Issuu on Google+

Escola Básica Professor Alberto Nery Capucho

História com Asas Mistério em Quatro Patas

Projeto de Língua Portuguesa 2º Ciclo

2011/2012 1


História com Asas—Mistério em Quatro Patas

Ficha Técnica: Professoras responsáveis: Adélia Gameiro, Irene santos, Isabel Rodrigues e Tânia Cardoso Autores: alunos do 5º ano ( A,B,C,D,E,F,G) alunos do 6º ano ( A,B,C,D,E,F) Ilustrações: alunos de 5º e 6º ano capa : Francisca Ferreira, nº11, 5ºG

«A escrita da criança não resulta de simples cópia de um modelo

externo, mas é um processo de construção pessoal.»

Emília Ferreiro

2


História com Asas—Mistério em Quatro Patas

Mistério em Quatro Patas No primeiro fim de semana de outono de 2011 (que estava a ser invulgarmente quente), o Alberto decidiu dar um passeio até ao parque da cidade, com o seu querido cão Yuki. Brincaram os dois com a bola favorita do Yuki, vermelha às pintas amarelas. A dada altura, o Alberto, muito entusiasmado, mandou a bola com tanta força que, de repente, desapareceu por entre as árvores! - Ai! – gritou alguém, do outro lado. O Alberto, espantado e assustado, foi a correr ver de quem se tratava. Estava uma menina, estatelada no chão, com a mão na cabeça. - Estás magoada?- perguntou aflito o Alberto. - O que é que tu achas? Levei com uma bolada desgraçada na cabeça! Foste tu que a mandaste?- gritou a menina furiosa. - Pois fui… Desculpa, foi sem intenção! Sabes, estava a desafiar o meu cão e…entusiasmei-me…- explicou o Alberto. O Alberto, nessa altura, aproxima-se da menina e ajuda-a a levantar-se. Foi nesse momento que reparou que se tratava de uma menina realmente bonita. Tinha o cabelo curto, encaracolado, de um castanho muito claro. Os seus olhos verdes eram brilhantes e tristes, cheios de lágrimas. - Está bem, estás perdoado! Espero não ficar com um galo muito grande na cabeça! – riu-se a menina. - Olha, com gelo, isso já passa! – adiantou o Alberto. – Mas, já agora, como te chamas? Eu sou o Alberto, vivo aqui perto. - Eu sou a Vera, sou nova aqui, mudei-me para cá há pouco tempo! – exclamou a Vera.

3


História com Asas—Mistério em Quatro Patas Nesse momento, o Alberto reparou que o Yuki tinha desaparecido. Para onde teria ido? -Yuki…Yuki… onde te meteste? – gritou Alberto aflito. - Tem calma Alberto, nós vamos encontrar o teu cão – disse Vera. - Ok, fazemos assim: vamos a minha casa para colocares gelo na cabeça e depois, voltamos para procurar o meu cão. O que dizes? - Boa ideia…vamos rápido para não perdermos muito tempo. O Yuki pode estar em perigo…e o meu galo não está assim tão grande! - disse Vera sorrindo. Quando saíram da casa do Alberto, começaram a procurar o Yuki no parque onde tinham estado a brincar. Ao fim de algum tempo, nos arbustos que existiam atrás do parque, Alberto descobre umas pegadas de alguém com um pé bem grande! - Vera, vem ver o que encontrei! – exclamou Alberto. - Vou já, também encontrei algo estranho aqui nos arbustos. - O que é? – perguntou o rapaz, intrigado. - Olha, pedacinhos de pelo! Serão do Yuki? Vê lá se consegues identificar! – pediu Vera. - Sim, Vera, é o pelo do meu cão. E ali à frente encontrei

umas

pegadas

enor-

mes…Isto começa a

assustar-me!

