Page 1

Escola Básica de Frei João de Vila do Conde Ano I ­ N.º 1 Abril de 2014 Preço: 0,50€

Jornal do Frei

Editorial

EU ACHO QUE… "Ano novo"

2

Ora, cá temos o primeiro JORNALISTA POR UM DIA 3 número de um novo jornal do nesta edição entrevista ao Moita Flores nosso Agrupamento! Momento de satisfação, de ACONTECE NA ESCOLA 6 grande satisfação num ano que todos sabemos de grandes O TEMPO PASSA OU PASSA O TEMPO dificuldades e constrangimentos Passatempos por disciplina/ multidisciplinares 12 para a escola Sede, momento de contrariar a corrente que é cada ESTIVE A LER… 16 vez mais de reclamar e nada Sugestões de leitura fazer, de contrariar a “vocação” atual de que a afirmação mais EXPERIMENTA… 17 aceite é a de não construir, (receitas/ experiências/ artesanato/ produtos naturais … momento de mostrar que é sempre mais feliz e útil quem cria, quem constrói, quem faz. CANTINHO DO AGRUPAMENTO 18 “Jornal do Frei” – nome escolhido Colaboração de alunos/professores das outras escolas do pela comunidade escolar – é, agrupamento será, antes de mais, um espaço de partilha, de um Frei que, Agrupamento na forma, afinal somos todos nós na essência. O que se espera, o que eu espero é que no “Jornal do Frei” se dê asas à imaginação, se motive a criação, se cultive e cuide da comunicação, sempre no respeito e como veículo dos nossos valores, valores humanistas de inclusão de que tantos exemplos damos todos os dias. Este projeto, como todos os que se suportam na massa humana da escola, será aquilo em que nós formos capazes de o tornar. Não haverá portas fechadas. Todos serão bem vindos! Parabéns a todos os que plantaram esta ideia e àqueles que a alimentam e alimentarão. O Diretor António Ventura Pinto

Ficha Técnica: Jornal Escolar «Jornal do Frei» Coordenação: Ana Peres e Lídia Sanches Mota Colaboradores: elementos da comunidade escolar que participaram com os artigos Propriedade: Agrupamento de Escolas de Frei João de Vila do Conde


EU ACHO QUE...

No Ano Novo pendurei a minha vida

Ano Novo, vida nova

Eu nunca percebi muito bem o verdadeiro significado No Ano Novo pendurei a minha vida… de celebrar o Ano Novo até chegar o Ano Novo 2014. Estrelas de riso, A minha família reunida, o cheiro a doces, o barulho do Bolas de ternura, Num ramo verde e cheio de frescura. impacto dos brindes com os copos e, a minha parte No Ano Novo pendurei a minha vida… preferida, o fogo de artifício. Poder observar o céu coberto das mais lindas e variadas cores, enche­me o coração. Também adoro a contagem decrescente: “4, Passou este Natal, outros Natais… 3, 2, 1, Feliz Ano Novo!” e, de seguida, ouvir os gritos Nas palhas do presépio, de celebração, acompanhados de imensos abraços e Estava eu E o riso do Menino era da cor do meu. beijos. E tenho sempre de engolir as 12 passas mais Passaram outros, passou este Natal… importantes da festa “as passas dos desejos” e, enquanto as engulo, vou desejando rapidamente. E os meninos que somos estão a ver Depois de engolir “as passas dos desejos”, fui para Passar um ano e outro… um canto sozinha e observei a minha família toda junta E a crescer a celebrar: uns cantavam as suas canções, os mais Que a vida espera por nós velhos contavam histórias de como festejavam a Para lhe darmos cor, riso e voz passagem de ano no seu tempo, as crianças corriam e Para fazermos, enfim, um mundo pr’a brincavam… E foi nesse momento que descobri a magia do Ano Novo: o sentimento da esperança viver. renovada a cada “passa dos desejos” engolida. João Cláudio Gomes, nº 18, 7C

