Page 1

BONO, com Lexiane

BAUNILHA e PANDA, com Laura

Setembro 2017 - Ano 2 - Nº 22 - Distribuição gratuita - Circulação mensal

LUNA, com Natana

BELINHA, com Jéssica Machado

FRIDA, com Pedro

LICI, com Aquiles

LOLLA, com Manoela

PINK, com Luana

VICKY e FREDY, com Nina

FRIDA, com Márcia

TUNICA e TOY, com Cláudia e Clara

XNAUS, com Fabi

FRANCISCO, com Ana Paula e Tatiane

PIPOCA, com Ana Paula

LUNA MEL KNAK, com Rafaela

FRED, com Jociane

FREDY, com Maria Luíza

LUCKY, com João e Daniela


PROTETORES

Adoção responsável

É de responsabilidade tanto do adotante quanto para quem está doando que seja uma adoção responsável. É normal acontecer de que pessoas querem adotar um cão ou gato quando são filhotes, são fofinhos, ou são de raça, etc. Não é porque o animal está disponível para adoção, que queremos nos livrar dele. Cabe a nós, protetores saber distinguir e ajudar o adotante na hora dessa decisão. É importante que o futuro adotante saiba a história do animal, como e onde foi resgatado, como é sua personalidade, se é agressivo com outras pessoas ou outros cães. Geralmente são bichinhos que passaram por algum

tipo de trauma (maus-tratos ou abandono). É comum darmos uns dias de adaptação na casa do adotante para que a adoção seja boa, tanto para a família, quanto para o animal adotado. Quando doamos um cão/gato, o adotante preenche uma ficha de adoção com os dados da pessoa, os dados do animal e na ficha consta um texto onde o adotante se responsabiliza pelo animalzinho adotado e nesse texto consta que o protetor se reserva no direito de efetuar visitas para verificar as condições, podendo retirar o cão caso a adoção não seja adequada. Animais não são brinquedos. Eles têm sentimentos e precisam de cuidados e atenção constantes. Você tem que estar disposto a ter paciência e dedicar boa parte do seu tempo a ele. Além disso, deve ter em mente que você precisará de dinheiro não só para ração e vacinas, mas também poderá gastar com tratamento para eventuais problemas de saúde, assim como com pessoas, um animal também pode ficar doente ou velhinho. É nesses momentos que ele mais precisará da sua atenção e cuidados. Cuide muito bem dele, assim como você gostaria de ser tratado quando estiver doente ou idoso. Caso um protetor não tenha doado um animalzinho para você, não é pessoal, mas sempre olhamos pela adoção responsável.

FRIDA, com Gabriela Schardosim

2

Bichos de Estimação | Setembro de 2017

Leandro Mello Presidente da Ong ONDAA NH

Ajude-nos a ajudá-los!


ADESTRAMENTO

Dar limites também é uma forma de amar

ZUKIE, com Mauren Luisa Marschal

MEL, com Joice

MALU, com Gláucia e Eduardo

Parto normal ou cesárea ? Você ainda dá de “mamar” para seu filho? Quando tu ficas com teu filho, com essa vida corrida que tens ? A vovó mima muito meu filho! Babá de confiança hoje em dia, é rara! Que escola estuda seu filho? Tu falas sobre sexo e drogas com teus filhos? Bah, como é caro criar um filho, hoje em dia! Criar um filho no mundo de hoje em dia, é uma loucura! Segurança, saúde, educação, tempo, dedicação, amor ... Vivo para meus filhos! Mas e eu? Isso é egoísmo? Ou é livre arbítrio? Dúvidas ou questões que muitas pessoas, por opção ou falta de condição física, desejam ou não desejam passar ou não podem. Até mesmo escrevendo não há certezas. Na dúvida, muitos escolhem ter um cão. Por opção, com certeza. Decidir ter um cão é muito mais fácil e nunca é uma condição imposta por alguém da família ou pela sociedade. Mas, com certeza, posso afirmar que não é necessário menos amor para se ter um cão. O ser humano pode amar de maneiras ainda não calculadas ou medidas. Amamos nossas esposas de um jeito, nossas amizades de outro, amamos até alguns objetos. Algumas pessoas ou famílias acabam ficando muito próximos de seus cães, próximos demais até. É correto humanizarmos quase tudo? Como tratar uma planta como um humano, senão como uma planta? Como tratar um cavalo como um humano, senão como um cavalo? Como tratar um cão como um humano, senão como um cão? Cães precisam de liderança e de limites. Pelo fato de conviverem tão próximos da gente, eles também precisam de regras e de rotina.

