Page 1

UNbloo Aplicação Interativa de Leitura Guião técnico da aplicação.

Rúben Caixinha 36452 DESIGN MULTIMÉDIA | 2º ANO | 2016-2017 | DESIGN DE INTERAÇÃO I I UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR | FACULDADE DE ARTES E LETRAS


Introdução Conceito Esta aplicação tem como função proporcionarao utilizador a procura pelo espaço físico degradado, antigo, abandonado (associado ao horror, ainda que deuma perspetiva mais branda) e por consequência ter oobjetivo de captar fotografias de forma mais artística possívelde modo a desbloquear capítulos do conto The Bloody Chamber de Angela Carter. A aplicação contém ainda um chat de partilha de obras pessoais.

Referências:

Como tal recorreu-se a diversos aspetos como: - Escolha de locais estratégicos e seguros através de uma rota (Estudo em cidades); - Uso de um mapa interativo que reconhece o utilizador permitindo ao mesmo poder acompanhar o percurso ao deslocar-se - Um menú geral para tudo o que é aplicado: Galeria, Perfil pessoal, Mapa, Ligação à rede e Chat. - Procura de interatividade entre o espaço físico dos sítios definidos e o espaço psicológico da obra através da leitura e da obrigatoriedade de deslocação

DESIGN MULTIMÉDIA | 2º ANO | 2016-2017 | DESIGN DE INTERAÇÃO I I UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR | FACULDADE DE ARTES E LETRAS


Processo Conceito Criação do logótipo

Unblocking

Bloody

U Livro aberto

UNbloo

UNbloo

Resultado Final:

UNbloo

UNbloo DESIGN MULTIMÉDIA | 2º ANO | 2016-2017 | DESIGN DE INTERAÇÃO I I UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR | FACULDADE DE ARTES E LETRAS


Processo Conceito Cor - Tipografia - Ícones

Tipografia

Walkway Bold Walkway Bold

Cor

Ícones

DESIGN MULTIMÉDIA | 2º ANO | 2016-2017 | DESIGN DE INTERAÇÃO I I UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR | FACULDADE DE ARTES E LETRAS

Myriad Pro MYRIAD PRO


Design Aplicação UNbloo Página Inicial

10:40 PM

10:40 PM

80%

80%

UNbloo Parte à descoberta e desbloqueia creativamente o conto Bloody Chamber de Angela Carter.

UNbloo

Cria a tua Conta Já tens conta ?

Começar

LOG IN

O utilizador ao aceder á página principal apenas dispõe duas opções: Criação de Conta e Log In, de forma a poder aceder ao menú geral de opções.

DESIGN MULTIMÉDIA | 2º ANO | 2016-2017 | DESIGN DE INTERAÇÃO I I UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR | FACULDADE DE ARTES E LETRAS


Design

Aplicação UNbloo Registo - Log In

10:40 PM

80%

Página de Registo O utilizador tem a opção de criar o seu registo através do seu e-mail e inserindo um Nome de Utilizador e respetiva password.

Cria a tua Conta

Regista-te

Utilizador

Ruben6 10:40 PM

E-mail

80%

ruben3764fb@gmail.com

Password

Repetir Password

LOG IN

E-mail

ruben3764fb@gmail.com

Password

Página de Log In: Permite ao utilizador já registado aceder ao menú principal da aplicação. Só o Log In ou ou Registo permite a navegação na aplicação(Obrigatório).

DESIGN MULTIMÉDIA | 2º ANO | 2016-2017 | DESIGN DE INTERAÇÃO I I UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR | FACULDADE DE ARTES E LETRAS

Faz Log In


Design

Aplicação UNbloo Menú Principal - Perfil

10:40 PM

Meu Perfil 10:40 PM

80%

Minha História 10:40 PM

80%

Ruben6

Ruben6

Minha Galeria

Mapa

Registado

Registado

Chat

7

10%

80%

2

carregar fotografia

LIgação

Escolhe a tua cor:

10%

7

2

carregar fotografia

Página Perfil A opção de perfil permite ao utilizador criar um perfil básico, tendo este a opção de escolher a cor de perfil e aceder ao albúm de fotografias do telemóvel pessoal, de modo a carregar uma foto de perfil.

DESIGN MULTIMÉDIA | 2º ANO | 2016-2017 | DESIGN DE INTERAÇÃO I I UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR | FACULDADE DE ARTES E LETRAS


Design

Aplicação UNbloo Menú Principal - Perfil

10:40 PM

80%

10:40 PM

80%

Ruben6

Minha História

Meu Perfil

Registado

Minha Galeria

Mapa

10%

Chat

7

2

LIgação carregar fotografia

Link de acesso ao albúm/galeria do telemóvel pessoal, de modo ao procedimento de uso de foto de perfil.

Link de escolha da cor de perfil Opção que acede à galeria

DESIGN MULTIMÉDIA | 2º ANO | 2016-2017 | DESIGN DE INTERAÇÃO I I UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR | FACULDADE DE ARTES E LETRAS


Design

Aplicação UNbloo Minha História

10:40 PM

Meu Perfil 10:40 PM

80%

Minha História 10:40 PM

80%

80%

CAPITULO 2

MINHA HISTÓRIA Minha Galeria

Mapa

Chat

LIgação

1º Cap. 2º Cap. 3º Cap.

A teenage girl marries an older, wealthy French Marquis, whom she does not love. When he takes her to his castle, she learns that he enjoys sadistic pornography and takes pleasure in her embarrassment. She is a ta ner, hears her music and falls in love with her. The woman's husband tells her that he must leave on a business tripto New York and forbids her to enter one particular room whilehe is away. When he leaves she feels sad and lonely and telephones hermother. The woman's husband tells her that he must leave on a business tripto New York and forbids her to enter one particular room whilehe is away. When he leaves she feels sad and lonely and telephones hermother.

4º Cap. 5º Cap. 6º Cap.

