Page 1

Carrie Jones’ Need Carry Jones is the author of “Need”, a book that I read recently and that’s a New York Times Bestseller and was also a best-seller in France. Carrie Jones lives in Bar Harbor, Maine in the US, and she loves kayaking and making strudel. In common with the main character of her story there’s the fact that she misses her step-dad. Here’s some more data on the author and her book. Hi, Carrie. Let’s start by playing a little game with the title of your book, “Need”. So… A) What do you need to feel inspired to write? Oh, gosh. I just write. I don’t wait for inspiration. Writing is my job, so I’d feel super guilty if I didn’t do it every day. B) What do you need to do or have with you when you’re writing? I am an easy-going writer. I just need something to write with and use of my fingers. C) What do you need to feel happy about the outcome of your work? I don’t think it’s possible for me to ever feel happy with anything I do, which makes me sound like I need therapy, doesn’t it? It’s just I think of writing as an art or a craft like sculpting or guitar playing and you can always get better. I just want to keep getting better at it. I think if I were ever satisfied with a book then I would lose my motivation and become complacent. Where can we find you book “Need”? I’m not sure if this is everywhere but: Portugal, Hong Kong, Brazil, France, Spain, Italy, Germany, Bulgaria, Romania, UK, Australia, Thailand and I think I’m forgetting a couple. How many volumes will this series have? Four. The 2nd volume is already published and so is the 3rd. The last

one, ENDURE, comes out in May in the UK and US. What did the readers told you about “Need”? What’s the general opinion? People have been very lovely about it. It’s terribly kind of them to take the time to email me about it. It’s also a bit humbling. Do you have any other books published? The NEED series books are: NEED, CAPTIVATE, ENTICE, ENDURE. Then there is AFTER OBSESSION, DEAR BULLY, TIPS ON HAVING A GAY (EX) BOYFRIEND, LOVE AND OTHER USES FOR DUCT TAPE, GIRL HERO, and SARAH EMMA EDMONDS WAS A GREAT PRETENDER. Are you working on something at the moment? I am! I am always, always working. I am currently work on two young adult novels. How did you get your books published? My first book was picked up off the slush pile (which is what they call unsolicited submissions) by Andrew Karre, who is a lovely, brilliant editor. He was the first person that I sent it to. I was terribly lucky. Now, I have an agent who is also lovely and brilliant, so he does all the submitting of manuscripts for me. What was the biggest mistake you did in the literary area that you never want to repeat? I think it was failing to spell check my own last name, which is HORRIFYING. The whole torrid story follows: It begins as all good things do with an email announcing the creation of Flux, an imprint of Llewellyn. Flux was accepting YA novels. Hhm? I thought to myself. I just wrote a YA novel. Sure, I hadn’t shown it to my advisor at Vermont College’s MFA in Writing Program. Sure, I hadn’t let ANYONE read it. Sure, I only just wrote it in


the last month and it was rough, rough, rough. But I sent it in. I chugged out a cover letter. I found some stamps. I mailed it. Here is what followed, taken from my blog entries. Sweet Editor Man called me within a week of me mailing the manuscript. Seriously. It was wild. The 30th, 2006 Okay. Here’s the big question of the day: Why am I so stupid? I will work on the self esteem exercises tomorrow… but today! Today! Today I am allowed to realize the full extent of my idiotness. Here’s why. I sent out some manuscript queries on Thursday. I get a phone call this morning, from a real live editor who says, “Um, is this C.C. Jones?” “Yes,” I say while pouring out cat food. He then proceeds to tell me he got my query, wants to see more of my manuscript, but his email requesting it bounced back. “Really?” I say. “That’s weird.” “Let me tell you the address,” he says. “cjonese at…” “Oh,” I say. “Oh. Oh. Oh.” “What?” he says. “There’s no e on the end of Jones.” “I didn’t think so,” he says all dead pan and serious sounding. I then apologize and berate myself for not even being able to spell my own last name! What an idiot. He gives me an email address. I send him the rest of the manuscript. Yeah, that baby’s going somewhere. Not. Although, he was kind and he did say, “It’s the manuscript I care about, not your inability to spell your own name.” What a nice man. Even when he rejects the manuscript. He’s still a darn nice guy. This means now that MY BOOK has been requested. GIRL HERO has been requested (by agent and house). And another book, which was crucified at workshop, has been requested. Will anyone actually buy anything? No…. And if they did, will they be able to

