Page 1

www.maiorde60.com.br

Setembro de 2015 Ano 9 - Nº 96

SAÚDE

GERAIS

Exercícios básicos para a postura

Afeto: é preciso documentá-lo?

Atividades da Vida Diária e exercícios mal feitos, podem contribuir para a má postura.

A escritura pública de declaração de união estável possibilita que os companheiros tenham seus direitos garantidos.

Páginas 4 e 5

Página 3

Aumenta o endividamento Estudo inédito da Serasa Experian, baseado na segmentação Mosaic Brasil, mostra qual o perfil dos idosos brasileiros. Levantamento realizado em em junho de 2014, quando 54,1 milhões de brasileiros estavam inadimplentes, os idosos respondiam por 11,8% deste total. O objetivo é obter um retrato acurado dos perfis que compõem a população do país para permitir que empresas, agências e profissionais de marketing, estudiosos e gestores de políticas públicas tenham dados para traçar estratégias e desenvolver serviços e produtos para os diversos grupos que compõem a população brasileira.

Página 3

Cansaço nas pernas? Pode ser varizes

Página 5

Mês do Idoso em Novo Hamburgo Auxílio reclusão, quem tem direito? Página 7


2 | SETEMBRO DE 2015 | MAIOR DE 60

OPINIÃO

A missão Vílson Moraes

Aposentado / ex-presidente da Atapnh

Ferári

Eu dáva na fila to pãngo e chá fassía máiz te guarênda minút. Aí du vai tizê: “Máiz, Chacó, borguê dú non foi na fila breferenziál, uma vêiz?” E eu resbôndo: Máiz eu dáva. O broplêm é gue dên múida chênde velha gue êndra nos pãngo, os novo vôn nos gája eledrônic ô bágan dúto na indernéd. Aí, na fila tôs itôso é maior gue as ôts. Gondinuãnto, adrás te mín um ôdro velhót,

gôn gára te zapíto non baráva te falá popáche e enjê o sác te dôto múnto. Êl bergundô zê eu fumava e pepía. Eu tís gue zín, ajãndo que êl ía ingomotá ôdro, máiz nôn, zoprô brá min. “Guãndo du cásta bor tía gôn pepída e zicáro?” - bergundô. Eu tís gue vinde pila. “Máin Cott” - êl tís, pên áldo - máiz ísdo tá zeizênts pila bor mês!” Zín, eu tís. “E nun ãno dú cásta zéte mil e tucênts. Iá, eu resbontí. “Guãndo dêmbo du fáis ísdo?” - guería zapê o enjeríto. Eu tís gue turãnde quarênda ano. “Máin Cott, tinovo! Dú casdô tussênts e oidênda e ôido mil nêsde dêmbo. Dú botía dê gombrádo uma Ferári, uma vêiz!” Taí eu chá dáva jêio to coió e bergundêi: dú non pébe, nen fuma, non é? Êl tís gue non. E eu, truff nêl: e gatê a dúa Ferari, uma vêiz?

CLOSSÁRIO Ajãndo - achando Áldo - alto Bágan - pagam Baráva - parava Botía - podia Broplêm problema Cásta - gasta Cumôia - bom dia Dáva - estava Dúa - tua Dúto - tudo Enjê - encher Enjeríto - enxerido Ferári - Ferrari Gára - cara Gatê - cadê

Gombrádo comprado Gondinuãnto continuando Guarênda quarenta Jêio - cheio Máin cott Meu Deus Nêl - nele Ôdro - outro Oidênda - oitenta Ôts - outros Pãngo - banco Pepía - bebia Pepída - bebida Popáche -

bobagem Quarênda quarenta Sác - saco Tía - dia Truff - em cima Tucênts - duzentos Turãnde - durante Velhót - velhote Vinde - vinte Zapíto - sabido Zeizênts seiscentos Zéte - sete Zicáro - cigarro Zín - sim Zoprô - sobrou