Link de acesso ao respetivo capítulo consoante o desbloqueio

Link de acesso à galeria pessoal do perfil da aplicação

DESIGN MULTIMÉDIA | 2º ANO | 2016-2017 | DESIGN DE INTERAÇÃO I I UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR | FACULDADE DE ARTES E LETRAS


Design

Aplicação UNbloo Mapa de Navegação

10:40 PM

80%

80%

10:40 PM

Fundão, Castelo Branco, Portugal

Aldeia de Joanes

Meu Perfil

Minha História

Minha Galeria

Mapa

Capitulo 9

Capitulo 7

Parque de Campismo Quinta do Convento

Capitulo 2

Capela de Nossa Sra do Seixo Capitulo 5

Chat

LIgação

Opção de ajuda - O utilizador encontra aqui o a descrição do objetivo e o método de desbloqueamento de capítulos.

Opção de fotografia - O utilizador usa esta opção para aceder à câmara fotográfica a partir do momento em que a aplicação faz o reconhecimento do local automaticamente.

DESIGN MULTIMÉDIA | 2º ANO | 2016-2017 | DESIGN DE INTERAÇÃO I I UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR | FACULDADE DE ARTES E LETRAS


Design

Aplicação UNbloo Mapa de Navegação

80%

10:40 PM

80%

10:40 PM

Fundão, Castelo Branco, Portugal

Fundão, Castelo Branco, Portugal

Aldeia de Joanes

Aldeia de Joanes

Capitulo 9

Capitulo 9

Capitulo 7

Capitulo 7

Parque de Campismo Quinta do Convento

Capitulo 2

Capela de Nossa Sra do Seixo

Parque de Campismo Quinta do Convento

Capela de Nossa Sra do Seixo Capitulo 5

Capitulo 5

Capítulos referentes á história ( fragmentos do conto )

Reconhecimento automático do local

DESIGN MULTIMÉDIA | 2º ANO | 2016-2017 | DESIGN DE INTERAÇÃO I I UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR | FACULDADE DE ARTES E LETRAS

Capitulo 2


Design

Aplicação UNbloo Mapa de Navegação

80%

10:40 PM

80%

10:40 PM

Fundão, Castelo Branco, Portugal

Fundão, Castelo Branco, Portugal

Aldeia de Joanes

Aldeia de Joanes

Capitulo 9

Capitulo 9

Capitulo 7

Capitulo 7

Parque de Campismo Quinta do Convento

Parque de Campismo Quinta do Convento Capitulo 2

Capela de Nossa Sra do Seixo Capitulo 5

Capitulo 2

Capela de Nossa Sra do Seixo Capitulo 5

Quinta do Convento Fundão Capitulo 5

O menú de fotografia permite ao utilizador aceder à câmara fotográfica e como tal escolher 5 obras o mais artísticas possível. O utilizador dispôe de duas opções para o caso de a foto nao agradar.

DESIGN MULTIMÉDIA | 2º ANO | 2016-2017 | DESIGN DE INTERAÇÃO I I UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR | FACULDADE DE ARTES E LETRAS


Design

Aplicação UNbloo Mapa de Navegação

80%

10:40 PM

80%

10:40 PM

Fundão, Castelo Branco, Portugal

Fundão, Castelo Branco, Portugal

Desbloqueaste o Aldeia de Joanes

Tens comodeobjetivo alcançar todos os Aldeia Joanes capítulos do conto, e como tal liga-te à rede e o mapa sincroniza a tua posição.

Capítulo 5 !

A opção UnBloo desbloqueia automaticamente ao selecionares e em seguida acedes ao menú de fotografia.

Capta agora as tuas melhores obras. Capitulo 9

Capitulo 9

Capitulo 7

Capitulo 7

Parque de Campismo Quinta do Convento

Capitulo 2

Parque de Campismo Quinta do Convento

Capela de Nossa Sra do Seixo

Capela de Nossa Sra do Seixo Capitulo 5

Após o reconhecimento do local a opção da fotografia é automaticamente desbloqueada e o utilizador cumpre então o objetivo.

DESIGN MULTIMÉDIA | 2º ANO | 2016-2017 | DESIGN DE INTERAÇÃO I I UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR | FACULDADE DE ARTES E LETRAS

Capitulo 5

Capitulo 2


Design

Aplicação UNbloo Chat

80%

10:40 PM

80%

10:40 PM

Ruben6

Ruben6 10%

7

2

10%

Quinta do Convento Fundão

à 22 minutos.

11

21

Capitulo 2

11

21

Capela N. Senhora do Seixo, Fundão

Capela N. Senhora do Seixo, Fundão

à 40 minutos.

à 40 minutos.

6

15

Opção de partilha

Excelente

2

Quinta do da Convento Quinta Raposeira, Fundão Fundão

Capitulo 2

à 22 minutos.

Capitulo 2

7

Bom

DESIGN MULTIMÉDIA | 2º ANO | 2016-2017 | DESIGN DE INTERAÇÃO I I UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR | FACULDADE DE ARTES E LETRAS

6

O chat permite ao utilizador carregar as suas obras e partilhà-las com a opção de partilha

15


Design

Aplicação UNbloo Chat

Expansão de página

80%

10:40 PM

80%

10:40 PM

Quinta Vale Jardim Fundão

Ruben6

à 10 minutos.

10%

7

2 2

5

Quinta do Convento Fundão

Quinta do Convento Fundão

à 22 minutos.

à 22 minutos. Capitulo 2

Capitulo 2

11

Capela N. Senhora do Seixo, Fundão

21

Capela N. Senhora do Seixo, Fundão à 40 minutos.

à 40 minutos.

6

11

21

15

6

O utilizador tem a opção de fazer scroll e como tal seguir as obras de outros utilizadores.

DESIGN MULTIMÉDIA | 2º ANO | 2016-2017 | DESIGN DE INTERAÇÃO I I UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR | FACULDADE DE ARTES E LETRAS

15


Design

Aplicação UNbloo Chat

Quinta Vale Jardim Fundão

Quinta Vale Jardim Fundão

à 10 minutos.