Impor regras e definir uma rotina para um cão, isso também é uma forma de amar. A criação de um cão envolve responsabilidades, e uma delas é a educação. Essa educação precisa ser encaixada na “sua” rotina e essa por sua vez será a rotina do seu cão. Quando você adestra um cão do seu jeito ou com auxílio de um profissional, como em uma criança, você precisa lembrá-lo, constantemente, quem é o responsável por ele e quem está no controle. A referência, o porto seguro. Se você relaxa e acaba cedendo às vontades do cão por pena ou querendo compensar algo, o cão avalia isso como uma fraqueza ou submissão e então assume o controle da situação. Se isso se tornar frequente, ele late quando quer, manda você fazer carinho quando quer, entra dentro de casa quando quer, sobe no sofá quando quer, sai do pátio quando quer, faz suas necessidades onde quer. Disciplina e regras são importantes, por isso vou passar uma dicas que poderão ajudar: - Defina dois horários diários para alimentação e não deixe comida à disposição. - Não dê nada ao cão enquanto você estiver comendo. - Defina o local onde o cão deve dormir. De preferência não com você. - Passeie com seu cão todos os dias e use guia com coleira e não peiteira. - Não use o nome do cão para repreendê-lo. - Evite falar com seu cão e use palavras curtas (sempre as mesmas ) associadas a uma situação e repreenda sempre que necessário, sem bater e sem muita conversa . - Não faça carinho no seu cão quando ele estiver nervoso. Bom senso e boa sorte! Até a próxima! Raphael Piccoli, adestrador desde 1997, especialista em comportamento e obediência . Facebook e Instagram Adestrador Raphael Piccoli e Whats app 51 99131.2354

Setembro de 2017 | Bichos de Estimação

3


AS ORIGENS

Felis catus, o Gato Doméstico

BIBI, da Virginia

Os gatos domésticos são animais pertencentes à família Felidae, e Gênero Felis. Alguns autores os consideram como uma subespécie do gato silvestre, o Felis silvestris, restrito à África, Ásia e Europa. Outros afirmam que ambas são espécies distintas. Assim, os gatos domésticos podem ser chamados pelos nomes científicos Felis Silvestris Catus ou, simplesmente, Felis Catus. Cultuados como deuses na antiguidade, a sua simples presença passou a ser associada, na idade média, ao mau presságio ou a encarnação de algum tipo de maldição . Por volta de 10.000 anos atrás, os gatos surgiram nos grupos humanos sedentários com a função natural de exterminar os roedores que rondavam os estoques de grãos. Porém a história da domesticação do gato começou há cerca de 5000 a.C no Antigo Egito, o ápice de seu período de glória. Venerados como divindades, eram tratados como membros da família. Tinham importante papel no controle de pragas, pois caçavam ratos que proliferavam rapidamente, sendo também admirados por sua beleza e poderes “mágicos”. Havia também a importante deusa egipcia, Bastet, que tinha o corpo de mulher e cabeça de gata e era a Deusa da Fecundidade. Matar um gato era crime punido com pena de morte. No desenvolvimento da Era Cristã, a boa relação com os gatos foi perdendo espaço pa-

4

ra um verdadeiro processo de demonização do animal. Alguns estudiosos dizem que tal modificação aconteceu porque os pagãos cultuavam os gatos e, pouco mais tarde, porque os muçulmanos também tinham o animal em boa conta. Nos primórdios da Idade Média, as parteiras, que comumente carregavam a imagem de um gato, símbolo da deusa Bastet, foram proibidas de utilizar tal apetrecho. Por volta do século XIII, a relação entre os gatos e as religiões pagãs logo se orientou para a construção de uma imagem demoníaca do animal. Em uma de suas várias bulas, o papa Gregório IX determinou que os gatos fossem terminantemente exterminados. A paranoia causada pela Inquisição acabou tendo um preço elevado, já que a diminuição da população felina acabou ajudando na propagação dos roedores que transmitiram a Peste Negra em diversas regiões da Europa. Com o passar do tempo, essa visão mística e preconceituosa perdeu lugar para o prazer advindo da domesticação desses pequenos animais. A capacidade de associar independência e sociabilidade faz do gato um tipo de companhia agradável e, ao mesmo tempo, integrante. Em diversos textos literários esse animal é descrito por uma minúcia de virtudes que o colocam em uma posição privilegiada. Pelo visto, eles também conseguem ocupar o posto de “melhor amigo do homem”.

