Page 1

VIVER

1


VIVER

2


Janeiro, 2018

Conteúdo

vivermagazine.com

48 Cinema

49 Agenda

12 NOVO APARELHO QUE ALIVIA AS DORES MENSTRUAIS Chama-se Livia, é pequena, portátil, pode usar-se debaixo da roupa e os efeitos começam a sentir-se ao fim de dez minutos.

08 14

EXERCÍCIOS

O QUE ESTÁ POR TRÁS DA POLÊMICA DECISÃO DE TRUMP SOBRE JERUSALÉM Donald Trump prometeu em campanha e cumpriu: Jerusalém foi reconhecida pelos Estados Unidos como a capital de Israel. A decisão, anunciada nesta quarta-feira, provocou reações críticas de líderes políticos e religiosos de todo o mundo - do Papa Francisco ao governo chinês.

18

PAUSAS DE 20 MINUTOS PARA QUEM ESTÁ MUITO TEMPO FRENTE AOS MONITORES

22

C-HR MAIS RÁPIDO QUE UM MCLAREN 650S SPYDER VIVER

28

TECNOLOGIA

20

VIAGENS

3


Às vezes me pego pensando no tempo, tentando encontrar alguma estratégia para trabalhar com ele. Planejamos o futuro durante a vida inteira, mas por falta de tempo quase tudo acaba ficando pelo caminho. Olha a gente aqui já em 2018, mais uma vez desejamos uns aos outros o melhor desse mundo. Quem dera se fossemos todos uma espécie de Gênios ou de Fadas para conceder e realizar esses desejos, mas a verdade é que como seres humanos somos muito impotentes, não podemos garantir se quer o minuto seguinte das nossas próprias vidas, que dirá o futuro de outras pessoas. Talvez aí, neste ponto esteja o verdadeiro desejo e a vontade suprema de Deus. Ao olhar para nós, com a certeza de que não somos NADA sem Ele, não podemos NADA sem Ele. Talvez o que ele espera de nós, seja esta consciência, sem nenhum sentimento de rancor ou revolta. Quando nos entregamos de coração aberto à esta verdade e declaramos que nada somos, nem podemos sem que o criador permita. “Acho”, que neste momento, acontece a mágica, o girar da chave que abre a porta que existe entre aquele que entrega o coração rendido e aquele que recebe com o amor soberano de um Pai generoso e justo. Eu me emociono ao olhar a minha volta e ver tantas pessoas que quero bem, família, amigos, clientes e leitores tão queridos. Ahhh como eu gostaria de ter o poder de fazer chover uma chuva de bênçãos, de saúde, de paz, de prosperidade e de vitórias maravilhosas sobre elas neste 2018. Mas na minha mais sincera

humildade, rendida e consciente da minha insignificância diante do futuro, eu simplesmente abaixo o meu rosto até o chão, de joelhos dobrados, completamente despida de vaidade ou pudor, coloco todas estas pessoas diante do ÚNICO que pode mudar o rumo das coisas, daquele que faz o impossível acontecer, do Deus que pode fazer chover um verdadeiro temporal de bênçãos na vida deles e peço isso, com o meu coração cheio de fé e sinceridade que Ele olhe pelo meu povo, cuide dos meus amigos, da minha família, dos nossos leitores, e dos nossos clientes. Peço a Deus que a nossa comunidade seja mais forte, mais unida. Que os imigrantes que estão aqui a 10,15, 20 anos lutando, tentando conquistar um lugar ao sol, enfim tenham noites inteiras de sono tranquilo e a certeza de que serão tratados e considerados cidadãos dignos de respeito e atenção. Abençoe meu Deus, a nossa Nação, proteja o nosso Presidente, o Sr. Donald Trump, que ele seja sábio e generoso, que seja guiado pela vontade do Espírito Santo de Deus, que os Estados Unidos continuem sendo o lugar onde os sonhos se realizam, principalmente para os que chegam carregando a bandeira da Paz, da vontade de trabalhar honestamente, comprometidos em fazer parte e cuidar com amor deste País maravilhoso. E que as pessoas aprendam a respeitar ainda mais esta terra, que é claramente, abençoada por Deus. Eu compartilhei com você, uma boa parte de tudo o que eu desejo para 2018, agora faça o mesmo, ore pelas pessoas que te rodeiam, ore inclusive pelos seus inimigos e deseje a todos, do fundo do seu coração um Feliz Ano Novo! Até a próxima,

Dilla Campos Publicadora Viver Magazine

vivermagazine © Viver Magazine - Todos os direitos reservados.

VIVER

4

EDIÇÃO e PUBLICAÇÃO Dilla Campos vivermagazine@gmail.com DIREÇÃO DE ARTE / PROJETO GRÁFICO Saulo Oliveira S2dm.com contact@s2dm.com COLUNISTAS Dilla Campos Maitê Hammound (Psicóloga) Tracie Kincle (Advogada) Fernanda Hottle (Advogada) Daniel Ortiz (Advogado) REVISÃO Eliania Bento COLABORADORES Kamilla Oliveira Alex Campos Consulado Geral do Brasil em Atlanta Cesar Restrepo (Empreendedores Latinos) FOTOGRAFIA Dilla Campos Indy Zanardo Alcides Notaro Juliana Frary PARA ANUNCIAR 770.953.4250 vivermagazine@gmail.com www.vivermagazine.com DISTRIBUIÇÃO All Metro Atlanta Area GDL Distribution & Logistics, LLC Phone: (678) 887-2391 (Joanita Bonilla) A Viver Magazine é uma publicação independente com a finalidade de informar a comunidade brasileira e divulgar produtos e serviços que sejam de interesse dessa comunidade. As informações aqui veiculadas são resultado da demanda de nossos leitores e variam de acordo com a atualidade, podendo ser alteradas sem aviso prévio. Esta é uma publicação aberta a participação de leitores e da comunidade brasileira em geral, na qual encorajamos e agradecemos. A publicação de conteúdo e fotografias enviadas para a redação está sujeita a aprovação e disponibilidade de espaço e não é prometida ou garantida. Os anúncios aqui contidos, bem como seus conteúdos são de responsabilidade de cada anunciante. A diversificação e conteúdo dos artigos são de responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião desta publicação. Todo e qualquer conteúdo e anúncio aqui contidos são de propriedade da Viver Magazine e não devem ser reproduzidos total ou parcialmente. A versão impressa desta publicação é gratuita, assim como nossa versão online. Outros veículos de comunicação online na qual fazemos parte estão à disposição de nossos anunciantes e da comunidade em geral no Facebook e em nosso portal: www.vivermagazine.com. É proibida qualquer reprodução impressa ou digital, cópia do conteúdo, matérias, anúncios ou elementos visuais, bem como do projeto gráfico apresentados na Viver Magazine com base na LEI DE DIREITOS AUTORAIS Nº 9.610, DE 19 DE FEVEREIRO DE 1998, com respaldo internacional.


