Page 1

FRIDA, com Hique Gomez

SNOOP, com Adriele

BELINHA, com Natália

POLLY, com Tauã

SHERILOWS, com Ana Paula

CADU, com Sophia

Outubro 2017 - Ano 2 - Nº 23 - Distribuição gratuita - Circulação mensal

MEG, com Gessi e José

MOZART, com Cleo e Dierry

LOLY, com Sarah

VITTA, com Joaquim

MEL, com Rosi

PEDRINHO, com Anderson e Viviane

JOHNIE, com Noely

SHEIK, com Rafael e Eduarda Orsi

BELINHA, com Jéssica Machado

LUKE, com Djenifer e Rodrigo

SURI, com Camila e Pimpo

LANA, com Suelen


PROTETORES

Abandono é crime!!!

Já sabemos que é abandono é crime e mesmo que esse assunto seja tão batido, ainda continuamos vendo casos de abandono de animais. Além de ser crime, é cruel, desumano e uma covardia. São vários os motivos que levam pessoas a abandonar animais em vias públicas, estradas e muitas vezes em locais que os animais não conseguem sobreviver. Os principais motivos do abandono de animais são: rejeição à fêmea com cria de filhotes ou àqueles que ficam velhos ou doentes; proprietários que viajam ou mudam de residência e deixam seu pet para trás; cão que cresce e fica com porte muito grande ou torna-se barulhento (latidos) ou fica feroz; dificuldade de convívio pela presença de crianças no lar; alergia a pelos, entre outras causas. É importante ressaltar que A Lei 9605/98 (Lei de Crimes Ambientais) prevê os maus-tra-

2

tos como crime. O decreto 24645/34 (Decreto de Getúlio Vargas) determina quais atitudes podem ser consideradas como maus-tratos. Qualquer pessoa que for testemunha de um abandono de animais domésticos ou exóticos pode ir à delegacia mais próxima. Uma das formas de combater o abandono seriam leis com punições mais rígidas e projetos políticos de controle populacional de animais de rua, com um programa de castração e a colaboração, tanto da população, quanto de órgãos políticos já diminuiria a quantidade de animais abandonados e, consequentemente, diminuiria também o número de animais doentes deixados nas ruas.

Bichos de Estimação | Outubro de 2017

Leandro Mello Presidente da Ong ONDAA NH

Ajude-nos a ajudá-los!


Controlamos o quê? ADESTRAMENTO

FRIDA, com Maria Clara

FERNANDÃO, com Isabela

Acredito que temos menos de 10 % de controle real sobre nossas vidas. Se considerarmos apenas um dia em nossas vidas, conseguimos controlar de fato o quê? Temos controle sobre a luz que vai para nossas casas? E se um ônibus bater em um poste e faltar luz. E se o chuveiro for elétrico e você tiver que tomar banho frio para sair de casa. E se na hora de sair, lembrar que o portão eletrônico não abre sem luz. Talvez você more em apartamento e tenha que descer 20 andares a pé. E se a babá que iria vir para cuidar dos seus filhos tivesse distraído o motorista do ônibus e ele tivesse perdido o controle do ônibus e batido em um poste de luz? Como começaria o seu dia? Talvez se seu vizinho não tivesse abandonado aquela cadela que estava prenha na BR116, aquele motoboy que havia casado há 1 ano e estava com uma linda filha pequena em casa, com sua mãe de licença-maternidade, talvez ele não tivesse desviado da cadela e cortado a frente de um ônibus, caindo e vindo a óbito depois de ser atropelado. O fato é que, cada coisa que fazemos no nosso dia a dia, desencadeia um efeito cascata de outros tantos acontecimentos. Somos responsáveis pelos nossos atos e às vezes, agimos por impulso, sem pensar e medir as consequências. E se pagamos para ver? Não será um preço muito alto?

Vou parar com as perguntas. Mas afirmo que precisamos pensar um pouco mais antes de agir. O mundo em que vivemos, nosso bairro, nossa cidade, nossa relação em casa com a esposa ou esposo, com os filhos, com seu cão, com seu empregado ou seu chefe, na hora de cuidar da saúde física, emocional ou intelectual é sempre o pensamento que governa o planeta. Antes da sua decisão, antes de agir, sempre, há um pensamento. Cuidado com a atitude impulsiva. Pense nisso, até a próxima!