Maria Estremina, nº 25, 7C

Nós achamos que... O Jornal do Frei é uma realidade. O jornal do nosso agrupamento, cujo nome resultou de um processo participado, com apresentação de sugestões e posterior votação, chega finalmente à comunidade escolar. Um pouquinho atrasado mas cheio de vontade. Deseja crescer com a participação e envolvimento de todos, deseja ser um espaço de comunicação e de partilha, deseja ser mais um dos elementos que dá identidade ao agrupamento. A identificação com uma ideia, com uma pessoa, com um lugar potencia uma maior aproximação e envolvimento que se repercute nas relações de forma positiva. A Equipa do Jornal

Jornal do Frei

Abril 2014

2


JORNALISTA POR UM DIA À Conversa com MOITA FLORES, 29 de novembro de 2013 Boa tarde, o meu nome é Andreia Vale e sou da turma B do 8.º ano. Gostaria de lhe colocar algumas perguntas para o jornal da nossa escola e agradeço, desde já, a sua disponibilidade. ­ Decerto já lhe colocaram esta pergunta muitas vezes, mas para que os nossos leitores conheçam um pouco melhor o seu trajeto, gostaria de saber se a escrita já faz parte da sua vida há muito tempo. Quando começou a escrever e a sentir a necessidade de partilhar o que escrevia? Comecei a escrever muito novo, mas escrever de forma intencional, para publicar, só aos 18 anos. Os meus primeiros textos foram publicados em jornais teria uns 18 ou 19 anos. Desde novo que, graças ao meu professor de Português, tinha a intencionalidade de escrever, mas não a intencionalidade que fosse a de me transformar num escritor profissional, alguém ligado à escrita. Comecei com pequenos trabalhos e colaborações em jornais, mas a escrita mais séria aparece a partir dos 30 anos, aí sim, como uma forma séria de viver e de trabalhar. ­ Quando escreveu o seu primeiro livro? O meu primeiro livro foi um livro de poemas, que retirei da minha bibliografia porque é um livro meio choroso e meio pueril, devia ter 24 anos. Depois publiquei o “Ensaio sobre criminalidade em mulheres, teria 25 ou 26 anos e a seguir publiquei um ensaio sobre atividade criminosa, já nem me lembro bem, a minha bibliografia é tão grande… que não me lembro. Sei que tinha 30 anos quando saiu o meu primeiro romance, chamava­se “Bastardos”, que não está já no mercado. A partir daí nunca mais parei. Por volta dos 28 e os 35 anos foi quando começou de forma muito determinada a minha produção, quer para jornais, quer para editores de livros.

Jornal do Frei

Abril 2014

3


Depois a televisão chega um pouco mais tarde, eu escrevo o primeiro filme com 35 anos e a partir daí começo a escrever para a televisão. Enfim, espero até aos 120 acabar o resto que me falta contar. ­ Peço­lhe agora que regresse aos seus tempos de criança. Como era a sua relação com a escola? Foi sempre uma relação amiga. Era um espaço de encontro. Eu vivia num monte alentejano, que tinha poucas crianças, e nós encontrávamo­nos na escola, éramos mais e era sempre uma festa ir para a escola, com muita alegria, embora não fosse um aluno brilhante. Gostava mais de futebol do que de estudar. Fui sempre um aluno razoável, mas jogava bem a defesa quando jogávamos à bola, nunca deixava passar com a bola. Mas depois, com o amadurecer, o tempo, a idade, tornei­me um melhor aluno, acho que acabei a minha vida académica sendo um aluno de excelência. ­ Gostava de participar nas aulas, de realizar trabalhos de grupo? Sim, gostava e era muito ativo, já era muito inquieto na altura. Tinha colegas que eram muito inquietos e estudantes excelentes, tiveram sempre uma grande paciência para me acompanhar. Tínhamos uma bela equipa, ainda hoje nos apoiamos e nos encontramos, o que é uma das coisas importantes que a Escola faz, que é construir as amizades que ecoam para o resto da vida. ­ E os trabalhos de casa? Fazia­os sempre? Fazia. Acho que os trabalhos de casa, os TPC no meu tempo, eram o prolongamento do que tínhamos de perceber. Nunca tive um conflito com os TPC. Tinha mais conflitos com a professora de Matemática, que embirrava comigo porque não gostava que eu fosse mau aluno. Durante dois anos não fui grande aluno a Matemática… ­ Como já referiu ao longo da sua apresentação, o professor que o influenciou para a escrita foi o seu professor de Português. Foi, foi homem mais importante da minha vida, para além do meu pai, claro!

