Page 1

www.maiorde60.com.br

Junho de 2015 Ano 9 - Nº 93

Jogos de Integração em Dois Irmãos

PERSONALIDADES

Arquivo pessoal

COMUNIDADE

Grupo Ferrujets é sucesso por onde passa

Jogos para a 3ª idade reuniu cerca de 700 participantes das mais variadas regiões do Estado, em diversas atividades paralelas.

A ideia era reunir um grupo de terceira idade para integração. Hoje, o grupo Ferrujets surpreende com sua dança performática, dinâmica e criativa por onde passa.

Página 7

Página 8

Ondaa e seu projeto com idosos A Ondaa é uma organização não governamental, que tem como objetivo a proteção dos direitos dos animais. Mas peca quem pensa que eles só se importam com animais, eles se importam com todos os seres vivos, inclusive com humanos. Tanto que desde o início de maio, colocaram em prática um tão sonhado projeto: levar os cães resgatados para dentro de abrigos de crianças e idosos, com o intuito de proporcionar a estes um contato afetuoso, sem questionamentos, cobranças ou imposições. Esta prática tem embasamento na Pet Terapia, que também é aplicada há tempos, em Porto Alegre, pela psicóloga Karina Schutz e vivenciada na prática, no Residencial de 3ª idade Santa Rita, em Novo Hamburgo.

Página 6

Dr. Leandro fala sobre seu novo livro

Página 4


2 | JUNHO DE 2015 | MAIOR DE 60

OPINIÃO

ST Produções

A surpresa dos jovens

ÔNTE VÔMO BARÁ? Cumôia! Máin Cott! Nôn dên ôdro chêido te gomezá êsde azúnt! A víta dôta a chênde ovía os ált tizê ésda balávra. Acóra a chênde é gue tíz. Máiz eu ájo gue tômo jecãnto no fúnto tô pôss! O politsái dá gôn os áudo esdracádo e dên gue emburá. Os pompêro dampên. Nos pôst te zaúte àls vêiz non dên nen esbaratráp. No súber mergáto as gôissa zópe te prêss, a cassolín dampên, os brofessôa non cãnha aumênt, os abossendáto cásta dúto em remétio, o ibedeú zupíu chúndo e zê ísdo aínta é pôc: os bolític vôn tá aumênt brá êls mêsmo e uma pivíc brá nóiz! Oiê, agápa múnto, uma vêiz! O Chuôn foi almocíra lá no resdaurãnt to Icnáss Tsíma e betíu um franquínho assáto. Enguãndo ísdo, domô uns chnáps gôn uns chassínho têndro, brá aprí o apetít e ouviu umas drêis piada gontáda bêlo bróbrio Icnáss, gue é um páita cossatôa. Guánto o rabáz chá dáva meio cníl, o carssôn jamô êl brá zendá, gue chá ía zerví a gomíta. Êl olhô, o prát, olhô tinôvo e jamô o tôno e tís: “ô amicôn, êsde frãnco dên uma bérna menor gue a ôdra, uma vêiz!” “Ách du”- tís êl - “Du vai gomê ô du gué tãnzá gôn êl?”

Praticantes de karatê, do município de Igrejinha

Ultramaratonista, Antônio Martins dos Reis

Acadêmico de Direito, Roberto Kuwer Fernandes e seu filho Pedro

Surpresa para muitos, conquista para poucos. Pessoas idosas sempre foram - e ainda o são por muito jovens e por alguns idosos também classificadas como inúteis, vagarosas, estorvo, um fardo. E não é de hoje que jovens e adultos têm pouca paciência para com os idosos e os exemplos estão em toda a parte, a começar dentro das próprias famílias. É inegável que o peso dos anos pesa também no andar, no executar tarefas, em tomar decisões, mas quem disse que a vida precisa sempre ser frenética? Se assim fosse, por que todos trabalham para um dia se aposentar e levar uma vida tranquila? Não é uma contradição, então, culpar os mais velhos por