Bichos de Estimação | Setembro de 2017

NINA e MEL, do Telmo

MIKY NICK, com Camila Lara


As raças de cães mais inteligentes CURIOSIDADES

FLOR, com Mariáh e Alisson

KITA, com Scheila

PAG, da Dani

Os cães se diferem muito uns dos outros e para provar isso, o pesquisador Stanley Coren, autor do livro "A Inteligência dos Cães", criou uma lista dos 10 cães mais inteligentes, baseando seus dados, analisando as qualidades de obediência e trabalho e chegou ao seguinte resultado: 10º. Australian Cattle Dog Sua inteligência e agilidade são ideais para o pastoreio. O dono desse cão precisa exercitar sua força e inteligência durante algumas horas ao dia 9º. Rottweiler Muito atento, é uma das raças mais conhecidas pelas pessoas, por ser um excelente cão de guarda e uma ótima companhia. 8º. Papillon Pequeno e dócil, esse cão de companhia utiliza toda a sua inteligência para proteger as pessoas queridas. 7º. Labrador Retriever Ótimo para farejar drogas, também é um excelente cão guia para cegos. É muito ativo e gosta de ajudar os humanos. 6º. Pastor de Shetland Destaca-se pela sua concentração e muito interessado em aprender. Sua inteligência é tão evidente que algumas pessoas a

comparam com a inteligência humana. 5º. Doberman Além da inteligência, ele possui as virtudes de força e agilidade. Por causa disso, é uma das raças mais utilizadas para a guarda. 4º. Golden Retriever Uma raça que gosta de aprender e que o faz rapidamente. Muito utilizada como guias de cegos e companheira para crianças. 3º. Pastor Alemão Além de ser extremamente inteligente, a raça ainda possui força, agilidade e muita coragem. A soma dessas qualidades lhe garantiu um emprego na Polícia. 2º. Poodle Apesar de ter a fama de “cão de madame”, do tipo frágil que só fica no colo, o Poodle tem uma grande capacidade intelectiva. É uma raça que aprende muito rápido, o que facilita o adestramento. 1º. Border Collie Um cão extremamente hábil e prestativo, sempre está disposto a fazer trabalhos que exigem muito da sua inteligência. O Border Collie é uma raça com muita energia, e por isso consegue dar conta de uma grande demanda de trabalho. Devido a isso, é o campeão, quando o assunto é cachorros inteligentes.

Setembro de 2017 | Bichos de Estimação

5


SAÚDE

Ao passear com seu cão, mantenha-o na guia

CHARLIE, com Catiane

Tem coisa melhor do que um dia maravilhoso de sol e sair a passear com seu cão? Uma roupa adequada, um tênis confortável e quem sabe, um chimarrão? O cão corre feliz pela calçada e canteiros, cheirando tudo à sua volta e levantando a perna a cada três metros. Às vezes você tem de chamá-lo, pois ele quer ir sempre mais longe e você acabou de encontrar um amigo e o papo rola solto. Não há com o que se preocupar, pois ele é muito obediente. Mas, não seria melhor levá-lo na guia? Você argumenta que ele é mansinho, não briga com ninguém, é obediente, etc., etc. Cena 1 – A tranqüilidade Entre um papo e outro, uma rápida olhada para o filhotão solto no gramado e o ato de encher a cuia, vocês ouvem um latido e obser-

6

vam o cão literalmente voar para o outro lado da rua atrás de um gato que acabou de subir num muro. Cena 2 – A tragédia Uma freada, uma batida seca e um latido de dor. Com o coração na boca, vocês se precipitam em direção ao cachorro inerte. Infelizmente é tarde e o seu amigo acabou de subir aos céus. Cena 3 – A conclusão E se ele estivesse preso a uma guia? Vocês não estariam chorando e lamentando a perda de um amigão, que poderia ter sido evitada. As cenas aqui descritas chocam, é verdade. Mas é muito previsível a atenção do cão ser alertada por qualquer coisa em movimento, principalmente se for um cachorro de apartamento. Diversas situações se aplicam a um simples passeio com cães sem guia. Todas elas podem ser fatais. Gatos – Você está tranqüilo com seu gato em seu apartamento. Ele está na janela, mas não há perigo, gatos são ótimos equilibristas e não caem. Certo. Mas hoje ele está entediado olhando um cachorro no pátio do vizinho, lá embaixo. Uma linda borboleta esvoaça a meio metro dele e ele, alerta, quer brincar e dá uma patada em direção do inseto, se desequilibra e... muitos metros abaixo há um gato que partiu. Histórias terríveis, não? A máxima, melhor prevenir do que remediar, é uma meia verdade: muitas vezes não há o que remediar.