Raphael Piccoli, adestrador desde 1997, especialista em comportamento e obediência . Facebook e Instagram Adestrador Raphael Piccoli e Whats app 51 99131.2354

Outubro de 2017 | Bichos de Estimação

3


AS ORIGENS

Devon Rex: origem e história da raça

HANS e FRIDA, com Rochelle e Nicolle

O Devon Rex é uma raça de gato de pelo curto e sua aparência está longe de ser comum. O primeiro exemplar foi descoberto em Buckfastleigh, no condado de Devon. Inicialmente imaginou-se haver alguma ligação com o Cornish Rex, pois Devon faz fronteira com a Cornualha, local de origem do primeiro gato da raça Cornish Rex. Mas testes posteriormente provaram não haver relação entre as duas raças, além do mesmo gene mutante Rex. Em pouco o tempo, esta raça de aparência exótica ganhou notoriedade também fora do Reino Unido, sendo reconhecido oficialmente ao final dos anos de 1970 e no início dos anos de 1980, pelas principais associações. O Devon Rex é um gato de porte médio, pesa de 6 a 9 kg e os machos tendem a ser um pouco maiores que as fêmeas. Muitas vezes chamado de "gato duende" devido à sua aparência, apresenta uma cabeça larga, orelhas bem grandes, meio arredondadas nas pontas, olhos grandes e nariz levemente arrebitado. Tem um corpo de constituição leve, pernas longas e resistentes, que o tornam um grande saltador. Diferentemente da maioria dos gatos, os bigodes do Devon Rex são curtos e muitas vezes enrolados, a ponto de parecer que não tem bigode. O pelo é muito macio e curto e pode variar desde ondulado até bastante encaracolado. Devido às características típicas da pelagem e a troca de pelos menos intensa, é tido como uma das raças de gatos que causa menos

4

problemas às pessoas alérgicas a pelo de gato, mas tecnicamente não é hipoalergênico. É conhecido por seu temperamento essencialmente amigável, muitas vezes comparado ao de um cachorro. Além de seguir os donos pela casa, costuma se dar bem com outros gatos, outros animais e com as crianças. Muito inteligente, é capaz de aprender truques com facilidade. Gosta de brincar de esconder, jogar bolinhas e buscar objetos, e costuma manter esse comportamento brincalhão mesmo depois de adulto. Tem uma especial predileção em empoleirar-se nos ombros de seus donos para estar perto da cabeça e do pescoço. É um gato que gosta e precisa da companhia da família ou pode se tornar bastante destrutivo. Não é um gato que aceita ficar sozinho por longos períodos.

Bichos de Estimação | Outubro de 2017

THYSSA, com Maria Luiza e Jéssica


NOSSOS PARCEIROS

A Espaço Animal Clínica Veterinária está completando, neste mês de outubro, 15 anos de atividades. De propriedade do médico veterinário, Dr. André Meurer, formado pela Universidade Luterana do Brasil em 2001, com residência veterinária em clínica e cirurgia de pequenos animais – 2001-2002 – na mesma faculdade, teve como vocação, desde pequeno, o cuidado com os animais. Sendo assim, a medicina veterinária foi sua única escolha de profissão. Especialista em clínica e cirurgia de pequenos animais, atua em cirurgias gerais, principalmente na área da ortopedia. Além de atendimento clínico-cirúrgico, o Espaço Animal Clínica Veterinária oferece todos os tipos de vacinas importadas, exames laboratoriais diversos, banho e tosa, venda de rações e medicamentos. Assessorado pela médica veterinária, dra. Nathalia Gomes Cardoso e pela secretária e técnica de enfermagem, Natacha Schneider, dr. André recebe seus clientes de quatro patas sob o olhar vigilante de seu mascote, que após resgate passou a fazer parte da equipe da Espaço Animal Clínica Veterinária.

Horário de Funcionamento da Clínica De segunda a sexta-feira das 8h às 12h e 14h às 18h Sábados das 9h às 12h

Nathalia Gomes Cardoso, André Meurer e Natacha Schneider

O mascote Bolão

Luciane e André Meurer

Nathalia, André e Natacha

Recepção

Outubro de 2017 | Bichos de Estimação

5


PROMOÇAÕ

A Vida Animal – Farmácia Veterinária de Manipulação – e o Jornal Bichos de Estimação promovem o 1.º Concurso de Fotografia: #SOUVIDAANIMAL. Esta é uma ótima oportunidade de mostrar toda a beleza da sua relação com o seu pet e ainda ajudar ONGs que resgatam e cuidam de animais vítimas de maus-tratos e abandono.

Porque a beleza está e m ajudar!

1.ª 2.ª 3.ª

Imagem mais votada: 1 (um) vale-compras no valor de R$ 200 na unidade da VIDA ANIMAL – Novo Hamburgo, 1 (um) book com 20 fotos profissionais, 1 (um) quadro com a foto escolhida, um dia de estética no petshop, escolhido pela promotora do evento, e a publicação da imagem escolhida no jornal Bichos de Estimação.