Acho que alguém levou o meu Yuki! – concluiu Alberto, com um ar muito triste. - Tive uma ideia! – disse Vera. - Vamos a minha casa buscar a minha cadela, a Laica, para nos ajudar a encontrar o Yuki. Ela tem um excelente faro e pode ajudar-nos a seguir estas pistas. - Ótima ideia! Vamos lá! 4


História com Asas—Mistério em Quatro Patas Quando chegaram a casa da Vera, repararam que a porta do quintal estava aberta. Acharam aquilo muito estranho! Quando entraram, viram as mesmas pegadas que tinham encontrado no parque. A porta do canil estava aberta. Laica tinha desaparecido… A Vera, intrigada, exclama: - Será que andam a tentar roubar todos os cães da cidade? - Que ideia! O meu vizinho Manuel, que é da minha turma, também tem um cão, vamos lá vê-lo! – sugeriu o Alberto. E assim fizeram, foram a correr até à casa do Manuel. Tocaram à campainha com muita força, estavam preocupadíssimos… Passados uns minutos, aparece o Manuel à porta, com ar infeliz, que lhes pergunta: - O que querem? - Olá Manuel! – cumprimentou o Alberto. – Estou com uma amiga nova, a Vera, encontrámo-nos no parque. Ocorreu uma desgraça: os nossos cães desapareceram! - Ai meu Deus! A mim, também aconteceu o mesmo! Fui ver o meu cão Max, para lhe dar comida. Quando fui ao canil…a porta estava aberta! Já o procurei por todo o lado e ele não aparece! – lamentou-se o Manuel. - Afinal, eu tinha razão! Andam a roubar os nossos cães! Mas porquê?questionou a Vera. – O que vamos fazer? No momento em que estavam os três a discutir o desaparecimento dos seus cães, passa à frente da casa uma carrinha preta, com tanta velocidade que os pneus até guincharam: Hiiiiiiii… Parou alguns metros à frente, junto ao semáforo que estava vermelho. Nessa altura, os três amigos repararam que as janelas da carrinha estavam tapadas com panos e a matrícula não estava visível! Parecia coberta com lama… - Que estranho! Aquela carrinha está com tanta pressa! E é toda escura!...comentou a Vera. - Tens razão! – concordaram os rapazes. – Olhem, estão a ouvir estes barulhos… Não parecem cães a ladrar? - Não me digam que os nossos cães estão ali presos! – exclamou o Manuel. - Vamos salvá-los!

5


História com Asas—Mistério em Quatro Patas

Aproximaram-se da carrinha e o barulho ficou mais intenso. Espreitaram pelo vidro entreaberto, do lado direito da carrinha. Viram dois homens: um magro, alto e corcunda, o outro gordo e baixo que usava óculos, ambos estavam vestidos de preto. Entretanto, o semáforo ficou verde, ainda correram um bom bocado atrás da carrinha mas, como era de esperar, esta alcançou cada vez mais velocidade e eles ficaram para trás. Desiludidos, voltaram para casa, pois estava a anoitecer. - Será que nunca mais vamos ver os nossos cães? – interrogaram-se os três amigos. - Não podemos desistir! –falou o Alberto. Sem perderem a esperança, combinaram encontrar-se no dia seguinte, bem cedinho, no parque. Antes de entrar em casa, a Vera foi à casota da Laica, na esperança de encontrar mais algum indício que a pudesse ajudar na busca da sua grande amiga. Verificou que, junto da bola preferida da sua cadela, estava uma pegada muito grande e um pedaço de tecido preto. Pensou nas pegadas do parque e concluiu que deviam ser dos mesmos homens que tinham visto antes. Apanhou, de imediato, o tecido e foi telefonar ao Alberto.

6


História com Asas—Mistério em Quatro Patas - O que se passa, Vera? – indagou o Alberto. Vera contou o sucedido. - O que vamos fazer? – perguntou ela. - Tem calma, Vera! Amanhã contamos ao Manuel. Alguma solução havemos de encontrar. Não te esqueças de trazer o tecido que descobriste – pediu o Alberto. No dia seguinte, bem cedinho, lá estavam eles no parque. De súbito, qual não foi o seu espanto, ouviram os gritos de um homem: - Socorro! Socorro! Estão a roubar o meu cão! Dirigiram-se ao local de onde vinha aquela voz e depararam-se com um homem vestido de preto. O homem, ao avistar as três crianças, agarrou o cão e desatou a correr em direção à carrinha que estava escondida atrás de uns arbustos. O Manuel ,ao ver o senhor a fugir, pegou numa garrafa de vidro que estava no chão e atirou-a à cabeça do homem. Com aquele impacto, este tropeçou e o cão aproveitou para escapar. - Depressa, depressa, ele está a escapar! Vamos pegar nas nossas bicicletas e vamos segui-lo …– disse a Vera. - Ó meninos, mas o que é que se passa? Mas… obrigado por terem salvo o meu cão! - Agora não temos tempo de explicar… Temos de tentar seguir aquele homem…

