Page 1

VIVER

6


6

VIVER


Junho 2017

Conteúdo

6

Imigração – O que é seguro fazer nos dias de hoje?

vivermagazine.com

20

34

Meia taça de vinho por dia já eleva risco de câncer de mama, indica pesquisa De acordo com um estudo, do Fundo Mundial para Pesquisas sobre Câncer, meia taça de vinho ou um copo pequeno de cerveja já pode aumentar o risco.

Como os tentáculos do Facebook alcançam mais longe do que você imagina A gama de informações que armazena faz do Facebook umas das organizações mais influentes do mundo. Com base nisso, a Share Lab, empresa de pesquisa e mapeamento de dados, decidiu destrinchar os algoritmos e as conexões gigantes

40

Instagram é considerada a pior rede social para saúde mental dos jovens, segundo pesquisa O Instagram foi considerada a pior rede social no que concerne seu impacto sobre a saúde mental dos jovens, segundo uma pesquisa do Reino Unido.

44

Conheça as praias mais bonitas de Miami A cidade de Miami conta com inúmeras praias paradisíacas e cada uma tem algo diferente; é realmente difícil escolher a melhor praia de Miami. Tem praias de todos os tipos, para quem gosta de relaxar e curtir a natureza e também para quem gosta de diversão.

28

10

Corrida por mão de obra faz Apple e outras gigantes oferecerem curso universitário Em meio a preocupações crescentes com a falta de mão de obra preparada para os trabalhos do futuro, gigantes da tecnologia como a Apple tentam formar suas próprias gerações de jovens com habilidades digitais.

14

Não usar azeite para fritar? Veja essa e outras 3 regras da culinária derrubadas pela ciência Os conselhos a seguir são sempre repassados em programas de cozinha, livros de receita ou até repetidos insistentemente em família..

30

Após canadenses e mexicanos, brasileiros são os que mais descumprem data limite de visto nos EUA

46

cinema

49

AGENDA

50

passatempo

VIVER

varieades

48

Brasil - Todos querem que a corrupção acabe…“Todos, menos os corruptos”. Todos sabem que o foro privilegiado e a indicação política dos juízes do STF não podem continuar… todos menos os que se protegem com isso.

63


editorial

Dilla Campos Publicadora

Mais um verão na terra do Tio Sam e os brasileiros adoram essa estação, principalmente porque o clima fica bem parecido com o do Brasil. Neste período o que mais podemos ver nas redes sociais são fotos nas praias, clubes aquáticos, lagos e piscinas. De uma forma em geral, o verão realmente traz uma energia leve e alegre aos brasileiros. Isto é muito bom! A Viver Magazine edição de Junho 2017 está repleta de dicas para você curtir o seu verão com responsabilidade e saude, seja como for que você escolher curtir os seus dias de folga, faça isto da melhor forma e com todas as precauções que o momento exige. O nosso Brasil está passando por momentos que com certeza ficarão na história e infelizmente não são momentos dos quais nós podemos nos orgulhar. Exaustivamente estamos acompanhando pelos jornais de notícias, tudo o que está acontecendo política e economicamente no Brasil e, de acordo com que as coisas vão se definindo, vamos publicando alguns artigos de pessoas qualificadas para falar sobre o assunto. Uma dessas pessoas é Ricardo Amorim, que despensa apresentações e que é um dos colabores da Viver Magazine, permitindo que publiquemos suas matérias na Viver Magazine. Ricardo Amorim tem uma opinião completamente lúcida e imparcial, do tipo que prima e torce pelo bem do País, pelo seu desenvolvimento econômico, sem defender

VIVER

EDIÇÃO e PUBLICAÇÃO Dilla Campos vivermagazine@gmail.com

partidos políticos nem privilegiar ninguém. Por sua imparcialidade e lucidez, é que a Viver Magazine sempre opta por publicar suas matérias, afinal, para nós que estamos longe, precisamos de fontes seguras e responsáveis para nos atualizar com relação ao nosso Brasil. Falando de eventos locais, este mês teremos uma das melhores festas da nossa comunidade, o Arraiá da Videira, que acontecerá nos dias 9 e 10 de junho. Eu, se fosse você não perderia por nada esta festa. Para este ano, estamos esperando ainda mais pessoas do que nas edições passadas e é claro, mais surpresas e mais deliciosas comidas típicas do Brasil. Prepare-se e venha curtir com a sua família esta linda festa, vai valer a pena! Quero desejar a todos um mês abençoado, que Deus esteja sempre cuidando e protegendo a nossa comunidade e que cada um de nós possamos também pedir à Ele em oração, que proteja este País, que dê sabedoria ao Presidente Trump e a todos do seu time de governantes, para que eles encontrem uma maneira de separar o Joio do Trigo entre os imigrantes, para que injustiças não aconteçam. Para que eles possam enfim, com saúde e inteligência, defender e cuidar deste País que amamos tanto e que nos tem abençoado a cada dia, nos permitindo realizar os nossos sonhos e viver com dignidade. Uma boa leitura e até a próxima

REVISÃO Eliania Bento

DireçÃO de arte projeto gráfico Saulo Oliveira S2dm.com contact@s2dm.com

COLABORADORES Kamilla Oliveira Alex Campos Consulado Geral do Brasil em Atlanta Cesar Restrepo (Empreendedores Latinos)

COLUNISTAS Dilla Campos Maitê Hammound (Psicóloga) Tracie Kincle (Advogada) Fernanda Hottle (Advogada) Daniel Ortiz (Advogado)

FOTOGRAFIA Dilla Campos Indy Zanardo Alcides Notaro Juliana Frary

para anunciar 770.953.4250 vivermagazine@gmail.com www.vivermagazine.com DISTRIBUIÇÃO All Metro Atlanta Area GDL Distribution & Logistics, LLC Phone: (678) 887-2391 (Joanita Bonilla) Junte-se à nós! facebook.com/vivermagazine © 2017 - Viver Magazine - Todos os direitos reservados.

A Viver Magazine é uma publicação independente com a finalidade de informar a comunidade brasileira e divulgar produtos e serviços que sejam de interesse dessa comunidade. As informações aqui veiculadas são resultado da demanda de nossos leitores e variam de acordo com a atualidade, podendo ser alteradas sem aviso prévio. Esta é uma publicação aberta a participação de leitores e da comunidade brasileira em geral, na qual encorajamos e agradecemos. A publicação de conteúdo e fotografias enviadas para a redação está sujeita a aprovação e disponibilidade de espaço e não é prometida ou garantida.Os anúncios aqui contidos, bem como seus conteúdos são de responsabilidade de cada anunciante. A diversificação e conteúdo dos artigos são de responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião desta publicação. Todo e qualquer conteúdo e anúncio aqui contidos são de propriedade da Viver Magazine e não devem ser reproduzidos total ou parcialmente. A versão impressa desta publicação é gratuita, assim como nossa versão online. Outros veículos de comunicação online na qual fazemos parte estão à disposição de nossos anunciantes e da comunidade em geral no Facebook e em nosso portal: www.vivermagazine.com. É proibida qualquer reprodução impressa ou digital, cópia do conteúdo, matérias, anúncios ou elementos visuais, bem como do projeto gráfico apresentados na Viver Magazine com base na LEI DE DIREITOS AUTORAIS Nº 9.610, DE 19 DE FEVEREIRO DE 1998, com respaldo internacional.