à 10 minutos.

2

Capitulo 2

80%

10:40 PM

80%

10:40 PM

2

5

5

Quinta do Convento Fundão

Quinta do Convento Fundão

à 22 minutos.

à 22 minutos.

11

21

Capela N. Senhora do Seixo, Fundão

21

Capela N. Senhora do Seixo, CapelaFundão N. Senhora

Capitulo 5

do Seixo, Fundão

à 40 minutos.

à 40 minutos.

6 6

11

Capitulo 2

15

As fotos são publicadas numa espécie de mural e como tal o utilizador tem a opção de zoom ao clicar. O utilizador tem a opção de escolher entre o bom e o excelente.

DESIGN MULTIMÉDIA | 2º ANO | 2016-2017 | DESIGN DE INTERAÇÃO I I UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR | FACULDADE DE ARTES E LETRAS

15 6

15


Design

Aplicação UNbloo Galeria

80%

10:40 PM

MINHA GALERIA

80%

10:40 PM

MINHA GALERIA

Ruben6

+

+

Ruben6

+

+

Capitulo 1

Capitulo 2

Capitulo 3

Capitulo 1

Capitulo 2

Capitulo 3

Capitulo 4

Capitulo 5

Capitulo 6

Capitulo 4

Capitulo 5

Capitulo 6

O utilizador, na página da galeria, acede ás fotografias tiradas em jogo, e por consequência arrasta-as para a página pessoal da galeria. Dispõe também de vários ícones de capítulos, sendo esses links, para aceder ás 5 obras de cada capítulo em si.

DESIGN MULTIMÉDIA | 2º ANO | 2016-2017 | DESIGN DE INTERAÇÃO I I UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR | FACULDADE DE ARTES E LETRAS


Design

Aplicação UNbloo Galeria

80%

10:40 PM

80%

10:40 PM

MINHA GALERIA

MINHA GALERIA

Ruben6

Ruben6

+

+

+

+ Quinta da Raposeira, Fundão

Capitulo 2

Capitulo 1

Capitulo 2

Capitulo 3

Capitulo 1

Capitulo 2

Capitulo 3

Capitulo 4

Capitulo 5

Capitulo 6

Capitulo 4

Capitulo 5

Capitulo 6

DESIGN MULTIMÉDIA | 2º ANO | 2016-2017 | DESIGN DE INTERAÇÃO I I UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR | FACULDADE DE ARTES E LETRAS


Design

Aplicação UNbloo Aspetos fundamentais na elaboração da aplicação.

- Elaboração de uma base de dados com locais previamente definidos;

- Rota de capítulos em cada cidade aplicada à aplicação;

- Reconhecimento do local e da posição do utillizador através da ligação à Internet;

DESIGN MULTIMÉDIA | 2º ANO | 2016-2017 | DESIGN DE INTERAÇÃO I I UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR | FACULDADE DE ARTES E LETRAS


10 Jan - 8 Fev 2016

Cinemateca Portuguesa - Museu de Cinema Ciclo de Cinema

É do meu género

Erótico LAST TANGO IN PARIS, Bernardo Bertolucci, 1972 - IMPÉRIO DOS SENTIDOS, Nagisa Oshima, 1976 - EXÓTICA, Atom Egoyan, 1994 - SHAME, Steve Mcqueen, 2011 - BOOGIE NIGHTS, Paul Thomas Anderson, 1997 - BODY HEAT, Lawrence Kasdan, 1981 - HENRY AND JUNE, Philip Kaufman, 1990 - Belle de Jour, Luís Buñuel, 1967 - LA GRANDE BOUFFE, Marco Ferreri, 1973 LAS EDADES DE LULU, Bigas Luna, 1990 - INTIMACY, Patrice Chéreau, 2001 SHORTBUS, John Cameron Mitchell, 2006


Memória Descritiva Trata-se de uma procura pela harmonia do que é o conceito e os temas retratados nos filmes apresentados. Tal denota-se mais no tratamento da cor, relativamente à intensidade de que falam os temas e ao mesmo tempo tem como objetivo cativar o público com os seus tons de castanhos e sépias. O branco marca o tema fundamental da composição de modo a suavizar e a dar mais leveza e o jogo entre claro-escuro é bem patente na figura querendo claramente demarcar aquilo que mais se quer ver, neste caso a representação humana da composição que no fundo é o mais fundamental para que o conceito possa ser desenvolvido. A nível de tipográfico busca-se a simplicidade e delicadeza sobretudo no título principal em que a letra é serifada, enquanto letra não serifada representa os subtemas ainda que tenham outra paleta cromática procurando o texto ser apelativo. Há também uma procura pelo equilíbrio visual pelo facto da parte tipográfica se encontrar presente em sítios vazios do cartaz ou seja há uma procura de estruturar e compor visualmente de modo a haver proporção e de modo a ser mais cativante e fiável. Na sua composição o que mais é representado é a comparação entre o entrelaçar dos dedos nos pés com o entrelaçar entre duas espécies de sexos opostos. Por outro lado também é demarcado um cenário extremamente radical, exótico e sensual com um simples fumar de um cigarro, que é visto como um fetiche que é quase sempre representado dentro deste tema. O Sexo forte da composição trata-se evidentemente da mulher. Por fim destaque para o público-alvo e para a representação da Cinemateca Portuguesa na composição, implementado o logotipo num local superior e estratégico tendo em conta a tonalidade do fundo.

Rúben Miguel Caria Caixinha 36452 Design 1


DESIGN DE INFORMAÇÃO Universidade da Beira Interior Design Multimédia Trabalho de Infografia O Universo – A Primeira Viagem do Homem à Lua

Marco Cruz Sandro Santos Rúben Caixinha


Introdução ao Tema No âmbito do projecto de infografia para a disciplina de Design de Informação, o nosso grupo optou por realizar uma extensa pesquisa sobre a primeira viagem do Homem à Lua, acontecimento datado de 20 de julho de 1969 e que ficou marcada para sempre com a célebre declaração de Neil Armstrong: “Um pequeno passo para o homem, um salto gigantesco para a humanidade.”

