Page 1


Fuga de Cérebros

como Campbell, Saratoga e Fremont (são 16 no total). Grande parte dos pesquisadores de lá não são americanos.

“Fuga de cérebros” é quando os mais especializados

Muitas das empresas que hoje são as maiores do mundo

profissionais de um país são atraídos por trabalhos no

foram desenvolvidas no Silicum Valley, como a Google, a

estrangeiro, tendo melhor remuneração, benefícios e

Apple, a NVIDIA Corporation, Hewlet-Packard e nada menos

reconhecimento, em troca de desenvolver pesquisas,

que a Microsoft.

tecnologias e outras coisas para o país que o contratou. Vejam bem como é: uma organização, até mesmo o governo, contratar profissionais altamente especializados de outros países é sinal de que há um cenário econômico bastante particular: ou não há qualificação suficiente no país de origem ou se deseja “raptar” os cérebros que têm o poder de promover inovações no mercado. Os Estados Unidos, por exemplo, são grandes atratores de cérebros, mas não é por falta de bons profissionais em seu território; eles desejam os melhores pesquisadores do mundo para que possam desenvolver suas tecnologias e então patenteá-las, tendo quase que monopólio inicial no mercado. É por isso que as inovações “começam” nos EUA; na verdade, muitas delas foram concebidas por indianos, árabes, europeus, que são destacadamente especializados e capacitados. O Vale do Silício é um dos mais famosos centros de tecnologia, localizado na Califórnia, e se estende por várias cidades,

O que isso significa para o país que perde esses cérebros? Ele perde um grande potencial de inovações, que serão desenvolvidas por seus trabalhadores, mas para uma outra nação. Calcular o que a economia desse país perde por isso é bastante difícil. O Brasil, embora não seja um grande lançador de cérebros, tem alguns exemplos “cabulosos” para mostrar. Um destaque muito interessante é no setor de cinematografia e produção gráfica. Alguns dos grandes fenômenos de bilheteria tiveram em sua produção brasileiros. Talvez o maior deles: o filme Matrix, considerado uma revolução cinematográfica e copiado pelos filmes que o seguiram. Matrix trouxe muitos produtores brasileiros. Outro exemplo é o desenho computadorizado A Era do Gelo I e II, sucessos de públco.


que requerem muito estudo e cada vez está mais competitiva, há um aumento populacional desordenado.

Migrações Internas no Brasil Com um mercado expansivo surgindo várias oportunidades de emprego nas capitais, os fluxos migratórios só têm aumentado. O GRANDE fluxo migratório que tem se intensificado nas últimas cinco décadas é o êxodo rural. Esse fluxo tem seu crescimento devido ao grande mercado econômico que capitais, principalmente da Região Sudeste tem a oferecer a grandes latifundiários, como mostrou a matéria do Professor Wagner de Cerqueira. Professor graduado em geografia, Wagner Cerqueira fez um texto dirigido ao Êxodo Rural onde ele se baseia em seus conhecimentos para redigi-lo. Tomando por base o final do século XX, a Região Sudeste do Brasil foi a que recebeu os maiores fluxos migratórios do país, principalmente o estado de São Paulo, o qual por ter um grande polo comercial e grandes capitais de investimento tem esse fator de atração sobre a população rural. Mas essa grande concentração de pessoas vindas para os polos mais favoráveis ao trabalho acarretam em fatos negativos também, como a maioria dessas pessoas não tem qualificação para exercer cargos de grande importância,

tende a crescer mais nos próximos anos, o êxodo rural continuará a ser o maior dos fluxos migratórios. Baseandose no que foi mencionado, a Região Sudeste junto com o Centro-Oeste lideram o ranking em número de fluxos migratórios, pois tendem a ganhar mais do que perder pessoas. A migração interna corresponde ao deslocamento de pessoas dentro de um mesmo território, dessa forma pode ser entre regiões, estados e municípios. Tal deslocamento não provoca modificações no número total de habitantes de um país, porém, altera as regiões envolvidas nesse processo. No Brasil um dos fatores que exercem maior influência nos fluxos migratórios é o de ordem econômica, onde o modelo de produção capitalista cria espaços privilegiados para instalação de indústrias, forçando indivíduos a se deslocarem de um lugar para outro em busca de melhores condições de vida e à procura de emprego para suprir suas necessidades básicas de sobrevivência.