6 4


VIVER

5 6


imigração Por: Tracie Klinke Advogada de Imigração tracie@klinkeimmigration.com

VIVER

Foto: Shutterstock

Imigração – O que é seguro fazer nos dias de hoje?

Fazer isto ou aquilo é seguro – no meu caso? "Muitas pessoas me fizeram essa pergunta ultimamente. "É seguro para mim, no meu caso - aplicar para DACA?" "É seguro para mim - ir a uma entrevista na minha petição I-130 mesmo que eu tendo uma ordem de remoção?" "É seguro para mim – me mudar enquanto meu pedido de Naturalização Está pendente? "As pessoas querem saber se algo der errado em seu caso se elas podem ser deportadas, uma vez que há um monte 6

de notícias assustadoras e informações lá fora. Eu gostaria de ter a capacidade de ver o futuro e dizer que tudo vai ficar bem, não importa o quê, mas eu não posso. Algumas tendências, porém, estão começando a surgir. DACA – Vou estar seguro e protegido se aplicar para o Daca? Parece que o DACA está seguro por enquanto. Se o Presidente Trump quisesse se livrar da DACA tanto quanto falou durante a campanha

presidencial, acho que o programa teria sido erradicado logo nas primeiras semanas de seu governo. O USCIS continua a julgar casos DACA e não há sugestões de haver alguma mudança. Mas o DACA mudou nos últimos meses. As pessoas estão sendo detidas e deportadas apesar de ter DACA e alguns pessoas tiveram o DACA retirado deles. Felizmente o número é pequeno, mas o aperto de restrições é preocupante. No entanto, o DACA ainda é uma boa opção,


VIVER

7 6


Foto: Shutterstock

VIVER

senão a única opção, para certos indivíduos trazidos para os Estados Unidos em uma idade jovem. Ordens de remoção anteriores Se alguém tem uma ordem de deportação, permanece nos Estados Unidos e, em seguida, aparece no USCIS para uma entrevista, estas pessoas estão em um risco aumentado para a remoção. Mesmo sob o governo do presidente Obama, sempre que alguém com uma ordem de remoção anterior interagiu com USCIS, houve uma pausa para a preocupação. USCIS chama o ICE quando eles estão cientes de que alguém com uma ordem de remoção antiga veio para uma entrevista. Sob o governo do presidente Obama, o ICE em sua maioria, recusou-se a prender e deportar essas pessoas, uma vez que presumivelmente estavam no processo de obter seu status legal estabilizado. A entrevista foi realizada e as pessoas andaram com suas vidas. No entanto, sob o governo do Presidente Trump, o ICE agora está interessado em todos e quando a USCIS telefona e fala sobre alguém com uma ordem prévia de remoção, as probabilidades são boas de 8 6

que no mínimo o ICE saia para investigar e deter a pessoa que na pior das hipóteses será deportada. USCIS não mudou sua política, mas o ICE sim. Mudar de endereço enquanto seu caso está pendente é seguro? O USCIS abrandou com aplicações de processamento desde dezembro. Casos de naturalização que antes poderia levar cerca de quatro a 6 meses a partir do momento da aplicação até o dia da entrevista. Agora está levando nove meses em Atlanta. Com tempos de espera mais longos, o potencial para que os candidatos se movam torna-se maior. Onde alguém vive é importante porque vai ditar onde o caso precisa ser entrevistado. Infelizmente, USCIS luta para atualizar endereços. Existem vários sistemas e pode demorar alguns dias (até mesmo semanas) para o novo endereço ser colocado no sistema. Em seguida, leva tempo para o caso ser transferido de um escritório USCIS para outro, de modo que um movimento pode muitas vezes atrasar um caso. No entanto, os estrangeiros têm a responsabilidade de atualizar seus endereços com USCIS, por

isso não dizer ao USCIS sobre o movimento até aparecer na entrevista não é aconselhável. Recentemente, USCIS forneceu uma opção para os candidatos de naturalização. Se alguém se move depois de preencher o N-400 e é chamado para uma entrevista no antigo escritório do USCIS, o candidato pode optar por ser entrevistado lá (economizando tempo para uma transferência) ou pode pedir que o arquivo seja transferido para o novo Escritório (possivelmente economizando custos de viagem). A decisão final, porém, será emitida pelo novo escritório. As pessoas que se deslocam enquanto os seus casos de Green Card estão pendentes, no entanto, devem notificar USCIS imediatamente do movimento. As regras e regulamentos são mais rigorosos sobre estes tipos de casos, embora haja um pouco de espaço para discrição, dependendo da situação específica. Então ... É seguro? Depende. Depende do seu caso, da sua história, da sua situação. Não importa o quanto eu queira, eu não posso prometer o sucesso em nenhum caso. Eu também não posso prever certos resultados se o caso é negado ou o que poderia acontecer se as políticas mudam enquanto a aplicação está pendente. Posso compartilhar com os clientes o que aconteceu no passado, mas quando tudo parece mudar a cada minuto, confiar no que aconteceu no passado não é tão confiável quanto antes. A única coisa que posso prometer é que se trabalharmos juntos, farei tudo o que puder para conseguir o resultado desejado.


VIVER

9 6


carreira

Corrida por mão de obra faz Apple e outras gigantes oferecerem curso universitário

VIVER

Foto: Shutterstock

Em meio a preocupações crescentes com a falta de mão de obra preparada para os trabalhos do futuro, gigantes da tecnologia como a Apple tentam formar suas próprias gerações de jovens com habilidades digitais.

No ano passado, a empresa abriu uma escola em Nápoles, na Itália, onde estudantes passam um ano aprendendo a ser desenvolvedores, codificadores, criadores de apps e empreendedores de startups. As vagas para o próximo ano letivo da Developer Academy - abertas até esta quartafeira, pelo site https://www. 6 10

developeracademy.unina.it/ en/call-for-applications/ - são ofertadas a alunos do mundo inteiro, por meio de concurso e provas que serão aplicadas no mês que vem em Munique, Paris, Londres, Madri, Roma e Nápoles. O curso é gratuito e ensinado em inglês. A próxima turma terá 400 alunos (o dobro da turma do

ano passado), provavelmente de 18 a 30 anos de idade, e começará as aulas em outubro, no campus da universidade italiana Federico II. "O programa vai focar em desenvolvimento de software, criação de startups e projetos de apps para (sistema) iOS, com ênfase em criatividade e colaboração para empoderar


VIVER

11 6


e preparar estudantes no desenvolvimento de habilidades que eles precisam para ser bemsucedidos", diz o programa do curso. Para uma empresa como a Apple, um investimento tão direto em educação tem tanto a ver com ação social quanto com interesse próprio - de preparar mão de obra própria e habilidosa. Em menos de uma década, aplicativos digitais se tornaram uma das mais importantes fontes de receita da Apple. A empresa calcula haver hoje 2 milhões de apps em sua loja online - e isso, apenas na Europa, sustenta em torno de 1,2 milhão de empregos. A Developer Academy é também a resposta de empresas tecnológicas a um problema global: o temor de que não haja gente suficientemente capacitada para ocupar futuros empregos ligados à criatividade e à tecnologia.

