Page 1

PORTFOLIO 2001-2008 Samuel Carvalho

DESENHO PROJECTO FILME


PORTFOLIO 2001-2008 Samuel Carvalho

DESENHO PROJECTO FILME


ÍNDICE 4 10 12 14 20 24 26 30 36 38 40 42 44 46 50 54 56 58 64

Módulo Espaço 4D Apartheid Urbano habitação Multifamiliar Escola de Jazz Recreio Largo da Vitória Edifício Híbrido Torre de Estacionamento Filme da Torre Curtina Urbana Livro IV Beyoncé Museu do Vinho do Porto Escola de Francos Business Centre Filme do Porto Fábrica Social Livro Fábrica Social


MÓDULO

2002-2003 2º ANO Este trabalho tinha como objectivo explorar as possibilidades da composição modular. Baseando-me na geometria fractal, propus criar um pequeno módulo, que multiplicado, criava uma versão maior de si próprio; uma Mega Torre.

4


5


6


7


8


9


ESPAÇO 4D

2002-2003 2º ANO (com Samuel Rodrigues) Para um exercício de uma proposta de um espaço cenográfico escolhi fazer uma animação de um percurso pela Mega Torre. O processo consistiu em fazer uma maquete a uma grande escala, filmar uma viagem interior e passar toda a fotografia para desenho.

10


11


APARTHEID URBANO

2002-2003 2º ANO (com Samuel Rodrigues) Este filme foi desenvolvido para um projecto de Antropologia que tinha como objectivo estudar o fenómeno dos parques temáticos nas cidades contemporâneas. Este pequeno filme retrata o fenómeno dos condomínios fechados na cidade do Porto, abordando temas de espaço público e de cidadania; espaços murados, paranóia de segurança, polarização social, privatização de espaço público.

12


13


HABITAÇÃO MULTIFAMILIAR 2003-2004 3º ANO

14


15


HABITAÇÃO MULTIFAMILIAR 2003-2004 3º ANO

Este trabalho consiste num projecto de habitação multifamiliar para um terreno junto á Avenida Sidónio Pais, uma arteria principal de entrada e saída da cidade do Porto. A solução apresentada consiste em delimitar o quarteirão criando um espaço público interior, protegido das ruas envolventes, com espaços verdes - uma clareira urbana. As habitações contém uma banda de serviço (cozinha, sanitários, arrumos, acessos verticais) na fachada norte, com os espaços privados e sociais (quartos e salas) orientados a sul para o espaço verde. Esta organização permite diversidade e flexibilidade na disposição dos diferentes espaços nas casas, reflectido depois na composição da fachada sul.

16


17


HABITAÇÃO MULTIFAMILIAR 2003-2004 3º ANO

18


19


ESCOLA DE JAZZ 2003-2004 3º ANO

Junto aos edifícios de habitação multifamiliar é proposto criar uma escola de jazz. O edifício implanta-se nas traseiras do quarteirão, numa planta em forma de H com dois braços onde se encontram as salas de aulas, gabinetes, sanitários e um grande pátio de recepção e um grande auditório entre os braços.

20


21


ESCOLA DE JAZZ 2003-2004 3º ANO

A ideia principal era abrir a escola á cidade. O primeiro piso, mais transparente, contem espaços mais públicos e espaços comercias numa tentativa de abrir a escola á cidade. O segundo piso surge como um volume sólido, em betão para os espaços de aulas mais reservados e protegidos. Este volume serve também como vídeowall, comunicando os eventos espectáculos da escola.

22


23


RECREIO

2004-2003 4º ANO Para um exercício de design era pedido um brinquedo para um recreio de escola. Propus criar um brinquedo que fosse pedagógico; uma estrutura que pudesse ser montado pelos alunos pondo em prática conhecimentos aprendidos. Aprender a brincar. Cria-se uma estrutura a partir de um octahedro truncado que pode ser acopulado da várias maneiras permitindo diferentes composições e ligações interiores.

24


25


LARGO DA VITÓRIA 2004-2005 4º ANO (em grupo)

Este projecto propunha a reabilitação de um pequeno largo/miradouro no centro histórico do Porto. Aproveitando uma relação panorâmica com a paisagem propôs-se três plataformas de granito em sentido descendente, como um anfiteatro sobre a paisagem. Foram colocados alguns bancos e mesas, um ecoponto e um kiosk informático.

