Page 1

VIVER

1


VIVER

2


www.vivermagazine.com

Maio, 2018

conteúdo 6

Ser Mãe aos 40 Precauções e Riscos Dado ao atual ritmo de vida cada vez mais mulheres optam por serem mães bem mais tarde. Vamos ver neste artigo as precauções e riscos da gravidez aos 40.

24

Síndrome do Ovário Policístico O Que é, Causas, Sintomas e Tratamento A síndrome dos ovários policísticos é provavelmente a causa mais comum de infertilidade em mulheres por falta de ovulação.

28

As diferenças entre os cosméticos naturais, vegan e orgânicos. E 12 marcas em que pode confiar Nem tudo o que é natural é orgânico. E muitos produtos vegan podem, na verdade, ter ingredientes testados em animais. Reunimos o que precisa de saber num mercado confuso e com informações duvidosas.

8

32

Em março, a Assembleia Nacional da Coreia do Sul aprovou uma lei que reduzirá a carga de trabalho de sua população: o limite máximo de horas trabalhadas por semana passará de 68 para 52.

36

As 10 marcas mais valiosas da América Latina (5 são brasileiras) Quatro delas são cervejarias. Duas outras são instituições financeiras. Há também grandes lojas de varejo, uma rede de televisão, uma empresa de telecomunicações. As 10 marcas mais valiosas da América Latina pertencem a setores muito diversos - e cinco delas são do Brasil, segundo o relatório Brandz, da empresa britânica de marketing e comunicação WPP.

14 16

Quais os países onde as pessoas trabalham mais horas?

Emissão de documentos para brasileiros no exterior

40

48

Uma das principais funções das autoridades consulares é a emissão de documentos para cidadãos brasileiros que estejam no exterior. Veja, abaixo, informações gerais sobre alguns dos documentos emitidos. Caso deseje mais informações, contate diretamente a Embaixada ou o Consulado do Brasil mais próximo de você.

Alerta

Nos Cinemas

46

49

Variedades

Agenda

VIVER

3


Editorial

V

ocê que mora aqui no Estado da Georgia a muito tempo, 5,10 anos, já reparou o quanto a nossa comunidade está crescendo? E se você assim como eu, também percebeu esse fluxo maior de pessoas chegando, você com certeza notou também, que o perfil desses brasileiros está bem diferente. Antes, as pessoas que vinham para os Estados Unidos, vinham em busca de trabalho, com muita disposição e humildade, pois queriam encontrar uma maneira de prosperar na vida e assim, ajudar também a família. Estavam dispostas a aprender, sem se preocupar com as horas ou com os dias de trabalho, conscientes de que o salário, cresceria de acordo com o desenvolvimento e aprendizado. 99% das histórias de pessoas que vieram para os Estados Unidos e venceram, tiveram que lutar muito, tiveram que aprender com dedicação as profissões que escolheram e assim, puderam alcançar o que vieram buscar. Mas o que tenho visto ultimamente, é que as pessoas que estão chegando, estão vindo mal informadas, crendo em dicas enganosas que encontram em redes sociais, esperando encontrar um mundo “pronto” que na verdade não existe no momento em que chegamos aqui. Este “mundo”, onde tudo ao nosso redor fica menos difícil, precisa ser construído, dia após dia, por nós mesmos. (Claro que não são todas as pessoas, não estou generalizando!) É muito difícil construir uma carteira de clientes de limpeza de casas (um Schedule), não é fácil conseguir a confiança de um uma construtora americana e fazer com que eles contratem a sua empresa para

EDIÇÃO e PUBLICAÇÃO Dilla Campos vivermagazine@gmail.com

trabalhar para eles. Primeiro, você tem que conquistar este espaço, aprender a profissão, falar a língua, abrir a sua própria empresa e ralar muito. Qualquer que seja a profissão escolhida, (limpeza ou construção) a pessoa vai precisar de um tempo para se adaptar, aprender, adquirir rapidez, agilidade e qualidade no trabalho realizado. Infelizmente, isto não acontece do dia para a noite. Ultimamente, tem acontecido muito, de pessoas que acabaram de chegar estarem contrariadas, criticando seus patrões em redes sociais e também, temos visto patrões frustrados com seus novos funcionários. Acho, que estamos precisando exercitar o bom senso, um pouco mais de paciência e justiça, por parte dos donos de empresas e um pouco mais de humildade por parte de quem chega. Algumas pessoas precisam entender que seus diplomas conquistados no Brasil infelizmente não valem nada aqui. Aqui somos todos iguais, a menos que elas se qualifiquem “legalmente” para exercer as suas funções, o jeito é baixar a bola e aprender uma nova profissão, levando em conta de que o salário de quem está aprendendo é menor do que o de quem já sabe ou é o DONO do negócio! Quem tem um Schedule, tem uma empresa, paga impostos, gasta gasolina, despesas com o carro e principalmente, tem toda a responsabilidade ao entrar nas casas das pessoas. Quem tem uma empresa de construção também tem seus deveres e obrigações, enquanto o ajudante simplesmente vai trabalhar e volta para casa no final do dia, sem ter que se preocupar com nada, só em desenvolver uma mão de obra de qualidade e receber o pagamento no final da semana. Como eu disse, tudo é uma questão de bom senso! Até a próxima,

Dilla Campos vivermagazine

Publicadora Viver Magazine VIVER

4

DIREÇÃO DE ARTE / PROJETO GRÁFICO Saulo Oliveira S2dm.com contact@s2dm.com COLUNISTAS Dilla Campos Maitê Hammound (Psicóloga) Tracie Kincle (Advogada) Fernanda Hottle (Advogada) Daniel Ortiz (Advogado) REVISÃO Eliania Bento COLABORADORES Kamilla Oliveira Alex Campos Consulado Geral do Brasil em Atlanta Cesar Restrepo (Empreendedores Latinos) FOTOGRAFIA Dilla Campos Indy Zanardo Alcides Notaro Juliana Frary PARA ANUNCIAR 770.953.4250 vivermagazine@gmail.com www.vivermagazine.com DISTRIBUIÇÃO All Metro Atlanta Area GDL Distribution & Logistics, LLC Phone: (678) 887-2391 (Joanita Bonilla) A Viver Magazine é uma publicação independente com a finalidade de informar a comunidade brasileira e divulgar produtos e serviços que sejam de interesse dessa comunidade. As informações aqui veiculadas são resultado da demanda de nossos leitores e variam de acordo com a atualidade, podendo ser alteradas sem aviso prévio. Esta é uma publicação aberta a participação de leitores e da comunidade brasileira em geral, na qual encorajamos e agradecemos. A publicação de conteúdo e fotografias enviadas para a redação está sujeita a aprovação e disponibilidade de espaço e não é prometida ou garantida. Os anúncios aqui contidos, bem como seus conteúdos são de responsabilidade de cada anunciante. A diversificação e conteúdo dos artigos são de responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião desta publicação. Todo e qualquer conteúdo e anúncio aqui contidos são de propriedade da Viver Magazine e não devem ser reproduzidos total ou parcialmente. A versão impressa desta publicação é gratuita, assim como nossa versão online. Outros veículos de comunicação online na qual fazemos parte estão à disposição de nossos anunciantes e da comunidade em geral no Facebook e em nosso portal: www.vivermagazine.com. É proibida qualquer reprodução impressa ou digital, cópia do conteúdo, matérias, anúncios ou elementos visuais, bem como do projeto gráfico apresentados na Viver Magazine com base na LEI DE DIREITOS AUTORAIS Nº 9.610, DE 19 DE FEVEREIRO DE 1998, com respaldo internacional.


VIVER

5


Ser Mãe aos 40

//CAPA

Precauções e Riscos

Dado ao atual ritmo de vida cada vez mais mulheres optam por serem mães bem mais tarde. Vamos ver neste artigo as precauções e riscos da gravidez aos 40.