Todo ser humano sonha ser aclamado herói, mas poucos sabem o que fazer ou como devem proceder para chegar neste patamar. Hoje o ser humano está bem distante de levar uma vida forte e recheada de heroísmo. Hoje o ser humano está lutando para recuperar o senso de hombridade que parece ter desaparecido da face da terra. Salvo honrosas exceções, não existe mais solidariedade de uns para com os outros. É uma espécie de “salve-se quem puder”. E é contra esta filosofia que devemos direcionar a nossa luta, como cristãos ou não, seja qual for o Deus que professamos. Alguns sabem que algumas coisas são mais importantes e produtivas que a própria vida e dão a vida por causas que consideram mais valiosas que eles próprios. Na busca incessante e desenfreada de realizações e promoções pessoais, muitos esquecem o que de fato significa se um ser humano de verdade. Vendemos nossa moralidade em troca de privilégios econômicos e financeiros e perdemos a dignidade que possuímos, como dom natural que Deus nos ofertou como produtores na força de trabalho. Esquecemos, muitas vezes, o sofrimento de nossos irmãos menos favorecidos e vestimos a carapuça do menosprezo e da incompreensão. Os tempos difíceis de agora exigem superemos princípios morais perigosos. Certa feita, um repórter assistindo o trabalho de Madre Tereza de Calcutá junto aos leprosos, afirmou: “irmã, eu não faria isto por dinheiro nenhum deste mundo”, ao que Madre Tereza respondeu: “nem eu”! Vejam a simplicidade desta santa criatura e mirem-se no seu exemplo. A sua missão era esta. Meus amigos: Deus deu a cada um de nós uma missão, qual seja, a de fazer o bem. Pois eu rogo a Deus Pai Todo Poderoso que nos ilumine e nos oriente na nossa missão, na missão de cada um de nós. Aos aposentados, os meus respeitos.

Visite nosso site: www.maiorde60.com.br Lá você encontra artigos sobre DIREITO, SAÚDE, VARIEDADES, LAZER, MODA E BELEZA, além das imagens captadas pelo fotógrafo GILBERTO WINTER

Se não encontrar o Jornal no seu grupo, retire-o nas bancas: CNPJ: 12.322.553/0001-40 Inscrição Municipal: 6882 Rua Júlio de Castilhos, 600 CEP 93900-000 - Ivoti - RS Fone: 51.8456.4614

Em Campo Bom

Em São Leopoldo

Em Novo Hamburgo

Diretor geral: Gilberto R. Winter maiorde60@maiorde60.com.br Jornalista Responsável Rafael Geyger - MTb/RS: 12397 Arte-final: Sandra Carvalho de Alcantara

Circulação | Ivoti e Vale do Sinos www.maiorde60.com.br

Os artigos assinados são de inteira responsabilidade de seus autores

maiorde60


MAIOR DE 60 | SETEMBRO DE 2015 | 3

GERAL

Endividamento de idosos aumenta em tempos de crise

Estudo revela que os inadimplentes com 61 anos ou mais já chegam a 6,99 milhões de pessoas. O número equivale a cerca de 1/3 da população desta faixa etária (23,7 milhões, segundo o IBGE) e representa 12,4% dos 56,4 milhões de inadimplentes do país. O levantamento foi desenvolvido pela área Big Data da Serasa Experian em junho de 2015. Em junho de 2014, quando 54,1 milhões de brasileiros estavam inadimplentes, os idosos respondiam por 11,8% deste total. Para os especialistas, uma das explicações para o crescimento da fatia de idosos inadimplentes está relacionada com o crédito consignado. Como este tipo de financiamento é mais acessível aos aposentados, em momentos de alta da inflação e aumento do desemprego, muitos deles são levados a solicitar este tipo de crédito para socorrer as contas da casa. E, principalmente, porque essa faixa etária é uma das que mais