26


27


LARGO DA VITÓRIA 2004-2005 4º ANO (em grupo)

O kiosk consiste numa parede técnica espessa onde se coloca o equipamento técnico e o banco desmontável, contrastado por uma cobertura muito fina para não obstruir a visão da paisagem.

28


29


EDIFÍCIO HÍBRIDO 2004-2005 4º ANO (em grupo)

30


31


EDIFÍCIO HÍBRIDO 2004-2005 4º ANO (em grupo)

Este exercício tinha como objectivo propor um conjunto de edifícios para o quarteirão onde se localiza o edifício Bom Sucesso, no Porto, para um programa multifuncional para uma clínica, um ginásio, uma galeria comercial, um lar de terceira idade, escritórios e apartamentos residenciais. Esta diversidade de programas sugeriu a ideia de um único edifício que contivesse todo o programa. Define-se então um “loop programático”- ginásio-clinica-lar-escritóriosginásio, onde a cumplicidade entre alguns programas promovesse contaminações e sobreposições criando novos programas e espaços híbridos.

32


33


EDIFÍCIO HÍBRIDO 2004-2005 4º ANO (em grupo)

O edifício de forma triangular organiza-se em 6 pisos. Em cada canto do edifício encontra-se uma entrada e átrio para cada programa diferente. Todo o edifício é revestido com uma parede cortina em chapa perfurada, dividida em portadas que se abrem. Esta solução permite adaptar a luz natural ás necessidades de cada programa mantendo ao mesmo tempo uma unidade a todo o edifício.

34


35


TORRE DE ESTACIONAMENTO 2004-2005 4º ANO (em grupo)

Este exercício, de carácter experimental, consistia em projectar uma torre de estacionamento na Rua Gonçalo Cristovão, no Porto, artéria onde se encontram os principais aranha céus do Porto. O programa exigia um estacionamento mecânico para 500 veiculos e um restaurante panorâmico no ultimo piso. Encaramos este edifico como uma máquina A proporção da torre ficou refém ao sistema de estacionamento mecânico. As excelentes condições de orientação sugeriam revestir as fachadas sud-este e sudoeste com paineis photovoltaicos dando autonomia enegetica oa edificio. Finalmente, como um Farol urbano, propusemos rematar o topo da torre com um dispositivo luminoso. Usando tecnologia holográfica uns “sprinklers” emitem luz produzindo imagens a três dimensões – arte, publicidade, dados.

36


37


FILME DA TORRE

2004-2005 4º ANO (em grupo) Para este projecto produziu-se um pequeno filme de apresentação com imagens da envolvente urbana, um atlas de arranha-ceus, um percurso virtual pela torre, um esquema do sistema de estacionamento mecânico e finalmente simulações dos hologramas.

38


39


CURTINA URBANA 2004-2005 4º ANO (em grupo)

Em 2005 foram seleccionados pelo Teatro Rivoli uma série de alunos para participar num seminário cujo objectivo era repensar a relação do Teatro com a praça D.João I. A nossa proposta tinha como ideia abrir o teatro á cidade. Propusemos uma grande cortina vermelha a tapar o Teatro Rivoli. Esta inversão permitia que os espectáculos e festivais fossem organizados no exterior, na praça. O teatro transforma-se em bastidores e a cidade em palco.

40


41


LIVRO IV

2004-2005 4Âş ANO (em grupo) No final do ano produzimos um livro a documentar os projectos apresentados, pesquisa, experiĂŞncias, dados.

42


43


BEYONCÉ

2004-2005 4º ANO Uma proposta para um vídeo-wall para a Igreja das Carmelitas, reintrepetando o azulejo portuense e a relação entre imagem e arquitectura.

44


45


MUSEU DO VINHO DO PORTO 2005-2006 5º ANO

Este exercício tinha como propósito criar um Museu do Vinho do Porto na Vila do Pinhão que celebrasse todo o património cultural do douro vinhateiro. A solução proposta consiste num edifício que se desenvolve em plataformas, reflectindo a paisagem vinícola do Douro. O Museu passa a ligar a cota baixa da beira rio com a cota alta da vila, através de uma grande escadaria que liga á plataforma superior que serve como miradouro público No interior as areas privadas e de serviço encontram-se em caixas libertando as salas amplas para criatividade curatorial.