Muitas mulheres têm deixado relegada a gravidez a um segundo termo para se concentrar em sua carreira ou simplesmente por não terem encontrado o momento ideal para serem mães, por isso muitas mulheres com mais de 40 anos que desejam engravidar, devem considerar que as probabilidades de engravidar aos 40 anos são muito mais baixas do que há alguns anos atrás, aproximadamente 20% menores e diminuem ainda mais com o passar dos anos. Quando atingem a idade de 45 anos, é menos provável que fiquem grávidas de forma natural, porque é preciso levar em conta que vários anos antes de chegar à menopausa, o número de óvulos começa a diminuir, assim como a qualidade dos mesmos, e são

mais propensas a ter problemas estruturais, que podem aumentar o risco de aborto espontâneo e defeitos congênitos, como o baixo peso do bebê ao nascer. Riscos De Ficar Grávida Aos 40: Existem certos riscos que você deve considerar se tem 40 anos ou mais e deseja ficar grávida: • Um ponto muito importante é que as mulheres a partir dessa idade são mais propensas a ter pressão alta, diabetes, ou outras condições crônicas de saúde, como doenças cardíacas. • Devem tomar precauções aquelas mulheres que se consideram com sobrepeso ou obesas, porque têm mais probabilidades de sofrer uma cesariana; além disso, as mulheres obesas compreendidas nesta faixa etária são mais propensas a dar à VIVER

6

luz antes de 37 semanas e o parto prematuro aumenta o risco de problemas de saúde no bebê. • Aquelas mulheres compreendidas nesta faixa etária e obesas têm mais probabilidades de ter diabetes gestacional ou também podem sofrer de pré-eclâmpsia. • Pode haver risco de aborto em mães com mais de 35-40 anos. • É preciso saber também que com o avanço da idade da mãe, aumenta o risco de dar à luz a crianças com distúrbios cromossômicos, como acontece com a síndrome de Down. Precauções Para Ser Mãe Aos 40: Todas as mulheres grávidas devem se cuidar, mas se você já esteve grávida e tem, pelo menos, mais de 35 anos, deverá ter uma especial ênfase sobre os seguintes pontos: • Será necessário prestar atenção especial à alimentação, comendo frutas e verduras, legumes, cereais integrais, ácidos graxos ômega-3; assim como proteínas tanto vegetais como de origem animal e é preciso evitar o excesso de sal, as gorduras e os doces em excesso. • É necessário manter um peso saudável, para o qual colaborarão uma dieta saudável e o exercício diário. • Realize exercícios moderados todos os dias, onde os passeios e pequenas caminhadas diárias contribuirão para o bom estado físico. • Claro que você deve evitar o excesso de café e as bebidas alcoólicas. • Não tome medicamentos sem consultar o seu médico e siga todas as orientações que ele tenha recomendado.


VIVER

7


//televisão

“Orgulho e Paixão” Uma trama romântica e bem-humorada!

A construção do amor a partir de encontros e desencontros conduz a trama, que tem seus personagens livremente inspirados no universo da escritora inglesa Jane Austen. Romântica e bem-humorada, se passa no fictício Vale do Café, no início do século XX. de manhã acordando, ver no dia a dia o comportamento que cada uma delas tem, a que horas iam deitar, o que gostam de falar, o que estavam lendo, etc. Isso foi muito importante na viagem em relação às personagens e também o contato com a natureza, com os casarões, conhecemos pela primeira vez os figurinos, convivemos com toda a equipe de criação. É sempre uma surpresa, porque você começa a equalizar a sua personagem e começa a ver a dimensão que ele vai ter dentro da história.

‘Orgulho e Paixão’ é uma novela de Marcos Bernstein, escrita por Marcos Bernstein e Victor Atherino, com a colaboração de Juliana Perez e Giovana Moraes. Tem direção artística de Fred Mayrink. Veja a entrevista da Viver Magazine com Vera Holtz, que interpreta a Ofélia na novela

Orgulho e Paixão: Como foi viajar por várias locações para as gravações iniciais da novela? Essas viagens ajudam em uma coisa muito importante que é a unidade do elenco. É no momento em que o elenco se conhece. No meu caso, especificamente, que tenho cinco filhas, pude conviver com elas, tocá-las, beijá-las, vê-las VIVER

8

O que pode contar sobre o seu personagem? É uma novela que fala de amor numa época em que o casamento era o único modelo que a mulher tinha, a mulher não estudava. Quer dizer, começa nessa época, os primeiros trabalhos, só depois da Primeira Guerra Mundial é que a mulher começa a ir para outras funções. Mas esse início da escolha, a mãe escolhendo e preparando a mulher para o casamento. Não só o comportamento doméstico, mas também uma ética, um comportamento religioso. Acho que ela era muito preparada para o lar, para servir o marido e para procriação. O universo da minha personagem é muito voltado para o casamento. Ela é casada, tem cinco filhas e obviamente que quer casar as cinco filhas com partidos à altura das Benedito, de preferência ricos e de posses, ela sempre fala sobre isso. Como define a novela ‘Orgulho e Paixão’?


VIVER

9


É uma novela de paixão (risos). O título já diz. Acho que é uma novela de encontros e desencontros. Desses encontros e desencontros nós temos histórias, algumas ótimas e outras terríveis, mas queremos que as nossas histórias tenham um final feliz. Consegue estabelecer uma ligação entre as mulheres daquela época e as dos dias de hoje? São mulheres independentes, elas podem escolher os seus parceiros, tem as mulheres que vão em busca de uma vida independente, mas talvez a ligação que a gente possa ter com o momento atual seja o universo feminino, a delicadeza do universo feminino, que está um pouco diluído hoje. Não sou contra a evolução, mas acredito que existe um encontro com esse universo feminino da delicadeza, do bordado. Mas tem mulheres que são muito vingativas na novela, são fortes e vingativas. E tem uma que é vingativa, mas é engraçada, que é a

Susana. Ela é terrível, mas nunca dá certo o jogo dela. São mulheres que jogam pesado e tem essas mulheres que jogam com o jogo do amor. O amor não muda muito, as mulheres têm expectativa do parceiro, muitas ainda têm essa expectativa, e nesse sentido acho que existe um encontro. A novela é sweet, tem um elenco muito bonito, os homens são lindos e as mulheres são lindas. Como é a relação da Ofélia com o Felisberto (Tato Gabus Mendes)? Acho que ele se encanta pela exuberância da Ofélia. Não são almas gêmeas, obviamente, (risos) também não são distintos. Mas acho que esse encantamento dele é pela forma como ela cuida daquela casa, como ela cuida de tudo. A Ofélia cuida desde a cozinha, até à alimentação dos animais. Ele apoia e gosta. Para um pai que tem cinco filhas é um encanto porque a casa está sempre animada, mesmo que elas briguem,

VIVER

10

é sempre vibrante. É roupa de todas as cores, brigas de namorados. Acho que esse pai curte viver esse dia a dia de reino feminino que ele vive. Provavelmente até os animais são fêmeas (gargalhada). Info sobre a personagem: Sem papas na língua, Ofélia Benedito (Vera Holtz) tem uma missão na vida: casar as cinco filhas. Ela passa os dias pensando em bons pretendentes para as jovens. Quanto mais tempo as filhas demoram a se casar, mais a situação financeira da família piora. E seu marido, Felisberto Benedito (Tato Gabus Mendes), não parece se preocupar muito com isso, o que enfurece Ofélia. Fotos: Foto grupo: Família Benedito: Jane (Pamela Tomé), Elisabeta (Nathalia Dill), Mariana (Chandelly Braz), Ofélia (Vera holtz), Felisberto (Tato Gabus Mendes), Cecília (Anaju Dorigon) e Lídia (Bruna Griphao). Crédito: Globo/João Miguel Júnior Foto do casal: Ofélia (Vera Holtz) e Felisberto (Tato Gabus Mendes)Crédito: Globo/João Miguel Júnior


VIVER

11


//imigração

Não é você (ou seu advogado), são eles PublicDomainPictures

Tempos de Processamento do USCIS estão mais lentos significativamente.