contact me? Not unless I can remember to get my email address right. Geesh. The 31st, 2006 So, despite the fact that I can’t spell, the nice editor man called me back yesterday and talked to me for 40 minutes and told me all the good stuff about my book and what he thinks could get better. It was like talking to a Vermont College of Fine Arts mentor. It was really cool. He was brilliant and really, really nice. And he’s starting the book through the acquisitions process at his imprint, which is really cool… But, I’m not getting my hopes up about it, until papers are signed. Still, he had the best insight on the piece and I am so excited about working on it. So, that’s what I’m going to do. I’m going to go work on it. He only wants another 10,000 words. Geesh. Piece of cake. Ha.

“My first book was picked up off the slush pile.” The 4th, 2006 Well, here’s a quick update on the sweet editor man. He sent me an email, which I can not quote verbatim, because it’s somehow infringing on copyright. HOWEVER, he said that he wanted to let me know what’s going on, that the piece is


heading to the acquisitions committee on Thursday and he’ll call me when they’re done. That is so sweet of him. But now I’m going to be a nervous wreck until Friday and I’m already hyper and neurotic enough as it is. I think everyone in my family will soon disown me. On a positive note, I wrote 15,000 more words on it this week and I’m really happy with it. I’ve put more setting in, which is good because I’m weak with setting. I’ve also changed the ending and added a couple of conflict scenes. Oh, and sweet editor man said he hopes I’d have a great weekend. Is he crazy? As I told Emily Wing Smith, no matter what happens I’ve made the piece better already, so I can’t complain when he dumps my butt. So, yeah… Now, back to revising my critical thesis. The 9th, 2006 Um, okay… Sweet Editor man called and he continues to be Sweet Editor Man. He talked to the acquisitions committee today and wanted to call

me about it before he battled the snowstorm and drove home. He said they were all “very enthusiastic about it.” They liked the writing, especially the details and he said even the people who don’t like YA were hooked. YIPPPEEEE!!!! So, he’s calling me in the morning to give me contract details, etc… which is great except I know absolutely nothing about contracts because I never thought I’d get offered one. Oh, the stupidity of me continues… Any message for your readers? Always spell your last name correctly? Where can people find you? http://www.carriejonesbooks.com/ https://twitter.com/#!/carriejonesboo k http://www.facebook.com/carriejones books http://www.facebook.com/pages/Carri e-Jones/59917341808 http://www.facebook.com/NeedPixies (This one is my American publisher’s site for the series)


“Need” Need”, de Carrie Jones Carry Jones é a autora de “Need”, um livro que li recentemente e que é um New York Times Bestseller e foi também best-seller em França. Carrie Jones vive em Bar Harbor, no Maine (EUA), e adora andar de caiaque e cozinhar strudels. Em comum com a personagem principal da sua história tem as saudades do padrasto. Aqui ficam mais dados sobre a autora e a sua obra. Olá, Carrie. Vamos começar por fazer um pequeno jogo com o título do seu livro, "Need" (Desejar, Necessitar ou Precisar em Português). Então... A) Do que precisa para se sentir inspirada para escrever? Oh, Céus. Eu apenas escrevo, não espero pela inspiração. Escrever é o meu trabalho, então sentir-me-ia superculpada se não o fizesse todos os dias. B) O que precisa de fazer ou de ter consigo quando está a escrever? Sou uma escritora “easy-going”. Só preciso de algo para escrever e usar os meus dedos. C) Do que precisa para se sentir feliz com o resultado do seu trabalho? Acho que nunca me sentirei feliz com o que fizer, o que soa como se eu precisasse de terapia, não é? É só que penso na escrita como uma arte ou um ofício, como esculpir ou tocar guitarra, e podemos sempre melhorar. Eu só quero continuar a melhorar. Acho que se estivesse sempre satisfeita com um livro, então perderia a motivação e tornar-me-ia complacente. Onde podemos encontrar "Need"? Não tenho certeza se está em toda a parte, mas está disponível em: Portugal, Hong Kong, Brasil, França, Espanha, Itália, Alemanha, Bulgária, Roménia, Reino Unido, Austrália,