7


História com Asas—Mistério em Quatro Patas Então, os três jovens lá seguiram a carrinha até que os ocupantes da viatura se aperceberam, o condutor acelerou e, claro… os nossos ciclistas ficaram para trás. - Oh! Não… Perdemo-los de vista, e agora? Voltaram para as suas casas, muito aborrecidos. Conversaram entre si e resolveram contar o que se passava aos pais. Os pais das crianças juntaram-se e analisaram o caso. Após várias sugestões, a mãe do Manuel, a Dona Florinda, sugeriu que alguém deveria vigiar os cães da vizinhança para descobrirem novas pistas ou sinais dos bandidos. -Boa ideia! Vamos até à casa da Rita para ver se o pastor alemão dela também desapareceu. E lá foram. Quando chegaram, repararam que o cão ainda lá se encontrava. Resolveram contar toda a história à Rita. - Ai, meu Deus! Se o meu Buggy desaparece, o meu irmão vai ficar muito triste… O que vamos fazer para ele não ser raptado? - Já sei! – exclamou o Alberto. – Vamos esconder o Buggy e substituí-lo por um peluche bem grande, depois colocamos uma câmara e um localizador dentro do boneco para o podermos seguir através do computador.

8


História com Asas—Mistério em Quatro Patas De manhã, bem cedo, o Alberto contactou a Rita para ver se o peluche tinha desaparecido. - Espera um pouco, eu vou ver se ele ainda lá está – pediu a Rita. Foi à casota e verificou que o peluche ainda estava no mesmo lugar. - Não levaram nada – informou a Rita. - Vou já ter a tua casa para vermos as filmagens. Pode ser que haja novas pistas – disse o Alberto. Antes disso, contactou os outros amigos que se dirigiram também a casa da Rita. Quando chegaram, viram a gravação e, qual não foi o seu espanto, quando verificaram que os homens tinham estado no local. Estes aperceberamse que era um peluche e fugiram. - Volta a passar o filme porque acho que vi alguma coisa de estranho – pediu o Manuel. E assim fizeram. Durante algum tempo, analisaram as filmagens e, a dado momento, a Vera dá um grito: - Para isso! Acho que está ali uma coisa no fato do segundo homem… - Tens razão – exclama o Manuel – acho que é uma etiqueta. - Pois é – disse a Rita – mas não se percebe nada de nada. Amplia um pouco a imagem! Mesmo com todo o “zoom” possível, não conseguiram descobrir o que estava escrito. - Assim não nos safamos… - disse a Vera – vamos passar a casota a pente fino, pode ser que tenhamos mais sorte. Foram a correr para o local referido e, ao entrar, o Alberto encontra a etiqueta que tinham visto no filme, presa no arame. Retirou-a com muito cuidado, chamou os amigos e, juntos começaram a ler as letras pouco visíveis. - L…A…B…MAR GR…APART…555 ! - exclamou o Alberto. - O que será isto? – perguntou o Manuel. – LAB…MAR GR APART…será o quê? - Talvez laboratório… o que acham? - adianta a Rita. - Talvez tenhas razão…mas, se calhar, seria melhor pesquisar na Internet – propõe então a Vera. - OK, vamos lá então pesquisar! 9