S

eis meses atrás, estávamos dizendo aos clientes que seus processos deveriam ser adjudicados dentro de 3-4 meses. Hoje, estou dizendo aos clientes que pode estar mais perto de cinco a seis meses. No ano passado, as pessoas puderam pedir a Naturalização e esperar uma entrevista dentro de 5 a 6 meses. Hoje, está mais perto de 12 meses. I-90s para substituir cartões verdes demoram quase 9 meses. I-751s para remover as condições de residência levam entre 12 e 15 meses. I-918s para os requerentes de visto U agora levam mais de 3 anos para uma

PRAZOS

revisão inicial. Como as pessoas devem viver suas vidas quando leva tanto tempo para o USCIS revisar seus casos? Isso é especialmente problemático quando se trata de permissões de trabalho, porque a vida das pessoas é interrompida assim que a permissão de trabalho expira. Não ter trabalho significa não ter dinheiro para sobreviver e pagar as contas. E na Geórgia, não ter uma autorização de trabalho significa que não há carteira de motorista, consequentemente, não há trabalho. Essas autorizações de

I-90 Substituir cartões verdes Em torno de 9 meses

I-751 Remover condições de residência Em torno de 12 a 15 meses VIVER

12

trabalho são para pessoas que estão legalmente presentes nos Estados Unidos, embora ainda não tenham sido aprovadas para um Green Card. É ainda mais complicado para os residentes legais (titulares de green card). Eles não podem obter permissão de trabalho ou permissão de viagem, porque eles só devem ser usados temporariamente em casos pendentes. Eles têm que ter seus “green cards” para demonstrar seu status. No entanto, com substituições levando quase um ano, esses moradores estão presos. Com a I-751s tendo mais de um ano, os residentes condicionais ficam com um cartão vencido e uma sociedade que não entende que eles ainda estão nos EUA como residentes. Tecnicamente, os residentes legais podem solicitar um carimbo I-551 em seus passaportes para demonstrar seu status, mas esses selos só estão disponíveis nos compromissos do InfoPass. Nomeações do InfoPass são notoriamente difíceis de obter (levei mais de um mês tentando conseguir uma). O USCIS só fará check-ins em caráter de emergência… e não ter um green card válido não é uma emergência na opinião deles. Por que tudo está demorando muito mais? Em grande parte, é por causa do aumento de entrevistas para casos de green cards baseados em emprego. Isso aumenta a carga de trabalho nos escritórios locais do USCIS em pelo menos um terço. No entanto, o número de oficiais não aumentou. É por isso que conseguir uma entrevista está demorando quase o dobro do tempo de um ano atrás.

I-918 Requerentes de visto U Em torno de 3 anos


VIVER

13


Quanto aos atrasos nos casos em que uma entrevista não é necessária, o atraso é provável devido a uma mudança nos recursos. O foco parece ser a avaliação extrema - isto é, cavar velhos casos por fraude. Por exemplo, a comunidade birmanesa recebeu recentemente uma enxurrada de avisos de entrevista - mesmo para cidadãos dos EUA - se eles foram processados através de um certo campo de refugiados na Malásia porque parece que alguns indivíduos listaram membros da família em seus requerimentos que não eram verdadeiramente familiares). Também recebemos avisos de revogação de cartão verde para residentes permanentes que receberam seus green cards por dez anos ou mais porque o USCIS agora acredita que houve fraude no casamento original. O USCIS não está focado em trabalhar novos casos, mas em encontrar "problemas" com casos antigos. No final do dia, esses atrasos prejudicam as pessoas que estão tentando estabilizar seu status de imigração. É claro que também tenho medo de que isso afete a confiança entre eu e meus clientes. Eles buscam respostas com seus advogados e querem seus casos resolvidos o mais rápido possível. Mas com cada caso demorando tanto, com todos os solicitantes pedindo ajuda ao USCIS, com o USCIS não sendo tão receptivo a informações sobre casos ... fica muito difícil trabalhar. Apenas saiba, por favor, que os atrasos estão sendo causados pelo USCIS - e não por causa de qualquer coisa que você fez ou não fez ou qualquer coisa que seu advogado fez ou não enviou (pelo menos a maior parte do tempo!). Por: Tracie L. Klinke (Advogada de Imigração)

VIVER

14


VIVER

15


//UTILIDADE PÚblica

Emissão de documentos para brasileiros no exterior

Uma das principais funções das autoridades consulares é a emissão de documentos para cidadãos brasileiros que estejam no exterior. Veja, abaixo, informações gerais sobre alguns dos documentos emitidos. Caso deseje mais informações, contate diretamente a Embaixada ou o Consulado do Brasil mais próximo de você. Lembre-se que os prazos e preços para emissão de cada documento podem variar.

P

Passaportes

Tenha em mente que a emissão de passaportes pelos Postos no exterior pode exigir, além de formulário preenchido, agendamento prévio. Consulte o Posto antes de efetuar a solicitação.

A

Alistamento militar

Todo cidadão brasileiro de sexo masculino, após completar 18 anos, deverá apresentar-se a uma Repartição Consular brasileira, caso resida no exterior, munido de documento de identidade, foto e formulário devidamente preenchido (com letra maiúscula ou à máquina), a fim de assinar e apor suas impressões digitais nos documentos relativos a seu Alistamento Militar.

A

Autorização para Viagem de Menor

Para emissão desse tipo de documento, escolha um dos tipos de formulários disponíveis e faça uma cópia das páginas 2, 3 e 4 do passaporte da criança. O formulário deve ser assinado por ambos os pais ou responsáveis. A autorização será emitida em duas vias, sendo que a primeira via deverá ser entregue à Polícia Federal no momento da saída do Brasil juntamente com a

supramencionada cópia das páginas de identificação do passaporte do menor; e a segunda via deverá permanecer com a criança ou responsável legal que o acompanhe na viagem. A autorização é válida para uma única viagem ao Brasil, com prazo de validade máxima de até dois anos.

A

Autorização de Retorno ao Brasil (ARB)

A Autorização de Retorno ao Brasil é o documento de viagem concedido pelas Repartições Consulares a nacionais brasileiros (e estrangeiros residentes no Brasil) que, estando no exterior e necessitando regressar ao território nacional, não preencham os requisitos para a obtenção de passaporte.

R

Registro de nascimento

O registro consular de nascimento de brasileiro(a) no exterior só poderá ser efetuado quando não houver registro em outra Repartição Consular brasileira ou transcrição da certidão local em Cartório de Registro Civil no Brasil. Os maiores de 18 anos que efetuarem registro de nascimento junto a alguma Repartição brasileira passam a ter a nacionalidade originária, cujos efeitos são retroativos. Assim, seus filhos poderão ser registrados, independentemente da data de nascimento, e também serão brasileiros natos. Por outro VIVER

16

lado, os brasileiros naturalizados só poderão registrar e passar a sua nacionalidade para os filhos que nascerem após a naturalização. A fim de produzir efeitos no Brasil, a certidão consular de nascimento deverá ser posteriormente transcrita no Cartório do 1° Ofício do Registro Civil do local de domicílio do registrando, no Brasil, ou, ainda, no Cartório do 1° Ofício do Registro Civil do Distrito Federal, na falta de domicílio. Para tal, é necessária a apresentação da certidão expedida pela Repartição e a cópia autenticada da certidão de nascimento do pai ou mãe brasileiros.

R

Registro de óbito

R

Registro de casamento

Repartições Consulares do Brasil no exterior poderão emitir registro de óbito de cidadão brasileiro. A certidão consular de óbito deverá ser posteriormente transcrita no Cartório do Primeiro Ofício do Registro Civil do local onde o falecido tinha residência ou domicílio no Brasil, ou na falta de residência ou domicílio no Brasil, no Cartório do Primeiro Ofício do Registro Civil do Distrito Federal.