Esta foi de facto uma data que mudou o rumo da história da humanidade. O mundo inteiro testemunhou à chegada do Módulo Lunar da Apollo 11 à Lua e aos primeiros passos do comandante Neil Armstrong e de Buzz Aldrin em solo lunar.

Neste projecto de infografia pretendemos ilustrar todo o percurso realizado pela Apollo 11 e pelos seus comandantes até ao culminar do acto de colocar da bandeira dos EUA na Lua. A infografia disponibilizará todos os passos do percurso juntamente com informações úteis e pertinentes sobre as fases deste evento histórico. Quanto ao presente documento, iremos ao longo das próximas páginas reunir informações de várias fontes credíveis sobre o tema, tal como notícias, artigos, opiniões, imagens simbólicas do evento, entre outras informações que usaremos como referências e inspirações para o nosso trabalho de infografia.

A infografia apresentará estes dados: •

Cronologia dos eventos;

Datas e registos históricos;

Curiosidades;

Controvérsias.

1


A incrível primeira viagem do homem à Lua (1969) No dia 20 de julho de 1969 o homem pisou pela primeira vez na Lua. Naquele domingo o comandante Neil Armstrong, de 38 anos, um tímido ex-piloto de testes de aviões americanos, escorregou na escada da pequena nave com a qual pousou na superfície lunar e por pouco não imprimiu ali a mão antes do pé. Entre 1957 e 1975, a rivalidade entre os Estados Unidos e a União Soviética durante a Guerra Fria focou-se em atingir pioneirismos na exploração do espaço, que eram vistos como necessários para a segurança nacional e símbolos da superioridade tecnológica e ideológica de cada país. A Corrida Espacial envolveu esforços no lançamento de satélites artificiais, viagens tripuladas à Lua, entre outros. Muito se especulou durante esse período e até hoje novas informações surgem. Em 2012, por exemplo, foi divulgado que os EUA planeavam detonar uma bomba atómica na Lua durante a Guerra Fria, como uma demonstração de força para a extinta União Soviética.

2


Fonte: http://www.editoracontexto.com.br/blog/a-incrivel-primeira-viagem-do-homema-lua-1969/

3


“Um pequeno passo para um homem, um salto gigantesco para a humanidade” Há precisamente 40 anos, Neil Armstrong tornava-se o primeiro ser humano a pisar o solo de um outro mundo. Perante os olhares da Terra inteira, o primeiro passeio lunar fez de 20 de Julho de 1969 um marco na história do século XX. O DN recordou como foi esse dia. Faltavam poucos minutos para o fim do dia 20 de Julho de 1969 quando, horas depois de ter alunado o Módulo Lunar (ML) em segurança, Neil Armstrong colocava finalmente um pé sobre a superfície lunar. O mundo inteiro via o momento pela televisão, através de uma câmara instalada no exterior do veículo, transformando em imagens as primeiras discrições da paisagem feitas, horas antes, por Buzz Aldrin logo após o momento em que o ML tocara no solo. Tinham sido tensos os momentos finais da descida. Reparando estarem longe do local previsto, e encaminhando-se para uma cratera de contornos rochosos, Neil Armstrong optara por conduzir manualmente os últimos instantes da viagem. Encontrado um local seguro, escolhido à vista, o comandante da Apollo 11 atingia o destino ao som de indicações sobre o combustível restante e as medições do altímetro. Ao avisar que a nave havia alunado (pelas 16.18), o mundo fazia a festa. Armstrong seria, horas depois, o primeiro a pisar o solo lunar e a enunciar a frase que a história imortalizou (que dá título a esta página). Coube a Aldrin a primeira descrição da paisagem logo após a alunagem. "Parece uma colecção de todas as variedades de formas, angulosidades e granularidades", revelava. "Parece não haver cor. É cinzento, e é um cinzento muito como se fosse giz", refere ao contemplar o espaço em volta. Conta as crateras, e soma mais de cem nas imediações. Seis horas e meia depois Armstrong descia do ML. Adrin juntava-se a ele 15 minutos depois. Nas perto de duas horas de passeio lunar efectuaram experiências científicas, tiraram fotografias e registaram observações naquele que foi a primeira visita de seres

4


humanos a um outro mundo. E assim faziam de 20 de Julho de 1969 uma data de referência na história do século XX. Fonte: https://www.dn.pt/ciencia/interior/um-pequeno-passo-para-um-homem-umsalto-gigantesco-para-a-humanidade-1312455.html

5


Homem pisa a lua pela primeira vez No dia 20 de julho de 1969, a humanidade deu, literalmente, um passo muito além das suas fronteiras terrestres quando pela primeira vez um homem homem pisava na Lua. O feito do astronauta norte-americano Neil Armstrong e do seu colega Buzz Aldrin foi transmitido ao vivo para 100 milhões de pessoas. Foram, ao todo, duas horas e 45 minutos de caminhada pela Lua. Ao pisar na superfície lunar, Armstrong proferiu a famosa frase: "Este é um pequeno passo para o homem e um salto gigantesco para a humanidade". Ao todo, os dois astronautas ficaram 21 horas no satélite. Os dois aproveitaram a sua estadia na Lua para fincar a bandeira dos Estados Unidos, recolher cerca de de 22 kg de material e tirar fotos. Ambos pousaram numa região chamada Mar da Tranquilidade, a bordo do módulo lunar Eagle. Esta missão de grande sucesso havia começado no dia 16 de julho, quando o foguete Saturno V foi lançado do Centro Espacial Kennedy, na Flórida, transportando a espaçonave Columbia. A tripulação era formada pelo comandante Neil Armstrong, Michael Collins (piloto do módulo de comando) e Edwin "Buzz" Aldrin (piloto do módulo lunar). A Apollo 11 retornou à Terra no dia 24 de julho a uma velocidade de 11.031 metros por segundo e pousou no Oceano Pacífico. Os três astronautas ainda precisaram de ficar em quarentena para evitar que trouxessem algum tipo de micróbios do espaço. Depois, viraram celebridades mundiais e escreveram para sempre os seus nomes na história. Fonte: https://seuhistory.com/hoje-na-historia/homem-pisa-pela-primeira-vez-na-lua