não ter mais a mesma pressa de antes? É uma simples questão de observação: até os 30 anos, a formação da família e um bom emprego. Pelos 50 a estabilidade, com o cuidado de levar adiante tudo que foi planejado e depois dos 65, a tão esperada aposentadoria. Pergunte, pesquise, observe: sempre foi assim e vai continuar sendo, inclusive com você! Porém, sempre há um porém, uma regra é quebrada... a cada dia, pessoas com bem mais de 60 anos surpreendem por sua força de vontade, superação, garra e entusiasmo. Não são poucos os jovens terem reações de espanto ao ler que simpáticas vovós de Igrejinha/RS, treinam karatê

semanalmente. Ou com outro, Roberto Kuwer Fernandes que após a aposentadoria, foi atrás do sonho de se formar em Direito, estudando com o filho. Mais ainda, quando se deparam com um simpático senhor, Antônio Reis e tomam conhecimento que sua especialidade são ultramaratonas de 24 horas, sendo campeão em diversas ocasiões? Eles são notícia, ainda são poucos, mas, quem sabe você, que hoje tem 20, 40, 50 anos comece a olhar para os lados e pendure as chuteiras do preconceito. Vai que quando você passar dos 60, 70 ou 80 anos possa também ser um belo exemplo de vida para a sua comunidade, um orgulho para sua família. Já pensou?

Veja em nosso site: www.maiorde60.com.br Veja em VARIEDADES, as histórias das alunas do Projeto de Atividade para Idosos – ProAtivi de Igrejinha/RS, tendo aulas de Karatê com o professor Giovane Reis, faixa marrom de Karatê estilo Wado-Ryu; do ultramaratonista Antônio Martins dos Reis e a do bacharel em Direito Roberto Kuwer Fernandes

CLOSSÁRIO Abossendáto aposentado Agápa - acabar Almocíra - almoçar Ált - velho Amicôn - amigão Apetít - apetite Áudo - automóvel Aumênt - aumento Azúnt - assunto Bará - parar Bêlo - pelo Bérna - perna Betíu - pediu Bolític - políticos Bróbrio - próprio Brofessôa professora Cãnha - ganha Carssôn - garçon Cassolín - gasolina Cásta - gasta Chá - já Chêido - jeito Chnáps - cachaça Chuôn - João Cníl - bêbado Cossatôa -

gozador Cumôia - bom dia Dáva - estava Dên - tem Domô - tomou Dôta - toda Dúto - tudo Emburá - empurrar Enguãndo enquanto Esbaratráp esparadrapo Êsde - este Esdracádo estragado Frãnco - frango Franquínho franguinho Gomê - comer Gomezá - começar Gomíta - comida Gôn - com Gontáda - contada Guánto - quando Ibedeú - iptu Icnáss - Inácio Ísdo - isto Jamô - chamou

Jecãnto chegando Máin cott Meu Deus Mergáto - mercado Múnto - mundo Ôdra - outra Ônte - onde Páita - baita Pivíc - pivicas Pôc - pouco Politsái - polícia Pôss - poço Pôst - posto Prát - prato Prêss - preço Rabáz - rapaz Resdaurãnt restaurante Tãnzá - dançar Têndro - dentro Tinôvo - de novo Tís - disse Tizê - dizer Tômo - estamos Tôno - dono Tsíma - Zimmer Zendá - sentar

Em Campo Bom

Em São Leopoldo

Em Novo Hamburgo CNPJ: 12.322.553/0001-40 Inscrição Municipal: 6882 Rua Júlio de Castilhos, 600 CEP 93900-000 - Ivoti - RS Fone: 51.8456.4614

Diretor geral: Gilberto R. Winter maiorde60@maiorde60.com.br Jornalista Responsável Rafael Geyger - MTb/RS: 12397 Arte-final: Sandra Carvalho de Alcantara

