Page 1

inzas

sab達o de cinzas


sabão de cinzas águacatárse fogovolúpia cinzasobrevir sodaconvulsão

CUIDADO! esta receita pode estar errada


Á G U A

C A T Á R S E


TROCAR TODAS AS CORES POR UMA CAMISETA PRETA E UM CAMINHO ESBURACADO NÃO É BURRICE NEM REVOLUÇÃO AS ESCOLHAS SÃO COMO IMPRESSÕES DIGITAIS


F E C U N D E M - M E , TRANSMUTADOS EM VENTO FORTE, CHUVA テ,IDA, EM BORBOLETAS F E C U N D E M - M E , TRANSMUTADOS EM CHEIRO DE FLOR, DE MERDA, MANJERICテグ OU ESGOTO MAS Nテグ ESPEREM DE MIM UM REBENTO APENAS VOU EXPLODIR SEREI POEIRA EM SEUS OLHOS E ME LAVAREI COM Lテ;RIMAS ARRANCADAS


A PELE SOA SUOR, S

A

L

:

A GENTE SAINDO DE DENTRO DA GENTE


DE UM CANTO QUALQUER DE MIM NASCIA UM BRILHO DE ESPADA COM O QUAL CORTAVA MINHA LÍNGUA E CUSPIA FOGO CONTAMINEI TERRAS QUE ENGENDRARAM PRAGAS CULTIVEI CINZAS PELO MEU CAMINHO MAS UM DIA CHOVEU FORTE EM MINHA CABEÇA PLANTEI OS PÉS NO CHÃO CUSPIR FOGO JÁ NÃO ERA SUFICIENTE ERA PRECISO INTERAGIR COM ELE AQUECER

JUNTO

QUEIMAR

JUNTO

DESTRUIR

JUNTO


PEGUE SEUS PÉS TOQUE SEUS PLANOS JOGUE FORA VELHOS PANOS D E S V I S T A - S E D E S C U B R A - S E PASSE

FRIO

ALIVIE O CALOR NÃO ENXUGUE O SUOR USE

UM

COLAR

E ENFORQUE-SE SE FOR CAPAZ


F O G O

V O L Ú P I A


NO NOSSO VELHO TOCA FITAS ROLA FUGAZI NÃO TENHO NIGUÉM PRA DANÇAR, VOCÊ DORME ENQUANTO ISSO COLOCO PEDAÇOS DE NOSSA VIDA EM PEDAÇOS DE PAPEL


FLORES SÃO VERSOS E ANVERSOS VERBOS DISPERSOS EM CANTEIROS MULTICORES E CINZA CHUMBO FLORES QUE EGOISTICAMENTE RASGO AO MEIO E TE OFEREÇO NO LUGAR DE UM MEMBRO E QUE VOCÊ ACEITA, MASTIGA E ME DEVOLVE NO LUGAR DE

UM

BEIJO


UMA LINHA SE PERDE NA CONFUSÃO DOS OLHOS CAMINHOS SE CRUZAM NA CONFUSÃO DAS PERNAS A PELE ARREPIA NA UMIDADE DA LÍNGUA


NA NOITE EM QUE JULHO MORREU A LUA ERA SÓ A METADE ROSADA COMO VINHO COM ÁGUA E TEU CORPO ERA FRIO COMO A PONTA DO MEU NARIZ MAS JULHO MORREU... AGORA NÓS NOS AMAMOS AGOSTO


O

L

H

A

-

M

E

T O Q U E - M E E N G U L A - M E MAS VOMITE MINHA ESSÊNCIA NA LATA DE LIXO E ENTÃO VOLTAREI EM HÁLITOS QUENTES DIRETO EM SEU PESCOÇO


C I N Z A

S O B R E V I R


ANTES DE DORMIR JOGAREI SAL EM MEUS DESEJOS C O N D I C I O N A D O S OXALÁ CONSIGA ACORDAR NA MANHÃ SEGUINTE SEM CONDICIONAMENTOS E CHEIO DE DESEJOS