VIVER

Abismo

Teme-se um grande abismo entre oferta e demanda: empregadores não conseguiriam preencher suas vagas hiperqualificadas ao mesmo tempo em que milhões de funcionários ficariam à deriva, sem emprego, por não terem as habilidades necessárias para o mercado. Só no Reino Unido, as câmaras britânicas de comércio queixaram-se recentemente de que três em cada quatro empresas do país sofrem de uma "escassez de habilidades digitais". Um exemplo recente disso foi o ataque cibernético - um "ransomware" - que afetou sistemas de informática em centenas de países, evidenciando uma escassez de profissionais especializados em segurança digital. Outra gigante da informática, 12 6

a IBM, também levanta preocupações a respeito. A empresa mantém sua própria uma rede internacional de cooperação com universidades em projetos de cibersegurança. Em 2014, anunciou parceria com 28 escolas de negócios e universidades para "ajudar a preparar estudantes para 4,4 milhões de empregos que serão criados ao redor do mundo para apoiar (o uso de) 'big data'". Em artigo na Harvard Business Review, o gerente-geral de segurança da IBM, Marc van Zadelhoff, disse que será necessário também expandir o treinamento para os empregados que não trabalham diretamente nas áreas de tecnologia. "Por que estamos limitando os empregos nas áreas de segurança às pessoas com quatro títulos (acadêmicos) em ciência da computação, quando o que precisamos urgentemente é de várias habilidades em diferentes indústrias?", questionou. "As empresas deveriam se abrir para candidatos cujas origens não tradicionais resultem em novas ideias ao cargo e ao desafio de melhorar a segurança cibernética."

Esquecidos pela globalização

Há, ainda, uma dimensão política relacionada às habilidades necessárias para uma economia moderna, diz a OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico) em relatório publicado neste mês. A organização, que reúne majoritariamente países desenvolvidos, cita o efeito polarizador da globalização ante os crescentes protestos e o descontentamento popular tanto na esquerda quanto na direita.

Para a OCDE, as habilidades da população de cada país determinarão o nível de desenvolvimento dessas nações: um país com gente altamente qualificada se beneficiará da globalização, ganhando para si os melhores empregos, produtividade elevada, mercados consumidores mais amplos e indústrias digitais. Entre os países na dianteira desse processo a OCDE inclui a Coreia do Sul e a Polônia, além de Estônia, Japão e Nova Zelândia - esses últimos citados como países que têm tirado vantagem da expansão de seus setores tecnológicos.

Empregos escassos

Entre as grandes economias, a Alemanha se destaca em relação aos EUA no desenvolvimento de habilidades. Mas a grande preocupação é com as centenas de milhões de pessoas pelo mundo - Brasil incluído - com baixa qualificação em leitura e matemática, altamente vulneráveis às forças da globalização e à extinção de empregos. Adultos com habilidades literárias semelhantes às de crianças de 10 anos estão sendo rapidamente substituídos por trabalhadores terceirizados ou por máquinas. Andreas Schleicher, diretor educacional da OCDE, afirma que há uma urgência social e política em equiparar as qualificações profissionais ao redor do mundo para evitar as duras rupturas derivadas da globalização. "Não espere que os trabalhadores vão aceitar perder seu trabalho para a terceirização ou a automação se eles não estão preparados para conseguir ou criar empregos novos", diz Schleicher.


VIVER VIVER Agosto 2016 613


internacional

Após canadenses e mexicanos, brasileiros são os que mais descumprem data limite de visto nos EUA

VIVER

Foto: Shutterstock

Após canadenses e mexicanos, os brasileiros são os estrangeiros que mais descumprem a data limite de visto nos Estados Unidos, em números absolutos.

Dos 2 milhões de brasileiros que deveriam ter embarcado de volta para casa em 2016, 39,5 mil (1,9%) permaneceram no país ilegalmente. Os números, divulgados pelo Departamento de Segurança Nacional (DHS, na sigla em inglês), se referem a visitantes de turismo e negócios que deveriam ter deixado os Estados Unidos entre 1º de outubro de 14 6

2015 e 30 de setembro de 2016. Se somados os vistos concedidos a estudantes e outros tipos de autorização, 43 mil (2%) brasileiros descumpriram o tempo máximo de permanência nesse período. Os canadenses lideram o ranking. Diferentemente dos brasileiros, eles não precisam de visto para entrar nos Estados Unidos e podem ficar até três

meses no país apenas com o passaporte válido. Na América Latina, apenas o Chile tem o mesmo benefício. Dos 8,6 milhões de canadenses que deveriam ter deixado os Estados Unidos, 124 mil (1,4%) permaneceram no país ilegalmente. Os mexicanos estão em segundo lugar na lista. Dos 2,9 milhões com partida esperada, 47 mil


VIVER VIVER Agosto 2016 615


Foto: Shutterstock

VIVER

(1,7%) continuaram no país. Os dados são usados pelo DHS para identificar, localizar e agir contra os atrasos de saída daqueles que apresentem ameaças ao país. Após os ataques de 11 de setembro de 2001, autoridades americanas revelaram que dois responsáveis pelos atentados - Satam al Suqami e Nawaq Alhazmi - tinham seu visto expirado, segundo o New York Times

0,6%. O número de canadenses de turismo e negócios que decidiu permanecer nos Estados Unidos aumentou na comparação com o ano anterior. Em 2016, foram 25 mil visitantes a mais do que em 2015, quando 99 mil permaneceram no país. No caso do México, foram em torno de 2 mil a mais. E do Brasil, quase 6 mil. Foram divulgados dados apenas desses dois anos.

Números relativos

O governo americano cancela o visto de quem ultrapassa o tempo permitido. Se o estrangeiro ficar até um ano a mais, ele estará proibido de entrar no país pelos três anos seguintes. Se passar de um ano, a proibição se estende por uma década. Os números do DHS indicam que, no ano passado, dos 50 milhões de visitantes que entraram nos Estados Unidos, 1,07% descumpriram o tempo limite.

Já países asiáticos e africanos têm as maiores taxas de estrangeiros que ignoram a data limite. A proporção é superior a 20% entre os indivíduos que visitam os Estados Unidos para turismo ou negócios vindos de países como Djibuti, Burkina Faso, Micronésia, Eritreia e Butão. Cidadãos desses países, contudo, não somam nem 10 mil estrangeiros em números absolutos. Por outro lado, entre as nações isentas do requerimento de visto (excluindo o Canadá), a taxa de permanência ilegal é de apenas 16 6

Punição

Muro

Estudos recentes revelam que o número de pessoas que chega

legalmente aos Estados Unidos e decide permanecer por tempo indefinido vem crescendo. Um levantamento do Centro para Estudos de Migração detalha essa tendência e aponta que ela continuará no futuro. "Dois terços dos que chegaram em 2014 não cruzaram ilegalmente a fronteira, mas foram admitidos com vistos de não imigrantes (temporários), e excederam seu período de admissão", diz a análise. Segundo os autores Robert Warren e Donald Kerwin, os índices levantam debates sobre "a necessidade e eficácia de se estender o muro fronteiriço" no sul dos Estados Unidos, como prometeu Trump. Em vez de construir o muro, a organização recomenda que o governo americano use os recursos para melhorar "as iniciativas de desenvolvimento econômico nos estados do Triângulo Norte da América Central, o processamento de refugiados da América Central ou a emissão de vistos".