Circulação | Ivoti e Vale do Sinos www.maiorde60.com.br

Os artigos assinados são de inteira responsabilidade de seus autores

maiorde60


MAIOR DE 60 | JUNHO DE 2015 | 3

GERAL

Gengivite é principal causa de perda dos dentes em idosos De acordo com o Instituto de Pesquisa Dental e Craniofacial dos Estados Unidos (NIDCR), a cárie é a doença crônica mais comum entre pessoas acima dos 60 anos. Já a gengivite é a causa mais recorrente para a perda dos dentes – indicador sensível da saúde oral. Estudos revelam que, na maioria dos casos, a gengivite é resultado de falta de cuidados com a higiene bucal, com escovações e uso de fio dental diariamente. Por conta disso, muitos idosos ainda recorrem ao uso de dentaduras (próteses totais), que, além de alterar as feições do rosto, mudam para sempre o jeito com que a pessoa mastiga, causando limitações ao longo do tempo. Artur Cerri, diretor da Escola de Aperfeiçoamento Profissional da APCD (Associação Paulista de Cirurgiões-Dentistas), explica que a gengivite é uma doença periodontal que causa irritação, vermelhidão e inchaço da gengiva. Quando essa condição passa despercebida e não é tratada a tempo, pode resultar na perda dos dentes. Outra alteração que pode ocorrer é a síndrome da boca seca. Ela acelera o aparecimento de cárie, infecções bucais e, principalmente, gengivite – e compromete não só os dentes do idoso, como também sua saúde geral, já que ele passa naturalmente a comer menos e ingerir apenas alimentos macios ou líquidos. Ao controlar a síndrome, conseguimos manter a saúde oral do paciente em ordem e evitar inflamações e infecções que levam a uma alimentação deficiente e, por conseguinte, comprometem sua disposição física e mental. Artur Cerri alerta: “a saúde bucal comprometida pode impactar diretamente o aspecto nutricional dos idosos.” “Evoluímos muito com relação ao acesso da população aos serviços de saúde bucal. O Brasil, inclusive, integra um grupo seleto de países que incluíram a saúde bucal no SUS – sistema de saúde de acesso universal e gratuito”, completa. Fonte: Prof. Dr. Artur Cerri, diretor da Escola de Aperfeiçoamento Profissional (EAP) da Associação Paulista de Cirurgiões-Dentistas (APCD). Saiba mais em: http://www.apcd.org.br/eap http://www.nidcr.nih.gov/datastatistics/bypopulation/seniors/


4 | JUNHO DE 2015 | MAIOR DE 60

SAÚDE

Não se aposente Ficar em casa descansando? Mudar-se para o litoral? Quais são seus planos para a aposentadoria? Da preocupação com centenas de pacientes que não souberam se preparar para essa fase da vida, veio o interesse do Dr. Leandro Minozzo em pesquisar sobre aposentadoria. No próximo dia 25 de junho será lançado seu quinto livro: Não se Aposente! Sete Caminhos para se Evitar uma Aposentadoria Fracassada. Quem assina o prefácio da obra é o empreendedor de 84 anos, Raul Randon.

Confira a entrevista com o médico e escritor hamburguense.  Por que o título “Não se Aposente”? É justamente para chamar a atenção do leitor. Ao longo do texto tento explicar essa nova forma de encarar a aposentadoria, que valoriza a terceira idade, que prioriza a saúde e as atividades. Se olharmos para o conceito antigo que envolvia ficar em casa e tornar-se improdutivo, ela já ficou para trás nos países desenvolvidos. Por lá, 76% das pessoas não querem parar de trabalhar. Considerando a idade média de aposentadoria no Brasil e a expectativa de vida, temos nessa fase da vida talvez uma das maiores: chega aos 30 anos!

para mim que a falta de planejamento levava os pacientes a me procurar e a perder o brilho nos olhos. Das palestras e cursos surgiu o livro.