História com Asas—Mistério em Quatro Patas E assim fizeram, foram à Internet. Apareceu uma lista enorme de laboratórios! Ficaram muito baralhados…parecia não haver saída para este mistério. Já passava da hora do lanche. Resolveram então ir comer uns bolos na pastelaria da esquina. Quando voltavam para a casa da Rita, passou um carteiro com um enorme envelope nas mãos. O Manuel, distraído, chocou contra ele que tropeça e deixa cair o envelope no chão. A Rita, que estava ao seu lado, ajudou-o a levantar-se e leu o endereço que dizia: “APARTADO 201”. Pediram desculpas ao carteiro e seguiram pelo passeio. - Ó colegas, já sei o que significa APART…- disse a Rita baixinho. – É apartado… vi isso escrito no envelope que o carteiro levava. - Mas o que é isso?- questiona a Vera. - Eu acho que é uma caixa especial nos correios –responde o Manuel. – Mas é melhor confirmarmos no dicionário online. E foi o que fizeram quando regressaram a casa da Rita. Foram de novo à Internet e pesquisaram todos os laboratórios com apartados. - Ah! Cá está o laboratório com apartado 555. Acho que fica na zona da Embra! – exclamou o Alberto. – Será que fazem análises clínicas? Às tantas, andam a fazer alguma experiência estranha… - Pois é! P’ra que querem eles os nossos cães? – questionou a Rita. - Está aqui um grande mistério. Precisamos de investigar este caso!

10


História com Asas—Mistério em Quatro Patas Os jovens continuaram a pesquisar na Internet, abriram a página do site do laboratório e conseguiram descobrir a morada. Deixaram o computador e resolveram encontrar-se no dia seguinte, depois das aulas, no parque para combinarem os próximos passos. No dia seguinte, todos se reuniram e a Vera disse: - Temos de arranjar uma maneira de ir a esse laboratório. - Já sei! Vamos pedir autorização aos nossos pais para ir de bicicleta – retorquiu a Rita. - Boa ideia! – exclamou o Alberto. - Talvez possamos ir na quarta-feira à tarde. Acho que deveríamos levar uma câmara de filmar ou o telemóvel da Rita para filmarmos alguma coisa suspeita. Todos concordaram e o Manuel disse que levava a câmara do pai e, como era o fim da tarde, todos foram para as suas casas. Na quarta-feira, depois do almoço, o grupo dirigiu-se à morada descoberta na Net. Ao chegarem ao laboratório, viram que tinha o nome de Pacheco S. Pimenta. Entraram no laboratório, o Alberto e a Rita dirigiram-se à funcionária a pedir explicações sobre o que se fazia naquele laboratório, explicando que estavam a fazer um trabalho escolar. Entretanto, o Manuel e a Vera escaparam-se e foram espreitar o corredor, tentando abrir algumas portas. O Manuel tentou abrir a porta onde estava uma placa com a inscrição “Entrada proibida a pessoas estranhas ao serviço”. Como a porta não abria, o rapaz espreitou pela fechadura e viu umas pessoas, colou o ouvido à porta e ouviu alguém com um sotaque estranho a falar “…faltam-nos ainda uns dálmatas para…”. Chegou junto dele a Vera e sussurrou que tinham de sair dali pois estava alguém a chegar. Correram até à porta mais próxima quando viram que era uma …arrecadação! Aí escondidos, continuaram a ouvir vozes que diziam “ … talvez junto da rua da Praça…” e não ouviram mais nada, mas tudo estava a ser gravado. -Ó Vera, achas que estão a falar em roubar os dálmatas da Inês? – perguntou baixinho o Manuel.

11


História com Asas—Mistério em Quatro Patas

A Vera e o Manuel enviam de imediato um SMS à Rita que dizia: “Ouvimos os homens a dizer que precisam de dálmatas. Vão depressa a casa da Inês e digam-lhe para vigiar os seus cães. Nós ficamos aqui para tentar descobrir mais pistas.”. E assim foi. Despedindo-se da funcionária, o Alberto e a Rita dirigiram-se a casa da Inês. A caminho de casa da amiga, passa por eles uma carrinha preta que reconhecem como sendo a dos ladrões de cães. Ficaram tão assustados… Por sorte, a estrada que ia dar a casa da Inês estava em obras e os ladrões tinham que fazer um desvio. Os dois amigos meteram-se por um atalho e conseguiram chegar a tempo de preparar uma armadilha. - Inês, vamos esconder os teus cães e colocamo-nos atrás daquele monte de terra que está na estrada. Quando a carrinha chegar e os ladrões forem procurar os dálmatas, furamos os pneus da carrinha! – sugeriu o Alberto. - Boa ideia! – exclama a Inês. Entretanto, no laboratório, como já era hora do almoço, o local começa a ficar deserto. A Vera e o Manuel decidem sair do esconderijo e continuam a sua investigação. Ao chegarem ao fundo do corredor, ouviram um cão a ladrar e reconheceram o Max. Entraram na sala de onde vinha o ruído e qual não foi o seu espanto, a sala estava cheia de jaulas repletas de cães de todas as raças! Mas, o mais estranho foi verificarem que todos eles estavam ligados com fios a uma máquina que produzia um líquido verde. 12


