Revista UniverSISA - Edição 1

Page 1

EDIÇÃO

1

REVISTA UNIVERSISA

OUTUBRO . 2021


4

Revista UniverSISA

CONTEÚDO 7

GEOPOLÍTICA NO SÉCULO XXI

49

PROCEDIMENTOS MÉDICOS, IMUNIZAÇÃO E SAÚDE

11

TOP 10 INFLUENCERS NO KWAI

52

14

TOP 10 INFLUENCERS NO INSTAGRAM

EMPRESAS E O MERCADO DE TRABALHO NO SÉCULO XXI

61

MOBILIDADE URBANA: ORDEM X CAOS

64

O PAPEL DA ONU NO MUNDO GLOBALIZADO

67

CONSUMISMO E MEIO AMBIENTE

70 75 80

GALERIA DE ARTE

17 20

TOP 10 INFLUENCERS NO TIKTOK INFLAÇÃO, CAPITAL E EDUCAÇÃO FINANCEIRA

27 30 37 41

HERÓIS ESQUECIDOS

44

EAD: HISTÓRIAS E DESAFIOS

EXPLORAÇÃO ESPACIAL GRAVIDADE QUÂNTICA ARTE E CULTURA: ACESSO E ELITIZAÇÃO

EXPERIÊNCIA SISA GALERIA DE COLABORADORES


Revista UniverSISA

5

E QU I P E E D I TO R I A L CONCEITO

PROFS. LÊDA E ROBSON

PROJETO GRÁFICO

GLADYS SILVA (EX-ALUNO)

REDAÇÃO

ALUNOS

PODCASTS E VÍDEOS

ALUNOS

EDIÇÃO

PROFS. LÊDA E ROBSON

REVISÃO

PROFS. LÊDA E ROBSON

IMAGEM DE CAPA CRÉDITOS: HISTORY IN HD


6

Revista UniverSISA


Revista UniverSISA

GEOPOLÍTICA NO SÉCULO XXI U m‌ ‌d o s‌ ‌m a i s‌ ‌i m p o r t a n t e s‌ ‌c o n c e i t o s‌ ‌d a s‌ ‌a n á l i s e s‌ ‌d a‌ ‌g e o p o l í t i c a‌ ‌e s t á‌ ‌b a s e a d a‌ ‌n a‌ ‌a r t i c u l a ç ã o‌ ‌e n t r e‌ ‌o‌ ‌p o d e r‌ ‌m i l i t a r‌ ‌e‌ ‌o‌ ‌d o m í n i o‌ ‌d o‌ ‌t e r r i t ó r i o ,‌ ‌o n d e‌ ‌s ã o‌ ‌a r t i c u l a d o s‌ ‌o s‌ ‌e l e m e n t o s‌ ‌r e l a t i v o s‌ ‌a o‌ ‌p o d e r‌ ‌e‌ ‌a o‌ ‌t e r r i t ó r i o .‌ ‌E s s a s‌ ‌a ç õ e s‌ ‌s ã o‌ ‌b a s e a d a s‌ ‌n a s‌ ‌i d e i a s‌ ‌d e‌ ‌a u t o r e s‌ ‌c o m o :‌ ‌Fr i e d r i c h‌ ‌R a t z e l‌ ‌e‌ ‌s e u‌ ‌d e t e r m i n i s m o‌ ‌g e o g r á f i c o ,‌ ‌q u e‌ ‌e n t e n d e‌ ‌o‌ ‌a m b i e n t e‌ ‌i n f l u e n c i a n d o‌ ‌n o‌ ‌d e s e n v o l v i m e n t o‌ ‌d a‌ ‌h u m a n i d a d e ;‌ ‌H a l f o r d‌ ‌Jo h n‌ ‌M a c k i n d e r,‌ ‌q u e‌ ‌e n t e d e n t i a‌ ‌q u e‌ ‌a m p l i a ç ã o‌ ‌c o n t i -

n e n t a l‌ ‌d o s‌ ‌t e r r i t ó r i o s‌ ‌f o r t a l e c e r i a‌ ‌d e t e r m i n a d o s‌ ‌p a í s e s ;‌ ‌e‌ ‌N i c h o l a s‌ ‌J.‌ S py k m a n ,‌ ‌u m‌ ‌d o s‌ ‌r e s p o n s á v e i s‌ ‌p e l o‌ ‌f o r t a l e c i m e n t o‌ ‌d o s‌ ‌E UA‌ ‌c o m o‌ ‌p o t ê n c i a ,‌ ‌e n t e n d i a‌ ‌q u e‌ ‌o s‌ ‌d o m í n i o s‌ ‌n av a i s ,‌ ‌c o n t i n e n t a i s‌ ‌e‌ ‌o‌ ‌c e r c a m e n t o‌ ‌d e‌ ‌p a í s e s‌ ‌d a‌ ‌E u r á s i a ,‌ ‌l e v a r i a‌ ‌o‌ ‌p a í s‌ ‌a‌ ‌s e‌ ‌t o r n a r‌ ‌u m a‌ ‌p o t ê n c i a .‌ E m b o r a‌ ‌a‌ ‌a m p l i a ç ã o‌ ‌d o‌ ‌p o d e r‌ ‌c o n t i n e n t a l‌ ‌e‌ ‌m a r í t i m o‌ ‌s e j a‌ ‌u m a‌ ‌i m p o r t a n t e‌ ‌f o n t e‌ ‌d e‌ ‌d e s e nv o l v i m e n t o ,‌ ‌n ã o‌ ‌é‌ ‌o‌ ‌d o m í n i o‌ ‌p o l í t i c o ,‌ ‌e c o n ô m i c o‌ ‌e‌ ‌m i l i t a r‌ ‌q u e‌ ‌f a z‌ s u r g i r‌ ‌p o t ê n c i a s ,‌

‌e‌ ‌s i m‌ ‌a‌ ‌u n i ã o‌ ‌d e‌ ‌q u a t r o‌ ‌p o d e r e s‌ ‌q u e‌ ‌d e l i m i t a m‌ ‌a‌ ‌h e g e m o n i a‌ ‌d a‌ ‌g e o p o l í t i c a‌ ‌n o‌ ‌s é c u l o‌ ‌X X I :‌ ‌m i l i t a r,‌ ‌e c o n ô m i c o ,‌ ‌m o n e t á r i o‌ ‌e‌ ‌c i e n t í f i c o‌ ‌( t e c n o l ó g i c o ) .‌ ‌O s‌ ‌av a n ç o s‌ ‌c i e n t í f i c o s‌ ‌m o s t r a m‌ ‌q u e‌ ‌m a i s‌ ‌d o‌ ‌q u e‌ ‌a‌ ‌d o m i n a ç ã o‌ ‌t e r r i t o r i a l ,‌ ‌a‌ ‌c a p a c i d a d e‌ ‌d e‌ ‌g e r a r‌ ‌t e c n o l o g i a‌ ‌s ã o‌ ‌c a p a z e s‌ ‌d e‌ ‌a l t e r a r‌ ‌t o d a‌ ‌g e o p o l í t i c a‌ ‌m u n d i a l .‌ ‌A‌ ‌e x e m p l o‌ ‌d o‌ ‌d o m í n i o‌ ‌d a‌ ‌I n g l a t e r r a‌ ‌a p ó s‌ ‌a‌ ‌I‌ ‌Re v o l u ç ã o‌ ‌I n d u s t r i a l ,‌ ‌q u e‌ ‌f e z‌ ‌p a í s e s‌ ‌c o m o‌ ‌E s p a n h a‌ ‌e‌ ‌Po r t u g a l ,‌ ‌p e r d e r e m‌ ‌p r o t a g o n i s m o s ;‌

7


8

Revista UniverSISA

C r e s c i m e n t o‌ ‌d o s‌ ‌E s t a d o s‌ ‌U n i d o s‌ ‌d a‌ ‌A m é r i c a‌ ‌e‌ ‌s e u‌ ‌n ov o‌ ‌m o d e l o‌ ‌d e‌ ‌p r o d u ç ã o‌ ‌–‌ ‌f o r d i s t a ;‌ ‌A‌ ‌G u e r r a‌ ‌e s p a c i a l‌ ‌d e‌ ‌E UA‌ ‌x‌ ‌U R S S,‌ ‌q u e‌ ‌l e v o u‌ ‌o‌ ‌m u n d o‌ ‌a o‌ ‌p a t a m a r‌ ‌d e‌ ‌av a n ç o s‌ ‌c i e n t í f i c o s ,‌ ‌p a r a‌ ‌a l é m‌ ‌d o‌ ‌a m b i e n t e‌ ‌t e r r e s t r e ;‌ ‌E‌ ‌a t u a l m e n t e‌ ‌o‌ ‌f o r t a l e c i m e n t o‌ ‌d e‌ ‌t e c n o l o g i a s‌ ‌m a i s‌ ‌av a n ç a d a s ,‌ ‌q u e‌ ‌e s t ã o‌ ‌p a r a‌ ‌a l é m‌ ‌d o‌ ‌m a t e r i a l ,‌ ‌v i d e‌ ‌i n t e r n e t .‌ To d o s‌ ‌e s s e s‌ ‌av a n ç o s‌ ‌s ã o‌ ‌e x p r e s s o s‌ ‌a‌ ‌f i m‌ ‌d e‌ ‌a p r e s e n t a r‌ ‌a o‌ ‌m u n d o ,‌ ‌a l t e r n a t i v a s‌ ‌a o s‌ ‌a t r a s o s‌ ‌c o n t e m p o r â n e o s ,‌ ‌q u e‌ ‌s e‌ ‌m a n i f e s t a m‌ ‌e m‌ ‌d e c o r r ê n c i a‌ d a s‌ ‌t r a n s f o r m a ç õ e s‌ ‌g e r a d a s‌ ‌p o r‌ ‌d i f e r e n t e s‌ ‌m ov i m e n t o s‌ ‌e c o n ô m i c o s ,‌ ‌g u e r r a s ,‌ ‌q u e d a‌ ‌e‌ ‌a s c e n s ã o‌ ‌d e‌ ‌p o t ê n c i a s‌ ‌e‌ ‌d e s e n v o l v i m e n t o‌ ‌t e c n o l ó g i c o ,‌ ‌c o m o‌ ‌a‌ ‌p r i m e i r a‌ ‌G u e r r a‌ ‌M u n d i a l ,‌ ‌o‌ ‌C r e s c i m e n t o‌

‌d o‌ ‌E UA ,‌ ‌o‌ ‌s u r g i m e n t o‌ ‌d a‌ ‌U R S S,‌ ‌c r i s e‌ ‌d e‌ ‌2 9 ,‌ ‌a‌ ‌s e g u n d a‌ ‌G u e r r a‌ ‌M u n d i a l ,‌ ‌a‌ ‌G u e r r a‌ ‌Fr i a‌ ‌e‌ ‌a‌ ‌N ov a‌ ‌O r d e m‌ ‌M u n d i a l‌.‌ A geopolítica atua em arias situações em noss a s o c i e d a d e, c o m o p o r exemplo na situação que vivenciamos recentemente na compra e vacinas da C ov i d - 1 9 . O g ov e r n o f e deral compra as vacinas e distribui para os demais estados. É nesse cenário também que as superpotências mundiais se descatacam, como uma das principais produtoras das vacinas e exemplo de como controlar a pandemia. E como exemplo podemos citar a C h i n a e o s E UA , q u e são as duas potências que mais se destacam no cenário mundial por serem os

p a í s e s m a i s d e s e nv o l v i d o s e tecnológicos do mundo, que acaba por ocasiona uma disputa entre eles, para saber quem é o mais forte e domina a ideologia mundial. Devido a tudo isso, é importante sabemos um pouco a mais sobre a Geopolítica Mundial, uma v e z q u e e l a e nv o l v e t o d a uma cadeia econômica e administrativa, e os fatos históricos que foram ocasionados devidos a ela, como as Guerra Mundiais. É necessário também que haja uma ampla divulgação desse conhecimento, uma vez que os brasileiros não sabem muito sobre esse tema que influência bastante no nosso dia a dia.

E UA V S. C H I NA As duas superpotências mundiais lidam com seu crescimento de for mas d i f e r e n t e s : o s E UA e s t ã o s e m p r e i n ov a n d o s e u s produtos enquanto a China mantém os seus preços mais baixos que os preços d o s E UA , j á q u e l á a m ã o

de obra é mais barata. Assim eles podem vender seus produtos com uma qualidade parecida com a d o s E UA , s e n d o q u e c o m o preço mais barato. O s E UA , p a r a c o m b a t e r a China, sempre estão col o c a n d o n ov o s p r o d u t o s

n o m e r c a d o e i n ov a n d o sua for ma de lidar com e l a , j á q u e, a c a d a m i n u to, a China vê o que eles estão fazendo e produzindo. Assim o planejamento d e l e s é s e m p r e i n ov a r o mercado.


Revista UniverSISA

C O M O O B R A S I L AT UA NA G E O P O L Í T I C A NO SÉCULO XXI O papel do Brasil na geopolítica pautou-se em transfor mações em seu comportamento político e econômico. No âmbito político, o regime ditatorial foi substituído na década de 1980 por uma democracia presidencial i s t a , q u a n d o o s g ov e r n o s posteriores adotaram uma política neoliberal, minimizando a participação do Estado na economia e garantindo o predomínio da iniciativa privada, inclusive em setores estratégicos, como a mineração, os transportes, as telecomunicações e energia. O Brasil, no contexto de geopolítica, integra a perspectiva dos países periféricos em busca de me-

lhores condições para a p r o m o ç ã o d o d e s e nv o l v i mento e para fazer frente à s n a ç õ e s d o N o r t e. Pa r a isso, será necessário que o país encontre uma maneira de melhor se desenvolver no plano tecnológico e industrial, a fim de diminuir a sua dependência no contexto da Divis ã o I n t e r n a c i o n a l d o Tr a balho. Um exemplo do Brasil atuando na geopolítica atual é a pandemia da C OV I D - 1 9 . A n e c e s s i d a de de isolamento social p a r a c o n t e r o av a n ç o d a C OV I D - 1 9 f e z o s p r i n c i pais setores da economia e n t r a r e m e m q u e d a l i v r e. A princípio, a indústria foi a mais prejudicada,

pois somou uma redução brusca de demanda com a paralisação da produção essa queda brusca foi devido ao Brasil ser um país S u b d e s e nv o l v i d o e n ã o t e r m u i t o s av a n ç o s . Ações para reduzir o impacto econômico causado pela pandemia da C OV I D - 1 9 : • Micro, pequenas empresas e microempreendedores foram beneficiados com pacotes de medidas que tem no pronampe; • O G ov e r n o f e d e r a l doou imóvel à Fiocruz para ampliar atuação no combate à pandemia.