VIVER

5


VIVER

6


VIVER

7


//EXERCÍCIOS

Os melhores cinco exercícios para o corpo e a mente segundo Harvard. E nenhum é correr Correr faz bem ao corpo e à mente, contudo, investigadores da Universidade de Harvard dizem haver cinco exercícios melhores para manter a forma do corpo e da mente.

S

erá que correr é a melhor maneira de ficar em forma? Muitos creem que sim, mas alguns investigadores da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos da América, dizem que há atividades físicas muito melhores para perder peso, aumentar a massa muscular, proteger o coração e o cérebro e fortalecer os ossos. Correr ajuda a acalmar e pode ser uma boa forma para nos mantermos ativos, mas I-Min Lee, professora de Medicina e Epidemiologia da Faculdade de Medicina de Harvard, afirma que correr longas distâncias não faz bem às articulações nem ao sistema digestivo. A professora apresenta, assim, cinco exercícios que

reúnem um conjunto de benefícios para a saúde melhores que a corrida.

Tai chi - Relaxar e melhorar espiritualmente

q

Esta é uma arte marcial chinesa onde se aprende um conjunto de movimentos lentos, sequenciais, rítmicos e fluidos. A ideia é criar uma espécie de meditação em movimento, durante a qual a respiração é um dos elementos cruciais. O objetivo desta atividade é o desenvolvimento físico e psicológico, mas também espiritual. No fundo, é um exercício de desenvolvimento pessoal e de autodescoberta através da compreensão das dificuldades de cada um durante a sua realização. VIVER

8

Para praticar Tai chi é necessário estar descontraído e relaxado para que a energia circule de forma correta; o ideal é mesmo treinar, treinar, treinar para conseguir encontrar um equilíbrio.

"É especialmente bom para os mais velhos, pois o equilíbrio é um componente importante da condição física e algo que perdermos com o avançar da idade”, diz Lee."


VIVER

9


Caminhar Melhorar o sistema cardiovascular e fortalecer os músculos

w

Já todos sabemos que caminhar durante pelo menos 30 minutos diariamente faz bem à saúde. Pois bem, os investigadores de Harvard vêm reforçar essa ideia. É bom para todos e faz bem a todos, mas principalmente pessoas que sofrem depressão, pois esta é uma atividade que pode reduzir significativamente os níveis da doença.

"É uma atividade que melhora o sistema cardiovascular, pode ajudar a fortalecer os membros inferiores nas pessoas mais velhas e naquelas que estão em piores condições físicas”, afirma Ángel Merchán."

exercícios de Kegel ajudam a prevenir a incontinência urinária e a disfunção erétil, para além de melhorarem a vida sexual. O exercício consiste em comprimir os músculos que utilizamos para segurar a urina ou os gases, durante dois ou três segundos, para depois relaxar novamente. Atenção que não convém fazer muitas repetições porque podem provocar precisamente o resultado contrário, ou seja o enfraquecimento desses músculos.

"A realização de uma quantidade excessiva desses exercícios pode levar a um enfraquecimento dos músculos da região pélvica e provocar uma nova redução da capacidade de controlar a bexiga”, alerta Marta Rosado."

Natação Combater a depressão, a elevar o ânimo e a diminuir o stress

r "Diminui os níveis de colesterol, é essencial para diabéticos, reforça o sistema imunológico, melhora a circulação e oxigena o corpo”, diz a personal trainer, Marta Rosado."

Exercícios de Kegel Ajudar a fortalecer a região pélvica

e

Nunca ouviu falar? São exercícios que ajudam a fortalecer a região pélvica, ou seja aquela que inclui o útero, a bexiga, o intestino delgado e o reto. E engana-se se pensa que é só para mulheres: estes exercícios são aconselhados para ambos os sexos. À medida que envelhecemos essa zona fica mais fragilizada e os

O “exercício perfeito” para os investigadores de Harvard: trabalha todos os músculos, eleva a frequência cardíaca, melhora a saúde do coração, protege o cérebro e faz bem às costas. Nadar todos os dias entre 30 e 45 minutos é uma atividade que ajuda a combater a depressão, a elevar o ânimo e a diminuir o stress.

"A natação deve ser combinada com um trabalho de força – com pesos, por exemplo – e de impacto (corrida, por exemplo), adaptados a cada pessoa”, diz Ángel Merchán, diretor da Homewellness."

VIVER

10

Para além de retardar o envelhecimento e fortalecer os músculos das pernas, é um exercício que se pode praticar na praia ao ar livre, o que aumenta ainda mais os seus benefícios.

Treino de força Aumentar a força muscular e prevenir lesões

t

Este treino consiste numa série de exercícios feitos lentamente e de forma controlada e na repetição dos mesmos – as repetições devem ser adaptadas à condição física de cada pessoa. É uma atividade que permite a perda elevada de calorias, aumenta a força muscular, previne lesões e ativa o metabolismo.

"Todos devem fazê-lo [treino de força], obviamente de forma adaptada: na terceira idade, ele ajuda no combate a vários problemas comuns, como as dores nas costas e nos joelhos, osteoporose e sobrepeso”, diz Ángel Merchán."