Tailândia e acho que me estou a esquecer de uns quantos países. Quantos volumes terá esta série? Quatro. O segundo volume já está publicado, tal como o terceiro. O último, “Endure”, sai em maio no Reino Unido e EUA. O que lhe dizem os leitores a propósito de "Need"? As pessoas têm sido muito queridas. É extremamente bondoso da parte deles tirarem algum tempo para me enviar e-mails sobre isso. Traz-me um pouco de humildade. Tem outros livros publicados? Os livros da série “Need” são: “Need”, “Captivate”, “Entice” e “Endure”. Depois há “After Obsession”, “Dear Bully”, “Tips on Having a Gay (Ex)boyfriend”, “Love and Other Uses for Duct Tape”, “Girl Hero”, e “Sarah Emma Edmonds was a Great Pretender”. Está a trabalhar em algo de momento? Estou! Eu estou sempre, sempre a trabalhar. Neste momento estou a trabalhar em dois romances para adultos jovens. Como conseguiu que os seus livros fossem publicados? O meu primeiro livro foi escolhido de entre uma pilha da lama (que é o que chamam a submissões não solicitadas) por Andrew Karre, que é um editor brilhante. Ele foi a primeira pessoa para quem o mandei. Tive muita sorte. Agora, tenho um agente que também é adorável e brilhante, e ele submete todos os manuscritos por mim. Qual foi o maior erro que cometeu na área literária e que não quer repetir? Acho que foi a falta de verificação do meu próprio sobrenome, o que é horrível. Eis a história tórrida:


Começa como todas as coisas boas, com um e-mail anunciando a criação de Flux, uma marca de Llewellyn. Flux estava a aceitar romances YA. “Hum?”, pensei para mim. Tinha acabado de escrever um romance YA. Não, não o tinha mostrado ao meu orientador do programa de escrita no Vermont College MFA. Não, não tinha deixado ninguém lê-lo. Apenas o tinha escrito no mês passado e estava em bruto. Mas mandei-o. Escrevinhei uma carta de apresentação, encontrei alguns selos e enviei-o. Aqui está o que se seguiu, tirado das entradas do meu blogue.

No entanto, ele foi gentil e ele disse, "É o manuscrito que me interessa, não a sua incapacidade de soletrar o seu próprio nome." Que bom homem. Mesmo quando rejeita o manuscrito, é um tipo agradável. Isto significa agora que o meu livro foi solicitado. “Girl Hero” foi solicitado (por um agente e marca). E um outro livro, que foi crucificado no workshop, foi solicitado. Será alguém realmente capaz de comprar alguma coisa? Não... E se o fizerem, serão capazes de entrar em contato comigo? Só se eu não me esquecer de indicar o meu endereço de e-mail correto. Bolas!

«O Editor Querido ligou-me uma semana após lhe enviar o manuscrito. A sério. Uma loucura! Dia 30, 2006 Ok. Aqui está a grande questão do dia: porque sou tão estúpida? Trabalharei nos exercícios de autoestima amanhã, mas hoje… Hoje! Hoje estou autorizada a usar toda a extensão da minha parvoíce. Aqui está o porquê: enviei alguns manuscritos para consulta na quintafeira. Recebo um telefonema esta manhã, a partir de um editor de verdade, que diz: - Hum, é a C.C. Jones? - Sim - digo, enquanto despejo a comida para o gato. Ele então começa a dizer-me que tem a minha proposta, quer ver mais do meu manuscrito, mas o e-mail vem sempre devolvido. - A sério? - digo. - Isso é estranho. - Deixe-me dizer-lhe o endereço - diz ele. - Cjonese@... - Oh - eu digo. - Oh. Oh. Oh! - O quê? - pergunta ele. - Não há “e” no final de Jones. - Bem me parecia- diz ele, soando sério. Eu, então, peço desculpas e repreendo-me por nem sequer ter sido capaz de soletrar o meu próprio último nome! Que idiota. Ele dá-me um endereço de e-mail e eu envio-lhe o resto do manuscrito. Sim, aquele bebé vai chegar a algum lugar. Ou não.