Nacionais brasileiros poderão registrar seu casamento em Repartições consulares brasileiras. Para tanto, deverão apresentar certidão local


VIVER

17


de casamento e documentos de identificação de ambos os cônjuges, brasileiros ou estrangeiros. Cumpre ressaltar que o casamento de nacional brasileiro(a) com estrangeiro(a) não implica, automaticamente, o recebimento, pelo cônjuge, de visto permanente para viver no Brasil.

R

Registro de divórcio

O divórcio poderá ser efetuado em Repartição brasileira apenas se tiver caráter consensual. Em outros casos, o divórcio realizado no exterior só terá efeito no Brasil após a respectiva homologação da sentença de divórcio pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), com posterior averbação em cartório brasileiro, ainda que o casamento não tenha sido registrado em Repartição Consular. Somente assim o divórcio terá efeito no Brasil. O mesmo procedimento se aplica ao cônjuge estrangeiro que tenha se divorciado de brasileiro(a) no exterior.

D

Declaração de estado civil

A

Atestado de nacionalidade

A

Atestado de vida

Repartições consulares brasileiras poderão emitir declaração de estado civil de brasileiros casados ou solteiros no exterior. Para tanto, documentos comprobatórios do estado civil que se deseja declarar serão exigidos pelas autoridades consulares.

Para obtenção do documento, cidadãos brasileiros devem preencher formulário de atestado de nacionalidade e apresentar original e cópia de passaporte válido.

Para a obtenção desse atestado, o brasileiro ou estrangeiro portador de carteira de Registro Nacional de Estrangeiro (RNE), válida, deve comparecer ao Consulado brasileiro. Estrangeiros não portadores de

carteira de Registro Nacional de Estrangeiro (RNE) deverão fazer atestado de vida perante Notário Público, cuja assinatura deverá ser confirmada pelas autoridades locais.

P

Procurações

Os Consulados e Embaixadas brasileiras podem lavrar procurações para cidadãos brasileiros, bem como, para estrangeiros portadores de carteira de Registro Nacional de Estrangeiro (RNE) válida, maiores de 18 anos de idade ou emancipados. Ao enviar suas procurações feitas no exterior para o Brasil, os interessados deverão instruir seus procuradores para que as mesmas sejam registradas em Cartório de Registro de Títulos e Documentos (devidamente traduzidas, se for o caso) conforme determinado pelo Artigo 129, parágrafo 6, da Lei do Registro Civil (Lei 6.015/73).

O

Outros serviços

Além de emissão desses documentos, as autoridades consulares brasileiras poderão fazer reconhecimento de assinatura, legalizar arquivos e autenticar cópias. Para dados sobre todos os documentos emitidos pelos Postos do Brasil no exterior, acesse a seção Emissão de documentos do site: www.portalconsular.itamaraty.gov.br

C

Cadastro de Pessoa Física (CPF

Para emissão de CPF no exterior, cidadãos brasileiros deverão, inicialmente, acessar o portal da Receita Federal para fazer a inscrição no CPF ou solicitar alteração de nome, por meio de preenchimento de formulário online. Após preenchido, o formulário deverá ser impresso e levado a uma Repartição Consular brasileira. Cumpre ressaltar que as solicitações de alteração dos dados cadastrais deverão ser comprovadas por documento que ateste a alteração (para alteração do nome, por exemplo, deverá ser apresentada certidão de casamento brasileira). VIVER

18

Documentos não emitidos pelos Postos brasileiros no exterior: • Certidão de Antecedentes Penais: esse documento poderá ser emitido por meio de consulta ao site da Polícia Federal; • Carteira de Identidade: competência exclusiva das Secretarias de Segurança Pública dos Estados; • Registro Nacional de Estrangeiro (RNE): emitido apenas pela Polícia Federal; • Carteira Nacional de Habilitação: elaborado somente pelo Departamento de Trânsito (DETRAN) dos Estados e pelo Departamento Nacional de Trânsito (DENATRAN).

Assistência a pessoas detidas nos estados do Alabama, Georgia, Mississippi, South Carolina e Tennessee Em casos de prisão, tanto por imigração irregular, como por outros motivos, o cidadão brasileiro tem o direito de se comunicar com o Consulado o mais breve possível. Para isso, ele deverá solicitar autorização para entrar em contato com o Consulado. Seus familiares também podem comunicar o fato pelos seguintes meios: Telefone: (404) 949-1202 Fax: (404) 949-2402 Celular de plantão para emergências: (404)-561-8354 E-mail: assistencia.atlanta@itamaraty.gov.br Endereço: Consulado-Geral do Brasil em Atlanta 3500 Lenox Road NE, One Alliance Center, Suite 800 Atlanta, GA 30326


VIVER

19


VIVER

20


VIVER

21


VIVER

22


VIVER

23


//SaúDe

Síndrome do Ovário Policístico O Que é, Causas, Sintomas e Tratamento A síndrome dos ovários policísticos é provavelmente a causa mais comum de infertilidade em mulheres por falta de ovulação. Sua compreensão é complicada devido à fisiopatologia heterogênea e desigualdade de critérios para uma definição comum. Poderia ser definido como ovário o que tem a presença de mais de 8 folículos menores do que 10 mm de diâmetro, dispostos perifericamente e um estroma ovariano hiperecoica na presença de oligo ou amenorreia (ausência de regras ou pequena quantidade) e/ou sintomas clínicos de hiperandrogenismo como hirsutismo (aumento de pelos) e acne. Uma característica comum em todos os casos de ovário policístico é a morfologia ovariana, contrariando os dados clínicos e endócrinos que são variáveis entre uma paciente e outra. Causas Do Ovário Policístico: No que diz respeito à sua causa, foram encontradas anormalidades no hipotálamo, hipófise, ovários e glândulas suprarrenais, mas sem encontrar uma hipótese comum entre todos eles. A síndrome clínica de hiperandrogenismo com oligomenorreia ou amenorreia está em 1% a 4% das mulheres em idade fértil, e correspondem aproximadamente 75% dos casos de infertilidade anovulatória. Sintomas Do Ovário Policístico: As mulheres com ovários policísticos podem exibir uma ampla variedade de sintomas clínicos. A típica apresentação é a presença de amenorreia, hirsutismo e obesidade, mais a presença de ovários policísticos bilaterais. Esta combinação não é exclusiva do ovário policístico, já que também está associada a outros distúrbios endócrinos, como a síndrome de Cushing, hiperplasia adrenal congênita, tumores do ovário e virilizante adrenal,

hiperprolactinemia, hipertireoidismo e hipotireoidismo. Se descartarmos essas doenças, pensamos nesta síndrome diante de uma mulher com irregularidades menstruais que provavelmente desenvolve hirsutismo leve a grave, junto com um aumento nos níveis de testosterona e ganho de peso (algumas mulheres não apresentam). É frequente que os sintomas comecem em torno da puberdade. Diagnóstico Para Ovário Policístico: Os achados laboratoriais não são homogêneos, sendo característica a produção excessiva de andrógenos. Comparando as mulheres com síndrome de ovário policístico e mulheres normais encontramse para as primeiras, níveis elevados de progesterona livre, de androstenediona, LH, aumento da relação LH/FSH (em 70% dos casos), estradiol livre, estrona e insulina em jejum; assim como uma redução dos níveis de proteína transportadora de hormônios esteroides (SHBG). Os resultados são mais significativos quando as mulheres com ovários policísticos são separadas em dois grupos: obesas e magras; revelando elevados níveis de insulina, testosterona livre e estrona, mas baixos de SHBG e normais de LH nas obesas em comparação com as magras. O perfil endócrino irá variar de acordo com os sintomas: • As mulheres com ovário policístico que ovulam e menstruam terão níveis baixos de LH, testosterona, androstenediona e insulina em jejum em comparação com aquelas que não o fazem. • A resistência à insulina ocorre quando existe oligo ou amenorreia, mas não em pacientes com ciclos regulares. • As pacientes com hirsutismo têm VIVER