VIVER

17 6


18 6

VIVER


VIVER

6


saúde

Meia taça de vinho por dia já eleva risco de câncer de mama, indica pesquisa Uma pesquisa confirmou a ligação entre o consumo de álcool e um risco maior de câncer de mama em mulheres. Foto: Shutterstock

que aumentam o risco de ter a doença. Ser alta e ter começado a menstruar antes dos 12 anos de idade também são considerados riscos. No total, o Centro de Pesquisa sobre o Câncer do Reino Unido lista 18 fatores diferentes que podem, até certo ponto, ser a causa do câncer de mama. O álcool é um deles.

VIVER

De acordo com um estudo, do Fundo Mundial para Pesquisas sobre Câncer, meia taça de vinho ou um copo pequeno de cerveja já pode aumentar o risco. O mesmo estudo também confirmou que exercícios regulares de alta intensidade podem reduzir o risco de sofrer da doença. Mas é assim tão simples? O câncer de mama é o segundo tipo de tumor maligno mais incidente entre as brasileiras, atrás apenas do câncer de pele não melanoma, segundo dados do Instituto Nacional de Câncer (Inca). Mas os médicos ainda não 20 6

conseguem explicar por que esse tipo de câncer afeta algumas pessoas e não outras. Há vários fatores envolvidos, incluindo estilo de vida, níveis de hormônios e outras condições médicas. Basicamente, é um conjunto de causas e não faz muito sentido focar em apenas uma delas. Então quais são os riscos para o câncer de mama? Para começar, há alguns fatores impossíveis de controlar, como sexo, idade, altura, genes e início da menstruação. Ser mulher, ter mais de 50 anos, ter passado pela menopausa e ter um histórico de câncer de mama na família são fatores

O que isso realmente significa? Significa que a cada 100 mulheres, cerca de 13 provavelmente terão câncer de mama de qualquer maneira. E, se todas elas beberem uma taça pequena de vinho todos os dias, um caso extra pode ser desenvolvido nesse grupo de 100 mulheres. Exercícios e dieta A pesquisa também indicou que praticar exercícios mais intensos, como correr ou andar de bicicleta, diminui o risco de câncer de mama na pós-menopausa em 10% na comparação com mulheres menos ativas. Amamentar também diminui o risco da doença. E há evidência, embora ainda limitada, de que comer verduras como repolho e espinafre diminuem o risco de um tipo menos comum de câncer de mama. Já se sabe que exercícios físicos regulares, uma dieta balanceada e manter um peso saudável são importantes para reduzir o risco


VIVER

6


de muitas doenças, incluindo vários tipos de câncer. Mas os cientistas afirmam que todos esses fatores interagem entre si, o que dificulta identificar quais estão causando o câncer e até que ponto.

VIVER

Qual é a recomendação para o consumo de álcool? Novas recomendações médicas introduzidas em 2016 na GrãBretanha dizem que homens e mulheres não devem beber mais de 14 unidades por semana - o equivalente a três litros de cerveja ou sete taças de vinho e alguns dias devem ser livres de álcool. As recomendações, feitas pelo Chief Medical Officer (CMO na sigla inglesa, o principal assessor para assuntos de saúde do governo), são baseadas em pesquisas que mostram que qualquer quantidade de álcool pode aumentar o risco de câncer. Mulheres grávidas são

6 22

aconselhadas deixar o álcool de lado. Qual foi a reação a essa pesquisa? Especialistas em câncer dizem que as descobertas não trazem dados novos sobre a ligação entre álcool e câncer de mama, que é bastante conhecida. Se quiser manter a situação a seu favor, eles dizem que é uma boa ideia não beber álcool por alguns dias da semana e não aumentar a ingestão de bebidas alcóolicas. No entanto, o instituo Cancer Research diz que não há motivo para alarme - é preciso ter uma visão ampla da situação. Consumir álcool tem um efeito maior nos riscos de vários outros tipos de câncer - incluindo de boca, fígado e bexiga - do que no de câncer de mama, então não há motivo para focar no álcool. Kevin McConway, professor emérito de estatística

aplicada da Open University (universidade aberta britânica), diz que os riscos "devem ser considerados em relação ao prazer que as mulheres podem ter ao beber". A pesquisa não determina riscos absolutos e, portanto, não serve como base para recomendar que as mulheres parem de beber completamente, segundo David Spiegelhalter, professor de estatística da Universidade de Cambridge. Porém, Anne McTiernan, líder do estudo e especialista em câncer do Centro Fred Hutchinson de Pesquisa em Câncer, de Seattle, nos Estados Unidos, afirma que a evidência sobre câncer de mama é clara. "Ter um estilo de vida ativo fisicamente, manter um peso saudável ao longo da vida e limitar a quantidade de álcool são passos que as mulheres podem tomar para diminuir esse risco".


VIVER

23 6


24 6

VIVER


VIVER

25 6


VIVER

26 6 VIVER Julho 2016


VIVER VIVER Julho 2016 627


culinária

Não usar azeite para fritar? Veja essa e outras 3 regras da culinária derrubadas pela ciência Foto: Shutterstock

Os conselhos a seguir são sempre repassados em programas de cozinha, livros de receita ou até repetidos insistentemente em família.

No entanto, essas "verdades culinárias" que vão passando de boca em boca raramente têm alguma base científica. Aqui, nós desmistificamos algumas dessas ideias:

VIVER VIVER

1

Não use azeite de oliva para fazer frituras Até os que não entendem nada de cozinha já ouviram isso. Mas não está certo. A explicação - falsa - seria que as moléculas de gordura desse tipo de azeite queimam a uma temperatura inferior à dos demais e, por isso, ele produziria aldeídos e outros compostos químicos que poderiam ser tóxicos e dariam um sabor ácido para os alimentos. No entanto, diversos estudos 28 6

indicam que o azeite de oliva - tanto o comum, quanto o extra-virgem - permanece sem se decompor a temperaturas elevadas e produz menos aditivos químicos do que os outro óleos. Martin Grootveld, professor da Universidade de Montfort, no Reino Unido, recomenda o azeite de oliva tanto para fritar, quanto para cozinhar. "Primeiro, porque ele gera níveis menores dessas substâncias tóxicas, e segundo porque as substâncias que se formam são menos danosos para o corpo humano", garante Grootveld.

2

Cozinhe o macarrão em uma panela grande quando a água estiver fervendo Esta é uma recomendação

de muitos chefs de cozinha, inclusive italianos, e uma orientação que também figura até em pacotes de macarrão. Em um recipiente grande, dizem, a água começa a ferver mais rapidamente e, além disso, há mais espaço para que o macarrão não fique grudado. Falso. Primeiramente, porque a mesma quantidade de macarrão baixará a temperatura da água tanto em uma panela pequena, quanto em uma grande, então as duas vão recuperar seu ponto de ebulição em um tempo similar. E a panela menor precisa de menos energia por ter uma superfície menor para aquecer, segundo um artigo publicado na revista New Scientist. Para evitar que os fios do macarrão grudem, a tática não deve ser utilizar uma panela grande. O principal aí seria ficar atento à massa logo no primeiro minuto em que ela é jogada na panela. Isso porque o macarrão só consegue se colar nos primeiros 60 segundos - porque é nessa hora que o amido da superfície dele incham e explodem. Outra prática conhecida para cozinhar massa é a de colocar gotas de azeite na água. No entanto, isso também não vale a pena. Segundo a Sociedade Americana de Química (ACS, na sigla em inglês), não faz diferença alguma.