sofre com a alta de preços de remédios, plano de Precárias, formado por pessoas pobres, habitansaúde e alimentos. do áreas de baixo desenvolvimento econômico, em geral no Nordeste e Norte do país, que dependem de algum tipo de ajuda governamental para Quem são e como vivem estar imediatamente acima da linha da pobreza. A lista segue com o grupo Adultos UrbaO estudo inédito da Serasa Experian, baseanos Estabelecidos (8,2% do total), formado por do na segmentação Mosaic Brasil, mostra qual o perfil dos idosos brasileiros. Nele, dois grupos pessoas com uma boa renda média (alta para alpredominam: Envelhecendo no Século XXI guns), o que garante um bom e confortável pa(27,4% ou cerca de 6,5 milhões de pessoas), for- drão de vida. São urbanos, em geral vivendo fora mado por idosos de classe média que usufruem das capitais, em cidades menores das regiões de melhorias nas condições de vida em relação metropolitanas ou centros urbanos do interior. Por outro lado, os idosos do grupo Elites Braaos tempos de juventude e os Experientes Ursileiras, que desfrutam de alto padrão de vida, banos de Vida Confortável (15,6% dos 23,7 milhões de brasileiros com mais de 61 anos, ou representam 4,6% do total, ou seja, aproximadaseja, cerca de 3,7 milhões de pessoas), que são mente 1 milhão de pessoas. Em função da alta os moradores de áreas urbanas que trabalharam remuneração, desfrutam de uma vida boa e com muito e conseguiram, assim, obter um padrão de luxos. O Mosaic Brasil, produto da Serasa Experian vida diferenciado. Estes dois grupos representam Marketing Services visou obter um retrato acumais de 10 milhões de pessoas. A seguir vem os grupos que têm como ca- rado dos perfis que compõem a população do racterística dominante a baixa renda e totalizam país para permitir que empresas, agências e proaproximadamente 9,4 milhões de brasileiros. fissionais de marketing, estudiosos e gestores de São eles: a Massa Trabalhadora Urbana, pes- políticas públicas tenham dados para traçar essoas com baixa remuneração, ocupando ativida- tratégias e desenvolver serviços e produtos para des associadas ao trabalho manual, vivendo em os diversos grupos que compõem a população grandes centros urbanos. Habitantes de Áreas brasileira. Rurais, que engloba cidadãos que vivem do cultivo da terra ou de atividades ligadas ao agroneSaiba mais sobre o Mosaic Brasil e as gócio. Os Moradores de Áreas Empobrecidas características de cada grupo em: http:// do Sul e Sudeste, que em sua maioria depende www.serasaexperian.com.br/mosaic/ de ajuda governamental. Habitantes de Zonas

Afeto: é preciso documentá-lo?

A família é a base da sociedade. Por este motivo, a nossa Constituição Federal, lei máxima do Brasil, preocupou-se em protegê-la, definindo como entidade familiar não só as relações advindas do casamento, como também as nascidas de uniões estáveis e de famílias monoparentais, estas últimas entendidas como as formadas por um dos pais e seus filhos. Assim, ao prever outros arranjos familiares que não somente aqueles oriundos do casamento, a Constituição elegeu o AFETO como um princípio norteador, aceitando, reconhecendo, albergando, amparando e subsidiando relações afetivas distintas do casamento. Neste cenário, a união estável, em especial, ganhou grande importância. Reconhecida como entidade familiar entre duas pessoas, configurada na convivência pública, contínua e duradoura e estabelecida com o objetivo de constituição de família, este arranjo familiar, na medida em que recebeu proteção do Estado, garantiu a inúmeros casais que assim viviam direitos antes só conferidos a pessoas casadas, como a possibilidade de inclusão do companheiro no plano de saúde e como dependente