Segundo Marta Rosado, é importante para manter o peso e proteger os músculos, para além de que melhora a mecânica do corpo e aumenta os níveis de energia. O ideal é praticar não apenas um destes exercícios, mas sim conjugálos, de forma a obter melhores resultados, pois segundo Ángel Merchán o treino perfeito não se pode basear apenas numa modalidade, é preciso incluir diversas práticas.


VIVER

11


//BEM-ESTAR

Novo aparelho que alivia as dores menstruais Chama-se Livia, é pequena, portátil, pode usar-se debaixo da roupa e os efeitos começam a sentir-se ao fim de dez minutos. Parece uma explicação bizarra (isto de confundir o cérebro) mas é, afinal, bastante simples, não tem efeitos colaterais e os impulsos Livia travam imediatamente a dor.

É seguro usar esta máquina todos os dias da menstruação e todos os meses?

A

promessa parecia bastante promissora: uma máquina livre de quaisquer medicamentos que atua no tratamento das dores menstruais através da eletroestimulação e que todas as mulheres podem ter em casa, transportar consigo e usar debaixo da roupa de forma discreta. Tão simples quanto isso. Parece demasiado bom para ser verdade, certo? Estima-se que oito em cada dez mulheres sofre de dores menstruais e duas em cada dez considera-as mesmo insuportáveis. Se faz parte desta percentagem, saiba que esta maquina — tem um nome, chamase Livia — foi testada por uma

instituição médica independente em 163 mulheres que sofrem de dores menstruais intensas. O resultado? No total, 80% das mulheres afirmou que a Livia lhes diminuiu significativamente ou eliminou totalmente a necessidade de usar medicamentos para aliviar as dores. Mas como é que isto funciona, afinal? A Livia utiliza dois elétrodos (uma espécie de patches que se coloca na pele) que transmitem impulsos elétricos na zona abdominal. Estes impulsos gerados têm uma característica muito específica que mantém os nervos “ocupados”, ou seja, impedem que os sinais de dor sejam transmitidos ao cérebro. VIVER

12

É mais do que seguro. A Livia cumpre com os requisitos ambientais, de desempenho, segurança e saúde e possui aprovação da CE-Mark (cumpre com as leis de segurança europeia no que toca à saúde) e da FDA (Food and Drug Administration). Estas aprovações são o resultado de testes exaustivos realizados por laboratórios independentes e que demonstram que este equipamento está em conformidade com os requisitos essenciais para ser usado pelo ser humano. Usar a Livia não afeta a fertilidade, não intervém com o ciclo menstrual ou com o equilíbrio hormonal e pode ser usado por raparigas a partir dos 16 anos. As únicas limitações ao uso da Livia são em mulheres com pacemaker cardíacos ou em tratamentos de fertilidade.

Como usar a Livia?

Apenas tem de colocar os elétrodos onde sente dor e pressionar o botão. Pode ainda ajustar a intensidade do impulso elétrico tendo em conta o nível de dor. Mais informações no website: www.sensingforyou.com


VIVER

13


//OPINIÃO

O que está por trás da polêmica decisão de Trump sobre Jerusalém Donald Trump prometeu em campanha e cumpriu: Jerusalém foi reconhecida pelos Estados Unidos como a capital de Israel. A decisão, anunciada nesta quarta-feira, provocou reações críticas de líderes políticos e religiosos de todo o mundo - do Papa Francisco ao governo chinês.

O

temor generalizado é que a medida dificulte - e até inviabilize - os históricos esforços de negociação de paz entre Israel e Palestina. Mas especialistas ouvidos pela BBC Brasil acreditam que Trump não levou em conta esse conturbado cenário regional ao tomar a decisão. O que estaria em jogo seriam assuntos domésticos dos próprios EUA. Especialmente a tentativa do presidente americano de agradar suas bases eleitorais. A mais importante delas é a dos evangélicos conservadores, que advogava pelo reconhecimento de Jerusalém como a capital de Israel.

"Trump foi movido por uma pressão da direita evangélica republicana. Não tem nada a ver com aproximar Israel e Palestina de um acordo. Pelo contrário, essa decisão só os separa ainda mais", afirma J.J. Goldberg, editor da Forward, revista americana voltada para a comunidade judaica.

Evangélicos O papel dos evangélicos na política internacional americana a respeito de Israel é cada vez maior, explica Kenneth Wald, professor de ciência política da Universidade da Flórida. O grupo teria começado a ter relevância política nos anos 1980, e hoje já representaria uma das maiores e mais VIVER

14

leais bases do Partido Republicano. "Qualquer presidente quer manter sua base contente. Mas precisa estar atento às consequências. Por isso, os antecessores de Trump, inclusive os que eram comprometidos com Israel, viram essa medida como imprudente", continua Wald. A influência dos evangélicos na decisão de Trump teria sido maior até que a dos judeus americanos. Primeiro, porque Trump não tem uma boa interlocução com a comunidade judaica nos Estados Unidos. Segundo, porque os judeus representam um grupo muito menor na sociedade americana que os evangélicos. E terceiro, porque apenas os judeus ortodoxos estariam interessados na solução adotada por Trump. Os judeus mais ao centro e à esquerda prefeririam uma solução negociada. "A decisão de Trump também não tem a ver com a comunidade judaica, que é majoritariamente liberal", diz Goldberg.

'Política por impulso?' Já Michael Barnett, professor de assuntos internacionais da Universidade George Washington, discorda que os evangélicos tenham sido tão relevantes na decisão de Trump. Para ele, é difícil encontrar uma explicação razoável. "Não faz sentido fazer isso. Parece ser uma política dirigida por impulso. Trump decide ignorar as recomendações e fazer o que tem na cabeça. Não há uma estratégia internacional." Contribui para essa visão o fato de


VIVER

15


que o reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel, e a futura transferência da embaixada dos EUA, foram apresentados como medidas isoladas. Parecem não fazer parte de uma estratégia política mais ampla. Se por um lado o anúncio do presidente foi uma surpresa para o mundo, por outro não destoa de outras das suas polêmicas posturas internacionais, como a saída dos EUA do Acordo de Paris sobre Mudanças Climáticas, o rompimento da Parceria Transpacífico e até as ameaças públicas a Kim Jong-un, da Coreia do Norte.