Bichos de Estimação | Setembro de 2017

ALEMÃO, com Daniel

CAVERNA, com Eva Cargnelutti


FRIDA, com Cristina Mallmann

LILI, com Iara

BÓRIS, com Luana

"Não me conhecem pessoalmente, sou o Alemão, e graças à generosidade e solidariedade de vocês, somados à dedicação dos voluntários da ONDAA, ao longo de mais de 5 anos, mantiveram-me no seu abrigo, com segurança, alimentação, habitação digna, cuidado veterinário e um pouco de carinho, mesmo que esporádico, intenso e sempre repleto de amor. No feriado do sete de setembro, pela quarta vez, esses insistentes, ignorando meu olhar de desesperança do mundo, novamente me levaram, cheirosinho para uma feira da ONDAA. Foram muitas carícias, olhares solidários e de pena, mas nem um colo que me tirasse dali! Meu destino, novamente parecia estar decidido e como nos eventos anteriores, voltaria ao abrigo, com meus irmãos! Mas a vida nos prega peças, pois além de velhinho, já são mais de cinco anos de vida, ainda tenho um temperamento complicadinho, mas isso não foi o suficiente para um lindo casal, que ao chegar ao evento, cruzaram seu olhar com o meu e durante longas e longas horas, com dúvidas e receio me olhavam, olhavam e olhavam, até que ao final do dia, quando as pessoas e a esperança se iam, eles tomaram coragem e pediram que dessem a chance de uma tentativa, onde pudessem me levar e ver se aceitaria meus novos Irmãos! Hoje, já se passam quatro dias da minha ida e com imensa alegria compartilho com vocês a minha mais nova conquista: uma família,

HISTÓRIAS DE AMOR

Carta de um cão adulto adotado...

que abriu os olhos, o lar e o coração para mim! Hoje e para o sempre terei ao meu lado humanos que me chamarão de filho peludo e os quais chamarei de pais Carol e Diego! E tenho novos Irmãos, que farão parte dessa minha nova jornada! A vocês, madrinhas e padrinhos, meu obrigado por confiarem nos meus anjos guardiões e por ajudarem no meu cuidado, ao longo desses cinco anos de abrigo! Sem vocês, sem a solidariedade e esforço, talvez não existisse mais anos, vida e esperança! São parte da minha conquista! Minha vitória é também uma vitória de vocês! Obrigado! Tenho Irmãos de abrigo que com certeza, mesmo velhinhos, terão a mesma sorte e destino que o meu e, como eu, serão eternamente gratos a vocês!"

Foi o tio Leandro que traduziu para mim. Assinado: Alemão

Setembro de 2017 | Bichos de Estimação

7


Gostou da nossa galeria? Mande a foto de seu amiguinho para nós. Vamos adorar! E-mail: bichosdeestimacao@outlook.com HANS, com Rochelle

SHANTI, com Carolina

MAYLON, com Charniele

BABY, com Cleberton

BARNEY, com Leonardo

BETY, com Roberto e Eliana

CAQUE, com Maicon e Diulia

DERCY, com Rafaela

FLOR, com Mariáh

FRIDA, com Rodrigo e Isabel

JAMES, com Jenifer e Elanda

KEIT, com Natalie

LELECO, com Paulo

LILI, com Gabriel

LOLA, com Jardel e Lucilene

MEG, com Carol e Jairo

Meg, Snoopy e Bartho, com Roberta

SNOW, com Adolfo e Alex

Redação, revisão e fotos: Gilberto Winter Criação, redação e arte-final: Sandra C. Alcantara E-mail: bichosdeestimacao@outlook.com Facebook: Bichos de Estimação Fone: (51) 98456.4614 Fotos: Arquivos pessoais

BICHOS DE ESTIMAÇÃO | Ano 2 | Nº 22  
BICHOS DE ESTIMAÇÃO | Ano 2 | Nº 22  

Aqui temos a continuação da Revista BICHOS DE ESTIMAÇÃO - que circulou no Vale do Sinos/RS

Advertisement