6


Primeira viagem à Lua – Dados e factos históricos Em 20 de julho de 1969, Neil Armstrong e a sua equipa colocavam os pés pela primeira vez na Lua. E ali se concretizava um dos maiores sonhos da humanidade. 1. O Grande Dia No dia 20 de julho de 1969, domingo, Neil Armstrong, na época, um piloto de testes de aviões e seu companheiro de viagem Edwin Aldrin, piloto de jatos da força aérea dos EUA, ambos com 38 anos, pisaram pela primeira vez na Lua. A viagem foi feita através da nave Apollo 11, que mais tarde cedeu o nome ao evento que foi o maior espetáculo da história humana documentada.

2. Nave Estava enfim preparado o caminho para a Apolo 11, uma pequena nave de 45 toneladas, composta de um módulo de comando, serviço e lunar. Ela foi lançada no bico do maior foguete já construído, o Saturno 5, de três estágios e 110 metros de altura, mais alto do que um edifício de 35 andares. 3. Partida A saída da Terra se deu no dia 16 de julho do mesmo ano. Um milhão de pessoas acompanharam o espetáculo com câmeras e binóculos no Cabo Canaveral, que mais tarde, passou a ser chamar Cabo Kennedy, onde ocorrem até hoje a maioria dos lançamentos espaciais americanos. 4. Há Tempos Aquela viagem tinha sido planeada desde o final da II Guerra em 1945. Os vencedores, Estados Unidos e União Soviética, começaram a disputar a famosa corrida espacial. A União Soviética saiu na frente com o lançamento do primeiro satélite artificial, Sputnik.

7


Em 12 de abril o russo Iúri Gagárin completou o primeiro vôo orbital tripulado e até então havia se tornado o primeiro humano a ver o planeta do espaço. Gagárin informou: "A Terra é azul." E então o líder soviético Nikita Kruschev lançou o desafio: "Que os países capitalistas tentem alcançar-nos". Os americanos aceitaram. 5. “Frango Assado” Durante o trajeto, os astronautas usaram uma técnica para impedir que metade da nave - a que estava voltada para o Sol - literalmente torrasse e a outra se congelasse. Com uma leve ignição dos foguetes auxiliares, eles faziam-na girar lentamente em seu próprio eixo, como um frango assado no espeto. Com o auxílio do computador de bordo, a Apolo executava um movimento de rotação de 3 décimos de grau por segundo, o que significava uma volta completa a cada 20 minutos, para que o calor e o frio se distribuíssem de maneira uniforme por toda a sua superfície. 6. Luna Dois dias antes da partida do Apollo 11, uma nave soviética, a Luna 15, perdeu-se em algum lugar entre o planeta e o satélite. Mas a nave não era tripulada. Até hoje não se sabe o que aconteceu com a Luna. 7. Combustível Assim que Armstrong posou na Lua faltavam menos de 30 segundos para que o combustível da nave acabasse. 8. Frase "Este é um pequeno passo para o homem, um gigantesco salto para a humanidade". Esta frase foi proferida por Armstrong e ficou marcada como a frase-símbolo da conquista do Cosmo.

8


9. Bandeira Uma das fotos mais famosas do evento é esta com a bandeira do EUA tremulante. Como pode balançar se não existe vento na Lua? Segundo à NASA isso se deu ao vento solar existente. Mas, será que o Vento Solar tem a capacidade de balançar uma bandeira com tamanha força? 10. Saudações Os dois astronautas passaram 2 horas e 10 minutos na Lua. Juntamente com eles havia uma placa comemorativa. Armstrong então leu em voz alta: "Aqui, homens do planeta Terra pisaram na Lua pela primeira vez. Nós viemos em paz, em nome de toda a humanidade". O texto levava a assinatura dos três tripulantes e a do presidente Richard Nixon que os parabenizou ao vivo da Casa Branca através do rádio de comunicação. A dupla ainda ficou a bandeira do Estados Unidos no solo lunar. 11. Transmissão Cerca de 850 jornalistas de 55 países, falando 33 línguas diferentes, registraram o acontecimento. Cerca de 1 bilhão de pessoas (uma em cada 4 pessoas) viram pela TV quando, às 23:56h do dia 20, o comandante Armstrong, ergueu o pé esquerdo e marcou o solo da Lua. 12. Acontecimento Passados vinte anos, nunca mais houve um acontecimento na história da conquista espacial de impacto comparável à ida na Lua, à exceção da tragédia da Challenger em janeiro de 1986. A ida à Lua, vista na perspectiva do tempo, representa acima de tudo o triunfo da vontade humana. 13. Contaminação Após oito dias sem tomar banho, os tripulantes vestiram um traje à prova de contaminação antes de descer da nave aqui na Terra. Era uma precaução para que

9


nenhum possível micro-organismo lunar prejudicial aos terrestres entrasse em contato. Após isso ficaram em quarentena por alguns dias. 14. Controvérsias Há quem duvide da ida do homem à Lua. Muita gente acha que toda a população foi enganada e que os EUA fizeram isso apenas para impressionar a União Soviética. Algumas fotos foram acusadas de ser fraudes e foram reproduzidas aqui mesmo na Terra. 15. Pegada A foto da pegada também é contraditória. Para que se forme no solo uma pegada tão bem definida com esta, é necessário umidade no ar. Na Lua não existe ar e muito menos umidade. A pegada se desmancharia logo após o astronauta tirar o pé do solo. 16. Pés do Módulo Os pés do módulo que pousou na Lua parece não afundar o solo areado, mesmo o transporte pesando toneladas, enquanto o pé do astronauta ficou claramente afundado e marcado na poeira lunar.

