE 2010


VOZ DO PASTOR

“O olho é a lâmpada do corpo. Se teu olho é bom, todo o teu corpo se encherá de luz. Mas se ele é mau, todo teu corpo se encherá de escuridão. Se a luz que há em ti está apagada, imensa é a escuridão.” Jesus Cristo

Aniversariantes

Palavra do Santo Padre o Papa “Sem memória, não há futuro. Se há tempos se dizia que a história era mestra de vida, a cultura consumista atual tende, em troca, a cravar o ser humano no presente, fazendo que perda o sentido do passado, da história; mas assim o priva também da capacidade de compreender-se, de perceber os problemas e de construir o futuro. Queridos jovens: quero lhes dizer que o cristão é alguém que tem boa memória, que ama a história e quer conhecêla”. Estejam seguros que se aprendermos a escutar a voz do Senhor e segui-la com generosidade não temos medo de nada porque sabemos e sentimos que Deus está conosco. O segredo da vocação está na relação com Deus, na oração. E isto é válido seja antes

da decisão, ou seja no momento de decidir se empreender o caminho, seja depois, se queremos ser fiéis e perseverar no caminho. a oração verdadeira não é absolutamente estranha à realidade. Se rezar os alienasse, os separasse de sua vida real estejam em guarda: não seria uma oração de verdade”. “Não se trata de multiplicar as palavras, mas sim de estar em presença de Deus, fazendo nossas, na mente e no coração, as frases do Pai Nosso, ou adorando a Eucaristia, ou meditando o Evangelho, ou participando da Liturgia. Tudo isto não se separa da vida, ao contrário contribui para que sejamos realmente nós mesmos em todos os ambientes, fiéis à voz de Deus que fala

Papa Bento XVI com a consciência, livres dos condicionamentos do momento”.

Palavra do Bispo 01. O Espaço (Litúrgico) do Templo não seja utilizado para a apresentação de candidatos (as) a cargos eletivos. 02. Os momentos celebrativos da Comunidade, mormente o da Eucaristia, não sejam instrumentalizados com a participação de candidatos (as) na Liturgia. Ex. Leituras, Preces, Mensagem Final... 03. Após ouvir o CPP – Conselho de Pastoral Paroquial, ou as lideranças da Comunidade, o Pároco julgue, se é oportuno, possibilitar aos membros da Comunidade, ouvir as propostas de ação política dos candidatos (as). Caso julgue pelo sim, lembre-se de que deverá abrir espaço a todos os partidos que desejarem fazê-lo. 04. O Salão Paroquial ou Centro Pastoral sejam os espaços para a apresentação dos candidatos (as), de suas propostas político-partidárias, e debate com a Comunidade, tendo como critério fundamental, o diálogo. 05. Jornais, Panfletos e “Santinhos” dos

candidatos (as) não sejam distribuídos nas portas das Igrejas ao final das celebrações. 06. Os jornais e Boletins paroquiais sejam instrumentos para a Divulgação do Ensino Social da Igreja a respeito da Política que visa à dignidade da pessoa humana e a busca do bem comum, sem identificação partidária. 07. A partir da proposta do Evangelho e do Magistério da Igreja, os presbíteros lembrem-se da exigência de evangelizar o mundo da política e assim colaborar para a formação da consciência política dos membros da Comunidade (Documento de Puebla, no. 515). 08. Reiteramos as disposições do Código de Direito Canônico: Cân. 287 §1o e 2o, sobre a participação ativa dos Clérigos nos partidos políticos e na direção de associações sindicais. Nenhum Clérigo incardinado, ou com uso de ordem nesta Diocese está autorizado a inscrever-se em partido político, sindicato, ou ser candidato, visto não se configurarem às situações previstas no §2o do Cân. 287.

D. Sérgio Ap Colombo 09. Todos os Clérigos estão sujeitos às disposições dos Câns. 1339 §1o, 2o e 3o, e 1371 §2o. 10. Os clérigos devem promover sempre a paz e a concórdia, fundamentadas na justiça, Cân. 287 §1o. 11. Os leigos e leigas que na Comunidade Crista exerçam algum ministério, ao se candidatarem a cargos eletivos, coloquem-no à disposição do pároco. Sob a proteção da Mãe de Deus e Mãe da Igreja participemos na construção de uma sociedade justa e solidária.