Migração de Refugiados - São tidos como refugiados aquelas pessoas que são forçadas a fugirem de seus países, individualmente ou parte de evasão em massa, devido a questões políticas, religiosas, militares ou quaisquer outros problemas. - Geralmente, os organismos de assistência e os mecanismos de proteção aos refugiados propõem três “soluções permanentes” a favor dos refugiados: -A repatriação voluntária: os refugiados podem, posteriormente, retornar aos seus países de origem uma vez que suas vidas e liberdade não sofram mais nenhuma ameaça; -A integração local: os países de asilo permitem que os refugiados se integrem ao país, sendo este seu primeiro asilo; e -O reinstalação num terceiro país: quando a repatriação é perigosa e o primeiro país se negar em dar a integração local. - A maior parte dos refugiados no mundo espera por soluções permanentes para suas condições. Embora muitos consigam asilo provisório ou temporário em

países vizinhos, poucos conseguem regularizar suas situações ou conseguem ser integrados. Os direitos de ir e vir e de trabalhar são altamente restringidos e as oportunidades de lazer geralmente inexistem ou são pouco oferecidas. Esses refugiados também podem ser alvos de ataques, tanto por forças de segurança local como por incursões de grupos rivais que cruzam a fronteira. - Campo com atual situação precária foi instalado no sul da província de Hatay, cidade grudada da fronteira com a Síria para refugiados da guerra civil da Síria. O movimento no campo de refugiados aumentou muito porque a população quase dobrou. De longe se vê os prédios e as fileiras de tendas de um campo de refugiados sírios que foi instalado na periferia. Está lotado, mas não se pode visitar. As autoridades turcas poucas vezes permitem o acesso de jornalistas aos campos, dizem que é para manter a privacidade das pessoas, mas é também para evitar que se cheque as condições em que estão vivendo. - Campo de refugiados no sudão do sul sofre com mortalidade : Cerca de 55 mil refugiados encontramse no campo de Yida, no Sudão do Sul, assolada por uma forte mortalidade.Desde o início das chuvas, em junho e julho, as estradas de grande parte do Sudão do Sul se tornaram intransponíveis, complicando o abastecimento do campo de alimentos e medicamentos.


Refugiados Ambientais O início do século XXI tem sido marcado por discussão crescente a respeito das mudanças climáticas, suas origens e suas implicações sobre o ambiente e sobre a humanidade. O efeito estufa, o aquecimento global, o constante aumento da poluição atmosférica e a maneira com que o meio ambiente tem se defendido das ações antropogênicas têm despertado na sociedade internacional a necessidade de se regulamentar a nova condição de vida das pessoas que têm sido vítimas das mudanças do clima: os chamados refugiados ambientais.

A degradação ambiental tem sido a causa do deslocamento, desenraizamento de um grande número de pessoas ao redor do mundo. Gradativamente, o noticiário tem dado informações de pessoas que perdem suas casas, vida e família, por força da natureza. Vê-se grande número de pessoas conglomeradas, penduradas em telhados ou nas pontas das árvores, em tentativa de sobreviver às grandes cheias, soterradas por abalos de terra, mutiladas devido a desastres nucleares. O mais preocupante é que as mudanças ambientais tende a se potencializar, influenciando nos índices de mortalidade e morbidade, assim como provocando situações que implicam na necessidade de realocação de grupos populacionais, com reflexos na redistribuição espacial da população.


Migrações : Locais e Causas

Oceania: Cerca de 5 milhões de pessoas dirigiram-se para a Austrália cuja população tem 25% de

Ásia: Nesse continente, há cerca de 43 milhões de

imigrantes.

imigrantes, além dos refugiados da guerra civil no Afeganistão que se abrigam no Irã, no Iraque e no

Adaptado de: Coelho, Marcos A. e Terra, Lygia.

Paquistão. Israel recebe populações da Comunidade

Geografia Geral. O espaço natural e socioeconômico.

dos Estados Independentes, sendo 31% de sua

Moderna, p.281. 2001.

população constituída de imigrantes. Tailândia e Cingapura, por se terem industrializado recentemente,

Em todo movimento migratório, além das causas

atraem grande número de pessoas.

existem também as conseqüências. Entre elas, as mais importantes são: A ocupação e o povoamento de

África: Após a descolonização, as inúmeras guerras e

uma área, A influência na distribuição geográfica da

conflitos de etnia e de fronteiras deslocaram 16

população, Os impactos no desenvolvimento

milhões de pessoas de seus países. A Costa do

econômico, As mudanças nos costumes, A perda de

Marfim tem 30% de sua população composta de

população economicamente ativa nas áreas de

imigrantes.