24

níveis elevados androgênios e baixos de SHBG em comparação com aquelas que não o são. • As concentrações de LH são maiores em pacientes inférteis e naquelas que abortam. Embora a causa exata permaneça desconhecida e se considere mais uma síndrome multifatorial, o eixo do problema, na maioria dos casos, são as alterações na morfologia dos ovários e a excessiva produção de androgênios. Foram encontrados níveis elevados de quase todos os hormônios androgênicos e seus precursores. Este excesso de andrógenos é responsável pela moderada elevação dos níveis totais de estrogênio, provenientes principalmente da conversão periférica de androstenediona ao estrogênio. Demonstrou-se que a origem dos androgênios nesta síndrome é principalmente do ovário com 50% de pacientes com níveis elevados de androgênios suprarrenais. Do ponto de vista morfológico, estes ovários estão aumentados de tamanho bilateralmente e cada um tem uma cápsula avascular lisa, mas espessa. Nos cortes mostram numerosos cistos subcapsulares, cujo diâmetro varia de 4 a 7 mm, em geral revestidos por algumas poucas camadas de células da granulosa. O aspecto mais marcante é a hiperplasia das células estromais e tecais que rodeiam os folículos


císticos. Este é resultado da estimulação crônica por LH e produção excessiva de androgênios. A elevada concentração intra-ovárica destes pode exercer um papel inibidor sobre a maturação folicular e desenvolvimento das cápsulas ovarianas. Existe uma alta prevalência dentro de uma mesma família, o que sugere um componente genético, mas sua demonstração tem sido difícil. Tratamento Para Ovário Policístico: Não existe nenhum tratamento eficaz dirigido para a origem real; mas há uma quantidade de protocolos que são destinados a quebrar o ciclo vicioso desta reação em cadeia. A lista de tratamentos é em geral sintomática, depende das necessidades da paciente e sua situação clínica, tratando alguns dos sinais dermatológicos inaceitáveis de hiperandrogenismo (acne e hirsutismo), em outras a infertilidade e em todas constitui uma premissa minimizar o risco complicações ginecológicas ou não ginecológicas.

Uma primeira divisão principal na escolha da terapia pode ser o desejo ou não da fertilidade: • As pacientes que sim desejam ser tratadas com sucesso através de distintos métodos para induzir a ovulação. • Para os pacientes que não a desejam, trata-se a regulação do ciclo menstrual, a supressão do hiperandrogenismo, uso de progesterona para oposição se não tem abundante clínica de hiperandrogenismo e provisão de contracepção, se necessário, já que o risco de concepção em uma mulher que não deseja fertilidade não é um argumento lógico contra a reversão precoce do sistema hipotálamo – hipófise – ovário acíclico. Estas pacientes poderiam se submeter à indução da ovulação (embora não seja o tratamento de escolha nestes casos) para conseguir os ciclos e receber o mesmo assessoramento anti-gestacional que as mulheres com ciclos ovulatórios normais; em última análise, isso dependerá da paciente

VIVER

25

e do profissional que orienta seu tratamento. O tratamento de escolha (se você não estiver interessada em conceber como esclarecido) é a combinação de acetato de ciproterona (progesterona sintética, com efeito, tanto antigonadotropo como antiandrógeno) com etinilestradiol, esta consegue a supressão do hiperandrogenismo com a melhora dos sintomas clínicos e normalização das alterações hormonais. A ressecção em cunha dos ovários (realizada desde 1906) restaura os períodos menstruais, conseguindo taxas de gravidez aceitáveis. Nem sempre os resultados são permanentes. Seu mecanismo de ação não está claro e traz o risco de gerar aderências que comprometem a fertilidade futura por adição de um fator mecânico de infertilidade. Diatermia ovariana por laparoscopia: com base no princípio de ser capaz de conseguir os mesmos efeitos que a ressecção em cunha evitando a lesão mecânica.


VIVER

26


VIVER

27


//beleza

As diferenças entre os cosméticos naturais, vegan e orgânicos. E 12 marcas em que pode confiar

Nem tudo o que é natural é orgânico. E muitos produtos vegan podem, na verdade, ter ingredientes testados em animais. Reunimos o que precisa de saber num mercado confuso e com informações duvidosas.

N

ão podemos ser aos mesmo tempo vegan, amigos da natureza e praticantes de ioga mas não segurar a porta do elevador para o nosso vizinho entrar. Esta é uma frase sarcástica que costuma circular nas redes sociais e que faz sentido quando queremos adotar uma posição de um lado mas acabamos por quebrá-la do outro. Reformulando: não podemos ser vegan e usar marcas de roupa que utilizam tecidos de animais, como couro ou pele. Também não podemos querer seguir uma rotina de beleza orgânica e

usar maquilhagem com ingredientes sintéticos. Então, para adotarmos uma posição temos que nos informar. A cosmética está cheia de informações duvidosas que, com o crescimento dos mercados orgânicos, naturais e vegan, está a gerar muita confusão. Termos como “orgânico” e “natural” podem ser enganadores e também são, muitas vezes, usados de forma errada e pouco credível — as embalagens dos produtos podem acabar por confundir o consumidor a comprar cosméticos que não são bem aquilo que afirmam. Criámos um pequeno guião para VIVER

28

conseguir distinguir tudo o que é orgânico, vegan, natural e até crueltyfree.

Cosméticos naturais VS orgânicos

Muitas pessoas acreditam que um cosmético vegan também é natural ou orgânico mas não é bem assim. Uma marca pode não usar ingredientes animais – e ser, por isso, vegan -, mas ter uma composição química e, portanto, não é natural. A revista Marie Claire Brasil falou com Luisa Baims, criadora da marca de maquilhagem


VIVER

29


Baims (que é vegan, cruelty-free, orgânica e natural) que explicou de forma muito prática esta dúvida recorrente:

O natural não contém parabenos, fragrâncias ou corantes artificiais, derivados de petróleo, silicones e outros ingredientes. No entanto, o natural não é necessariamente orgânico porque pode ter um pequeno percentual de ingredientes sintéticos na sua composição. Já os cosméticos orgânicos, além de terem uma fórmula natural, são livres de ingredientes geneticamente modificados e sintéticos.” Ou seja, um produto é considerado natural quando tem ingredientes que são originários da natureza (embora seja possível criar versões sintéticas de ingredientes naturais, como a vitamina E). Assim, a distinção entre cosméticos naturais e orgânicos está basicamente focada nos padrões de pureza dos ingredientes. Muitos dos produtos que usamos são naturais — porque têm ingredientes da natureza — mas não são orgânicos, porque alguns dos ingredientes naturais foram criados sinteticamente. Um bom exemplo de marcas que são orgânicas e apenas usam ingredientes naturais sem sintéticos nas suas fórmulas são a Weleda e a Caudalie — 100% orgânicas e naturais. No entanto, há outras que embora tenham uma filosofia “verde”, na verdade podem criar dúvidas no consumidor. Um bom exemplo é a The Body Shop — apesar da sua luta contra os testes em animais, é uma marca que, a par com alguns produtos com certificado orgânico, tem outros com químicos na sua composição. O jornal britânico The Telegraph apresenta uma lista com algumas destas marcas que podem levar o consumidor ao engano como a Origins e a Aveeno.

A verdade por trás destes dois termos É aqui que a coisa se torna mais cinzenta: há muitas formas de usar os termos “natural” e “orgânico” sem se ser realmente uma marca natural ou orgânica. O site Byrdie explica que o termo “natural” não é totalmente regulado, o que significa que qualquer empresa pode carimbar a palavra num rótulo, mesmo que o produto em questão esteja cheio de químicos sintéticos. O truque passa por saber identificar as marcas que não usam a palavra natural de forma fraudulenta. Leia os rótulos e escolha apenas produtos onde os ingredientes sintéticos estão principalmente na parte inferior da lista porque, na beleza, os ingredientes são listados da maior percentagem para a menor. Já o termo orgânico — que basicamente significa que os ingredientes são cultivados organicamente — é mais seguro. Mas — porque há sempre um mas — um produto só tem de conter uma certa percentagem de matéria orgânica para ser declarado “orgânico” e, infelizmente, ainda não há uma legislação global (pode ler a regulamentação europeia para os cosméticos em português aqui). Isto significa que um creme pode usar o termo “orgânico” mas, na verdade, só ter 70% de ingredientes orgânicos. Procurar produtos com selos de credibilidade (dados por organizações reconhecidas, tal como se faz com os produtos que não testam em animais) é a melhor forma. O site EcoMundo mostra alguma das certificações mundialmente reconhecidas.