3

Cozinhar a carne no fogo alto para selá-la e garantir que ela fique suculenta Esse é outro conselho que você já deve ter escutado até de cozinheiros profissionais. No entanto, fritar a carne no fogo alto para criar aquela "crosta" na superfície antes de levá-la ao forno - o que, supostamente, protegeria sua parte suculenta não é a melhor forma de manter o sabor e a textura do alimento. Isso pode ser comprovado com um experimento simples. Se você pegar duas peças iguais e assar a primeira, e depois selála, e fizer exatamente o contrário com a segunda, você vai perceber que a primeira ficará mais suculenta. Por quê? Porque a temperatura mais elevada faz as fibras e os músculos da carne se contraírem e, como consequência disso, a carne perderá mais líquido. Além disso, quando está fria,

a carne demora mais tempo para ser selada (e, também por isso, perde mais líquido), em comparação com a carne assada previamente. Para manter a carne suculenta, o melhor é deixar que ela descanse um pouco depois de assada - porque assim, à medida que as fibras musculares se esfriam, elas se dilatam e conseguem reter mais o "suco" da carne. Mas ainda que selar a carne não ajude a conservar a suculência, uma coisa é certa: a prática realça o sabor da carne - e de outros alimentos também, graças à reação de Maillard. Esse é o nome que se dá ao processo pelo qual os açúcares e os aminoácidos reagem ao calor, produzindo diversos sabores.

4

Marinar a carne para ressaltar o sabor Ainda sobre carnes, outra

dica popular é deixá-la marinar de um dia para outro para realçar o seu sabor. A boa notícia para os desorganizados - ou impacientes para fazer isso - é que somente sal, algumas moléculas muito pequenas de açúcar e alguns ácidos podem penetrar a carne mais do que poucos milímetros. Os condimentos ficam só na superfície, então não vale a pena deixar a carne marinando por hora No entanto, se você suspeita que a carne que vai cozinhar é dura, mariná-la faz algum sentido - não porque você vá dar mais sabor a ela, mas porque se você utilizar uma mistura ácida, evitará que a superfície se decomponha e, ao mesmo tempo, ajudará a "amadurecer" o resto da carne. E quanto mais "madura" a carne, mais suave.

VIVER VIVER

29 6


opinião Por: Ricardo Amorim, autor do bestseller Depois da Tempestade, apresentador do Manhattan Connection da Globonews, o economista mais influente do Brasil segundo a revista Forbes, o brasileiro mais influente no LinkedIn, único brasileiro entre os melhores palestrantes mundiais do Speakers Corner e ganhador do prêmio Os + Admirados da Imprensa de Economia, Negócios e Finanças.

Foto: Shutterstock

Brasil - Todos querem que a corrupção acabe…“Todos, menos os corruptos”.

VIVER VIVER

Todos sabem que o foro privilegiado e a indicação política dos juízes do STF não podem continuar…todos menos os que se protegem com isso. Todos acham as regras previdenciárias de políticos, juízes e militares absurdas… menos políticos, juízes e militares. Todos acham inaceitável que servidores públicos tenham um regime previdenciário muito mais generoso que os outros… todos menos os servidores públicos e seus familiares. Todos querem reformar a Previdência de políticos, juízes, militares e servidores públicos mas reformar o INSS, que só no ano passado precisou de R$150 bilhões, que poderiam 6 30

ter ido para educação, saúde ou segurança, para complementar os benefícios que as contribuições não cobriram, nem pensar. Todos de acordo que as dívidas das grandes empresas com o INSS têm de ser cobradas, mas muitos atrasados nos pagamentos de suas próprias dívidas. Todos descontentes com a educação, mas ninguém chocado que o governo brasileiro direcione nove vezes mais recursos per capita para gastos previdenciários do que para a educação de nossas crianças. Todos querem menos impostos, produtos mais baratos e salários maiores, mas ninguém quer que

o governo reduza seus gastos para que os impostos possam cair para que isso aconteça. Todos de acordo que algo radical tem de ser feito para reverter o crescimento da informalidade e do desemprego, que deixou dezenas de milhões de brasileiros sem condições de sustentar suas famílias. Algo radical menos reformar a CLT para que as empresas contratem mais e menos gente trabalhe na informalidade, sem direitos trabalhistas efetivos. Em meio aos escândalos bilionários de corrupção que não param de emergir, é compreensível a revolta da população e a impressão de que se eliminássemos a corrupção, os outros problemas brasileiros desapareceriam. Infelizmente, a corrupção não será eliminada, sequer reduzida substancialmente, sem que nos mobilizemos para que os corruptos sejam exemplarmente punidos. Os corruptos sempre estarão organizados para que isto não aconteça. Além disso, se a corrupção for eliminada, os demais problemas brasileiros serão reduzidos, mas nenhum deles será eliminado. Temos de trabalhar para resolver cada um deles também. Sabendo que as mudanças não vão acontecer se não mudarmos também, fica a pergunta: você quer mudanças, mas está disposto a mudar?


VIVER VIVER Agosto 2016 631


32 6

VIVER


VIVER

6


internet

Como os tentáculos do Facebook alcançam mais longe do que você imagina A gama de informações que armazena faz do Facebook umas das organizações mais influentes do mundo. Com base nisso, a Share Lab, empresa de pesquisa e mapeamento de dados, decidiu destrinchar os algoritmos e as conexões gigantes da rede social para entender melhor as relações de poder e a estrutura social dentro da companhia.

VIVER

Foto: Shutterstock

"Todos nós, quando fazemos um upload de alguma coisa, quando marcamos as pessoas em nossas postagens, quando comentamos, estamos basicamente trabalhando para o Facebook", diz. As informações geradas a partir das nossas interações alimentam os complexos algoritmos que fazem a rede social funcionar. Logo, nosso comportamento é transformado em produto, afirma Joler.

Há cerca de dois anos, Vladan Joler e seus amigos nerds começaram a investigar de Belgrado, capital da Sérvia, o funcionamento interno de uma das corporações mais poderosas do globo. O grupo, que inclui especialistas em análises forenses cibernéticas e visualização de dados, já havia feito pesquisas sobre o que chamam de "diferentes formas de estruturas invisíveis" por trás dos provedores de internet sérvios. Mas Joler e seus colegas, agora trabalhando no projeto do Share Lab, já estavam de olho em um alvo maior. "Se o Facebook fosse um país, seria maior do que a 6 34

China", disse Joler, que também é professor na Universidade Novi Sad, na Sérvia. Ele discorre sobre os números familiares, mas impressionantes: a empresa ainda adolescente no Vale do Silício armazena 300 petabytes de dados, possui quase dois bilhões de usuários e arrecadou quase US$ 28 bilhões (R$ 96 bilhões) somente em 2016. Joler argumenta que, apesar disso, conhecemos muito pouco sobre o que acontece no interior da empresa - embora sejamos nós, como usuários, os responsáveis por fornecer, e de forma gratuita, a maior parte do combustível que a mantém funcionando.