Segunda imagem mais votada: 1 (um) vale-compras no valor de R$ 100 na unidade da VIDA ANIMAL – Novo Hamburgo, 5 imagens feitas por fotógrafo profissional, 1 (um) dia de estética no petshop, escolhido pela promotora do evento, e a publicação da imagem escolhida no jornal Bichos de Estimação.

Terceira imagem mais votada: 1 (um) vale-compras no valor de R$ 100 na unidade da VIDA ANIMAL - Novo Hamburgo, 1 (um) dia de estética no petshop, escolhido pela promotora do evento, e a publicação da imagem escolhida no jornal Bichos de Estimação.

VEJA TODO O REGULAMENTO EM NOSSO SITE: www.vidaanimal.far.br

A Vida Animal doará a mesma de quantidade de ração recebida s. inscrições para ONGs indicada

VIDA ANIMAL - Novo Hamburgo Rua Júlio de Castilhos, 428, Centro. De segunda a sexta-feira das 8:30 às 12:00, e das 13h às 17:30. Aos sábados das 8:30h às 12:30.


Cistite: os machos "in door" são os mais afetados SAÚDE

PRINCESINHA, PINGO, NINA e BRENDA com Deise

DOLLY, com Sonira

A cistite é uma doença que aparece com mais frequência em cães que vivem em apartamentos, sendo mais comum nos machos, porque têm a uretra mais fina e alongada que a das fêmeas. O veterinário José Eduardo Mendes Carvalho conceitua a doença como uma inflamação acompanhada de infecção na bexiga, cuja principal causa é a retenção de urina, que leva à dilatação da bexiga, rompendo os microvasos. Esse processo causa a inflamação e instalação de bactérias. No entanto, o veterinário afirma que a cistite pode ser provocada por outros problemas. "A presença de cálculos urinários ou visicais, cateterismo visical (introdução de sonda na uretra) e traumas mecânicos, como atropelamento, podem levar à doença", explica. Além dessas, ele lembra da necessidade de o animal ter liberdade para urinar, evitando a retenção de líquidos, o que também contribui para o aparecimento da patologia. Quando diagnosticada a cistite através de exames laboratoriais, o veterinário utiliza antibiótico, terapia com ou sem anti-sépticos urinários e repete os exames para constatar se a doença foi erradicada. Em alguns casos, também é utilizada a cultura bacteriana da urina para verificar qual antibiótico será usado. A cirurgia também é indicada na presença de cálculo visical e quando há a ruptura da bexiga - comum em gatos. "Normalmente o tratamento dura de 10 a 15 dias", comenta. O dono pode perceber que seu animal de

estimação tem algum problema urinário quando ele apresenta micção frequente e em pequenas quantidades, sangue e cheiro forte na urina. No caso das fêmeas, observar quando elas ficam em posição de urinar por muito tempo e não conseguem. A coloração também se modifica, de modo que a urina fica amarelo forte, devido à presença de pus, o animal perde o apetite, fica desanimado e em posição arqueada em função das cólicas.

Outubro de 2017 | Bichos de Estimação

7


Gostou da nossa galeria? Mande a foto de seu amiguinho para nós. Vamos adorar! E-mail: bichosdeestimacao@outlook.com BÓRIS, com Eduarda

MENINA, com Natalíe

BAUNILHA, com Laura

BELA, com Luana e Tiago

BELINHA, com Roberta

BOBY, com Vitor, Kauã, Andréia e Ricardo

DEXTER, com Jéssica

FELIPE, com Délcio

FRIDA, com Lu e Fábio

ISA, com Camila

LOBA, com Lexiane

LUCKY, com Daniela

MALT, com Camila e Leandro

AUDREY, com Roberta Larini

SEBASTIAN, com Solange

NINA, com Cristiane e Ricardo

PRETINHA, com Cláudio Jachs

BOLT, com Thales

Redação, revisão e fotos: Gilberto Winter Criação, redação e arte-final: Sandra C. Alcantara E-mail: bichosdeestimacao@outlook.com Facebook: Bichos de Estimação Fone: (51) 98456.4614 Fotos: Arquivos pessoais

BICHOS DE ESTIMAÇÃO | Ano 2 | Nº 23  
BICHOS DE ESTIMAÇÃO | Ano 2 | Nº 23  

Aqui temos a continuação da Revista BICHOS DE ESTIMAÇÃO - que circulou no Vale do Sinos/RS

Advertisement