Palavra do Padre O mês de agosto é o mês das vocações. Vocação que é chamado de Deus para a vida e vida em abundancia é um momento oportuno para refletirmos quem somos, pra onde vamos e o que estamos realmente realizando em nossa Paróquia. É momento de fortalecimento e reconstrução espiritual de nossas pastorais e movimentos, pois, após aquele bonito testemunho de fé que apresentamos nos nossos retiros paroquiais onde mais de 400 pessoas estiveram e passaram pela casa de formação, é possível pensar no pós retiro. Este pós retiro é o momento essencial de reconstrução, pois a terra do coração das pessoas está fértil, pois os encontros serviram para isto, fertilizar a terra dos nossos corações e tenho certeza que assim como o meu o seu coração foi bombardeado pelo Amor de Deus no mês de julho. Então precisamos unir nossos lideres de pastoral e juntos levarmos àqueles que não puderam estar no retiro todo testemunho e esperança de que estamos no caminho certo, na direção exata que é somente preciso não perder o fôlego. Não podemos parar, pois é na água parada que a dengue se desenvolve, não podemos ser pessoas dengosas, pois como nos garante o Evangelho o “reino de Deus é dos violentos”. Precisamos desta violência que pode ser traduzida em determinação, garra, fidelidade para sermos os colaboradores não do Padre, mas do próprio Deus na edificação da sua Igreja aqui na Terra. As nossas construções estão ai para que

todos possam perceber que na medida em que rezamos fazemos. Estamos certamente em consonância com o que nos pede São Tiago em sua carta: “fé sem obras é morta”, podemos garantir que nossa fé está viva, pois não temos deixado em nenhum momento de construir o templo físico e espiritual de nossa igreja. Estamos reformando a São Luis, construindo a comunidade Sagrada Família, além da parte superior da casa de formação e os últimos ajustes, pelo menos por hora, da Igreja Matriz. Que paróquia em nossa diocese está assim? Posso testemunhar como padre desta Igreja que nenhuma paróquia tem trabalhado e feito tanto como a nossa. Todos me perguntam de onde vem tanta energia e disposição física e financeira para tanto. A minha resposta é: tenho um povo de oração e muito generoso com seu pastor. É este o meu segredo. É pensando em você e sabendo que não podemos parar na metade do caminho é que espiritualmente teremos em agosto a novena da Sagrada Família e a grande Novena em honra a São Miguel Arcanjo. Serão nove quartas feira em que junto com o Arcanjo guardião do Corpo e Sangue de Cristo rezaremos por nossos limites e impossíveis. Conto com a participação de todos. Financeiramente teremos uma nova rifa do carro do padre. Está rifa será destinada a conclusão destas obras destinadas e também o inicio de outras. Peço a compreensão de todos, mais uma vez depende de nós mais está vitória em Deus. Tivemos também neste mês de Julho a missão de nossas amadas irmãs mercedárias. Elas

Santa Rita Aledite Pereira Costa Amado Castro do Amaral André Luz Gonçalves Pereira Angela Ramos Piovezani Carmelina Aparecida Henrique Preto Cleberson Pereira Sousa de Moraes Daniel Vieira Deusdita Rosa de Amorim Edvan de Jesus Felicidade Pimentel Costa Geralda Magela Fernandes Gildeci Souza dos Santos Machado João Bezerra de Lacerda José Aparecido da Silva José Paulo Piovezani José Umberto dos Santos Josefa Clara Filha da Silva Laira Fumagalli Lazaro Adão Bueno da Silva Luzinete D’ajuva B. da Silva Maria das Graças Marcelino Dias Maria das Graças Tavares de Souza Maria Lucia da Conceição Silva Marques Pereira de Castro Nilson Donizete Arruda Rita Maria da Silva Rosa Paula Domingues Sandra Dreia Torres Lima Vanuzia Matos da Silva Waldemar Ramos Zuleide Damiana Pereira Andrade São Luiz Antonia Santana da Conceição Apolonia Bispo Cosme Atayde Silva Lyra Bernardo Ferreira da Silva Cecilia Ap. Pereira Cíntia A. Soares

Pe. Wagner Navarro puderam por meio de seu carisma contribuir para que o carisma missionário despertado em nossas comunidades devido à participação nos retiros, das santas missões populares, fosse reinflamado no coração daqueles e daquelas que sabem da importância da vida missionária em uma comunidade cristã. Foi o próprio Jesus que nos enviou em missão quando nos ordenou “Ide por todo mundo e anunciai o Evangelho a toda criatura”. O nosso muito obrigado a cada uma delas principalmente as suas superioras que gentilmente acolheram meu pedido e tornaram esta missão possível. Peço sobre cada um de vocês a proteção e a benção de nossa querida padroeira e de Nossa Senhora mãe das vocações para que possamos cada dia mais e mais clamar para que Jesus envie mais operários para sua vinha, pois a messe é pouca e os operários são cada vez mais. Assim seja. Amém.