Complexidade Mas tentar desvendar esse processo, em grande parte oculto, provou ser uma tarefa gigantesca. "Nós tentamos mapear todos os campos e ferramentas que nos fazem interagir e alimentar o Facebook, e o que resulta disso", diz o especialista. "Mapeamos curtidas, compartilhamentos, atualizações de status, adição de fotos, amigos, nomes, tudo que nossas ferramentas dizem sobre nós, todas as permissões que estamos dando ao Facebook via aplicativos, como o status do telefone, a conexão Wi-Fi e a habilidade de gravar áudio." Toda essa pesquisa forneceu apenas uma fração do todo. Por isso, o grupo também pesquisou


VIVER

6 35


VIVER

as aquisições do Facebook e vasculhou a sua miríade de arquivamentos de patentes. Os resultados são surpreendentes. Gráficos de fluxo que levam horas para serem completados mostram como os dados que damos para o Facebook são usados para calcular a nossa afinidade étnica (termo usado pela empresa), orientação sexual, afiliação política, classe social, agendamento de viagens e muito mais. Um dos mapas mostra como tudo - dos links que postamos às páginas que curtimos e o nosso comportamento online em muitos outros cantos do ciberespaço que são de propriedade ou interagem com a empresa, como Instagram, WhatsApp ou sites que usam o Facebook meramente para o login - poderia estar alimentando um processo algorítmico gigante. E esse processo permite ao Facebook atingir os usuários com precisão impressionante pela habilidade de identificar seus gostos alimentares, quanto tempo levam no deslocamento para o trabalho e a idade de seus filhos, por exemplo. Privacidade Outro mapa detalha as permissões que muitos de nós estamos dispostos a dar ao Facebook por meio de seus muitos aplicativos para celular, inclusive a habilidade de ler mensagens de texto, baixar arquivos sem permissão ou identificar a nossa localização com precisão. Se individualmente são ferramentas poderosas, combinadas formam um motor de coleta de dados que, segundo Joler, está pronto para ser explorado. 36 6

"Se você pensar somente nos cookies, somente nas permissões do celular, ou só na retenção de metadata cada uma dessas coisas, da perspectiva da análise de dados, é muito intrusiva." Há anos o Facebook afirma que a privacidade dos dados e a segurança de suas operações é um dos pilares da rede social. As informações não podem, por exemplo, serem usadas por desenvolvedores para criar ferramentas, e a empresa afirma que obedece as leis de proteção de privacidade em todos os países. Milhares de novos funcionários foram contratados justamente com esse objetivo. Mas Joler, apesar de admitir que sua pesquisa o tenha feito ficar paranoico sobre a informação que está sendo coletada, diz estar mais preocupado com isso no longo prazo. Os dados vão permanecer nas mãos da empresa. Mesmo se seus atuais líderes sejam responsáveis e confiáveis, como podemos saber sobre quem estará no poder daqui a 20 anos? Moeda de troca Alguns analistas afirmam que o trabalho do Share Lab é valioso e impressionante. "É provavelmente o mais completo mapeamento do Facebook que já vimos", diz a especialista em leis e políticas da tecnologia da Cornell Tech, Julia Powles. "A pesquisa mostra em termos frios e calculistas o quanto estamos dando em troca de termos a possibilidade de nos comunicarmos com nossos amigos." A escala do alcance do Facebook pode ser declarada em números brutos - mas os mapas do Share Lab o fazem de

forma visceral, de um jeito que as comparações e paralelos não conseguem. "Nós não temos analogias históricas apropriadas para as gigantes de tecnologia", explica Powles. Os poderes dessas empresas, segundo a pesquisadora, vão "muito além" de empresas como a Est India ou monopólios antigos como a Standard Oil. E enquanto muitos consideram que os objetivos do império de Mark Zuckerberg sejam benignos, os seus efeitos nem sempre o são. Segundo Powles, o Facebook "brinca com nossos impulsos psicológicos básicos" ao valorizar a popularidade acima de qualquer coisa. Apesar disso, ela não espera que a pesquisa do Share Lab leve a um êxodo massivo do Facebook, ou a um aumento dramático no escrutínio sobre as gigantes de tecnologia. "O que é mais impressionante é o senso de resignação, a importância da regulação, a falta de opção, a apatia do público. Que situação extraordinária para uma entidade que tem o poder da informação - não há poder maior, na verdade." O que o time do Share Lab quer deixar claro é a dominância extraordinária do Facebook. Mas Joler também destaca que mesmo os mapas e gráficos produzidos por eles não são capazes de fornecer um quadro preciso sobre as capacidades do gigante das redes sociais. Não há garantias, por exemplo, de que não existam outros algoritmos em funcionamento e que são mantidos em segredo. Joler argumenta, porém, que o trabalho de sua equipe "ainda é o único mapa que existe" de uma das grandes forças que moldam nosso mundo atualmente.


VIVER

37 6


38 6

VIVER


VIVER

39 6


comportamento

Instagram é considerada a pior rede social para saúde mental dos jovens, segundo pesquisa O Instagram foi considerada a pior rede social no que concerne seu impacto sobre a saúde mental dos jovens, segundo uma pesquisa do Reino Unido. Foto: Shutterstock

alimentando uma crise de saúde mental" entre jovens. No entanto, ela também pode ser usada para o bem, segundo o estudo. O Instagram, por exemplo, teve um efeito positivo em termos de autoexpressão e autoidentidade, segundo a pesquisa. Cerca de 90% dos jovens usam redes sociais - mais do que qualquer outra faixa etária -, o que os torna especialmente vulneráveis a seus efeitos, apesar de não estar exatamente claro quais seriam estes no momento.

VIVER

'Depressão profunda'

Na enquete, 1.479 pessoas com idades entre 14 e 24 anos avaliaram aplicativos populares em quesitos como ansiedade, depressão, solidão, bullying e imagem corporal. Organizações de saúde mental pediram às empresas que mantém os aplicativos a aumentar a segurança dos usuários. Em resposta, o Instagram disse que uma de suas maiores prioridades é manter a plataforma como um lugar "seguro e solidário" para os jovens. 40 6

O estudo, da Sociedade Real para Saúde Pública (RSPH, na sigla em inglês) na Grã-Bretanha, sugere que as plataformas avisem, através de um popup, toda vez que houver uso excessivamente intenso das redes sociais, e que identifiquem usuários com problemas de saúde mental. O Instagram diz que oferece ferramentas e informações sobre como lidar com bullying e avisa os usuários sobre conteúdos específicos de algumas páginas. A pesquisa afirmou que "as redes sociais podem estar

Isla é uma jovem de 20 e poucos anos. Ela ficou "viciada" em redes sociais durante a adolescência quando estava passando por um momento difícil de sua vida. "As comunidades online me fizeram sentir incluída, como se a minha existência valesse a pena", diz. "Mas eu comecei a negligenciar minhas amizades na 'vida real' e passava todo o meu tempo online conversando com meus amigos lá". "Eu passei por uma depressão profunda quando tinha 16 anos, ela durou meses e foi terrível. Durante esse período, as redes sociais me fizeram sentir pior, eu constantemente me comparava com outras pessoas e isso fazia eu me sentir mal", conta a jovem.