46


47


48


49


ESCOLA DE FRANCOS 2005-2006 5ยบ ANO

50


51


ESCOLA DE FRANCOS 2005-2006 5º ANO

Este projecto consistiu em projectar uma escola para ensino primário e secundário em Francos, no Porto. O local carcateriza-se por uma grande diversidade de tecido urbano – edificios de escritórios modernos, edificado habitacional do séc. XIX e um bairro social tipo “carta de Atenas”. A escola tem como ambição ser um local de encontro comunitário. O projecto define-se assim como um grande quadrado elevado por cima de uma estrada, articulando os diferentes tecidos envolventes. Este volume flutuante cria um grande arco urbano de entrada para Francos com um grande forum público por baixo com a entrada para a escola. O edificio é construido em betão branco, supportado por pilotis, com dois grandes pátios.

52


53


BUSINESS CENTRE 2007-2008 (em grupo)

É proposto um “business centre” para um armazém abandonado em Leça. A ideia consiste em deixar o armazém o mais amplo e livre possível. Organiza-se assim os escritórios em duas bandas longitudinais libertando um grande espaço comum central. Neste espaço, encontram-se, em pequenos volumes, os sanitários, bar e auditório articulados com espaços de estar, arvores e um pequeno pano de água. Na cobertura, as duas águas são substituidas por vidro, inundando o armazém de luz natural.

54


55


FILME DO PORTO

2007-2008 (com Samuel Rodrigues) Este filme cartografa o crescimento urbano do centro do Porto desde o ano 0, durante a primeira ocupaçao romana, até ao sec. XIX. A mancha vermelha, representando o edificado, cresce a velocidades diferentes, contraindo durante as invasões, enchendo a muralha na idade média e explodindo no séc XVIII.

56


57


FÁBRICA SOCIAL

2007-2008 6º ANO (em grupo)

Prémio “Integração Social” no European Competition for Architecture with a high environmental value 2009

O projecto final de curso teve como objectivo a reabilitação de uma fábrica abandonada no centro do Porto. O cliente, o escultor José Rodrigues, pretendia transformar este edfício industrial num centro de creatividade.

58


59


FÁBRICA SOCIAL

2007-2008 6º ANO (em grupo) Para a reabilitação da Fábrica Social propusemos a criação de um campus da criatividade, através da reabilitação da Fábrica e da sua envolvente. O campus inspira-se nas catedrais medievais, grandes edifícios em perpetua reconstrução apoiado por unidades de produção, ensino, serviço e habitação. Assim, alem da reabilitação da fábrica proposemos tambem 4 novos projectos: - a reabilitação de o bairro operário em residências de artistas - parque de estacionamento - studios para jovens criadores - um laboratorio de fabricação pessoal - um centro de estudos do meio ambiente Para estruturar estas novas unidades propomos uma ligação pedonal por cima da Fábrica que chamamos de aqueduto. Além de criar novas ligações e percursos serve tambem como “teia” para equipamento técnico e intervenções artisticas reslultando como ícone na paisagem.

60


61


STUDIOS DE ARTISTAS 2007-2008 6º ANO

O projecto de studios de jovens artistas propunha um conjunto de ateliers de trabalho na cobertura de uma plataforma que contem um novo parque de estacionamento. Inspirada na indústria de contentores a ideia de este projecto consiste em criar um conjunto de ateliês em que cada contentor servisse como espaço de trabalho para um jovem criador, e contentores para sanitários, espaços comuns e um auditório. Dado a flexibilidade deste programa este conceito permite adicionar ou reduzir o número de contentores. Organizados de forma regular os espaços intersticiais servem de circulação, espaços de estar ou varandas para o segundo piso. Os contentores são construídos através de uma sandwich prefabricada com revestimento exterior de aço inox e revestimento interior de madeira.

62


63


LIVRO Fテ。RICA SOCIAL 2007-2008 6ツコ ANO (em grupo)

64


65


LIVRO FÁBRICA SOCIAL 2007-2008 6º ANO (em grupo)

Para este projecto fizemos um livro documentando toda a experiência na Fábrica, a pesquisa realizada e a estratégia adoptada, juntamente com quatro livros apresentando cada um dos projectos propostos para o campus.

66


67


Architecture Portfolio  

Architecture Portfolio

Architecture Portfolio  

Architecture Portfolio

Advertisement