Deolinda Miotti Ferreira Dirce Garcia da Silva Elizabeti Ap. Ferreira Santos Francisca Souza da Silva Ida Ronchi Quaresma João Batista Nascimento José Florentino da Silva José Pereira Gonçalves Juracy Souza Silva Luciene Nunes Ramos Manoel Viana dos Passos Manoela Lima Esgoti Maria Ap. Martins Leal Maria Milza Alves Pires Meniva Santos de Souza Romilda Onofre Berner Roque Teles de Almeida Rosana Sorrini Sobrinho Vicentina Santana Zaelço Climaco Ferreira CONJ. Roney Antonio de Oliveira Maria Nilza Alves Gomes Raimunda Mª de Jesus Gildácio A. Costa Umbelina Batista Teles Joaquim Honório de Souza Vera Lucia dos Santos São Cristóvão Edite Maria da Silva Maria de Lurdes Rodrigues Maria Clara A. Alves Sagrada Família José Florentino da Silva José Vieira Maciiel Débora Regina Soares Maria Ivonete Pereira da Silva Maria Francisca da Conceição Rosania Galdino Antonia Gonçalves Messias José Roberto dos Santos Lidiane Maria dos Santos Gilvo Severino de Moura


“A família é o berço onde aprendemos a partilha, a colaboração, onde tudo é de todos, assim também foi na família de Nazaré”

CAPA Agosto

mês das vocações

“Celebramos neste mês a semana da família, a primeira das vocações. Família é a primeira comunidade que conhecemos” A família é o berço onde aprendemos a partilha, a colaboração, onde tudo é de todos, assim também foi na família de Nazaré. Na primeira passagem que conhecemos da Sagrada Escritura sobre a Sagrada Família, os evangelistas narram o nascimento de Jesus em Belém, onde José e Maria foram fazer o recenseamento, chegando a hora de Maria dar a luz, não havia lugar para eles na hospedaria e Maria

deu a luz a Jesus em um estábulo, ou seja , onde os animais ficavam presos pois, a família de Jesus era muito pobre, José trabalhava como carpinteiro, vivia com dificuldades. Logo depois que Jesus nasceu, Herodes o governador da época, baixou um decreto para matar todas as crianças abaixo de dois anos; a Família de Nazaré tinha uma missão muito importante: proteger o me-

nino Jesus para que nada de mal lhe acontecesse, então Maria e José fugiram para o Egito levando o menino Jesus. A Sagrada Família permaneceu no Egito por quatro anos na cidade de Tebas e após a morte de Heródes, o anjo do Senhor avisou a José que estava na hora de voltar para Nazaré. Depois, vamos nos encontrar de novo com a Sagrada Família quando Jesus estava com doze

anos e a Família de Nazaré foi toda para Jerusalém para a Festa da Páscoa e, ao voltarem, deram por falta do menino e, somente depois de três dias de procura, o encontraram no templo entre os doutores da lei. A Sagrada Família teve uma vida normal, de uma família pobre da época, com dificuldades financeiras, preocupações naturais com a educação do menino Jesus, nada diferente das famíli-

as de hoje, porém nos ajuda a tirar lições de vida e superação. Estes são os momentos que encontramos registrado nos Evangelhos a vida da Sagrada Família de Nazaré: nascimento, circuncisão de Jesus, apresentação no Templo, o encontro do menino Jesus no templo depois de três dias perdido e o texto tirado de Lucas 2, termina dizendo que Jesus crescia em sabedoria , estatura e graça, isto é tudo

que os pais desejampara seus filhos, que eles possam crescer em todos os sentidos. Que a Sagrada Família de Nazaré seja para nós modelo e inspiração de vivência familiar e comunitária, onde o amor fraterno possa reinar e todas as dificuldades possam ser superadas no amor. “Sagrada Família de Nazaré, Jesus, Maria e José, exemplo perfeito de doação, ajude as famílias em sua missão.”