“O meu primeiro livro foi escolhido de entre uma pilha de lama.” Dia 31, 2006 Então, apesar do fato de que não sei soletrar, o editor querido ligou-me ontem e falou comigo durante 40 minutos. Disse-me todas as coisas boas do meu livro e o que acha que poderia melhorar. Foi como conversar com um mentor da faculdade de Belas Artes de Vermont. Foi muito fixe. Ele era brilhante e muito, muito simpático. E ele está a começar o livro através do processo de aquisições pela sua marca, o que é porreiro... Mas não mantenho as minhas esperanças elevadas quanto a isto até os papéis


estarem assinados. Ainda assim, ele teve a melhor visão sobre a peça e estou muito entusiasmada para trabalhar nela. Então é isso que vou fazer – vou trabalhar nela. Ele só quer mais 10 mil palavras. Bolas! Facílimo. Ha. Dia 4, 2006 Bem, aqui está uma rápida atualização sobre o editor querido. Ele mandou-me um e-mail, que não posso citar textualmente, porque de certo modo infringe os direitos de autor. No entanto, ele disse que queria contar-me o que se está a passar, que a peça estará a caminho do comité de aquisições na quintafeira e ele vai-me ligar quando estiver tudo pronto. É tão querido da parte dele. Mas vou estar uma pilha de nervos até sexta-feira e eu já estou excitada e neurótica o suficiente agora. Acho que a minha família em breve renegar-me-á. Numa nota positiva, escrevi mais de 15 mil palavras esta semana e estou muito feliz com isso. Coloquei mais definição, o que é bom, porque sou fraca nisso. Também mudei o final e acrescentei um par de cenas de conflito. Oh, e o editor querido disse que espera que eu tenha uma ótima semana. Será doido? Tal como eu disse a Emily Asa Smith, não importa o que acontecer; tornei a peça melhor e por isso não posso reclamar quando ele me der um pontapé no rabiosque. Pois... Agora, de volta a rever a minha tese de crítica.

Dia 9, 2006 Hum, ok... O editor querido ligou e continua a ser o Editor Querido. Ele conversou com a comissão de aquisições hoje e queria falar-me sobre isso antes de lutar contra a tempestade de neve e conduzir rumo a casa. Ele disse que estavam todos "muito entusiasmados". Gostaram da escrita, especialmente dos detalhes, e disse que mesmo as pessoas que não gostam de YA ficaram viciadas. YIPPPEEEE!! Então, ele vai telefonar-me amanhã para me dar detalhes do contrato, etc... o que é ótimo, exceto que não sei absolutamente nada sobre contratos, porque nunca pensei que me seria oferecido um. Oh, a estupidez de me continua... Alguma mensagem para os seus leitores? Soletrem sempre corretamente o vosso sobrenome? Onde podem as pessoas encontrála? http://www.carriejonesbooks.com/ https://twitter.com/ #! carriejonesbook / http://www.facebook.com/carriejones books http://www.facebook.com/pages/Carri e-Jones/59917341808 http://www.facebook.com/NeedPixies (Este é um site da minha editora americana para a série)


Synopsis | Sinopse Zara White suspects there's a freaky guy semi-stalking her. She's also obsessed with phobias. And it's true, she hasn't exactly been herself since her stepfather died. But exiling her to shivery Maine to live with her grandmother? That seems a bit extreme. The move is supposed to help her stay sane...but Zara's pretty sure her mom just can't deal with her right now. She couldn't be more wrong. Turns out the semi-stalker is not a figment of Zara's overactive imagination. In fact, he's still following her, leaving behind an eerie trail of gold dust. There's something not right - not human - in this sleepy Maine town, and all signs point to Zara. In this creepy, compelling breakout novel, Carrie Jones delivers romance, suspense, and a creature you never thought you'd have to fear.