9


10

Revista UniverSISA

ESTUDOS Durante a evolução ge- e sociedades do passado. opolítica dos continentes, • Sons: registros musihouveram várias pessoas cais e auditivos, g raque marcaram e merecem vações diversas; ser relembradas pelos • A u d i ov i s u a i s : d a d o s seus feitos memoráveis registrados em filmes para parte do nosso coe vídeos; nhecimento atual. • Escrita: registros O historiador é o protextuais g r av a d o s fissional que se dedica a em manuscritos e analisar passado e preimpressões, seja em s e n t e a t r av é s d e u m t r a papel, couro, papib a l h o i nv e s t i g a t i v o . ro, pedra, blocos de Estudando o passado e barro, e outros mateinter pretando os dados riais; encontrados, amplia-se a • Orais: relatos, entrecompreensão da história vistas e depoimentos humana. Ele se apoia em de testemunhas que outras ciências e áreas do conhecem a história conhecimento como: ou vivenciaram aque• a cronologia: o estule momento estudado de eventos passado; dos; • Vi s u a i s : p o r m e i o d e • a estatística: a ciênfotos, pinturas, charcia que inter preta os ges e desenhos; dados históricos; • Materiais: ferramen• a genealogia: que estas, artesanato, artuda as relações famas, utensílios, esmiliares; culturas, construções • a história da arte: ese roupas. tudo do contexto histórico utilizando as H I S TO R I A D O R E S D O obras de artes. BRASIL • Jo s é M u r i l o d e C a r M É TO D O S D E E S T U valho, nascido em DO E INTERDISCIPLI8 de setembro de NA R I DA D E 1939 em AndrelânPa r a d e s v e n d a r o p a s s a dia (MG). Entre seus do, o historiador recorre diversos livros e artia fontes históricas, vestígos publicados, desgios deixados por pessoas tacam-se as obras A

Fo r m a ç ã o d a s A l m a s (1990), na qual abord a o i m p a c t o d a Re pública na for mação do imaginário popul a r, e A C i d a d a n i a n o Brasil (2001), onde traça um longo percurso de como se deu a construção da cidadania no país. • Capistrano de Abreu, nascido em Maranguape (RJ) em 23 de outubro de 1853. Fo i u m d o s p r i m e i r o s grandes historiadores do Brasil, produziu obras nos campos da etnografia e da linguística. • B o r i s Fa u s t o , m e m b r o da Academia Brasileira de Ciências e autor de livros como A revolução de 1930 e O crime da Galeria de Cristal. • Laura de Mello e Souza, historiadora e professora universitária, é autora de estudos pioneiros em áreas como história sócio-cultural e político-cultural de grande importância para a historiografia da História Colonial do Brasil.


Revista UniverSISA

11

TO P 1 0 INFLUENCIADORES N O K WA I 1. CRISTIANO RO NA L D O Qualquer seguidor de futebol irá reconhecer instantanea m e n t e o n o m e C r i s t i a n o Ro n a l d o . Ro n a l d o é u m j o g a d o r de futebol profissional português que joga como atacante d o c l u b e i t a l i a n o Ju v e n t u s e é o capitão da seleção nacional d e Po r t u g a l .

2 . A R I A NA GRANDE

3 . S E L E NA GOMEZ

Ariana Grande é uma cantora, compositora e atriz americana. Ela começou sua carreira em 2008 em um musical da B r o a d w a y. A c a n t o r a f e z s u a primeira aparição musical na trilha sonora da série Nickelodeon.

Selena Gomez é uma cantora, atriz e produtora americana. Ela ganhou reconhecimento pela primeira vez na televisão infantil em Bar ney & Fr i e n d s e d e p o i s e m O s Fe i t i c e i r o s d e Wav e r l y P l a c e, d a D i s n e y.

4 . DWAY N E JOHNSON Embora mais conhecido por s u a a t u a ç ã o n o s d i a s d e h o j e, D w a y n e Jo h n s o n i n i c i a l m e n t e u s o u o n o m e T h e Ro c k c o m o lutador profissional. Ele começou a treinar como lutador profissional no verão de 1995.


12

Revista UniverSISA

6. KYLIE JENNER

5. KIM K A R DA S H I A N

Ky l i e Je n n e r é o u t r o m e m b r o d o c l ã Je n n e r - K a r d a s h i a n . E l a é i r m ã d e Ke n d a l l Je n ner e meia-irmã de Kim K a r d a s h i a n , Ko u r t n e y K a r dashian, Khloe Kardashian, Ro b Kardashian, Brandon Je n n e r e B r o d y Je n n e r.

Kim Kardashian é uma pers o n a l i d a d e, e m p r e s á r i a , s o c i a lite e modelo da mídia americana. Ela ganhou a atenção da mídia como amiga e estilista d e Pa r i s H i l t o n .

7 . B E YO N C E B e yo n c é ( B e yo n c é G i s e l l e Knowles-Carter) é uma cantora, compositora, atriz, produtora de discos e dançarina americana. Ela chegou à fama no final dos anos 90 como vocalista do g rupo feminino D e s t i n y ’s C h i l d . O g r u p o s e tornou um dos grupos femininos mais vendidos da história.

8 . TAY L O R SWIFT Ta y l o r S w i f t é u m a c a n t o r a e compositora americana. Ela é uma das artistas de música mais vendidas de todos os tempos, tendo vendido mais de 50 milhões de álbuns e 150 milhões de downloads individuais.


Revista UniverSISA

O Kwai é uma rede social c r i a d a c o m a p r o p o s t a d e e d i t a r v í d e o s c u r t o s, e f e i t o s, f i l t r o s e a d e s i v o s d e f o r m a f á c i l a t r a v é s d o c e l u l a r. A p l a t a f o r m a p o s s u i v á r i o s r e c u rs o s similares aos presentes no Snapchat, e s e p o s i c i o n a c o m o r i v a l d o T i k To k . 9. LIONEL MESSI Lionel Messi é um jogador profissional argentino que joga como atacante e capitão do clube espanhol Barcelona e d a s e l e ç ã o a r g e n t i n a . Po r m u i tos anos, as pessoas o consideraram o melhor jogador do mundo e muitos ainda o consideram um dos maiores jogadores de todos os tempos.

10. NEYMAR JR. Neymar da Silva Santos Jún i o r, t a m b é m c o n h e c i d o c o m o N e y m a r J r. , é u m j o g a d o r p r o fissional brasileiro que joga como atacante do clube franc ê s Pa r i s S a i n t - G e r m a i n e d a seleção brasileira.

13


14

Revista UniverSISA

TO P 1 0 INFLUENCIADORES N O I N S TA G R A M 1. NEYMAR JR. Entre os top 10 maiores influenciadores do Brasil em 1 ‘ l u g a r n o r a n k i n g, N e y m a r. Com seus 163 milhões de seguidores em seu perfil no Instagram, é um dos maiores jog a d o r e s d a a t u a l i d a d e.

2. RO NA L D I N H O GAÚCHO

3 . A N I T TA Em 3‘ lugar uma das maiores cantoras do Brasil, Anitta. Que ganhou a sua carreira com o funk, com uma mistura de pop brasileiro. E tem hoje em dia 56,1 milhão de seguidores.

E m 2 ‘ l u g a r d o r a n k i n g, f o i um dos maiores jogadores de t o d o s o s t e m p o s , Ro n a l d i n h o Gaúcho. Com seus 59,8 milhões de seguidores, vive da internet depois de se aposentar do futebol.

4.

WHINDERSSON NUNES E m 4 ‘ l u g a r Wi n d e r s s o n N u nes, humorista e inf luenciador que vive da inter net e inf luenciador social, com 54,2 milhões de seguidores.


Revista UniverSISA

6 . TAT Á WERNECK

5 . M A RC E L O VIEIRA

E e m 6 ‘ l u g a r, Ta t á We r n e ck, com seus 49,9 milhões de seguidores é humorista e influênciadora.

E e m 5 ‘ l u g a r, M a r c e l o Vi e i ra, jogador que joga pela seleção brasileira com seus 49,5 milhões de seguidores.

7 . G U S T TAVO LIMA E e m 7 ‘ l u g a r, G u s t t av o L i m a , c a n t o r e c o m p o s i t o r, que além de viver da música, vive também da inter net. E tem 41 milhões de seguidores.

8 . B RU NA M A RQU E Z I N E E m 8 ‘ l u g a r, e m p a t a d o c o m G u s t t av o L i m a , B r u n a M a r quezine também com 41 milhões de seguidores.

15


16

Revista UniverSISA

O Instag ram é uma rede social q u e s u r g i u c o m o p r o p ó s i t o d e c o m p a r t i l h a r f o t o s. Po s t e r i o r m e n t e , a p l a t a f o r m a p a s s o u a p e r m i t i r o c o m p a r t i l h a m e n t o d e v í d e o s. C r i a d o p o r u m b r a s i l e i r o, o I n s t a g r a m f o i c o m p r a d o p e l o Fa c e b o o k e m 2 0 1 1 p o r 1 b i l h ã o d e d ó l a r e s.

9. LARISSA MANOELA O 9‘ lugar fica com Larrisa Manoela, com 40,8 milhões de seguidores. Ela ganhou fama n a s n ov e l a s d a e m i s s o r a S B T e hoje em dia vive da inter net.

10. MAÍSA S I LVA Em 10‘ lugar do ranking está Maísa Silva com 39,6 milhões de seguidores em seu Instagram. Maísa ganhou fama nas n ov e l a s d o S B T e a t é h o j e v i v e da internet e participações especiais.


Revista UniverSISA

17

TO P 1 0 INFLUENCIADORES N O T I K TO K 1. BENJI K RO L Pe r s o n a l i d a d e d a s r e d e s s o c i a i s c o n h e c i d o n o T i k To k , onde tem mais de 26 milhões de fãs. Ele posta muitos memes com músicas famosas na platafor ma. Ele também é popular no Instagram, com mais de 2.4 milhões de seguidores em sua conta.

2 . T I RU L I PA

3 . V I RG Í N I A FONSECA

Everson de Brito Silva, mais conhecido pelo nome artístico de Tirullipa, é um humorista e músico brasileiro que se inf l u e n c i o u e m s e u p a i , o c a n t o r, palhaço e político Tiririca.

Vi r g í n i a Fo n s e c a é u m a i n f l u e n c e r, a t r i z e yo u t u b e r a m e ricana nascida em Connecticut em 6 de abril de 1999. Nas r e d e s , Vi r g í n i a d á d i c a s d e b e leza para seus seguidores além de compartilhar sua rotina.

4. LARISSA MANOELA Atriz, cantora, modelo, escritora e dubladora brasileira, que ficou mais conhecida por i n t e r p r e t a r M a r i a Jo a q u i n a n a s t e l e n ov e l a s Pa t r u l h a S a l vadora e Carrossel. Em 2015 deu vida as personagens Isab e l a e M a n u e l a n a t e l e n ov e l a C ú m p l i c e s d e u m Re s g a t e.


18

Revista UniverSISA

6. ISIS VA LV E R D E

5 . LUA R A

I s i s Va l v e r d e é u m a a t r i z brasileira. Seu primeiro papel na televisão foi como a mister i o s a A n a d o V é u , n a n ov e l a Sinhá Moça, em 2006. Logo em seguida, Isis fez uma part i c i p a ç ã o n a n ov e l a Pa r a í s o Tr o p i c a l , o n d e a t u o u c o m o a g a r o t a d e p r o g r a m a Te l m i n h a .

Estrela das redes sociais que tem mais de 4.3 milhões de inscritos em seu canal do Yo u Tu b e, n o q u a l p o s t a u m a variedade de vlogs, algumas vezes com participações de outras estrelas do meio e também de amigos.

7. MAÍSA S I LVA Maisa da Silva Andrade é uma atriz, apresentadora, cantora e dubladora brasileira. Fo i d e s c o b e r t a a o s t r ê s a n o s , quando participou de um quadro de calouros do Prog rama R a u l G i l , n a Re c o r d T V e n a Band.

8. MARI MARIA Mariana Maria de Neiva C o u t o é u m a yo u t u b e r e i n fluenciadora digital. A mineira trabalha como makeup a r t i s t e p r o d u z v í d e o s n o Yo u Tu b e d e s d e 2 0 1 4 . É c o n h e c i d a h o j e c o m o u m a d a s yo u t u b e r s de beleza mais influentes do país.


Revista UniverSISA

Criado na China, o T i k To k é , a t u a l m e n t e , a rede social mais popular do mundo e n t r e c r i a n ç a s, a d o l e s c e n t e s e j o v e n s. B a s e a d a n o c o m p a r t i l h a m e n t o d e v í d e o s c u r t o s, tor nou-se uma febre mundial.

9 . A N I T TA Larissa de Macedo Machado ( R i o d e Ja n e i r o , 3 0 d e m a r ç o de 1993), mais conhecida pelo seu nome artístico Anitta, é uma cantora, compositora, atriz, dançarina, empresária e apresentadora brasileira.

1 0 . LU C A S RANGEL Em 2014, criou seu canal n o Yo u Tu b e, c o m o n o m e d e R a n g e l d o Vi n e, e l a n ç o u s e u livro, O sensacional livro antitédio de Lucas Rangel, pela E d i t o r a Pa r a l e l a . O yo u t u b e r também é conhecido pelas paródias de músicas famosas que posta em seu canal.