17. Iluminação O britânico David Percy, fotógrafo profissional, expõe como argumento que a iluminação das fotografias das missões Apollo só se poderiam conseguir num estúdio da Terra. Também diz ter um informador da Nasa, que filtrou informações sobre a fraude. Outros afirmam que a Nasa não contava com o tempo suficiente para desenvolver a tecnologia que poderia levar os homens a Lua. A isto soma-se outra duvida: por que não voltaram a enviar outra missão?

10


18. Ausência de Luz No início da foto, já há evidências de fraude. Esta é a foto de abertura da página e é a que foi encontrada o maior número de direções de sombras. Para ficar mais fácil a visualização das direções das sombras, foi desenhada uma reta vermelha para cada direção encontrada. Há, no mínimo, 4 direções diferentes de sombras, num local onde a única fonte de luz é o Sol e todas as sombras deveriam estar numa mesma direção. E não há desculpa de se ter tirado a foto com ausência de luz solar (noite, na Lua) se recorrendo ao uso de uma iluminação artificial, pois, no fundo esquerdo da foto, há incidência de luz solar, de cima para baixo, no Módulo Lunar. 19. Sombra Veja mais uma foto que mostram sombras em mais de uma direção. Mais um detalhe: o que são as luzes existentes no canto superior esquerdo destas fotos? A NASA afirma que não se trata de iluminação artificial são apenas brilhos que incidem nas lentes da câmera fotográfica e os refletem no fundo do interior da câmera, causando este "defeito visual" no filme, também encontrado em diversas outras fotos. Agora, note como são perfeitas as definições de sombra na roupa do astronauta Edwin Aldrin sendo que, na Lua, não há refração da luz. Ou seja, não existe penumbra.

11


20. Sol Esta outra foto foi tirada totalmente contra a direção do Sol. Se fosse aqui na Terra, a foto sairia queimada. Na Lua, a foto queimaria mais ainda, já que não há atmosfera e a luz do Sol entra com mais rigor.

21. Estrelas Outro ponto que torna a história ainda mais controvérsia é a falta de estrelas no fundo das fotos. A Lua não possui atmosfera, isso faria com que as estrelas tivessem um brilho intenso no satélite, mas em nenhuma foto as estrelas apareceram. Segundo a NASA, as estrelas foram ofuscadas pelo intenso brilho do Sol.

22. Perguntas Soltas Ainda muitas perguntas ficam e ficarão soltas para serem respondidas:

1) Como conseguiram manter no espaço as baterias durante tanto tempo sem uma fonte para recarregá-las?

2) Pelo tamanho do Módulo Lunar, dificilmente continha combustível suficiente para colocá-lo em órbita. Como foi feita essa operação?

3) O homem só teria ido à Lua por seis vezes, exatamente durante a gestão de Richard Nixon, num prazo de três anos. Após isso, nunca mais o homem teria voltado à Lua. Porquê? Fonte: https://www.mensagenscomamor.com/primeira-viagem-lua

12


Notas finais A infografia que iremos realizar será baseada no estilo do último texto que exibimos neste documentos, com uma espécie de cronologia detalhada do evento e com as respectivas informações essenciais. Como aspecto adicional, iremos também adicionar as controvérsias em relação à questão que ainda hoje permanece: será que o homem foi de facto à Lua? O nosso objectivo com esta infografia é dar uma visão completa e ampla de todo o processo e permitir que cada leitor tire as suas próprias conclusões e decida se acredita ou não na veracidade do evento.

13


LABORATÓRIO MULTIMÉDIA II 2ºSEMESTRE | DESIGN MULTIMÉDIA 2016 | 2017 DOCENTE: ÁGUEDA SIMÓ

TRABALHO CHROMA KEY

SANDRO SANTOS 35191 MARCO CRUZ 35205 RÚBEN CAIXINHA 36452 ANDRÉ LOPES 36489 FRANCISCO COSTA 35475


MEMÓRIA DESCRITIVA Como espaço de gravação do trabalho Chroma Key, usámos o estúdio de televisão da Universidade da Beira Interior. Para a filmagem usámos 1 câmara Nikon D3300, objetiva de 18-55 mm 1:3:5 – 5,6G e um tripé Hama Star 63. Comecámos por ter algumas dificuldades na definição do tema para o Chroma Key, mas acabámos por definir o conceito de uma personagem com “poderes”. Sempre que essa personagem toca noutras personagens do vídeo, o cenário altera-se, como que ocorre um teletransporte.


IMAGENS DE FUNDO UTILIZADAS – CHROMA KEY

Parada da UBI

Exterior do Estádio Old Trafford


IMAGENS DE FUNDO UTILIZADAS – CHROMA KEY

Red Light District

Interior do Estádio Santiago Bernabéu


IMAGENS DE FUNDO UTILIZADAS

Muralha da China


PROCESSO CHROMA KEY

Para iniciar o processo de Chroma Key, adicionámos o nosso vídeo filmado no estúdio e selecionamos os Efeitos de Vídeo (Video Effects) e adicionámos o Ultra Key ao vídeo.


PROCESSO CHROMA KEY

Com o “color picker” selecionámos o fundo verde para aplicar o Output Composite.


PROCESSO CHROMA KEY

Neste passo procedemos à modificação dos valores de Transparency, Highlight, Shadow, entre outros no Alpha Channel, de forma a colocarmos o fundo pronto para inserirmos as imagens.


STORYBOARD


Design II Identidade Visual Parte II Rúben Caixinha Nº36452

Design Multimédia


Cartรฃo de Visita

Dentro da Caixa

Dentro da Caixa

Rua Alexandre Tasso, nยบ456. 4990-111 Ponte de Lima 258521699 nekonekochan@neko.com www.dentrodacaixa.neko.com

Antรณnio Passos Dias Aguiar Mota


Papel de Carta

Morada: Rua Alexandre Tasso, nÂş456. Ponte de Lima, 4990-111

www.dentrodaca

ixa.neko.com

.