Jornal do Frei

Abril 2014

4


­ Voltando ao presente e olhando para o futuro. Que reflexão gostaria de partilhar com os alunos da nossa escola? Dizer­lhes que é preciso aprender muito, conhecer muito, estudar muito. Dizer­ lhes que vão viver um tempo muito difícil e que é preciso aprofundar e conhecer muito. Conhecer não só o científico, conhecer os afetos, conhecer os sabores, os petiscos, conhecer aquilo que dá sentido à nossa vida. Conhecer melhor, com mais atenção, ganhar esse espírito, essa fome de saber, que muitas vezes os alunos abandonam e esquecem, ignoram­na e depois, quando recuperam essa fome, já é tarde porque vieram outros com mais fome e passaram­lhes à frente. E depois faltam os empregos, faltam as carreiras, faltam os casamentos, faltam muitas coisas, muitas vezes porque nós não quisemos saber e vale a pena não desistir de querer saber. Trabalhar sempre e resistir sempre. Estar no desemprego não quer dizer que se esteja morto, tem de resistir. Eu já tive momentos de estar desempregado e sei como é duro, mas temos de resistir, temos de procurar, de fazer os possíveis para não desistir. E é isso que eu quero transmitir aos jovens, que hoje é muito difícil arranjar emprego. Os meus dois filhos são emigrantes, um da mais importante empresa de robótica pesada, uma das mais prestigiadas e a única que existe em Portugal, que ganhou um prémio internacional do grupo mais prestigiado da robótica, empresa que emprega 84 engenheiros portugueses de topo, especializados, que trabalham em todas as partes do mundo, mas não têm trabalho em Portugal. Eu também fui emigrante e não vejo o facto de ter de partir para o estrangeiro como uma desgraça, acho que é uma riqueza, só me fez bem o tempo que passei em França, na Suíça, que passei no Oriente. Nós aprendemos mais, aprendemos e conhecemos outros e quando regressamos, se quisermos regressar, estamos mais bem preparados. Não podemos é acomodarmo­nos à história de “temos de arranjar emprego aqui e já”. Temos de lutar por ele, temos de fazer os possíveis para não desistir, para resistir e para tornar a nossa vida numa caminhada para o sucesso porque temos de ter sucesso, vocês têm de ter sucesso e, curiosamente, nunca esteve tanto nas vossas mãos ter sucesso como agora.

­ Em nome de toda a escola, gostaria, uma vez mais, de agradecer a sua disponibilidade. Obrigada pela partilha! Obrigado! Andreia Vale, 8B Ana Peres, professora de Espanhol

Jornal do Frei

Abril 2014

5


ACONTECE NA ESCOLA

Quadros de Valor e Excelência 2012/2013 No passado dia 28 de outubro, pelas 17:00 horas, decorreu, na Escola Básica Frei João de Vila do Conde, a cerimónia de entrega dos diplomas dos Quadros de Valor e Excelência referentes ao ano letivo 2012/2013. Com esta iniciativa, que contou com a presença não só dos alunos mas também dos pais e encarregados de educação, a escola pretendeu reconhecer o mérito académico dos alunos através dos diplomas do Quadro de Excelência e também premiar os estudantes que se destacaram pelas suas ações em prol da comunidade, através do diploma do Quadro de Valor. Foram 117 os alunos que receberam o diploma do Quadro de Excelência e 4 os alunos distinguidos com o Quadro de Valor. Há ainda a realçar que 3 alunos foram reconhecidos simultaneamente com o diploma de Quadro de Excelência e de Valor. Esta cerimónia, que já se realiza há vários anos, teve este ano um significado especial, pois pela primeira vez decorreu na própria escola, no seu novo auditório. Nas palavras do Diretor do Agrupamento, professor António Ventura, a escola finalmente dispõe de um espaço apropriado à realização deste e de outros eventos.

