Page 5

“É oficial!” Pensava Quinn. “Eu vou matar o Blane!” Por conta de seu empregado e amigo, se encontrava do outro lado da cidade, num bar que era frequentado na sua grande maioria por homens. As poucas mulheres que ali estavam, lhe lançavam olhares no mínimo curiosos. Claro, obviamente que seu belo vestido azul-escuro e seu tailleur no mesmo tom, feitos sob medida, seu altíssimo scarpin e sua enorme bolsa de grife, não combinavam com o lugar. O jeans predominava ali, tanto nas calças como nas jaquetas. Mas ela estava irritada demais para também se aborrecer com aquilo. Até para notar que era o centro das atenções também para os homens. — Blane, Blane! Cadê você? — murmurou, mais para si mesma, consultando o relógio caro e lançando outro olhar para a porta. Ele estava quase meia hora atrasado. E ele sabia que ela não gostava de atrasos! Havia pedido somente uma água, acreditando que sua espera não seria longa. Cruzou as pernas, balançando um pé nervosamente. De repente, Tito e Tarantula começou a soar deliciosamente pelo ambiente, com Back to the House. Procurou sua origem e notou que vinha de uma antiga Jukebox. Amava aquela música. Sorriu suavemente. Ao menos algo de bom naquela tarde! Havia tempos que não ouvia aquela música! Então uma risada ao fundo lhe chamou a atenção. Era máscula, crua e arrogante. E foi quando ela o viu. A primeira coisa que notou era que ele era muito alto, talvez 1, 90 m, 1, 95 m. Ele era largo também. Era moreno ou bronzeado de sol, não podia dizer. Vestia uma camiseta branca, com um decote v e apesar de solta, não lhe escondia o peitoral poderoso, ou seus braços extremamente bem definidos e colossais. O jeans claro lhe moldavam as coxas fortes. Que braços, que pernas! Uma tatuagem surgia de seu braço esquerdo, sob a camiseta, num emaranhado negro. Ela não entendia de tatuagens e nunca se interessara por elas. Mas aquela parecia feita para talhar aquele homem em especial. Quinn aproveitou que seu lugar era privilegiado junto à janela e assim, ficava mais afastada das demais mesas para examinar o sujeito que estava distraído no jogo de sinuca. Com aquela música, que ela considerava extremamente sexy de fundo, começou sua apreciação. Seu rosto era extremamente anguloso, maxilares bem acentuados, cobertos por uma sombra escura que era sua barba por fazer. Seus cabelos eram raspados, deixando sua cabeça também com uma sombra escura muito suave. Adorou como o trapézio dele se destacava nos ombros. Quando ele ergueu seus braços para comemorar um ponto, ela teve um vislumbre de seu abdômen, como não poderia deixar de ser trincado? Assim como notou o cós da boxer dele, pouco acima da cintura de sua calça e que ele tinha outra tatuagem no quadril esquerdo que subia até quase suas

Patrícia rossi zane  
Patrícia rossi zane  
Advertisement