19


20

Revista UniverSISA

I N F L A Ç Ã O, C A P I TA L E EDUCAÇÃO F I NA N C E I R A

A inflação é o aumento geral dos preços na soc i e d a d e. E l a r e p r e s e n t a o aumento do custo de vida para o consumidor e para as empresas, resultante da elevação do preço dos produtos e da desvalorização da moeda Quando notamos que alguns produtos são mais caros hoje do que eram antes, significa que o seu preço inflacionou. É da mesma for ma relacionada à queda do poder de compra de uma determinada moeda ao longo

do tempo. O aumento no nível geral de preços, frequentemente expresso como uma porcentagem, significa que uma unidade monetária efetivamente compra menos do que em períodos anteriores. A inflação também visa medir o impacto geral das mudanças de preços para um conjunto diversificado de produtos e serviços e per mite uma representação de valor único do aumento no nível de preços de bens e serviços em uma economia ao longo de um

período de tempo. COMO A INFLAÇÃO A F E TA A FA M Í L I A B R A SILEIRA Muito além das estatísticas e das planilhas dos economistas, a inf lação tem assustado mais na vida real. A desvalorização dos salários e o aumento de preços são os maiores prejuízos causados pela hiperinflação (a hiperinflação é quando a inflação fica elevadíssima e fora de


Revista UniverSISA

controle). Além de corroer o poder d e c o m p r a d o c o n s u m i d o r, a a l t a generalizada e contínua dos preços c o s t u m a p r ov o c a r r e c e s s ã o e d e s v a lorização acentuada da moeda). Um exemplo simples é o aumento da gasolina, que vem crescendo constant e m e n t e. Pe l o p a í s , n ã o f a l t a m e x e m p l o s d e brasileiros que estão com dificuldade para fechar a conta todo mês. Neste ano, de cada R$ 100 do orçamento das famílias brasileiras, sobram apenas R$ 41,22 para cons u m i r, p a g a r d í v i d a s e i nv e s t i r, I s s o significa que a maior parte da renda vai para itens considerados essenciais – como combustível, energia e l é t r i c a , t r a n s p o r t e, e n t r e o u t r o s . Quando o valor da cesta básica au-

21


22

Revista UniverSISA

Consequências da falta de educação financeira • Alto número de famílias endividadas • Po u c o s c o n s e g u e m i n v e s t i r • Maioria gasta mais do que ganha • Maior propensão a dívidas • Dificuldade para che gar ao equilíbrio econômico menta e salário não acompanha, as famílias com maiores carências não conseguem suprir suas necessidades básicas, sendo mais umas dentre todas as outras consequências da inf lação. No acumulado de 12 meses, os mais vulneráveis foram impactados pela alta dos alimentos em domicílios, energia elétrica, gás de botijão e medicamentos. Já os mais abastados foram impactados pelos combustíveis, passagens aéreas e aparelhos eletrônicos. A inflação pode diminuir o poder de compra e fazer com que a população mais

pobre compre somente o necessário para sobreviver no mês, eliminando todos os gastos “supérfluos”. Então, resumindo, a inflação pode afetar diretamente a vida financeira de uma pessoa, principalmente se ela for da classe média para baixo. Po u c a s p e s s o a s s a b e m q u e é p o s s í v e l i nv e s t i r, mesmo não possuindo grandes somas de capital disponível.

mercado imobiliário. Vo c ê “ e m p r e s t a ” o s e u dinheiro à instituição e ela te paga uma remuneração específica.

CDB O Certificado de Depósito Bancário (CDB) é uma aplicação de renda fixa, emitida por bancos interessados em captar rec u r s o s d e i nv e s t i d o r e s . Ao contrário do que ocorre nas LCIs, no CDB existe cobrança de ImposLCI t o d e Re n d a , d e a c o r d o As Letras de Crédito com uma tabela regressiImobiliário (LCI) são tí- va, que começa em 22,5% tulos de renda fixa que e ter mina em 15%, depenos bancos oferecem para dendo do prazo da aplicacaptar recursos para o ção.


Revista UniverSISA

(principal instrumento do ativos, buscando maior T E S O U RO D I R E TO B a n c o C e n t r a l p a r a m a n - r e n t a b i l i d a d e. T í t u l o s d o Te s o u r o N a - t e r s o b c o n t r o l e a i n f l a ç ã o cional são uma opção se- oficial) por exemplo. CRI gura, acessível e rentável O CRI, Certificados de para quem quer começar F U N D O S D E I N V E S T I - Re c e b í v e i s I m o b i l i á r i o s , é a i nv e s t i r c o m p o u c o d i - M E N TO S um produto de renda fixa, nheiro. Pa r a q u e m b u s c a l i q u i - l a s t r e a d o p o r o p e r a ç õ e s Com apenas R$ 30 você dez, segurança e diversi- do setor imobiliário. j á p o d e a d q u i r i r a f r a ç ã o f i c a ç ã o p a r a o s s e u s i nv e s As principais vantagens de um papel, que pode ter timentos. do CRI é a isenção total a remuneração pré-fixada O s r e c u r s o s s ã o c o nv e r - d e I m p o s t o s d e Re n d a . ou pós-fixada. tidos em cotas, em que Além disso, a rentabilidaNo primeiro caso, a ren- cada i nv e s t i d o r possui de costuma ser superior a tabilidade é definida an- uma parte dos ativos da outros produtos de renda t e r i o r m e n t e, e n q u a n t o n o c a r t e i r a . O f u n d o é a d - f i x a . I s s o p o r q u e s ã o a p l i segundo caso, a rentabi- ministrado por um gestor cações de longo prazo, calidade poderá variar de especializado, que aloca racterizadas por uma reacordo com a taxa Selic os recursos em diferentes muneração pré-fixada ou

pós-fixada. - Te s o u r o S e l i c O Te s o u r o S e l i c é u m d o s i nv e s t i m e n t o s m a i s conhecidos por quem quer sair da poupança ou montar uma reserva de emergência. Tr a t a - s e d e u m a a l t e r n a tiva com rendimento pós-fixado que acompanha a taxa básica de juros da economia — a taxa Selic, o rendimento do título pode variar ao longo do tempo. Uma das g randes v a n t a g e n s d o Te s o u r o S e -

lic é que a rentabilidade é diária. FII O F u n d o d e I nv e s t i m e n to Imobiliário (FII) é uma alter nativa de renda variável. Isso significa que não é possível conhecer a lógica de rentabilidade d e s s e i nv e s t i m e n t o a n t e c i p a d a m e n t e. É uma modalidade de i nv e s t i m e n t o c o l e t i v a q u e foca no mercado imobiliá r i o . E n t ã o , o i nv e s t i d o r q u e d e c i d e i nv e s t i r p o r

23


24

Revista UniverSISA

meio dos FIIs deve com- rança. prar cotas do fundo. Em relação à tributação, as debêntures podem ou COE não ser tributadas. O certificado de operações estruturadas (COE) BDR é um produto financeiro BDR é a sigla para Braq u e c o m b i n a c a r a c t e r í s - z i l i a n D e p o s i t a r y Re c e i p t , ticas de renda variável e ou certificado de depósirenda fixa. to de valores mobiliários. E m g e r a l , e l e s p o s s u e m O i nv e s t i m e n t o é e m i t i d o um valor mínimo,um in- no Brasil por instituições dexador definido e uma financeiras e está disponídata de vencimento. O vel na B3. Ele representa produto pode atender di- ativos estrangeiros, como v e r s o s p e r f i s d e i nv e s t i d o - a ç õ e s , E T F s e t í t u l o s d e res, especialmente os que dívidas inter nacionais. querem diversificar seus O processo funciona i nv e s t i m e n t o s e m m e r c a - c o m u m a e m p r e s a d e p o s i dos mais sofisticados. tária que compra os ativos internacionais no local DEBÊNTURES onde são originalmente São títulos de dívida negociados. Esses ativos emitidos por companhias ficarão depositados sob privadas. Logo, são alter- responsabilidade de um n a t i v a s d e r e n d a f i x a , c o m a g e n t e c u s t o d i a n t e. A p ó s sua lógica de rentabilida- o procedimento, a depode conhecida no momento sitária, que é intermediád o i nv e s t i m e n t o . É c o m u m r i a n a n e g o c i a ç ã o , p o d e r á que empresas listadas na emitir os recibos. bolsa de valores ofereçam e s s e s t í t u l o s a o s i nv e s t i d o A Ç Õ E S DA B O L S A D E res. VA L O R E S O dinheiro captado é Quem compra uma ação usado para o fomento des- na bolsa de valores está lesas companhias, como al- vando uma pequena parte ter nativa às demais linhas de uma empresa de terceide crédito do mercado. ros e passa a ser chamado Aqui, um dos fatores que de acionista minoritário. d e v e m s e r av a l i a d o s é o A pós depositar recuremissor dos títulos, pois sos financeiros na conta i s s o i n f l u e n c i a n a s e g u - d a c o r r e t o r a , o i nv e s t i d o r

poderá começar a operar na bolsa, registrando ordens de compra e venda d e a t i v o s n o h o m e b r o k e r, um sistema conectado com o mercado de ações. Quando uma proposta de compra tem o mesmo preço de uma ordem de venda, o negócio é realizado. M A N E I R A S G OV E R NA M E N TA I S D E A M E N I ZAR A INFLAÇÃO A oscilação de valores é algo bem comum, e vários fatores inf luenciam nisso, porém existem medidas q u e o g ov e r n o p o d e t o m a r p a r a t e n t a r c o n t r o l a r, como elevar a produção e diminuir gastos. De acordo com Antônio Correa de Lacerda, prof e s s o r d a P U C - S P, o s i s t e m a d e m e t a s é r u i m . Pa r a e l e, e l e v a r o s j u r o s n ã o adianta. Já para Zeina Laft, economista-chefe da XP Investimentos, elevar os juros é coisa de países preguiçosos. Segundo ela, o q u e d e v e s e r f e i t o é av a liar as políticas públicas, mas ninguém quer pagar o pato. COMO DIMINUIR OS I M PAC TO S DA I N F L A ÇÃO NO NOSSO DIA-A-DIA A inflação pode nos


Revista UniverSISA

causar diversos impactos negativos. O seu principal impacto é o poder de compra do cidadão reduzido por causa da alta de preços e de seus salários não acompanhando os índices altos da inf lação. A inflação tem um grande impacto no orçamento domestico este peso estar muito ligado aos hábitos f a m i l i a r e s . Tu d o d e p e n d e d o q u e v o c ê c o n s o m e, para a grande maioria das famílias o reajuste da m e n s a l i d a d e e s c o l a r, o a u m e n t o d o p l a n o d e s a ú d e, do preço da gasolina e o n o v a l o r d a c a r n e, e s t ã o sendo assustadores. Diante da desse cenário

d e c r i s e, e x i s t e a l g u m a s recomendações para que esses impactos diminuam, sendo elas: • uma melhor tomada de decisão sobre as compras (consumo consciente); • comparação de preços (efetuar uma pesquisa de preços); • utilizar bem as promoções; • fazer uma substituição de produtos (procurar produtos com melhor custo benefícios); • rever os hábitos de consumo; • aprender a reutilizar o produto.

25

O consultor financeiro Samuel Magalhães diz que é fundamental fazer um planejamento orçamentário. “A e l a b o r a ç ã o d e u m a planilha financeira é imprescindível. Muita gente só se dá conta do que ainda falta pagar quando o dinheiro já acabou. É preciso criar prioridades”. I N F L A Ç Ã O M A I S A LTA N O B R A S I L É C U L PA D O G OV E R N O ? A inflação poderia ser m e n o r s e o g ov e r n o b r a s i leiro não tivesse alimentado a valorização do dólar e adotasse medidas para reduzir o impacto da alta


26

Revista UniverSISA

d e p r e ç o s n o m u n d o , av a liam os especialistas. A alta do dólar em relação à moeda brasileira pode afetar desde as coisas mais simples, como o preço do pão, até mais complexas, como as exportações e o mercado financeiro. A alta da taxa de câmbio acaba pesando mais sobre o brasileiro de baixa renda porque o dólar caro também bate nos preços dos itens básicos de consumo, como energia elétrica e alimentos. Então, quando há uma desvalorização do câmbio, o preço aumenta a u t o m a t i c a m e n t e. EMPREENDER É A SAÍ DA ? De acordo com o Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Empresas), a educação financeira para empreendedores é essencial para a gestão adequada das finanças da empresa e para o sucesso de um negócio, possibilitando a organização e o melhor controle de finanças e melhor gestão. O empreendedor precisa estar alerta à facilidade excessiva de crédito para não cair em ar madilhas, criando grandes dívidas desnecessária, que pode-

riam ser evitadas com o estudo mais profundo das particularidades financeir a s d o s e u n ov o n e g ó c i o Além disso, a educação financeira do empreendedor é essencial para garantir um bom gerenciamento de seu f luxo de caixa. Desta for ma, será possível focar na expansão e na condução do neg ó c i o , q u e d e v e s e r, a n t e s de tudo, financeiramente saudável. Logo, há diversas vantag e n s d e i nv e s t i r n a e d u c a ção financeira, sendo elas av a l i a r a n e c e s s i d a d e d e empréstimo, controlar as despesas, controlar o f luxo de caixa e melhorar a precificação de produtos e serviços. A pesar disso, o empreendedor deve possuir uma reserva de capital bem estruturada e de acordo com as necessidades da organização. Esse valor servirá para manter as operações financeiras em dia, como, por exemplo, pagamento de for necedores, salários e impostos.