ACONTECEU NOVENA DA SAGRADA FAMÍLIA DE NAZARÉ De 07 a 15 de Agosto/2010 Semana Nacional da Família Tema: Como ser família cristã no mundo moderno Lema: “Cuidem do rebanho de Deus que lhes foi confiado não por imposição, mas de livre e espontânea vontade como Deus o quer” (1 Pedro 5,2) Dia 07/08 – Sábado – 19 h - Presidente: Pe. Wagner Liturgia: Sagrada Família Animação: Sagrada Família * Benção das Famílias Dia 08/08 – Domingo – 18 h (Dia dos Pais) Presidente: A definir Liturgia: Pastoral Familiar Animação: Coral Infanto Juvenil * Benção dos pais Dia 09/08 – Segunda-feira – 20 h - Presidente: Pe. Vicente Liturgia: N. Sra das Graças/São João Batista Animação: Coral Amigos de Santa Rita * Benção das crianças Dia 10/08 – Terça-feira – 20 h - Presidente: Pe. Masterson Liturgia: São Cristovão Animação: Jailson * Benção dos enfermos Dia 11/08 – Quarta-feira – 20 h - Presidente: Cesar Liturgia: Sitio Aparecida Animação: Sitio Aparecida * Benção da Carteira de Trabalho Dia 12/08 – Quinta-feira – 20 h - Presidente: Pe. Pedrinho Liturgia: São Luiz Animação: São Luiz * Benção da água Dia 13/08 – Sexta-feira – 20 h - Presidente: Pe. Frei Sergio Liturgia: CCPA Animação: CCPA * Benção dos pães Dia 14/08 – Sábado – 19 h - Presidente: Diacono Toninho Liturgia: Madri Cabrini Animação: Coral Sagrado Coração Benção dos Jovens Dia 15/08 – Domingo – 16 h - (Assunção de Nossa Senhora) Presidente: Pe. Ednalvo Liturgia: Sagrada Família Animação: Sagrada Família * Benção das mães Aprecie nossos doces e salgados que serão vendidos após as celebrações!!! COMUNIDADE SAGRADA FAMÍLIA Rua: João de Barro, 35 Portal das Laranjeiras Celebração da Eucaristia _ todas as segundas-feiras às 20:00 h e aos domingos às 09:00 h. Pároco: Pe. Wagner da Silva Navarro Vigário: Pe. Ednalvo Sagrada Família de Nazaré, rogai por nós.


LITÚRGIA LITÚRGIA

“Chuva de graças!” Resumir a experiência que tivemos nesse mês de julho com os três retiros pregados para todas as comunidades da nossa paróquia, tem sido testemunhar o amor e o poder de deus no meio de um povo que ora e trabalha. No mês de abril pensamos (os membros leigos da assessoria pastoral juntamente com o Pe. Wagner) essa dinâmica de três retiros, organizando as comunidades paroquiais de modo que seus membros pudessem participar e nele fazerem a experiência comunitária do amor de Deus e contemplarem a graça de estar entre os irmãos da comunidade. No entanto, devido nossas dificuldades de nos encontrar, um grupo idealizou e o outro (Padres Wagner e Ednalvo, juntamente com os meninos do seminário) organizou. Grande foi a minha surpresa, ao ver tamanha sintonia no espírito, desde quando as pessoas foram testemunhando o quanto havia sido bom ter participado do retiro com as suas respectivas comunidades, até o dia em que participei com a comunidade matriz e pude também experimentar o toque amoroso de nosso senhor e refletir sobre os princípios de uma vida fraterna fundamentada nas práticas de Jesus e nas primeiras comunidades cristãs, onde a qualidade de cristãos fazia uma multidão de fiéis fortalecidos para o apostolado. Temas como: história pessoal, autoconhecimento, afetividade, relação fraterna, perdão, acolhida, pecados contra a vida fraterna (isolamento, inveja, etc) e amor, foram abordados nas três pregações e momentos de espiritualidade vivenciados nos dias de cada retiro. As presenças e o total empenho dos padres no retiro revelaram pastores que olham e trabalham pelas suas ovelhas e a celebração eucarística foi o grande momento do encontro das comunidades, onde todas as diferenças já não faziam o menor sentido, diante do grande amor de deus que nos torna um! Resumindo, nesse mês de julho foi “chuva de graças” na Paróquia de Santa Rita de Cássia. Desejamos que cada paroquiano, continuamente retorne as anotações do retiro, aos questionamentos trazidos pelos pregadores, aos momentos de oração e intimidade com deus, e juntos possamos viver com alegria os desafios da vida em comunidade. Deus nos abençoe! Daniele Duarte Pimenta C. C. Profecia de Amor.