 Quem deveria ler seu livro? O público-alvo é formado por “aposentandos” entre os 45 e 65 anos. No entanto, sua leitura também pode beneficiar aquelas pessoas que se aposentaram há pouco tempo e não estão satisfeitas com as mudanças que enfrentam. Para os mais jovens, a leitura possibilita uma análise da carreira despretensiosa, relacionando-a com diversos aspectos da vida – família, saúde, sociedade, diversão. Quem sabe algum empresário ao ler o  Qual a relação entre aposentadoria e o seu livro também não passe a olhar seus colabora- lançarei sua segunda edição, porque felizmente dores mais experientes com outros olhos? Reter restam poucos exemplares. Fora esse último, os trabalho – saúde? O modelo antigo de encarar a aposentadoria e talentos é uma das soluções que se apresenta ao outros dois estão disponíveis gratuitamente. de usufruir a terceira idade passivamente mos- mercado em termos de qualificar a mão-de-obra.  Qual a importância do planejamento para trou-se extremamente adoecedor. O fato de subitamente sair do mercado de trabalho e quebrar  Fale um pouco sobre seus livros e o gosto a aposentadoria? A aposentadoria é um momento da vida muito vínculos é nocivo para quem se aposenta porque pela escrita. lhe “despersonifica.” Quais são as consequên- Esse é meu quinto livro e fico muito feliz em lan- exigente, ele coloca a pessoa em cheque com ela cias? Aumento em 40% no risco para depressão, ça-lo. Percebo uma evolução ao longo dos anos mesma, entre tudo que se idealizou por décadas piora em aspectos cognitivos, menor longevida- na forma como consigo falar diretamente com o e aquilo que se planejou. Quando essa equação de e mais doenças do coração. Sem falar, é claro, leitor. Apesar de não ter talento para contar histó- está desajustada, o risco de problemas sérios auno risco aumentado para ganho de peso e brigas rias – tenho uma linha mais argumentativa e téc- menta. Idealizamos a aposentadoria como um conjugais. Comecei a estudar aposentadoria há nica –, venho me esforçado em trazer exemplos momento positivo, porém a falta de planejamencerca de quatro anos, quando ficou bem claro do consultório para as páginas e para falar de to adequado nos expõe a dificuldades financeiras emoções. Novamente, tento responder a dúvidas e relacionais, logo, a crises existenciais. Planejar e a problemas dos pacientes através da escrita. é muito mais do que sonhar, é preciso ter estraEm “Um Novo Envelhecer: Tempo de Ser Fe- tégias definidas e, principalmente, colocar muita liz” (2012) quis mostrar para idosos o quanto era informação no papel. belo envelhecer e quantos possibilidades há; no ano seguinte lancei a adaptação da dissertação de  Qual sugestão tu deixas para nosso leitor? mestrado “Em Busca do Sentido da Vida na Ter- Passar por cada um dos sete caminhos para eviceira Idade” – que é um mergulho na psicologia tar uma aposentadoria fracassada é fundamental. dos idosos que sofrem de depressão. Em 2013 Eles foram muito bem pensados e qualquer um lancei “Doença de Alzheimer: Como se Preve- que não estiver ajustado, levará a problemas. No nir”. Esse foi o livro mais difícil de escrever e entanto, duas virtudes são fundamentais para produzir, porque precisei pesquisar muito. Fo- uma aposentadoria e uma terceira idade feliz: ram dois anos intensos lendo sobre essa doença flexibilidade e vitalidade. E você só conseguirá terrível e tentando alinhar ciência com uma didá- essas virtudes tendo uma saúde em excelente estica o mais fácil possível para o leitor. Em breve tado e dedicando-se continuamente a aprender.