VIVER

41 6


Foto: Shutterstock

VIVER

"Quando eu tinha 19 anos, tive outro episódio de depressão profunda. Eu entrava nas redes sociais, via meus amigos fazendo várias coisas e me odiava por não conseguir fazêlas ou me sentia mal por não ser uma pessoa tão boa quanto eles". As redes sociais também tiveram um efeito positivo na vida de Isla. "Eu bloguei muito sobre saúde mental, sou bem aberta em relação a isso e tive boas conversas com as pessoas sobre o assunto." "Eu acho que me dá uma plataforma pra falar sobre isso. Conversar com as pessoas é algo imperativo para a minha saúde. Eu ainda sou amiga de pessoas que conheci na internet há cinco, seis anos e até encontrei algumas delas pessoalmente", diz. A pesquisa online fez uma série de perguntas sobre o impacto das redes YouTube, Instagram, Snapchat, Facebook e Twitter em termos de saúde e bem-estar. Os participantes da pesquisa deveriam avaliar cada plataforma em 14 tópicos relacionados aos temas. Com base nessas avaliações, o YouTube foi a rede com o impacto mais positivo em 42 6

termos de saúde mental, seguido por Twitter e Facebook. Snapchat e Instagram tiveram as piores pontuações.

'Faroeste'

"É interessante ver Instagram e Snapchat nas piores posições para saúde mental e bem-estar - ambas as plataformas são bastante focadas em imagem e parecem causar sentimentos de inadequação e ansiedade nos jovens", diz Shirley Cramer, executiva-chefe da RSPH. Com base nessas descobertas, especialistas em saúde pública estão pedindo para que as plataformas de redes sociais introduzam uma série de checagens e medidas para melhorar a saúde mental, incluindo: Avisos de que as pessoas estão fazendo uso excessivo das redes sociais (apoiada por 70% dos jovens que participaram da pesquisa); A identificação, por parte das plataformas, de usuários com problemas de saúde mental (pelo conteúdo de postagens) seguida de "indicações discretas sobre como eles podem conseguir apoio"; Sinalização de quando as fotos

foram digitalmente manipuladas - por exemplo, marcas de roupa, celebridades e outras organizações publicitárias poderiam utilizar um pequeno ícone nas fotos alteradas digitalmente. Tom Madders, da organização de saúde mental YoungMinds, disse que as recomendações podem ajudar muitos jovens. "Aumentar a segurança nas redes sociais é um passo importante que pedimos para Instagram e outras redes tomarem", disse. "Mas também é importante reconhecer que simplesmente 'proteger' jovens de alguns conteúdos jamais será a solução total". Ele disse que os jovens precisam entender os riscos de como eles se comportam na internet e devem aprender como reagir a "conteúdos nocivos que escapam dos filtros". Michelle Napchan, chefe das políticas do Instagram, disse que "manter a solidariedade e segurança do Instagram como um local onde as pessoas se sintam à vontade para se expressar é a nossa maior prioridade - especialmente em relação aos jovens". "Todos os dias, pessoas em todas as partes do mundo usam o Instagram para compartilhar sua própria jornada de saúde mental e conseguir apoio no Instagram quando e onde eles precisarem". "É por isso que trabalhamos em parceria com especialistas para dar às pessoas as informações e ferramentas que elas precisam para usar o aplicativo, inclusive sobre como denunciar conteúdo, conseguir apoio para um amigo que lhes preocupa ou contatar diretamente um especialista para pedir conselhos sobre como lidar com um problema".


VIVER

43 6


lazer Por Gabriel Lorenzi /dicasdaflorida.com.br

Conheça as praias mais bonitas de Miami

VIVER

A cidade de Miami conta com inúmeras praias paradisíacas e cada uma tem algo diferente; é realmente difícil escolher a melhor praia de Miami. Tem praias de todos os tipos, para quem gosta de relaxar e curtir a natureza e também para quem gosta de diversão. Miami tem as melhores praias da Flórida e muitas pessoas se surpreendem com a beleza e a natureza que está presente em todas elas. Se você prefere algo mais tranquilo e gosta de natureza, vai gostar das praias de Key Biscayne, Crandon Park, Key West e Matheson Hammock Park. Se prefere praias mais movimentadas e turísticas, tem as praias de Miami Beach, Fort Lauderdale, Hollywood Beach e Boca Raton. Veja abaixo o que cada uma tem de melhor. E se você está planejando viajar para lá, não deixe de ver também a matéria de como economizar muito em Miami. São várias dicas que vão fazer você economizar MUITO mesmo na sua viagem. São dicas muito úteis para economizar nas praias, na hospedagem, nas refeições, nas compras, no aluguel de carro, no seguro viagem, nos passeios, nos parques, tem a dica para usar o celular à vontade lá que é ótima, comparadores de preços incríveis e tudo para você gastar muito menos na sua viagem, planejar uma viagem completa com tudo do bom e do melhor e poder gastar muito mais e aproveitar ao máximo por lá.

Praia de Hollywood Beach em Miami

Localizada ao norte de Miami, a 44 6

Praia Hollywood Beach é incrível. Com sua areia branca e a água calma e cristalina, ela tem um ambiente perfeito para relaxar e curtir a natureza. De todas as praias de Miami que visitamos, ela foi a que mais gostamos. É uma praia linda, com pouco movimento e um calçadão para fazer caminhadas e esportes. Sem falar que Hollywood Beach, de todas as praias na Flórida, é a preferida dos famosos. Não se surpreenda se esbarrar em alguma celebridade pelas ruas de Hollywood Beach. Se você está em Miami Beach, ela fica à uns 40 minutos de carro de lá, mais para o norte. Tem duchas por toda a praia, o que ajuda quem quiser passar o dia por lá.

Praia South Pointe Park em Miami Beach

O South Pointe Park Miami é um ótimo parque ao sul de Miami Beach, que foi construído recentemente e oferece uma estrutura para os turistas que é sensacional. Para quem quer conhecer a bela praia de Miami Beach sem aquela agitação toda e em um lugar com estrutura total, a dica é ir ao South Pointe Park, que aliás é um lugar que deve estar no roteiro de qualquer um. É só colocar no GPS o nome South Pointe Park e ir descendo a ilha de Miami Beach. O parque foi construído a pouco tempo, então além de ser novo, ele é pouco conhecido pelas pessoas e fica bem tranquilo durante o dia. E lá tem o comecinho da praia de Miami Beach que é sensacional. Uma praia limpa, com a agua calma e bem transparente. É uma das melhores praias de Miami para relaxar e dá até para

mergulhar e ver alguns peixes mais para o fundo. E o bom é que lá no South Pointe Park tem um banheiro, um restaurante bem gostoso com vista para o mar, uma lanchonete e vários chuveiros grandões que jogam água para cima para se refrescar, para as crianças brincarem e até para tomar uma ducha e tirar a areia do corpo.

Ilha de Key West na Flórida

A ilha de Key West, na Flórida, é sem dúvida alguma um dos lugares mais bonitos e impressionantes para se conhecer. Praias paradisíacas e paisagens impressionantes fazem parte dessa bela ilha. Ela pe bastante famosa por ser um dos principais destinos de férias com sombra, praia, água fresca e muita diversão nos Estados Unidos. O mais legal é a viagem até lá, que saindo de Miami dura cerca de 3 horas e meia, sendo que mais da metade da viagem é feita sobre enormes pontes suspensas sobre o mar que vão interligando todas as ilhas, até chegar na última que é Key West. Vale muito a pena passar um ou mais dias na região e conhecer as praias de Key West. Uma dica legal é que Key West, todas essas praias paradisíacas, shoppings, outlets, parques e pontos turísticos da Flórida são mais afastados, e para aproveitar muito mais sua viagem e poder conhecer todos esses lugares e fazer compras com tranquilidade a dica é não deixar de alugar um carro por lá. Se quiser, veja nossas dicas incríveis de como alugar um carro barato em Miami com tudo o que você precisa saber do assunto e como encontrar preços imbatíveis


usando comparadores de preços incríveis. É muito mais barato do que as pessoas pensam e vale muito a pena.