junto ao INSS, bem como a possibilidade, em caso de falecimento do companheiro, de participar na partilha dos bens adquiridos onerosamente (compra e venda) na constância da união. A união estável é uma união de fato, o que significa dizer que ela não precisa ser documentada para existir, como ocorre no casamento, que precisa ser realizado, com todas suas formalidades, perante o Registrador Civil. Isto é, a união estável pode ser caracterizada através de provas do relacionamento afetivo, como fotos, testemunhas, entre outras. O problema é que, não raras vezes, provar a união estável apenas com fotos ou testemunhas não é uma tarefa fácil, especialmente quando um dos companheiros já faleceu e os seus filhos ou demais herdeiros não reconhecem a relação afetiva havida entre o falecido e o companheiro sobrevivente. Neste caso, é necessário um procedimento judicial, que pode arrastar-se por anos. Mas, evitar isso é possível, e simples! É só documentar! A união estável pode ser documentada através de escritura pública de declaração. O procedimento é simples e rápido. Basta que os

dois companheiros compareçam a um Tabelionato de sua confiança, portando seus documentos pessoais, e declarem sua convivência pública, contínua e duradoura e estabelecida com o objetivo de constituição de família perante o Tabelião (a lei não exige um período mínimo de convivência para a configuração da união estável). A escritura fica pronta na hora, sem burocracia. A escritura pública de declaração de união estável possibilita que os companheiros tenham seus direitos garantidos perante planos de saúde e Instituições bancárias e federais, como o INSS, bem como preserva o direito do companheiro sobrevivente de participar na herança do companheiro falecido se houver bens adquiridos onerosamente (compra e venda) na constância da união. Documentar a união estável através de escritura pública traz tranquilidade e segurança para aquele que amamos, para aquele com quem dividimos a vida, para aquele com quem partilhamos este sentimento tão nobre chamado de AFETO!

Texto é de autoria de Dr. José Flávio Bueno Fischer, Tabelião do TABELIONATO FISCHER

Rua Júlio de Castilhos nº 419 - Centro - Novo Hamburgo - Fone (51) 3594-1922 - site http://www.tabelionatofischer.not.br/


4 | SETEMBRO DE 2015 | MAIOR DE 60

SAÚDE

Giovane Reis*

CREF - 009480G/RS

A busca da qualidade de vida deve ser constante, como dissemos no artigo anterior, ou seja, devemos ter foco, metas, disciplina e treino. A maioria dos idosos diz que há anos atrás, conseguia realizar tarefas como subir escadas, agachar, saltar, arrumar a cama, varrer, espichar roupa no varal acima da cabeça, caminhar por meia hora, andar por cima de um “muro de taipa” (quem já andou sabe como é...), e que hoje, não conseguem mais êxito nessas tarefas simples. Isso prova que em algum momento, perderam a qualidade de vida, salvo claro, quando são acometidos por doenças. Como nossas Atividades da Vida Diária (AVDs) são muitas, devemos ter cuidado em tudo que realizamos com o corpo, inclusive exercícios mal feitos, pois podem contribuir para a má postura, resultando em vícios e ainda, desenvolverem quadros de lombalgia (dor lombar) aguda (uma a três semanas) ou até crônica (quando dura a vida toda). Por isso, daremos alguns exemplos de AVDs e como podemos cuidar da nossa postura e minimizar dores, através de orientações da Ginástica Postural. Ao lavar louça, fique bem próximo da pia,

Preservando sua coluna para manter a coluna ereta, e se possível, deixe um dos pés “descansando” em cima de um quadrado de madeira de 11cm x 11cm. (podem mandar fazer um, pois será muito usado!). Ao fazer isso, você vai flexionar um joelho, já que um pé ficará mais alto que o outro, assim, você alivia a tensão da coluna. Ao sentar à mesa, assistir TV, ou numa roda de chimarrão em casa, também utilize esse quadrado, alternando em cada perna, pois, uma das posições que mais compromete a coluna, é justamente a posição sentada. Varrer de maneira errada é outra atividade que pode prejudicar nossa coluna, pois geralmente as pessoas “puxam” a sujeira até seus pés, ou varrem próximo a eles, curvando a coluna... O correto seria “empurrar” a sujeira (como fazem os garis), mantendo a coluna reta. Dê preferência a vassouras de cabo mais longo do que o comum. Ao falar no celular, mantenha a postura ereta, procure elevar o membro superior (toda a região do braço), de modo que o cotovelo flexionado fique na altura dos olhos, pois a tendência é flexionar o pescoço para baixo, quando o cotovelo também esta abaixado. Esse cuidado deve ser ainda maior quando ler ou enviar mensagens de texto, pois o pescoço fica mais à frente, de forma desalinhada com o restante da coluna. Essa posição é chamada de “pescoço de leitura”, isso é algo muito comum, basta ver as pessoas andando e mexendo no celular ao mesmo tempo. Seguindo esses conselhos, você evita a flexão prolongada da região cervical e torácica. Ao pegar algum objeto no chão,