Capital Social: 80.000â‚Ź NIPC: 500341890

Dentro da Caixa

nekonekochan@nek

o.com


Envelope

Morada: Rua Alexandre Tasso, nยบ456. Ponte de Lima, 4990-111

Dentro da Caixa

www.dentrodacaixa.neko.com


Cabeรงalho do Site - Componentes HOME

Dentro da Caixa

LOJA

CONTACTOS


Template de E-mail

Dentro da Caixa


Wallpaper

Dentro da Caixa


Memória Descritiva O aspecto mais fundamental na identidade visual apresentada é sem dúvida o jogo de cores que é patente apelando ás tonalidades do símbolo e relaccionando com cada fragmento do projeto. Optou-se pela simplicidade e pela geometrização das formas apelando também ao sentido decorativo uma vez que se trata de uma identidade ligada ao vestuário/moda. A geometrização é uma associação ao conceito de caixa/armário, já anteriormente referido e a simplicidade advém do animal, parte essencial para o correto funcionamento do conceito. Há também uma procura pela ideia de requinte nomeadamente no modo de organização de cada documento e no seu modo de estruturação/função.


Empresa: Dentro da Caixa


Conceito e processo de construção Atraves de um D, um ponto, um sete e três I’s descobre-se a forma fundamental do simbolo criado

D

O D é preenchido e consecutivamente cortado por I´s de caixa alta de modo a criar a forma geometrizada (seguindo a linha do sete) que representa a relação armário-caixa, espaço vazio e cheio

D D D O sete marca bem a silhueta de metade da face do animal representado neste caso o gato e os bigodes são sobrepostos levando um corte de outro I (disposto horizontalmente) em caixa alta na parte inferior


O efeito de cabide (relação com vestuário) foi criado a partir de um S em caixa alta fra gmentado, representando o Gancho e um J disposto quase na horizontal representando o segmento continuo do objeto

O pormenor marcado pela circunferencia faz referencia ao nariz do gato, apelando ao efeito visual da composição

Outros estudos:


Design II Identidade Visual Parte II Rúben Caixinha Nº36452

Design Multimédia


Assinatura

Dentro da Caixa


Assinatura versĂŁo a preto

Dentro da Caixa


Assinatura versĂŁo a negativo

Dentro da Caixa


Estudos

Dentro da Caixa

Dentro da Caixa

Dentro da Caixa


Assinatura com redução de escala

Dentro da Caixa

Dentro da Caixa

Dentro da Caixa

Dentro da Caixa

Dentro da Caixa


Memória descritiva e justificativa Trata-se de uma marca que tenta proporcionar harmonia e estética ao combinar três tonalidades cromáticas sendo que cada uma delas funciona muito na base do apelar ao conceito que é transmitido. O azul tem um tom escuro que apela ao espaço fechado, nomeadamente fazendo referência á relação caixa/armário, simbolizando o habitat animal e o conceito de vestuário, mas também apelando á calma, serenidade e naturalidade que o azul transmite associando com a postura de um gato/felino (simbolo) . O verde aqui é associado à Natureza, ao lado animal, e daí o tom selvagem do próprio verde. O publico alvo no fundo são animais e o verde transmite algo bastante natural como é o animal, parte fundamental e integrante da Natureza. Por fim visto que o comprador do produto, na maior parte dos casos, não todos, obdece a certos parâmetros específicos que os possa destinguir e posto isto pensou-se no bordô para a tipografia apelando ao lado mais requintado e glamoroso do produto. O tipo de letra usado nesta composição segue de acordo com a ideia de simplicidade e fluidez a nivel visual, alternando entre caixa-alta e caixa-baixa assim como na proporcionalidade/tamanho também. Destaque ainda para a posição da assinatura que procura o equilibrio com o simbolo visto que o simbolo em si denota alguma densidade a nivel de formas.


Universidade da Beira Interior Laboratório Hipermédia I

Projecto: Criação de história não-linear

Marco Cruz - 35205 Rúben Caixinha - 36452 Sandro Santos - 35191 Professor: Flávio Almeida


Introdução O nosso projecto de história não-linear consiste na criação de uma história baseada no jogo “Silent Hill”. Para este projecto, utilizámos o programa Twine e o formato específico Sugarcube 1.0.35. Para abrir o jogo, basta iniciar o ficheiro em HTML (Silent Fundao.html). O jogo funciona online e a fontes dos elementos multimédia funciona através de endereços online.


História do Jogo “O Pesadelo de Silent Fundão” Nesta história, três amigos partem de carro à aventura. A partir daqui, vão de encontro a uma cidade assombrada Silent Fundão. Ao se encontrarem dentro da cidade, ocorre uma série de eventos em que o jogador é guiado através de escolhas que vai ter que fazer para seguir vários caminhos diferentes. Elementos interactivos presentes na história: - Escolhas de caminhos; - Exploração do cenário; - Guardar itens no inventário; - Interacção entre persongens e monstros da cidade; - Puzzle que o jogador tem que realizar para avançar;


Imagens do Mapa


Imagens do Mapa


Imagens do Mapa


Importar Ficheiro para o Twine Com o Twine instalado, é possível verificar o mapa do nosso jogo directamente no programa. Após abrir o Twine, clicar em “Importar do Arquivo”, escolher o ficheiro HTML extraído (Silent Fundao). O ficheiro será aberto no programa com o mapa que desenhámos.


MultimĂŠdia utilizada no jogo UtilizĂĄmos os seguintes elementos multimĂŠdia no nosso jogo: Imagens editadas em JPEG/PNG:


MultimĂŠdia utilizada no jogo Imagens JPEG/PNG:


MultimĂŠdia utilizada no jogo Imagens JPEG/PNG:


MultimĂŠdia utilizada no jogo Fotografias em JPEG/PNG:


MultimĂŠdia utilizada no jogo Fotografias em JPEG:


MultimĂŠdia utilizada no jogo VĂ­deo filmado:

Ver vĂ­deo completo guardado junto do trabalho.