"Trump mostra nenhum interesse em considerar qualquer tipo de opinião mundial", avalia Goldberg.

A decisão de Trump vai na mesma direção de uma medida aprovada em 1995 pelo Congresso dos Estados Unidos, prevendo a transferência da Embaixada americana em Israel para Jerusalém. No entanto, isso nunca havia sido posto em prática, porque era necessária aprovação da Presidência dos Estados Unidos. Desde então, em todos os semestres, o ato do Congresso foi encaminhado aos presidentes americanos, mas a praxe sempre foi renunciar a mudança. Apesar de parecer contraditório, foi o que o próprio Trump fez - o replubicano também assinou a renúncia, para que haja tempo de iniciar a transferência da embaixada. A decisão de Trump vai na mesma direção de uma medida aprovada em 1995 pelo Congresso dos Estados Unidos, prevendo a transferência da Embaixada americana em Israel para Jerusalém. No entanto, isso nunca havia sido posto em prática, porque era necessária aprovação da

Presidência dos Estados Unidos. Desde então, em todos os semestres, o ato do Congresso foi encaminhado aos presidentes americanos, mas a praxe sempre foi renunciar a mudança. Apesar de parecer contraditório, foi o que o próprio Trump fez - o replubicano também assinou a renúncia, para que haja tempo de iniciar a transferência da embaixada.

Por que evangélicos querem Jerusalém como capital de Israel? Nos Estados Unidos, as razões para o apoio dos evangélicos ao reconhecimento de Jerusalém como capital são principalmente religiosas." Há muita diversidade no mundo evangélico, mas há uma ideia comum de que o destino de Israel é importante para o futuro religioso dos evangélicos", afirma Wald. Alguns acreditam que, por razões bíblicas, Israel é o lugar destinado a agregar os judeus. Outros creem que o messias pode retornar para Jerusalém, vista como a Terra Sagrada e, para isso, é importante que ela esteja nas mãos de Israel, e não dos muçulmanos. Assim, há uma espécie de ponte entre a história de Israel bíblico e a do Estado moderno de Israel. Mas nem todos os evangélicos americanos compartilham dessa visão. "Muitos evangélicos, como eu, não gostam do romance recente entre a igreja e a política republicana, e se preocupam com a mudança da embaixada americana. Para nós, a construção da paz e a busca de Justiça são grandes virtudes", escreveu o professor de estudos bíblicos Gary M. Burge, em artigo para a revista The Atlantic.

Quais as consequências para israelenses e palestinos? O representante dos palestinos no Reino Unido, Manuel Hassassian, disse à BBC que a medida será o "beijo VIVER

16

da morte" nas negociações de paz baseadas no reconhecimento de dois Estados. "Ele está declarando guerra no Oriente Médio contra 1,5 bilhão de muçulmanos e centenas de milhões de cristãos que não irão aceitar que os santuários sagrados estejam totalmente sob a hegemonia de Israel", disse Hassassian. Acadêmicos também estão em alerta. "Os riscos são inacreditáveis. Quem pensava que poderia haver uma solução negociada entre Israel e Palestina, que levasse à coexistência de dois Estados, não pensa mais nisso. O que sobra para os palestinos? Não sobra muito. Vão sentir que os EUA já determinaram o futuro de Jerusalém", diz Barnett, da Universidade George Washington. "Por isso, pode ser um ponto de inflexão na política palestina. Pode espalhar-se uma Terceira Intifada (insurreição de palestinos contra Israel). Além disso, uma medida como essa deixa os oponentes dos Estados Unidos mais dispostos a enfrentar riscos. Essa é a ferramenta de recrutamento (de militantes) que al-Qaeda, o autodenominado Estado Islâmico e Hezbollah adorariam usar", completa Barnett. Há ainda quem tenha uma visão mais moderada e acredite que a medida de Trump possa facilitar as negociações entre Israel e os líderes palestinos. É o caso de Jonathan Sarna, professor de história judaica americana na Universidade de Brandeis, Massachusetts. "Muitas pessoas no mundo muçulmano acreditavam que o tempo estava ao lado deles. Por isso, não queriam sentar à mesa de negociação. Mas agora a situação se inverte. É a hora de negociarem com Israel", afirma. Sarna não acredita no surgimento de um conflito, porque, na sua visão, Israel tem forças "capazes de conter a violência árabe".


VIVER

17


//SAÚDE

Pausas de 20 minutos para quem está muito tempo frente aos monitores Evitar estímulos de computadores, tablets e telemóveis entre meia a uma hora antes de deitar é um dos conselhos dados, uma vez que a luz dos monitores provoca um sono irrequieto.

R

egular o ar condicionado e fazer pausas a cada 20 minutos, olhando para longe, são algumas recomendações dos especialistas para compensar as excessivas horas frente ao computador, que apesar de não trazerem lesões permanentes provocam alterações e queixas. O especialista reconhece que “cada vez mais as pessoas usam computadores, tablets ou smartphones e, por isso, estão cada vez mais expostas a um esforço de visão para perto, que exige mais atenção, com o olho mais aberto e que piscam menos, ficando por isso mais deixando os olhos secos”. O uso dos computadores ou tablets “não traz lesões irreversíveis”, mas apenas “lesões pontuais”, que dão queixas e podem ser compensadas

com medidas preventivas. O responsável coordenou um estudo numa empresa de teleperformance, que analisou cerca de 80 funcionários. Segundo explicou, a investigação concluiu que os trabalhadores que tomavam medidas preventivas como as pausas a cada 20 minutos, "Uma das medidas é seguir a regra dos 20-20-20, ou seja, parar a cada 20 minutos durante 20 segundos e olhar para uma distância de 20 pés, que é cerca de seis metros”, explicou à Lusa Fernando Vaz, responsável pelo grupo de ergoftalmologia da Sociedade Portuguesa de Oftalmologia (SPO)."