MAIOR DE 60 | JUNHO DE 2015 | 5

SAÚDE

Cefaleia Tensional

A cefaleia tensional é geralmente uma dor difusa, de leve a moderada intensidade na sua cabeça, muitas vezes descrita como a sensação de uma faixa apertando o crânio. A cefaleia tensional é o tipo mais comum de dor de cabeça, e suas causas não são bem compreendidas. De acordo com a Sociedade Brasileira de Cefaleia, cerca de 38% a 74% dos brasileiros sofrem com cefaleia tensional. A cefaleia tensional pode ser episódica (menos de 15 dias por mês) ou crônica (mais de 15 dias por mês). As dores de cabeça podem durar entre 30 minutos e vários dias. Não existe uma única causa e, em algumas pessoas, dores de cabeça de tensão são causados pela contração involuntária e crônica de músculos na parte de trás do pescoço e do couro cabeludo. Essa tensão muscular pode ser causada por repouso insuficiente, postura inadequada, estresse emocional ou mental, incluindo depressão e ansiedade, entre outras. Dores de cabeça tensionais são geralmente desencadeadas por algum tipo de estresse de origem externa ou interna. Exemplos de fatores de estresse incluem: • Ter problemas em casa / vida familiar difícil • Estar esperando um filho ou filha • Preparar-se para testes ou exames • Voltar de férias • Iniciar um novo trabalho • Perder um emprego • Estar insatisfeito com o próprio corpo • Prazos no trabalho • Competição em esportes ou outras atividades • Ser perfeccionista • Não dormir o suficiente • Se envolver em muitas atividades / organizações. A cefaleia tensional episódica geralmente acontece por uma situação estressante isolada ou um acúmulo de estresse. Estar exposto ao estresse diariamente pode levar à cefaleia tensional crônica. Outros desencadeadores da cefaleia tensional

são: • Álcool • Cafeína (em excesso ou abstinência) • Gripe e resfriado • Problemas odontológicos como bruxismo • Fadiga visual • Fumo em excesso • Fadiga • Congestão nasal • Esforço excessivo • Sinusite A cefaleia tensional ocorre mais frequentemente em mulheres e acomete todas as idades. Os sintomas são: • Leve dor ou pressão na frente, topo ou laterais da cabeça • Dor de cabeça que ocorre no final do dia • Dificuldade em adormecer e manter o sono • Fadiga crônica • Irritabilidade • Dificuldade de concentração • Sensibilidade à luz ou ruído • Dores musculares. A cefaleia tensional pode ser episódica (menos de 15 dias por mês) ou crônica (mais de 15 dias por mês). A cefaleia tensional crônica pode variar em intensidade ao longo do dia, mas a dor quase sempre está presente. Além disso, uma cefaleia tensional aguda pode evoluir para a forma crônica. Cefaleia tensional x Enxaqueca As dores de cabeça tensionais podem ser confundidas com enxaquecas. Além disso, se você tem cefaleia tensional frequentemente, as chances de sofrer com enxaqueca são maiores. Ao contrário de algumas formas de enxaqueca, a cefaleia tensional normalmente não está associada a distúrbios visuais, náuseas ou vômitos. Embora a atividade física geralmente agrave a enxaqueca, não faz a cefaleia tensional piorar.

Diagnóstico e Exames Se a dor de cabeça atrapalha sua vida ou você precisa tomar medicação para suas dores de cabeça mais do que duas vezes por semana, busque ajuda médica. Para pessoas que já receberam o diagnóstico de cefaleia tensional, é importar marcar uma consulta sempre que houver uma mudança no padrão das dores. Ocasionalmente, as dores de cabeça podem indicar uma condição médica séria, tal como um tumor cerebral ou ruptura de um vaso sanguíneo