Cosméticos vegan VS que não testam em animais

Os termos “vegan” e “cruelty-free” não são sinónimos de “natural” ou “orgânico”, embora, por vezes, haja uma sobreposição. Os cosméticos vegan são aqueles que são livres de ingredientes de origem animal ou derivados de animais. No entanto, não significa que a marca seja totalmente green. O termo “vegan” é usado apenas para declarar que um produto não tem ingredientes animais mas, na verdade, pode ter ingredientes que são testados em animais. Mais uma VIVER

30

vez, a informação é confusa. Por outro lado, uma marca que não seja cruel não tem necessariamente de ser vegan, natural ou orgânica. Muitas das marcas mais conhecidas por lutarem contra os testes em animais são também das que mais químicos usam nas suas fórmulas. É ainda importante ter em conta que por um produto ser vegan não significa que seja natural porque pode ser composto por conservantes sintéticos. Tal como uma pessoa que siga uma dieta vegan pode comer Doritos (no sentido em que não se trata de queijo verdadeiro), muitos produtos de beleza vegan têm químicos sintéticos para substituir os ingredientes que sacrifiquem os animais.

O que é que podemos fazer?

Não tome as publicidades como seguras e lembre-se que muitas das embalagens e das afirmações publicitárias podem ser escritas de uma forma que nos induza deliberadamente em erro (tal como os cremes anti-idade não dizem que “anulam as rugas” mas sim que “retardam o aparecimento das rugas). Pesquise as marcas que gosta de comprar, procure selos e certificações que atestem a veracidade daquilo que o produto afirma ser, leia bem os ingredientes e perca algum tempo a estudar os rótulos das embalagens. No final do dia, depende apenas de nós , consumidores, colocar um travão na forma como muitas marcas nos tentam enganar e incentivar outras a criarem fórmulas cada vez mais puras e sem ingredientes nocivos à pele e à saúde.


VIVER

31


//trabalho

Quais os países onde as pessoas trabalham mais horas?

Em março, a Assembleia Nacional da Coreia do Sul aprovou uma lei que reduzirá a carga de trabalho de sua população: o limite máximo de horas trabalhadas por semana passará de 68 para 52.

S

egundo a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), a Coreia do Sul é o país desenvolvido com o maior número de horas trabalhadas. A nova regra passará a ser aplicada em julho de 2018, mas iniciará com empresas grandes antes de chegar a negócios menores. Apesar da contrariedade de alguns empresários, o governo do país acredita que a lei é necessária para melhorar a qualidade de vida, criar mais empregos e impulsionar a produtividade. Exceção à regra O governo sul-coreano também

acredita que a medida pode ajudar a aumentar a taxa de natalidade, que caiu substancialmente nas últimas décadas. No volume de horas trabalhadas por ano, a Coreia do Sul lidera entre os países desenvolvidos: uma média anual de 2.069, segundo dados de 2016 compilados pela OCDE. A análise se debruçou sobre dados de 38 países e mostrou que apenas o México (2.225 horas no ano) e Costa Rica (2.212) trabalham mais. O levantamento da organização não inclui o país. Mas, segundo o escritório de St. Louis do Federal Reserve, o banco central americano, em 2014, a média anual de horas trabalhadas VIVER

32

pelos brasileiros foi de 1.771 horas. Esse dado colocaria o Brasil em 16º na lista da OCDE, logo atrás dos Estados Unidos e à frente de países como Japão, Reino Unido e Alemanha, quarta economia do mundo e último da lista. A iniciativa da Coreia do Sul parece seguir na contramão do que ocorre em outros países asiáticos. Muitos não têm limites para horas trabalhadas por semana, inclusive o Japão, a terceira maior economia do mundo. O Japão tem um problema com as mortes por trabalho em excesso - algo expresso não só pelas estatísticas, como também por uma palavra em japonês que dá nome justamente a esse tipo de problema: karoshi.O significado da palavra remete às mortes de empregados ligadas ao estresse (como derrames e ataques cardíacos) ou a suicídios relacionados à pressão sentida no trabalho.A média anual de 1.713 horas trabalhadas não coloca o Japão no topo da lista da OCDE. No entanto, para além deste dado, está o fato de que o país não tem uma legislação que determine um limite para o número de horas trabalhadas ou de horas extras. Entre os anos de 2015 e 2016, o governo registrou um recorde de 1.456 casos de karoshi. Grupos que defendem os direitos dos trabalhadores dizem que, na realidade, os números são muito maiores - isto por conta, hoje, da subnotificação. Segundo estudos da Organização Internacional do Trabalho (OIT),


VIVER

33


Volume de horas trabalhadas por ano em países da OCDE Posição

País

Média individual de horas trabalhadas por ano

1 2 3 4 5 5 14 16 22 26 38

México Costa Rica Coreia do Sul Grécia Rússia Chile Turquia Estados Unidos Japão Reino Unido Alemanha

2.225 2.212 2.069 2.035 1.974 1.974 1.832 1.783 1.713 1.676 1.363

trabalhadores de países com renda baixa e média tendem a trabalhar por mais tempo do que em países mais ricos. Isso graças a uma série de fatores, como uma maior proporção de trabalhadores autônomos, instabilidades no trabalho e questões culturais. A OIT diz que a Ásia é o continente em que mais pessoas fazem as jornadas mais longas de trabalho. A maioria dos países (32%) não tem um limite nacional para o volume de horas trabalhadas por semana; outros 29% dos países têm valores considerados altos (60 horas semanais ou mais). E somente 4% dos países seguem a recomendação da OIT de limitar o valor em 48 horas semanais ou menos. Nas Américas e no Caribe, 34% das nações não têm um limite legal - entre elas, está os Estados Unidos. No Brasil, a Constituição determina o limite de 44 horas semanais. Mas é no Oriente Médio que os limites legais têm a maior abertura para longas horas: oito entre dez países permitem que elas passem de 60 horas semanais.

Na Europa, por outro lado, todos os países têm limites estabelecidos. Apenas na Bélgica e Turquia esse valor passa de 48 horas.

cidades. Hong Kong apareceu no topo, com 50,1 horas trabalhadas por semana, na frente de Mumbai (43,7); Nova Déli (42,6) e Bangcoc (42,1). Duas cidades brasileiras foram incluídas: Rio de Janeiro (33,5) e São Paulo (34,9). Os mexicanos, além de terem a maior soma de horas trabalhadas, também têm um tamanho tímido de férias remuneradas: um mínimo de 10 dias, como na Nigéria, Japão em China. Um valor bem distante do Brasil, que tem um mínimo de 20 a 23 dias úteis. Mas poderia ser pior: na Índia, não há limites legais para o volume de horas trabalhadas e nem um mínimo de férias remuneradas.