Festa na Comunidade São Luis Maria de Montffort Venha participar conosco Nos dias 07, 08,15,16,21 e 22 de agosto de 2010 Com shows ao vivo e diversas barracas Rua Tico Tico nº 101 Portal das Laranjeiras - Caieiras (ao lado do campo de futebol)

Informações -Fone: 4441-4423/4605-4868

DOUTRINA

Nesta edição vamos aprofundar a nossa catequese fundamental! Quem é o nosso Deus? Nosso Deus é o único Senhor de todas as coisas. Mostrou-se a nós como Trindade de amor: Deus Pai, que nos faz seus filhos, Deus filho, que é Jesus, nosso Salvador, Deus Espírito Santo, que nos une como Igreja. Por que Deus criou tudo o que existe? Deus nos ama. Ele existe desde sempre e para sempre. Ele tudo pode. E criou todas as coisas para manifestar e comunicar o seu amor. Existe o pecado? Sim, existe o pecado desde o começo do mundo. O pecado nos afasta do amor de Deus e nos escraviza às forças do egoísmo. Todos nasceram sujeitos à força do pecado, menos Maria santíssima que foi preservada por seu Filho Jesus. Por que Deus Pai mandou seu Filho Jesus? Para nos libertar do pecado, o Pai mandou seu próprio Filho. Ele se fez homem, nasceu da Virgem Maria e recebeu o nome de Jesus. Veio ensinar que Deus nos ama, que nós somos irmãos e todos iguais. Como Jesus nos salvou? Jesus de Nazaré é o Filho de Deus feito homem. Viveu a nossa vida, anunciou a justiça, a paz, o amor. Morreu na cruz. Ressuscitou dos mortos. A encarnação de Jesus em nosso meio e sua obediência ao Pai, até ao sacrifício da cruz, mereceu para nós a redenção do pecado e a libertação da morte eterna.

Por que Jesus enviou o Espírito Santo? Após a sua ressurreição, Jesus enviou o Espírito Santo para continuar a sua obra de salvação de todos os homens. O Espírito Santo nos santifica e nos une como irmãos na mesma Igreja, nos fazem viver com a dignidade de filhos de Deus e nos envia pelo mundo como missionários do Evangelho. O que é a Igreja de Deus? Ela é o sinal e o instrumento da união de Deus com os homens e da união dos homens com Deus e com seus irmãos. A Igreja foi formada por Jesus para continuar a obra de salvar, de unir e de santificar os homens na mesma fé, esperança e amor. Por que Nossa Senhora é Mãe da Igreja? Nossa Senhora é a Mãe de Jesus e também nossa. Por isso, ela é a Mãe da Igreja. E é nosso modelo. Intercede a Deus pelo povo cristão. Quem forma a Igreja? A Igreja é formada pelo Povo de Deus, religiosos e leigos, em unidade visível com o Papa, bispos, padres, diáconos. Todos têm a sua parte de responsabilidade na Igreja e devem ser, para os irmãos, testemunhas de Jesus Ressuscitado. Continuaremos no próximo mês as perguntas que o povo faz e as respostas que a Igreja afirma. Faça a sua pergunta! Envie para o e-mail fonsecasp@hotmail.com


ARTIGO O que vou fazer quando crescer? Como não errar o alvo? Esta é uma das perguntas mais comuns que em uma determinada fase da vida toda a criança se faz. Saber o que vamos fazer ou ser quando crescer é muito mais do que seguir um caminho, é antes de tudo, a descoberta da minha missão aqui nesta terra, ou seja, da minha vocação. Assim falar de vocação ou missão nada mais é do que falar de “DOM”. Cada um de nós quando fomos criados por Deus fomos marcados com uma característica especial, recebemos um presente só nosso, com uma qualidade especifica que nos caracterizará no futuro dando um horizonte e a razão da nossa existência. Mas como e quando descobrimos ao que fomos chamados ou que dádiva foi essa que recebemos? A resposta é simples: no momento em que nos deparamos com a nossa própria história. Vocação e identidade estão diretamente relacionadas. Jamais alguém conseguirá descobrir a sua verdadeira aptidão sem antes fazer a maior viagem que não é dar a volta ao mundo, mas sim, entrar no seu próprio ser, no seu interior, e lá descobrir quem você é e ao que Deus te chama. Os grandes místicos da Igreja chamam está prática de autoconhecimento. Autoconhecimento é a capacidade conseguida pelo individuo de por meio de um exame apurado de sua história pessoal descobrir suas qualidades, suas limitações, seus anseios

e principalmente sua humanidade. Muitas pessoas são infelizes nos dias atuais porque gastam sua vida inteira investindo em viver e construir uma história de vida baseada em modelos e resultados que não são seus, mas de outros, aos quais julga serem os modelos ideais de vida. Nunca como nos dias de hoje buscam-se modelos prontos de felicidade, formulas mágicas e espirituais de se conseguir chegar ao sucesso. É por isso que os clássicos de literatura nacional