Dr. André Ricardo Stüker*

CRM-RS 24.687

(aneurisma). Estar preparado para a consulta pode facilitar o diagnóstico e otimizar o tempo. Dessa forma, você já pode chegar à consulta com algumas informações: • Uma lista wcom todos os sintomas e há quanto tempo eles apareceram • Histórico médico, incluindo outras condições ou medicamentos ou suplementos que tome com regularidade • Leve suas dúvidas por escrito, começando pela mais importante. Isso garante que você conseguirá responder as perguntas relevantes antes da consulta acabar. O médico fará uma série de perguntas, tais como as que seguem e, esteja preparada para responde-las o mais corretamente possível. • Quando você começou a sentir os sintomas? • Você já notou qualquer gatilho comum, como o estresse ou fome? • Seus sintomas são contínuos ou ocasionais? • Quão graves são seus sintomas? • Quantas vezes você tem dores de cabeça? • Quanto tempo dura cada dor de cabeça? • O que, se alguma coisa, parece melhorar seus sintomas? • O que, se alguma coisa, parece piorar seus sintomas? • Tem alguma coisa que avisa que a dor iniciará, por exemplo, alteração visual? • Existem sintomas associados? • A luz, barulho, cheiro incomodam? Mantenha um diário de dor. Coletar informações sobre suas dores de cabeça pode ajudar no diagnóstico.

Continua na próxima edição!

Veja a matéria na íntegra em www.maiorde60.com.br (*) Médico Anestesiologista - Especialista em Tratamento da dor


6 | JUNHO DE 2015 | MAIOR DE 60

SAÚDE

Animais e idosos: uma relação sem julgamentos

Em nove anos de existência um dos sonhos da ONDAA era conseguir levar os cães resgatados para dentro dos abrigos de crianças e idosos. Ao longo dos anos foram amadurecendo a ideia e conseguiram juntar uma equipe disposta a tornar esse sonho uma realidade. Após tratativas, agendaram uma visita ao Lar São Vicente com os cães, no dia nove de maio último. Mas não foi fácil, pois após a empolgação veio o medo. Os “será”: será que vai dar certo, será que os cães irão se comportar, será que eles vão gostar, será que vai ser bom para os idosos que moram no lar. Mas o grupo respirou fundo e foi em frente. Tomaram todas os cuidados necessários, inclusive o banho na cachorrada, incluindo perfume e muito carinho. Na manhã da visita ao chegar ao lar o nervosismo tomou conta novamente. Talvez não estivessem preparados, talvez não nos querem lá, como será que vai ser

Leandro Mello, Raphael Piccolli, Carlos Eduardo, Xaiene Simon, Simoni Siebel e Ana Karina com os cães Rudolf e Ralph

recepção deles para nós e nossos cães. Quando a porta se abriu avistaram os moradores sentados em suas cadeiras e sofás e na medida que se aproximavam, foi se abrindo um sorriso no rosto de cada um, como se fossem abrindo uma janela e o sol estivesse entrando, para alguns. Como se estivessem trazendo recordações de sua juventude nas suas cabeças, uns queriam abraçar, outros queriam passar a mão, muitos queriam contar suas histórias que viveram com cães. Queríam dar atenção a todos, ouvir todos e quando viram, a manhã havia passado. Quanto aos cães, se sentiram à vontade e adoraram ganhar carinho e atenção, se comportaram muito bem, não precisaram fazer nenhuma gracinha, deitar, rolar ou pegar bolinha. Só estavam lá para dar e receber amor. Quanto à equipe, saíram todos com energia redobrada, sentindo que caminham na direção certa e que o amor é o melhor remédio para os males da vida.

“Quanto a mim, senti que toda essa caminhada valeu a pena, que todos nós precisamos de uma chance, senti saudades da minha avó, senti orgulho dos nossos cães, que todo amor que damos pra eles é o que nos passam e senti orgulho da nossa equipe, pessoas que lutam por aquilo que acreditam “o bem”. Agradeço a toda equipe: Laura Piffero, Simoni Siebel, Bernadete Siebel, Carlos Eduardo, Xaiene Simon, Raphael Piccolli, Rudolf (cão resgatado maus-tratos), Ralph (cão queridão) e Ceguinha (cão cego) e em especial ao amigo Gilberto Winter que sempre me diz sim e acredita no nosso trabalho.” Leandro Mello, presidente da Ondaa