Mariana Santos nº12, 7A

Jornal do Frei

Abril 2014

6


El Día de Los Muertos No dia 04 de novembro, os alunos de Espanhol da nossa escola organizaram uma exposição de trabalhos alusivos ao tema, bem como uma mostra de “Calaveras” mexicanas coloridas. O “Día de los Muertos” reposta­se a uma antiga tradição mexicana, de origem indígena e, como se celebra na mesma época do nosso “Dia dos Finados”, a exposição foi apresentada na entrada da nossa escola e toda a Comunidade Escolar foi convidada a visitá­la. Alunos e professores, funcionários e Encarregados de Educação desfrutaram do ambiente festivo que emanava do espaço decorado e todos gostaram, tendo ficado agradavelmente surpreendidos com algumas tradições da época, tão festivas e divertidas, retirando qualquer caráter mórbido que pudéssemos relacionar com o tema. Para o povo mexicano, a morte não é motivo de tristeza, mas de alegria, com rituais que nos parecem tão estranhos como as refeições em estilo piquenique nos cemitérios, acompanhadas pelos músicos Mariachis. Nas lápides colocam flores e velas e em casa preparam altares especialmente dedicados aos seus antepassados, com os seus pratos e doces favoritos sem nunca faltar o típico “Pan de Muerto” nem as “Calaveritas” de açúcar. Sem dúvida, uma celebração divertida, com muitas tradições inusitadas, com decorações, música e comida `*a mistura.

Ana Maravalhas e Patrícia Marques, 9C

Jornal do Frei

Abril 2014

7


Baile de Halloween O “Baile de Halloween”, inserido no plano de atividades da disciplina de EMRC e realizado no dia 08 de novembro, pelas 21h, no átrio do ginásio da nossa escola, para fazer uma alusão mais precisa à época, foi assustadoramente divertido. A organização, composta por elementos das turmas B e C do nono ano, trabalhou muito para que tudo fosse absolutamente perfeito e o resultado foi muito positivo, tendo o seu trabalho dado muito bons resultados. A festa consistiu em muita animação, dança (tivemos direito a DJ e a coreógrafo, obrigado Prof. Francisco Cruz e Tó), sempre acompanhadas de boa comida e bebidas para refrescar. A decoração não podia ser deixada de parte e tudo foi pensado ao pormenor. Baile de Halloween que se preze contempla um desfile de máscara e o nosso foi muito original. Uma vez mais, obrigado ao júri pela participação, composto por um elemento dos Pais, por duas professoras e por dois elementos da organização (o difícil foi somar as pontuações finais!). E os vencedores forma: em primeiro lugar, o Fábio e o Gabriel (9.ºF); em segundo lugar, a Patrícia (9.ºC); em terceiro lugar, a Rita e o Francisco (9.ºF). Todos desfrutaram da música, da diversão e da companhia, mas sem sustos, só doces! Até para o ano! Ana Rita Cruz, 9B

A nossa Biblioteca: Biblioteca Valter Hugo Mãe Na nossa biblioteca da Escola Básica de Frei João está sempre a acontecer. As atividades sucedem­se umas atrás das outras. Com muito dinamismo e muita dedicação, a comunidade escolar pode usufuir de um espaço confortável, repleto de livros, revistas, vídeos, jogos e outros recursos ao dispor. As atividades são tantas que convidamos a todos a navegar no Blog da Biblioteca Valter Hugo Mãe. Aqui está o link: http://bibliotecafreijoao.blogspot.pt/. A Equipa do Jornal

Jornal do Frei

Abril 2014

8


Fazemos desporto Os alunos da nossa escola participaram no Torneio de Abertura, no 1º Torneio Iniciados, Juvenis e Juniores e no 1º Torneio Infantis A e B. Foi um momento de deporto, partilha e de atribuição de prémios. VIVA OS PARTICIPANTES!