Zara White suspeita que há um indivíduo estranho a persegui-la. Ela é também obcecada com fobias. E é verdade que ela não tem estado bem desde a morte do padrasto. Mas exilar-se no frio Maine e ir viver com a avó? Parece algo extremo. É suposto que a mudança a ajude a manter-se sã… mas Zara tem a certeza que a sua mãe, no imediato, é incapaz de lidar com ela. Não podia estar mais enganada. O perseguidor está longe de ser um produto da sua imaginação. Ele está a persegui-la, deixando atrás de si um estranho rasto de pó. Algo não está certo - não é humano nesta sonolenta cidade do Maine, e todos os sinais apontam para Zara. Nesta assustadora e absorvente narrativa, Carrie Jones dá-nos romance, suspense e uma criatura que nunca pensámos vir a temer.


Review | Crítica Link: http://www.goodreads.com/review/sh ow/261810572

I finished reading "Need" on 8th February 2012 and I give it the maximum rating: 5 stars! It was a quick book to read - it took me pratically two days to do so! It’s captivating and awakens the reader's interest. I always wanted to know more! I confess I was a little hesitant when I learnt that the story involved pixies. After my disappointment with Aprilynne Pike’s books, I admit that I don’t see with good eyes stories involving fairies or the like. I’m glad I found "Need"; Carrie Jones restored me a little faith in such creatures. The inclusion of metamorphos was also a point in favor – that way, not everything goes around the same kind of paranormal beings. The fact that there are so many phobias listed is interesting, because it allows us to get to know a little better its dictionary. As for the romance between Nick and Zara, I found it interesting. Of course it follows the cliché of falling for each other right away, yet the moments of tension between them were exciting and made me think "but when the hell is he going to kiss her?" What I liked least is related to… now the question arises: is it a matter related to the original text or the translation? There are many short sentences followed by paragraphs; I don’t like this style... At last, in some situations I had trouble identifying who was speaking. I reread the sentences several times, but it was difficult to reach a conclusion – I just ignored and moved on.

Concluí a leitura de “Desejar” a 8 de Fevereiro de 2012 e dou-lhe a classificação máxima: 5 estrelas! Foi um livro rápido de ler – demorei praticamente dois dias a fazê-lo! É cativante e desperta o interesse do leitor. Quis sempre saber mais! Confesso que estava um pouco reticente quando soube que a narrativa envolvia pixies. Depois da desilusão que tive com os livros da Aprilynne Pike, admito que não vejo com bons olhos estórias que envolvam fadas ou afins. Ainda bem que encontrei “Desejar”; Carrie Jones restaurou-me um pouco a fé neste tipo de criaturas. A inclusão dos metamorfos também foi um ponto a favor – assim não gira tudo em do mesmo género de seres paranormais. O facto de serem enumeradas tantas fobias é interessante, pois permitenos ficar a conhecer um pouco melhor o dicionário que compõe as mesmas. Quanto ao romance entre Nick e Zara, achei-o interessante. Claro que obedece ao cliché de ficarem logo interessados um pelo outro, no entanto os momentos de tensão entre eles foram emocionantes e fizeramme pensar “mas afinal quando é que ele a beija?!” O que menos me agradou está relacionado com… aqui surge a dúvida: será uma questão relacionada com o texto original ou com a tradução? Há muitas frases curtas que se sucedem em mudanças de parágrafo; não gosto deste estilo… Por fim, em algumas situações tive dificuldade em identificar quem estava a falar. Reli as frases por várias vezes, mas foi difícil chegar a uma conclusão – acabei por ignorar e avançar.

entrevista a Carrie Jones  

interview to Carrie Jones

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you