Issuu on Google+

Projeto Casa Walsh


John Pawson Arquiteto inglês nascido em 1949, em Halifax, Yorkshire. Depois de um período no ramo têxtil familiar partiu para o Japão, mais precisamente para para Tóquio, onde visitou o estúdio do arquiteto e designer japonês Shiro Kuramata. Inicia a sua formação como arquiteto apenas a partir dos 30 anos, na Architectural ssociation (AA). O centro do projeto da casa Walsh na estancia de esqui da cidade de Telluride é o seu contexto de formas de construção vernaculares. O lado de fora da escala da casa é enganosamente modesta: com janelas apenas na parede flanco no piso térreo, a existência de um segundo andar está escondida. As salas são no andar superior, para tirar proveito das vistas para a montanha através das janelas de vidro, enquanto que os quartos e wc são no piso térreo. A escolha dos materiais reflete a paleta local, com paredes de flanco de pedra colocada em cursos aleatórios, uma estrutura superior de madeira e telhado pontiagudo de metal.

22511_Sandra Espírito Santo_Laboratório Digital II


A sua obra é reconhecida como obra total, harmoniosa e tudo que parece mínimo parece máximo.

22511_Sandra Espírito Santo_Laboratório Digital II


Planta do piso 0

Planta do piso 1

22511_Sandra Esp铆rito Santo_Laborat贸rio Digital II

Cobertura


Alçado Frontal

Alçado Lateral Direito

22511_Sandra Espírito Santo_Laboratório Digital II


Alçado Posterior

Alçado Lateral Esquerdo

22511_Sandra Espírito Santo_Laboratório Digital II


Corte A

Corte B

22511_Sandra Esp铆rito Santo_Laborat贸rio Digital II


22511_Sandra Esp铆rito Santo_Laborat贸rio Digital II


Diz-se que menos é mais “Less is more” e os espaços adequam-se a um modo de vida que pretende ser simples, deixando que o fascínio se mostre na linearidade de uma parede nas texturas suaves de um piso, num espaço reservado para o espaço, e o vazio como uma espinha dorsal desta arquitetura que procura a sua essência. A ausência torna-se portanto numa virtude que aumenta a formalidade, a imaginação e o apetite, para criar novas sensações, com intervenções mínimas. É a arquitetura do silêncio, dos gestos subtis que procuram a cumplicidade dos seus ocupantes e do contexto em que estão inseridos.

22511_Sandra Espírito Santo_Laboratório Digital II


Casa Walsh