Revista UniverSISA

HERÓIS ESQUECIDOS “ To d o s q u e r e m o s t e r heróis em nossa vida, por isso recorremos a heróis fictícios, mas devemos lembrar que existem g randes personalidades que estão presentes no nosso dia a dia e suas ações foram heroicas para o nosso p r e s e n t e. Esses heróis tiveram g randes contribuições para a o futuro da hum a n i d a d e, m a s m e s m o com toda a sua importância sofreram e sofrem os mecanismos do

esquecimento, sendo esse muitas vezes gerados pelas suas próprias nações que não valorizam os seus atos, mas usufruem de suas ações a todo momento. C a b e r e s s a l t a r, q u e quando pensamos em esquecimento, associamos àquilo que não tem a sua importância, como quando esquecem o s d e u m a c h av e o u c e l u l a r, p o i s n ã o d a m o s a devida atenção. Só que o esquecimento é também um fenômeno

estrutural, que como tudo em nossa vida tem os seus perigos, sendo que esses influenciam a nossa vida todos os dias.” HELEY DE ABREU Em 2017, a cidade min e i r a d e Ja n a ú b a ( M G ) ficou famosa pelo incêndio em uma creche que matou 14 pessoas, causado por um segur a n ç a q u e t r a b a l h av a no local. Como professora de jardim de infânc i a , H e l e y b r av a m e n t e

27


28

Revista UniverSISA

abraçou os criminosos para evitar que o ataque continuasse e ajudar a resgatar as crianças feridas. Ela foi queimada em 90% de seu corpo e não resistiu ao ferimento.

induzido, contudo, temos seu desenrolar vinculado à maneira como se estabelece o f luxo de infor mação. Isso tor na explícito a função preponderante que o consumo de dados, seja ele B E RT H A LU T Z de qualquer maneira ou “Zoóloga de profissão, época, desempenha no Bertha Maria Júlia Lutz processo de esquecimen(figura 20) é conhecida to. como a maior líder na luta pelos direitos políC ATA L I NA , J I N G U E ticos das mulheres brasi- ALAN leiras. Ela se empenhou Índia Catalina: Nativa p e l a a p r ov a ç ã o d a l e g i s - e i n d í g e n a l a t i n o - a m e r i lação que outorgou o di- cana, Índia Catalina foi reito às mulheres de vo- extremamente importar e de serem votadas. tante para a conquista de territórios e desencoLINHA DO TEMPO rajamento de conf litos, DA V I S Ã O D O S H E - a t r av é s d e s e u c a r á t e r RÓIS a p a z i g u a d o r. N o e n t a n Ao longo das eras, a to, pelo preconceito de visão de herói foi sendo gênero e a indígena ser c o n s t r u í d a e m o d i f i c a d a m u l h e r, s e u s f e i t o s f o r a m de acordo com os con- passados para o nome de textos sociais e cultu- seu parceiro. rais das sociedades que os criaram. Sendo asALAN TURING sim, pode-se utilizar a Matemático e teórico, seguinte linha do tempo viveu durante o períopara ilustrar as repre- do da Segunda Guerra sentações da imagem de Mundial, utilizando de h e r o í s m o p e l a j o r n a d a s u a i nv e n ç ã o , a M á q u i n a d a h u m a n i d a d e. d e Tu r i n g, p a r a l o c a l i z a r as tropas alemãs, possiMECANISMOS DE bilitando a ocorrência E S QU E C I M E N TO d o D i a D. N o e n t a n t o , Em todos esses casos após a exposição pública de esquecimento social da homossexualidade do

matemático, ele perdeu a a u t o r i a d e s u a s i nv e n ções, foi afastado de seu emprego e sofreu castração química. J I N G U KO G O A n t e s d a i nv e n ç ã o d a escrita, viveu a imperatriz guerreira Jingu Ko g o , q u e r e s i d i a e r e i n av a n o t e r r i t ó r i o j a p o nês. Ela foi a responsável pela primeira guerra ent r e C o r é i a e Ja p ã o , q u e diferentemente do efeito de guerras posteriores a essa, foi extremamente importante para o des e nv o l v i m e n t o cultural dos dois países. Mesmo assim, por ser mul h e r, J i n g u f o i a p a g a d a do registro de monarcas d o Ja p ã o , d u r a n t e a E r a Meiji, e seus feitos foram passados para o nome de seu filho e marido. CONSIDERAÇÕES F I NA I S Diante disso, constata-se que o heroísmo é um dos pilares da sociedade enquanto construção histórica da humanidad e. Po r e s s e m o t i v o , r e alçamos a vastidão, pertinência e complexidade da maneira como executamos nossas ações sociais, visto que a for ma


Revista UniverSISA

como agimos, pensamos e interagimos em sociedad e, d e u m m o d o g e r a l , é amplamente dependente e influenciada por símbolos heroicos. Muito se fala em fazer a diferença. Uma vontade comum aos seres humanos é o desejo da lembrança. Nesse caso, não propriamente a capacidade d e l e m b r a r, m a s o o b j e t o dela. Afinal, que sentido teria a vida, em todo seu complexo emaranhando, se dela não se absorvesse nada à História? Que sentido teria o todo sem suas partes Nenhum,

responde-me um sensato l e i t o r. Entretanto, se apenas de sensatez vivesse o Homem, o que seria da filosofia enquanto origem de todo o pensamento sistemático, indo de encontro a todo arcabouço mitológico que e nv o l v i a a s m e n t e s d a s c i vilizações primitivas, famintas por explicações? Dos matemáticos e suas insanidades abstratas que possibilitaram todo o des e nv o l v i m e n t o d a s o c i e d a de contemporânea? Po r e s s e m o t i v o , a i n d a q u e c o n t r ov e r s o , a n o ç ã o de que o esquecimento n ã o i nv a l i d a o s a t o s é t ã o

29

pertinente quanto. A razão disso, no entanto, está no quão prejudicial é o temor de que as ações não tenham frutos. É imprescindível, dessa for ma, independentemente da brutalidade do processo pelo qual as memórias sejam submetidas, que se cristalize nas mentes de hoje que o não pertencimento à lembrança de amanhã não tira o mérito e, m u i t o s m e n o s , o s e f e i t o s das ações realizadas com prudência e responsabilidade com o coletivo.


30

Revista UniverSISA

EXPLORAÇÃO E S PA C I A L

O f í s i c o r u s s o Ko n s t a n t i n Ts i o l k ov s k i publicou teorias passíveis e cálculos sobre a velocidade necessária para colocar foguetes e satélites em órbita.

Fo i f u n d a d a a S o c i e d a d e p a r a E s t u d o s d a s Vi a g e n s I n t e r p l a n e t á r i a s d a U n i ã o S ov i é t i c a , c o m a f i n a l i d a d e d f i n a l m e n t e, c o l o c a r u m f o g u e t e e m ó r b i t a , i n c l u i n d o c o m o m e m b r o s Ko t a n t i n Ts i o l k ov s k i , Fr i e d r i c h Z a n d e r Yu r i Ko n d r a t y u .

1924

1903

1914 O i nv e n t o r e s t a d u n i d e n s e Ro b e r t G o ddard patenteou o primeiro projeto de um foguete de combustão.

1926

Ro b e r t G o d d a r d f o i r e s p o lançamento do primeiro fo 16 de março com combustí composto de gasolina e oxi


Revista UniverSISA

ua d e,

onsr e

A U n i ã o S ov i é t i c a l a n ç a o p r i meiro satélite artificial. Primeiro s i n a l e nv i a d o d o e s p a ç o - S p u t n i k .

Primeiro voo espacial t r i p u l a d o ( Yu r i G a g a r i n ) . Primeiro homem em voo orbital.

1957

1969

onsável pelo guete no dia vel líquido igênio.

1961 Primeiro voo espacial t r i p u l a d o ( Yu r i G a g a r i n ) . Primeiro homem em voo orbital.

2021 Primeiro voo espacial com tripulantes sem conexão direta com agências espaciais (Inspiration 4). O voo foi operado pela SpaceX.

31


32

Revista UniverSISA

D E S C O B E RTA S R E VO LU C I O N Á R I A S S AT É L I T E S A RT I F I C A I S Os satélites artificiais são equipamentos const r u í d o s p e l o h o m e m q u e, após serem lançados no espaço, per manecem em ó r b i t a a o r e d o r d a Te r r a . Esses equipamentos tornaram-se fundamentais para uso de tecnologias n a Te r r a , c o m u n i c a ç ã o e estudos sobre o planeta. Os satélites artificiais são levados até a altura desejada a bordo de um ônibus espacial ou acop l a d o s a u m f o g u e t e. A o atingir a altura desejada, o satélite é acelerado até que atinja a velocidade necessária para manter-se em órbita. Os satélites ocupam posições ao redor d a Te r r a o n d e n ã o e x i s t e a t r i t o c o m o a r, o q u e g a rante que não haja perda de energia cinética. Com isso, o satélite mantém o m ov i m e n t o p o r i n é r c i a . FOGUETE REUTILIZÁVEL Um sistema de lançamento reutilizável ou, ainda, veículo de lançamento reutilizável é um

sistema de lançamento capaz de lançar um mesmo veículo ao espaço mais de uma vez. Os ônibus espaciais são parcialmente reutilizáveis, já que precisam de diversos reparos, que duram muito tempo, para que possam ser reutilizados. J á f o g u e t e s c o m o o Fo l con, da SpaceX, são considerados foguetes completamente reutilizáveis, pois não precisam de tantos reparos e ficam aptos a r e a l i z a r u m a n ov a d e c o lagem com menos tempo. TRAJES ESPECIAIS S PAC E X Te c n o l ó g i c o s , m i n i m a listas, bonitos e eficientes. Produzidos para suportar a despressurização d e n t r o d a n av e e s p a c i a l , os trajes da SpaceX tamb é m p o s s u e m av a n ç a d o s mecanismos de comunicação, controle de temperatura, são resistentes a c h a m a s e i m p a c t o e, n a s luvas, possuem sensibilid a d e a o t o q u e, n e c e s s á r i a pelo fato dos controles da

n av e s e r e m c o m a n d a d o s por telas touchscreen. Eles são produzidos especialmente para cada astronauta, encaixando-se perfeitamente no corpo d o e x p l o r a d o r.


Revista UniverSISA

PRÓS E CONTRAS O LADO BOM As justificativas para investimentos nacionais em um prog rama têm origem nos benefícios resultant e s d e s s e s i nv e s t i m e n t o s . H o j e, é c e r t o q u e a e x p l o ração espacial das últimas décadas modificou a vida moderna não tanto pelas descobertas científicas que surgiram como resultado dessa exploração. Po r e x e m p l o , h o j e é p r a ticamente impossível falar em comunicação a longas distâncias sem de certa for ma citar um componente ligado ao espaço. Um exemplo notório é a transmissão de imagens v i a s a t é l i t e, c u j a d e p e n dência de infraestrutura espacial é orgânica em sua cadeia de qualidade e dela inseparável em qualquer escala de tempo no futuro.

paço, o que significa que estamos a criar um nível significativo de poluição cada vez que gastamos combustível para fins de exploração. Modelos maiores poderiam conter meio milhão de galões de combustível que seriam utilizados durante toda uma missão. Depois, temos de encontrar uma for ma de colocar estes combustíveis em órbita segura para tornar os nossos esforços de exploração úteis, criando ainda mais problemas potenciais para a nossa atmosfera. Há mais de meio milhão de itens de lixo de mais de 50 anos de viagens espaciais e colocação de satélites que orbitam o nosso planeta neste momento. O anel de detritos que criamos torna a exploração espacial mais perigosa porque um imE M C O N T R A PA RT I DA p a c t o c o m o c a s c o d e u m a É p r e c i s o c o n s u m i r c o m - n av e p o d e t e r r e s u l t a d o s bustíveis fósseis quando mortais. lançamos foguetes no es-

33


34

Revista UniverSISA

E X P L O R A Ç Ã O E S PAC I A L R E T R ATA DA N O C I N E M A V I A G E M À L UA ( 1 9 0 2 ) N a Fr a n ç a , G e o r g e s M é l i è s c r i o u u m d o s p r i m e i r o s f i l m e s d e f i c ç ã o científica, em que descrevia uma incrível viagem à lua. A C O N Q U I S TA DA L UA ( 1 9 5 0 ) U m a v e z l i v r e d a a t m o s f e r a t e r r e s t r e, o s a s t r o n a u t a s t ê m q u e e n f r e n t a r o s p e r i g o s d e p o s s í v e i s f a l h a s n o e q u i p a m e n t o , a l é m d e g r av i d a d e z e r o . A t e n s ã o t o m a c o n t a d e t o d o s q u a n d o p e r c e b e m q u e, u m a v e z n a l u a , t a l v e z n ã o p o s s a m r e t o r n a r. WA L L - E ( 2 0 0 8 ) Uma animação infantil que usa ficção científica para ensinar lições a d u l t a s . A l é m d e s e r u m a h i s t ó r i a d e a m o r e n c a n t a d o r a , Wa l l - E a b o r da temas como consumismo, poluição, tecnologia e o futuro do planet a . Po d e n ã o s e r o f i l m e m a i s s é r i o d a l i s t a , m a s t o d o s d e v e r i a m v ê - l o . INTERESTELAR (2014) A s r e s e r v a s n a t u r a i s d a Te r r a e s t ã o c h e g a n d o a o f i m e u m g r u p o d e astronautas recebe a missão de verificar possíveis planetas para receb e r a m a p o p u l a ç ã o m u n d i a l . Jo s e p h C o o p e r a c e i t a a m i s s ã o d e l i d e r a r o g rupo, mas sabe que pode nunca mais ver seus filhos. G U E R R A NA S E S T R E L A S : O D E S P E RTA R DA F O R Ç A ( 2 0 1 5 ) A q u e d a d e D a r t h Va d e r e d o I m p é r i o l e v o u a o s u r g i m e n t o d e u m a n ov a f o r ç a s o m b r i a : a P r i m e i r a O r d e m . E l e s p r o c u r a m o j e d i L u k e S k y w a l k e r, q u e e s t á d e s a p a r e c i d o . A r e s i s t ê n c i a t e n t a , d e s e s p e r a d a m e n t e, e n c o n t r á - l o a n t e s p a r a s a l v a r a g a l á x i a . V I A JA N T E S : I N S T I N TO E D E S E J O ( 2 0 2 1 ) E m u m a l o n g a j o r n a d a e s p a c i a l , u m a n ov a g e r a ç ã o d e s e r e s h u m a n o s é c r i a d a c u i d a d o s a m e n t e p a r a g a r a n t i r a s o b r e v i v ê n c i a d a e s p é c i e. A o c h e g a r à j u v e n t u d e, e l e s c o m e ç a m a d e s p e r t a r s e u s i m p u l s o s a g r e s s i vos e sexuais, comprometendo toda a missão.