Cidades do batente

Enquanto isso, a África é a região do mundo em que o maior número de países tem mais de um terço de sua força de trabalho atuando mais de 48 horas semanais. Essa é a situação de 60% dos trabalhadores na Tanzânia, por exemplo. Algumas pesquisas já identificaram a situação de cidades pelo mundo no que diz respeito às horas trabalhadas. Em 2016, o banco suíço UBS publicou um estudo sobre a situação de 71

Países com os maiores limites legais de horas trabalhadas por semana Tailândia Ilhas Seychelles Costa Rica Nepal Irã Malásia Cingapura VIVER

34

84 74 72 68 64 62 61


VIVER

35


//negócios

As 10 marcas mais valiosas da América Latina (5 são brasileiras)

Quatro delas são cervejarias. Duas outras são instituições financeiras. Há também grandes lojas de varejo, uma rede de televisão, uma empresa de telecomunicações. As 10 marcas mais valiosas da América Latina pertencem a setores muito diversos - e cinco delas são do Brasil, segundo o relatório Brandz, da empresa britânica de marketing e comunicação WPP. O ranking lista as 50 marcas mais valiosas da América Latina. Apesar da presença majoritária de empresas brasileiras no top 10, em termos de valorização, o índice é dominado pelo México, que pela quinta vez consecutiva é o país que tem empresas respondendo pelo maior valor: 35% do ranking total. As marcas brasileiras, entretanto, não estão longe: respondem por 34%, enquanto em um distante terceiro lugar está o Chile (16%), seguido pela Colômbia (7%). O índice deste ano reflete um aumento de 18% na valorização das marcas da região. Seu valor global é de US$ 130,8 bilhões. Esse resultado contrasta com o do ano anterior, quando houve queda de 22% em relação a 2016. Segundo o relatório, o aumento no ano passado foi impulsionado pelo "desempenho excepcional" das marcas mais fortes da região. Veja quais são as 10 mais valiosas:

10

Bodega Aurrerá

Esta rede de supermercados mexicana concentra sua oferta em produtos acessíveis para consumidores de baixa renda. Pertence ao Walmart do México, uma subsidiária local da multinacional de origem norte-americana. De acordo com o relatório Brandz, parte de seu sucesso reside na sua capacidade de criar formatos de lojas mais flexíveis, que operam em cidades

menores ou em locais onde as lojas de departamentos não têm a capacidade de competir. Tem um valor de US$ 3,757 bilhões.

9

Águila

Com mais de um século de existência, Águila é uma das quatro marcas de cerveja incluídas na lista das dez mais valiosas da América Latina e a única de origem colombiana. Ela é conhecida por ter sido patrocinadora de muitas atividades populares e da seleção colombiana de futebol. A marca teve o seu início em uma fábrica criada em Barranquilha em 1913 que mais tarde se tornou parte do grupo da cerveja Bavaria. Desde 2016, pertence à multinacional AB InBev, a maior cervejaria do mundo. O relatório Brandz a atribui um valor de US$ 3,924 bilhões.

8

TV Globo

Avaliado em US$ 4,3 bilhões, esse gigante da comunicação no Brasil é o único canal de televisão incluído entre as dez maiores marcas do ranking. Além disso, é uma das 8 que entraram pela primeira vez neste ano na lista das 50 marcas mais valiosas da América Latina.

7

Cerveja Brahma

Embora tenha aumentado seu valor em 2% entre o relatório de 2017 e o de 2018, a cervejaria brasileira VIVER

36

caiu do 2º para o 7º lugar, o que se deve basicamente ao fato de haver outras marcas que tiveram melhor desempenho. Fundada em 1888 no Brasil, ela acabou se integrando mais de um século depois à AB InBev. Atualmente é a segunda cerveja com maior participação de mercado no Brasil. Seu valor é estimado em US$ 4,478 bilhões.

6

Falabella

Se no relatório de 2017 a Falabella foi considerada a marca mais valiosa do Chile, no ano de 2018 ela registra um aumento de 26% em seu valor, que chegou a US$ 5,4 bilhões. Essa rede de lojas de departamento foi criada em 1958 e possui dezenas de unidades espalhadas pelo país. A partir dos anos 90, se estabeleceu também no Peru, na Argentina e na Colômbia. Em 2017, foi incluída pela revista Forbes entre as 100 empresas mais inovadoras do mundo.

5

Telcel

Com mais de 72 milhões de assinantes, esta é uma das três empresas mexicanas incluídas na lista das 10 marcas mais valiosas e a única pertencente ao setor de telecomunicações. Atualmente, ela tem 65% de participação de mercado no México. Foi uma das empresas que teve o maior aumento em seu valor entre


VIVER

37


2017 e 2018: 32% - que elevou seu valor a US$ 6,048 bilhões.

4

Itaú

É o maior banco privado do Brasil e tem presença em de 21 países e mais de 5 mil agências na América Latina. Fundado há quase um século, atende cerca de 60 milhões de clientes. Parte de seu grande porte se deve à sua fusão em 2008 com o Unibanco. O relatório Brandz 2018 indica que seu valor como marca aumentou em 42% durante o ano passado, chegando a US$ 6,198 bilhões.

3

Bradesco

De todas as marcas incluídas entre as dez mais valiosas da América Latina em 2018, o

Quanto vale cada marca Marca

Bradesco foi a que mais aumentou seu valor em termos percentuais no último ano: 58%. Criado em 1943 como um banco que prestava serviços para pequenas empresas, cresceu em ritmo acelerado e em menos de uma década se tornou uma das maiores instituições financeiras privadas do Brasil. Segundo o relatório Brandz, seu valor atualmente é de US$ 7,018 bilhões.

2

Skol

Em 2016 e 2017, a cerveja Skol, que pertence à AB InBev, foi a marca mais valiosa da América Latina. No relatório da Brandz de 2018 caiu para a segunda posição depois de registrar um crescimento em seu valor de apenas 1%, o que a deixa com valor

de US$ 8,263 bilhões. Desde 1988, é uma das cervejas mais populares no Brasil.

1

Corona

Comercializada em cerca de 120 países em todo o mundo, esta cerveja mexicana, criada em 1925 pelo Grupo Modelo, é a marca mais valiosa da América Latina. Não só é a mais vendida no México, mas também a cerveja importada mais consumida em 50 dos países em que é comercializada. Seu valor, de acordo com o relatório de Brandz, aumentou 8% no ano passado, chegando a US$ 8,292 bilhões.

Valor (2018)

País de origem

US$ 8,292 bilhões

México

US$ 8,263 bilhões

Brasil

US$ 7,018 bilhões

Brasil

US$ 6,198 bilhões

Brasil

US$ 6,048 bilhões

México

US$ 5,400 bilhões

Chile

US$ 4,478 bilhões

Brasil

US$ 4,300 bilhões

Brasil

US$ 3,924 bilhões

Colômbia

US$ 3,924 bilhões

México

VIVER

38


VIVER

39


//alerta

O homem que perdeu pernas, dedos e parte do rosto após arranhão e lambida de seu cão Há um ano e meio, o britânico Jaco Nel brincava com seu cachorro Harvey, um cocker spaniel, quando notou um pequeno arranhão em sua mão. Ele limpou e desinfetou o corte, e continuou com seus afazeres habituais. Duas semanas depois, ficou doente com o que parecia uma gripe. Mas Nel não imaginava o que estava a ponto de acontecer: uma bactéria na saliva de seu cão provocou uma infecção que evoluiu para septicemia, uma reação exacerbada do sistema imunológico diante de um processo infeccioso.

duas pernas, abaixo do joelho, e todos os dedos de uma mão. Além disso, teve o nariz e os lábios desfigurados, o que lhe causa dificuldade para falar e para comer. O caso do britânico é muito extremo, mas ele é uma das 20 milhões de pessoas que sofrem de septicemia por ano em todo o mundo.

A septicemia é a principal causa de morte por infecção no mundo. Nel não morreu, mas diz que esteve "muito, muito perto".

Nel não percebeu o quão doente estava porque, ao se sentir como se estivesse gripado, decidiu descansar e dormiu até o dia seguinte. "Eu devo ter ficado muito doente, porque me sentia confuso e desorientado. Nem escutei o telefone quando os colegas de trabalho me ligaram para saber por que não fui", disse ao programa Victoria Derbyshire da BBC. "No fim do dia, minha mulher veio para casa e me encontrou em um estado terrível. Mas os serviços de emergência logo se deram conta de que eram sintomas de septicemia e começaram a me tratar com urgência assim que chegaram a minha casa." Fazer o diagnóstico cedo é a chave para a recuperação da septicemia: de acordo com vários estudos, 80% dos casos podem ser tratados com sucesso caso a infecção seja diagnosticada na primeira hora. Se isso não acontecer, o risco de morte aumenta a cada hora que passa. Nel recebeu fluidos por via intravenosa ainda em sua casa e antibióticos na ambulância, a caminho do hospital.