VIVER

18

o lubrificar do olho com lágrima extra, o cuidado com o regular do ar condicionado, tentando manter alguma humidade, conseguiam facilmente recuperar das lesões provocadas pela longa exposição ao ecrã (mais de duas horas). O estudo concluiu que “é preciso que se esteja muito tempo ao computador, mais de duas horas, para ter repercussão e que, se cumprimos algumas regras, atenuamos as queixas e podemos usar o computador com uma melhor performance”, explicou Fernando Vaz, sublinhando: “as alterações provocadas são reversíveis, não ficam connosco sempre, mas assim que voltamos às mesmas condições voltam a aparecer as mesmas queixas”. “Não há baixa de visão, nem lesões permanentes.


VIVER

19


Há apenas lesões pontuais enquanto estamos a usar computador por longos períodos, mas que se conseguem controlar com algumas medidas preventivas”, acrescentou. O especialista explica que “o olho está preparado para ver ao longe” e recomenda aos pais que regrem o uso dos equipamentos eletrónicos aos filhos, insistindo nas pausas a cada 20 minutos, “para olhar para longe e dessa forma relaxar os músculos usados na visão de perto e estimular os outros”. Além destas pausas, e dos conselhos para afastar os ecrãs o mais possível, Fernando Vaz frisa a importância de usar a opção ‘nightshift’ (redução de luminosidade) nos equipamentos, sobretudo a partir de determinada hora (final do dia). “Esta opção diminui a quantidade de luz azul emitida. É que um certo comprimento de onda de luz azul pode chegar à retina e causar potenciais alterações na retina e um aumento da prevalência de uma doença de degenerescência relacionada

normalmente com a idade”, explica. Além disso, esta luz “dá uma mensagem errada à glândula que regula o estado dia/noite no organismo e diz-lhe que é de dia, logo, o cérebro liberta certas substâncias e mantém-nos acordados”, dificultando o adormecer e fazendo com que se tenha um sono mais irrequieto. Por isso, Fernando Vaz defende que se devem evitar estes estímulos entre meia a uma hora antes de deitar. Mas se a exposição excessiva aos ecrãs não provoca lesões permanentes, o mesmo não acontece com o glaucoma, uma doença que se estima que afete 150 mil pessoas em Portugal, mas que ainda assim está subdiagnosticada. O presidente da Sociedade Portuguesa de Oftalmologia, Monteiro Grillo, insiste na importância da prevenção, uma vez que o glaucoma é um inimigo silencioso da visão, pois na maior parte dos casos não dá sintomas. “A pessoa deve ir ao oftalmologista. Antigamente é que havia menos acesso, sobretudo nas

VIVER

20

"Fazer pausas não é para sair do site. Basta desviar o olhar, olhando para longe, pois vamos relaxar o olho e, ao pestanejar mais, também lubrificamos mais”, acrescenta o especialista, para quem o número de horas máximo de uso para os mais novos não deveria exceder as duas horas/dia."

pessoas do interior do país. Hoje é importante lembrar que uma ida ao oftalmologista pode prevenir o aparecimento de lesões irreversíveis”, defende. “A prevalência do glaucoma é maior a partir dos 40 anos e é fundamental a pessoa prevenir, (…) sobretudo se na família existe glaucoma”, avisa. Monteiro Grillo sublinha que “não se sabe quantos casos de glaucoma estão ignorados” e lembra que, sem prevenção, “muitas dessas pessoas poderão ter problemas complicados de resolver no futuro”.


VIVER

21


//VEÍCULOS

C-HR

mais rápido que um McLaren 650S Spyder A Toyota quis levar mais além o desafio da velocidade. Apresenta agora um novo desportivo, com base no SUV C-HR. Capaz, diz, de bater o McLaren 650S Spyder, o Porsche 911 GT3 e o Nissan GT-R Nismo.

P

ara conseguir este feito, a marca nipónica teve de efectuar várias alterações. A começar pelo propulsor, que recebeu um sistema de turbos Garret específico, além de uma caixa de velocidades desportiva de apenas cinco relações e um diferencial. Mas porque a intenção dos responsáveis da Toyota não era que este C-HR fosse rápido apenas em linha recta, também o chassi foi alvo de melhoramentos, tendo sido

evoluído para uma utilização em circuito. O sistema de travagem de fábrica também foi trocado por uma solução Brembo de competição e os pneus de origem deram lugar a slicks de pista. No domínio da aerodinâmica, e conforme as fotos bem documentam, o modelo recebeu uma série de soluções, das quais se destaca a introdução de uma enorme asa traseira. Ao mesmo tempo que, para aliviar o peso, no habitáculo foram retirados alguns dos equipamentos que tradicionalmente vêm de série nas versões à venda nos concessionários. Concretizadas todas estas modificações, a Toyota garante que este C-HR muito especial conseguiu ser mais rápido, nos testes já realizados no circuito norte-americano de Willow Springs, que um McLaren 650S Spyder, um Porsche 911 GT3 e que um Nissan GT-R Nismo. Feito que, no entanto, não impede a marca nipónica de ambicionar mais, prometendo desde já continuar a desenvolver este protótipo, submetendo-o a novos testes. Até como forma de dar corpo à ambição de não fazer um protótipo VIVER

22

apenas de exposição, mas também um veículo capaz de proporcionar um enorme divertimento na condução, além de com uma mais ampla faixa de utilização. Mas se este C-HR em concreto dificilmente conhecerá, um dia, uma versão de produção, corre por aí que a Toyota prepara já uma outra variante, mais potente deste seu crossover compacto. Resta saber para quando.


VIVER

23


VIVER

24


VIVER

25


VIVER

26


VIVER

27


//TECNOLOGIA

A Apple está ficando mais descuidada com seus produtos? Algo que a gente não vê todo dia: nesta quarta-feira, a Apple apressou-se em liberar uma correção para uma grande falha de segurança no seu sistema operacional Mac.

