Issuu on Google+

Disciplina: Língua Portuguesa Professora: Sâmara Azevedo Série: 1º ano do Ensino Médio | Turno: matutino Data: ___/ ___/ 2012 Aluno: ___________________________________________________

Figura de linguagem é uma forma de expressão que consiste no emprego de palavras em sentido figurado, isto é, em sentido diferente daquele em que convencionalmente são empregadas.

Sentido real é aquele que pode ser entendido como o sentido “básico, normal” da palavra ou expressão, esse pode ser compreendido sem ajuda do contexto. Quando uma palavra ou enunciado se apresenta em seu sentido real, adquire valor denotativo. Quando dizemos, por exemplo: “Perdi a chave do apartamento”, “Fulano está doente do coração”, “pessoa baixa”, as palavras sublinhadas se empregam na sua significação real, ou seja: denotativa.

Sentido figurado é o que as palavras ou expressões adquirem em situações particulares de uso. A palavra tem valor conotativo quando seu significado é ampliado ou alterado no contexto em que é empregada, sugerindo idéias que vão além de seu sentido mais comum. Adquire um valor conotativo. Quando encontrarmos frases como as seguintes: “Descobrimos, afinal, a chave do problema”, “Penetramos no coração da floresta”, “Sempre foi pessoa de sentimentos baixos”, As mesmas palavras aparecem transfiguradas e enriquecidas de novos valores expressivos, ou seja: conotativo.

As figuras de linguagem utilizam apenas a linguagem figurada, ou seja, a conotativa! As principais figuras de linguagem são: METÁFORA: A metáfora ocorre quando uma palavra passa a designar alguma coisa com a qual não mantém nenhuma relação objetiva. Na base de toda metáfora está um processo comparativo. Observe:


“Senti a seda do seu rosto em meus dedos.” Seda, na frase acima, é uma metáfora. Por trás do uso dessa palavra para indicar uma pele extremamente agradável ao tato, há várias operações de comparação: a pele descrita é tão agradável ao tato quanto a seda; a pele descrita é uma verdadeira seda; a pele descrita pode ser chamada seda. METONÍMIA É a substituição de uma palavra por outra, quando existe uma relação lógica, uma proximidade de sentidos que permite essa troca. Ocorre metonímia quando empregamos: - O autor pela obra. Li Jô Soares dezenas de vezes. (a obra de Jô Soares) - O continente pelo conteúdo. O ginásio aplaudiu a seleção. (ginásio está substituindo os torcedores) - A parte pelo todo. Vários brasileiros vivem sem teto, ao relento. (teto substitui casa) - O efeito pela causa. Suou muito para conseguir a casa própria. (suor substitui o trabalho) O tipo mais comum de metonímia é aquele em que utilizamos A MARCA PELO PRODUTO. Veja:

Geralmente, as pessoas afirmam que “usam BOM BRIL” e não esponja de aço para lavar as panelas, “mastigam CHICLETE” ao invés de goma de mascar, e “bebem NESCAU” ao invés de chocolate em pó. Todos esses exemplos são METONÍMIA. PROSOPOPÉIA: É a figura de linguagem que consiste em atribuir linguagem, sentimentos e ações próprios dos seres humanos a seres inanimados ou irracionais. Também podemos chamála de PERSONIFICAÇÃO. Exemplos: O céu está mostrando sua face mais bela. (céu não tem face) O galo contou às quatro da manhã... (cantar é humano) O Morro dos Ventos Uivantes... ( os ventos não uivam)


Vejam outro exemplo de prosopopéia:

ANTÍTESE: É a figura de linguagem que consiste no emprego de palavras que se opõem quanto ao sentido. Exemplo: "Neste momento todos os bares estão repletos de homens vazios" (Vinicius de Moraes) Obs.: Paradoxo - idéias contraditórias num só pensamento, proposição de Rocha Lima ("dor que desatina sem doer" Camões) EUFEMISMO: É uma maneira de, por meio de palavras mais suaves, tornar mais agradável e sutil uma informação que seja desagradável e chocante. Ex: Ele enriqueceu por meios ilícitos. (roubou), Você não foi feliz nos exames. (foi reprovado) HIPÉRBOLE: É o exagero de uma ideia com finalidade expressiva. Exemplo: Ela chorou rios de lágrimas. Muitas pessoas morriam de medo da perna cabeluda. Ex: Estou morrendo de sede (com muita sede), Ela é louca pelos filhos (gosta muito dos filhos) ANÁFORA: Anáfora é a repetição da mesma palavra no começo de cada um dos membros da frase. Exemplo: Grande no pensamento, grande na ação, grande na glória, grande no infortúnio, ele morreu desconhecido e só. Podem ser várias as palavras que se repetem: “Deus te abençoe, amor, por seres bela! Deus te abençoe, amor, por seres pura! Veja mais um exemplo de anáfora:


ALITERAÇÃO: É a figura de linguagem que consiste na repetição de determinados elementos fônicos, ou seja, sons consonantais idênticos ou semelhantes. Veja um exemplo neste verso de Caetano Veloso: “Acho que a chuva ajuda a gente se ver”. Em horas inda louras, lindas Clorindas e Belindas, brandas Brincam nos tempos das Berlindas As vindas vendo das varandas.

— Fernando Pessoa

GRADAÇÃO é uma figura de estilo, onde são expostas determinadas ideias de forma crescente ou decrescente.  

Dei um passo,apressei-me,corri... você era um bom professor, logo depois se tornou um gari, e hoje não passa de um mendigo nas grandes cidades...

A gradação também se apresenta em sensações: “Como não se sabe, o terremoto,a guerra, a explosão que vai acontecer quando eu chegar com meu boletim em casa...” A gradação também pode ser apresentada assim, então fiquem atento para não deixar passar ou se confundir. Mais exemplo: "Ó não guardes, que a madura idade te converta essa flor, essa beleza, em terra, em cinzas, em pó, em sombra, em nada." (Gregório de Matos)


Figuras de Linguagem