emigração (saída), A rejeição ou o conflito. Como exemplo, podemos citar: Xenofobia – Constitui-se em

América: Os EUA e o Canadá atraem populações

uma aversão ao estrangeiro. Apartheid – Segregação

dos países menos desenvolvidos (24 milhões de

racial. Separatismo – Perda de unidade territorial. A

pessoas). Na América do Sul, grande parte dos

aceitação, a assimilação, a aculturação. A influência

imigrantes são os refugiados políticos das décadas de

na relação entre o número de homens e o de

1970 e 1980 que saíram de seus países, como do

mulheres.

Chile, por exemplo.


Migração Animal É o movimento, em larga escala, de uma espécie animal de um lugar para outro. As migrações geralmente estão associadas a mudanças sazonais de clima e padrões de alimentação, ou padrões de acasalamento e procriação. Algumas migrações não seguem esses padrões. Migrações irruptivas não seguem qualquer padrão e espécies nômades se movem de um lugar para outro sempre que se exaure seu suprimento de comida em uma determinada área. Por todo o mundo, muitas das migrações mais espectaculares são ameaçadas por uma série de factores, incluindo destruição de habitats, criação de obstáculos e barreiras como barragens ou vedações, exploração excessiva e mudanças climatéricas. Quando todos os membros de uma espécie migram, o processo é conhecido como migração completa. Se alguns membros de uma espécie ficam no mesmo lugar o ano todo enquanto outros migram, existe uma migração parcial. Isso normalmente ocorre quando o alcance de uma espécie é grande o bastante para que alguns espécimes vivam em um lugar sempre quente, enquanto outros vivam em uma região temperada que fica fria demais para eles no inverno. As corujas são um exemplo de animal que realiza migrações parciais

Os animais que vivem em áreas montanhosas podem empregar migrações de altitude. Em vez de percorrerem longas distâncias, eles se transferem para altitudes mais baixas quando a neve atinge os topos das montanhas. Uma mudança drástica no meio ambiente ou no clima pode resultar em uma migração de remoção. Caso o habitat de uma espécie se torne permanentemente inadequado para ela, como acontece quando o desenvolvimento humano drena um pântano ou abate completamente uma floresta, a espécie tentará se transferir para uma área diferente e não retornará ao seu lar original. São conhecidas as migrações sazonais determinadas pela modificação das condições alimentares ou climáticas. A orientação dos animais na migração se dá, aparentemente, por referenciais diversos: algumas aves migradoras utilizam reparos visuais, mas outras podem dispensá-los. Mantêm-se orientadas pelas estrelas ou, como indicam estudos mais recentes, pelo campo magnético terrestre. A utilização do Sol como bússola por certas espécies migradoras é fato experimentalmente comprovado. A capacidade de orientar-se pela luz solar pressupõe um relógio interno exato, para acertar o tempo nos grandes percursos.


Animais recordistas de migração: O campeão é um pássaro conhecido no Brasil como bobo-escuro (Puffinus griseus), que viaja 63 mil quilômetros todos os anos! Recentemente, a viagem desse incansável parente do albatroz foi documentada por um estudo com rastreadores eletrônicos: primeiro, o bobo-escuro se areproduz na Nova Zelândia no verão do hemisfério sul, no período de dezembro a março. No meio do ano, ele segue para o norte do Pacífico em busca de calor. Outro intrépido viajante é o trinta-réis-ártico (Sterna paradisaea), uma pequena

ave marinha que faz um migração de até 48 mil quilômetros anualmente. Entre os mamíferos, a baleiacinza (Eschrichtius robustus) e o elefante-marinho-donorte (Mirounga angustirostris) são imbatíveis. Comum entre várias espécies de animais, a migração costuma ser uma resposta a mudanças climáticas e de disponibilidade de alimentos - ou, ainda, para garantir a reprodução e a sobrevivência dos filhotes. A lógica dessas viagens ainda não foi totalmente desvendada, mas os cientistas acreditam que o organismo dos animais com hábitos migratórios dispare algum tipo de sinal interno que lhes "avisa" o momento certo de partir para outro lugar. Na preparação para a jornada, os bichos precisam armazenar muita energia. Por isso, eles se alimentam vorazmente antes da partida.