A

brecha no MacOS High Sierra permitia a invasores entrar nos computadores sem senha - bastava usar a palavra "root" como nome de usuário, deixar em branco o campo da senha e apertar enter diversas vezes. O deslize, considerado vergonhoso, não é algo a que os usuários da Apple estejam habituados, já que os produtos da empresa são em geral vistos como mais confiáveis e seguros do que os de seus concorrentes. A Apple admitiu o "tropeço" no lançamento do MacOS High Sierra. "Lamentamos imensamente o erro e pedimos desculpas a todos os usuários de Mac, tanto pelo

lançamento (do sistema operacional) com essa vulnerabilidade quanto pela preocupação que isso causou", diz o comunicado da empresa. "Nossos consumidores merecem mais do que isso. Estamos auditando nossos processos de desenvolvimento para ajudar a prevenir que esse problema se repita." Mas o bug com a palavra "root" não é um caso isolado. No mês passado, a Apple teve de publicar uma correção para outro problema relacionado às senhas no High Sierra. Alguns usuários descobriram que, ao pedir ao software que desse uma dica sobre a senha, ele simplesmente VIVER

28

divulgava a senha completa. Houve falhas também com o iOS, o software de iPhones e iPads. No início do mês, usuários do iPhone se irritaram com um bug presente em uma atualização que fazia com que a letra "i" fosse, sem nenhuma explicação, substituída por um "a" maiúsculo e um ponto de interrogação. De novo, a Apple rapidamente corrigiu a falha. Mas a soma de problemas levantaram discussões quanto a se a empresa estaria baixando seus padrões de qualidade. "A Apple está escorregando na qualidade de execução", opina Neil Mawston, da consultoria Strategy


VIVER

29


Analytics. Ele acredita que a empresa está mais suscetível a falhas técnicas e que isso coloca em risco sua reputação de produtora de alta qualidade e confiabilidade.

Recompensas

A opinião é compartilhada por Alan Woodward, especialista em ciber-segurança e professor da Universidade de Surrey. "Certamente há uma percepção crescente de que talvez o controle de qualidade (da Apple) não esteja como deveria", diz ele. "Eu sou usuário da Apple por causa do nível de criptografia e da atenção que eles dão aos aplicativos em sua 'app store'. Antes não havia esse tipo de bug (visto atualmente)." Ele também destaca a mudança de patamar da empresa - que passou de um mercado de nicho focado sobretudo em especialistas em

informática para uma gigante global. Esse crescimento faz da empresa um alvo cada vez mais frequente de hackers, que costumam buscar falhas nos sistemas mais populares, justamente onde há mais oportunidades de encontrar vulnerabilidades nos dados de usuários. Mas é possível que esse crescimento em popularidade tenha mudado a percepção das pessoas quanto aos bugs dos softwares da Apple, opina Ian Fogg, da empresa de pesquisa IHS Technology. A Apple prevê a distribuição de 88 milhões de iPhones neste trimestre, além de milhões de outras unidades de iPads e Macs, explica o especialista. "Nessa escala, mesmo que um problema que afete um pequeno percentual de pessoas, é muita gente em números absolutos - é essa a questão enfrentada pela Apple", explica. A empresa ainda deve ser vista como uma fornecedora de produtos de alta qualidade, diz ele, agregando que há, também, relatos constantes de falhas de segurança em produtos do Google e da Microsoft. Fogg diz que correções em aparelhos iPhone costumam ser mais ágeis do que as de telefones Android - segundo ele, porque é mais complexo para o Google fazer updates em massa por conta da ampla variedade de versões desse sistema operacional.

VIVER

30

E os aparelhos feitos pelo próprio Google acabam tendo prioridade nas atualizações de segurança mais importantes. Fogg agrega que o bug do iPhone que transformava "i" em "A?" é particularmente curioso porque a falha parece resultar do uso (equivocado) de inteligência artificial em um corretor ortográfico. É o lado negativo do uso de algoritmos, cada vez mais comum no desenvolvimento de softwares por acelerar sua produção, explica Fogg. "Fica cada vez mais difícil para as empresas saber que (o processo automatizado) funcionará bem à medida que aprender (com as informações que captar)", agrega. A Apple, por sua vez, afirmou, no comunicado sobre a falha do High Sierra, que "a segurança está no topo das prioridades em cada produto" da empresa. Mas, para Ben Wood, da consultoria CCS Insight, as aparências importam e a empresa provavelmente tentará dissipar quaisquer sinais de que seu controle de qualidade tenha caído. "A Apple construiu seu negócio sobre uma reputação de produtos de alta qualidade e facilidade no uso, com bom serviço ao consumidor", diz Wood. "(Essa percepção) será afetada pelos problemas recentes e (a empresa) está, sem dúvida, movendo montanhas para corrigir o bug do High Sierra - sobretudo para garantir a segurança do MacOS aos usuários."


VIVER

31


VIVER

32


VIVER

33


VIVER

34


VIVER

35


VIVER

36


VIVER

37


//MEIO AMBIENTE

Como a poluição por plástico ameaça a vida na Terra A vida marinha corre o risco de sofrer danos irreparáveis em decorrência de milhões de toneladas de resíduos de plástico que vão parar no mar todos os anos.

Por que o plástico é problemático? O plástico da forma que conhecemos existe há cerca de 70 anos. E, desde então, o uso desse material tem transformado muitas áreas - da confecção de roupas à culinária, passando pela engenharia, design e até o comércio varejista. Uma das grandes vantagens de muitos tipos de plástico é o fato de que são projetados para durar mais por muitos e muitos anos.

Praticamente todo plástico já produzido continua existindo, mesmo que não esteja em seu formato original. Em artigo publicado na revista acadêmica Science Advances, em julho, o pesquisador Roland Geyer, da Universidade da Califórnia em Santa Bárbara, estima em 8,3 bilhões de toneladas a quantidade de plástico já produzida no mundo. Desse total, cerca de 6,3 bilhões de toneladas são classificadas como resíduos - e 79% estariam em aterros VIVER

38

ou na natureza. Ou seja, pouco material é reciclado ou reaproveitado. A grande quantidade de resíduos de plástico é resultado do estilo de vida moderno, em que o plástico é usado como matéria-prima para diversos itens descartáveis ou "de uso único", como garrafas de bebida, fraldas, cotonetes e talheres.

4 bilhões de garrafas de plástico

Garrafas de bebida são um dos tipos mais comuns de resíduos de plástico.