Revista UniverSISA

35


36

Revista UniverSISA


Revista UniverSISA

cl i q u e e o u ç a o p o d c a s t

G R AV I DA D E QUÂNTICA Grav idade quâ nt ica é o campo da f ísica teór ica que desenvolve modelos f ísico -matemát icos especí f icos, no propósito de cont r ibu i r para a un if icação da mecâ n ica quâ nt ica com a relat iv idade gera l. A g rav it ação quâ nt ica, em si, busca conci l iar no dom í n io quâ nt ico a apl icação da i nteração

g rav it aciona l. A lg uma das teor ias que são apl icadas são a teor ia das cordas, mo delo f ísico -matemát ico onde os blocos fundam e n t a i s s ã o o b j e t o s e xtensos un id imensiona is semel ha ntes a u ma corda, e não pontos sem d i m e n s ã o ( p a r t í c u l a s) , que são a base da f ísica t rad iciona l; e a teo -

r ia da superg rav it ação (q u e c o m b i n a o s p r i n c í pios da supersimet r ia e relat iv idade gera l). A g rav idade quâ nt ica est á presente no nosso d ia a d ia mesmo que seja quase i mpercept ível. E la est á presente em comput adores t a mbém nos lasers e nas luzes de L E D, e t a mbém no GP S.

37


38

Revista UniverSISA

C U RVAT U R A D O E S PA Ç O - T E M P O Descoberta em 1916, ocorre quando há um tipo de matéria e sua mera existência consequentemente dobra o espaço-tempo.

T E O R I A DA R E L AT I V I DA D E A teoria da relatividade foi criada pelo físico alemão Albert Einstein, a fim de buscar compreender as distâncias inter planetárias. Einstein explicou corretamente o efeito fotoelétrico (quando a luz se comporta como partículas).

MECÂNICA QU Â N T I C A

Ta m b é m c o n h física quântica, lisa o compor dimensões redu átomos, molécul las subatômicas.


A A

hecida como estuda e anatamento das uzidas, como las e partícu.

Revista UniverSISA

BU R AC O N E G RO

Um buraco neg ro é uma região do espaço-tempo com u m c a m p o g r av i t a c i o n a l t ã o intenso que nem mesmo a luz c o n s e g u e e s c a p a r. A i n t e n s a g r av i d a d e c o m p r i m e a m a téria até que não haja mais espaço entre os átomos. Corpos celestes dessa natureza podem surgir a partir da morte de estrelas.

C O M P U TA D O R QU Â N T I C O Criado em 1981, utiliza a física quântica para calcular frações e fór mulas que um computador c o nv e n c i o n a l n ã o c o n s e g u i r i a o p e r a r.

39


40

Revista UniverSISA

G R AV I DA D E QU Â N T I C A R E T R ATA DA NA S T E L A S G I O R DA N O B RU N O ( f i l m e d e 1 9 7 0 ) Q u e m d á n o m e a e s s e f i l m e é o t e ó l o g o e s a c e r d o t e, G i o r d a n o B r u n o . M e s m o s e n d o f r a d e, b a t e u d e f r e n t e m u i t a s v e z e s c o m a I g r e j a C a t ó l i c a , i s s o a i n d a n o s é c u l o X V I . Po r e s s e e o u t r o s f a t o s , G i o r d a n o d e d i cou-se mais à cosmologia do que à religião; o que o levou a ser recon h e c i d o p e l a Te o r i a d a I n f i n i t u d e d o U n i v e r s o .

T E A M A R E I PA R A S E M P R E ( f i l m e d e 2 0 0 9 ) E s t e f i l m e é u m a o b r a q u e o b e d e c e c e g a m e n t e à t e o r i a d a Re l a t i v i d a de e que mostra que o passado e o futuro são inalteráveis. Além disso, o filme mostra que a nossa capacidade de transfor mar a própria história é, no fundo, uma ilusão. INTERESTELAR (filme de 2014) Jo s e p h C o o p e r f o i r e c r u t a d o p a r a l i d e r a r u m g r u p o d e a s t r o n a u t a s n a procura por planetas para receberem a população mundial, antes que todas as reservas naturais da terra acabem por completo, mesmo Cooper sabendo que nunca mais veria seus filhos. O filme mostra que a g r av i d a d e q u â n t i c a é c a p a z d e v e r a d i s t â n c i a e n t r e p l a n e t a s . FLASH (série de 2014) O i nv e s t i g a d o r f o r e n s e B a r r y A l l e n s o f r e u m a c i d e n t e e m s e u l a b o r a t ó r i o : e l e l e v a u m b a n h o d e p r o d u t o s q u í m i c o s e, e m s e g u i d a , é a t i n gido por um raio. A partir disso, ele se tor na capaz de canalizar os p o d e r e s d o “ c a m p o d e v e l o c i d a d e ” e d e s e l o c o m ov e r c o m u m a r a p i dez sobre-humana, sendo capaz de viajar no tempo.

V I N G A D O R E S : U LT I M ATO ( f i l m e d e 2 0 1 9 ) A p ó s T h a n o s e l i m i n a r m e t a d e d a s c r i a t u r a s v i v a s d o m u n d o , o s Vi n gadores precisam lidar com as perda dos seus entes e amigos queridos. Na física quântica, este filme fala sobre a relatividade do tempo.


Revista UniverSISA

A RT E E C U LT U R A : ACESSO E ELITIZAÇÃO Cu lt ura de Massa é o ter mo empregado para sig n i f icar o processo de produção de bens d e c o n s u m o (d e v á r i o s t i p o s) , q u e a l c a n c e m uma g rande parcela da popu lação, com f i ns f u nda ment a l mente lucrat ivos e comercia is. Po r t a n t o , r e f e r e - s e a o processo de pad ron ização por pa r te dos esfor-

ços de toda uma indústria. Na cha mada E scola de Fra n k fur t, os teó r icos a lemães T heodor Ador no e Ma x Hork heimer produ zi r a m i númeras ref lexões sobre o advento da produção cu lt ura l para todas as classes. Um a v e z q u e a p a r t ir da at rat iv idade dos

elementos estét icos dos produtos e das sensaç õ e s d e p r a z e r, d i v e r s ã o e la zer é proporcionada cer ta “ fuga da rea l idade” que, seg undo A d o r n o e H o r k h e i m e r, é responsável pela a l ienação e pacif icação das pessoas em relação à ex ploração capit a l ist a a que são submet idas. No Brasi l, por exem-

41


42

Revista UniverSISA

plo, novela s, f utebol e te- sendo que a capit a l auslejor na i s são ót i mos exem- t r íaca foi consider ada o plos da mater ia l i zação da cent ro musica l da Eu ropa. cu lt ura de massa. A cheg ada no Br a si l foi at ravés da Ig reja Catól iA RT E P O P U L A R ca, dura nte os tempos de A cu lt ura popu la r g i ra colôn ia s com a s catequeem tor no do seio da co - ses e cer i môn ia s sacra s. mu n idade, revela o rea l A s obr a s ut i l i zada s pela potencia l e as ra í zes de ig reja t i n ha m ca ráter er uu m povo, at ua ndo como d ito, pois t rat ava m de teelemento que d ist i ng ue a s ma s rel ig iosos como, por caracter íst icas ident it á- exemplo, a obra de P iet á, r ias de uma popu lação. de M ichela ngelo. Vi ncu lada às cu lt uras Música clássica é d if ít r a d i c i o n a i s , m a i s i n t u i - c i l d e d e f i n i r. D e f o r m a t iva e com menor ref i na- ma is gera l, pode-se d i zer mento técn ico, ela deve que abr a nge toda s a s forser preser vada e usada ma s de música ad m it ida s como meio pa r a at i ng i r a s no mu ndo e tem sido est uca madas popu lares com dada e ex pl icada no seio suas ideias, como, por de t rad ições e clássicos exemplo, o a r tesa nato em prev ia mente deter minaf i lé, que é d i fund ido pela dos por h istor iadores da soc iedade maceioense e é música. Os d ic ioná r ios de u m dos pr i nc ipa i s produ- música cost u ma m t a mbém tos cu lt ura is de A lagoas. d i f und i r out ro conceito dessa ex pressão, ou seja, A RT E E RU D I TA ela tem o sig n if icado de A cu lt u r a er ud it a, que música sér ia, ao cont r á r io ut i l i za a s técn ica s da s va n- de ca nções popu la res, folg ua rda s eu ropeia s, su rg iu clór ica s e ja zz, ma s est a na Eu ropa e foi t r a zida ideia não fa z mu ito sent ipa r a o Br a si l pela nobreza do porque qua lquer musieu ropeia, sendo feit a por ca l idade pode ser si mples, poucos e para poucos. ent ão não precisa ser er uA a r te er ud it a, desen- d it a. volv ida du r a nte d i ferentes A música clá ssica br aper íodos h istór icos, como si lei ra ga nhou g rande o Ba r roco e o Roma nt is - dest aque e recon heci menmo, tem como ma rco a to mu nd ia l, com o t r abaP r i mei ra E scola de Viena, l ho do compositor Heitor

Vi l la-L obos, autor de cerca de m i l obras, também considerado um dos precur sores do est i lo no pa ís. Em gera l, quando se pensa sobre o que é er ud ito, pensa mos em coisas bon it as, de g ra nde va lor cu lt ura l, mas qua ndo fala mos sobre o que é cu lt ur a p o p u l a r, o a s s o c i a m o s a coisas v u lgares ou de ba i xa qua l idade.


Revista UniverSISA

43

FORMAS DE D E M O C R AT I Z A Ç Ã O DA A RT E

CINEMA EM DIA I n c e n t i v o d o g ov e r n o p a r a g a r a n t i r o a c e s s o à c u l t u r a d e t o d o s o s c i d a d ã o s a t r av é s d o c i n e m a , p r i o r i z a n d o a e x i b i ç ã o d e f i l m e s e d u c a t i v o s , e nv o l v e n d o a c r i a ç ã o d e c i n e m a s a céu aberto em periferias. DA N C E + P r o j e t o e m q u e e m p r e s a s , j u n t a m e n t e c o m o g ov e r n o , a j u d a m n a c r i a ç ã o d e O N G s q u e p e r m i t e m q u e j ov e n s de comunidades carentes pratiquem e prestigiem espetáculos de balé e danças clássicas. São for necidos ing ressos de for ma g ratuita a quem cumprir horas de estudos, c o m o f o r m a d e l a z e r.

MUSICANDO O i n c e n t i v o d o g ov e r n o e s t a d u a l p a r a a u x i l i a r o s a l u n o s a aprender a tocar instrumentos e até mesmo revitalizar instrumentos antigos ou danificados, levando, assim a arte à p o p u l a ç ã o m e n o s f av o r e c i d a .


44

Revista UniverSISA

cl i q u e e a s s i s t a o s v í d e o s

EAD: HISTÓRIA E DESAFIOS

O ensino à distância (EaD) surgiu em 1728, em Boston, nos Estados Unidos quando o p r o f e s s o r, C a l e b P h i l lips proporcionou um c u r s o d e Ta q u i g r a f i a para alunos de todo país com materiais e nv i a d o s p e l o c o r r e i o . No Brasil, o EaD

surgiu com cursos de qualificação profissional e o registro mais remoto é de 1904, em um anúncio no jornal Brasil sobre cursos de Datilografia. E s s e n ov o m e i o d e ensino vem evoluindo com o passar dos anos, com uma tecnologia


Revista UniverSISA

av a n ç a d a q u e i n f l u e n c i a n a e d u c a ç ã o e n a s o c i e d a d e. No Brasil essa evolução aconteceu de for ma abrupta, com a chegada da pandemia, crianças e adolescentes também começaram a estudar por meio da tecnologia diar i a m e n t e, m a s a n t e s o E a D só era usado para cursos de qualificação. C o m a c h e g a d a d o “ n ov o normal” e a necessidade de adaptação em todas as áreas, quem tinha uma resistência ao ensino online foi vencido p e l a p a n d e m i a . Tr a b a l h a r e s tudar de casa é a realidade que estamos vivendo. Dentro deste contexto, a modalidade EaD cresceu vertiginosam e n t e.

45


46

Revista UniverSISA


Revista UniverSISA

47


48

Revista UniverSISA


Revista UniverSISA

P RO C E D I M E N TO S MÉDICOS, IMUNIZAÇÃO E SAÚDE P roced i mentos méd icos e cir úrg icos são quando méd icos cl ín icos e cir ug iões de d iversas áreas da med ici na se ju nt a m pa ra ava l ia r u m deter m i nado paciente e cheg a r a um d iag nóst ico. I sso acaba sendo mu ito i mpor t a nte pa ra o paciente, pois va i levá-lo a menos tempo de i nter nação. O ut r a f u nção mu ito i mpor t a nte pa ra os méd icos, é quando se fa la em ajuda r os out ros pro f issiona is de d iversas á reas, como ocor re com at let as que precisa m de méd icos específ icos, t a is como or toped ist a, para cuidar dos membros do at let a, nut r icion ist as, para cu idar do cor po passa ndo d ietas ba lanceadas; com músicos, que prec isa m

de fonoaud iólogos pa r a cuidar de sua voz. Essa função dos méd icos, é mu ito necessá r ia, pois se eles não f izessem essa par t icipação na v ida desses prof issiona is, eles não ter iam um desempenho t ão bom em suas car reiras.

podem dar suas opiniões dura nte a ci r urg ia, pois todos eles estarão vendo o que o cir urg ião estará fazendo, em tempo real. M A MOGR A F I A A ma mog ra f ia é um ex a me r ad iológ ico feit o n a s m a m a s . Po s s u i a lt a resolução e for nece imagens deta lhadas capa zes de ident i f ica r precocemente o câ ncer de ma ma, a ntes mesmo que a mu l her ten ha si ntomas. Est ima-se que 1 a cada 10 m u l h e r e s d e s e n v o l vem o câncer de mama em a lg u m momento da v ida.