sempre temos “pressa”, é algo que fazemos com frequência. Ao cair qualquer objeto no chão, nos agachamos de qualquer jeito e, sem querer, machucamos nossa coluna vertebral. A forma correta de agachar é: flexionar os joelhos e manter a coluna ereta, caso não haja muita prática, pode-se utilizar um apoio, mas fazer uso das pernas e não da coluna para descer ou subir, é de extrema importância. Atenção ao deitar - pois se a gente pensar, passamos de seis a oito horas deitados, às vezes mais, se contarmos aquela “deitadinha” da tarde... Ao "deitarmos", devemos primeiro sentar e depois deitar de lado levando as pernas até a cama. Já para "dormir", a melhor posição é a fetal (de lado com os joelhos encolhidos, braços cruzados perto das pernas) com um travesseiro confortável no pescoço e outro entre as pernas. Para pessoas com desvio postural ou com dores lombares, também se recomenda um travesseiro comum ou travesseiro de corpo, para que o braço que fica por cima, não “pese” para frente, forçando a coluna cervical.


MAIOR DE 60 | SETEMBRO DE 2015 | 5 Todos esses exemplos que demos, são trabalhados na ginástica postural. A seguir, alguns exercícios básicos, mas essenciais para mantermos nossa postura mais saudável. Nos exemplos abaixo fique à vontade para fazer com ou sem bastão. Na falta de um bastão, um cabo de vassoura também resolve!

Na posição em pé, deixe os pés paralelos (na mesma linha), mantendo um pé longe do outro, na mesma largura dos ombros. Sem bastão, flexione os joelhos e estenda os braços acima da cabeça. Se conseguir colocar o bastão nas costas, segure cada ponta do bastão com uma mão (mão direita em cima, mão esquerda em baixo), depois troque. Flexione os joelhos e volte à posição inicial 8x. DICA: os joelhos não podem ultrapassar os dedos do pé. Também pode ser feito na posição sentada!

SAÚDE Na posição em pé, utilizando ou não o bastão, deixe as mãos à frente da cabeça, mas na mesma linha das orelhas, erga os braços/bastão por cima da cabeça e baixe-os até a nuca. DICA: Não deixe os cotovelos “caírem”, mantenha num ângulo de 90º quando passar por cima da cabeça e, barriguinha pra dentro SEMPRE!

Na posição sentada, abra os braços em forma de cruz, mantendo-os assim enquanto rotaciona 6x para a direita e depois 6x para a esquerda. DICA: vire apenas para um lado e volte ao centro, depois repita para o outro lado. Não esqueça: barriguinha pra dentro!

No final de um ou de todos os exercícios, faça o alongamento de enrolar a coluna para depois “desenrolar”, flexionando o tronco à frente, deixando os braços soltos ao longo do corpo e joelhos semiflexionados. Ao erguer o tronco, suba devagar. DICA: durante a subida do tronco, fique olhando para baixo, só erga a cabeça depois que as costas e os ombros voltarem a sua posição normal.

Na posição em pé ou sentada, mãos para trás (palmas para fora), na linha das nádegas, elevar os braços, (atrás das costas, como se fosse coçá-las) sem mexer os ombros. Se utilizar o bastão, faça da mesma forma, (erguer o bastão, mas evitar de levantar os ombros). DICA: cada vez que elevar os braços, “chupar” a barriga, ou seja, barriguinha pra dentro. 8x.