e internacional, além dos grandes clássicos de espiritualidade como os ensinamentos da Patrística e filosofia, cedem lugar aos ditos “livros de auto-ajuda”. Cristão católico bem resolvido com sua história de vida tanto pessoal como social não deve buscar auto-ajuda, mas sim a “AJUDA DO ALTO”, pois esta ajuda tem nome é Jesus Cristo e este não vai dar o peixe para você, ao contrario, Ele vai te ensinar como pescar. Nenhum dos milagres ou curas realiza-

das pelo Nazareno foram feitas sem a parcela humana. Temos a nossa parcela na construção da nossa felicidade e se não batalharmos assim, infelizmente, seremos fortes candidatos a uma depressão. Em minha opinião depressão é isso é errar o alvo. Errar o alvo, pois, não se buscou uma compreensão do que é minha essência meu dom minha vocação, mas se permitiu buscar o mais cômodo, o mais fácil e o mais rentável, deste modo, não faço aquilo ao que fui chamado, mas aquilo que a sociedade me convence que dá mais lucro, que me concederá mais status. O fruto de uma vocação acertada é sem sombra de dúvidas a certeza de uma vida feliz e realizada. Já o fruto de uma vocação mais discernida é a morte ainda em vida da alma. É por isso que encontramos nas repartições públicas, nos hospitais, nos fóruns, nos escritórios de contabilidade e engenharia e até mesmo na Igreja pessoas amargas e infelizes. Estas pessoas estão assim porque erraram o alvo, porque não estão vivendo a sua verdadeira vocação, mas estão ali apenas por preceito, por conveniência, por status. Então o que devo fazer para não errar o alvo? Simples e prático, seja VERDADEIRO com você mesmo, com a sua história pessoal. Não permita que as pessoas decidam aquilo que você vai ser quando crescer. Mas busque desde já um

aconselhamento espiritual, psicológico e vocacional para que você não seja mais um profissional, mais um ser humano frustrado. É somente por meio de um autoconhecimento profundo que vamos tomando consciência das nossas aptidões e limitações, exemplo: uma pessoa que não consegue lidar com sangue e tem dificuldade de lidar com pessoas com certeza não será um médico ou enfermeiro feliz. Uma pessoa que não tem paciência de ensinar e muito menos de relacionar-se com crianças será uma péssima professora de ensino infantil. Alguém que não gosta de ouvir as pessoas, de oração, de missa e principalmente de estar no meio das pessoas, não pode ser um sacerdote. Por isso sempre disse que chamado, dom, vocação não é um pacote que compramos no supermercado, ao contrário, é algo que ao longo de nossa história vamos descobrindo. Deste modo vou me descobrindo padre, professor, lixeiro, secretária, policial, astronauta, pedreiro, dona de casa, enfim vamos tomando consciência ao que o Pai dos céus nos chamou. O mais importante é conseguir responder a questão central da nossa existência: quando crescer serei Feliz. Está felicidade não está em ter ou fazer, mas em ser realmente realizado, completo, ou seja, humanamente, afetivamente e psicologicamente livre.

SUA SAÚDE

Andador: um atraso na vida dos bebês

Como é lindo ver seu bebê com maior liberdade de explorar o espaço mesmo quando ainda não anda, mas usa um andador. O grande erro dos pais – em seu total desconhecimento - é achar que o andador ajudará no aprendizado da criança ao começar a andar. Isso não é verdade. O andador traz prejuízos no desenvolvimento psico e motor do bebê. Por que será que não é bom? Por vários motivos. A criança desde o nas-

cimento passa por etapas do desenvolvimento em que cada fase serve de base para a próxima. Primeiro sustenta a cabeça, depois rola o corpo para os dois lados, se arrasta de barriga para baixo, senta com apoio, depois sem apoio, engatinha (alguns não passam por essa etapa), ficam em pé para então começarem os primeiros passinhos. Em todo desenvolvimento motor e de equilíbrio a criança explora o ambiente e os objetos em sua volta, desen-

volvendo paralelamente o aspecto neurológico. O bebê tenta alcançar objetos, observa os adultos e suas ações e imita. O andador força a criança a pular várias dessas etapas essenciais para o desenvolvimento. Ela, por exemplo, não deixa a criança experimentar os “tombinhos” naturais do início do aprendizado do caminhar e, assim, a aquisição do equilíbrio é limitado e pode ainda deformar a estrutura óssea da perna. Por pular etapas, o andador atrasa o início da marcha. Se o bebê é pequeno para o andador, usará somente as pontas dos pés para movimentar-se, o que poderá causar alguns problemas além do atraso da marcha, como alteração óssea. Falsa liberdade - A sensação de liberdade que o andador oferece é ilusão. O andador não deixa a criança explorar adequadamente o espaço que está. Um simples objeto no chão e que desperte a atenção do bebê passa a se tornar algo inalcançável para o pequenino, pois o andador não ofe-