V I D E O C I RU RG I A Vídeocir urg ias assist ida s são, ba sica mente proced i mentos que os méd icos ut i l i za m máquinas especia l izadas e mu ito prec isa s, pa r a fazer as cir urg ias. A s máqu inas possuem pinças e pedais e têm uma v isão ma is ampl iada que não são t ão precisas a ol ho nu. I sso cont r ibu i com os ava nços na meR A I O -X d icina, pelo fa lo de que O r a i o -x é u m e x a m e elas possuem mon itores de i magem não -i nvasique per m item a v isão vo, que f unciona usa ndos out ros méd icos que do rad iação em ba i xas

49


50

Revista UniverSISA

doses pa ra ident i f ica r rapida mente a lterações na est r ut ura de ossos e de órg ãos. É o teste ma is a nt igo dessa categor ia, descober to em 18 9 5 p o r a c a s o , e m u m laboratór io de f ísica na A l e m a n h a . Po r s e r d e ba i xo custo, rápido e út i l na i nvest igação de uma sér ie de doenças, é mu ito ut i l i zado, por exemplo, nos setores de emergência e terapia i ntensiva dos hospit a is do país.

nost ica, t rat a e ajuda a preven ir doenças l igadas ao met abol ismo e à i ngest ão de nut r ientes. O nut rólogo t a mbém é quem pode prescrever med ica mentos, qua ndo necessár io para t rat ar a lg um d ist úrbio ou do ença. A lém d isso, deve ter uma v isão mais gera l sobre o problema, entendendo out ros a s pectos da saúde do paciente

F O N OAU D I O L O G I A E CA NTO N U T R I Ç ÃO O t r aba l ho do fonoauE N U T RO L O G I A d iólogo com o ca ntor é Pa ra entender mos a de prepa ra r o apa rel ho compa r t ic ipação ent re fonador pa r a o ca nto, nut r ição e nut rolog ia, ou seja, dei x á-lo resi s precisa remos entender tente pa ra u m t raba l ho a s d i ferença s ent re ela s. i ntenso. A mbas são volt adas à saúde e se complemenC O PA RT I C I PAÇ ÃO t a m e m u m p r o c e s s o E M P L A N O S D E S AÚ a l i m e n t a r. A p e s a r d i s - D E : VA N TAG E N S E t o , a s d u a s f u n ç õ e s s ã o D E S VA N TAG E N S d ist i nt a s e com si ng u• possu i um va lor menlar idades. sa l menor e por isso o A pr i nc ipa l d i feren- cl iente pag a u ma pa r te ça ent re nut rólogo e de cad a proced i mento a n u t r i c i o n i s t a e s t á n a r e a l i z a r, e e m u m p l a n o abordagem dada ao t rad iciona l, os custos paciente. Enqua nto o dos proced i mentos são nut r ic ion i st a promove cober tos pelo pl a no; uma educação a l imen• a pr i ncipa l va nt at a r, r e c o m e n d a n d o u m a g e m é p a r a a q u e l a s p e s a l i ment ação equ i l ibra- soa s que deseja m fa zer d a, o nut rólogo d iag- u ma econom ia mensa l,

já que mu itos pla nos nessa moda l idade possuem ta xas bem ma is baratas e atrat ivas; • va le ressa lt a r que na ma ior ia das vezes os problemas de saúde nos pega m de sur presa e nem sempre est a mos com reser vas para desembolsar repent i namente o custo que isso p o d e g e r a r, o u s e j a , pode haver u m custo inesperado se uma enfer m idade peg ue a pes soa despreven ida f ina ncei ra mente, pode comprometer o seu orça mento. O modelo copar t icipat ivo é idea l para quem não usa o pla no de saúde com frequência, já que, se comparado com os pla nos t rad iciona is, a sua cont rat ação tem um va lor ma is ba i xo e, caso o benef iciár io não precise usá-lo com reg u lar idade, ele terá um custo ba i xo, se t ransfor ma ndo em u ma a s sistência ext rema mente acessível. I mpor t a nte d i zer isso porque, caso o pla no copar t icipat ivo seja usado mu it a s vezes, pode ser que o custo dele sa ia por va lor ig ua l ou super ior a de u m c o n t r a t o r e g u l a r.


Revista UniverSISA

cl i q u e n o s í c o n e s a b a i x o para ouvir os podcasts P RO C E S S O D E D E S E N VO LV I M E N TO DE IMUNIZANTES

C O M PA RT I C I PA Ç Ã O N O S P RO C E D I M E N TO S M É D I C O S E C I R Ú RG I C O S

teste seus conhecimentos sobre imunizantes e saúde através de palavras cr uzadas VA C I NA S E IMUNIZANTES

51


52

Revista UniverSISA

EMPRESAS E O M E RC A D O D E T R A BA L H O DO SÉCULO XXI

C O M PA RT I C I PA Ç Ã O D E G Ê N E RO N O M E RC A D O D E T R A BA L H O O surgimento da desigualdade de gênero entre homens e mulheres se deu no i n í c i o d a Re v o l u ç ã o I n d u s t r i a l n o s é c u l o XVIII. A presença feminina no mercado de trabalho vem crescendo nas últimas décadas, apesar disso não significa um cenário ideal, embora seja possível observar esse aumento da participação feminina. A desigualdade de gênero é a diferença

de poder entre homens e mulheres. Contraposição de poder refere-se ao acesso às oportunidades nos âmbitos econômicos, políticos, educacionais ou culturais. Na primeira Guerra Mundial, entre 1914 a 1918, as mulheres estiveram no centro do conf lito em todas as nações beligerantes, ou seja, que e s t ã o e m g u e r r a u m e nv o l v i m e n t o que contribuiu em sua emancipação, em diferentes ritmos de acordo com o país. Em toda a Europa, elas também substituíram à frente dos trabalhos que os homens faziam, até então exclusivamente para eles. Após a partida dos homens para os campos de batalha, as mulheres começaram a desempenhar funções de condutoras de bondes, garçonetes em cafés, funcionárias dos correios entre outras profissões, porém seus salários eram muito baixos. No fim do conf lito, em 1918, implorou-se em todas as partes que as mulheres voltassem para seus lares e suas atividades anteriores. Entretanto, naquele momento, começava ali uma mudança importante: a presença feminina voltou nos anos


Revista UniverSISA

seguintes ao mercado de trabalho, sendo confirmada a feminização dos empregos nas fábricas, no setor terciário e nas profissões liberais. O acidente de 25 de março de 1911 foi um fator trágico que demonstrou a luta das mulheres por melhores condições no mercado de trabalho, esse acidente ocorr e u n a f á b r i c a Tr i a n g l e S h i r t w a i s t C o m p a n y, e m N ov a I o r q u e, n o s E s t a dos Unidos, quando 146 trabalhadores morreram, sendo 125 mulheres e 21 homens, que em maioria,

eram judeus. O episódio trouxe à tona as más condições enfrentadas por mulheres n a Re v o l u ç ã o I n d u s t r i a l . Devido a esse ocorrido, a data se tor nou o Dia Int e r n a c i o n a l d a M u l h e r, comemorado desde o início do século XX, após ser oficializado pela Organização das Nações Unidas (ONU), em 1975. Já no Brasil, durante o período colonial as mulheres brancas foram mantidas em segundo plano tanto economicamente quanto socialmente em relação ao

homem branco. Os direitos civis só foram a serem conquistados a partir do século XVIII, quando se começou a falar em reivindicação dos deles, com o advento do I l u m i n i s m o , m ov i m e n t o com ideais de liberdade e i g u a l d a d e e d a Re v o l u ç ã o Fr a n c e s a , q u e d u r o u e n t r e 1 7 8 9 a 1 7 9 9 . Va l e r e s s a l t a r q u e a p a l av r a feminismo só apareceria apenas no final do século XIX. No cenário nacional, o atraso dessa conquista foi em mais de 400 anos da descoberta do

53


54

Revista UniverSISA


Revista UniverSISA

p a í s p o r Po r t u g a l , e m 1932. Neste ano, o então presidente Getúl i o Va r g a s , p r o m u l g o u o Código Eleitoral, de no 21.076/1932, a primeira legislação brasileira a consagrar o direito ao voto e à participação política para as mulheres. A inclusão das mulheres no mercado brasileiro, se deu em razão d o av a n ç o e c r e s c i m e n to da industrialização em território nacional. Esse processo ocorreu em uma estrutura produtiva, com o contínuo processo de urbanização e a redução das taxas de fecundidade nas famílias, proporcionando, assim, a inclusão da classe feminina nas ocupações profissionais. C E N Á R I O AT UA L A pesar de toda evolução da mulher no mercado de trabalho, ainda existe preconceito, mesmo com tantas conquistas das mulheres em todos esses anos, a m u l h e r, p o r v á r i o s s é culos, viveu submissa ao homem e às convenções impostas por uma sociedade patriarcal, sendo excluída dos meios político e social,

bem como do espaço público, apesar de que não lhe era permitido sequer acesso à escola for mal, à educação a que tinha direito (apen a s a q u e s e j u l g av a necessária para desempenhar bem o papel servil de esposa, mãe e dona de casa). Na diferença salarial, em praticamente todas as áreas, mulheres brancas com ensino superior ganham, em média, 60% do salário de homens brancos com ensino superior - mesmo que ocupem o mesmo cargo e desempenhem as mesmas f u n ç õ e s . Pa r a m u l h e r e s neg ras, a diferença é ainda maior: elas ganham, em média, 40% do salário dos homens brancos, ou seja, men o s q u e a m e t a d e.

55


56

Revista UniverSISA

Pe s q u i s a s a p o n t a m q u e, nas 50 maiores empresas brasileiras, apenas 0,4% dos cargos de CEO são ocupados por mulheres n e g r a s e, n o t o t a l , a p e n a s 11% dos cargos dos CEO são ocupados por mulheres. Dupla jor nada, maternidade e carreira é uma questão social: historic a m e n t e, é a t r i b u í d a à s mulheres todas as obrigações com a casa e com os filhos. De acordo com o IBGE, as mulheres dedicam, em média, 21,3 horas por semana às atividades de casa, enquanto os homens gastam 10,9

horas, ou seja, quase a metade do tempo. Fa l a n d o e m m a t e r n i d a d e, a l é m d o d e s a f i o d e conciliar funções, sabe-se que grande parte das mulheres que se tor nam mães enfrentam um cenário desafiador ao voltarem da licença-mater nid a d e. U m e s t u d o d a F G V aponta que metade das mães que trabalham são demitidas dois anos após a l i c e n ç a - m a t e r n i d a d e. De acordo com essa mesma matéria, a cada dez mulheres, quatro não conseguem retor nar ao mercado de trabalho após a l i c e n ç a - m a t e r n i d a d e.

As mulheres também enfrentam o assédio (de diversos tipos, mas com destaque para o moral e o sexual) no ambiente de trabalho, especialmente nas áreas da ciência, engenharia e medicina. E, mais uma vez, a diferença é gritante: 40% das mulheres dizem que já foram xingadas ou ouviram gritos no ambiente de trabalho, contra 13% dos homens. O mais g r av e é q u e o a s s é d i o é , muitas vezes, naturalizado ou levado como “brincadeirinha” por parte de empresas essencialmente machistas.


Revista UniverSISA

M I G R A Ç Ã O DA S E M P R E S A S PA R A O F O R M ATO D I G I TA L A transfor mação digital já vinha acontecendo n o m u n d o e m p r e s a r i a l e, com a pandemia no último ano, cresceu de uma for ma acelerada, desde as empresas de menor p o r t e, q u e s e n t i r a m a n e cessidade de buscar caminhos para manter seus negócios ativos, até as que já existiam no mercado mundial. Essas alterações trouxer a m n ov o s h á b i t o s p a r a a sociedade e para o comércio em geral. Com a p a n d e m i a d e C ov i d - 1 9 , a transfor mação digital foi altamente incorporada à rotina das pessoas, seja

no trabalho, na escola, na compra e vendas de produtos, em consultas médicas, dentre outras for mas. Os meios tecnológicos precisam ser aplicados para entender e atender melhor os clientes da empresa. A inter net entrou de vez na estratégia das empresas e o meio digital precisa ser parte do planejamento de qualquer organização que deseja alcançar o sucesso. A tendência é que as opções de trabalho f lexíveis aumentem a produtividade nas empresas, ao mesmo tempo que atendam

aos requisitos de saúde e segurança. Com o home office integral, as instituições precisarão se adaptar a essa n ov a r e a l i d a d e. D i a n t e do ganho de produtividade e das melhorias na qualidade de vida dos colaboradores, após a pandemia isso permanecerá. A ideia é que a informalidade e a rapidez do serviço autônomo, especialmente nas áreas de comunicação e tecnologia, sejam cada vez mais visadas por empresas e por profissionais.