História com Asas—Mistério em Quatro Patas - Que coisa estranha…o que será aquilo? – segredou o Manuel. - Olha o teu cão, está ali – diz a Vera. - Tenho que o salvar – sussurra o Manuel e começa a correr em direção ao Max. - Para, Manuel, está alguém a fazer barulho atrás daquela porta. Vamos esconder-nos !– gritou a Vera. Mas, já era tarde demais... nesse momento, entravam dois homens com os dálmatas.

A Vera assustada gritou e os dálmatas fugiram. O Manuel ainda conseguiu abrir a jaula mais próxima dele, aquela onde estava o Max. Este rebenta os fios que estavam ligados à estranha máquina, morde a perna esquerda do homem mais gordo e junta-se aos dálmatas da Inês. Rapidamente, o outro homem tranca a porta, fazendo reféns o Manuel e a Vera. Entretanto, o Alberto, a Rita e a Inês, cansados de tanto correr, chegam ao laboratório e ouvem um ladrar que lhes é familiar, bem como uns gritos, que lhes pareciam ser da Vera. Entram no edifício que continuava deserto e encontram os cães assustados e irrequietos. A Inês corre em direção aos animais para os acalmar e Alberto diz:

13


História com Asas—Mistério em Quatro Patas - Inês, leva os cães para a tua casa e trata deles. Devem estar esfomeados e cheios de sede. Eu e a Rita vamos ver o que se passa com o Manuel e com a Vera. Os dois amigos percorrem, silenciosamente, o corredor e entram numa sala, onde estavam muitos frascos com um líquido verde. Tentam descobrir alguma informação sobre aquele líquido misterioso, procurando em todos os papéis que estavam em cima de uma secretária, mas não conseguiram decifrar aquelas estranhas fórmulas químicas. Alberto decide pesquisar no computador que se encontrava naquela sala e consegue abrir um ficheiro, com a informação dos componentes daquele líquido. Resolve ir à internet para obter informações detalhadas sobre os efeitos daqueles componentes. - Oh, não… Isto pode ser muito perigoso! – exclamou Alberto aflito. - O que foi, Alberto? – perguntou a Rita. - Nem vais acreditar…Um dos componentes serve para tornar os cães mais agressivos, ferozes…

- Oh, não! Temos de destruir este líquido, se não todos os cães da cidade podem tornar-se muito perigosos e atacarem as pessoas – gritou alarmada a Rita. - Mas porque será que querem cães ferozes? Qual será o interesse ou o lucro em roubar cães!? - indagou o Alberto. -Vamos mas é procurar os nossos amigos… - lembrou a Rita – Pode haver algum dos ladrões cá dentro, é melhor não fazermos muito barulho… 14


História com Asas—Mistério em Quatro Patas Entretanto, os jovens foram procurar nas várias salas até que começaram a ouvir uns ruídos estranhíssimos. Dirigiram-se nessa direção e chegaram junto de uma porta trancada com um cadeado. Tentaram abri-la mas estava difícil. Então, o Alberto viu um extintor na parede, pegou nele e tentou forçar a abertura do cadeado. E zás… o cadeado abriu-se, os dois amigos entraram e viram o Manuel e a Vera amordaçados e atados a umas cadeiras. Soltaram-nos rapidamente. Todos fugiram pois estava a aproximar-se o fim da hora de almoço e os ladrões podiam voltar a qualquer momento. Já na rua, o Manuel começa a contar o que se tinha passado: - Antes de ficarmos presos, ouvimos algo parecido com “… lutas de … na sexta-feira à noite, num armazém da Zona Industrial…” – explicou o Manuel. - Lutas? Lutas de quê? Se é já depois de amanhã, temos de nos apressar a descobrir, pois os cães correm perigo! - gritou o Alberto bastante aflito a pensar no seu querido Yuki. Todos se dirigiram para a casa da Inês e, quando lá chegaram, viram que estava estacionada uma carrinha preta parecida com a dos ladrões. Esconderam-se e telefonaram-lhe: - Inês, vê se os cães estão bem escondidos, pois à frente da tua casa está uma carrinha que parece ser a dos ladrões! - Não se preocupem, a minha tia Esmeralda veio buscá-los e estão seguros, podem vir até minha casa para conversarmos. - Ok! Temos de descobrir o que se está a passar naquele armazém…