Praia Haulover Beach em Miami

A Haulover Beach em Miami é uma linda praia que tem quilômetros de extensão e em uma pequena parte ela funciona como a mais antiga opção de nudismo em Miami. Essa praia atrai pessoas de todos os gêneros e idades, incluindo residentes locais e turistas. Ir lá é uma experiência muito bacana e vale ressaltar que não é obrigatório ficar sem roupa, mesmo nessa área da praia. É legalizado para quem quer ir sem roupa, mas você pode ir conhecer Haulover Beach tranquilamente como se fosse uma outra praia qualquer. É umas das melhores praias de Miami e sem dúvida a mais divertida e diferente. Tem um trecho sem o nudismo

permitido, que é onde as famílias com crianças costumam ficar. Há várias plaquinhas que delimitam os espaços, e pode ficar sossegado porque as duas áreas, com e sem nudismo, são distantes.

Praia Matheson Hammock

O Matheson Hammock Park em Miami é um parque natural com uma praia incrível em forma de círculo, localizado em Miami, próximo de Coral Gables. É um lugar como nenhum outro já visto antes e diferente de todas as praias e parques que você já viu. O Matheson Hammock Park é formado por uma piscina natural com água do mar, que é renovada a cada maré. O melhor de tudo é que é um lugar que poucas pessoas conhecem e por isso é frequentado apenas por residentes e alguns turistas que descobrem o lugar. Sua forma diferenciada faz com que entre para a lista das melhores praias de Miami, mesmo não sendo

muito procurada pelos turistas.

Praias em Key Biscayne na Flórida

A ilha de Key Biscayne fica conectada à Miami através da Rickenbacker Causeway, que é uma estrada suspensa de 6 quilômetros, que passa por cima do mar. A ilha é cheia de praias lindas que vale a pena conhecer. A viagem para Key Biscayne se torna muito agradável pois a vista da estrada suspensa é realmente incrível. Um dos lugares mais procurados em Key Biscayne é o parque natural Bill Baggs, que tem uma natureza incrível e uma praia super bonita. É lá que fica o famoso Cape Flórida Lighthouse, que é um farol enorme que foi construído em 1825, e é considerado a construção mais antiga do sul da Flórida. Ela está entre as 10 praias mais bonitas de se conhecer em Miami.

VIVER

ANUNCIE NA VIVER MAGAZINE 770-953-4250 45 6


VARIEDADES

Quiksilver Men's Molokai Slab Lapu Sandals $12.99 macys.com Nike Men's Court Dry Tennis Polo $33.75 macys.com

Drive Steel Toe $120 harley-davidsonfootwear.com Calvin Klein Eternity for Men Summer Eau de Toilette $75 ulta.com

Men's Soccer Atlanta United Jersey $85 adidas.com

Giani Bernini Striped Straw Tote, Only at Macy's $69.75 macys.com

Barbie Summer Doll $4.99 jet.com Ethnic Summer Mini Dress With Sleeves $32.63 dresslily.com

Soft-Washed Crew-Neck Tee for Men $7.45 oldnavy.gap.com Boho Chic Fringe Orange Large Leather $150 .etsy.com

VIVER

Børn Bente Summer Sandals $98 garnethill.com

46 6


VIVER

47 6


VIVER

] Nos cinemas

CHURCHILL Estreia: dia 2 Gênero: Documentário Classificação: PG

DARK SIGNAL Estreia: dia 2 Gênero: Horror Classificação: R

LETTERS FROM BAGHDAD Estreia: dia 2 Gênero: Documentário Classificação: PG

PAST LIFE Estreia: dia 2 Gênero: Drama Classificação: PG-13

THE RECALL Estreia: dia 2 Gênero: Ficção Científica, Fantasia Classificação: R

WONDER WOMAN Estreia: dia 2 Gênero: Ação, Aventura, Ficção Científica Classificação: PG-13

I LOVE YOU BOTH Estreia: dia 9 Gênero: Comédia Classificação: PG-13

IT COMES AT NIGHT Estreia: dia 9 Gênero: Horror Classificação: R

MEGAN LEAVEY Estreia: dia 9 Gênero: Drama Classificação: PG-13

MY COUSIN RACHEL Estreia: dia 9 Gênero: Drama, Romance Classificação: R

THE MUMMY Estreia: dia 9 Gênero: Ação, Aventura, Ficção Científica Classificação: PG-13

THE HIPPOPOTAMUS Estreia: dia 15 Gênero: Comédia Classificação: PG

CARS 3 Estreia: dia 16 Gênero: Animação, Família Classificação: PG

PRAY FOR RAIN Estreia: dia 16 Gênero: Drama Classificação: PG-13

ONCE UPON A TIME IN VENICE Estreia: dia 16 Gênero: Ação, Comédia, Aventura Classificação: PG-13

TRANSFORMERS: THE LAST KNIGHT Estreia: dia 21 Gênero: Ação, Aventura Classificação: PG-13

48 6


Junho

Agenda 17

17

ATLANTA CYCLING FESTIVAL atlantacyclingfestival.com

ATLANTA SUMMER BEER FEST Historic Fourth Ward Park 680 Dallas St NE Atlanta, GA 30308 atlantasummerbeerfest.com

ATLANTA UNITED FC VS COLUMBUS CREW SC Bobby Dodd Stadium at Grant Field 142 North Ave Atlanta, GA 30332

18

24

25

FATHER'S DAY AT SIX FLAGS OVER GEORGIA Six Flags Over Georgia 7561 Six Flags Pkwy Austell, GA 30168

ATLANTA UNITED FC VS COLORADO RAPIDS Bobby Dodd Stadium at Grant Field 142 North Ave Atlanta, GA 30332

SHERYL CROW : BE MYSELF TOUR Chastain Park Amphitheatre 4469 Stella Drive Atlanta, GA 30327

Até 28/09

De 29/5 a 23/06

De 12 a 16

COCKTAILS IN THE GARDEN Atlanta Botanical Garden 1345 Piedmont Ave NE Atlanta, GA 30309

ROBOT REVOLUTION: DESIGN-BUILD CHALLENGES College of Design 245 4th Street Northwest Atlanta, GA 30313

MAKING WITH WEDOS, LITTLEBITS AND LEGOS First Presbyterian Preschool 1328 Peachtree St NE Atlanta, GA 30309

17

17

28

GIPSY KINGS Chastain Park Amphitheatre 4469 Stella Drive Atlanta, GA 30327

ICE AGE FEST Fernbank Museum of Natural History 767 Clifton Rd NE Atlanta, GA 30307

FROG FEEDING Atlanta Botanical Garden 1345 Piedmont Ave NE Atlanta, GA 30309 www.atlantabg.org

VIVER

10 a 17

49 6


50 6

VIVER


VIVER

51 6


6

VIVER

Viver Magazine June 2017  

The most popular Magazine among the Brazilian Community living in Atlanta, Georgia, United States.

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you