(*) Profissional de Educação Física, Pósgraduado em Ginástica Postural e Especialista em Posturologia - CREF009480G/RS


6 | SETEMBRO DE 2015 | MAIOR DE 60

COMUNIDADE

6ª edição do Encontro Free Life de Câmbio

Reconstruindo a auto estima A construção da autoestima começa desde o nascimento; pais, cuidadores e o meio, influenciarão na estrutura e na formação da identidade, são como espelhos no qual se enxerga e projeta a autoimagem. Esta relação deve permitir a individualidade, afinal, somos seres únicos! Uma pessoa com autoestima acredita nas suas potencialidades, assume as responsabilidades e segue confiante, altruísta, resiliente, bem humorada, aceitando seus limites e os dos outros, sobretudo, é essencialmente feliz por estar no mundo e ser quem é. Sabe se autoavaliar positivamente orientada por uma força interior que move suas escolhas – ser feliz aqui e agora! Ao contrário, uma pessoa com baixa autoestima, que em algum momento foi afetada por experiências traumáticas desviando a percepção do senso de valor para salvar a própria pele, de dramas, abandonos, rejeições ou perdas. Sua autoimagem passou a ser um radar direcionado para fora, para aquilo que os outros esperam dela e com certeza comprometerá a relação consigo e com o mundo. É fácil reconhecer uma pessoa assim, geralmente são pessimistas, negativas, insatisfeitas, amarguradas, intolerantes, culpa tudo e a todos, tem pouca percepção de suas capacidades e necessidades, por isso, quase sempre, abandona seus projetos, tem pouca assertividade e raramente diz NÃO. Porém, ter autoestima não é sinônimo de vida sem sofrimentos. Como já foi dito outras vezes, o indivíduo lançado no mundo, ele por si só está sujeito às vicissitudes da existência e sentirá medo, tristeza, solidão, desilusão, angústia e ansiedade. O diferencial é que a pessoa com autoestima, mesmo diante da mais temível tempestade envolve-se com a própria história e não perde tempo com lamentações, mas sim, na resolução dos conflitos jogando sua energia no que realmente lhe é importante. A existência de quem tem baixa autoestima é pobre de referenciais positivos, vai-se acumulando lixo emocional tóxico, o sofrimento se torna insuportável, descrito como uma sensação de vazio, isolamento e incapacidades. A pessoa que não aprendeu a se amar, não conhece ou reconhece seus próprios sentimentos, assim não sabe expressá-los. Pode paralisar seriamente sua vida pessoal, social e física ao desenvolver a depressão ou outras comorbidades. É impossível viver e ser feliz assim! É hora de mudar! É hora de buscar ajuda terapêutica para RECONSTRUIR a autoestima e perceber quem você pode ser, ressignificar as experiências e construir seus próprios recursos internos para a valorização, harmonia pessoal e espiritual para viver somente o HOJE!!

O Hino Nacional é sempre entoado com entusiasmo a paixão pelos participantes na abertura oficial

SGNH - Divulgação

O grupo de danças da APAE de Novo Hamburgo abrilhantou e emocionou os participantes antes do início dos jogos SGNH - Divulgação

Tanani Ledur Psicopedagoga - ABPP nº1691/15

O Grupo Free Life de Câmbio, realizou no dia 15 de agosto, a Sociedade Ginástica de Novo Hamburgo, sua 6ª edição do Encontro de Câmbio. O evento contou com a participação de com 32 equipes, reunindo cerca de 420 pessoas acima dos 50 anos. O evento contou com participantes de Canoas, Caxias do Sul, Dois Irmãos, Estância Velha, Gravataí, Imbé, Ivoti, Novo Hamburgo e Porto Alegre. A equipe Free Life A, anfitriã do evento, ficou em primeiro lugar, seguida pelo grupo Asapez, de Gravataí, em segundo e Hiperativos A, de Tramandaí, em terceiro.