15


História com Asas—Mistério em Quatro Patas Quando os amigos se preparavam para entrar em casa da Inês, viram a tia Esmeralda a colocar os cães na carrinha. No bolso das calças, tinha um papel, onde a Vera conseguiu ler: - “ Luta de …” Ai, não consigo ler o resto, mas amigos, só pode ser luta de cães! - Não posso acreditar nisto! A tia da Inês faz parte do grupo de ladrões de cães?! A Inês não vai acreditar! – exclamou o Alberto. Entretanto, o telemóvel da tia Esmeralda tocou e os amigos esconderam-se para ouvir o telefonema. Ficaram extasiados ao confirmar que tudo era verdade. Continuaram a ouvir: - Ok! Irei já para o armazém 21. Já levo comigo os cães. Os amigos, ainda estupefactos com a descoberta, decidiram não contar nada à Inês.

Entretanto, enquanto a tia Esmeralda foi à parte da frente da carrinha, o Alberto escondeu-se na parte de trás, onde iam os cães, levando consigo um telemóvel para comunicar com os restantes amigos. 16


História com Asas—Mistério em Quatro Patas - Vamos entrar em casa da Inês e dizemos-lhe que o Alberto teve de ir a casa da avó, porque era o dia do seu aniversário – sugeriu a Rita. - Ok! – concordaram todos. Já em casa da Inês, enquanto conversavam, a Vera recebe um SMS do Alberto que dizia: “ Estou no armazém 21, na zona industrial. A tia da Inês e os outros ladrões estão a preparar tudo para a luta de sexta-feira à noite. Vi, dentro de um carro, nas traseiras do armazém, aquele senhor a quem salvámos o cão, no parque! Estranho, não é?! Peguem nas bicicletas e venham ter comigo à entrada da zona industrial.” - Recebi um SMS da minha mãe. Tenho de ir para casa – informou a Vera. - Nós também vamos, Vera! Já é tarde e há t.p.c. para fazer! A Vera, com a pressa, nem se apercebeu que o telemóvel ficou caído no sofá da Inês, atrás de uma das almofadas. Já no exterior, a Vera conta aos amigos o que o Alberto tinha escrito no SMS e decidiram logo ir ter com ele. À entrada da zona industrial, o Alberto já os esperava. - Olá amigos, acho que devíamos ir ter com aquele senhor do parque! O que acham? É tão estranho ele estar aqui, não é? – indagou o Alberto. - Sim, tens razão! - E a Inês desconfiou de alguma coisa?- perguntou o rapaz preocupado. - Não, está tudo controlado! Fica descansado! – disse o Manuel. Nisto, dirigiram-se, sorrateiramente, até às traseiras do armazém 21, onde se encontrava o tal senhor, dentro do carro. O Alberto bateu no vidro lateral e o senhor, apesar de assustado e desconfiado, abriu um pouco a janela, apontando uma arma. - Tenha calma, sou o Alberto! Aquele rapaz que salvou o seu cão no parque, lembra-se?! - Ah, sim…sim… Claro, que me lembro! Desculpa, não fiques assustado com a arma. E já agora obrigado por teres salvo o meu cão, o Faísca. Naquele dia, nem houve tempo para apresentações e agradecimentos. Chamo-me Jorge. E tu, és o Alberto, certo? - Sim e estes são os meus amigos: a Vera, o Manuel e a Rita. - Mas, meninos, o que fazem por aqui? – perguntou o Sr. Jorge. 17