Celeste Dias, Professora de Educação Física

Jornal do Frei

Abril 2014

9


PIEF (Programa de Integração Educação e Formação) em ação Limpeza da Praia A convite do Centro de Ciência Viva, através do Professor Joaquim Neves, responsável pelo Projeto Eco­Escolas, da nossa escola, a turma do 9ºAno (Pief), realizou uma limpeza da praia junto ao Caximar, no passado dia 13 de novembro, no início da tarde. Durante o mês de dezembro e janeiro, estará patente no Centro de Memoria a exposição “Marlisco­ Juntos por um Mar sem Lixo” que pretende aumentar a consciência social sobre os impactes do lixo marinho e possíveis soluções para o problema, de forma a inspirar mudanças de atitude e comportamento na sociedade. No âmbito desta exposição, realizaram­se diversas atividades na dinamização na Semana do Mar (de 11 a 17 de novembro), uma das quais, foi a de recolha de lixo marinho numa praia de Vila do Conde, pelos alunos da turma Pief. Nesta ação para além da limpeza foi feita uma quantificação do lixo marinho recolhido, através da sua pesagem ou determinação do volume por contagem dos sacos, não sendo feita qualquer separação em termos da sua composição. A atividade decorreu num clima de grande entusiasmo como podem testemunhar as fotos tiradas. Parabéns a todos os alunos, professores envolvidos. Para saber mais poderá consultar o site http://www.marliscoportugal.org/.

Atividade Dia do Não fumador A turma do 9ºAno, Pief, participou na comemoração do Dia do Não fumador, através de várias actividades: Elaboração de Cartazes alusivos ao tema, elaboração de Panfletos, Palestra sobre os malefícios do Tabaco e actividade de orientação “Caça ao tesouro”, no Parque Polis. Como objectivos, pretendeu­se Sensibilizar a COMUNIDADE ESCOLAR para os fatores de risco associados ao consumo de tabaco; Identificar formas para deixar de fumar; sensibilizar para a importância da prática regular de uma atividade física; promover a articulação entre Alunos do Pief as diferentes disciplinas. Os alunos mostraram­se muito motivados na realização da Celeste Dias, professora de Educação Física tarefa. Parabéns a todos os intervenientes.

Jornal do Frei

Abril 2014

10


Recolha de brinquedos Durante o dia dois e dezassete de dezembro de dois mil e treze foi feita na nossa escola uma recolha de brinquedos pelos alunos do PIEF. O objetivo da nossa atividade era sensibilizar para a partilha, ser solidário e fomentar a cooperação. Para a concretização desta iniciativa elaboramos cartazes, pedimos a colaboração dos diretores de turma para a divulgação da atividade e preparamos um espaço, na entrada da escola, para que quem pudesse deixasse o seu brinquedo para partilhar. A comunidade escolar foi solidária e no início do segundo período fomos entregar um conjunto de brinquedos numa loja social. Assim contribuímos com a ajuda de todos para proporcionar sorrisos. Obrigada pela vossa colaboração. PIEF 9 º ano

Jornal do Frei

Abril 2014

11


O TEMPO PASSA OU PASSA O TEMPO A rir Um homem viajava no seu automóvel a cem km/h quando de repente vê uma placa que dizia "Reduza a setenta quilómetros." O homem confuso lá reduziu a velocidade. Mais adiante, vê outra placa que dizia "Reduza a quarenta quilómetros." Bem, o homem lá reduziu mas agora já estava um pouco chateado. Mais à frente o homem vê outra placa que dizia "Reduza a dez quilómetros." Lá ia o homem a 10 km/h quando aparece outra placa mas esta dizia " Bem­vindo a Reduza." Dois homens conversam: ­Sabes, não há nada como um bom jornal. ­A sério e porquê? ­Já tentaste esborrachar uma mosca com uma televisão? Gonçalo Azevedo, 7A

A pensar Completa o crucigrama com as personagens do livro História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar: 1 – O gato que está sempre a dizer “Terrível!”. 2 –A gata do poeta. 3 –Com quem Zorbas quebrou o tabu. 4 –Gato grande, preto e gordo. 5 –Animal que vive no bazar de Harry e está bêbedo. 6 –Morreu devido a uma maré de petróleo.