Entrevista com japonesa

80% ocidentalizados. Muitos já nasceram aqui e foram criando hábitos bem brasileiros.

Érika Ikezili, estilista nascida no Brasil e criada em São Paulo e hoje é uma das principais referências na moda.

Você teria algo para nos contar a respeito da vinda da sua família para o Brasil?

Como isso refletiu na sua formação pessoal?

Érika - Sou da terceira geração de imigrantes, fui criada no bairro do Limão, onde havia muitos italianos, espanhóis e negros. Na minha formação pessoal, tenho muito do Brasil em relação à vivência. Dos japoneses, o que tenho é mais refletido no trabalho. Tento viver dentro do que vejo na atitude da cultura oriental, mais como filosofia de vida; já a imagem, eu gosto mais do Brasil. Em sua opinião, a comunidade japonesa está totalmente inserida na cultura brasileira? Érika - Apesar de algumas atitudes não tão ocidentais, os japoneses no Brasil estão quase que

Érika - Minha avó da parte de pai, já veio mais velha e alfabetizada, trabalhou na roça, no cafezal, na plantação de tomate, e acabou virando professora de japonês, no Paraná. Do lado materno, meus avós já foram criados aqui desde criança, então para eles a lembrança não era tão forte. As tradições da cultura japonesa estão presentes no seu dia-a-dia? Érika - Mais na culinária, como gohan todo dia! Também tiro o sapato para entrar em casa...só alguns hábitos. A disciplina típica dos japoneses influenciou sua trajetória profissional? Érika - Sim, na parte de filosofia de trabalho e estilo de vida para entender melhor as necessidades de vestimenta das pessoas.


Migrações Esportivas de Jogadores Portugal 281 Itália 95 Alemanha 50 Japão 48 Grécia 46 Chipre 45 Romênia 40 Turquia 40 Espanha 37 Suécia 37 França 35 Ucrânia 32 Suíça 29 Bélgica 26 Bulgária 23 EUA 23 Polônia 22

Rússia 21 China, PR 21 Holanda 20 Coréia do Sul 18 Austrália 17 México 17 Bolívia 16 Hungria 14 Eslováquia 13 Inglaterra 12 Israel 12 Qatar 11 Noruega 10 Azerbaijão 10 República Checa 9 Dinamarca 9 Belarus 9 Macedônia 9 Honduras 8


Após ganharem asilo nos EUA e no Brasil, cubanos competem no Rio Enquanto Michel Garcia abandonou a delegação cubana em 2007 por uma paixão venezuelana, Luis Amaran foi convidado para defender os EUA

Naturais da cidade de Matanzas, a 90km da capital Havana, os cubanos Michel Fernandez Garcia e Luis

Romero Amaran resolveram sair da ilha caribenha para competir no esporte de alto rendimento com melhores condições de trabalho. Enquanto o primeiro desertou da delegação cubana durante os Jogos PanAmericanos do Rio, em 2007, o segundo resolveu tentar a vida na Espanha e, em seguida, nos Estados Unidos, onde vive com a família. Ambos não podem retornar para a terra natal, no Caribe, e ganham asilo político em suas novas casas. Atualmente, eles buscam ajudar brasileiros e americanos a conquistar bons resultados no Tour do Rio, maior prova de ciclismo da América Latina. Um dos destaques da equipe de Ribeirão Preto, Michel Garcia contou que decidiu mudar-se para o Brasil movido por duas paixões, o país e a namorada venezuelana que conheceu quando veio competir nos Jogos-Pan-Americanos de 2007, no Rio. Na ocasião, o ciclista abandonou a Vila e, algumas semanas depois, recebeu asilo político do Comitê Nacional para Refugiados. Este foi apenas um dos casos de deserção da delegação caribenha na competição. Inconformado, o líder cubano Fidel Castro chamou os desertores de "traidores" e acusou os Estados Unidos e a Alemanha de oferecerem dinheiro aos atletas. - Resolvi sair de Cuba para buscar melhores condições no esporte de alto rendimento. Apesar do governo apoiar os atletas, os equipamentos são escassos e é tudo limitado. Quando vim para o Pan, me apaixonei pelo país e por uma namoradinha venezuelana, isso me motivou a ficar - contou o ciclista de 29 anos, campeão da Volta de São Paulo em 2009.


SaleGeo  

Trabalho de Geografia do grupo do 1°C do salesiano : Rafaela, Mariana, Isaque, Cristian, Gabriel Aquino e Julia.

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you