57


58

Revista UniverSISA

O QU E É N E C E S S Á R I O PA R A A B R I R U M A E M P R E S A ? I n i c i a l m e n t e, é p r e c i s o : • definir modelos de negócios e um nome para sua empresa; • um contador da confiança do empreendedor; • escolher atividades que vão ser executadas nessa empresa; • separar os documentos necessários para efetuar o registro na junta comercial; • em alguns dos casos, obter o alvará de localização e funcionamento da sua empresa. PA S S O A PA S S O Defina o modelo de negócios e nome da empresa. Procure o melhor modelo que se adapte ao seu negócio, atenda seus clientes e permita que você maximize o seu resultado. - Fr a n q u i a : d i s t r i b u i e comercializa produtos ou serviços baseados no direito de comercializar produtos, seguindo as reg ras de franqueamento. - Assinatura: concessão

de produtos e serviços ao usuário mediante pagamento de uma taxa dec o r r e n t e. - Marketplace: neste modelo, g randes varejistas alugam para um p l a ye r m e n o r u m e s p a ç o n o s e u m a r k e t p l a c e, s e j a loja virtual ou física. - Economia colaborativa: conexão de interesses econômicos de empresas que se complementam em serviços ou produtos, oferecendo rede de solução para os clientes. Contrate um contador de confiança. O contador responsável irá te explicar como abrir a sua empresa e será responsável por confeccionar e emitir os documentos exigidos pelos órgãos públicos, além de for necer as orientações e assessoria necessária para abrir sua empresa.

os serviços que planejou inicialmente e também garanta a melhor tributação para sua operação. Ju n t e o s d o c u m e n t o s necessários para junta comercial. O Contrato Social é a certidão de nascimento da empresa. Nele irão constar todos os dados básicos do negócio, como quem são os sócios, qual o endereço da s e d e, q u a i s o s d e v e r e s d e cada sócio com o empreendimento e qual o ramo de atuação, entre várias o u t r a s c o i s a s ! To d a e m presa no Brasil necessita de um contrato social para poder operar e se registrar nos órgãos públicos. Ele será utilizado também para participar d e l i c i t a ç õ e s d o g ov e r n o e realizar a abertura da sua conta bancária.

P r ov i d e n c i e o a l v a r á de localização e funcioDefina as atividades namento da empresa. O que serão executadas na alvará de funcionamento empresa. Isso é impor- é um documento que autante para garantir que toriza a empresa a exervocê possa executar todos cer as suas atividades em


Revista UniverSISA

determinados locais de acordo com as nor mas estabelecidas. Ele é concedido pela Prefeitura ou o u t r o ó r g ã o g ov e r n a m e n tal municipal. FAC E B O O K A D S O Fa c e b o o k A d s f u n c i o na como uma plataforma de anúncios de for ma online para quem deseja anunciar nessa rede social. Além de aparecer na tela de início e durante o uso dos usuários dessa platafor ma, os anúncios vão além do impulsionamento de uma publicação. Esses conteúdos também são reunidos em uma biblioteca de anúnc i o s d e s e nv o l v i d a p e l o p r ó p r i o Fa c e b o o k . Pa r a c o n s e g u i r a n u n c i a r s u a e m p r e s a n o Fa cebook Ads, você precisa seguir alguns requisitos necessários para ter retor no financeiro: • criar uma conta em alguma rede social vinc u l a d a a o Fa c e b o o k , d e

preferência nele; • escolher o objetivo central do seu anúncio; • configurar o seu anúncio confor me os seus requisitos; • definir qual vai ser o o r ç a m e n t o i nv e s t i d o n o seu anúncio e o horário da campanha; • definir o público que você deseja atingir com os seus anúncios; • otimizar a campanha e personalizá-la. O valor de um anúnc i o n o Fa c e b o o k l e v a d i versos fatores em conta na hora do preço final. Em média, ele custa entre R$0,30 a R$0,50 e v o c ê p o d e r á i nv e s t i r o valor que achar coerente (R$10, R$50, R$1000 etc) no seu anúncio e o valor que acha que irá r e t o r n a r. C o m o o v a l o r c o b r a d o p e l o Fa c e b o o k é p o r c l i q u e, e l e p o d e c h e gar a cobrar até R$5. LINKEDIN O LinkedIn é a maior

rede profissional do mundo, tem mais de 774 milhões de usuários em mais de 200 pessoas e territórios em todo o mundo. A platafor ma tem a visão de criar oportunidades econômicas para cada integrante da força de trabalho global. Ele tem a missão de conectar profissionais do mundo todo, tor nando mais produtivos e bem sucedidos. Como criar uma conta? 1° passo: acesse a página de acesso da conta do LinkedIn. 2° passo: digite seu n o m e, s o b r e n o m e, e - m a i l e uma senha. 3° passo: clique em cadastre-se agora. 4° passo: conclua todas as etapas adicionais solicitadas. Vo c ê d e v e u s a r s e u nome verdadeiro ao criar um perfil. Nomes de empresas não são per mitidos, como explicamos no contrato do usuário.

59


60

Revista UniverSISA


Revista UniverSISA

M O B I L I DA D E U R BA NA : ORDEM X CAOS

Mobi l idade urbana sig n if ica “ faci l idade e m s e m o v i m e n t a r ”, o u seja, ela per m ite que você se mov i mente com mu ito ma is fac i l idade, por meio do uso de automóveis, ôn ibus, biciclet as, motociclet as, etc. A mobi l idade urba na pode possuir dois lados: a ordem e o caos, possuindo assim um lado posit ivo e u m lado negat ivo. A lg u ns pontos posit ivos são mel hor ia da saúde e qua l idade de v ida, por meio da mo bi l idade urbana at iva, que é um t ipo de mobil idade em que se usa o mov i mento o hu ma no, como em biciclet as e pat inetes. Este t ipo de mobi l idade pode t a m-

bém reduzir as emissões de g a ses poluentes. Com u m nú mero menor de automóveis e ma ior i nvest i mento na mobi l idade urba na at iva, esse problema po d e r i a s e r r e s o l v i d o . Um estudo rea l izado pela A N T P ( 2 016 ) d i z q u e , em méd ia, 60% da po lu ição nas cidades são causadas por automó veis. A lg u ns pontos neg at ivos da mobi l idade urbana são a sobrecarga do espaço, a l i m it ação do f lu xo, o au mento do í nd ice de acidentes, com consequências como mor tes e mut i lações, polu ição no a mbiente e problemas card iovascula res, de compor t a mento e h iper tensão. Os moda is de t ra ns-

por te colet ivo conso m e m 24% d a e n e r g i a gast a pelo t ra nspor te, o s c a r r o s g a s t a m 72 % . O sig in if icado de ordem na mobi l idade urba na é i nteg ração. Const r u ir redes de t ra nspor te i nteg radas, nas quais todos os d i ferentes modos de t ra nspor te esteja m i nterl igados e tor nem a mobi l idade ef iciente, é a muda nça essenc ia l de que as cidades e as pessoas precisa m hoje. O acesso à seg urança e ef iciência depende d i ret a mente da s cond ições de mobi l idade, que est ão relacionadas ao desenho urba no, ao modelo de pla neja mento e à d ist r ibu ição do espaço urba no. Quando uma cidade é

61


62

Revista UniverSISA

desen hada pa ra comport a r de for ma adequada os desloca mentos a pé e de biciclet a, automat ica mente o acesso à cidade mel hora. Po r o u t r o l a d o , a p o pu lação com d i f icu ldade na locomoção, embora em pequena esca la, so f re mu ito com os poucos lugares adapt ados para eles. O d ireto à inclusão socia l e cidadan ia das pessoas com def iciência est á g a ra nt ido no est at uto da pessoa com def ic i ê n c i a n a l e i n° 1314 6 , cr iada em 6 de ju l ho de 2 015 , d e s t i n a d a a a s s e g u r a r e a p r o m o v e r, e m cond ições de ig ua ldade, o exercício dos d i reitos e das l iberdades fundament a is por pessoa com def iciência, v isando à sua inclusão socia l e cidadania. R E A L I DA D E L O C A L No mu n ic ípio de M aceió, pa ra mel hora r o t râ nsito é necessá r io que os órg ãos competentes tenham mais empat ia e bom senso com a população, indo desde a inst a lação de novos meios de mon itora mento até à mel hor ia na f isca l i zação. Apesar de ambas se completarem e serem mu ito i mpor t a ntes, mu i-

tas vezes acabam sendo v istas com escassez em nosso mu n ic ípio. A lém d isso, as leis precisar iam ser mais r íg idas e ef icazes. A cr iação de pontes, v ia s e novos meios de t ra nspor te públ ico ser ia uma das maneiras ma is úteis e que ajuda r ia m g ra ndemente na mobi l idade urba na da cidade.


Revista UniverSISA

63


64

Revista UniverSISA

O PA P E L DA O N U NO MUNDO G L O BA L I Z A D O

A ONU estabelece três pilares principais p a r a o d e s e nv o l v i m e n t o s u s t e n t á v e l d o s países: o econômico, social e ambiental, e esse pilares são distribuidos em 17 objetivos. Dentre esses 17 pelo menos 5 são relac i o n a d o s a o m e i o a m b i e n t e, p o r e x e m p l o a busca pelo saneamento e água potável (6° princípio). E m 1 9 7 2 , a O N U c o nv o c o u a c o n f e r ê n c i a das Nações Unidas sobre o ambiente humano em Estocolmo (Suécia). O evento foi um marco e sua declaração final contém 19 princípios que representam um “manifesto ambiental”, estabelecendo as bases para u m a n ov a a g e n d a . Um desses princípios diz que: “O homem tem a responsabilidade especial de preservar e administrar judiciosamente o patrimônio da f lora e da fauna silvestres e seu habitat, que se encontram atualment e, e m g r av e p e r i g o , d e v i d o a u m a c o m binação de fatores adversos. Consequent e m e n t e, a o p l a n i f i c a r o d e s e nv o l v i m e n t o econômico deve-se atribuir importância à conservação da natureza, incluídas a flora e a fauna silvestres.”

O Prog rama das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) é a principal autoridade ambiental global que determina a agenda inter nacional sobre o meio amb i e n t e, p r o m ov e a i m p l e m e n t a ç ã o c o e r e n t e d a d i m e n s ã o a m b i e n t a l d o d e s e nv o l v i m e n t o sustentável no Sistema das Nações Unidas e serve como autoridade defensora do meio ambiente no mundo. S u a m i s s ã o é p r ov e r l i d e r a n ç a e e n c o r a jar parcerias na proteção do meio ambient e, i n s p i r a n d o , i n f o r m a n d o e p e r m i t i n d o que países e pessoas melhorem sua qualidade de vida sem comprometer as gerações futuras. Em 2021, a ONU propôs no Brasil o tema Re s t a u r a ç ã o d e E c o s s i s t e m a s . A r e s t a u r a ção dos ecossistemas pode assumir várias for mas, como a plantação de árvores, cultivo de jardins, mudança na alimentação ou limpeza de rios e mares por parte da s o c i e d a d e. De acordo com o Ministério do Meio Amb i e n t e, t o d o s o s t i p o s d e e c o s s i s t e m a s p o dem ser restaurados, incluindo f lorestas, oceanos, fazendas e cidades.


Revista UniverSISA

cl i q u e e a s s i s t a o s v í d e o s

teste seus conhecimentos sobre o papel da ONU através de palavras cr uzadas O PA P E L DA O N U

65


66

Revista UniverSISA


Revista UniverSISA

67

CONSUMISMO E MEIO AMBIENTE o s i m p a c t o s d o c i cl o d e p r o d u t o d e u m a c a d e i r a

EXTRAÇÃO A peroba rosa é uma espécie de árvore nativa da Mata Atlântica brasileira e também é encontrada na Argentina, Pa r a g u a i , Pe r u e C o l ô m b i a . U m a á r v o r e m u i t o p o p u l a r, t e m sofrido intensa exploração e perda de habitat nas últimas décadas. No Brasil, temos 7,8 mil hectares de peroba rosa, que era u m a á r v o r e m u i t o u t i l i z a d a n o p e r í o d o c o l o n i a l . H o j e, é utilizada para fazer mesas, cadeiras e outros tipos de móveis. TRANSFORMAÇÃO O processo tem início com a entrega da matéria prima bruta na zona de recolha e ar mazenamento da serração. Os troncos são, então, transportados para uma área de análise e seleção automática das espécies de árvore e de corte inicial. Em função da classificação, os troncos são então separados e empilhados para posterior uso. Da zona de separação, os troncos são conduzidos para as instalações de serração propriamente ditas, onde são retiradas a casca e as inserções de galhos. Em seguida, os troncos são introduzidos numa primeira máquina de corte longitudinal que dá origem aos elementos de madeira, que são mais uma vez separados e ordenados para operações posteriores. Ta n t o n e s t a c o m o n a s r e s t a n t e s f a s e s , t o d o s o s s u b p r o d u tos como aparas de madeira e cascas são conduzidos para outras zonas da fábrica, onde são sujeitos à reciclagem. Depois do corte os elementos de madeira são transportados para os for nos de secagem, que per mitem acelerar a e s t a b i l i z a ç ã o d a s c o n d i ç õ e s d e u m i d a d e.