VIVER

39


Estima-se que 480 bilhões de garrafas tenham sido vendidas em todo o mundo até 2016 - o que representa 1 milhão de garrafas por minuto. Somente a Coca-Cola foi responsável por produzir 110 bilhões de garrafas de plástico. Alguns países têm discutido maneiras de diminuir o consumo do material. O Reino Unido, por exemplo, debate oferecer água potável de graça nas grandes cidades e criar unidades para devolução de plástico.

Que quantidade de plástico vai para o mar?

Calcula-se que 10 milhões de toneladas de plástico vão parar no mar todos os anos. Em 2010, pesquisadores do Centro de Análises Ecológicas da Universidade da Georgia, nos Estados Unidos, contabilizaram 8 milhões de toneladas - e estimaram 9,1 milhões de toneladas para 2015. O mesmo estudo, publicado na revista acadêmica Science em 2015, analisou 192 países com território à beira-mar que estão contribuindo para o lançamento de resíduos de plástico nos oceanos. E descobriu que 13 dos 20 principais responsáveis pela poluição marinha são nações asiáticas. Enquanto a China está no topo da lista, os Estados Unidos aparecem na 20ª posição. O Brasil ocupa, por sua vez, o 16º lugar do ranking, que leva em conta o

tamanho da população vivendo em áreas costeiras, o total de resíduos gerados e o total de plástico jogado fora. O lixo plástico costuma acumular em áreas do oceano onde os ventos provocam correntes circulares giratórias, capazes de sugar qualquer detrito flutuante. Há cinco correntes desse tipo no mundo, mas uma das mais famosas é a do Pacífico Norte. Os detritos da costa dos Estados Unidos levam, em média, seis anos para atingir o centro dessa corrente. Já os do Japão podem demorar até um ano. As cinco correntes apresentam normalmente uma concentração maior de resíduos de plástico do que outras partes do oceano. Elas promovem ainda um fenômeno conhecido como "sopa de plástico", que faz com que pequenos fragmentos do material fiquem suspensos abaixo da superfície da água. Além disso, a decomposição da maioria dos resíduos de plástico pode levar centenas de anos. Existem, no entanto, iniciativas para limpar a corrente do Pacífico Norte. Uma operação liderada pela organização não-governamental Ocean Cleanup está prevista para começar em 2018.

Por que é prejudicial à vida marinha?

Para aves marinhas e animais de maior porte - como tartarugas, golfinhos e focas -, o perigo pode estar nas sacolas de plástico, nas quais acabam ficando presos. Esses animais também costumam confundir o plástico com comida. Tartarugas não conseguem diferenciar, por exemplo, uma sacola de uma água-viva. Uma vez ingeridas, VIVER

40

as sacolas de plástico podem causar obstrução interna e levar o animal à morte. Pedaços maiores de plástico também causam danos ao sistema digestivo de aves e baleias - e são potencialmente fatais. Com o tempo, os resíduos de plástico são degradados, dividindo-se em pequenos fragmentos. O processo, que é lento, também preocupa os cientistas. Uma pesquisa da Universidade de Plymouth, na Inglaterra, mostrou que resíduos de plástico foram encontrados em um terço dos peixes capturados no Reino Unido, entre eles o bacalhau. Além de resultar em desnutrição e fome para os peixes, os pesquisadores dizem que, ao consumir frutos do mar, os seres humanos podem estar se alimentando, por tabela, de fragmentos de plástico. E os efeitos disso ainda são desconhecidos. Em 2016, a Autoridade Europeia de Segurança Alimentar alertou para o crescente risco à saúde humana, dada a possibilidade de micropartículas de plástico estarem presentes nos tecidos dos peixes comercializados.


VIVER

41


//VIAGENS

Viaje mais em 2018 “Viajar faz bem à saúde do corpo, da mente e do coração”

E

sse papo de que viajar faz bem para o corpo, a mente e o coração, é a mais pura verdade, sabia? Afinal, descansar, conhecer pessoas/lugares e vivenciar novas experiências proporciona sensação de bem-estar e, de quebra, faz um bem danado à saúde. Independentemente de ser uma viagem de férias ou um feriado, a experiência sempre trará pontos positivos e muitas histórias para contar. Sendo assim, está mais do que na hora de você tirar aquelas férias que estão atrasadas, e curtir um pouco, pois seu corpo, sua mente e, principalmente, seu coração merecem. Mas para que você não fique com dúvidas de que viajar faz realmente bem, separamos neste post alguns motivos para te mostrar que viajar faz bem à saúde, sim. Muitíssimo bem, inclusive. Confira! Desenvolve suas habilidades Viajar te impulsiona a desenvolver habilidades que talvez você nem sabia que tinha. Durante a viagem nos deparamos com culturas e costumes diferentes e aprendemos a conviver com as diferenças. Também é uma ótima oportunidade para desenvolver habilidades sociais e fazer novos amigos. Além disso, uma viagem te torna mais flexível e paciente para lidar

com imprevistos que podem ocorrer. Ninguém gosta de ter problemas com voos ou bagagens, não é mesmo? Mas, é preciso ter flexibilidade ao tratar a situação para que isso não afete todo o passeio. Novas experiências Conhecer novos lugares, experimentar comidas inusitadas ou mesmo participar de um passeio mais agitado tiram os viajantes da zona de conforto. Viajar aumenta sua disposição para vivenciar algo que você não imaginava ou não teria coragem de fazer. Mais tempo com a família Se você tem filhos, as viagens de férias são o momento para aproveitar com eles. A correria do dia a dia faz com que refeições e conversas em famílias sejam restritos. Viajar te proporciona descanso, lazer e mais proximidade com eles. Traz benefícios à saúde Diversos estudos comprovam que tirar férias é essencial para manter corpo e mente saudável. Uma pesquisa britânica demonstrou que viajar agrega diversos benefícios para a saúde. Entre esses benefícios estão: melhora na qualidade do sono; diminuição da pressão arterial, o que diminui o risco de infarto e o aumento da absorção de vitaminas, que VIVER