As equipes se esmeraram nas jogadas, sempre em clima de amizade e cordialidade, o que é uma constante entre estes atletas

10º Torneio SESC de Câmbio - Evandro Saldanha Dia 19 de setembro em São Leopoldo, nas categorias 50 a 59 anos e acima de 60 anos. Local: Ginásio Municipal Celso Morbach, av. Dom João Becker Inscrição até 15/10/2015 ou até chegar ao limite de inscrições Contato: Rua Marquês do Herval, 784, centro - São Leopoldo Fone: 51.3592.2129 - E-mail: fwolff@sesc-rs.com.br


MAIOR DE 60 | SETEMBRO DE 2015 | 7

Mês do idoso em Novo Hamburgo Culto ecumênico abre as comemorações do Mês do Idoso em Novo Hamburgo. Dentro das atividades do Mês do Idoso, que iniciou na tarde de terça-feira, 1º de setembro, com um culto ecumênico, realizado na Catedral São Luiz, estão o piquenique e o tradicional Baile do Rei e da Rainha. O piquenique acontecerá no Parque Henrique Luiz Roessler (Parcão), no dia 15 de setembro, das 13 às 17 horas. No local serão promovidos eventos como dança, ginástica, jogos e brincadeiras, além das rodas de chimarrão. Já tradicional nesta época do ano, a melhor idade também poderá participar do Baile do Rei e Rainha, que acontece no dia 1º de outubro - Dia Nacional e Internacional do Idoso, na Sociedade Ginástica de Novo Hamburgo (Rua Castro Alves, 166, bairro Rio Branco), das 14 às 17 horas. Além das danças e confraternizações, o evento elegerá o rei e a rainha da terceira idade. A inscrição para concorrer a Rei e Rainha do Baile deve ser feita no Conselho Municipal do Idoso, na Rua David Canabarro, 20 - 5º andar, centro, até o dia 25 de setembro. O requisito é ser maior de 60 anos. OUTRAS PROGRAMAÇÕES 20/09 – Domingo 19 horas: Concerto de Primavera 9 horas: Desfile Farroupilha Local: Universidade Feevale –Vila Nova 21/09 – Segunda feira 29/09 – Terça feira Das13 às 17 horas: Tarde da Beleza Das 9 às 15h30min: Torneio de Câmbio Local: Espaço Cultural Albano Hartz Local: Sociedade Ginástica de Novo Hamburgo 27/09 – Domingo 08/10 – Quinta feira 9 horas: Caminhada e atividades físicas Das 13 h30min às 18 horas: Local: SESC (Rua Bento Gonçalves, 1537) 15º Encontro da Idade de Ouro Obs: Em caso de chuva, o evento será cancelado. Local: FENAC

COMUNIDADE AUXILIO RECLUSÃO Quem tem direito? Sei que este assunto, é bastante discutido e muitas vezes de forma errada, razão da necessidade de esclarecimento. Auxilio reclusão é um benefício pago pela Previdência Social aos dependentes de segurado que foi condenado e preso. Este benefício visa atender as necessidades básicas dos dependentes da pessoa que esta presa, esposa ou filhos, eis que muitas vezes ele era o que mantinha a família. Ele é devido, nas mesmas condições da pensão por morte, aos dependentes do segurado de baixa renda recolhido à prisão, que não recebe remuneração da empresa, nem estiver em gozo de auxilio doença ou aposentadoria. O pedido de auxilio reclusão é realizado após a confirmação oficial de que o segurado se mantém preso, sendo necessário que os dependentes se dirijam ao INSS apresentando um atestado de que o segurado realmente está preso, e para que o valor seja pago é necessário que o detento se encaixe nos fatores já mencionamos, além também de outros requisitos, como ter tempo mínimo de contribuição (carência) de vinte e quatro (24) meses, sem perda da qualidade de segurado do INSS; oito (08) meses, caso após cumprir a carência mínima de 24 meses tenha ocorrido a perda da qualidade de segurado do INSS; último salário de contribuição, deve ser igual ou inferior ao previsto na legislação, eis que este será a base de cálculo. Logo, todo aquele segurado que estiver privado de liberdade, seus dependentes poderão procurar uma agencia do INSS para fazer o encaminhamento do referido auxilio. O beneficio será pago e calculado pela média dos salários do preso desde julho/94. Mais ainda: se o último salário recebido pelo segurado empregado ou contribuinte individual for maior que R$ 971,78, sua família não poderá receber o beneficio. Então não acredite em tudo que falam sobre o referido benefício. Leny Camargo Fisch Advogada - OAB/RS 26.221At