História com Asas—Mistério em Quatro Patas - Isso é uma longa história…Mas o mesmo perguntamos nós em relação a si – disse a Rita. - Vou contar-vos tudo, mas têm de prometer que guardam segredo e, quem sabe, até me poderão ajudar. Sou um detetive policial secreto e, desde aquele dia do parque, fiquei desconfiado com a situação da tentativa de roubo do meu cão. Por isso, resolvi investigar. Trata-se de um gang que rouba cães para lutas ilegais. A cabecilha é uma mulher chamada Esmeralda. - A tia da Inês! – exclamou rapidamente a Rita. - Conhecem?- perguntou o detetive. O Alberto contou então tudo o que tinham descoberto. Após a conversa, combinaram em conjunto resolver o caso. O detetive Jorge infiltrar-se-ia, como concorrente na luta de cães, com o seu Faísca. Os amigos convenceriam os seus pais a irem ao armazém 21 na sexta-feira à noite, com o pretexto de ir ver uma exposição de trabalhos em vidro, feitos pelos alunos da escola. No dia seguinte, na escola, sem que a Inês desconfiasse, o Manuel, a Vera, o Alberto e a Rita encontraram-se no intervalo: - Conseguiram convencer os vossos pais para visitarem a suposta “exposição”, amanhã à noite, amigos? – perguntou o Manuel. - Sim – responderam todos. - Por acaso, algum de vocês viu o meu telemóvel? Estou farta de o procurar e não sei onde o deixei - indagou a Vera. - Não, Vera – responderam os amigos. - Bem, eu depois procuro melhor… A minha cabeça anda tão focada neste caso do roubo dos cães… O telemóvel deve estar certamente no meu quarto e eu nem o vejo! Sendo assim, já sabem que estou sem telemóvel para me contactarem, mas também já está tudo combinado, não é? – questionou a Vera. - Sim, está tudo combinado. Agora é melhor mudarmos de assunto, pois vem ali a Inês – avisou o Alberto. Na noite seguinte, os amigos e os pais chegaram ao armazém por volta das 22h00. - Tanto barulho de cães a ladrar! – estranhou a mãe do Manuel.

18


História com Asas—Mistério em Quatro Patas Nisto, o Alberto recebe um SMS do detetive a dizer para ligar à polícia, que aguardava já o telefonema, para ocuparem as posições estrategicamente planeadas. O Alberto retira-se um pouco e liga. - Vamos então ver a exposição – relembrou o pai da Vera. Nesse momento, apercebem-se de um grande aparato com a chegada da polícia que, de imediato, cerca o armazém, ocupando as suas posições. - O que se passa aqui?! – interrogou, um pouco aflito, o pai da Rita. - Calma, dentro de pouco tempo saberão o que se passa – acalmou o Alberto. Entretanto, ouvem alguém a chamar por eles. - Alberto! Vera! Rita! Manuel! - INÊS! – gritam os amigos em coro. - O que estás aqui a fazer? – perguntou aflita a Rita. - Encontrei o telemóvel da Vera, no meu sofá e li o SMS do Alberto. Fiquei chocada e sem perceber bem o que é que a minha tia tem a ver com isto tudo. Por isso, mostrei a mensagem aos meus pais e viemos rapidamente para aqui. Afinal, o que se passa. O que me estão a esconder? – perguntou a Inês. Não foram precisas muitas explicações, pois naquele momento, a polícia saiu do armazém com os bandidos algemados. A tia Esmeralda vinha à frente. Os pais e a Inês nem queriam acreditar. Mesmo assim, o Alberto relatou toda história. O detetive Jorge dirigiu-se ao grupo e disse: - Bem, parece-me que já estão todos a par da situação. Felizmente correu tudo bem. Os cães à partida estão bem, mas vão ser vistos por um veterinário altamente qualificado, que lhes vai administrar um antídoto, para eliminar qualquer vestígio do líquido verde que ainda poderão ter no organismo. Quero agradecer-vos pela vossa preciosa ajuda, meninos. - Nós, também agradecemos, detetive Jorge. Sem si, isto teria sido mais difícil – explicou o Alberto. - Inês, Sr. Paulo e D. Marta, sei que não é fácil, esta situação da Esmeralda. Mas, ela terá de ser punida pelo crime que cometeu. Se ela apresentar um bom comportamento, até poderá sair em liberdade condicional. Vamos ver! – informou o detective.

19


História com Asas—Mistério em Quatro Patas No dia seguinte, os cães regressaram a casa e foram recebidos com uma fantástica festa na garagem do Alberto!

Fim

20


Mistério em 4 patas