Page 55

Não pôde deixar de notar que ele ficou surpreso por ela morar num bairro de classe média. Quando resolveu se mudar, decidiu que queria experimentar algo mais simples em sua vida. E aquele bairro residencial muito mais modesto de onde estava acostumada morar, se encaixava perfeitamente em seus planos. E algumas pessoas com certeza a chamariam de louca por levar um quase desconhecido para sua casa. Mas sentia que podia confiar nele. Ao chegarem, se atrapalhou com a fechadura, pois ele estava colado a suas costas, segurando seus quadris contra sua ereção proeminente, enquanto lhe mordia o pescoço: — Com problemas aí, docinho? — conspirava ele em seu ouvido, a provocando. — O que acha? Depois de algum tempo, conseguiu abrir a maldita porta e deu espaço para que ele entrasse: — Surpreso que minha casa não se pareça com o castelo da Barbie? — cutucou quando ele percorreu o ambiente pequeno da sala — Sim, porque... Como você disse? — fechava a porta depositando as chaves e a bolsa no aparador — Uma riquinha esnobe... Ele sorriu de lado, coçando o queixo, sem tirar os olhos dela: — Um pouco surpreso. Quinn também sorriu, mas de forma sensual, despindo o cardigã, lentamente. Zane estreitou os olhos, acompanhando seus gestos: — Mas acho que você não está aqui para admirar minha decoração, certo? — Com certeza não. — Zane avançou para ela, segurando sua nuca e cintura e a puxou com força contra seu peito. Esmagou seus lábios com os seus, num beijo guloso. O gemido de antecipação que veio do fundo da garganta dela fez os pelos de sua nuca se eriçarem. Ela se tinha nas pontas dos pés e correspondia com igual ardor a sua investida. — Você é tão linda, Quinn! — murmurou em sua boca, segurando suas ancas, esfregando-a em seu pau sofridamente duro — Sexy como o inferno! Você me deixa louco, garota! — Zane! — gemeu ela empurrando o boné dele fora de sua cabeça e segurando seu rosto entre as mãos, mordendo seu lábio inferior. — Você me quer, tanto quanto eu te desejo, não é, docinho? — Sim... — respondeu de pronto, sem qualquer hesitação — eu quero muito você, Zane Hudson. — E você me terá, Quinn Bee! — as mãos dele desceram para o bumbum macio, apertando-o uma, duas, diversas vezes.

Patrícia rossi zane  
Patrícia rossi zane  
Advertisement