PETS

"Nossa Pátria é o Bicho!" É o novo tema da Feira do Canil Com o tema "Nossa Pátria é o Bicho!", aconteceu na quinta-feira, 3 de setembro, na Praça do Imigrante, mais uma edição da Feira do Canil. Dos 14 animais da feira, sete cachorros e dois gatos foram adotados. A campanha promovida pelo Centro Municipal de Proteção aos Animais (Cempra) é uma iniciativa da Prefeitura, por meio da Secretaria do Meio Ambiente (SEMAM). Como adotar: Os interessados em dar um novo lar para os animais disponíveis devem ter mais de 18 anos, possuir em mãos RG, CPF, comprovante de residência e assinar um termo de responsabilidade. Os animais adultos são todos castrados, e aqueles que ainda não possuem idade para o procedimento de castração têm a cirurgia garantida quando chegarem ao período adequado para a operação.

8 | SETEMBRO DE 2015 | MAIOR DE 60

Adote um velhinho!

Hoje é comum vermos nas redes sociais campanhas de adoção para cães idosos, pois é grande o número de abandono quando um cão fica velho. Vários fatores levam a isso, desde gastos com veterinários a troca por um cãozinho filhote. Um dia resolvi adotar um cão idoso, ele fora abandonado pois seus donos se mudaram e deixaram ele. Estava magro, pelo feio, poucos dentes na boca, surdo e a visão não era das melhores. Quando chegamos em casa, larguei ele no pátio e a primeira coisa que ele fez foi sair correndo, tentando fugir, talvez querendo voltar para a casa

dele. Aos poucos fomos nos conhecendo, eu ensinando as normas da casa e ele me ensinando as suas limitações. E o cão que viveria mais um ano, morou comigo por cinco anos. Não tenho como descrever tudo que me ensinou e o amor que me deu. Foi meu amigo, meu confidente e sua maior lição foi que vale muito a pena adotar um cão idoso. Existem muitos cães precisando de um lar. Comece a olhar os idosos com outros olhos, adotando, você estará salvando duas vidas. Eles são tão amáveis quanto filhotes e adultos, e possuem muitas vantagens, confira algumas delas: Personalidade definida, nada de estripulias e objetos roídos, passeios com tranqüilidade, brincadeiras e aprendizados, companheiros de primeira e expectativa de vida alta. Perdi meu cãozinho com câncer na medula, após um ano e ainda sinto muito a sua falta. Leandro Mello presidente da Ondaa

"Câncer... é preciso falar nele" Movimento OUTUBRO ROSA e NOVEMBRO AZUL - 2015

A Liga Feminina de Combate ao Câncer de Novo Hamburgo lembra e vem em busca de parcerias para que o movimento seja ampliado, multiplicado e divulgado em todos os segmentos de nossa cidade com o intuito de alertar que é tempo de se cuidar. Câncer de mama, câncer de próstata, ou simplesmente "câncer" é preciso falar nisso. Toda mulher, todo o homem são únicos, e seu corpo também o é. Toque, olhe, apalpe, conheça-se, sinta o que é normal e o que não é normal em seu corpo. Apresentando alterações, não vacile e procure um serviço de saúde. Ame-se, cuide-se, informe-se e decida o que é melhor para si. Tocar-se é uma atitude que pode salvar sua vida.

MAIOR DE 60 SETEMBRO 2015  

Jornal dirigido à Terceira Idade na Grande Porto Alegre

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you