A MÃO SE FECHA O OLHO BRILHA O PUNHO É FLECHA ESPELHOS TRINCAM MÁSCARAS CAEM O VÉU SE RASGA O SUJO SE VINGA


ESTRELAS EXPLODEM NA TERRA PROJETEIS

NO

CEU

UMA CANÇÃO NÃO ME CONSOLA HÁ MUITA COISA LÁ FORA MINHA POLTRONA NÃO É CONFORTÁVEL MINHA LÍNGUA ESTILETE CEGO CORTANDO A ESCURIDÃO NAS COSTAS A CANGA MAS NA CABEÇA ENGATILHO UM DISPARO EMERGENTE


AOS QUE ESPERAM MILAGRES: M I L Á G R I M A S AOS QUE NÃO PARAM QUIETOS: MIL LÉGUAS


O QUE FAREMOS AGORA QUE MATAMOS OS PESADELOS QUE TINHAMOS CULTIVADO DURANTE TODO O TEMPO QUE FICAMOS ACORDADOS? SERÁ QUE NÃO TEREMOS TEMORES, OU QUALQUER TIPO DE PREOCUPAÇÃO EM RELAÇÃO AO NOSSO TEMPO DE VIDA ÚTIL EM ESPAÇOS FÍSICOS LIMITADOS POR MOTIVOS DE FORÇAS MAIORES? OU SERÁ QUE AINDA NOS PRENDEREMOS A TRAUMAS PSICO-NONSENSES QUE ADORAM RIR DE NOSSA CARA QUANDO ESTAMOS COM MEDO DE NOSSA PRÓPRIA SOMBRA?


S O D A

C O N V U L S Ã O


NO BICO DAS BOTAS E NOS CACETETES A FORÇA DA ORDEM. EM PRÉDIOS VAZIOS E FAVELAS QUEIMADAS A CARA DA ORDEM. EM NOME DA ORDEM ALGUNS FORAM LEVADOS EM NOME DA ORDEM TODOS RESISTIRÃO EM NOME DA ORDEM PRÉDIO EVACUADO EM NOME DA ORDEM NOVA OCUPAÇÃO


VÁLVULAS DE ESCAPE ALÍVIOS PALIATIVOS ANESTESIAS VIA SATÉLITE SUBSTÂNCIAS SINTÉTICAS RAÍZES E FOLHAS PAPÉIS RECICLADOS EM SACOLAS DE GRIFE UMA VITRINE PARA CADA SONHO CONDICIONADO UMA SOLUÇÃO PARA CADA NECESSIDADE INVENTADA


PARA CADA RETÓRICA RECALCADA NA ESCLEROSE DO PRÉ DEFINIDO UM GIRO, UM PULO, UM GRITO UM ELETRO CHOQUE NAS TEMPORAS CONDICIONADAS PELA MARCHA DOS DIAS UM GIRO, UM PULO, UM GRITO, UM ELETRO CHOQUE


NÃO ESTOU INTERESSADO EM PIEDADE TALVEZ EM VINGANÇA A HISTÓRIA É O TROFÉU DOS VENCEDORES E NESSA ARENA DESGRAÇADA MEU SANGUE É ÁCIDO E PESTILENTO ESTAR VIVO ATIVO E PENSANTE EIS A GUERRA EIS A HISTÓRIA EIS

A

CANÇÃO


TODA COR TEM VENENO TODO VENENO É EXATO NÃO JOGUE MERDA NO VENTILADOR APONTE O VENTILADOR PARA A MERDA


sabão de cinzas p o r Fábio Calaza envolvidos: Eliezer Barreto Romulo Alexis facalaza@yahoo.com.br CONSPIRATEIA edições informais

C 0001 dez/2012


A

CON

EI

IRAT P S

SABÃO DE CINZAS  

Primeira publicação do selo CONSPIRATEIA - edições informais -

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you