Page 67

que uma boa lubrificação não resolva. Zane devorou sua boca com gula, os dedos emaranhados em seus cabelos bagunçados: — Vejamos o que podemos fazer a respeito. E antes que Quinn pudesse raciocinar, ele descia sobre seu corpo e suas pernas estavam de novo sobre os ombros dele. Ficou em suspenso, aguardando o toque, mas ele não veio imediatamente. Sentiu primeiro o toque suave de sua mão, seus dedos separando suas dobras. Então a voz dele, baixa e parecendo encantada soou: — Você tem uma linda bocetinha, Quinn Bee. Ninguém, nunca havia elogiado sua... Bom, aquela parte de sua anatomia. Nesse momento, agradeceu intimamente a Gwen que a convencera de fazer uma depilação estilo brasileira, chamada biquíni. Logo sentia a boca dele tomar seu clitóris, sugando-a levemente e o soltando em seguida, como se estivesse conferindo o resultado do que fizera: — Sim, linda e gostosa, muito gostosa, bonequinha — assim sussurrando, deixou uma mão pousar sobre seu ventre chato e a outra a puxava pela coxa, tomando-a de vez em sua boca. Quinn se esqueceu de como se mandava ar para seus pulmões. Era muito bom! A cada açoite da língua dele era uma dimensão que ela ultrapassava. Ficou imóvel, somente absorvendo as sensações alucinantes. A certo momento, apoiou-se sobre seus cotovelos para vislumbrar o trabalho dele. Era a coisa mais erótica que já vira. Aquele homem extremamente sexy, fitando-a enquanto a fodia magicamente com sua boca. Ela não conseguiu encontrar uma única palavra para dizer a ele. Nem precisava. Os olhos dele brilhavam com luxúria pura, investindo mais e mais, atento as reações dela, apertando-a, deixando as marcas de suas mãos cravadas em suas coxas. Quinn só fazia gemer e se surpreender quando seu corpo se convulsionava, e como um ímã, era atraído cada vez mais para ele. Então ela gemia alto, chamando pelo nome dele e desabava sobre o colchão, esgotado, trêmulo. Sentiu-o lambê-la uma vez mais e então se afastar. Mas tão rápido quanto ele se fora, estava de volta, já vestindo uma camisinha em seu membro lindamente duro: — Acho que já está o suficiente molhada para mim, não, bonequinha? Quinn mordeu a ponta da língua e o chamou com as mãos: — É o que vamos descobrir agora, não? — Com certeza! — assentiu beijando-a ao mesmo tempo em que se ajeitava entre suas pernas novamente. Quando sentiu a ponta do pau dele, num conjunto com seu apadravya, Quinn interrompeu o beijo por um instante: — Devagar no começo, certo? — sugeriu com um pouco de receio. Ele era grande, tinham de ir com calma no começo. — Claro, docinho! Terei todo o cuidado do mundo — prometeu, já a penetrando, bem suavemente — Minha última vontade é fazer você sentir dor — ergueu uma de suas pernas, forçando um pouco mais sua passagem, relaxando-a com suas palavras ditas em sussurros junto a seus lábios — Até que

Patrícia rossi zane  
Patrícia rossi zane  
Advertisement