A burocracia não supera a alegria da companhia

Patricia Cunha, proprietária do Residencial 3ª Idade Santa Rita, com Dora Há seis anos vi uma cachorrinha vagando aqui em frente e à tarde resolvi oferecer-lhe ração e água, pois a imaginava faminta. Ignorou a comida e bebeu toda a água disponível. Naquele momento resolvi ficar com ela, batizando-a de Dora. No outro dia um familiar, que é veterinário, veio visitar sua avó e pedi uma avaliação. Para nossa a surpresa ela estava gesta. Os sete bebês nasceram pouco antes do Natal e conseguimos doá-los todos. A Dora ficou morando aqui para sempre, sendo logo castrada. A renovação do alvará foi bem difícil, pois não permitiam animais neste tipo de ambiente. Com muita paciência e persistência cumprimos todos os requisitos: relatório de banhos; carteira de vacinas; reportagens enfocando o quanto a presença de animais em hospitais e clínicas de repouso era bem vinda; e finalmente a construção de um canil. Hoje Dora é uma paixão e acompanha nosso dia-a-dia, sendo muito prestativa com a guarda do portão e companhia aos moradores e além da Dora, uma calopsita também alegra o ambiente.


MAIOR DE 60 | JUNHO DE 2015 | 7

A relação homem-Animal vem se estreitando cada vez mais e abrindo espaço para uma nova possibilidade de terapia. A terapia Assistida por Animais (Pet Terapia) pode ser um grande facilitador do terapeuta. A forma com que o animal entra em ação, transmite para o assistido sentimentos de compreensão da sua atual situação. A companhia de um animal, além de trazer de volta as sensações de cuidados, traz à tona lembranças de um passado saudável, esquecendo, muitas vezes, o atual momento nomeado por muitos como inválido. Muitas vezes, o constrangimento por uma fralda suja, ou uma roupa com comida, são motivos de vergonha e introspecção de sentimentos para o idoso. Nessas horas, a companhia de um animal doméstico, facilita o desenvolvimento de sensações amigáveis e estabelece-se a partir daí uma relação linda e o mais importante: SEM JULGAMENTOS! O simples contato com um animal já é suficiente para promover a alegria! Desvia a atenção para um objeto exterior, fora dos problemas atuais e estimula a interação social. Afagar um cachorro, por exemplo, desperta sensações de tranquilidade, relaxamento, pois aumenta a produção de hormônios e neurotransmissores responsáveis por sensações de prazer, bem-estar, confiança, controle motor, e analgesia. Mas não é só a psicologia que se beneficia com a presença dos animais durante um tratamento, não! Na fisioterapia, por exemplo, o profissional consegue trabalhar movimentos motores de uma forma descontraída e menos estressante, escovando o pelo ou até mesmo fazendo um carinho com os pés no bichinho! Uma relação de beneficio para ambos os lados! A pessoa que tem um animal tem também, uma responsabilidade com ele. Esse cuidado faz com que muitas vezes a depressão não tenha espaço na vida de quem adquire um bichinho. Isso ocorre, devido às responsabilidades que os pets proporcionam. O devotamento ao seu parceiro de patas faz com que essa relação se estenda e gere exemplos de uma verdadeira amizade! Estabelece-se aí um contrato de lealdade incondicional!

A cidade de Dois Irmãos realizou em maio mais uma edição dos Jogos de Integração da 3ª Idade. Foram cerca de 700 participantes das mais variadas regiões do Estado. Os grupos se reuniram no ginásio do Colégio Imaculada Conceição, para se exercitar, jogar e dançar. O evento foi promovido pela Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Desporto, através do Departamento de Desporto e contou, não só com o apoio, mas com a presença ativa da prefeita Tânia Terezinha da Silva. O grupo Ferrujets surpreendeu a todos com sua dança performática, dinâmica e criativa. Durante todo o sábado os grupos estiveram envolvidos com ginástica, recreação, alongamento, câmbio, basquete reloginho, jogos de mesa, bocha, caminhada orientada e dança. Professor de Educação Física O evento mereceu destaque pelo engajamento e organização Astério Luís Mombach e a impecáveis. prefeita Tânia