rece condições para que ele pegue e conheça a peça. Já o bebê que não usa o andador poderá sentar-se no chão, engatinhar ou ir se apoiando nos móveis até chegar ao objeto desejado. Lembrese: enquanto manuseia objetos e brinquedos, o bebê está desenvolvendo seu cérebro. Veja como uma coisa puxa outra. O que pode ocorrer também com as crianças que usam o andador é a falta de estímulos pelos pais. Como a criança gosta do andador por movimentar mais rápido, ficam quietinhas e brincam sozinhas e são “esquecidas” pelos pais. A falta de estímulo pode causar uma deficiência no desenvolvimento neurológico. Os acidentes que podem provocar graves lesões nas crianças são outro problema relacionado ao uso do

andador. Os acidentes mais comuns são os tombos quando as crianças usam os pés para se impulsionarem para trás e batem a cabeça e as quedas em degraus. De tão prejudiciais e perigosos para as crianças, a venda de andadores em países como o Canadá já é proibida. O uso do andador compromete muito o desenvolvimento global das crianças. Os pais devem pensar nas conseqüências do andador antes de comprá-los. Não há criança normal que deixou de aprender a andar por falta do andador. Existe um outro modelo de andador que é mais indicado e sem restrições, que são os andadores de empurrar, aqueles onde a criança utiliza-o apenas para apoiar-se, como se estivesse empurrando um carrinho de supermercado.

Fonte http://guiadobebe.uol.com.br/bb1ano/andador_um_atraso_na_vida_dos_bebes.htm Paula Ramos Piovezani Acadêmica em Educação Física


PARA REFLETIR

Eloisa C. Silva Souza- Psicóloga CRP Nº100470

PSICOLOGIA

Como está sua saúde mental?

SANTOS BRASILEIROS

Irmã Dulce, mãe dos pobres

para dentro de nós e percebermos as grandes coisas que podemos conseguir se equilibrarmos nosso corpo e nossa mente. Assim como seu corpo, sua mente também precisa se refazer das atividades realizadas diariamente. O relaxamento é um método que permite diminuir as tensões musculares e psicológicas acarretadas no nosso dia-a-dia. A interação do físico e mental produz um bem estar global, ajudando no controle emocional diante das situações cotidianas.

Constantemente venho sendo surpreendida com perguntas como: É normal me esquecer das coisas com facilidade? Tenho dor de cabeça constante, porque será? Ou ainda, parece que tenho um

paralelepípedo nas costas diariamente, o que será? Muito bem meus amigos(as), muitas das vezes na necessidade de pertencemos ao externo e tudo o que ele nos proporciona esquecemos de olhar

Confira alguns métodos: Pode-se começar pelo relaxamento mental: as técnicas se baseiam na sugestão. Também podemos aprender alguns exercícios que possibilitem nosso relaxamento muscular. Quais são as indicações: Nos casos de estresse, ansiedade, fobias ou problemas psicossomáticos. No tratamento de dores crônicas. No preparo para o parto e até mesmo antes de participar de uma competição.

Confira algumas técnicas: * Sentir-se dentro de uma bolha. (2 minutos diários) Se você se sente contrariado, irritado, estressado. Instale-se confortavelmente em uma poltrona, seja em casa, no trabalho, e pratique esse exercício, concebido por neurologistas: Imagine-se dentro de uma grande bolha de sabão, depois de preenchê-la totalmente, pouco a pouco, de luz (azul ou violeta) e sons ( canto de pássaros, barulho de água, ou músicas orquestradas) relaxantes. Efeito calmante garantido. * Relaxar os pés cansados ( 3 minutos diários) Em posição sentada, colocar um cabo de vassoura no chão, na sua frente. Apóie seus pés no cabo e role lentamente para frente e para trás, toda a extensão do pé. Também é indicado um escalda pés que pode ser feito em casa com ervas aromáticas. Amasse a folha de manjericão, alecrim ou hortelã e coloque água morna e, em seguida deixe seus pés descansando. * Relaxamento muscular ( 2 minutos diários) Essa é uma excelente técnica que ameniza a dor e ajuda a retomar o controle do corpo. O método de relaxamento mais utilizado é o tipo progressivo, que consiste em tencionar e depois relaxar os principais grupos de músculos, iniciando-se nos pés e repetindo os movimentos lentamente até chegar à cabeça. Essa técnica certamente irá reduzir a tensão do corpo e aliviar a dor rapidamente.