42

garante mais disposição física. Um estudo americano acompanhou algumas profissionais por 20 anos e constatou que mulheres que não tiram férias tem maior tendência em ter problemas cardíacos. Já outro estudo, feito com homens, mostrou que a falta de descaso aumenta o risco de doenças coronárias. Sendo assim, evite ficar um longo período sem tirar férias, pois isso pode ser prejudicial para a sua saúde. Melhora o relacionamento Para casais, o período de viagem também é uma ótima oportunidade para melhorar o relacionamento e a vida sexual. De acordo com a pesquisa britânica citada acima, a diminuição no nível de cortisol (hormônio responsável pelo stress) pode contribuir para aumentar a libido. Além disso, aumenta a energia e melhora o humor. Ajuda a aprender como planejar e se organizar Fazer uma viagem envolve muitos detalhes: quando, como e por onde ir; onde se hospedar; onde comer; quanto gastar; e por aí vai. São tantas coisas para se observar que ao pensar em sair de casa você terá de se organizar e se planejar para viajar, para que tudo dê certo. Por isso que viajar ajuda a nos tornarmos pessoas mais organizadas, e essa habilidade é fundamental em outros momentos de nossa vida, como no trabalho, por exemplo. Aumenta/amplia o seu conhecimento Já pensou em conhecer a história da cidade para onde você vai viajar? Quais são as comidas típicas daquele local? Será que está rolando algum evento cultural? Tudo isso pode tornar sua diversão pelo local da viagem mais atrativa, além de aumentar seu conhecimento, enriquecer sua visão de mundo e poder ter muitas histórias para contar aos amigos.


VIVER

43


VIVER

44


VIVER

45


VARIEDADES

Say I love you® Couple Pillowcases (Dark Blue) www.boldloft.com $29.99

St. Jude Thanks And Giving® Buffalo Check Sherpa Back Throw www.potterybarn.com $33.99

Disney Princess Style Collection Travel Vanity www.target.com

L.O.L. Surprise! Big Surprise www. target.com

Tribute to Mom Bracelet Gift Set www.pandora.net

$69.99

$49.99

$156 Sollu Boot Rustic 18494 - Brown Leather www.apexystore.com $126 The Waterfall Base www.shop.lego.com $69.99

Hot Wheels Super Ultimate Garage Play Set www.walmart.com $139.97 Cubebot store.moma.org $15

DJI - Spark Quadcopter - Alpine White www.bestbuy.com $399.99 VIVER

46


VIVER

47


Cinema

INSIDIOUS: THE LAST KEY Estreia: dia 5 Gênero: Horror Classificação: R

THE COMMUTER Estreia: dia 5 Gênero: Crime, Drama, Suspense Classificação: PG-13

PADDINGTON 2 Estreia: dia 5 Gênero: Animação, Aventura, Comédia, Família Classificação: PG

PROUD MARY Estreia: dia 5 Gênero: Ação, Suspense Classificação: PG-13

CONDORITO: THE MOVIE Estreia: dia 5 Gênero: Animação, Aventura, Comédia, Ficção Científica Classificação: PG

CRAZY FAMOUS Estreia: dia 9 Gênero: Comédia Classificação: PG-13

SATURDAY CHURCH Estreia: dia 12 Gênero: Drama Classificação: PG-13

FOREVER MY GIRL Estreia: dia 19 Gênero: Romance Classificação: PG-13

HOSTILES Estreia: dia 19 Gênero: Ação, Aventura, Drama Classificação: R

THE POST Estreia: dia 12 Gênero: Drama Classificação: PG-13

12 STRONG Estreia: dia 19 Gênero: Ação, Drama, Guerra Classificação: R

DEN OF THIEVES Estreia: dia 19 Gênero: Ação, Drama, Crime, Mistério Classificação: R

SMALL TOWN CRIME Estreia: dia 19 Gênero: Suspense Classificação: R

THE INSULT Estreia: dia 26 Gênero: Drama Classificação: R

MAZE RUNNER: THE DEATH CURE Estreia: dia 26 Gênero: Ação, Ficção Científica Classificação: R

WHITE BOY RICK Estreia: dia 26 Gênero: Crime, Drama Classificação: R

VIVER

48


Agenda De 10 a 28

THE LION KING Fox Theatre 660 Peachtree St NE Atlanta, GA 30308 www.foxtheatre.org

26 jan - 28/2

20 e 21

JURASSIC PARK FILM W/ ATLANTA SYMPHONY ORCHESTRA Atlanta Symphony Hall at Woodruff Arts Center Atlanta, GA 30309 www.atlantasymphony.org

THE MUSIC OF PRINCE W/ ATLANTA SYMPHONY ORCHESTRA Atlanta Symphony Hall at Woodruff Arts Center Atlanta, GA 30309 www.atlantasymphony.org

18 a 21

Até 25 Fev

19 a 21 SNOW MOUNTAIN Stone Mountain Park Highway 78 East Stone Mountain, GA 30086 www.stonemountainpark.com

PROGRESSIVE INSURANCE ATLANTA BOAT SHOW Mary Gray Munroe Theater Alumni Memorial University Center 605 Asbury Circle NE Atlanta, GA 30322

GEORGIA RV AND CAMPER SHOW Cobb Galleria Centre 2 Galleria Pkwy Atlanta, GA 30339 www.natcshows.com

20 Jan

Até 14 Fev

27 e 28 SHAUN THE SHEEP Center For Puppetry Arts 1404 Spring St. NW Atlanta, GA 30309 www.puppet.org

GREAT AMERICAN MOTORCYCLE SHOW Cobb Galleria Centre 2 Galleria Pkwy Atlanta, GA 30339 www.natcshows.com

VIVER

49

“SKATE THE SKY” AT ROOFTOP TERRACE Rooftop Terrace 675 Ponce De Leon Ave NE Atlanta, GA 30308 www.poncecityroof.com


VIVER

50


VIVER

51


VIVER

52

Viver Magazine January 2018  
Viver Magazine January 2018  

The most popular Magazine among the Brazilian Community living in Atlanta, Georgia, United States.

Advertisement