Édila Vargas/PM Prefeitura de Dois Irmãos

Karina Schutz - Psicóloga graduada pela PUC-RS com Pós-graduação em psicologia cognitivo-comportamental; fundadora, diretora e palestrante da Pet Terapeuta. Trabalha atualmente com a pet terapia

Evento de Integração impecável em Dois Irmãos

Édila Vargas/PM Prefeitura de Dois Irmãos

ENTENDA A PET TERAPIA

COMUNIDADE

O grupo Ferrujets de Tramandaí surpeendeu e empolgou a todos

Antes do início dos jogos, o aquecimento fez todos se mexerem

Os jogos ocuparam sumultaneamente os espaços dentro e fora do ginásio


8 | JUNHO DE 2015 | MAIOR DE 60

PERSONALIDADES

Grupo leva euforia por onde passa dança e a utilização da mesma na preCom coreografias inusitadas, venção em saúde. Mas as coisas fomas sempre atuais, o Grupo Ferram crescendo e hoje o grupo de doze rujets, criado há dez anos na Unimulheres e sete homens se apresenta dade de Saúde Família do bairro por todo o Brasil. Nestas apresentada Tiroleza, em Tramandai-RS, ções a idade não conta, porque para o coloca todos para dançar por onde público, este é o menor dos tantos depassa. talhes. O que conta mesmo é a alegria Bom, nem todos, mas não por falta de empolgação, mas alguns contagiante dos seus componentes, que dançam e rebolam sem o menor não querem perder nenhum detacontrangimento. As vezes, ainda trolhe da apresentação. E põe detalhe çam do público, ao entrar se fazendo nisso. de velhinhos para logo a seguir exploAs coreografias são originas dir em energia dançante. e o guarda-roupa acompanha Em 2014 o grupo se apresentou na esta originalidade. Tudo feito e apresentado com capricho de proabertura da IV Mostra Nacional de fissionais. Eles vão de sucessos Da esquerda para a direita atrás: Salete 75 anos, Elza 63, Jeremias 65, Osaida 70, Mar- Experiências em Saúde da Família, como La Bomba ao O Príncipe gareth 59, Rute 69, Francisca 78, Marilia 59, Terres 67, Berenice 63, Neca 59, Magda 66. em Brasília, no auditório do Centro Cigano de Sidney Magal; de Blue Embaixo sentados: João 76, Rubinho 75, Homero 62, Nelci 55, Paulo 67, Renato 63 e Internacional de Convenções do Brasil, para 4.000 pessoas. De lá para cá Suede Shoes, do eterno rei do José Renato 67 foram inúmeras as apresentações. rock, Elvis Presley, ao apoteótico Aquarela do Brasil. Além de Madonnwa, Michael Jackson e Lady Gaga. E, se depender do gás desta turma, serão muitas mais. Sem deixar para trás o contagiante Kuduro. Ah! Se você ficou interessado em contratá-los é fácil. Você só precisa Há dez anos, quando o grupo foi criado, ninguém imaginaria tamanho providenciar transporte, acomodações – quando necessário – e as refeisucesso. ções. O cachê fica por conta da alegria e dos aplausos, que com certeza, Margareth Santoro, a coordenadora do grupo, quando iniciou pensou eles irão receber. somente em reunir um grupo de terceira idade para a integração, através da Garanta o sucesso do seu evento, ligue para 51.9962.2425.

Previdenciário Trabalhista OAB/RS 81449

Tiago Mendes Advogado

Civil Família

Rua Primeiro de Março, 113/205 | Centro São Leopoldo | CEP 93.010.210 Fones: 51 3592.1178 | 9700.1707 | 9533.4315 E-mail: contato@tiagomendesadvocacia.com.br

MAIOR DE 60 JUNHO 2015  

Jornal dirigido à Terceira Idade na Grande Porto Alegre

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you