Como consequência de seu choque séptico, ele passou cinco dias em coma e meses no hospital. Perdeu as

'Senti depressão e raiva'

VIVER

40

"Mas quando eu cheguei na emergência, desmaiei", recorda. Ele perdeu a consciência e ficou em coma durante quase cinco dias. "Quando acordei, tomei um choque ao ver que tinha praticamente o corpo inteiro escurecido: o rosto, as mãos e as pernas estavam necrosando (em processo de morte) por causa dos danos nos tecidos causados pela coagulação anormal do sangue. É algo que ocorre durante um choque séptico", afirmou. Seus rins também falharam, e ele teve que fazer diálise durante dois meses. "Eu soube quase desde o princípio que acabaria perdendo as pernas e os dedos, mas não tinha certeza do que aconteceria com meu rosto. No final, perdi a ponta do nariz e meus lábios têm cicatrizes."

"Depois de quatro meses no hospital, os médicos amputaram minhas pernas. Foi um período muito duro."


Aprender a caminhar de novo

"Eu sempre fui uma pessoa determinada, e nada me detém. Mas me senti profundamente deprimido, sentir muita raiva e, em alguns momentos, pensei que não iria suportar", diz Nel. Com o tempo, ele diz ter conseguido seguir adiante com o apoio-chave dos amigos, familiares e colegas de trabalho. "Esses pensamentos foram embora quando comecei a ver que podia voltar a fazer coisas, mesmo que me custasse mais tempo e esforço." Pouco depois da amputação das pernas, Nel começou a fazer reabilitação para voltar a caminhar. Depois de três meses, ele conseguia andar sem ajuda e voltou para casa. Ele teve, no entanto, de tomar uma decisão dura: sacrificar sua querida mascote Harvey para impedir que ela infectasse outra pessoa, já que o cachorro tinha uma infecção incurável. Ao relembrar de sua história, Nel diz que não poderia ter feito nada para evitar o que ocorreu. Quando seu cachorro o arranhou e lambeu sua ferida, ele a desinfectou. Depois, nem ele mesmo notou os sintomas da doença que começava a se manifestar. "Eu arrastava as palavras ao falar, perdi a coordenação e o equilíbrio, estava com a pele manchada, mas ninguém viu." Agora, ele dirige um carro adaptado e usa uma prótese no nariz, que disfarça a desfiguração de sua face. No entanto, ele deixou de usar a prótese por considerá-la "uma máscara" para esconder sua história.

O que é septicemia?

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a septicemia ocorre quando o sistema imunológico do corpo se sobrecarrega e tem uma resposta exacerbada a uma infecção. O problema inicial pode ser leve e começar em qualquer parte, desde um corte no dedo até uma infecção urinária. Mas se isso não for tratado a tempo, pode causar danos catastróficos ao corpo, como lesões nos tecidos, falência generalizada de órgãos e até a morte. Não se sabe exatamente o que causa a doença, que afeta cerca de 20 milhões no mundo e mata ao menos 8 milhões. Por isso, ela é chamada de "assassina silenciosa". Identificar um caso de septicemia é difícil, já que os primeiros sintomas variam muito e podem ser facilmente confundidos com gripe ou outras infecções. De acordo com a ONG britânica UK Sepsis Trust, os seis sinais de alarme mais comuns são: dificuldades para falar ou confusão, calafrios ou dor muscular, ausência de urina, problemas graves para respirar, sensação de que "vai morrer", manchas ou descoloração da pele. VIVER

41


VIVER

42


VIVER

43


VIVER

44


VIVER

45


variedades

Click & Grow Smart Garden www.amazon.com

MUSE EVERSCROLL www.rue21.com $85 Otherland Candles The Threesome www.otherland.com $89

$74.95

Laurel Marble Watch www.rue21.com $160

Women's Wool Runners www.allbirds.com $85

Pearl Hoops mejuri.comrds.com $59

Fresh Rose Hydration Heroes Set shop.nordstrom.com $65

Classic Zip Around Wallet www.cuyana.com $140

May Flowers Weekender Bag www.anthropologie.com $98

VIVER

46


VIVER

47


Cinema

Overboard

Tully

The Desert Bride

Bad Samaritan

Estreia: dia 4 Gênero: Comédia, Romance Classificação: PG-13

Estreia: dia 4 Gênero: Comédia, Romance Classificação: R

Estreia: dia 4 Gênero: Animação, Aventura, Drama, Família, Romace Classificação: PG-13

Estreia: dia 4 Gênero: Horror, Suspense Classificação: R

Racer and the Jailbird

Life of the Party

Breaking In

Dark Crimes

Estreia: dia 4 Gênero: Crime, Drama Classificação: R

Estreia: dia 11 Gênero: Comédia Classificação: PG-13

Estreia: dia 11 Gênero: Suspense Classificação: PG-13

Estreia: dia 11 Gênero: Crime, Drama, Suspense Classificação: R

MOUNTAIN

THE ASSASSIN'S CODE

Deadpool 2

DISOBEDIENCE

Estreia: dia 11 Gênero: Ação, Aventura, Documentário Classificação: PG-13

Estreia: dia 11 Gênero: Ação, Aventura, Suspense Classificação: R

Estreia: dia 18 Gênero: Ação, Aventura, Comédia Classificação: R

Estreia: dia 18 Gênero: Drama, Romance Classificação: R

FIRST REFORMED

Show Dogs

On Chesil Beach

Solo: A Star Wars Story

Estreia: dia 18 Gênero: Drama, Suspense Classificação: R

Estreia: dia 18 Gênero: Ação, Aventura, Comédia, Família Classificação: PG

Estreia: dia 18 Gênero: Drama, Romance Classificação: R

Estreia: dia 25 Gênero: Ação, Aventura, Ficção Científica Classificação: PG-13

VIVER

48


Agenda Museum Alive 3D Até 21 de Junho 767 Clifton Road NE Atlanta, GA 30307 www.fernbankmuseum.org

KENNY CHESNEY AND THOMAS RHETT Dia 26 Mercedes-Benz Stadium 1 AMB Way NW Atlanta, GA 30313 www.stubhub.com

SNOOPY: THE MUSICAL De 5 a 12 Atlanta Workshop Players Barefoot Theater 8560 Holcomb Bridge Rd Alpharetta, GA 30022 www.atlantaworkshopplayers.com

COVERINGS '18 De 8 a 11 Georgia World Congress Center 285 International Blvd, NW Atlanta, GA 30313 www.gwcca.org

JUSTIN TIMBERLAKE Dia 11 Infinite Energy Arena 6400 Sugarloaf Parkway Duluth, GA 30097 www.infiniteenergycenter.com

CHASTAIN PARK ARTS FESTIVAL 12 e 13 Chastain Park 140 W Wieuca Rd NW Atlanta, GA 30327 www.chastainparkartsfestival.com

MODA PRESENTS LEGOS AND JOE AT PONCE CITY MARKET Dia 19 Ponce City Market 675 Ponce De Leon Ave NE Atlanta, GA 30308

THE CAT IN THE HAT Até 13 de Maio Center For Puppetry Arts 1404 Spring St. NW Atlanta, GA 30309 www.puppet.org

ATLANTA SYMPHONY ORCHESTRA Até 29 de Junho Atlanta Symphony Hall at Woodruff Arts Center Atlanta, GA 30309

VIVER

49


VIVER

50


VIVER

51


VIVER

52

Viver Magazine May 2018  

The most popular Magazine among the Brazilian Community living in Atlanta, Georgia, United States.

Viver Magazine May 2018  

The most popular Magazine among the Brazilian Community living in Atlanta, Georgia, United States.

Advertisement