Sofia Marques, nº16,7A

Jornal do Frei

Abril 2014

12


Miriam Arnaud, n.º13, 7A

Sabes quem é? Somos muitos quem o solicita Já andou pelo mundo, Até na Arábia Saudita.

A equipa do jornal

Jornal do Frei

Abril 2014

13


Jornal do Frei

Abril 2014

14


Jornal do Frei

Abril 2014

15


ESTIVE A LER…

“Um Homem Inquieto”, de Henning Mankell

“Um Homem Inquieto”, de Hennning Mankell, é um policial. Um policial sueco que é o último volume de uma série que tem no seu centro uma personagem – o inspetor Kurt Wallander. Sendo um policial obviamente que nos conta uma história cujo fio condutor é a descoberta do autor ou autores de um crime. Crime que neste volume começa por ser um desaparecimento, depois um crime de morte e culmina no encontrar do desaparecido e consequente resolução do crime. Mas este policial não é um simples e linear policial. Não é uma mera história crime/descoberta do criminoso. É um policial muito rico e complexo. Alia o contar de uma narrativa (crime­descoberta do criminoso) o desenho de várias e complexas personagens. Desde logo sobressai Kurt Wallander, o inspector­chefe da polícia criminal de Ystadt (sul da Suécia). As suas dúvidas como profissional mas sobretudo como homem seduzem­nos ao longo do texto. É um polícia sempre na dúvida se a sua investigação, e daqueles que dirige, está no rumo certo. E é um homem pleno de inquietude sobre o filho, o marido, o amante e o pai que foi. É um homem de cerca de sessenta anos que se interroga sobre a vida que levou ou que não levou. O que fez e o que poderia ter feito. Pois este é também um policial crepuscular pois vemos o final de carreira e até do homem (começa a apresentar sintomas de Alzheimer) que começamos a seguir alguns volumes antes. Ao vigoroso e sedutor retrato desta personagem temos outras – polícias e não­polícias. Deles destaco o pai de Wallander – pintor de um único tema que repetiu em todos os seus quadros ao longo da sua vida. O retrato da paisagem e da sociedade suecas são mais um prazer na leitura deste policial.

Joaquim Neves, professor de História

Jornal do Frei

Abril 2014

16


EXPERIMENTA… Bolachinhas de Gengibre Para saber mais O gengibre é uma planta de origem asiática, não é uma raiz, mas sim um rizoma (um tubérculo como a batata) com caules retorcidos. Várias fontes afirmam que é rico em propriedades medicinais: é fonte de vitamina B6, cobre, magnésio e potássio; por ser antioxidante, aumenta a imunidade, previne o cancro e ainda embeleza a pele e o cabelo; o gingerol ­ composto que dá sabor picante ao gengibre ­ retarda o crescimento de tumores no intestino é ainda considerado antisséptico.

Bolachas de gengibre e canela Ingredientes: 250g farinha; 90g açúcar; 120g manteiga; 1 ovo; 2 colheres sopa canela; 2 colheres chá de gengibre fresco ralado; Raspa de ½ limão 1 colher chá de fermento em pó. Confecção: Juntar o açúcar, o ovo e a manteiga e mexer bem. Juntar a farinha e mexer até ter uma mistura homogénea. Adicionar a canela, o gengibre, o fermento e a raspa de limão e misturar bem. Colocar a massa no frigorífico uma hora. Com a ajuda de um rolo de cozinha, estende­la numa superfície bem limpa, e cortar as bolachas com um corta bolachas. Colocar as bolachas num tabuleiro forrado com papel vegetal e levar ao forno 15 a 20 minutos a 180ºC.

Celeste Dias, Professora de Educação Física

Jornal do Frei

Abril 2014

17


CANTINHO DO AGRUPAMENTO

Jornal do Frei

Abril 2014

18


Alunos da Escola Bรกsica dos Benguiados

Jornal do Frei

Abril 2014

19


JORNAL DO FREI

Jornal1 sla2  

1º número do Jornal do Frei (Jornal escolar do Agrupamento de Escolas Frei João de Vila do Conde)

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you