* Os bons pontos para se descontrair ( 3 minutos diários) Se você se sente ansioso. Forme uma concha com sua mão esquerda, e depois, com o polegar direito, apóie sobre o ponto situado no centro da palma, correspondente ao plexo solar. Se você tem dificuldade em pegar no sono Comprima o ponto localizado na face externa do antebraço, logo acima da proeminência óssea do punho. Se você está com dor de cabeça provocada pelo estresse. Comprima levemente o osso que se encontra abaixo do arco da sobrancelha: faça uma ligeira pressão com a ponta do polegar e o indicador. * Acordar docemente ( 7 minutos) Antes de dormir, programe seu rádio relógio para uma estação de músicas clássica ou relaxantes. Acorde, escute a música e se espreguice durante uns 5 minutos.. Você vai acordar com mais disposição e bom humor para o dia todo. Você e todas as pessoas precisam dormir para repousar e precisam ter um tempo para o lazer. As horas de lazer devem ser aproveitadas para realizarmos as atividades que mais gostamos: ler, ouvir música, assistir TV, meditar .Desse modo, nossa mente se distrai e descansa.

EXPEDIENTE Direção e Administração Paroquial: Pe. Wagner da Silva Navarro Conselho Editorial: Cido e Beth, Diogo e Danielli Dep. Comercial: Sebastião e Ana 4441-8022 Contato Paróquia: 4605-4868 Produção gráfica e editoração Calheiros e Ribeiro Serviço de Editoração Ltda - Me Projeto Gráfico e Direção de arte: Ronaldo Calheiros - 4441-3266

“A Paróquia” é uma publicação da Pastoral da Comunicação da Paróquia Santa Rita de Cássia

Irmã Dulce, que ao nascer recebeu o nome de Maria Rita de Souza Brito Lopes Pontes, era filha de dentista Augusto Lopes Pontes e de Dulce Maria de Souza Brito Lopes Pontes Aos 13 anos, depois de visitar áreas carentes, acompanhada por uma tia, ela começou a manifestar o desejo de se dedicar à vida religiosa. Em 8 de fevereiro de 1993, logo após se formar professora, Maria Rita entrou para a Congregação das Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição de Mãe de Deus, na cidade de São Cristovão, Sergipe. Em 15 de agosto de 1934, aos 20 anos de idade, foi ordenada freira, recebendo o nome de Irmã Dulce, em homenagem à sua mãe. Em 1936, ela fundou a União Operária São Francisco. No ano seguinte, abriu o Círculo Operário da Bahia, construído através de doações. Em Maio de 1939, irmã Dulce inaugurou o Colégio Santo Antônio, voltado para os operários e seus filhos. Em 1998, irmã Dulce foi indicada pelo então presidente José Sarney, com o apoio de rainha Silvia da Suécia, para o Prêmio Nobel da Paz. Oito anos antes, no dia 7 de Julho de 1980, Irmã Dulce ouviu o Papa João Paulo II, na sua primeira visita ao país, o incentivo para prosseguir com sua obra. E os dois voltariam a se encontrar em 20 de Outubro de 1991, na segunda visita do Papa ao Brasil, quando João Paulo II, fez questão de ir ao Convento Santo Antônio visitar a Irmã Dulce, já bastante enferma. Cinco meses depois, no dia 13 de Março de 1992, Irmã Dulce, morreu, pouco antes de completar 78 anos. O Papa Bento XVI assinou em 3 de abril de 2009 o decreto que reconhece a vida de “virtude heróica” da religiosa baiana. Tal reconhecimento é etapa fundamental no processo de beatificação da religiosa brasileira. Segundo informações da Sala de Imprensa do Vaticano, Bento XVI recebeu em audiência privada o prefeito da Congregação para as Causas dos Santos, dom Ângelo Amato, e autorizou a promulgação dos decretos que reconhecem as virtudes heróicas de Irmã Dulce e outras nove pessoas. Com o decreto, ratifica a decisão tomada por unanimidade pelo colegiado da Congregação para a Causa dos Santos, do Vaticano, em 20 de janeiro de 2009, permite que a Irmã Dulce seja chamada de “Venerável Dulce”. Em visita ao Brasil, o postula dor da causa da beatificação da religiosa, frei Paulo Lombardo, destacou que a aprovação do título de “Veneração” seria a etapa “mais importante e mais difícil do processo de canonização”. “Com esta declaração, o papa reconhece a santidade de vida da Irmã”, disse o frei


A Paróquia - edição 40 - agosto de 2010  

Informativo da Paróquia Santa Rita de Cássia