Universidade da Beira Interior LaboratĂłrio HipermĂŠdia I


LABORATÓRIO MULTIMÉDIA II 2ºSEMESTRE | DESIGN MULTIMÉDIA 2016 | 2017 DOCENTE: ÁGUEDA SIMÓ

MEMÓRIA DESCRITIVA REMAKE DE UMA CENA DO FILME - WHY HIM?

SANDRO SANTOS 35191 MARCO CRUZ 35205 RÚBEN CAIXINHA 36452 ANDRÉ LOPES 36489 FRANCISCO COSTA 35475


WHY HIM? Why Him? É uma comédia americana de 2016 dirigida por John Hamburg, escrita por Hamburgo e Ian Helfer, tendo como principais atores James Franco, Bryan Cranston, Zoey Deutch, Megan Mullally, Griffin Gluck e Keegan-Michael Key. Um encontro de férias ameaça sair dos trilhos quando Ned Fleming percebe que o namorado bilionário de sua filha no Vale do Silício está prestes a fazer a pergunta. O filme estreou em Los Angeles em 17 de dezembro de 2016, foi lançado pela 20th Century Fox nos Estados Unidos em 23 de dezembro de 2016 e arrecadou US $ 117 milhões em todo o mundo.


MEMÓRIA DESCRITIVA Como espaço da gravação escolhemos o Parque da Floresta – Serra da Estrela. Para a realização do remake da cena “Pink Panther” usámos 1 câmara Nikon D3300 com uma objetiva de 18-55 mm 1:3:5 – 5,6G. As nossas principais dificuldades residiram na parte da luta, que foi muito complicada tanto a nível da representação das personagens, como a nível da gravação para recriar os planos tal como na cena original. As diferenças de luz ao longo do tempo de filmagem também nos condicionaram bastante, pois nos planos, nota-se algumas diferenças e mudanças de luz. Apesar de tudo, este trabalho ajudou a melhorar claramente os nossos conhecimentos a nível de realização e edição de vídeo.


REMAKE DA CENA “PINK PANTHER” – WHY HIM?


CENÁRIOS – REMAKE

Movimento: Travelling

Movimento: Travelling

Movimento: Travelling/Panorâmica

Movimento: Plano Fixo

Movimento: Plano Fixo

Movimento: Plano Fixo


ANÁLISE DE PLANOS - REMAKE Cena 1

Plano: Médio Conjunto Ângulo: Lateral Ação: Personagens a conversar

Cena 2

Plano: Primeiro Conjunto Ângulo: Lateral Ação: Personagens a conversar

Plano: Médio Conjunto Ângulo: Lateral Ação: Aparece uma nova personagem e inicia-se uma luta


ANÁLISE DE PLANOS

Plano: Médio Ângulo: Lateral Ação: Luta desenrola-se

Plano: Primeiro Ângulo: Zenital Ação: Luta desenrola-se

Plano: Médio Ângulo: Frontal Ação: Luta desenrola-se; a personagem fica incrédula com a luta


ANÁLISE DE PLANOS

Plano: Médio Conjunto Ângulo: Contra Picado Ação: Luta desenrola-se

Plano: Primeiro Ângulo: Zenital Ação: Luta desenrola-se

Plano: Médio Conjunto Ângulo: Contra Picado Ação: Luta desenrola-se


ANÁLISE DE PLANOS

Plano: Médio Conjunto Ângulo: Picado Ação: Luta desenrola-se

Plano: Médio Conjunto Ângulo: Contra Picado Ação: A luta desenrola-se

Plano: Geral Conjunto Ângulo: Contra Picado Ação: A luta desenrola-se


ANÁLISE DE PLANOS

Plano: Primeiro Conjunto Ângulo: Lateral Ação: A luta desenrola-se

Plano: Médio Conjunto Ângulo: Picado Ação: A luta desenrola-se

Plano: Geral Conjunto Ângulo: Contra Picado Ação: A luta desenrola-se


ANÁLISE DE PLANOS Cena 3

Plano: Médio Ângulo: Contra Picado Ação: A luta desenrola-se com a personagem incrédula

Plano: Primeiro Conjunto Ângulo: Picado Ação: A luta desenrola-se

Plano: Médio Conjunto Ângulo: Contra Picado Ação: As personagens envolvidas na luta levantam-se e inicia uma nova cena


ANÁLISE DE PLANOS

Plano: Médio Conjunto Ângulo: Frontal Ação: As personagens envolvidas na luta levantam-se e inicia-se um diálogo entre as três personagens

Plano: Médio Conjunto Ângulo: Traseira Ação: Diálogo entre as três personagens

Plano: Médio Conjunto Ângulo: Lateral Ação: Diálogo entre as três personagens


ANÁLISE DE PLANOS

Plano: Médio Conjunto Ângulo: Lateral Ação: Diálogo entre as três personagens

Plano: Médio Conjunto Ângulo: Lateral Ação: Diálogo entre as três personagens

Plano: Médio Ângulo: Lateral Ação: Diálogo entre as três personagens


ANÁLISE DE PLANOS

Plano: Médio Conjunto Ângulo: Lateral Ação: Diálogo entre as três personagens

Plano: Médio Ângulo: Frontal Ação: Diálogo entre as três personagens

Plano: Médio Conjunto Ângulo: Lateral Ação: Diálogo entre as três personagens


ANÁLISE DE PLANOS

Plano: Médio Ângulo: Lateral

Plano: Primeiro Conjunto Ângulo: Lateral

Plano: Médio Ângulo: Lateral


STORYBOARD*

*Storyboard apresentado na proposta inicial


STORYBOARD


STORYBOARD


STORYBOARD


STORYBOARD

Casestudie  
Casestudie  
Advertisement