68

Revista UniverSISA

Após a secagem, são conduzidos para uma zona de aplainamento, onde lhes é dado um acabamento superficial final. Depois do corte transversal de acordo com as especif i c a ç õ e s d o c l i e n t e, o s e l e m e n t o s f i n a l i z a d o s s ã o e m balados e levados para a zona de ar mazenagem e distribuição, de onde partem para o seu destino final. M O N TA G E M E F I NA L I Z A Ç Ã O Antes de começar a fabricar as cadeiras de ferro, uma fábrica de cadeiras precisa ter um bom for necedor de ferro aço carbono, que é a principal matéria prima de uma c a d e i r a d e f e r r o . E s s e p r o d u t o p r e c i s a s e r m u i t o b e m av a liado, cortado nas medidas corretas e receber a dobra correta para uma perfeita ergonomia no encosto da cadeira de ferro. A p ó s o m a t e r i a l p a s s a r p e l o p r o c e d i m e n t o a n t e r i o r, p a s samos para o sistema de solda que uma fábrica de cadeiras precisa ter muito bem estabelecido. O processo de solda é que faz a junção das partes do aço carbono modelando a cadeira de ferro dando fir meza e durabilidade à base da cadeira de ferro. É importante verificar se a fábrica de cadeiras possui um sistema de solda, feita na cadeira de ferro, ponteada ou continua (que preenche todas as junções da peça). A solda continua dá mais resistência e durabilidade à cadeira de ferro. A pós a montagem da base da cadeira de ferro, a fábrica de cadeiras precisa ter os devidos cuidados com a limpeza do tubo aço carbono que é feita com produtos especiais. Esses produtos preparam a peça para receber a pintura e tor ná-la mais durável. A p i n t u r a d a c a d e i r a d e f e r r o é f e i t a a t r av é s d e u m s i s t e ma de pintura eletrostática. Esse sistema é o mais recomendado que uma fábrica de cadeiras precisa ter para produtos de ferro aço carbono, pois ele for ma uma película de polímero protetora aderente e de difícil remoção que garante mais qualidade e durabilidade a pintura. O assento da cadeira de ferro, em sua maioria é composto por madeira OSB, espuma e corino que precisam ser ajustados e muito bem g rampeados. Como elemento final a fábrica de cadeiras precisa adicio-


Revista UniverSISA

69

nar ponteias de nylon nos pés e no topo da cadeira para dar acabamento e garantir mais segurança ao produto. A pós isso o produto passa por uma expedição de checagem e recebe a sua embalagem ideal. USO Os consumidores têm estado cada vez mais atentos ao processo produtivo dos produtos que consomem. Os conceitso de economia verde e sustentabilidade já reverberam nos hábitos de consumo de uma parte da população, ainda que pequena. A construção civil, como ramo cada vez mais em alta no mercado não poderia ficar de fora desse processo e também passou a adotar técnicas para tanto reduzir quanto reutilizar seus resíduos, entre eles, a madeira. O foco é apresentar desde as causas e consequências da extração ilegal da madeira até técnicas para que ela seja melhor utilizada na construção, além de meios alter nativ o s p a r a u t i l i z á - l a e m h a r m o n i a c o m o m e i o a m b i e n t e. O i m p a c t o d e s t r u t i v o p r ov o c a d o n o m e i o a m b i e n t e, d e vido à ação humana, é um problema que tem gerado preocupações em todo o mundo. A deg radação ambiental, a extração de recursos naturais e sua exploração errônea, c o l o c a m e m r i s c o t o d a s a s f o r m a s d e v i d a , p r ov o c a n d o d a nos ao solo, a água, à f lora e à fauna. D E S C A RT E E R E C I C L A G E M O g e r e n c i a m e n t o d e r e s í d u o s é a l g o q u e j á c o m e ç a n o p ro c e s so de fabricação. A sobra da madeira é levada para uma outra fábrica ou para outro setor da mesma fábrica, onde ocorre o processo de reciclagem. Essa madeira reciclada é utilizada para fazer objetos pequenos como: brinquedos, prateleiras, porta treco, banquinhos e outros. N o c a s o d o c o n s u m i d o r, o d e s c a r t e e m a t e r r o s s a n i t á r i o s não é recomendado, já que o material pode demorar centen a s d e a n o s p a r a s e d e c o m p o r. O m e l h o r a f a z e r é p r o c u r a r empresas especializadas na reciclagem e/ou reutilização. A s s i m , a l é m d e a j u d a r o m e i o a m b i e n t e, v o c ê e s t a r á m o t i vando organizações, associações, cooperativas e outros negócios focados na preservação ambiental.


70

Revista UniverSISA

GALERIA D E A RT E


Revista UniverSISA

71


72

Revista UniverSISA


Revista UniverSISA

73


74

Revista UniverSISA


Revista UniverSISA

EXPERIÊNCIA SISA J Ú LYA VA S C O N C E L O S A c r e d i t o q u e, m e s m o m u i t o f r i s a d o , o p a p e l d a e s c o l a n a c o n s t r u ç ã o c r í tica dos cidadãos em for mação é crucial. Apesar de fazer parte do cor po estudantil do Colégio Santa Amélia há apenas 4 anos (no entanto, os últimos de toda a minha trajetória escolar), uma das mais importantes constatações desse período é o quanto o SISA — Seminário Interdisciplinar Santa Amélia — cumpre essa função com muita excelência. Pa r a m i m , o S I S A f o i f u n d a m e n t a l p a r a o d e s e nv o l v i m e n t o d a s m a i s d i v e r s a s h a b i l i d a d e s s o c i a i s . A c o m e ç a r p e l o c a r á t e r i n t e g r a d o r q u e, m e s m o c o m o s p e r c a l ç o s i m p o s t o s p e l a p a n d e m i a d o C ov i d - 1 9 n a e d i ç ã o d o a n o d e 2020, se manteve enquanto uma das principais características do projeto. É pertinente ainda, ressaltar a tremenda quebra de paradigmas que a iniciativa representa, diante da cada vez mais mecanizada e acelerada sociedade do século XXI, que submete o processo educativo a um cunho tão abrupto quanto. Indo por um viés emotivo, em paralelo, tive a oportunidade de construir m e m ó r i a s i n e s q u e c í v e i s , a o l a d o d o s c o l e g a s d e i n s t i t u i ç ã o e, p r i n c i p a l m e n t e, d a e q u i p e t é c n i c a e d o s m e s t r e s q u e n o s p r o p o r c i o n a m e x p e r i ê n c i a s cada vez mais desafiantes e promissoras. Em nome daqueles que cresceram tanto quanto eu, meu profundo ag radecimento. J O NAT H A N N I C H O L A S E s t u d o n o C o l é g i o S a n t a A m é l i a h á m a i s d e 1 0 a n o s . Pa r t i c i p o d o S I S A desde 2012 e todos os anos me sinto como se fosse o primeiro. Muitas vezes, escutei dizer apenas que o SISA era apenas um evento onde tínhamos nossa nota “garantida” para conseguir passar de ano, mas o SISA é m a i s q u e i s s o , c r i a m o s a m i z a d e s n ov a s , e x p e r i ê n c i a s n ov a s e u m a q u a n tidade de conhecimento indescritível. Quando se participa do SISA com a mentalidade de adquirir conhecimento e experiência em diversas áreas, melhora em 101%. To d o s o s a n o s f o r a m m u i t o d i v e r t i d o s , p r ov e i t o s o s e i n í c i o d e u m n ov o c i c l o d e a m i z a d e. H o j e t e n h o o p r a z e r e m d i z e r q u e f i n a l i z o m e u ú l t i m o

75


76

Revista UniverSISA

ano da melhor for ma possivel, o melhor dentre todos os outros eventos. Só tenho a agradecer todo apoio e conhecimento que o Colégio Santa Amelia me proporcionou. CAMILLE No meu primeiro SISA, no sexto ano, parecia muito mais complexo do que realmente era, mas essa complexidade foi diminuindo com o passar do tempo. No seminário, cada ano de produção tem seus obstáculos e suas diferentes experiências. No ano de 2020, eu tive o maior obstáculo, talvez d e t o d o o S I S A , a Pa n d e m i a d a C ov i d - 1 9 . A s m a i o r e s d i f i c u l d a d e s p a r a mim foram a elaboração do projeto, porque o meio de comunicação era apenas as redes sociais e o fato de eu não conhecer pessoalmente mais da metade o meu g rupo. A culminância, no meu ponto de vista, foi bem melhor do que a pesquisa, porque eu já conhecia as pessoas do meu g rup o e a j u d e i a d e s e nv o l v e r u m a v á l v u l a m i t r a l f e i t a d e f i b r a d e b a m b u . Tu d o i s s o , s e r v i u c o m o u m a g r a n d e a p r e n d i z a d o d e q u e i n d e p e n d e n t e d e qualquer obstáculo unidos passamos por tudo. B R E N O TO R R E S Sou do 9° ano e esta é a segunda vez que participo do SISA. A primeira foi no 6° ano. A edição de 2021 foi melhor do que a de 2018. O SISA é um evento de socialização, colaboração e trabalhos manuais. Sendo um evento que dará sua nota pode-se pensar que é chato, mas muito pelo contrário, são atividades educacionais divertidas. LUIGI GOMES Sou do 3° ano, estou no colégio desde 2014, mas foi apenas em 2015 que comecei a participar do Seminário Interdisciplinar Santa Amélia, então, e n t e n d i q u e b a s i c a m e n t e, a g e n t e a p r e n d e a f a z e r e a p r e s e n t a r u m TC C . Mesmo como todo o estresse e problema de timidez, eu sempre escolhia fazer o SISA. Eu nunca me tor nei líder de g rupo, mas tanto com colegas como com amigos próximos, conseguia ver o quanto o líder depende do g rupo, é fundamental que o g rupo tenha a cooperação de todos, e o colégio sempre manteve o mesmo padrão, com a seguinte etapas: pesquisas, banca e c u l m i n â n c i a , q u e, s i n c e r a m e n t e, é m u i t o o r g a n i z a d o . Houve apenas um ano em que as coisas foram diferentes, foi o ano de 2 0 2 0 , q u e, c o m a q u e s t ã o d e p a n d e m i a , e x i g i u u m a m a i o r c a p a c i d a d e d e adaptação de todo mundo. No entanto, o colégio se adaptou bem, por mais que este tenha sido o SISA mais desanimado, conseguiu atingir o seu objetivo. E u e n t e n d i q u e o o b j e t i v o d o S I S A é , b a s i c a m e n t e, n o s p r e p a r a r p a r a q u a n d o f o r m o s p a r a a f a c u l d a d e, p a r a q u e a g e n t e s a i b a c o m o s e i n f o r m a r


Revista UniverSISA

e juntar as infor mações, e como apresentar essas infor mações, e na culminância, é onde a gente faz mais trabalho de aluno mesmo, coisas mais leves para suprir o estresse da etapa da pesquisa e da banca. O colégio reforça bastante a questão de socialização. Eu já fiz muitos a m i g o s d e o u t r a s t u r m a s , e j á a p r e n d i a s s u n t o s d i v e r s o s c o m e l e s . Po r m a i s que o preço do SISA fique mais elevado a cada ano, que haja o estresse da etapa de pesquisa, a angústia de apresentar o trabalho, e ter que ir só o pó da rabiola para a última etapa do SISA, no fim, tudo isso vale a pena. NICOLAS ALEXANDRE Estou no 1° ano do Ensino Médio do Colégio Santa Amélia e tenho 15 anos. Comecei a estudar no Santa Amélia em 2018, onde fiz meu primeiro SISA, e falei sobre carros futuristas. Eu e minha equipe apresentamos sobre a tecnologia dos veículos futuristas, apresentando os detalhes, funcionamentos e características no visual. Q u a n d o f i z o S I S A p e l a p r i m e i r a v e z , e u l o g o g o s t e i m u i t o d e f a z e r, p o r que eu acho legal poder se reunir com alguém para fazer alguma coisa e t e r u m a b o a c h a n c e d e m e s o c i a l i z a r m a i s , c o nv e r s a r e t a m b é m p r a f i c a r mais amigo dos outros. Decidi, então, fazer o SISA todos os anos. Em 2019, o SISA foi mais legal ainda. Em 2020, infelizmente devido à p a n d e m i a d e C OV I D - 1 9 , q u e s u r g i u p o u c o d e p o i s d a s p r ov a s m e n s a i s d o primeiro bimestre começarem, todos precisaram ficar de quarentena em casa e só sair se fosse realmente necessário, todo mundo precisou começ a r a f a z e r a u l a s , p r ov a s e t r a b a l h o s o n l i n e, e o S I S A c o n s e q u e n t e m e n t e t a m b é m p r e c i s o u s e r o n l i n e, o q u e f o i m e i o e s t r a n h o p o r s e r t o t a l m e n t e d i f e r e n t e d o q u e e u e s t av a a c o s t u m a d o . Agora em 2021, com a pandemia melhorando aos poucos, na metade do ano, as aulas presenciais voltaram e foi legal poder fazer as coisas presenc i a i s d e n ov o , e e s t e a n o e u e m i n h a e q u i p e a p r e s e n t a m o s s o b r e a m o b i l i dade urbana no brasil, apresentando as características, os problemas e as soluções para esses problemas. A DA M Í S I A F L O R E N T I N O Já participei de 5 edições do seminário desde 2017. Minhas experiências s ã o s u r p r e e n d e s e n ov a s a c a d a a n o . O c o l é g i o b u s c a a i n c l u s ã o e r e s p e i t a r a necessidade de cada aluno tor nando o Seminário bastante dinâmico. Já aprendi muito com os temas que inf luenciaram positivamente no meu d i a - a - d i a . Po r e x e m p l o , a n o p a s s a d o , c o m o m e u t e m a , a p r e n d i s o b r e d i versos tipos de alimentação mais saudáveis e sem car ne para ajudar o planeta. Isso me inf luenciou a buscar a ajuda de um profissional e me tor nar a d e p t a a o v e g e t a r i a n i s m o . C o m e s s a n ov a d i e t a , s i n t o q u e e s t o u a j u d a n d o o m e i o a m b i e n t e e m i n h a d i s p o s i ç ã o m u d o u p a r a m e l h o r, j á q u e a g o r a como de for ma saudável.

77


78

Revista UniverSISA

O ano passado (2020) foi uma das edições mais interessantes, já que est á v a m o s e m u m n ov o c o n t e x t o e f o r m a t o . A c u l m i n â n c i a f o i b e m l e g a l m a s confesso que um pouco monótona, já que todos os laboratórios foram onl i n e s e a s a t i v i d a d e s , c o n s e q u e n t e m e n t e, e r a m l i m i t a d a s . RO D R I G O Sou do 9° ano, já tive três participações no SISA, com essa atual sendo a terceira. A experiência SISA tem sido algo com bastante peso, porém com b o a s r e c o m p e n s a s . A c u l m i n â n c i a é m i n h a p a r t e f av o r i t a p e l a s d i f e r e n t e s a t i v i d a d e s f e i t a s n a s m e s m a s e a s p e s s o a s q u e v o c ê p o d e c o n h e c e r.


Revista UniverSISA

79


80

Revista UniverSISA

GALERIA DE COLABORADORES alunos participantes do projeto da revista


Revista UniverSISA

81


82

Revista UniverSISA

professores participantes do projeto da revista



REVISTA UNIVERSISA

EDIÇÃO 1 OUTUBRO - 2021


Millions discover their favorite reads on issuu every month.

Give your content the digital home it deserves. Get it to any device in seconds.